USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB. Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB. Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 USABILIDADE E MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE DE INTERFACES WEB Robson L. G. dos Santos, MSc. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Resumo Este trabalho apresenta a usabilidade como ponto fundamental a ser considerado em um projeto de interface e a necessidade de se adotar procedimentos metodológicos na execução de projetos de interfaces para web. É apresentado o método de avaliação heurística como ferramenta eficaz para a avaliação da usabilidade da interface ao longo do ciclo de projeto. Usabilidade, interação homem-computador, avaliação, web Abstract This paper presents the usability as fundamental point to be considered in a interface project and the need of apply methodological procedures in the development of web based interfaces. The heuristic evaluation is presented as a effective tool for usability evaluation at the interface design life cicle. Usability, humam-computer interaction, evaluation, web Introdução A Internet tem se mostrado como um meio democrático onde praticamente qualquer pessoa, com conhecimento mínimo de uso de recursos, computacionais pode produzir e publicar uma página na grande rede. Ao mesmo tempo, mais facilidades são colocadas à disposição dos usuários a criação de web sites. Em paralelo a isso, podem ser destacadas três formas de abordar a questão do desenvolvimento de interfaces: a abordagem baseada na tecnologia, a abordagem baseada na prática e a abordagem metodológica. A abordagem baseada na tecnologia considera que o conhecimento das ferramentas e programas para desenvolvimento de interfaces é o ponto fundamental para desenvolvimento de projetos. Reflexo deste pensamento faz com que existam inúmeros cursos e centros de treinamento que dizem formar web designers, mas que na verdade somente treinam alunos no uso das ferramentas. A abordagem baseada na prática destaca que o fazer e a experiência acumulada dará os subsídios necessários para execução de projetos de interfaces web. A terceira abordagem, a metodológica, tem como ponto principal que a conhecimento de procedimentos metodológicos testados e sedimentados dará base para o desenvolvimento de interfaces mais eficazes. Desta forma, entende-se que, para o desenvolvimento de interfaces, deve-se levar em conta os elementos fundamentais da interação homem-computador o usuário, a tarefa, o ambiente a fim de dotá-la de uma maior usabilidade. Para tanto, há que se considerar a necessidade de conhecer métodos e técnicas de projeto e avaliação de usabilidade a serem aplicados ao longo do ciclo de vida de um projeto de interface. Um embasamento metodológico, aliado ao

2 conhecimento dos recursos tecnológicos, redundará em uma prática efetiva de interfaces com maior nível de usabilidade. Usabilidade Usabilidade pode ser compreendida como a capacidade, em termos funcionais humanos, de um sistema ser usado facilmente e com eficiência pelo usuário. Bastien e Scapin (1993) consideram que a usabilidade está diretamente ligada ao diálogo na interface. Para os autores, é a capacidade do software em permitir que o usuário alcance suas metas de interação com o sistema. Em seu sentido mais amplo, a usabilidade da interação homem-computador abrange não somente o sistema informatizado, mas também o equipamento e o mobiliário incluídos no ambiente de trabalho, fazendo interseção com a usabilidade de produtos. Nielsen (1993) destaca que, para que o sistema tenha boa usabilidade, é necessário atender aos seguintes requisitos: ser de fácil aprendizagem, ser eficiente na utilização, ser fácil de lembrar, ter poucos erros e satisfazer subjetivamente. Para o autor esses cinco atributos compõem a natureza multidimensional da usabilidade. Moraes (1999) relaciona os principais fatores relacionados à abrangência do termo usabilidade: facilidade de aprendizagem; efetividade; atitude; flexibilidade; utilidade percebida do produto; adequação à tarefa; características da tarefa; características dos usuários. De forma geral, a preocupação com a usabilidade só ocorre no final do ciclo de projeto, ao se proceder a avaliação do produto já finalizado. Resulta daí que poucas modificações são implementadas e, se algumas realmente substantivas o são, implicam em custos elevados. Temse, então, que desde o início da atividade de projeto a consideração com a usabilidade deve estar presente. O modo mais óbvio de se obter informações sobre as atividades da tarefa relacionadas com as comunicações e interações das pessoas com os sistemas é observá-las ao realizar tomadas de informações, acionamentos, deslocamentos, comunicações e perguntá-las como e porque o fazem. Métodos para Avaliação de Usabilidade de Interfaces Avaliação de usabilidade pode ser entendida como o procedimento para aquisição de informação sobre a usabilidade ou usabilidade potencial de um sistema a fim de tanto aprimorar recursos numa interface em desenvolvimento e seu material de suporte quanto avaliar uma interface já finalizada. De acordo com o momento em que for realizada, a avaliação de usabilidade pode ser formativa ou somativa. A avaliação formativa acontece antes da implementação e tem participação na formação do sistema, com influência sobre as características do produto em desenvolvimento, uma vez que auxilia o projetista a formar e a refinar o projeto. A avaliação somativa acontece após a implementação com o objetivo de testar o funcionamento apropriado do sistema final. De modo geral, a avaliação somativa é feita quando se tem em vista alguma melhoria no produto. Para Booth (1989, apud Hewett, 1986), avaliação somativa envolve estimar o impacto, usabilidade e eficácia do sistema a performance global de usuário e sistema. Um método de avaliação é um procedimento para coleta de dados relevantes referentes à operação de uma interação homem-computador. Segundo Bastien e Scapin (1993), um método

3 de avaliação baseado em critérios ergonômicos visa abranger vários aspectos do que nós chamamos de qualidade ergonômica dos sistemas interativos. Dentre os diversos métodos para avaliação da usabilidade de interfaces, tem-se a análise da tarefa, a avaliação cooperativa, as abordagens walkthrough, o teste de usabilidade e a avaliação heurística. A avaliação herística se destaca de entre os demais métodos por ser de fácil aplicação e por requerer poucos recursos e um pequeno número de pessoas envolvidas, conforme descrito a seguir. Avaliação heurística A avaliação heurística é um método informal de inspeção de interfaces onde especialistas de usabilidade julgam cada elemento da interface com usuário, tendo como referência princípios heurísticos de usabilidade comumente aceitos. O termo avaliação heurística em IHC foi introduzido por Jakob Nielsen e Rolf Molich no início da década de 1990, quando propuseram um método através do qual o projetista aplica um número de princípios, ou heurísticas, ao projeto. Nielsen e Molich descreveram um método no qual um pequeno grupo de avaliadores examina uma dada interface e procura por problemas que violem alguns princípios gerais do bom projeto de interface. A avaliação heurística é um meio bastante eficaz para aumentar a usabilidade de uma interface. Possui como vantagens o fato de ser muito simples de implementar, pois requer pouco conhecimento prévio. Com relação ao tempo e aos materiais utilizados é muito eficiente e apresenta baixos custos, além de ser um método altamente utilizável (Stanton e Young, 1999). Os autores destacam ainda que, em contrapartida, a avaliação heurística apresenta como desvantagens o fato de ser um método altamente subjetivo e não estruturado. Devido à sua natureza não estruturada, pode levar a resultados pobres ao se considerar a confiabilidade e validade preditiva. Por ser uma ferramenta geral, a avaliação heurística pode ser aplicada em qualquer estágio do desenvolvimento do projeto, desde antes da prototipagem, como método formativo, até após a implementação, como método somativo. Princípios heurísticos na avaliação de usabilidade de web sites Instone (1999) afirma que a avaliação heurística se adequa à avaliação de web sites por ser fácil e rápida de realizar e apresentar baixo custo. Mesmo que, habitualmente, os avaliadores sejam especialistas de usabilidade especialmente treinados, pode-se também utilizar pessoas com apenas uma hora de treinamento. Se o site a ser avaliado estiver publicado na Internet, os avaliadores podem estar espalhados ao redor do globo. Visibilidade do status do sistema As duas coisas mais importantes que o usuário deseja saber em um web site são onde estou? e para onde posso ir depois?. Verifique se cada página está marcada e se foi indicada a que seção ela pertence. Links para outras páginas devem ser claramente marcados. Já que o usuário pode estar saltando de alguma parte do sistema vindo de qualquer outra parte, esta informação precisa ser incluída em toda página. Equivalência entre o sistema e o mundo real Na web, é necessário estar atento para o fato de que os usuários provavelmente têm diferentes vivências, desta forma, alcançar sua linguagem

4 pode ser um desafio. Está claro que é praticamente impossível alcançar a linguagem de todos os possíveis visitantes de um determinado web site, por isso se faz necessário determinar qual o público específico a ser atingido, podendo, desta forma, adequar o conteúdo disponível para que se aproxime ao máximo da linguagem do usuário. Controle do usuário e liberdade Os navegadores oferecem algumas saídas de emergência, mas o site deve também possibilitar que o usuário exerça controle e sinta-se livre. Uma forma simples é a inclusão de um botão Home em cada página. A tecnologia avançada pode ser um empecilho para o exercício do controle pelo usuário. Esse controle só é possível quando a tecnologia atinge um maior nível de maturidade. Consistência e padrões Usar palavras de forma consistente no conteúdo e nos botões. Um dos casos mais comuns de inconsistência diz respeito aos links, títulos de páginas e cabeçalhos. Deve-se verificar os títulos e cabeçalhos das páginas confrontando-os com os links que apontam para eles. A inconsistência, neste caso, pode confundir o usuário que pode achar que chegou a um ponto errado, porque a página de destino tem um título muito diferente do link que o levou até lá. Deve-se considerar o fato de que nenhum site é uma ilha, por isso é necessário adequar-se ao resto da web, utilizando, por exemplo, as cores para links usadas como padrão na Internet. Padrão, na Internet, refere-se ao uso da linguagem HTML. Desvios deste padrão podem tornar o site difícil para o usuário alcançar suas metas. Prevenção de erro Devido às limitações da linguagem HTML, a inserção de informação na Internet pelo usuário pode ser uma freqüente fonte de erros. Uma forma que tem sido usada são formulários gerados a partir da linguagem Java Script. Reconhecer ao invés de relembrar Se os usuários puderem reconhecer onde estão somente olhando para a página atual, sem ter que relembrar seu caminho a partir da página inicial, terão menos possibilidades de sentirem-se perdidos. Bons rótulos e links descritivos também são cruciais para o reconhecimento. Flexibilidade e eficiência de uso Deve-se tornar o site fácil de inserir na lista de favoritos (bookmarks) do usuário. Se o usuário tem interesse somente em uma parte do site, deve-se tornar fácil o caminho até lá. Deve-se evitar o uso de frames, pois dificultam o uso efetivo dos bookmarks. A geração de URLs temporárias também dificulta o uso efetivo dos bookmarks. Mesmo para páginas onde o conteúdo seja alterado periodicamente, deve-se manter a mesma URL, atualizando-se somente o conteúdo. Outra forma, é somente alterar a data ou alguma informação mínima, mas compreensível pelo usuário. Regras deste tipo também permitem que o site seja usado como link em outros sites. Isso possibilita que partes do conteúdo do site possam ser usadas como link para tarefas específicas para usuários de outros sites. Estética e design minimalista Informação estranha em uma página é um elemento de distração. A melhor maneira de assegurar que não se está dando muita ou pouca informação de cada vez é usar nível progressivo de detalhes. Deve-se pôr a informação mais geral em um nível mais alto na hierarquia e deixar que os usuários se aprofundem se precisarem de mais detalhes.

5 Deve-se ter certeza de que o conteúdo tenha sido escrito para a web e não pareça ser mera transcrição de material impresso. A informação deve ser quebrada em pedaços grandes e deve-se usar links para unir os pedaços relevantes, de maneira a suportar diferentes usuários do conteúdo. Auxiliar usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar ações erradas Toda mensagem de erro deve oferecer uma solução (ou link para uma solução) na página de erro. Por exemplo: se o processo de busca realizado pelo usuário não apresentar nenhum resultado, não se deve dizer simplesmente para ampliar sua busca. Deve-se fornecer um link que ampliará a busca para ele. Ajuda e documentação - Alguns dos sites mais básicos não precisarão de muita documentação, se é que precisarão de alguma. Mas assim que se tente desenvolver quaisquer tarefas complicadas, se faz necessário a ajuda para essas tarefas. Para a web, a chave não é simplesmente folhear algumas páginas, mas integrar a documentação ao site. Deve haver links das seções principais para dentro de ajuda específica e vice-versa. A ajuda pode ainda ser totalmente integrada em cada página, de forma que os usuários não pensem que o auxílio está muito longe. Procedimento para realização de uma avaliação heurística O procedimento para aplicação do método de avaliação heurística é composto pelas seguintes etapas: 1) Reunir um grupo de especialistas para executar a avaliação. Nielsen, após alguns estudos, relatou que o número suficiente de avaliadores para detectar grande número de problemas de usabilidade pode variar entre três e cinco. Deve-se considerar o nível de perícia do avaliador confrontado com seu conhecimento do domínio da tarefa para a qual a interface em questão se destina. 2) O passo seguinte é pedir que os especialistas avaliem a interface isoladamente, posteriormente comparando-se os achados. A avaliação isolada é importante para evitar que os achados de um sejam influenciados pelos de outro avaliador da interface. Aos avaliadores deve ser dado, também um conjunto de parâmetros pelos quais devem se guiar, a fim de que tenham em mente a mesma direção e perspectiva ao interagirem com o produto. Os avaliadores devem percorrer a interface mais de uma vez à procura de cada elemento da interface e avaliar seu design, posicionamento, implementação etc., tendo como referência a lista de princípios heurísticos. 3) Esta etapa consiste em recolher o feedback da parte dos avaliadores. As formas como os avaliadores darão resposta sobre seus achados podem ser: a) Relatório estruturado Onde são compiladas todas as notas e relacionados os achados da avaliação no relatório. Entretanto, a redação de um relatório estruturado pode levar muito tempo. b) Registro de verbalizações Pressupõe a presença de alguém para tomar nota das falas do avaliador durante o processo. Tem como vantagem a possibilidade de descobrir problemas que poderiam ser encobertos no caso do avaliador por si só tivesse que tomar nota de tudo. Também comentários não estruturados podem ser captados. c) Relatório segundo categorias As categorias de problemas devem ser estabelecidas e apresentadas aos avaliadores antes do início do trabalho de avaliação. Apesar de ser mais fácil de analisar, este tipo de resposta pode deixar de lado alguns problemas que outras formas de relatório poderiam encontrar. 4) Recebidos os relatórios onde constam os problemas observados pelos especialistas, deve-se apresentar uma escala de avaliação onde os problemas serão graduados de acordo com o

6 nível de gravidade. Nielsen (1999) estabeleceu uma escala que varia de 0 a 4 para ser usada na determinação do grau de gravidade de problemas de usabilidade. 0 Não é encarado necessariamente como um problema de usabilidade. 1 Problema estético. Não necessita ser corrigido, a menos que haja tempo disponível. 2 Problema menor de usabilidade. Baixa prioridade para sua correção 3 Problema maior de usabilidade. Alta prioridade para sua correção. 4 Catástrofe de usabilidade: imperativo corrigi-lo. O autor esclarece ainda que esta escala com níveis de gravidade para problemas de usabilidade deve ser apresentada aos avaliadores, para que a cada problema encontrado seja atribuído um valor da escala de níveis de gravidade. Como procedimento, recomenda-se que se apresente a escala para os avaliadores em uma sessão posterior à de descoberta dos problemas na interface. Isto serve para não comprometer a performance de descoberta de problemas. Por ocasião da apresentação da escala de níveis de gravidade dos problemas, deve-se também apresentar a listagem de todos os problemas encontrados por todos os avaliadores. Para tanto, cada problema deve ser descrito de maneira clara e com razoável profundidade, inclusive com imagens ilustrativas das ocorrências. Importante notar que cada avaliador deve fornecer graus individuais de gravidade para todos os problemas mesmo os que foram encontrados por outros avaliadores. A partir da atribuição dos níveis de gravidade aos problemas observados pelos especialistas é possível montar um quadro que determinará quais ações deverão ser tomadas para a correção dos erros que afetam a usabilidade da interface. Exemplo de aplicação da avaliação heurística Santos (2000) apresenta os resultados de uma pesquisa onde foi aplicado o método heurístico para avaliar a usabilidade da interface de uma instituição de fomento à pesquisa do Brasil. Na pesquisa foram a presentados os princípios heurísticos a cinco especialistas para procederem a inspeção da interface. Após a inspeção, foram detectados 128 problemas, assim distribuídos por níveis de gravidade: Nível de Gravidade Quantidade Total 128 Dentre os problemas considerados catástrofes de usabilidade, encontram-se alguns relacionados à dificuldade de navegação, como retonavegação pouco clara, ausência de seções do site no mapa de navegação, inconsistência entre links e cabeçalhos de páginas e inconsistência entre elementos da interface.

7 A partir da lista de problemas aos quais foram atribuídos o grau 4 catástrofe de usabilidade foi possível estabelecer um conjunto de orientações gerais, relacionado a seguir. Tais recomendações representam os requisitos mínimos para incrementar a qualidade ergonômica da interface e propiciar uma melhor usabilidade do sistema. 1. Como recurso de navegação em grandes web sites, principalmente os abundantes de informação, deve-se prover um mapa de site que apresente toda a arborescência. 2. Mapas do site devem prover informação sobre o caminho percorrido pelo usuário ao longo da interface para evitar desorientação. 3. Os formulários devem apresentar todos os campos necessários à conclusão da tarefa. No caso de haver passos isolados, apresentar somente os campos imprescindíveis para cada etapa. 4. Deve-se primar pela consistência, seja de elementos isolados, seja do diagrama básico como um todo. 5. Consistência e padrão não significam uniformidade e monotonia, mas unidade conceitual e visual. Deve-se prover ao usuário diferenças na sintaxe que propiciem distinção de mudança entre telas e seções ao longo da interface. 6. Prover uma forma de feedback que seja consistente ao longo da interface. Caso haja necessidade de apresentar uma outra forma de feedback, que esta seja coerente com a tarefa, e não um mero formalismo visual. 7. Mensagens de erro não devem apresentar somente o fato em si. Devem apresentar a causa do erro e a forma de reverter a situação e de corrigir o erro. 8. Fornecer ferramentas eficazes para navegação. Botões, links e outras zonas de salto devem evidenciar sua função. Também deve-se prover distinção visual entre links já acionados e os que ainda não foram acionados, facilitando o reconhecimento do caminho percorrido durante a navegação e minimizando a carga cognitiva do usuário. 9. Facilitar a retronavegação, indicando claramente para onde cada link remeterá o usuário em seu caminho de volta. 10. Ao oferecer links para outros sites, evitar que sejam abertos na mesma janela que o site atual. Isto evita que o usuário saia completamente e, caso necessite voltar, possa sentir-se perdido. 11. Evitar nomear links com termos que possam gerar dúvidas. 12. Prover orientação e auxílio para tarefas que tenha algum tipo de restrição de acesso. Tornar claro quais os critérios e a forma de se adequar aos mesmos. Conclusão A usabilidade deve ser considerada fator primordial no desenvolvimento de projetos de interfaces. O embasamento metodológico deve guiar as ações a serem executadas sem descosiderar outros fatores, tais como tempo e orçamento de projeto. O avaliação heurística se mostra eficaz na melhoria da usabilidade de interfaces através da detecção de problemas, tendo como base os princípios heurísticos aliados às opiniões dos especialistas. Os procedimentos para execução da avaliação refletem uma questão que não pode ser desconsiderada no ciclo de projeto: o custo. A avaliação heurística mostrou-se como um método de baixo custo, sendo necessários poucos recursos para sua aplicação. Também o custo em termos de tempo pode ser considerado bastante aceitável, pois em algumas horas procedem-se a

8 inspeção da interface, a compilação dos problemas, a atribuição de níveis de gravidade e a tabulação final. Mostra-se, também, eficaz na descoberta de problemas de diversos níveis, de forma a conduzir à melhoria a qualidade ergonômica da interface avaliada. Os princípios heurísticos, por serem gerais, se aplicam a quaisquer interfaces, mesmo não baseadas em web. Vale ressaltar o fato de que a avaliação heurística, apesar de ser um método considerado subjetivo, não se baseia apenas em opiniões pessoais. Os princípios heurísticos se colocam como parâmetros para a inspeção e, em um esforço para reduzir a subjetividade, é aconselhável realizar a avaliação heurística com especialistas em interação homem-computador. Bibliografia BASTIEN, J. M. Christian, SCAPIN, Dominique L. Ergonomic criteria for the evaluation of humam-computer interfaces. Raport Technique, Rocquencourt: Institut National de Recherche en Informatique et en Automatique. n. 153, jun DUMAS, Joseph S., REDISH, Janice C. A practical guide to usability testing. New Jersey [s.n.],1994. HEWETT, T. T. The role of iterative evaluation in designing systems for usability. In HARRISON, M.D.,MONK, A. F. People and computers: Designing for usability. Proceedings of the second conference of the BCS HCI specialist group. Cambridge University Press, INSTONE, Keith. Site usability evaluation. Web Review (on line). Disponível em <http:// webreview.com/wr/pub/97/10/10/usability/index.html> [29/11/1999]. MORAES, Anamaria de. Design: arte, artesanato, ciência, tecnologia? O fetichismo da mercadoria versus usuário/trabalhador. In: COUTO, Rita M. S., OLIVEIRA, Antonio J. Formas do design: por uma metodologia interdisciplinar. Rio de Janeiro: 2AB, PUC Rio, pp NIELSEN, Jakob. How to conduct a heuristic evaluation. Useit.com (on line). Disponível em <URL:http://www.useit.com/papers/heuristic/heuristic_evaluation> [29 nov 1999] NIELSEN, Jakob. Usability engineering. EUA: Morgan Kaufmann, PREECE, Jenny. A guide to usability - human factors in computing. Harlow, England, Addison Wesley, PREECE, Jenny. Human-computer interaction. Workingham, England: Addison-Wesley, SANTOS, Robson L. G., MORAES, Anamaria de. Abordagem heurística para avaliação da usabilidade de interfaces de Web sites. Anais P&D Design FEEVALE, Novo Hamburgo, SANTOS, Robson L. G. Ergonomização das interação homem-computador. Abordagem heurística para avaliação da usabilidade de interfaces. Rio de janeiro: PUC Rio, (Dissertação de mestrado) SHNEIDERMAN, Ben. Designing the user interface: strategies for effectice human-computer interactions. [S.l.]: Addison-Wesley Publishing Company, SHNEIDERMAN, Ben. Designing information-abundant websites. (on line) Maryland: Abril, Disponível em <URL:ftp://ftp.cs.umd.edu/pub/hcil/Reports-Abstracts- Bibligraphy/3634html/3634.html> [24 de jun 1998] STANTON, Neville, YOUNG, Mark S. A guide to methodology in ergonomics. London: Taylor and Fancis, pp WIXON, Denis, WILSON, Chauncey. The usability engineering framework for product design and evaluation. In: HELANDER, M. G, LANDAUER, T. K., PRABHU, P. V. Handbook of human-computer interaction. 2. Ed. Amsterdan: Elsevier Science, p

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística)

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Capítulo 8 HCI, Cap. 9, AlanDix www.useit.com (webpage de Jakob Nielsen) Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Alan Braga, alansbraga@gmail.com Danillo da Silva Rocha, danrocha@ifsp.edu.br Evandro Fioravante

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade vem tornando-se cada vez mais predominante no mercado de desenvolvimento de web sites, seja qual for o tipo de site: corporativo, e-commerce,

Leia mais

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Renato Cordeiro 2, Marcos Roberto de Oliveira, Thaís Pereira Chanquini FIAP 1 São Paulo Brasil < renato.cordeiro,

Leia mais

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AlianaPereiraSimões Pós-graduadaemErgonomia,UsabilidadeeInteraçãoHumano-Computador PUC-RIO aliana@aliana.com.br

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS Data de entrega dos originais à redação em 06/08/2013 e recebido para diagramação em 03/04/2014. Carlos Eduardo Beluzo 1 /Daniel

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB.

ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB. ESTUDO AVALIATIVO DE ACESSIBILIDADE E USABILIDADE APLICADO AO AMBIENTE WEB. Rogério Albuquerque Ribeiro, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil albuquerque.rogerio@icloud.com

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância

A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância A importância da Usabilidade em Ambientes de Educação a Distância VANDER CARVALHO Centro Paula Souza São Paulo Brasil vandercarvalho@hotmail.com MARCELO DUDUCHI Centro Paula Souza São Paulo Brasil mduduchi@terra.com.br

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Protótipos em Papel (Paper Prototype)

Protótipos em Papel (Paper Prototype) Protótipos em Papel (Paper Prototype) Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Tipos de Protótipos O protótipo de um website pode ser classificado conforme o seu grau de fidelidade, ou seja, o quanto ele se

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software Daniela Gibertoni¹, Mariana Trevisoli Gervino¹, Júlio C. C. Colombo¹, Fabian Venturini Cabau¹,

Leia mais

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil Usabilidade na Web Dinara P. Lima Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil dinara.lima@gmail.com Abstract. This article presents an overview

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações 03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI avaliação de acessibilidade e usabilidade de plataforma de e-commerce Tânia Rocha (trocha@utad.pt)

Leia mais

Sistema de Navegação. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Sistema de Navegação. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Sistema de Navegação 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 O que é navegar? Navegar é alcançar um destino que está fora do alcance de campo de visão do ponto de partida. Para alcançar seu destino, o

Leia mais

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Déborah S. Cardoso 1, Kátia Adriana A. L. de Barros 1 1 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) dehscardoso@gmail.com,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Revisitando as heurísticas de avaliação de Nielsen para análise de usabilidade em jogos de tabuleiro não virtuais

Revisitando as heurísticas de avaliação de Nielsen para análise de usabilidade em jogos de tabuleiro não virtuais Revisitando as heurísticas de avaliação de Nielsen para análise de usabilidade em jogos de tabuleiro não virtuais Revisiting Nielsen heuristics for the analysis of the usability of non virtual board games

Leia mais

Projeto de Sites da Web

Projeto de Sites da Web Introdução Projeto de Sites da Web Mário Meireles Teixeira UFMA DEINF Hipertexto É um documento composto por um conjunto de nós contendo texto, imagens, sons e ações, a interligados entre si e formando

Leia mais

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Alison Luis Kohl Diego Luis Eckstein Flávio Pedroso AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Ergonomia de Interfaces; Usabilidade dos Sistemas. Problema de ergonomia e de usabilidade *Eficácia

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA DO ITPAC

REVISTA CIENTÍFICA DO ITPAC ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA PROTOTIPAÇÃO DE INTERFACES Silvio Sanches da Silva (Acadêmico de Sistema de Informação pela FAHESA/ITPAC) Márcia Maria Savoine (Mestra. Docente do

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface

Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface Robson SANTOS Mestre em Design Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Critérios. Melhores Práticas e Regras

Critérios. Melhores Práticas e Regras AULA 10 - ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO WEB Usabilidade Projetando para o usuário Os conceitos de usabilidade têm como base o desenvolvimento de projetos centrados nas necessidades reais dos usuários. Lembre-se,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade

Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade Análise da Interface do Usuário de Sistemas de Gestão Hospitalar por meio de Testes de Usabilidade Analysis of User Interface in Hospital Management Systems through Usability Testing Adni C. Aristides

Leia mais

Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado 1 1 Instituto Federal da Bahia/Informática, Camaçari, Brasil

Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado 1 1 Instituto Federal da Bahia/Informática, Camaçari, Brasil INVESTIGAÇÃO E PROPOSTA DE MELHORIA DAS INTERFACES DOS AMBIENTES DE PROGRAMAÇÃO UTILIZADOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DO INSTITUTO FEDERAL DA BAHIA Hugo Leonardo D. Souza 1, Wilma Edysley Rosado

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP Interação Humano-Computador Avaliação em IHC: Percurso Cognitivo www.inf.puc-rio.br/~inf1403 4 paradigmas para a avaliação de IHC 1. O rápido e rasteiro (que prima pela informalidade) 2. Os testes de usabilidade

Leia mais

7 Análise dos dados, check list e heurísticas

7 Análise dos dados, check list e heurísticas 263 7 Análise dos dados, check list e heurísticas 7.1 Classificação dos problemas observados Conforme exposto no Capítulo 4 (Método e técnicas de pesquisa), o trabalho de coleta e registro das observações

Leia mais

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Definição Interação homem-computador é o conjunto de processos, diálogos, e ações através dos quais o usuário humano interage com

Leia mais

Jonatha Jünge Graduando em Comunicação e Expressão Visual habilitação Design Gráfico UFSC Pesquisador PIBIC-CNPq Eugenio Merino Dr.

Jonatha Jünge Graduando em Comunicação e Expressão Visual habilitação Design Gráfico UFSC Pesquisador PIBIC-CNPq Eugenio Merino Dr. Design e Usabilidade: A Internet como apoio para disponibilizar material didático via rede Design and Usability: The Internet as support to didactic material sharing through net Jonatha Jünge Graduando

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet WEB Usabilidade WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade *

Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Avaliação de Interfaces de Ferramentas Computacionais para o Ensino de Estruturas de Dados e Algoritmos em Grafos: Heurísticas de Usabilidade * Rodrigo Pereira dos Santos 1, Heitor Augustus Xavier Costa

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL Samuel dos Santos Salimen 1 Clériston Ribeiro Ramos 2 Resumo: Disponibilizar informações que possam ser acessado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DA INTERFACE HUMANO COMPUTADOR DE AMBIENTES VIRTUAIS DE EDUCAÇÃO (AVE) Autores:

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DA INTERFACE HUMANO COMPUTADOR DE AMBIENTES VIRTUAIS DE EDUCAÇÃO (AVE) Autores: AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DA INTERFACE HUMANO COMPUTADOR DE AMBIENTES VIRTUAIS DE EDUCAÇÃO (AVE) Resumo Autores: Gildásio Guedes Fernandes Prof. Dr. da Universidade Federal do Piauí Rua Demerval Lobão,

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

2 University of Twente, UT, Holanda.

2 University of Twente, UT, Holanda. HEURÍSTICAS PARA AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE PORTAIS UNIVERSITÁRIOS Pelogi, A. P. S. 1 ; Amstel, F. M. C. van 2 ; Barsottini, C.G.N. 1 ; 1 Departamento de Informática em Saúde - Escola Paulista de Medicina

Leia mais

Levantamento de Requisitos.

Levantamento de Requisitos. FACULDADES INTEGRADAS MATO-GROSSENSES DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS RESUMO Levantamento de Requisitos. Leandro Cícero da Silva Mello. Prof. Jeanine Ferrazza Meyer Metodologia e Técnica de Pesquisa- Levantamento

Leia mais

Práticas de IHC versus Processos de Engenharia de Software: Uma Análise para Adoção

Práticas de IHC versus Processos de Engenharia de Software: Uma Análise para Adoção Práticas de IHC versus Processos de Engenharia de Software: Uma Análise para Adoção Joyce Cristina Souza Bastos 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação - Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Motivação IHC está relacionada

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Multimídia e Interface Usuário - Máquina

Multimídia e Interface Usuário - Máquina Multimídia e Interface Usuário - Máquina Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design III

Tópicos de Ambiente Web Web Design III Tópicos de Ambiente Web Web Design III Professora: Sheila Cáceres Conteúdo para Web Educacional Entretenimento Comercial Industrial Cientifico Entre outros Tópicos de Ambiente Web - Prof. Sheila Cáceres

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Mirian da Rocha Dias. Dissertação de Mestrado

Mirian da Rocha Dias. Dissertação de Mestrado Mirian da Rocha Dias Avaliação ergonômica da usabilidade de sistemas de gerenciamento e publicação de conteúdo: estudo de caso do sistema Gutenberg aplicado no site da Faperj Fundação Carlos Chagas Filho

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

RICARDO DA SILVA LONGA AVALIAÇÃO DE USABILIDADE: O ESTUDO DE CASO NEXXERA

RICARDO DA SILVA LONGA AVALIAÇÃO DE USABILIDADE: O ESTUDO DE CASO NEXXERA RICARDO DA SILVA LONGA AVALIAÇÃO DE USABILIDADE: O ESTUDO DE CASO NEXXERA Florianópolis 2011 RICARDO DA SILVA LONGA AVALIAÇÃO DE USABILIDADE: O ESTUDO DE CASO NEXXERA Trabalho de conclusão de curso apresentado

Leia mais

gera um condicionamento subconsciente e insidioso explica o autor. 1. A tecnologia centrada no homem

gera um condicionamento subconsciente e insidioso explica o autor. 1. A tecnologia centrada no homem Uma avaliação preliminar do portal IBGE conforme as diretrizes de Nielsen e Tahir para inspeção de usabilidade da homepage A preliminary evaluation of the IBGE portal according to Nielsen and Tahir s guidelines

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução A Web oferece uma enorme liberdade de escolha e movimentação Qualquer coisa

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais