GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PEHIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE HABITAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PEHIS"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PEHIS Rio de Janeiro, Julho de 2009

2 APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional das Cidades aprovou em 2004 a Política Nacional de Habitação (PNH), que instituiu através da Lei de 16 de junho de 2005 o Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS) e criou o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS). Este foi o ponto de partida para a introdução do planejamento habitacional como instrumento fundamental no SNHIS. A gestão das políticas urbanas implantadas a partir do movimento de descentralização administrativa e de municipalização da política urbana, a Constituição Federal, o Estatuto da Cidade e as iniciativas do governo federal para financiamento da política habitacional foram ferramentas fundamentais para instaurar as diretrizes que passaram a orientar a ação dos três níveis de governo na área da habitação. Reconheceu-se dessa forma a função social da propriedade e da habitação como questão de estado e direito básico do cidadão preconizando assim a inclusão social e a gestão participativa e democrática. A extinção do Banco Nacional de Habitação (BNH) na década de 1980 causou a redução nos investimentos no setor habitacional de interesse social na esfera de planejamento nacional ficando restrita a intervenções pontuais a cargo dos três níveis de governo. Este novo posicionamento reduziu significativamente a oferta de habitação para a população de baixa renda e como conseqüência, houve um agravamento no déficit habitacional. O aumento da demanda habitacional associado à ausência do poder público na fiscalização de planos diretores e o conseqüente aumento do déficit, contribuíram para o surgimento, na maioria das metrópoles brasileiras, de um grande número de loteamentos irregulares, ocupações de espaços públicos em áreas centrais, crescimento de favelas, bem como a sobrecarga na infraestrutura urbana e a degradação do meio ambiente. Segundo dados da Fundação João Pinheiro, tendo como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE), de 2007, o atual déficit de unidades

3 habitacionais em todo país foi calculado em 6,273 milhões de domicílios e cerca de 609 mil unidades no Estado do Rio de Janeiro. Reverter este cenário é o desafio atual, onde o aumento da oferta de moradia à população de baixa renda pode ser materializado através de ações conjuntas dos governos federal, estadual e municipal. Assim, é fundamental que a questão habitacional seja tratada como política pública de interesse social, levando-se em conta a necessidade de se estabelecer o planejamento para o setor e a utilização de informações sistematizadas sobre os vários aspectos desta questão. O Estado brasileiro busca montar uma estratégia planejada de ações conjuntas que considere o contexto dos municípios brasileiros, a diversidade das suas necessidades e os custos variados de produção da moradia. Dessa forma é possível determinar a elaboração de um sistema de indicadores que oriente na construção de parâmetros homogêneos que permita comparar e elencar prioridades, identificar padrões e tendências, fornecendo suporte necessário ao processo de planejamento e alocação de recursos. Além da ação direta de complementação no atendimento da demanda habitacional, o Estado se propõe a participar na capacitação dos municípios para a elaboração dos Planos Locais de Habitação de Interesse Social (PLHIS) além de agir como mediador nas ações regionais. Este Termo de Referência é o instrumento de orientação para a contratação dos serviços técnicos especializados de consultoria, cujo objetivo é a elaboração do Plano Estadual de Habitação de Interesse Social PEHIS. A elaboração do PEHIS do Estado do Rio de Janeiro deverá orientar as ações do Governo do Estado e dos agentes sociais de modo a possibilitar o acesso à moradia digna pela população mais vulnerável e de mais baixa renda do Estado.

4 O plano que deverá ser desenvolvido em três etapas - Proposta Metodológica, Diagnóstico do Setor Habitacional e Estratégia de Ação faz parte da Ação Apoio à Elaboração de Plano Local de Habitação de Interesse Social do Ministério das Cidades, e será coordenado pela Secretaria Estadual de Habitação (SEH) e contará com a colaboração das demais Secretarias de Estado envolvidas com a questão habitacional e urbana, todas as Prefeituras Municipais que aderiram a este processo participativo do PLHIS e dos agentes sociais mais representativos dos diferentes segmentos da sociedade.

5 1. OBJETO Contratação de entidade com personalidade jurídica para a prestação de serviços técnicos especializados de consultoria, visando a elaboração do Plano Estadual de Habitação de Interesse Social PEHIS, do Estado do Rio de Janeiro, a fim de formular a estratégia de identificação e enfrentamento das necessidades habitacionais do Estado, definindo prioridades, recursos, meios, prazos e metas a serem atingidas. 2. OBJETIVO Elaborar o Plano Estadual de Habitação de Interesse Social - PEHIS, consolidando o planejamento da ação estadual referente à questão habitacional, considerando os instrumentos do ciclo de gestão orçamentário-financeiro e visando promover as condições de acesso à moradia digna urbanizada e integrada à cidade, para a população de baixa renda Diretrizes gerais Considera-se como ponto de partida a situação atual do setor habitacional do Estado do Rio de Janeiro, levando em conta as disparidades sócio-econômicas; as bases legais e institucionais existentes; a capacidade operacional e de gestão dos agentes públicos e privados que operam o setor, bem como as mudanças ocorridas na política habitacional, decorrentes da criação do Estatuto das Cidades, da Política Nacional de Habitação (PNH), do Plano Nacional de Habitação (PLANHAB), do Sistema e do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social e, mais recentemente do Programa Minha Casa Minha Vida. Detaca-se que embora o Plano Estadual de Habitação de Interesse Social PEHIS tenha como prioridade principal a habitação de interesse social, para atendimento de famílias com renda de até 3 (três) salários mínimos, o mesmo deverá considerar o setor

6 habitacional como um todo. Assim, deverão ser identificados além dos programas, agentes e recursos voltados para a habitação de interesse social, aqueles relativos à dinâmica e os principais entraves da produção habitacional realizada pelo mercado, pois conforme preconiza a Política Nacional de Habitação, o setor habitacional deve ser entendido como um sistema articulado e complementar. Ressalta-se que a construção do PEHIS é uma atividade participativa, devendo contar com a colaboração dos setores públicos, privados, técnicos, associativos, sindicais, acadêmicos e demais associações e agentes sociais envolvidos com o setor habitacional e do desenvolvimento urbano. Recomenda-se que a elaboração do PEHIS contenha análises e proposições voltadas para a inserção regional, enfocando aspectos relacionados: à articulação aos diversos Planos Locais de Habitação de Interesse Social (PLHIS) elaborados ou em elaboração no âmbito municipal, caso existentes na ocasião de preparação do PEHIS; aos eixos de transporte e a grandes obras em andamento, como: Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro COMPERJ; Complexo do Açu MMX São João da Barra; Siderúrgica do Atlântico Sepetiba; Arco Metropolitano; Barra do Furado divisa Campos e Quissamã, e outras. às populações urbana e rural; à Região Metropolitana; às diversas Regiões ou cidades homogêneas identificadas no Estado do Rio de Janeiro; aos municípios consorciados; às inter-relações municipais; às inter-relações estaduais;

7 Recomenda-se, ainda, que a elaboração do PEHIS tenha como referência as seguintes condições específicas: população total do Estado; populações da Região Metropolitana, das regiões homogêneas do Estado, de municípios consorciados e de municípios inter-relacionados; organização institucional do setor habitacional no Estado e nos municípios; discussão e pactuação no Conselho Gestor do Fundo Estadual de Habitação de Interesse Social. O Plano Estadual de Habitação de Interesse Social PEHIS deve ser considerado como instrumento de implementação, por meio de processos participativos, da gestão democrática do planejamento do setor habitacional, especialmente no que tange à habitação de interesse social. Sugerem-se como temas prioritários de abordagem nas etapas de desenvolvimento do plano: mercado fundiário; produção habitacional e de loteamentos adequados; urbanização e regularização fundiária de assentamentos precários e informais; habitação rural; áreas urbanas destinadas à habitação de interesse social; ocupação habitacional em áreas de interesse ambiental; dinâmica do mercado de crédito e imobiliário; requalificação de imóveis para habitação de interesse social;

8 transporte e a mobilidade urbana; investimentos de médio e/ou grande porte (ex.: complexos industriais, portos etc.); dinâmica econômica e a inserção metropolitano-regional; política fiscal e a gestão urbana; características sócio-demográficas das famílias residentes. O PEHIS deverá estar em consonância com as Políticas Estadual e Municipais de Desenvolvimento Urbano, Fundiária e de Saneamento, bem como com o Plano Estratégico do Governo do Estado. Deverá, também, estar em perfeita consonância com o Manual de Contratação e Execução do Ministério das Cidades e com o Manual de Apresentação de Propostas Exercício 2008 da Ação Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social. Deve observar, ainda, as resoluções emanadas do Conselho Gestor do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - CGFNHIS.

9 3 ETAPAS E PRODUTOS A estrutura do Plano contém três etapas principais: Proposta Metodológica, Diagnóstico do Setor Habitacional e Estratégias de Ação, sendo que esta última deve compor-se, preponderantemente, de: princípios e diretrizes orientadoras; objetivos, metas e indicadores; programas e ações prioritárias; recursos e fontes de financiamentos e repasses; proposição de programas ou ações alternativas que viabilizem o atendimento às necessidades habitacionais; dispositivos para o monitoramento, avaliação e revisão do plano, de modo a expressar o entendimento do poder público e dos agentes sociais a respeito do planejamento do setor habitacional estadual, conforme detalhamento dos produtos de desembolso a seguir ETAPA 1 (PRODUTO 1) - PROPOSTA METODOLÓGICA Caracteriza-se pela proposta de desenvolvimento dos trabalhos que norteará os procedimentos dos produtos posteriores. A proposta deve estabelecer claramente as atividades a serem executadas para o desenvolvimento do Plano. A verificação e aprovação das atividades caberá à Equipe de Coordenação do Plano e a Caixa Econômica Federal, que somente após medição e aprovação procederá a liberação dos recursos para o pagamento dos produtos. A Proposta Metodológica deverá ser pactuada com a sociedade e abranger a seguinte itemização: a) Apresentação da estrutura de coordenação e organização e, equipe de trabalho interna da contratante, conforme o item 7 do Termo de Referência; b) Apresentação da estrutura e equipe de trabalho da proponente, conforme o item 6.4 do Termo de Referência;

10 c) Atribuições e responsabilidades da equipe de trabalho da proponente em cada etapa da elaboração do PEHIS; d) Definição do local onde os trabalhos serão desenvolvidos; e) Procedimentos para a execução das etapas e produtos do PEHIS; f) Identificação dos limites e potencialidades do quadro institucional e financeiro existentes; g) Identificação dos principais interlocutores e agentes representativos do poder público e da sociedade; h) Definição das estratégias de comunicação e mobilização no processo da elaboração do plano, a partir da sensibilização dos segmentos da sociedade identificados, com o levantamento dos problemas, interesses e potencialidade do Estado. Proposta para sistematização das informações levantadas e criação de canais de comunicação; i) Cronograma e especificações (formato capacitação, reunião temática, oficina, grupos de trabalho - e quantificação estimada de participantes) para os eventos de discussão com a sociedade; j) Definição dos prazos e custos estimados para a realização de cada uma das etapas do trabalho; k) A forma de articulação com outros programas e ações do Estado. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA METODOLÓGICA À EQUIPE DE COORDENAÇÃO DO PLANO. Realização de Oficinas de Trabalho nas oito Regiões de Governo do Estado, conforme quadro a seguir, com apresentação e discussão da Proposta Metodológica para os demais representantes do poder público e, ainda, para todos os segmentos da sociedade envolvidos na questão habitacional. Público aproximado 100 (cem) pessoas por oficina, onde deverão ser previstos:

11 a) Preparação de material didático, com informações selecionadas, a ser distribuído aos participantes (100 cópias); b) Preparação de palestras em Power Point e outras mídias necessárias para tratar de cada um dos assuntos das etapas realizadas; c) Fornecer equipamentos de projeção para a realização das apresentações (Data Show e computador) durante o evento; d) Fornecer 100 (cem) lanches. OFICINAS DE TRABALHO REGIÕES DE GOVERNO QUANTIDADE Metropolitana 01 Costa Verde 01 Médio Paraíba 01 Centro Sul Fluminense 01 Serrana 01 Baixadas Litorâneas 01 Norte Fluminense 01 Noroeste Fluminense 01 TOTAL 08 O Governo do Estado disponibilizará espaço físico adequado e o apoio necessário para a realização das Oficinas de Trabalho. REVISÃO DA PROPOSTA METODOLÓGICA A Proposta Metodológica poderá ser revista em função das alterações apresentadas e pactuadas durante as discussões realizadas nas Oficinas de Trabalho.

12 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA METODOLÓLIGA (PRODUTO FINAL) Apresentação de relatório com a conclusão da Proposta Metodológica, com todos os conteúdos anteriormente descritos, bem como contendo memória e material comprobatório lista de presença e fotos - da participação da sociedade civil nas reuniões ETAPA 2 DIAGNÓSTICO DO SETOR HABITACIONAL Consiste no levantamento e análise de dados e informações técnicas necessárias à adequada elaboração do Plano, que permitirão o conhecimento da realidade estadual no que diz respeito à questão habitacional Subproduto 2.1 Levantamento de dados Deverão ser levantadas e analisadas as informações sobre dados descentralizados por municípios e regiões de governo, em conformidade com a política estadual de desenvolvimento econômico e social e o plano estratégico. Recomendamos como principais fontes de pesquisa: IBGE Dados gerais sobre a população, condições sociais, econômicas, IDH, déficit habitacional; Estudos sobre a questão habitacional elaborados por órgãos federais, institutos de pesquisa, universidades, fundações e ONG s, a Fundação João Pinheiro, entre outros; Levantamentos e pesquisas próprias dos municípios, como: Cadastro Único, banco de dados das áreas disponíveis para habitação de interesse social; relatórios dos conselhos municipais de habitação existentes; resoluções das Conferências Municipais e Estadual das Cidades quanto às políticas urbanas,

13 fundiárias, de saneamento ambiental, de transporte e mobilidade urbana que se articulam com as Políticas Habitacionais; Dados e referências existentes no Governo Federal, relativas à habitação de interesse social e infraestrutura urbana, principalmente dos Ministérios e Secretarias que tem tratado dessa questão; Dados e referências existentes no Governo do Estado do Rio de Janeiro, pertinentes à questão habitacional e ao setor da infraestrutura urbana, incluindo aqueles relativos aos conflitos fundiários (Secretarias de Estado de Habitação, Obras, Transportes, Meio Ambiente, ITERJ, CEHAB/RJ, entre outras); Dados da Caixa Econômica Federal sobre os Programas, ou Projetos Habitacionais financiados ou em processo de financiamento no Estado do Rio de Janeiro. Levantamento de dados da Região Metropolitana Além do levantamento de dados gerais, também deverão ser coletados dados e informações técnicas específicas da Região Metropolitana e das demais Regiões do Estado do Rio de Janeiro, abrangendo os seguintes aspectos: a) Inserção regional e características dos municípios integrantes das diversas Regiões de interesse: área, população urbana e rural, inserção micro e macro regional, relação com os municípios vizinhos especialmente no que tange à questão fundiária, principais atividades econômicas e outras informações; b) Levantamento de informações sobre as formas de organização dos diversos grupos sociais que atuam no setor habitacional e sua capacidade de atuação; c) Verificação das demandas habitacionais dos municípios integrantes das diversas Regiões de interesse, através do levantamento do déficit habitacional quantitativo e qualitativo, com base nos índices fornecidos através de órgãos

14 oficiais, crescimento vegetativo da população e migrações causadas pelo impacto de investimentos públicos e privados; d) Caracterizar a oferta de moradias e solo urbanizado, as condições de acesso às modalidades de intervenção e financiamento habitacional; e) Identificar a oferta e disponibilidade do solo urbanizado para a população de baixa renda, especialmente no que se refere às Zonas Especiais de Interesse Social ZEIS, as diferentes modalidades de construção ou reforma e, ainda, outros instrumentos do Plano Diretor que contribuam para aumentar a oferta de habitações de interesse social; f) Identificar a produção de moradias realizadas pela própria população; g) Verificação da situação atual dos quadros institucionais (recursos humanos tecnicamente qualificados) e financeiros (capacidade de aplicação de recursos próprios) da estrutura administrativa dos municípios para implementação de uma política habitacional e a conseqüente realização de serviços habitacionais de infra-estrutura urbana; h) Levantamento dos marcos regulatórios e legais existentes (Leis Orgânicas Municipais, Plano Diretor, normas urbanísticas e edilícias); Subproduto 2.2 Diagnóstico O Plano Estadual de Habitação de Interesse Social PEHIS, direcionado prioritariamente aos segmentos sociais de mais baixa renda, visa promover ações de construção e melhoria habitacional, o acesso a terra urbanizada e infraestrutura urbana e social, deverá ser pautado em diagnóstico que identificará, como um todo, as necessidades habitacionais em todos os extratos de renda, dimensionando o déficit e a inadequação habitacional no Estado do Rio de Janeiro. Tal dimensionamento deverá ser territorializado, segundo os cenários a serem construídos, considerando as

15 especificidades das regiões e os impactos dos investimentos estratégicos em curso e aqueles em fase de planejamento pelo Governo do Estado. As necessidades habitacionais deverão ser analisadas por classe de renda das famílias, por porte dos Municípios, considerando sua dimensão qualitativa e quantitativa. Necessário se faz, a partir do diagnóstico, a construção de uma visão sistêmica da conjuntura estadual com a interconexão entre todos os pontos diagnosticados para, a partir desse cenário, formular: propostas de programas e ações que atenderão às demandas habitacionais de interesse social; estabelecer metas de curto, médio e longo prazos; as linhas de financiamento e os programas de provisão, urbanização e modernização da produção habitacional a serem implementados a partir das prioridades regionais de intervenção e critérios para a distribuição de recursos, de acordo com o perfil do déficit e da demanda habitacional de cada região de governo do Estado. Assim, deverão ser consideradas: a) Análise da evolução urbana e histórica das políticas habitacionais do Estado; b) Verificação da inserção regional do Estado na Federação, bem como dos municípios no Estado: características, área, população urbana e rural, questão fundiária, principais atividades econômicas e outras informações julgadas pertinentes; c) Análise da legislação (Constituição Federal, Constituição Estadual, Estatuto das Cidades, Leis Ordinárias, Planos Plurianuais PPA s, Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO s e outros instrumentos normativos) pertinente à questão habitacional e que incida, direta ou indiretamente, na construção e viabilização de uma política habitacional para o Estado; d) Princípios e diretrizes orientadoras (Constituição Federal, Estadual, e Leis Orgânicas Municipais, Estatuto das Cidades, Conferência das Cidades, Planos Diretores);

16 e) Outros marcos regulatórios e legais, tais como, os que definam: as áreas de preservação e conservação ambiental, de restrição à edificação etc.; f) Compatibilização do déficit habitacional identificado através dos índices oficiais com aquele detectado através dos levantamentos e cadastros nas Prefeituras Municipais; g) Análise do impacto de investimentos/empreendimentos de médio e/ou grande porte no aumento da demanda habitacional em área específica, em especial as de abrangência do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro, do Complexo do Açu MMX, da Siderúrgica do Atlântico, Barra do Furado e outros. Quantificar provisão habitacional necessária e estimar os custos para atendimento dessa demanda; h) Verificação do déficit de inadequação e estimativa de demanda futura para o Estado do Rio de Janeiro; i) Identificação dos limites e potencialidades do quadro institucional e financeiro existentes; j) Estimativa de prazos e custos necessários para o atendimento às necessidades habitacionais e/ou da infra-estrutura; l) Análise da oferta habitacional existente no mercado imobiliário, bem como das condições de acesso às modalidades de intervenção e financiamento habitacional; m) A evolução da situação atual da produção de moradias informais; n) Análise dos programas e ações habitacionais existentes e suas respectivas fontes de recursos, destinados ao financiamento, repasse e/ou subsídio, total ou parcial, do setor habitacional; o) Análise das ações executadas ou em fase de execução na atual gestão do Governo Estadual, com recursos federais, estaduais, municipais ou de terceiros e verificação do alcance e eficácia dessas intervenções para o atendimento às necessidades habitacionais.

17 O Produto deverá ser apresentado à Equipe de Coordenação do Plano, sob a forma de Relatório Parcial contendo o Diagnóstico Preliminar e estruturação da Oficina de Trabalho. OFICINA DE TRABALHO Realização de Oficinas de Trabalho, conforme quadro abaixo, para apresentação e discussão do Diagnóstico Preliminar para os demais representantes do poder público e, ainda, para todos os segmentos da sociedade envolvidos na questão habitacional. Público estimado 100 (cem) pessoas. OFICINAS DE TRABALHO REGIÕES DE GOVERNO QUANTIDADE Metropolitana 01 Costa Verde 01 Médio Paraíba 01 Centro Sul Fluminense 01 Serrana 01 Baixadas Litorâneas 01 Norte Fluminense 01 Noroeste Fluminense 01 TOTAL 08 Para a Oficinas de Trabalho deverão ser previstos: a) Preparação de material didático, com informações selecionadas, a ser distribuído aos participantes (100 cópias); b) Preparação de palestras em Power Point e outras mídias necessárias para tratar dos assuntos das etapas realizadas;

18 c)fornecimento de equipamentos de projeção para a realização das apresentações (Data Show e computador) durante o evento; d) Fornecimento de 100 (cem) lanches. O Governo do Estado disponibilizará espaço físico adequado e o apoio necessário para a realização das Oficinas de Trabalho. O objetivo da Oficina de Trabalho é promover uma ampla discussão do Diagnóstico Preliminar, possibilitando uma revisão para a sua conclusão e, se for o caso, promoção das alterações apresentadas e pactuadas. Apresentação do Relatório Final contendo o Diagnóstico Conclusivo, onde também deverá constar a memória e o material comprobatório - lista de presença e fotos - da participação da sociedade civil nas reuniões da Oficina de Trabalho. 3.3 ETAPA 3 - ESTRATÉGIAS DE AÇÃO Consiste na elaboração de um Plano de Ação, que irá abordar os problemas identificados na Etapa Subproduto 3.1 Proposta Preliminar Nesta etapa deverá ser apresentado um ante-projeto para as Estratégias de Ação, com um tratamento preliminar e indicativo da forma que serão desenvolvidos os pontos a seguir arrolados no Plano de Ação propriamente dito. a) Princípios e Diretrizes: As diretrizes são as orientações gerais e específicas que devem nortear a elaboração do PEHIS, levando-se em consideração a Política Nacional de Habitação, o Plano Nacional de Habitação, a Política Estadual de Habitação, os

19 eixos de desenvolvimento que impactem a questão habitacional e urbana, bem como as políticas públicas voltadas especificamente para a urbanização, que são particularmente relevantes, uma vez que, mais de oitenta por cento dos habitantes se encontram nos centros urbanos, assim como o princípio democrático de participação social, visto como um instrumento imprescindível para o êxito de qualquer política pública. Devem ser considerados ainda, os planos de saneamento e mobilidade urbana, caso existam, os eixos de desenvolvimento previstos no Programa de Aceleração do Crescimento PAC, e os investimentos públicos e privados; b) Objetivos, metas e indicadores: Os objetivos devem expressar os resultados que se pretende alcançar, a situação que deve ser modificada. Os objetivos devem ser descritos de forma objetiva e clara, evitando-se a generalidade. As metas correspondem à quantidade de produtos a serem ofertados por programa e ação, num determinado período de tempo. Constitui-se no resultado intermediário que contribui para o alcance dos objetivos. Os indicadores são os instrumentos capazes de medir o desempenho dos programas. Devem ser passíveis de aferição e coerentes com o objetivo estabelecido, serem sensíveis à contribuição das principais ações e apuráveis em tempo oportuno. Permitem, conforme o caso, mensurar a eficácia, eficiência ou efetividade alcançada com a execução do programa; c) Programas e Ações Prioritários: Deverão ser classificados, em ordem de importância, os programas e ações a serem abordados no PEHIS, em discussão com a sociedade civil, tais como: produção habitacional e de loteamentos adequados, urbanização e regularização fundiária de

20 assentamentos precários e informais, destinação de áreas urbanas à habitação de interesse social e outros. A identificação das ações prioritárias deverá ser feita considerando o porte e a complexidade das questões urbanas, com enfoque principal em ações de caráter estruturante para a solução das questões de maior gravidade social; d) Recursos e fontes de financiamentos e repasses: Deverão ser considerados os recursos necessários à consecução de cada programa e ação, bem como as fontes de repasse e financiamento, existentes, levando-se em consideração o tempo previsto para implementação das ações previstas no PEHIS (10, 15, 20 anos ou mais), em conformidade com a capacidade de investimento do setor, bem como com a capacidade de endividamento do estado, nos casos de financiamento; e) Proposição de programas ou ações alternativas que viabilizem o atendimento às necessidades habitacionais de forma mais ágil, bem como de utilização de outras fontes de repasses e financiamentos; f) Dispositivos para o monitoramento avaliação e revisão do plano. Os dispositivos para o monitoramento do plano são os instrumentos, programas, sistemas ou outros procedimentos que permitam acompanhar a realização de maneira contínua, durante o período de execução das fases de operação dos programas e ações. A avaliação do plano será periódica. Para cada fase será identificado o resultado obtido, o prazo, o responsável a situação e apontará para providências a serem tomadas ou, quando for o caso, para a necessidade de revisão do plano.

21 O Produto deverá ser apresentado à Equipe de Coordenação do Plano, sob a forma de Relatório Parcial contendo a Proposta Preliminar e estruturação da Oficina de Trabalho. OFICINA DE TRABALHO Realização de Oficinas de Trabalho, conforme quadro abaixo, para apresentação e discussão da Proposta Preliminar do Plano de Ação para os demais representantes do poder público e, ainda, para todos os segmentos da sociedade envolvidos na questão habitacional. Público estimado 100 (cem) pessoas. OFICINAS DE TRABALHO REGIÕES DE GOVERNO QUANTIDADE Metropolitana 01 Costa Verde 01 Médio Paraíba 01 Centro Sul Fluminense 01 Serrana 01 Baixadas Litorâneas 01 Norte Fluminense 01 Noroeste Fluminense 01 TOTAL 08 Para a Oficinas de Trabalho deverão ser previstos: a) Preparação de material didático, com informações selecionadas, a ser distribuído aos participantes (100 cópias); b) Preparação de palestras em Power Point e outras mídias necessárias para tratar dos assuntos das etapas realizadas; c) Fornecimento de equipamentos de projeção para a realização das apresentações (Data Show e computador) durante o evento;

22 d) Fornecimento de 100 (cem) lanches. O Governo do Estado disponibilizará espaço físico adequado e o apoio necessário para a realização das Oficinas de Trabalho. O objetivo da Oficina de Trabalho é promover uma ampla discussão da Proposta Preliminar do Plano de Ação, possibilitando uma revisão para a sua conclusão e, se for o caso, promoção das alterações apresentadas e pactuadas; bem como a capacitação de técnicos dos segmentos envolvidos. 3.2 Subproduto 3.2 Estratégias de Ação Nesta etapa deverão ser desenvolvidas as Estratégias de Ação, a partir do aprofundamento dos pontos elencados na Etapa 3.1 e em conjunto com as questões discutidas com a sociedade na Oficina de Trabalho da referida etapa. Para verificação e medição desta etapa, a mesma itemização de conteúdo proposta na etapa anterior deverá ser seguida, com o cumprimento do seguinte roteiro: a) Apresentação das Estratégias de Ação à Equipe de Coordenação do Plano; b) Revisão das Estratégias de Atuação e, se for o caso, promoção das alterações apresentadas e pactuadas pelos segmentos durante a discussão de que trata o item anterior; c) Apresentação à Secretaria de Estado de Habitação do relatório final com a conclusão do Plano Estadual de Habitação; d) Reunião pública para apresentação do Plano Estadual de Habitação de Interesse Social para sociedade civil e outros representantes do poder público estadual,

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos

Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos Prevenção e Mediação de Conflitos Fundiários Urbanos O que é a SEDUR A Secretaria de Desenvolvimento Urbano - SEDUR, foi criada pela Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, e tem por finalidade formular

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 2049 - Moradia Digna 00AF - Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento Residencial - FAR Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 28 - Encargos Especiais Subfunção: 845 -

Leia mais

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 1 PLHIS SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 2 Programação Introdução Parte I Parte II Parte III Política Nacional de Habitação, Sistema Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.124, DE 16 DE JUNHO DE 2005. Mensagem de veto Dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, cria

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA LEI 11.888/2008 Assistência Técnica Pública

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2015

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2015 Programa 2049 - Moradia Digna 00AF - Integralização de Cotas ao Fundo de Arrendamento Residencial - FAR Número de Ações 60 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função: 28 - Encargos Especiais Subfunção: 845 -

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO. Guia Básico dos Programas Habitacionais GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE HABITAÇÃO Guia Básico dos Programas Habitacionais Dezembro / 2007 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MINISTÉRIO

Leia mais

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil

Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Crédito Imobiliário: Ação Governamental no Brasil Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades II Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Fortaleza 17 de março de 2010 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências.

Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. PORTARIA Nº 231, DE 4 DE JUNHO DE 2004 Estabelece as diretrizes gerais para aplicação dos recursos alocados ao Programa de Arrendamento Residencial - PAR e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO. PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 4.992, de 2005 Dispõe sobre o financiamento e desenvolvimento de programas habitacionais sociais, destinados à população de baixa renda e dá outras

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006

PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 PROJETO DE LEI Nº 6.981, DE 2006 (do deputado Zezéu Ribeiro - PT/BA) Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social.

Leia mais

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

2 Apresentação No dia 24 de dezembro de 2008 foi sancionada, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Lei nº 11.888, que assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Programa de Fortalecimento da Gestão do Setor Público e do Desenvolvimento Territorial Integrado Rio Metrópole PROGESTÃO II - Contrato de Empréstimo 8327- BR TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL *

DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL * DA ELABORAÇÃO PARTICIPATIVA À GESTÃO DEMOCRÁTICA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL * Nathan Belcavello de Oliveira 1 Fabiana Borges da Silva Moreira 2 Oficina: Gestão Democrática

Leia mais

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social

PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social SÃO VICENTE PLHIS - Plano Local de Habitação de Interesse Social Encontro Regional Discussão Pública do Plano Estadual de Habitação (PEH-SP) SEHAB - SECRETARIA DE HABITAÇÃO Prefeitura Municipal de São

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 058/2008-SESA/G/UNICENTRO DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Aprovar o Regulamento de Estágio Curricular do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO, Campus Santa

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 041/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: CARTEIRA DE LONGO PRAZO O Projeto BRA/06/032

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema - CBH-PP, no uso de suas atribuições legais, e;

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema - CBH-PP, no uso de suas atribuições legais, e; Deliberação CBH-PP/147/2013, de 12/04/2013. Aprova diretrizes, critérios e estabelece prazos para fins de hierarquização e indicação de empreendimentos para utilização dos Recursos do FEHIDRO de 2013.

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência 24 Projeto Organismo:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PHABIS

PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PHABIS PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PHABIS PROPOSTA METODOLÓGICA CADERNO I Campo Grande, 2010 1 SUMÁRIO Apresentação 4 1. Marco Conceitual 5 ETAPA I - PROPOSTA METODOLOGICA 5 1. Metodologia

Leia mais

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social

PLHIS. SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 1 PLHIS SEMINÁRIO DE CAPACITAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS Planos Locais de Habitação de Interesse Social 2 Programação Introdução Parte I Parte II Parte III Política Nacional de Habitação, Sistema Nacional

Leia mais

Recursos e Fontes de Financiamento

Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento Recursos e Fontes de Financiamento A disponibilidade de recursos financeiros para a implementação do Plano Local de HIS é fundamental para a concretização dos objetivos

Leia mais

LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009.

LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009. MUNICÍPIO DO IPOJUCA LEI N. 1520/2009, DE 22 DE JULHO DE 2009. EMENTA: Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Agência de Desenvolvimento Econômico do Ipojuca - AD. Ipojuca, ajusta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS EDITAL Nº 05/2009/BRA/06/032 CÓDIGO DEFESA AGROPECUÁRIA O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para assessorar

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

Congresso COSEMS RS 2013

Congresso COSEMS RS 2013 Congresso COSEMS RS 2013 Planejamento em Saúde no âmbito do SUS Porto Alegre, 22 de Julho de 2013 DECRETO 7.508/2011 Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES -( Art. 1ºe Art. 2º) Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO

RESUMO DOS PROGRAMAS POR TIPO Tipo: 1 - Finalístico Programa: 5363 - FORTALECIMENTO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Objetivo: MELHORAR O DESEMPENHO DA GESTÃO MUNICIPAL, MEDIANTE A CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS E DO ADEQUADO USO

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO ESTADO DO AMAZONAS PEHIS/AM

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO ESTADO DO AMAZONAS PEHIS/AM 1 PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO ESTADO DO AMAZONAS PEHIS/AM PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS - Fundamentos Teóricos INTRODUÇÃO A presente Proposta Metodológica tem por objetivo oferecer

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013. Declaração de trabalho, serviços e especificações 1 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO 015/2013 Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/AT INFRAESTRUTURA DE PESQUISA EM UNIVERSIDADES PRIVADAS 07/2010

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/AT INFRAESTRUTURA DE PESQUISA EM UNIVERSIDADES PRIVADAS 07/2010 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/AT INFRAESTRUTURA DE PESQUISA EM UNIVERSIDADES PRIVADAS 07/2010 APOIO A PROJETOS INSTITUCIONAIS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE PESQUISA EM UNIVERSIDADES PRIVADAS COM TRADIÇÃO

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Elaboração do Plano Municipal de Educação

Elaboração do Plano Municipal de Educação Universidade Federal da Bahia (UFBA) Centro de Estudos Interdisciplinares para o Setor Público (ISP) Rede Nacional de Formação de Professores da Educação Básica Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: BRA/14/011 FORTALECIMENTO DO SISTEMA PRISIONAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: BRA/14/011 FORTALECIMENTO DO SISTEMA PRISIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: BRA/14/011 FORTALECIMENTO DO SISTEMA PRISIONAL Contratação de Consultoria Especializada BRASÍLIA/DF, 20 de março de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

Programa de Apoio aos Conselhos e Fundos Municipais do Idoso

Programa de Apoio aos Conselhos e Fundos Municipais do Idoso Programa de Apoio aos Conselhos e Fundos Municipais do Idoso ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE REALIZAÇÃO DE DIAGNÓSTICO E ELABORAÇÃO DA POLÍTICA MUNICIPAL DE GARANTIA DOS DIREITOS DA PESSOA

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias.

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. A PROBLEMÁTICA DA GESTÃO METROPOLITANA Ana Maria Filgueira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO

SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO SEMINÁRIO ESTADUAL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO EM PERNAMBUCO 29/10/2015 OS PROGRAMAS E PROJETOS ESTRATÉGICOS PARA INTEGRAÇÃO DA POLÍTICA URBANA EM PERNAMBUCO SUPERINTENDÊNCIAS EM P

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais