X ENCONTRO MULTITUDES INTELIGENTES E CIBERRESISTÊNCIA: SUBVERSÕES EM CURSO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X ENCONTRO MULTITUDES INTELIGENTES E CIBERRESISTÊNCIA: SUBVERSÕES EM CURSO NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES."

Transcrição

1 XENCONTRO MULTITUDESINTELIGENTESE CIBERRESISTÊNCIA:SUBVERSÕESEM CURSONAREDEMUNDIALDE COMPUTADORES.

2 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. oquerheingoldquerdizercom smartmobs?

3 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Asmartmobéumaformadeorganizaçãosocialauto organizadaatravésdocomportamentoemergente mediadopelastecnologiasinformacionais. DeacordocomRheingold,smartmobssãouma indicaçãoqueousoedisseminaçãodastecnologiasde comunicaçãoestãofortalecendoaspessoascomuns.

4 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. exemplo: 20jan2001,Filipinas,JosephEstradaé deposto... "Go2EDSA,Wearblck

5 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. ProfVicenteRafael: aculturadosmséinerentemente subversiva...

6 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. comunidadesdeinteressemóveis LOVEGETY (chaveiroqueemitesinal,5mts,quando cruzamososexoopostocomperfil compatível)

7 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. UpocemManhattan (pontodecontatouniversal):comunidades deinteressemóveis. ImaHimapermitesaberquaisdosseus amigosestãonosarredoresacada momento...

8 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. ousodobluetooth/redesadhoc... sensoresereputaçãoemredesp2p... cooperativasdeconexãoaberta... nuvemdeacessolivre...

9 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Estratégianômade... ConceitodeTAZ(ZONAAUTÔNOMA TEMPORÁRIA)deHAKIMBEY.

10 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Amúsicacomoprincípiooganizacionaléo capítulo6dotaz.

11 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. FLASHMOB(multidãoinstantânea)éum evento,umamanifestaçãoemquepessoasaparecem emdeterminadosespaçospúblicosouprivadospara realizarcoreografiasousimplesmenteparaprotestar poralgoinusitadooupornenhumacausaaparente. FlashmobéconvocadaporcelularesepelaInternet.

12 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Umaflashmobimportanteocorreu,em2003na cidadedenovayork,nodepartamentodetapetesda lojamacy,ondeaproximadamente100pessoas reuniram seemvoltadeumtapeteespecífico. Ononsensetemsidofundamentalemumaflashmob.

13

14 COMUNIDADESVIRTUAISESMARTMOBS. Questões: Comooflashmobserelacionacomaidéiadeque vivemosasociedadedoespetáculo(guydebord)? Oflashmobéadeformaçãopropositadadoespetáculo?É arepresentaçãodanão idéia? Éosimulacrodamobilização(Baudrillard)?Éohiper real praticadoemuma culturasemprofundidade (F. Jameson)?Émaisumefeitoda intoxicaçãomidiática?

15 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA ParaJameson,ocapitalatravésdaascençãodamídiae daindústriadepropaganda,teriapenetradoecolonizado umenclaveatéentãoaparentementeinviolável,o Inconsciente. Afinal,oquenosévendidootempotodo,senãoisto: maneirasdeveredesentir,depensaredeperceber, demoraredevestir?ofatoéqueconsumimos,mais doquebens,formasdevida.

16 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Omidiativismo,asredesderesistênciasãocapazesde bloquearacolonizaçãodoinconsciente. Acomunicaçãoéuminstrumentoparaaautonomia? Comoseviabilizamoutrasredesquenãoascomandadas pelocapital,redesautônomas,queeventualmente cruzam,sedescolam,infletemourivalizamcomasredes dominantes?

17

18

19 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA 1.OQUEDEVEMOSFICARATENTOS? (baseadonotextousingmobilesforyourcause:do's anddon'tsofmadvocacy.disponível:

20 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Maisde84porcentodosamericanostêmtelefones celulares...osdadosmostramqueamaioriadaspessoas portamseustelemóveisemtornode18horas/dia. Celular,chavesecarteirasãoastrêscoisasqueosadultos nãosairãodecasasemeles.

21 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *ousodesmsestácrescendoeultrapassandolimites. Maisde48bilhõesdemensagensforamenviadasnomês dedezembrode2007,umamédia1,6bilhõesde mensagenspordia. AtaxadeSMSrepresentouumaumentosuperiora157 porcentoemrelaçãoadezembro2006.

22 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Mobilemarqueteirosestãorealizandocadavezmais sondagens,concursoseatémesmohistóriascurtasem sms.pepsi,ford,toyota,burgerkinglançaram campanhasparatelefonesmóveis...

23 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Visajáanunciousuaplataformamóvelquepermitiráaos seusclientesautilizaçãodetelemóveisparafazer comprasourealizaroutrasoperações,inclusive movimentarfundoseações.

24 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Maisemaisamericanostêmassistidovídeo,tiradofotos, navegandonaweb...existemoswappush(linksclicáveis parawapàbasedeconteúdosmultimédiaincorporadosnas mensagenssms)edevídeoshortcodes(emqueos consumidoresrecebemumfluxovídeodiretamenteparaseu telefoneemrespostaaumtextocomumshortcode).

25 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Osassinantesdewirellesenviamcadavezmaisimagense mensagensmultimédia.pertodequatrobilhõesdemensagens multimédia(mms)foramenviadosnosegundosemestrede Em2006,umtotalde2,7bilhõesdeMMSforamenviadas,de acordocomam:metrics. Damesmaforma,osserviçosdedadosde2007totalizaram US$23bilhões,umaumentosuperiora53porcentodas receitas2006quesomaramus$15,2bilhões.

26 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA AInternettemdoisimportantesganhosemrelaçãoàmídia tradicional:ainteratividadeeapossibilidadedeampla pesquisa. Atecnologiamóvelvaiaindamaislonge:

27 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Háumacurvadeaprendizadorelativamentebaixapara utilizarumtelemóvel,tornando semuitomaisacessíveldoque computadores. *Móveissãomeiospessoaisqueviabilizamacomunicação diretaeimediata. *Elessão,portanto,propíciosàparticipaçãoeservemà respostaimediata.

28 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *Móveispodemacompanharaspesoasemtodaaparte. *Always on...portanto,sãomeiosdecomunicaçãomais rápidosdoquequalqueroutramídia. *Ferramentashibridascomconteúdovariadopodem convergircomoutrasmídias..podemtransportarjogos, música,ringtones,edados. *Móveispermitemodesenvolvimentocriativodeconteúdos edispositivos.

29 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Porexemplo,umaanáliseavaliouascampanhasparaMóveis noreinounidoesuasconclusõesestãonorelatório"text Messageeosefeitossobreintençõesdecompra":

30 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *"44%disseramreceberemseustelefonesmóveis campanhasaceitáveis,apenas21%afirmaramqueelassão bastanteoumuitoaceitáveis."

31 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Domesmomodo,umestudodeLimbo,umacompanhiade mobilemarketing,avalioua marca doscandidatos presidenciaisnorte americanos. Oestudoincluiuanúncioscurtos(30 40caracteres)nofundo demensagensdetexto...oestudoconstatouque:

32 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *6%dosentrevistadosdisseramqueapósascampanhasde publicidadetinhammudadosignificativamenteassuas intençõesvoto.estamudançafoimaisaltaparaoshomens (7%),pessoascomidadesuperioraos35anos(7%),eparaos Afro americanos(9%). 22porcento(22%)declarousuasintençõestinhammudado umpouco.

33 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA *14%disseramquesuaspercepçõesdoscandidatosera agoramaispositivadoqueantesdacampanha.apenas(4%) disseramqueeraagoramaisnegativa...barackobamatevea maiorelevação,comumaumentolíquidode16%.

34 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Poroutrolado, ForresterResearch,emCambridge,encontrou79%dos consumidoresdescontentescomaidéiadereceberanúncios emseustelefonescontraapenas3%deinteressados.

35 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Portanto,sobrecampanhasnocelularoumarketingmóvel... opodemosfalar?

36 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Móveisoferecemumaoportunidadeúnicaparaainteração.As organizaçõesprecisamdepensarascampanhascomouma conversa,umamaneiradeinteragircomaspesoas... Aconfiançaéfundamentalemumveículodecomunicação pessoal.ganharapermissãoparaoferecerconteúdorelevante eoportunoéimprescindível.spamdeveserrecusado.

37 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Utlizaroutrosmeiosdecomunicaçãomóvel anúncios,painéis, dawebparaoferecerapossibilidadedeinteraçãocomo celularpessoal. Éprecisosermuitocuidadosocomasegmentaçãodas campanhasdeacordocomosdadosdemográficos...pediraos maisvelhosparafazerouploaddefotosmóveispodeseruma perdadetempo...

38 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Oferecernotíciaseatualizaçõesdeinformaçõesdeinteresse públicopodeserinteligente...desdequeconsentido,pode se fazercampanhascomcoletadeassinaturasparaumapetição móveis... Importanteéoferecerinformaçõesqueaspessoasquereme precisamquandoestãoemtrânsito,emmovimento.

39 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OEXEMPLODAMÚSICA: TheBigBumpyShift:DigitalMusicviaMobileInternetbyDaniel P.Dolan

40 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Músicaindústrianecessidadeseoportunidades AspossibilidadesdamúsicadigitalnaInternetmóvelcriam novosdesafiosepossibilidadesparaartistas,empresáriose, especialmente,paraaindústriamusical.

41 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA AocontráriodoJapão,ondeoselevadoscustosdeacessoà InternetcomfiocontroladapelaNTTtêmincentivadouma separaçãoentreainternetcomfioseinternetmóvel,nos EstadosUnidos,aspessoassãomaispropensasausara InternetcabeadaparadeterminadosfinseInternetmóvelpara outros.

42 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA IstosignificaqueaintroduçãodaInternetmóvelnosEstados Unidosdeveráaumentartantoochamadoe commerceb2be B2Cemtodososmercadosdeprodutosedeserviços.Por exemplo,aformacomoencaramososserviçosnainternet móvelpoderátrazerumnovoarranjoentreaindústriada música,consumidores,eartistas.

43 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA IndústriadeMúsicaprecisa: Criarreceitaseviabilizarummodelooumodelospara downloaddemúsicadigital. Manteracolaboraçãoqueinteresseaosartistas(ouosartistas podemirdiretamenteembuscadosseusfãs). Devemrelaxarocontroledocopyrightsobreartistasesobreas atividadesdoconsumidordemodosuficienteparasatisfazeras necessidadescríticasdeambososgrupos.

44 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OsconsumidoresdeMúsicaprecisam: Músicaaqualquerhoraeemqualquerlugar. ObterCDapreçosmaisbaixosparaquesejammotivadosa pagarpeloacessoon line. Teroacessoflexível. Adquirirvantagenseseligarmaisestreitamenteaosartistas.

45 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA OsMúsicosprecisam: Maispropriedadesobresuamúsica. Umamaiorpercentagemdemúsicareceitas. Maiorflexibilidadecontratual. Maiorcomercializaçãoopções(porexemplo,oacessodirecto aosconsumidoresatravésdainternet).

46 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA MobileInternetiráacrescentarvaloraosserviçosdemúsica digitalporquevaiaumentaroacessomúsicaeas possibilidadesdecompraparaosconsumidores. Éimportantesalientar,Internetmóveltambémirácriar oportunidadesparaosconsumidoresparacomunicarunscom osoutrosnotrabalho,naescolaounaruasobresuasmúsicas favoritas,artistaspreferidose,istodeveserconsideradopara novoslançamentosnomercado.

47 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Alémdisso,oaumentodasreceitascomosserviçosmóveisde músicapoderiaincentivarosselosmusicaisaabrirseus catálogosparadownloadcompreçosquesatisfaçam simultaneamenteutilizadoreseartistas. AnovaeconomiadigitaleasperspectivasdaInternetmóvel paraamúsicaestãomaisparaocaminhoassinaladoporjohn PerryBarlow:éprecisoapostarnosrelacionamentosenãona propriedade.

48 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA DispositivosmóveisInternetnãoirãosubstituiraInternetfixa. Asduasplataformasvãocoexistiremdiferentesformações dependendodolocaledainfra estruturadetelecomunicações, dodesenvolvimentdeaplicaçõesedaprocurados consumidores.

49 MULTITUDESINTELIGENTESECIBERRESISTÊNCIA Maisécertoqueganharáforçaaflexibilidadeeapossibilidade demilhõesdeusuáriosnomundointeiro,aqualquermomento, teracessoàinformaçãoeainúmerosserviços,taiscomoode músicadigital. Comoequandoeatéondechegaremosdependerá,em grandemedidadaimaginaçãodostecnólogoseempresários,a sabedoriadosreguladores,bemcomodavontadedeartistase consumidores.

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE 13:00 13:45 Cálculo Diferencial e Integral I s de (Raphael ) de 13:45 14:30 Cálculo Diferencial e Integral I s de de 14:30 15:15 Cálculo

Leia mais

$GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP

$GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP $GPLQLVWUDomRGH&3' 3URILVVLRQDLVGH7, &ivvlr'%3lqkhlur SLQKHLURFDVVLR#LJFRPEU FDVVLRRUJIUHHFRP 2EMHWLYRV $SUHVHQWDUDVSULQFLSDLVSURILVV}HVH FDUDFWHUtVWLFDVGRVSURILVVLRQDLVGDiUHD GH7,UHVVDOWDQGR &DUDFWHUtVWLFDVSURILVVLRQDLV

Leia mais

(1º SEMESTRE) - VESPERTINO

(1º SEMESTRE) - VESPERTINO (1º SEMESTRE) - VESPERTINO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE (DANILO) (DANILO (DANILO) EM (DANILO EM DE DE EM INGLÊS I DE DE EM INGLÊS I (2º SEMESTRE) - VESPERTINO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA APLICADA

Leia mais

Armazenamento em nuvem

Armazenamento em nuvem Armazenamento em nuvem Pesquisa global GfK Setembro 2015 1 É crescente a discussão sobre o poder do armazenamento em nuvem e os impactos que terá sobre o consumo de conteúdo 1. Pensando nisso, a GfK investigou

Leia mais

FICHA DE CURSO. Direito Penal Tributário

FICHA DE CURSO. Direito Penal Tributário FICHA DE CURSO Direito Penal Tributário DESCRIÇÃO DO CURSO Este Curso pretende analisar a importância do Direito Penal Tributário no contexto legislativo português. O objetivo global do mesmo é dotar todos

Leia mais

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE 2015 - FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em 13.01.2016

FORMANDOS 2º SEMESTRE DE 2015 - FACULDADE UNA DE CONTAGEM - Atualizada em 13.01.2016 1 41111268 Administração Noite Contagem 2 41120347 Administração Noite Contagem 3 41210349 Administração Noite Contagem 4 41210489 Administração Noite Contagem 5 41210658 Administração Noite Contagem 6

Leia mais

Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva

Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva Prospects & Challenges of Business of Brazilian Geospatial Industry Antonio Machado e Silva Produtos de software Produtos de software Produtos de software Produtos de hardware Banco de dados distribuído

Leia mais

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE

O QUE É O ZIMBRA? CONFIGURAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E SUPORTE O QUE É O ZIMBRA? Zimbra é uma solução corporativa de e-mail, calendário e colaboração criado para a nuvem. Com uma interface web totalmente redesenhada, o Zimbra oferece, atualmente, a experiência com

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zimbra no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental

FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental 2 O SEMESTRE DE 2015 2 o PERÍODO LETIVO FCM0102-Física II SMA0332-Cálculo II SQM0405-Química Geral e Experimental FFI0181- de Física Geral II Turmas aulas quinzenais SMA0304-Álgebra Linear SSC0602 - Introdução

Leia mais

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-01

UFSM-CTISM. Projeto de Redes sem Fio Aula-01 UFSM-CTISM Projeto de Redes sem Fio Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 s da disciplina: Conhecer as diversas tecnologias de redes sem fio; Configurar redes sem fio; Implementar

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR B ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.):. Curso: Engenharia e Tecnologia de Materiais 4. Grau ou diploma: Licenciatura

Leia mais

Prova Institucional. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho)

Prova Institucional. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho) Prova Institucional Mês de aplicação: novembro 2013. Unidade : Todas as Unidades Projeção (Taguatinga, Guará, Ceilândia e Sobradinho) Nota : Valerá 40% do valor da Avaliação 2 Qualquer dúvida deverá ser

Leia mais

Responda às questões de 37 a 39 de acordo com o Caderno de Atenção Básica, nº 17, que trata da reorganização das ações de saúde bucal na atenção primária. Responda às questões de 47 a 50, de acordo com

Leia mais

Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação)

Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação) Aula anterior... Definição do algoritmo (continuação) Método de decomposição hierárquica utilizando níveis crescentes de detalhe (abordagem top-down) Primeira noção de encapsulamento de operações Decomposição

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre

INCLUSÃO DIGITAL. 1º Semestre INCLUSÃO DIGITAL 1º Semestre Sumário 1. Objetivos...4 2. Cursos oferecidos...4 2.1 Informática Básica...4 2.1.1. Windows...4 2.1.2. Word...4 2.1.3. Excel...4 2.1.4. PowerPoint...4 2.1.5. Internet...4 2.2

Leia mais

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL

Imagem retirada de documentações de treinamentos oficiais INTEL O que é Hyper-Threading (HT)? Hyper-Threading (HT) é uma tecnologia existe nos processadores que visa explorar com mais eficiência o uso da CPU, o grande foco desta tecnologia é evitar ociosidade de processamento

Leia mais

CALENDÁRIO D E P ROVA S

CALENDÁRIO D E P ROVA S 1º ANO - ENSINO MÉDIO 1EL01 1EL02 1EM03 1EM04 1IN05 1ME06 1PG07 1 1º ANO - ENSINO TÉCNICO 1EL01 1EL02 1EM03 1EM04 1IN05 1ME06 1PG07 Desenho Desenho Desenho Digital Digital Resistência de Resistência de

Leia mais

Mineração da base Vestibular

Mineração da base Vestibular Mineração da base Vestibular André Cardoso de Souza Newton Amaro Jr Departamento de Ciência da Computação UFMG 13 de Dezembro de 2006 Base Vestibular Base Vestibular Base com informações dos vestibulares

Leia mais

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares

28/9/2010. Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Arquitetura de Computadores Paralelismo no nível de instruções Processadores superescalares Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Processadores superescalares A partir dos resultados

Leia mais

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software

Objetivos desta Aula. Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1. Sumário. Engenharia de Software. Custos do Software. Custos do Software Objetivos desta Aula Introdução a Engenharia de Software Capítulo 1 Introduzir a engenharia de e explicar a sua importância Responder uma série de perguntas sobre engenharia de Introduzir questões éticas

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A. TESTE Nº 2 Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA COM º CICLO D. DINIS º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A TESTE Nº Grupo I As cinco questões deste grupo são de escolha múltipla. Para cada uma delas são indicadas quatro alternativas,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL Deliberação CEE 285 e 297 Estrutura e Organização As disciplinas serão ministradas aos sábados, por um professor/orientador acompanhado de um orientador da aprendizagem.

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido

Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido Ponto de acesso para Dados e Voz Guia rápido 1. Introdução O DHG544B é um produto para acesso à rede de Dados e Voz, o que possibilida navegação em Banda Larga e telefonia reunidos em um só produto! Também

Leia mais

SketchUp para design de móveis

SketchUp para design de móveis 1 SketchUp para design de móveis João Gaspar 1 a Edição ProBooks São Paulo 2013 7 Introdução para quem é este livro O livro Se este livro não é para você, então qual é? SketchUp Pro 2013 passo a passo.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 12 de Dezembro de 2008 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO

EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO EDITAL Nº 01/2015 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO, NÃO REMUNERADO E BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EMBRAPA ALGODÃO 1. OBJETIVO 1.1. Este Edital tem o objetivo de formar cadastro de reserva para contratação

Leia mais

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer.

IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. CONFIGURANDO O SISTEMA OFFLINE DR.MICRO IMPORTANTE: O sistema Off-line Dr.Micro é compatível com os navegadores Mozilla Firefox e Internet Explorer. 1- Ao acessar a plataforma online a opção Minha Escola

Leia mais

A A ENSINO DISTÂNCIA

A A ENSINO DISTÂNCIA ENSINO A DISTÂNCIA Apresentação Prezados servidores e servidoras, Em atendimento ao disposto nas Resoluções 111/10 e 126/11 do CNJ, a Escola de Administração Judiciária disponibilizou cursos on line como

Leia mais

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Campus e-learning

APRESENTAÇÃO. Campus e-learning APRESENTAÇÃO Campus e-learning ÍNDICE Bem-vindos ao nosso campus virtual Vantagens da formação e-learning Tecnologia e-learning Conteúdos de qualidade Dinamização do formando Tutorias à medida Áreas Formativas

Leia mais

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2 ANTES DA APLICAÇÃO, O TÉCNICO EM TI DEVERÁ PREPARAR OS LABORATÓRIOS DE ACORDO COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: a. CRIAR UM LINK DE ACESSO À INTERNET DE, NO MÍNIMO, 2 (DOIS) MB/S (MEGABYTES POR SEGUNDO)

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Mobilidade Rede de Computadores II Espectro da mobilidade, do ponto de vista da rede: Slide 2 Mobilidade - Jargão Rede Nativa (Home Network), residência permanente de um

Leia mais

Consórcio das universidades públicas

Consórcio das universidades públicas GRADUAÇÃO Consórcio das universidades públicas UERJ UNIRIO UENF UFRJ UFF UFRRJ CEFET/ RJ O corpo docente pertence às universidades consorciadas. É dele a responsabilidade do preparo do projeto político

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 06/2013 1. PREÂMBULO

COLETA DE PREÇOS nº 06/2013 1. PREÂMBULO COLETA DE PREÇOS nº 06/2013 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério menor preço, objetivando

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Prêmio ABRALOG Índice Informações Gerais... 3 Dificuldades Encontradas...............

Leia mais

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia de Software

Uma Introdução à Engenharia de Software Uma Introdução à Engenharia de Software Objetivos Apresentar a engenharia de software e explicar a sua importância Dirigir as respostas às questões-chave sobre engenharia de software Tópicos abordados

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Transporte Internacional. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Globalização e Competitividade. Prof. Me. Luciano Minghini

Transporte Internacional. Aula 6. Contextualização. Instrumentalização. Globalização e Competitividade. Prof. Me. Luciano Minghini Transporte Internacional Aula 6 Contextualização Prof. Me. Luciano Minghini Tecnologias na gestão do transporte internacional Na comunicação Instrumentalização Na integração No apoio às operações Globalização

Leia mais

Fonte: http://www.revistafator.com.br:80/ver_noticia.php?not=32509

Fonte: http://www.revistafator.com.br:80/ver_noticia.php?not=32509 Os dez anos da lei 9.656/98 em discussão reunidos no 7º Fórum Jurídico da Unidas. A Unidas União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde anualmente, tem o objetivo de realizar um balanço sobre

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 4ª Série Programação em Dispositivos Móveis A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de

Leia mais

Planificação. Apreender conceitos sobre a lógica de programação. Aplicar instruções e sequências lógicas na resolução de problemas

Planificação. Apreender conceitos sobre a lógica de programação. Aplicar instruções e sequências lógicas na resolução de problemas MÓDULO 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO E ALGORITMIA 1. Introdução à Lógica de Programação 1.1. Lógica 1.2. Sequência Lógica 1.3. Instruções 1.4. Algoritmos 2. Desenvolvimento de Algoritmos 2.1. Pseudocódigo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação. DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação. DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DERUS Departamento de Relacionamento com o Usuário MANUAL DO USUÁRIO Manutenção da Caixa de Correio do

Leia mais

EXAMES DA ÉPOCA DE RECURSO

EXAMES DA ÉPOCA DE RECURSO Engenharia Informática Último Dia para Álegebra Linear e Geometris Analítica Interacção com o Utilizador Engenharia de Software Arquitectura de Computadores Bases de Dados Introdução à Inteligência Artificial

Leia mais

Ciência Tecnologia - Inovação

Ciência Tecnologia - Inovação Ciência Tecnologia - Inovação Tecnologias da informação A Tecnologia da Informação assumiu nos últimos anos um papel imprescindível no contexto das Instituições de Ensino Superior. agilidade flexibilidade

Leia mais

Cultura: diferentes significados

Cultura: diferentes significados 1 Cultura: diferentes significados O termo cultura é utilizado com diferentes significados. No senso comum encontramos o uso do termo como sinônimo de educação. Nesta acepção, a cultura tem sido motivo

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

Como posso usar o HP Easy Printer Care através de USB ou conexão paralela?

Como posso usar o HP Easy Printer Care através de USB ou conexão paralela? HP Easy Printer Care Perguntas freqüentes Como posso usar o HP Easy Printer Care através de USB ou conexão paralela? O HP Easy Printer Care só pode ser usado através de USB ou de uma conexão paralela se

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica Vagas no Vestibular: 40 (quarenta) regime semestral

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 207 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Noite - Currículo nº 06 CÓD. 2509 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Manhã e Noite - Currículo

Leia mais

Profa. Adriana de Souza Guimarães Coordenadora do Curso de Engenharia da Computação

Profa. Adriana de Souza Guimarães Coordenadora do Curso de Engenharia da Computação 1º PERÍODO 17/03 Física Geral I 26/05 Física Geral I 18/03 Física Geral I - Dependente 27/05 Física Geral I - Dependente 18/03 Geometria Analítica e Vetores -A 27/05 Geometria Analítica e Vetores -A 19/03

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS 1. Finalidade 1.1 A finalidade desta Política de Exercício de Voto em Assembleias é estabelecer e comunicar princípios e regras para o exercício

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Sustentabilidade x Desperdício

Sustentabilidade x Desperdício Sustentabilidade x Desperdício Alunos: Antônio Fernandes Margarida Késsia Daniele de Brito Nilmara Oliveira Introdução O tema consciência ambiental tem estado em alta no Brasil. A falta d água em vários

Leia mais

Boas vindas e introdução por parte dos representantes do Chile, dos Estados Unidos e da Organização dos Estados Americanos

Boas vindas e introdução por parte dos representantes do Chile, dos Estados Unidos e da Organização dos Estados Americanos PROVA ELETRÔNICA EM INVESTIGAÇÕES CRIMINAIS Workshop Regional para a América do Sul do Grupo de Peritos Governamentais sobre Delito Cibernético da OEA REMJA Santiago, Chile, 21 a 23 de julho de 2009 Terça

Leia mais

LINVOX DOSVOX em Linux

LINVOX DOSVOX em Linux LINVOX DOSVOX em Linux Senabraille - Goiânia José Antonio Borges Projeto DOSVOX NCE/UFRJ - nov/2004 Uso de computadores por DVs Leitura e escrita foram tornadas, entre videntes e cegos, razoavelmente compatíveis

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

Aula 1 Introdução ao Word 2013

Aula 1 Introdução ao Word 2013 O que é o curso? Nove em cada dez empresas utilizam o Microsoft Word para diversas funções, seja para digitarmos simples documentos, ou para digitarmos grandes contratos empresariais. É fundamental o aprendizado

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Arquitectura e Artes Licenciatura Arquitectura Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS Semestre: 2 Nº ECTS: 4,0 Regente Sandra de Magalhães Campos,

Leia mais

20:50 às 22:30 - - - - Linguagens de Programação Modernas. Desenvolvimento de Sistemas Web 20:50 às 22:30 Engenharia de Software - -

20:50 às 22:30 - - - - Linguagens de Programação Modernas. Desenvolvimento de Sistemas Web 20:50 às 22:30 Engenharia de Software - - (SegundaFeira) (TerçaFeira) (QuartaFeira) (QuintaFeira) Organização de Computadores Gerência de Projetos de Algoritmo e Programação Arquitetura de Computadores Microprocessadores Introdução a Economia

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO

MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO Faculdades Associadas de Uberaba - FAZU Mantenedora: Fundação Educacional para o Desenvolvimento das Ciências Agrárias - FUNDAGRI MANUAL INFORMATIVO DO ALUNO Curso de Pós-graduação lato sensu em Assessoria

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO ATA DA SESSÃO PÚBLICA PREÂMBULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO ATA DA SESSÃO PÚBLICA PREÂMBULO AUTARQUIA FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO COREN-SP Pregão Nº : 063/2009 Processo : PRCI nº 91645 ATA DA SESSÃO PÚBLICA Objeto : Aquisição de mobiliário e instalações PREÂMBULO No dia

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

Manipulação de Arquivos Ubuntu. Haline de Souza Scotti Rodrigo Fantinati Ferreira

Manipulação de Arquivos Ubuntu. Haline de Souza Scotti Rodrigo Fantinati Ferreira Manipulação de Arquivos Ubuntu Haline de Souza Scotti Rodrigo Fantinati Ferreira Veremos nesta aula Visão geral do ambiente Ubuntu Arquivos e Diretórios Manipulação de arquivos Exercício Visão geral do

Leia mais

CALENDÁRIO DE PROVAS FINAIS 2º SEMESTRE/2015 TURMA 1A-1M

CALENDÁRIO DE PROVAS FINAIS 2º SEMESTRE/2015 TURMA 1A-1M TURMA 1A-1M 07:30/9:10 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL 9:30/11:10 GLOBALIZAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES 07:30/9:10 INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE 9:30/11:10 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 07:30/9:10 INTRODUÇÃO A CONTABILIDADE

Leia mais

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 Antigo Testamento_vale.indd 8 I. HISTÓRIA DAS ORIGENS 1 Criação do mundo 1 No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, 2 a terra era informe e vazia, as trevas

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 11. Plano de estudos: «1º Ano / 1º semestre» QUADRO N.º 2 Arquitecturas e Sistemas de Computadores CE Semestral 160 TP: 40 PL: 40 6 Algoritmos e Estruturas de Dados CE Semestral 186 TP: 46 PL: 46 7 Análise

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

Consulta e Acompanhamento de Propostas

Consulta e Acompanhamento de Propostas Consulta e Acompanhamento de Propostas 03 Consulta e Acompanhamento de propostas Posição de Propostas Análise da Proposta 07 10 17 Proposta Rejeitada 02 Consulta e Acompanhamento de Propostas No momento

Leia mais

PubLiCidadE Divulgando, criando e comunicando nas mais diversas áreas de produtos e serviços, para empresas de pequeno e médio porte.

PubLiCidadE Divulgando, criando e comunicando nas mais diversas áreas de produtos e serviços, para empresas de pequeno e médio porte. quem somos e o que fazemos PubLiCidadE Divulgando, criando e comunicando nas mais diversas áreas de produtos e serviços, para empresas de pequeno e médio porte. Estratégia baseada em pesquisa de mercado.

Leia mais

Simulação do Packet Tracer - Comunicação TCP e UDP

Simulação do Packet Tracer - Comunicação TCP e UDP Simulação do Packet Tracer - Comunicação TCP e UDP Topologia Objetivos Parte 1: Gerar tráfego de rede no modo de simulação Parte 2: Examinar a funcionalidade dos protocolos TCP e UDP Histórico Esta atividade

Leia mais

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional

Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Seminário discute o desenvolvimento de sonares com tecnologia nacional Inaugurado em julho deste ano, o Laboratório de Tecnologia Sonar (LabSonar) do Instituto de Pós- Graduação e Pesquisa de Engenharia

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel

Inovação ao Serviço dos Cidadãos. Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel Inovação ao Serviço dos Cidadãos Comunicação com os cidadãos através de tecnologia móvel 27 de Junho de 2008 Do para o Objectivos da Apresentação Canal de comunicação com os cidadãos complementar à Internet

Leia mais

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA REFORÇO DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA EM LINGUAGEM C PARA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Andréa Willa Rodrigues Villarim (Voluntário) Marcelo Pereira Rufino (Bolsista) Larissa Aguiar (Bolsista) Nady Rocha

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

CONSEQUÊNCIAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL CONSEQUÊNCIAS DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: História Política Ciências Sociologia Economia Consultor: Marina Rampazzo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS E INVASÃO DE PRIVACIDADE

NOVAS TECNOLOGIAS E INVASÃO DE PRIVACIDADE NOVAS TECNOLOGIAS E INVASÃO DE PRIVACIDADE Leandro de Souza Lino Com a onda de violência que gira em torno dos grandes centros urb, é cada vez mais comum encontrar câmeras de segurança instaladas em diversos

Leia mais

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2015s2-A 2015 Noturno. Central. Informática Aplicada à Engenharia

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2015s2-A 2015 Noturno. Central. Informática Aplicada à Engenharia 1º 2015s2-A 2015 Noturno Turma: Comunicação e Expressão Física Geral Desenho Técnico Aux. por Computador Informática Aplicada à Engenharia Fundamentos de Cálculo Introdução à Engenharia Civil Física Geral

Leia mais

Novo site de cálculo e divulgação do CUB/m² (www.cub.org.br) Avaliação geral

Novo site de cálculo e divulgação do CUB/m² (www.cub.org.br) Avaliação geral Novo site de cálculo e divulgação do CUB/m² (www.cub.org.br) Avaliação geral Daniel Furletti Coordenador Banco de dados CBIC Ieda Vasconcelos Economista Banco de Dados CBIC Histórico do Processo O processo

Leia mais

Nobreak NEW OFFICE SECURITY ONE. Melhor custo benefício do mercado! com Filtro de Linha Interno

Nobreak NEW OFFICE SECURITY ONE. Melhor custo benefício do mercado! com Filtro de Linha Interno NEW OFFICE SECURITY ONE com Filtro de Linha Interno Melhor custo benefício do mercado! Carregador Fast Charger: Recarga 3x mais rápida*. Garante maior segurança em interrupções de energia Computadores,

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

Parecer sobre os recursos / Análise e julgamento

Parecer sobre os recursos / Análise e julgamento HOSPITAL SANTO ANTÔNIO - GUARAMIRIM/SC Concurso Público n.º 01/2015 Parecer sobre os recursos / Análise e julgamento Apresentado o gabarito provisório, os(as) candidatos(as) interessados(as) apresentaram

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela

Pós-Produção. Prof. Adriano Portela Pós-Produção Prof. Adriano Portela Pós-Produção A pós-produção pode ser o aspecto menos compreendido pelo produtor. É nessa fase que as cenas e o áudio são editados e mixados para criar uma obra coerente

Leia mais

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo Desafios da convergência em um mundo totalmente IP Sidney Longo 13 de abril de 2011 Agenda O CPqD Cenário Roadmap Tecnológico Tendências Tecnológicas Computação em Nuvem Mobilidade e Redes Sociais Multiplos

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso CPU Unidade Central de Processamento História e progresso O microprocessador, ou CPU, como é mais conhecido, é o cérebro do computador e é ele que executa todos os cálculos e processamentos necessários,

Leia mais