Videoconferência: H.323 versus SIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Videoconferência: H.323 versus SIP"

Transcrição

1 Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e os serviços providos pelo padrão SIP (Session Initiation Protocol) para os serviços de videoconferência. Este artigo não tem a finalidade de apresentar os detalhes de especificação dos dois protocolos, envolvendo as pilhas, camadas, sub protocolos associados, procedimentos de call setup, etc., mas sim de apresentar uma análise comparativa e de tendências de utilização dos mesmos. O detalhamento de funcionamento dos dois protocolos pode ser encontrado na bibliografia indicada. Fábio Lúcio Soares Gomes Engenheiro eletrônico e de telecomunicações (PUC-MG, 1981), pós-graduação em sistemas de telecomunicações (IEC/PUC-1988). Residiu na Itália por três meses, onde se especializou em sistemas eletrônicos de informação para aeroportos. Trabalhou na Comissão Coordenadora do Projeto Aeroporto Internacional de Confins (Belo Horizonte) como engenheiro responsável pela implantação dos sistemas eletrônicos do Terminal de Passageiros. Foi professor da cadeira de Eletrônica do curso de Engenharia Elétrica do CEFET-MG, tendo também ministrado treinamentos nas áreas de Lógica digital, sistemas de captura e distribuição de imagens. Atuou na área de desenvolvimento de sistemas para supervisão e controle integrados a sistemas de satélites de baixa órbita. Atualmente, trabalha na Vice Presidência de Tecnologia da Informação (VITEC) da Caixa Econômica Federal, onde participou dos projetos de comunicação via satélite para o Programa Bolsa Escola, e do Programa de Colaboração Visual (Videoconferência na Caixa Econômica Federal). Hoje integra a equipe responsável pelo projeto e implantação dos dois complexos Datacenter da CAIXA, pertencentes ao Programa Ambiente de Alta Disponibilidade de TI. É autor do livro Videoconferência Sistemas e Aplicações. Categoria: Banda Larga 1

2 Nível: Intermediário Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 28/05/2007 2

3 Videoconferência: Introdução A videoconferência começou efetivamente a ser realizada por volta da década de 1960 através de conexões ponto a ponto, de elevado custo, com o objetivo de se prover a comunicação entre pessoas em diversos locais geográficos com recursos de áudio e vídeo. Foi a partir de 1956, que testes envolvendo sistemas de videoconferência começaram a ser realizados. Foi neste ano que a AT&T testou seu PicturePhone, o qual foi posteriormente lançado em 1964 em uma feira mundial em Nova York. 3

4 Videoconferência: H Conceitos Inicialmente, os serviços de videoconferência começaram a ser realizados através da Rede Digital de Serviços Integrados (RDSI) e dentro deste âmbito o CCITT (posteriormente nomeado ITU-T) elaborou, em 1990, a recomendação H.320 que definia os critérios e especificações para videoconferência neste ambiente. Com a multiplicação das redes locais e o elevado crescimento da internet, o protocolo IP foi se tornando gradativamente um padrão de facto de convergência de serviços. Desta forma, entre 1993 a 1996, foi preparada pelo Grupo de Estudo 15 da ITU-T, e aprovada pela resolução no 1 em 8 de Novembro de 1996, a recomendação H.323. A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos padrões e protocolos para transmissão de vídeo, áudio e dados para aplicações em videoconferência. O H.323 nasceu então da necessidade de se estabelecer um padrão para a realização de serviços de videoconferência, envolvendo a definição de protocolos, interoperabilidade entre sistemas e criação de um ambiente padronizado para o usuário final. O padrão H.323 compreende um conjunto de especificações que define várias entidades, protocolos e procedimentos para comunicação multimídia sobre rede de pacotes. Figura 1: Videoconferência em rede mista ISDN e IP. A figura 1 ilustra uma rede mista ISDN (H.320) e IP (H.323) para serviços de videoconferência. As entidades definidas pelo H.320 e H.323 são apresentadas a seguir. Endpoints (Terminais) Os endpoints constituem uma entidade H.323 que provêm comunicação em tempo real para serviços de multimídia. 4

5 Gatekeepers O padrão H.323 define o gatekeeper, em um serviço multimídia, como um servidor de nível de administração, o qual provê serviços para os endpoints (um endpoint pode ser um terminal, um gateway ou mesmo uma Unidade de Controle multiponto). Os serviços providos pelos gatekeepers compreendem: Gateways Resolução de endereços; Controle de admissão; Gerenciamento de banda; Gerenciamento de zona. Os gateways constituem endpoints que provêm a translação de protocolos, como por exemplo, a conversão do protocolo H.320 para o protocolo H.323. Os serviços providos pelos gateways compreendem basicamente: Interoperabilidade entre padrões de áudio/vídeo e redes (H.320/H.323); Conversão de protocolos (procedimentos de comunicação e formatos de transmissão); Conversão de formatos de áudio e vídeo. MCU Multipoint Control Unit (Unidade de Controle Multiponto) Uma MCU (Multipoint Control Unit) ou Unidade de Controle Multiponto é um endpoint de uma rede local que provê recursos para que 3 ou mais endpoints participem de uma conexão multiponto. Uma Unidade de Controle Multiponto é formada por duas entidades H.323: MC: Multipoint Controller ou Controladora Multiponto a qual constitui um componente mandatório na MCU e realiza todo o controle de conexões em uma sessão multiponto; MP: Multipoint Processor ou Processador Multiponto, de caráter opcional. O MC tem a finalidade de prover controle para a realização de conferências multiponto em uma rede, enquanto que o MP (Multipoint Processor) tem a finalidade de prover recursos para uma conferência multiponto através do processamento dos fluxos de áudio e vídeo para distribuição aos endpoints. A recomendação H.323 compreende, portanto, um padrão de jure definido pelo ITU-T e que por ser normalizada, agrega alguns importantes benefícios: Habilidade para integrar comunicações multimídia com outras aplicações IP: O padrão H.323 permite a integração de dados através do padrão T.120, criando novos caminhos para a colaboração com o mundo corporativo; Proteção do investimento das aplicações anteriores: O H.323 permite, através de um gateway, a conversão de protocolos de outros sistemas, tais como H.320 (ISDN) e H.324 (POTS), garantindo a integração destes sistemas com as aplicações H.323; Escalabilidade: O H.323 não limita o crescimento de uma rede. O padrão permite o crescimento do sistema de videoconferência dentro de regras e recomendações seguras para interoperabilidade entre os equipamentos; Interoperabilidade de equipamentos: O H.323 possibilita a interoperabilidade entre equipamentos de vários fabricantes; 5

6 Cross Plataform : O padrão H.323 pode ser utilizado em um ambiente operacional de qualquer plataforma; Gerenciamento de largura de banda: No H.323, a largura de banda ocupada pelos tráfegos de áudio e vídeo é gerenciável, de forma que as conferências podem ser ou não ativadas dependendo da largura de banda disponível na rede ou no segmento de rede dos equipamentos envolvidos. 6

7 Videoconferência: SIP - Conceitos O SIP constitui um protocolo alternativo ao H.323, tendo sido desenvolvido na Universidade de Columbia e posteriormente submetido à aprovação do IETF (Internet Engineering Task Force). Foi aprovado e emitido como RFC 2543 em março de O protocolo SIP é baseado em texto, com características muito similares ao HTTP. Utiliza algumas características do HTTP, tais como regras de codificação e cabeçalhos. O objetivo do SIP é de estabelecer uma sessão entre usuários, oferecendo recursos para localização de usuários, controle de chamada e gerência de participantes em uma conferência. O SIP é um protocolo do tipo cliente-servidor, com sintaxe e semântica similar ao HTTP. As requisições geradas por uma entidade cliente são enviadas para uma entidade do tipo servidor. O servidor processa a mensagem e devolve ao cliente uma resposta. Componentes SIP Tendo como base uma estrutura alicerçada na topologia cliente-servidor, o SIP possui dois componentes: User Agent Client (UAC) O UAC que, como o próprio nome indica, está residente no cliente e tem a finalidade de dar início às chamadas e enviar as requisições. O User Agent pode originar ou terminar uma sessão SIP. O UAC pode ser um telefone SIP, um cliente PC (softphone) ou até mesmo um gateway SIP. User Agent Server (UAS) O UAS, residente no servidor, é responsável pela resposta das requisições feitas pelo UAC. Aplicação SIP Uma aplicação SIP possui basicamente três tipos de servidores distribuídos pela rede: Servidores de Registro Compreende uma entidade que armazena a localização lógica dos UAS dentro dos domínios e dos subdomínios. Os servidores de registro recebem as atualizações sobre a localização corrente de cada usuário e efetuam a resolução dos nomes. Funcionam da mesma forma que os servidores DNS para uma rede web. Utilizam mensagens de registro (Register Messages) para este fim. Servidores Proxy Cabe aos servidores Proxy a tarefa de receber as requisições e enviá-las aos outros servidores. Os outros servidores são denominados next-hop Servers. O servidor next-hop pode ser outro servidor Proxy, um UAS (User Agent Server) ou ainda um servidor de redirecionamento. Servidor de Redirecionamento 7

8 Compreende uma entidade de controle de chamada que provê informação de roteamento ao UAS, concedendo uma URI (Uniform Resource Identifier) alternativa, quando necessário. Basicamente, um servidor de redirecionamento recebe as requisições e determina um servidor next-hop. 8

9 Videoconferência: H.323 versus SIP As principais diferenças entre os protocolos H.323 e SIP são apresentadas a seguir. Filosofia H.323: A filosofia do H.323 foi baseada em padrões bem definidos para comunicação em rede IP com recursos de multimídia. SIP: O protocolo SIP foi desenvolvido para estabelecer uma sessão entre dois pontos. Não estabelece um padrão rígido para o estabelecimento da chamada, não possui suporte para conferência multimídia e a integração com os diversos outros padrões normalmente é deixada à cargo de cada fornecedor. Confiabilidade H.323: Define um número de características para gerenciar falhas de entidades intermediárias da rede. Como exemplo, se um gatekeeper falha, o protocolo está preparado para utilizar um gatekeeper alternativo. Os endpoints H.323 podem se registrar a outro gatekeeper. SIP: O SIP não dispõe de procedimentos para gerenciamento de falhas nos dispositivos. Se um agente SIP falha, não existe meios para que o Proxy venha detectar a falha, exceto se o Proxy enviar mensagens Invite para o dispositivo e aguardar o retorno dentro de um time-out determinado. Além disto, caso o Proxy falhe, o Agente SIP não possui mecanismos para detectar a falha. Definição de Mensagem H.323: Utiliza o padrão ASN.1 (Abstract Syntax Notation 1), extremamente preciso e de fácil entendimento e utilizado por vários sistemas. SIP: Utiliza o padrão ABNF (Augmented Backus-Naur Form) como notação sintática. Codificação das Mensagens H.323: O H.323 codifica as mensagens em um formato compacto binário, adequado para conexões de banda estreita ou de banda larga. SIP: As mensagens SIP são codificadas no formato texto ASCII, adequadas para a leitura. Como conseqüência, as mensagens são maiores e menos adequadas à redes que envolvem requisitos piores para processamento e largura de banda. Protocolos de Transporte Utilizados H.323: RTP/RTCP. SIP: RTP/RTCP. Load Balancing 9

10 H.323: Possui habilidade para efetuar load balance entre endpoints ao longo de um número de gatekeepers alternativos. Em adição, os endpoints reportam sua disponibilidade e capacidade total, de forma que chamadas endereçadas para um conjunto de gateways poderão por exemplo ser melhor distribuídas através dos mesmos. SIP: Não possui recursos para load balancing. Escalabilidade na Sinalização de Chamada H.323: Quando um gatekeeper é utilizado, ele pode prover uma resolução de endereço através de uma troca de mensagens RAS ou ele pode rotear todo o tráfego de sinalização. Em grandes redes, o modelo de conexão direta (canal H.245 aberto entre os dois endpoints) pode ser utilizado, de forma a reduzir a carga de processamento de um gatekeeper. SIP: Não possui estes recursos. Todas as chamadas SIP são endereçadas a um Proxy. Ao Proxy é requerido no mínimo a troca de 3 mensagens para cada chamada. Escalabilidade na Resolução de Endereços H.323: Define uma interface entre o endpoint e o gatekeeper para fins de resolução de endereço. O gatekeeper deve utilizar um determinado protocolo para descobrir o endereço do endpoint de destino, podendo inclusive efetuar um questionamento a outros gatekeepers. SIP: Utiliza o UAS (User Agent Server) para efetuar a resolução de endereço e estes agentes utilizam a primitiva Invite para verificação do endereço nos Proxies. Endereçamento H.323: Possui mecanismos de endereçamento flexíveis os quais incluem URL e padrão de numeração E.164. O H.323 suporta os seguintes aliases: Numeração E.164; ID H.323; URL; Transport Address; Endereços de ; Party number. SIP: Somente permite o endereçamento através de URL. Requisitos Administrativos H.323: O H.323 não requer um gatekeeper. Uma chamada pode ser feita diretamente entre dois endpoints (chamada ponto a ponto). SIP: Não requer um Proxy. Uma chamada pode ser efetuada diretamente entre dois agentes. 10

11 CODEC H.323: O H.323 suporta qualquer CODEC, seja ele padronizado ou proprietário. SIP: Suporta qualquer CODEC registrado na IANA ou outro CODEC cujo nome faz parte de um acordo de atualização. Suporte para Firewall H.323: O H.323 permite a utilização de um Proxy H.323, na verdade um gateway H.323/H.323, onde pode ser instalado um Firewall. SIP: Provido pelo Proxy SIP. Protocolo de Transporte H.323: Pode utilizar um protocolo na camada de transporte com serviço de conexão confiável ou não confiável. As conexões de admissão e registro são feitas através de protocolo UDP, enquanto que o canal H.245 é aberto pelo protocolo TCP. SIP: A maioria das entidades SIP utiliza uma camada de transporte com serviço não orientado à conexão. 11

12 Videoconferência: Considerações Finais O cenário atual para os sistemas de videoconferência está dividido em aplicações H.323 e SIP. O SIP possui a vantagem de ter, como fundamento, os protocolos internet, facilitando a integração de serviços com os serviços web, como o Instant Message. Com as raízes fundadas na tecnologia internet, e grande simplicidade, o protocolo SIP facilita a interoperabilidade para as redes de telefonia tradicionais e as aplicações web. Observa-se um crescimento crescente de aplicações SIP voltadas para telefonia VoIP. Os grandes fabricantes mundiais de sistemas de telefonia já têm implementado o SIP para permitir as aplicações de VoIP em suas plataformas. O SIP é um protocolo leve (ligthweight) que permite assim uma convergência mais simplificada dos serviços de telefonia tradicional para os sistemas de voz baseados em internet. Por outro lado, o H.323, apesar de compreender um padrão mais pesado, e de implementação mais detalhada, carrega uma pilha de especificações que, além de garantir a interoperabilidade entre os sistemas, agrega uma gama de serviços adicionais, voltados para aplicações de voz, vídeo e dados. A movimentação do mercado hoje pode ser percebida de uma forma bem peculiar. As implementações para VoIP estão, em sua maioria, sendo realizadas através do SIP, emergindo dos grandes fabricantes de plataformas de telefonia. Estas implementações SIP, além de oferecer as facilidades naturais para a comunicação de voz e interoperabilidade com os protocolos de comunicação entre centrais estão se voltando para em um caminho de busca de convergência para as aplicações de vídeo. Por outro lado, as implementações de videoconferência, iniciaram fundamentadas no H.32x. A partir dos anos 90, os principais fabricantes mundiais, consolidaram suas implementações no guarda-chuva H.323, oferecendo serviços de elevada qualidade para vídeo e voz. Observa-se hoje que a maioria dos fabricantes de equipamentos de videoconferência continua investindo em H.323, face aos recursos providos e apostando na consolidação deste padrão. Infelizmente, tanto o H.323 quanto o SIP possuem fabricantes que têm construído seus produtos e serviços baseados em um dos dois protocolos. As empresas de telecomunicações e desenvolvedores estão dividindo seus recursos em investimentos em ambas as direções até que um dos dois protocolos possa se firmar definitivamente no mercado para as aplicações convergentes de vídeo e voz, ou ainda que um novo protocolo venha surgir. A escolha de um ou outro protocolo compreende um debate que reside basicamente nas necessidades e anseios que o usuário espera de uma rede convergente. É natural que hoje, várias empresas estão oferecendo em seus produtos, a possibilidade de uso do H.323 ou do SIP. Entretanto, vários fabricantes, dentro deste contexto de dúvida, estão oferecendo ao mercado soluções de coexistência entre os dois padrões, com soluções para a interoperabilidade entre os mesmos. Mas ainda não é a solução definitiva que os usuários esperam. Referências Gomes, Fábio Lúcio Soares. Videoconferência, Sistemas e Aplicações. Editora Visual Books. 328 pp

13 SIP: The Promise becomes reality CISCO White Paper. Delivering SIP-H323 Converge and Co-existence using a vídeo PBX Architecture VICOM White Paper. Disponível em: 13

14 Videoconferência: Teste seu Entendimento 1. A entidade H.323 responsável pela translação de protocolos em uma rede H323/H320 é: Proxy. Gatekeeper. Gateway. MCU. 2. Além de ser um protocolo baseado em texto, com arquitetura do tipo cliente-servidor, o SIP tem particularidades similares ao protocolo: RTP. HTTP. IP. ICMP. 3. Quanto aos mecanismos de endereçamento, a forma comum de endereçamento, presente nos protocolos H.323 e SIP é: Numeração E.164. URL. Transport Address. Party Number. 14

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1

Protocolo SIP. Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL. Comunicação de Dados. Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Pedro Fernandes 7839 Nuno Costa 3676 1 Protocolo SIP Licenciatura em Engenharia de Sistemas Informáticos PL Comunicação de Dados Resumo Neste documento pretende-se explicar o funcionamento do protocolo

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Administração de Sistemas

Administração de Sistemas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Administração de Sistemas Licenciatura em: - Tecnologias e Sistemas de Informação 5. Serviços de Voz sobre IP Docente: Prof. Joel Rodrigues Ano

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS

DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS DIFUSÃO E IMPLANTAÇÃO DA TECNOLOGIA IP NA ESAEX/CMS José Francisco Nonato Filho 1 Resumo. O presente trabalho versa sobre uma proposta de utilização da tecnologia de Voz sobre Internet Protocol (VoIP)

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis

Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Transmissão de Voz sobre IP com Taxas Variáveis Autor: Orientador: Examinador: Examinador:

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA

FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA FACULDADES INTEGRADAS DO INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO E PESQUISA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA - DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE CAMPUS CAMPINAS Voz sobre IP ( Voip ) RODRIGO CAMPOS DO AMARAL

Leia mais

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens

tendências Unificada Comunicação Dezembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 05 Introdução Como Implementar Quais as Vantagens tendências EDIÇÃO 05 Dezembro/2012 Comunicação Unificada Introdução Como Implementar Quais as Vantagens Componentes das Comunicações Unificadas 02 04 05 06 Introdução Nos últimos anos, as tecnologias para

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Rede de Computadores II Internet Milhões de elementos de computação interligados: hosts, sistemas finais executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra,

Leia mais

ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP

ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP ESTUDO DAS TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE VOZ SOBRE IP (VoIP) e DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO VoIP Aida A Ferreira (1); Glória A V C Brandão (2); (1) Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco:

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

3 Gerenciamento de Mobilidade

3 Gerenciamento de Mobilidade Gerenciamento de Mobilidade 38 3 Gerenciamento de Mobilidade A Internet não foi originalmente projetada para suportar a mobilidade de dispositivos. A infra-estrutura existente e o conjunto dos principais

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013

ASTERISK. João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 ASTERISK João Cepêda & Luís Borges SCOM 2013 VISÃO GERAL O que é Como funciona Principais Funcionalidades Vantagens vs PBX convencional O QUE É Software open-source, que corre sobre a plataforma Linux;

Leia mais

RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES

RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES RENATO LUIZ BIANCHINI IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA VOIP NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UTILIZANDO SOFTWARES LIVRES Monografia de graduação apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF

Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Metaverse: Um Sistema de Telefonia IP e Mensagens Instantâneas Compatível com SIP, SIMPLE e outros Protocolos do IETF Gelson Dias Santos, Valter Roesler UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro

Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Construindo a rede da próxima geração: Da rede de hoje para o futuro Introdução Enquanto as pessoas estão comentando sobre as redes da próxima geração (NGN) e o subsistema IP multimídia (IMS), talvez seja

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Voz sobre IP Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 5 - Sumário ü Introdução ü Protocolo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO SOLUÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA H.323 E SIP por CLEBER MACHADO ORTIZ TI CPGCC - UFRGS Trabalho Individual

Leia mais

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel

Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Um estudo do protocolo SIP e sua utilização em redes de telefonia móvel Romildo Martins da Silva Bezerra 1 1 Mestrado em Redes de Computadores (UNIFACS) romildo@cdl.com.br Resumo. Este trabalho visa apresentar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com ENLACE X REDE A camada de enlace efetua de forma eficiente e com controle de erros o envio

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC

PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICACÕES PROTÓTIPO DE UM GATEWAY VOIP PARA COMUNICAÇÃO DE TELEFONE IP COM TELEFONE STFC BRUNO TRISOTTO MARCHI

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

Construção de Redes de Voz sobre IP

Construção de Redes de Voz sobre IP Capítulo 1: Construção de Redes de Voz sobre IP 11 Capítulo 1 Construção de Redes de Voz sobre IP Arthur Callado, Gabriel Fernandes, Auristela Silva, Rodrigo Barbosa, Djamel Sadok, Judith Kelner. Abstract

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL08 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT

3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT 3 Propostas de Travessias de Firewalls/NAT Este capítulo irá apresentar as propostas deste trabalho para que aplicações que utilizem CORBA como plataforma de comunicação possam atravessar firewalls/nat.

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais