REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS"

Transcrição

1 REUNIÃO TÉCNICA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO: ASPECTOS CONTÁBEIS, SOCIETÁRIOS E TRIBUTÁRIOS

2 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 1) É UM CONTRATO PARTICULAR, NÃO REGISTRADO; 2) SÓ SRF CONHECE, A NÍVEL DE SÓCIOS, DF S E DIPF S; 3) UM SÓCIO OSTENSIVO E UM OU MAIS PARTICIPANTES OU OCULTOS, PESSOAS JURIDICAS OU FISICAS;

3 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 4) AÇÃO JUDICIAL EM NOME DO OSTENSIVO BENEFICIA AUTOMATICAMENTE A SCP 5) O INVESTIMENTO ESTRANGEIRO NO BRASIL EM SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO NÃO PODE SER REGISTRADO NO BANCO CENTRAL DO BRASIL (SISTEMA RDE-IED)

4 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO PRESTA-SE PARA QUALQUER ATIVIDADE COMO: a) IMOBILIÁRIA (MAIS USUAL) INCORPORAÇÃO, LOTEAMENTOS, HOTELARIA (POOL); b) SERVIÇOS ADVOGADOS, MÉDICOS 1, LABORATÓRIOS, TI, ETC; 1 HÁ ACÓRDÃOS NO CARF DESFIGURANDO A SCP PORQUE OS MÉDICOS PRESTAM SERVIÇOS DIRETAMENTE AOS PACIENTES

5 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO c) CONSTRUÇÃO CIVIL ALTERNATIVA A CONSÓRCIO; d) INDÚSTRIA E COMÉRCIO MENOS USADO, MAS FACTÍVEL e) RURAL IDEM

6 VIRTUDES DO CONTRATO DE SCP X SOCIEDADE OU ACORDO DE SÓCIOS 1. DISCRIÇÃO NÃO PÚBLICO 2. LIBERDADE PLENA DE CONTRATAR: INCLUIR DETALHES OPERACIONAIS (QUEM SÃO FUNCIONÁRIOS, QUEM FORNECE MPR, QUEM ENTRA SÓ COM CAPITAL, QUEM ENTRA COM EXPERSITE 2 SUBSTITUIR ROYALTIES OU ÁGIO, QUEM VAI DAR GARANTIA 2 A SRFB QUER QUE A SCP TENHA CAPITAL, MAS ISSO É SÓ CONTÁBIL, NÃO TEM EFEITOS CONTRATUAIS

7 VIRTUDES DO CONTRATO DE SCP X SOCIEDADE OU ACORDO DE SÓCIOS COMO VAI SER A GESTÃO OPERACIONAL, COMERCIAL, ADMINISTRATIVA; COMO VAI SER O RATEIO DOS RESULTADOS PODE SER MAIS MINUCIOSO E DETALHADO DO QUE A BÁSICA DISTRIBUIÇÃO DESPROPORCIONAL DE LUCROS.

8 VIRTUDES DO CONTRATO DE SCP X SOCIEDADE OU ACORDO DE SÓCIOS 3. BLINDAGEM PATRIMONIAL SÓCIA MINORITÁRIA SAI DA SOCIEDADE E REENTRA COMO SÓCIO OCULTO; QUOTA-PARTE DE SCP NÃO TEM LIQUIDEZ, NÃO É PENHORÁVEL.

9 RECURSO ESPECIAL Nº DISCUTE-SE A POSSIBILIDADE JURÍDICA DE DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO, AO FUNDAMENTO DE QUE ANTE A AUSÊNCIA DE PERSONALIDADE JURÍDICA, NÃO SE CONFIGURA O VÍNCULO SOCIETÁRIO; 2 APESAR DE DESPERSONIFICAÇÕES, AS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO DECORREM DA UNIÃO DE ESFORÇOS, COM COMPARTILHAMENTO DE RESPONSABILIDADES, COMUNHÃO DE FINALIDADE ECONÔMICA E EXISTÊNCIA DE UM PATRIMÔNIO ESPECIAL GARANTIDOR DAS OBRIGAÇÕES ASSUMIDAS NO EXERCÍCIO DA EMPRESA.

10 RECURSO ESPECIAL Nº NÃO HÁ DIFERENÇA ONTOLÓGICA ENTRE AS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO E OS DEMAIS TIPOS SOCIETÁRIOS PERSONIFICADOS, DISTINGUINDO-SE QUANTO AOS EFEITOS JURÍDICOS UNICAMENTE EM RAZÃO DA DISPENSA DE FORMALIDADES LEGAIS PARA SUA CONSTITUIÇÃO 4 A DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE, PREVISTA NO ARTIGO Nº DO CC/02, APLICA-SE SUBSIDIARIAMENTE ÀS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO, ENQUANTO ATO INICIAL QUE ROMPE O VÍNCULO JURÍDICO ENTRE OS SÓCIOS.

11 RESP RECURSO ESPECIAL NA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO O SÓCIO OSTENSIVO É QUEM SE OBRIGA PARA COM TERCEIROS PELOS RESULTADOS DAS TRANSAÇÕES E DAS OBRIGAÇÕES SOCIAIS, REALIZADAS OU EMPREENDIDAS EM DECORRÊNCIA DA SOCIEDADE, NUNCA O SÓCIO PARTICIPANTE OU OCULTO, QUE NEM É CONHECIDO DOS TERCEIROS E NEM COM ESTES NADA TRATA.

12 VÍNCULO DE EMPREGO. SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. FRAUDE AOS DIREITOS TRABALHISTAS. RESTA CARACTERIZADO O VÍNCULO DE EMPREGO QUANDO O TRABALHADOR REALIZA TRABALHO PESSOAL, ONEROSO, NÃO EVENTUAL E SUBORDINADO À EMPRESA RECLAMADA, MESMO QUE MANTIDA A RELAÇÃO SOB O TÍTULO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO, UMA VEZ QUE ESTA TÃO-SOMENTE VISOU FRAUDAR OS DIREITOS TRABALHISTAS DO RECLAMANTE (TRT-4 - RO: RS )

13 SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. NO CASO A SÓCIA OCULTA PARTICIPAVA DA ATIVIDADE ADMINISTRATIVA E EFETUAVA O FATURAMENTO DO NEGÓCIO EXECUTADO PELA SÓCIA OSTENSIVA. TAL SITUAÇÃO TRAZ A APLICAÇÃO DO DISPOSTO NO ART. 993 DO CCB, TORNANDO O SÓCIO OCULTO SOLIDARIAMENTE RESPONSÁVEL ) (TRT-10 - RO: DF

14 EXECUÇÃO. SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DOS SÓCIOS OSTENSIVOS. NÃO EXTENSÃO AOS DEMAIS PARTICIPANTES QUE NÃO INTEGRAM O QUADRO SOCIETÁRIO DA EMPRESA. NA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO, A PRÓPRIA LEI RESTRINGE A ATIVIDADE CONSTITUTIVA E A RESPONSABILIDADE PELOS ATOS ADMINISTRATIVOS AO SÓCIO OSTENSIVO, RAZÃO PELA QUAL, NÃO HÁ COMO RESPONSABILIZAR OS DEMAIS PARTICIPANTES, SALVO SE COMPROVADA A EFETIVA COLABORAÇÃO DESTES NA EXECUÇÃO DA ATIVIDADE CONSTITUTIVA DA EMPRESA, HIPÓTESE NÃO CONSTATADA, NO CASO EM ANÁLISE. INTELIGÊNCIA DO ARTIGO 991, DO CC. AGRAVO DE PETIÇÃO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. (TRT-2 - AGVPET: SP )

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL

DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL A SOCIEDADE NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha,

Leia mais

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010).

Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Prof. Thiago Gomes Empresariais O que é uma sociedade? Reunião de pessoas em prol de interesses comuns. (Aurélio, 2010). Qual o foco de nosso estudo? As sociedades cujo o objetivo é lucro para seus sócios.

Leia mais

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS

A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias. Michele Schwan Advogada OAB/RS A responsabilidade pessoal dos sócios nas sociedades empresárias Michele Schwan Advogada OAB/RS 86.749 As três modalidades de constituição de empresa mais utilizadas no Rio Grande do Sul, conforme a Junta

Leia mais

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES

A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES A SOCIEDADE SIMPLES E AS SOCIEDADES MENORES 1 TIPOS DE SOCIEDADES NO DIREITO BRASILEIRO SOCIEDADE EM COMUM não tem personalidade jurídica os sócios são ilimitadamente responsáveis SOCIEDADE SIMPLES atividades

Leia mais

ANO XXV ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2014

ANO XXV ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2014 ANO XXV - 2014-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2014 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO - ASPECTOS SOCIETÁRIOS... Pág. 623 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA SOCIEDADES

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

1 Classificação das sociedades

1 Classificação das sociedades 1 Classificação das sociedades Qto à forma de exploração do objeto Qto à personificação Qto ao regime de constituição Qto à forma de constituição Qto à nacionalidade Qto ao capital Qto à responsabilidade

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 6 Personalidade e direitos pessoa física e jurídica Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Personalidade pessoas naturais Código Civil pessoa física sujeito de direitos e deveres Pessoas naturais

Leia mais

MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NAS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NAS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM NAS SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO Márcio Carneiro SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO. 2. ASPECTOS SOCIETÁRIOS. 3. ASPECTOS CONTÁBEIS. 4. TRIBUTAÇÃO NA SCP. 5. UTILIZAÇÃO. 5.1 POOL hoteleiro.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Senhor Alexandre Leite)

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Senhor Alexandre Leite) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Senhor Alexandre Leite) Altera a Constituição das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, bem como insere o artigo 15-A no Novo

Leia mais

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE

PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE PARTE GERAL CONTRATO DE SOCIEDADE 1 CONTRATO DE SOCIEDADE 1 Elementos contratuais 2 Sociedades simples e empresárias 3 Sociedades não personificadas 4 Sociedade em comum 4.1 Patrimônio social e responsabilidade

Leia mais

Painel: Meritocracia Mecanismos de Remuneração dos Envolvidos no Processo de Prestação de Serviços de Saúde

Painel: Meritocracia Mecanismos de Remuneração dos Envolvidos no Processo de Prestação de Serviços de Saúde Painel: Meritocracia Mecanismos de Remuneração dos Envolvidos no Processo de Prestação de Serviços de Saúde Objetivos Apresentar como o mercado de clínicas está se adaptando em relação às novas formas

Leia mais

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis

Curso Direito Empresarial Ciências Contábeis AULA 5 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 5.1. Desconsideração da personalidade jurídica da empresa Em algumas situações, o patrimônio

Leia mais

GRUPOS ECONÔMICOS E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

GRUPOS ECONÔMICOS E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA GRUPOS ECONÔMICOS E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA Maria Rita Ferragut Livre-docente em Direito Tributário pela USP Mestre e Doutora pela PUC/SP rita@fmac.adv.br GRUPO ECONÔMICO Conjunto de sociedades empresárias

Leia mais

Os Impactos do Novo Código de Processo Civil e a Execução Fiscal

Os Impactos do Novo Código de Processo Civil e a Execução Fiscal Os Impactos do Novo Código de Processo Civil e a Execução Fiscal Rafhael Frattari Professor de Direito Tributário da FUMEC/MG Vilas Boas, Lopes e Frattari Advogados Aplicação do NCPC à Execução Fiscal»

Leia mais

Acórdão nº Sessão do dia 27 de novembro de 2014.

Acórdão nº Sessão do dia 27 de novembro de 2014. Sessão do dia 27 de novembro de 2014. RECURSO VOLUNTÁRIO Nº 15.539 Recorrente: TROIKA S.A. Recorrido: COORDENADOR DA COORDENADORIA DE REVISÃO E JULGAMENTO TRIBUTÁRIOS Relator: Conselheiro ALFREDO LOPES

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão

LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA. Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão LEGALE CURSO DE EXECUÇÃO TRABALHISTA Sujeito Passivo / Grupo de Empresas / Sucessão Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidad Del Museo Social Argentino, Advogado

Leia mais

Questões derivadas da MP 627

Questões derivadas da MP 627 III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Questões derivadas da MP 627 Contabilidade e Direito: essência e forma Elidie Palma Bifano Tema do bloco: Questões derivadas da

Leia mais

Curso Direito Empresarial Administração

Curso Direito Empresarial Administração AULA 4 Sociedades. Empresárias ou simples. Personificadas e não personificadas. Sociedades empresárias, espécies. 4.1. As sociedades empresárias A pessoa jurídica Sociedade empresária é um agrupamento

Leia mais

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF 13.578.967/0001-05 NIRE 52.202.931.181 LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR MILENIUM CONSULTORIA CONTABIL SC LTDA., com sede na Rua

Leia mais

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira

As sociedades empresárias no Código Civil. José Rodrigo Dorneles Vieira As sociedades empresárias no Código Civil José Rodrigo Dorneles Vieira jrodrigo@portoweb.com.br 1. A LEGISLAÇÃO EMPRESARIAL: ANÁLISE GERAL 2. CARACTERIZAÇÃO DO EMPRESÁRIO Conceito de empresário A questão

Leia mais

Goodwill Contábil x Goodwill. I Workshop em Contabilidade e Tributação

Goodwill Contábil x Goodwill. I Workshop em Contabilidade e Tributação Goodwill Contábil x Goodwill Fiscal: Casamento ou Divórcio? I Workshop em Contabilidade e Tributação 18 e 19/11/2015 Prof. Jorge Vieira Goodwill e Ganho por Compra Vantajosa: Reconhecimento e mensuração

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Se negativa a providência supra, diante da responsabilidade dos sócios conforme artigos 592 e 596 do C.P.C c/c o inciso V do artigo 4º da

Leia mais

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves

IUS RESUMOS. Empresário. Organizado por: Samille Lima Alves Organizado por: Samille Lima Alves SUMÁRIO I. EMPRESÁRIO... 3 1. Caracterizando o empresário... 3 1.1 Conceito... 3 1.2 Elementos essenciais de caracterização do empresário... 4 1.3 Classificação do empresário...

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 31 Interests in Joint Ventures Situação: PARCIALMENTE CONVERGENTE 1. Introdução O IAS 31 Interests in Joint Ventures trata da contabilização das

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE

GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE GUIA PRÁTICO DO CONTABILISTA O DIA A DIA NA CONTABILIDADE Mário Sebastião de Azevedo Pereira Consultor empresarial que atua há mais de 20 anos nas áreas Contábil e Administrativa. É autor dos livros Excel

Leia mais

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013

Avaliação do patrimônio líquido contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 Marck Holdings S.A. contábil apurado por meio dos livros 31 de Dezembro de 2013 KPDS 80638 KPMG Auditores Independentes Rua Sete de Setembro, 1.950 13560-180 - São Carlos, SP - Brasil Caixa Postal 708

Leia mais

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ

Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ Relação de Documentos para Dar Baixa no CNPJ 1. Baixa da Inscrição da Entidade (Matriz) Natureza Jurídica (NJ) Data do Evento Ato Extintivo (regra geral) Órgão Público NJs 101-5, 102-3, 103-1, 104-0, 105-8,

Leia mais

3º Seminário Catarinense sobre Atualidades Jurídico-Contábeis. Novo regime do ágio. A jurisprudência do CARF e as alterações a partir da MP 627/2013

3º Seminário Catarinense sobre Atualidades Jurídico-Contábeis. Novo regime do ágio. A jurisprudência do CARF e as alterações a partir da MP 627/2013 3º Seminário Catarinense sobre Atualidades Jurídico-Contábeis Novo regime do ágio. A jurisprudência do CARF e as alterações a partir da MP 627/2013 Gustavo F. Minatel gustavo@minateladv.com.br AVALIAÇÃO

Leia mais

Empresário Irregular:

Empresário Irregular: ... depois de estudarmos que o conceito de empresário encontra-se no artigo 966 do CC e que o conceito de empresa se extrai do conceito de empresário, vejamos agora a figura do empresário e da sociedade

Leia mais

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais.

Atividades Não Empresariais. Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Por definição legal algumas atividades não são consideradas empresariais. Atividades Não Empresariais Profissionais liberais que prestam os serviços de forma direta e profissionais

Leia mais

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A

ÁGIO. Aspectos Contábeis e Fiscais. Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A ÁGIO Aspectos Contábeis e Fiscais Elaine Maria de Souza Funo Controller da EMBRAER S.A São Paulo, 27 de novembro de 2012 Sumário Ágio Aspectos contábeis e tributários; Proposta de alteração fiscal; Aquisições

Leia mais

Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP

Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP Caracterização da Sociedade em Conta de Participação e efeitos tributários Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP Desmitificando a segregação entre forma e conteúdo Art. 992 do CC: A constituição

Leia mais

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack

Direito Empresarial. Prof. Dr. Érico Hack Direito Empresarial Aula 7 Empresário e estabelecimento empresarial Prof. Dr. Érico Hack PUCPR Evolução - Empresa Teoria subjetiva Corporações de ofício Teoria objetiva atos de comércio lista taxativa

Leia mais

Page 1 of 7 Imprimir Enviar por E-mail Meu Arquivo Compartilhe: Publicado em nosso site 23/09/2011 Roteiro ATUALIZADO Informativo FISCOSoft - Federal Sociedade em Conta de Participação - Aspectos fiscais,

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contabilidade Avançada

Contabilidade Avançada Contabilidade Avançada Aula 6 Investimentos: Método da Equivalência Patrimonial Contabilidade Avançada 1 Ágio ou Deságio Ocorre quando a investidora adquire um investimento, que será avaliado pelo Método

Leia mais

Aspectos Tributários Relevantes

Aspectos Tributários Relevantes Aspectos Tributários Relevantes Fundos de Investimento em Participações e Holdings Estrutura FIP Cumprimento dos Requisitos Histórico Regra 40% Fiscalização Principais Considerações Características Gerais

Leia mais

Mensurando o Risco de Crédito de Médias e Pequenas Empresas. Risco empresa: Além da Análise de Balanço

Mensurando o Risco de Crédito de Médias e Pequenas Empresas. Risco empresa: Além da Análise de Balanço Mensurando o Risco de Crédito de Médias e Pequenas Empresas Risco empresa: Além da Análise de Balanço Olavo Borges SERASA CONSULTORIA EM CRÉDITO Junho / 2007 PROGRAMA Empresa Conceito Dinâmica Operacional

Leia mais

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $

Balanço patrimonial da Holding S.A. antes da cisão parcial: Ativos $ Passivos $ CISÃO 1 INTRODUÇÃO A cisão é um processo no qual uma companhia transfere parcelas de seu patrimônio para uma ou mais sociedades, constituídas para esse fim ou já existentes, extinguindo-se a companhia

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.21 IT 1 REGULAMENTAÇÃO DO ITEM 10.21.1.4 Esta (IT) visa explicitar o item 10.21.1.4 da Resolução CFC

Leia mais

Sociedades: Sociedade em conta de participação. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceitos: 2.1) Personalidade Jurídica:

Sociedades: Sociedade em conta de participação. Resumo: 1) Introdução: 2) Conceitos: 2.1) Personalidade Jurídica: Sociedades: Sociedade em conta de participação Resumo: As Sociedades em conta de participação (SCP) por se enquadrarem no grupo das sociedades não personificadas não possuem registro comercial por conta

Leia mais

SISCOSERV. Vicente Sevilha Junior. Janeiro/2013.

SISCOSERV. Vicente Sevilha Junior. Janeiro/2013. SISCOSERV Janeiro/2013 Vicente Sevilha Junior Definição O Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (Siscoserv) foi instituído

Leia mais

Direito Previdenciário. Prof. Gláucio Diniz de Souza

Direito Previdenciário. Prof. Gláucio Diniz de Souza Direito Previdenciário Prof. Gláucio Diniz de Souza Imunidade de Contribuições Imunidade ou Isenção? CF/88 Art. 195 7º - São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de

Leia mais

A tributação do direito de imagem

A tributação do direito de imagem A tributação do direito de imagem Rodrigo de Macedo e Burgos PGFN/COCAT (debatedor) Art. 129. Para fins fiscais e previdenciários, a prestação de serviços intelectuais, inclusive os de natureza científica,

Leia mais

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento

de fusões e aquisições no mercado brasileiro, criação de novas regras e estruturas jurídicas, o aperfeiçoamento FAMILY OFFICE Introdução Pai rico, filho nobre, neto pobre. São muito comuns histórias de famílias que conseguiram chegar a um bem- -sucedido patamar financeiro, mas que ao longo do tempo não formaram

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 139 - Data 3 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Simples Nacional SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO (SPE). VEDAÇÃO À PARTICIPAÇÃO

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA

REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL DO EMPREGADOR DOMÉSTICO EM AUDIENCIA TRABALHISTA Este trabalho tem por finalidade estudar os aspectos da representação processual trabalhista em foco da representação do empregador

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Apurado por Meio dos Livros Contábeis em 28 de fevereiro de 2014

Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Apurado por Meio dos Livros Contábeis em 28 de fevereiro de 2014 Companhia Providência Indústria e Comércio S.A. Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Apurado por Meio dos Livros Contábeis em KPMG Auditores Independentes Março de 2014 KPDS 82952 Companhia Providência

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

SOCIEDADES PERSONIFICADAS SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS . SOCIEDADES SIMPLES . SOCIEDADES EM COMUM . SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO 2014 SOCIEDADES NÃO PERSONIFICADAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS. SOCIEDADES EM COMUM. SOCIEDADES SIMPLES. SOCIEDADES EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO. SOCIEDADES EMPRESARIAIS CLASSIFICAÇÕES DAS SOCIEDADES QUANTO

Leia mais

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço CPC CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço Este Pronunciamento Técnico não prescreve a ordem ou o formato que deva ser utilizado na apresentação das contas do balanço patrimonial, mas

Leia mais

CONTRATOS COM O MESMO GRUPO VALOR ORIGINAL CIA. (1) R$ MIL DATA

CONTRATOS COM O MESMO GRUPO VALOR ORIGINAL CIA. (1) R$ MIL DATA ITEM 01 Contrato de Arrendamento Mercantil celebrado com o Sr. Carlos Roberto Scorsi como fiel depositário do bem objeto da garantia do contrato. 02 Contrato de Arrendamento Mercantil celebrado com 03

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA PATRIMONIAL NOS PLANOS DE BENEFÍCIOS: ASPECTOS CONTÁBEIS

A INDEPENDÊNCIA PATRIMONIAL NOS PLANOS DE BENEFÍCIOS: ASPECTOS CONTÁBEIS A INDEPENDÊNCIA PATRIMONIAL NOS PLANOS DE BENEFÍCIOS: ASPECTOS CONTÁBEIS AGENDA EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO SOBRE INDEPENDÊNCIA PATRIMONIAL NAS EFPC REGISTRO CONTÁBIL DA INDEPENDÊNCIA PATRIMONIAL FRAGILIDADE

Leia mais

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES

TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES TEORIA DA EMPRESA - EMPRESA, EMPRESÁRIO E SOCIEDADES CONCEITO Rubens Requião ensina que empresa é aquilo que o empresário ou a sociedade empresária faz, de forma que os efeitos da empresa não são senão

Leia mais

CASAMENTO. Vitor F. Kümpel PALESTRA CASAMENTO

CASAMENTO. Vitor F. Kümpel PALESTRA CASAMENTO PALESTRA CASAMENTO 1 1. VISÃO CONSTITUCIONAL - A Constituição Federal de 1988 inovou ao estabelecer novas formas constitutivas de família, além do casamento; - A família só era constituída pelo casamento;

Leia mais

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento:

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento: Depois de estudar - a evolução do direito empresarial; - os conceitos de empregador, empresário e empresa; - O empresário e a sociedade empresária irregular (Diferente da Sociedade Simples); - A teoria

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE DIREITO CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Fundamental: (Direito, Política e Economia) Ciência Política 02 0 02 40 Economia e Negócios 04 0 04 80 Fundamentos do Direito Civil 04 0 04

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

Provisões Técnicas (obrigações com segurados) geram Ativos Garantidores (bens para cobrir provisões) Teste de Adequação de Passivos (TAP)

Provisões Técnicas (obrigações com segurados) geram Ativos Garantidores (bens para cobrir provisões) Teste de Adequação de Passivos (TAP) FEA- USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0550 - Contabilidade e Análise de Balanços de Seguradoras TEMA 2: Outros Eventos e Transações de uma seguradora Parte 4 Normas prudenciais

Leia mais

Direito Empresarial

Direito Empresarial www.uniestudos.com.br Direito Empresarial Helder Goes Professor de Direito Empresarial do Universo de Estudos Advogado e Consultor Jurídico Graduado em Direito pela Universidade Tiradentes Especialista

Leia mais

CONTRATOS SOCIETÁRIOS E TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE LOTEAMENTOS MARCELO GUARITÁ

CONTRATOS SOCIETÁRIOS E TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE LOTEAMENTOS MARCELO GUARITÁ CONTRATOS SOCIETÁRIOS E TRIBUTAÇÃO NO SETOR DE LOTEAMENTOS MARCELO GUARITÁ 1 Considerações Iniciais. 2 Problemática da Integralização do Terreno e o Ganho de Capital. 3 Tributação da Venda do Imóvel na

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil Ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009

Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil Ibi Participações S.A. 31 de julho de 2009 Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil 31 de julho de 2009 Condomínio São Luiz Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I - 8º Andar - Itaim Bibi 04343-900 - São Paulo, SP, Brasil Tel: (5511)

Leia mais

Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP)

Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA Coligadas, Controladas e Método da Equivalência Patrimonial (MEP)

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2016 INSTITUCIONAL 1º 3º TRIMESTRE

APRESENTAÇÃO 2016 INSTITUCIONAL 1º 3º TRIMESTRE APRESENTAÇÃO 2016 INSTITUCIONAL 1º 3º TRIMESTRE Agenda O grupo Visão Geral do Paraná Banco Destaques Financeiros Destaques Operacionais Contatos 2 O Grupo O Grupo JMalucelli tem 50 anos de história. Taxa

Leia mais

Planejando, Financiando e Executando o crescimento de sua empresa. Março de 2013

Planejando, Financiando e Executando o crescimento de sua empresa. Março de 2013 Planejando, Financiando e Executando o crescimento de sua empresa Março de 2013 Entender o estágio de maturidade de sua empresa é importante? Ao identificar o estágio de maturidade da sua empresa, você

Leia mais

Aos Senhores Acionistas da

Aos Senhores Acionistas da Laudo de Avaliação do Acervo Líquido da CERÂMICA SÃO CAETANO LTDA. Página 1 de 13 Aos Senhores Acionistas da MAGNESITA REFRATÁRIOS S.A. Praça Louis Ensch, 240 Contagem, MG I INTRODUÇÃO Laudo de Avaliação

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV

QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV QUESTÕES PARA A PROVA DE DIREITO COMERCIAL IV Prof. José Carlos Vaz e Dias 1º. Semestre de 2009 1) O que é falência e qual é a etimologia deste vocábulo? Explique a falência sobre o ponto de vista jurídico,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES

RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES RESPONSABILIDADE CIVIL, PENAL, PROFISSIONAL E PREVENÇÕES Palestrante: Marcio Massao Shimomoto Vice-Presidente Administrativo do SESCON-SP 12/11/2011 1 Somos mais de 489 mil profissionais no Brasil 290

Leia mais

Holding - Aspectos Contábeis, Societários e Tributários

Holding - Aspectos Contábeis, Societários e Tributários Holding - Aspectos Contábeis, Societários e Tributários ARLINDO LUIZ ROCHA JÚNIOR Contabilista, Bacharel em Ciências Contábeis, Consultor, palestrante Tributário e professor pela IOB Educação, com especializações

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL AFRFB. Marcondes Fortaleza Prof. Prof. M.Sc. Marcondes Giovanni Fortaleza Pacelli CONTABILIDADE GERAL AFRFB Marcondes Fortaleza Parte Introdutória Conceito Objeto Finalidade Usuários -Internos -Externos Campo de Aplicação Funções

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

ASPECTOS JURÍDICOS DA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO ASPECTOS JURÍDICOS DA SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO Maria Bernadete Miranda 1 LEGISLAÇÃO E DISPOSIÇÕES GERAIS Sociedade em Conta de Participação é uma sociedade formada por dois tipos de sócios: o

Leia mais

Blocos de composição da ECF

Blocos de composição da ECF Blocos de composição da ECF Bloco 0 - Abertura e Identificação Descrição do Bloco: Abre o arquivo, identifica a pessoa jurídica e referencia o período da ECF. Registro 0000: Abertura do Arquivo Digital

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis

SIMPLES NACIONAL. Corretor de Imóveis SIMPLES NACIONAL Corretor de Imóveis MARIA RICARTE CRC-CE: 016078/O-9 Contadora, graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Ceará UECE. Profissional com vastos conhecimentos nas áreas:

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 576, DE 16 DE JUNHO DE 2016.

INSTRUÇÃO CVM Nº 576, DE 16 DE JUNHO DE 2016. . Altera o Informe Mensal de FIDC, Anexo A da Instrução CVM nº 489, de 14 de janeiro de 2011. O PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em reunião realizada

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto:

O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto: ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL - CCJ0042 Título SEMANA 11 Descrição O aluno deverá consultar seu material didático a fim de responder ao seguinte caso concreto: Caso 1 : Procuração e Sociedade de Advogados

Leia mais

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016.

Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 1 EIRELI: Análise Legal e os Resultados Práticos Porto Alegre (RS), 20 de junho de 2016. Slide 2 Conteúdo Programático: - Análise Histórica da Introdução das EIRELI s no Direito Brasileiro; - Conceito

Leia mais

Associação Jataiense de Educação Faculdade de Administração PLANO DE ENSINO

Associação Jataiense de Educação Faculdade de Administração PLANO DE ENSINO EMENTA Direito Comercial; Definição de Direito Comercial; Atos de comércio e a teoria da empresa; Direito de Empresa; Nome Empresarial; Estabelecimento Empresarial; Sociedades Empresariais Dos Vários tipos

Leia mais

ÍNDICE. Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5

ÍNDICE. Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5 ÍNDICE Nota Prévia à 4: edição 1 Nótu1a à 2: edição 3 Abreviaturas 5 TIPOS DE SOCIEDADES COMERCIAIS 1. Princípio da tipicidade 7 1.1. Sentido 7 1.2. Justificação 9 2. Caracterização geral dos tipos legais

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Perspectivas e desafios Análise de caso: Empresas terceirizadas Luciano L. A. Moraes setembro/2014 Planejamento tributário Objetivo: Redução, postergação ou eliminação da carga

Leia mais

Planejamento Tributário na Recente Jurisprudência do Conselho de Contribuintes

Planejamento Tributário na Recente Jurisprudência do Conselho de Contribuintes Planejamento Tributário na Recente Jurisprudência do Conselho de Contribuintes Considerações sobre Planejamento Tributário Planejamento Tributário Simulação: Apresentação de negócio jurídico legítimo a

Leia mais

Responsabilidade Tributária de

Responsabilidade Tributária de Responsabilidade Tributária de Sócios e Administradores Responsabilidade Societária Responsabilidade d Tributária i Responsabilidade Previdenciária Planejamento Pessoa Jurídica (Sociedade) / Sócio / Administrador

Leia mais

CONDOMÍNIO EDILÍCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE DIREITO. Rafael Cândido da Silva

CONDOMÍNIO EDILÍCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE DIREITO. Rafael Cândido da Silva CONDOMÍNIO EDILÍCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE DIREITO Rafael Cândido da Silva Legislação Aplicável Lei n. 4.591/64 Código Civil (Lei n. 10.406/2002) Denominações Condomínio de edifícios

Leia mais

OMEGA ENERGIA RENOVÁVEL S.A. CNPJ/MF n / NIRE FATO RELEVANTE

OMEGA ENERGIA RENOVÁVEL S.A. CNPJ/MF n / NIRE FATO RELEVANTE CNPJ/MF n. 09.149.503/0001-06 NIRE 3130009310-7 FATO RELEVANTE Omega Energia Renovável S.A., companhia aberta com sede no município de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais, na Avenida Barbacena, n. 472,

Leia mais

CONVIVENTE: A PERSPECTIVA DE UM NOVO ESTADO CIVIL E SEUS REFLEXOS PARA O RCPN

CONVIVENTE: A PERSPECTIVA DE UM NOVO ESTADO CIVIL E SEUS REFLEXOS PARA O RCPN CONVIVENTE: A PERSPECTIVA DE UM NOVO ESTADO CIVIL E SEUS REFLEXOS PARA O RCPN RODRIGO TOSCANO DE BRITO Doutor e Mestre em Direito Civil pela PUC-SP. Professor de Direito Civil da UFPB e da Escola da Magistratura.

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 1S12 26 de Julho de 2012

Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 1S12 26 de Julho de 2012 Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 1S12 26 de Julho de 2012 INFORMAÇÃO Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Período:

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Período: FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Avançada I Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 6º Semestre Professor:

Leia mais

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012.

EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 02/01/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - EXIGÊNCIAS PARA CONSTITUIÇÃO 2.1 - Nome Empresarial

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS IFRS E ÁGIO JULIANA FONSECA ALVES

COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS IFRS E ÁGIO JULIANA FONSECA ALVES COMBINAÇÃO DE NEGÓCIOS IFRS E ÁGIO JULIANA FONSECA ALVES 2 A ORIGEM DO IFRS O processo de globalização do mercado financeiro trouxe consigo a exigência de maior credibilidade, transparência e especialmente

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais