VIDEOTELEFONIA E VIDEOCONFERÊNCIA NA RDIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIDEOTELEFONIA E VIDEOCONFERÊNCIA NA RDIS"

Transcrição

1 VIDEOTELEFONIA E VIDEOCONFERÊNCIA NA RDIS Fernando Pereira Instituto Superior Técnico

2 Vídeo Digital

3 Vídeo versus Imagem Serviços de Imagem Fixa - não têm à partida requisitos temporais rigorosos Serviços de Vídeo (imagem em movimento) - existe a obrigação de respeitar limitações temporais rigorosas impostas pela necessidade de garantir uma boa ilusão de movimento A cada serviço de comunicação de imagem e vídeo pode associar-se um objectivo de qualidade que começa logo por determinar as resoluções espacial e temporal a usar.

4 Porque se Codifica a Informação de Vídeo? Uma sequência de vídeo é criada e consumida como um conjunto de imagens ocorrendo no tempo a uma certa frequência temporal (F), cada uma delas com M N amostras de luminância e crominância, com um certo número de bits por amostra (L) logo o número de bits - e a banda e a memória - necessário para representar digitalmente uma sequência de vídeo é ENORME!!!

5 Videotelefonia: Apenas um Exemplo Resolução: 10 imagem/s com amostras de luminância e amostras de cada crominância, a 8 bit/amostra [( ) + 2 ( )] 8 10 = Mbit/s Débito razoável: e.g. 64 kbit/s para um canal RDIS => Factor de compressão: : Mbit/s/64 kbit/s 194 A diferença entre codificar e não codificar pode implicar a existência ou não de um serviço/indústria.

6 Vídeo Digital: o Porquê das Dificuldades Serviço TV alta definição TV (qualidade difusão, DVD) TV (gravação CD) Videotelefonia e Videoconfer. Videotelefonia móvel Resolução espacial Lum. (Y) Resolução espacial Crom. (U,V) Resolução temporal Factor de forma Débito binário (PCM) img/s 16/9 1.3 Gbit/s img/s entrelaçadas img/s progressivas img/s progressivas img/s progressivas 4/3 166 Mbit/s 4/3 31 Mbit/s 4/ Mbit/s 4/3 1.6 Mbit/s

7 Codificação de Vídeo: uma Definição Representação o mais eficiente possível (menor número de bits), de uma sequência periódica de imagens correlacionadas, satisfazendo o conjunto de requisitos relevantes, p.e. qualidade mínima e resiliência a erros. E os requisitos variam segundo as aplicações e as respectivas funcionalidades...

8 Serviço TV alta definição TV alta definição TV (qualidade difusão, DVD) TV (qualidade difusão, DVD) TV (gravação CD) Resolução espacial Videoconfer Videoconfer Videotelefonia fixa Videotelefonia móvel (GSM) Resolução temporal Débito binário (PCM) Débito binário codificado Factor de compressão 50 img/s 1.3 Gbit/s 34 Mbit/s img/s 1.3 Gbit/s 17 Mbit/s img/s entrelaçadas 25 img/s entrelaçadas 25 img/s progressivas 25 img/s progressivas 10 img/s progressivas 10 img/s progressivas 5 img/s progressivas 166 Mbit/s 6 Mbit/s Mbit/s 3 Mbit/s Mbit/s 1.15 Mbit/s Mbit/s 2 Mbit/s Mbit/s 384 kbit/s Mbit/s 64 kbit/s Mbit/s 13 kbit/s 100

9 Codificando... O codificador (de fonte) representa as imagens através de um conjunto de símbolos, e a seguir bits, usando as ferramentas de codificação disponíveis. O codificador extrai o sumo das imagens!

10 A Interoperabilidade como Requisito: Para que mais não seja menos... A codificação é essencial para os serviços audiovisuais digitais onde a interoperabilidade é um requisito básico. A interoperabilidade requere a especificação de normas de codificação audiovisual. Para permitir alguma evolução das normas e a saudável competição entre empresas, as normas devem especificar o mínimo de elementos possível, tipicamente a sintaxe do fluxo binário e o descodificador (não o codificador!).

11 Normas de Codificação de Vídeo ITU-T T H.120 (1984) - Videoconferência (1.5-2 Mbit/s) ITU-T T H.261 (1988) - Serviços audiovisuais (videotelefonia e videoconferência) a p 64kbit/s, p=1,,30 ISO/IEC MPEG-1 (1990)- Vídeo em CD-ROM ISO/IEC MPEG-2 ou ITU-T H.262 (1993)- TV digital ITU-T T H.263 (1996) - Vídeo na rede telefónica analógica e móvel ISO/IEC MPEG-4 (1998) - Objectos audiovisuais ISO/IEC MPEG-4 4 AVC ou ITU-T H.264 (2003) Mais eficiência

12 Normas: Fixar e Inovar Normativo! Codificador Descodificador

13 Terminal e Comunicação de Videotelefonia ITU-T T H.320

14 Videotelefonia e Videoconferência Comunicações pessoais (bidireccionais) em tempo real!

15 Rec. ITU-T T H.320: Motivações O início dos trabalhos que deram origem às recomendações H.320/H.261 remonta a 1984 quando se constata: O aumento significativo da procura de serviços de imagem, nomeadamente de videotelefonia e videoconferência, bem como a disponibilidade de linhas digitais a 64, 384 e 1536/1920 kbit/s. A disponibilidade a curto prazo em muitos países de linhas RDIS e a necessidade de disponibilizar equipamento que possibilitasse a comunicação de imagem neste contexto. A constatação de que a recomendação H.120 para videoconferência, acabada de sair, estava já na altura ultrapassada devido aos rápidos desenvolvimentos na área da codificação de vídeo.

16 RDIS: Motivação e Objectivo Crescente uso da tecnologia digital na transmissão e comutação de voz devido às suas variadas vantagens Procura crescente de serviços de transmissão de dados à medida que o custo dos computadores baixa Vantagens da integração de serviços numa única rede Necessidade de criar serviços que pudessem justificar a digitalização da rede local com vista à RDIS de banda larga Oferecer aos utentes a possibilidade de estabelecer ligações digitais através de um conjunto limitado de acessos suportando uma vasta gama de serviços destinados a dados, voz, áudio e vídeo. Tendo em conta a vastidão da estrutura de comunicações disponível, a evolução para a RDIS deverá ser gradual e baseada nos recursos actualmente disponíveis.

17 RDIS: Características Básicas RDIS de Banda Estreita (Narrowband-ISDN) - deverá oferecer débitos binários até poucos Mbit/s - Baseia-se na rede telefónica actual de acessibilidade geral o que garante uma boa cobertura geográgica - Envolve o uso de centrais de comutação e transmissão digital para além de processamento digital do sinal - Usa um novo tipo de sinalização entre centrais públicas (ITU-T nº 7) RDIS de Banda Larga (Broadband-ISDN) - deverá oferecer débitos binários até várias centenas de Mbit/s integrando todos os serviços quer no acesso quer na própria rede - Envolve um horizonte temporal mais largo e depende da disponibilidade em larga escala de meios de transmissão de banda larga, p.e. fibra óptica - Baseia-se no modo de transferência assíncrono (ATM) e na transmissão de pacotes com dimensão fixa - Oferece alocação dinâmica de recursos através de um contrato de tráfego

18 Canais Básicos RDIS Canal B - 64 kbit/s - as ligações num canal B podem ser feitas com comutação de circuito, de pacotes ou alugadas Canal D - 16 ou 64 kbit/s - têm como principal função transportar a sinalização associada aos canais B; nos tempos mortos podem ser usados para transmitir dados dos utentes em modo pacote Canal H - 384, 1536 ou 1920 kbit/s - disponibilizam ligações de débito binário superior

19 O Acesso à RDIS Os canais RDIS são agrupados segundo 2 tipos de acesso, oferecidos ao utente: Acesso Básico (2B+D) - Consiste em 2 canais B de 64 kbit/s (fullduplex) e um canal D de 16 kbit/s (full-duplex); esta configuração corresponde a um débito total de 192 kbit/s, incluindo a sincronização e o overhead de trama. Acesso Primário - Oferece 2 configurações relacionadas com as hierarquias de transmissão digital: - Europa usa 2048 kbit/s (30B+D) - EUA/Canadá/Japão usam 1544 kbit/s (23B+D)

20 Videotelefonia e Videoconferência: Principais Características Comunicações pessoais (ponto a ponto ou multiponto a multiponto limitado) Comunicações bidireccionais simétricas (todos os pontos envolvidos têm características semelhantes) Requisitos de atraso críticos Requisitos de qualidade baixos ou intermédios Impactos psicológicos e sociológicos fortes

21 Terminal H.320

22 Estabelecimento de uma Comunicação H.320 A norma H.242 define o protocolo de comunicação entre terminais H.320 nas fases iniciais de estabelecimento da ligação.

23 Norma H.221: Estrutura de Trama A norma H.221 define a estrutura de trama para serviços audiovisuais em canais de 64 kbit/s simples ou múltiplos. Estrutura de trama para um canal de 64 kbit/s - Canal B em RDIS

24 Codificação de Vídeo: Norma ITU-T T H.261

25 Norma H.261: Objectivo Codificação eficiente de sequências videotelefónicas ou de videoconferência com qualidade mínima aceitável usando débitos entre 40 kbit/s e 2 Mbit/s e visando canais síncronos (RDIS) a p 64 kbit/s, com p=1,...,30. É a primeira norma internacional para codificação de vídeo (com adopção significativa) introduzindo assim o conceito de compatibilidade em codificação de vídeo digital.

26 Esquema Básico da Codificação H.261

27 H.261: Sinais a Codificar YUV Os sinais amostrados, para cada imagem, são a luminância (Y) e 2 sinais de crominância, designados por C B e C R ou U e V. As amostras são quantificadas segundo a recomendação ITU-R BT-601 (8 bit/amostra), sendo: - Preto = 16; Branco = 235; Diferença de cor nula = Picos de diferença de cor (U,V) = 16 e 240 O algoritmo opera sobre sequências não-entrelaçadas (progressivas) a img/s. A frequência temporal pode ser diminuída aceitando-se 0, 1, 2 ou 3 imagens não transmitidas entre cada uma transmitida.

28 H.261: Formato da Imagem Duas resoluções espaciais são possíveis: CIF (Common Intermediate Format) pels para a luminância (Y) e pels para cada uma das crominâncias (U,V) ou seja 4:2:0, posicionados em 'quincux, progressivos, 30 tramas/s e com factor de forma 4/3 QCIF (Quarter CIF) - semelhante ao CIF mas com metade da resolução espacial em cada direcção ou seja pels para a luminância e pels para cada uma das crominâncias Todos os codecs devem funcionar em QCIF e alguns podem também funcionar em CIF.

29 Formatos de Subamostragem para a Crominância Formato Crominância Amostras Lum/Linha Linhas Lum/Imagem Amostras Crom/Linha Linhas Crom/Imagem Factor Subamostr. Horizontal Factor Subamostr. Vertical 4:4: :2: :1-4:2: :1 2:1 4:1: :1-4:1: :1 4:1

30 Groups Of Blocks (GOBs), Macroblocos e Blocos GOB 1 GOB 2 GOB 3 GOB 4 GOB 5 GOB 7 QCIF GOB 6 GOB 8 Espacialmente a sequência de vídeo está organizada segundo uma estrutura hierárquica com 4 níveis: - Imagem - Grupo de Blocos (GOB) - Macrobloco (MB) - Bloco GOB 9 GOB 11 GOB 10 GOB 12 CIF 1 2 Y 3 4 U 5 6 4:2:0 V

31

32 Imagem é Codificada como um Sequeência de Macroblocos GOB após GOB GOB 1 GOB 2 GOB 3 GOB 4 GOB 5 GOB 6 GOB 7 GOB 8 GOB 9 GOB 11 GOB 10 GOB 12

33 H.261: Técnicas de Codificação Redundância Temporal Codificação preditiva: transmissão das diferenças e compensação de movimento Redundância Espacial Codificação de transformada (DCT) Redundância Estatística Irrelevância Codificação entrópica de Huffman Quantificação dos coeficientes DCT

34 Explorando a Redundância Temporal

35 Predição Temporal A predição temporal baseia-se no princípio de que, localmente, cada imagem pode ser representada a partir de uma parte da imagem precedente. A qualidade da predição determina fortemente o desempenho do algoritmo de codificação já que define a energia do sinal diferença - o erro de predição. Quanto menor for o erro, menor a energia a transmitir e logo - Melhor qualidade pode ser conseguida para um dado débito binário disponível - Menor débito binário é necessário para alcançar uma dada qualidade

36 Quem Bem Prediz, Baixo Erro Cria Imagem actual i Imagem com erro de predição i Imagem anterior i-1 Imagem predição i

37 Predição Temporal A predição temporal no H.261 inclui 2 técnicas que têm como missão eliminar a redundância temporal existente no sinal de vídeo PCM: Transmissão de Diferenças Compensação de Movimento

38 Redundância no Tempo: as Diferenças Diferenças: só se transmite entre imagens aquilo que muda, usando como predição a imagem anterior... Não se perde nada!...

39 Cálculo de Diferenças: Exemplo Imagem t Imagem t-1 Diferenças

40 Codificar e Descodificar...

41 Eppur Si Muove

42 A Compensação de Movimento A compensação de movimento tenta melhorar a predição temporal de cada imagem/zona da imagem através da estimação/detecção e compensação de movimentos existentes na sequência de imagens. A estimação de movimento não é normativa mas o designado block matching é, sem dúvida, a técnica mais usada. Na norma H.261, a estimação de movimento é feita ao nível do macrobloco e é opcional. A estimação de movimento implica uma elevada carga computacional o que justifica o desenvolvimento de métodos de procura rápida à custa de baixas perdas em qualidade, e.g. procura em diamante ou método dos 3 passos.

43 O Macrobloco 4:2:0...

44 Redundância no Tempo: a Estimação de Movimento t

45 Procurar Onde? Área de busca Imagem de referência Imagem a codificar

46 Vectores de Movimento a Diferentes Resoluções

47

48 MBs a Codificar e MBs de predição Imagem anterior Imagem actual

49 Compensação de Movimento: Exemplo Imagem t Imagem t-1 Diferenças SEM comp. mov. Diferenças COM comp. mov. Vectores mov.

50 O Algoritmo dos 3 Passos Menos carga computacional à custa de soluções menos óptimas em termos de erro de predição!

51 Estimação Rápida de Movimento 3 Passos Diamante

52 Uma Característica de Decisão para a Compensação de Movimento db difference block dbd displaced block difference

53 Estimação de Movimento no H.261 Um vector de movimento por macrobloco PODE ser transmitido. A gama de valores possíveis para os vectores de movimento é de -15 a + 15, na vertical e na horizontal, apenas valores inteiros. Só vectores de movimento referenciando zonas existentes da imagem são válidos. O vector de movimento transmitido para cada macrobloco é usado para os 4 blocos de luminância. O vector de movimento para a crominância é obtido dividindo por 2 e truncando o vector de movimento para a luminância. Um valor positivo da componente horizontal ou vertical do vector de movimento significa que a predição deve ser feita usando os pixels na imagem precedente, localizados espacialmente à direita e abaixo dos pixels a ser preditos.

54 Codificação Diferencial do Movimento no H.261 Para explorar a redundância entre vectores de movimento de MBs adjacentes, cada vector de movimento é codificado diferencialmente como a diferença entre o vector de movimento do MB actual e a sua predição ou seja o vector de movimento do MB precedente. Esta predição vale zero quando: - o MB actual é o número 1, 12 ou 23 - o último MB transmitido não é contíguo ao MB actual - o MB precedente (e contíguo) não sofreu compensação de movimento

55 Codificação (entrópica) dos Vectores (diferenciais) ) de Movimento

56 Explorando a Redundância Espacial e a Irrelevância

57 Depois do Tempo, o Espaço Imagem actual Transformada DCT Imagem com erro de predição Imagem predição (Compensada em movimento)

58 Codificação por Transformada A codificação por transformada envolve a divisão da imagem em blocos de N N amostras aos quais é aplicada a transformada, produzindo blocos de N N coeficientes. Uma transformada define-se formalmente pelas equações de transformação directa e inversa: F(u,v) = Σ i=0 N-1 Σ j=0 N-1 f(i,j) A(i,j,u,v) f(i,j) = Σ u=0 N-1 Σ v=0 N-1 F(u,v) B(i,j,u,v) onde f(i,j) - sinal de entrada (no espaço) A (i,j,u,v) - núcleo da transformada directa F(u,v) - coeficientes da transformada B (i,j,u,v) - núcleo da transformada inversa

59 Transformada de Coseno Discreta (DCT) Transformada de Coseno Discreta (DCT) Transformada de Coseno Discreta (DCT) A DCT é uma das várias transformadas sinusoidais existentes, sendo os seus vectores de base constituídos por amostras de funções (co)sinusoidais. A DCT é, sem dúvida, a transformada mais usada em codificação de imagem por o seu desempenho se aproximar do da KLT para sinais com elevada correlação e por existirem algoritmos rápidos para a sua implementação. = = + + = N j N k N k v N j u k j f v C u C N v u F ) ( cos ) ( )cos, ( ) ( ) ( ), ( π π = = + + = N u N v N k v N j u v u F v C u C N k j f π π ) ( cos ) ( )cos, ( ) ( ) ( ), (

60 Como Trabalha a DCT? Domínio Espacial Domínio Frequencial DCT

61 A DCT no H.261 Na norma H.261, a DCT é aplicada a blocos de 8 8 (N=8) amostras. Este valor resulta dum compromisso entre a exploração da redundância espacial e o esforço de cálculo que cresce com N. Os coeficientes a transmitir são seleccionados usando limiares nãonormativos permitindo a introdução de critérios psico-visuais com vista a optimizar o impacto subjectivo final. Para explorar a irrelevância contida no sinal, os coeficientes DCT a transmitir para cada bloco são quantificados. Devido à compactação da energia no canto superior esquerdo e à variação do sensibilidade do sistema visual humano, os coeficientes quantificados são varridos em zig-zag com vista a assegurar sempre a transmissão daqueles mais relevantes.

62 A Quantificação A norma H.261 aceita como passo de quantificação todos os valores pares entre 2 e 62 (31 valores de quantificação). Dentro de cada macrobloco, todos os coeficientes DCT são quantificados com o mesmo passo, com excepção dos coeficientes DC Intra que são sempre linearmente quantificados com passo 8, sem zona morta. Exemplo de característica de quantificação A norma H.261 define os níveis de regeneração dos coeficientes mas não os limiares de decisão que podem ser escolhidos de forma a implementar diferentes tipos de característica de quantificação, uniformes ou não.

63 A Serialização dos Coeficientes DCT A transmissão dos coeficientes DCT quantificados requere o envio ao descodificador de 2 tipos de informação: posição e amplitude. Para cada coeficiente a transmitir, a sua posição e amplitude é representada através de um símbolo bidimensional designado por (DISTÂNCIA, NÍVEL) ou (run, level) onde a distância conta o número de coeficientes nulos antes do coeficiente a codificar e o nível indica qual o valor quantificado do coeficiente.

64 Varrimento dos Coeficientes DCT Zig-Zag Zag Cada bloco de coeficientes DCT é representado como uma sequência de pares (run, level), e.g. (0,124), (0, 25), (0,147), (0, 126), (3,13), (0, 147), (1,40)...

65

66 Explorando a Redundância Estatística

67 Redundância Estatística: Codificação Entrópica A Codificação Entrópica CONVERTE OS SÍMBOLOS EM BITS! Usa a estatística dos símbolos a transmitir para alcançar compressão adicional (sem perdas), atribuindo de forma adequada palavras de código a símbolos. A, B, C, D -> 00, 01, 10, 11 A, B, C, D -> 0, 10, 110, 111

68 Codificação de Huffman A codificação de Huffman é uma das técnicas de codificação entrópica que permite explorar o facto dos símbolos produzidos pelo codificador não aparecerem com igual probabilidade. A cada símbolo gerado é atribuída uma palavra de código cujo comprimento (em bits) é inversamente proporcional à sua probabilidade de ocorrência. O uso de códigos de comprimento variável implica também a necessidade de utilizar uma memória de saída que alise o fluxo de dados codificados se o canal funciona de modo síncrono. O aumento da eficiência de codificação é conseguido à custa do aumento da sensibilidade a erros de transmissão.

69 Codificação (entrópica) dos Vectores (diferenciais) ) de Movimento

70 Codificação (entrópica) dos Pares (run, level) mais prováveis

71 Codificaçãodos Pares (run, level) menos prováveis 6 bits escape + 6 bits para run + 8 bits para level

72 Codificação Entrópica da Posição dos MBs (com bits)

73 Combinando as Ferramentas...

74 O Modelo Simbólico H.261 Vídeo Original Gerador de Símbolos (Modelo) Símbolos Codificador Entrópico Bits Uma sequência de vídeo é representada como uma sucessão de imagens estruturadas em macroblocos, sendo cada um deles representado usando vectores de movimento e/ou coeficientes DCT (intra ou inter).

75 MB a MB Escolhendo Bem Sempre

76 Codificador: O Cocktail Vencedor! + Originais DCT Quantific. Quantific. inversa Geração símbolos Codif. entrópica Codif. entrópica Memória de saída DCT inversa + Movimento det./comp. Trama anterior

77 Descodificador: o Escravo! Informação Memória Descodif. Demux. IDCT + Huffman Comp. Mov. Informação

78 A Memória de Saída A produção de bits pelo codificador é altamente NÃO uniforme no tempo essencialmente devido: À variação da actividade espacial entre as várias zonas de uma imagem À variação da actividade temporal ao longo do tempo À codificação entrópica dos símbolos gerados Para compatibilizar o fluxo de ritmo variável produzido pelo codificador com o fluxo constante de escoamento disponibilizado pelo canal usa-se uma memória de saída!

79 Controlo do Débito O codificador deve controlar muito eficazmente a evolução da sua produção de bits de modo a que seja adequada ao canal síncrono disponível e obtenha a melhor qualidade. A norma H.261 não especifica como deve ser feito o controlo do débito que pode ser feito através de: Variação da resolução temporal Variação da resolução espacial Classificação dos macroblocos Variação do passo de quantificação O controlo do débito tem um impacto enorme na qualidade de vídeo que se alcança para um dado débito binário!

80 Passo de Quantificação versus Enchimento da Memória de Saída O método reconhecido como mais eficiente para o controlo do débito binário (granularidade e frequência) faz variar o passo de quantificação em função do enchimento da memória de saída do codificador. Sequência de imagens Controlo do passo de quantificação Codificador Memória de saída Fluxo binário

81 A Importância de Escolher Bem! Para explorar bem a redundância e a irrelevância, o codificador para tem de escolher adequadamente Quais as ferramentas de codificação que devem ser usadas para cada MB, dependendo das suas características Qual o melhor conjunto de símbolos para representar cada MB, p.e. vectores de movimento e coeficientes DCT Enquanto o codificador tem a missão de fazer escolhas importantes, o descodificador é escravo limitando-se a seguir as ordens enviadas pelo codificador (só fica inteligente no cancelamento de erros).

82 Classificação dos Macroblocos Os macroblocos são a unidade básica da codificação pois é ao nível do macrobloco que se escolhem as ferramentas de codificação a usar. Cada técnica de codificação é mais ou menos adequada a um dado tipo de situação/imagem, sendo importante escolher em cada momento as ferramentas mais adequadas. Uma vez que a norma H.261 possui várias ferramentas de codificação, cabe ao codificador escolher as melhores ferramentas para cada macrobloco o que conduz à classificação dos macroblocos consoante as ferramentas de codificação usadas. Se apenas se explora a redundância espacial, faz-se codificação INTRA; se se explora também redundância temporal, faz-se codificação INTER.

83 Tabela de Classificação dos Macroblocos

84 Estrutura Hierárquica da Informação Codificada Imagem - Resincronismo (Picture header) - Controlo da resolução temporal - Controlo da resolução espacial Grupo de Blocos (GOB) - Resincronismo mais interno (GOB header) - Controlo do passo de quantificação (obrigatório) Macrobloco - Unidade de detecção e compensação de movimento - Controlo do passo de quantificação (opcional) - Escolha das ferramentas de codificação (classificação dos MBs) Bloco - Aplicação da DCT

85 Sintaxe da Codificação: Níveis de Imagem e GOB

86 Sintaxe da Codificação: Níveis de MB e Bloco

87 Correcção de Erros no Fluxo de Vídeo H.261 A correcção de erros no fluxo de vídeo H.261 é feita através de um código de blocos BCH (511,493) - Bose-Chaudhuri- Hocquenghem. O seu uso na descodificação é opcional. O polinómio gerador dos bits de paridade é g (x) = (x 9 + x 4 + x) ( x 9 + x 6 + x 4 + x 3 + 1)

88 Correcção de Erros no Fluxo de Vídeo H.261 A estrutura do sinal de vídeo apresenta o seguinte aspecto (multitrama com = 4096 bits): Transmissão S1 S2 S7 S8 S1 Bits de código Bits paridade (1) (493) (18) 1 Bits de código vídeo (1) 0 (492) Bits de enchimento (1's) (1) (492) S1S2S3S4S5...S8 - Sequência de alinhamento Na descodificação, o realinhamento só é reconhecido após a recepção de 3 sequências de alinhamento (S1S2...S8) correctas.

89 Cancelamento de Erros Mesmo que se use codificação de canal, podem existir erros de transmissão residuais que têm consequências ao nível do descodificador de fonte. Os erros residuais podem ser detectados devido a incorrecções sintácticas ou semânticas. Para vídeo digital, as técnicas mais básicas de cancelamento de erros são: - Repetição da zona correspondente da imagem anterior - Repetição de parte da imagem anterior após compensação de movimento O cancelamento de erros não detectados pode ser feito por pósprocessamento da imagem descodificada.

90 Exemplos de Cancelamento de Erros e Pós- Processamento

91 Comentários Finais A norma H.261 foi a primeira norma internacional de codificação de vídeo com um nível de eficiência relevante. Tendo sido a primeira norma importante de codificação digital de vídeo, estabeleceu requisitos de compatibilidade que tiveram influência na tecnologia escolhida para as normas seguintes. Inúmeros produtos e serviços existiram, e ainda existem, baseados na norma H.261. Contudo, esta norma já não representa hoje o estado da arte em termos de codificação de vídeo (não esquecer que esta norma é do fim dos anos 80).

92 Bibliografia Videoconferencing and Videotelephony, Richard Schaphorst, Artech House, 1996 Image and Video Compression Standards: Algorithms and Architectures, Vasudev Bhaskaran and Konstantinos Konstantinides, Kluwer Academic Publishers, 1995 Multimedia Communications, Fred Halsall, Addison-Wesley, 2001 Multimedia Systems, Standards, and Networks, A. Puri & T. Chen, Marcel Dekker, Inc., 2000

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s 1. Introdução A compressão digital de imagem tem vindo a ganhar uma importância crescente, em especial nos sistemas de transmissão, uma vez que a capacidade dos canais é normalmente limitada e muito inferior

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO

H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO H.264: UMA BREVE DISCUSSÃO ACERCA DA CODIFICAÇÃO DE VÍDEO Eduardo Viana Rezende eduardo.viana@superig.com.br Centro Universitário de Belo Horizonte Av. Prof. Mário Werneck, 1685 - Estoril CEP: 30455-610

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Compressão de Imagens

Compressão de Imagens Compressão de Imagens Compressão de Imagens Geradas por Computador (Gráficos) Armazenamento (e transmissão) como um conjunto de instruções (formato de programa) que geram a imagem Utilização de algum esquema

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

TV Digital 3. A Caminho do Digital Comprimido. TV Digital 2006/7 1

TV Digital 3. A Caminho do Digital Comprimido. TV Digital 2006/7 1 TV Digital 3 A Caminho do Digital Comprimido TV Digital 2006/7 1 COST 211- liderança Europeia Actividade de codificação digital de vídeo iniciou-se na Europa, aplicada à videoconferência. Resultados obtidos

Leia mais

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo.

PAPEL BRANCO. Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. PAPEL BRANCO Padrão de compactação de vídeo H.264. Novas possibilidades em vigilância por vídeo. Índice 1. Introdução 3 2. Desenvolvimento do H.264 3 3. Como funciona a compactação de vídeo 4 4. Perfis

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

Compressão com perdas

Compressão com perdas Compressão com perdas Codificação por transformadas e o padrão JPEG Anderson L Menezes Leonardo G Tampelini Maxiwell S Garcia Introdução Um método é dito com perdas (lossy data) quando a informação obtida

Leia mais

Capítulo V - Introdução ao Sistema MPEG de Codificação de Vídeo

Capítulo V - Introdução ao Sistema MPEG de Codificação de Vídeo Capítulo V - Introdução ao Sistema MPEG de Codificação de Vídeo 5.1 Introdução O grupo MPEG - Moving Pictures Expert Group (http://www.mpeg.org) iniciou seus trabalhos em 1988 como um grupo de trabalho

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

Sistemas de Comunicação Óptica

Sistemas de Comunicação Óptica Sistemas de Comunicação Óptica Mestrado em Engenharia Electrotécnica e e de Computadores Docente : Prof. João Pires Objectivos Estudar as tecnologias que servem de base à transmisssão óptica, e analisar

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

Características do sinal de voz

Características do sinal de voz Características do sinal de voz Análise na freuência: a voz apresenta um conteúdo espectral ue vai de 0 Hz a 0 khz; os sons vozeados ou nasais (e.g. vogais e algumas consoantes j, l, m) apresentam um espectro

Leia mais

E TRANSMISSÃO DE IMAGEM BINÍVEL

E TRANSMISSÃO DE IMAGEM BINÍVEL TELECÓPIA: CODIFICAÇÃO E TRANSMISSÃO DE IMAGEM BINÍVEL Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Telecópia OBJECTIVO Transmissão eficiente de imagens fixas, binível através dos suportes de comunicação

Leia mais

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso -

Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Aspectos da infraestrutura das redes telefónicas - Rede de acesso - Lacete de assinante Par simétrico Central local Ponto de subrepartição Ponto de distribuição Assinante Interface com a linha de assinante

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Transmissão de dados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Códigos de caracteres A informação é manuseada em blocos de 8 bits (bytes

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

MPEG 4 e H264. Cena 1

MPEG 4 e H264. Cena 1 MPEG 4 e H264 Cena 1 Seu avatar caminha através de um mundo virtual sofisticado habitado por outros avatares, propaganda de produtos e paredes de vídeo. Em uma tela de vídeo virtual está a transmissão

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

Codificação de Vídeo em MPEG-4

Codificação de Vídeo em MPEG-4 Codificação de Vídeo em MPEG-4 Agenda O que é MPEG-4 Evolução da Norma Especificação Ferramentas e Algoritmos Empacotamento Scopus Aplicações Presentation for SSPI event 05-06-07 Entendendo a Sopa de Letrinhas

Leia mais

Introdução/Resumo Executivo

Introdução/Resumo Executivo Introdução/Resumo Executivo O aumento de disponibilidade de banda-larga tem proporcionado um aumento na utilização de aplicações com requisitos de tempo-real, tais como a Voz sobre IP (VoIP) ou Streaming

Leia mais

Problemas Relativos ao Cap.4

Problemas Relativos ao Cap.4 Problemas Relativos ao Cap..1) Admita que uma trama de uma primeira hierarquia plesiócrona é constituída por 0 canais de voz de kb/s e que o enquadramento é em bloco, sendo o PET transmitido no time-slot

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011

Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Miguel Nascimento Nº 2010426 TIM LTM 12 Janeiro 2011 Introdução Existem actualmente diversos formatos para reprodução de som multi-canal, mas neste trabalho serão abordados os seguintes: Estéreo LCRS 5.1

Leia mais

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes. Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Introdução às Comunicações e às Redes de Computadores Generalidades, noções e classificações de redes Redes de Comunicações/Computadores I Secção de Redes de Comunicação de Dados Necessidades de comunicação

Leia mais

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso Sistemas Multimídia Jauvane C. de Oliveira, Ph.D. http://www.lncc.br/~jauvane Instituto Militar de Engenharia Ementa do Curso Representação de Informação Multimídia Digitalização Mídias Texto, Imagem,

Leia mais

Conteúdo. SCC5909 Fundamentos de Multimídia. Ementa do Curso. 1. Apresentação da Disciplina. Ementa do Curso. Ementa do Curso

Conteúdo. SCC5909 Fundamentos de Multimídia. Ementa do Curso. 1. Apresentação da Disciplina. Ementa do Curso. Ementa do Curso SCC5909 Fundamentos de Multimídia Aula 1 Conteúdo Apresentação da disciplina Conceitos e definições em multimídia Princípios de compressão Prof.: Dr. Rudinei Goularte (rudinei@icmc.usp.br) Instituto de

Leia mais

VIDEO DIGITAL. 1. Processo de captura de vídeo. Sumário. 0. Introdução

VIDEO DIGITAL. 1. Processo de captura de vídeo. Sumário. 0. Introdução VIDEO DIGITAL João Paulo de Sá Valbom ESTG, Av. Sá Carneiro, nº50, 6300-559 Guarda, Portugal Sumário Desde do nascimento do homem que houve necessidade em comunicar. Estimulado por expressar as suas ideias,

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital - compactação - JPEG Joint Photographic Experts Group Definido no padrão internacional 10918

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Camada de Ligação de Dados

Camada de Ligação de Dados Camada de Ligação de Dados Serviços Detecção e correcção de erros Protocolos de Acesso Múltiplo Endereçamento em LANs Hubs e Pontes de interligação Tecnologias da camada de ligação de dados Ethernet Anel

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

TV Digital II: Conceitos e Sistemas

TV Digital II: Conceitos e Sistemas TV Digital II: Conceitos e Sistemas Esta série de tutoriais tem como objetivo descrever os sistemas de TV Digital ATSC, DVB e ISDB. Será feito o estudo das modulações COFDM e VSB, comparando-as e analisando

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

FCA - Editora de Informática 1

FCA - Editora de Informática 1 1 - Introdução à Compressão Multimédia A codificação e representação de informação multimédia é uma área tecnológica em expansão. As aplicações multimédia combinam conteúdos que pertencem a tipos de informação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações

FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL. Objetivos do Sistema Digital. Digital. Comparação. (NTSC x ATSC) Transmissão simultânea de várias programações PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ FUNDAMENTOS DE TV DIGITAL Prof. Alexandre A. P. Pohl Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 1 Objetivos do Sistema

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Exploração no Espaço de Projeto da Hadamard 4x4 Direta do Padrão de Compressão de Vídeo H.264/AVC

Exploração no Espaço de Projeto da Hadamard 4x4 Direta do Padrão de Compressão de Vídeo H.264/AVC Exploração no Espaço de Projeto da Hadamard 4x4 Direta do Padrão de Compressão de Vídeo H264/AVC André Marcelo Silva 1, Thaísa Silva 1, Marcelo Porto 1, Roger Porto 1, José Güntzel 1, Ivan Silva 2, Sergio

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Aula Prática Bit stuffing, CRC e IP 1 Introdução 1.1 Framing O nível de ligação de dados utiliza o serviço fornecido

Leia mais

Plano Temático. 1. Introdução

Plano Temático. 1. Introdução Curso: Licenciatura en Informática Disciplina: Comunicação de Dados Código: Tipo: Nuclear Créditos: 6 = 130 horas (64 de contacto + 66 de estudo) Ano/ Semestre: 2º Ano / 3º Semestre Plano Temático 1. Introdução

Leia mais

1. Vídeo Analógico. SCC0261 - Multimídia. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico

1. Vídeo Analógico. SCC0261 - Multimídia. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico. 1. Vídeo Analógico SCC0261 - Multimídia Prof.: Dr. Rudinei Goularte (rudinei@icmc.usp.br) Aula 9 - Vídeo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação - ICMC Sala 4-234 Por quê estudar vídeo analógico? Indústria da TV.

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

O padrão MPEG para compressão de Vídeo

O padrão MPEG para compressão de Vídeo O padrão MPEG para compressão de Vídeo H. S. Nigri Marcio Portes de Albuquerque Marcelo Portes de Albuquerque M. Taves Março 2000 O padrão MPEG para compressão de Vídeo Introdução... 2 Padrões MPEG...

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre

TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre TECNOLOGIAS xdsl para pares de cobre ESTV 2002/03 Paulo Coelho Redes e Serviços em Banda Larga 1 Tecnologias para a rede de cobre Evolução da transmissão de dados sobre pares de cobre: Rede s/ elementos

Leia mais

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação.

Nos itens de resposta fechada curta, é atribuída a classificação total à resposta correcta. É classificada com zero pontos qualquer outra situação. 1. CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO Quando o examinando responder ao mesmo item mais do que uma vez, deve ter eliminado, inequivocamente, a(s) resposta(s) que considerou incorrecta(s). No caso de tal

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico Características do vídeo Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo Vídeo media dinâmico Vídeo corresponde a um movimento sequencial de um conjunto de imagens, chamados fotogramas ou frames. Frame

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD Quebrando todas as barreiras da distância Essa compacta Unidade de videoconferência HD KX-VC300, foi projetada para diminuir a distancia, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Aula de Hoje. Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Aula de Hoje Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico O que é um sinal? Como representamos matematicamente um sinal? Qual a diferença entre um sinal contínuo e um sinal

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

MP3 VS AAC. Filipe Paredes, Francisco Silva, Gonçalo Teixeira

MP3 VS AAC. Filipe Paredes, Francisco Silva, Gonçalo Teixeira MP3 VS AAC Filipe Paredes, Francisco Silva, Gonçalo Teixeira Instituto Superior Técnico - Campus do Taguspark Av. Prof. Dr. Cavaco Silva, 2744-016 Porto Salvo, Portugal E-mail: {filipe.paredes, francisco.matias,

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelação, Identificação e Controlo Digital 2-Modelos em Controlo por Computador 1 2 - Modelos em Controlo por Computador Objectivo: Introduzir a classe de modelos digitais que são empregues nesta disciplina

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais