CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADOR PEDRO HENRIQUE DE CARVALHO ESTRUTURAS E TECNOLOGIAS DE UM SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS PROTOCOLOS SIP E H.323. LINS/SP 1 SEMESTRE /2013

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADOR PEDRO HENRIQUE DE CARVALHO ESTRUTURAS E TECNOLOGIAS DE UM SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS PROTOCOLOS SIP E H.323. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Titulo de Tecnólogo em Redes de Computadores. Orientador: Prof. Dr. Renato Correia de Barros LINS/SP 1 SEMESTRE /2013

3 À minha esposa Gabriela, e filho Rafael que me dedicam tanto amor e carinho, e que aceitam as ausências e agradam as presenças nesse caminho que aqui trilhei, e aos meus pais Pedro e Terezinha a quem tudo devo. Pedro Henrique de Carvalho

4 AGRADECIMENTOS Nessa oportunidade em que é alcançada uma meta importante em minha vida profissional, quero expressar a minha mais profunda gratidão à minha amada esposa Gabriela que me da força e sentido em tudo o que eu realizo. Aos meus queridos pais, Pedro e Terezinha, devo a pessoa que sou. Quantas preocupações em nosso tropeço, e alegrias em nossas vitórias. As minhas irmãs Ligia e Lilian pelo carinho que sempre me dedicaram. Ao meu orientador Professor Dr. Renato Correia de Barros pelo comprometimento para com o meu trabalho, pois sem dúvidas, foi peça fundamental para seu desenvolvimento e realização. Agradeço também aos demais professores e colegas que desde o primeiro semestre me ajudaram e acrescentaram conhecimento a minha vida. E por fim, agradeço a todos que direta ou indiretamente participaram ou contribuíram para a conclusão deste trabalho. Pedro Henrique de Carvalho

5 RESUMO O presente trabalho estudou alguns modelos de videoconferências, bem como as tecnologias e ferramentas utilizadas para realiza-las. Além disso, foram feitos breves relatos sobre os ambientes ideais para obter-se a mais alta qualidade de videoconferência. Procurou-se também conhecer os diversos tipos de hardwares e protocolos utilizados direta ou indiretamente para realiza-las. A partir disso, entre os protocolos estudados nesse trabalho, dois se destacam como os principais protocolos de inicialização de chamada VOIP e de videoconferência, o H.323 e o SIP. Para tanto, foi criado um ambiente de testes, com dois sistemas operacionais virtualizados sobre o aplicativo VMware Workstation 9, sendo ambos Microsoft Windows XP, e neles instalados os softwares CU-SeeMe Pro 4 e Ekiga 4.0.1, representantes dos protocolos H.323 e SIP respectivamente. O software Wireshark foi instalado no sistema operacional nativo Windows 7 para analisar o tráfego de rede entre as videoconferências realizadas nas máquinas virtuais. Ao final, foram apresentadas tabelas resumidas de comparação entre os testes realizados com os protocolos, além de um gráfico exemplificativo, para que assim, possam fornecer base para a conclusão final do trabalho. Palavras-chave: Videoconferência, H.323, SIP.

6 ABSTRACT The present work studied some models of videoconferencing as well as the technologies and tools used to place them. In addition, we made brief statements about the ideal environments to obtain the highest quality videoconferencing. We also sought to know the different types of hardware and protocols used directly or indirectly to place them. Based on this, between the protocols studied in this work, two stand out as the main boot protocols call VOIP and videoconferencing, H.323 and SIP. To that end, we created a test environment, with two OSes virtualized application on VMware Workstation 9, both Microsoft Windows XP, and the software installed on them CU-SeeMe Pro 4 and Ekiga 4.0.1, representatives of H.323 and SIP respectively. Wireshark The software was installed on the native operating system Windows 7 to analyze network traffic between video conferences held in virtual machines. At the end, we presented summary tables of comparison between the tests performed with the protocols, as well as a graph of example, so that, they can provide a basis for the final completion of the work. Keywords: Videoconferencing, H.323, SIP.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1.1 Imagem do Software CU-SeeMe Figura 1.2 Exemplo de uma Sala de Videoconferência Figura 1.3 Exemplos de Equipamento de Videoconferência Figura 1.4 Exemplos de MCUs Vendidos no Mercado Figura 2.1 Funcionamento do Protocolo TCP Entregando Pacotes IPs Figura 2.2 Independência da Topologia do Protocolo H Figura 2.3 Pilha do Protocolo SIP em Relação ao Modelo OSI Figura 2.4 Comunicação SIP entre um Servidor Proxy SIP Figura 2.5 Pilha do Protocolo SIP em Relação ao Modelo OSI Figura 3.1 Janela de Diálogo de Instalação do Software CU-SeeMe Figura 3.2 Assistente de Configuração do Software CU-SeeMe Figura 3.3 Diretório de Serviços CU-SeeMe Figura 3.4 Configuração do Desempenho CU-SeeMe Figura 3.5 Instalação do Software Ekiga Figura 3.6 Janela de Configuração do Ekiga Figura 3.7 Parâmetros Escolhidos na Configuração do Ekiga Figura 3.8 Instalação do Wireshark Figura 3.9 Instalação do VMware Figura 4.1 Software Vmware Configuração de Largura de Banda Figura 4.2 Imagem de Videoconferência a 56 Kbps CU-SeeMe Figura 4.3 Pacotes da Chamada entre Terminais - Software CU-SeeMe Figura 4.4 Quantidade de Pacotes CU-SeeMe Figura 4.5 Videoconferência com SIP a 56 Kbps Ekiga Figura 4.6 Pacotes de Inicialização de Chamada SIP Ekiga Figura 4.7 Quantidade de Pacotes Capturados a 56 Kbps Wireshark Figura 4.8 Imagem de Videoconferência a 512 Kbps - CU-SeeMe Figura 4.9 Imagem de uma Videoconferência a 512 Kbps Ekiga Figura 4.10 Imagem de uma Videoconferência a 1 Mbps CU-SeeMe Figura 4.11 Quantidade de Pacotes Capturados a 1 Mbps Wireshark Figura 4.12 Pacotes de Chamada e Conexão com Ekiga (SIP) Wireshark Figura 4.13 Imagem de uma Videoconferência a 1 Mbps Ekiga... 53

8 Figura 4.14 Imagem de uma Videoconferência a 4 Mbps CU-SeeMe Figura 4.15 Imagem de uma Videoconferência a 4 Mbps Ekiga... 55

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 4.1 Gráfico de Comparação entre os Protocolos H.323 e SIP... 58

10 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1 Comparativo entre H.323 e SIP na Velocidade de 56 Kbps Tabela 4.2 Comparativo entre H.323 e SIP na Velocidade de 512 Kbps Tabela 4.3 Comparativo entre H.323 e SIP na Velocidade de 1 Mbps Tabela 4.4 Comparativo entre H.323 e SIP na Velocidade de 4 Mbps... 57

11 LISTA DE QUADROS Quadro 2.1 Padrões Referenciados na Recomendação H

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AT&T American Telephone and Telegraph DNS Domain Name System EAD Ensino à distância GB Gigabyte IP Internet Protocol ITU-T International Telecommunications Union Telecom Standardization Sector Kbps Kilobit por Segundo LAN Local Area Network MB Megabyte Mbps Megabit por Segundo MCU Multipoint Control Unit OSI Open Systems Interconnection QoS Quality of Service RTCP Real-time Transport Control Protocol RTP Real-time Transport Protocol SCTP Stream Control Transmission Protocol SIP Session Initiation Protocol TCP Transmission Control Protocol UA User Agent UDP User Datagram Protocol VOIP Voice over IP

13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE VIDEOCONFERÊNCIA HISTÓRIA E USABILIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA MODALIDADES DE VIDEOCONFERÊNCIA Videoconferência Baseada em Estúdio Videoconferência Desktop INFRAESTRUTURA FÍSICA DE UM SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA Especificação do Ambiente de Realização de Videoconferências EQUIPAMENTOS ESPECIFICOS DE VIDEOCONFERÊNCIA Computador Equipado com Kit Multimídia Kit com Câmera e Hardware Específicos para Videoconferência Unidade de Controle Multiponto TEORIA DE PROTOCOLOS DE REDES DE COMPUTADORES IP TCP UDP REAL-TIME TRANSPORT PROTOCOL (RTP) REAL-TIME TRANSPORT CONTROL PROTOCOL (RTCP) RECOMENDAÇÃO H SIP MATERIAIS E MÉTODOS MATERIAIS UTILIZADOS Hardware Software e Sistema Operacional... 34

14 3.1.3 CU-SeeMe Pro Ekiga Wireshark VMware Workstation MÉTODOS ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SIP E H CENÁRIOS Cenário 1 Velocidade de 56 Kbps com H.323 (CU-SeeMe) Cenário 2 Velocidade de 56 Kbps com SIP (Ekiga) Cenário 3 Velocidade de 512 Kbps com H.323 (CU-SeeMe) Cenário 4 Velocidade de 512 Kbps com SIP (Ekiga) Cenário 5 Velocidade de 1 Mbps com H.323 (CU-SeeMe) Cenário 6 Velocidade de 1 Mbps com SIP (Ekiga) Cenário 7 Velocidade de 4 Mbps com H.323 (CU-SeeMe) Cenário 8 Velocidade de 4 Mbps com SIP (Ekiga) TABELAS COMPARATIVAS e RESUMIDAS GRÁFICO DE COMPARAÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS GLOSSÁRIO... 63

15 15 INTRODUÇÃO A maior necessidade do homem em coletividade é a comunicação, e isso, claro está, faz se presente desde o início da humanidade. Hoje, essa comunicação também se apresenta com o uso da tecnologia, que atualmente exerce um papel fundamental no comportamento das pessoas, pois age principalmente como um facilitador de tarefas diárias. (CARVALHO, 2005) Ao falar-se de tecnologia, é percebido lembrar-se da internet, o meio de comunicação mais amplo do mundo. Segundo um estudo divulgado pela empresa de análise de tráfego na internet Pingdom (2012), os usuários ativos na rede mundial de computadores já somam 2,1 bilhões de pessoas. Ainda sobre esse aspecto, Bittencourt (1999) acrescenta, como vantagens da Internet, a possibilidade do rompimento de barreiras geográficas de espaço e tempo, onde é permitido ainda o compartilhamento de informações, o que apoia o estabelecimento de cooperação e comunicação entre grupos de indivíduos. Conforme Santarém (2010) vive-se um momento de mudança e as inovações advindas com a Tecnologia da Informação e Comunicação tem papel muito importante. Mas as principais mudanças estão em como se relacionar com as tecnologias, tanto como indivíduos, como grupos ou organizações. Foi nesse contexto que surgiu a videoconferência, uma tecnologia que proporciona a comunicação entre grupos de pessoas através da transmissão de áudio e vídeo, em tempo real e de qualquer lugar do mundo. Segundo Musey (1995), a transmissão de som e imagem envolvida no diálogo é muito importante, uma vez que, sabidamente, a expressão corporal corresponde de 70 a 80 por cento das impressões de uma conversa. Em um sistema de videoconferência, os envolvidos podem compartilhar arquivos de computador, apresentar slides, vídeos, ou ainda, apresentar informações em um quadro branco. Por isso, a videoconferência passou a ser muito usada em reuniões empresariais e no ensino a distância, recurso esse utilizado cada vez mais nas instituições educacionais no país, tornando-se um assunto vital em tecnologia de informação.

16 16 Nesse contexto, dois protocolos, o H.323 e o Session Initiation Protocol (SIP) destacaram-se como os principais e mais populares protocolos de videoconferência sobre Internet Protocol (IP). A competição entre os dois é visível e os defensores de cada um são radicais. Além disso, há quem defenda os dois protocolos. Por isso, o objetivo geral do trabalho foi fazer uma analise comparativa entre os protocolos H.323 e SIP. Para isso, o trabalho discorre sobre a teoria dos diversos tipos de videoconferência, analisando sua história, estruturas, protocolos e equipamentos, para que no final, depois de ter fornecido a revisão da literatura sobre a teoria, realizar os testes e uma análise comparativa especifica dos protocolos acima citados. Para a realização desse trabalho, o tipo de metodologia utilizada foi à pesquisa ação, por satisfazer os requisitos do estudo, pois nessa metodologia, o pesquisador desempenha um papel ativo no equacionamento dos problemas encontrados, no acompanhamento e na avaliação das ações desencadeadas em função destes problemas. (ROESCH, 1999) Para alcançar o objetivo do trabalho, foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: Apresentar a história e aplicações da videoconferência; Introdução a redes de computadores e protocolos relacionados a videoconferência; Apresentar os equipamentos necessários em uma estrutura de videoconferência, assim como a descrição dos ambientes físicos padronizados para sua realização; Conceituar os tipos e características da videoconferência; Fazer uma analise comparativa entre os protocolos SIP e H.323, representados pelos softwares Ekiga e CU-SeeMe, respectivamente. Este trabalho contempla a seguinte estrutura: no primeiro capitulo descrevese a base do conhecimento necessário para entender o funcionamento de uma videoconferência, suas tecnologias e protocolos de comunicação, padrões de ambientes, bem como os requisitos básicos para que ela seja bem sucedida. No segundo capitulo é apresentado os materiais e softwares utilizados, assim como os métodos realizados na implementação do comparativo. A seguir, é feito a comparação dos protocolos e os resultados obtidos. Finalmente, no quarto capítulo

17 tem-se as conclusões, seguidas das referências. 17

18 18 1 SISTEMAS DE VIDEOCONFERÊNCIA O entendimento teórico sobre os conceitos de uma videoconferência é fundamental para o prosseguimento do estudo. Este capitulo discorre sobre as características, conceitos e ambientes de um sistema de videoconferência, apresentando os principais protocolos utilizados em seu funcionamento, além de especificar as características de cada tipo de videoconferência. 1.1 HISTÓRIA E USABILIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA A videoconferência surgiu em 1964 com a apresentação, pela American Telephone and Telegraph (AT&T) de um sistema chamado Picture Phone, onde era visualizada fotos na tela, ao mesmo tempo em que ouvia-se a voz do interlocutor. Apesar de ser uma novidade na época, não foi bem recebida pelo público. (LOPES, 2004) Em meados dos anos setenta, surgiram tecnologias do tipo freeze frame (congelamento da imagem quadro a quadro) e slow motion (câmera lenta) ponto a ponto. O desconforto causado pela câmera lenta não ajudou essa tecnologia a se firmar naquela época. (LOPES, 2004) Na década de oitenta, as pesquisas criaram os chamados codecs (codificadores e decodificadores), equipamentos responsáveis pela compressão de dados desenvolvidos para sistemas de videoconferência. Era utilizado um algoritmo de codificação conhecido como Transformada Discreta do Cosseno. Com este algoritmo, as imagens de vídeo podiam ser analisadas para encontrar redundância espacial e temporal. Essa tecnologia ganhou impulso com a criação de um consórcio europeu, onde duas empresas inglesas investiram neles, cobrindo taxas de a Kilobit por Segundo (Kbps), que possibilitaram um melhor gerenciamento da banda utilizada e diminuição do custo de transmissão envolvido. (LOPES, 2004) Na final dos anos oitenta, observou-se uma melhora nos algoritmos empregados nos codecs, e também uma baixa substancial nos custos dos meios de transmissão. Em 1990 eles já eram vendidos a um custo 80 por cento menores que nos anos 80 e atingiam razões de proporção de 235:1 quadros por segundo. Fato que começou a tornar propício o uso de videoconferência. (PAZMIÑO, 1997)

19 19 Contudo, na década de noventa começaram a surgir sistemas mais confiáveis e rápidos, com destaque para o CU-SeeMe (Figura 1.1). Ele promove conexão ponto-a-ponto ou conexão multiponto que podem ser obtidas através do uso de um software chamado refletor. A conferência em grupo é realizada por participantes e com o software, conectados ao refletor, com equipamentos a computadores pessoais. (LOPES, 2004) Figura 1.1 Imagem do Software CU-SeeMe Fonte: Elaborado pelo autor, Consequentemente, o aperfeiçoamento técnico estimula a instalação de um número crescente de salas de reunião providas de equipamentos para videoconferência onde permite-se a comunicação com áudio, vídeo e imagens entre pessoas que estejam em locais diferentes e em tempo real. (FILHO, 1999) Na atualidade, reuniões, cursos, conferências, debates e palestras são conduzidos como se todos os participantes estivessem juntos no mesmo local. Com os recursos da videoconferência, pode-se conversar com os participantes e ao mesmo tempo visualizá-los na tela do monitor, com troca de informações como se faria pessoalmente. Além disso, é possível compartilhar programas de computador,

20 20 dialogar através de canais de bate-papo, apresentar slides, vídeos, desenhos e fazer anotações em um quadro branco compartilhado. (FILHO, 1999) Com a expansão da internet, a videoconferência, além de facilitar as reuniões corporativas, também tornou-se uma estrutura necessária a diversas áreas, como o ensino a distância (EAD), telemedicina e julgamentos jurídicos. Essa ultima, proporciona mais segurança aos julgamentos e economia aos estados, pois assim, evita-se transportar os detentos para audiências em fóruns ou locais distantes do local de detenção. Assim, o uso da videoconferência apresenta uma série de vantagens, dentre elas está o melhor uso do tempo, pois evita-se o deslocamento físico para um local especial, assim como economizar recursos, com a redução dos gastos com viagens, além de também ser usada como um recurso de pesquisa, já que a reunião pode ser gravada e disponibilizada posteriormente. (SANTOS, 1998) 1.2 MODALIDADES DE VIDEOCONFERÊNCIA A videoconferência é dividida em modalidades que diferenciam os equipamentos e o uso da tecnologia empregada conforme especificado nesta seção Videoconferência Baseada em Estúdio A videoconferência baseada em estúdio é realizada em salas especialmente preparadas com modernos equipamentos de áudio e vídeo que proporcionam uma alta qualidade nas reuniões, palestras e cursos. (LEOPOLDINO, 2001) Em videoconferências baseadas em estúdio, normalmente é utilizado o padrão de circuitos, onde é utilizado uma conexão dedicada, pois assim a banda disponível fica diretamente a disposição da transmissão, diferente da transmissão pela internet, que sofre a interferência do tráfego de outros dados. Também pode-se utilizar o padrão de pacotes, que utiliza conexões de dados normais para videoconferência, pois não necessita de Unidades de Controle Multiponto (Multipoint Control Unit - MCU). Assim todos os participantes recebem todos os dados da videoconferência, onde os próprios participantes devem fazer o papel do MCU e decidir o que querem ver e ouvir. Porém, nesse sistema, a videoconferência está sujeita a interrupções causadas pelo tráfego de outras

21 21 aplicações na rede. (LEOPOLDINO, 2001) Videoconferência Desktop Com o avanço da tecnologia e aparelhos e softwares mais baratos, surgiu um novo tipo de videoconferência, a desktop. Nesta tecnologia não é necessário o uso de salas especiais e muito menos equipamentos específicos. A interação é feita usando webcans, caixa de som e microfone. A compressão ou descompressão e todo o resto são efetuados por software que deve estar instalado em uma máquina padrão. A conexão é feita através da própria internet e conecta-se pessoas ao redor do planeta a um custo quase zero. (LEOPOLDINO, 2001) Finalmente, esse tipo de videoconferência foi à utilizada para a realização dos testes e análises dos protocolos em estudo. 1.3 INFRAESTRUTURA FÍSICA DE UM SISTEMA DE VIDEOCONFERÊNCIA Para a realização de uma videoconferência, as salas devem respeitar algumas especificações aqui descritas Especificação do Ambiente de Realização de Videoconferências Para uma pequena videoconferência, computadores e webcans instalados em qualquer ambiente são suficientes para realiza-las. Mas caso queira-se obter uma videoconferência para várias pessoas, o local terá que ser especifico para suportar os requisitos necessários. Caso necessite mostrar outros objetos ou pessoas na sala ou de controlar a câmera à distância, poderá ser usada uma câmera com mais recursos, como por exemplo, ajuste de foco e zoom (assunto especificado na seção 1.4). (COOKBOOK, 2000) Uma sala de videoconferência geralmente não precisa ter uma quantidade superior que vinte lugares, sendo que aproximadamente 70 metros quadrados (7 X 10) é uma ótima área, mas pode variar conforme o caso. No mesmo raciocínio, elas devem estar em locais distantes de fontes de ruídos, onde também devem possuir tratamento acústico, caso contrário o áudio do

22 22 sistema de videoconferência pode ser prejudicado. (COOKBOOK, 2000) Um bom exemplo de sala equipada para a realização de videoconferência é mostrado na Figura 1.2. Ainda sobre o assunto, a iluminação do ambiente que será utilizado na videoconferência interfere diretamente na qualidade da imagem gerada, sendo aconselhável seguir algumas recomendações conforme abaixo especificado. (TAROUCO, 2003) A sala construída especialmente para a realização da videoconferência não pode ter janelas. Caso reutilizar alguma sala já construída para outro fim, o uso de cortinas torna-se imprescindível, de modo a neutralizar fontes externas de luz. (TAROUCO, 2003) Figura 1.2 Exemplo de uma Sala de Videoconferência Fonte: Reuna, A iluminação da sala deve utilizar fontes de luz homogênea, preferencialmente lâmpadas fluorescentes, com uma claridade uniforme por toda extensão da sala. A intensidade luminosa deve estar situada na faixa de 600 a 800 lux. (TAROUCO, 2003) Ainda na linha de pesquisa sobre os ambientes, além das especificações citadas acima, outra faz-se muito importante, o ambiente não deverá conter objetos de decoração que possam desviar a atenção dos participantes. As cores da sala e

23 23 de todo seu conteúdo deverá ser uniforme, suave e clara. A superfície das paredes, pisos e móveis deverão ser foscas para não refletir a imagem. (TAROUCO, 2003) 1.4 EQUIPAMENTOS ESPECIFICOS DE VIDEOCONFERÊNCIA Esta seção discorre sobre os equipamentos específicos usados na realização de uma videoconferência Computador Equipado com Kit Multimídia Este equipamento geralmente é usado em locais onde haverá participação de apenas uma pessoa em cada equipamento. Existem diversos softwares, seja proprietário ou gratuito, que fornece soluções para esse tipo de modalidade, como o CU-SeeMe e Ekiga, que são os representantes dos protocolos H.323 e SIP respectivamente, utilizados nesse trabalho. Assim, para estar apto a participar de uma videoconferência, é preciso que o equipamento esteja equipado com webcam, microfone embutido ou de mesa e placa de som. Essa configuração de equipamento demonstra ser a mais barata e indicada para usuários do tipo home, ou seja, que fazem videoconferência em casa, geralmente com apenas dois participantes. Os equipamentos citados foram utilizados para a realização dos testes e analises das videoconferências Kit com Câmera e Hardware Específicos para Videoconferência Este equipamento geralmente é usado em salas de reuniões ou salas especificas para uso de videoconferência. Seu hardware específico permite ao usuário utiliza-lo sem o auxilio de um computador, além de gerar uma qualidade superior de áudio e vídeo se comparados ao computador equipado com kit multimídia. Esse sistema é amplamente utilizado onde é preciso obter uma qualidade superior de áudio e vídeo e acomodar uma quantidade superior de pessoas, apesar de também ser utilizado em salas menores nas empresas que necessitam de uma maior descrição e sigilo em suas reuniões.

24 24 Consequentemente, há diversos equipamentos desse sistema à venda no mercado, tendo o Polycom View Station e otandberg 7000, conforme a Figura 1.3, citados como exemplos. Figura 1.3 Exemplos de Equipamentos de Videoconferência Fonte: Avtg, Adaptado pelo autor Unidade de Controle Multiponto Segundo Colcher et al. (2005), o MCU é projetado para suportar a conferência entre três ou mais terminais, pois traz a negociação entre os pontos para determinar a capacidade comum de processamento e controle de áudio e vídeo multicast de cada um. A Figura 1.4 exibe dois exemplos de MCUs. Figura 1.4 Exemplos de MCUs Vendidos no Mercado Fonte:Telcom, Adaptado pelo autor. Assim, o sinal de áudio é digitalizado e comprimido sob um dos algoritmos de

25 25 suporte. Já o sinal de vídeo e dados é tratado com padrões que permitem o compartilhamento de aplicativos em conferência ponto a ponto e multiponto. Por causa das flutuações e atraso da chegada de pacotes IPs, ele também é usado para cancelar ou reduzir o efeito negativo que a instabilidade possa resultar em fluxos de informações do usuário com requisitos de tempo real. (COLCHER et al., 2005) Existem MCUs baseados em softwares que, como são instalados em maquinas rodando sistema operacional, seu hardware é compartilhado com outros processos. Seu uso não é aconselhado em sistemas que necessitem de alto desempenho e qualidade de videoconferência.

26 26 2 TEORIA DE PROTOCOLOS DE REDES DE COMPUTADORES Para que cada fornecedor não projete sua própria pilha de protocolos, várias partes interessadas reuniram-se para desenvolver padrões, mais conhecidos como protocolos. Eles possibilitam uma conexão heterogênea na comunicação e transferência de dados entre dois sistemas computacionais. Abaixo uma abordagem sobre os principais voltados a videoconferência. 2.1 IP Segundo Kurose (2005) o IP, que em português significa Protocolo de Internet, é um dos principais protocolos de comunicações utilizados para encapsular datagramas, também conhecido como pacotes de rede. Cada datagrama tem dois componentes, um cabeçalho e uma carga útil. O cabeçalho IP é marcado com o endereço IP de origem, endereço IP de destino e outros metadados necessários para rotear e entregar o datagrama, como o Transmission Control Protocol (TCP) ou User Datagram Protocol (UDP), descritos nos subcapítulos e respectivamente. A carga útil contém os dados a serem transportados. Este processo de cargas de nidificação de dados em um pacote com um cabeçalho é chamado de encapsulamento. (COMER, 2006) Além disso, ele traça rotas para o pacote a ser enviado, pois possui uma série de regras nas quais determinam como hosts e roteadores irão processar os pacotes. 2.2 TCP O TCP é um protocolo de comunicação orientado a conexão que trabalha na camada de transporte do modelo Open Systems Interconnection (OSI). Ele transporta os datagramas IPs para o seu destino. É considerado um protocolo confiável, pois fornece entrega garantida e integra dos pacotes. (KUROSE, 2005) Os terminais devem acordar entre eles uma abertura de conexão para que os dados possam ser transferidos. Além disso, o TCP contém um serviço chamado controle de fluxo, que assegura que nenhum dos terminais enviem pacotes rápido demais, pois um dos lados pode não ter banda suficiente para comunicar-se com a

27 27 velocidade do outro. A Figura 2.1 mostra um exemplo de como o TCP trabalha com a entrega de pacotes IPs. (KUROSE, 2005) Figura 2.1 Funcionamento do Protocolo TCP Entregando Pacotes IPs Fonte: Kurose, Adaptado pelo autor. 2.3 UDP, Segundo Tanenbaum (2003), o UDP é um protocolo da camada de transporte do modelo OSI onde usa um modelo de transmissão mais simples que o TCP. Ele assume que a verificação e correção de erros não é necessária, ou podem ser realizados na própria aplicação, evitando assim a sobrecarga de processamento, tais em nível de interface de rede. Por isso, aplicações sensíveis, como Voz Sobre IP (VOIP) ou videoconferência, usam-no pelo simples fato de que o descarte de pacotes é preferível a ter que esperar a chegada de pacotes atrasados. Além disso, ele é muito usado em servidores que respondem consultas pequenas de um grande número de clientes.

28 28 Ainda sob o raciocínio de Tanenbaum (2003), se a opção de correção de erros é necessária em nível de interface de rede, o aplicativo pode usar o TCP ou o Stream Control Transmission Protocol (SCTP), que são projetados para essa finalidade. 2.4 Real-time Transport Protocol (RTP) O protocolo RTP foi desenvolvido para oferecer serviços de envio e chegada de dados em tempo real, muito utilizado em videoconferências. Na grande maioria das aplicações de videoconferências existentes, é utilizado o UDP como protocolo de transporte, entretanto, ele é incapaz de prover algumas funcionalidades, como o aviso de que o pacote chegou ao destino. Por isso fez-se necessária a implementação do RTP. A especificação do protocolo inclui serviços como identificação do tipo de dados transportado, número de sequência e monitoração de envio (LOPES, 2004, p. 48). Ele não trata da reserva de recurso e não garante Quality of Service (QoS). Além disso, o transporte de dados é complementado pelo protocolo Real-time Transport Control Protocol (RTCP), um protocolo de controle que permite o monitoramento da entrega de dados, além de oferecer funcionalidades de controle e identificação, conforme explicado no subcapitulo Por sua vez, o protocolo RTP foi elaborado para ser independente das camadas de rede, fazendo com que a camada subjacente de transporte promova a multiplexação adequada para os pacotes de dados e controle. (COLCHER et al., 2005) 2.5 Real-time Transport Control Protocol (RTCP) Segundo Colcher et al. (2005), o protocolo RTCP trabalha lado a lado com o protocolo RTP. Ele transmite pacotes de controle periódicos a todos os participantes de sessão RTP, usando o mesmo mecanismo de distribuição dos pacotes de mídia. A função principal é fornecer controle sobre a qualidade do serviço prestado pelo RTP, pois os dados estatísticos contido no pacote de controle, pode ser usado para finalidades de diagnósticos. Assim como o RTP, o RTCP trabalha independente da camada de rede e da camada subjacente de transporte. (COLCHER et al., 2005)

29 Recomendação H. 323 Tanenbaum (2003) explica que o H.323 é mais um conjunto de especificações e avaliações de arquiteturas de telefonia da Internet, definido pela International Telecommunication Union Telecom Standardization Sector (ITU-T), que um protocolo específico. Ainda no mesmo raciocínio Ela faz referência a um grande número de protocolos específicos para codificação de voz, configuração de chamadas, sinalização, transporte de dados e outras áreas, em vez de especificar propriamente cada um desses elementos. (TANENBAUM, 2003, p. 518) Segundo Leopoldino (2001), ele é completamente independente dos aspectos relacionados à rede e pode ser utilizadas quaisquer tecnologias de enlace, conforme Figura 2.2. Figura 2.2 Independência da Topologia do Protocolo H.323 Fonte: Elaborada pelo autor, Desde o ano 2000, é implementado por diversos aplicativos de Internet que funcionam em tempo real sendo uma parte de uma série de protocolos H.32x. Quanto à topologia da rede, pode consistir tanto de uma única ligação ponto a ponto, ou de um único segmento de rede, ou ainda serem complexas, com vários segmentos de redes interconectados, podendo-se livremente escolher as que dominam o mercado atual como Ethernet, Fast Ethernet ou Token Ring. (TAROUCO, 2003) O único quesito obrigatório no padrão é o suporte a mídia de áudio. Caso o suporte de mídia de vídeo e dados forem utilizadas, a aplicação precisa seguir as especificações da recomendação H.323 como quesito obrigatório.

30 30 Na Figura 2.3 segue a pilha H.323 em relação ao modelo de referência OSI. Figura 2.3 Pilha do Protocolo SIP em Relação ao Modelo OSI Fonte: Colcher et al., Adaptado pelo autor. São quatro os componentes especificados na recomendação H.323, utilizados conforme a estrutura da comunicação: Terminais: são os computadores pessoais utilizados na rede, os quais devem suportar voz, pois o suporte a vídeo e dados é opcional. (TAROUCO, 2003) Gateways: são elementos opcionais que têm como função prover a comunicação de terminais H.323 com outros terminais de padrões diferentes. Gatekeeper: é o componente mais importantes, pois atua como ponto central de todas as chamadas de sua zona (zona é o conjunto de todos terminais, gateways e MCUs gerenciados por um único gatekeeper. Uma zona deve incluir, ao menos, um terminal e pode incluir segmentos de redes conectados usando roteadores), além de prover serviços de controle de chamada para registrar participantes. Dentre outras coisas, são também responsáveis pelo gerenciamento da largura de banda em videoconferências H.323. MCUs: é um dispositivo normalmente utilizado para conectar diversos pontos de videoconferência. Ele atua como ponto de convergência em uma rede local, Local Area Network (LAN) que fornece a capacidade de três ou mais terminais de videoconferência e gateways a participar de uma conferência multiponto. (TAROUCO, 2003)

31 31 Segundo Colcher et al. (2005), a recomendação H.323 depende de uma série de outros padrões e recomendações, conforme Quadro 2.1. Quadro 2.1 Padrões Referenciados na Recomendação H.323 PADRÕES DESCRIÇÃO T.38 Transporte de dados (texto, imagens, fax, sinais de T.120 modem) V RTP Transporte de áudio e vídeo RTCP H.245 Protocolos de controle e sinalização H H.246 Interoperabilidade entre redes telefônicas comutadas por H,248 circuito Segurança em sistemas baseados no protocolo de H.235 controle H.245 H.450.X Serviços suplementares Extensões aos serviços de sinalização do protocolo H.460.X H H.501 Gerência e segurança de usuários, terminais e serviços H.510 em ambientes móveis H.530 Fonte: Colcher et al., 2005 Adaptado pelo autor. 2.7 SIP O protocolo SIP se concentra na criação, modificação e terminação de sessões. Ele complementa, entre outros, o conteúdo de mídia da sessão, tais como quais endereços IP, portas e codecs serão usados para a comunicação. Também é suplementado com o protocolo RTP, que é a portadora de voz e conteúdo de vídeo, em uma sessão estabelecida pelo SIP. (COLCHER et al., 2005) Embora originalmente destinado à simplicidade, o SIP, em seu estado atual, tornou-se tão complexo como o H.323, onde segue uma estrutura de solicitaçãoresposta com base no modelo cliente-servidor. As respostas têm um código de estado que fornecem informações dos pedidos, como se foram resolvidas com

32 32 sucesso ou não. O pedido inicial e todas as respostas são de uma transação (Figura 2.4). Figura 2.4 Comunicação SIP entre um Servidor Proxy SIP. Fonte: Packetizer, Embora dois terminais SIP possam se comunicar sem intervenção de uma infraestrutura SIP, como é o caso deste trabalho, esta abordagem não é prática para um serviço público, onde eles necessitam de servidores proxy para registrar elementos e servidores de localização Domain Name System (DNS). Além disso, o protocolo SIP usa um núcleo de rede simples e altamente escalável, com inteligência distribuída nas extremidades da rede, inclusive nos terminais (hardware ou software). (COLCHER et al., 2005) Assim, em uma comunicação completa entre clientes SIP, são definidos quatro componentes em sua estrutura, são eles: (COLCHER et al., 2005) Agente Usuário (User Agent - UA): é o terminal SIP ou o software de estação final. Ele é capaz de iniciar requisições SIP. Ele também age como um servidor quando responde a um pedido de sessão. Servidor Proxy SIP: ele encaminha requisições antes do UA para o próximo servidor SIP, retendo também informações para que possam ser usadas para fins contabilísticos. Ele também age em requisições, que beneficiam outros clientes que não conseguem fazer as requisições diretamente. Servidor de Redirecionamento SIP: a finalidade do servidor de redirecionamento SIP é resolver os nomes e localização do usuário para que o

33 33 cliente possa contatar o endereço diretamente. Servidor de Registros: o Servidor de Registros SIP fornece um serviço de informação de localidades, pois ele recebe informações do UA e armazena essa informação de registro no servidor. Na Figura 2.5, segue uma demonstração do protocolo SIP em relação ao modelo OSI. Figura 2.5 Pilha do Protocolo SIP em Relação ao Modelo OSI Fonte: Colcher et al., Adaptado pelo autor.

34 34 3 MATERIAIS E MÉTODOS Para prosseguimento do estudo, é fornecido o conhecimento dos materiais usados para a implementação do trabalho, assim como os métodos de extração de dados do modelo de simulação. Além disso, este capítulo também aborda a instalação e configuração dos softwares. 3.1 MATERIAIS UTILIZADOS Esse subcapítulo discorre sobre as características dos materiais utilizados na elaboração do trabalho Hardware Na implementação desse trabalho, foram utilizados um notebook com processadores Intel Core i3 com 4 GB de memória e 320 GB de disco. Ele é equipado com duas webcams, sendo uma embutida no notebook e a outra acoplada, microfone embutido, placa de rede e placa de som. Além disso, o link de transmissão utilizado é um Speedy de 8 Mbps Software e Sistema Operacional O sistema operacional utilizado no notebook para a implementação do projeto foi o Windows 7 com a configuração padrão de instalação. Ele foi escolhido por suportar os softwares de videoconferência abaixo descritos. Além disso, foi instalado o software de virtualização de sistemas operacionais Vmware Workstation 9, em versão de teste (trinta dias). Nele foram instalados dois sistemas operacionais, sendo ambos Microsoft Windows XP em versão de teste (trinta dias). Para os testes de videoconferência utilizando os protocolos da família H.323, foi instalado o software CU-SeeMe Pro 4.0 enquanto que para os testes com o protocolo SIP, foi o Ekiga Ademais, o aplicativo Wireshark também foi instalado e utilizado. Enquanto

35 35 cada software de videoconferência foi executado, o Wireshark monitorou o tráfego da rede e com isso, permitiu-se sustentar os detalhes e fundamentar os dados de cada um sobre consumo de banda, tráfego, qualidade de transmissão e quantidade de pacotes enviados para a rede CU-SeeMe Pro 4.0 O software CU-SeeMe foi uma das primeiras soluções em videoconferência a ser criado. Foi desenvolvido na década de 90 pela Cornell University e era disponibilizado gratuitamente. Ainda atualmente usa a recomendação H.323 para conexão e transmissão dos dados. (CUSEEME NETWORKS, 2002) Os testes foram feitos ponto a ponto, com a utilização de apenas dois terminais, mas servidores de MCU podem ser utilizados para possibilitar conferência com mais de dois terminais. Ademais, a instalação segue conforme o padrão Windows, com janelas interativas e intuitivas, o que o torna um software de fácil instalação. A Figura 3.1 mostra uma janela de instalação do CU-SeeMe como exemplo. Figura 3.1 Janela de Diálogo de Instalação do Software CU-SeeMe Fonte: Elaborado pelo autor, Depois de instalado o software, é recomendado configura-lo através de um assistente que aparece logo na primeira execução, conforme a Figura 3.2.

36 36 Figura 3.2 Assistente de Configuração do Software CU-SeeMe. Fonte: Elaborado pelo autor, A primeira tela é composta por informações do assistente de configuração. Depois é necessário preencher as informações pessoais. Em seguida, outra janela forneceu opções para que escolha os diretórios de serviços. No trabalho em tela, foi selecionado o diretório ils3.microsoft.com., na categoria personal, conforme a Figura 3.3. Figura 3.3 Diretório de Serviços CU-SeeMe Fonte: Elaborado pelo autor, A tela seguinte contém opções para ajustar o vídeo da webcam. Logo em

37 37 seguida, outra janela forneceu alternativas sobre o desempenho desejado da videoconferência, como configuração de largura de banda e tamanho, além da qualidade do vídeo. Aqui, ajustou-se para proporcionar um desempenho máximo do software, conforme mostrado na Figura 3.4. Figura 3.4 Configuração do Desempenho CU-SeeMe Fonte: Elaborado pelo autor, Nas quatro próximas janelas, o software apresentou opções de configurações básicas do som. Configurou-se, assim como o vídeo, opções que proporcionaram desempenho máximo. A última tela conteve uma mensagem de boas vindas ao usuário Ekiga Ekiga, anteriormente conhecido como Gnome Meeting é uma aplicação de software livre de videoconferências e telefonia IP. Inicialmente, era fornecido apenas para Gnome Linux, mas atualmente é disponibilizado também para plataformas Windows e Unix. (EKIGA, 2013) Ele fornece opções de configuração para diversos codecs e tem como base o protocolo SIP. Assim como o CU-SeeMe, o Ekiga segue o padrão Windows de janelas para instalação de softwares, tornando-o de fácil entendimento, conforme Figura 3.5.

38 38 Figura 3.5 Instalação do Software Ekiga. Fonte: Elaborado pelo autor, Apesar disso, em um momento da instalação, foi preciso aceitar a opção de instalar um complemento que se chama GTK2 Runtime, pois é uma biblioteca para ambientes gráficos, necessária para execução do Ekiga. Depois de instalado o Ekiga, em sua primeira execução, é exibido um assistente de configuração dos parâmetros do software, conforme mostrado na Figura 3.6. Figura 3.6 Janela de Configuração do Ekiga. Fonte: Elaborado pelo autor, A primeira tela contem instruções de preenchimento dos parâmetros. Já na

39 39 segunda, foi preciso preencher o nome e sobrenome. Logo, na terceira janela, mostraram-se instruções para obter uma conta SIP. A quarta tela exibe um link no meio da janela, com a seguinte mensagem Obter uma conta SIP do Ekiga.net. O link redirecionou para uma página on-line do Ekiga.net. Na página, clicou-se na opção get a free SIP-Address, e foi preenchido as informações contidas no site para obter-se a conta SIP. A conta SIP foi enviada para o que foi cadastrado. De volta à janela do assistente de configuração, foram preenchidas as informações da conta SIP que foi recebido por . Ao avançar para a próxima tela, marcou-se a opção Eu não quero me inscrever no serviço de chamada do Ekiga, pois aqui o Ekiga fornece a opção de obter-se uma conta, onde terá que pagar (recarregar) para utilizar o serviço VOIP em outras operadoras de telefonia. As próximas quatro janelas são de configuração de áudio e vídeo, onde por opção para o trabalho, optou-se por deixar no default (padrão) do software. Ao final do assistente de configuração, surgiu uma tela com todos os padrões escolhidos, conforme mostra a Figura 3.7. Figura 3.7 Parâmetros Escolhidos na Configuração do Ekiga. Fonte: Elaborado pelo autor, Wireshark1.8.6 O software Wireshark é uma poderosa ferramenta de analise de tráfego de rede, muito utilizada por administradores de redes, pois com ela é possível controlar

40 40 o tráfego e saber tudo o que entra e sai do computador, com diferentes protocolos, ou da rede, à qual o computador está ligado. (VIVA O LINUX, 2007) Assim como o CU-SeeMe e o Ekiga, o Wireshark possui uma interface de instalação muito fácil, sem complicações, onde foi avançando, até terminar a instalação, conforme mostra a Figura 3.8. A versão desse software foi utilizada por demonstrar estabilidade, sem grandes complicações nas análises de redes, nem bugs, próprio de versões recentes. Figura 3.8 Instalação do Wireshark. Fonte: Elaborado pelo autor, VMware Workstation 9.0 O VMware é um software de virtualização de sistemas operacionais muito poderoso, além de conter diversas funcionalidades que outros softwares não possuem, como por exemplo, cada placa de rede, de cada máquina virtual, ser configurável por velocidade de largura de banda. Essa funcionalidade foi a que proporcionou a realização dos testes e analises dos protocolos estudados no trabalho. Assim, por ser um software que requer muito recurso para obter a virtualização das máquinas virtuais citadas no trabalho, o computador requer, no

41 41 mínimo, dois gigabytes de memória para suportar a execução do sistema operacional nativo, do Wireshark e do VMware. A instalação, assim como os softwares de videoconferência, possui uma interface amigável, sem grandes dificuldades para executa-la, conforme pode-se ver na Figura 3.9. Figura 3.9 Instalação do VMware. Fonte: Elaborado pelo autor, MÉTODOS Para a realização deste trabalho, foram realizadas amplas pesquisas bibliográficas, além de diversas consultas em sites especializados no assunto, a fim de dar subsídios suficientes a implementação da análise e teste. Por ser tratar de softwares, sejam eles proprietários ou livres, a maioria dos locais pesquisados, para aprender a manuseá-los, foi a internet, que contém diversos fóruns de discussões, manuais e documentos que respaldam esse trabalho. Existem disponíveis hoje no mercado uma grande variedade de ferramentas que viabilizam sessões de videoconferência para diversas plataformas, onde recentemente, o desenvolvimento de aplicações destinadas à captura, transmissão e reprodução de multimídia em tempo real tornaram-se muito vantajosa para empresas como a Microsoft, CU-SeeMe Networks, Real Networks, Ekiga e muitas outras. Hoje é possível encontrar soluções variadas e, muitas delas, gratuitas.

42 42 Por isso, para o desenvolvimento desse projeto, foram instalados os softwares CU-SeeMe e Ekiga, utilizados para analisar o protocolo H.323 e SIP, respectivamente. Logo em seguida foram realizadas as conexões com cada software. O CU- SeeMe, em sua configuração básica, tem a opção de se fazer conexões ponto a ponto, porém, caso opte-se por fazer conexões com mais de duas pessoas, é preciso instalar um software chamado de refletor. Já o software Ekiga, possui apenas a opção de conectar-se em um servidor SIP, para só então, realizar chamadas para outros terminais. Assim, o aplicativo Wireshark foi utilizado para monitorar e analisar o consumo de banda e tráfego usados nos diferentes softwares testados, e assim, sustentar a avaliação final sobre a velocidade e qualidade dos protocolos das aplicações. Sua instalação é de fácil compreensão, como citado no tópico 2.2.5, contudo, a geração de análise de pacotes necessita possuir certa habilidade com a ferramenta. Tarefa considerada razoavelmente difícil, mas a partir disso, foram pesquisados na internet manuais e recomendações de uso e grande material de apoio foi encontrado. Por fim, ao executar o Wireshark, foi feita uma analise da qualidade de serviço conforme especificado abaixo: Qualidade e rastro do vídeo (imagem). Qualidade do áudio recebido e enviado. Quantidade de pacotes transmitidos pela rede em 1 minuto. Quantidade de dados transmitidos pela rede em 1 minuto Tamanho médio de cada pacote transmitido pela rede. Todos esses parâmetros serão analisados durante 1 minuto, em 3 videoconferências distintas nas seguintes velocidades: 56 Kbps, 512 Kbps, 1 Mbps e 4 Mbps. Ao final, os dados serão impressos em tabelas para uma analise dos testes realizados.

43 43 4 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE SIP E H.323 Este capítulo mostra uma análise comparativa de três videoconferências realizadas para cada software, onde serão utilizados os protocolos SIP e H.323 representados pelos softwares Ekiga e CU-SeeMe, respectivamente. No final do capitulo, tabelas apresentarão o resultado dos testes resumidamente. 4.1 CENÁRIOS Em muitos países subdesenvolvidos ou mesmo em alguns em desenvolvimento, a oferta de largura de banda para clientes, por empresas de telefonia é muito baixa, causada pela falta de investimento desse setor nesses países. Por sua vez, em países desenvolvidos e alguns em desenvolvimento, a velocidade de banda é muito alta, podendo chegar a vários megabits por segundo (Mbps). Por isso, achou-se necessária a comparação dos protocolos pela métrica largura de banda, para verificar a qualidade da transmissão em velocidades baixas e altas. Para isso, o Vmware possui uma configuração que faz com que cada máquina virtual possa ser configurada com uma velocidade diferente, conforme mostra a Figura 4.1. Figura 4.1 SoftwareVmware Configuração de Largura de Banda. Fonte: Elaborado pelo autor, 2013.

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET VIDEOCONFERÊCIA E INTERNET Jonas Barros Maiara Matsuoka Wilson Carlos e-mail: maiara_sayuri@hotmail.com Redes Remotas de Computadores Prof. Tito Barbosa Redes Convergentes Prof. Esp. Marcelo Guido de Oliveira

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Prof. Roberto Willrich 14:48 Emulando a Comunicação e Trabalho F-a-F Objetivo do Capítulo Apresentar algumas aplicações multimídia que permitem

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Software de conferências Bridgit Versão 4.6

Software de conferências Bridgit Versão 4.6 Especificações Software de conferências Bridgit Versão 4.6 Descrição do produto O software de conferências Bridgit é um aplicativo de cliente/servidor econômico que permite agendar reuniões e conectar-se,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Avaliação da rede de computadores do Hospital Ibiapaba S/A através de monitoramento com o Software Lan Explorer

Avaliação da rede de computadores do Hospital Ibiapaba S/A através de monitoramento com o Software Lan Explorer Avaliação da rede de computadores do Hospital Ibiapaba S/A através de monitoramento com o Software Lan Explorer Rafael Armond Duque Estrada Galego, Prof. M. Sc. Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador)

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo:

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Termo de Referência: Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Item Descrição Qtdade 1 MCU Dedicada 1 2 Terminal de Vídeo-conferência para salas de médio porte

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Software SMART Bridgit Versão 4.5

Software SMART Bridgit Versão 4.5 Especificações Software SMART Bridgit Versão 4.5 Descrição do produto O software de conferências SMART Bridgit é um aplicativo cliente/servidor econômico que permite que você programe facilmente reuniões

Leia mais