O COMÉRCIO ELETRÔNICO GLOBAL: DESENVOLVIMENTO E REGULAÇÃO INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COMÉRCIO ELETRÔNICO GLOBAL: DESENVOLVIMENTO E REGULAÇÃO INTERNACIONAL"

Transcrição

1 O COMÉRCIO ELETRÔNICO GLOBAL: DESENVOLVIMENTO E REGULAÇÃO INTERNACIONAL LUCIANO COMPER DE SOUZA SUMARIO A rede mundial de computadores impactou deveras no modo de relacionar-se pessoal ou negocialmente. Por conseguinte, na esteira desse desenvolvimento, surgiu o comércio eletrônico que apagou as fronteiras físicas e abriu possibilidade de comprar e vender em qualquer lugar do globo, ensejando acréscimo significativo à definição de globalização. Conquanto visível o forte crescimento deste meio de compra e venda, não se tem regulamentação internacional mínima para assegurar os atores envolvidos, a despeito do trabalho incessante dos organismos competentes para suprir esta lacuna. ABSTRACT The World Wide Web impacted the very way of relating to personal or business. Therefore, in the wake of this development came the e-commerce that has erased the physical boundaries and opened the possibility to buy and sell anywhere on the globe, entailing significant addition to the definition of globalization. While the strong growth of visible means of buying and selling, there is no international regulatory minimum to ensure the actors involved, despite the incessant work of the bodies competent to fill this gap.

2 1 INTRODUÇÃO Setor apud Globerman, Roehl e Standif 1 comparou a internet a acontecimentos como o advento da ferrovia e a introdução e crescimento do sistema de telefonia, emergindo como uma força importante na reformulação da natureza do comércio em geral. Neste contexto, pode-se afirmar que o comércio eletrônico anuncia o fim da limitação geográfica e das fronteiras entre as pessoas e organizações, de modo a permitir que um grande número de potenciais negociantes conduza a uma maior integração entre mercados, os quais, em princípio, demandariam maior custo em razão da distância física (Globerman, Roehl e Standif, 1995, p. 750). 2 A GLOBALIZAÇÃO E O COMÉRCIO ELETRÔNICO Globalização pode ser definida como um conceito que expressa uma política internacional de integração tanto econômica quanto sociocultural, a despeito de predominar o viés negocial (SPICH, 1995, p. 8). A atual e relativa ausência de barreiras no comércio internacional o torna, per si, globalizado. O comércio global, para economistas, existe quando transações entre compradores e vendedores de um produto não estão direta ou indiretamente segmentadas por uma distância geográfica (Globerman, Roehl, & Standif, 2001, p. 751). O nível de globalização de um estabelecimento correlaciona-se significativamente com a propensão para adotar o e-commerce, bem como 1 Globerman, S., Roehl, T. W., & Standif, S. (4th Qtr. de 2001). Globalization and Electronic Commerce: Inferences from Retail Brokering. Journal of International Business Studies, Vol. 32, pp , p. 749.

3 sua capacidade de empreender operações globais (Gibbs, Kraemer, & Dedrick, 2003, p. 576). Em termos reais, o comércio mundial cresce há pelo menos 250 anos. Após o ano de criação do GATT, 1948, até o ano de 1997, enquanto a economia global cresceu anualmente 3.6% as exportações expandiram-se 6% (WTO, 1998), demonstrando a perenidade das relações negociais bilaterais. A dependência da globalização ao desenvolvimento do comércio eletrônico internacional o leva naturalmente para o contexto daquela, razão pela qual alguns estudos tentam aferir o impacto da globalização do comércio eletrônico nos países e em seus atores. Wei, após coletar dados principalmente do Computer Industry Almanac Inc., Global Reach, e U.S. Census Bureau, analisou as taxas de penetração global da Internet e seu impacto sobre o comércio eletrônico, fornecendo informações sobre os usuários da Internet, comportamento e tendências do e-commerce. Os resultados foram os seguintes: a) expressivo uso da internet nos países analisados, com crescimento exponencial desde o ano de 1999 até a data de seus estudos; b) a pulverização da internet na população, atingindo percentuais cada vez maiores, ultrapassando 70% em países como Japão e Coréia do Sul já no ano de 2003; e, um crescimento de usuários do comércio eletrônico, perfazendo vendas da ordem de 5,1 mil dólares / usuário no final de 2003, muito acima do montante de US$ 1,6 mil / usuário apontado no final do ano de Não tão entusiasmado foi o impacto da internet e do comercio eletrônico na percepção dos empresários Alemães. Contrastando com os resultados globais, os empresários da Alemanha menos freqüentemente consideram o comércio eletrônico um meio facilitador para a introdução em novos mercados ou aumento de vendas no comércio internacional, até porque já 2 Wei, June. (2005). Internet Penetration Analysis: The Impact on Global E-Commerce. Journal of Global Competitiveness, Vol. 13 Issue 1/2, pp. p9-24, p. 16.

4 encontravam-se fortemente presentes no mercado global, mesmo na fase pretérita ao comércio eletrônico (KOENIGA & WIGAND, 2004, p. 197). A pesquisa elaborada por Koeniga e Wigand apropriou a percepção dentro de todos os portes empresariais grande, média e pequena empresa -, bem como nos três setores comerciais da Alemanha, assim veja: indústria; varejo/atacado; bancos/seguradoras. As microempresas e empresas de pequeno porte da Alemanha foram, na visão dos citados pesquisadores, as maiores beneficiadas pelo comércio em linha, o que, conseqüentemente, impactou diretamente nos setores das atividades desenvolvidas por estas, quais sejam, indústria e varejo/atacado. Os empresários de médio e grande porte foram menos beneficiados por já estarem sedimentados fora do território alemão, outrossim, por já se utilizarem de tecnologias digitais de ponta, tais quais o EDI ou conjunto de sistemas de gestão da cadeia de abastecimento. Já no setor bancário/seguros/corretagem, que investem muito no negócio em linha, aponta-se na pesquisa que os maiores beneficiados foram os clientes/consumidores. Destarte, certificou-se que a internet e o comércio eletrônico, no contexto Germânico, são um canal complementar para distribuir produtos e serviços. Esses dados refletem a posição da Alemanha como o maior exportador e o segundo maior importador do mundo 3 no ano de 2007, censo da Organização Mundial do Comércio. Os Estados Unidos da América, como primeiro importador e terceiro exportador mundial 4, também encontram-se na liderança do comércio eletrônico. 3 GB,US,FR. (Access: 27/09/2009).

5 Formin et al 5, pesquisando o ambiente Norte Americano nos mesmos três setores da economia, apropriaram-se das seguintes percepções: primeira, que o comércio eletrônico nos Estados Unidos da América vai, inevitavelmente, continuar a crescer. Segundo, que os Norte Americanos continuarão a ser os líderes globais no e-commerce, invariavelmente por possuir historio de forte tecnologia de informação, telecomunicações, instituições financeiras, cultura do investimento em capital de risco e um ambiente propício ao desenvolvimento de novas tecnologias. Terceiro, por ser um local sem muita regulação dos mercados, além de investir pesadamente em pesquisa e infra-estrutura. Quarto, a experiência com B2B e B2C e-commerce vai variar significativamente por setor econômico. Quinta, os empresários Norte Americanos que utilizam o comércio eletrônico vão enfrentar desafios e terão que superar obstáculos institucionais e comportamentais, tais quais, preocupações relacionadas à privacidade, operação e segurança de dados e problemas no uso do meio continuam a constituir obstáculos para a adoção universal de B2C e-commerce. Como sexta e última expectativa, os pesquisadores perceberam que, grande parte da infra-estrutura utilizada pelo comércio eletrônico é semelhante, pois fornecida por poucos detentores dos direitos, ou seja, as técnicas são globais, o que não ocasionará maiores problemas com divergências na base estrutural (Fomin, King, Lyytinen, & McGann, 2005, p ). Dados da pesquisa de Formin et al (2005) sugerem que há um perfil da globalização entre os estabelecimentos participantes. Uma maioria substancial de estabelecimentos empresariais situados no território Americano ou situados no exterior pesquisados são domésticos, mas os estabelecimentos não situados nos E.U.A. gerarão mais atividades 4 GB,US,FR. (Access: 27/09/2009). 5 Fomin, V. V., King, J. L., Lyytinen, K. J., & McGann, S. T. (2005). Diffusion and impacts of e- commerce in the United States of America: results from an industry survey. Communications of the Association for Information Systems, 16, pp , p. 562, p

6 internacionais dos que os residentes, tamanho o grau de concorrência estrangeira, relatado pelas próprias entidades pesquisadas. Quanto ao impacto do e-commerce, a análise sugere que há uma correlação entre o investimento nos sistemas de informação e o aumento das vendas (aumento de vendas, atendimento ao cliente, posição concorrencial) ao fazer negócios online, ou seja, investe-se mais quando vende-se mais. Destarte, é compatível com os achados em estudos que o comércio eletrônico possui um impacto positivo sobre os ganhos em potenciais dos estabelecimentos (Fomin, King, Lyytinen, & McGann, 2005, p. 592). 3 INSTITUIÇÕES, REGULAMENTOS E TRATADOS INTERNACIONAIS 3.1 INSTITUIÇÕES INTERNACIONAIS E O COMÉRCIO ELETRÔNICO A internet trouxe e traz novos desafios à tutela da propriedade intelectual, pois, por ser um meio global polivalente, toca as jurisdições diversas com diferentes legislações, processos, bem como normas e atitudes culturais, fertilizando divergências nas relações privadas, notadamente no comércio eletrônico internacional. A despeito das jurisdições próprias e autônomas dos países, os tratados internacionais sobre o comércio internacional, comércio eletrônico e o direito da propriedade intelectual são, principalmente, administrados pela United Nations (UN), Organização das Nações Unidas (ONU); a World Trade Organization (WTO), Organização Mundial do Comércio (OMC); e, World Intellectual Property Organization (WIPO), Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Essas instituições internacionais têm facilitado a harmonização de normas através de tratados internacionais nos diversos países signatários ou não dos acordos Organização das Nações Unidas

7 Concebida para, em tese, manter a paz e a segurança no mundo, fomentar relações cordiais entre as nações, promover progresso social, melhores padrões de vida e direitos humanos, a Organização das Nações Unidas é uma instituição internacional formada atualmente por 192 Estados soberanos, fundada em 24 de outubro de 1945, logo após a 2ª Guerra Mundial 6. Os Países membros firmaram a Carta da ONU, um tratado entre nações que enuncia e institui regras a seus signatários. As Nações Unidas é uma instituição organicista constituída, no momento, por seis órgãos principais: a Assembléia Geral, o Conselho de Segurança, o Conselho Econômico e Social, o Conselho de Tutela, o Tribunal Internacional de Justiça e o Secretariado. A Entidade e seus Órgãos encontram-se sediado em Nova York, nos Estados Unidos da América, a exceção do Tribunal Internacional de Justiça, que fica em Haia, na Holanda 7. Em 21 de novembro de 1947, a Assembléia Geral aprovou a resolução 174 (II), alterada pelas Resoluções 485 (V), de 12 de Dezembro de 1950, 984 (X) de 03 de dezembro de 1955, 985 (X) de 3 de dezembro de 1955 e 36/39 18 de Novembro de 1981, que instituiu a Comissão de Direito Internacional e aprovou seu Estatuto, em que avocou, no artigo 1 o, as seguintes atribuições: dever ter por objetivo a promoção do desenvolvimento progressivo do direito internacional e a sua codificação; e, preocupar-se fundamentalmente com o direito internacional público, mas não são impedidos de entrar no campo do direito internacional privado Acesso: 12/06/ Acesso: 12/06/ Statute of the International Law Commission - Article 1-1. The International Law Commission shall have for its object the promotion of the progressive development of international law and its codification The Commission shall concern itself primarily with public international law, but is not precluded from entering the field of private international law.

8 No Estatuto, notadamente no artigo 17, reza que uma das funções desta Comissão de Direito Internacional é incentivar o desenvolvimento progressivo do direito internacional e sua codificação 9. O desenvolvimento progressivo no sentido de "a preparação de projetos de convenções sobre temas que ainda não foram regulamentadas pelo direito internacional ou em relação às quais a lei não foi ainda suficientemente desenvolvida na prática dos Estados ; e codificação, que significa a formulação mais precisa e sistematização das normas de direito internacional em campos onde já tem sido uma prática de Estado extensa jurisprudência e doutrina". Na prática, o trabalho da Comissão sobre um tema geralmente envolve alguns aspectos do desenvolvimento progressivo, bem como a codificação do direito internacional, com o equilíbrio entre as duas variáveis, dependendo do tema em particular 10. O comércio internacional, seja contratado pelas vias eletrônicas ou não, demanda de uma atuação incessante desta entidade no sentido de vislumbrar segurança jurídica através do desenvolvimento e freqüente atualização dos preceitos do direito internacional, seja na esfera pública ou privada, dada sua dependência Organização Mundial do Comércio A Organização Mundial do Comércio, entidade internacional com sede em Genebra, Suíça, foi fundada em 1. O de janeiro de 1995 após a Rodada Uruguai de Atualmente há 153 países signatários e assume as seguintes atribuições: gestão dos acordos comerciais propostos; promover fóruns de negociações 9 The Commission shall also consider proposals and draft multilateral conventions submitted by Members of the United Nations, the principal organs of the United Nations other than the General Assembly, specialized agencies, or official bodies established by intergovernmental agreement to encourage the progressive development of international law and its codification, and transmitted to it for that purpose by the Secretary-General Acesso: 12/06/2010.

9 comerciais; dirimir e auxiliar disputas comerciais entre os países signatários; monitoramento das políticas nacionais de comércio; proporcionar assistência técnica e prover treinamento para os países em desenvolvimento; cooperar com outras organizações internacionais. A Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização internacional global que trabalha as regras do comércio entre as nações. Os acordos propostos pela OMC são negociados e assinados pela maioria das nações comerciais do mundo e ratificado em seus ordenamentos jurídicos internos 11. Um dos objetivos é elaborar as regras do comércio internacional e ajudar os produtores de bens e serviços, exportadores e importadores conduzir seus negócios com segurança jurídica. A Organização Mundial do Comércio encontra-se permanentemente analisando, através de seus conselhos especializados, as questões relacionadas ao comércio eletrônico. No mês de maio do ano de 1998 expediu-se a denominada The Geneva Ministerial Declaration on global electronic commerce, traduzida livremente para Declaração Ministerial de Genebra sobre o comércio eletrônico global, em que instituiu uma moratória na instituição de direitos aduaneiros sobre a transmissão eletrônica. Esta intenção foi aprovada pelo Conselho Geral da OMC em 25 de setembro de 1998, a qual instituiu o Work Programme On Electronic Commerce, o qual expediu instruções e atribuiu deveres de análise e estudos sobre o tema aos seus conselhos e comissões, a saber: Conselho de Comércio de Serviços; o Conselho do Comércio de Bens; o Conselho para TRIPs, Trade Related Aspects of Intellectual Property Rights; e da Comissão sobre Comércio e Desenvolvimento. Ao Conselho de Comércio de Serviços incumbiu-se a análise e relatório sobre o tratamento e enquadramento legal do comércio eletrônico no âmbito 11 Acesso: 12/06/2010.

10 do GATS - General Agreement on Trade and Tariffs 12. Ao Conselho do Comércio de Bens outorgou-se o dever de examinar e relatar os aspectos relevantes do comércio eletrônico para as disposições do GATT 1994, General Agreement on Trade and Tariffs, os acordos comerciais multilaterais abrangidos pelo anexo 1A do Acordo OMC, e o programa de trabalho aprovado. O Conselho para os aspectos relacionados com o comércio de direitos de propriedade intelectual, denominado TRIP s, doutra feita, examinará e informará sobre as questões de propriedade intelectual relacionados ao comércio eletrônico. Por fim, no programa de trabalho de comércio eletrônico, convencionou-se que caberá ao Comitê sobre Comércio e Desenvolvimento analisar e informar as implicações para o desenvolvimento do comércio eletrônico, levando em consideração as características econômicas, financeiras e necessidades dos países em desenvolvimento 13. Na Quarta Conferência Ministerial, em Doha, no ano de 2001, os ministros concordaram em continuar o programa de trabalho, bem como estender a moratória na instituição de direitos aduaneiros sobre transmissões eletrônicas. Conseguintemente, o Conselho Geral, no parágrafo 34 da Declaração de Doha, apresentou o relatório sobre os progressos realizados, informando que o trabalho até então mostrou que o comércio eletrônico cria novos desafios e oportunidades para os membros em todas as fases de desenvolvimento, e reconhece-se a importância de criar e manter um ambiente favorável para o futuro desenvolvimento do comércio eletrônico. Após a Declaração Ministerial de Doha, na seqüência da Quinta Ministerial de Cancún em 2003, o Conselho Geral decidiu prosseguir com as discussões sobre temas transversais ao comércio eletrônico. Até agora, houve cinco debates dedicados ao comércio eletrônico, realizado sob os auspícios do 12 Acesso: 20 de dezembro de Acesso: 20 de dezembro de 2009.

11 Conselho Geral, a saber: classificação do conteúdo de certas transmissões eletrônicas; questões relacionadas com o desenvolvimento; as implicações fiscais do comércio eletrônico; a relação (e possíveis efeitos de substituição) entre e-commerce e as formas tradicionais de comércio; imposição de direitos aduaneiros sobre as transmissões eletrônicas; concorrência; jurisdição e legislação aplicáveis; dentre outras questões legais Organização Mundial da Propriedade Intelectual No ano de 1884, com 14 Estados-Membros, através da Convenção de Paris de 1883 para a Proteção da Propriedade Industrial, entrou em vigor o tratado internacional destinado a proteger as criações intelectuais concebendo-os o status de propriedades industriais, a saber: a) invenções; b) marcas; e, c) desenhos industriais 15. Em 1886, pela Convenção de Berna para a Proteção das Obras Literárias e Artísticas, convencionou-se entre os Estados-Membros a proteção internacional do direito autoral, tais quais: a) romances, contos, poemas, peças de teatro; b) canções, óperas, musicais, sonatas; e, c) desenhos, pinturas, esculturas, obras arquitetônicas. Como a Convenção de Paris, da Convenção de Berna criou um Escritório Internacional para realizar tarefas administrativas. Em 1893 formou-se a United International Bureaux para a Proteção da Propriedade Intelectual (mais conhecido por seu acrônimo francês BIRPI). Em 1970 entrou em vigor a Convenção que instituiu a Organização Mundial da Propriedade Intelectual. Assim, a sigla BIRPI tornou-se OMPI. Já em 1974, a OMPI tornou-se uma agência do sistema da Organização das Nações Unidas especializada em administrar e dirimir questões de propriedade intelectual reconhecido pelos Estados-Membros dessa Organização Acesso: 23/05/ Acesso: 23/05/ Acesso: 23/05/2010.

12 A OMPI, hodiernamente, fomenta o estudo e desenvolvimento de regras comuns visando resguardar a propriedade intelectual no comércio globalizado, uma das razões pela qual, em 1996, acordou a cooperação com a Organização Mundial do Comércio (OMC). Em matéria de comércio eletrônico, a OMPI, através da WIPO Worldwide Academy ou Academia Mundial da OMPI, fomenta a elaboração de regras internacionais desenvolvendo conceitos e estudos deste tema relacionado à propriedade intelectual Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) Preliminarmente, das instituições internacionais fomentadoras ou reguladoras do comércio eletrônico, insta citar o ICANN, siglas que significam Internet Corporation for Assigned Names and Numbers, traduzindo-se livremente para Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet, é responsável pela coordenação global do sistema de identificadores exclusivos da Internet. Entre esses identificadores estão nomes de domínio (como.org,.museum e códigos de países, como.uk) e os endereços usados em vários protocolos da Internet. Os computadores usam esses identificadores para se comunicarem entre si pela Internet. O gerenciamento cuidadoso desses recursos é vital para a operação da Internet, de modo que os participantes globais da ICANN se encontram periodicamente para definir políticas que garantam a segurança e a estabilidade constantes da Internet 18. A ICANN é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos constituída no dia 6 de novembro do ano de 1998 na Califórnia, Los Angeles, nos Estados Unidos da América. 17 Acesso: 13/06/ Acesso: 09/05/2010.

13 Observando que o comércio e a contratação eletrônica dependem da internet, tal qual concebidos, importante a atuação desta instituição internacional na administração e no desenvolvimento desta forma ou instrumento que viabiliza a transação inerente. 4 REGULAMENTOS E TRATADOS INTERNACIONAIS EM MATÉRIA DE COMÉRCIO ELETRÔNICO O surgimento de novas tecnologias da informação, principalmente a Internet e seu uso na contratação e comércio, tem refletido sobre os ordenamentos jurídicos, internacional e nacional, impactando sobre os direitos do comércio internacional e, significativamente, sobre os direitos da propriedade intelectual. 4.1 CONFERÊNCIA DE DOHA DE 2001 Conforme informado outrora, até o presente momento não se assinou acordo ou tratado sobre a matéria comércio eletrônico internacional, entretanto, houve cinco debates dedicados ao comércio eletrônico, em que discutiu-se os seguintes subitens: classificação do conteúdo de certas transmissões eletrônicas; questões relacionadas com o desenvolvimento; as implicações fiscais do comércio eletrônico; a relação (e possíveis efeitos de substituição) entre e-commerce e as formas tradicionais de comércio; imposição de direitos aduaneiros sobre as transmissões eletrônicas; concorrência; jurisdição e legislação aplicáveis; dentre outras questões legais TRATADOS SOBRE A INTERNET DA OMPI Os direitos da propriedade intelectual, subdividido em direito da propriedade industrial, direitos autorais e conexos, encontram-se regulados nos ordenamentos jurídicos de cada país, bem como vige tratados internacionais propostos pelas Organizações citadas no tópico anterior. 19 Acesso: 23/05/2010.

14 Tamanha a importância desta Era digital, as Organizações Internacionais buscam incontinente estudar seus impactos. A OMPI publicou um relatório denominado Intellectual Property on the Internet: A Survey of Issues 20 que descreve o impacto das tecnologias digitais sobre a propriedade intelectual e, em particular, sobre direitos autorais e do sistema internacional de propriedade intelectual 21. Neste diapasão, as regras internacionais de direitos da propriedade intelectual encontram-se freqüentemente sendo atualizados a esta Era digital 22, inclusive já vigendo os acordos denominados WIPO Copyright Treaty (WCT) e WIPO Performances and Phonograms Treaty (WPPT), conhecidos coletivamente como WIPO Internet Treaties, traduzido livremente para Tratados sobre a Internet da OMPI, Organização Mundial da Propriedade Intelectual. Em convergência com a Convenção de Berna, e dentro da acepção de seu artigo 20, instituiu-se o tratado denominado Collection of Laws for Electronic Access 23, Coleção de Leis para Acessos Eletrônicos, como acordo especial, assim disposto no artigo 1º deste. Este acordo internacional foi acolhido até o momento por 88 nações, dentre as quais os países integrantes do Mercosul, a exceção do Brasil, bem como todos os países da América do Norte e da a maioria dos países da Europa 24. Um importante preceito desta coleção vem a ser o disposto no artigo 6º, o qual reza sobre a tutela do direito à distribuição da propriedade autoral. 20 Tradução livre para Propriedade Intelectual na Internet: uma pesquisa de pontos controvertidos. 21 Acesso: 13/06/ Acesso: 13/06/ Acesso: 06/06/ /06/2010. Acesso:

15 Programa de computador, cuja venda é muito difundida pela rede mundial, através do comércio eletrônico, encontra-se tutelado, no artigo 4 o, como direito autoral nesta convenção internacional, equiparado à obra literária. As databases ou bases de dados compiladas, muito utilizadas pelos sítios e portais eletrônicos, local onde se apresenta o ponto de venda do comércio eletrônico, igualmente são protegidas na qualidade de criações intelectuais, com status de direito da propriedade intelectual, segundo reza o artigo 5º da coletânea legal. Percebe-se que o presente tratado internacional pretende assemelhar as regras dos países membros, visando implementar restrições ao uso indiscriminado e resguardar os direitos intelectuais; conseguintemente, apresentam cláusulas abertas e limitações mínimas que permitem adequação às jurisdições dos signatários. No artigo 18 reza que, sem prejuízo de quaisquer disposições específicas em contrário ao Tratado, cada Parte Contratante gozará de todos os direitos e assumirá todas as obrigações dele decorrentes. 5 CONCLUSÃO Inteligível o rápido e grande desenvolvimento do comércio eletrônico global conquanto claro está, em proporção inversa, sua regulação mediante tratados internacionais. Com a ausência de regras internacionais unificadas, fértil tornar-se o campo das discussões entre os atores, levando as questões a serem dirimidas por jurisdições eleitas contratualmente ou dando ensanchas às partes litigantes a invocar a legislação do próprio Estado. Conclui-se, destarte, que os organismos internacionais encontram-se trabalhando para balizar princípios ou cláusulas abertas como regras mínimas para o comércio global via rede mundial de computadores, sem o

16 qual, a insegurança jurídica poderá pairar sobre os negócios fechados neste limbo.

17 6 REFERÊNCIAS BERNERS-LEE, T. (01 de 03 de 2007). The Future of the Web. Disponível em Acesso em 12 de 10 de FOMIN, V. V., KING, J. L., LYYTINEN, K. J., & MCGANN, S. T. (2005). Diffusion and impacts of e-commerce in the united states of america: results from an industry survey. Communications of the Association for Information Systems, 16, pp GIBBS, J., KRAEMER, K. L., & DEDRICK, J. (2003). Environment and Policy Factors Shaping Ecommerce Diffusion: A Cross-Country Comparison. Center for Research on Information Technology and Organizations (CRITO), pp GLOBERMAN, S., ROEHL, T. W., & STANDIF, S. (4th Qtr. de 2001). Globalization and Electronic Commerce: Inferences from Retail Brokering. Journal of International Business Studies, Vol. 32, pp HEATH, Christopher. Parallel Imports and International Trade In: Max Planck Institute for Foreign and International Patent, Copyright and Competition Law, Munich. ICC, I. C. (17 de 05 de 2009). International Chamber of Commerce. Disponível em Site da International Chamber of Commerce: Acesso em 17 de maio de KOENIGA, W., & WIGAND, R. T. (2004). Globalization and E-Commerce: Diffusion and Impacts of the Internet and E-Commerce in Germany. I- WAYS, Digest of Electronic Commerce Policy and Regulation, pp

18 SPICH, R. S. (1995). Globalization folklore problems of myth and ideology in the discourse on globalization. Journal of Organizational Change Management, Vol. 8 Issue 4, pp UNCTAD, U. N. (2004). E-Commerce and Development Report Geneve. WEI, J. (2005). Internet Penetration Analysis: The Impact on Global E- Commerce. Journal of Global Competitiveness, Vol. 13 Issue 1/2, pp. p9-24, 16p. WIPO, W. I. (30 de 11 de 2008). World Intelectual Property Organization. Acesso em 30 de 11 de 2008, disponível em Site da World Intelectual Property Organization: WTO, W. T. (1998). Anual Report Geneva.

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings

Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Patents, Innovation and Economic Performance: OECD Conference Proceedings Summary in Portuguese Patentes, Inovação e Desempenho Econômico: Procedimentos da Assembléia da OCDE Sumário em Português As invenções

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt SITES DE REFERÊNCIA 4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt Banco de Portugal http://www.bportugal.pt CMVM Comissão do Mercado

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS?

PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? www.brasil-economia-governo.org.br PATENTES MERECEM SER QUEBRADAS? FERNANDO B. MENEGUIN 1 Vimos no texto Por que proteger a propriedade intelectual? a importância de se garantir direito de propriedade

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Glossário - OMC. Cartel

Glossário - OMC. Cartel Glossário - OMC C Cartel Cartel é uma prática comercial semelhante ao Truste, porém consistindo na cooperação de empresas independentes, podendo ser utilizado tanto para fixação de preços quanto para a

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL PROPRIEDADE INTELECTUAL, INDUSTRIAL E COMERCIAL A propriedade intelectual designa o conjunto dos direitos exclusivos atribuídos às criações intelectuais. Divide-se em dois ramos: a propriedade intelectual,

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

C E S A - C e n t r o d e E s t u d o s d a s S o c i e d a d e s d e A d v o g a d o s

C E S A - C e n t r o d e E s t u d o s d a s S o c i e d a d e s d e A d v o g a d o s C E S A - C e n t r o d e E s t u d o s d a s S o c i e d a d e s d e A d v o g a d o s Rua Boa Vista, 254, 4 andar, sls. 412/413 01014-907 São Paulo, SP. Fone: (11) 3104-8402 Fax: (11) 3104-3352 e-mail:

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 25.6.2013 2013/2063(INI) PROJETO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Jurídicos dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas O Direito de Autor e o Mundo das Empresas 1 A propriedade intelectual está no centro da atual economia baseada no conhecimento e na inovação. No ambiente digital, um mundo progressivamente globalizado

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007

Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007 Promover a estabilidade e a integridade da Internet Pedro Veiga ICANN meetings, Lisbon, 29 March 2007 O que é a ICANN? A ICANN - Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (órgão mundial responsável

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA

COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA COMPROMISSO DOS NOTÁRIOS DA EUROPA PARA 2020 para uma política de justiça europeia à altura dos desafios socioeconómicos OS NOSSOS 5 COMPROMISSOS PARA 2020 NOTÁRIOS DA EUROPA 1 Na qualidade de consultores

Leia mais

Tradição e compromisso com a excelência e a ética

Tradição e compromisso com a excelência e a ética NEWTON SILVEIRA Formado em Direito pela Universidade de São Paulo em 1963. Mestre em Direito Civil (1980) e Doutor em Direito Comercial (1982) também pela Faculdade de Direito da USP, onde é professor

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais Síntese Diretrizes da OCDE para a Proteção da Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de Dados Pessoais Overview OECD Guidelines on the Protection of Privacy and Transborder Flows of Personal Data As

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação O Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) tem como missão estudar as implicações jurídicas, econômicas, sociais e culturais advindas do avanço das tecnologias

Leia mais

A proposta de Direito europeu comum da compra e venda: perspetiva do comércio eletrónico

A proposta de Direito europeu comum da compra e venda: perspetiva do comércio eletrónico DIREÇÃO-GERAL DAS POLÍTICAS INTERNAS DA UNIÃO DEPARTAMENTO TEMÁTICO C: DIREITOS DOS CIDADÃOS E ASSUNTOS CONSTITUCIONAIS Assuntos Jurídicos A proposta de Direito europeu comum da compra e venda: perspetiva

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS

PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS PRINCÍPIOS PARA DISPOSIÇÕES SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL EM ACORDOS BILATERAIS E REGIONAIS Introdução Durante vários anos, a pesquisa no Instituto Max Planck para o Direito da Propriedade Intelectual

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS

INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Introdução INSTRUÇÕES DE SOLICITAÇÃO DE VERBAS A FUNDO PERDIDO E FORMATAÇÃO DE PROPOSTA PARA SOLICITANTES ESTRANGEIROS Este informativo tem a finalidade de auxiliar os solicitantes estrangeiros a entender

Leia mais

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 55/04 Regulamentação do Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Contratações Públicas do MERCOSUL

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECEX SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR Grupo de Harmonização Estatística Brasil x China Em 2006 foi assinada em Beijing a criação do GHE Brasil x China, com o início do intercâmbio de dados. MINISTÉRIO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br 1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br BALBONI, Mariana (coord. executiva). Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas 2007. São Paulo: Comitê Gestor

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012

Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores. Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Estratégias de Comercialização de Ativos Intangíveis: formação de gestores Rio de Janeiro, RJ 28 de Novembro, 2012 Apresentação A OMPI O Brasil Formação de Gestores de Tecnologia e PI no Brasil parcerias

Leia mais

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia

Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP. Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional IJTP Um Programa da Faculdade de Direito da Universidade da Géorgia Programa de Treinamento Judicial Internacional Por que Nos últimos anos, um número crescente

Leia mais

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1

PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 PROTOCOLO DE 1967 RELATIVO AO ESTATUTO DOS REFUGIADOS 1 Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados assinada em Genebra, em 28 de julho de

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares

Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Manutenção da Paz Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares Conclusão e assinatura: 01 de julho de 1968 Entrada em vigor: No Brasil: Aprovação:

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25

Sumário. Capítulo 3 Dois Vetores Fundamentais da OMC: Cláusula da Nação Mais Favorecida e Tratamento Nacional 25 Uô / Comércio erior Sumário Capítulo I Negociações Internacionais I Introdução 1 Definição: Negociação 1 Negociação Distributiva ou Posicionai 3 Negociação Cooperativa 4 Negociações Internacionais 7 Leitura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE)

Master em Regulação do Comércio Global. Master in International Trade Regulation (MITRE) Proposta de curso de pós-graduação Escola de Economia de São Paulo da FGV Master em Regulação do Comércio Global Master in International Trade Regulation (MITRE) OU Coordenadores: Vera Thorstensen (EESP)

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação TERMO DE ADESÃO Para participação em Projetos de Promoção de Exportação A empresa..., de CNPJ n.º..., por seu(s) representante(s) legal(is), adere ao projeto BRAZILIAN PUBLISHERS, proposto à APEX-Brasil

Leia mais

Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia.

Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia. Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia. Luis Carlos Wanderley Lima Coordenação de Propriedade Intelectual-COOPI Agência Nacional de Vigilância Sanitária-Anvisa Ministério da Saúde-MS

Leia mais