Comércio Eletrônico E-commerce

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comércio Eletrônico E-commerce"

Transcrição

1 Comércio Eletrônico E-commerce Introdução Para atingir 50 milhões de pessoas: O rádio levou 38 anos; A TV aberta 16 anos; A TV a cabo 10 anos e A Web apenas 5 anos. 1

2 Origens do E-Commerce Transferência eletrônica de fundos entre bancos Mensagens eletrônicas Anos 80: antecessora a Internet compras e pedidos de fornecedores (transmissão de documentos entre empresas e fornecedores) Internet Anos 90: disseminação da Internet Facilidade de acesso Operação amigável Conectividade global e imediata Recebimento e envio de informações rapidamente Facilidade e baixo custo ao se disponibilizar documentos Transformação de processos, produtos e serviços 2

3 Definindo E-Commerce O Comércio Eletrônico é uma forma de comércio onde o produto é conhecido, demonstrado e vendido por meios eletrônicos, ou seja, é a capacidade de realizar transações envolvendo a troca de bens ou serviços entre duas ou mais partes utilizando ferramentas eletrônicas e tecnologias emergentes. A localização geográfica é irrelevante, portanto há uma contribuição para o comércio mundial. Definindo E-Commerce Comercio eletrônico pode ser definido como sendo a compra e a venda de informações, produtos e serviços através das redes de computadores. 3

4 Definindo E-Business O E-Business pode ser dividido em 3 áreas: - Dentro da Organização - Intranet - Entre organizações diferentes - B2B (Extranet) - Entre organizações e consumidores - B2C (Internet) Tipos de E-Business Indústria Intra- Business B2B Vendas B2C Consumidores Distribuidores 4

5 E-Business Tipos de Negócios Intra-Business: integrar as várias funções da organização a fim de facilitar as aplicações de negócios. Business-to-Business (B2B): relação entre empresas clientes e fornecedoras de um produto. Business-to-Customer (B2C): venda diretamente para consumidores ou usuários finais. Comércio Eletrônico: interdisciplinaridade A solução de comércio eletrônico envolve áreas diversas, tais como: processo de compra e venda, marketing, logística e integração de sistemas de informação, além da área ligada a tecnologia. 5

6 6

7 Estratégias para se tornar on-line Os meus concorrentes estão on-line. Esse é um motivo para a minha empresa se tornar on-line? Quais as razões para minha empresa se tornar on-line? Razões para se tornar on-line Expansão do Alcance do Mercado: reunir experiência com um novo segmento de mercado. Visibilidade: gerar mais visibilidade em seu mercado-alvo e ganhar parte da atenção dos seus consumidores. Poder de Resposta: aumentar o poder de resposta aos seus clientes e parceiros. 7

8 Razões para se tornar on-line Novos Serviços: prover novos serviços aos clientes e parceiros. Fortalecimento do Relacionamento nos Negócios: aumentar o lucro para cada parceiro envolvido. Redução de Custos: reduzir o custo do produto, suporte, serviço e propriedade. Conflitos de canais: prevenir e resolver conflitos de canais. Razões para se tornar on-line Barateamento dos equipamentos. Popularização dos meios de acesso. Bom potencial de crescimento. Longo alcance. 8

9 Razões para comprar on-line Não há filas. Pode-se comprar a qualquer hora. Não há trânsito nem problemas de estacionamento. Brasil: Redução do medo de furto ou roubo. MODELO OPERACIONAL BÁSICO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO número do cartão COMPRADOR VENDEDOR produto dinheiro número do cartão dinheiro BANCO 9

10 Vantagens do Comércio Eletrônico Acessibilidade Global e Alcance de Vendas Acesso fácil e veloz. Empresas podem expandir sua base de clientes e até mesmo sua linha de produtos. Relacionamento mais Próximo Transações B2B podem gerar relacionamentos mais próximos. Vantagens do Comércio Eletrônico Testes Gratuitos Produtos podem ser testados na Web de forma rápida, fácil e sem custos. Custos Reduzidos As empresas podem reduzir seus custos de produção adequando dinamicamente os preços. 10

11 Vantagens do Comércio Eletrônico Mudanças de Meio de Comunicação A internet reduz o número de mudanças de meios de comunicação necessárias para transportar a informação. Tempo para Comercialização Tempo mais curto para comercializar e menor tempo de resposta em relação às mudanças da demanda do mercado. Vantagens do Comércio Eletrônico Lealdade dos clientes Melhoria na lealdade dos clientes e nos serviços por meio de acesso mais fáceis a informações atualizadas e sempre disponíveis. 11

12 Dificuldades ao se tornar on-line Conflito de Canal Revendedores e comerciantes temem que com o contado direto ao consumidor haja prejuízo para as partes envolvidas na negociação. Competição A competição que era local agora torna-se mundial. Competição desleal e desonesta. Dificuldades ao se tornar on-line Violação dos direitos de propriedade intelectual (Direitos Autorais) Definição: É o direito que assegura ao autor de obra literária, artística ou científica, a propriedade exclusiva sobre a mesma. Dividido entre direito moral ( natureza personalíssima, inalienável) e direito patrimonial (bem de natureza econômica). 12

13 Dificuldades ao se tornar on-line Uma vez publicada a informação na Internet, tornase fácil sua cópia (arquivos tipo MP3 por exemplo). Facilidade de reprodução c/ alta qualidade, distribuição e alcance. Meios ainda pouco eficientes para evitar proliferação de infrações e para punir os infratores. Não existe uma estrutura legal a nível mundial. Dificuldades ao se tornar on-line Aceitação do Cliente As empresas têm receio se os consumidores irão aceitar essa nova forma de negócio. Lealdade Pelo fato da procura ser mais rápida e fácil, os consumidores não garantem lealdade ao seu vendedor. 13

14 Dificuldades ao se tornar on-line Preço Os preços podem diminuir mas o diferencial será os serviços prestados aos consumidores. Segurança Cartões de crédito. Páginas clonadas ou com informações falsas. Dificuldades ao se tornar on-line Serviço É muito mais fácil e rápido comparar os produtos de uma empresa e outra. Viabilidade Muitas empresas estão inseguras em relação à viabilidade de seu próprio negócio digital. 14

15 Dificuldades ao se tornar on-line Barreiras do Usuário Custo de acesso Tecnologia em constantes avanços Aprendizado da nova forma de negócio Categorias de E-Business E-Auctioning E-Banking E-Directories E-Engineering E-Franchising E-Gambling 15

16 Categorias de E-Business E-Learning E-Marketing E-Operational Resources Management E-Procurement E-Recruiting E-Auctioning Os leilões eram restritos a um local ou número de pessoas. Com a Internet: Qualquer pessoa pode participar do leilão Não existe custo para locomoção até o local do leilão Os lances são finalizados em segundos. O leiloeiro registra os lances e envia a mercadoria ao participante que deu o maior lance. 16

17 E-Banking Comodidade para os clientes que através de um site simples podem acessar suas contas da mesma maneira que um caixa automático (ATM Automated Teller Machine). Redução de pessoas no banco e facilidade para o cliente que não precisa se deslocar até o banco para movimentação ou consulta a conta. E-Directories Listas telefônicas tanto para linhas residenciais como para linhas empresariais não estão centralizadas em um único lugar no qual você deve ligar para obter a informação desejada. São mais fáceis e rápidas para recuperação da informação da mesma maneira que se torna difícil devido a quantidade de informações disponíveis na rede. 17

18 E-Engineering Era restrito a todos os engenheiros que trabalhavam em um projeto estarem em um mesmo escritório. Com a internet houve a facilidade de desenvolvimento independente de onde os engenheiros envolvidos estão. Com isso qualquer pessoa é capaz de contribuir com o código sempre que houver um tempo disponível. E-Franchising Na internet o ganho é devido a grandes marcas terem links para seus parceiros. Livrarias geralmente fazem isso. Colocam o seu nome com link para os seus parceiros, garantindo assim o sucesso do site. 18

19 E-Learning Ensino à distância Assíncrono Síncrono Implicações tecnológicas E-Marketing Marketing tradicional focava um grupo de pessoas em particular. Com a internet o público é diverso e existe a necessidade de tratar cada cliente de forma específica, ou seja, o marketing um-a-um se tornou o padrão para a internet. 19

20 E-Gambling O jogo ainda é considerado ilegal em alguns países e em alguns países que os jogos são permitidos, os mesmos são regidos por leis. Com a internet qualquer pessoa pode acessar os cassinos a partir de um clique de mouse. Geralmente os sites que operam com jogos estão situados em países no qual o jogo é legalmente permitido. E-Procurement Tem como objetivo reduzir os gastos das compras rotineiras de materiais que são importantes para o funcionamento da organização. Ex.: canetas e papéis possuem custo baixo e número de procedimentos pequenos, mas se a necessidade da empresa em compras de matérias primas for algo considerável, a utilização dessa categoria de e- business pode diminuir de 5% a 15% os custos e de 70% a 80% as quantidades de procedimentos 20

21 E-Recruiting Seleção de candidatos a uma vaga. Comércio Eletrônico x Comércio Tradicional Cadeia de Valores Produtor Distribuidor Atacadista Varejista Consumidor Objetivo do Comércio Eletrônico Diminuir as cadeias de valores eliminando intermediários 21

22 Comércio Eletrônico x Transação Comercial Convencional Etapas de uma transação comercial convencional: Apreciação da Mercadoria: o comprador busca reunir informações a respeito das especificações do produto e a adequação a suas necessidades; Negociação: preços, quantidades, condições e prazos; Comércio Eletrônico x Transação Comercial Convencional Etapas de uma transação comercial convencional: Pagamento: pagamento à vista ou parcelado, cheque, dinheiro ou cartão de credito; Entrega: prazo para o comprador receber seu produto. 22

23 Comércio Eletrônico x Transação Comercial Convencional Etapas de uma transação comercial convencional: Apreciação da Mercadoria Negociação Pagamento Entrega Como adaptar essas etapas no comércio eletrônico? Comércio Eletrônico Formas de Pagamento Ligar para um telefone 0800 e informar os dados necessários. Enviar um fax ou com as informações necessárias para o comerciante. 23

24 Comércio Eletrônico Formas de Pagamento Preencher formulário disponível no site com: Servidor seguro (dispõem de recursos de criptografia para enviar os dados); Servidor inseguro (não utiliza recursos de segurança para transmissão dos dados). Pagamento digital (direto no banco), CyberCash. Comércio Eletrônico Formas de Pagamento Problema Pessoas temem colocar o número do cartão na rede Importante Confiabilidade dos Pagamentos 24

25 Comércio Eletrônico Segurança Segurança na Identidade: as empresas envolvidas precisam estar seguras de quem está na outra ponta do fluxo de comunicação; Comércio Eletrônico Segurança Segurança na Privacidade: o fluxo de informação deve ser conhecido somente pelo interlocutor de cada mensagem; 25

26 Comércio Eletrônico Segurança Segurança na Informação: garantir que as mensagens sejam reconhecidas pelas partes envolvidas, garantindo que o seu conteúdo não seja negado posteriormente; Comércio Eletrônico Segurança Segurança nas Transações de Fundos: garantir que os valores das transações não sejam desviados e seu percurso eletrônico possa ser recomposto a qualquer momento. 26

27 Comércio Eletrônico Segurança Secure Electronic Transactions (SET) Protocolo único de proteção eletrônica. Desenvolvido em parceria com a Mastercad, Visa, Microsoft, Netscape, IBM. Comércio Eletrônico Segurança Principais Garantias do SET: Oferece confidencialidade de pagamento e da informação sobre os pedidos; Garante a integridade de todos os dados transmitidos; Oferece autenticação de que um portador de cartão é um usuário legítimo de uma conta; 27

28 Comércio Eletrônico Segurança Principais Garantias do SET: Oferece autenticação de que o comerciante pode aceitar pagamentos com cartões bancários através do seu relacionamento com uma instituição financeira; Facilita e encoraja a interoperabilidade entre os fornecedores de software e de rede. Comércio Eletrônico Custos Pode-se atender a todos os gostos e bolsos. Se for um site simples, sem muito recursos, o custo é baixo. O custo aumenta a medida que se utiliza mais recursos no site. 28

29 Preparando o Negócio On-Line Análise dos Concorrentes Entendimento do Quarto Canal Paradigmas da Nova Economia Reengenharia do Processo de Negócios Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema Análise dos Concorrentes Identificando a concorrência: Procure saber o que sua concorrência quer atingir, qual a meta dela. Como eles mantêm contato com os clientes. Descubra se eles estão somente mantendo as ofertas na internet ou se oferecem algum diferencial. Não copie seu concorrente mas utilize as idéias deles, pois o seu site não pode oferecer menos do que o concorrente está oferecendo. 29

30 Análise dos Concorrentes Obtendo informações sobre os concorrentes: Facilidade em adquirir informações diretamente nas páginas dos concorrentes. Facilidade em obter informações dos clientes, é possível questioná-los no próprio site. Assine listas de seus concorrentes e veja o que os clientes estão recebendo e quais as promoções que estão sendo oferecidas. Preparando o Negócio On-Line Análise dos Concorrentes Entendimento do Quarto Canal Paradigmas da Nova Economia Reengenharia do Processo de Negócios Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema 30

31 Canais tradicionais Face-a-face Correio Telefone Entendimento do Quarto Canal Os canais são utilizados por um conjunto de organizações independentes que estão envolvidas no processo de tornar um produto ou serviço disponível, para uso ou consumo, para consumidores ou para uma empresa. 31

32 Entendimento do Quarto Canal Permite acesso direto do cliente ao fabricante. Reduz custo e distribuição. Funciona 24 horas/dia de segunda a segunda. A venda não se limita a um determinado lugar, pode receber pedidos internacionais desde que esteja preparado para manusear estes tipos de pedidos. Entendimento do Quarto Canal Evitando conflitos na cadeia de valores Não eliminar a cadeia de valor intermediária. Definir quem vende o que e para quem vende, para que os esforços não fiquem apenas em vendas ao consumidor final. Quando ocorre um conflito entre os canais, todos os parceiros da cadeia ficam abalados e são prejudicados. 32

33 Entendimento do Quarto Canal Resolvendo o conflito na cadeia de valores Verificar qual o mercado alvo de cada revendedor e vendedor e conversar entre si para solucionar o problema. Preparar estratégias para os conflitos de canal de forma cautelosa com seus parceiros se você se sentir prejudicado. Entendimento do Quarto Canal Resolvendo o conflito na cadeia de valores Documentar os conflitos de forma a permanecer calmo e não se tornar emotivo à competição desleal. Definir um limite de tempo para que seus parceiros respondam as suas reclamações em um conflito de canal. 33

34 Preparando o Negócio On-Line Análise dos Concorrentes Entendimento do Quarto Canal Paradigmas da Nova Economia Reengenharia do Processo de Negócios Projeto, Desenvolvimento e Implementação do Sistema Paradigmas da Nova Economia Empresa um-a-um Deve existir uma estratégia de marketing um-a-um para a empresa ser bem sucedida na internet. Deve existir, obrigatoriamente, uma personalização em massa. 34

35 Paradigmas da Nova Economia Comércio Dinâmico Com constantes mudanças na Internet, deve existir flexibilidade na forma como os negócios são realizados. Flexibilidade da empresa e de seus parceiros. Tendências One-to-One Marketing: personalizar as consultas do cliente no site. Produção Build to order e Mass Customization : produzir seguindo conforme as especificações do cliente. 35

36 Tendências Customer Care: cuidar bem do cliente, antecipando suas necessidades. Integração da Cadeia de Fornecimento: integrar clientes, sites de comércio eletrônico, fornecedores e terceiros. Middleware: integrar todos os processos existentes que estão em plataformas diferentes. Tendências Just-in-time: fabricar os produtos em função de pedidos específicos, diminuindo assim o estoque da empresa. Arquitetura modular: possibilita a implementação de soluções escaláveis, que possam começar com um tamanho reduzido e ser gradativamente expandidas. Agentes Inteligentes e Regras de Negócio: facilita as modificações dos novos produtos e promoções. 36

37 Tendências Regras de negócio são encapsuladas pelos agentes, que são responsáveis pelo perfil do cliente, auxiliar a configuração do produto, etc. Agentes de software são componentes de software e/ou hardware, que são capazes de agir, executando tarefas em benefício do usuário. Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico Seleção dinâmica de itens Determinação de requisitos através de perguntas estratégicas. Associação da necessidade do cliente aos itens que melhor se aplicam. Recomendação automática de itens. 37

38 A internet, entre várias outras ações, pode ser uma grande aliada na hora das vendas. internet não é apenas vendas! É relacionamento, interatividade, conversas, conteúdo, vídeos, sons!!! Tudo pode ser vendido pela web, basta saber como e, em alguns casos, ter o parceiro ideal. E- COMMERCE Pense na rede como um grande shopping center, as pessoas entram buscando um produto, acham a loja e compram o que desejam. As compras feitas em shopping são infinitamente maiores do que as feitas pela web, mas shoppings estão fazendo a festa dos consumidores há mais de 40 anos, e a internet explodiu há menos de 10 anos Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico Controle da oferta de itens Priorização da oferta de itens. Sugestão de itens alternativos caso o item desejado pelo cliente não se encontre disponível. 38

39 Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico Configuração Configuração automatizada de produtos e serviços. Seleção dinâmica de opções com base em regras de configuração. Conclusões sobre os aspectos do Comércio Eletrônico Promoção Determinação automatizada de preços e descontos através de regras de negócios. Possibilidade de personalizar programas de descontos de forma única para cada usuário. 39

40 Conclusões Mercado promissor. Pesquisas mostram que os usuários estão comprando pela Internet e existe um interesse nesta nova forma de negócio. Marketing é diferente do convencional. Tecnologias atuais já suportam essa nova tendência. Conclusões 10 princípios da nova economia 1 Conteúdo: processar informação é dramaticamente mais poderoso e mais barato do que movimentar produtos tangíveis. Portanto, o valor de uma empresa não está somente no seu patrimônio contábil, mas nos aspectos intangíveis de seu negócio, isto é, pessoas, idéias e o conjunto estratégico composto pela informação disponível. 40

41 Conclusões 10 princípios da nova economia 2 Espaço: a distância física está desaparecendo. Com isso as oportunidades aumentaram quando o mundo conectado passa a ser potencial consumidor. No entanto, a concorrência também aumentou, quando um mundo de empresas disputa estes consumidores. As oportunidades e as ameaças nunca foram tão grandes. Conclusões 10 princípios da nova economia 3 Tempo: o tempo nunca foi tão curto. No ambiente Internet, interatividade é fundamental, onde respostas imediatas e a capacidade de aprendizado e adaptação da empresa no mercado são os únicos diferenciais competitivos. Neste cenário as empresas vencedoras aceitam as constantes mudanças; e, são rápidas e eficientes em rever e reconstruir seus processos e produtos. 41

42 Conclusões 10 princípios da nova economia 4 Pessoas: o valor real do negócio é criado à partir de boas idéias e da tecnologia e modelos de negócio que elas geram. Os profissionais que têm essa capacidade de trabalho possuem valor inestimável; e os métodos de seleção e recrutamento deles passam por grandes transformações. Conclusões 10 princípios da nova economia 5 Crescimento: a Internet pode dar um enorme impulso a qualquer produto ou serviço. A facilidade de comunicação gera consciência do produto com velocidade, tornando o meio bastante promissor para os novos entrantes. 42

43 Conclusões 10 princípios da nova economia 6 Valor: o valor cresce exponencialmente com participação de mercado e está mais presente em produtos que ajudam a estabelecer um novo padrão ou plataforma. O mundo conectado agrega mais valor a produtos e serviços encontrados pela rede. Conclusões 10 princípios da nova economia 7 Eficiência: O intermediário eletrônico desempenha um importante papel quanto à obtenção de eficiência de mercado, através de coleta, filtragem e processamento de informações relevantes a consumidores e empresas. 43

44 Conclusões 10 princípios da nova economia 8 Mercados: o mercado da nova economia é composto por compradores cada vez mais poderosos e vendedores com mais oportunidades. De um lado, o consumidor já não precisa mais ir à rua ou ao shopping para comparar preços, agentes inteligentes já ajudam compradores a encontrar a melhor oferta. Do outro lado, a concorrente de uma empresa pode estar a um click de distância. Conclusões 10 princípios da nova economia 9 Transações: as transações são pessoais, direcionadas ao consumidor. Como a informação já é uma parte substancial do valor total de um bem ou serviço e esta é personalizável, as ofertas passam a ser de acordo com o perfil do consumidor. 44

45 Conclusões 10 princípios da nova economia 10 Impulso: o hiato entre desejo e ação diminuiu bastante. Qualquer produto está disponível, uma vez que a prateleira da Internet não tem limites. Como conseqüência os processos de marketing, vendas e atendimento do pedido tornam-se um único processo. Comércio Eletrônico E-commerce 45

Noções de Comércio Eletrônico

Noções de Comércio Eletrônico Noções de Comércio Eletrônico Introdução Para atingir 50 milhões de pessoas: O rádio levou 38 anos; A TV aberta 16 anos; A TV a cabo 10 anos e A Web apenas 5 anos. Origens do E-Commerce Transferência eletrônica

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Mercados eletrônicos Os mercados facilitam a troca de: Informações Bens Serviços Pagamentos

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO CAPÍTULO 8.I Sistemas de e-commerce VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O propósito deste capítulo é descrever e apresentar os componentes básicos do processo de sistemas de e-commerce, e explicar importantes tendências,

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba

Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Ingresso Março 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba MBA em Gestão de Vendas e Relacionamento O programa desenvolve conhecimentos e habilidades que possibilitem ao profissional atender de

Leia mais

Prof. Daniel J. Melo Brasil

Prof. Daniel J. Melo Brasil EDI Definição EDI é um acrônimo para Intercâmbio Eletrônico de Dados EDI refere-se a troca de estruturada de dados entre as organizações por meio eletrônico. EDI pode ser utilizado para a comunicação de

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Negócios pela Internet. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 119p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Negócios pela Internet. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 119p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Renata Severiano Administradora. Especialista em Planejamento e Administração de Recursos Humanos, Gestão pela Qualidade e Educação a Distância. Ex-coordenadora pedagógica em EAD do Grupo NT, Ex-coordenadora

Leia mais

Como inovar e conquistar novas vendas e novos compradores. Marcos Cavagnoli CEO + Co-Founder da Koin

Como inovar e conquistar novas vendas e novos compradores. Marcos Cavagnoli CEO + Co-Founder da Koin Como inovar e conquistar novas vendas e novos compradores Marcos Cavagnoli CEO + Co-Founder da Koin BATE-PAPO Números do E-commerce Brasileiro Sobre o faturamento: R$ 49,8 bilhões em 2015 (crescimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 13 E-commerce Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons 15 de Outubro

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

Como o Distribuidor pode aumentar as suas vendas com Comércio Eletrônico

Como o Distribuidor pode aumentar as suas vendas com Comércio Eletrônico Como o Distribuidor pode aumentar as suas vendas com Comércio Eletrônico O quê o Cliente procura quando liga para um Distribuidor? Onde estão os meus pedidos?!!! Qual é o preço/o quê o produto faz?!!!

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

Transações Monetárias na Internet

Transações Monetárias na Internet Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Transações

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013

7 Passos para um e-commerce de Sucesso. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 7 Passos para um e-commerce de Sucesso André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes 18.Out.2013 MERCADO DE E- COMMERCE PORQUE INVESTIR... Crescimento 20,3% Crescimento 24,4% 354% R$ 770 Milhões 117%

Leia mais

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto E-business NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto Transformação Internet promoveu: Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais