A OFERTA DE INTERNET E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL PELOS ALUNOS DAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS MT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A OFERTA DE INTERNET E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL PELOS ALUNOS DAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS MT"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO A OFERTA DE INTERNET E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL PELOS ALUNOS DAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS MT NILTON FLÁVIO ZANCANARO CUIABÁ MT 2011 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO A OFERTA DE INTERNET E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL PELOS ALUNOS DAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS MT NILTON FLÁVIO ZANCANARO Orientador: Prof. Dr.ª Lívia Lopes Azevedo Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Informática na Educação da Universidade Aberta do Brasil da Universidade Federal de Mato Grosso Modalidade à Distância, do Instituto de Computação, como requisito para obtenção do título de Especialista em Informática na Educação. CUIABÁ MT 2011 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO A OFERTA DE INTERNET E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL PELOS ALUNOS DAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS MT AUTOR: NILTON FLÁVIO ZANCANARO Aprovada em / / Prof. Dr. Lívia Lopes Azevedo IC/UFMT (Orientador) Prof. Dr. Jésus Franco Bueno IC/UFMT Prof. Dr. Andréia Gentil Bonfante IC/UFMT

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos que me incentivaram e contribuíram para a conclusão deste trabalho. A Deus primeiramente, porque sem ele não seria nada, pois me iluminou e me fez seguir em frente mesmo com os obstáculos da vida. A minha mãe e meu pai, que desde criança me incentivaram e possibilitaram estudar mesmo em tempos economicamente difíceis. A minha esposa Edicarla Venturolli por todo o apoio, auxilio e incentivo para que juntos pudéssemos vencer mais está etapa de nossa vida juntos. Aos meus amigos e companheiros de especialização e de vida: Kelliane Lacerda, Carla Cristina, Claudinei Facincani e Ester Mello que se tornaram um ponto de apoio um do outro durante os estudos. Além dos meus amigos: Odirlei Rozales, Claudinei Facincani, Rudney Primavera, Cleber Bianchini, Eder Venturolli, Reginaldo Primavera, Anderson Contardi e outros por entenderem nossa ausência em vários momentos. A todos os funcionários da escola onde trabalho pelo apoio e auxilio das tarefas do dia a dia, que possibilitaram um tempo a mais para realização deste curso.

5 AGRADECIMENTOS A Deus por me dar forças e iluminar o coração de todos que me auxiliaram nesta caminhada. Agradeço às Escolas EE Santa Rosa, EE Bento Alexandre dos Santos, EE Maria Eduarda Pereira Soldera e a EM Boa Esperança, aos seus professores, direção e coordenação por me ajudar a tornar possível este trabalho. E, finalmente, a minha orientadora Lívia Lopes Azevedo, que desde o inicio apoiou-me e auxiliou-me na construção deste trabalho.

6 RESUMO A presente monografia tem como objetivo analisar a oferta de sinal de Internet, o percentual de alunos com acesso a este recurso e a sua utilização como ferramenta educacional nas escolas localizadas na zona rural do município de São José dos Quatro Marcos MT. Para subsidiar esta pesquisa foi realizado um levantamento quantitativo com os alunos, professores e gestores das Escolas Estaduais Bento Alexandre dos Santos, Santa Rosa, Maria Eduarda Pereira Soldera e a Escola Municipal Boa Esperança. A investigação se deu por meio de questionários com perguntas abertas, em relação a dados quantitativos, e perguntas fechadas, em relação à qualidade do sinal e seu uso. As questões tinham como propósito conhecer a atual condição de acesso à Internet pelos alunos localizados na zona rural e sua utilização como ferramenta educacional, relatando sobre os projetos e atividades desenvolvidas em suas unidades escolares. É apresentado também um levantamento, não exaustivo, das várias modalidades de acesso a internet na região. Com relação ao uso educacional da internet, a pesquisa se fundamenta, principalmente, em Valente (1993, 1997, 1998), Moran,(1997, 2000), Mercado (2001).

7 SUMÁRIO DEDICATÓRIA... 4 AGRADECIMENTOS... 5 RESUMO... 6 SUMÁRIO... 7 LISTA DE FIGURAS... 9 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A DIFUSÃO DA INTERNET Um breve relato sobre a Internet no mundo hoje A Difusão da Internet Um breve relato sobre o uso da Internet no Brasil OS TIPOS DE CONEXÃO Linha discada xdsl Cabo Rede elétrica Wi-Fi Redes Ad-Hoc Rádio Satélite WiMax WAP EDGE G CAPÍTULO II A INTERNET COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL Vantagens e desvantagens da Internet na Educação Recursos de Interação e Comunicação A Internet como Ambiente de Pesquisa na Escola CAPÍTULO III O USO DA INTERNET COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL NAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS O Município de São José dos Quatro Marcos A Metodologia da Pesquisa O Espaço da Realização da Pesquisa A Oferta da Internet no Campo no Município de São José dos Quatro Marcos A Utilização da Internet pelos Alunos do Campo... 40

8 1.3.3 As Experiências de Utilização da Internet nas Escolas do Campo no Município de São José dos Quatro Marcos CAPÍTULO IV CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 58

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Porcentagem de usuários de Internet por país Figura 2- Localização do Município no Estado de Mato Grosso Figura 3 Distribuição das Escolas no Município Figura 4 Número de Alunos Figura 5 - Curso de informática Figura 6 Sabe usar computador Figura 7 Possui Figura 8 - Possui computador Figura 9 - Conexão com a internet Figura 11 - Qual o motivo de não ter internet em casa? Figura 12 - Frequência de uso da internet Figura 13 - Qual a maior utilidade da internet... 45

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS EE EM CEFAPRO Escola Estadual Escola Municipal Centro de formação de professores ARPANET Advance Research Projects Agency NCP TCP/IP MILNET CERN WWW EUA Embratel LNCC Bitnet FAPESP CNPq RNP USP CGI.br UIT xdsl BPL PLC Network Control Protocol Transfer Control Protocol/Internet Protocol Military Network Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear World Wide Web Estados Unidos da América Empresa Brasileira de Telecomunicações Laboratório Nacional de Computação Científica Because It's Time Network Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Rede Nacional de Pesquisa Universidade de São Paulo Comitê Gestor da Internet no Brasil União Internacional de Telecomunicações Digital Subscriber Line Broadband over Power Lines Power Line Communications

11 INTRODUÇÃO A Internet vem se tornando a mídia mais utilizada dos meios de comunicação, e se demonstrando uma importante ferramenta para diversas atividades deste nosso mundo globalizado, em especial para a sua utilização na Educação. Mas como é o acesso e a utilização desta importante ferramenta pela população global e nacional em suas diferentes classes sociais e localizações geográficas? Com base nesta problemática surge a justificativa deste trabalho, no qual buscou-se analisar a acessibilidade da Internet no município de São José dos Quatro Marcos. Em particular, a oferta do acesso a Internet na zona rural do município, mais precisamente, aos alunos do Ensino Fundamental e Médio das escolas localizadas no campo e suas experiências educacionais de utilização deste recurso. Desta forma, este trabalho tem por objetivo, primeiro, analisar a disponibilidade e acesso a Internet pelos alunos localizados na zona rural, residentes no município de São José dos Quatro Marcos; segundo, como ocorre o uso diário, sua utilização na complementação aos estudos através de projetos e atividades realizadas nas diferentes disciplinas ou de forma multidisciplinar pelas unidades escolas e os resultados e dificuldades encontradas. Para isto foi realizado um levantamento junto às empresas VSP e NEONET, que disponibilizam sinal de Internet no município, com relação as regiões de sua abrangência e o percentual de residências na zonal rural que possuem assinatura nas casas. De posse dos dados, foi confeccionado uma relação de dados contendo porcentagem de alunos com Internet em casa, locais de possível conexão. Paralelamente, foi realizado um questionário com os alunos e professores da região com o intuito de investigar as principais atividades efetuadas na rede, a forma de utilização dos recursos da Internet em seus estudos e como os professores se utilizam deste recurso na escola. Foi relatando, também, sobre os projetos e experiências de utilização da internet como ferramenta educacional e as dificuldades encontradas por professores e unidades escolares. Este trabalho esta organizado da seguinte forma. No capítulo um é apresentada uma breve discussão sobre a difusão da internet e as formas de acesso. No capitulo dois é relatado sobre a utilização da Internet como ferramenta educacional, vantagens e 11

12 desvantagens, interação e comunicação e a internet como ambiente de pesquisa na escola. No capitulo três foi feito uma pesquisa sobre a disponibilidade de sinal de internet no campo, o acesso e utilização da internet pelos alunos ali localizados e as experiências de utilização deste recurso pelos professores. O uso da internet como ferramenta educacional nas escolas do campo do município de São José - MT é apresentado no capítulo quatro. Por fim, as conclusões são apresentadas no capitulo cinco, seguido das referencias bibliográficas. 12

13 CAPÍTULO I 1 A difusão da Internet Segundo Travaglia (2000) a história da Internet inicia-se no ano de 1962, durante a Guerra Fria onde o comunismo difundido pela União Soviética fazia grande oposição ao capitalismo difundido pelos Estados Unidos. Durante este período houve uma grande corrida tecnológica e bélica por estas duas grandes potências para demonstrar qual sistema sócio econômico era melhor, e assim conquistarem um maior número de nações adeptas. Disputa esta que por muitas vezes, quase culminou numa guerra mundial, com armas de destruição em massa. Assim os americanos resolveram criar uma rede de comunicação militar que fosse forte o bastante para resistir a um ataque nuclear. O conceito desta idéia revolucionária se baseava em um sistema descentralizado, o qual permitia que a rede funcionasse mesmo com a destruição de uma ou mais máquinas. Foi em agosto de 1969 que a denominada ARPANET (Advance Research Projects Agency) entrou em atividade militar, com a finalidade de interligar universidades e áreas militares para aumentar a comunicação entre as forças armadas e instituições de pesquisa dos EUA e, também, desenvolver projetos em conjunto, independente da localização física, sem correr o risco de perder dados e informações em caso de destruição de alguma dessas áreas. A rede ARPANET foi a grande responsável pela Internet que temos atualmente, pois a mesma contava com algumas características fundamentais que a rede de hoje também possui, como: protocolos básicos, comunicação entre as máquinas de forma descentralizada, e um ou mais nós na rede poderiam ser removidos sem danificar o seu funcionamento. Foi no início da década de 70 que outras universidades e demais departamentos de defesa obtiveram permissão para se conectar à rede, isto é, a ARPANET. No entanto, para a surpresa de todos, no fim da década de 70 a ARPANET já tinha se expandido rapidamente, o que forçou a troca do sistema de protocolo Network Control Protocol (NCP) para o sistema de protocolo para o TCP/IP (Transfer Control Protocol/Internet Protocol). 13

14 De acordo com Bruno (2006) na decada de 80 os militares americanos criaram a MILNET, que ficava de uso exclusivo das formas armadas, e deixaram a ARPANET para a utilização não militar. Assim o desenvolvimento da rede nesse ambiente mais livre pôde então acontecer. No final da decada de 80, seu crescimento e difusão pelo mundo foram tão grandes que a ARPANET passa a charmar-se Internet. No inicio da decada de 90 o cientista britânico Tim Berners-Lee, do CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear), criou a World Wide Web(WWW), possibilitando a utilização de uma interface gráfica e a criação de sites mais dinâmicos e visualmente interessantes. A partir deste momento, a Internet cresceu em ritmo acelerado. A década de 1990 tornou-se a era de expansão da Internet. Para facilitar a navegação pela Internet, surgiram vários navegadores (browsers) como, por exemplo, Internet Explorer e o Netscape Navegador. O surgimento acelerado de provedores de acesso e portais de serviços online contribuíram para este crescimento. A Internet passou a ser utilizada por vários segmentos sociais. Os estudantes passaram a buscar informações para pesquisas escolares, enquanto jovens utilizavam para a pura diversão em sites de games. As salas de chat tornaram-se pontos de encontro para um bate-papo virtual a qualquer momento. Desempregados iniciaram a busca de empregos através de sites de agências de empregos ou enviando currículos por . As empresas descobriram na Internet um excelente caminho para melhorar seus lucros e as vendas online dispararam, transformando a Internet em verdadeiros shoppings virtuais. 1.1 Um breve relato sobre a Internet no mundo hoje. Com base na história da Internet como vimos anteriormente, está rede de informação ainda é apenas uma criança engatinhando ao compararmos com à historia de outras tecnologias da informação como o radio, jornal, revista e a televisão. A história da criação e do desenvolvimento da Internet é a historia de uma aventura humana extraordinária. Ela põe em relevo a capacidade que tem as pessoas de transcender metas institucionais, superar barreiras burocráticas e subverter valores estabelecidos no processo de inaugurar um mundo novo. (CASTELLS, 2003, pág. 13). Mesmo sendo uma tecnologia recente, podemos notar a importância que a mesma vem assumindo em diferentes ramos da sociedade moderna. A influência pode ser notada nos seguintes aspectos: comunicação áudio-visual entre as pessoas, contato à distância das empresas pelos seus dirigentes; comercialização dos objetos e dos 14

15 serviços, administração governamental e o imenso conhecimento disponibilizado na rede. Mas infelizmente essa tecnologia ainda não alcança todas as pessoas do planeta. Isto fica ainda mais evidente em países e regiões com maiores desigualdades sócioeconômicas. O Brasil tem experimentado inegáveis avanços na inclusão digital e no acesso da população à Internet, embora os números ainda revelem fortes disparidades, conforme as regiões do país, as classes sociais e o nível de escolaridade das pessoas. (WAGNER, 2010, pág. 47) Esta realidade não é um problema exclusivo brasileiro. A Internet em países desenvolvidos ou de 1º mundo é mais acessível e principalmente menos pesada no orçamento de seus usuários. Mesmo assim segundo a União Internacional de Telecomunicações (UIT), no início do ano 2000, havia apenas 250 milhões de usuários de Internet, enquanto em 2011 já superavam ligeiramente os 2 bilhões. A própria UIT havia realizado uma previsão de dois bilhões de usuários, originalmente para A Internet é a tecnologia que depois, do telefone celular, registrou o mais rápido crescimento em toda a história da humanidade. Há pouco mais de 2,7 bilhões de telefones celulares em todo mundo, 35 anos depois do inicio da comercialização deste aparelho de comunicação interpessoal. O automóvel tem cem anos de existência como bem de consumo e registra 800 milhões de unidades em uso no planeta. O telefone fixo é 10 anos mais velho e tem 1.3 bilhão de linhas em funcionamento em todo o mundo. A televisão existe há 60 anos e há 1,56 bilhões de aparelhos em uso. Como há um processo de convergência entre os computadores conectados à Internet e a comunicação móvel via celular, não vai demorar muito para que as duas tecnologias sejam praticamente interligadas, formando uma única e mega rede de comunicação. Esse crescimento vertiginoso está ocorrendo também, e com uma porcentagem da população maior, nos países mais pobres, em especial na África, onde a telefonia celular vem crescendo muito ao ano em países como a Nigéria. É claro que em números absolutos, o total de celulares e computadores conectados à web na África ainda é irrisório em comparação com Europa e Estados Unidos. Mas fica evidente a entrada das classes C e D neste mercado, principalmente pelo surgimento de novas tecnologias e pela redução do valor de aquisição de sinal, possibilitando a pessoas com ganho salarial baixo a aquisição de computadores e conexão com a Internet. 15

16 Segundo a Internet World Stats, o uso da Internet africana cresceu 2,527.4% entre 2000 e 2010, sendo o continente que mais se destacou, sendo seguido pelo oriente médio com 1.987% e pela America Latina e Caribe com 1.037% no mesmo período. Ainda segundo a World Stats, há 900% mais internautas brasileiros hoje do que há oito anos. Para comparar, no mesmo período os Estados Unidos apresentou um ritmo de 220% no crescimento de sua população cibernética, contra 52% na Alemanha, 41,8% na Inglaterra e 36,2 na França e 94% no Japão. É importante que tenhamos o senso de constatarmos que mesmo com esses enormes índices de crescimento nos países subdesenvolvidos, ainda é muito pequena a proporção da população geral desses países que possuem o acesso a Internet. O Banco Mundial disponibiliza um gráfico interativo de demonstração de proporção a cada 100 habitantes com acesso a Internet, o que possibilita uma vasta gama de comparações entre países desenvolvidos e subdesenvolvidos, possibilitando constatarmos como em países desenvolvidos há um maior número de habitantes com acesso à Internet do que em países subdesenvolvidos. Alem disso, ainda teríamos que avaliar a qualidade dessa conexão, pois sabemos que nos países de primeiro mundo essas conexões são em sua maioria realizada através de banda larga. Através do gráfico mostrado na figura 1, podemos notar que mesmo com a grande porcentagem de aumento de acessibilidade dos países subdesenvolvidos, esta tecnologia ainda alcança uma pequena parcela da população. A Holanda com mais de 90% é um dos países da Europa com o maior número da sua população com acesso a Internet, e quando comparado, os países do norte da Europa são quem possuem os melhores dados do continente. Na Ásia podemos dar como destaque a Coréia do Sul, Japão e China; nos dois primeiros também encontramos as maiores velocidades de conexão. Na Oceania, temos que dar destaque a Nova Zelândia e Austrália. No continente Africano, temos como destaque o Marrocos, com 30% da sua população e a África do Sul, com aproximadamente 10% de sua população. Assim podemos notar que mesmo sendo os destaques do continente, fica evidente o baixo índice de pessoas com acesso a Internet. 16

17 Figura 1- Porcentagem de usuários de Internet por país. No continente americano um dos melhores índices fica com os EUA, com quase 80% de sua população com acesso a Internet, uma disparidade grande quando comparada com quase 40% da população brasileira. Assim podemos notar o quando países subdesenvolvidos como o Brasil tem a crescer neste mercado. Sabemos também que grande parcela dessa porcentagem esta localizado nas regiões sul e sudeste, já que temos uma maior concentração da população urbana do país nessas regiões. 1.2 A Difusão da Internet De acordo com GETSCHKO (2009) no Brasil a Internet da mesma forma que nos EUA primeiro foi explorada pelo meio acadêmico e científico e, até poucos anos o acesso era restrito a professores e funcionários de universidades e instituições de pesquisa. Somente no ano de 1995 a Internet deixou de ser privilégio das universidades e da iniciativa privada para se tornar de acesso público. As iniciativas para instalação e conexão com a Internet tiveram inicio em 1987 atraves de reuniões entre as instituições de ensino do estado de São Paulo e a Embratel (Empresa Brasileira de Telecomunicações), com o objetivo de interligar a comunidade acadêmica e científica do Brasil com outros países com a finalidade de trocar informações. Em 1988, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) conseguiu se conectar à Universidade de Maryland, acessando a Bitnet (Because It's Time Network), uma rede que permitia a troca de mensagens. No mesmo ano, em São Paulo, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) se 17

18 conectou ao Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab) em Chicago, também por meio da Bitnet. Em 1989, foi a vez da Universidade Federal do Rio de Janeiro se conectar à uma universidade americana, também pela Bitnet, tornando-se a terceira instituição a ter acesso a essa tecnologia. Nesse ano foi criada, com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Rede Nacional de Pesquisa (RNP), que durante a década de 1990, foi a responsável por fornecer acesso a Internet a aproximadamente 600 instituições, ou seja, por volta de 65 mil usuários. No ano de 1991, o acesso a rede de informações, já denominada Internet, era utilizada também por órgãos do governo e instituições educacionais de pesquisa. Nessa época a Internet era utilizada para transferências de arquivos, debates e acesso a base de dados nacionais e internacionais. Em 1992, ocorreu a implantação de uma rede que cobria grande parte do país. Inicialmente interligava onze estados, uma rede de equipamentos e linhas de comunicação que compunham o que se pode chamar de central da RNP. Nos anos seguintes seguiu o processo de divulgação dos benefícios da Internet entre os estudantes e empresas privadas. Em 1994, alunos da USP criaram inúmeras páginas na Web. Estima-se que mais da metade existentes no país haviam sido elaborados pelos mesmos. Somente em 1995, foi realizada a primeira transmissão a longa distância entre estado brasileiros, realizada por São Paulo e Rio Grande do Sul, e finalmente neste mesmo ano foi liberada a operação comercial no Brasil, mas ainda assim sem alcançar grande desenvolvimento. No mesmo ano, foi criado o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), com a atribuição de coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços Internet no país, promovendo a qualidade técnica, a inovação e a disseminação dos serviços ofertados. Com isto, a partir de meados da decada de 90, a Internet realmente evoluiu e cresceu no Brasil. Foram criados diversos provedores e o número de usuários cresceu rapidamente, o que ainda continua crescendo de maneira astronomica em nosso pais e no mundo, como poderemos notar a seguir. 1.3 Um breve relato sobre o uso da Internet no Brasil De acordo com dados do Ibope/Nielsen, o Brasil possui atualmente 73,9 milhões de usuários de Internet. O principal local de acesso desses usuários é a lanhouse com 18

19 31%, seguido da própria casa 27%, e da casa de parente e amigos com 25%. Ainda segundo o instituto Ibope Nielsen, de outubro de 2009 a outubro de 2010, o número de usuários ativos, aqueles que acessam a Internet regularmente, cresceu 13,2%, atingindo 41,7 milhões de pessoas. A entrada da classe C para o mercado de Internet é que vem contribuindo para este aumento gradativo e constantes no número de internautas, e que deve continuar a manter esse mesmo compasso forte de aumento. De acordo com dados do Ibope a desigualdade social ainda é um dos grandes problemas da disseminação da Internet no Brasil. Entre os 10% mais pobres, apenas 0,6% tem acesso à Internet, já os 10% mais ricos esse número é de 56,3%. Somente 13,3% dos negros usam a Internet, mais de duas vezes menos que os de raça branca 28,3%. Essas desigualdades também podem ser notadas nas divisões regionais do país, de acordo LANG (2010) com base nos dados da Abril Exame, a região Sudeste é a que lidera o ranking, ela é responsável por 61,25% dos acessos à Internet no país, enquanto no Sul, essa marca é de 16,04%, no Nordeste a participação é de 12,35%, no Centro- Oeste de 7,12% e a região Norte somente 3,24%, mas na comparação de aumento de acessos a região Norte com 19,12% é a que tem a maior taxa de crescimento no cenário nacional. O comercio eletrônico no Brasil também acompanha este crescimento segundo o e-bit em 2010 as compras eletrônicas totalizaram 14,8 bilhões de reais, registrando um crescimento de 40%, para este ano de 2011 a uma previsão que este mercado fature 20 bilhões. O Brasil em 2008 tinha aproximadamente 7 milhões de internautas que realizavam compras online em 2010 este número saltou para 23 milhões, e para este ano é esperado um grande aumento neste número. Todo esse crescimento fez da Internet o terceiro veículo de maior alcance no Brasil, atrás apenas do Rádio e da TV, em um período de muito curto se a compararmos com outras tecnologias da informação. Segundo dados da IDC Brasil as vendas de computadores pessoais no Brasil em 2010 cresceram 23,5 % sobre o ano anterior, totalizando 13,7 milhões de unidades, colocando o país na quarta posição mundial, atrás apenas de Estados Unidos, China e Japão. Do total dos computadores comercializados em 2010, os desktops corresponderam a 55% das vendas e os notebooks a 45%, tanto para consumidores 19

20 corporativos quanto domésticos, mas de acordo com as tendências das pesquisas os netbooks e notebooks devem superar muito em breve os desktops. As conexões em Banda Larga no Brasil atingiram em 2010 aproximadamente segundo a Teleco 13,8 milhões e neste primeiro trimestre de 2011 chegou aos 14,4 milhões. Mesmo com todas estas conexões, apenas 7,4% da população brasileira tem acesso a este tipo de conexão, que ainda tem uma velocidade máxima baixa comparada com países como Japão e Coréia do Sul. O sistema de conexão móvel também vem crescendo muito no Brasil, a Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações através do Programa Nacional de Banda Larga estuda maneiras de tornar a Internet banda larga mais acessível aos brasileiros até 2014 e um dos seus trabalhos consiste em disponibilizar Internet sem fio, gratuita em algumas cidades brasileiras, disponibilizar salas de conexão e reduzir impostos sobre os serviços de Internet. 2 Os tipos de Conexão A Internet evoluiu muito na última década, que era apenas uma utopia em filmes de ficção científica, hoje está cada vez mais presente em nossas vidas, estamos vivendo estas transformações. Podemos notar que a velocidade da Internet vem aumentando constantemente, e também vivenciar o surgimento dos diferentes meios de nos conectarmos. Para melhor entendermos a frenética evolução tecnológica faremos um breve relato sobre os diferentes tipos de conexão de acordo com FILHO (2007). 2.1 Linha discada A Internet deu seus primeiros passos a partir de cabos e fios, esses tipos de conexões ainda são amplamente utilizados, principalmente devido à alta velocidade obtida por alguns. A famosa Internet discada foi praticamente o pontapé inicial da rede no Brasil, e ainda é utilizada, mas não é mais tão popular quanto foi no início dos anos Isto devido sua baixa velocidade máxima 56,6kbps, e impossibilitar a utilização do telefone. 2.2 xdsl Este tipo de conexão possibilitava a utilização do telefone enquanto conectado e ainda proporcionou um ganho de até 5 vezes na velocidade, além de não necessitar 20

21 discagem. Assim a banda larga foi vista como a grande revolução tecnológica para muitos internautas. E foram as conexões da família xdsl (Digital Subscriber Line), ou linha de assinante digital) as primeiras a se popularizarem nesse sentido. Este tipo de conexão ainda utilizava uma linha telefônica para acessar a Internet, mas conectada a um modem externo específico. Desta forma o consumidor apenas pagava uma mensalidade para a empresa, que liberava o sinal em sua residência. A velocidade, em comparação com a Internet discada, era o paraíso: 128 kbps, no mínimo. Mas a xdls era capaz de alcançar inimagináveis, ao menos para a época 24 Mbps. 2.3 Cabo Com a mesma tecnologia dos sinais de TV a cabo, empresas decidiram disponibilizar o acesso à Internet. Para este tipo de sinal não é necessário uma linha telefônica para se conectar, o que da mais liberdade ao usuário, e sim um modelo especifico de modem. Outra grande vantagem deste tipo de conexão é a velocidade, que varia entre 70 kbps e 150 Mbps. Além disso, a Internet a cabo facilitou a criação de redes de computadores, dividindo a conexão com múltiplas máquinas, sem contar a distribuição sem fio através de roteadores wireless. 2.4 Rede elétrica Conhecida mundialmente pelo nome BPL - Broadband over Power Lines, ou PLC - Power Line Communications, ou seja, comunicação através de linha de força. Basicamente, a Internet sob rede elétrica é o encaminhamento do respectivo sinal no mesmo fio da energia elétrica, cada um na sua frequência. Essa tecnologia começou a ser discutida no Brasil em meados de 2000, e até os dias de hoje foram realizados poucos testes e segundo Rosa (2010) temos como exemplo de implantação a cidade de Porto Alegre, em estabelecimentos públicos, com uma velocidade de 45Mbps, e uma extensão de 3,5km, a maior do país. Mas esse sistema que pode atingir uma velocidade de 200Mbps ainda não esta disponível comercialmente no Brasil. Como vantagens esse sistema já possui a infra-estrutura de transmissão e com poucos ajuste poderia atender uma grande porcentagem da população. Mas infelizmente 21

22 esse meio de emissão de sinal possui problemas na sua transmissão como, interferências, falhas, ecos, interferências em outros sinais e de outros aparelhos eletrônicos. 2.5 Wi-Fi Com o avanço da tecnologia dos computadores, e a chegada de aparelhos portáteis como os notebooks possibilitaram maior mobilidade e abriram as portas para as conexões que dispensam a utilização de fios e cabos. A Internet wireless mostrou que a Internet está em qualquer lugar. A mais popular das conexões wireless é basicamente uma versão sem fio da banda larga comum, distribuída através de um roteador especial. É por isso que são designadas como redes, já que necessitam de uma conexão com fios para criar o ponto de acesso. O sinal de Internet é enviado a frequências que variam entre 2,4 GHz e 5 GHz e podem alcançar até 54Mbps no raio de alguns metros. O mais interessante é que esse tipo de conexão, antes exclusiva dos laptops, tornou-se tão popular que vários outros equipamentos passaram a adotá-la. É o caso de celulares, smartphones e até mesmo alguns computadores domésticos, que adicionaram um adaptador wireless para captar o sinal. 2.6 Redes Ad-Hoc Se a rede Wi-Fi necessita de um ponto de acesso para realizar a distribuição de sinal, as ad-hoc fazem com que cada computador transforme-se em uma espécie de roteador. Em outras palavras, é como se os PCs se comunicassem entre si sem a necessidade que um dispositivo faça a mediação. Isso torna mais flexível a troca de informação. Outro ponto interessante deste tipo de conexão é que ela não é exclusiva para computadores. Você pode conectar desde sua impressora até criar uma rede de vídeo games para jogos online. Um exemplo prático são alguns games de PSP que utilizam o Playstation 3 para ativar um modo para múltiplos jogadores. 2.7 Rádio Este tipo de sinal possibilita a conexão à rede através de sinais emitidos por antenas de rádio. A grande vantagem desta conexão é dispensar o uso de qualquer fio ou 22

23 cabo e até mesmo modems. O sinal é enviado por uma antena e recebido por uma torre de transmissão, que é posicionada em um local estratégico, geralmente no alto de prédios ou lugares que não ofereçam barreiras para a onda. Além disso, a conexão via rádio é bastante útil devido ao seu longo alcance, o que favorece quem mora em cidades onde o sinal telefônico ou via cabo não alcança. O único problema é que, para obter o máximo da conexão, o sinal deve chegar à torre sem encontrar nenhum tipo de barreira, e até mesmo chuvas podem desestabilizá-la. 2.8 Satélite A conexão via satélite funciona de maneira semelhante à rádio, mas com a diferença de poder ser acessada de qualquer lugar do planeta. Por conta disso, é um dos métodos mais caros para acessar a Internet. Para conectar é necessário ter dois modems, um para envio de dados e outro para recebimento, e uma antena específica para este tipo de sinal. Como a distância entre o satélite e o receptor é enorme, o tempo de resposta e envio de dados é muito alto e sujeito as múltiplas interferências. Para contornar isso, a troca de informações é feita em grandes pacotes, mas com um grande intervalo entre um e outro. A velocidade fica entre 200 e 600 kbps. 2.9 WiMax A WiMax é, resumidamente, uma versão mais poderosa e potente da já conhecida rede Wi-Fi, tanto em velocidade quanto em cobertura. Esta conexão é capaz de cobrir uma cidade inteira e com uma taxa de transferência de dados surpreendente. Porém, assim como a Internet a rádio e via satélite, a WiMax também sofre com interferência, principalmente de ondas de alta frequência, e até uma chuva diminuiria a força de ação do sinal. Ainda assim, a conexão é uma boa alternativa para quem mora em locais em que não existe disponibilidade de sinal banda larga, como zonas rurais ou cidades mais afastadas, e ainda pode atinge uma velocidade de 72 Mbps WAP Um dos anseios dos usuários de Internet era a possibilidade de conexão com aparelhos celulares. A WAP foi a primeira grande tentativa de integrar os aparelhos celulares à Internet, este tipo de conexão era uma espécie de adaptação da web, já que 23

24 só podia acessar páginas feitas especialmente para este tipo de conexão. Como o número de páginas WAP era incrivelmente menor do que as encontradas na Internet tradicional e a velocidade muito baixa, este tipo de conexão não agradou tanto aos usuários. Alem do custo de conexão e a explosão de celulares do tipo pré-pago e da falta de aceitação a visualização estes tipos de paginas EDGE Se a conexão WAP é a versão da Internet discada para celulares, a EDGE pode ser comparada à xdsl, guardadas as devidas proporções. Com uma taxa de transmissão de dados de até 384 kbps, este tipo de tecnologia já permitia que páginas da web fossem acessadas G A tecnologia 3G funciona de maneira semelhante à conexão a rádio e os sinais são enviados praticamente pelas mesmas torres que enviam o sinal de telefonia para o aparelho, possibilitando um amplo raio de alcance. Além disso, a conexão pode chegar a 7 Mbps. Presente em praticamente todos os celulares atuais, a Internet 3G tornou-se tão popular que recebeu até adaptação para computadores. Pequenos modems exclusivos foram desenvolvidos para que você possa conectar-se à Internet em seu notebook através deste tipo de conexão quando não existirem redes Wi-Fi. A evolução dos meios de emissão de sinal de Internet cresce em proporção a da evolução dos aparelhos de informática, a uma velocidade muito grande. O que hoje é uma tecnologia de ponta pode estar ultrapassado amanhã, podemos constatar isto ao ver diariamente o lançamento de novos modelos de aparelhos, menores, com mais recursos e mais avançados. Nesta linha de pensamente já estão em andamento estudos sobre os novos meios de emissão de sinal de Internet como a evolução do 3G para 4G e o LTE que já existe, mas ainda não é comercializada. 24

25 CAPÍTULO II 1 A Internet como Ferramenta Educacional O uso da Internet na escola pode exemplificar a multiplicidade de recursos que podem ser utilizados em situações de aprendizagem. Um dos recursos bastante conhecido são os sites de busca, que podem facilitar e incentivar o aluno na pesquisa de informações e dados. Segundo BRITO (2008) com a rede, abrem-se imensas fronteiras que ainda necessitam ser exploradas e compreendidas pelos professores e educadores num trabalho compartilhado. A autora relata em seu trabalho que professores, educadores e alunos deveram aprender juntos, pois são recursos recentes e que devem ser melhor explorados. Outro recurso da Internet que também vem sendo explorado educacionalmente são as ferramentas de comunicação, como correio eletrônico, fórum de discussão e chats. Estes novos meios de comunicação favorecem o estabelecimento de conexões entre pessoas de diferentes lugares, idades e profissões. A troca de idéias e experiências com pessoas de diversos contextos pode ampliar a visão do aluno no sentido de fornecer novas referências para sua reflexão. A interação que é gerada pela Internet no desenvolvimento de atividades, estabelece um laço de envolvimento considerável por parte do aluno, de modo que este avança a medida que vai em busca do seu conhecimento, responsabilizando-se pelo seu próprio aprendizado. (MERCADO, 2005, pág. 25) Os recursos pedagógicos da Internet, a pesquisa, a comunicação e a representação podem perfeitamente ser utilizadas de forma articulada. O importante é o professor conhecer as especificidades de cada um dos recursos para orientar-se na criação de ambientes que possam enriquecer o processo de aprendizagem do aluno. Para MORAN (2007)... a Internet tem hoje inúmeros recursos que combinam publicações e interação, por meio de listas, fóruns, chats, Blogs... e também podemos mencionar as novas febres da Internet o Face book e o Twinter. Igualmente essa visão deve orientar a articulação entre as diferentes tecnologias e as áreas curriculares. A possibilidade de o aluno poder diversificar a representação do conhecimento, a aplicação de conceitos e estratégias conhecidas formal ou intuitivamente e de utilizar 25

26 diferentes formas de linguagens e estruturas de pensamento redimensiona o papel da escola e de seus protagonistas (alunos, professores, gestores). 1.1 Vantagens e desvantagens da Internet na Educação Em praticamente tudo que consumimos e fazemos uso, existem vantagens e desvantagens. Na Educação não é diferente a Internet como outros meios de comunicação possibilitam benefícios e malefícios, temos como exemplo um dos meios de comunicação mais visto hoje, a televisão, que disponibiliza inúmeros programas educativos gratuitamente, mas que também, encontramos programas sem fins educacionais. Da mesma forma a Internet possui recursos aproveitáveis e não aproveitáveis no processo educacional, e também riscos na sua utilização, a partir deste conceito passaremos a discorrer sobre estes recursos. Segundo (Maciel, 2009) apud (Tjara, 2002) são essas algumas das principais vantagens da Internet. Acesso a fontes inesgotáveis de assuntos para pesquisa; Uso de páginas educacionais especificas para a pesquisa escolar; Uso de páginas para busca de softwares; Realização de comunicação e interação com outras escolas; Estímulos para pesquisar a partir de temas previamente definidos; Desenvolvimento de uma forma de comunicação e socialização entre estudantes e professores; Estimulo a escrita e à leitura; Estimulo a curiosidade; Estímulo ao raciocínio lógico; Desenvolvimento da autonomia para o estudo; Possibilidade de aprendizado individualizado; e Toca de experiências entre professor-professor, aluno-aluno e professor-aluno. Com relação à disponibilização do conhecimento a Internet veio a democratizar a educação. A educação é milenar, mas nunca foi muito democrática, e acessível. A razão para isso, entre outras, poderia estar na dificuldade da disponibilização do conhecimento, de como ofertá-lo a todos. 26

27 A Internet entra neste contexto facilitando o acesso da população sem distinção de cor, credo ou raça, a um enorme acervo de informações em uma velocidade alucinante. Mas temos muito que evoluir com relação a esta democratização, e uma das primeiras providencias seria um amplo processo de inclusão digital, fazendo com que toda essa população tenha acesso a máquinas que possibilitem a conexão e a Internet, tendo assim acesso a esse mar de informações. Esta claro que vivemos a cultura do conhecimento, governos e educadores precisam urgentemente tirar proveito da Internet para construir um modelo educacional mais amplo. Outra grande vantagem da Internet é a conveniência. É rápido, fácil e está ali a poucos clique. Posso em poucos minutos ir ao banco, fazer uma compra, pagar uma conta, emitir um documento, conversar com várias pessoas, pesquisar aquela receita, conhecer locais, culturas, estudar, fazer cursos entre outras coisas. E pela natureza gratuita da maioria dos conteúdos, a Internet proporciona uma inclusão social e digital sem precedentes, possibilita irmos a qualquer país, pesquisar informações nas mais diferentes empresas e agencias mundiais, olharmos imagens de qualquer região, ver os vídeos produzidos em todo o mundo, entre outros. Nunca tivemos esta liberdade e facilidade de locomoção pelo globo, embora virtual. Segundo MACIEL (Maciel, 2009) apud (TJARA, 2002 e LAUDON; LAUDON, 2007). Temos como problemas correlacionados ao uso da Internet Existência de muita informação sem fidedignidade; Facilidade de dispersão durante a navegação na Web; Possibilidade de haver lentidão no acesso aos sites em função da qualidade da conexão; Facilidade no acesso de informações inadequadas para o público infanto-juvenil; Dificuldade de conferir credibilidade a algumas informações, em função da falta de dados bibliográficos; Dependência e vulnerabilidade à eventuais falhas na Internet; Oferta de novas maneiras de cometer crimes pelo computador; Possibilidade de ocorrerem abusos digitais, por meio de atos que, embora sejam legais são considerados antiéticos...; Ocorrência de mais doenças ocupacionais tal como LER Lesão por esforço repetitivo; e Ampliação das desigualdades de acesso, pelo aumento da exclusão digital; 27

28 Com base em todos esses problemas. Temos também a privacidade na Internet, muitas pessoas ficam expostas e com isto acabam sendo vítimas de golpes, roubos entre outros crimes. Por isso sempre temos que tomar cuidado com fotos, vídeos e informações pessoais como endereços, números de telefones, número de documentos entre outros que expomos na rede. Muitos se escondem atrás de um suposto anonimato para cometer crimes e fraudes dos mais diversos tipos. Há muita ilegalidade, pequenas fraudes são cometidas a todo momento. Outra desvantagem da Internet é a abordagem muitas vezes superficiais dos assuntos apresentados, e com falta de conhecimento cientifico da causa nas informações expostas. Isto não chega, a ser um problema tão sério como os mostrados anteriormente, mas para a educação é um problema a se pensar, por isto a necessidade da previa averiguação dos sites de uma pesquisa por parte do professor. É diferente a abordagem encontrada na web, com a abordagem de um livro por exemplo, onde possui começo, meio e fim, na Internet os conteúdos muitas vezes não possuem uma estrutura e nem mesmo fonte e referencia. Para finalizar, a maior desvantagem da Internet pode ser mesmo a dificuldade que muitos têm para conseguir acessá-la. Ainda é muito caro e a qualidade deixa muito a desejar. Em algumas regiões é difícil conseguir conexão, imagine de banda larga e quando conseguem são caras e as vezes ruins. Mesmo assim temos que concordar que as vantagens da Internet superam suas desvantagens. O lado bom ainda é maior e com um pouco de cautela podemos extrair delas coisas edificantes para as nossas vidas, trabalho e construção de conhecimentos. 1.2 Recursos de Interação e Comunicação Todos procuram na rede seus semelhantes, seus interesses. Cada um busca a sua "turma"; busca pessoas que tenham gostos, valores, expectativas parecidos; pessoas fisicamente próximas e distantes, conhecidas e desconhecidas. Uma das características mais interessantes da Internet é a possibilidade de descobrir lugares inesperados, de encontrar materiais valiosos, endereços curiosos, programas úteis, pessoas divertidas, informações relevantes. São tantas as conexões possíveis, que a viagem vale por si mesma. Viajar na rede precisa de intuição apurada, de estarmos atentos para fazer tentativas no escuro, para acertar e errar. A pesquisa nos 28

29 leva a garimpar jóias entre um monte de banalidades, a descobrir pedras preciosas escondidas no meio de inúmeros sites publicitários. A comunicação torna-se mais e mais sensorial, mais e mais multidimensional, mais e mais não-linear. As técnicas de apresentação são mais fáceis hoje e mais atraentes do que anos atrás, o que aumentará o padrão de exigência para mostrar qualquer trabalho pelos sistemas multimídia. O som não será um acessório, mas uma parte integral da narrativa. O texto na tela aumentará de importância, pela sua maleabilidade, facilidade de correção, de cópia, de deslocamento e de transmissão. Na atualidade o domínio apenas da leitura escrita apresenta-se insuficiente já que só permite acessar a uma parte da informação veiculada em nossa sociedade que está acessível através dos livros. Uma pessoa analfabeta tecnologicamente está a margem da rede comunicativa que oferecem as TIC. (MERCADO, 2006, p. 12) Na educação, professores e alunos praticam formas de comunicação novas. Encontram colegas com os quais podem comunicar-se facilmente por correio eletrônico, por listas de discussão, por comunicação instantânea, com o IRC- Internet Relay Chat. Atualmente começam a comunicar-se por intermédio de voz, em programas como o Iphone e também de imagem, como o CuSeeme ou a última versão do Iphone, o MSN Messenger e outros. O correio eletrônico pode vir a ser de grande utilidade para se comunicar com outros docentes, alunos e pesquisadores, tanto em nível nacional como internacional. (MACIEL, 2009, pág. 62). Ainda seguindo a linha de pensamento de MACIEL (2009), o pode ser utilizado, na solicitação de informações a cerca de algum tema a uma pessoa ou instituições, a programas de televisão, jornal e revistas, na troca de s com professores de outras nacionalidades, compartilhar trabalhos escolares e na educação superior como via de comunicação, entre alunos e professores. Aumenta a procura pelos chats, fórum e salas de discussão. Muitos estudantes passam horas seguidas em conversas aleatórias, fragmentadas, em um autêntico jogo de cena, de camuflagem de identidade, de meias-verdades. Mas esses recursos tem um grande potencial democrático, por ser aberto, multidimensional. Nessas trocas, realizam-se encontros virtuais, criam-se amizades, trocam-se experiências sobre determinado assunto disponibiliza-se conhecimentos. 29

30 Também podemos citar como exemplo claro da utilização desses recursos da Internet para a comunicação e interação os blogs, para a publicação e avaliação de outras publicações na Internet, e isto vem a contribuir com o processo de ensino aprendizagem dos alunos e professores envolvidos. A divulgação faz com que conhecimento compartilhado acelere as mudanças necessárias e agiliza as trocas entre alunos, professores e instituições. A escola sai do casulo, do seu mundinho, e se torna uma instituição na qual a comunidade pode aprender continua e flexivamente. (MORAN, 2007, pág. 108) Começamos a ser nossos próprios editores de textos e diretores de imagens na Internet. Há centenas de jornais escolares na rede. Quem tem algo a dizer pode fazê-lo sem depender da autorização de emissoras, jornais ou conselhos editoriais; basta colocá-lo na sua página pessoal. Os estudantes podem mostrar sua capacidade on-line, ao vivo, sem ter de esperar anos pelo ingresso formal dentro do mercado de trabalho. O artista está podendo divulgar suas obras para o mundo inteiro imediatamente. O pesquisador consegue publicar na rede os resultados do seu trabalho instantaneamente, sem depender do julgamento de especialistas e sem demora na publicação. Isso torna mais difícil a seleção do que vale ou não vale a pena ser lido. Nem sempre há um conselho editorial de notáveis para filtrar os melhores artigos. Com isso, há muito lixo cultural, mas também se amplia imensamente o número e a variedade de pessoas que se expõem ao julgamento público. 1.3 A Internet como Ambiente de Pesquisa na Escola As novas tecnologias criam novas chances de reformular as relações entre alunos e professores e de rever a relação da escola com o meio social, ao diversificar os espaços de construção do conhecimento, ao revolucionar processos e metodologias de aprendizagem, permitindo à escola a um novo diálogo com os indivíduos e com o mundo. Neste contexto, é fundamental colocar o conhecimento à disposição de um número cada vez maior de pessoas e para isso é preciso dispor de ambientes de aprendizagem em que as novas tecnologias sejam ferramentas instigadoras, capazes de colaborar para uma reflexão crítica, para o desenvolvimento da pesquisa, sendo facilitadoras da aprendizagem de forma permanente e autônoma. 30

31 [...] a criação de ambientes usando a informática como recurso auxiliar do processo de aprendizagem, mudando o foco de uma educação centrada na instrução que o professor passa ao aluno para uma educação em que o aprendiz realiza tarefas usando a informática e, assim, constrói novos conhecimentos. (VALENTE, 2002, p.16) O trabalho com a Internet constitui um meio de relevantes possibilidades pedagógicas, já que não se limita ao que constitui estritamente uma disciplina, permitindo a inter e a pluridisciplinaridade, possibilitando uma educação global e estimula a colocação em funcionamento dos processos de tratamento da informação, nos conteúdos e programas de cada nível. Para Moran (2007) mesmo compreendendo as dificuldades brasileiras a escola que hoje não tem acesso a Internet esta deixando de oferecer ao aluno oportunidades importantes na preparação para o seu futuro e o do país. As novas tecnologias trazem novos horizontes à escola. Os trabalhos de pesquisa podem ser compartilhados por alunos e professores e divulgados instantaneamente em rede para quem quiser. Alunos e professores encontram inúmeros recursos que facilitam a tarefa de preparar as aulas, fazer trabalhos de pesquisa e ter materiais atraentes para apresentação. O professor pode estar mais próximo do aluno, podendo adaptar a sua aula para o ritmo de cada aluno. O processo de ensinoaprendizagem pode ganhar assim um dinamismo, inovação e poder de comunicação inusitados. Ainda segundo MORAN (2000, pág. 53) A Internet é uma mídia que facilita a motivação dos alunos, pela novidade e pelas possibilidades inesgotáveis de pesquisa que oferece. Assim podemos constatar a necessidade de ambientes apropriados para aprendizagem, ricos em recursos para experiências variadas, utilizando novas tecnologias de comunicação, que valoriza a capacidade de pensar e de se expressar com clareza, de solucionar problemas e tomar decisões adequadamente, buscando assim que os alunos adquiram conhecimentos, de acordo com seu ritmo de aprendizagem. A aprendizagem se dá através da descoberta e o professor passa a ser um guia do aluno. Para MORAN (2000 pág. 53) Mais que a tecnologia, o que facilita o processo de ensino-aprendizagem é a capacidade de comunicação autentica do professor de estabelecer relações de confiança com os seus alunos, pelo equilíbrio, pela competência e pela simpatia com que atua.o uso e a interação com as tecnologias auxiliadas a esse processo trazem um ganho enorme na interatividade, participação e troca de experiências, possibilitando o surgimento das salas de aulas virtuais. 31

32 A entrada das novas tecnologias nas salas de aula facilitam a criação de projetos pedagógicos (Hernandez & Ventura, 1998), trocas interindividuais, comunicação à distância, redefinindo o relacionamento estabelecido entre professor-aluno. Os professores deixam de ser líderes oniscientes e os materiais pedagógicos evoluem de livros-textos para programas e projetos mais amplos. As informações se tornam mais acessíveis, os usuários escolhem o que querem, e todos se tornam criadores de conteúdo. (MERCADO, 2004, pág. 151) Pesquisas atuais de Moran (1997), mostram que o conhecimento se processa de forma interligada, mas com ênfase em caminhos diferentes para cada pessoa. Os alunos mostram-se muitas vezes variarem apoiando-se mais no visual, outros no sonoro, outros no sinestésico. Os meios de comunicação desenvolvem linguagens complementares, supostas, que atingem o indivíduo em todos os sentidos e conseguem que cada um encontre a forma de compreensão para a qual está mais apto. As novas tecnologias, por si só, não são veículos para a aquisição de conhecimento, capacidades e atitudes, mas precisam estar integradas em potentes ambientes de ensino-aprendizagem, situações que permitam ao aluno os processos de aprendizagem necessários para atingir os objetivos educacionais desejados. Segundo MERCADO (2004, p.158) Navegar na Internet pode ser um processo de informações valioso na construção do conhecimento, gerando um ambiente interativo, facilitador e motivador de aprendizagem.... O uso da Internet aprimora e facilita a construção do conhecimento, que é algo que está sempre em construção, reconstrução e renegociação, que depende dos atores envolvidos, que, por sua vez, representam vários centros decisórios em estado de constante interatividade, interconetividade e mobilidade. Mas Mercado (2004) adverte que é necessário planejamento para a utilização desse recurso. Por isto a necessidade do trabalho conjunto dos professores e gestores da unidade escolar. A Internet que vem abrindo importantes fronteiras para a educação, cujas possibilidades e cujos limites ainda não são plenamente conhecidos, mas que influenciará profundamente o trabalho nas escolas, promovendo a aprendizagem cooperativa, capaz de preparar o indivíduo para um novo tipo de trabalho profissional que envolva a atividade em equipe. Para MORAN (2000, pág. 99)...a Internet propicia a criação de ambiente ricos, motivadores interativos, colaborativos e cooperativos. O trabalho com a Internet implica a criação de ambientes de aprendizagem voltados para a socialização, a solução de problemas, a gestão compartilhada de dados, de informações e a criação e a 32

33 manutenção de uma memória coletiva compartilhada, que contenha informações de interesse do grupo, capazes de modelar conhecimentos sobre as mais diferentes áreas de aplicação. A Internet, não oferece apenas recursos de pesquisa ao interessado em estudar educação, mas se constitui numa poderosa ferramenta de trabalho para se atuar em ambientes educacionais. Através da Internet, programas de educação à distância, que já vinham sendo executados com a utilização de outros meios de comunicação, como livros, jornais, rádio, televisão, encontram novas perspectivas com os recursos multimídias, com a combinação na rede de diversas formas comunicacionais. 33

34 CAPÍTULO III 1 O uso da Internet como ferramenta educacional nas Escolas do campo do município de São José dos Quatro Marcos A informática nasceu à poucos anos atrás, mas cresce e se aperfeiçoa de forma acelerada todos os dias. Sempre vemos publicações sobre novas tecnologias e novos recursos. Com a Internet não é diferente. Este fenômeno vem crescendo tanto que muitas vezes nos perguntamos o que seriamos sem ela, ou nos indagamos pra que computador sem Internet. Para os jovens de hoje, um não tem validade sem o outro. Podemos notar que este recurso tão valioso nos dias de hoje, ainda não alcança toda a população brasileira, e sim somente uma pequena parcela dela. Com esta visão resolvemos analisar a situação de disponibilidade desse recuso na Zona Rural do município de São José dos Quatro Marcos, analisando os tipos de oferta do sinal, o percentual de estudantes com acesso a rede, a forma de utilização deste recurso e como escolas e professores utilizam a Internet no processo de ensino e aprendizagem nas escolas localizadas no campo. 1.1 O Município de São José dos Quatro Marcos São José dos Quatro Marcos é um município localizado ao sudoeste do Estado de Mato Grosso, conforme demonstrado na figura 2 abaixo, a precisamente a 288,60 km, da capital do estado, Cuiabá. Conforme estudos é um município que teve suas origens por interesses particulares, ja que as origens do município vêm dos projetos de colonização implantados por particulares, sendo o registro em nome de Zeferino José de Matos como o grande pioneiro do município, já que em 1962 adquiriu extensa área de terras da Imobiliária Mirassol, localizada na cidade de Mirassol D Oeste, que posterirmente deixou de existir. 34

35 Figura 2- Localização do Município no Estado de Mato Grosso. Fonte: em 04/05/2011 Segundo Ferreira (2004), devido aos quatro marcos no centro do loteamento, o lugar tomou o nome de Quatro Marcos, sendo acrescentado, posteriormente, o nome de São José, o santo da devoção da comunidade. A Lei nº 3.934, de 4 de outubro de 1977, criou o distrito de São José dos Quatro Marcos e a Lei Estadual nº 4.154, de 14 de dezembro de 1979, criou o município, com a denominação simplificada para Quatro Marcos. A população, interviu e exigiu o nome completo, São José dos Quatro Marcos, conseguindo o objetivo através da Lei nº 4.637, de 10 de janeiro de O povoamento da localidade teve início em 1966, após doação de 1,2 alqueires de terra para formação do patrimônio. Como Ferreira (2004) salienta, assentaram quatro marcos no centro das medições, onde partiam quatro linhas, formando 90º entre elas. Eram dois caminhos que se cruzavam, essas linhas correspondem, hoje em dia, às avenidas São Paulo e Dr. Guilherme Pinto Cardoso. Atualmente segundos dados do (IBGE 2010), o município conta com uma população de habitantes, e com área territorial de (km²), vivendo na zona urbana da cidade cerca de 76,5% da população, e 23,5% na zona rural. O município já foi um dos maiores produtores de café da região, que por 35

36 motivos financeiros deixou de trabalhar com a produção do grão, sendo atualmente produtor de arroz, feijão, milho, mamão, abacaxi, maracujá, mandioca, tomate, etc. De acordo com Censo Agropecuário de 2006, o município conta com cerca de 185 estabelecimentos de produção agrícola, e 1320 estabelecimentos de produção agropecuária, sendo a sua maior fonte de renda. Atualmente é grande produtor do gado de corte, e leiteiro, com cerca de cabeças de bovinos de corte e cabeças de gado leiteiro. Segundo dados do IBGE (2010), no ano de 2010, o município contava com 13 escolas do ensino fundamental, 7 escolas do ensino médio, e 7 escolas com ensino préescolar, possuindo o total aproximado de alunos matriculados nas escolas do ensino fundamental, matriculados no ensino médio e 423 matriculados no ensino pré-escolar. O corpo docente até então 182 professores do ensino fundamental, 90 do ensino médio, e 23 professores do ensino pré-escolar. 1.2 A Metodologia da Pesquisa O trabalho foi realizado através de revisões bibliográficas sobre a história da Internet, o uso da Internet como ferramenta educacional. Para ALVARENGA (2010, pág. 14), esta fase é uma tarefa de busca de informações, a que permita ao investigador interiorizar-se acerca dos conhecimentos existentes sobre o tema. Pesquisas de campo qualitativas e quantitativas, para GOLDENBERG (2007), na pesquisa qualitativa a preocupação do pesquisador não é com a representatividade numérica do grupo pesquisado, mas com o aprofundamento da compreensão. E com relação as pesquisas quantitativas REIS (2008, pág. 58), considera que a pesquisa quantitativa caracteriza-se pelo uso da quantificação na coleta e no tratamento das informações por meio de técnicas estatísticas. Com base neste principio metodológico foi levantado as condições de acessibilidade de Internet na zona rural, como este recurso tecnológico vêm auxiliando e como pode auxiliar o trabalho docente no processo de ensino aprendizagem do aluno. Assim foram realizadas pesquisas qualitativas através de entrevistas com as empresas locais que disponibilizam sinais de Internet e com a coordenação das unidades escolares. As entrevistas foram realizadas através de questionários buscando coletar dados quantitativos junto aos alunos sobre aspectos como: o tipo de serviço de Internet disponível em casa, quando dispõe; a utilização e o tipo de serviço de Internet 36

37 disponível em outro ambiente; como utilizam a Internet; sites mais visitados e sua importância no processo educacional. O trabalho tem como objetivo geral verificar a acessibilidade dos alunos localizados na zona rural ao sinal de Internet e a utilização deste recurso como complemento aos seus estudos. Isto com base na necessidade da inclusão digital e no beneficio da disponibilidade de recursos para uma melhor construção do conhecimento Para alcançarmos esse objetivo principal realizamos alguns objetivos específicos tais como: Verificamos junto as empresas que disponibilizam sinal de Internet as regiões de sua abrangência; Buscamos junto as empresas que disponibilizam sinal de Internet no município o percentual de residências na zona rural que possuem assinatura; Efetuamos pesquisa com alunos residentes na zona rural para confeccionar uma relação de dados sobre: porcentagem de alunos com Internet em casa, locais de possível conexão, principais atividades efetuadas na rede, forma de utilização dos recursos da Internet em seus estudos; Relatamos sobre os benefícios da Internet na educação e sua utilização como ferramenta educacional; 1.3 O Espaço da Realização da Pesquisa A pesquisa teve como foco os alunos do 6º, 7º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental e todos os alunos do Ensino Médio 1º, 2º e 3º anos, que freqüentam as escolas municipais e estaduais de nosso município, localizadas no campo, e os trabalhos realizados pelos professores com a Internet como ferramenta educacional. Foram coletados dados nas escolas, Escola A Escola Estadual Bento Alexandre dos Santos localizada no distrito de Santa Fé, distante 16 km da sede do município, atende nos períodos vespertino e noturno, respectivamente alunos do Fundamental 1º ao 9º ano e Ensino Médio. Escola B Escola Estadual Santa Rosa localizada a 18 Km da sede do município, na comunidade do Barreirão, atendendo nos períodos matutino e vespertino, respectivamente o Fundamental do 6º ao 9º anos e Ensino Médio. Escola C Escola Municipal Boa Esperança localizada a 45km da sede do município, na comunidade da Barra Clara, atendendo no período vespertino, respectivamente Fundamental da Alfabetização ao 9º Ano e Ensino Médio através de 37

38 uma extensão da EE Santa Rosa. E a Escola D Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera, localizada a 19 km da sede do município no distrito de Aparecida Bela, atendendo nos períodos vespertino e noturno, respectivamente Fundamental da Alfabetização ao Ensino Médio e o EJA Educação de Jovens e Adultos. Figura 3 Distribuição das Escolas no Município 38

39 O mapa apresentado na figura 3 demonstra como as quatro escolas estão distribuídas estrategicamente no território do município, ou seja, em porções diferentes do município. Mesmo com essa distribuição, elas não conseguem atender toda a clientela proveniente do campo. Assim os alunos residentes mais próximos da região urbana do município são deslocados para estudarem nas escolas da cidade A Oferta da Internet no Campo no Município de São José dos Quatro Marcos. O município conta com duas empresas prestadoras do serviço de Internet, a NEONET e a VSP. A NEONET é administrada pela empresa Neo Print e foi criada em outubro de 2008, trabalhando com o sinal da operadora Oi, oferecendo um sinal de transmissão de 6Mb e disponibilizando sinal por via rádio. A empresa possui hoje duas torres de transmissão de sinal, uma localizada na zona urbana e outra na zona rural próxima a cidade. A NEONET disponibiliza sinais de Internet de 400kbps a um valor de R$ 65,00 (sessenta e cinco reais). Como é uma empresa mais recente no mercado possui 227 clientes na atualidade e apenas 3,8% desses estão localizados na zona rural. A empresa VSP é uma empresa mais antiga no mercado de sinal de Internet no município. Ela iniciou seus trabalhos no ano de 2000, e também trabalha com sinal via radio. A VSP tem hoje em funcionamento 13 torres de transmissão, sendo 8 na cidade e 5 na zona rural, localizadas nas comunidades do Barreirão, Santa Fé, Barra Clara, Mazeto e Aparecida Bela, ou seja 62,5% da sua infra estrutura de emissão de sinal encontram-se na cidade e 37,5% no campo. Estas torres na zona rural, segundo a empresa, criam uma rede de emissão de sinal, o que garante a ela hoje atender inúmeras comunidades do nosso município, levando-se em consideração o ponto de visualização da torre de transmissão. A empresa trabalha com o sinal da Embratel de 34Mbps/full e vem trabalhando para dobrar essa potencia neste ano de 2011, é disponibilizado três modelos de planos: Plano A com valor de R$ 70,00 (setenta reais) com uma velocidade de 256kbps, Plano B com valor de R$ 89,90 (oitenta e novo reais e noventa centavos) com velocidade de 450kbps; Plano C com valor de R$ 124,00 (Cento e vinte e quatro reais) com velocidade de 650kbps. 39

40 A VSP possui hoje um total de 694 clientes, a maioria deles assinantes do plano A de 256kbps, com uma velocidade menor, mas com um valor mais aquisitivo, e algumas empresas e escolas com os planos B e C. Deste total de clientes 14,12% estão localizados na zona rural. Salientamos que a Internet disponibilizada nas quatro unidades escolares da pesquisa são desta operadora e operam no plano B com uma velocidade de 450kbps. Temos também que ressaltar que no município de São José dos Quatro Marcos, podemos encontrar sistemas de Internet via cabo telefônico e celular, mas que nossa intenção foi detalhar somente sobre meios que conseguem atingir, com maior intensidade, a população rural do município. Estes dois sistemas supracitados não são encontrados na zona rural A Utilização da Internet pelos Alunos do Campo Após a entrevista com as operadoras de sinal de Internet na cidade passamos a realizar a uma pesquisa quantitativa para podermos observar como a Internet está chegando aos alunos do campo e como eles vem a utilizando. Um dos primeiros dados que necessitávamos era o número de crianças matriculadas e freqüentando o Ensino Fundamental de 6º ao 9º ano e o Ensino Médio de cada escola palco deste trabalho. Com base no Censo escolar de 2011 obtivemos o número de alunos de cada escola onde foi realizada a pesquisas e entrevistas, que ficam assim demonstrados. A escola A EE Bento Alexandre dos Santos tem um total de 102 alunos matriculados, a EE Santa Rosa possui 160 matriculas, a EM Boa Esperança tem 95 alunos matriculados e a EE Maria Eduarda P. Soldera possui 87 alunos matriculados nas referidas modalidades de ensino. Isto nos dá um valor em porcentagens de alunos por escola e servirá de base para a realização das demais pesquisas. Nº Escola Nome Nº de Alunos 01 A EE Bento Alexandre dos Santos B EE Santa Rosa C EM Boa Esperança D EE Maria Eduarda Pereira Soldera 87 Figura 4 Número de Alunos Outro aspecto que foi pesquisado foi a quantidade de alunos que possuíam curso de informática básico, com operacionalização, iniciação ao pacote do Office, paint e 40

41 navegação. Com base nos dados obtidos é possível notar, na figura 5, que mais da metade dos alunos, 58% dos entrevistados, não fizeram curso de informática. Entretanto, isto também não significa que este mesmo percentual não saiba manusear um computador, ou seja, ligar e desligar o equipamento e, até mesmo, operar editores de textos e navegadores de Internet. Também foi possível notar que mesmo com todas as dificuldades, em especial a distância da casa dessas crianças a uma escola de informática, pode-se constatar que 16% delas estão freqüentando algum curso básico de informática e outros 26% já possuem algum curso básico. Figura 5 - Curso de informática Com base nos números de alunos que possuem curso, decidimos aferir qual o nível de manuseio de cada aluno com o computador. Assim através da figura 6, notamos que um quinto dos alunos 20% assinalaram que não sabem fazer nada com um computador, nem mesmo navegar na Internet ou criar um texto em um editor, mas em compensação 70% dos entrevistados responderam que bem ou razoável sabem lidar com a máquina, ligando e desligando, navegando e editando textos e planilhas. 41

42 Figura 6 Sabe usar computador Uma das principais e mais antigas ferramentas da Internet é o , e tem sido uma das formas de comunicação, via Internet, de maior popularidade. Sendo assim, resolvemos avaliar o percentual de uso dessa aplicação pelos alunos das escolas pesquisadas. Constatamos conforme demonstrado na figura 7, que pouco mais da metade 51% dos alunos entrevistados possuíam uma conta de . Figura 7 Possui Na figura 8 foi pesquisado o número de alunos com computadores pessoais em casa. E, infelizmente, neste gráfico pode ser notado que menos de um quinto dos entrevistados 19%, possuem computador em casa, um dos fatores que influenciam este dado ainda é o alto custo de aquisição de PCs, principalmente porque grande parte desses alunos são filhos de pequenos sitiantes. 42

43 Figura 8 - Possui computador A figura número 9 foi direcionada aos alunos que possuem computador em casa, pois nesta, foi verificado quantos destes tem conexão com a Internet. Com isto foi verificado que 79% dos alunos que possuem computador também possuem Internet em casa. Figura 9 - Conexão com a internet Através da figura número 10 podemos notar que 68% dos alunos que não tem Internet em casa utiliza-se do sistema disponibilizado pelas unidades escolares, em segundo lugar com 16% aparece a casa do amigo, seguida pelas lanhouse com 9% e, por ultimo, em outros lugares com 7%. Isto deixa bem claro que para esses alunos o principal ponto de acesso a Internet vem a ser a escola onde estudam. 43

44 Figura 10 - Onde utiliza internet Foi indagado para os entrevistados por qual motivo eles não possuíam Internet em suas casas e foi constado, conforme demonstrado na figura 11, que o principal motivo, para 72% dos entrevistado, era a falta do computador em casa, seguido de 16% pelo fato de ser caro o valor da mensalidade do serviço de acesso, e 12% por não conseguirem sinal em suas residências. Figura 11 - Qual o motivo de não ter internet em casa? Com relação a frequência de utilização da Internet, ficou bem claro, de acordo com a figura 12, que os alunos que possuem Internet em suas casas conectam-se diariamente enquanto os outros tem menos frequência de utilização da rede. Assim somente 15% dos alunos conectam-se todos os dias, sendo que a grande maioria, 64% dos entrevistados, conecta-se somente uma vez por semana. Foi observado que boa 44

45 parte destas conexões devem ocorrer na escola, 13% uma vez por mês e 8% conectamse menos de uma vez por semana a Internet. Figura 12 - Frequência de uso da internet A figura número 13 demonstra qual a utilidade da Internet para os entrevistados obtendo como resposta que 52% utilizam-na para divertimento, 28% para relacionamento e somente 20% para, primeiramente, estudo, o que deixa bem claro que este recurso ainda é pouco utilizado pelos alunos como complemento de ensino. Figura 13 - Qual a maior utilidade da internet Com o objetivo de avaliar como esta sendo a utilização da Internet pelos alunos foi feito um levantamento de quais os sites são mais visitados pelos alunos. Desta forma 45

46 pode-se notar através da figura 14, que quase 70% dos alunos informaram utilizar mais os sites Orkut e Msn, sites como Google e You Tube aparecem em segundo plano com um total de 25%, mas não podemos considerar que todo esse acesso é especifico para a pesquisa. Pois os sites referenciados acima podem também ser utilizados para o entretenimento do internauta. Figura 14 - Qual a maior utilidade da internet As Experiências de Utilização da Internet nas Escolas do Campo no Município de São José dos Quatro Marcos. Nas escolas que serviram de referencia para o levantamento foram realizadas entrevista com as coordenadoras, professores e gestores destas, buscando avaliar como se dá a utilização da Internet pelos professores como ferramenta educacional voltada para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem. Todas as escolas declararam dispor de LIED Laboratório de Informática Educativa, concedidos pelo MEC, esses laboratórios dispõem de 10 máquinas, conexão com a Internet e sistema operacional Linux. A utilização é realizada através de agendamentos pelos professores e pelos alunos, fazendo com que o ambiente não tenha sobrecarga de uso, ou que alunos e professores marquem os mesmo horários para utilização. 46

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM

A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM A INTERNET COMO AMBIENTE AUXILIAR DO PROFESSOR NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Luís Paulo Leopoldo Mercado Centro de Educação - Universidade Federal de Alagoas Maceió Alagoas Brasil e-mail: lpm@fapeal.br

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Abordagem 1 para 1 na Educação Básica considerações sobre acompanhamento e avaliação

Abordagem 1 para 1 na Educação Básica considerações sobre acompanhamento e avaliação Abordagem 1 para 1 na Educação Básica considerações sobre acompanhamento e avaliação Roseli de Deus Lopes Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) Escola Politécnica Universidade de São Paulo roseli@lsi.usp.br

Leia mais

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição TIC DOMICÍLIOS 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2008 NIC.BR

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

São Paulo, 24 de novembro de 2005

São Paulo, 24 de novembro de 2005 São Paulo, 24 de novembro de 2005 CGI.br divulga indicadores inéditos sobre a internet no país Além de apresentar as pesquisas sobre penetração e uso da rede em domicílios e empresas, a entidade anuncia

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Dimensões das TIC e Políticas Públicas Apresentação de indicadores sobre os seguintes

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 3 Internet, Browser e E-mail Professora: Cintia Caetano SURGIMENTO DA INTERNET A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria, no final da década de

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET 110. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação TIC DOMICÍLIOS 12 Panorama da Inclusão digital no Brasil Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO:

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO: Manual da fase de teste do Giro Beta Versão: 1.0 Data de publicação: Janeiro/2004 Descrição: Este manual irá ajudá-lo a responder dúvidas que você possa ter sobre a fase de teste do novo serviço Giro.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Revolução do Ensino a Distância Enir da Silva Fonseca Coordenador de Pólo EAD Campus Guarujá UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira BRASIL 2 BRASIL (Dados IBGE, 2010 e Governo Federal, 2011) População: mais de 190 milhões de habitantes Brancos:

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB História da Internet A Internet surgiu a partir de pesquisas militares do governo dos Estados Unidos nos períodos áureos da Guerra Fria. Na década de 1960, quando dois blocos ideológicos e politicamente

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Painel: Inovando nas estruturas acadêmicas e administrativas Profa. Dra. Marta de Campos Maia Marta.maia@fgv.br Agenda As Tecnologias Educacionais e os Nativos

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013 Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação Pesquisa TIC Educação 2012 Pesquisa sobre o uso das TIC nas escolas brasileiras Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Inclusão Digital usando Redes sem Fios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Inclusão Digital usando Redes sem Fios Conceito

Leia mais

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos;

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Missão do IAB Brasil Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Criar normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens

Leia mais