X ENCONTRO MULTITUDES INTELIGENTES E CIBERRESISTÊNCIA: SUBVERSÕES EM CURSO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X ENCONTRO MULTITUDES INTELIGENTES E CIBERRESISTÊNCIA: SUBVERSÕES EM CURSO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES."

Transcrição

1 XENCONTRO MULTITUDESINTELIGENTESE CIBERRESISTÊNCIA:SUBVERSÕESEM CURSONAREDEMUNDIALDE COMPUTADORES.

2 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. oquerheingoldquerdizercom smartmobs?

3 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Asmartmobéumaformadeorganizaçãosocialauto organizadaatravésdocomportamentoemergente mediadopelastecnologiasinformacionais. DeacordocomRheingold,smartmobssãouma indicaçãoqueousoedisseminaçãodastecnologiasde comunicaçãoestãofortalecendoaspessoascomuns.

4 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. exemplo: 20jan2001,Filipinas,JosephEstradaé deposto... "Go2EDSA,Wearblck

5 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. ProfVicenteRafael: aculturadosmséinerentemente subversiva...

6 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. comunidadesdeinteressemóveis LOVEGETY (chaveiroqueemitesinal,5mts,quando cruzamososexoopostocomperfil compatível)

7 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. UpocemManhattan (pontodecontatouniversal):comunidades deinteressemóveis. ImaHimapermitesaberquaisdosseus amigosestãonosarredoresacada momento...

8 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. ousodobluetooth/redesadhoc... sensoresereputaçãoemredesp2p... cooperativasdeconexãoaberta... nuvemdeacessolivre...

9 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Estratégianômade... ConceitodeTAZ(ZONAAUTÔNOMA TEMPORÁRIA)deHAKIMBEY.

10 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Amúsicacomoprincípiooganizacionaléo capítulo6dotaz.

11 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. FLASHMOB(multidãoinstantânea)éum evento,umamanifestaçãoemquepessoasaparecem emdeterminadosespaçospúblicosouprivadospara realizarcoreografiasousimplesmenteparaprotestar poralgoinusitadooupornenhumacausaaparente. FlashmobéconvocadaporcelularesepelaInternet.

12 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Umaflashmobimportanteocorreu,em2003na cidadedenovayork,nodepartamentodetapetesda lojamacy,ondeaproximadamente100pessoas reuniram seemvoltadeumtapeteespecífico. Ononsensetemsidofundamentalemumaflashmob.

13

14 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Questões: Comooflashmobserelacionacomaidéiadeque vivemosasociedadedoespetáculo(guydebord)? Oflashmobéadeformaçãopropositadadoespetáculo?É arepresentaçãodanão idéia? Éosimulacrodamobilização(Baudrillard)?Éohiper real praticadoemuma culturasemprofundidade (F. Jameson)?Émaisumefeitoda intoxicaçãomidiática?

15 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA ParaJameson,ocapitalatravésdaascençãodamídiae daindústriadepropaganda,teriapenetradoecolonizado umenclaveatéentãoaparentementeinviolável,o Inconsciente. Afinal,oquenosévendidootempotodo,senãoisto: maneirasdeveredesentir,depensaredeperceber, demoraredevestir?ofatoéqueconsumimos,mais doquebens,formasdevida.

16 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Omidiativismo,asredesderesistênciasãocapazesde bloquearacolonizaçãodoinconsciente. Acomunicaçãoéuminstrumentoparaaautonomia? Comoseviabilizamoutrasredesquenãoascomandadas pelocapital,redesautônomas,queeventualmente cruzam,sedescolam,infletemourivalizamcomasredes dominantes?

17

18

19 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA 1.OQUEDEVEMOSFICARATENTOS? (baseadonotextousingmobilesforyourcause:do's anddon'tsofmadvocacy.disponível:

20 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Maisde84porcentodosamericanostêmtelefones celulares...osdadosmostramqueamaioriadaspessoas portamseustelemóveisemtornode18horas/dia. Celular,chavesecarteirasãoastrêscoisasqueosadultos nãosairãodecasasemeles.

21 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *ousodesmsestácrescendoeultrapassandolimites. Maisde48bilhõesdemensagensforamenviadasnomês dedezembrode2007,umamédia1,6bilhõesde mensagenspordia. AtaxadeSMSrepresentouumaumentosuperiora157 porcentoemrelaçãoadezembro2006.

22 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Mobilemarqueteirosestãorealizandocadavezmais sondagens,concursoseatémesmohistóriascurtasem sms.pepsi,ford,toyota,burgerkinglançaram campanhasparatelefonesmóveis...

23 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Visajáanunciousuaplataformamóvelquepermitiráaos seusclientesautilizaçãodetelemóveisparafazer comprasourealizaroutrasoperações,inclusive movimentarfundoseações.

24 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Maisemaisamericanostêmassistidovídeo,tiradofotos, navegandonaweb...existemoswappush(linksclicáveis parawapàbasedeconteúdosmultimédiaincorporadosnas mensagenssms)edevídeoshortcodes(emqueos consumidoresrecebemumfluxovídeodiretamenteparaseu telefoneemrespostaaumtextocomumshortcode).

25 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Osassinantesdewirellesenviamcadavezmaisimagense mensagensmultimédia.pertodequatrobilhõesdemensagens multimédia(mms)foramenviadosnosegundosemestrede Em2006,umtotalde2,7bilhõesdeMMSforamenviadas,de acordocomam:metrics. Damesmaforma,osserviçosdedadosde2007totalizaram US$23bilhões,umaumentosuperiora53porcentodas receitas2006quesomaramus$15,2bilhões.

26 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA AInternettemdoisimportantesganhosemrelaçãoàmídia tradicional:ainteratividadeeapossibilidadedeampla pesquisa. Atecnologiamóvelvaiaindamaislonge:

27 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Háumacurvadeaprendizadorelativamentebaixapara utilizarumtelemóvel,tornando semuitomaisacessíveldoque computadores. *Móveissãomeiospessoaisqueviabilizamacomunicação diretaeimediata. *Elessão,portanto,propíciosàparticipaçãoeservemà respostaimediata.

28 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Móveispodemacompanharaspesoasemtodaaparte. *Always on...portanto,sãomeiosdecomunicaçãomais rápidosdoquequalqueroutramídia. *Ferramentashibridascomconteúdovariadopodem convergircomoutrasmídias..podemtransportarjogos, música,ringtones,edados. *Móveispermitemodesenvolvimentocriativodeconteúdos edispositivos.

29 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Porexemplo,umaanáliseavaliouascampanhasparaMóveis noreinounidoesuasconclusõesestãonorelatório"text Messageeosefeitossobreintençõesdecompra":

30 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *"44%disseramreceberemseustelefonesmóveis campanhasaceitáveis,apenas21%afirmaramqueelassão bastanteoumuitoaceitáveis."

31 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Domesmomodo,umestudodeLimbo,umacompanhiade mobilemarketing,avalioua marca doscandidatos presidenciaisnorte americanos. Oestudoincluiuanúncioscurtos(30 40caracteres)nofundo demensagensdetexto...oestudoconstatouque:

32 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *6%dosentrevistadosdisseramqueapósascampanhasde publicidadetinhammudadosignificativamenteassuas intençõesvoto.estamudançafoimaisaltaparaoshomens (7%),pessoascomidadesuperioraos35anos(7%),eparaos Afro americanos(9%). 22porcento(22%)declarousuasintençõestinhammudado umpouco.

33 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *14%disseramquesuaspercepçõesdoscandidatosera agoramaispositivadoqueantesdacampanha.apenas(4%) disseramqueeraagoramaisnegativa...barackobamatevea maiorelevação,comumaumentolíquidode16%.

34 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Poroutrolado, ForresterResearch,emCambridge,encontrou79%dos consumidoresdescontentescomaidéiadereceberanúncios emseustelefonescontraapenas3%deinteressados.

35 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Portanto,sobrecampanhasnocelularoumarketingmóvel... opodemosfalar?

36 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Móveisoferecemumaoportunidadeúnicaparaainteração.As organizaçõesprecisamdepensarascampanhascomouma conversa,umamaneiradeinteragircomaspesoas... Aconfiançaéfundamentalemumveículodecomunicação pessoal.ganharapermissãoparaoferecerconteúdorelevante eoportunoéimprescindível.spamdeveserrecusado.

37 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Utlizaroutrosmeiosdecomunicaçãomóvel anúncios,painéis, dawebparaoferecerapossibilidadedeinteraçãocomo celularpessoal. Éprecisosermuitocuidadosocomasegmentaçãodas campanhasdeacordocomosdadosdemográficos...pediraos maisvelhosparafazerouploaddefotosmóveispodeseruma perdadetempo...

38 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Oferecernotíciaseatualizaçõesdeinformaçõesdeinteresse públicopodeserinteligente...desdequeconsentido,pode se fazercampanhascomcoletadeassinaturasparaumapetição móveis... Importanteéoferecerinformaçõesqueaspessoasquereme precisamquandoestãoemtrânsito,emmovimento.

39 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OEXEMPLODAMÚSICA: TheBigBumpyShift:DigitalMusicviaMobileInternetbyDaniel P.Dolan

40 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Músicaindústrianecessidadeseoportunidades AspossibilidadesdamúsicadigitalnaInternetmóvelcriam novosdesafiosepossibilidadesparaartistas,empresáriose, especialmente,paraaindústriamusical.

41 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA AocontráriodoJapão,ondeoselevadoscustosdeacessoà InternetcomfiocontroladapelaNTTtêmincentivadouma separaçãoentreainternetcomfioseinternetmóvel,nos EstadosUnidos,aspessoassãomaispropensasausara InternetcabeadaparadeterminadosfinseInternetmóvelpara outros.

42 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA IstosignificaqueaintroduçãodaInternetmóvelnosEstados Unidosdeveráaumentartantoochamadoe commerceb2be B2Cemtodososmercadosdeprodutosedeserviços.Por exemplo,aformacomoencaramososserviçosnainternet móvelpoderátrazerumnovoarranjoentreaindústriada música,consumidores,eartistas.

43 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA IndústriadeMúsicaprecisa: Criarreceitaseviabilizarummodelooumodelospara downloaddemúsicadigital. Manteracolaboraçãoqueinteresseaosartistas(ouosartistas podemirdiretamenteembuscadosseusfãs). Devemrelaxarocontroledocopyrightsobreartistasesobreas atividadesdoconsumidordemodosuficienteparasatisfazeras necessidadescríticasdeambososgrupos.

44 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OsconsumidoresdeMúsicaprecisam: Músicaaqualquerhoraeemqualquerlugar. ObterCDapreçosmaisbaixosparaquesejammotivadosa pagarpeloacessoon line. Teroacessoflexível. Adquirirvantagenseseligarmaisestreitamenteaosartistas.

45 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OsMúsicosprecisam: Maispropriedadesobresuamúsica. Umamaiorpercentagemdemúsicareceitas. Maiorflexibilidadecontratual. Maiorcomercializaçãoopções(porexemplo,oacessodirecto aosconsumidoresatravésdainternet).

46 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA MobileInternetiráacrescentarvaloraosserviçosdemúsica digitalporquevaiaumentaroacessomúsicaeas possibilidadesdecompraparaosconsumidores. Éimportantesalientar,Internetmóveltambémirácriar oportunidadesparaosconsumidoresparacomunicarunscom osoutrosnotrabalho,naescolaounaruasobresuasmúsicas favoritas,artistaspreferidose,istodeveserconsideradopara novoslançamentosnomercado.

47 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Alémdisso,oaumentodasreceitascomosserviçosmóveisde músicapoderiaincentivarosselosmusicaisaabrirseus catálogosparadownloadcompreçosquesatisfaçam simultaneamenteutilizadoreseartistas. AnovaeconomiadigitaleasperspectivasdaInternetmóvel paraamúsicaestãomaisparaocaminhoassinaladoporjohn PerryBarlow:éprecisoapostarnosrelacionamentosenãona propriedade.

48 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA DispositivosmóveisInternetnãoirãosubstituiraInternetfixa. Asduasplataformasvãocoexistiremdiferentesformações dependendodolocaledainfra estruturadetelecomunicações, dodesenvolvimentdeaplicaçõesedaprocurados consumidores.

49 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Maisécertoqueganharáforçaaflexibilidadeeapossibilidade demilhõesdeusuáriosnomundointeiro,aqualquermomento, teracessoàinformaçãoeainúmerosserviços,taiscomoode músicadigital. Comoequandoeatéondechegaremosdependerá,em grandemedidadaimaginaçãodostecnólogoseempresários,a sabedoriadosreguladores,bemcomodavontadedeartistase consumidores.

Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva

Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva Produtos de software Produtos de software Produtos de software Produtos de hardware Banco de dados distribuído

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE 13:00 13:45 Cálculo Diferencial e Integral I s de (Raphael ) de 13:45 14:30 Cálculo Diferencial e Integral I s de de 14:30 15:15 Cálculo

Leia mais

$GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP

$GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP $GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, &ivvlr'%3lqkhlur SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP 2EMHWLYRV $SUHVHQWDUDVSULQFLSDLVSURILVV}HVH FDUDFWHUtVWLFDVGRVSURILVVLRQDLVGDiUHD GH7,UHVVDOWDQGR &DUDFWHUtVWLFDVSURILVVLRQDLV

Leia mais

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE O QUE É O ZIMBRA? Zimbra é uma solução corporativa de e-mail, calendário e colaboração criado para a nuvem. Com uma interface web totalmente redesenhada, o Zimbra oferece, atualmente, a experiência com

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

(1º SEMESTRE) - VESPERTINO

(1º SEMESTRE) - VESPERTINO (1º SEMESTRE) - VESPERTINO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE (DANILO) (DANILO (DANILO) EM (DANILO EM DE DE EM INGLÊS I DE DE EM INGLÊS I (2º SEMESTRE) - VESPERTINO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA APLICADA

Leia mais

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL O que é Hyper-Threading (HT)? Hyper-Threading (HT) é uma tecnologia existe nos processadores que visa explorar com mais eficiência o uso da CPU, o grande foco desta tecnologia é evitar ociosidade de processamento

Leia mais

Armazenamento em nuvem

Armazenamento em nuvem Armazenamento em nuvem Pesquisa global GfK Setembro 2015 1 É crescente a discussão sobre o poder do armazenamento em nuvem e os impactos que terá sobre o consumo de conteúdo 1. Pensando nisso, a GfK investigou

Leia mais

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE 2015 - FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em 13.01.2016

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE 2015 - FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em 13.01.2016 1 41111268 Administração Noite Contagem 2 41120347 Administração Noite Contagem 3 41210349 Administração Noite Contagem 4 41210489 Administração Noite Contagem 5 41210658 Administração Noite Contagem 6

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

FICHA DE CURSO. Direito Penal Tributário

FICHA DE CURSO. Direito Penal Tributário FICHA DE CURSO Direito Penal Tributário DESCRIÇÃO DO CURSO Este Curso pretende analisar a importância do Direito Penal Tributário no contexto legislativo português. O objetivo global do mesmo é dotar todos

Leia mais

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER

Leia mais

Tema I: Teoria Matemática das Eleições Nº de Aulas Previstas (90 m): 18

Tema I: Teoria Matemática das Eleições Nº de Aulas Previstas (90 m): 18 Planificação Anual Matemática Aplicada às Ciências Sociais I Ano Letivo 0/0 Tema I: Teoria Matemática das Eleições Nº de Aulas Previstas (90 m): 8 a confiança em Perceber como se contabilizam os mandatos

Leia mais

FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental

FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental 2 O SEMESTRE DE 2015 2 o PERÍODO LETIVO FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental FFI0181- de Física Geral II Turmas aulas quinzenais SMA0304-Álgebra Linear SSC0602 - Introdução

Leia mais

Cultura: diferentes significados

Cultura: diferentes significados 1 Cultura: diferentes significados O termo cultura é utilizado com diferentes significados. No senso comum encontramos o uso do termo como sinônimo de educação. Nesta acepção, a cultura tem sido motivo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Campus e-learning

APRESENTAÇÃO. Campus e-learning APRESENTAÇÃO Campus e-learning ÍNDICE Bem-vindos ao nosso campus virtual Vantagens da formação e-learning Tecnologia e-learning Conteúdos de qualidade Dinamização do formando Tutorias à medida Áreas Formativas

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA

METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURA MONOGRAFIA 1 METODOLOGIA CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA MONOGRAFIA CITAÇÕES NO TEXTO REFERÊNCIA

Leia mais

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-01

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-01 UFSM-CTISM Projeto de Redes sem Fio Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 s da disciplina: Conhecer as diversas tecnologias de redes sem fio; Configurar redes sem fio; Implementar

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR B ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.):. Curso: Engenharia e Tecnologia de Materiais 4. Grau ou diploma: Licenciatura

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

Prova Institucional. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho)

Prova Institucional. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho) Prova Institucional Mês de aplicação: novembro 2013. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho) Nota : Valerá 40% do valor da Avaliação 2 Qualquer dúvida deverá ser

Leia mais

Sustentabilidade x Desperdício

Sustentabilidade x Desperdício Sustentabilidade x Desperdício Alunos: Antônio Fernandes Margarida Késsia Daniele de Brito Nilmara Oliveira Introdução O tema consciência ambiental tem estado em alta no Brasil. A falta d água em vários

Leia mais

Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Algumas Técnicas Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Brainstorming Conceito Propõe que um grupo de pessoas (de 1até 10 pessoas aproximadamente) se reúnam

Leia mais

CALENDÁRIO D E P ROVA S

CALENDÁRIO D E P ROVA S 1º ANO - ENSINO MÉDIO 1EL01 1EL02 1EM03 1EM04 1IN05 1ME06 1PG07 1 1º ANO - ENSINO TÉCNICO 1EL01 1EL02 1EM03 1EM04 1IN05 1ME06 1PG07 Desenho Desenho Desenho Digital Digital Resistência de Resistência de

Leia mais

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Inaugurado em julho deste ano, o Laboratório de Tecnologia Sonar (LabSonar) do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Programação de

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº45 24/02-09/03 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº45 24/02-09/03 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional REUNIÃO DE ACOLHIDA DE CALOUROS Palestras promovidas pela Pró-reitoria Acadêmica, em parceria com a

Leia mais

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Andréa Willa Rodrigues Villarim (Voluntário) Marcelo Pereira Rufino (Bolsista) Larissa Aguiar (Bolsista) Nady Rocha

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre INCLUSÃO DIGITAL 1º Semestre Sumário 1. Objetivos...4 2. Cursos oferecidos...4 2.1 Informática Básica...4 2.1.1. Windows...4 2.1.2. Word...4 2.1.3. Excel...4 2.1.4. PowerPoint...4 2.1.5. Internet...4 2.2

Leia mais

Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação)

Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação) Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação) Método de decomposição hierárquica utilizando níveis crescentes de detalhe (abordagem top-down) Primeira noção de encapsulamento de operações Decomposição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

Mineração da base Vestibular

Mineração da base Vestibular Mineração da base Vestibular André Cardoso de Souza Newton Amaro Jr Departamento de Ciência da Computação UFMG 13 de Dezembro de 2006 Base Vestibular Base Vestibular Base com informações dos vestibulares

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Algoritmos e Linguagem de Programação I

Algoritmos e Linguagem de Programação I Algoritmos e Linguagem de Programação I Roberto Ferreira roberto.ferreira@lapa.ifbaiano.edu.br 2014.1 Módulo I Aula 4 Introdução ao C Linguagem de Programação É um conjunto de regras sintáticas e semânticas

Leia mais

Responda às questões de 37 a 39 de acordo com o Caderno de Atenção Básica, nº 17, que trata da reorganização das ações de saúde bucal na atenção primária. Responda às questões de 47 a 50, de acordo com

Leia mais

EMPRESAS VIRTUAIS SERVIÇOS RECEÇÃO,TRATAMENTO DE CORRESPONDÊNCIA E ATENDIMENTO TELEFÓNICO

EMPRESAS VIRTUAIS SERVIÇOS RECEÇÃO,TRATAMENTO DE CORRESPONDÊNCIA E ATENDIMENTO TELEFÓNICO ESCRITÓRIO VIRTUAL: O QUE É? O Escritório Virtual é a solução ideal para empresas, trabalhadores em nome individual ou empresas de franchising, que não necessitem de ter um escritório físico permanente,

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas a Matemática

Novas Tecnologias Aplicadas a Matemática Novas Tecnologias Aplicadas a Matemática Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas - Campus de Cruz das Almas 28 de maio de 2009 Figura: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia UFRB As invenções já há

Leia mais

Disciplina de Didáctica da Química I

Disciplina de Didáctica da Química I Disciplina de Didáctica da Química I Texto de Apoio Concepções Alternativas em Equilíbrio Químico Autores: Susana Fonseca, João Paiva 3.2.3 Concepções alternativas em Equilíbrio Químico Tal como já foi

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM MUSEU VIRTUAL TOTAL PARA O MUNICÍPIO DE IPORÁ

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM MUSEU VIRTUAL TOTAL PARA O MUNICÍPIO DE IPORÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO CÂMPUS IPORÁ COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO DO IF GOIANO CÂMPUS IPORÁ PROPOSTA DE CRIAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CEB DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CEB DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM Módulo 1 - As empresas Turísticas Tipologia 1. Tipologia e classificação quanto ao segmento de mercado em que se enquadram 2. Tipologia dos Serviços prestados 2.1.Operadores turísticos 2.2.Transportadoras

Leia mais

SketchUp para design de móveis

SketchUp para design de móveis 1 SketchUp para design de móveis João Gaspar 1 a Edição ProBooks São Paulo 2013 7 Introdução para quem é este livro O livro Se este livro não é para você, então qual é? SketchUp Pro 2013 passo a passo.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A TESTE Nº Grupo I As cinco questões deste grupo são de escolha múltipla. Para cada uma delas são indicadas quatro alternativas,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011 CENTRO DE REFERÊNCIA EM INOVAÇÃO MINAS Devolutiva da Dinâmica de Escolha dos Temas de 2011 Março 2011 Introdução Os rumos da inovação em Minas, foi o debate central do encontro que marcou o lançamento

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CATEGORIAS: Estudantes, Graduados e Especialista, Pós-graduados Stricto Sensu 1. Participação 1.1. Para o VI Fórum serão aceitos trabalhos de graduação,

Leia mais

Elaboração do projeto

Elaboração do projeto Elaboração do projeto Há muitas formas possíveis de se realizar um projeto, e o grupo deve discutir e decidir como irá fazê-lo. É fundamental refletir sobre algumas questões que deverão nortear as ações:

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

A Lousa Interativa ou Eletrônica como Uso Pedagógico. Profa. Marcia Kniphoff da Cruz e Alunas Bolsistas da Licenciatura em Computação

A Lousa Interativa ou Eletrônica como Uso Pedagógico. Profa. Marcia Kniphoff da Cruz e Alunas Bolsistas da Licenciatura em Computação A Lousa Interativa ou Eletrônica como Uso Pedagógico Profa. Marcia Kniphoff da Cruz e Alunas Bolsistas da Licenciatura em Computação Quem já trocou seu celular uma ou mais vezes? Núcleo de Socialização

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO MÓVEL PARA DIMENSIONAMENTO DE BARRAS DE TRELIÇAS BI APOIADAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO MÓVEL PARA DIMENSIONAMENTO DE BARRAS DE TRELIÇAS BI APOIADAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO MÓVEL PARA DIMENSIONAMENTO DE BARRAS DE TRELIÇAS BI APOIADAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido

Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido 1. Introdução O DHG544B é um produto para acesso à rede de Dados e Voz, o que possibilida navegação em Banda Larga e telefonia reunidos em um só produto! Também

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer.

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. CONFIGURANDO O SISTEMA OFFLINE DR.MICRO IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. 1- Ao acessar a plataforma online a opção Minha Escola

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de Programação I Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Complexidade dos sistemas de software Estrutura Decomposição Abstração Hierarquia Projeto de sistemas complexos

Leia mais

GLOBAL MOBILE NETWORK Inc. THE CONCEPTS FACTORY

GLOBAL MOBILE NETWORK Inc. THE CONCEPTS FACTORY GLOBAL MOBILE NETWORK Inc. THE CONCEPTS FACTORY 1.0 GLOBAL MOBILE NETWORK Inc 2.0 BUSINESS CONCEPTS - GMN - Multi Virtual Franchise - wor(l)d communicate - wor(l)d technology 3.0 CORPORATE STRUCTURE -

Leia mais

Com Sistema Patenteado de Rodízios Microprocessado

Com Sistema Patenteado de Rodízios Microprocessado Linha Office Security com Estabilizador e Filtro de Linha 115V-127V Acabamento em Material Nobre. Similar aos computadores modernos. Com Sistema Patenteado de Rodízios Auto-teste na partida; Permite ser

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Informática Documental 2. Documental 2

Informática Documental 2. Documental 2 1 Informática Documental 2 Ano Lectivo 2006 / 2007 2 Conceitos e tecnologias associadas à Internet. Serviços básicos disponibilizados pela Internet. Conceitos e ferramentas para a criação de sites. Fundamentos

Leia mais

Notas: Por enquanto só permite contas Gmail e icloud. Para instalar esta aplicação necessita de ter ou criar uma conta Dropbox.

Notas: Por enquanto só permite contas Gmail e icloud. Para instalar esta aplicação necessita de ter ou criar uma conta Dropbox. 1 É um serviço de email que o irá ajudar a gerir os seus emails recebidos de uma forma fácil e intuitiva. Se recebe dezenas de emails por dia, tanto profissionais como pessoais e não tem tempo para os

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

A A ENSINO DISTÂNCIA

A A ENSINO DISTÂNCIA ENSINO A DISTÂNCIA Apresentação Prezados servidores e servidoras, Em atendimento ao disposto nas Resoluções 111/10 e 126/11 do CNJ, a Escola de Administração Judiciária disponibilizou cursos on line como

Leia mais

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e aluna Patricia) Adaptação da SEQUÊNCIA DIDÁCTCA 2 do livro "Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio" de Irene Mauricio Cazorla

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO

EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO 1. OBJETIVO 1.1. Este Edital tem o objetivo de formar cadastro de reserva para contratação

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de MACS 10º ano Ano Letivo 2014/2015

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Mobilidade Rede de Computadores II Espectro da mobilidade, do ponto de vista da rede: Slide 2 Mobilidade - Jargão Rede Nativa (Home Network), residência permanente de um

Leia mais

Consórcio das universidades públicas

Consórcio das universidades públicas GRADUAÇÃO Consórcio das universidades públicas UERJ UNIRIO UENF UFRJ UFF UFRRJ CEFET/ RJ O corpo docente pertence às universidades consorciadas. É dele a responsabilidade do preparo do projeto político

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL Deliberação CEE 285 e 297 Estrutura e Organização As disciplinas serão ministradas aos sábados, por um professor/orientador acompanhado de um orientador da aprendizagem.

Leia mais

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego

Guia de orientação Criação do Próprio Emprego B- Criação do próprio emprego pag. 57 Para quem deseja ter uma actividade independente, por conta própria, a criação do seu próprio emprego é uma via alternativa para ingressar no mundo do trabalho. Criar

Leia mais

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2 ANTES DA APLICAÇÃO, O TÉCNICO EM TI DEVERÁ PREPARAR OS LABORATÓRIOS DE ACORDO COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: a. CRIAR UM LINK DE ACESSO À INTERNET DE, NO MÍNIMO, 2 (DOIS) MB/S (MEGABYTES POR SEGUNDO)

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

Projeto Copy Mech Security

Projeto Copy Mech Security Projeto Copy Mech Security João Gabriel Ribeiro - gabriel@ribeirorepres.com.br João Paulo Mella Bacchmi - joao_@sulbbs.com.br João Pedro Antunes Fontes - joaopedro_fontes@yahoo.com.br Mauricio Mendez Ribeiro

Leia mais

Direito. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Direito. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Direito Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo que atende

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado:

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Departamento de Educação Física F e Desporto SEMINÁRIO Educação Física e Desporto O Processo Bolonha, Estágios e Saídas Profissionais 26 de Junho de 2007 Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Jorge

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 12 de Dezembro de 2008 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

Workshop MOVER PORTUGAL Formação Gratuita para Desempregados

Workshop MOVER PORTUGAL Formação Gratuita para Desempregados Workshop MOVER PORTUGAL Formação Gratuita para Desempregados Índice 7. Sobre nós 6. Como pode apoiar-nos 5. Datas de realização e inscrição 4. Conteúdos Programáticos 3. O Workshop MOVER PORTUGAL 1. O

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE T1011 GUILHERME RODRIGUES Ano 2015 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DA IDE ECLIPSE. Neste documento aborda como instalar e configurar a IDE eclipse para

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Processadores É indispensável em qualquer computador, tem a função de gerenciamento, controlando todas as informações de

Leia mais

1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software!

1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software! 1. Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! 2. Análise de Redes Sociais : impacto na engenharia de software! Aumento do Poder dos Usuários: impacto na TI! Dr. Manoel Veras 28.09 Jornada Goiana de

Leia mais

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação

Centro de Formação de Associação de Escolas de. Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel. Acção de Formação Centro de Formação de Associação de Escolas de Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel Acção de Formação Geogebra - Uma visita aos programas de Matemática dos 2º e 3º Ciclos Relatório final Pedro José Marques

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

Ata da Reunião de 04 de julho de 2008

Ata da Reunião de 04 de julho de 2008 Ata da Reunião de 04 de julho de 2008 Reunião de 04 de julho de 2008 Local: Sede do NIC.br - São Paulo - SP 0. Abertura A reunião foi aberta e coordenada pelo conselheiro Augusto César Gadelha Vieira,

Leia mais

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 André Luiz Borges Milhomem Mestre em Educação UNEMAT andre80@unemat.br Heloisa Salles Gentil Profª Drª do Programa

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais