Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2

3

4

5

6 Progr"m i," '.,",,.,I <,<, <"-\ r;,auagao em.leu;,," e Lugu-klioa UFPE ~NlVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CSNtR0 OS ARTES E.cOMUNICA<;AO f$strado EM LETRAS E LING'0IsTICA TAMBOR C6SHICO: UHA VISA'O DO PO~TICO ABSOLUTO

7 Prggr'l\I11'I rk P/" - C r';dul\9a~ em Lura,; e Linguistioo ynb UNIVERSIDADE" FEDERAL, BE PERNAM BUCO

8 Pr~rnm:I de P(;"-Gradua~Ao em Lelrus e LjilguistiOQ JlKPE Ana Lucia Lapenda Tambor Cosmico: uma visao do (Cesar Leal, Sa1mos in Tambor Cosmico I p'. 170)

9

10 Letras e Lingfilstica da UFPe e pela motiva~ao na escolha do tema desta dissertaqaoi

11 A Quinta Esta~ao Jornal do Verao lny~n90es da Nolte Menor Conclusao Bibliografia Anexos

12 Nosso proposi to, neste '''I: )-,~ b,;t t ~ O)f e analisar VX'O -'- Invenyoes da Noite Menor, ;Editorial Argo, Recife, ftq:iqament.qsestariarnappj..ados em uma "pr6dugao casual" intencion~ da, que ordena, 0 que diz segundo uma combinac;ao.tortui ta e livre. * Sobre a poesia de Novalis e importante consultar "Historia da Critica Hoderna", de Rene Wellek, e tambem os trabalhos de H. Friedrich, romanista alemio, especialmente a parte em que ele estuda, na estrutura da lirica moderna, os antecedentes teori-- cos da poesia de nosso tempo.

13 Com a nossa abordagem, procuramos mostrar que a poesia de Cesar Leal nao e diferente da construida ou criada por esses p~ etas. Verificaremos que Cesar Leal e 0 poeta em que mais se en- ~.. e~tye ~ contrarn, entre os autores de nossa Ilngua}_ ou melhor;j1f 11K po~ tas de lingua portuguesa~s tecnicas e p~ocessos expressivos rnais caracteristicos da poesia d~ modernidade, entendendo-seo qesj; Yincfulac1asen?9yoe~,que englobcnn uma vigorosa experiemcia,oq}1cj.k,:.ern sua ext~:t;'ioriza<;ao,se expressa li- Pl1bje:eivClE3m torno do ser e para,i1arques"l ao escrever sobre urn dos seus Iivros, coioca, 0 leitor nurna re layao de proximidade com sirnbolistas do fim do seculo e seus hexde.irps co;otemporaneos.. 'IA engenharia de 0 Triunfo das Aquas, paisagem mais noturna da poesia brasileira. 0 poem a Invenc;ao da 1 Oswaldino Marques, 0 Triunfo das Aguas ~n Diario de Pernambuco, 19 de setembro de 1968.

14 ~9-"is,igni,fi,carque,:t,odos,nos s.omos seres cosmicos, seres misteriosos pois nao sab~mps de onde viemos e nem qual sera 0 nosso desti ;. outro planeta, e uma nave cosmi- (.. ; ~mag~ps e IUatafol;aS, Cesar LealproclJ:(a l;egistrar.0 destino dos,,j;} bomen,s,nesteuniyerso, de, signifigar;oes multiplas que e a obra poet:lca " t \.: f E-hS;:i'..l'O _ J;l;e;rnOf:i; ana1.isar, neste..mril!'kpwipj8, alguns poemas de di

15 10" e sempre uma forma nova que 0 poeta encontra para adaptar sua expressao a pecu1iaridade de cad a objeto. A "maneira", ao contra rio, e 0 poeta criar "a priori", sempre adaptave1 a varia9ao de novos objetes, de novos poemas. que, a cada dia, alarga e aprefunda aconsciencia artistica de seus lei tores mais competentes. tze- fe:x tw l t ' - M.D -;. / li4!! i r especialmente., aos PS? par,cydamasceno, S.P. Institute Nacional do Lise'adapfeia: estr1.1tura de ca met6dologico,rnas antes procuraridd observar a, tdtalidade de uma obra e'(\'\aiferentes pontos de vista,. processo, au tecnica que teori~ tas como Rene W ellek identificalf\com 0 perspecti vismo filosofico de Ortega e Gasset. Ao que vem tratado sumariamente nesta introduc;ao esper~

16 ~iaram em sua forma9ao critica foram: T. S. Eliot, Baudelaire, E~ gar Alan Poe, Ezra Pound, Kenneth Burke, Damaso Alonso, Rene Welque 0 fez reconhecer-se nele$: I{SO depois que Ii a Estrutura da Lirica ;...;.". \ Modexria de Montal~,wrca, Dylan * Essas palavras foram transcritas de notas de aula ministradas pelo Poeta no curso de Mestrado em Teoria de Literatura da UFPe. 04/09/78.

17 Outros conceitos em que se apoia a teoria poetica da m~ dernidade est~.presentesno Tambor Cosmico. Poderemos citar: fan- ~igmas, letrismos e grafismos (caligramas, etc), magia expressiva, poesia monologica, alogicismo ~u poesia alogica) e outras catego- if rias definidas como negativas, alem de alquimia, profecia; ocul- 1 Hugo Friedrich. Estructura da la Lfrica Moderna, Seix Barral, Bar celona, 1956, page 94.

18 Ana Lucia Lapenda - Tambor Cosmico: urna visao do poetico absoluto

19 A Quinta Esta~~o e urn longo poema dividido em tres partes: Elegias, Tambor Cosmico e Metalinguagem. Em todos os poemas tante fluir da Vida no Espa90 e no Tempo. DaI por~lhji na poesia 'de Cesar Leal, a lingua se liberta de sua existencia como ins'tru- 1 C~sar Leal, Triunfo das Xgu8S, in Tambor C5smico, Edi~~esTempo BrasileiroLtda. R.J. 1978, 3, pag. 92.

20 pria intencionalidade da consciencia de urn autor para quem a realidade e 0 mundo, como ern Ludwig Wittgenstein, entendido'o vocabu ta razao, as mais belas imagens de Cesar Leal se irradiam ern pr~ je90es cosmicas, e estas nao podem ser compreendidas, quer par pe~ soas portadoras de deficiente forma9ao literaria, quer ainda por Andromeda investiga 0 nosso sangue ancestral (no corpo as veias tremem (galopam grandes sustos) atraves de tua face. Cavalos (com patas de a~o-puro) esmagam pedra e areia enquanto a ( ) Terra intei ra geme com suas / / aguas / /11

21 A imagem da Terra representa a Humanidade, a das aguas o sofrimento e as lagrimas dos que sofrem e se espalham pelo mun- "/Na cela 0 acusado recorda a flor (a forma elementar) 0 fruto aceso (a gema do amor cintilando ao sol do verao o fumo-d'estrela D'Alva-a-cobrir-os-polos da sombra (as paisagens antigas) I verdes tapetes orvalhados) (as rosas) as dallas (os relampagos de abril a Imigem do pr6prio corpo refletida nas pedras na superficie branda do lago (& lembra a curva fina. da onda (0 sol que retorna dos refletores a visao da Terra vista da aeronave. a contempla~ao do vasto panorama"

22 lie 0mop 0 eta d a Mode rn ida d e f a 10 doc os - mas porque falar do Cosmos ~ falar do homem, da Humanidade, e de seus mist~rios, pois, na realidade, somos seres c6smicos, viajando pelos ceus nessa pequena nave cosmica que e a - Terra, pequeno grao de areia que, como ensina o frsico e fil6sofo italiano Carlo Borghi, nao deve ser desprezado, pois transporta 0 mist~ria infinitamente grande que ~ a "mente humaqualquer hamem e, em particular para a paeta, e a experiencia da Liberdade.* * A Antologia intitula-se Quinze a Mesa, e dela fazem parte 13 po etas, entre as quais Afonso Romano de S'Antana, Gilberta Mendonci Teles, Marcus Accioly, Telmo Padilha, Marli de Oliveira, Salviano Santiago e outros. Essa Antologia vai ser editada ainda este ano pela Editora Jos~ Olympia em convenio com 0 I.N.L.

23 "1 1 eis os cavalos de pelo nevado I I Por que temer-lhes os cascos / / cortejo (sob a luz do Cisne) ao (Vale-Vago-e-Vazio) campo de luta 1 1 do Ursa, da Aguia e do Dragao - II

24 IAs janelas do limbo abriram-se 1 1 ( de par em par / 1 e folhas desenhadas () () 1 pelas linhas 1 1 de suas maos brotaram ( como escamas dagua) ( ) sob os cfl ios do Sol 1 1 Era mais que um Farao 1 1 "nao morreu" I 1 como dizem Transfigurada (r) a mao que apontava 0 Nilo I 1 pa 1ido 0 queixo muc;ulmano (.... ) oolhar... abrigos de pedra ( ~ afficara:

25 os' cavalos de pelo nevado / / Por que temer-lhes os cascos / / ao conduzirem 0 cortejo (sob a luz do Cisne) ao (Vale-Vago-e-Vazio) campo de luta 1 1 do Urso, da Aguia e do Dragao Todos choram (lie Ie nao morreu".) / J J..... / Ou~o cambores e hinos aos deuses e ao 1 imo que i9 u a 1am: : : : : : : : : : cetros e brasoes I J ao serrote humi Ide e a faca rude. ra cada estrofe estruturada em quartetos, sendo os tr~s primeiros versos decassilabos e 0 Gltimo quase sernpre urn hexassiiabo. Ob-

26 a chuva 0 mar no ceu 0 mar no mar a treva das iclades o terremoto 0 maremoto 0 medo a vaga 0 furacao a torre a ponte os areais do sonho 0 ar tremente a foice do horizonte o aeroporto c portao a pista 0 hangar as lojas os brinquedos c~ meninos a bagagem a balan~a 0 passageiro o repique dos sinos o forno 0 fogo 0 gas 0 fogo 0 forno a asa 0 corpo e novamente a asa a agua 0 ar a chama a vida a morte o fogo a cinza a brasa o muro 0 medo 0 barco a selva 0 campo a cruz a corda a ave 0 limo a terra o sol 0 orvalho 0 mel 0 quadro a cor o vale a praia a serra o horizonte 0 sombrio 0 cantoch~o o vale a flor a fala 0 fio a fama a margem 0 perigo a for~a 0 rio a lava que se inflama os neutros Malegobes 0 ar 0 po~o o espa~o 0 limbo as l~grimas a dor o sangue a carne 0 duro olhar da guerra a cobra 0 cobre a cor

27 guardam entre si uma rela9ao semantica atraves daquilo a que Levin 3 denornina de paradjjrna 2, tais como: trovao, ternpestade, fua mesa a moda 0 mundo as multidoes do mar a vag a azul do m~s de junho a letra a rosa a flor a bruma 0 sonho a solidao do mundo. 3 Samuel R. Levin. Estructures LingUlsti~as 1il la Poesia, Ed. Ca thedar Madrid, 1974, pig. 42.

28 Outra presenc;a constante na poesia de A Quinta Estac;ao ~ T. S. Eliot. The Four Quartets, in the Norton Antology of English Literature collected poems, 1943, p~g

29 ca".5 E para 0 autor de A Quinta Estaq~o nenhum cerco ~ rnais vigo nio sobre tudo 0 que existe, sobre a natureza inteira, como se p~ de observar nesta passagern de urn de seus poemas anteriores ao ap~ "mas se a 1 inguagem 8 0 excesso da existencia por que nao dizer que a melhor fala seria (aquela como 0 sombrio ngcleo do rochedo? por que aceitar 0 caminho profundo das (constelac;:oes sobre nossos nomes? por que rogar aos santos pelos nossos pais (mortos se as estrelas desdenham nossa gloria, se elas recusam 0 tambor de nossa festa 0 fogo de (nosso aura e podem ate grac;:ar nossos destinos como (dizem os horoscopos? mas 0 homem canta enquanto se desgasta (como um velho prego e avida fome de velozes venenos se deposita (nas arterias 5 Roger Asselineau. 0 Tema Transcendental nb Literatura Americana in Revista Diilogo, se~ao especial vol 11 n , p. 79.

30 se nada sabre as imagens dessa poesia planetaria, vejamas como Ce sar Leal se expressa nesta passagem do Tambor Cosmico: "Mas este e um tema para ffsicos, astronautas e cosmologos e tambem para poetas porque tudo isso e material para poemas; mas vosso pecado e tanto que ate esquecestes que 0 mundo e dos homens e foi feito para os homens com suas florestas e as incl inadas sombras da tarde; claro que hoje 0 tempo e outro mas n~o anulao velho tempo: -- n~o podemos mudar 0 curso do sol, n~o podemos separar as estrelas da Ursa, o mar sera sempre 0 mesmo: matriz da tempestade, da chuva, de sonhos, de ventos e terrores.. II sica e modelos matematicos, expressando simbolicamente 0 teorema de Pitagoras e, ate mesmo, as matrizes de Dirac, 0 descobridor da antimateria ou antitempo, 0 que the valeu 0 Premio Nobel de Fisi- "0 teorerna de P conteria um so termo urn espa~o de uma unica dimens~o real. Mas 0 nosso espa~o e outro: tenha-se p == 2

31 q. 1 e as matrizes terao a ordem (e onde h~ ordem n~o h~ desordem, por isso, como a desordem dominasse o banquete, a Lady disse a Macbeth: "Va em qualquer ordem!") 2 2 X = 4 das quais p + 1 = = 3 s~o reais de vista. ~ 0 que ocorre com 0 fisico e filosofo Carlo Borghi qu~ do em urn ensaio I 6 traduzido para 0 portugues e publicado na Revis- 6. Carlo Borghi, Veredas na Moderna Cosmologia in Revista Universitiria, n9 2/4, 1968 p~gs PrOgram a de P6s - G ndui~u;o em Letras e Linguistioo UFPE

32 do no espa~o com velocidade constante, sem ne nhuma outra massa em torno dele. Ele viajaria sobre uma geodesica que e uma I inha reta. Mas se de repente 0 corpo M apa rece r perto do cor - po ~, este ultimo continuaria viajando sobre geodesica - ~ uma que nao e mais uma 1 inha re t a, mas apresenta uma curvatura. Ora, na Flsica Newtoniana uma curvatura impl ica uma acelera- ~ao (transversal) imposta ao corpo ~ e uma a- celera~ao define uma for~a. Assim, ~ deforma ~ao do espa~o aparece como um campo de for~a expressados matematicamente, como diria 0 po~ ta Cesar Leal: "com essas inus itadas equa~oes que 0 homem arma e Deus desarma c om sua etern idade cia ra e seu descanso."

33 "Nao se conhece atualmente qual 0 destino da materia intergal1ctica, quer dizer, no espac;o entre as Gal~xias. Ela tem uma densidade tenurssima cercade itomo para cem centfmetros cubicos. Mas 0 volume por ela ocupado e de tio deslumbrante grandeza que a massa total intergalactica e uma fra~ao importante (mais ou menos uns 50%) da massa total do Universo. No estado atual da Astroffsica nao sabemos se Mas, com uma inevitavel cita<;ao: "There are more things in he<'ven and on the earth than are dreamt of by our phi 10sophy"7

34 Gon9alves Dias, Castro Alves ou Alvares de Azevedo. A poesia de Cesar Leal, portadora de uma vigorosa mensa gens visuais, a for9a das metaforas e a modernidade de sua expre~ sac para sentir-se que J poeta se coloca sempre fiel ao sofrimen- 8 0 trecho aeima de Murry oi publicado pelo movimento estudantil cristio ingl~s na obra: Necessity of Art sob 0 titulo Literatura e Religiio e citado in PrincIplos da Critica Litcraria de Dr. LA. Richards Ed. Globo. P.A., 1971, piig. 223.

35 Essas palavras sac perfeitamente aplicaveis a poesia cas mica, ora em.estudo, uma poesia que abarca a totalidade do espir.:!:, to humane e todas as imagens da natureza.

36

37 Richards l que urn born critico deve possuir pelo menos tres qualid~ des indispensaveis: Acrescenta, aseguir: ~Sobre todos esses assuntos a psi cologia exerce influencia direta, nao obstante 0 seu presente es- Com isso, 0 Dr. I.A. Richards esta esbo9ando uma teoria psicologica de. leitura, 0 que ira provocar a recusa de Rene Wel- I.A. Richards, Principiasde Critics Liter~ria. Ed. Globa, Ed. Glaba, P.A., 2a. ed. 1971, pag Ren~ We11ek, Tearia da Literatura, Publica~~es Eurapa-Am~rica, 2a. ed. Lisbaa, 1963, pag. 183.

38 3 Ibidem, pag Cassiano Ricardo, bor C~smico, pig. Entre 0 Prof~tico e 0 Po~tico Absoluto 1n Tam 14.

39 repetidos como norma direi significa ou semiotica de uma linguagem que e feita de palavras mas tambeffide sangue, tudo isto faz bem no Geneses quando se afirma, em rela9ao a cria9ao do Universo,

40 servado pelo critico Ormindo Pires Filh0 7, revela existir no com~ <;0 do poema uma associa<;;aoentre a concep<;;:aobiblica do inicio c9. mo 0 Verba e a negativa de Goethe ao dizer que no principio era a A9ao. No poema, Verbo e A<;;:ao estao juntos na reflexao inicial: "Le 1angage j oue de chaos co mm e to uta 1 I he lj re 1e co sm 0 s. Partout dans le langage humain la disparite du signe et de la fonetion est done la r~gle; un meme signe, plusieurs fonctions une meme fonetion, plusieurs signes. Le langage est essentiel1ement exereice." 7 Ormindo Pires Filho. Ursa Maior: um desafio exeg~tico, Prefeit u ram un i c i pal do Re c i fe, N0 vas e r ie, N(} 1, Dez, 1976, p a g e 8egs.

41 prio que dirige 0 seu ataque ou a todos os poetas, pelo amor monstrado por estes as teorias em urn mundo teorico. Volta-se tam pouco falastes da cor~a ferida, dos meninos cujos ber~os rulram ao punho dos bombardeios; tudo isso e material para poetas tudo is so e tema para poemas... por is so aq u,i estou, aqu i estou para exercitar-me, aqu i estou para cantar para cantar urn novo ternpo em j ogo com as vogais em jogo com a flexha em j ogo com as vogais em jogo com a guerra ern jogo corn as vogais em j ogo corn a flexa em jogo com as vogais em j ago com a flexha

42 A Elle est retrouvee E Quoi? -- L'~ternite. I C I est 1a me r all e e o Avec le soleil. U Ame sentinelle, ~lurmurons l'aveu U De la nuit sl nulle o Et jour en feu. I Este campo que poblado E Hoy de fabricas se ve, A Nada pol ido era entonces Antes de labrarse en el, A Una confusion, un caos, E Tan informe al parecer.

43 Pois bem, em redondi lho direi que as tres matrizes reais so correspondem as tres coordenadas ou dimensoes do espa~o de nosso tempo met rice o espa~o em que vivemos espa~o eucl idiano.

44 tebol, vencedores dos esportes e nas lutas pelos direitos hurnanos, concluindo com urn repicar dos sinos sirnbolizado pela repeti9ao do

45 Potencias, corn temor da estrui9ao mutua: alem de r2fer~ncias as mesmo ern plena escuridao; 0 mesmo ocorre corn 0 morcego, que, emb~ ra cego, nao se choca com nenhum obstaculo: as pesquisas relati- B J. Kepler in Dicionario Literario, pag. Lf23. Kepler, famoso as tronomo, afir;nou: fla curva descrita par cada um dos p1anetas do sistema solar e uma e1ipse em que 0 Sol ocupaum dos facos." (la. lei); e ad estudar Marte: 110 raio vetor heliocentrico do planeta varre em torno do Sol areas proporcionais a unidade-~o tempo." (2a. lei).

46 y 0 U asas de Grissom S Z Komarov Gagarin Grissom K 0 M GAG A R I N Armstrong (Brac;:oforte) Aldrin R 0 V Collins BRAGa forte BRAGa-forte BR-AGO-forte cou algo semelhante ao que hoje denominamos de ficc;:aocientifica. Numa dessas obras, ele diz: 0 hamem podera ir a Lua pelo tunel de com extrema rapidez atraves desse tunel, ele naa podera perder-se no espa<;:ocosmico: a sombra da Lua durante 0 eclipse fa-io-ia alcan~ar com seguranc;:a0 nosso satelite. Como se ve, a poesia de Cesar Leal exige do critico um conhecimento acima do comum para se poder corretamente interpreo conhecimento de astronomia e comum entre os grandes P~~-"

47 tas epicos, notadarnente Dante, Carnoes, e ate ern poetas liricos c rno Rilke, 0 que dernonstra 0 interesse do aut or de Tambor Cosmico sabre esses autores ao construir sua poesia da era planetaria. Ni~ to, sern duvida, Cesar Leal e urn dos rnais completos desta epoca, na qual 0 homem, sem deixar de lade os seus interesses pela Terra em que vive, se lan9a, com todas as suas for9as, a conquista do esp~ 90. Dai a alusao a Kepler, associado ao misterio das asas dos as tronautas, misterio simbolizado na expressao Itsimetricas-asas". Os tres astronautas, mortos ainda j ovens na luta pe la conquista do e~ pa90' tinham os nomes formados com 7 letras: GAGARIN - KOMA~OV GRISSOM, e estes formam urn caligrama numa perfeita cruz, simbolizando 0 sacrificio daqueles que abriram 0 caminho da navega9ao en mais belas imagens se irradiarem em proje~6es cosmicas, como a des ses sonetos escritos em 1952{ quando ainda nem sequer se falavaem astronautas: "Ascendo aos ceus levando na subida o sonho que me traz de volta ao mundo, mas, 6 c6us, nem a Terra tem medida - Terra au Ceu, para mim, tudo e profunda. Olhos fitos na fuga dos solsticios sobre a retina 0 sol pousa de luto, bebo de novo 0 sonho dos antipodas. A morte acende 0 fogo em minhas plumas, me atira a solidao, comigo fica neutra, alem das estrelas e nas brumas asa estendida, exclamo: 1'0 ceus profundos!" 5e 0 espat;:o que cobria jamais se explica, que dizer do misterio de outros mundos?

48 o Universo agoniza! Enrubescido o ceu se amplia sob a luz da aurora e pesa sobre 0 tempo dissolvido o sono leve em que me sonho agora. E no si l~ncio a forma das origens rompe a flor que me prende a solidao e tomba a luz das altitudes virgens po r en t rera i 0 s m 0 r to s n a amp 1 id a 0 No abismo azul em lnuca disparada quebro a aldrava dos ceus, desesperada fita-me a Via Lactea se me fito na ogiva de cristal de suas portas por onde ~ombam altitudes mortas e entram as as as de meu vao aflito." ~oes da Noi~e Menor -pub1icado em 1958, e posto51ogo abaixo do ca1igrama que acabwuos de ana1isar. A profecia e, portanto, uma presen9a constante, confirmada nos versos do Tambor Cosmico. Cas siano Ricardo compreendeu bem esse aspecto quando deu ao seu prefacio a titulo: "Entre a Profetico e a Abso1uto."g Mas a quinta 'parte da Ursa Maior, apos essas considera90es sabre a conquista do espa90, volta-se de subito para outros temas: porque muito dbservaram: sac documentos os museus de Floren~a, a Cole~ao

49 de Arte Renania-Norte- Vestefilia, 0 tgmulo em Ravena, 0 Museu Goethe em Dusseldorf, a Letra de Boccaccio, o Museu Goethe em Frankfurt, o V Canto do Inferno, A Cole~~o Edwin Redslob; Poe ta, 1e de revistas: e preciso atirar o munclo antigo pelas novas janelas da Galaxia;" Este trecho ilustra bem a novidade dessa 1inguagem. Nos trechos mais fortes e mais definidores de sua for9a criativa, ela rola de subito, espontaneamente, para as proje~oes cosmicas, como no:3 versos citados, aconselhando os poet,as a lan9ar "0 mundo anti go pe1as novas janelas da Galaxia. If 0 Poeta sente a amea9a da des trui que pesa sobre 0 mundo.tal visao oi co1ocada em termos prof~ticos, qundo previu, num soneto escrito em 1951, a inven9~0 da Bomba de Hidrogenio e a destrui920 completa de nosso planeta. DaI. justificar a corrida espacial como ura Ifirracionalismo" dos ho mens, a. procura de 'LUll lugar segura ondepossam sobrevi ver apos 0 aniquilamento da Terra. 'Eis a profecia: DESCE 0 petardo e se abre em flor na rua, o vento entra no mar, 0 ch~o afunda, desabam ceus, a 1uz do so 1 recua - empalidece a Terra, moribunda.

50 avan~a em letal fogo a chama nua, a desintegra~ao dissolve a lua, entre gomos de luz esfacelados, nas ilhotas de sois despeda ados parte da Ursa M?ior, transcrevemo--lo apenas para ilustrar 0 senti do de nossas afirma~oes. Poeta, linguistica nos calendarios: son mon die mit don fre sam 5 un mon tue wed thu f r i sat dim lun mar me r jeu ven sam dom lun mar mie j ue vie sab dam lun mar mer gio ven sab dom seg te r aua qui sex sab 50n man tis ons ter fre lor aprendei A descober-tc:l da semelhan~a dessas silabas entre si em particular, da letra inicial da filtima coluna, relativa ao 55-

51 der de associa~ao do poeta, ao relacionar essas letras com 0 nume ro "7", os "7" dias da semana. Em numerologia 0 "7" significa a via, como a poesia de Cesar Leal e rigorosamente construlda com 0 apoio nos numeros, mesmo quando nao se observa nada que possa dar a ideia de estarern presentes, deixarernos esses aspectos de sua ar te poetica para outro capitulo desta disserta~ao. A quinta parte do poema e constituida /e urn dialogo so- Trata-se de urna teoriza~ao sintetica na expressao Uma das vozes busca rnostrar a nova poesia, enqua~ - Tem liga<;oes com 0 rei Eis um estilo breve: - Tem 1 iga<;oes com a 9 re i. Eis um est i 10 amplo: - Tem ligas;oes com 0 re i. E is um estilo magro: - Tem ligas;oes com a grei E is um es t i 10 gordo: - Tem 1 i9 al);oes com 0 rei Eis um estilo seeo: - Tem 1igal);oes com a 9 re i.

52 E I s urn est 110 urnido: - Tern Ilga~oes com 0 re i Els urn es t i 10 tenso: - Tern liga~oes com a grei Eis urn esti 10 lasso: - Tern liga~oes com 0 rei Eis urn est i 10 baixo: - Tern 1 i 9 a ~oe 5 com a 9 re i. Eis urn est i 10 alto: - Tern liga~oes com 0 rei Tern 1 iga<;oe s com a 1e i tern liga<;oes com a 1e i tern liga~oes com a 1e i. " finir como verdadeira magia da linguagem, ou sej a, associac;'oes de ~ elementos que renunciam a ordem objetiva, atirando 0 leitor num

53 A seguir, entra um expressive trecho de Rimbaud, do_po- ema H, escrito em 1870, onde a bomba de hidrogenio e profetizada ~,~~

54 Toutes les monstruousit6s violent les gestes atroces d' H 0 r ten s e. 0 terr ib 1e f r is son de s amours novices sur le sol sanglant et par j'hidrogene clarteux! Trouvez Viva 0 Bra s j 1 com a Bomba H Viva a Bra s i 1 com a Bomba H Viva a Brasil com a Bomba H Viva a Brasil com a Bomba H Viva a Brasi 1 com a Bomba H Viva a Bra s i com a Bomba H Viva a Brasi com a Bomba H Viva a Brasil com a Bomba H Viva a Brasi I com a Bomba H 0 Bra s i 1 com a Bomba H Brasil com a Bomba H Com a Bomba H A Bomba H Bomba H H H H Enfer He 11 Inferno

55 - ba H significa que, se nos desejamos ser fortes, nao podemos pres ~indir dessa capacidade de criar 0 fogo do Sol e das demais estre b~m a arte de todos eles, tendo como princidio a propria criativi ~. -

56 o TRIUNF9 DAB AGUl'l... Programa de P6s-GraduaCAo em Letras e Lillguistioa UFPB

57 fon~;a pessoal f pais de posse de uma b2cnica a poeta dele S~"'~'-'3J_e- ----~ria para expressar seu espirito, ou seja _.- como ensina Hegel

58 110 Triunfo das Aguas e um 1ongo poema, misto de magiea e exatidao, de sobriedade e estouro, pernambueano ao mesmo tempo que 0 situava na grande tradi~ao dos poemas cr~1 ieos e prospe~ ~ao regional, como 0 ItRio ll de Joao Capra1 de Nelo, junta-se de outra parte, muito distante pendo a tradi~ao, inseria-se numa picada mais universal, como (embora semla~os de P~l ntesco poetico) Joaquim Cardozo. Com a sua arqul tetura 1inguistica verbal, seus versos inteiramente disseminados pelo espa~o branco da p~ gina, seu enorme 1astro cultural a servir de base (leito) par onde fluem aguas palavras do Hegel, Cria~io de Est~tica. El Ateneo, Buenos Aires, vol II, pag: Fe rnando Py, 02/1979.

59 poema chave, que incorpora, inclusive, versos de Dante, Tennyson, Gargia Lorca e outros ao seu edifrcio, numa colagem altamente expressl va e, porque nao criativa, Cesar Leal davanos, naquele ~ntao, uma obra de valia imensa, estranhamente desconhecida no sui do pais." Posteriormente Fernando Py, num longo estudo pub1i cado na Revista Editora Civi1iza9ao Brasileira n , refe- ~... t..- 11r], co, I/it..09-'O'-~O logo de seus proprios versos, -~'5-<"-J1i- - - ~ "Waste Land" i mas ha tamhem ver

60 tasia, numa opera9ao consciente da inteligencia sabre a linguagem. ISso nao significa que as intui90es estejam ausentes: segundo Ber~

61

62 tivel do terceiro verso. Alem disso, do ponto de vista musical, na rela9~0 sintagm5tica, formam imagens plenas de sentido; a rap! dez do golpe das coisas inesperadas, mostrando a semelhan9a~~ no com a morte, sugerida pelo "golpe de uma bala"; 0 misterio do

63 porque forma 0 predicado, funciona como. 5pice... ~ Em port.ugues pode co lcentrar em si tod.a a L~~

64 4 Gladstone Chaves de Mela. Ensaio de Estilfstica da Lfngu~ Portuguesa, Padrao - Liv. Editora Ltda. R. J. 1976' pag. -i57'~ 5 Roman Ingarden, A Obra de Arte Litcraria, Trad. de Albin E. Beau - et alii, Funda~ao Calouste Gulbenkian, 1973, pag. 103.

65 cornposi~ao'tipografica: a forma da constela~ao e reproduzida, de aguas que, semelhantes a urnpemtano, estancam nos olhos dos',guer-.~ ~, reiros, cercados nas guej:ras pelo cint:urao de sangue au redor das.

66 fo, versos de Arnaud Daniel, em proven9alje de T. S. Eliot. Esta V primeira parte e concluida com a majestade de uma sinfonia.

67 Apesar de C6sar Leal poeta pernambucano.

68 para os mortos a luz.g.- '~

69

70

71 "0 dom do sono representa a vida dessa ilha torment6ria e principal~ esquecida dos povob primitivos~ entre Altair e 0 Cisne solsticial. Ap6s essa indaga9~o, na qual 0 Rei passa a dar uma resposta mais incivisa ao leitor, verifica-se uma situa9~o m5gica: 0

72 sistirem as pressoes do mar quando suas ondas passam a voar como se fossem aves, fazendo toda a Ilha estremecer. Na Ilha, ha noturnos tesouros cercados de bosques, onde abelhas velozes pedem as flores urn aura liquido. As asas das abe Ihas cantam e, por fim, estas retornam com os pes ~arregados de urn luminoso orvalho. A abelha mestra, "que vao nao tern", prepara um milagroso mel para abrandar as furias do oceano. Regatos de brisa levam ao mar esse mel. o Rei cala-se, apos dar essas informa9oes aos visitantes. Urn alvoredo de areia se eleva por cima do verde do bosque, e sua copa e constantemente orvalhada e a90itada por urn vento estranho que agita sua frondeern todas as dire90es, sern, contudo, ~ mea9a-lo. Esse arvoredo e denorninado de.,arvore tranqui la", mas sua tranqt.iilidade existe apenas para os que contemplam, de longe, suas flores de cristal. Uma das raizes da arvore esta mergulhada no cora9ao do Rei. A raiz fala, constantemente, ate mesmo enqua~ t.o 0 rei dorme: giram-me a fronde prateada: serao artes do Demonio au da seiva envenenada?" Em sua fala, a arvore diz ter recebido uma visita de urn estrangeiro que desejava alguma areia para fazer urn misterioso re logio, capaz nao so de medir 0 tempo mas tarnbem de muda-lo. 0 re logio informaria ainda sobre 0 fogo, 0 vento e as aguas. Contudo a a.rvore negou areia ao visitante e este, ent~o, Ihe respondeu em

73 para a descoberta de seus segredos: entre os dais triangulas, sem ---- que a paeta saia do metro de sete silabas, est~o escritos as se-

74 os elernentos lingulsti.cos mas tambem de natureza tipografi.ca Agustin Millares Carlo. Manual Antol6gico da Literatura Latina. E.D.I.A.P.S.A, Nexico, 1945,p~g. 204.

75 110 paragl-afo 5S' e- 0 mais eomplexo. Servi-me aqui de uma tecnica de fusao e substitui<;ao, -~ que sac - eonsiderados, por analogia, 0 univet-so com bro, anal isado em suas fun<;6es anat~mieas e fisio- 16gicas, especialmente 0 bulbo e 0 cerebel0. Cada imagem possui no mfnimo dois nfveis de sentido. A epfgrafe deste paragrafo e de Ruben Dario. As "eo lagens" laterais sac de Coleridge e do Romancero. 'Pape Sata': cf. Dante, Inferno~ VII. o treeho final A promessa das ~guas em re dondi lha malor se I iga novamente ao paragrafo I, em que a agua seria poueo mais do que um sfmbolo da fertilidade (llno ar em que me navego/ eonduzo 0 verde da flora ll ) a esperan<;a, baseada numa eerta do se de certeza, de que 0 homem podera sobreviver a

76 todas as amea~as das for~as que ele desencadeou ao criar a civi 1 iza~ao tecnica. 11 o telhado do pal~cio ~ convexo e na parte in- ~ terna do patio 1121D.In cruzeiro de pedras di vidindo a montanha em

77

78 roes, no interior do cerebro e simbolizam, por analogia, as poder2 sas for~as das grandes Potencias: dai 0 continente ser dividido cada um com tres ri-

79 o Poeta, em uma linguagem simbolica, retrata alguns as-

80 A promessa das aguas

81 se 0 relimpago castiga minhas torres dediamantes me dissolvo e ao mar retorno mas logo ao ceu me levanto."

82

83 Inven90es da Noite Menor e 0 Iivro de estreia do Poeta. em razao da sua tiragem Iimitadissima --. apenas quatrocentos exem ~ (st.,/. - plares.----1:: ::22ZZ---C;~ que 0 Iivro ficasse quase desconhecido do publ.:!:- bor Cosmico. Ademais, poderia notar-se uma participa~ao

84 da Noi te i'1enor. ----'---;c=-=:::",

85

86

87 ra desconheciqa sao feitos de sono, ou seja, da mesma materia de ~ que para Shakespeare e feita a vida de todos nos. 0 segundo poema, "Can9ao ao SuI da Linguagem", sao deci

88

89 mo Marcel Proust, Franz Kafka, James Joyce, T. S. Eliot nao sao apenas contempor~neos e representantes de uma mesma mentalidade, unidos pela mesma crise espiritual e por fins artisticos semelhan tes, sen~o tamb~m surrealistas da mesma esp~cie."4 A pr6pria descri~~o do poema, feita pelo autor, mostra sua constru~ao com base nos principios surrealistas, a~ao do raci onal com 0 irracional, apelo ao sonho, automatismo da linguagem,i magens cortantes, tais como: "nimbos dissolvidos na luz", "misterio do ceu refletido nas vagas", "seio da linguagem", "ter sempre urn ar de vivo dormindo". Nesta imagem, a palavra "dormindo" esta em lugar de "morto", porque a pr6pria expressao "morto" do verso seguinte serve para demonstrar 0 contraste de que 0 morto ter sempre uma aparencia de vivo: titer sempre um ar de vivo, se dormindo de morto sempre um ar quando acordado" T. S. Eliot, ao fazer a "Apologia da Condessa de Pembroke", refere-se a versos de urn poeta ingles, coincidentes, ali- "a law, like some others, so universally violated, that, like the heroine of Hood, "We thought it dying when it slept and sleeping when it died" Realmente e uma coincidencia, no entanto essas imagens parecidas nao chegam sen~o a refletir uma visao do rnundo coinci-- dente ern poetas que pertencem a urn mesmo esplrito dentro da poe-

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas MIGUEL GONÇALVES MENDES José e Pilar Conversas inéditas Copyright 2011 by Quetzal Editores e Miguel Gonçalves Mendes Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986 José Rosa Sampaio * O Vermelho do Capim Poemas da Guerra Colonial ** Ficha Técnica: Título: O Vermelho do Capim: poemas da Guerra Colonial Autor: José Rosa Sampaio, 1949- Tiragem: 30 exemplares fora do

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever CLAUDI 0 PUC/Sp CAMPOS - A palavra isolada - morfologia - A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. - Considera~oes Nossa gramatica originou-se da gramatica latina. Nossos primeiros gramaticos optam

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de

Acervo de documentos oficiais da Força Aérea Brasileira (SIOANI), convertidos em arquivo digital por Edison Boaventura Jr / GUG Grupo Ufológico de UHIDi;.DE R:'::U16m0 OliI I DADOS DO RZLAT6aIO 1. Hur'ero:._RIl_. 2. D:J.t2, r'e preencl',jr',cnto :/~Lj'_.c~~l..L/l'~f.._... 3. Locd de o)soi'vu:';qo c10 Od:.rtq _Rrr-: _.... _.._.... 4. 5. AnGJ:os: -.--.-..

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou?

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou? A resposta para sua pergunta é Sim, e Não. Permita-me explicar porque as duas coisas. Eu creio que o Cordeiro saiu do Trono SIM, mas eu NÃO creio que ele desceu. Há aqueles que defendem a tese de que o

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O ESPÍRITO DA NEVE

Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O ESPÍRITO DA NEVE Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O Aqui o tema, como em muitos outros Nô, é inspirado na filosofia budista. Como se sabe, na geral crença budista,

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 PLATAFORMA LEITURA As armas e os Barões assinalados al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 TÍTULO As armas e os Barões assinalados TÍTULO As armas e os Barões assinalados 1 2 EDITORIAL ARTE

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

JORNALINHO DO CAMPO. Madalena. Ana Miguel. Mariana. Cláudia. Ana Mafalda. Mafalda Inês

JORNALINHO DO CAMPO. Madalena. Ana Miguel. Mariana. Cláudia. Ana Mafalda. Mafalda Inês Ana Miguel Madalena Mariana Cláudia Mafalda Inês Ana Mafalda JORNALINHO DO CAMPO Junho / Julho 2009 Edição on-line nº 7 Carlos Caseiro (Autor) Sara Loureiro Correia (Revisão de textos) CAP - Confederação

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

- 35. c :YIinha filha, tira da minha Mao esquerda os

- 35. c :YIinha filha, tira da minha Mao esquerda os - 35 c :YIinha filha, tira da minha Mao esquerda os «meus méritos para as almas, para que elas estejam e a minha Mao direita por toda a Eternidade... c As almas religiosas estarao a minha direita para

Leia mais

Bíblia, sua importância em minha vida

Bíblia, sua importância em minha vida Bíblia, sua importância em minha vida Bíblia, sua importância em minha vida 2 Timóteo 3:16-17 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

EDUARDO PAES PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA COSTIN SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGINA HELENA DINIZ BOMENY SUBSECRETARIA DE ENSINO

EDUARDO PAES PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA COSTIN SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGINA HELENA DINIZ BOMENY SUBSECRETARIA DE ENSINO EDUARDO PAES PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CLAUDIA COSTIN SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGINA HELENA DINIZ BOMENY SUBSECRETARIA DE ENSINO MARIA DE NAZARETH MACHADO DE BARROS VASCONCELLOS COORDENADORIA

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem Aspectos semânticos Metáfora: transposição de significado com base em semelhanças. Você é um bicho, Fabiano. (Graciliano Ramos) Itabira é apenas um retrato na parede (...) (Drummond)

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

HINÁRIO O PASSARINHO. Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha. George Washington

HINÁRIO O PASSARINHO. Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha. George Washington HINÁRIO O PASSARINHO Tema 2012: Flora Brasileira Stifftia chrysantha George Washington 1 www.hinarios.org 2 I HOMENAGEM A SÃO JOÃO Neucilene 14/09/2001 Marcha Eu estou perante esta mesa Aqui dentro deste

Leia mais

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ

E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ ADIVINHOS: O que a Bíblia diz sobre eles? Lv 19. 31; Dt 18. 10; Is 8. 19-20; At 16.16-19 CASAMENTO: Posso casar com uma pessoa desigual na fé? II Co 6. 14 18 CARNE DE PORCO: È proibido comer ou não? Col

Leia mais

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA

SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA SILVÉRIO BENEDITO PARA UMA LEITURA DA «CASTRO» E POEMAS LUSITANOS DE ANTÓNIO FERREIRA EDfTORIAL LM I PRESENÇA ÍNDICE PREFACIO 11 I. PERSPECTIVAS GLOBAIS 13 1. O homem e a obra 13 2. Contextualização sociocultural

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar

Usa As Minhas Mãos. Intro: C9 G/B Bb/Eb D. Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar Usa As Minhas Mãos Intro: C9 G/B Bb/Eb D G C/G Sei que queres tocar cada um que se abrir D/F# C/E D G Sei que queres agir com poder neste lugar G Am Sei que queres curar cada coração aqui D Am G/B C E

Leia mais