Metáforas: aproximações entre o Surrealismo e o Design de Hipermídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metáforas: aproximações entre o Surrealismo e o Design de Hipermídia"

Transcrição

1 Metáforas: aproximações entre o Surrealismo e o Design de Hipermídia Metaphors: proximities between Surrealism and Hypermedia Design Mateus Knelsen, graduando em Design Digital; Universidade Anhembi Morumbi. Gisela Belluzzo de Campos, Doutora em Comunicação e Semiótica; Universidade Anhembi Morumbi. Resumo O artigo estabelece analogias entre as propostas filosóficas e estéticas do Surrealismo e o Design de hipermídia, abordando a metáfora como mecanismo fundamental de linguagem na relação entre o receptor (observador ou usuário), a mídia (obra de arte ou interface digital) e o criador (artista ou designer). Ao discutir-se o grau de profundidade e as potencialidades dessas analogias, sugere-se a linguagem surrealista como referência ao designer no desenvolvimento de interfaces hipermidiáticas. Palavras Chave: Surrealismo, Hipermídia, Metáfora. Abstract This article aims to establish conceptual analogies between philosophical and aesthetic aspects of Surrealism and Hypermedia Design through analysis of metaphor usage as a key mechanism between the receptor (observer or user), the machine (work of art/digital interface) and the creator (artist/designer). This discussion includes the degrees of complexity and possibilities of such analogies, suggesting how aspects of surrealistic language may be a reference for designers during the development of hypermediatic interfaces. Keywords: Surrealism; Hypermedia; Metaphor. Anais do 8 a 11 de outubro de 2008 São Paulo SP Brasil ISBN Associação de Ensino e Pesquisa de Nível Superior de Design do Brasil (AEND Brasil) Reprodução permitida, para uso sem fins comerciais, desde que seja citada a fonte Este documento foi publicado exatamente como fornecido pelo(s) autor(es), o(s) qual(is) se responsabiliza(m) pela

2 Por meio do senso comum, tem-se que tudo que é surreal é desconexo com a realidade ou uma distorção absurda da mesma. Esta corriqueira aplicação do termo é um exemplo de como o Surrealismo, movimento de vanguarda modernista emergente na década de 1920 em Paris, foi e ainda é incompreendido, visto que a maioria das suas obras nas artes plásticas e literárias expõem uma linguagem aparentemente absurda, de difícil leitura para a maioria daqueles que se propuserem a observá-las ou lê-las. Das chamadas vanguardas históricas, o Surrealismo é aquela que exibe sua arte com a maior carga de ironia, subjetividade, ludismo e onirismo. Sabe-se, entretanto, que a repulsão causada pela linguagem surrealista nasceu de questionamentos próprios do período entre-guerras e é proposital. Ciente da necessidade de reatar a relação entre o homem e a arte deixada às cinzas pela iconoclastia dadaísta, o Surrealismo propõe um ser humano que é projeto artístico de sua subjetividade. A proposta filosófica, cujos créditos são entregues a André Breton e a seus Manifestos Surrealistas de 1924 e 1930, prevê a complexidade do ambiente no qual o homem está inserido e questiona sua lógica por meio da poesia. O Surrealismo entende o homem como testemunha de uma experiência sensorial rica e multifacetada, cujo universo pelo imaginário, pela dualidade construtiva entre a realidade objetiva e a realidade subjetiva. Apesar da concepção sobre o Surrealismo ter se mantido no espectro da incompreensão com o decorrer dos anos, muitas das propostas, pesquisas e explorações de linguagem feitas por Breton e seus simpatizantes passaram a ser resgatadas sob a perspectiva das tecnologias computacionais, principalmente com o hipertexto, a hipermídia e as redes telemáticas. Há, sinteticamente, duas razões para tanto. A primeira diz respeito ao fato dessas tecnologias possibilitarem de modo mais contundente a exteriorização de aspectos subjetivos que antes ficavam restritas à privacidade do indivíduo. A maneira como o cinema, a televisão e o computador são utilizados enquanto mídia geram um crescente interesse da sociedade em exteriorizar o que antes era exclusivo das faculdades mentais. Processos e representações antes inobserváveis, graças às tecnologias gráficas e as simulações propiciadas pela computação, tornam-se passíveis de expressão em fotografias, animações, filmes, jogos virtuais e websites. A demanda em padronizar formas de leitura e produção da informação por parte da sociedade de massa moderna, em paralelo às maiores possibilidades de exteriorização do imaginário, padronizam o próprio pensar, para que processos mentais e de produção estejam, cada vez mais, em maior concordância. O privado e o individual são trazidos para o público e tornam-se regulados (MANOVICH, 2001: 60). Assim surgem os vídeos cinematográficos ou publicitários que exploram situações apenas possíveis na imaginação, os avatares virtuais, blogs, redes de relacionamento on-line e demais formas de interação usuário-máquina e usuário-usuário que caracterizam as novas definições do socializar-se e expressar-se hoje. A segunda razão refere-se diretamente à própria lógica computacional, desenvolvida a partir das operações associativas dos processos cognitivos, muito exploradas pelos artistas surrealistas. O princípio fundamental da hipermídia, o hiperlink, torna tangível o processo de associação, seguidamente tomado como base para o pensamento humano (MANOVICH, 2231

3 2001: 61). Processos mentais de associação, memória, decisão e deslocamento são exteriorizados e equacionados, por exemplo, em uma simples experiência de navegação e interação de um usuário em um aplicativo hipermidiático, ou quando um observador assiste a um filme. O caminho percorrido pelas tecnologias hipermidiáticas, contudo, contraria em certo modo a lógica dos processos cognitivos na qual foram inspiradas, uma vez que os caminhos a serem trilhados entre os semas, ou links, são previamente traçados. Ou seja, o interator encontra-se hoje diante de uma mídia que lhe oferece n possibilidades de associação entre determinados conteúdos, sendo que n é um número finito, e as trilhas associativas são previamente desenvolvidas por designers. Não obstante, os objetos digitais contemporâneos, principalmente aqueles desenvolvidos para fins mercadológicos, são projetados segundo as necessidades de uma sociedade de consumo e de uma indústria cultural. A falta de incentivo para projetos de pesquisa devido ao alto risco financeiro de uma experimentação em um mercado que somente suporta acertos alicerça pilares de funcionalidade para as mídias digitais. A máxima padronizar para vender atrofiou o espírito avant-garde do experimentalismo ao status quo, aos métodos de criação conservadores, às interfaces idênticas, à desvalorização do trabalho conceitual e, em última instância, criaram um afastamento, cada vez maior, entre as esferas de produção acadêmicas e mercadológicas. Propõe-se aqui, portanto, que projetistas e desenvolvedores abandonem os ceticismos e busquem referências na arte para fornecer alternativas às padronizações estéticofuncionalistas dos produtos e interfaces digitais que, invariavelmente, acabam por padronizar também o pensar dos usuários, futuros designers e pesquisadores. Indo além, propõe-se que a linguagem surrealista sirva como referência conceitual para o pensar e fazer no universo digital. Obviamente, levanta-se a pergunta: como? Ora, sabe-se que o Surrealismo constrói sua linguagem com base na exteriorização de aspectos subjetivos. Afinal, a lógica das obras surrealistas não está ontologicamente relacionada à objetividade, pelo contrário: são extremamente particulares, com suas peculiaridades, seus recortes, suas narrativas e sua tragédia. Uma obra surrealista visa, portanto, materializar espacialmente o intangível e o subjetivo, lembrando o indivíduo de que a mente não funciona segundo pragmatismos, dogmas ou regras. A vontade do leitor/observador é o que justifica a existência da arte. De modo semelhante, o ciberespaço é um espaço virtual comandado pela vontade do usuário, que imerso em um sistema de informações, compõe não-linearmente o próprio espaço ao inserir novos dados, ou ao estruturá-lo à sua maneira. No ciberespaço, não há valores absolutos, pois todo o valor é relativo a uma posição e a um espaço-tempo, e a lógica deste espaço é construída contextualmente. Pode-se afirmar, portanto, que a obra surrealista também se constitui de um espaço no qual o observador é livre para transpor sua imaginação e navegar pelo universo proposto pela obra. Metafórica por excelência, a obra surrealista pede que o observador participe de sua construção. O espaço surrealista, portanto, tem como co-autor o próprio observador, por meio 2232

4 dos estímulos que este recebe. Esta construção se dá por meio da real contemplação, na qual o observador assume um papel essencialmente ativo, conforme afirma Arnheim (1996). Este espaço presente nas obras surrealistas funciona similarmente à arquitetura de um ciberespaço. A rede surrealista tem sua estrutura e seus nós (ligações entre unidades visuais e semânticas) alteradas continuamente, com suas conexões e desconexões ocorrendo a todo o momento. Afinal, a metáfora é um recurso de linguagem que pressupõe uma descontinuidade sintagmática, na qual a continuidade do pensamento apenas torna-se possível a partir do momento em que se adota um raciocínio analógico vertical, não-linear, paradigmático. Imerso na obra surrealista, o indivíduo é observador e artista simultaneamente: não há um epicentro epistemológico. A obra surrealista possui múltiplos pontos de partida, que continuamente aparecem e desaparecem conforme a rede semântica (composta das conclusões sobre a obra) vai sendo tecida, e que inclusive podem levar a outros múltiplos contextos exteriores à obra. O sistema, assim como o ciberespaço e a estrutura hipermidiática, constitui um caleidoscópio constantemente reformulado conforme a mutabilidade das funções e paradigmas estabelecidos pela lógica interna à obra ou das variáveis inseridas e substituídas pelo observador. Figura 1: René Magritte Tempo trespassado (1938) Óleo sobre tela 147 x 99 cm The Art Institute of Chicago Fonte: KLINGSÖHR-LEROY, 2004:

5 Como exemplificação, pegue-se Tempo trespassado (1938), de René Magritte. Com maestria, o pintor belga exibe uma composição com alto grau de meticulosidade em termos de perspectiva, proporção e representação. A cena poderia ser considerada deveras melancólica, típica de uma sala de estar européia classicamente decorada, não fosse por um elemento: a locomotiva que parece transpassar a parede da lareira. Da mesma forma como Salvador Dalí, Magritte mescla elementos familiares em situações ilógicas, tal qual a linguagem dos sonhos e do inconsciente. Estabelece-se, portanto, uma cena em que o tempo parece estar congelado, na qual não há certeza de seu passado, presente ou futuro. Ironicamente, é o que confere equilíbrio à composição, o único elemento a possuir movimento e vida. Por mais estranha que seja sua presença em uma sala de estar, a locomotiva parece realmente pertencer ao ambiente, uma vez que Magritte a retrata de forma que se torne semelhante aos outros elementos presentes na cena. Ou seja, a locomotiva estabelece a metáfora, o elo para a surrealidade: não fosse sua presença, esta seria uma cena absolutamente sem sentido, devido a sua normalidade. O sentido, mais uma vez, por ironia, é dado pela surrealidade. O que metaforiza Magritte, no entanto, ao retratar uma locomotiva que transpassa uma parede em uma cena como esta? O próprio tempo, talvez. Pois para Magritte, o tempo é uma locomotiva que não encontra barreiras: não se pode pará-lo. O tempo é, conforme o relógio entre dois castiçais presente na obra, um fator sempre presente e relativo entre duas polaridades: a vida e a morte, a noite e o dia, o inverno e o verão, o movimento e a estagnação. Similar é a posição adotada pelo Surrealismo: intermediária entre o real e o irreal, o familiar e o absurdo. O tempo e sua relatividade é a metáfora da condição do Surrealismo. A metáfora, portanto, assume a condição de exato ponto de contato em uma dualidade. Não é esta exatamente a mesma condição de uma interface? Seria a própria interface uma metáfora? Se a metáfora é um desvio de significado, e se o desvio é todo o elemento do discurso que se manifeste infringindo as normas de construção ou de funcionamento do seu próprio contexto (LOPES, 1986: 8), o que ocorre então é a quebra da linearidade sintagmática contextualmente prevista para o discurso, ou seja, recontextualização. Para tornar objetos ou informações passíveis de compreensão e consumo, designers de interfaces devem buscar referências no horizonte de expectativas dos usuários e recontextualizá-las de forma a gerar, a partir do conhecimento gerado por um algo já existente, a assimilação do novo. Exemplo claro disso foi o sucesso das interfaces de sistemas operacionais para computadores domésticos, desenvolvidas a partir da metáfora do desktop. Em suma, projetar interfaces significa, em termos, projetar metáforas. Um constante argumento feito contra a pesquisa em discursos metafóricos para projetos de interface que visem à usabilidade é a aparente abrangência interpretativa que tais discursos possibilitam. Ao contrário do que propõem as aparências, o elo interseccional que possibilita tais discursos não é gratuito. Quando propriamente planejados e materializados, eles indicam que há paradigmas em comum entre os elementos do discurso, por mais profundos ou abstratos que sejam. Estes paradigmas, que sempre existem em uma ocorrência metafórica, 2234

6 constituem a lógica associativa que abre portas para a compreensão, pois explicitam associações subjetivas, que encontram sua riqueza na complexidade ou mesmo na simplicidade de suas analogias subjacentes, revelando os mais diversos planos semânticos envolvidos em uma mensagem e, principalmente, tornando tangível a multiplicidade imaginária da experiência humana. Apesar de propor uma quebra das interconexões previstas em um sistema, a metáfora não atinge níveis absurdos de possibilidades interpretativas, do contrário, perde sua função figurativa. A denotação se dá por meio da limitação paradigmática dos significados possíveis estabelecidas pelo quadro da metáfora. Se retirada de um contexto, portanto, a metáfora é irrelevante, pois ela é caracterizada como uma figura dependente de um discurso específico para ser compreendida. A leitura de um discurso figurativo se dá por dois eixos: o do contexto posto ou sintagmático, com bases lingüísticas; e o chamado contexto pressuposto ou paradigmático, baseado em um sistema cultural. Uma das funções dos contextos posto e pressuposto é determinar o que uma cultura e um discurso construído com base nesta admitem como compatível, possível ou nãocontraditório. contexto pressuposto valores culturais contexto posto Gráfico 1 Demonstração dos valores culturais enquanto produtos dos contextos posto e pressuposto estabelecidos um espaço-tempo. Fonte: autoria própria. Em outras termos, a metáfora constitui um postulado ideológico, um saber dissimulado. Uma mensagem de cunho metafórico não tem como intenção declarar uma verdade ou uma mentira: a metáfora é aquilo que se crê que ela seja. A análise racional tomará o discurso metafórico sempre como não verídico. Já uma análise interpretativa subjetiva levará o receptor a estabelecer verdades a esta metáfora, suas verdades, já que a mensagem é apresentada a ele como uma potencialidade semântica, ou seja, uma sugestão, e não como uma verdade absoluta e inexorável. Para o design de sistemas hipermidiáticos, portanto, a metáfora constitui um recurso de grande valor semântico, estético, conceitual e estrutural, principalmente em pesquisas sobre interfaces líquidas ou adaptativas. Considerar questões referentes ao universo cognitivo de um usuário em particular é adequar o produto à necessidade não de um público, mas de um indivíduo. Desta forma, abandonam-se metodologias de produção que pressupõem a massificação de saberes, culturas e valores simbólicos, partindo-se para o design de uma experiência interativa em particular. 2235

7 Há ainda aqueles que podem argumentar que a utilização de símbolos em interfaces é muito mais eficiente do que a experimentação de metáforas. E de fato, em um contexto mercadológico no qual deve haver padrões de produção e leitura, este argumento é justificado. Contudo, um símbolo é funcional porque o é de fato, ou porque é convencionalmente estabelecido como tal? Segundo Lopes, o símbolo ocorre sempre que o significado normal (...) funciona como significante de um segundo significado, que será o objeto simbolizado (Ibid, 1986: 49). Assim, tem-se que o símbolo abrange todos os sememas passíveis de associação ao signo, ao passo que a metáfora mantém um sema em específico dentro de um conjunto plausível de sememas como seu fundamento. Segundo significado de A Símbolo, se compreender a toda a figuratividade do signo lingüístico, ou seja, aos sememas possíveis Metáfora, se compreender a um sema em específico do signo lingüístico A é B Significado linear de B como significante de A Significado linear de B Associação não-linear Esquema 1 Funcionamento da metáfora em um dado discurso. Fonte: autoria própria. Semanticamente, a metáfora é mais objetiva que o símbolo, apesar de ambos não apontarem literalmente ou linearmente para o sema ou o conjunto destes que visam designar. Sendo assim, utilizar-se de um desvio metafórico significa dar um sentido ao sentido de um discurso, ou seja, por meio da norma, quebrar a norma. Ao assimilar dois objetos de maneira sintagmaticamente ou linearmente imprópria (assim como o design de interfaces de apropria de signos, recontextualizando-os), a metáfora não simplesmente opõe-se à racionalidade de um sistema, mas questiona o que é aceito no sistema e, não obstante, o porquê da sua aceitação, gerando assim novos sistemas. A figura metafórica propõe a suspensão de paradigmas sem desfazê-los, utilizando-se de suas sistemáticas para contestá-los. A metáfora não é um questionamento com finalidade em si. É um mecanismo cognitivo em potencial, revelador das fragilidades de um sistema sem simultaneamente infringí-lo. A quebra da norma não está na figura metafórica, mas no efeito desencadeado nos processos cognitivos do observador. Em última instância, pode-se afirmar que a metáfora não é visual, verbal, ou mesmo passível de expressão em qualquer sistema sígnico. A metáfora é puro produto mental. 2236

8 Um símbolo, sabe-se, é assimilado como funcional porque é válido para uma coletividade. Em sua origem, entretanto, o símbolo surge como uma relação paradigmática entre sememas imprevista em um sistema, sendo ele próprio uma metáfora por excelência. Os melhores exemplos disso são, conforme Borges (2000), as palavras, as quais o escritor e poeta argentino define como metáforas mortas. Uma vez assimiladas por uma coletividade, as metáforas tornam-se referência lógica para a construção de novos sistemas epistemológicos. Assim sendo, é o recurso metafórico que determina as tendências da funcionalidade. O que se tem por funcional hoje é o que foi considerado ilegível ontem; o que se tem por metafórico hoje é o possível funcional amanhã. Partindo-se deste pressuposto, utilizar-se da metáfora no design de interfaces hipermidiáticas não é simplesmente recurso poético: é uma porta para novos paradigmas de funcionalidade. Assim, a linguagem surrealista aplicada ao design não poderá almejar ser funcional segundo os padrões correntes. No entanto, deve-se ter em mente que a funcionalidade é relativa, temporária e metamórfica, pois é ditada por mudanças tecnológicas e culturais, e que o modo como um usuário interage com um objeto é determinado contextualmente. Os diversos elementos visuais de uma obra surrealista, sobrepostos em um espaço aberto e dinâmico, tornam-se lexias de uma interface que pede a participação do observador por meio da contemplação, da investigação e da indagação. Os links que inter-relacionam os diversos elementos da obra, estruturando o espaço semântico e condicionados a uma lógica interna, são o mecanismo fundamental para o observador chegar à metáfora propriamente dita. Afinal, se uma metáfora é, conforme Lopes (1986), uma relação contextual de equivalência ideológica não-linear (portanto paradigmática), então a obra surrealista articula relações verticais com referentes abstratos, in absentia. O composto de lexias e links de uma obra surrealista é o texto manifestante, enquanto as articulações paradigmáticas que este composto proporciona compõem o texto manifestado: a metáfora. Figuras 2 e 3 Luis Buñuel e Salvador Dalí Um cão andaluz (1929) Cenas do filme: os autores propõem a não-linearidade da trama, baseado nas narrativas oníricas. Curta-metragem (16 min.) Fonte: UN CHIEN,

9 Esta substituição da linearidade por não-linearidade proposta pela linguagem surrealista é característica fundamental da dita cibercultura, que substitui tradições por escolhas. Defronte à obra surrealista, o observador pode iniciar a sua cadeia associativa a partir de qualquer ponto, pois não há narrativas lineares. Não obstante, com relação à associação livre e a liberdade de circulação por uma rede semântica, tal qual se tem hoje por meio de objetos computacionais baseados na lógica do hipertexto, os objetos surrealistas remetem a algumas análises interessantes. Tais objetos descaracterizam os seus aspectos funcionais e, em troca, lhes conferem caráter simbólico. Os objetos em si não são descaracterizados. A percepção que o observador possui de tais objetos, no entanto, se altera completamente. Figura 4 - Salvador Dalí Telefone-lagosta (1936) Plástico, gesso policromado e técnica mista 17,8 x 33 x 17,8 cm Fonte:<http://www.tate.org.uk/collections/glossary/definition.jsp? entryid=23> Acesso em 13 jun Tais obras são exemplos de como objetos do mundo físico, libertos de seu uso e lógica comuns, podem servir a lógica computacional e o princípio da variabilidade de Manovich (2001), possibilitando a criação de lógicas particulares a cada interface. Em uma obra surrealista, o artista também se apropria de objetos do cotidiano, porém, os manipula segundo a lógica da obra. Na computação, o processo é exatamente o mesmo, uma vez que o objeto digitalizado tem sua ontologia modificada e passa a obedecer à lógica computacional. Assim, ao mesmo tempo em que o design pode buscar referencias estéticas e culturais na esfera artística, a arte metaforicamente questiona o contexto humano por meio de ferramentas do cotidiano. Por meio de elementos visuais (lexias), propiciar ligações não-lineares (links), tarefa do design de hipermídia hoje, é uma investigação feita desde a década de 1930 pelos surrealistas. 2238

10 Figura 5 Da mesma forma como os objetos surrealistas, as interfaces se apropriam de objetos, utilizando da sua familiaridade com o usuário para conferindo-lhes novos significados. Fonte: autoria própria. A forma como o Surrealismo aborda a percepção e interpretação de um objeto torna evidente mais uma similaridade existente entre a linguagem surrealista e a linguagem da hipermídia, pois em um ambiente hipermidiático, uma lexia é também multiplamente associativa, em termos ideais. No entanto, a maioria das interfaces contemporâneas não contempla a esta possibilidade, limitando o usuário a estabelecer relações segundo as limitações do mundo físico. As metáforas de interface, além de constituir os elementos figurados que compõem o mundo real, podem ser construídas baseadas nas experiências anteriores do usuário, porém não referentes ao um único contexto, mas ainda sim dentro de um mesmo paradigma semântico de raciocínio. Os objetos gráficos e as denominações conferidas as operações devem ser familiares ao usuário, permitindo que este reflita sobre a malha sígnica que vê diante de si, de forma a, de fato, contemplar a interface. Esta concepção de uma interface justificava-se em um contexto onde a maioria dos usuários não tinha familiaridade com contextos homem-máquina desta configuração. Vive-se, atualmente, um momento no qual as novas gerações demonstram maior facilidade de manuseio de tais interfaces e até anseiam por novas formas de experienciar o ciberespaço. Prova disso é a popularidade obtida por websites que propiciam novas experiências interativas, buscando alternativas aos mecanismos já desgastados de comunicação, principalmente pela tecnologia proporcionada por softwares como o Adobe Flash. Portanto, o que se propõe é que as metáforas projetadas para sistemas hipermidiáticos desprendam-se do mundo físico, e passem a servir à lógica do sistema e do meio. Afinal, a computação da informação é uma realidade, e a linguagem das novas mídias somente se atém a antigas formas de produzir e ler informação, inicialmente, por consistir de um universo ainda pouco inteligível para os usuários. Com a maior alfabetização computacional, os usuários contemporâneos começam a assimilar softwares e sistemas operacionais com relativa facilidade. É necessário, portanto, que se expandam as possibilidades de usabilidade destes 2239

11 ambientes, oferecendo novas formas de estruturar, codificar e apresentar visualmente sistemas computacionais como a hipermídia. A lógica destes sistemas, cada vez mais, deve tornar-se autônoma. Observa-se, ao longo das relações aqui estabelecidas, que a obra surrealista caracterizase como uma real interface entre as intenções do artista e o observador, entre a realidade tal qual ela se apresenta ao observador e a realidade contextual da obra, um ponto médio de uma relação marcada pelas continuidades e descontinuidades, na qual a metáfora é exatamente o elo fundamental que permite o contato entre os dois pólos do jogo artístico. A metáfora assume a condição que Breton defende como fundamental ao Surrealismo: o exato ponto de contato em uma dualidade, entre o real e o irreal, entre a subjetividade e a objetividade. Da mesma forma, as interfaces hipermidiáticas propõem-se como espaços de conflito entre a lógica do usuário e a lógica computacional, o que as caracteriza como um campo de batalha, conforme define Manovich (2001), entre convenções culturais. Muitos dos conceitos aqui abordados, obviamente, não são sugestões plausíveis para projetistas de interfaces convencionais, visto que oferecem justamente alternativas que explorem o potencial da mídia. Questionar os atuais conceitos de funcionalidade, que reduzem os usuários e consumidores a uma massa homogeneizada, impondo o não-pensar como padrão de usabilidade, é também dever do design contemporâneo. Afinal, estas são, essencialmente, as características que tornam a sociedade ignorante quanto às suas questões internas, econômicas, políticas e ambientais. Utilizar-se do design para contestar estes padrões é, talvez, uma tentativa de se repetir o que os surrealistas fizeram no começo do século XX: lembrar o indivíduo do seu valor enquanto humano, enquanto ser particular, impossível de ser massificado. Referências ARNHEIM, Rudolf. Criativity and contemplation. In: Towards a psychology of art. Londres, Faber and Faber, 1996, p BRADLEY, Fiona. Surrealismo. 2 ed. São Paulo: Cosac & Naify, UN CHIEN Andalou. Direção: Luis Buñuel. Direção de Arte: Salvador Dalí. Transflux Films, DVD (55 min), NTSC, preto e branco, Full Screen, silent, idioma original: francês. BORGES, Jorge Luis. Esse ofício do verso. São Paulo: Companhia das Letras, KLINGSÖHR-LEROY, Cathrin. Surrealismo. Köln: Taschen, LOPES, Edward. Metáfora: da Retórica a Semiótica. São Paulo: Atual, MANOVICH, Lev. Avant-garde as software. [on-line]. Disponível em : < manovich. net/docs/avant-garde_as_software.doc> Acesso em 23 dez , Lev. The language of new media. Cambridge, Massachusetts: MIT Press,

12 MOURA, Mônica. O design de hipermídia Tese de Doutorado em Comunicação e Semiótica. Departamento de Comunicação Visual, PUC-SP, São Paulo. PFÜTZENREUTER, Edson do Prado. Contribuições para a questão da formação do designer de hipermídia. In: LEÃO, Lúcia (org.). O chip e o caleidoscópio: reflexões sobre as novas mídias. São Paulo: Editora Senac, p SANTAELLA, Lúcia. Do ícone puro a metáfora: seis graus de iconicidade. Trabalho apresentado no C.S. Peirce Sesquicentennial International Congress, Harvard, USA set , Lúcia. O que é Semiótica. 13 ed. São Paulo: Brasiliense,

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como

O signo enquanto representamen constitui a sua esfera mais primitiva e estaria relacionado à forma como algo está representado, sentido do signo como AS NOVAS MÍDIAS COMO FERRAMENTA SEMIÓTICA NO PROCESSO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA CRIANÇAS 1. INTRODUÇÃO Waleska da Graça Santos (UFS) O ensino de línguas, assim como em qualquer outra esfera do saber

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia I Introdução Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia Teófilo Alves Galvão Filho teogf@ufba.br http://infoesp.vila.bol.com.br Com muita frequência a criança portadora de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 )

O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) O HOMEM COM A CÂMERA: BANCO-DE-DADOS E CINE-OLHO Lev Manovich 1 (tradução de Sérgio Basbaum 2 ) Ao lado de Greenaway, Dziga Vertov pode ser considerado um dos grandes "cineastas de banco-de-dados" do século

Leia mais

Figura Nº 70. Figura Nº 71

Figura Nº 70. Figura Nº 71 Figura Nº 70 Figura Nº 71 Figura Nº 69 Outra constatação é que o processo de solarização decorre de uma iluminação adicional feita no decorrer da revelação da imagem ou filme, assim sendo poderíamos com

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Por uma Maior Articulação entre Som, Imagem e Texto na Produção do Webdesign

Por uma Maior Articulação entre Som, Imagem e Texto na Produção do Webdesign Por uma Maior Articulação entre Som, Imagem e Texto na Produção do Webdesign For a great articulation between sound, image and text on the web design production Braida, Frederico; Doutorando; Pontifícia

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET

CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET CRIANÇA@WEB: A SUSTENTABILIDADE COMO TEMA DE REDES SOCIAIS INFANTIS NA INTERNET Simone Barros mestre em educação, simonegbarros@gmail.com Departamento de Design - Universidade Federal de Pernambuco André

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS A CIDADE E UMA UNIVERSIDADE: NARRATIVAS POSSÍVEIS Área temática: Preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro Professora Drª Adriane Borda (coordenador da Ação de Extensão) Vanessa da Silva Cardoso 1,

Leia mais

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão

Questão 1 / Tarefa 1. Questão 1 / Tarefa 2. Questão 1 / Tarefa 3. Questão Neste teste, a resolução da questão 1 exige a audição de uma sequência de três músicas que serão executadas sem interrupção: uma vez, no início do teste; uma vez, dez minutos após o término da primeira

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

SKETCHBOOK DIGITAL: UMA INOVAÇÃO SUSTENTÁVEL

SKETCHBOOK DIGITAL: UMA INOVAÇÃO SUSTENTÁVEL SKETCHBOOK DIGITAL: UMA INOVAÇÃO SUSTENTÁVEL SCKETCHBOOK DIGITAL: INNOVATION SUSTAINABLE Albuquerque, Madalena Graduanda em Design Gráfico/UNIBRATEC albuquerquemadalena@gmail.com Lima, Edson Graduando

Leia mais

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens

TRIADES. Transversalidade Design Linguagens 2 Transversalidade Design Linguagens Marcos Rizolli ARTISTAS-DESIGNERS DO SÉCULO XX: UM INVENTÁRIO SEMIÓTICO 2 RESUMO O presente estudo apresenta as relações semióticas entre Arte e Design, percebidas

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de TIDD

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de TIDD Disciplina: Aplicações da Teoria dos Signos, Símbolos e Códigos ATSC Módulo: 3 Área de Concentração: Processos Cognitivos e Ambientes Digitais Linha de Pesquisa: (comum às três linhas de pesquisa) Professor:

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Leandro Fabris Lugoboni

Leandro Fabris Lugoboni UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Leandro Fabris Lugoboni Semiótica Visual e Publicidade Digital: o estudo do material

Leia mais

Page 1 of 13. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 13. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 13 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Filosofia Educador: João Nascimento Borges Filho Tecnologia

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Tecnologia em. Design Gráfico

Tecnologia em. Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico Tecnologia em Design Gráfico CARREIRA O Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico oferece oportunidade para o trabalho profissional em diversas profissões relacionadas

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2

APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR. Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 APLICAÇÃO DA SEMIÓTICA NO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACES HUMANO COMPUTADOR Adriana MORAIS 1 Ricardo Roberto LEME 2 Resumo: Desenvolver uma interface para o usuário final nos sistemas computacionais envolve

Leia mais

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Gabriel da Costa Patrocínio Universidade Anhembi Morumbi patrocínio.design@gmail.com O presente artigo tem como proposta analisar

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

Palavras-chave Interação, Design, Q-Acadêmico, Mediação, Artefatos Digitais

Palavras-chave Interação, Design, Q-Acadêmico, Mediação, Artefatos Digitais Design de Interação e o Q-Acadêmico: análise do uso de artefatos interativos na construção do conhecimento dentro do curso de Design Gráfico - IFPB Cabedelo 1. Raquel Rebouças 2 ; Vítor Nicolau 3 ; Amanda

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Compondo: Uma metodologia para produção colaborativa do conhecimento em educação a distância 1

Compondo: Uma metodologia para produção colaborativa do conhecimento em educação a distância 1 Compondo: Uma metodologia para produção colaborativa do conhecimento em educação a distância 1 Maria Carolina Santos de Souza mcarol@unifacs.br Teresinha Fróes Burnham tfroesb@ufba.br Introdução O conhecimento

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística

Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística Luz e Representação e Representação da Luz - alguns aspectos da foto-grafia na Imagem Artística Light and Representation and Representation of Ligh -aumont some aspects of photography in Artistic Image

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web.

Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. Galerias Virtuais: novos modos expositivos e a legitimação da arte contemporânea na web. 1 Andrea Capssa Lima Resumo Este artigo na área da Arte Contemporânea e Arte e Tecnologia, analisa as novas possibilidades

Leia mais

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183

Movimentos da Arte Moderna. Surrealismo. III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Movimentos da Arte Moderna Surrealismo III Trimestre: turmas 181, 182 e 183 Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento da arte moderna que representou o irracional

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia

Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia Rede Teatro d@ Floresta: Por Uma Biopolítica Construída por Artistas/ Articuladores do Teatro da Amazônia Wlad Lima 1 Programa de Pós-graduação em Arte do Instituto de Ciências da Arte ICA \ UFPA. Professora-pesquisadora

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1

NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1 NOVAS PRÁTICAS NA EDUCAÇÃO: O USO DE JOGOS DIGITAIS PARA FORTALECER A APRENDIZAGEM 1 Grazielle Santos SILVA (PUC-MG) 2 Lívia Dutra JUSTINO (PUC-MG) 3 Resumo em português Apesar de o senso comum associar

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA

ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA Fortaleza, CE, Maio 2011 Liádina Camargo i, Universidade de Fortaleza, liadina@unifor.br Setor Educacional Educação Continuada

Leia mais

Visibilidades contemporâneas: dissecação e construções através da imagem digital Performance Digissecação

Visibilidades contemporâneas: dissecação e construções através da imagem digital Performance Digissecação Visibilidades contemporâneas: dissecação e construções através da imagem digital Performance Digissecação Maruzia Dultra 1 Larissa Ferreira 2 Resumo Este trabalho pretende fazer uma reflexão sobre as novas

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O PROJETO DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÃO PARA O PROJETO DE EXTENSÃO ORIENTAÇÃO PARA O PROJETO DE EXTENSÃO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO TÍTULO DO PROJETO REVISTA DIGITAL TEMÁTICA PROFESSOR(A) ORIENTADOR(A) GLEIDYS MEYRE DA SILVA MAIA / FRANCINE BICA ALUNO(S) PARTICIPANTE(S) ALUNOS

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Resumo Jasmine HORST² Nincía Cecília Ribas Borges TEIXEIRA³ Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Atualmente, a publicidade é um

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.

Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste. 1032 MODELO CRIATIVO E AVALIAÇÃO NO DESIGN Marcelo José da Mota Faculdade de Engenharia de Presidente Prudente FEPP. Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores UNOESTE. E-mail: marcelomota@unoeste.br

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE PROFESSORES - ORIENTADORES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO Adriana S. Kurtz Mídia e cultura de massa Cinema

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Anaís Schüler Bertoni Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis anais@d750.com.br Silvia

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE DESIGN DISCIPLINAS OPTATIVAS DDI11243 Estudo e Concepção de Jogos Estudo da história, conceituação e características dos jogos. Aspectos cognitivos, estéticos

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico

Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Análise da produção bibliográfica em Design no Brasil: impacto científico Carlos Henrique Gonçalves (UNESC/FAAP) chcg@uol.com.br Roberval Bráz Padovan (UNESC/FAAP) am_padovan@terra.com.br Simone Thereza

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-graduação em Direito Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-graduação em Direito Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-graduação em Direito Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento Disciplina: EGC9001-10 2008/1 Complexidade e Conhecimento na

Leia mais