SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE RECIFE MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE RECIFE MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO,"

Transcrição

1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA RECIFE VARA CÍVEL DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por intermédio da Promotora de Justiça abaixo subscrita, com fundamento nos arts. 27 e 29 da Constituição Federal, na Lei 7.347/85 (Lei da Ação Civil Pública) e na Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), vem propor a presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA, com pedido de tutela antecipada, visando à defesa de interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos dos consumidores, em face da TIM CELULAR S/A, pessoa jurídica de direito privado, concessionária de telecomunicações, inscrita no CNPJ sob o n /000-00, sediada na Avenida Ayrton Senna da Silva, nº 633, Piedade, Jaboatão dos Guararapes/PE, pelos argumentos fáticos e jurídicos expostos a seguir.. DOS FATOS Em fevereiro de 205, noticiou-se amplamente na imprensa pernambucana o fato de que a TIM CELULAR S/A, gigante do setor de telecomunicações no Brasil e com imensa quantidade de usuários em Pernambuco, passaria a interromper unilateralmente o acesso dos usuários de serviços pós-pago à internet após o consumo da franquia de dados contratada. Posteriormente, a

2 empresa divulgou em seu sítio eletrônico que a partir de 27 de fevereiro de 205 será interrompida a conexão de dados dos usuários após atingirem o limite de uso da franquia mensal de internet dos planos pós-pagos. Como é de conhecimento geral dos consumidores, a praxe no mercado e prática adotada pela ora requerida é a diminuição de velocidade de acesso à internet após a utilização da franquia de dados contratada pelo usuário. É dizer, o usuário contrata determinada franquia de dados, contando com determinada velocidade de conexão móvel à internet, a qual é reduzida após o consumo de tal franquia. Ainda assim, apesar da redução de velocidade após o consumo da franquia de dados, o usuário ainda tem a possibilidade de usufruir do serviço de internet, notadamente para tarefas que demandem menos capacidade de conexão. Exemplificativamente, pode-se citar o aplicativo Whatsapp, amplamente disseminado e meio de comunicação para grande parte dos consumidores de serviços de telefonia móvel atualmente: como a velocidade de acesso requerida para os serviços do Whatsapp é pequena, o consumidor que tem a velocidade reduzida após o consumo da franquia contratada consegue acessar e utilizar o serviço sem maiores problemas. Resta claro, portanto, que a possibilidade de conexão com a internet em velocidade reduzida após a franquia de dados é uma vantagem ao usuário fornecida como parte integrante do contrato de consumo, ao longo dos anos. Na celebração da avença, presume-se, pela prática reiteradamente adotada, que se tem direito ao serviço de dados em velocidade reduzida mesmo depois do fim da franquia mensal. Caso se queira ampliar a velocidade de conexão após o término da franquia de dados e antes da mudança do período de aferição de consumo, o consumidor pode contratar um pacote extra de dados, ou mesmo, como é lógico, alterar seu plano de modo a dispor permanentemente da franquia ampliada de dados. 2

3 Apesar disso, a TIM alterou as condições contratuais e pretende impor aos consumidores o corte total do serviço de internet após o fim da franquia de dados, unilateralmente e sem oferecer qualquer compensação aos clientes com contratos vigentes. A mudança que se pretende, pois, é a seguinte: antes, a velocidade de conexão era reduzida e alguns serviços, que demandam capacidade inferior de conexão, permaneciam disponíveis; a partir de 27 de fevereiro, interrompe-se o acesso à internet para todos os serviços. Os valores pagos pelos planos, entretanto, permanecem os mesmos, mesmo para os contratos já vigentes quando da alteração contratual. Paralelamente, por coincidência ou não, noticiou-se o lançamento de novos planos pós-pagos, denominados Liberty Express, pelos quais o consumidor paga quantia fixa por mês, com determinada franquia de dados, mas tem acesso integral ao aplicativo Whatsapp independentemente do esgotamento da referida franquia até o fim do mês de apuração do consumo. Ressalte-se que, embora a demandada afirme à fl. 33 do Procedimento Preparatório nº 004/205-8, ora anexo, que a promoção que permite a utilização do Whatsapp após o consumo da franquia de dados ( ) foi disponibilizada, até o momento, para usuários da modalidade de serviço 'controle', a oferta consta como disponível para usuários de serviços pós-pagos no sítio eletrônico da demandada, conforme se verifica do documento de fl. 9 do PP anexo. Da mesma forma, a TIM fez veicular em seus canais de comunicação com os consumidores que, a partir de agora, os consumidores teriam as opções de contratar pacote adicional de dados após o fim da franquia ou alterar o plano. Tal novidade, no entanto, apenas mascara o fato de que a única verdadeira inovação foi o fato de que, em face da alteração contratual, com o término da franquia, o consumidor não pode optar por navegar com a velocidade reduzida: ou contrata 3

4 pacote adicional, altera o seu plano, ou simplesmente perde totalmente o acesso à internet naquele mês. Conjugando as informações disponíveis, percebe-se que há, além do prejuízo ao consumidor pelo corte de um serviço, indireta indução do mesmo à contratação dos planos com Whatsapp ilimitado. Como mencionado acima, o acesso a tal serviço já era ilimitado, visto que a velocidade reduzida após o fim da franquia de dados era suficiente para a utilização do mesmo não mais será (e o consumidor deverá contratar novo plano) unicamente por conta da alteração unilateral das condições contratuais pela Tim, que passará a cortar o serviço quando o usuário consumir a sua franquia mensal de dados. Ainda, ressalte-se que, de acordo com informativo veiculado pela demandada, mesmo que haja interrupção do serviço de dados e o cliente opte por não contratar o pacote adicionar ou migrar para uma franquia superior, alguns serviços dependentes de internet como, por exemplo, o aplicativo Blah e o aplicativo Meu Tim poderão continuar sendo acessados pelos clientes. Isso quer dizer que, com o fim da franquia de dados, o consumidor poderá utilizar apenas aplicativos vinculados a serviços oferecidos pela própria Tim, muitas vezes onerosos. Neste caso, é plenamente dedutível que tal benesse aproveita mais à própria operadora do que ao consumidor. Tais condutas, em conjunto e separadamente, lesam os direitos dos consumidores dos serviços de acesso móvel à internet, gerando excessiva onerosidade à parte hipossuficiente da relação de consumo, conforme oportunamente se exporá. Ademais, é digna de menção a agressão à neutralidade da rede, prevista no Marco Civil da Internet, igualmente a ser abordada. 4

5 2. DO DIREITO 2.. DA LEGITIMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO O artigo 29, III da Constituição Federal de 988 dispõe que: "Art. 29. São funções institucionais do Ministério Público: (...) III promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos. Ao mesmo tempo, a Constituição consagra, no art. 70, V, a defesa do consumidor como princípio fundamental da ordem econômica, in verbis: Art. 70. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: (...) IV - livre concorrência; V - defesa do consumidor; O Código do Consumidor, regulamentando e explicitando a norma constitucional, concedeu ao Ministério Público legitimidade ativa ad causam para a defesa dos interesses e direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos dos consumidores. Em seu art. 8, III, estabelece que: Art. 8. A defesa dos interesses e direitos dos consumidores e das vítimas poderá ser exercida em juízo individualmente, ou a título coletivo. Parágrafo único - A defesa coletiva será exercida quando se tratar de: 5

6 I - interesses ou direitos difusos assim entendidos, para efeito deste Código, os transindividuais, de natureza indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas e ligadas por circunstâncias de fato; II - interesses ou direitos coletivos, assim entendidos, para efeitos deste Código, os transindividuais de natureza indivisível de que seja titular grupo, categoria ou classe de pessoas legadas entre si ou com a parte contrária por uma relação jurídica base; III - interesses ou direitos individuais homogêneos, assim entendidos os de origem comum. Ainda, a Lei 7.347/85 estatui ser cabível a ação civil pública para a responsabilização por danos morais e patrimoniais causados ao consumidor (art. º, II), assim como legitima para o seu ajuizamento o Ministério Público (art. 5º, I). Desta feita, não há qualquer dúvida a respeito da plena legitimidade do Parquet para o ajuizamento da presente ação civil pública, uma vez que os fatos relatados denotam a ocorrência de violação aos direitos de vários consumidores vinculados por contrato à demandada DA ALTERAÇÃO UNILATERAL DO CONTRATO E DA ONEROSIDADE EX- CESSIVA AO CONSUMIDOR Conforme anteriormente exposto, verifica-se a ocorrência de alteração unilateral do contrato de prestação de serviços de telefonia móvel por parte da Tim. A alteração unilateral, embora permitida por regulamento atinente a tais serviços se cumpridos determinados requisitos, mesmo que se reconhecesse sua legalidade, não pode violar o equilíbrio econômico-financeiro do contrato. É dizer, de acordo com a normatização específica do setor de comunicações, é possível que sejam realizadas alterações pontuais no contrato, até para atualizar os preços praticados; ainda assim, diante do sistema jurídico de proteção ao consumidor, inclusive de sede constitucional (art. 70, V), em nenhuma hipótese será possível desequilibrar unilateralmente a balança contratual, aumentando os ônus dos consumi- 6

7 dores ou diminuindo os da fornecedora, sem a respectiva compensação à parte prejudicada. É exatamente o que pretende a demandada. Como visto, o consumidor de planos pós-pagos da Tim sempre usufruiu do serviço de internet móvel, ainda que com velocidade reduzida suficiente para o acesso ao Whatsapp, por exemplo, após o fim da sua franquia de dados, sem prejuízo da possibilidade de adquirir pacote adicional para restabelecer a velocidade. Agora, o consumidor não terá tal opção: para manter o acesso à internet, independentemente da velocidade, deverá comprar pacote adicional de dados. É clara, portanto, a supressão de um serviço antes desfrutado pelo consumidor, sem que tenha qualquer compensação por isso. Nesse diapasão, rememore-se o direito básico do consumidor ao restabelecimento do equilíbrio econômico-financeiro do contrato: Art. 6º São direitos básicos do consumidor: (...) V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas; Ora, se é reconhecida pelo Código a possibilidade de revisão de cláusula contratual que, por fato extrínseco ao contrato, torne a prestação excessivamente onerosa ao consumidor, o que se pode afirmar da situação em que fornecedora de serviços, do alto da sua posição privilegiada na relação de consumo, altera unilateralmente o contrato para retirar serviços à disposição do consumidor sem que lhe ofereça qualquer compensação por isso? É certo, aqui, que as prestações desproporcionais e os fatos supervenientes que causam onerosidade em excesso ao consumidor são causados diretamente por alteração unilateral do contrato de adesão pelo fornecedor dos serviços, em direta violação à lei consumerista. 7

8 Do exposto, resta claro o desequilíbrio contratual imposto pela demandada, através de alteração unilateral, aos usuários dos seus serviços pós-pagos. Assim, forçoso concluir que, à retirada de uma vantagem do consumidor deve corresponder necessariamente um abatimento na sua contraprestação. É dizer, se as condições dos serviços contratados sofrem decréscimo quantitativo ou qualitativo, deve haver também um decréscimo na obrigação que cabe ao consumidor, qual seja, o valor da mensalidade. Neste sentido, deve-se ter em consideração a ilegalidade da alteração contratual unilateral que onera em demasia o consumidor, à luz do Código de Defesa do Consumidor: Art. 5. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: ( ) X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral; ( ) XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato, após sua celebração; É flagrante a ilegalidade da prática, portanto, assim como a nulidade de cláusula de contrato de adesão introduzida para prevê-la. Retirar serviços antes à disposição do consumidor sem abater o correspondente valor da contraprestação paga mensalmente pelo usuário equivale a aumentar a onerosidade do contrato para o consumidor. Neste contexto, salta à vista, também, a criação de novos planos que, embora sejam apresentados como novidade, prometem ao consumidor exatamente 8

9 o que ele desfrutava antes da alteração da cláusula contratual atinente e de forma ainda mais restrita. É dizer, retira-se do consumidor determinada vantagem sem que haja abatimento do preço; concomitantemente, oferece-se algumas vantagens das quais ele anteriormente desfrutava por um valor mais elevado, veiculando a oferta como se de novidade se tratasse. Isso equivale, portanto, a aumentar desproporcionalmente os valores cobrados dos consumidores que se virem obrigados a migrar para planos com maior franquia de dados, ou com o famigerado Whatsapp ilimitado. Como irrazoável alternativa, pode o consumidor continuar a pagar o mesmo que antes, mas sem desfrutar do acesso à internet até o fim do mês de apuração do consumo. Aqui, emerge a previsão constante do art. 5, IV, do Código de Defesa do Consumidor, o qual determina ser considerada cláusula contratual abusiva toda aquela que estabeleça obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade. Ainda, forçoso mencionar que é direito do usuário expressamente previsto na Lei 2.965/204 (Marco Civil da Internet) a manutenção da qualidade contratada da conexão à internet, por ser o acesso à rede essencial ao exercício da cidadania (art. 7º, V). Assim, não se pode reconhecer como legítima a unilateral decisão imposta pela demandada de simplesmente interromper o acesso dos seus usuários à internet, em oposição à prática anteriormente adotada e integrante do plano contratado pelos usuários, segundo a qual se garantia o acesso, ainda que com velocidade reduzida, até o fim do período de aferição de consumo. Por isso, é fundamental que sejam repelidas as supracitadas práticas da demandada, lesivas aos consumidores, através da declaração de nulidade da cláusula contratual inserida em contratos de adesão firmados antes de 27 de fevereiro de 205 que estabelece a interrupção total do serviço de dados após o fim da franquia contratada. 9

10 Assim, a demandada será compelida a manter o serviço de acesso móvel à internet, mesmo que com velocidade reduzida após o esgotamento da franquia de dados, ou realizar abatimento proporcional nos valores pagos pelos usuários de planos pós-pagos de telefonia móvel caso seja interrompido o acesso à internet com o fim da franquia mensal de dados DA AGRESSÃO À NEUTRALIDADE DA REDE A entrada em vigor do Marco Civil da Internet no Brasil (Lei 2.965/204), embora tardia, mostrou-se fundamental para conferir maior segurança jurídica aos contratos de forma geral relacionados à internet e firmar direitos dos usuários de internet no país, antes submetidos a uma espécie de limbo jurídico. Há que se destacar, nesse contexto, que um dos grandes méritos do referido diploma normativo foi o de prever como princípio da disciplina do uso da internet no Brasil a preservação e garantia da neutralidade de rede (art. 3º, IV). Em garantia à observância do princípio, tendo em conta a preservação da liberdade do usuário e da livre concorrência, assim dispôs o legislador: Art. 9º O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação. ( ) 3º Na provisão de conexão à internet, onerosa ou gratuita, bem como na transmissão, comutação ou roteamento, é vedado bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado o disposto neste artigo.

11 Em outras palavras, pode-se dizer que não cabe ao fornecedor do acesso à internet filtrar o que o usuário acessa. Não pode autorizar a utilização de determinados serviços e não de outros, não pode liberar o acesso a determinados sítios eletrônicos e não a outros; em suma, deve apenas fornecer o serviço de dados contratado, nunca impor ao usuário os serviços ou aplicativos com que ele deve usufruí-lo. Tal previsão, saliente-se, é fundamental para que o usuário de serviços de internet ocupe verdadeiro papel de sujeito das atividades em rede, e não mero objeto de imposições e manipulações por agentes econômicos poderosos, como os fornecedores do serviço de acesso à internet. Aqui, não se pode sequer cogitar do afastamento da aplicação do dispositivo pela ausência de regulamentação do Marco Civil pelo Executivo. Embora haja previsão de regulamentação, por meio de decreto, das excepcionais hipóteses autorizadoras de discriminação ou degradação de tráfego, o comando veiculado pelo art. 9º, caput, acima transcrito, tem aplicabilidade direta e imediata. Ou seja, a regra imposta aos fornecedores de conexão à internet, veiculada pela lei (em obediência ao princípio da legalidade, em respeito ao art. 5º, II, CF/88), é imperiosa e de observância necessária e imediata; apenas as exceções à regra serão regulamentadas por decreto. É, assim, forçoso reconhecer que a discriminação ou degradação de tráfego, até que sobrevenha regulamentação, é absolutamente vedada. De não ser este o entendimento, haveria inaceitável subversão da estrutura lógica piramidal do ordenamento jurídico: a regra, para ser aplicada, necessitaria a regulamentação das exceções; o decreto, ato normativo que deriva diretamente da lei, condicionaria a aplicação da própria lei, que tem fundamento de validade diretamente na Constituição. Desta forma, o decreto assumiria relevância maior que a da lei que pretende regulamentar, bem como modularia temporalmente os seus efeitos por não ser editado oportunamente (a despeito da previsão relativa ao vacatio legis constante da lei), o que é ilógico e inconcebível, em face da verificação de plena validade, vigência e eficácia da Lei 2.965/204.

12 É necessário ter em vista de que a competência privativa do Presidente da República para expedição de decretos e regulamentos, de acordo com o art. 84, IV, CF/88, tem como finalidade a fiel execução das leis. Nesta linha, jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, amparada em festejada doutrina: "É cediço na doutrina que a finalidade da competência regulamentar é a de produzir normas requeridas para a execução de leis quando estas demandem uma atuação administrativa a ser desenvolvida dentro de um espaço de liberdade exigente de regulação ulterior, a bem de uma aplicação uniforme da lei, isto é, respeitosa do princípio da igualdade de todos os administrados (MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 2ª ed. São Paulo: Malheiros, p. 336)." (ADI 4.28-AgR, rel. min. Luiz Fux, julgamento em , Plenário, DJE de ) Cotejando-se o caso de que se trata com o excerto supra, percebe-se que o espaço de liberdade exigente de regulação ulterior que legitima a atuação administrativa por meio de decreto está relacionado à disciplina das exceções à regra de neutralidade da rede não havendo decreto, não há exceções; a regra de neutralidade é absoluta e imediatamente aplicável, cabendo ao intérprete a construção da norma jurídica a partir do texto da lei. Ressalte-se, por oportuno, que a vindoura regulamentação da discriminação ou degradação do tráfego na internet poderá decorrer exclusivamente de requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações e de priorização de serviços de emergência, conforme expressa disposição legal (art. 9º, º, I e II, Marco Civil da Internet). Assim, é válida a conclusão de que, a despeito da imediata aplicabilidade das disposições veiculadas pelo Marco Civil, mesmo quando sobrevier o decreto regulamentar previsto pelo art. 9º, º, não será possível prever a restrição

13 da navegação apenas a serviços como Whatsapp ou serviços pagos fornecidos pela operadora de telefonia móvel. Isso tudo porque, além dos limites já impostos pela lei ao decreto a ser editado, mesmo quando se autorize excepcionalmente a discriminação ou degradação do tráfego, o responsável pelo fornecimento da conexão de dados, dentre outras obrigações, jamais poderá oferecer serviços em condições comerciais discriminatórias ou praticar condutas anticoncorrenciais, consoante a previsão do art. 9º, 2º, IV. Acaso o decreto preveja hipóteses de exceções à neutralidade que exorbitem os limites fixados pela lei, incorrerá em ilegalidade e deverá ser prontamente repelido pelo Judiciário, quando provocado. Por tudo isso, resta clara a ofensa, por parte da demandada, à neutralidade da rede, quando comercializa pacotes de internet que permitem a utilização somente do aplicativo Whatsapp, ou quando permite acesso apenas a serviços próprios, com o fim da franquia de dados. Ao fazê-lo, a Tim discrimina os demais serviços e ofende a liberdade de tráfego do consumidor, em agressão frontal ao que prevê o Marco Civil da Internet DO DANO MORAL COLETIVO O Código de Defesa do Consumidor consagra como direito básico do consumidor "a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos" (art. 6º, VI). Nesta esteira, dispõe ser também direito básico "o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos" (art. 6º, VII). Ressalte-se, ademais, a previsão constante do art. 8 do mesmo diploma, que estatui a possibilidade de defesa em juízo dos interesses do consumidor a título coletivo. No presente caso, a ora demandada atingiu a honra e a dignidade de diversos consumidores através da conduta abusiva.

14 Não se pode desconsiderar, em primeiro lugar, a frustração de grande número de consumidores com a repentina alteração contratual, prejudicial aos seus interesses, lesiva economicamente. Tal frustração é de maior monta se considerado o fato de que a maior parte dos usuários de serviços pós-pagos da demandada são consumidores de longa data dos serviços prestados pela Tim, e sempre puderam desfrutar do serviço de internet móvel até o fim do período de aferição de consumo, mesmo após o fim da sua franquia de dados. Talvez mais considerável ainda seja a angústia e indignação causadas aos consumidores quando se derem conta de que as promoções veiculadas pela Tim, de acesso ilimitado ao Whatsapp, nada mais são do que a reciclagem do serviço anteriormente à disposição, mas com restrições e a preços superiores. Conforme exposto, a velocidade reduzida após o fim da franquia de dados era suficiente para a utilização do referido aplicativo, assim como para acessar outros serviços. Agora, além de precisar pagar mais para continuar utilizando o Whatsapp ao fim da franquia de dados, o consumidor não terá a possibilidade de utilizar serviços além deste. Caso prefira manter as condições contratuais, pagando o mesmo valor de antes, não terá acesso sequer ao Whatsapp depois de consumir a franquia de dados contratada. Além do óbvio prejuízo financeiro, portanto, percebe-se o abalo à esfera moral dos consumidores por se verem induzidos a erro pela demandada, com a qual em muitos casos estabeleceram relações contratuais há anos, sofrendo cortes nos serviços contratados, sendo obrigados a contratar planos mais onerosos e levados a crer que toda a situação não passa de uma promoção da operadora de telefonia. Aqui, é evidente a violação ao princípio da boa fé objetiva que deve nortear as relações de consumo. Neste contexto, deve-se levar em conta que a reparação do dano moral coletivo tem destacada finalidade preventiva, ou seja, serve também para de-

15 sestimular a prática de novas lesões a direitos coletivos lato sensu. A condenação à reparação do dano moral coletivo, portanto, detém função híbrida, punitiva e preventiva. Desta feita, configurado o dano moral coletivo através de clara violação à boa fé objetiva e do abalo à esfera moral dos consumidores do Estado de Pernambuco coletivamente considerados, faz-se necessária a condenação da ré ao pagamento de indenização a título de reparação pelos danos morais coletivos causados. Para isso, destaque-se a feição pedagógica que deve nortear a fixação do quantum indenizatório nas relações de consumo, de forma que a demandada se sinta desestimulada a voltar a proceder de forma abusiva. É, portanto, imperiosa a necessidade de fixação do valor da reparação pelo dano coletivo em montante apto a, além de reparar os danos, desestimular a ora requerida à prática de novas ilicitudes da mesma natureza. 3. DA ANTECIPAÇÃO DE TUTELA Não restam dúvidas da verossimilhança das alegações aqui aduzidas, em vistas da confissão da demandada quanto à prática, inclusive por meio de comunicados aos seus consumidores veiculados por diversos meios. A questão, pois, é eminentemente acerca da interpretação do direito posto e da sua aplicação ao caso concreto, e a argumentação desenvolvida demonstra a existência do fumus boni iuris. É, ainda, fundado o receio de dano irreparável a número indeterminado de consumidores: dado o porte da empresa, vários consumidores já estão sofrendo, ou se encontram em vias de sofrer, a supressão unilateral dos serviços por eles contratados, sem que haja qualquer compensação por isso. É certo, outrossim, que a importância assumida pela internet atualmente permite concluir que a retirada desta possibilidade de comunicação aos consumidores é

16 extremamente danosa e pode causar a perda de diversas oportunidades, de variada ordem, as quais não serão necessariamente restabelecidas se reconhecida a procedência dos pedidos apenas no julgamento final de mérito. Por isso, configurado o periculum in mora, requisito exigido para a concessão de tutela antecipada no art. 273, I, do Código de Processo Civil. Assim, preenchidos os requisitos legais, urge que seja concedido imediatamente provimento judicial apto a fazer cessar a prática abusiva, com fulcro no art. 84, 3, do Código de Defesa do Consumidor e no art. 273, I, do Código de Processo Civil. Por isso, requer-se, a título de tutela antecipada inaudita altera parte, para contratos vigentes no Estado de Pernambuco: a) a imediata suspensão de cláusulas inseridas em contratos de adesão firmados pela ré antes do dia 27 de fevereiro de 205 que prevejam a interrupção da conexão de dados após o consumo da franquia mensal de dados de usuários de serviços pós-pagos; b) a condenação da ré em obrigação de fazer consistente em garantir a conexão em velocidade reduzida, nos mesmos parâmetros dos vigentes até o dia 27 de fevereiro de 205, a todos os usuários de serviços pós-pagos contratados antes da referida data, após o consumo da franquia mensal de dados; c) alternativamente ao pedido anterior, a condenação da ré em obrigação de fazer consistente conceder abatimento de, no mínimo, 20% no valor dos planos pós-pagos contratados com serviço de internet incluído antes do dia 27 de fevereiro de 205;

17 d) a condenação da ré em obrigação de não fazer consistente em não comercializar planos que prevejam a possibilidade de utilização de apenas determinados aplicativos e serviços de internet, discriminando outros serviços conteúdos; e) a imposição de multa diária no valor de R$00.000,00 (cem mil reais) para o eventual descumprimento de cada uma das determinações judiciais, para que se dê efetividade ao provimento liminar, em consonância com o art. 84, 4, CDC. 4. DOS PEDIDOS Pernambuco: Em sede de tutela definitiva, para contratos vigentes no Estado de a) a confirmação de todos os provimentos liminares, inclusive com a cominação de multa diária por descumprimento, sendo declarada a nulidade das cláusulas em contrato de adesão acima mencionadas; b) a condenação da ré a reparar os danos morais coletivos causados, em valor a ser arbitrado pelo MM. Juízo, a ser revertido ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor; c) a citação da ré para, querendo, contestar a ação; d) a inversão do ônus da prova, nos termos do art. 6º, VIII, do Código de Defesa do Consumidor; e) a produção de todas as provas em direito admitidas, com a imediata juntada aos autos do PP nº 004/205-8;

18 f) a publicação de edital, nos termos do art. 94 do Código de Defesa do Consumidor; g) a condenação da ré nos ônus sucumbenciais, exceto honorários advocatícios. Para efeitos meramente fiscais, atribui-se à causa o valor de R$00.000,00 (cem mil reais). Pede deferimento. Recife, 24 de março de 205. LILIANE DA FONSECA LIMA ROCHA 8ª Promotora de Justiça de Defesa do Consumidor da Capital

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET 14 de agosto de 2015 Flávia Lefèvre Guimarães Representante do 3º Setor no CGI.br

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2013

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2013 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº, DE 2013 (Do Sr. CARLOS SOUZA) Susta a aplicação dos artigos 62 e 63 do Regulamento do Serviço Móvel Pessoal SMP, anexo à Resolução nº 477, de 7 de agosto de 2007, da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet Oficina sobre Governança da Internet e o Marco Civil da Internet GETEL/UnB Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 Marco Civil da Internet Marcus A. Martins Consultor Legislativo

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS

ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS D E C I S Ã O Trata-se de AÇÃO CIVIL COLETIVA proposta

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA São Paulo Registro: 2015.0000401535 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2062435-54.2015.8.26.0000, da Comarca de Olímpia, em que é agravante

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Estado de Sergipe Poder Judiciário 4ª Vara Cível CAPUCHO, ARACAJU/Se Termo do Despacho Dados do Processo Número 200410400571 Classe Civil Publica Situação ANDAMENTO Competência 4ª VARA CíVEL Distribuido

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DO CONSUMIDOR

DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DO CONSUMIDOR Parecer Procedimento administrativo PA nº 02/2015 Ementa: RESOLUÇÃO 2.932/2002 BACEN POSSIBILIDADE DE AMPLIAÇÃO DO HORÁRIO DE ATENDIMENTO LEGALIDADE - BANCO ITAÚ EXCLUSIVO PARA CLIENTES VIOLAÇÃO AOS PRINCÍPIOS

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Dep. Federal Alessandro Molon (PT-RJ) Relator do PL 2.126/2011 VI Seminário Telcomp São Paulo, 25 de setembro de 2013 + amplamente debatido 2.300 contribuições consultas públicas 6 audiências e seminários

Leia mais

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE 2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE Foi noticiado em jornal de grande circulação que O secretário de transportes de determinado estado, e certa empresa de transportes coletivos, pessoa jurídica

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Valor de Mercado

AÇÃO CIVIL PÚBLICA Valor de Mercado AÇÃO CIVIL PÚBLICA Valor de Mercado Resumo: Tomamos a iniciativa de relatar este caso, dado seu interesse e relevância para o segmento segurador, além do significado para os consumidores de seguros, especialmente

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS Processo nº 0312090-42.2012.8.19.0001 Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS S E N T E N Ç A Trata-se de ação de obrigação

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas

REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas Esta promoção é realizada pela TELEFÔNICA BRASIL S/A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851 São Paulo, inscrita no CNPJ/MF nº 02.558.157/0001-62 (doravante

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO O presente Termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2016

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2016 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2016 (Do Sr. MARX BELTRÃO) Susta o inciso III e os 1º e 3º do art. 63 da Resolução n.º 614, de 28 de maio de 2013, da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL,

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas III

REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas III REGULAMENTO Promoção Planos Locais Empresas III A presente promoção será realizada pela empresa TELEFÔNICA BRASIL S.A., doravante denominada VIVO, nos seguintes termos e condições: 1. Definições Para esta

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Depois de 15 anos o marco civil da internet está prestes a sair mas ainda causa polêmica. Um dos aspectos mais relevantes é o do livre acesso (ou não). O Congresso Nacional deve

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA EXMO.(A) SR(A). DR(A). JUIZ(A) DE DIREITO DA VARA ESPECIALIZADA DE DEFESA DO CONSUMIDOR DESTA CAPITAL A DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA pelas suas representantes, infra firmadas, constituídas na

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

A CÓRDÃO CÍVEL Nº 71001878719 COMARCA DE PORTO ALEGRE. Vistos, relatados e discutidos os autos. EFN Nº 71001878719 2008/CÍVEL

A CÓRDÃO CÍVEL Nº 71001878719 COMARCA DE PORTO ALEGRE. Vistos, relatados e discutidos os autos. EFN Nº 71001878719 2008/CÍVEL CONSUMIDOR. RESCISÃO DE CONTRATO. SERVIÇO DE INTERNET BANDA LARGA (3G). CONEXÃO DISPONIBILIZADA EM VELOCIDADE MUITO INFERIOR À CONTRATADA. INOBSERVÂNCIA DO DEVER DE INFORMAR POR PARTE DA FORNECEDORA. DIREITO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo fls. 134 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo Juiz(a) de Direito:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.214, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho)

PROJETO DE LEI N.º 2.214, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.214, DE 2015 (Do Sr. João Fernando Coutinho) Acrescenta o artigo 130-B à Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, para proibir o bloqueio à internet de clientes com

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE LIMINAR

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE LIMINAR EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA CAPITAL VARA EMPRESARIAL DA COMARCA DA A COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, vem, pela presente, por seus procuradores que

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

RECOMENDAÇÃO PR/RJ/CG Nº 07/2014

RECOMENDAÇÃO PR/RJ/CG Nº 07/2014 Procedimento Administrativo MPF/PR/RJ nº 1.30.001.001245/2013-82 RECOMENDAÇÃO PR/RJ/CG Nº 07/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República in fine assinado, com fundamento nos

Leia mais

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME

SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Registro n' SENTENÇA TIPO A AUTOS n 0021894-60.2011.403.6100 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉ: ANP TRANSPORTE LTDA - ME Vistos. Trata-se de ação ordinária, visando

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

Vistos, Embora dispensado (art. 38, Lei nº 9.099/95), é o relato do necessário.

Vistos, Embora dispensado (art. 38, Lei nº 9.099/95), é o relato do necessário. Vistos, Como já ressaltado em decisum anterior, a presente demanda foi proposta por MARIA APARECIDA MARQUES AMORIN NUNES em face de UNIMED ARAGUAIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO, objetivando a revisão

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CIVEL DA COMARCA DO RIO DE JANEIRO-ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EXCELENTISSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CIVEL DA COMARCA DO RIO DE JANEIRO-ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXCELENTISSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CIVEL DA COMARCA DO RIO DE JANEIRO-ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENATO GOMES, brasileiro, divorciado, dentista, residente e domiciliado na Rua dos Santos, Bairro

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2013.0000774196 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002068-54.2012.8.26.0663, da Comarca de Votorantim, em que é apelante UNIVERSO ON LINE S/A, é apelado ANTONIO

Leia mais

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Suspensão de Liminar nº 764/AM Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado do Amazonas Requerido: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Interessado: Ministério Público

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria Regional da República da 1ª Região

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria Regional da República da 1ª Região Agravo de Instrumento n 0038084-17.2014.4.01.0000/DF Agravante: União Federal Agravado: Manoel Morais de Oliveira Neto Alexandre Relator: Des. Fed. Souza Prudente RELATOR CONVOCADO: Juiz Federal Carlos

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Acompanhamento Processual Unificado. Não vale como certidão

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Acompanhamento Processual Unificado. Não vale como certidão Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo Acompanhamento Processual Unificado Não vale como certidão Processo: 0019173 17.2015.8.08.0024 Petição Inicial: 201500835324 Situação: Tramitando

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TIPO A PODER JUDICIÁRIO 22ª VARA CÍVEL FEDERAL DE SÃO PAULO AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO N.º 0004415-54.2011.403.6100 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉ: AGÊNCIA NACIONAL DE SÁUDE SUPLEMENTAR - ANS REG.

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

Dados Pessoais ASSINATURA DO CLIENTE. Oi ATENDE: *144 do seu Oi ou 1057 de qualquer telefone fixo ou acesse www.oi.com.br

Dados Pessoais ASSINATURA DO CLIENTE. Oi ATENDE: *144 do seu Oi ou 1057 de qualquer telefone fixo ou acesse www.oi.com.br PROMOÇÃO VÁLIDA DE 14/09/2009 a 17/01/2010. Certificamos a sua adesão às ofertas NOVO CRÉDITO OI NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD E 15 MIL MINUTOS+TORPEDOS. A Oferta NOVO CRÉDITO OI NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD

Leia mais

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO FBT Tecnologia LTDA - ME., inscrita no CNPJ sob no 20.167.162/0001-26, com sede na Av Ipiranga 7464, 9º Andar Sala 914, Porto Alegre - RS, única e exclusiva proprietária do

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014455-71.2010.8.19.0209 APELANTE 1: UNIMED RIO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO DO RIO DE JANEIRO LTDA. APELANTE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL RELATOR: DES. MARCOS ALCINO DE AZEVEDO TORRES APELAÇÃO CÍVEL Nº. 0373149-36.2009.8.19.0001 APTE: VIVO S.A. APDO: MINISTERIO PUBLICO Apelação Cível. Ação civil

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de Goiás Rua 26, nº521, Bairro Santo Antônio CEP: 74.853-070, Goiânia GO Site: http://www.cosemsgo.org.br E-mail: cosemsgoias@gmail.com Fone: (62)

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A Registro nº /2013 Processo nº 0009617-48.2012.403.6109 Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A DECISÃO Cuida-se de ação civil pública ajuizada

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DOS PLANOS CLARO INTERNET PÓS PAGO O presente Termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Estado de São Paulo EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O Ministério Público Federal, pelo Procurador Regional

Leia mais

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA 16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA RECLAMANTE: SINDADOS-BA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Informação de fato novo Pedido de prioridade no julgamento do feito

Informação de fato novo Pedido de prioridade no julgamento do feito EXMO. SR(A). JUIZ(A) FEDERAL DO TRABALHO DA 12ª VARA DO TRABALHO EM MANAUS-AM. Informação de fato novo Pedido de prioridade no julgamento do feito Processo nº 0001270-41.2013.5.11.0012 Autor: MINISTÉRIO

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo 471 Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo Sonia Maria Monteiro 1 O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO No plano coletivo de assistência à saúde,

Leia mais

REGULAMENTO. Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500.

REGULAMENTO. Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500. REGULAMENTO Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500. Estes planos são comercializados pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO Registro: 2011.0000128338 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9091312-94.2006.8.26.0000, da Comarca de Nova Odessa, em que é apelante BANCO BMC S/A sendo apelado MASSA FALIDA

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE PIRAJU SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE PIRAJU SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE PIRAJU SP URGENTE IC 051/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, na defesa dos direitos dos idosos, com fulcro nos artigos 127, 129

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DUO Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S.A., com sede na Rua Martiniano de Carvalho, 851 - São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO. fls. 187 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000273106 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 101381993.2014.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante EVENMOB CONSULTORIA DE IMOVEIS

Leia mais