VIDEOECONOMIA COMO OS VÍDEOS, A EDUCAÇÃO E OS CHIPS PODEM GERAR CRESCIMENTO ECONÔMICO SAMUEL VIDAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIDEOECONOMIA COMO OS VÍDEOS, A EDUCAÇÃO E OS CHIPS PODEM GERAR CRESCIMENTO ECONÔMICO SAMUEL VIDAL"

Transcrição

1 VIDEOECONOMIA COMO OS VÍDEOS, A EDUCAÇÃO E OS CHIPS PODEM GERAR CRESCIMENTO ECONÔMICO SAMUEL VIDAL

2 Videoeconomia: Como os vídeos, a educação e os chips podem gerar crescimento econômico Nas últimas décadas têm ocorrido grandes avanços tecnológicos na área de informática. Os computadores possuem chips com capacidade de armazenamento 1000 vezes maior do que os computadores de 20 anos atrás e a velocidade da Internet aumentou em média 20 vezes no mundo nos últimos 10 anos. Esses avanços também proporcionaram um grande aumento na disseminação de vídeos. Por outro lado o uso das ferramentas digitais tem apresentado pouco impacto na melhoria da qualidade da educação. Uma melhor educação gera cidadãos mais produtivos, aumentando as taxas de crescimento econômico dos países e reduzindo a pobreza. No Brasil, o resultado de provas nacionais como o IDEB 1 tem mostrado notas baixíssimas, principalmente no Ensino Médio, onde a nota média dos alunos em 2009 foi 3,6 numa escala de 0 a 10, mesmo com o grande aumento do uso de ferramentas como o computador na última década. O que também chama a atenção é a presença de escolas analógicas nas primeiras colocações. Essas escolas com poucos recursos financeiros e precária infra-estrutura digital utilizam predominantemente estratégias tradicionais de ensino como o uso do quadro negro e a aplicação de ditados. Os computadores não são aproveitados ou no mínimo utilizados apenas em último caso. Se algumas escolas não digitais conseguiram resultados excelentes nos exames nacionais, imaginem o que seria possível fazer se os computadores, os softwares educacionais, a Internet, os DVDs e as lousas digitais, soluções que privilegiam a comunicação visual com o estudante, fossem usadas com alto grau de eficiência. Essa discussão não acontece apenas no Brasil. No mundo inteiro, os especialistas em educação procuram formas de melhorar o ensino e encontram-se angustiados diante da ausência de avaliações que indiquem os impactos das chamadas tecnologias da informação e comunicação (TICs) na sala de aula. Então temos o seguinte questionamento: Como capitanear o progresso tecnológico das ferramentas digitais nas últimas décadas para que se obtenha um grande avanço na qualidade da educação e consequentemente se tenha um maior crescimento econômico? A utilização dos vídeos na educação pode ser uma grande solução para superar esse desafio. O potencial é tão grande, alavancado pela crescente diminuição dos custos de armazenamento e transmissão de dados, que se ele for bem aproveitado acabará gerando um aumento expressivo da taxa de crescimento econômico nos países ou regiões. Esse avanço econômico pode ser denominado de VIDEOECONOMIA.

3 Antes de avaliar o potencial dos vídeos na educação é importante explicar a teoria do crescimento econômico para entender porque a educação é tão vital na melhoria do padrão de vida das pessoas. Na economia de um país o Produto Interno Bruto (PIB) é a renda total de todas as pessoas e depende da capacidade do país de produzir bens e serviços. O PIB representa a melhor medida de bem-estar econômico de uma sociedade 2. O crescimento econômico representa o aumento do PIB de um país através do aumento da produtividade. A produtividade se refere à quantidade de bens e serviços que um trabalhador pode produzir por cada hora de trabalho. Os principais fatores que determinam o aumento da produtividade são o capital humano, o capital físico, os recursos naturais e o conhecimento tecnológico. Vamos focar apenas no fator capital humano, que se refere diretamente a educação. O capital humano é o conhecimento e as habilidades que os trabalhadores adquirem por meio da educação, treinamento e experiência. O capital humano de um país depende da qualidade da educação. Uma população com maior escolaridade e melhor rendimento escolar atinge uma maior capacidade de raciocínio e síntese. Essa capacidade eleva a produtividade dos trabalhadores e consequentemente aumenta a produção de bens e serviços do país, gerando crescimento econômico. O pesquisador americano Eric Hanushek, que estuda a influência do rendimento escolar nas taxas de crescimento econômico ao redor do mundo, afirmou que se as notas dos estudantes brasileiros aumentassem em apenas 15%, em testes padronizados de avaliação como o IDEB, o Brasil somaria a cada ano meio ponto percentual as suas taxas de crescimento 3. O PIB do Brasil cresceu em média 3% ao ano nas últimas duas décadas, sendo que devido ao aumento anual de 1% na população, isso gerou um aumento médio de 2% ao ano na renda per capita brasileira. Se as notas médias dos alunos brasileiros passarem da nota 4 atual (considerando o ensino fundamental e médio juntos) para 4,6, configurando um aumento de 15%, isso elevará a taxa de crescimento econômico de 3% para 3,5% ao ano, considerando evidentemente que as taxas de crescimento econômico futuras serão similares as taxas das duas últimas décadas. Nesse caso, ao invés de a renda per capita crescer 2% ao ano, ela crescerá 2,5% ao ano, representando um aumento de 25%. Após 20 anos, ao invés de a população do Brasil ter uma renda média 48% superior ao valor atual, ele terá uma renda média 64% superior. A relação entre crescimento econômico e educação foi bem estabelecida no parágrafo anterior. Agora nos atentaremos as formas de melhorar a qualidade da educação. O Ministro Fernando Haddad afirmou em uma entrevista recente que não existe uma bala de prata para resolver os problemas estruturais da educação brasileira 4. Como alguns especialistas

4 explicam, a educação é um processo e depende de uma série de fatores para ter uma boa qualidade. Ela depende de uma boa gestão escolar, da qualificação de professores, de um aprendizado adequado nas séries iniciais, de uma boa grade curricular, de bons salários para os profissionais do setor, de avaliações para verificação da qualidade do aprendizado, enfim um grupo extenso de boas iniciativas que demandam elevados investimentos. No entanto esse texto não pretende discutir cada aspecto do processo educacional. A idéia central que se deseja transmitir é a seguinte: Se todas as etapas do processo educacional forem mantidas, o acréscimo em massa de vídeos a disposição dos alunos gerará uma melhoria no rendimento escolar. E esse acréscimo terá um custo muito baixo devido aos avanços tecnológicos presentes e futuros na área de armazenamento e transmissão de dados. Como foi citado anteriormente, um aumento de apenas 15% nas notas dos alunos brasileiros pode acrescentar 0,5% de crescimento ao PIB nacional todos os anos. Um pequeno avanço gerará um grande impacto econômico e esse avanço pode ser capitaneado pelo uso dos vídeos na educação. Um grande impacto através de uma política de baixo custo significa um investimento de elevado custo-benefício. Esse investimento pode ser feito tanto pelo Governo Federal quanto pelas grandes fundações educacionais (Itaú, Bradesco). A disponibilização em grande escala de vídeos com alta qualidade para os alunos aumentará o aprendizado. No entanto será mesmo que esse impacto pode ser tão expressivo a ponto de melhorar significativamente as notas das avaliações de aprendizado? Será que o custo para massificar os vídeos é tão baixo? O impacto e os custos dependerão da arquitetura de implementação. Precisamos desenvolver conteúdos diferentes e usar as ferramentas tecnológicas de uma forma diferente. Vamos fazer uma abordagem histórica da participação dos vídeos na educação. Eles foram utilizados em sua grande maioria no Brasil nas experiências educacionais de ensino a distância. A educação a distância apresenta características específicas, rompendo com a concepção da presencialidade no processo de ensino-aprendizagem. Para a EAD, o ato pedagógico não é mais centrado na figura do professor, e não parte mais do pressuposto de que a aprendizagem só acontece a partir de uma aula realizada com a presença deste e do aluno. Podemos afirmar que a EAD no Brasil, de 1994 até os dias de hoje, se desenvolveu a partir de cinco modelos 5, que são: 1- O modelo de tele-educação com transmissão ao vivo e via satélite em canal aberto para todo o País. O exemplo mais conhecido e de alcance nacional é o Telecurso da Fundação Roberto Marinho.

5 2- O modelo de videoeducação com reprodução pré-gravada em forma de teleaulas. 3- O modelo semipresencial, com uma proposta de interiorização universitária que combina a educação à distância com a presencial em pólos regionais, que funcionam como unidades presenciais de apoio para acesso dos alunos a laboratórios, bibliotecas, e salas de aula para realização de tutoria presencial em parceria com as prefeituras municipais. Este modelo foi adotado inicialmente pela UFMT, por outras instituições e pela UAB. 4- O modelo de universidade virtual, com uma EAD caracterizada pelo uso intensivo de tecnologias digitais para a entrega de conteúdos e atividades para os alunos e para promover a interação destes com professores, colegas e suporte técnico e administrativo. Neste modelo as etapas presenciais são reservadas para a realização de provas, com as demais atividades sendo realizadas a distância. 5- O modelo em que os alunos dos cursos a distância permanecem períodos regulares na instituição (de forma presencial) onde realizam não apenas provas, mas atividades em laboratório, por exemplo. A maioria dos modelos de ensino a distância citados procuraram substituir a aula presencial por uma aula à distância usando fortemente os vídeos como ferramenta. Essa substituição da forma A pela forma B (aula presencial substituída pela aula à distância) motivou muitas críticas. O modelo de tele-educação da Fundação Roberto Marinho se baseou em uma experiência similar desenvolvida pelo Estado do Ceará a partir de O sistema de Teleensino cearense foi universalizado no estado em como resposta ao déficit de professores da rede pública. Com a universalização afirmava-se que como a qualidade do professor da televisão era superior a qualidade do professor presencial, o teleensino melhoraria o aprendizado. Na realidade nem a qualidade da aula era tão boa assim, pois ela estava apegada a um modelo curricular ultrapassado, nem o suporte dos orientadores presenciais era adequado. As outras etapas do ensino como a orientação das dúvidas e a avaliação do aprendizado ficaram prejudicadas porque não havia um professor na sala de aula, representando um regresso no aprendizado. O Estado do Ceará precisou voltar atrás e restabelecer o modelo tradicional. Isso demonstra a necessidade de critérios na introdução dos vídeos na educação. Mais recentemente as videoconferências, usadas principalmente no modelo de universidade virtual, tem atenuado essa falta de interação entre aluno e professor, utilizando sistemas bi e multidirecionais com interação por áudio e vídeo, integrando múltiplos espaços conectados ao vivo, para realização de aulas. No entanto ministrar uma aula para 400 alunos em 10

6 salas distintas de vídeo, por exemplo, mesmo com a comunicação ao vivo, não garante o mesmo nível de interação de uma sala tradicional presencial onde há a relação direta do professor com apenas 40 alunos. Não se pode falar ainda numa transição definitiva das aulas presenciais para as aulas virtuais. As melhores instituições de ensino fundamental, médio e superior são predominantemente presenciais. Por outro lado o ensino a distância, com a ajuda da videoconferência e de outras ferramentas digitais de última geração, que atenuam a deficiência da presencialidade, têm buscado oportunidades em alguns mercados educacionais não explorados pelo ensino tradicional. A cada dia aumenta a oferta de cursos virtuais pela Internet, principalmente de graduação e pós-graduação, onde um estudante de qualquer pequena cidade do interior do Brasil, que na maioria dos casos não possui uma instituição de ensino superior, pode cursar uma graduação estudando em casa. Além da Internet, outras plataformas como a TV por satélite residencial tem introduzido cursos de especialização à distância. A explosão do ensino a distância no Brasil é constatada pelo aumento no número de matrículas em cursos de graduação à distância. Veja o gráfico a seguir demonstrando esse aumento:

7 Até o momento avaliamos como os vídeos estão sendo utilizados na educação brasileira. A presença da ferramenta no ensino à distância é decisiva para o sucesso dessa modalidade de ensino. Agora vou expor a minha proposta de inserção dos vídeos no aprendizado educacional. Nos modelos de educação à distância desenvolvidos até hoje têm se buscado a substituição da aula presencial pela aula à distância (substituição de A por B). O meu modelo somaria A+B. A aula presencial continuaria normalmente, aproveitando os processos educacionais vigentes e mantendo o professor em sala de aula. O vídeo se tornaria um instrumento de apoio. No entanto esse apoio seria maciço. A implantação começaria no ensino médio, o grande problema do nosso sistema educacional. O governo federal, os governos estaduais, ou mesmo fundações de grande porte produziriam 2100 horas de aulas em vídeo com as melhores técnicas de ensino e com excelentes recursos visuais. O conteúdo teria uma grade curricular adaptada aos exames nacionais como o IDEB e o ENEM. Cada aluno do ensino médio receberia no começo do ano 700 horas de vídeos em DVDs, pendrives ou HDs portáteis. As aulas em vídeo também ficariam disponíveis para download na Internet em um programa similar ao Kazaa 7, o conhecido mecanismo de compartilhamento de arquivos. O custo de fabricação de DVDs ou HDs por aluno seria muito baixo, devido a crescente redução de preços dos mecanismos citados. Mais a frente esses custos e o avanço das tecnologias de armazenamentos de dados serão melhor avaliados. Por enquanto os focos serão a produção dos vídeos e o impacto que eles podem gerar na qualidade da educação. A disponibilização de 700 horas anuais para os alunos do ensino médio garantirá que eles possam assistir 24 horas por dia qualquer aula do ano letivo em um DVD ou em um computador. Se o aluno quiser rever o assunto ensinado ou complementar o que não foi aprendido ele terá uma ferramenta mais poderosa do que o livro. Ao contrário do teleensino que substitui a maior parte do processo tradicional de ensino presencial, o modelo proposto tem a finalidade de somar uma nova ferramenta, aumentando o nível de aprendizado dos alunos. Em alguns casos o estudante tem grande interesse no aprendizado, mas encontra na sala de aula um professor deficiente, que muitas vezes não tem formação na área em que ensina. Nesse caso o aluno autodidata poderá dobrar a sua carga horária, ao assistir todas as aulas em vídeo da disciplina em casa. Isso configurará um aprendizado em tempo integral. Se o conteúdo se basear na proposta pedagógica cobrada no ENEM, eles servirão de referência e instrumento de apoio para os

8 professores. Evidentemente ficará a cargo dos professores o nível de utilização dos vídeos. O Ministério da Educação (MEC) desenvolve um programa que possui algumas semelhanças com o modelo proposto: o DVD Escola 8. O Projeto é voltado para a educação básica e oferece as escolas públicas de educação básica caixa com mídias DVD, contendo, aproximadamente, 150 horas de programação produzida pela TV Escola. A TV Escola é um canal de televisão do Ministério da Educação que capacita, aperfeiçoa e atualiza educadores da rede pública desde Além do aperfeiçoamento dos professores, o DVD Escola é usado como ferramenta pedagógica na sala de aula. O problema é que o conteúdo do programa abrange uma pequena parcela da grade curricular e não há distribuição dos DVDs para os alunos. Quanto à disponibilização de vídeos educacionais na Internet, o MEC possui um rico banco de arquivos em vários sites. O portal Domínio Público 9 possui um acervo de 856 vídeos enquanto o Portal do Professor 10 apresenta 1502 vídeos na sua página. O canal TV Escola possui uma extensa videoteca em seu site com conteúdo voltado para o aprendizado dos alunos. No entanto não há uma sistematização clara, um desencadeamento lógico de aulas, que possa configurar um curso completo de física do ensino médio em vídeo, por exemplo. A maioria dos vídeos serve apenas como complementação do aprendizado, pois não abordam diretamente os assuntos presentes na grade curricular do MEC. Após uma avaliação criteriosa do banco de arquivos do MEC, os melhores vídeos poderão compor uma parte das 2100 horas de gravação do modelo proposto. O ponto chave é a qualidade e não a quantidade. O programa mais parecido com o modelo proposto é a Educopédia 11. Ela consiste numa plataforma de aulas digitais produzida pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro em parceria com o Instituto Oi Futuro. Os alunos do 2 ano ao 9 ano navegam em lições interativas de várias disciplinas. Essas lições correspondem àquilo que está sendo trabalhado em sala de aula pelo professor presencial porque cobrem integralmente a grade curricular. A diferença em relação ao modelo proposto está no formato das aulas digitais. Apenas uma parte das aulas utiliza vídeos, enquanto outras utilizam jogos educativos e exercícios interativos como ferramenta. Acredito que o mais importante é que se tenha todas as aulas em vídeo, que possam ser assistidas tanto no computador quanto em DVDs. Outras opções como os jogos educativos devem servir como complemento. A relação custo-benefício de uma política educacional de produção de vídeos seria muito elevada. Após a filmagem das 2100 horas de aulas, sobraria apenas o custo de fabricação dos mecanismos de armazenamento como os DVDs e os custos da posterior gravação do conteúdo. Quando um

9 ente governamental ou uma organização do 3 setor desenvolve uma tecnologia social, ele busca replicá-la. Um exemplo é a construção de cisternas de placa no semi-árido nordestino com a finalidade de abastecer com água as famílias da zona rural. A construção de uma cisterna de placa beneficia apenas uma família. A produção de vídeos educacionais de altíssima qualidade por outro lado tem um potencial de replicação absurdo. Uma aula de alta qualidade pode beneficiar milhões de alunos. Esse potencial não está sendo aproveitado nem pelos governos nem pelas grandes fundações privadas. Talvez não exista outra tecnologia social com tamanha possibilidade de abrangência. E isso fica ainda mais evidente quando se percebe que a maior parte do tempo gasto em sala de aula pelos professores ocorre na etapa de explicação dos conteúdos, etapa da aprendizagem que os vídeos podem substituir ou complementar. O processo de produzir o conhecimento para milhões através dos vídeos no Ensino Médio, difere do processo de produzir aulas para um grupo restrito de alunos, como ocorre nas graduações à distância das instituições privadas. A distribuição dos vídeos para os professores é uma ótima maneira de o MEC estabelecer um modelo, uma referência de ensino a ser seguida de acordo com os parâmetros curriculares. Após a capacitação dos professores em cursos de aperfeiçoamento sobre o ENEM, possuir um conteúdo visual a sua disposição ajudará bastante. Ele sedimentará o aprendizado teórico dos cursos. A experiência prática transmitida pelas aulas ajudará a evitar grandes distorções na implementação da grade curricular. Evidentemente o processo educacional não se restringe apenas a explanação de conteúdos, ele envolve outros aspectos como a avaliação, o acompanhamento do aprendizado dos estudantes, o momento de tirar dúvidas e o incentivo ao desenvolvimento do senso crítico do aluno. No entanto, como foi citado anteriormente, a maior parte do tempo em sala de aula é despendido com a explanação de conteúdos. As aulas precisam apresentar conteúdos mais enxutos e voltados para questões práticas. Cláudio Moura Castro, colunista da revista Veja, comparou a alguns atrás a grade curricular da escola brasileira com o navio sueco Vasa que foi construído pelo rei Gustavo em O navio afundou devido ao peso provocado pelo excesso de canhões. Como o navio, a nossa grade curricular precisa de menos peso e mais qualidade. Além disso, é importante salientar que educar é contar histórias, uma forma poderosa de comunicação. Para que se tenha uma educação de qualidade é necessário que se conte uma história que seja saborosa e que transmita a mensagem com eficácia. A maioria dos professores está acomodada com a escrita de fórmulas complicadas no quadro negro, numa forma insípida e ineficaz de se contar uma história. Por outro lado as aulas em vídeo criativas podem mudar

10 esse cenário. Uma aula de História sobre o Nazismo pode transmitir trechos do filme O julgamento de Nuremberg 13 para mostrar com mais realismo os campos de concentração de prisioneiros. As tecnologias de animação em 3D podem ajudar tanto em aulas de física sobre o sistema solar quanto em aulas de geografia sobre os deslizamentos nos morros das áreas urbanas, um tema tão atual. A empresa 3PD 14 possui um banco de soluções nessa área. Aulas de física poderiam ensinar os alunos a construírem aparelhos simples como um telefone, um rádio ou um motor térmico. Esses aparelhos seriam montados utilizando kits de ciências padronizados. Cada aula da área de exatas (Física, Química, Biologia e Matemática) poderia usar um desses kits. Eles permitiriam que o aluno em casa tivesse a oportunidade de replicar a experiência passada no vídeo. Aulas de matemática ensinariam finanças do dia-a-dia, desenvolvendo temas como poupança, financiamento imobiliário e juros no cartão de crédito. Existe um espaço enorme para implementar uma educação mais eficiente, com uma qualidade média nunca vista antes nos vídeos. Por fim, quanto a qualidade, seria importante uma avaliação tanto dos alunos que assistirem as aulas no local de gravação dos vídeos, quanto dos alunos que assistirem as aulas como complemento ao professor convencional, para medir a real influência na melhoria da educação. Como foi dito anteriormente, um avanço de 15% das notas dos alunos em avaliações como o IDEB, geraria um avanço econômico futuro extraordinário para o país. Até o momento foi mostrado que é possível produzir vídeos de alta qualidade para milhões de alunos com uma relação custo/benefício altíssima. No entanto na segunda fase, no momento de distribuição dos vídeos, o custo de fabricação dos mecanismos de armazenamento de dados e os custos da posterior gravação do conteúdo precisam de uma análise mais aprofundada. Em 1965 Gordon Moore, presidente da Intel, previu que seria possível dobrar a capacidade dos chips a cada 18 meses, se mantendo o mesmo custo de produção. Os chips, os circuitos eletrônicos miniaturizados que armazenam as informações no computador, têm seguido a Lei de Moore até os dias de hoje. Assim o custo da tecnologia de armazenamento de dados como vídeos, fotos e textos em computadores vêm caindo drasticamente nas últimas quatro décadas e esse processo deve continuar no curto e no médio prazo. Enquanto em 1970 um chip possuía mil transistores, um chip do mesmo tamanho em 2010 passou a ter 100 bilhões de transistores 15. Isso gerou a revolução que estamos vendo na área da informática. Os custos para armazenar 2100 horas de vídeos em computadores, em HDs portáteis, em pen drivers ou em DVDs na atualidade são baixos. Um HD portátil com 2 Terabytes de capacidade custa 300 reais no Brasil 16 e 100 dólares nos Estados Unidos 17. Considerando

11 que cada hora de um vídeo de boa qualidade tenha 1Giga, o HD de 2 Tera seria suficiente para a missão das 2100 horas. Teríamos um custo de 100 reais por 700 horas, o número de horas dedicadas para cada série do ensino médio. Assim teríamos um custo de 100 reais por aluno/ano. Se o conteúdo for armazenado em DVDs de 4Giga e com um custo de fabricação unitário de 1 real, teremos um custo de 170 reais por aluno/ano. Uma terceira opção seria disponibilizar os conteúdos para serem baixados na Internet. A tendência é que esses custos praticamente desapareçam em 5 anos ou 10 anos, não só porque a Lei de Moore se manterá com o avanço tecnológico, mas porque o custo físico de produção de um HD portátil ou de um Blue-ray (substituto do DVD) é muito inferior ao custo de comercialização. As empresas vendem os seus produtos por um valor mais alto inicialmente porque precisam garantir o retorno do seu investimento nas tecnologias de desenvolvimento. Mas depois os preços derreterão porque a tecnologia de desenvolvimento foi paga. Um exemplo histórico dessa questão foi o DVD, que tinha preços muito altos tanto dos aparelhos quanto dos discos na virada do milênio e hoje, após o pagamento dos investimentos de desenvolvimento, está na casa dos cidadãos mais humildes. Assim, com a ajuda do avanço tecnológico e com o pagamento do desenvolvimento dos produtos, um HD portátil de 2TERA deve custar 10 vezes menos em 5 anos, fazendo com que o custo caia de 100 reais por ano para 10 reais por ano. O Blue-ray, o substituto do DVD, deverá custar daqui a 5 ou 10 anos o mesmo valor de um DVD na atualidade, armazenando até 10 vezes mais informação. Existe ainda as tecnologias em fase de desenvolvimento, como a criada pela Universidade de Swinburnena na Austrália 18, que promete guardar informações em 5 dimensões e garantir o armazenamento de 1,6 Terabytes de dados em apenas um disco. Outra opção seria a tecnologia da General Eletric que promete um disco de DVD com capacidade de armazenamento de 500 Giga. Essas duas revoluções permitiriam guardar pelo menos 500 horas de vídeo em apenas um disco. Já sabemos que o custo de armazenamento de vídeos vem caindo e deixando de ser um empecilho para a distribuição em massa dos conteúdos educativos. Por outro lado existem outras questões que precisam ser relevadas, como a presença dos aparelhos de transmissão de vídeos nas casas dos estudantes. A maioria da população pobre do Brasil não possui computador. O aparelho só está presente em 35% das residências 19. Enquanto cada aluno pobre não tiver um computador, a melhor plataforma para assistir os vídeos são os aparelhos de DVD, que custam menos de 100 reais na atualidade e estão na maioria absoluta das casas. As aulas podem ser visualizadas através dos discos de DVD ou através das entradas USB, que

12 permitem conectar pen drives ou HDs portáteis. Daqui a 5 ou 10 anos existe a possibilidade dos aparelhos de blue-ray dominarem o mercado dos DVDs e mudarem essa realidade. Se o DVD do aluno não tiver porta USB, a escola pode distribuir um aparelho que tenha essa funcionalidade, porque os DVDs que possuem essa característica são igualmente baratos. Quanto aos computadores, para se tornarem uma plataforma viável, é importante que os programas de doação em massa de laptops para crianças carentes sejam concretizados. Uma observação importante precisa ser feita sobre os HDs portáteis. Essa tecnologia vem sendo criticada porque permite um armazenamento colossal de dados, mas não possui a mesma segurança física de um HD interno do computador. O HD portátil é pequeno e pode ser transportado para todos os lugares. Nesse transporte uma simples queda pode ocasionar a perda de todos os dados, sendo necessário uma formatação para voltar a funcionar novamente. Para um usuário que durante meses ou anos armazenou seus programas, trabalhos, fotos e filmes específicos, isso representará literalmente a perda de uma parte da sua vida. Esse problema não se aplica ao armazenamento de vídeos para fins educativos. Como a idéia é produzir filmes de alta qualidade para milhões, se um HD portátil perder seus dados, o aluno poderá se dirigir a uma escola mais próxima e solicitar uma nova gravação dos vídeos. Além da revolução que está ocorrendo nos mecanismos de armazenamentos de dados, existe outra que vem ocorrendo na transmissão de dados, com o advento de tecnologias como a fibra ótica. Podemos utilizar o fluxo rápido e barato de informações ao invés do estoque. As conexões residenciais de Internet no começo dos anos 2000 eram raras e tinham velocidades de 56 Kbps. Em fevereiro de 2011, um relatório da Nielsen Company, que avaliou conexões de Internet ao redor do mundo, atestou que 69% das conexões de Internet do Brasil são iguais ou superiores a 512 Kbps 20. No Brasil em 2010, 27% das casas possuíam Internet. Os especialistas apontam que esse avanço exponencial continuará na próxima década. Até mesmo conexões super rápidas de 10 mega, que ainda são raridade, já começam a ser oferecidas por valores acessíveis como 69,90 reais por mês 21. Com 10 mega de velocidade é possível assistir um filme de alta definição em tempo real, ou baixar um filme de 2 horas de duração em apenas 10 minutos. Poderemos ter em menos de década uma conexão como essa na maioria das casas dos brasileiros. Então se as 2100 horas de aula em vídeos ficarem a disposição gratuitamente na Internet, os alunos assistirão as aulas a qualquer momento no computador sem precisar perder tempo com downloads. Um site específico para disponibilizar os vídeos seria criado e usaria um padrão de transmissão semelhante ao YouTube. O YouTube é o

13 principal site da Internet em carregamento e compartilhamento de vídeos em formato digital. A diferença do site de vídeos educativos em relação ao Youtube seria a maior qualidade e o maior tamanho dos vídeos. O avanço do uso da internet nos aparelhos portáteis como celulares e tablets também pode ser aproveitado para disseminação dos vídeo-aulas. Os celulares mais modernos possuem alta capacidade de transmissão de vídeos e funções interativas fantásticas como a tela sensível ao toque. A quarta geração da telefonia móvel, que está chegando ao mercado, permitirá velocidades de internet de até 100 mega. O tablet é um dispositivo fino em formato de prancheta que tem as mesmas funcionalidades de um computador pessoal, mas onde o teclado é substituído pela tela sensível ao toque. Assim o dispositivo é ao mesmo tempo portátil e completo. A tela grande e o formato similar a um livro tornam o tablet literalmente um vídeo-livro. Alguns educadores já suscitam até mesmo a possibilidade do tablet substituir em algumas ocasiões o livro tradicional no aprendizado. Tanto os celulares de 4 geração quanto os tablets ainda são ferramentas distantes da maioria dos nossos alunos pela questão do preço. Mas quando estiverem massificados a natureza portátil dos equipamentos garantirá disponibilizar 24 horas por dia as aulas para os alunos via vídeo. A TV digital seria outro padrão possível de transmissão de vídeos educativos através do fluxo rápido de informações. A TV digital utiliza a linguagem binária, formada por seqüências de dados numéricos (0 e 1), que é a mesma linguagem tecnológica dos computadores. Isso permite que ela possua recursos como interatividade com o usuário (compras pela TV, votação em pesquisas), mobilidade sem perda de sinal e visualização de diferentes programas no mesmo canal. Em 2016 a tradicional transmissão analógica se encerrará no Brasil, ficando o padrão digital como o único disponível. A Sky, a principal empresa de TV por satélite do Brasil, já possui o padrão digital a mais de uma década. O Sky HDTV 22, o mais avançado aparelho de recepção digital da empresa, possui importantes funcionalidades que podem ser muito úteis na transmissão dos vídeos educacionais. Ele permite a transmissão em alta definição e a gravação de até 400 horas de programação em definição normal, ou 100 horas em alta definição devido a memória interna de 500 giga. Além disso, o Sky HDTV grava os programas que o assinante agenda, sem a necessidade dele estar assistindo a programação no momento. Essas três funcionalidades (alta definição, gravação e agendamento de gravação) já são disponibilizadas por outras empresas de TV por assinatura e até mesmo por aparelhos que transmitem os canais da TV aberta digital. Então se o Sky HDTV ou qualquer outro aparelho semelhante transmitir 12 canais de vídeos educacionais, em uma

14 semana 2016 horas de programação passarão nesses canais, ou praticamente todos os vídeos do ensino médio. Assim um aluno com um aparelho como esse teria a possibilidade de toda semana agendar a gravação de qualquer vídeo da grade curricular. O espaço para 400 horas de vídeo no hd interno ajudaria na gestão das aulas. Seriam gravados em apenas 1 semana todas as aulas necessárias para 1 semestre inteiro. Depois o aluno teria a opção de agendar a gravação de novos vídeos e apagar os que se tornarem desnecessários. Atualmente apenas 18% das residências brasileiras possuem TV por assinatura, sendo em sua maioria constituídas de assinantes sem um aparelho como o Sky HDTV. No entanto o mercado de TV por assinatura vem crescendo exponencialmente e a tendência é que os receptores com gravação agendada e hd interno se tornem padrão. É possível que em 4 ou 5 anos aproximadamente 50% das residências brasileiras possuam a tecnologia. Por último ainda temos a chegada da televisão com internet ao mercado, que permitirá tornar qualquer televisor da sala um ponto para assistir vídeos postados na internet. A TV digital poderá complementar as outras opções de armazenamento e transmissão de aulas digitais. A disponibilização de 2100 horas de vídeo de alta qualidade na Internet com a grade curricular do ensino médio pode ser complementada com ferramentas que estimulem a colaboração de outros professores ou agentes educacionais. Seria criado um software de compartilhamento de arquivos educacionais parecido com o Kazza ou o Bit Torrent. Esses dois programas utilizam a arquitetura P2P de compartilhamento de dados, onde os arquivos são baixados de outros computadores pessoais que possuem o programa e não de um servidor central. O software disponibilizaria tanto as 2100 horas de aula principais quanto os vídeos dos colaboradores. Ferramentas como livros, apostilas, textos curtos, aulas em áudio, jogos educacionais, mapas e fotos também seriam aceitas. As aulas gravadas por professores individualmente, por fundações ou por instituições governamentais garantiriam grandes opções de escolha para os alunos assistirem as aulas. Cada professor com uma câmera em qualquer parte do país poderia ajudar a melhorar a educação nacional. A única exigência para os colaboradores seria a especificação do assunto tratado. O colaborador ligaria a sua aula postada a alguma aula da grade principal de vídeos. Com o tempo as melhores contribuições, escolhidas por uma comissão de educadores, ficaria em destaque para os usuários. Assim teríamos 2 grades de vídeo em destaque: a grade principal e a grade com as melhores colaborações. Olhando um pouco mais a frente, as tecnologias que estão amadurecendo comercialmente tem o potencial de gerar um avanço ainda

15 mais intenso no futuro. Os vídeos produzidos em alta definição garantirão uma melhor experiência de aprendizado. Com o avanço exponencial da tecnologia de armazenamento de dados, em uma década eles estarão tão absurdamente baratos quanto os vídeos em definição comum estarão daqui a 5 anos. A experiência em imagem também vem sendo aperfeiçoada com os vídeos em 3D, que permitem literalmente que o telespectador entre na cena. A holografia, a reprodução de uma imagem em todas as dimensões, irá mais longe do que o 3D. Ela transportará integralmente a aula para a casa dos alunos. Uma experiência científica demonstrada por um professor em holografia poderá será vista por todos os ângulos, facilitando o aprendizado. Os jogos educacionais são um mundo inexplorado. Com os avanços gráficos crescentes, estamos próximos do sonho de termos crianças jogando e aprendendo rapidamente na mesma velocidade que aprendem os segredos dos jogos de puro entretenimento. É preciso qualificar pesadamente profissionais polivalentes, que entendam tanto de programação quanto de didática educacional. Assim poderemos ter jogos que permitam ao aluno montar sozinho no mundo virtual um rádio, uma televisão, um arcondicionado, um motor de um carro, o limite dependerá de cada um. Os programas como o Google Earth, que permitem visualizar qualquer área geográfica do planeta Terra, ainda estão longe de terem toda a sua capacidade de aplicação na educação aproveitada. Por fim temos o avanço das impressoras 3D, que ao invés de imprimirem um texto, imprimem qualquer objeto com diferentes tipos de materiais. É possível construir um grande banco de experiências científicas simples a ser disponibilizado na Internet, que ficaria disponível para impressão em 3D. Cada aluno escolheria as experiências que achasse mais interessante e imprimiria com baixo custo o seu kits de ciências. Ao longo do texto tentei mostrar que existe um oceano de oportunidades a ser aproveitado pela Educação brasileira. Vivemos uma era que potencializa o surgimento de novos empreendedores da educação. Os avanços tecnológicos permitirão que no futuro próximo uma infinidade de meios como os HDs portáteis, os discos digitais, a Internet e a TV digital estejam disponíveis para levar vídeos educacionais aos alunos com custos irrisórios. Isso nos impulsiona a focar agora na produção de conteúdos educacionais de qualidade. No entanto não podemos perder de vista que a Educação é um processo. Precisamos continuar a defender o aumento dos gastos no setor, priorizando fortemente a gestão escolar, a formação profissional, o atingimento de metas e o aumento dos salários dos professores. Esses fatores bem trabalhados e complementados de forma robusta pela disseminação em massa de vídeos de qualidade nos abrirão a

16 possibilidade de termos uma educação com uma padrão similar ao dos países desenvolvidos. Precisamos de uma grande biblioteca virtual do conhecimento. Fiz a proposta de começar esse avanço pelo Ensino Médio, o nosso grande gargalo educacional. Isso não significa que esse recurso não pode ser usado para outros níveis de ensino. A influência dos vídeos educacionais no desenvolvimento pode ser tão intensa que eu ousei propor uma denominação para esse fenômeno: VIDEOECONOMIA. Num mundo com a economia cada vez mais travada pelos limites ambientais, que geram o aquecimento planetário, a ausência de recursos naturais e a ausência de grandes áreas agricultáveis disponíveis, a criação e a disseminação do conhecimento são as ferramentas mais poderosas para gerar crescimento econômico e melhorar as condições de vida das pessoas, principalmente através da produção de ciência e tecnologia avançada e da qualificação profissional e humana da nossa juventude. E o que torna esse objetivo ainda mais importante é a necessidade de se evitar o aumento da desigualdade social, de se evitar a divisão entre os que possuem o conhecimento e os que não possuem. Um processo educacional estagnado, que não se atualiza, não está apto para conter o aumento desse abismo. Por isso precisamos de uma nova educação com alto nível para a maioria dos nossos jovens e não apenas para alguns privilegiados que estudam nas ilhas de excelência. Tenho certeza que o investimento na produção de vídeos educacionais de qualidade poderá ajudar a vencer esse desafio, que representa um dos grandes desafios do nosso tempo.

17 ANEXO Enquanto estive escrevendo o texto, achei na internet algumas novidades interessantes. Sites que usam os vídeos para massificar a educação de qualidade. Pode ser o começo dessa revolução na educação. Veja os endereços eletrônicos: 1- O site em inglês do professor Salman Khan possui uma biblioteca de mais de 2400 de vídeos cobrindo tudo, desde a aritmética à física, finanças e história e125 exercícios práticos. 2 -http://www.manualdomundo.com.br/ O site brasileiro é produzido pelo jornalista Iberê Thenório. Ele é uma espécie de Manual dos Escoteiros Mirins em vídeo, na Internet. A idéia, segundo o site, é ensinar desde coisas simples, mas muito legais que são úteis no dia-a-dia, até coisas completamente inúteis, mais legais ainda.

18 1 2 N. Gregory Mankiw, Introdução à Economia. Página 500, Eloísa Maia Vidal e José Everardo Maia, Introdução à Educação a Distância. Página 16, Eloísa Maia Vidal e José Everardo Maia, Introdução à Educação a Distância. Página 15, Ver preço: 17 Ver preço:

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Perfil Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, região economicamente

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

Educação a Distância, problemas e desafios. Carlos Bielschowsky. Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj

Educação a Distância, problemas e desafios. Carlos Bielschowsky. Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Educação a Distância, problemas e desafios Carlos Bielschowsky Presidente da Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Educação Superior a Distância no Brasil No exterior vem sendo amplamente utilizada a décadas,

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga

Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Camara dos Deputados Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância - MEC Em 16

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Resumo Autores: Bruno Antônio de Oliveira Yuri Cravo Fernandes Rodrigues de Oliveira O recente avanço das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA.

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR MODALIDADE A DISTÂNCIA. Informações do curso O Ministério da Educação, por intermédio da Secretaria de Educação Básica, convida você para conhecer o Programa Nacional

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa

Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Perfil do Investidor Brasileiro Experiências e Atuação Educacional da Bolsa Daniel Pfannemüller Superintendente do Instituto Educacional BM&FBOVESPA Mar/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno

Leia mais

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 www.cisco.com.br/educação 2011 Cisco and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Educação 1.0 Educação 2.0 Educação 3.0 Tecnológica Rural Tradicional 2011 Cisco and/or its affiliates.

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance SEVERO¹, Ana Beatrice Santana SILVA², Danielle Rousy Dias da ANJOS 3, Eudisley Gomes dos PRESTES 4, Mateus Augusto Santos FERNANDES 5, Raul Felipe de

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Professores usam tecnologia para estimular interesse de alunos e transmitir conteúdo

Professores usam tecnologia para estimular interesse de alunos e transmitir conteúdo ÍNDICE GERAL Conteúdo Livre Cidade Mundo Economia Esportes Variedades Empregos Tabelas do esporte BLOG Advogado de Defesa Segunda-feira, 1 março de 2010 edições anteriores CIDADE ÍNDICE GERAL ÍNDICE DA

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia. Waldomiro Loyolla

Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia. Waldomiro Loyolla Cursos de Graduação na modalidade EAD em Engenharia Waldomiro Loyolla Foz do Iguaçu 15 de maio de 2013 Univesp Agenda Histórico do Programa Universidade Institucionalização Engenharia por EAD Cursos no

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Oficina Recursos Educacionais Abertos REA Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Objetivos do Encontro Criar uma sólida compreensão dos REA, dos direitos de autor e das licenças abertas

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Índice. Introdução 2. Quais funcionalidades uma boa plataforma de EAD deve ter? 4. Quais são as vantagens de ter uma plataforma EAD?

Índice. Introdução 2. Quais funcionalidades uma boa plataforma de EAD deve ter? 4. Quais são as vantagens de ter uma plataforma EAD? Índice SUA EMPRESA DE TREINAMENTOS ESTÁ PARADA NO TEMPO? Introdução 2 Quais funcionalidades uma boa plataforma de EAD deve ter? 4 Quais são as vantagens de ter uma plataforma EAD? 6 A gestão de cursos

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO

GUIA PRA TICO DO ALUNO GUIA PRA TICO DO ALUNO Sistema de Avaliação, Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA e Portal ÚNICO Guia prático e de conhecimento do Sistema de Avaliação, utilização das ferramentas tecnológicas Ambiente

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE UMA REDE SOCIAL COMO PROPOSTA DE APRENDIZAGEM E PARTICIPAÇÃO PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO

A UTILIZAÇÃO DE UMA REDE SOCIAL COMO PROPOSTA DE APRENDIZAGEM E PARTICIPAÇÃO PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO A UTILIZAÇÃO DE UMA REDE SOCIAL COMO PROPOSTA DE APRENDIZAGEM E PARTICIPAÇÃO PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO Curitiba - PR - 05/2015 Claudia Fernanda Santos Centro Universitário UNINTER claudiabiologa@gmail.com

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016

PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 PROJETO INOVAÇÃO NAS ESCOLAS EDITAL PARA SELEÇÃO DE REDES PARCEIRAS EM 2016 Agosto de 2015 Sobre o projeto Inovação nas Escolas O projeto Inovação nas Escolas é uma iniciativa que visa à implementação,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

A Educação a Distância no Brasil (2001 a 2006) Álvaro Augusto Araújo Mello 1

A Educação a Distância no Brasil (2001 a 2006) Álvaro Augusto Araújo Mello 1 A Educação a Distância no Brasil (2001 a 2006) Álvaro Augusto Araújo Mello 1 Partindo-se do pressuposto de que a educação a distância é entendida como a utilização de tecnologias que apóiam os vários processos

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

Manual do Aluno Cursos preparatórios online

Manual do Aluno Cursos preparatórios online Manual do Aluno Cursos preparatórios online 1. Curso Clio Criado em 2003, o Curso Clio é um curso exclusivamente preparatório para os concursos de acesso às carreiras do Ministério das Relações Exteriores

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST FORUM NACIONAL do CONSECTI - Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I - SALVADOR - 08/07/2008 Vilson Vedana Consultor Legislativo 1 Câmara dos Deputados

Leia mais

Guia do Aluno - Disciplinas On-line (DOL)

Guia do Aluno - Disciplinas On-line (DOL) GUIA DO ALUNO Seja bem-vindo(a) às disciplinas On-line (DOL) dos cursos de gradução do Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU) e das Faculdades Maurício de Nassau! Agora que você já está matriculado(a)

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Fenômeno da Internet quando o assunto é Biologia. Do YouTube para a TV aberta, do site às telas de todo o Brasil

Fenômeno da Internet quando o assunto é Biologia. Do YouTube para a TV aberta, do site às telas de todo o Brasil Fenômeno da Internet quando o assunto é Biologia. Do YouTube para a TV aberta, do site às telas de todo o Brasil Olá! Eu sou professor Paulo Jubilut e este é o Biologia Total, meu projeto para um ensino

Leia mais

Certeza de um. grande negócio

Certeza de um. grande negócio ESPECIAL EAD Certeza de um grande negócio A educação a distância no ensino superior segue uma tendência irreversível de crescimento, puxada pelas instituições particulares, que investem cada vez mais pesadamente

Leia mais

O curso é de conversação? Também, ele tem o objetivo de desenvolver habilidades como escrever, ler e ouvir na língua inglesa.

O curso é de conversação? Também, ele tem o objetivo de desenvolver habilidades como escrever, ler e ouvir na língua inglesa. FAQ BBC Como funciona o curso? O curso é EAD. Você faz o curso online através de um computador com acesso à banda larga. Professores-tutores estão disponíveis para resolver suas dúvidas e te dar suporte.

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA

Empresa GÊNIO INFORMÁTICA 0 Empresa Com mais de 15 anos de experiência no mercado, GÊNIO INFORMÁTICA é líder em seu segmento e se destaca na prestação de serviços em redes de computadores e instalação de CFTV (Câmeras de segurança).

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05

O que é um Objeto Educacional? página 01. Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional? página 01 Objeto Educacional passo a passo página 05 O que é um Objeto Educacional A definição de Objeto Educacional, adotada pela equipe do projeto Arte com Ciência, é um

Leia mais