Sistema Customizável de Votação Online

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Customizável de Votação Online"

Transcrição

1 Centro Universitário Positivo UNICENP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Danilo Alberto Santos Sistema Customizável de Votação Online Curitiba 2005

2 Centro Universitário Positivo UNICENP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Danilo Alberto Santos 2 Sistema Customizável de Votação Online Monografia apresentada à disciplina de Projeto Final, como requisito parcial a conclusão do Curso de Engenharia da Computação. Orientador: Professor Marcelo Mikosz Gonçalves. Curitiba 2005

3 SUMÁRIO 3 1. Introdução Motivação Fundamentação Teórica Teoria do Hardware Microcontrolador Microcontrolador Porta Serial Transmissão via telefonia celular Mensagens em modo PDU Teoria do Software PHP Funcionalidades do PHP MYSQL Servidor Apache Benefícios de utilizar PHP, Apache e MYSQL Especificação Técnica Aspectos Funcionais Módulos do Sistema Especificação do Hardware Funções do Hardware Interface com o Usuário Componentes Utilizados Diagrama em blocos com descrição Ambiente de desenvolvimento Especificação do Software Linguagem e ferramenta de desenvolvimento Interface com o usuário Fluxograma com descrição Estimativa de Investimento Especificação de Validação do Projeto Projeto... 28

4 4 5.1.Apresentação do projeto Descrição funcional do projeto Requisitos mínimos para o funcionamento do projeto Projeto do Software Diagrama de Classe Casos de Uso Diagramas de Seqüência Interface do Software Cadastrar Votação Resultados Parciais Habilitar Votação Resultados Parciais de cada módulo Modelo Relacional e Dicionário de Dados Projeto do Firmware Fluxograma Diagrama de Estados Resultados Resultados do Módulo via SMS Resultados do Módulo Interface direta com o Usuário Conclusão Cronograma Referencias Bibliográficas... 47

5 LISTA DE FIGURAS 5 Figura 01 Esquemático do chip microcontrolador 8051 [1] Figura 02 Esquema da ligação do cabo serial de uma ponta a outra Figura 03 - Funcionamento dos três softwares ao mesmo tempo na Internet Figura 04 - Modelo do projeto em uma visão ampla, de forma geral Figura 05 - Funcionamento geral do projeto dividido em módulos Figura 06 - Diagrama em blocos especifico do funcionamento geral do projeto Figura 07 - Fluxograma do software específico ao computador Servidor Figura 08 - Fluxograma do software específico ao computador Cliente Figura 09 Diagrama de Classe do Software Figura 10 - Diagrama de Caso de Uso do Software Figura 11 Diagrama de Seqüência do caso de uso Criar Votação Figura 12 Diagrama de Seqüência do caso de uso Visualizar Resultados Estatísticos.. 32 Figura 13 Diagrama de Seqüência do caso de uso Encerrar Votação Figura 14 Diagrama de Seqüência do caso de uso Realizar Voto Figura 15 - Diagrama de Seqüência do caso de uso Visualiza Resultado Final Figura 16 Software de Votação para administração dos votos Cadastrar Votação Figura 17 - Software de Votação para administração dos votos Resultados Parciais Figura 18 Software de Votação para administração dos votos Habilita Votação Figura 19 Software de Votação para administração dos votos Resultados Parciais de cada Módulo Figura 20 Modelo Relacional entre as tabelas do banco de dados em mysql Figura 21 Fluxograma do Firmware no Kit Figura 22 Diagrama de Transição de Estados do Firmware Figura 23 Página de Internet desenvolvida em PHP para a votação online Figura 24 Software computando um voto1 no banco de dados recebido por mensagem SMS Figura 25 Foto do módulo via Interface com o Usuário (Kit Circuito Auxiliar)... 43

6 LISTA DE SIGLAS 6 SMS Short Message Service PHP Hypertext Preprocessor A/D Analógico/Digital Kbps Kilo bits por segundo PDU Packet Data Unit (Unidade de Pacote de Dados) TTL - Transistor-Transistor Logic ASCII - American Standart Code for Interchange of Information GSM Global System for Mobile LCD - Liquid Crystal Display UNICENP Centro Universitário Positivo WEB Internet EPROM - Erasable Programmable Read-Only Memory RAM - Random-Access Memory URL - Uniform Resource Locator HTTP - HyperText Transfer Protocol IMAP Intelligent Network Application Part SNMP Simple Network Management Protocol NNTP - Network News Transfer Protocol CPU - Central Processing Unit

7 Resumo 7 Hoje em dia utiliza-se muito o sistema de votação no mercado. Não são apenas as pequenas empresas que investem nesse tipo de utilidade, mas também as de grande porte, como os programas de TV (Big Brother) e sistemas interativos de grandes lojas (Renner, Americanas). O sistema de votação trata de contabilizar os votos através de uma configuração customizada através de três módulos. Os três módulos do projeto são: votação interativa (via usuário), votação via WEB (Internet) e votação via mensagem SMS. Após a mensagem ser enviado por qualquer um dos módulos, o sistema de Banco de Dados armazena temporariamente os dados para no final contabilizar os votos. O projeto é constituído tanto de hardware quanto de software e utiliza conceitos de sistemas distribuídos, microprocessadores, teleinformática, algoritmos e sistemas digitais. Além desses módulos é possível expandir ainda mais o projeto, tudo depende do andamento do mesmo. O objetivo também é projetar um sistema simples e de baixo custo, visto que os sistemas semelhantes no mercado são mais caros e um pouco mais inviáveis. Apesar do projeto não ter um custo tão grande quanto ao de sistemas de grande porte, o objetivo é o mesmo, realizar uma votação customizada baseada em 3 módulos para quaisquer utilidades desenvolvidas pela empresa.

8 Abstract 8 Nowadays the voting system in the market is wide used. They are not only the small companies that invest in this kind of utility, but also of big ones, such as the TV programs (Big Brother) and interactive systems from big stores (Renner, Americanas). The voting system treats to enter the votes through a customized configuration among three modules. The three modules of the project are: interactive voting (through user), WEB voting (Internet) and SMS voting. After the message has been sent by anyone of the modules, the Database system stores the data temporarily, so in the end it counts the votes. The project is constituted of both software and hardware blocks, and it uses the concepts of distributed systems, microprocessors, teleinformatics, algorithms and digital systems. Beyond those modules it is still possible to expand the project even more, everything depends on the course itself. The objective is also to project a simple low cost system, thus that similar systems in the market are more expensive and a little more impracticable. Despite the project do not have high costs as robust ones, the objective is the same, to carry out a customized voting based in three modules for any utilities developed by the company.

9 1. Introdução 9 Hoje em dia, o ramo de entretenimento utiliza votações on-line para que o público interaja com a programação e, as empresas que utilizam muito o sistema de votação, para ter um feedback dos clientes. As pessoas se divertem estando cara a cara com a vida das pessoas, por exemplo, o programa de TV Big Brother. Eles realizam uma votação para eliminar uma pessoa da casa, restando apenas para as pessoas que estão assistindo, darem sua opinião votando na pessoa desejada, seja pelo telefone fixo, quanto pelo SMS ou votando na página disponibilizada pela Globo. O sistema desenvolvido terá a mesma lógica e objetivo, realizar uma votação customizável para diversas utilidades na empresas. Em uma loja, por exemplo, servirá para identificar se os clientes estão satisfeitos com o atendimento. O projeto final que será desenvolvido busca atender esse nicho de mercado que está em crescimento. Existem poucas empresas no Brasil que desenvolvem este tipo de tecnologia. O sistema de votação vem aumentando cada vez mais no mercado, faz-se necessário desenvolver uma tecnologia de baixo custo que venha resolver este problema. A principal meta a ser alcançada é criar uma solução para as empresas que, necessitam de sugestões de fora (lojas), para melhoria na qualidade de seus produtos, melhoria no atendimento, ou outros, isso na área comercial. Caso utilize o sistema como entretenimento, ele funcionará da forma que acontece no Big Brother, a pessoa em casa fará a votação via telefone celular, enviando um SMS para o sistema, ou então acessando o site disponibilizado para voto ou mesmo via interface direta com o usuário.

10 2. Motivação 10 Assistindo aos programas de televisão, temos uma visão superficial do funcionamento do sistema da empresa. Esses programas utilizam sistemas modernos, baseados em projetos de engenharia da computação. Esses projetos iniciam-se através de testes realizados entre as faculdades que acabam saindo e aparecendo no mercado, trazendo mais tecnologia e novos sistemas ao mundo real. Baseado nessa tecnologia será desenvolvido um sistema customizável de votação on-line, que tratará de contabilizar votos, de uma determinada situação criada pela própria empresa. Também estava interessado em aprender como funciona o envio de mensagens utilizando o telefone celular. Com o advento de envio de mensagens escritas através do telefone celular foi criada uma nova forma de comunicação. Outro fator importante é o conhecimento de criar enquetes via Internet. Será utilizado o PHP Editor para criar páginas dinâmicas em PHP, onde será publicada a página para a votação desejada pelo servidor. O cliente fará acesso direto à página, mas sem precisar configurar, e sim apenas votar na opção desejada. Os votos serão armazenados no banco de dados dentro do servidor, sendo úteis a qualquer hora.

11 3. Fundamentação Teórica Teoria do Hardware Microcontrolador Microcontrolador é um dispositivo utilizado para controlar e monitorar funções durante um processo. A partir do advento dos circuitos integrados TTL (Transistor- Transistor Logic), pode-se delinear três gerações no que diz respeito à implementação de controladores. O alto consumo de energia, a grande quantidade de chips envolvidos e a dificuldade em se realizar reengenharia tornaram a segunda geração atraente aos projetistas. O advento dos microprocessadores tornou versátil o projeto de circuitos destinados ao controle: é a segunda geração de controladores. Boa parte das funções, antes implementadas por hardware, passou a serem implementadas por software. A terceira geração veio para integrar em um único chip boa parte dessa estrutura. Microcontroladores integram as funções de um microprocessador, memória de dados e de instruções e ainda, dependendo da complexidade, portas seriais e paralelas bidirecionais, conversores A/D, timers, watchdog entre outros. (PEREIRA DA SILVA, 2000) Microcontrolador 8051 A partir da década de 80, a família MCS-51 da Intel obteve grande sucesso, com microcontroladores de uso geral com capacidades de memória e E/Ss diferenciados. A família MCS-51 pode incorporar memória de programa e dados internamente com a possibilidade de expansão de até 64K bytes de programa e mais 64 Kbytes de dados. Permite o acesso a portas internas de E/S, canal de comunicação serial UART full duplex, interrupções com estrutura nesting com 5 fontes mascaráveis e dois níveis de prioridade, timers/counters de 16 bits, oscilador interno, freqüência de clock típica de 12 MHz. A família MCS-51 permite facilidades de software que permitem a execução de complexas operações aritméticas e lógicas (multiplicação, divisão, permuta e deslocamento de bits, etc). Esta família trabalha com bancos de registradores nominais e também com bits

12 endereçáveis na RAM. A figura abaixo ilustra a pinagem do microcontrolador 8051: (PEREIRA DA SILVA, 2000). 12 Figura 01 Esquemático do chip microcontrolador 8051 [1]. Para a implementação do hardware foi escolhido o microcontrolador 8051 por este atender aos requisitos básicos, a porta serial, para transmitir os dados do celular ao banco de dados, confirmando o funcionamento do projeto. Outra vantagem para a sua utilização no projeto são as ferramentas necessárias que estão disponíveis no laboratório de lógica programável do curso de engenharia da computação do UNICENP. - Vantagens de utilizar o microcontrolador Popular: prontamente disponível e amplo suporte. Gamas completas de produtos de suporte estão disponíveis de graça e comercialmente.

13 13 - Rápido e eficaz: a arquitetura se correlaciona de perto com o problema sendo solucionado (sistemas de controle). Instruções especializadas significam que menos bytes precisam ser buscados e menos jumps condicionais são processados. - Baixo custo: alto nível de integração do sistema em um único componente. Poucos componentes são necessários para se criar um sistema que funcione. - Ampla gama de produtos: uma única família de microcontroladores cobre as opções que outros fornecedores só conseguem cobrir com um número razoável de diferentes e incompatíveis famílias. Desse modo, o 8051 proporciona economia real em termos de custo de ferramentas, treinamento e suporte para software Porta Serial Na transmissão serial, o envio de certo caractere (vários bits) é feita de tal forma, que cada bit de cada caractere é transmitido de forma seqüencial, um após o outro. Para que vários sistemas se comuniquem, será criado um código binário para cada caractere, de tal forma que exista compatibilidade. Atualmente usa-se o código ASCII (American Standart Code for Interchange of Information), neste código, cada caractere possui se corresponde em binário, incluindo-se aí vários caracteres de controle e sinais especiais. Figura 02 Esquema da ligação do cabo serial de uma ponta a outra.

14 3.1.3 Transmissão via telefonia celular 14 A finalidade de um sistema de telefonia celular é permitir a comunicação entre dois telefones móveis ou entre telefones móveis e fixos. Para isso, é utilizado um sistema composto pela rede de telefonia pública comutada (RTPC), que atende aos telefones fixos, e por uma rede de telefonia móvel, composta pela CCC (Central de Controle Celular) e algumas ERBs (Estações Radiobase), além dos TCs (Telefones Celulares). A CCC comunica-se com ERBs por meio de circuitos de voz e dados. De forma a utilizar uma rede de comunicação de dados já inteiramente pronta, a tecnologia adotada para o projeto é a de telefonia celular. Usando transmissão de mensagens de texto (SMS) como meio de transmissão de dados. O cálculo do custo para a transmissão via celular terá variação entre R$200,00 e R$250,00, mais o preço da aquisição de um aparelho celular compatível com o protocolo utilizado. O preço cobrado pelas companhias de telefone celulares para mensagens de texto está em média R$ 0,35. E esse valor é padrão até para as grandes empresas, pois as operadoras de telefonia não alteram a taxa cobrada, pois não interessa a quantidade, o preço já é tabelado para qualquer pessoa Mensagens em modo PDU Este é o formato PDU no qual os celulares GSM utilizam para fazer o envio de mensagens SMS. A mensagem escrita é transformada da representação de 7-bits para o formato octetos 8-bits. Cada caracter é representado por um valor em código ASCII. Este valor é representado em 7-bits, mas este valor é convertido para o formato octeto 8-bits como demonstrado abaixo. [2] Mensagem d a n i l o AscII AscII (binário) Conversão para 8bits Representaçã o em Hexadecimal E4 B0 3B CD 7E 3 Tabela 01 Conversão do modo 7 bits para 8-bits (octal)

15 3.2. Teoria do Software PHP A linguagem PHP sempre foi uma linguagem voltada a WEB. Uma linguagem de script server-side rica em funções para manipular strings, arquivos, vetores, etc. Uma linguagem flexível que possui acesso nativo a uma boa quantidade de bancos de dados. Mas uma linguagem, até então, sem perspectiva de ser usada para construção de aplicações gráficas. O PHP é uma linguagem que permite criar sites WEB dinâmicos, possibilitando uma interação com o usuário através de formulários, parâmetros da URL e links. A diferença de PHP com relação a linguagens semelhantes a Javascript é que o código PHP é executado no servidor, sendo enviado para o cliente apenas html puro. Desta maneira é possível interagir com bancos de dados e aplicações existentes no servidor, com a vantagem de não expor o código fonte para o cliente. Isso pode ser útil quando o programa está lidando com senhas ou qualquer tipo de informação confidencial. O que diferencia PHP de um script CGI escrito em C ou Perl é que o código PHP fica embutido no próprio HTML, enquanto no outro caso é necessário que o script CGI gere todo o código HTML, ou leia de um outro arquivo. (http://www.base64.com.br/article.php?recid=213) Funcionalidades do PHP Basicamente, qualquer coisa que pode ser feita por algum programa CGI pode ser feita também com PHP, como coletar dados de um formulário, gerar páginas dinamicamente ou enviar e receber cookies. O PHP também tem como uma das características mais importantes o suporte a um grande número de bancos de dados, como dbase, Interbase, msql, mysql, Oracle, Sybase, PostgreSQL e vários outros. Construir uma página baseada em um banco de dados torna-se uma tarefa extremamente simples com PHP. No projeto, o php será utilizado para acesso ao banco de dados pelo MYSQL, recebendo os votos através de uma enquete gerado pelo servidor.

16 16 Além disso, PHP tem suporte a outros serviços através de protocolos como IMAP, SNMP, NNTP, POP3 e, logicamente, HTTP. Ainda é possível abrir sockets e interagir com outros protocolos MYSQL MYSQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que utiliza a linguagem padrão SQL e é largamente utilizado em aplicações internet. O interessante de utilizar o MYSQL, é a sintaxe ser sem simples além ter uma baixa demanda de recursos de hardware, ou seja, não requer muita máquina para utilização do mesmo. A simplicidade na administração do banco de dados ajuda também na velocidade da abertura da página, pois é utilizado mais para aplicações onde se precisa utilizar mais consultas do que atualizações. È recomendado também, pois seu protocolo de rede é mais enxuto e de simples utilização Servidor Apache É o servidor WEB mais utilizado no mundo em qualquer tipo de plataforma que teve sua origem de um projeto desenvolvido pela NCSA (National Center for Supercomputing Applications) da Universidade de Illinois em Entretanto, a NCSA não desenvolveu muito o projeto, o que levou alguns desenvolvedores insatisfeitos com isso a se juntarem e começarem a desenvolver uma série de inovações em cima do código original do Web Server da NCSA. Disso surgiu o Apache (derivado de Apatchy, um trocadilho devido a enorme quantidade de paches criados pela equipe). Então, em dezembro do mesmo ano, o Apache 1.0 foi lançado e, em 1996, já tinha se tornado o servidor Web mais popular do mundo. (http://visviva.com.br/internet/) Abaixo temos algumas características técnicas do servidor APACHE: -Suporte a HTTP 1.1 para criação de virtual hosts baseados em DNS (vários web sites em uma só máquina); - Suporte a Secured Socket Layer (SSL) para transações seguras;

17 - Suporte a CGI s, Perl e PHP (páginas dinâmicas); - Suporte a autenticação baseada em HTTP; - Logs customizáveis; - Configuração rápida e simples. 17 Aliada a sua extrema qualidade e robustez, o Apache tem uma vantagem que o torna muito atraente: é gratuito. Por ser um software livre, seu código fonte também é livre e pode ser instalado em vários servidores diferentes Benefícios de utilizar PHP, Apache e MYSQL - Fornecem tudo o que você necessita para construir aplicações e sites Web sofisticados, e de maneira mais simples do que alternativas. - Não trazem elevados custos de licença de run-time, por CPU ou por usuário. - Fornecem produtividade, performance, escalabilidade, segurança e confiabilidade. - São softwares livres, trazendo uma minimização dos custos. Figura 03 - Funcionamento dos três softwares ao mesmo tempo na Internet.

18 4. Especificação Técnica 18 Na especificação técnica é apresentada uma visão geral do sistema customizável de votação on-line e uma prévia descrição de cada módulo do qual o projeto é composto. A figura 04 nos mostra um esquema do projeto como um todo, pois é dividido em três módulos, gerando, ao final da votação, o total de votos realizados durante o período em aberto. Um dos módulos será composto de: um celular que receberá os dados dos celulares dos votadores, enviando para o microcontrolador os votos sendo assim enviado automaticamente para o banco de dados. Outro módulo abrange somente servidor e clientes. O cliente (votante) poderá somente escolher entre os votos cadastrados e liberados pelo servidor (Administrador dos votos), isto é, ele fará acesso à página criada em PHP, por um navegador (ex: Internet Explorer), para acesso da votação. Logo após a votação ser realizada, o voto é enviado para o banco de dados. O último módulo é simples, pois o usuário estará votando através do hardware diretamente, ou seja, o votante terá acesso aos dois votos liberados na interface (botão 1 ou 2) e a visualização via LCD no kit do microcontrolador, logo após a votação também será enviado os votos para o banco de dados. Figura 04 - Modelo do projeto em uma visão ampla, de forma geral.

19 4.1 Aspectos Funcionais 19 O sistema de votação trata de contabilizar os votos através de uma configuração customizada utilizando três módulos subdivididos em: via WEB, via SMS e diretamente com o usuário. Após a mensagem ser enviada por qualquer um dos módulos, o sistema de Banco de Dados armazena temporariamente os dados para no final contabilizar os votos. O projeto será desenvolvido de forma genérica para que possa ser utilizado para a apuração de votações genéricas de quase todos os tipos, sendo muito útil para pequenas e grandes empresas. O software será responsável de realizar o acesso ao banco de dados instalado no servidor. Além disso, ele terá de receber os dados da votação via serial da memória do kit do microcontrolador 8051, ou seja, as pessoas que realizarem os votos via SMS e via interface direta com o hardware (apenas apertar um dos dois botões), automaticamente após realizarem o voto desejado, o sistema enviará os votos para o microcontrolador para depois enviar ao programa, que assim será enviado para o banco de dados. Um dos problemas que não é possível garantia é a velocidade em que será enviada a mensagem SMS ao módulo SMS do projeto, porque as mensagens enviadas ao computador, não depende diretamente do sistema e sim da operadora do telefone acoplado ao projeto. 4.2 Módulos do Sistema O Sistema divide-se diretamente em três módulos (figura 05). O sistema via WEB ficará dividido em parte servidor que armazenará a página criada em PHP com os dados armazenados no banco de dados MYSQL, e parte cliente na qual a pessoa de qualquer lugar e qualquer computador poderá votar e participar da votação utilizando um navegador de Internet. Lembrando que a pessoa deverá ter um computador com acesso a Internet, seja conexão discada ou cabo, e também um navegador padrão instalado no computador para acesso a página da votação armazenada na Internet. No cliente não é preciso ter o APACHE instalado para acesso, será necessário somente no computador servidor. O sistema liberará a votação para os três módulos depois, do responsável pela criação dos votos (Servidor), terminar a configuração do mesmo.

20 20 O sistema via Interface direta com usuário utilizará um KIT do microcontrolador Esse kit terá uma memória EPROM para armazenará o programa em C ANSI que terá a função de comunicar os dados que saem dos botões do kit (Voto 1 ou Voto 2) através da serial chegam ao computador que assim armazenará no software em C++ que enviara para o banco de dados (MYSQL) imediatamente. Através do LCD é possível a visualização das opções e da confirmação de voto. Da mesma forma que o sistema direto com o usuário, utilizou a porta serial para envio dos dados para o computador servidor, o sistema via mensagem SMS terá a mesma forma de envio, mas trabalhará da seguinte forma: a pessoa que deseja votar deverá ter em mãos o seu celular sabendo o número liberado para a votação. Ela escolhe entre o voto1 ou voto2 e fará a votação digitando a palavra voto1 ou voto2 numa mensagem de texto e logo envia para o telefone celular acoplado (numero liberado para votação) ao computador servidor. Assim que enviada a mensagem, o celular que está integrado ao computador via serial, será enviado ao banco de dados da mesma forma que o módulo 3. Figura 05 - Funcionamento geral do projeto dividido em módulos.

21 4.3 Especificação do Hardware Funções do Hardware O hardware do projeto será basicamente o kit do microcontrolador 8051 completo, composto por uma memória EPROM (27C256) (para armazenar o programa em Assembly), uma memória RAM (62256) (armazenar dados temporariamente) e o próprio microcontrolador que fará o processamento dos votos da interface externa para o usuário realizar a votação direta com o hardware, votando pelo teclado e visualizando via LCD sua votação Interface com o Usuário A interface com o usuário é realizada através do hardware elaborado para comunicação com o computador servidor. A pessoa que utilizar a votação direta com o hardware, realizará a votação diretamente do sistema, sendo possível a escolha entre o voto1 ou voto Componentes Utilizados - Microcontrolador 8051; - Memória EPROM (27C256); - Memória RAM (62256); - Latchs (74LS373); - Potenciômetro 10K; - Resistor 100Ohms e 10K; - Display LCD; - Capacitores, Cristal. - Push-Bottons. - Patola

22 4.3.4.Diagrama em blocos com descrição 22 Figura 06 - Diagrama em blocos específico do funcionamento geral do projeto. Nesse diagrama temos o projeto dividido nos três módulos, mas explicando em pequenos blocos para detalhar um pouco mais o sistema. Na primeira coluna temos o funcionamento do sistema via WEB, no qual já foi explicado anteriormente, que o usuário fará a votação online, via um navegador de Internet. Na segunda coluna temos o funcionamento do sistema via SMS, um sistema mais complexo que trabalhará utilizando um celular ligado ao computador servidor via cabo de dados serial. A terceira coluna mostra o mesmo 8051 com LCD ligado a 2 botões que a pessoa fará a votação no próprio local.

23 4.3.5.Ambiente de desenvolvimento 23 O ambiente de desenvolvimento para a programação da EPROM do microcontrolador 8051, é o software Keil Vision, que é possível se trabalhar com a linguagem C ANSI. No Keil Vision será feita a implementação do programa que estará na EPROM (firmware). A emulação do kit do 8051 será feito na EXROM, para teste do funcionamento da serial, onde fará a transferência dos votos para o banco de dados instalado no Servidor. O LP10 terá o objetivo de gravar o firmware, implementado no Keil Vision, na memória EPROM. 4.4 Especificação do Software Linguagem e ferramenta de desenvolvimento A linguagem escolhida para o desenvolvimento do software é a linguagem C++, utilizando o software Borland C++ Builder 6 como ambiente de programação e também utilizando para armazenamento dos votos o banco de dados MYSQL, interligado com o servidor APACHE e o PHP Editor para desenvolvimento da página em PHP Interface com o usuário A interface com o usuário através do software será somente através da WEB (Internet). A pessoa que deseja votar acessará um endereço na WEB para realizar a votação. O Cliente nunca terá acesso ao código e nem à configuração da votação, somente a página pronta para a votação.

24 4.4.3.Fluxograma com descrição 24 No fluxograma baixo (figura 07) temos a explicação de como funcionará o projeto no Servidor, onde somente o Administrador do sistema fará a criação da votação. Primeiro ele insere o titulo e objetivo da votação, depois o primeiro voto com seus comentários necessários e depois o segundo com seus comentários necessários. Caso queria colocar foto ele colocará depois na própria pagina em PHP. Figura 07 - Fluxograma do software específico ao computador Servidor.

25 25 Na figura 08 abaixo, temos o fluxograma do sistema no qual o usuário ou qualquer outra pessoa através de um browser (navegador), terá acesso para a votação iniciada pelo Administrador no Servidor. Figura 08 - Fluxograma do software específico ao computador Cliente. O fluxograma acima nos mostra em detalhes o funcionamento de como o sistema WEB funcionará. O usuário iniciará a votação abrindo a página de internet habilitada para a votação. Na página mostrará as 2 opções de votos com seus comentários e objetivo da votação. A pessoa fará a sua escolha entre um dos dois votos e assim que ela confirmar seu voto o voto é enviado para o software que em seguida envia para o banco de dados.

26 4.5 Estimativa de Investimento 26 Levando em conta os componentes necessários para o projeto e as horas de trabalho utilizadas, mostra-se na tabela abaixo a estimativa de investimento/custo deste projeto para a produção de uma unidade do sistema. Não estão sendo considerados os custos de utilização dos equipamentos como osciloscópio, fonte e outros, e softwares como o Borland C++ Builder 6 e PHP Editor (livre) e outros que estão sendo disponibilizados no laboratório, pois caso necessitasse a compra desses produtos, encareceria muito o custo do projeto tornando-se inviável a realização do mesmo. Por enquanto não serão incluídos os custos de resistores, mas quando estiver definido estará incluído na lista. Recurso Quantidade Custo Unitário (R$) Custo (R$) Microcontrolador ,00 25,00 Memória EPROM (27C256) 1 10,00 10,00 Memória RAM (62256) 1 10,00 20,00 Gastos com Transmissão 1 250,00 250,00 Microsoft Windows XP 1 500,00 500,00 Microsoft Office XP 1 550,00 550,00 Display LCD 1 35,00 35,00 Telefone Celular Siemens 1 398,00 398,00 MC-60 Cabo Serial Siemens 1 150,00 150,00 Componentes/Placas/Conec n 200,00 200,00 tores Keil Vision , ,00 Software de programação 1 0,00 0,00 em PHP (PHP Editor) Banco de dados (MYSQL) 1 0,00 0,00 Servidor Apache 1 0,00 0,00 Horas de Trabalho 400 7, ,00 TOTAL 3135, ,00 Tabela 02 Custos Estimados para realização do Projeto

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião

PHP AULA1. Prof. Msc. Hélio Esperidião PHP AULA1 Prof. Msc. Hélio Esperidião NAVEGADOR O navegador também conhecido como web browseré um programa que habilita seus usuários a interagirem com documentos hospedados em um servidor Web. SERVIDOR

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46 9 Sumário O Autor... 8 Introdução... 15 Quem deve ler este livro... 15 Como este livro está organizado...16 Download do código-fonte do livro... 18 Capítulo 1 Revisão de PHP... 19 Iniciando em PHP... 19

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade II Estudar, em detalhes, as camadas: Aplicação Apresentação Sessão Redes

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 4. i. Introdução ii. O Trabalho de um Processador iii. Barramentos iv. Clock Interno e Externo v. Bits do Processador

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012

SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE SERVIDOR WEB - APACHE 27/02/2012 O servidor Apache é o mais bem sucedido servidor web livre. Foi criado em 1995 por Rob McCool, então funcionário do NCSA (National Center for Supercomputing Applications). Em maio de 2010, o Apache serviu

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Pág. 1/8 CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÃO SMS Pág. 2/8 Equipe Responsável Elaboração Assinatura Data Divisão de Padrões de Tecnologia DIPT Aprovação Assinatura Data Departamento de Arquitetura Técnica DEAT Pág.

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 01 TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 02 Plataforma O TOPLAB foi projetado para funcionar na web, nasceu 'respirando

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática.

MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA. São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Tecnologias da Informação e Comunicação MINI DICIONÁRIO TÉCNICO DE INFORMÁTICA São apresentados aqui alguns conceitos básicos relativos à Informática. Informática: Tratamento da informação por meios automáticos.

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ - PUCPR CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA - CCET ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DRUM MACHINE CURITIBA 2011 2 ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda.

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. 4a Edição Novatec Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Backup dos Bancos de Dados Interbase

Backup dos Bancos de Dados Interbase Backup dos Bancos de Dados Interbase Interbase... O que é? InterBase é um gerenciador de Banco de dados relacionais da Borland. O Interbase é uma opção alternativa aos bancos de dados tradicionais como

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Apresentação...2 Ligando o terminal...3 Configurações iniciais...3 Configuração de IP...3 Teclas especiais...4 Cabo de rede...4 Leitor externo...4

Leia mais

Sumário. 1. Instalação GVcollege... 4. 1.1. GVsetup... 4. 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6. 1.2. Configurações... 10

Sumário. 1. Instalação GVcollege... 4. 1.1. GVsetup... 4. 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6. 1.2. Configurações... 10 Sumário 1. Instalação GVcollege... 4 1.1. GVsetup... 4 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6 1.2. Configurações... 10 1.2.1. APS Licence Service... 11 1.2.2. APS Licence File... 11 1.2.3. DBXconfig...

Leia mais

U E S C. Introdução à Ciência da Computação

U E S C. Introdução à Ciência da Computação U E S C Introdução à Ciência da Computação Roteiro Unidades componentes de hardware CPU UC; ULA; Cache; Registradores. Introdução Informática é a ciência que desenvolve e utiliza a máquina para tratamento,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local.

Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Sistema de gerenciamento, controle e auditoria de computadores e usuários em uma rede local. Thiago Magalhães B. Rodrigues¹, Wanderson Carvalho Bragança¹, Ronivaldo Veloso Pugas¹ ¹Curso de Bacharelado

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

Projeto Final SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À AMBIENTES COM ACIONAMENTO DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA

Projeto Final SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À AMBIENTES COM ACIONAMENTO DE VIGILÂNCIA ELETRÔNICA UNICENP - Centro Universitário Positivo Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia da Computação Projeto Final SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO À AMBIENTES COM ACIONAMENTO DE VIGILÂNCIA

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

Objetivo. Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado).

Objetivo. Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado). Sitef - Instalação Objetivo Este documento tem como objetivo demonstrar o conceito, o processo de instalação e o funcionamento do SITEF (Tef dedicado). O que é Sitef? O SiTef (ou tef dedicado) é um conjunto

Leia mais