O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES Centro de Ciências Sociais Aplicadas - CCSA Curso de Graduação em Direito Mirena Augusta dos Reis Carvalho O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO Montes Claros MG Abril/2010

2 Mirena Augusta dos Reis Carvalho O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO Monografia apresentada ao Curso de graduação em Direito da Universidade Estadual de Montes Claros como exigência à obtenção do grau de bacharel em Direito. Orientador: Prof. MARCOS ANTÔNIO FERREIRA Montes Claros MG Abril/2010

3 Mirena Augusta dos Reis Carvalho O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO Monografia apresentada ao Curso de graduação em Direito da Universidade Estadual de Montes Claros como exigência à obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. MARCOS ANTÔNIO FERREIRA Membros: MONTES CLAROS MG ABRIL/2010

4 Dedico a presente monografia ao meu filho Danilo, razão de todo o meu esforço. Ao meu esposo, por tanto amor, compreensão e incentivo a mim dispensados. Aos meus pais, por me ensinarem os princípios para a formação do meu caráter e por terem me conduzido ao aprimoramento pessoal e profissional. Às minhas irmãs e às minhas tias Rosália e Rosenita, por terem me incentivado durante toda a minha trajetória da Graduação em Direito.

5 AGRADECIMENTOS À Deus, que me concedeu a vida e ensinou-me a segui-la com honestidade e honradez na busca de meus objetivos. Ao meu orientador, Dr. Marcos Antônio, exímio jurista, pelos inestimáveis ensinamentos jurídicos. Ao professor Fernando Pereira Jorge, pelas valorosas contribuições para o meu aperfeiçoamento profissional. Aos mestres que tive na graduação, pelos conhecimentos transmitidos. Por fim, aos amigos que me ajudaram na elaboração deste trabalho.

6 De tudo ficaram três coisas: a certeza de que estamos sempre começando... a de que precisamos continuar... e a de que seremos interrompidos antes de terminar...mas é possível, e aí esta o ponto fundamental, fazer da interrupção um novo caminho, da queda um passo de dança, do medo, uma escada e do sonho, uma ponte. Fernando Pessoa

7 RESUMO A presente pesquisa analisa a inserção do interrogatório por videoconferência no processo penal brasileiro, dando enfoque para o estudo de sua viabilidade e, principalmente, da sua constitucionalidade. Pois, embora tal ato seja verdadeiro avanço para a prática forense, servindo para agilizar o andamento processual e reduzir custos com o deslocamento de presos, aparentemente, contraria garantias individuais previstas na Constituição Federal e outras normas processuais. Para tanto, são examinados alguns princípios que o norteiam, notadamente, o da Ampla Defesa, do Contraditório e do Devido Processo Legal; bem como a Lei nº /2009, que introduziu o ato no ordenamento jurídico. Abordam-se, também, as posições doutrinárias e jurisprudenciais favoráveis e contrárias à sua adoção. Palavras-chave: Interrogatório. Videoconferência. Viabilidade. Constitucionalidade.

8 ABSTRACT This research examines the integration of the interrogation process by videoconference in criminal justice, focusing for the study of its feasibility, and especially of its constitutionality. For although such act is a real step forward for forensic practice, serving to accelerate the procedural and reduce procedural costs with moving inmates, apparently in opposition to individual guarantees provided by the Constitution and other procedural rules. To this end, we examine some principles that guide, specially the Full Defense, Contradictory, Due Process and the Law nº /2009, who introduced the act in the legal system. It addresses also the doctrinal and jurisprudential positions for and against its adoption. Keywords: Interrogation. Videoconferencing. Viability. Constitutionality.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTERROGATÓRIO Etimologia e Conceito Natureza Jurídica Necessidade e reinterrogatório Características Publicidade Pessoalidade Oralidade Individualidade Espontaneidade Local do interrogatório Conteúdo Direitos do réu Direito ao silêncio Direito de defesa O interrogatório e as modificações ocorridas com o advento da Lei nº / O interrogatório e as modificações introduzidas pelas Leis nº /08 e nº / CAPÍTULO II INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA A tecnologia no Direito Conceito e Procedimento Histórico Direito Comparado Princípios relacionados ao Interrogatório por Videoconferência Princípio da Publicidade Princípio do Juiz Natural Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Princípio da Identidade Física do Juiz

10 2.5.5 Princípio do Contraditório e da Ampla Defesa Princípio da Celeridade Processual Princípio do Devido Processo Legal CAPÍTULO III O INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERÊNCIA NA DOUTRINA E NA JURISPRUDÊNCIA Análise da Lei nº / A jurisprudência acerca do interrogatório por videoconferência A controvérsia em torno da videoconferência criminal Posição contrária à realização da videoconferência no Processo Criminal Posição favorável à realização de videoconferência no Processo Penal CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

11 10 INTRODUÇÃO Com a edição da Lei nº /09, o interrogatório por videoconferência foi introduzido no processo penal brasileiro a fim de viabilizar tecnicamente a realização de audiências à distância, resguardando a visão, a audição, a comunicação entre juiz, réu, advogados e Ministério Público. Assim, o juiz, sem se deslocar do fórum, pode inquirir o acusado, que se encontra no presídio. Embora o sistema de videoconferência permita a transmissão nítida de imagens e sons entre a sala do fórum e a sala do presídio, com perfeita qualidade e em tempo real, a sua adoção é criticada por alguns juristas sob os argumentos de que o mesmo viola princípios constitucionais, como o Devido Processo Legal, do Contraditório e da Ampla Defesa, entre outros, e normas processuais. Com base nessa polêmica, o presente trabalho foi desenvolvido buscando analisar a viabilidade e a constitucionalidade desta nova modalidade de interrogatório, tendo em vista que não é possível existir num Estado Democrático de Direito normas processuais penais distanciadas da Constituição da República Federativa do Brasil. Para iniciar o estudo, no primeiro capítulo, faz-se uma abordagem do interrogatório explicando, dentre outros pontos, o seu conceito, a sua natureza jurídica, as suas características, as principais alterações legislativas a fim de se obter uma melhor compreensão desse instituto. O segundo capítulo trata do conceito e do funcionamento do interrogatório por videoconferência, bem como das experiências desse sistema em outros países e no Brasil e, também, dos princípios constitucionais e infraconstitucionais que norteiam o tema. O estudo é realizado, principalmente, com o objetivo de verificar se esse ato respeita os direitos e as garantias do réu no processo. Por fim, no terceiro capítulo, analisam-se os dispositivos da Lei nº /09 que regulam o interrogatório por videoconferência, visando conhecer o tratamento dado por essa Lei ao ato. Posteriormente, citam-se decisões dos tribunais nacionais acerca da validade de teleinterrogatórios e teledepoimentos realizados em várias partes do país e explanam-se os posicionamentos dos operadores do direito a respeito do assunto, ilustrando a divergência que há no campo jurídico acerca da matéria.

12 11 CAPÍTULO I INTERROGATÓRIO 1.1 Etimologia e Conceito O vocábulo interrogatório tem sua origem no latim interrogatorius, de interrogare, que significa perguntar, fazer perguntas, inquirir. Assim, interrogatório significa o conjunto de perguntas ou indagações promovidas pelo juiz no curso do processo ao acusado. Para Fernando Capez, o interrogatório é ato judicial no qual o juiz ouve o acusado sobre a imputação contra ele formulada (...).(CAPEZ, Fernando; 2009, p. 350) É o interrogatório, portanto, o ato fundamental em que o juiz interroga, inquiri o acusado acerca da imputação que lhe é formulada, colhendo, assim, informações para o seu convencimento. É o momento em que o juiz pode estabelecer contato direto com o acusado, lhe questionar sobre pontos obscuros, e que este, no exercício de sua defesa pessoal, pode apresentar a sua versão defensiva aos fatos que lhe foram imputados pela acusação, podendo até mesmo indicar meios de prova, assim como confessar, se entender cabível, ou ainda conservar-se em silêncio, informando simplesmente dados de qualificação. 1.2 Natureza Jurídica A natureza jurídica do interrogatório é assunto de grande divergência doutrinária, pois larga é a discussão se este instituto é meio de prova, meio de defesa ou de ambas. A doutrina que afirma ser o interrogatório meio de prova justifica-se no fato de que este ato judicial recebeu tratamento pelo Código de Processo Penal (CPP) no Capítulo III, do Título VII, destinado às provas em espécie. Já a doutrina que considera o interrogatório meio de defesa tem como fundamento principal o fato de o réu poder invocar o direito ao silêncio, sem nenhum prejuízo à culpabilidade. Aduzem, ainda, que é neste ato processual que ocorre a materialização de um dos direitos da ampla defesa assegurada pela Constituição Federal de 1988, qual seja, o direito de autodefesa. Uma vez que esta é a oportunidade de o réu, caso queira, esboçar a versão dos

13 12 fatos que lhe é própria, inclusive, mentir para se livrar da imputação, ou evocar o direito ao silêncio. Neste sentido é a posição de Ada Pellegrini, Scaranze Fernandes, Gomes filho, Tourinho Filho, Nestor Távora. A primeira conseqüência de se reconhecer o interrogatório como meio substancial de defesa é a impossibilidade de o imputado sofrer prejuízos por ter invocado o direito ao silêncio, já que este não pode levar à presunção de culpa. A segunda é a impossibilidade de se conduzir coercitivamente o acusado que mesmo citado pessoalmente, deixa de comparecer ao ato. Pois a ausência deve ser considerada expressão da autodefesa, evitando-se, assim, o constrangimento de conduzir o réu, mesmo a contragosto, para a audiência. Por fim, a terceira conseqüência é a impossibilidade de se decretar a revelia do réu ausente, porque a sua ausência não poderá acarretar prejuízos processuais. (NESTOR, Távora, ALENCAR, Rosmar Rodrigues, 2009, p. 346) Ainda que se quisesse ver o interrogatório como meio de prova, só o seria em sentido meramente eventual, em face da faculdade de o causado não responder. A autoridade estatal não pode dispor dele, mas deve respeitar sua liberdade no sentido de defender-se como entender melhor, falando ou calando-se. O direito ao silêncio é o selo que garante o enfoque do interrogatório como de defesa e que assegura a liberdade de consciência do acusado. (GRINOVER, Ada Pellegrini; FERNANDES, Antonio Scarance; GOMES FILHO, Antônio Magalhães, 2004, p. 96) Para uma terceira corrente, que tem prevalecido, o interrogatório tem natureza jurídica híbrida, é um meio de defesa, em virtude das várias prerrogativas dadas ao réu pela legislação, como também é meio de prova, pois todo o material colhido na inquirição servirá na formação do convencimento do julgador. É o entendimento do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça. É também a posição de Mirabete, Denílson Feitoza Pacheco, dentre outros. Existe, ainda, uma quarta posição que considera o interrogatório como meio de defesa, primordialmente, e como meio de prova, subsidiariamente. É o posicionamento de Guilherme de Souza Nucci, que preconiza: [...] o interrogatório é, fundamentalmente, um meio de defesa, pois a constituição assegura ao réu o direito ao silêncio. Logo, a primeira alternativa que se avizinha ao acusado é calar-se, daí não advindo conseqüência alguma. Defende-se apenas. Entretanto, caso opte por falar, abrindo mão do direito ao silêncio, seja lá o que disser, constitui meio de prova inequívoco, pois o magistrado poderá levar em considerações suas declarações para condená-lo ou absolve-lo. (NUCCI, Guilherme de Souza, 2008, p. 422)

14 Necessidade e reinterrogatório A prática do interrogatório deve ser obrigatoriamente oportunizada durante toda a persecução penal, pois enquanto a sentença não transitar em julgado, sempre que possível, o magistrado deve dar ao réu a oportunidade de ser ouvido, sob pena de nulidade, conforme prevê o art. 564, inciso III, e, do CPP. Verifica-se, porém, a existência de nulidade apenas quando há supressão arbitrária desse ato pela autoridade judicial. Pois, se o réu for intimado regularmente e não comparecer à audiência de instrução e julgamento, impossibilitando a realização do interrogatório, não há que se falar em nulidade. Desta feita, o que não é aceitável é a dispensa desse ato judicial pelo magistrado, a não requisição do réu preso e, em caso de tê-la havido, o poder público não providenciar o seu comparecimento (art. 399, 1º, CPP). Tal nulidade é considerada por Nestor Távora como absoluta. Entretanto, prevalece o entendimento de que a nulidade é de natureza relativa, devendo a defesa argui-la no momento oportuno, sob pena de preclusão, e demonstrar o prejuízo. É a posição de Mirabete, Nucci e do Supremo Tribunal Federal. No Tribunal do Júri, por sua vez, é admissível o pedido de dispensa de apresentação do réu preso para a sessão de julgamento desde que esteja subscrito pelo mesmo e por seu defensor (art. 457, 2º, CPP). Quanto à realização de um novo interrogatório, o CPP prevê que o juiz poderá realizá-lo a todo tempo, de ofício ou a requerimento das partes (art. 196, CPP), já que inúmeras são as situações que o justifica. Por exemplo, quando o acusado, que confessou no primeiro interrogatório, resolve retratar-se, o que é permitido (art. 200, CPP), ou quando surge uma prova nova, desejando o réu manifestar-se sobre a mesma. Entretanto, após a reforma do procedimento da instrução criminal introduzida pela Lei nº /2008, determinando que a audiência de instrução e julgamento seja realizada em uma única assentada, restou prejudicada a possibilidade de se repetir o interrogatório do acusado no juízo de primeiro grau. Segundo preceitua o artigo 616, do CPP, até mesmo no julgamento das apelações, a câmara ou turma julgadora pode proceder a novo interrogatório do réu.

15 Características Publicidade A publicidade é uma característica peculiar aos atos processuais. Assim, como o interrogatório integra o processo, este ato, como regra, deve ser realizado a portas abertas. Tal garantia processual tem previsão na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 93, IX, que dispõe serem públicos todos os julgamentos realizados pelos órgãos do Poder Judiciário, ressalvando, porém, que a lei poderá restringir a presença em determinados atos, às próprias partes e seus advogados, ou somente a estes, quando a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o interesse público à informação. No mesmo sentido, prevê o CPP, como regra, a publicidade das audiências, sessões e demais atos processuais. Assim, até mesmo quando o ato for realizado no estabelecimento prisional, esta característica estará assegurada (art.185, 1º, do CPP). O sigilo dos atos judiciais deve circunscrever-se aos casos em que haja risco de escândalo, inconveniente grave ou perturbação da ordem. (art. 792, 1º, CPP). Cumpre, ainda, destacar que a publicidade dos atos processuais também está prevista no Pacto Internacional dos Direito Civis e Políticos, adotado pela Resolução n A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 16 de dezembro de 1966, ratificado pelo Brasil em 24 de janeiro de 1992; bem como na Convenção Americana dos Direitos e dos Deveres do Homem, mais conhecida como Pacto de São José da Costa Rica, adotada e aberta à assinatura na Conferência Especializada Interamericana de Direitos Humanos, realizada na cidade de San Jose da Costa Rica, em 22 de novembro de 1966, ratificada pelo Brasil em 25 de setembro de Pessoalidade O interrogatório é ato pessoal, ou seja, só o acusado pode ser interrogado, não se admitindo, portanto, representação, substituição ou sucessão. Dessa forma, não há possibilidade do defensor do réu, ou do curador do menor acusado, poder ser ouvido em seu

16 15 lugar. Pois, a legislação processual permite apenas que o advogado, em caso de ausência do réu, se faça presente para justificá-la e não para prestar depoimentos no lugar do cliente. No que tange ao interrogatório da pessoa jurídica, cabe ressaltar que o CPP é omisso no tratamento do tema, assim como a Constituição Federal de 1988 que apenas idealizou em seu artigo 225, 3º, a responsabilidade penal da pessoa jurídica para os crimes ambientais, sem tecer maiores considerações sobre o procedimento. Por isso, como não há previsão legal acerca do interrogatório da pessoa jurídica, utiliza-se das disposições do Código Processo Civil. Nessa senda, realiza-se a citação da pessoa jurídica na figura da pessoa indicada no respectivo estatuto, ou, em caso de falta de designação, nos seus diretores. Ao interrogatório, comparecerá a pessoa designada por instrumento de preposição, a qual poderá prestar informações, inclusive confessar, vinculando no que disser a ré, ou utilizar-se do direito ao silêncio Oralidade O interrogatório, como regra, deve ser realizado de forma oral. Isto porque a palavra falada tem o condão de conferir fidelidade e espontaneidade ao ato. O tom de voz, os gestos, a espontaneidade do réu ao responder às perguntas são importantes elementos de formação da convicção do juiz a seu respeito. No ordenamento jurídico vigente, o juiz formula as perguntas para o acusado, em seguida o réu responde as perguntas formuladas pelo Ministério Público e depois pelo próprio defensor, e as respostas, no essencial, são registradas nos autos. A oralidade, como já mencionado, não é característica essencial ao ato, pois a legislação processual prevê como exceção, no artigo 192, do CPP, regras para o interrogatório do mudo, do surdo, do surdo-mudo. Ao acusado mudo, as perguntas são realizadas oralmente e as respostas na forma escrita. Aos surdos, as perguntas são escritas e as respostas são orais. Já no caso de o imputado ser surdo-mudo, as perguntas e as respostas são escritas. Porém, se estes forem analfabetos ou, também, deficientes visuais, intervirá, sob compromisso, pessoa capacitada para entendê-los. Caso o imputado não fale a língua nacional, o interrogatório será realizado por meio de intérprete, ainda que as pessoas na sala de audiência dominem a língua estrangeira. Nesse ponto, é importante destacar que, mesmo que o juiz fale a língua do acusado, não

17 16 poderá interrogá-lo sem intérprete, haja vista que o artigo 193 do CPP é contundente e induvidoso acerca disso. Essa formalidade, contudo, poderá ser dispensada, se a língua estrangeira assemelhar-se a da nacional, como o português de Portugal Individualidade No caso de haverem co-réus para serem inquiridos, cada acusado será interrogado pessoalmente, para que nenhum assista previamente ao depoimento dos outros, conforme prescrito no artigo 191 do CPP. Carlos Henrique Bórlido Haddad justifica a razão de ser individual a inquirição dos co-réus: [...] A presença dos comparsas poderia constranger o interrogando, que não declararia com toda liberdade. Um ouviria o outro, facilitando o entendimento entre si, a mais das vezes, autores de delitos em concurso de pessoas, com prévia conjunção de vontade e de esforços, e dificultando ao juiz descobrir alguma contradição nas declarações [...] Por fim, a impossibilidade de se questionar todos os acusados ao mesmo tempo, porquanto as respostas simultâneas dificultariam a consecução do ato e interfeririam na ordem processual. (HADDAD, Carlos Henrique Bórlido, 2000, p. 97) Espontaneidade O interrogatório deve ser realizado sem a utilização de qualquer meio ilegal, pois o acusado deve ser livre de pressões ou de constrangimentos para que possa responder as perguntas espontaneamente. Dessa forma, ainda que haja consentimento do réu, não é admitida a utilização de aparelhos detectores de mentira no processo penal, sob pena de nulidade. Do mesmo modo, se o juiz ou o órgão acusador intimidar o réu, o interrogatório será invalidado.

18 Local do interrogatório Tratando-se de réu solto, o interrogatório, em regra, deve ser realizado na sede do juízo ou tribunal competente para julgá-lo pelo delito que lhe foi imputado na denúncia ou queixa. Contudo, é possível também, pela enfermidade ou velhice do interrogado, que o ato seja realizado onde o mesmo se encontre (artigo 200, CPP). Em analogia ao artigo 222 do CPP, tem se admitido que o interrogatório seja realizado mediante precatória, ficando consignadas na carta as perguntas a serem feitas. No caso de réu preso, por sua vez, a regra é a realização do interrogatório no estabelecimento prisional em que o mesmo se encontrar, conforme estatuído no artigo 185, 1º, do CPP. Com a edição da Lei nº /09, houve a introdução do interrogatório por videoconferência no ordenamento jurídico brasileiro. Tema que constitui o principal objeto do estudo e que será explanado em capítulo específico. Nos processos da competência do Tribunal do Júri, o rito processual é especial, bifásico, com duas etapas bem distintas: a primeira fase chama-se juízo de admissibilidade, sumário de culpa, judicium accusationis; e a segunda fase, que somente ocorrerá se admitida a acusação pelo juiz sumariante, é denominada como juízo de mérito ou judicium causae. Nessa oportunidade os fatos serão avaliados pelos jurados, sob a presidência do juiz - presidente do tribunal do júri. Assim, quanto ao lugar do interrogatório realizado na primeira fase do procedimento do júri, aplicam-se os mesmos dispositivos mencionados acima. Porém, na segunda fase, o interrogatório do acusado é realizado em plenário. 1.6 Conteúdo O interrogatório é um ato processual composto de duas partes: a primeira de qualificação e a segunda de mérito. Determina o artigo 187, do CPP, que: O interrogatório será constituído de duas partes: sobre a pessoa do acusado e sobre os fatos. No interrogatório de qualificação, o foco é a pessoa do acusado. O magistrado busca obter informações acerca de sua integração na sociedade e de seu desenvolvimento pessoal, fazendo perguntas sobre a sua residência, meios de vida, profissão, lugar onde exerce

19 18 a sua atividade, oportunidades sociais, estado civil, grau de escolaridade e de outros dados familiares e sociais. Além disso, será questionado ao acusado sobre a sua vida pregressa, isto é, se já foi preso ou processado anteriormente e, em caso afirmativo, qual o juízo do processo, se houve suspensão condicional, se condenado, qual a pena imposta e se a mesma foi cumprida. Na segunda fase do interrogatório, o acusado será questionado sobre a procedência da acusação que lhe é feita, sobre as provas existentes e, caso confesse o crime, será questionado sobre os motivos que o levaram a praticá-lo, bem como acerca das circunstâncias do fato, e da participação de outras pessoas. Caso negue a autoria delitiva, poderá prestar esclarecimentos, atribuí-la a terceiros e indicar provas. Resumidamente, o juiz deve observar o disposto no artigo 187, 2º, do CPP, podendo, também, formular qualquer pergunta que julgar necessária para o esclarecimento da verdade e para formação de sua convicção. Depois de esgotadas as perguntas do juiz, terão vez, na seqüência, a acusação e a defesa. Se o juiz negar-se a fazer a pergunta formulada pela acusação ou pela defesa, o fato ficará consignado no termo de audiência, inclusive, com a reprodução da pergunta feita e com o fundamento da denegação, para eventual uso posterior pela parte interessada. Frise-se, por fim, que o réu não está obrigado a responder as perguntas, porquanto tem o direito constitucionalmente assegurado ao silêncio. Devendo, então, selecionar o que lhe é ou não conveniente responder. 1.7 Direitos do réu Direito ao silêncio No ordenamento jurídico brasileiro, calar nem sempre significou exercício da preservação da intimidade. O silêncio do acusado, por longo período, foi interpretado como assunção da culpa. Com a edição do Decreto-lei 3.689, de 03 de outubro de 1941, o atual CPP, o direito ao silêncio recebeu tratamento no capítulo relativo ao interrogatório do acusado, no

20 19 artigo 186. Tal dispositivo previa que o juiz, antes de iniciar o interrogatório, deveria advertir o réu que, embora o mesmo não fosse obrigado a responder às perguntas que lhe eram formuladas, o seu silêncio poderia ser visto em prejuízo de sua defesa. A Constituição Federal de 1988, todavia, não recepcionou a última parte do artigo 186, do CPP, que autorizava o juiz a interpretar o silêncio do réu em seu prejuízo. Pois, ao prever no artigo 5º, inciso LXIII, que o preso será informado de seus direitos, dentre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado, o direito ao silêncio foi consagrado e edificado como direito e garantia fundamental. Uma proteção contra a auto-incriminação (nemo tenetur se ipsum accusare). Traduzindo-se como exercício do direito à individualidade e à personalidade, baseado no princípio maior que é a dignidade da pessoa humana, norteadora das relações interpessoais e da relação Estadoindivíduo. Embora a Lei Fundamental tenha empregado no art. 5º, LXIII o vocábulo preso para determinar o destinatário da garantia, a doutrina e a jurisprudência tem feito uma interpretação extensiva desse dispositivo, estendendo-a a toda e qualquer pessoa que esteja sendo processado criminalmente, tendo em vista que o silêncio decorre do direito contra a auto-incriminação, o qual protege o indivíduo de produzir provas a ele desfavoráveis ou de praticar atos que prejudiquem sua defesa. O Supremo Tribunal Federal, na mesma diretriz, tem entendimento consolidado no sentido de que, qualquer pessoa que preste depoimento, seja na qualidade de acusado, de preso, de vítima ou de testemunhas, poderá invocar o direito ao silêncio a fim de impedir a auto-incriminação, conforme decidido no Habeas Corpus (HC) o privilégio contra auto-incriminação (...) traduz direito púbico subjetivo, de estatura constitucional, assegurado a qualquer pessoa pelo art. 5º, inciso LXIII, da nossa Carta Política (MELLO, Celso; 2000). Em se tratando de preso, na acepção literal da palavra, cabe lembrar que o direito de permanecer calado deve lhe ser informado antes de prestar suas declarações para o delegado na fase extrajudicial e antes de ser interrogado na fase judicial. No âmbito internacional, a prerrogativa individual da não auto-incriminação está prevista na Convenção Americana sobre Direitos Humanos, conhecida como Pacto de São José da Costa Rica, que dispõe em seu art.8º, 2º, g, ser garantia judicial o direito da pessoa de não ser obrigada a depor contra si, nem se confessar culpada. Em disposições semelhantes, a garantia encontra-se, também, inserida no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos em seu art º, g. Com a adesão do Brasil a esses tratados, as regras

21 20 referentes ao direito ao silêncio neles previstos solidificaram o seu caráter imperativo e de direito individual. Evidenciando novamente o caráter de direito internacionalmente protegido, o direito ao silêncio, também, foi inserido nos dispositivos que regulam o Tribunal Penal Internacional, assegurando, no inquérito, que ninguém pode ser obrigado a depor contra si, nem a se declarar culpado (art. 55, n.1, a) e ao acusado, o direito de não ser obrigado a depor contra si próprio, a permanecer calado e a não se declarar culpado, sem que isto influencie na determinação de sua culpa ou de sua inocência (artigo 67, n.1, g). Em 2003, como manifestação e efetivação da garantia da ampla defesa, entrou em vigor a Lei nº , alterando significativamente as regras relativas ao interrogatório do réu, ao dizer que o silêncio do acusado não pode ser interpretado em prejuízo da sua defesa, bem como não implica em confissão. Com isso, ficou a cargo do Estado obter os meios suficientes para comprovar a culpabilidade do réu, sem precisar utilizar do depoimento do mesmo para tanto. Em suas lições, esclarece Guilherme de Souza Nucci: [...] É preciso abstrair, por completo, o silêncio do réu, caso o exerça, porque o processo penal deve ter instrumentos suficientes para comprovar a culpa do acusado, sem a menor necessidade de se valer do próprio interessado para compor o quadro probatório da acusação. Se o Estado ainda não atingiu meios determinantes para tanto, tornando imprescindível ouvir o réu para formar a sua culpa, é porque se encontra em nítido descompasso, que precisa ser consertado por outras vias, jamais se exigir que a ineficiência dos órgãos acusatórios seja suprida pela defesa. (NUCCI, Guilherme de Souza, 2008, p. 431) Importante ressaltar que o direito ao silêncio é colorário dos Princípios do Devido Processo Legal, do Contraditório e da Ampla Defesa. Inclusive, a prerrogativa de silenciar é efetivada por meio do direito a ampla defesa, ou melhor, no exercício da defesa própria. Neste sentido, esclarece Antonio Scarance Fernandes que o direito ao silêncio é garantia relacionada com a ampla defesa na medida em que serve para resguardar o preso, o investigado e o acusado, propiciando uma maior amplitude de defesa. (FERNANDES, Antonio Scarance; 2002, p. 278) A garantia constitucional do direito ao silêncio também guarda ligação com o direito à intimidade e à vida privada consubstanciados no artigo 5º, inc. X, da Constituição Federal de Relaciona-se, também, com a presunção de inocência, princípio originário das idéias liberais do século XVIII, positivado com a Declaração Universal dos Direitos do

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. NELSON GOETTEN) Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941 Código de Processo Penal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17

SUMÁRIO. CAPÍTULO II - Polícia Judiciária Militar... 17 1 Polícia Judiciária Militar... 17 Direito Processual Penal Militar - 4ª Edição SUMÁRIO CAPÍTULO I Princípios... 13 1 Princípios aplicados no processo penal militar... 13 2 Lei do processo penal militar e sua aplicação... 15 3 Aplicação

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

Interrogatório por Videoconferência

Interrogatório por Videoconferência Interrogatório por Videoconferência Ronaldo Saunders Monteiro Mestrando em Direito Público pela Universidade Estácio de Sá-RJ O interrogatório feito por meio de videoconferência é um assunto que está tomando

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer.

Os processos criminais em segunda instância são submetidos à análise da Douta Procuradoria de Justiça para a elaboração de parecer. SÚMULA ABERTURA DE VISTA DOS AUTOS, EM SEGUNDA INSTÂNCIA, PARA A DEFENSORIA PÚBLICA APÓS A APRESENTAÇÃO DO PARECER PELO MINISTÉRIO PÚBLICO PARIDADE DE ARMAS - HOMENAGEM AO CONTRADITÓRIO E À AMPLA DEFESA

Leia mais

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência?

3. Quais são as restrições existentes, se as houver, quanto ao tipo de provas que podem ser obtidas através de videoconferência? Itália 1. É possível a obtenção de provas através de videoconferência com a participação de um tribunal do Estado-Membro requerente ou directamente por um tribunal desse Estado-Membro? Em caso afirmativo,

Leia mais

LAI e PAD OGU MAIO - 2014

LAI e PAD OGU MAIO - 2014 LAI e PAD OGU MAIO - 2014 Experiência Internacional Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 19): Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

WWW.FELIPECALDEIRA.COM.BR

WWW.FELIPECALDEIRA.COM.BR ESCOLA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EMERJ Disciplina: Direito Processual Penal Professor: Felipe Machado Caldeira (felipe.caldeira@gmail.com) Tema: A Reforma do Código de Processo Penal:

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I PROVAS... 13 1. Introdução... 13 2. Das provas aspectos gerais (arts. 155 a 157 do CPP)... 13 3. Ônus da prova, provas antecipadas e provas de ofício... 14 4. Prova

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF)

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MATRICULA:12/0138573 ALUNO:WILSON COELHO MENDES PROFESSOR:VALLISNEY OLIVEIRA TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) Teoria geral do Processo II Princípio:Juiz natural, com observações

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES

A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES A INTIMAÇÃO DO ADVOGADO CONSTITUÍDO PELO RÉU DAS DECISÕES NO PROCESSO PENAL ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado e advogado I A INTIMAÇÃO DA SENTENÇA AO RÉU DISSONÂNCIA DA DOUTRINA

Leia mais

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e

autoridade consular brasileira competente, quando homologação de sentença estrangeira: (...) IV - estar autenticada pelo cônsul brasileiro e COMPARATIVO ENTRE A RESOLUÇÃO N. 9 E A EMENDA REGIMENTAL N. 18 DO STJ EMENDA REGIMENTAL N. 18 (2014) RESOLUÇÃO N. 9 (2005) Art. 1º O Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça passa a vigorar acrescido

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Buscas e apreensões em escritórios dos advogados à luz do novo CPP Roberto Raposo Janeiro 2011 -o nível do desenvolvimento civilizacional -ser avaliado pelo grau de equilíbrio -poder dever punitivo do

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Dispõe sobre a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo eletrônico no Poder Judiciário do Estado de Goiás. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Órgão Especial, no exercício

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015

Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Dinâmica de Defesa em sede de Inquérito As buscas e as declarações do arguido Delegação da Amadora 9 de julho de 2015 Art.º 64º Obrigatoriedade de assistência Art.º 141º Primeiro interrogatório judicial

Leia mais

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades

Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades Remédio constitucional ou remédio jurídico, são meios postos à disposição dos indivíduos e cidadão para provocar a intervenção das autoridades competentes, visando sanar ilegalidades ou abuso de poder

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

1. RECURSO DE APELAÇÃO

1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Sentença condenatória. - Sentença absolutória. - Sentença de absolvição sumária no âmbito do Tribunal do Júri, nos termos do art. 415 do CPP. - Decisão

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Site Jurídico S.O.S Estagiários (www.sosestagiarios.com) Trabalhos Prontos Gratuitos LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEI DE ARBITRAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA Nos primórdios da sociedade romana, surgiu o instituto da arbitragem como forma de resolver conflitos oriundos da convivência em comunidade, como função pacificadora

Leia mais

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos

A PRISÃO DO DIREITO PENAL. Aurélio Wander Bastos A PRISÃO DO DIREITO PENAL Aurélio Wander Bastos O moderno Direito Penal Brasileiro tem evoluído em três grandes linhas teóricas: a do Direito Penal Comum, que trata principalmente da criminalidade comum;

Leia mais

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO AULA 07.1 - INTRODUÇÃO TERMINOLOGIAS NO No processo do trabalho há um dialeto próprio, que define: -O AUTOR como sendo o RECLAMANTE; -O RÉU como sendo do RECLAMADO. 1 2 DO O direito

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal

sem necessidade de transcrição. quando for de sua preferência pessoal Solicito informações a respeito do posicionamento jurisprudencial atualizado a respeito da necessidade de degravação dos depoimentos prestados nas audiências gravadas por meio audiovisual. Explico: a Defesa

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 14/2015-CM PROVIMENTO N. 14/2015-CM Estabelece a rotina de realização das Audiências de Custódia junto à 11ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá. O PRESIDENTE DO CONSELHO DA MAGISTRATURA DO, no uso das suas atribuições,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 44, de 2012 (Projeto de Lei nº 4.097, de 2004, na Casa de origem), do Deputado Zenaldo Coutinho,

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais

CONARQ OGU AGOSTO - 2014

CONARQ OGU AGOSTO - 2014 CONARQ OGU AGOSTO - 2014 Experiência Internacional Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 19): Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal

Ambos os recursos de estrito direito têm a sua causa de pedir prevista na Constituição Federal Interposição: perante o órgão prolator da decisão Recurso Especial Nomenclatura: REsp Competência: Superior Tribunal de Justiça STJ Prazo para interposição 15 dias; Recurso Extraordinário Nomenclatura:

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

PORTARIA DIREF Nº 068 DE 27 DE ABRIL DE 2015

PORTARIA DIREF Nº 068 DE 27 DE ABRIL DE 2015 1 de 6 29/4/2015 13:10 SEÇÃO JUDICIÁRIA DE MINAS GERAIS PORTARIA DIREF Nº 068 DE 27 DE ABRIL DE 2015 Cria a Central Eletrônica de Videoconferências - CELEVI na sede da Seção Judiciária de Minas Gerais

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça de 11 02/12/2015 08:34 Conselho Nacional de Justiça Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS - 0004736-66.2015.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL DE RONDÔNIA Requerido: TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na

1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na 1) (OAB137) José alienou a Antônio um veículo anteriormente adquirido de Francisco. Logo depois, Antônio foi citado em ação proposta por Petrônio, na qual este reivindicava a propriedade do veículo adquirido

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO 121 EXECUÇÃO FISCAL. QUESTÕES RELEVANTES SOBRE AS AÇÕES RELATIVAS ÀS PENALIDADES ADMINISTRATIVAS IMPOSTAS AOS EMPREGADORES PELOS ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO SUMÁRIO Lucilde D Ajuda

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

INTER E PR P ET E A T Ç A Ã Ç O Ã O D A D A LE L I E

INTER E PR P ET E A T Ç A Ã Ç O Ã O D A D A LE L I E INTERPRETAÇÃO DA LEI PROCESSUAL ART. 3º DO CPP INTERPRETAÇÃO É a atividade mental realizada com objetivo de extrair a norma legal o seu conteúdo, estabelecendo seu âmbito de incidência e exato sentido.

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual.

A propositura da ação vincula apenas o autor e o juiz, pois somente com a citação é que o réu passa a integrar a relação jurídica processual. PROCESSO FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO FORMAÇÃO DO PROCESSO- ocorre com a propositura da ação. Se houver uma só vara, considera-se proposta a ação quando o juiz despacha a petição inicial; se houver

Leia mais

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL CRISTIANE APARECIDA ROSA DIALUCE 1 GUILHERME JORGE DO CARMO SILVA 2 VÂNIA MARIA BEMFICA GUIMARÃES PINTO COELHO 3 RESUMO O presente estudo vem à lume apresentar

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Turma de Procuradores de Justiça Criminal para Uniformização de Entendimentos ASSENTO nº 010/2009 Ministério Público do Estado de Mato Grosso I) A gravação audiovisual da audiência nos processos criminais não é obrigatória. A regra do art. 405, 2º do CPP é norma de natureza permissiva,

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais