OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEOCONFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEOCONFERÊNCIA"

Transcrição

1 OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA Daniel André Fehrmann Luciano Lopes Martins

2 PROGRAMA 1. Conceitos e elementos básicos de vídeo-conferência 1.1. Introdução 1.2. Histórico 1.3. Serviços de vídeo-conferência Comunicação Colaboração 1.4. Tipos de sistemas de vídeo-conferência Sistemas de Sala Sistemas Desktop 1.5. Elementos de um sistema de vídeo-conferência Transmissão e recepção Codificação, decodificação e compressão Equipamentos de áudio e vídeo Estações de apresentação

3 PROGRAMA 2. Infra-estrutura de rede para vídeo-conferência 2.1. Introdução 2.2. Infra-estrutura básica e serviços Switches Roteadores Modens 2.3. Técnicas para transmissão de pacotes Conexões Tipos de tráfego 2.4. Requisitos para transmissão multimídia Latência Jitter Largura de banda QoS

4 PROGRAMA 3. Protocolos e padrões para vídeo-conferência 3.1. Introdução 3.2. Componentes 3.3. Protocolos 4. Operação de ambientes de vídeo-conferência 4.1. Introdução 4.2. Salas de vídeo-conferência 4.3. Procedimentos em salas de vídeo-conferência 5. Atividades práticas

5 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE INTRODUÇÃO TRANSMISSÃO de IMAGEM e VOZ entre dois ou mais locais separados fisicamente, porém ligados em rede. Comunicação em tempo real entre grupos de pessoas Trabalho cooperativo Compartilhamento de informações, imagens, planilhas, documentos Elimina as barreiras da distância geográfica

6 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE HISTÓRICO 1970 PICTUREPHONE - Primeiro telefone com imagens AT&T 1973 Network Voice Protocol Surge os primeiros protocolos para tratamento da transmissão de voz em pacotes digitais 1981 Packet Video Protocol 1982 Recomendações H120 - Codificação de vídeo (precursora do H320) 1990 Recomendações H320 Voltada à vídeo-conferência. A partir de 1990 várias outras recomendações e padrões para regulamentar os sistemas de videoconferência. Surgem os primeiros sistemas de vídeo-conferência

7 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE HISTÓRICO 1991 Primeira vídeo-conferência (áudio e vídeo) utilizando H Sistema de vídeo-conferência CU-SeeMe multiponto p/ Macintosh 1996 Primeira versão do H323. Lançado primeira versão do NetMeeting 1998 Segunda versão do H323 e primeira versão do MPEG Lançada terceira versão do H323 e segunda versão do MPEG-4 H323 Possibilitou o desenvolvimento de inúmeras soluções de software devido a padronização adotada pelos diversos fabricantes tanto de hardware quanto de software.

8 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE SERVIÇOS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA COMUNICAÇÃO Utilização do sistema de vídeo-conferência em sua essência (comunicação interpessoal) COLABORAÇÃO Participantes além de se comunicarem, utilizam recursos para o trabalho em conjunto, compartilhando documentos, planilhas e imagens

9 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE CLASSIFICAÇÃO: De acordo com a dinâmica estabelecida Comunicação 1:1 Comunicação 1:n Comunicação n:n De acordo com as mensagens (chamadas) enviadas na rede: Ponto-a-ponto Multiponto unidirecional Multiponto bidirecional

10 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE Comunicação 1:1 Chamada Ponto-a-ponto

11 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE Comunicação 1:n Chamada Ponto-a-ponto

12 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE Comunicação n:n Chamada Ponto-a-ponto Pode ser utilizado um único MONITOR, com visão das imagens locais e remotas ou apenas da remota.

13 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE Comunicação n:n Chamada MULTIPONTO REQUER MCU (Multipoint Conference Unit)

14 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO Ferramentas que permitam a interação e o trabalho cooperativo em grupos remotamente situados. Quadro branco (whiteboard); Transferência de arquivos Câmera de documentos; Chat; Ferramentas de acesso remoto e/ou compartilhamento de área de trabalho. Ex.: VNC DVD OUTROS RECURSOS Câmeras secundárias Voice Tracking Rastreamento de Voz Controle da câmera remota Presets Armazenar posições pré determinadas para alternância de foco

15 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO / RECURSOS

16 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE TIPOS DE SISTEMAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIAS Classificação de acordo com a plataforma utilizada: Appliance Systems: Hardware e software específicos. Soluções mais robustas, confiáveis e seguras. PC Based Systems: Utiliza computadores PC com sistemas operacionais convencionais e softwares aplicativos para vídeo-conferência. São mais simples e baratas que as soluções baseadas em appliance. De acordo com a aplicabilidade: Sistemas de sala (Sistemas de grupo) Desenvolvido para utilização em grupos de usuários. Geralmente estão presentes em empresas. Sistemas de mesa (desktop) Desenvolvidos para uso individual. Apresentam menor custo que os sistemas de sala.

17 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE TIPOS DE SISTEMAS DE S SISTEMAS DE SALA Dedicados com alta capacidade de processamento. Ótima qualidade de som e imagem. Integração com diversos equipamentos como: TV, PC, câmera de documentos, DVD, etc... SISTEMAS DE MESA (desktop) Uso individual Facilidade de uso Maioria ainda utiliza padrão H323 GnomeMeeting, NetMeeting, CU-SeeMe, VCON, Polycom Via Video, Polycom VX3000

18 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS DE ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE VÍDEO-CONFERÊNCIA Codificação, decodificação e compressão COdificador/DECodificador. Algoritmos de compressão melhores taxas de transmissão. CODEC Gerenciamento da VC, chaveamento de imagens Transmissão e recepção MOdulador/DEModulador Pacotes com informações de áudio e vídeo Equipamentos de Áudio e Vídeo - Várias Câmeras, DVD, TV LCD, microfones de mesa, etc. Estação de apresentação Microcomputador com saída S-Vídeo ou Video Composto

19 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA INFRA-ESTRUTURA O princípio básico de um sistema de vídeo-conferência é a troca de informações de dados, imagens, vídeos ou áudio entre os participantes. Para isso é necessário que os terminais estejam CONECTADOS A UMA REDE e as inúmeras redes devem estar CONECTADAS ENTRE SI. INFRA-ESTRUTURA - PONTO CRUCIAL PARA Equipamentos Padrões de funcionamento Conectividade Velocidade das conexões

20 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA PADRÕES E PROTOCOLOS No início da informática haviam diversos tipos de computadores, porém, cada um com o seu sistema de operação e comunicação. Surgiu então a necessidade de criar padrões e protocolos de forma a permitir a comunicação e funcionamento de sistemas entre equipamentos diferentes. Hoje temos no Ethernet e TCP/IP os protocolos de comunicação mais difundidos mundialmente. Alguns exemplos de organizações padronizadoras : ABNT : Ass. Brasileira de Normas Técnicas CREA : Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura IEEE : Institute of Electrical and Electronic Engeneers IETF : Internet Engeneering Task Force Exemplos de Padrões: IEEE Ethernet IEEE 802.3u - Fast Ethernet IEEE 802.3z - Gigabit Ethernet IEEE Redes sem fio (wi-fi) Na vídeo-conferência ocorreu da mesma forma. Os primeiros fabricantes produziam soluções proprietárias que não interoperavam entre os diversos fabricantes. Surgiu então a proposta de padronização através do ISDN e H.323. Com a evolução tecnológica vieram o Ethernet, TCP/IP e SIP.

21 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA MODELO DE REFERÊNCIA OSI Nível 7 - Aplicação Nível 6 - Apresentação Nível 5 - Sessão Nível 4 - Transporte 7 - Interface entre usuário e rede, interage com o programa de aplicação para proporcionar acesso a rede. 6 - Cuida da tradução de dados e conversão de códigos entre dispositivos de formatos diferentes, criptografia. 5 - Controla diálogo de comunicação entre dois dispositivos de comunicação, estabelece regras para iniciar e finalizar. 4 - Responsável pela fragmentação do pacote, otimização da transferência de dados entre fonte e destino, determina tamanho do pacote e tamanho máximo do pacote. Nível 3 - Rede 3 - Responsável pelo roteamento, formata os dados de forma apropriada ao método de comunicação(tr, Eth...) Nível 2 - Enlace 2- Encarregado da transmissão, detecção de erros e controle de fluxo de dados. Nível 1 - Físico 1 - Definição de cabos e conectores, pinagens e níveis de voltagem para comunicação entre dois dispositivos.

22 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA CLASSIFICAÇÃO DAS REDES Segundo a sua disposição geográfica as redes se classificam em: LAN (Local Área Network) É uma rede composta por computadores, servidores, impressoras e demais equipamentos confinados em uma área geográfica. WAN (Wide Área Network) São redes LAN interconectadas através de LP s, Fibra Óptica, Satélites, etc. MAN (Metropolitan Area Network) Semelhante às WAN s, porém confinadas em um único município. MAN WAN LAN LAN LAN LAN Curitiba

23 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA ARQUITETURA ETHERNET Utiliza a tecnologia de barramento Velocidade de transmissão: 10 Mbps - Ethernet 100 Mbps - Fast Ethernet 1000 Mbps - Gigabit Ethernet Mbps 10 Gigabit Ethernet Utiliza cabo coaxial/par trançado/fibra óptica Simplicidade e baixo custo. Máximo de 1024 estações por segmento. Uma estação só pode transmitir quando o meio estiver livre Método de acesso CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access/Collision Detection) Se durante a transmissão for detectada uma colisão, todas as estações esperam um tempo aleatório antes de tentarem transmitir

24 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA PROTOCOLO TCP/IP ENDEREÇAMENTO IP O endereço IP é composto por número e máscara. NÚMERO IP São números de 32 bits divididos em quatro campos de 8 bits (1 byte) onde o valor de cada campo pode assumir valores de 0 a 255. Cada endereço IP contém a identificação da rede que o host pertence (network ID) e a identificação do próprio host (host ID). Formato: xxx.yyy.zzz.kkk Ex: ou MÁSCARA DE ENDEREÇO IP A máscara é usada para identificar redes e hosts em um endereço IP. Da mesma forma que o endereço IP, uma máscara tem 32 bits divididos em campos de 4 bytes. O dígito um (1) especifica bits da rede e de sub-redes, enquanto o dígito zero (0) é usado para especificar hosts. Ex:

25 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA ENDEREÇAMENTO IP Quando são associados às máscaras, os endereços IPs identificam a rede e o host em questão. IP: Máscara: REDE HOST Os endereços IP podem ser públicos ou privados. Os endereços públicos são acessíveis através da Internet, já os privados são utilizados em redes privativas de empresas como a Rede do Governo do Estado. Público: Privado:

26 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA EQUIPAMENTOS DE REDE SWITCH ROUTER MODEM PROXY FIREWALL Interface Computador x Rede Placa de rede - Endereço Físico ou MAC Address. O MAC Address é formado por seis bytes, onde os três primeiros identificam o fabricante e os três últimos o endereço da interface. Ex.: 00:50:56:B3:7E:28

27 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA EQUIPAMENTOS DE REDE SWITCH O switch ethernet interconexão das é responsável estações e pela demais equipamentos que necessitam da rede para se comunicarem. O cabeamento normalmente utilizado é cabo par-trançado da cor azul com conectores RJ-45 nas extremidades.

28 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA EQUIPAMENTOS DE REDE ROUTER Também conhecido como Roteador, é o equipamento responsável pelo roteamento do tráfego de dados ao seu destino. Ele é o cérebro da rede porque que conhece todas as redes interconectadas e decide por onde enviar o tráfego. Rede A ROTEADOR INTERNET Rede B Ponto-a-ponto Rede C

29 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA EQUIPAMENTOS DE REDE MODEM - MOdulador e DEModulador Dispositivo eletrônico que modula um sinal digital em uma onda analógica, pronta a ser transmitida pela linha telefônica, e que demodula o sinal analógico e o reconverte para o formato digital original.

30 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA EQUIPAMENTOS DE REDE PROXY Para o acesso de redes privativas à Internet, normalmente são utilizados servidores Proxy. Estes servidores são responsáveis por acessar o site solicitado por um cliente (estação) e exibir o seu conteúdo no web-browser do cliente. A utilização deste servidor é extremamente útil na administração de acesso à Internet pois nele podem ser realizados bloqueios para determinados sites e também a autenticação dos usuários que tem o direito de acesso à Internet. FIREWALL Chamado por alguns de parede-corta-fogo está presente em muitas estações mas principalmente em redes privadas que estão conectadas na Internet. Sua principal função é proteger a estação/redes de tentativas de invasão, ataques e controle de acesso. Outra função importante, que pode ser realizada pelo Proxy ou pelo Firewall, é a conversão de endereço (NAT) entre IPs Privados e IPs Públicos.

31 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA TÉCNICAS PARA TRANSMISSÃO DE PACOTES CONEXÕES PONTO-A-PONTO Chamado do terminal de origem diretamente para o terminal destino, por meio do endereço IP ou número ISDN. MULTIPONTO Viabiliza a comunicação entre três ou mais pontos, por meio de um equipamento central que gerencia e controla o fluxo. MCU (Multipoint Control Unit)

32 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA TÉCNICAS PARA TRANSMISSÃO DE PACOTES TRÁFEGO UNICAST / MULTICAST / BROADCAST

33 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA REQUISITOS PARA TRANSMISSÃO MULTIMÍDIA Para evitar problemas como ruídos, cortes ou paralisações durante a videoconferência, deve-se atentar à alguns requisitos para a transmissão do tráfego multimídia (áudio, vídeo e dados) Latência Jitter Largura de banda QoS

34 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA REQUISITOS PARA TRANSMISSÃO MULTIMÍDIA Latência - Tempo que o pacote leva para ser transportado da origem ao destino. Atraso de transmissão equipamentos de rede Atraso de codificação codec adotado / processamentos Atraso de empacotamento pilha de protocolos Jitter Variação da latência. Pode acarretar descontinuidade na exibição da mídia. Utilização de buffers para amenizar o seu efeito Vídeo-conferência - Desejável baixa latência e jitter

35 INFRA-ESTRUTURA DE REDE PARA REQUISITOS PARA TRANSMISSÃO MULTIMÍDIA Largura de banda Fator LIMITANTE. A qualidade está diretamente ligada a largura de banda disponível. Pode ser comparado ao diâmetro de um cano d'água que determina a vazão. QoS Qualidade de serviço. São técnicas utilizadas para minimizar o efeito da latência, jitter e outros fatores relacionados que prejudicam a continuidade dos dados. Ex.: Reserva de banda, priorização de tráfego.

36 PROTOCOLOS E PADRÕES PARA PROTOCOLOS E PADRÕES PARA VÍDEO-CONFERÊNCIA Como vimos anteriormente, a vídeo-conferência utiliza basicamente os protocolos Ethernet, H.320, TCP/IP, H.323 e SIP. RECOMENDAÇÃO H.323 A recomendação H.323 especifica componentes, protocolos e procedimentos para prover a comunicação multimídia entre redes. Protocolos de Controle de Mídia: RTP, RTCP Protocolos Sinalização Controle: H.225, H.245 Protocolos de Aplicação: T.120, V.150, T.38

37 PROTOCOLOS E PADRÕES PARA CODECS H.323 CODEC DE VÍDEO H kbps a 2 Mpbs chega a 288x352 projetado para as linhas ISDN nx64 kbps (hoje considerado obsoleto) H.262/MPEG2 Part-2 H.263 projetado para baixas taxas - já é considerado obsoleto diante de H.264 H.264/MPEG4 Part 10/AVC (Advanced Video Coding) O padrão NTSC prevê a resolução 720x480 e 525 linhas Tabela de Resolução Sub-QCIF...128x96 QCIF...176x144 CIF...352x288 4CIF...702x576 16CIF x1152 CODEC DE ÁUDIO G.711 (A e micro) 64 kbps G.722 SB-ADPCM - 48 a 64 kbps G MLT 24 a 32 kbps G ACELP 6,60 a 23,85 kbps G.726 ADPCM 16 a 40 kbps (32 kbps) G.727 = G.726 com otimizações para PCME G.728 LD-CELP 16 kbps G.729 CS-ACELP 6,4 a 11,8 kbps (8 kbps)

38 PROTOCOLOS E PADRÕES PARA COMPONENTES H.323 TERMINAL - TE Também chamados de endpoints, são os equipamentos com capacidade de estabelecer comunicação bidirecional, em tempo real, com os demais componentes H.323. GATEWAY - GW São os tradutores da arquitetura H.323, responsáveis por garantir que diferentes elementos envolvidos em contextos de redes diferentes possam se comunicar. GATEKEEPER - GK É considerado o cérebro do sistema H.323 e executa as atividades de administração e tomada de decisão. Prevê os serviços de resolução de endereços, controle de admissão, gerenciamento de banda e gerenciamento de zona. MULTIPOINT CONTROL UNIT - MCU Prevê recursos para suportar conexões multiponto, vários terminais simultâneos. É formado por um controlador multiponto e por um processador multiponto

39 PROTOCOLOS E PADRÕES PARA PROTOCOLO SIP SESSION INITIATION PROTOCOL É um protocolo alternativo ao H.323 e não oferece toda a funcionalidade do H.323. Pretende ser parte da arquitetura IETF de suporte a aplicações multimídia. Padrão IETF para um protocolo de aplicação (sinalização) que cobre somente a sinalização necessária para se iniciar, modificar, convidar outros (para participar) e terminar chamadas (sessões). Baseado nos princípios aprendidos da comunidade Internet independente de aplicação. O SIP possui uma limitação no suporte de vídeo e não suporta protocolo para transferência de dados (T.120). Também não possui um protocolo para controle de conferência e não existe nenhum mecanismo dentro do SIP para a sincronização de fluxos. A interoperabilidade com sistemas H.323 deve ser feita através de um Gateway que reconheça os dois protocolos como o Asterisk.

40 OPERAÇÃO DE AMBIENTES DE SALAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA O sucesso de uma vídeo-conferência inicia-se no projeto da sala que será utilizada. Vários fatores devem ser observados e que determinarão as características da sala como veremos a seguir: NATUREZA DA SALA: A natureza da sala deve descrever o propósito da vídeoconferência. Uma sala designada para vídeo-conferência médica pode exigir equipamentos especializados mas também são mais confiáveis, seguras e com uma operação mais fácil em virtude da sala ser dedicada a um propósito. Já as salas multi-propósito fornecem flexibilidade, mas podem apresentar problemas técnicos e logísticos devido a montagem e configuração do equipamento a ser adotado. PÚBLICO-ALVO: A personalização do ambiente com características e necessidades especiais são determinadas com uma boa descrição do público-alvo. MOBILIÁRIO: A ergonomia deve prevalecer, designando os tipos de cadeiras, mesas e outros móveis necessários para a acomodação dos equipamentos e o público-alvo. A padronização do mobiliário é importante não só esteticamente, mas também de forma a facilitar, para o equipamento de vídeo-conferência, a digitalização/codificação do vídeo.

41 OPERAÇÃO DE AMBIENTES DE SALAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA LAYOUT: Também fundamental para a determinação do mobiliário e equipamentos, o layout a ser adotado. A disposição do público-alvo determinará o mobiliário e a quantidade e característica dos equipamentos. EQUIPAMENTOS: Existe uma enorme variedade de equipamentos de vídeoconferência como também dos demais equipamentos acessórios como os equipamentos de áudio, câmeras, televisores, projetores, câmeras de documento e sistemas de automação. A qualidade dos equipamentos deve ser cuidadosamente avaliada, pois a diferença de qualidade entre um microfone sem fio de R$100,00 e de R$1.500,00 é proporcional a valor. AMBIENTE FÍSICO: Designa o uso apropriado dos componentes físicos da sala, ou seja: iluminação, acústica e climatização. A iluminação pode dar um ar de dramaticidade ou suavidade a um ambiente conforme a sua utilização. O sistema deve ser bem avaliado em função dos requisitos de iluminação mínimos exigido pelo sistema de captura (câmeras) e pelo sistema de projeção. O áudio pode comprometer totalmente uma vídeo-conferência. Mesmo sem o vídeo é possível manter conversação com quem está no outro lado, mas sem áudio ou com áudio dessincronizado do vídeo ou ininteligível é praticamente impossível manter uma conversação. A acústica da sala também deve ser cuidadosamente avaliada.

42 OPERAÇÃO DE AMBIENTES DE SALAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA AMBIENTE FÍSICO: O sistema de climatização também deve ser corretamente dimensionado de forma a garantir o conforto dos participantes. A temperatura e umidade do ar também interferem sensivelmente na acústica do ambiente. Modelos de Salas de VídeoConferência

43 PROCEDIMENTOS EM SALAS DE Para a realização de uma vídeo-conferência, existem alguns procedimentos básicos que devem ser seguidos como a reserva da sala, equipamentos, gerenciamento, contato com os participantes dentre outros que veremos em detalhes. PRÉ-CONFERÊNCIA: São estipulados o assunto, participantes, data e hora da vídeo-conferência e os locais que participarão da vídeo-conferência. AGENDAMENTO: São procedimentos como a reserva da sala, equipamentos, link de comunicação com banda suficiente para atender aos requisitos da vídeo-conferência, equipe de suporte e operação em cada localidade. Nesta etapa também pode ser realizado um teste entre todos os sites para garantir a compatibilidade dos recursos e viabilizar a VC. INÍCIO E TÉRMINO: Estabelece a seqüência em que os participantes acessarão a vídeo-conferência. Após todos estarem conectados iniciar o coordenador fará as considerações específicas sobre a condução da vídeo-conferência e ao seu final a seqüência de desconexão se necessário. GERENCIAMENTO: A vídeo-conferência normalmente possui um coordenador que é o responsável pela condução da sessão bem como um operador responsável pela parte técnica que fará a seleção da câmera, controle dos microfones, etc.

44 PROCEDIMENTOS EM SALAS DE NETIQUETA NA VÍDEO-CONFERÊNCIA Além das questões abordadas anteriormente, ainda existem recomendações de boas maneiras e etiqueta que fazem a diferença para o bom andamento da vídeoconferência. MICROFONE: Deve estar sempre no modo mute, sem som. Esta prática evita que sistemas de localização por voz alternem o vídeo de quem estava com a palavra para alguém que estava conversando com alguém no mesmo recinto. Ruídos e sons ambiente também são transmitidos e portanto consumidores de banda. ESTILO DE FALA: Como a comunicação é entre pessoas que estão distantes geograficamente, existirá um delay que poderá atrapalhar a conversação, nestes casos evitar a repetições e aguardar o retorno de quem está participando. A frase Você está me ouvindo? é frequentemente empregada sem necessidade. POSSE DA PALAVRA: Se a vídeo-conferência possuir um coordenador, respeitar a concessão da palavra por ele, senão, utilizar o bom senso ao solicitar a palavra, utilizar alguma sinalização de que você deseja a palavra. VESTIMENTA: A utilização de roupas com cores sólidas e sóbrias facilita o trabalho dos equipamentos de vídeo-conferência e câmeras. Roupas reluzentes e muito estampadas além de consumirem maior recurso de processamento, muitas vezes podem chamar muita atenção e parecer distorcidas para os sites remotos.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Prof. Roberto Willrich 14:48 Emulando a Comunicação e Trabalho F-a-F Objetivo do Capítulo Apresentar algumas aplicações multimídia que permitem

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Capitulo 2 Prof. Ricardo de Macedo ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Organização Internacional para Padronização. Definição de um padrão de interoperabilidade. Modelo OSI OSI OPEN SYSTEM

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo:

Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Termo de Referência: Objeto: Sistema de Vídeo-conferência para a Hemorrede de Santa Catarina, incluindo: Item Descrição Qtdade 1 MCU Dedicada 1 2 Terminal de Vídeo-conferência para salas de médio porte

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência;

ERRATA. 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; ERRATA Este documento tem por objetivo retificar: 1. Item 4.1.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 2. Item 7.9.2.1 do ANEXO I - Minuta do Termo de Referência; 3. Item 7.9.2.2 e 7.9.2.2.1 do ANEXO

Leia mais