Imagem, Retórica e Significação Adriana Kowarick* Eloá Muniz**

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imagem, Retórica e Significação Adriana Kowarick* Eloá Muniz**"

Transcrição

1 Imagem, Retórica e Significação Adriana Kowarick* Eloá Muniz** Introdução Este trabalho tem por objetivo principal a aplicação teórica da figura da metáfora na análise de anúncios gráficos de publicidade impressa. Escolhemos alguns anúncios veiculados na Revista Veja. A partir da década de 90, quando a segmentação de mercado tornou-se uma realidade incontestável para as estratégias de marketing, a busca por espaços em jornais e revistas teve um crescimento muito acentuado. Hoje se busca, cada vez mais, formas tecnicamente elaboradas para se chegar ao leitor, pois o anúncio é criado para sugerir, persuadir e demonstrar, despertando atenção, interesse, compreensão, desejo, ação, satisfação e vantagens. Forma e conteúdo - o 1 que diz e como diz - atuam para se chegar a um fim feliz; a conquista do consumidor. Desta forma, este trabalho pretende iniciar um estudo sobre o discurso publicitário no que tange a metáfora na linguagem da publicidade. A linguagem publicitária resulta da combinação da linguagem verbal e da linguagem visual. Este último tornando-se cada vez mais importante em nossa cultura, pois os estudos revelam que começam a surgir textos de comunicação de massa, produzidos industrialmente, conjugando elementos verbais e visuais. A diferença mais significativa entre a imagem e a lítera é que este possui temporalidade definida e a imagem, ao contrário, é atemporal. Por essa razão, Barthes diz que as imagens são ambíguas ou polissêmicas, enquanto as mensagens verbais são (ou, ao menos, podem ser) nãoambíguas e monossêmicas. Este trabalho se preocupará fundamentalmente com a linguagem visual, pois na comunicação publicitária gráfica a forma mais simples de linguagem é a imagem icônica: a foto do produto contra um fundo, que pode ser neutro ou pode estabelecer uma relação indicial entre o produto ou serviço e alguma coisa, que via de regra, se considera ter conotações favoráveis. Entre os textos verbais e as imagens há uma diferença importante, já que o texto verbal e sua unidade menor, a oração, têm começo e fim, além de que só podem ser lidos começando pelo começo e terminando pelo fim. Ora, essa dimensão 2 temporal falta às imagens: é possível explorar de imediato uma imagem inteira. Os publicitários recorrem freqüentemente à linguagem visual, para se utilizarem da própria ambigüidade da imagem: pois, aquilo que lhe falta em precisão e claridade sobra-lhe em riqueza de informação. Por um lado, a imagem é menos explícita que o texto verbal, mas, por outro, tem a 3 vantagem de poder comunicar mais coisas de imediato e simultaneamente. Assim, o receptor é forçado a participar ativamente do processo comunicacional, mesmo que seja de forma inconsciente, pois as imagens, tal como a poesia, requer uma interpretação. 1 Descrição do Objeto O objeto de estudo deste trabalho é oito anúncios gráficos, veiculados na Revista Veja, no

2 período de 22 de março a 12 de abril de Estabeleceram-se como critério inicial de escolha, anúncios de página dupla que tivessem características de publicidade comercial de produto e serviço. Os textos de publicidade impressa foram escolhidos aleatoriamente, através de sorteio, sempre dois anúncios por revista, totalizando oito anúncios para análise. Devido ao critério (sorteio dos anúncios) temos uma diversificação de produtos e serviços, ao mesmo tempo, que tivemos dois anúncios do mesmo produto (Shell). Todavia foi mantido o critério. são: Os anúncios escolhidos e que a partir de agora passam a compor nosso objeto de estudo Anúncio No. 1 Antena 1 Revista Veja de 22/03 No. 12 p Anúncio No. 2 HBO Revista Veja de 29/03 No. 13 p Anúncio No. 3 AT&T Revista Veja de 05/04 No. 14 p Anúncio No. 4 CNT Revista Veja de 05/04 No. 14 p Estrutura do Objeto O anúncio ideal deve ser montado de tal forma que a maior parte possível da mensagem 4 atinja aquele leitor que o vê, mas resolve não ler. Para procedermos à análise do anúncio propusemos dois pontos considerados relevantes: primeiro o modo como é lido um anúncio e, segundo, quais são os elementos que compõem esse anúncio. O modo como é lido o anúncio provavelmente influenciado pelo hábito de leitura literária em geral, é, do canto superior esquerdo para o canto inferior da página, isto constitui uma diagonal que é extremamente importante, tanto nas pinturas como nos desenhos publicitários. Outra área de igual realce é o centro óptico que é onde a diagonal cruza a linha vertical mediana na página, este ponto ótico se situa um pouco acima do verdadeiro centro geométrico. Os elementos do anúncio que identificamos como pertinentes para análise deste trabalho são Chamada (Título), Imagem, Lítera, Assinatura, Slogan e Logotipo/logomarca. A Chamada (Título) é uma mensagem publicitária curta. A função básica do título de um anúncio é fixar a atenção, despertá-la e induzir à leitura do texto. A Imagem é uma representação mental. A visão é o meio intermediário mais importante para o contato das pessoas com o mundo que as cerca. Embora a forma mais antiga de comunicação seja a palavra escrita, a informação visual constitui para o homem moderno o meio mais rápido e eficiente de comunicação. A Lítera é a parte escrita do anúncio ou conteúdo escrito de um anúncio de rádio ou de televisão. O texto é uma extensão do título. Ele precisaexplicá-lo, falar no mesmo tom e apresentar uma evidência que lhe dê apoio. Enquanto o título e a ilustração atraem o leitor e desperta sua atenção, cabe ao texto realizar a função mais crucial: persuadir. E persuadir através de fatos e figuras que tornem o benefício do produto suficientemente claro para o consumidor. A Assinatura é a identificação do anunciante numa peça publicitária por um nome de fantasia ou mesmo pela razão social completa, com endereço e telefone. O Slogan é a frase concisa, marcante, geralmente incisiva, atraente, de fácil percepção e memorização, que apregoa as qualidades e a superioridade de um produto, serviço ou idéia. Em publicidade, costuma-se utilizar um mesmo slogan em todas as peças de uma campanha ou durante longos períodos, repetidamente e sem alteração. Embora o slogan não seja um elemento indispensável na propaganda, a maior parte das mensagens publicitárias faz uso desse recurso,

3 como forma de sintetizar a imagem que se pretende levar para o público e de fixar os principais atributos do que é anunciado. O Logotipo é um símbolo constituído por palavras ou grupos de letras, usado como elemento de identidade visual de um produto ou de uma empresa. Logomarca diz-se uma marca que não se utiliza de caracteres tipográficos. Tecnicamente o anúncio funciona considerando o conjunto, a visão geral, deve despertar atenção; o título, a chamada, o apelo, as principais palavras devem despertar interesse; a lítera e a imagem, as cores devem provocar desejo e motivar para a ação, para um autocompromisso de compra; a argumentação, os exemplos, a conclusão da mensagem devem dar satisfação e minimizar eventuais culpas pela decisão tomada. A produção de um anúncio gráfico obedece a certa escala de valores, quais sejam: chamar a atenção; despertar o interesse; levar à compreensão e ao conhecimento; motivar provocando desejo de compra; o que determina uma tomada de decisão que deve dar satisfação, minimizando o sentimento de culpa em face das 5 vantagens de compra. O anúncio tem conteúdo e forma. Não é uma obra do acaso. A criatividade em Publicidade não é um lampejo ocasional, uma inspiração momentânea. Ao contrário: é fruto de meticuloso estudo e pesquisa da realidade 3 Considerações Gerais A palavra publicidade designava, a princípio, o ato de divulgar, de tornar público. Tem origem no latim publicus (que significava público), originando na língua francesa o termo publicité. Rabaça e Barbosa identificaram seu uso, pela primeira vez em língua moderna, no dicionário da Academia Francesa, em um sentido jurídico, ou seja, referia-se à publicação (afixação) ou leitura de leis, éditos, ordenações e julgamentos. Mais tarde, o termo publicidade perdeu o sentido ligado a assuntos jurídicos e adquiriu, no século XIX, um sentido comercial: qualquer forma de divulgação de produtos ou serviços, através de anúncios geralmente pagos e veiculados sob a responsabilidade de um anunciante identificado, com objetivos de interesse 6 comercial. A publicidade é uma prática produtiva que gera seu próprio discurso. Este discurso é percebido como um discurso específico, pois, assim como existe o discurso científico, o discurso literário, existe o discurso publicitário. O interesse pelo estudo do discurso publicitário é recente: inicia na segunda metade da década dos anos sessenta. Em 1964, Roland Barthes, escreve um artigo considerado como inaugural desta disciplina: Rhétorique de L'image. Sua maior preocupação é com a imagem publicitária, pois em publicidade a significação da imagem é puramente intencional: são certos atributos do produto os que formam a priori os significados da mensagem publicitária e seus 7 significados devem ser transmitidos tão claramente como seja possível. Imagem e mensagem são os elementos que Barthes analisa na publicidade, a relação que existe entre eles, através da ancoragem e relé, da conotação e denotação é determinado por duas orientações: de um lado, uma crítica ideológica sobre a linguagem publicitária e, por outro lado uma primeira desmontagem semiológica desta linguagem. Após descrever os diversos registros que compõem o anúncio se estuda como, relacionando-se uns com outros, produzem o sentido. Um sentido que é primeiro, imediato denotado, digamos direto, mas que logo

4 se complica mediante a conotação até chegar praticamente a recriar novos significados para cada um dos signos que intervém. Pois bem, todo esse processo 8 de recriação estará operando, produzido, pela retórica. A partir de então, a escola barthiana se desenvolveu. Péninou, Durand e Perez Tornero são alguns autores que aprofundaram o estudo da linguagem publicitária. Consideramos o discurso publicitário metafórico uma vez que a linguagem da publicidade é ambígua. Graças ao discurso metafórico, torna-se possível dizer alguma coisa que dificilmente se poderia expressar em linguagem informal. A ambigüidade é uma característica da função poética 9 da linguagem. A função poética está voltada ao mesmo tempo para o código e para o significado: o código é empregado de forma especial, a fim de comunicar um significado que, de outra maneira, não seria objeto de comunicação. Naturalmente, o uso poético especial do código fica mais evidente quando se recorre a instrumentos poéticos consagrados, como rima e metáfora, mas não é preciso que eles estejam 10 presentes para que a linguagem tenha essa característica. Péninou identifica a linguagem publicitária como linguagem específica, cuja função principal é a de agente econômico. Além disso, Péninou, assim como Barthes prioriza a imagem ao invés do texto, pois uma 11 publicidade sem imagem não é mais representativa do gênero como foi uma certa época. Por último, Péninou considera que os traços originais que especificam a publicidade são uma construção dominada por sua vocação de mensagem de destinação; o recurso deliberado às figuras amplificadoras, pleonásticas e metaforizantes não se vê nenhuma outra categoria de imagens determinarem funções (orientar um fluxo de usuários para as produções ou serviços de uma sociedade), como a imagem publicitária, que irão exprimir-se até em termos quantitativos, num lapso de tempo 12 circunscrito. A imagem publicitária, instrumento de uma vontade mais que de um conhecimento, considera necessariamente o objeto por detrás do objeto. A imagem de publicidade pertence ao espaço retórico simplesmente por ter o caráter de informação significada, marca ou insistência reveladoras no mínimo de 13 uma tomada de posição do emissor sobre a informação que dá;... De acordo com Durand todas as figuras clássicas de retórica são encontradas na imagem publicitária e quanto mais criativo for o anúncio, mais transgressor (consciente ou não) dessas figuras clássicas se torna a imagem. Durand neste mesmo artigo utiliza o princípio de Roland Barthes da classificação das figuras da retórica: são as metáboles que jogam com a substituição de um significante, por outro, e as parátaxes, que modificam as relações normalmente existentes entre signos sucessivos. A primeira classificação se situa no nível do paradigma e a segunda no nível do sintagma. Em retórica, que é uma teoria do discurso, a figura de metáfora pode ser definida por referência à relação icônica: substitui-se uma palavra por outra de sentido semelhante. Na linguagem de publicidade é muito comum o recurso às metáforas. A retórica clássica conhece duas categorias de figuras de substituição por similaridade: as fundadas numa similaridade formal 14 (alusão) e as fundadas numa similaridade de conteúdo (metáfora, símbolo, catacrese).

5 Quando Péninou utiliza o modelo retórico na análise da publicidade não se refere à retórica visual - tal como Barthes, Durand e Eco, ele não faz distinções entre o registro icônico ou textual: considera a mensagem publicitária em sua globalidade, como um discurso unitário. As figuras retóricas não surgem, então, como deformação do código da representação icônica senão como desvios da verdadeira linguagem própria da publicidade, ou seja, da apresentação do produto. Péninou diz que o discurso publicitário é analisado como gênero e como tal são consideradas suas funções habituais, ou seja, a divisão nos dois tipos de publicidade: 15 apresentação e qualificação. A primeira grande figura da qualificação seria uma espécie de hipérbole do ser do produto, denominado por Péninou de essência. A segunda figura é a metáfora. Em virtude dela, a qualificação do objeto (produto) se faz por comparação com outra realidade. O produto, pois, passa a um segundo plano, porém, sobressai por compensação uma qualidade determinada, justamente aquela que é comum ao produto e ao elemento da realidade com que se compara (em toda metáfora tem motivação). Segundo Péninou, a metáfora é sempre direcional (pois orienta a interpretação do sentido), limitativa (permite a expressão visual da abstração), e enfática (maximiza, em geral, e comparativa 16 em relação ao comparado dentro da comparação). Em 1970, Castagnotto publicou um trabalho intitulado Semântica da Publicidade, cuja principal virtude, considerando, sobretudo a data da publicação, é propor uma mudança metodológica para a análise publicitária. Para Castagnotto os pontos básicos para se ter uma semântica da publicidade renovada são três: o significado latente, a metáfora e a transvalorização lingüística. Por ora, nos ocuparemos somente da metáfora. A metáfora deve ser entendida de forma ampla, não somente como uma figura de retórica, mas como mecanismo de produção de significado. Deste modo, podem-se produzir, segundo a intencionalidade do enunciador, significados que não estavam previstos pelo sistema da língua. Porém, segundo Castagnotto, a metáfora publicitária se distingue claramente da literária, pois em 17 todo signo lingüístico se dá um duplo valor em certos sentidos contraditórios. De um lado, a especificidade, onde específico significa que o signo está em grau de conotar uma condição existencial definida de um contexto e, do outro, a ambigüidade que permite aquela traição do feito literário graças aos valores intersticiais que permitem a renovação da leitura mediante o aporte de uma concretização e uma especificidade nova. A metáfora publicitária tem como finalidade essencial contribuir para formar uma memória dos enunciados, de tal maneira, que resultem facilmente para assimilação do receptor. Por outro lado, a metaforização na linguagem publicitária tenta evitar as relações arbitrárias entre os signos e seus referentes. A publicidade comercial (e, em geral, toda a cultura de massas) evita uso arbitrário da linguagem, o que se pode verificar na particular inoperatividade dos contextos. Os míticos conotadores de um mundo ideológico tradicionais analiticamente irrecuperáveis não são distintos da relação metafórica inconsciente: em ambos os casos, uma atividade do pensamento se converte em assimilação automática, depois em transitividade e reversibilidade da metáfora. Finalmente, em 18 verdadeira transvaloração de atributos e qualidade. Assim, a metáfora é a expressão de uma determinada visão na qual a importância está, não na observação do objeto, mas na forma de olhar este objeto. A adoção da metáfora provoca no plano da ilustração uma conseqüência imediata: a supremacia espacial e, portanto, visual que se dá do metaforizante sobre

6 o metaforizado. O objeto denotado se desvai ou, como regra geral, se comprime ante a manifestação invasora do comparante que, advém, do feito, sujeito pictórico do manifesto. Como conseqüência disto, a informação estritamente referencial cede ou concede ao associado (objeto ou pessoa) seu direito à presença, seu direito ao espaço, e seu direito à significação: o objeto comercial secundário e o manifesto se 19 constrói sobre a exaltação visual de uma qualidade. O descobrimento visual de uma imagem não é aleatório. A localização dos elementos comerciais no seio da imagem, mais do que no seio da página, não é indiferente: a arte do criador consistirá em conciliar os imperativos do rendimento semântico com os imperativos da exploração 20 visual. Em conseqüência, certas configurações privilegiadas são subtendidas como imagem publicitária e compõem o que identificamos, neste trabalho, como sendo o discurso publicitário facilmente reconhecido pelo leitor, posto que difere do discurso literário ao qual estão habituados, quais sejam: Construção Focalizada: o conjunto da construção se organiza de maneira que as linhas de força convergentes conduzem necessariamente a um ponto comum que é o mesmo lugar do objeto de promoção; Construção Axial: o objeto de promoção ocupa o plano central da página; Construção em Profundidade: incluir em uma cena ou numa exposição o objeto de promoção, ocupando o primeiro plano da cena; e, Construção Seqüencial: a mais próxima da construção cinética, na qual é observada e conduzida a imagem principal até o lugar onde termina a exploração visual em geral a parte baixa do quadrante inferior direito da página do produto condicionado depois que o olho tenha seguido os caminhos traçados na obra. A metáfora tira dos objetos as contingências de tempo e considera o objeto sob o filtro dos valores culturais. 4 Considerações sobre os Anúncios (Taxionomia) Anúncio No.1 (Antena 1) Este anúncio apresenta um discurso publicitário do tipo construção seqüencial. A construção cinética inicia na chamada e a exploração visual termina no Logotipo. A estrutura de leitura diagonal está respeitada da consecução deste anúncio. Identificamos a metáfora na imagem de um bando de pássaros ancorada pela chamada: a hora do rush. Os pequenos rádios com antena nos ouvidos dos pássaros pontuam uma interpretação em termos de memorização, ou seja, a imagem é associada ao trânsito congestionado no retorno do trabalho (situação desconfortante, irritante) e que pode ser minimizado pela audiência de uma boa música (situação de conforto, relaxamento).

7 Anúncio No. 2 (HBO) Este anúncio apresenta um discurso publicitário do tipo construção em profundidade. Nesta construção o produto está inserido no contexto do anúncio, porém, ocupa o primeiro plano. Identificamos a metáfora na imagem da ostra tamanho gigante, na qual a TV com o logotipo da HBO estão no lugar tradicional da pérola. A linguagem metafórica se evidencia quando um objeto está no lugar de outro indiciando uma informação que se completará pela imaginação do leitor. Anúncio No. 3 (Monydata e AT&T) Este anúncio apresenta um discurso publicitário do tipo construção axial. A construção do anúncio se organiza a partir do símbolo de união (&). A seguir, o leitor observa esta relação entre as empresas Monydata e AT&T, e se for do seu interesse continuará a leitura, porém, a informação principal, que é dizer ao mercado que houve a união, é dada no primeiro instante, por ocasião da percepção visual. Identificamos a metáfora visual através de um símbolo indicial de união, identificado facilmente pela cultura e nas logotipias das empresas relacionadas. Estas logotipias sempre remetem às empresas e as imagens valoradas construídas ao longo dos anos. Anúncio No.4 (CNT) Este anúncio apresenta um discurso publicitário do tipo construção focalizada. A construção do anúncio se organiza de maneira a convergir todas as linhas de forças estabelecidas para o ponto principal, que no caso, é a foto da Marília Gabriela. Identificamos apenas a metáfora de representação icônica do veículo de televisão (CNT - Gazeta). Importante salientar que a construção diagonal do anúncio conduz à imagem e ao nome da apresentadora do programa, e não a logotipia da empresa. Portanto, há um deslocamento da logomarca. Ela que normalmente está no canto direito inferior apresenta-se agora no canto direito superior de maneira discreta.

8 5 Considerações Finais A publicidade se caracteriza principalmente por ser uma informação significada. O discurso publicitário tem como condicionante primordial a obrigação de fazer-se notar, ou seja, a capacidade de chamar a atenção, através da imagem na realidade conotada. E, com a capacidade de figurar em categorias, pontuando a interpretação em termos de memorização, atenção, impacto ou penetração a mensagem publicitária. Toda boa publicidade é significação da informação. É dizer a informação pontuada (pelo emprego de um código formal, apropriado e específico do gênero) e não somente informação solta não pontuada. 21 A publicidade é particularmente rica em ambições predicativas, e a metáfora é uma das figuras de retórica mais empregadas na linguagem e, também, uma das mais naturais, razão pela qual estes dois temas foram escolhidos para nossa análise neste trabalho: publicidade e metáfora. A metáfora na publicidade acaba por inferir à linguagem verbal uma função de nutriente da imaginação. A linguagem verbal metafórica se vale da memória simbólica para conferir ao texto publicitário valores qualificados. Estes valores, integrados ao cenário (do anúncio), fazem com que o objeto ocupe uma hierarquia discreta, estritamente pontuada, podendo, inclusive em alguns casos, ser eliminado. Entretanto, a relação profunda entre valor e objeto apela a metaforização, ligando o objeto com a história, o objeto com a vida, o objeto com a cultura e o objeto com o uso. O descobrimento visual de uma imagem não é aleatório. A localização dos elementos comerciais no seio da imagem, mais que no seio da página, não é indiferente: a arte do criador consistirá em conciliar os imperativos do rendimento semântico com os imperativos da exploração 22 visual. Em conseqüência, certas configurações privilegiadas são subentendidas como imagem publicitária e compõem o que identificamos, neste trabalho, como sendo o discurso publicitário facilmente reconhecido pelo leitor, posto que difere do discurso literário ao qual está habituado. 1 CABRAL, Plínio. Propaganda: Técnica da Comunicação Industrial e Comercial. Vozes, São Paulo, 1974, p VESTERGAARD, Torben e SCHROBER, Kim. A linguagem da propaganda. Martins Fontes, São Paulo, 1994, p VESTERGAARD, Torben e SCHROBER, Kim, op. cit, p VESTERGAARD, Torben e SCHROBER, Kim, op. cit, p CABRAL, Plínio, op. cit, p RABAÇA, Carlos Alberto e BARBOS, Gustavo. Dicionário de Comunicação. Ática. São Paulo, 1987, p PEREZ TORNERO, J.M. La semiótica de la publicidad. Mitre, Barcelona, 1982, p PEREZ TORNERO, J.M., op. cit, p VESTERGAARD, Torben e SCHROBER, Kim, op. cit, p VESTERGAARD, Torben e SCHROBER, Kim, op. cit, p PÉNINOU, Georges. Semiótica de la publicidad. Gustavo Gili, Barcelona, 1976, p PÉNINOU, Georges, op. cit., p PÉNINOU, Georges, op. cit. p DURAND, Jacques. Retórica e imagem publicitária. In. A análise das imagens. Vozes, Rio de Janeiro, 1974, p PEREZ TORNERO, J.M., op. cit, p PÉNINOU, Georges, op. cit. p PEREZ TORNERO, J.M., op. cit, p PEREZ TORNERO, J.M., op. cit, p PÉNINOU, Georges, op. cit. p PÉNINOU, Georges, op. cit. p PÉNINOU, Georges, op. cit. p PÉNINOU, Georges, op. cit. p. 129.

9 6 Referências Bibliográficas BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro, Ed. Bertrand, CABRAL, Plínio. Propaganda: Técnica da Comunicação Industrial e Comercial. São Paulo, Atlas, DURAND, Jacques. Retórica e Imagem Publicitária. In A Análise das Imagens. Petrópolis, Vozes, LOPES, Edward. Metáfora: da Retórica à Semiótica. São Paulo, Atual, PÉNINOU, Georges. Semiótica de La Publicidad. Barcelona, Gustavo Gili, Física e Metafísica da Imagem Publicitária. In A Análise das Imagens. Petrópolis, Vozes, PEREZ TORNERO, J.M. La Semiótica de la Publicidad. Barcelona. Editora Mitre RABAÇA, Carlos Alberto e BARBOSA, Gustavo. Dicionário de Comunicação. São Paulo. Ática, VESTERGAARD, Torben e SCHRODER, Kim.A Linguagem da Propaganda. São Paulo, Ed. Martins Fontes, * Publicitária e Professora. Mestre em Ciências da Comunicação, área de concentração Semiótica. ** Publicitária e Professora. Mestre em Ciências da Comunicação, área de concentração Semiótica. Consultora em Comunicação Estratégica e Gestão da Imagem.

A linguagem predicativa da comunicação publicitária

A linguagem predicativa da comunicação publicitária A linguagem predicativa da comunicação publicitária Eloá Muniz 1 Considerações iniciais A palavra publicidade designava, a princípio, o ato de divulgar, de tornar público. Tem origem no latim publicus

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Comunicação publicitária: a linguagem simbólica do consumo

Comunicação publicitária: a linguagem simbólica do consumo Comunicação publicitária: a linguagem simbólica do consumo Eloá Muniz Resumo A disputa de mercado se dá pela capacidade que cada empresa tem de prever as necessidades de seu público-alvo e de persuadi-lo

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART Tatiele J. Faria (GP - Leitura e Ensino CLCA-UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - GP Leitura e Ensino CLCA

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Características da publicidade

Características da publicidade Nível B1 B2 B3 X Secundário Área de competência chave Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC-5 Cultura, Comunicação e Média Conteúdo O texto publicitário Tema A publicidade Breve história da publicidade

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE A. PUBLICIDADE A publicidade é o ato de divulgar um produto ou uma ideia com o

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu

Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu Do Diálogo Grego à Propaganda Moderna João Paulo Freire Wayhs Universidade Federal de Santa Maria Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu caráter ser um ato comunicativo entre um

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Interatividade UniNorte 1

Interatividade UniNorte 1 Interatividade UniNorte 1 Anne Caroline BARROS 2 Francisco BARBOZA 3 Heverton PAULA 4 Igor SANTOS 5 Eudóxia Pereira da SILVA 6 Márcio Alexandre dos Santos SILVA 7 Centro Universitário do Norte (UniNorte),

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho

Comunicação Empresarial e Processo Decisório. Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Prof. Ana Claudia Araujo Coelho Comunicar significa transmitir ideias, sentimentos ou experiências de uma pessoa para outra, tornar comum, participar, fazer saber, transmitir. ANDRADE (2008, p. 45) O resultado

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

Publicidade ONG Animais 1

Publicidade ONG Animais 1 Publicidade ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara,

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Lucas Corazzini. Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral

Lucas Corazzini. Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral Lucas Corazzini Análise Semiótica da Propaganda Eleitoral UNICAMP Campinas 2010 1 Resumo: O trabalho a seguir foca-se inicialmente na conceituação da propaganda eleitoral quanto sua construção de significados,

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 Pierre Míchel 2 Luãn Chagas 3 Faculdade Campo Real, Guarapuava, PR Resumo A partir dos estudos semióticos serão analisadas

Leia mais

Nos tempos atuais, há uma grande quantidade de informações imagéticas. Introdução. Glayse Ferreira Perroni da Silva

Nos tempos atuais, há uma grande quantidade de informações imagéticas. Introdução. Glayse Ferreira Perroni da Silva Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Palavra e imagem n o 44, p. 329-346, 2012 329 A MENSAGEM VISUAL NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Glayse Ferreira Perroni da Silva RESUMO O presente artigo tem por objetivo discutir

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

Jakobson (1987) revolucionou o mundo da linguística ao apresentar AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA*

Jakobson (1987) revolucionou o mundo da linguística ao apresentar AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA* AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA* Nellie Rego Santee** Goiamérico Felício Carneiro dos Santos*** Resumo: as funções da linguagem são determinadas pelos atores no processo de comunicação, e não há

Leia mais

VÍNCULO DA MARCA SOB A ÓTICA DA TEORIA DA APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA FORMIGAS

VÍNCULO DA MARCA SOB A ÓTICA DA TEORIA DA APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA FORMIGAS VÍNCULO DA MARCA SOB A ÓTICA DA TEORIA DA APRENDIZAGEM: UMA ANÁLISE DA PROPAGANDA FORMIGAS Letícia Maria Pinto da COSTA Instituição: Universidade Metodista de São Paulo - UMESP RESUMO - Esse trabalho tem

Leia mais

IMAGEM E COR NO DISCURSO PUBLICITÁRIO: O SEQUESTRO DO OLHAR Rosane Monnerat (UFF/Ciad-Rio) rosanemonnerat@globo.com

IMAGEM E COR NO DISCURSO PUBLICITÁRIO: O SEQUESTRO DO OLHAR Rosane Monnerat (UFF/Ciad-Rio) rosanemonnerat@globo.com IMAGEM E COR NO DISCURSO PUBLICITÁRIO: O SEQUESTRO DO OLHAR Rosane Monnerat (UFF/Ciad-Rio) rosanemonnerat@globo.com 1. Palavras iniciais Neste trabalho, pretendemos mostrar como a articulação de imagens

Leia mais

A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO. Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br)

A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO. Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br) Tese de Doutorado A LITERATURA COMO DESIGN GRÁFICO: DA POESIA CONCRETA AO POEMA-PROCESSO DE WLADEMIR DIAS PINO Autor: Angelo Mazzuchelli Garcia (mazzuchelli@bol.com.br) Orientadora: Profª. Drª. Vera Lúcia

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS

O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS 1 O LIVRO DIDÁTICO ENGLISH IN MIND II: IDEOLOGIA E IMAGENS DISCURSIVAS Marília Résio LEMES 1 mariliaresio@hotmail.com RESUMO: O livro didático é um objeto de múltiplas facetas e, às vezes, trazem temas

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Funções de um objecto. na comunicação visual

Funções de um objecto. na comunicação visual Funções de um objecto na comunicação visual Na civilização em que vivemos estamos rodeados de objectos com as suas mensagens incorporadas. Se quiser-mos sistematizá-las, podemos referirmo-nos a elas consoante

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Resumo Jasmine HORST² Nincía Cecília Ribas Borges TEIXEIRA³ Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Atualmente, a publicidade é um

Leia mais

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS Emoção Grande parte das nossas decisões de compra são feitas por impulso, de forma irracional, instintiva. Se temos dinheiro, compramos as marcas com as quais nos relacionamos emocionalmente. Cada marca

Leia mais

TÍTULO: ONG ANIMAIS TEM VOZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: ONG ANIMAIS TEM VOZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: ONG ANIMAIS TEM VOZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): CARLOS VALÉRIO SANTOS, RAFAELA

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Campanha para os cursos sequenciais da Faculdade Boa Viagem 1 Marianna Alves Angelos 2 Janaina de Holanda Costa Calazans 3 Faculdade Boa Viagem, PE

Campanha para os cursos sequenciais da Faculdade Boa Viagem 1 Marianna Alves Angelos 2 Janaina de Holanda Costa Calazans 3 Faculdade Boa Viagem, PE RESUMO Campanha para os cursos sequenciais da Faculdade Boa Viagem 1 Marianna Alves Angelos 2 Janaina de Holanda Costa Calazans 3 Faculdade Boa Viagem, PE Em 2011, A OPA Agência Experimental da Faculdade

Leia mais

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ROMULO SOUZA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL

CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL CALÍCIA MATOS FARIA SE FOR IMPRESSO, É TÁTIL 1 Resumo O artigo aborda o processo de aprendizagem no ensino de artes gráficas e relaciona os recursos didáticos práticos com a metodologia utilizada, este

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela

Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela Análise de propaganda comercial irregular promovida pela Kia e veiculada pela Rede Record de televisão (Correio da Paraíba) no dia 17 de agosto de 2010. Autora: Mirza Mara Porto Núcleo Psicossocial do

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA

LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA LEITURA DE TEXTOS GRÁFICO-VISUAIS APOIADA NA ANÁLISE LINGUÍSTICA Claudia de Souza Teixeira RESUMO:Este artigo objetiva mostrar que, no trabalho com a leitura, o professor de língua materna deve realizar

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback)

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto 185 Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto alexandrapinto@net.sapo.pt Faculdade de Letras

Leia mais

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM 1. Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos

Leia mais

Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO

Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO 3º ao 5º ANO Organização: PROFESSORAS ROSA MARIA DE SÁ TEREZINHA DE ASSIS MACEDO GÊNERO PUBLICITÁRIO Propagandas Definem-se por procurarem despertar no interlocutor o desejo de comprar algo, seja um produto,

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

Anúncios publicitários nos jornais de Taubaté do século 20 1

Anúncios publicitários nos jornais de Taubaté do século 20 1 Anúncios publicitários nos jornais de Taubaté do século 20 1 Monica Franchi CARNIELLO 2 Universidade de Taubaté Francisco de ASSIS 3 Universidade Metodista de São Paulo Resumo O século 20, em função do

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar é o primeiro acto social do Homem, servindo para satisfazer as suas primeiras necessidades. Semiologia Ciência que

Leia mais

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos.

Palavras - chave: Ensino de História, Ensino de Literatura, Metodologia de Ensino, Histórias em Quadrinhos. O USO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO RECURSO DIDÁTICO- PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E LITERATURA Edna Antunes Afonso João Paulo da Silva Andrade 1 Resumo: Este trabalho parte de pesquisas através

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Simone MARIANO 2 Sheilla REIS 3 Mariana BRASIL 4 Mariane FREITAS 5 Amanda CARVALHO 6 Jéssica SANTOS 7 Suelen VALENTE 8 Universidade Católica

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais