FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria nº 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE FINAL DE CURSO BIBLIOTECA ONLINE Projeto Funcional MARCIO DE OLIVEIRA 2004

2 ii MARCIO DE OLIVEIRA BIBLIOTECA ONLINE Projeto Funcional Trabalho de Fim de Curso apresentado a UNIMINAS, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Ms. Silvio Bacalá Júnior Uberlândia 2004

3 iii MARCIO DE OLIVEIRA BIBLIOTECA ONLINE Projeto Funcional Trabalho de Fim de Curso apresentado a UNIMINAS, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Banca Examinadora: Uberlândia, 10 de dezembro de 2004 Prof. MSc. Silvio Bacalá Junior Profª. DSc. Kátia Lopes Silva Prof. Márcio dos Reis Caetano

4 iv AGRADECIMENTOS Agradeço à minha querida esposa Elizene dos Reis Oliveira e minha pequena filha Mariana Reis OLiveira que ao longo destes 4 anos, abriu mão de uma grande parcela de nosso convívio familiar para que na faculdade eu pudesse me preparar para enfrentar uma nova realidade profissional vivida por mim. Agradeço aos meus pais e irmãos pelo incentivo, paciência e colaboração, aos funcionários e professores da Uniminas pelo apoio, especialmente agradeço ao meu orientador Prof. Msc. Silvio Bacalá Júnior que com muita dedicação contribuiu em minha formação pessoal e profissional, e aos colegas de curso pela amizade e companheirismo de sempre.

5 v RESUMO Este trabalho tem como principal objetivo fazer um estudo sobre o desenvolvimento de um Web site. É um projeto audacioso que apenas está no começo, e ao seu final irá contribuir facilitando a vida de alunos e professores. Estudos mostram que tornar a Biblioteca acessível via Web é um sonho realizável que dará muito trabalho mas que vai trazer um diferencial a Uniminas depois de sua conclusão. Certamente, após alguns aspectos pode-se pensar além deste projeto e objeto de futuras monografias, o desenvolvimento de um programa para o controle total da biblioteca, uma necessidade identificada junto à coordenadora da Biblioteca. Palavras chave: Trabalho, Objetivo, Desenvolvimento, Web site, Diferencial, Programa, Controle total.

6 vi ABSTRACT This project has as main objective to do a study on development of a web site. It is an audacious project that is just in the beginning, and at its end, it will contribute facilitating the students' and teachers life. Studies show that to turn the Library accessible by Web it is a realizable dream that will give a lot of work but that will bring differential to Uniminas after its conclusion. Certainly, after some aspects it can be thought besides this project and object of future monographs, the development of a program for the total control of the library, an identified necessity to of the Library s coordinator. Keywords: Project, Objective, Development, Web site, Differential, Program, Total control.

7 vii Sumário p. RESUMO... v ABSTRACT... vi LISTA DE FIGURAS... x LISTA DE ABREVIATURAS... xi CAPITULO 1 Introdução... 1 CAPITULO 2 História O computador A Internet A Biblioteca Informatizada... 6 CAPITULO 3 Conceitos e Definições O Projeto Tecnologias para o desenvolvimento de aplicações web HTML CGI ISAPI e NSAPI ASP PHP JAVA APPLETs e SERVLETs CAPITULO 4 A Biblioteca Uniminas Funcionalidades CAPITULO 5 O projeto Online Diagramas de casos de uso Atores Casos de uso Requisitos funcionais do projeto Nome: Consultar Livro Nome: Consultar Fitas de vídeo Nome: Consultar CD Nome: Consultar Folhetos Nome: Consultar Artigos Nome: Consultar Periódicos... 25

8 viii Nome: Consultar Dissertação Nome: Consultar Teses e Monografias Nome: Efetuar Empréstimo Nome: Reservar Acervo Nome: Validar Usuário Nome: Devolver Empréstimo Nome: Renovar Empréstimo Nome: Atualizar usuário Nome: Atualizar Acervo Nome: Incluir Acervo Nome: Cadastrar Usuário Nome: Cadastrar Funcionário Nome: Gerar Multas Nome: Gerar Notificação Nome: Bloquear Usuário Diagramas de Interação Diagramas de Seqüência Diagramas de Colaboração Diagramas de Seqüência versus Diagramas de Colaboração Nome: Consultar Livro Nome: Consultar Fitas de vídeo Nome: Consultar CD Nome: Consultar Folhetos Nome: Consultar Artigos Nome: Consultar Periódicos Nome: Consultar Dissertação Nome: Consultar Teses e Monografias Nome: Efetuar Empréstimo Nome: Reservar Acervo Nome: Validar Usuário Nome: Validar Usuário Nome: Devolver Empréstimo Nome: Renovar Empréstimo Nome: Atualizar Usuário... 45

9 ix Nome: Atualizar Acervo Nome: Incluir Acervo Nome: Cadastrar Usuário Nome: Gerar Multas Nome: Gerar Notificação Nome: Bloquear Usuário CAPITULO 6 Conclusão REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 53

10 x LISTA DE FIGURAS p. FIGURA 1 - TELA DA PÁGINA DA UNIMINAS... 6 FIGURA 2 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA PARA O CASO DE USO VALIDAR USUÁRIO FIGURA 3 - DIAGRAMA DE ATIVIDADE PARA O CASO DE USO CADASTRAR LIVRO NOVO FIGURA 4 - DIAGRAMA DE CASOS DE USO DO SISTEMA BIBLIOTECA FIGURA 5 DIAGRAMA DE CASO DE USO PARA O PACOTE CONSULTAR ACERVO FIGURA 6 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR LIVRO FIGURA 7 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR FITAS DE VÍDEO FIGURA 8 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR CD FIGURA 9 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR FOLHETOS FIGURA 10 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR ARTIGOS FIGURA 11 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR PERIÓDICOS FIGURA 12 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR DISSERTAÇÃO FIGURA 13 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA CONSULTAR TESES E MONOGRAFIAS FIGURA 14 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA EFETUAR EMPRÉSTIMO FIGURA 15 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO RESERVAR ACERVO FIGURA 16 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA VALIDAR USUÁRIO FIGURA 17 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO VALIDAR USUÁRIO FIGURA 18 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA DEVOLVER EMPRÉSTIMO FIGURA 19 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA RENOVAR EMPRÉSTIMO FIGURA 20 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA ATUALIZAR USUÁRIO FIGURA 21 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO ATUALIZAR ACERVO FIGURA 22 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA INCLUIR ACERVO FIGURA 23 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO CADASTRAR USUÁRIO FIGURA 24 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO GERAR MULTAS FIGURA 25 - DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA GERAR NOTIFICAÇÃO FIGURA 26 - DIAGRAMA DE COLABORAÇÃO BLOQUEAR USUÁRIO... 48

11 xi LISTA DE ABREVIATURAS ASP Active Server Pages CDU Classificação Decimal Universal CGI Common Gateway Interface COMUT Programa de Comutação Bibliográfica do IBICT FGV Fundação Getúlio Vargas FPU Faculdade Politécnica de Uberlândia S/C LTDA HTML Hyper Text Markup Language HTTP Hyper Text Transfer Protocol IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia IE6 Internet Explore 6 IP Internet Protocol MEC Ministério da Educação e Cultura PC Personal Computer / Computador pessoal TCP Transmission Control Protocol UFU Universidade Federal de Uberlândia UML Unified Modeling Language UNIMINAS União Educacional Minas Gerais S/C LTDA UNITRI Sociedade de Ensino do Triangulo S/C LTDA WWW World Wide Web

12 CAPITULO 1 Introdução Foram três anos de estudos e sempre usando a biblioteca Uniminas, nos intervalos, antes das aulas ou mesmo aos sábados, convivendo com filas, demora e mais demora, livros emprestados e já com uma lista de espera, muitas vezes saindo da biblioteca de mãos vazias. Em uma noite assim, sem sucesso de conseguir o livro, depois de esperar em uma fila porque este se encontrava na lista de espera, surgiu a idéia de tornar a biblioteca desta instituição online, ou seja, levar a biblioteca para casa não só dos alunos e professores da Uniminas, mas de toda a comunidade. A biblioteca tendo um processo mais ágil de empréstimo, consulta e reserva de livros, periódicos e revistas, minimizando as filas e possibilitando ao aluno maior disponibilidade de tempo. Por meio deste recurso, poderá ser feita a pesquisa de quais livros a biblioteca dispõe, quais estão emprestados e quais estão na lista de espera, disponibilizando-se para reserva os livros disponíveis, bastando, para isso apenas a Matricula e Senha, cabendo ao aluno confirmar pessoalmente o empréstimo. Assim, a Uniminas ficará no mesmo nível de outras faculdades de Uberlândia, como UFU, UNITRI, FPU, que já disponibilizam este serviço à comunidade há algum tempo, ainda que no inicio e com algumas limitações. Neste estudo serão abordadas várias etapas no desenvolvimento de um sistema Web, desde o levantamento dos requisitos, passando pela análise e projeto, incluindo casos de uso, documentação de módulos e arquivos, diagramas, interfaces e diretrizes para a implementação. Este projeto está dividido em três partes: projeto gráfico, projeto de banco de dados e o projeto funcional que vai ser o foco desta pesquisa, em que será abordada a dificuldade em se trabalhar com as linguagens existentes e as soluções oferecidas pelo mercado, um breve histórico e os requisitos necessários para sua implementação, possibilitando que seja feita uma avaliação e com isso serem apresentadas melhorias. Esta pesquisa contém praticamente todas as informações relacionadas à matéria, divididas em quatro capítulos interligados. Seu principal intuito é primeiro desenvolver e colocar em prática o que foi aprendido, aprofundando um pouco mais no assunto; em segundo lugar é sanar um problema de filas e demora no atendimento ao aluno e colocar a biblioteca Uniminas acessível à comunidade pela Internet.

13 2 O trabalho está dividido da seguinte forma: O capitulo 2 traz um pouco de história, dando uma noção de como a evolução tecnológica está acelerada, os computadores, de máquina grande a dimensões cada vez menores, a Internet de um uso exclusivo militar à popularidade mundial e as bibliotecas de bem organizadas a sua informatização e acessibilidade via Internet. No capitulo 3 é realizado um estudo dirigido ao embasamento teórico em que serão apresentados conceitos e definições sobre linguagem, códigos e as ferramentas utilizadas na criação de uma página, como também o aprimoramento de uma já existente, que é o caso da Uniminas. A seguir no capitulo 4, é feita a apresentação da biblioteca Uniminas englobando os processos utilizados na consulta e empréstimo de livros e o sistema utilizado para este serviço. São relatados os requisitos funcionais da biblioteca da Uniminas, coletados a partir de entrevistas com a bibliotecária, funcionárias e com o responsável pelo programa hoje implantado na Faculdade. O projeto vem propor também, algumas sugestões, em busca de aprimoramento e maior qualidade nos serviços prestados pela biblioteca apontando caminhos para sua viabilização. O capitulo 5, tem o objetivo de fazer a demonstração dessas definições e inovações propostas, apresentando os passos, documentos, interfaces e códigos, bem como fundamentação e diretrizes para o desenvolvimento do projeto. A abordagem dos resultados obtidos bem como os objetivos alcançados e as necessidades identificadas a partir destes, dificuldades encontradas e o aprendizado utilizando-se da prática do que foi aprendido ao longo de quatro anos será tema do capitulo 6.

14 3 CAPITULO 2 História A globalização da economia e o avanço tecnológico têm surpreendido muitas empresas, instituições e indivíduos. A resposta da sociedade às mudanças tem sofrido as influências desta surpresa. Tanto governo quanto o setor privado têm sido levados a tomar medidas rápidas a fim de se adequarem aos novos padrões sociais e econômicos. Agravou-se uma tensão entre vários parâmetros que, se não eram estáveis, não se pressupunha serem tão elásticos. Qualidade, redução de tempo e custos têm sido levados a extremos pelas mãos da tecnologia e a dicotomia expressa no ditado popular a pressa é inimiga da perfeição corre o risco de desaparecer. O cliente foi elevado ao topo da pirâmide de valores das empresas e do mercado e passa a exigir cada vez mais rapidez, qualidade e menores preços. Quem não estiver apto a oferecê-los em conjunto pode perder a corrida da sobrevivência. Essa surpresa, em parte tem seu fundamento. O aumento da velocidade da informação e as transformações sociais advindas não deixam dúvidas de que estamos já algum tempo no que tem sido comentado como a sociedade do conhecimento. A informação passa a ser a principal mercadoria deste inicio de século enquanto proliferam os meios de armazená-la e transmiti-la. O microcomputador transforma-se em eletrodoméstico e os satélites disseminam informações por todo o planeta. Todos assistimos um pouco perplexos à queda dos preços do hardware. Em contraposição, os custos com o desenvolvimento de aplicativos, os softwares, têm se mantido ou mesmo aumentado, gerando uma situação antagônica. As pressões dos clientes e o aumento da competitividade têm colocado muitas empresas em dificuldades. A solução não é mais apenas técnica. É também, e, principalmente, estratégica. O homem utilizou-se de diversos meios até hoje para armazenar e transmitir informações. Dos desenhos nas paredes das cavernas até os computadores, a informação adquiriu várias e diferentes dimensões. Este conceito é importante para nos desassociarmos da informação como palavra escrita e estarmos abertos para outras formas de comunicação existentes ou a serem criadas. É claro que a informação em sua dimensão gráfica desempenhou um papel importante na história humana, mas serviços como o www (World wide web) da Internet mostra que antigas formas de comunicação e tratamento da informação estão sendo resgatadas

15 4 sob nova ótica. A vantagem sobre a televisão é a rapidez na recuperação da informação como resultado da organização sistemática dos dados. 2.1 O computador Até fins da década de setenta os computadores estavam associados à idéia de máquinas grandes, de custo elevado e inacessível às pessoas comuns. E realmente eram. Embora indivíduos de maior poder aquisitivo pudessem adquiri-los, ninguém se dispunha a ocupar um enorme espaço físico (aproximadamente 100 m², fora os custos com piso falso para as fiações e com refrigeração), com uma máquina que pouco tinha a oferecer a nível doméstico. Apenas em empresas e instituições existiam os chamados mainframes ou computadores de grande porte. Em torno deles reunia-se um quadro de profissionais elitizado que contribuía para mantê-lo afastado do cidadão comum. Seus produtores eram poucos e grandes, mais preocupados em expandir seus mercados do que em desenvolver novas tecnologias. Os avanços tecnológicos levaram à criação dos circuitos integrados, mais conhecidos como chips, e através de um processo continuo de evolução, permitiram a criação de computadores cada vez menores e com poder de processamento elevado. O produto mais conhecido gerado por esta tecnologia é o microcomputador, também chamado de PC Personal Computer/ (Computador Pessoal). Atualmente, as empresas fabricantes dos microprocessadores investem muito em pesquisas e novas tecnologias vêm surgindo com muito mais potência e preços mais competitivos e acessíveis. Estes investimentos têm reflexos imediatos em nossas vidas. Se nas novelas ele já garantiu seu papel como ator, em nosso cotidiano ele toma ares de protagonista: jornais anunciam vendas diariamente, conversamos com eles ao telefone, nos quiosques bancários, nos shoppings, os nossos filhos já utilizam este recurso nas escolas e, não raras vezes já se tornaram membros da família, aliados no trabalho e no lazer. A despeito dessas tendências humanóides, os computadores continuam a ser construídos em bases metálicas e plásticas. A chamada tecnologia plug-and-play, onde tudo o que você deveria saber era ligar o micro na tomada, ainda não é uma realidade.

16 A Internet A Internet é uma rede, com mais de 30 anos de idade, que começou com os Estados Unidos vivendo uma real ameaça de ataque nuclear depois da instalação de mísseis russos em Cuba. A utilização de uma rede que interligava as bases militares foi à estratégia militar para proteger a comunicação em caso de ataque. Ela ligava máquinas diferentes entre si através de linhas redundantes de maneira que, mesmo que uma ou várias bases fossem reduzidas a pó, as outras estações ainda conseguiriam se comunicar entre si. Assim, Fidel Castro foi uma das pessoas que teve papel decisivo na criação da rede que interligou vários computadores em algumas universidades e centros de pesquisa envolvidos com projetos militares. Seus primeiros usuários foram os cientistas que usavam a rede para trocar mensagens de correio eletrônico e ligar-se remotamente a computadores distantes, tornando-se tão útil que as universidades envolvidas começaram a ligar seus departamentos, mesmo os que não tinham nada a ver com o projeto. Na década de 80, uma rede nacional de pesquisa dos Estados Unidos conectando os cinco grandes centros regionais de supercomputação passou a ser chamada de Internet e em pouco tempo já interligava os maiores centros de pesquisa do mundo. Em 1992 a Internet teve seu crescimento acelerado por razão da criação da World Wide Web que veio para finalmente organizar um pouco as informações. O maior problema na época que era a desorganização generalizada da rede. Hoje, devido a seu papel importante, a web é confundida com a própria Internet, da qual faz parte. Dessa forma, possui uma força única na historia das telecomunicações sendo capaz de servir de porta de entrada, não só a todos os serviços da Internet, mas também invadir a praia dos tradicionais serviços de voz (telefone), televisão, rádio e mídias impressas, sem falar do impacto que está tendo nos hábitos da sociedade, mudando as regras do comércio e das relações humanas. Assim, podemos definir a World Wide Web como sendo o nome do serviço mais popular da Internet, que por sua vez é o nome dado ao conjunto de computadores, provedores de acesso, satélites, cabos e serviços que formam uma rede mundial baseada em uma coleção de protocolos de comunicação conhecidos como TCP / IP. Com o advento da www (web) surgiu à necessidade de utilizar técnicas para desenvolver páginas com o intuito de organizar e dar uma melhor apresentação, navegabilidade e interatividade, por que não dizer mais funcional. Os Web designers, detentores dessa técnica, começam a difundi-la, e em pouco tempo o

17 6 mundo se rendeu a mais este serviço oferecido pela Internet. Hoje a criação e o uso de páginas se tornou rotina, tanto que o açougue da esquina tem já sua página na Internet oferecendo seus serviços online, quanto uma grande empresa que mostra a cara para o mundo oferecendo seus produtos para exportação. 2.3 A Biblioteca Informatizada A informatização das bibliotecas não é recente, pois desde 1960 já se desenvolvem programas unicamente com o intuito de controlar todas as funções de uma biblioteca, desde a consulta ao acervo, empréstimos e devoluções até funções de controles financeiros como custos para a manutenção e receitas geradas com o pagamento de multas por atraso. O próximo passo seria torná-las acessíveis via Internet, uma vez que este serviço é o que faltava já que as Universidades dispunham da interligação entre elas, e a idéia agora era abri-las a comunidade em geral. No Brasil grande parte das bibliotecas de instituições e ou estados dispõe de páginas para consulta, com acesso de qualquer lugar e sem limite de horas, algumas com mais ou menos utilidades dependendo do tempo que está no ar. Figura 1 - Tela da página da Uniminas

18 7 A figura 1 mostra a página da Uniminas que apresenta opções de consultas variadas sobre: Cursos de graduação e pós-graduação; Cursos de extensão; processo seletivo; serviços ao aluno e biblioteca, este último quando selecionado apresenta informações sobre espaço físico, livros, cd e outros itens que fazem parte do acervo da biblioteca, não disponibilizando nenhum serviços de consulta e ou empréstimos e outros. Conforme pesquisa em sites de outras escolas de Uberlândia, tais como UFU, UNITRI, FPU, este serviço encontra-se ainda no inicio, com algumas limitações, mas servirá como uma boa fonte de pesquisa. Estudando o projeto funcional para um planejamento adequado dos serviços a serem disponibilizados, busca-se um maior conhecimento na área de manipulação de scripts, entrada de dados e respostas a usuários. Ao elaborar o projeto de desenvolvimento deste sistema web, serão produzidos, documentos, interfaces e códigos, necessários à implantação do mesmo, ficando a faculdade com a decisão de colocá-lo em prática ou não. Desta forma o aluno poderá melhor se preparar para atuar de forma mais adequada, num mercado cheio de oportunidades e desafios, uma vez que este estudo possibilita uma melhor vivência da realidade, enquanto aplica os conhecimentos adquiridos.

19 8 CAPITULO 3 Conceitos e Definições Este projeto aborda várias etapas no desenvolvimento de um sistema web que é um sistema computacional implementado na plataforma web, meio virtual formado pelos servidores web que mantém sites. A world wide web é o nome do serviço mais popular do conjunto de computadores, provedores de acesso, satélites, cabos e serviços que formam a mais popular rede mundial de computadores: a Internet. Esta rede está baseada em uma coleção de protocolos de comunicação, que são conjuntos de regras e formatos que os computadores devem seguir para haver comunicação entre eles em uma rede. Regras e formatos representados por aspectos semânticos, sintáticos, temporais e através dos quais um computador pode se comunicar com outro por meio de uma linha telefônica ou placa de rede sem que o usuário precise se preocupar em saber qual o meio físico que está sendo utilizado. Criados com o intuito de realizar a intercomunicação de computadores, têm como função controlar como a informação é passada de uma rede a outra, como manipular o endereçamento contido nos pacotes, a fragmentação dos dados e a checagem de erros. IP (Internet Protocol) é um protocolo para comunicação de redes Internet responsável pela transmissão de um computador com outros conectados à rede (host-to-host), definindo a forma de endereçamento que permite a localização de um computador na Internet, usando para isso um conjunto de dígitos chamado de endereço IP. Já o TCP (transmission Control Protocol) é um protocolo orientado à conexão, que oferece um serviço confiável pelo fato de trabalhar com números de reconhecimento seqüenciais e positivos e sua ação se estende a toda a trajetória da informação, onde ele procura garantir o sucesso da transmissão, e por ser propósito geral, pode ser adaptado para ser usado com uma variedade de sistemas. Na Web a implementação do hipertexto é realizada com base no protocolo HTTP (Hyper Text Transfer Protocol) Protocolo de Transferência de Hipertexto. Hipertexto é uma forma não linear de publicação de informações onde palavras que aparecem no texto podem levar a outras seções de um documento, outros documentos ou até outros sistemas de informação, fugindo da estrutura linear original de um texto simples. Esta baseada em ligações entre pontos chamados de âncoras. As ligações entre as âncoras são chamadas de vínculos (links). Vínculos de

20 9 hipertexto são implementados em textos publicados na web usando uma linguagem declarativa chamada de HTML Hyper Text Markup Language. HTML é a linguagem padrão utilizado na WWW desde seu surgimento e que permite a montagem de Hipertextos, por meio dos quais o usuário pode navegar através de links em palavras que permitirão que o usuário possa se aprofundar em determinado assunto até o nível que desejar (é usada para marcar um arquivo de texto simples, sem formatação alguma, visualizável em qualquer editor de textos. Se um arquivo de texto simples receber uma extensão de nome de arquivo html ou htm, um navegador como o Internet Explorer irá tentar interpretá-lo como HTML). 3.1 O Projeto O projeto está dividido em três partes: o projeto gráfico, mostrando os passos da confecção da interface gráfica de um web site, seguindo, no caso da Uniminas, o padrão da sua página que será responsável pela visualização e envio de informação para o usuário; o projeto de banco de dados que mostra como essas informações estão armazenadas e quais eventos irão acioná-las, apresentando, também, respostas a possíveis perguntas do usuário e as ligações com cada interface gerenciando as informações inerentes ao sistema de biblioteca; e o projeto funcional responsável pelo processamento destas informações e pela geração dinâmica da interface no lado servidor, oferecendo serviços ao usuário tais como processar os pedidos de informações gerando respostas de forma dinâmica. A interação entre estes três projetos pode ser vista por meio de diagramas de seqüência que mostram a troca de mensagens entre as classes na realização de um caso de uso. Mostram também como os cenários de casos de uso serão implementados. A figura 2 mostra como isso ocorre, utilizando o caso de uso Validar usuário, que é, o usuário aluno entrando no sistema e este fazendo a sua validação antes de permitir sua entrada e acesso às funcionalidades oferecidas nesta página. Ela define o que cada módulo desempenha quando o usuário entra no sistema, e este sistema faz sua validação através das solicitações de matricula e senha, buscando no banco de dados e interagindo por meio da interface gráfica.

21 10 Figura 2 - Diagrama de Seqüência para o caso de uso Validar Usuário Também foi usado o diagrama de atividades que tem por finalidade documentar um fluxo de execução de algum procedimento, processo ou rotina, podendo ser utilizado para detalhar os passos de um caso de uso ou para documentar um processo qualquer executado ou automatizado pelo sistema. A figura 3 mostra o diagrama de atividade para o caso de uso Cadastrar Livro Novo, ou seja a seqüência para sua execução. Figura 3 - Diagrama de Atividade para o caso de uso Cadastrar Livro Novo

22 11 O diagrama de atividade da figura 3 para o caso de uso cadastrar livro novo inicia-se com o técnico informando o código ID do livro a ser cadastrado, o sistema verifica a existência deste código através de consulta no banco de dados, a partir daí tem duas opções que dependem do resultado de sua pesquisa: se sim ( existe ) coloca na tela informações sobre o exemplar e permite a inclusão de mais exemplares emitindo etiqueta e salvando a nova quantidade de exemplares disponíveis na base; se não, permite a criação do novo exemplar juntamente com o seu código e suas informações cadastrais como quantidade, editora, etc; emite etiqueta com novo código e salva quantidade disponível na base de dados. O objetivo é desenvolver um planejamento adequado dos serviços a serem disponibilizados, através do levantamento dos requisitos funcionais (quais serviços o site deve oferecer), passando pela análise tarefa que envolve, antes de tudo um trabalho de descoberta, refinamento, modelagem e especificação das necessidades e desejos relativos ao sistema. Os resultados obtidos são utilizados para modelar partes específicas do sistema incluindo casos de uso, arquivos, interfaces, diretrizes para implementação e documentação de módulos. Assim é possível obter uma amplitude no foco do estudo dos casos de uso que garante uma especificação correta, facilitando a implementação. Desse modo, o módulo de entrada do usuário no sistema, para reserva de livros por exemplo, será representado por meio de casos de uso, e modelados todos seus eventos associados. Para codificação, caracterizada por um conjunto de instruções executáveis no computador, que serão executadas pelo hardware do sistema considera-se também sua geração a partir dos modelos produzidos com o uso de ferramentas. A linguagem a ser trabalhada será a PHP, uma linguagem de scripting, gratuita e com código-fonte aberto, utilizada para a criação de páginas dinâmicas na web. 3.2 Tecnologias para o desenvolvimento de aplicações web Estas tecnologias são utilizadas para desenvolver aplicações que rodam no servidor e apresentam pontos em comum que são: o usuário não pode ver o código fonte; não estão sujeitas as incompatibilidades de browsers; tem mais facilidade de acessarem bases de dados sem gerar falhas de segurança e em geral ao serem chamadas; obtém a informação que o usuário deseja; formatam essa informação em HTML e devolvem HTML pronto para o usuário. O usuário só vê o resultado final.

23 HTML HTML é a mais antiga por ser uma das primeiras linguagens a ser desenvolvida e a entrar em nossas casas e, ainda, é a mais usada. É uma linguagem apenas para apresentação de textos, muito estática que define apenas qual a forma de apresentação do conteúdo, com algumas restrições de dispositivos para melhorar a programação, ou seja, não dispõem de muitos recursos, principalmente os mais atuais, os quais torna uma programação mais dinâmica. Uma vantagem de seu uso é a de poder ser feito em qualquer editor de textos e ainda assim surge a necessidade do uso de outras tecnologias. Hoje em dia nenhum site na web é produzido apenas com o uso de HTML CGI CGI é abreviação de Common Gateway Interface. Não é uma linguagem, é um padrão que determina a forma de comunicação entre o servidor web e uma outra aplicação rodando no servidor web, determinando de que forma o servidor web deverá chamar esta outra aplicação, quais informações serão passadas para aplicação e quais informações serão passadas de volta para o servidor web. É um padrão entre os diversos servidores existentes, o que é uma vantagem, porém é uma aplicação e precisa seguir padrões estabelecidos pelo sistema operacional. Este é que determina que cada aplicação tenha o seu processo, uma área de memória isolada de todas as outras aplicações. A inicialização deste processo é algo que consome muito tempo da máquina. Cada usuário que dispara uma aplicação CGI está gerando a inicialização de um processo, tornando a execução de aplicações CGI onerosa para o servidor web. Comenta-se que o CGI roda Out-of- Process, ou seja, em um processo de memória independente do servidor web. Por isso ele tem baixa escalabilidade, ou seja, com um hardware X(qualquer) aplicações CGI suportam um número menor de usuários do que aplicações criadas em outras tecnologias. Enfim, são programas que podem ser escritos em diversas linguagens, como PERL, Clipper ou C ISAPI e NSAPI ISAPI assim como o CGI é um padrão de comunicação entre o servidor web e uma outra aplicação que esteja rodando no servidor web e define como o servidor deverá chamar esta outra aplicação e quais dados serão trocados entre eles. Ao contrario do CGI, porém, o padrão ISAPI permite que a aplicação rode In-Process, ou seja, no mesmo processo de memória que o servidor web. Este fato torna uma

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

RESUMO DE CATALOGAÇÃO

RESUMO DE CATALOGAÇÃO RESUMO DE CATALOGAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DISTINTA Contatos: Cirineo Zenere (c.zenere@pucpr.br) Eulália M. Soares (eulalia.soares@pucpr.br) Josilaine O. Cezar (josilaine.cezar@pucpr.br) SUMÁRIO INICIANDO A CATALOGAÇÃO...2

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Acadêmicos: CÁSSIA REGINA BATISTA - cassiareginabatista@grad.ufsc.br CLARISSA KELLERMANN clarissakel@gmail.com IVAN MÁRIO DA SILVEIRA

Leia mais

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum Liberação de Versão Versão 8 Pergamum Sumário! " # $%# & '( & ) * ) +, +, %% -*%.-*). * %%! " / 0 #$!! 12%)& % 3* 1 45(' * 6! &' 3 $% 7 $ $ Confidencial Pergamum, 2012 $( 89& $ $!!!! +7! " #! & $ Confidencial

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Jan.2012. Características Gerais do Sistema:

Jan.2012. Características Gerais do Sistema: Jan.2012 Características Gerais do Sistema: O Software Global Cartórios traz um conceito novo em uma plataforma inovadora que reúne todas as especialidades em um único sistema. O Global Cartórios é um

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Helder da Rocha Criação de Web Sites II Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Copyright 2000 por Helder Lima Santos da Rocha. Todos os direitos reservados. Os direitos

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Art. 1º A Biblioteca da Faculdade de Tecnologia e Negócios será regida pelo presente Regulamento. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º A biblioteca é uma unidade subordinada,

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Engenharia Requisitos Estudo de caso

Engenharia Requisitos Estudo de caso Engenharia Requisitos Estudo de caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Sistema de Matricula Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Instalação Cliente Notes 6.5

Instalação Cliente Notes 6.5 Instalação Cliente Notes 6.5 1/1 Instalação Cliente Notes 6.5 LCC.008.2005 Versão 1.0 Versão Autor ou Responsável Data 1.0 Fabiana J. Santos 18/11/2005 RESUMO Este documento apresenta um roteiro de instalação

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM Elaboração: Karyn Munyk Lehmkuhl Acadêmica da 9ª do curso de Biblioteconomia UFSC - Semestre 2003/2

Leia mais

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet

Programação para Web Artefato 01. AT5 Conceitos da Internet Programação para Web Artefato 01 AT5 Conceitos da Internet Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 24/10/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Instrutor Hélio Engholm Jr Livros publicados

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA Rodrigo Luiz da Rosa Estrela 2012 EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação TÍTULO: SISTEMA DE LOCADORA AUTOR:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPÚS: JOÃO CÂMARA DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDMILSON CAMPOS GIB GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÃO DE BIBLIOTECA

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Introdução a WEB. Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/

Introdução a WEB. Contato: <lara.popov@ifsc.edu.br> Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ Introdução a WEB Contato: Site: http://professores.chapeco.ifsc.edu.br/lara/ 1 Introdução Histórico da Internet Cliente e Servidor Introdução aos protocolos da Internet Objetivos

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA ESTRUTURA BIBLIOTECA FESVV VILA VELHA 2010 1. BIBLIOTECAS DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ ESPÍRITO SANTO As Bibliotecas da Faculdade Estácio de Sá Espírito Santo, seguem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos Sistema de Inteligência Patrimônial Especificação dos Requisitos Especificação dos Requisitos Data Versão: 18 / 11 / 2015 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 23 / 11/ 2015 1.0 Versão Inicial

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais