VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO"

Transcrição

1 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Profº Celio Conrado

2 Sumário Definições e conceitos do Comércio Eletrônico... 4 COMÉRCIO ELETRÔNICO... 4 E-BUSINESS... 4 ESTATÍSTICA DO DESEMPENHO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL... 4 CE PURO VERSUS CE PARCIAL Estrutura e abrangência do CE... 6 A ESTRUTURA DO CE... 6 CLASSIFICAÇÃO DO CE PELA NATUREZA DA TRANSAÇÃO... 7 Business-to-business(B2B) (empresa-empresa):... 7 Business-to-consumer (B2C) (empresa-consumidor):... 7 Business-to-business-to-consumer (B2B2C) (empresa-empresa-consumidor:... 7 Consumer-to-business (C2B) (consumidor-empresa):... 7 Consumer-to-consumer (C2C) (consumidor-consumidor):... 7 Mobile commerce (m-commerce) (comércio móvel):... 8 E-learning:... 8 E-government: government-to-citizen (G2C) (governo-cidadão):... 8 A NATUREZA INTERDISCIPLINAR DO CE Planejamentos de Negócios, Casos e Modelos de E-Commerce... 8 PLANOS DE NEGÓCIOS E CASOS DE NEGÓCIOS... 8 ESTRUTURA DOS MODELOS DE NEGÓCIOS... 9 MODELOS DE NEGÓCIOS MAIS COMUNS NO CE Benefícios e limitações do CE OS BENEFÍCIOS DO CE AS LIMITAÇÕES DO CE O NOVO MUNDO DOS NEGÓCIOS PRESSÕES DE NEGÓCIOS RESPOSTAS ORGANIZACIONAIS... 12

3 Índice de Figuras Figura 1 - Faturamento do Comércio Eletrônico no Brasil... 5 Figura 2- Site da Livraria Saraiva... 5 Figura 3 - Site das Lojas Casas Bahia... 6

4 1.1 - Definições e conceitos do Comércio Eletrônico COMÉRCIO ELETRÔNICO Por comércio eletrônico (CE, e-commerce) entende-se o processo de compra, venda e troca de produtos, serviços e informações por redes de computadores ou pela Internet. Cameron (1997) define que CE inclui qualquer negócio transacionado eletronicamente, em que essas transações ocorrem entre dois parceiros de negócio ou entre um negócio e seus clientes. Segundo Kalakota e Whinston (1997) CE define-se a partir de quatro perspectivas: De uma perspectiva da comunicação: o CE é a distribuição de produtos, serviços, informação ou pagamento por meio de linhas telefônicas, redes de computadores ou outros meios eletrônicos. De uma perspectiva de processo comercial: o CE é aplicação de tecnologia para a automação de transações de negócios e do fluxo do trabalho. De uma perspectiva de serviços: o CE é uma ferramenta que satisfaz a necessidade de empresas, consumidores e administradores para diminuir custos de serviços, enquanto eleva o nível de qualidade das mercadorias e agilidade de atendimento. De uma perspectiva on-line: provê a capacidade de compra e venda de produtos e informações pela Internet e por outros serviços on-line. Os sistemas de CE podem ter valor significativo como uma alavanca para novas estratégias de gerenciamento de clientes, principalmente porque eles: conectam diretamente compradores e vendedores; apóiam troca de informações totalmente digitadas entre eles; eliminam os limites de tempo e lugar; apóiam interatividade, podendo adaptar-se dinamicamente ao comportamento do cliente, e podem ser atualizados em tempo real, mantendo-se sempre atualizados. E-BUSINESS Alguns definem o termo comércio como transações efetuadas entre parceiros de negócios. Por essa definição, pode-se concluir que a expressão comércio eletrônico é um tanto restrita. É por isso que muitos preferem o termo e-business, uma definição mais ampla de CE que não inclui simplesmente a compra e venda de produtos e serviços, mas também a prestação de serviços a clientes, a cooperação com parceiros comerciais e a realização de negócios eletrônicos dentro de uma organização. ESTATÍSTICA DO DESEMPENHO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL Os processos de comércio eletrônico tiveram início no Brasil em 2001 com algumas empresas iniciando os processos. Desde então, a exemplo do que aconteceu nos Estados Unidos, esta tecnologia vem ganhando cada vez mais espaço no território nacional. Segundo o site e-bit, o montante faturado com o comércio eletrônico no Brasil foi de R$ 549 milhões em 2001, dez anos depois esse faturamento subiu para R$ 18,7 bilhões, o que significa um aumento nominal de 26% em relação ao ano anterior, quando os ganhos chegaram a R$ 14,8 bilhões. Vale lembrar que em 2010, o crescimento do setor foi acima do comum: 40%, sendo que o crescimento médio anual nos últimos 10 anos foi de 43,5%. Isso, em decorrência do cenário econômico daquele momento e também, da influência da Copa do Mundo. Em 2011, fatores externos como as crises na Europa e nos Estados Unidos afetaram a economia e consequentemente, o desempenho do e-commerce.

5 CE PURO VERSUS CE PARCIAL Figura 1 - Faturamento do Comércio Eletrônico no Brasil O comércio eletrônico pode exibir diversas formas, dependendo do grau de digitalização (transformação de físico em digital) do produto (serviço) vendido, do processo e do agente de entrega (ou intermediário). Um produto pode ser físico ou digital, o processo pode ser físico ou digital e o agente de entregas também pode ser físico ou digital. Portanto se houver ao menos uma possibilidade digital, a situação é considerada como CE, mas somente PARCIAL. Por exemplo: uma compra na Saraiva.com é CE parcial, pois o livro em forma física é entregue pelo sistema de postagem. No entanto, a compra de um e-book da Saraiva.com é CE puro, pois tanto a entrega quanto o pagamento e o agente são digitais. Comercio Eletrônico PURO Figura 2- Site da Livraria Saraiva

6 Comercio Eletrônico PURO Figura 3 - Site das Lojas Casas Bahia Organizações totalmente físicas (corporações) são chamadas de organizações de tijolo e cimento ou organizações da velha economia, enquanto as devotadas exclusivamente ao CE são organizações virtuais online puras. As organizações de cliques e cimento, por sua vez, são aquelas que realizam algumas atividades de e-commerce, mas cujos principais negócios são realizados fisicamente. Muitas empresas de tijolo e cimento têm se tornado aos poucos de cliques e cimento Estrutura e abrangência do CE Bastante diversificada, a área de CE envolve diversas atividades, unidades organizacionais e tecnologias. Para entendê-la é necessário conhecer sua estrutura básica. A ESTRUTURA DO CE Há dezenas de aplicações para o CE, para executar tais aplicações, as empresas necessitam de informações, infra-estrutura e serviços de apoio adequados. A figura abaixo mostra a infra-estrutura e as cinco áreas de suporte (pilares) com as quais as aplicações de CE precisam contar: pessoas, política pública, padrões técnicos, parceiros de negócios e serviços de apoio. Pessoas: Vendedores, compradores, intermediários, funcionários e outros participantes. Política pública: Aspectos legais e políticos como proteção à privacidade determinados pelo governo. Protocolos e padrões técnicos: Protocolos de pagamento e de segurança, como o SSL (secure socket layer). Para se comunicar com as outras empresas ou mesmo para movimentar dinheiro on-line com segurança, as organizações necessitam de padrões e protocolos. Serviços de apoio: Pesquisa de mercado, propaganda, pagamentos, logística e segurança. Diversos serviços de apoio são necessários em CE. E todos os componentes dessa estrutura exigem bom desempenho gerencial. Parceiros de negócios: Joint ventures, permutas e parcerias comerciais de diversos tipos.

7 Aplicações de Comércio Eletrônico Pessoas: compradores, vendedores, intermediários, serviço, pessoal de SI e gestão Políticas públicas: impostos, direitos legais, aspectos de privacidade, leis e padrões técnicos Padrões técnicos: protocolos de pagamento e de segurança Serviços de apoio: logística, pagamentos, desenvolvimento de sistemas de segurança Parceiros de negócios: programas de afiliação, joint ventures, permuta, consórcios Infra-estrutura Infra-estrutura de serviços comuns (segurança, autenticação e pagamento eletrônico) Infra-estrutura de distribuição de informação e mensagem (EDI, e- mail, salas de batepapo) Infra-estrutura de publicação em rede e conteúdo multimídia Infra-estrutura de rede de comunicação (van, wan, lan, intranet, extranet), acesso (telefones celulares) Infra-estrutura de interface Gerenciamento CLASSIFICAÇÃO DO CE PELA NATUREZA DA TRANSAÇÃO A classificação do CE é feita pela natureza da transação ou pelo relacionamento entre os participantes. Os tipos a seguir são encontrados com maior freqüência. Business-to-business(B2B) (empresa-empresa): Seria uma companhia que usa uma rede para solicitar aos seus fornecedores, receber pedidos e fazer pagamentos. Todos os participantes do e- commerce business-to-business são empresas ou outros tipos de organização. Hoje a maior parte do CE é do tipo B2B. Business-to-consumer (B2C) (empresa-consumidor): O CE business-to-consumer (B2C) envolve transações de varejo entre empresas e compradores individuais. O comprador do Submarino.com, por exemplo, é um consumidor, ou cliente. Esse tipo de CE também é chamado de varejo eletrônico (e-tailing). Business-to-business-to-consumer (B2B2C) (empresa-empresa-consumidor: Uma empresa oferece produtos ou serviços a uma empresa que seja sua cliente, a qual, por sua vez, mantém seus próprios clientes, para os quais o serviço ou produto é repassado, naturalmente no meio digital. Consumer-to-business (C2B) (consumidor-empresa): Essa categoria envolve, por um lado, indivíduos que utilizam a Internet para vender produtos ou serviços a organizações e, por outro, aqueles que procuram vendedores a fim de que ofereçam lances, para obter produtos ou serviços de que necessitam. Um exemplo seria uma pessoa física em busca de uma nova oportunidade de trabalho, enviando seu currículo para diversas organizações. Consumer-to-consumer (C2C) (consumidor-consumidor): Na categoria consumer-toconsumer (C2C) (consumidor-consumidor) os consumidores vendem diretamente uns aos outros. Alguns exemplos são: os indivíduos que vendem imóveis, carros e outros produtos nos classificados online; o anúncio de serviços pessoais pela Internet. Diversos sites de leilões também permitem a oferta de bens e objetos.

8 Mobile commerce (m-commerce) (comércio móvel): Este CE é caracterizado por negócios eletrônicos gerados a partir de dispositivos móveis, como o telefone celular, ingressos para filmes, entradas para teatro já estão disponíveis, além de jogos, ringtones, vídeos, papéis de parede e outras formas de entretenimento são vendidas por este aparelho. E-learning: Este CE utiliza o ciberespaço para ampliação do conhecimento ou a realização de treinamentos formais virtuais. Tem sido uma área em expansão no Brasil. E-government: government-to-citizen (G2C) (governo-cidadão): No CE e-government, uma entidade governamental adquire produtos, serviços ou informação de empresas ou de cidadãos, ou, ainda, oferece esses bens a tais empresas e cidadãos. Um exemplo seria o softwarepublico.gov, portal que disponibiliza softwares para o setor público. A NATUREZA INTERDISCIPLINAR DO CE Por ser um campo, ainda considerado, novo, o CE está desenvolvendo suas bases teóricas e científicas. Pode-se notar, pela sua infraestrutura, que ele está relacionado a diferentes disciplinas. As principais são marketing, ciência da computação, comportamento do consumidor, finanças, economia, administração de sistemas de informação, contabilidade, administração, leis empresariais, robótica, administração pública e engenharia Planejamentos de Negócios, Casos e Modelos de E-Commerce Uma das principais características do CE é permitir a criação de novos modelos de negócios. Um modelo de negócios é um método que permite à empresa gerar renda para se manter. O modelo especifica a posição em que a empresa se encontra na cadeia de valores. Alguns modelos são bastante simples. Por exemplo: a Motorola fabrica telefones celulares, vende-os e gera lucro. Já uma estação de TV, ao contrário, oferece radiodifusão gratuita; sua subsistência depende de um complexo modelo que envolve anunciante e pessoas para desenvolver o conteúdo da programação. PLANOS DE NEGÓCIOS E CASOS DE NEGÓCIOS Um plano de negócio é um documento que identifica os objetivos do negócio de uma empresa e define estratégias para que eles sejam atingidos. Os planos de negócios são utilizados para diversos propósitos: para obter capital de investidores ou para reestruturar uma organização. Um caso de negócio, por sua vez, é um documento utilizado por gerentes para arrecadar fundos destinados a aplicações ou projetos específicos; normalmente enfatiza a justificativa de determinados investimentos. Em geral é usado em organizações que desejam iniciar novos projetos, como e-procurement, por exemplo. Oferece uma ponte entre o plano inicial e sua execução. Deve-se observar que um plano de negócios concentra-se na viabilidade da empresa; já um caso de negócios concentra-se em justificar investimentos, administrar riscos e adaptar-se à missão da empresa. A seguir a estrutura de um plano de negócios para uma empresa ponto.com Descrição da organização e definição da missão. A equipe de gerenciamento: quem são os membros, qual sua experiência etc? O mercado e seus consumidores: quem são os consumidores potenciais (sua localização, dados demográficos etc), qual o tamanho do mercado e como a organização e seus produtos pretendem atendê-lo? Qual é a proposta de valor percebida?

9 O setor e a concorrência: com quais empresas e produtos o negócio em mira vai competir? Qual é a vantagem competitiva desse projeto? Quais são as características do produto e/ou serviços a serem oferecidos e como eles serão desenvolvidos? Plano de marketing e venda: como as ações de marketing e vendas serão executadas? Quais são os planos de propaganda e promoção? Como será prestado o serviço de atendimento ao cliente? Será preciso pesquisa de mercado? Em caso positivo, como realizá-la? Operações: como os negócios serão conduzidos? Quais operações serão levadas a cabo internamente e quais serão terceirizadas? Planos e projeções financeiras: quais será o modelo de geração de renda, o fluxo de caixa, o custo do financiamento etc? Análise de risco: quão arriscada parece ser essa iniciativa? Que eventualidades podem ocorrer? Análise tecnológica: qual é a tecnologia necessária e como ela será obtida? ESTRUTURA DOS MODELOS DE NEGÓCIOS A estrutura dos modelos de negócios varia de acordo com o método utilizado pelas empresas para gerar renda. Todos, no entanto, devem especificar seu modelo de renda. O modelo de renda especifica o modo como a empresa ou o projeto de CE deverá gerá-la. Os modelos de renda comuns são: Taxas de transação: quando uma empresa recebe comissão sobre o volume de transações efetuadas. Por exemplo: o que se paga na compra ou venda de uma casa é chamado de taxa de transação. Taxas de assinatura: quando clientes pagam um valor fixo, geralmente mensal, para obter determinados serviços. Um exemplo seria a taxa de acesso a UOL. Taxas de divulgação: quando empresas cobram de outras para exibir propagandas em seus sites. Um exemplo seria o Google.com. Vendas: Quando empresas geram renda pela venda de produtos ou serviços em seus sites. Um exemplo é venda de flores, chocolates, vinhos, etc pelo Froresonline.com. As empresas utilizam seu modelo de renda para descrever como pretendem gerar renda, e seu modelo de negócios para descrever o processo que vão executar para essa obtenção de renda. MODELOS DE NEGÓCIOS MAIS COMUNS NO CE Modelos de negócio são as diversas formatações que os empreendimentos adquirem ao utilizar a Internet como canal primário ou secundário de comercialização. A lista a seguir descreve alguns modelos mais comuns. Comércio misto: modelo de Negócio tradicional baseado em instalações físicas e que utiliza a rede como mais um canal de comercialização para os seus produtos. Exemplo: Comércio virtual: comercialização de produtos/serviços exclusivamente pela Internet. Exemplo: Comércio virtual puro: comercialização de produtos digitais ou serviços cuja entrega seja realizada pela própria Internet. É a forma mais pura de Comércio Eletrônico uma vez que todo o processo do negócio é realizado on-line. Empresas que vendem software, música ou cursos on-line são exemplos. Exemplo: Mercantil: empresas que vendem produtos ou serviços para outras empresas utilizando-se a Internet como canal de comercialização. Exemplo: Mercantil direto: modelo de negócio de empresas produtoras de mercadorias que se utilizam da web como canal direto de venda para o consumidor final, eliminando total ou parcialmente os intermediários. Exemplos:

10 Shopping Virtual: site que reúne diversas lojas virtuais. A receita é obtida através de uma taxa mensal + comissão sobre as vendas realizadas ou pagamentos por anúncios. Exemplo: Leilões on-line: ambiente virtual que possibilita a oferta de mercadorias e a realização de lances até se chegar à melhor oferta disponível. Possui variante como o Leilão reverso, onde os vendedores é que fazem os lances, e o menor preço ofertado leva o pedido. Gratuidade: sites oferecem algum serviço/produto gratuitamente para gerar volume de tráfego. É o caso típico dos mecanismos de busca e serviços de correio eletrônico. Exemplo: Benefícios e limitações do CE OS BENEFÍCIOS DO CE Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o CE. A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir milhões de pessoas, a natureza interativa do CE, suas diferentes possibilidades de utilização, recursos e a rápida expansão da infra-estrutura que lhe dá suporte, especialmente da Web resultam em inúmeros benefícios para as organizações, para os indivíduos e para a sociedade. Benefícios para as organizações O CE expande o mercado: com dispêndio mínimo de capital, uma empresa pode fácil e rapidamente obter mais clientes, os melhores fornecedores e os melhores parceiros em âmbito nacional ou internacional. O CE ainda permite às empresas encontrar novos clientes e interagir com eles o que estabelece um melhor gerenciamento do relacionamento com o cliente (customer relationship management CRM) além de aumentar a fidelidade desses clientes. O CE permite significativa redução de custos: graças ao CE as empresas não precisam mais arcar com os custos de criação, processamento e distribuição, armazenamento e recuperação de informações registradas em papel. O CE melhora a organização e os processos de negócios: o CE permite criar modelos diferentes e inovadores, que oferecem vantagens estratégias e/ou aumentam os lucros. O CE oferece interatividade: O CE permite às empresas interagir com seus clientes e parceiros e obter retorno rápido e preciso. Outros benefícios do comércio eletrônico são uma melhor imagem corporativa, processos comerciais simplificados, redução de time-to-market (intervalo entre a concepção de uma idéia e sua execução), aumento significativo da produtividade, redução do volume de papel, ampliação do acesso à informação e maior flexibilidade. Benefícios para os consumidores Os benefícios do CE para os consumidores são principalmente a conveniência, a velocidade e o custo. Podem-se efetuar compras ou transações durante todo o ano, 24 horas por dia em quase todas as partes do planeta. Há mais opções de produtos em diferentes lojas. Podem-se localizar informações importantes e detalhadas sobre produtos e serviços e fazer comparações em questão de segundos, em vez de dias ou semanas. Por permitir ao consumidor comprar em locais diferentes e fazer comparações rápidas, o CE facilita a competitividade, o que resulta em preços substancialmente mais baixos. Benefícios para a sociedade Os benefícios para a sociedade são as melhorias no padrão de vida e na oferta de serviços públicos. Por exemplo: a população de países menos desenvolvidos e de áreas rurais pode hoje desfrutar produtos e serviços antes impossíveis de obter, inclusive cursos profissionalizantes ou superiores. Serviços públicos, como saúde,

11 educação e assistência social, agora também podem ser oferecidos pelo CE, com custos menores e/ou melhor qualidade. AS LIMITAÇÕES DO CE As limitações do CE podem ser tecnológicas ou não. O quadro abaixo mostra as principais delas. Limitações tecnológicas Limitações não tecnológicas 1. Não existe um conjunto de padrões de qualidade, segurança e confiança universal estabelecido. 2. A banda de telecomunicações é insuficiente 3. As ferramentas de desenvolvimento de software estão ainda em evolução. 4. Há dificuldade na integração do software de Internet e de CE com determinadas aplicações e bases de dados (especialmente as de sistemas legados). 5. Há necessidade de servidores especiais para a Web, além dos servidores de rede (o que representa maior custo) 1. A preocupação com segurança e privacidade é um obstáculo para o consumo. 2. A falta de confiança no CE e em fontes desconhecidas de vendas inibe as compras. 3. Leis nacionais e internacionais podem atrapalhar. 4. Alguns consumidores gostam de tocar nos produtos e senti-los. Resistem a trocar as lojas reais pelas virtuais. 5. Ainda não se confia nas transações efetuadas sem documentos e sem a presença física das pessoas. 6. O acesso à Internet ainda é caro e/ou nada simples. Contribuição do comércio eletrônico para as organizações Para se compreender a contribuição do CE para as organizações, devem-se examinar o ambiente de negócios do mundo de hoje, a pressão que ele gera sobre as organizações, a resposta organizacional a essas pressões e o papel potencial do CE nessa resposta. O NOVO MUNDO DOS NEGÓCIOS Fatores econômicos, sociais e tecnológicos criaram um ambiente de negócios altamente competitivo, no qual o consumidor está adquirindo cada vez mais poder. As empresas devem reagir aos problemas e às oportunidades resultantes desse novo ambiente de negócios. Para ter sucesso e até mesmo para sobreviver diante dessa mudança, as empresas têm de tomar não só atitudes convencionais (baixar custos, fechar unidades que não trazem lucro), como também lançar mão de iniciativas inovadoras: personalização, criação de novos produtos ou oferta de serviços especiais para o consumidor. São as atividades de resposta crítica. As atividades de resposta crítica podem ocorrer em diversos ou mesmo em todos os processos organizacionais, desde o pagamento diário e a entrada de pedidos até atividades estratégicas como aquisição de uma empresa.

12 PRESSÕES DE NEGÓCIOS A expressão ambiente de negócios refere-se às ações sociais, econômicas, legais, tecnológicas e políticas que afetam as atividades comerciais. O quadro abaixo mostra que as pressões de negócios dividem-se nas seguintes categorias: mercadológicas (econômicas), sociais e tecnológicas. Grandes pressões comerciais Pressões do mercado e econômicas Forte competição Economia global Mão-de-obra barata Mudanças freqüentes e significativas nos mercados Aumento de poder do consumidor Pressões sociais e ambientais Mudanças na natureza da força de trabalho Diminuição de subsídios Aumento da importância de assuntos legais e éticos Aumento da responsabilidade social das empresas Mudanças políticas rápidas Pressões tecnológicas Rápida obsolescência tecnológica Mais inovações e novas tecnologias Aumento da sobrecarga de informações Rápido declínio do custo de tecnologia versus taxa de desempenho RESPOSTAS ORGANIZACIONAIS Como algumas respostas tradicionais já não funcionam no turbulento e competitivo mundo comercial de hoje, muitas das antigas soluções necessitam ser modificadas, suplementadas ou descartadas. Como alternativa, novas respostas podem ser planejadas. A seguir alguns exemplos das diversas respostas baseadas em CE. Sistemas estratégicos; Esforços contínuos para melhorias e reengenharia de processos de negócios Alianças de negócios; Mercados eletrônicos; Mais poder aos funcionários (empowerment) e trabalho colaborativo; Personalização em massa.

Unidade I: Visão Geral do Comércio Eletrônico

Unidade I: Visão Geral do Comércio Eletrônico Disciplina: Negócios e Comércio Eletrônico Professora: Claudio Célio G. Conrado : Visão Geral do Comércio Eletrônico 1.1 Definições e conceitos do Comércio Eletrônico COMÉRCIO ELETRÔNICO Por comércio eletrônico

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Objetivos. Qantas Airways Uma nova maneira de competir

Objetivos. Qantas Airways Uma nova maneira de competir MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE FEAC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS COMÉRCIO ELETRÔNICO Prof. Dr. Nelsio Abreu nelsio@gmail.com

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO PLANEJAMENTO E MODELOS DE E-COMMERCE Uma das principais características do CE é permitir a criação de novos modelos de negócio. Um modelo de negócio é um método que permite

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação.

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. As Etapas do Processo de Negociação envolvem o planejamento da

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 03: Modelos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 03: Modelos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 03: Modelos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br As dimensões do comércio eletrônico Á r e a s d e c o m é r c i o e l e t r ô n i c o A e s s

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo

Sistemas de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma

Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma 1 Identificar cada um dos sistemas de e-business interfuncionais abaixo e dar exemplos de como eles podem fornecer significativo valor para uma empresa, seus clientes e parceiros de negócios: de recursos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com. Comércio Eletrônico 1

Comércio Eletrônico. Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com. Comércio Eletrônico 1 Comércio Eletrônico Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com Comércio Eletrônico 1 31/03/2014 Introdução Por proporcionar uma série de vantagens,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Modelos de e-commerce

Modelos de e-commerce Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011

COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS. Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 COMÉRCIO ELETRÔNICO: MERCADOS DIGITAIS, MERCADORIAS DIGITAIS Capítulo 9 L&L Paulo C. Masiero 2º. Semestre 2011 UM BANHO DE LOJA NOS SITES DA GAP Problema: Concorrência pesada, site difícil de usar (excesso

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais

Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais 9.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Descrever as características distintivas do comércio eletrônico, dos mercados digitais e das mercadorias

Leia mais

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo

Fundamentos do Sistema de Informação nas Empresas. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar as cinco áreas dos sistemas de informação que esses profissionais

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 As últimas décadas permitiram ligar o mundo e dinamizar os mercados, intensificando a competitividade existente. A Internet tornou o mundo mais pequeno e

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

COMO CRIAR UMA LOJA VIRTUAL?

COMO CRIAR UMA LOJA VIRTUAL? EGC 9003-11 COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR: LUIS ALBERTO GÓMEZ COMO CRIAR UMA LOJA VIRTUAL? ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceito de comércio e seus componentes Perguntas essenciais Passo a passo de como criar

Leia mais

1 o. Fórum MOBILE + M-COMMERCE. Soluções B2C e B2B. Mauro Faccioni Filho. Fazion Sistemas. www.fazion.com.br

1 o. Fórum MOBILE + M-COMMERCE. Soluções B2C e B2B. Mauro Faccioni Filho. Fazion Sistemas. www.fazion.com.br M-COMMERCE Soluções B2C e B2B Mauro Faccioni Filho Fazion Sistemas www.fazion.com.br Sobre a Fazion A FAZION foi fundada em 2006, com foco no ambiente corporativo. Desenvolve inteligência em mobilidade,

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Comércio Eletrônico: Mercados Digitais, Mercadorias Digitais Capítulo

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 06. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 06 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE ESTUDOS DE CASOS B2B B2C B2G G2C G2G C2C 2 Os emarketplaces podem ser classificados em verticais

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing

O seu negócio, ao alcance da sua mão! Elaborado por TT Marketing O seu negócio, ao alcance da sua mão! Um site que oferece espaço para outras empresas anunciarem seus produtos e serviços em todo território nacional, este é o Meu Guia.com. Nosso objetivo é estar sempre

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais