Jogos Computacionais no Processo de Formação Profissional: o Design de A Caça ao Tesouro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jogos Computacionais no Processo de Formação Profissional: o Design de A Caça ao Tesouro"

Transcrição

1 IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 Jogos Computacionais no Processo de Formação Profissional: o Design de A Caça ao Tesouro 3 1 Lúcio Dutra Fernandes 1 Roger Augusto Valenciano 2 Cristiano Caritá 2 Maria Cecília Calani Baranauskas 2, 3 Departamento de Informática do Arsenal de Marinha do RJ Cx. Postal CEP Rio de Janeiro - RJ - Brasil Telefone: (021) Telefax: (021) Departamento de Ciência da Computação-IC-UNICAMP Cx. Postal CEP Campinas - SP - Brasil Telefone: (019) R- 227 fax: (019) Núcleo de Informática Aplicada à Educação-NIED-UNICAMP Ed. Reitoria V, 2. andar - CEP Campinas - SP - Brasil Telefone: (019) fax: (019) Os recursos humanos são, seguramente, o maior bem de que dispõem as organizações: seu Peopleware. Disponibilizar novos conhecimentos e técnicas, investindo na atualização e aperfeiçoamento do saber profissional de seus funcionários é atitude inteligente dos órgãos responsáveis pela formação e treinamento de pessoal de uma Organização que pretenda se inserir no contexto da Qualidade Total. Entre outros ganhos, obtém-se a participação mais ativa e eficaz do funcionário no seu processo de trabalho, como vem acontecendo na nova gestão da produção enxuta. Este trabalho propõe o uso de jogos computacionais para ensino/aprendizado de alguns conceitos ligados à manufatura, ao discutir seu uso na formação e no treinamento de recursos humanos nas organizações. Tal proposta é ilustrada com o design de A Caça ao Tesouro, um ambiente metafórico criado para trabalhar ou melhor dizendo, jogar com alguns conceitos inerentes ao campo da Produção Enxuta Introdução

2 É sabido que o desempenho das empresas brasileiras, salvo honrosas exceções, está abaixo do padrão mundial. Tal fato deve-se a uma série de fatores, entre os quais a formação inadequada de pessoal. Este trabalho possui como cerne o estudo e o design de jogos computacionais e seu uso como ferramenta complementar e moderna na formação de recursos humanos nas organizações industriais, sendo oriundo de uma Dissertação de Mestrado em desenvolvimento no Instituto da Computação da Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP. Ainda na seção introdutória, situaremos o domínio dessa abordagem, conceituando Produção Enxuta e traçando um panorama histórico-evolutivo da manufatura a partir da sua concepção no período pré-industrial do Hemisfério Norte. Em seguida, apresentaremos o estado da arte em jogos, pinçando aqui e ali algumas evidências de seu uso. Na próxima seção, abordaremos alguns aspectos do design de jogos, iniciando por uma sumária apresentação da influência dos jogos na cultura e vice-versa. Seguiremos conceituando metáfora e correlacionando seus componentes, passando a discorrer acerca da interação homem-computador, quando serão apontados alguns elementos dessa interface e o que difere nossa abordagem computacional de jogo dos demais tipos de software educativo. Em seguida, na seção destinada ao design do jogo, faremos o mapeamento das metáforas conceitual e computacional, apresentando a estrutura básica do jogo e alguns exemplos de telas (story-board) de A Caça ao Tesouro. Finalizando, faremos uma discussão sobre nossas intenções originais e o feed-back recebido quando da apresentação da versão Alfa desse aplicativo, para um grupo de pesquisadores em Informática na Educação e, em seguida, apresentaremos a conclusão a que chegamos O Domínio do Trabalho: A Produção Enxuta A expressão Lean Manufacturing, definida por John Krafcik, pesquisador do International Motor Vehicle Program e que foi traduzida em nossa língua como Manufatura Enxuta, é uma faceta de um revolucionário sistema oriental denominado ocidentalmente de Produção Enxuta ou Lean Production e possui em seu cerne uma dimensão fundamental: requer menores recursos, maximiza a eficiência e a produtividade e, principalmente, maximiza a flexibilidade, sendo mais ágil, inovadora e capaz de enfrentar melhor as mudanças conjunturais e de mercado. Em quase todos os aspectos, veio a contrapor-se aos dois outros métodos de produção concebidos pelo Homem: a Produção Artesanal e a Produção em Massa [Womack, Jones, Roos; 1992]. O produtor artesanal, desde os primórdios da evolução manufatureira, lançava mão, quase sempre, de trabalhadores altamente qualificados e ferramentas simples, mas altamente flexíveis, para produzir o que o cliente mais desejava: um item de cada vez, muitas das vezes, exclusivo. Essa produção tanto possuía sofisticação e qualidade de acabamento quanto uma grande desvantagem econômica: era cara demais para a grande maioria das pessoas tornando-se, com o passar do tempo, inviável comercialmente [Womack, Jones, Roos; 1992].

3 Após a Primeira Guerra Mundial, Alfred Sloan, da General Motors e Henry Ford, da Ford Motors, conduziram séculos de produção artesanal de bens cuja liderança era européia para a chamada Era da Produção em Massa. Este sistema de produção, que foi utilizado primeiramente nas indústrias automobilísticas americanas, foi posteriormente difundido nas indústrias da Europa. E mesmo no início deste século, a maioria dos europeus era incapaz de distingüir as vantagens e idéias universais da produção em massa de sua origem norte-americana. O produtor em massa, por sua vez, utilizava-se de profissionais excessivamente especializados para projetar produtos que eram manufaturados por trabalhadores sem qualificação ou semi-qualificados, em máquinas dispendiosas e especializadas em uma única tarefa. Por ser dispendiosa a mudança de um produto, este era mantido como padrão o maior tempo possível e com métodos de trabalho muitas vezes monótonos e sem sentido. Com isso, o consumidor obtinha preços mais baixos, em detrimento de variedade e qualidade. A produção em massa deixava muito a desejar em termos de competitividade e atendimento aos anseios consumistas emergentes [Womack, Jones, Roos; 1992]. Mas, ao contrário do que se imagina, a chave para este tipo de produção não residia na linha de montagem em movimento contínuo, mas sim na completa e consistente intercambialidade das peças, em sua simplicidade e na facilidade de ajustá-las entre si. Foram estas inovações que tornaram a linha de montagem possível, reduzindo-se drasticamente os custos de fabricação e aumentando a qualidade do produto, superando os problemas da produção artesanal. O surgimento do conjunto de filosofias e técnicas da Produção Enxuta na indústria japonesa um pioneirismo de Eiji Toyoda e Taiichi Ohno, da Toyota, ocorrido após a Segunda Grande Guerra deu-se porque as idéias convencionais para o desenvolvimento industrial do Japão pareciam não funcionar mais. Todavia, o salto japonês logo ocorreu, à medida que outras companhias e indústrias do país copiavam o modelo desse notável sistema. [Womack, Jones, Roos; 1992]. O produtor enxuto, em contraposição aos dois anteriores, combina as vantagens da produção artesanal e em massa, evitando a rigidez desta e os altos custos da primeira. Assim, emprega equipes de trabalhadores multiqualificados em todos os níveis da organização, além de perseguir custos sempre declinantes, nenhum estoque, e de desenvolver ou adquirir máquinas altamente flexíveis e cada vez mais automatizadas, para produzir uma maior e sempre crescente variedade de produtos, tendo sempre em mente a máxima satisfação do cliente a qualidade aplicada [Womack, Jones, Roos; 1992]. Passado quase meio século, inúmeras companhias ocidentais compreenderam a filosofia da Lean Production. Todavia, o mundo ainda tem imensa carência de capacidade competitiva de produção enxuta e um excesso de capacidade não-competitiva de produção em massa. Uma das diferenças mais impressionantes entre os dois sistemas reside nos objetivos finais: os produtores em massa estabelecem para si uma meta limitada, o produto bom o suficiente, enquanto os produtores enxutos almejam abertamente a perfeição. Algo como a qualidade perfeita. É claro que essa perfeição é praticamente inatingível, ou então seu custo é altíssimo, mas sua busca continua gerando efeitos surpreendentes.

4 Outra diferença recai sobre o modo como as pessoas trabalham. Enquanto a maioria delas achará seu trabalho mais estimulante inclusive os operários de chão de fábrica à medida que a produção enxuta vai se disseminando e sua produção aumentando, poderá ocorrer que suas tarefas se tornem mais estressantes. Isso porque um dos objetivos-chave desse sistema de produção é trazer a responsabilidade para a base da pirâmide organizacional, responsabilidade essa que significa liberdade para controlar o próprio trabalho uma vantagem mas que aumenta o temor de cometer erros que acarretem prejuízo, certamente uma desvantagem em nossa mentalidade de insegurança no emprego e de parcos estímulos aos processos de tomada-de-decisão nesse nível O Estado da Arte Na busca da excelência na formação e no treinamento de funcionários e executivos, grande número de empresas sediadas nos países industrializados utilizam-se de uma série de expedientes e atividades, físicas, mentais e psicológicas, quase sempre adequadas ao perfil sócio-econômico de seus treinandos, muitas das vezes até lançando modismos e descobrindo novos valores, como a onda atual em torno da inteligência emocional. Uma série de empresas sediadas no Brasil como o Citybank, a Rhodia e entidades como a Febraban, dentre outras, já se utilizam de jogos do tipo carteado, de dados e de perguntas para treinar seus funcionários visando a melhoria no desempenho dos mesmos. Aprende-se brincando, o que possibilita melhor assimilação de conceitos e procedimentos, além de enriquecer o aprendizado. Outras, submetem seus executivos do topo da hierarquia e de média gerência a uma série de psico-atividades do tipo psicodrama, testes de perseverança e de desempenho correlato, acreditando ser possível despertar nos participantes dessas atividades uma série de atributos favoráveis à Administração e que poderiam estar adormecidos ou em estado potencial. Para diferenciarmos esse tipo de atividade lúdica que se utiliza de papel, canetas, dados, tabuleiros ou aquelas mais eminentemente psicomotrizes que não utilizam o computador como ferramenta ou mídia daquelas atividades apoiadas por ou desenvolvidas para computador, denominaremos as primeiras de jogos analógicos e as últimas de jogos computacionais. Mário Seabra, consultor de empresas na área de Gamming, concebe jogos analógicos há 34 anos. Na área de treinamento de Recursos Humanos já produziu jogos, somente para citar dois casos, para a Febraban e para o Citybank, que enfocavam o funcionamento de uma agência bancária no primeiro caso e como vencer no mercado financeiro, no segundo. Segundo ele, os principais segredos para obter-se bons resultados nesse tipo de treinamento é ter em mente a noção de tempo, o timing, e ser o mais histriônico possível, ou seja, eletrizante a fim de manter a atenção e transmitir emoção para empolgar os treinandos. Sem exageros, todavia. O design de jogos computacionais para o contexto da formação no trabalho ainda é um tópico de pesquisa em aberto. A interdisciplinaridade envolvida no assunto e a aparente associação de jogo com diversão, enquanto que trabalho é uma coisa séria, é apenas um dos desafios que têm impulsionado nosso trabalho (Fernandes et al., 1995, 1996) nessa área. Este trabalho dá continuidade ao nosso projeto envolvendo o design de jogos computacionais para o contexto da formação na indústria.

5 2.0 - Aspectos do Design de Jogos Tanto o design quanto o desenvolvimento de qualquer jogo para uso na formação profissional requerem um certo número de cuidados e decisões a serem tomadas desde o início, começando pela identificação e pertinência do mesmo quanto às necessidades específicas a serem satisfeitas, as quais servirão para estabelecer grosseiramente a natureza do jogo. Estas decisões são tão importantes quanto difíceis quando não impossíveis que chegam a mudar radicalmente a fase de desenvolvimento. Num trabalho realizado para o Royal Military College of Science, em 1981, seus autores estabeleceram três áreas principais que condensavam alguns aspectos problemáticos a serem levados em conta pelo designer de jogos: problemas relacionados com o usuário, problemas no desenvolvimento e problemas computacionais [Hartley, Ritchie, Fitzsimons;1981] Os Jogos e a Cultura O mundo dos Jogos é tão variado e tão complexo que o seu estudo pode ser abordado de inúmeras maneiras. O jogo é mais do que um fenômeno fisiológico ou um reflexo psicológico. É uma função significante, ou seja, encerra um determinado sentido. É também uma evasão da vida real para uma esfera temporária de atividade com orientação própria [Huizinga, 1938]. Ele se insinua como atividade temporária que possui uma finalidade autônoma, como um intervalo em nossa vida quotidiana. Porém, tem um caminho e um sentido próprios, início e fim, e é limitado pelo tempo, apesar de poder ser repetido a qualquer momento. Além de todos esses predicados, o jogo cria ordem e é ordem [Huizinga,1938]. Ou seja, introduz na confusão da vida e na imperfeição do mundo, uma perfeição temporária e limitada, devido às regras que são estabelecidas. Essas regras deixam de ser separadas do jogo assim que este adquire a existência institucional, passando a fazer parte de sua natureza de cultura. Schiller [ Schiller, 1862] talvez tenha sido o primeiro a salientar a excepcional importância do jogo na história da cultura. A avaliação dos recursos disponíveis e o cálculo das eventualidades previstas fazem-se de súbito acompanhar duma outra especulação, uma espécie de aposta que supõe uma comparação entre o risco aceito e o resultado previsto. E a essência do espírito lúdico é ousar, correr riscos, suportar a incerteza e a tensão. Considerando estes aspectos podemos definir essencialmente o jogo como sendo uma atividade prazerosa, livre, delimitada, incerta, regulamentada e fictícia. A extensão e variedade infindas dos jogos provocam inicialmente uma certa preocupação em classificá-los segundo algum princípio, haja vista que podem existir várias classificações concorrentes. Roger Caillois [Caillois, 1958], um dos fundadores do Collège de Sociologie, numa de suas obras sobre os mitos sociais, propôs a divisão em quatro classes principais, conforme predomine no jogo o papel de competição: Agôn; da sorte: Alea; do simulacro: Mimicry e da vertigem: Ilynx.

6 Assim, tanto o futebol quanto o xadrez seriam exemplos de Agôn; o pôquer e a loteria, de Alea. Como exemplo de Mimicry termo oriundo da língua inglesa e que é usado para designar mimetismo poderíamos citar a representação do papel de mãe, pelas meninas, nas brincadeiras infantis com bonecas, bem como a representação de super-herói pelos meninos.segundo Platão, com meia hora de jogo é possível conhecer-se melhor alguém do que olhando sua vida inteira. Baseada nesta teoria, a Psicologia Industrial se vale de uma série de role-playing games, onde são apresentadas situações e distribuídos diversos papéis aos entrevistados, num exemplo típico de Mimecry. E, finalmente, as brincadeiras de rotação rápida ou de queda do corpo, levadas a termo até atingir-se um estado orgânico de confusão e desordem, seriam exemplos de Ilynx. De maneira semelhante, Caillois ainda polariza esses quatro componentes primordiais em dois extremos antagônicos. Um, onde reina um princípio de diversão, turbulência, improviso e fantasia, que ele designa por Paidia, é a manifestação espontânea do instinto do jogo. Outro, onde essa aparente indisciplina alegre é contida por uma necessidade imperiosa de submeter-se a regras convencionais e até incômodas, exigindo um número crescente de tentativas, de persistência, de habilidade ou de artifício, é denominado de Ludus. Durante muito tempo o estudo dos jogos limitou-se a ser a história dos brinquedos. Enquanto Huizinga define a tese de que a cultura é proveniente do jogo, para Caillois, o espírito do jogo é essencial à cultura, embora jogos e brinquedos, no decurso da história, sejam efetivamente os resíduos dessa cultura. E, finalmente, a questão de saber quem precedeu quem, o jogo ou a estrutura séria, parece não ter muita importância, embora a pretenção de definir-se uma cultura a partir, simplesmente, de seus jogos seria uma operação arrojada e provavelmente enganadora A Interação Homem-Computador Os jogos no computador representam um universo de interação usuário-interface muito mais exigente. Enquanto que o usuário de software, em geral, avalia a qualidade da interface em termos relativos às alternativas que possui para realizar a mesma tarefa sem o computador, o jogo deve passar num teste absoluto : além de ser funcional e fácil de usar, deve ser divertido. Em conseqüência disso, características muitas vezes consideradas no software geral como cosméticas, são essenciais em se tratando de jogos no computador. É o caso do uso de representações gráficas, som e animação, onde a indireção do texto roubaria do mesmo clareza e expressão, conforme cita [Crawford, 1990 p. ]: Um elemento gráfico é geralmente capaz de expressar um conceito diretamente, quando um texto fala sobre ele indiretamente. Intensidade e assimetria da interação são, portanto, o mote no jogo computacional. Usuário e computador devem estar em interação aparentemente contínua, pois o usuário necessita de resposta num intervalo de tempo que não quebre a concentração nem perturbe a continuidade do jogo. Ao mesmo tempo, a velocidade do computador não pode inibir o usuário na conquista dos objetivos daquele jogo.

7 O universo de fantasia próprio do jogo remete-nos, sobretudo no caso do meio computacional, ao uso de metáforas. O termo metáfora é tradicionalmente associado ao uso de linguagem. A metáfora é tão constante em nossa fala e pensamento que se torna invisível. Quando queremos veicular um conceito abstrato de uma forma mais familiar e acessível freqüentemente usamos expressões metafóricas. Por exemplo, tendemos a falar sobre o tempo, que é um conceito muito abstrato, em termos de dinheiro, conforme citado em Preece, 1994 [Lakoff e Johnson, 1980]: economizamos, gastamos, perdemos tempo..., damos nosso tempo a alguém. Nossa linguagem como um todo está repleta desses tipos de abstrações metafóricas. Expressamos o entendimento de idéias abstratas por representantes concretos dessas idéias: olhando mais de perto o assunto..., lançando uma luz sobre o assunto, vendo o assunto sob nova perspectiva... Erickson [ Erickson, 1990] define metáfora como um emaranhado invisível de termos e associações que é subjacente à maneira como falamos e pensamos sobre um conceito. Funcionam como modelos mentais, permitindo-nos usar conhecimento de objetos concretos, familiares e experiências anteriores para dar estrutura a conceitos abstratos. É essa estrutura estendida que, segundo o mesmo autor, faz da metáfora parte essencial e poderosa de nosso pensamento. As características da metáfora em nossa linguagem parecem ser as mesmas características que governam seu funcionamento no jogo. Portanto, usamos metáforas como modelos através dos quais podemos dar sentido, falar e refletir sobre conceitos abstratos. O objetivo da metáfora na interface do jogo computacional é, portanto, prover o usuário com um modelo de um sistema subjacente. Erickson (1990) define 5 parâmetros essenciais à utilidade de uma metáfora no contexto computacional: estrutura (quanto de estrutura a metáfora provê ), aplicabilidade (quanto da metáfora é relevante ao problema), representabilidade (quão fácil de representar no meio computacional é a metáfora), adequabilidade à audiência (quão fácil de ser entendida pelo público alvo) e extensão (quanto de estrutura adicional é possivel estender à mesma). Esses foram os parâmetros norteadores de nosso design de A Caça ao Tesouro O Design de A Caça ao Tesouro A construção de jogos para utilização na formação de Recursos Humanos é um processo complexo e custoso, sendo difícil pesar se é mais uma arte do que uma ciência. O principal atributo de um bem sucedido designer deve ser a habilidade em determinar exatamente as exigências primárias da formação profissional ou do treinamento requeridos, e então desenhar e desenvolver um jogo que atenda a essas exigências. Isto significa, em outras palavras, observar macroscopicamente a situação, evitando muita concentração em algum aspecto específico, e depois traduzir em regras e ações os conceitos desejados. A Caça ao Tesouro é um jogo de aventura onde o jogador é o chefe de uma expedição organizada por ele próprio, para a busca de um lendário tesouro escondido. Existe um contexto e um cenário para os vários elementos e as várias etapas do jogo, que são usados para representar elementos e situações do processo de manufatura em uma fábrica.

8 Após analisadas situações e metas e o estabelecimento do domínio e dos conceitos que serão cobertos, o próximo passo é o tratamento da realidade através das metáforas conceituais, que originarão as computacionais, quando chegar a fase do uso do computador. Esta ferramenta tem um potencial tremendo, como se sabe, mas precisa ser tratada com cautela, posto que sua utilização em um jogo nem sempre é desejada ou deve ser automática. No nosso caso, as possibilidades da simulação, aliadas a um aprendizado individual e prazeroso justificaram seu uso. Neste passo foram mapeados e adaptados alguns conceitos julgados de maior importância, possibilitando a criação das metáforas conceituais correspondentes, além da criação de um modelo que foi julgado bastante adequado para servir de base ao enredo do jogo e às suas correspondentes metáforas computacionais. Dentro da filosofia das "melhorias contínuas" preconizada por Deming [Deming; 1986], o modelo computacional deve sofrer os aprimoramentos contínuos julgados necessários, apesar de nunca serem atingidas a completude ou a perfeição, a exemplo das situações imprevisíveis e eventos conseqüentes que por vezes ocorrem na organização real. Nosso modelo conceitual de jogo foi baseado em A Meta [Goldratt, Eliyahu M.; Cox, J., 1994] e A Corrida [Goldratt, Eliyahu M.; Fox, Robert E., 1992], duas obras de grande importância em se tratando de gerenciamento de produção e de manufatura. O primeiro desses dois livros, A Meta, foi escrito em estilo novelesco e retrata uma organização fabril e a jornada profissional e familiar do gerente-protagonista, em sua tentativa de tirar a fábrica da iminência de ser fechada por prejuízos crescentes e de salvar seu emprego e casamento. O protagonista solicita, então, o auxílio de seu antigo professor um cientista político que o ensina, de forma eficaz mas quase cruel, a raciocinar e encontrar suas próprias soluções, utilizando vários conceitos de gerência, sobretudo conceitos da Teoria das Restrições e os baseados no Paradigma do Custo, mais voltado para a área de logística. Na obra A Corrida, o autor faz uma analogia entre o padrão de vida atual e como este pode ser elevado. Segundo ele, no mundo ocidental, sobretudo, o padrão de vida está tendendo a cair e tanto a fonte quanto a solução desse problema estariam no mesmo ponto: a manufatura, que vem sendo a maior geradora de riqueza do mundo industrializado. Muitos são os conceitos que compõem um Sistema Enxuto, seja ele de produção ou de manufatura. Em nosso trabalho limitaremos a abordagem dos conceitos que julgamos mais interessantes para figurarem no aplicativo computacional, dentro das necessidades de uma formação profissional nesse contexto. A busca de uma solução viável para o design envolveu alguns passos: análise o mais completa possível da situação real; definição de uma analogia na qual o problema pudesse ser facilmente expresso; encontro de uma solução ótima dentro da estrutura da analogia; transferência de tal solução para o ambiente da fábrica e, finalmente, verificação de sua viabilidade, voltando-se aos passos anteriores para implementação das melhorias. Em se tratando do enredo do jogo, o objetivo do usuário o gerente-protagonista é solucionar o dilema da redução do inventário do estoque em processo, sem que sejam afetadas tanto as vendas (ganho) quanto a despesa operacional de uma fábrica de manufatura. Essa situação poderá ser abordada de outra maneira se usarmos uma situação metafórica análoga, na qual o problema possa ser expresso.

9 Para tanto, mapeamos os conceitos que seriam abordados pelo aplicativo e, em seguida, traçamos um paralelo entre a realidade e a ficção, paralelo este que resultou em uma metáfora conceitual. Em seguida, algumas metáforas conceituais sofreram adequações, ajustes e acréscimos, para que propiciassem o design e a implementação de um ambiente baseado em um jogo-exemplificação, que foi denominado A Caça ao Tesouro. Como metáfora conceitual podemos entender um conjunto de analogias que permitem que, tanto o problema real da manufatura quanto os conceitos que se deseja abordar, possam ser expressos em seus mais importantes aspectos, causas e consequências, sem perda desses fatores quando da transposição de seu senso real para o figurado. De posse do modelo conceitual julgado adequado, buscamos uma metáfora computacional a conceitual implementada no computador conforme veremos na Tabela 1, a seguir: TABELA 1: MAPEAMENTO DAS METÁFORAS METÁFORA CONCEITUAL METÁFORA COMPUTACIONAL - A busca constante e árdua em se atingir a meta de qualquer organização fabril - Representada no jogo pela metáfora-título A Caça Ao Tesouro, uma expedição em busca de um lendário tesouro - O ganho é a meta de uma organização - Representado no jogo pelo baú do tesouro, conquistá-lo significa atingir a meta - Uma medida do ganho - O tempo ótimo de percurso até chegar-se ao tesouro - O sistema de produção - Será representado pelo usuário, pelos expedicionários e seus equipamentos e pela água - O gerente de uma fábrica, que coordena os recursos disponíveis a fim de que a meta seja atingida - Será representado pelo usuário - A célula de trabalho, que é um evento -Um expedicionário dependente num sistema de produção - A manutenção do maquinário - A água que enche os cantis - A sobrecarga em uma célula fabril - Uma mochila e seu conteúdo - O programa de manutenção - Os cantis preventiva de máquinas - Um limitador do inventário - A corda - O recebimento de matéria-prima - Primeiros passos do primeiro expedicionário ao iniciar a caminhada - A expedição do produto final - A chegada ao tôpo do último dos expedicionários - Cada operação do processo produtivo - A despesa operacional, ou seja, qualquer atributo que transforme o inventátio - O caminhar de cada expedicionário - Equipamentos, suprimentos e energia gasta para os expedicionários percorrerem toda a caminhada

10 em ganho - O inventário de materiais em processo - O intervalo entre os expedicionários durante as caminhadas - O aumento desse inventário - O aumento do intervalo entre os expedicionários - O potencial máximo de um recurso, - A circunstância de algum expedicionário ficar quando este é atingido para trás durante o percurso - Uma célula de trabalho que tenha - A morte de um expedicionário; parado de trabalhar por uma pane numa máquina ou escassez de um recurso, ou seja, quando um potencial máximo é atingido e não há recurso extra para suplementá-lo - A manutenção corretiva em uma célula ou máquina - A troca de lugar entre expedicionários na fila Vários foram os elementos de jogo utilizados e esses foram classificados em grupos ( clicáveis e não-clicáveis) e sub-classificados em níveis. Classificamos de elementos clicáveis aqueles elementos que, através de um único ou um duplo clic com o botão esquerdo do mouse sobre os mesmos, são capazes de fazer com que o aplicativo produza ações, sejam estas de seleção, de mudança de tela, de comandos operacionais, ou outras. Esses elementos terão duas formas pictóricas básicas: ícone ou figura. Também englobamos esses elementos clicáveis em níveis funcionais de magnitude de atuação e conseqüências similares, para facilitar a compreensão e o manuseio. São estes os níveis: Elementares, Contenedores, Informativos, Cenográficos e Funcionais Elementos de Primeiro Nível ou Elementares: EXPEDICIONÁRIO, MOCHILA, CORDA, PÁ, PICARETA, BÚSSOLA, LANTERNA 2. - Elementos de Segundo Nível ou Contenedores: BARRIL, RESERVATÓRIO, CANTIL 3. - Elementos de Terceiro Nível ou Informativos: SACO DE DINHEIRO, DIÁRIO, MAPA, INDICADOR DE TEMPO 4. - Elementos de Quarto Nível ou Cenográficos: RUA, LOJA, BAR, ESCRITÓRIO, PLACA DE LIMITE DE VILA, PORTA DO ESCRITÓRIO, PORTA DO ALOJAMENTO, PORTA DE SAÍDA, FENDA NO MONTE 5. - Elementos de Quinto Nível ou Funcionais: INÍCIO, SAÍDA, RETORNO, AJUDA, MÓDULO ESTRATÉGICO, SALVAR. Na categoria dos elementos não-clicáveis, destacamos os elementos de nível meramente informativo, que são a CAIXA REGISTRADORA e a BALANÇA.

11 Para criarmos o aplicativo, utilizamos a seguinte tecnologia de implementação: três microcomputadores em fases diferentes da implementação, sendo um com processador Pentium Intel, clock de 60 Mhz e 32 Mb de RAM; outro com processador Pentium Intel, clock de 166 Mhz e 64 Mb de RAM e um terceiro, com processador Pentium Pro Intel, clock de 200 Mhz e 64 Mb de RAM, além de um Scanner SCANJET HP 4T. O software utilizado como ferramenta de desenvolvimento foi o Multimedia Toolbook 4.0 for Windows, da Asymetrix Corporation [AC; 1991], auxiliado pelo 3D-Studio Max 1.1, da Kinetix Co., para a confecção de telas, objetos e aplicação de texturas e de animações. Quanto às telas, a resolução utilizada foi de 800 x 600 pontos e 65K-cores. Devido ao tamanho dos arquivos, foi necessário armazenar inicialmente as estruturas, cenas e scripts em disco de Zip Drive. Após concluída a versão alfa, já incluída aí a trilha sonora, que foi composta por excertos de músicas clássicas de domínio público, essa versão será gravada em CD-ROM Exemplificação de Aspectos Funcionais do Jogo Utilizando o Windows for Workgroups versão 3.11 como plataforma, o aplicativo pode ser executado a partir da tela do Gerenciador de Programas, bastando que o ícone correspondente ao mesmo seja duplamente clicado. No caso da versão 95, basta clicar-se sobre o ícone Iniciar da Barra de Tarefas e selecionar-se a opção Programas. Em seguida, clicar-se o ícone correspondente ao jogo. Quando isso é feito, aparece a primeira das telas do Módulo de Apresentação. Convém ressaltar que todas as telas do aplicativo são full-screen. O jogo foi dividido em dois módulos: o Módulo de Apresentação, que contém a abertura e a apresentação da estória, ou seja, situa o contexto em que se desenrolam as ações e também as instruções preliminares de jogo; e o Módulo Estratégico, que contém o jogo em si. Essa modularidade buscou, dentre outros objetivos, possibilitar que um usuário já familiarizado com o jogo possa optar por não executar o Módulo de Apresentação de média duração passando direto das primeiras telas ao Módulo Estratégico, reduzindo o tempo de utilização de máquina e, conseqüentemente, de treinamento. A seguir, serão exibidas algumas telas do aplicativo..

12 Figura 1: Tela do Módulo de Apresentação A figura 1 nos mostra uma das telas do Módulo de Apresentação, com uma cena ambientada num pátio interno de um Mosteiro, tendo em primeiro plano uma coluna sobre a qual se encontra o livro que conta a estória e o enredo do Jogo.

13 Figura 2: Tela do Módulo de Apresentação A figura 2 exibe outra tela do Módulo de Apresentação, com visão da Biblioteca da mansão da família Manager e do deslocamento do quadro onde se ocultava o livro antigo que contém o mapa.

14 Figura 3: Tela do Bar A figura 3 mostra o interior do Bar, onde são contratados expedicionários e adquirida a água, contida no barril. Nesta cena, também se encontra a máquina registradora, em cujo visor é exibido o custo da última aquisição ou contratação. Do lado esquerdo da tela, observa-se os quatro elementos de terceiro nível ou informativos, de cima para baixo: o diário, o mapa, o saco de dinheiro e o indicador de tempo.

15 Figura 4: Tela do Alojamento Na figura 4 é mostrada a Tela do Alojamento, onde os recursos contratados/adquiridos no Bar e na Loja são disponibilizados e devem ser otimizados pelo usuário, antes da caminhada seguinte. Estão presentes os Elementos Informativos à esquerda da tela. Nas prateleiras estão disponíveis os elementos contratados/adquiridos, com a exibição das quantidades adquiridas e remanescentes e em baixo, a disposição dos mesmos, de acordo com a otimização pretendida pelo usuário.

16 Figura 5: Tela do 3º trecho de caminhada A figura 5 nos mostra uma tomada do terceiro e último trecho de caminhada, a subida do Monte Ganho. Esta tela, animada, possui pontos coloridos em movimento, que representam os expedicionários caminhando dispostos em fila, conforme posição estabelecida pelo usuário na parada anterior A Caça ao Tesouro Sob o Ponto-de-Vista Lúdico Numa tentativa de classificarmos nosso aplicativo segundo as idéias de Caillois, poderíamos chegar à conclusão que ele possui uma tendência à atração e à união de mais de um aspecto predominante. Agôn é facilmente identificável como sendo o preponderante. Todavia, em uma análise mais acurada, podem ser percebidos secundariamente os aspectos Mimicry e Alea, com nuances ora de Paidia, ora de Ludus. Agôn, porque A Caça ao Tesouro aparece sob a forma de uma competição entre o jogador e as limitações do jogo, ou seja, como um combate em que se tenta criar artificialmente a igualdade de oportunidades para que os jogadores se defrontem em situações ideais, apesar de não jogarem ao mesmo tempo ou um contra o outro. Trata-se de uma rivalidade bastante rica, porquanto baseada em algumas qualidades concorrentes, tais como: rapidez, memória, habilidade, engenho, etc., excedendo-se em alguns limites e sem nenhum auxílio exterior, quer sejam disputadas entre um número definido ou indefinido de competidores. Daí, a prática de Agôn supor uma atenção persistente, um

17 treino apropriado, esforços assíduos e vontade de vencer, apresentando-se como a forma pura do mérito pessoal e servindo para manifestá-lo. Alea, nome latino para um jogo de dados, encerra em sua essência um componente de oposição a Agôn, numa decisão que não depende do jogador e numa dada situação em que ele precisa mais vencer um destino do que outro jogador ou, no nosso caso, os desafios impostos pelo aplicativo. Exemplo dessa rubrica em nosso jogo é a chance de o jogador atingir o topo do Monte Ganho antes do tempo se esgotar e com os recursos otimizados logo na primeira ou segunda jogadas. Este resultado seria esperado tão somente após um considerável número de jogadas conscientes. Do contrário, seria mais a influência do componente sorte do que da habilidade ou da competência, sendo eliminados os valores profissional, da qualificação, da responsabilidade individual, da paciência e do trabalho. Na Caça ao Tesouro, a combinação de Alea e Agôn, embora traduzam atitudes opostas e de certa forma simétricas, obedecem à mesma lei: a criação artificial das condições de igualdade quase que absoluta entre os jogadores, o que a realidade de vida recusa aos mesmos. A fuga desse absolutismo, todavia, é um trunfo, pois para um mesmo jogador, esses pequenos desvios e sutilezas entre jogadas emprestam um desafio maior à empreitada. Podemos perceber a presença de Mimecry quando o usuário é convocado a assumir o papel do protagonista da estória e chefe da expedição, Tom Manager. Os esforços vão na direção de que o usuário aceite temporariamente a ilusão, requerendo uma dose de empatia e imersão no contexto da estória. Então o jogo poderá consistir não na realização de uma atividade ou na assunção de um destino num lugar fictício, mas sobretudo, na encarnação de um personagem ilusório e na adoção do respectivo comportamento esperado. A vertigem não é observada em A Caça ao Tesouro porque a mesma não poderia sujeitar-se a uma rivalidade pautada em regras, sem que logo as adulterasse. Isso destruiria as circunstâncias que definem Agôn: o recurso eficaz à destreza, à força, ao cálculo; o autodomínio; o respeito pela regra; o desejo de medir forças em condições de igualdade; a prévia submissão à sentença de um árbitro; a obrigatoriedade de circunscrever-se a luta dentro de limites convencionados, para ficarmos somente nesses aspectos. Além disso, o fato de se estar em frente a uma máquina, em comportamento fisicamente quase passivo, embora mentalmente ativo, reduziria a componente liberdade e em certo nível, o descontrole, tão necessários em Ilynx. Nosso aplicativo consegue congregar todos esses aspectos, além da componente ligada ao aprendizado: ao fugir-se da realidade fabril com o uso de metáforas, o usuário é induzido a raciocinar entre o real e o fictício, apoiado por uma ferramenta poderosa de modelagem e simulação dessa realidade fabril, agora transposta para uma expedição em busca de um tesouro perdido, inserida em um contexto de fantasia e mistério Discussão e Conclusões Por uma série de circunstâncias, produção enxuta no país ainda soa quase que exclusivamente como redução de custos de mão-de-obra, acarretando incremento no nível

18 de desemprego. A política governamental desta última década, nas pretensas e malsucedidas tentativas de conter a espiral inflacionária e de colocar a nação nos rumos do desenvolvimento, ajudou a enegrecer ainda mais nosso cenário industrial. Isso sem falar no baixíssimo índice de investimento em treinamento de nossas Organizações, quer governamentais, quer privadas, nos três segmentos da Economia: agrícola, industrial e comercial. Quando foi apresentada a versão Alfa do aplicativo para um grupo de professorespesquisadores em Informática na Educação filiados ao Núcleo de Informática Aplicada À Educação - NIED da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, fomos surpreendidos por algumas colocações que buscavam uma correção política para uma série de ingênuas coincidências, como por exemplo, o fato de o expedicionário gordo e baixo (que poderia representar um estorvo numa caminhada, por possuir uma conjunção de características físicas menos favorecidas, apesar de ser mais barata sua contratação) possuir também a tez negra; e o fato de que não haviam expedicionários do sexo feminino. Essas colocações foram conceituadas como ingênuas coincidências, posto que não foram propositais e nem eram esperadas reações desse tipo por parte do público usuário. Quando da criação das figuras, cujo intuito esse sim premeditado foi atribuir uma certa graça aos elementos através da caricatura de personagens totalmente fictícios, não houve de nossa parte uma preocupação exagerada com o politicamente correto. Todavia algumas mudanças nesse sentido foram feitas, antes da prensagem da versão final do aplicativo. Concluindo este trabalho, esperamos que a formação profissional e/ou o treinamento no âmbito industrial possam ser bastante beneficiados com o uso de jogos interativos que utilizam "metáforas representativas" da realidade fabril, uma vez que esses possibilitam, de certa forma, a simulação lúdica da manufatura, sendo mais agradável e possivelmente mais eficaz o aprendizado de conceitos inerentes à mesma. Era pretensão, a priori, criar condições para reflexão e para uma mudança na mentalidade do público-alvo obtendo-se, com isto, a conseqüente melhoria de seu desempenho, ao sensibilizá-lo para a necessidade de otimização e incremento da qualidade dos processos reais sob sua responsabilidade e execução. Além disso, pretendíamos possibilitar o desenvolvimento da capacidade dos usuários autocriticarem sua "performance", quer durante o uso do computador, quer no cumprimento de suas rotinas de trabalho diário. Outro objetivo era o de propiciar a desmistificação do uso do computador por esse segmento profissional, possibilitando a maior popularização de algumas obras musicais clássicas, escolhidas dentre tantas, para comporem a trilha-sonora do aplicativo. Como não fez parte do escopo do projeto os testes e a avaliação do software, estes itens serão objeto de discussão futura. É preponderante que os organismos responsáveis pela Formação (com letra maiúscula!) do indivíduo, desde o lar até a formação profissional incluindo-se aí e as escolas sofram uma reformulação completa, de estrutura e de enfoque. A modernização dos Ensinos Fundamental e Técnico passa pela formação e treinamento de professores e facilitadores. Assim, os ambientes computacionais sobretudo os baseados em jogos podem vir a ser uma poderosa ferramenta lúdica de aplicação prática de todo um arcabouço teórico, possibilitando aos usuários a tão

19 necessária otimização de sua Educação, ao complementarem sua formação acadêmica e profissional. REFERÊNCIAS ###[AC; 1991] Asymetrix Corporation, Using ToolBook - A Guide to Building and Working with Books, 1991; [Caillois; 1958] Caillois, Roger, Les Jeux et Les Hommes, Edições Cotovia, Lisboa, 1990; [Chiavenato; 1981] Chiavenato, Idalberto, Administração de Recursos Humanos, Editora Atlas S/A, 3.volume, 2ª.edição, 1981; [Crawford, 1990] Crawford, C., 1990, Lessons from Computer Game Design, em B. Laurel (ed) The Art of Human-Computer Interface Design, MIT Press; [Deming; 1986] Deming, W. Eduards,1982, Out of the Crisis, Center of Advanced Engineering Study-MIT-Cambridge, 20ª.edição, 1986; [Erickson; 1990] Erickson, T. D., 1990, Working with Interface metaphors, em B. Laurel (ed) The Art of Human-Computer Interface Design, MIT Press; [Fernandes et al, 1995] Fernandes, L.D.; Furquim, A.A.; Baranauskas, M.C.C. 1995, Jogos no Computador e a Formação de Recursos Humanos na Indústria. VI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Florianópolis, SC, Brasil; [Fernandes et al, 1996] Fernandes, L.D.; Furquim, A.A.; Baranauskas, M.C.C. 1996, Jogos no Computador e a Formação de Recursos Humanos na Indústria. III Congreso Iberoamericano de Informatica Educativa, Barranquilla, Colombia; [Folha de São Paulo; 1994] Folha de São Paulo, Qualidade Total, baseado no Programa SEBRAE da Qualidade para as Micro e Pequenas Empresas, publicado em oito fascículos semanais, 1994; [Gibbs; 1974] Gibbs, G. Ian, Handbook of Games and Simulation Exercices, E. & F. N. Spon Ltd., GB, 1974; [Goldratt, Eliyahu M.; Cox, J.; 1984] Goldratt, Eliyahu M; Cox, J., A Meta, do original The Goal- A Process of Ongoing Improvement, 1984, 17a. edição, Editora Educator, São Paulo, 1994; [Goldratt, Eliyahu M.; Fox, Robert E., 1992] Goldratt, Eliyahu M; Fox, Robert E., A Corrida Pela Vantagem Competitiva, do original The Race, 1986, Editora Educator, São Paulo, 1992; [Hall; 1988] Hall, Robert W., Excelência na Manufatura, Instituto de Movimentação e Armazenamento de Materiais - IMAM, 1988; [Hartley, Ritchie, Fitzsimons;1981] Hartley, David A.; Ritchie, George N.; Fitzsimons, E. Anne; The design Of Large-Scale training Games, Simulation & Games, Vol.12, n.2, Sage Publications Inc, 1981; [HPSI; 1994] High Performance Systems Inc., ithink - The Visual Thinking Tool for the 90's, 1994; [Huizinga; 1994] Huizinga, Johan, Homo Ludens - vom Ursprung der Kultur im Spiel, 1938, editado no país pela Ed. Perspectiva, 1993;

20 [Mazzone; 1993] Mazzone, Jaures; "O Sistema Enxuto e a Educação no Brasil", em Computadores e Conhecimento, J. A. Valente (ed.), UNICAMP, 1993; [Miller, Albertson; 1987] Miller, Don; Albertson, Ray; 1987, Factory Simulation - Notes from Saginaw Steering Gear Division General Motors, GM-Harrison, 1989; [Moura; 1989] Moura, Reinaldo Aparecido, Kanban - A Simplicidade do Controle da Produção, Instituto de Movimentação e Armazenamento de Materiais - IMAM, 1989; [Preece, 1994] Preece, J. 1994; Human-Computer Interaction, 1994, Addison Wesley, 1994; [Schiller, 1862] Schiller, F. v., Briefen über äesthetische Erziehung des Menschen, Paris, 1862 [Schonberger; 1982] Schonberger, Richard J., 1982, Técnicas Industriais Japonesas - Nove Lições Ocultas sobre a Simplicidade, Livraria Pioneira Editora, 3ª. edição, 1988; [Womack, Jones, Roos;1992] Womack, James P., Jones, Daniel T., Roos, Daniel; A Máquina Que Mudou O Mundo, Editora Campus Ltda., 1992; e [Zoll; 1966] Zoll, A. A., Dynamic Management Education, Reading Mass., Addison- Wesley, 1966.

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*)

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Jaime Robredo 1. Introdução A tradução para o português da expressão inglesa process management não permite evidenciar

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Marcelo de Souza 1 bsi.marcelo@gmail.com Prof. Adilson Vahldick, Inteligência Artificial RESUMO: O desenvolvimento de jogos é um campo que atrai

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

3 Jogos Sérios e Educação O avanço tecnológico tem transformado e contribuído para a melhoria da prestação de serviço em diversas áreas. No contexto educacional, novos sistemas e equipamentos têm sido

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Apagando Incêndios em Organizações Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Dezembro de 2005 A síndrome de apagar incêndios é um dos problemas mais sérios e frequentes de muitas organizações. Esta síndrome

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores A sua empresa sabe como se preparar para as incertezas do futuro? Conheça

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Composição da nota Serão 3 notas. Trabalho apresentado. Prova conteúdo Prova livro e trabalhos www.proflucas.com www.facebook.com/prof.lucascruz Livro Sistema

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais