Empresas Rohde & Schwarz e Rohde & Schwarz do Brasil (RSDB) 1 Introdução Rohde&Schwarz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas Rohde & Schwarz e Rohde & Schwarz do Brasil (RSDB) 1 Introdução Rohde&Schwarz"

Transcrição

1 Empresas Rohde & Schwarz e Rohde & Schwarz do Brasil (RSDB) 2 R&S MAR JR, Re DIV1 08/00 05/ Introdução Rohde&Schwarz

2 Visão Geral da Rohde & Schwarz Maior fabricante europeu de instrumentos eletrônicos de medição Líder mundial na área de radiocomunicação profissional, radiodifusão e segurança da informação Fundada em empregados em todo o mundo Faturamento de mais de 1.5 bilhão de Euros / ano Exportação 80% da produção Representações em mais de 70 países e 57 sudsidiárias Gerenciamento de qualidade de acordo com as Normas ISO 9001, AQAP 110 e AQAP 150 2

3 Áreas de Atuação Teste e Medição Radiodifusão Sistemas de Radiocomunicações Rádio Móvel Profissional Segurança de Informação Radiomonitoragem e Radiolocalização Serviços 3

4 Áreas de Atuação 4

5 Hameg* Grupo Rohde&Schwarz 5

6 A Rohde & Schwarz na Alemanha Berlin Bad Mûnder Sistemas de rádio móvel, P&D e produção Cologne Centro de Serviços, Laboratório de calibração credenciado pelo DKD Backnang Produtos da área de Segurança da Informação Radiodifusão (P&D e produção); Segurança da Informação Teisnach Produção de componentes mecânicos e elétricos Munich Sede da empresa, Centro de P&D, Centro de Serviços, Engenharia de Sistemas e Administração Memmingen Produção de instrumentos 6

7 Rede de Serviços Níveis de Serviços Backup Centros de Sv Locais Calibração e Manutenção com Automatic Calibration System - ACS 100 Calibração e Manutenção Manutençaõ 7

8 Rede de Serviços Níveis de Serviços Backup Centros de Sv Locais Calibração e Manutenção com Automatic Calibration System - ACS 100 Calibração e Manutenção Manutençaõ 8

9 A Rohde&Schwarz no Brasil Sede em SP Desde 2000 como RSDB Aprox 50 funcionários Centro de Reparos e Calibração Gerenciamento de qualidade de acordo com ISO

10 Clientes Fabricantes de Celulares Operadoras de Celurares Redes de TV / Rádio Fabricantes de Eletrônicos Test houses Orgãos Reguladores Radiodifusoras Forças Armadas / Polícias Indústria Aeroespacial Indústria Automobilistica 10 E outros mais

11 Equipamentos de Última Geração para Teste e Medição de Radiofreqüência 11

12 Quem sou eu? Eng. José Reis Gerência de Contas Teste e Medição ROHDE & SCHWARZ do BRASIL LTDA Av.Alfredo Egidio de Souza Aranha, andar Santo Amaro São Paulo - SP Fone: Fax: Celular: Internet: 12

13 1 - Analisador de Espectro 2 Medidor de Potência 3 Analisador de Rede 4 - Gerador de Radiofrequência 5 - Monitor de Serviço 6 - Testador de Celular Compatibilidade Eletromagnética 8 - Analisador de Cobertura de Celular 9 - Família SMART Importantes

14 Espectro de Frequências 14

15 Posicionamento das Tecnologias 15

16 Analisador de Espectro 16

17 Sinais : Tempo x Frequência Domínio do Tempo A amplitude do sinal elétrico é plotado versus tempo Medida de tempo relativo e fase Medido com um osciloscópio Domínio da Frequência A amplitude do sinal elétrico é plotado versus frequência Medida de amplitude relativa e frequência Medido com um analisador de espectro 17

18 Sinais : Tempo x Frequência 18

19 Sinais Periódicos Analise de Fourrier 19

20 Sinais Não-Periódicos -Transf. Fourrier 20

21 Exemplo O sinal mostrado parece ser puramente senoidal com uma fundamental. Examinando o sinal no domínio da frequência, evidencia que além da fundamental existe a superposição de harmônicos de ordem superior. 21

22 Tipos de Analisadores de Espectro FFT - são utilizados em aplicações onde os sinais a serem analisados são de baixa frequência, dezenas de Hz. Heterodino são utilizados para frequências mais altas, converte o sinal de entrada por meio de um mixer e um oscilador local convertendo para uma frequêcia intermediaria (FI). 22

23 Filtro de Resolução de Banda - RBW Entrada f 1 f2 RBW Filtro FI Display 23

24 Filtro de Resolução de Vídeo - VBW Antes do Filtro de Vídeo Após o Filtro de Vídeo 24

25 Detetores 25

26 Faixa de Frequência Medida Altas frequências 50 GHz 26 Baixas frequências alguns Hz

27 Faixa Dinâmica A faixa dinâmica prove informações sobre a capacidade do analisador de espectro processar sinais com niveis diferentes simultaneamente. É a diferença entre o maior e menor sinal medido no instrumento. Faixa Dinâmica 27

28 Resolução Fatores que determinam a resolução Resolução da Banda Passante Residual FM Seletividade da Banda - Passante Ruído na Banda Lateral 28

29 Residual FM Borra o Sinal 29

30 Ruído na Banda Lateral Ruído de Fase 30 O ruído na banda lateral pode impedir a visualização de sinais diferentes

31 Sensibilidade - Atenuador de Entrada Utilizado na entrada do instrumento para obtermos a melhor relação Sinal /Ruido. 31

32 Sensibilidade - DANL Sensibilidade DANL Nível Médio de Ruído Mostrado Diminuição do RBW = Diminuição do ruído 32

33 Sensibilidade Máxima Resolução de Banda - RBW o menor possível Menor Atenuação de Entrada de RF Suficiente Filtro de Vídeo (100 VBW < RBW) 33

34 Analisadores de Espectro FSP FSU FSQ FSEK FS300 FSH3 34

35 Medidores de Potência 35

36 Tipos de Medidas de Potência Sinal de Microondas modulado P(t) PEP P avg P e (t) P(t) P e (t) PEP P avg Potência instantanea Potência envolvente Pot. Envolv. de pico Potência Média PEP e potência envolvente somente pode ser medidos com peak power meters com o uso de diodos rápidos. 36

37 Fundamentos da Medida de Potência G P i P r P d Fonte Z o Linha Γ L Carga P i, P r,p d : Potência incidente, refletida e dissipada 37

38 Medidas de Potência: MPxAE Medidor de Potência Precisão Banda Larga, não seletivo Faixa Dinâmica Limitada (aprox 70 db) Analisador de Espectro Seletivo Bom p/ Medidas de Potência no canal Bom p/ Medidas de Potência no canal adjacente Faixa Dinâmica elevado (160 db range de medida) 38

39 Sensor de Potência Os dados armazenados no sensor inclui : Dados correção frequência/resposta Dados correção Temperatura/resposta Informação da linearidade do transdutor Número de série Dados de Calibração 39 Compensação do efeito da Temperatura: Com o sensor de temperatura,contido no sensor de potência, a compensação de temperatura é feita no ponto de medida e não com a temperatura do medidor de potência.

40 Tipos de Sensores de Potência Absorção São apropriados para medições de níveis mais baixos, existindo 2 tipos mais populares: 1. Térmico Utilizado para medição de potência na faixa de microondas partindo de nível DC até altas freqüências e para medida de potência média 2. Sensor a Diodo - Utilizado para medida de potência média, pico ou envolvente de sinais modulados. Possui maior range dinâmico que o térmico, e maior sensibilidade que o térmico. Direcional ou feed-through São apropriados para medidas em circuitos de maior potência, como transmissores de TV ou Estações Rádio-Base. 40

41 Sensores Térmicos NRV-Zxx Sensores Térmicos nível DC Tipo Frequência Potência NRV-Z51 DC to 18 GHz NRV-Z52 DC to 26.5 GHz NRV-Z53 DC to 18 GHz NRV-Z54 DC to 18 GHz NRV-Z55 DC to 40 GHz 1 µw(-30dbm) to 100 mw(20dbm) 1 µw(-30dbm) to 100 mw(20dbm) 100 µw(-10dbm) to 10 W(40dBm) 300 µw(-5dbm) to 30 W(45dBm) 1 µw(-30dbm) to 100 mw(20dbm) 41

42 Sensores a Diodo NRV-Zxx Sensores a Diodo Sensores de alta-sensibilidade Tipo Frequência Potência NRV-Z1 10 MHz to 18 GHz 200 pw(-67dbm) to 20 mw(13dbm) NRV-Z3 1 MHz to 2.5 GHz 100 pw(-70dbm) to 13 mw(11dbm) NRV-Z4 100 khz to 6 GHz 100 pw(-70dbm) to 20 mw(13dbm) NRV-Z6 50 MHz to 26.5 GHz 400 pw(-64dbm) to 20 mw(13dbm) NRV-Z15 50 MHz to 40 GHz 400 pw(-64dbm) to 20 mw(13dbm) 42

43 Medidor de Potência Direcional Potência Incidente ( P i ) G Source Potência Retorno ( P r ) Load POWER REFLECTION METER NRT r : coeficiente reflexão FWD PORT SENSOR POWER MENU SCALE AVG CONF ENV AUTO ΔREF dbm Δ W UTIL SENS CORR LOCAL SEL REM LLO REFLECTION SCALE SWR RFL AUTO ON/STBY RL : perda por retorno SWR : 43

44 Aplicação do Medidor Direcional Setup para medida de potência sob o alimentador da antena usando o power meter direcional Antena Sensor Alimentador Transmissor POWER REFLECTION METER NRT FWD PORT SENSOR POWER MENU SCALE AVG CONF ENV AUTO dbm ΔREF UTIL Δ W SENS CORR LOCAL SEL REM LLO REFLECTION SCALE SWR RFL AUTO Medidor de Potência ON/STBY 44 EG06.PPT

45 Medidores de Potência 45

46 Analisador de Rede 46

47 Porque utilizar um Analisador de Rede? Verificar as espeficações dos módulos constituinte dos complexos sistemas de RF. Assegurar que os sinais de comunicações estejam livre de distorção. Linear: amplitude constante/fase linear / constante atraso de grupo ( group delay) Não-linear: harmônicos, intermodulação, compressão, conversão AM-para-PM. Assegurar um bom acoplamento nos sistemas irradiantes (ex. Antena) 47

48 Diferenças: AR x AE Medida sinal conhecido Amplitude Freq Analisador de Rede: Medida sinal desconhecido Amp Freq Analisador de Espectro: 48 medidas componentes, dispositivos, circuitos, módulos contém fonte e receptor amostragem amplitude e fase * Análise vetorial e escalar correção de erro Medida da característica do sinal,amplitude nivel portadora, banda lateral, harmônico...) demodula e mede sinais complexo canal simple - receptor Pode ser utilizado como testador escalar de componentes (sem fase) com tracking gen. ou fonte externa.

49 Tipos de Analisadores de Rede ARV Vetorial Mostra Diagrama de Smith ARE Escalar Mostra Diagrama Retangular 49

50 Tipos de Dispositivos Testados Integração Alto Baixo Duplexers Diplexesx Filtros Acopladores Bridges Splitters, divisores Combinadores Isoladores Circuladores Atenuadores Adaptadores Opens, shorts, loads Linhas de retardo Cabos Linha de Transmissão Guia de Onda Ressonador Dielétricos R, L, C's Antenas Switches Multiplex Mixers samplers Multiplicador Diodes RFICs MMICs T/R módulod Transceptors Receptores Sintonizadores Conversores VCAs Amplificador VCOs VTFs Oscilador Modulador VCAtten s Transistors 50 Passivo Tipo de dispositivo Ativo

51 Parâmetros S S11 = direto coeficiente de reflexão (impedância de entrada) S22 = reverso coeficiente de reflexão (impedância de saída) S21 = direto coeficiente de transmissão (ganho ou perda) S12 = reverso coeficiente de transmissão (isolação) S 12 S 21 S 11 S 22 51

52 Analisadores de Rede 52

53 Geradores de Sinais 53

54 Tipos de Geradores Frequências de 0.1Hz up to 60GHz! Analógico Digital Radio Freq. Microondas Digital Vetorial Até 6GHz até 60GHz Sem Entradas IQ Com entradas IQ 54

55 Aplicações: Geradores de Sinais DUT Sinal requerido Sinal de interferência Analisador/ Med. Potência / Osciloscópio Testes de Recepção Testes de EMS Teste de Módulos Homologação Simulação Interferência 55 Sinal de interferência

56 FSHX - Multifunções Possui vários tipos de testes em apenas um instrumento portátil de 2.5kg: Analise Espectral, freq., nível e potência de canal; Geração de sinais de varredura para verificação de atenuação de filtros, resposta de freq. de dispositivos e localização de falhas em cabos; Medidas de potência direta e refletida através de sensores inteligentes; Analise de rede escalar e vetorial; Medida de intensidade de campo utilizando uma antena Isotrópica e software de coleta de dados. 56

57 Monitores de Serviço Aplicação: serviços de reparo, manutenção e desenvolvimento de Radiocomunicadores, Pagers e outros. Característica: Engloba vários equipamentos em apenas um instrumento, entre eles estão o analisador de espectro, gerador de sinais de RF e áudio, osciloscópio, power meter, gerador de varredura e sinais de VOR/ILS (Traf. Aéreo), amperímetro e voltimetro CC, etc; Testes: Transmissão, recepção e medições duplex, localização de falhas em cabos, etc; Limitação: Faixa de frequência 0,4 a 1000MHz 57

58 Testadores de Celular Aplicação: Fabricação, desenvolvimento e manutenção de Aparelhos Celulares. Característica: Simula todo tipo de troca de sinalização entre uma estação rádio base (ERB) e o aparelho celular de acordo com os parâmetros da tecnologia do aparelho em teste (GSM, CDMA, TDMA, W-CDMA,EDGE, etc) Utilizado por Fabricantes e Assistências Técnicas de Celulares. 58

59 Equipamentos para Teste de Compatibilidade Eletromagnética (): Habilidade de um equipamento funcionar satisfatoriamente em um ambiente eletromagnético sem gerar distúrbios indesejáveis a outros equipamentos neste mesmo ambiente Equipamentos utilizados: -Test Receivers (Receptores de Teste); -LISN (Linha Artificial); -Antenas ativas e passivas; -Pontas de Prova; -Softwares de coleta e emissão de relatórios; -Câmaras de Teste. Aplicação: Testes de Interferência eletromagnética (EMI) conduzida e radiada, e testes de imunidade/susceptibilidade eletromagnética (EMS); 59

60 Tipos de Interferência EMI radiada Receptor de Teste EMI radiada campo próximo EMI conduzida 60

61 Lab. Genérico de (EMI+EMS) 5,00 m 1,50 m Notch+ EMI Mon+ EMS AP2 3,00 m AP1 AP3 Importante: AP4 CP1 1,20 m EUT 1,00 m 3,00 m 5,00 m CP2 CP3 5,51 m Os campos gerados não devem interferir no meio ambiente Anechoic Chamber (AC) O meio ambiente não deve influenciar na medida 10,10 m 61

62 Sistemas de Análise de Cobertura Aplicação: Mede a cobertura de redes celulares indoor e outdoor. Característica: Possui rastreamento por GPS, faz analise de várias redes simultâneamente (ex. GSM e CDMA), coleta informações sobre os parâmetros de sinalização e cobertura com softwares e mapeamento para facilitar a análise. 62

63 63

64 Small Multi purpose Affordable Reliable Test equipment 64

65 Características Principais dos Smart Excelente relação custo benefício; Estrutura e operação similares; Performance comparável aos analisadores de espectro de médio porte; Compacto, robusto, com alça ajustável para apoio e transporte; Controle remoto via USB; Conexão direta para impressora via USB; Display TFT colorido com ótima resolução (320x240 pixels); Qualidade Rohde & Schwarz. 65

66 Analisador de Espectro FS300 Faixa de freqüência de 9 khz a 3 GHz com extensão até 4 GHz. A melhor pureza espectral e faixa dinâmica da classe Sensibilidade de 120 dbm Resolução de largura de banda de 200 Hz a 1 MHz Nível máximo de entrada de +33dBm 66

67 Gerador de Sinais SM300 Faixa de freqüência de 20 Hz a 3 GHz Único gerador nesta classe com Modulador I/Q para sinais modulados digitalmente com 40MHz de banda (FSK, PSK, QPSK, etc) com nível de 127dBm a + 13dBm. AM, FM, PM, Modulação de pulso Varredura de freqüência, varredura de nível. 67

68 AM300 - Gerador de Função/Banda Base I/Q e Forma de Onda Arbitrária Gerador de Função / Forma de Onda Arbitrária / Banda Base I/Q (50MHz) com dois canais independentes Taxa de amostra 100 Msa/s Grande escala de funções padrões Memória da forma de onda de 256 kpontos por canal Modulações: AM, FM, PM, FSK, PSK, QPSK e etc. 68

69 Finais 1 - Tendência das comunicações de voz e dados é Wireless, ou seja, por ondas de Radiofrequência; 2 - Grande procura por profissionais com conhecimento de RF; 3 - Para desenvolvimento e teste de novas tecnologias são necessários instrumentos de qualidade e de alta tecnologia; 69

70 Futuro das Comunicações Wireless 70

71 Obrigado por sua atenção!!!!! Eng. José Reis Depto Teste e Medição Tel: Fax: Celular Visite-nos: 71

72 Áreas de Atuação Teste e Medição Radiodifusão Sistemas de Radiocomunicações Rádio Móvel Profissional Segurança de Informação Radiomonitoragem e Radiolocalização Serviços 72

Modernas Técnicas de Medição de Sinais de RF X SIGE. Eng. Douglas Almeida Gerente de Contas Mercado de Defesa e Aeroespacial

Modernas Técnicas de Medição de Sinais de RF X SIGE. Eng. Douglas Almeida Gerente de Contas Mercado de Defesa e Aeroespacial Modernas Técnicas de Medição de Sinais de RF X SIGE Eng. Douglas Almeida Gerente de Contas Mercado de Defesa e Aeroespacial Agenda l Quem somos nós l Soluções para testes em RF l Aplicações de defesa l

Leia mais

9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz

9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz Analisador de Espectro FS300 9 khz a 3 GHz A nova família de produtos da Rohde & Schwarz Instrumento de teste Profissional para laboratório, serviços e produção O FS300 é um analisador de espectro de alta

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga Horária: 60H ( Teórica: 30H Lab.: 30H Exerc.: 00H ) Créditos: 03 Pré-requisitos:

Leia mais

Treinamento Técnico Wireless 2015

Treinamento Técnico Wireless 2015 Treinamento Técnico Wireless 2015 TERMINAL CELULAR FIXO TCF-100D 1 - Torre com pára-raios e bom aterramento (vide norma NBR-5419). Sistema SPDA - Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas 2 - Possibilita

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS ANEXO À RESOLUÇÃO N o 554, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE E DE ESTAÇÕES REPETIDORAS 1. Objetivo Esta Norma estabelece,

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Técnicas de Operação do Analisador de Espectro

Técnicas de Operação do Analisador de Espectro 8563A SPECTRUMANALYZER 9kHz-26.5GHz Técnicas de Operação do Analisador de Espectro 1 8563A SPECTRUMANALYZER 9kHz-26.5GHz Introdução O que é análise de espectro? 2 O que é a análise de espectro? Em sua

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Metrologia Elétrica e de Telecomunicações. Centro de Metrologia Mecânica e Elétrica

Metrologia Elétrica e de Telecomunicações. Centro de Metrologia Mecânica e Elétrica Metrologia Elétrica e de Telecomunicações Centro de Metrologia Mecânica e Elétrica Serviço Metrológico Integrado O Laboratório de Metrologia Elétrica do IPT oferece um serviço metrológico completo e integrado

Leia mais

Exame de Amador de Radiocomunicações

Exame de Amador de Radiocomunicações Exame de Amador de Radiocomunicações Categoria 1 1. O que acontece normalmente às ondas de rádio com frequências inferiores à frequência máxima utilizável (MUF) que são enviadas para a ionosfera? 1. São

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS bits CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS I bloco codificador 1 codificador mapeador oscilador de canal de símbolo B/2 Q bloco 2 bloco 3 3 CDA antena amplificador bloco 4 CDA: conversor digital para analógico A figura

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Campinas, 4 de outubro de 2011

Campinas, 4 de outubro de 2011 Anexo à Resolução Nº 506 Relatório de Ensaio Número: CertLab WIF 4454 11 01 Rev0 Equipamento Sob Ensaio (ESE) Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 4 de outubro de 2011. Este Relatório de ensaio só

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Tema: Rastreabilidade de medição. Walderson Vidal Adriano Bitencurte

Tema: Rastreabilidade de medição. Walderson Vidal Adriano Bitencurte Tema: Rastreabilidade de medição Walderson Vidal Adriano Bitencurte NBR ISO/IEC 17025 5.6 - Rastreabilidade da medição Todo equipamento utilizado em Ensaio e/ou Calibração, incluindo equipamento para medições

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Rádio Definido por Software - SDR

Rádio Definido por Software - SDR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Rádio Definido por Software - SDR Prof. Ramon

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008

ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 ANEXO À RESOLUÇÃO N o 492, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2008 NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES DIGITAIS PARA O SERVIÇO FIXO EM APLICAÇÕES PONTO- MULTIPONTO NAS FAIXAS DE FREQUÊNCIAS

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC

Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Proposta de Critérios e Procedimentos para Avaliação do Sistema de Rádio Digital AM IBOC Grupo de Radiodifusão Março de 2006 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Prefácio A Anatel

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 Pontos-chave: 2 Canais isolados; Três instrumentos num só: osciloscópio de 20 ou 40 MHz, multímetro TRMS / analisador

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios

96040A. Fonte de referência com baixo ruído de fase. Dados técnicos. Simplifique seu sistema de calibração de RF. Principais benefícios 96040A Fonte de referência com baixo ruído de fase Dados técnicos Simplifique seu sistema de calibração de RF A Fonte de referência de RF Fluke Calibration 96040A permite simplificar seu sistema de calibração

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 1135 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. O SUPERINTENDENTE DE RADIOFREQÜÊNCIA E FISCALIZAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições

Leia mais

Testando interferências com analisadores de espectros de mão. Nota de aplicação

Testando interferências com analisadores de espectros de mão. Nota de aplicação Testando interferências com analisadores de espectros de mão Nota de aplicação Conteúdo Introdução... 3 Sistemas wireless e interferências... 4 Duplexação de radiofrequências... 6 Half-duplex... 6 Full-duplex...

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Spectrum Day 2011. Interferência de RF: Localização, identificação e análise. Eng. Douglas Almeida Acting Sales Manager Divisão de Teste e Medição

Spectrum Day 2011. Interferência de RF: Localização, identificação e análise. Eng. Douglas Almeida Acting Sales Manager Divisão de Teste e Medição Spectrum Day 2011 Interferência de RF: Locaização, identificação e anáise Eng. Dougas Ameida Acting Saes Manager Divisão de Teste e Medição Nossa empresa Independente, autônoma Por mais de 75 anos a especiaista

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular

5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular 61 5 Metodologias de medidas dos níveis de radiação das ERBs de um sistema celular As medidas dos níveis de radiação serão feitas através de duas metodologias. Na metodologia de medidas 1, o principal

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Campinas, 18 de outubro de 2010

Campinas, 18 de outubro de 2010 Resolução Nº 56 Seção IX Relatório de Teste Número: CertLab-WIF-63--Rev Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Tecnologia Ltda. Campinas, 8 de outubro de Laboratório de ensaio acreditado pela CGCRE/INMETRO

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP

PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA. JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP PLATAFORMA DE TESTES - PROPOSTA JOSÉ EDUARDO MARTI CAPPIA Comitê Técnico AESP - O RÁDIO DIGITAL NÃO RESOLVE O PROBLEMA DA ONDA MÉDIA. - O AUMENTO DO RUÍDO ELÉTRICO URBANO MUNDIAL - - A PRESERVAÇÃO DO CONTEÚDO

Leia mais

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01

UFSM-CTISM. Teoria da Comunicação Aula-01 UFSM-CTISM Teoria da Comunicação Aula-01 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Objetivo Objetivos da disciplina: Ter conhecimento dos princípios básicos da telecomunicação; Conhecer os conceitos

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V APLICAÇÕES Este instrumento foi projetado para proporcionar uma análise rápida de sinais através de sua Unidade de Aquisição de Dados Rápida. Dotado

Leia mais

Comunicações e Rádios Digitais

Comunicações e Rádios Digitais UERJ - Circuitos de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Comunicações e Rádios Digitais Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Conteúdo Comunicação Digital x Transmissão Digital Os SDR (Software Defined Radios) Arquiteturas

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS

CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS CARACTERIZAÇÃO DE DETECTORES DE POTÊNCIA E APLICAÇÃO EM INSTRUMENTAÇÃO PARA MICRO-ONDAS Paulo Henrique Rinaldi 1 ; Eduardo Victor dos Santos Pouzada 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1

DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1 PD.33.10.53A.0008A/RT-01-AB 1 / 12 DISTÂNCIA MÍNIMA ENTRE ESTAÇÕES DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA OPERANDO NOS CANAIS 198, 199 E 200 PRODUTO 1 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL OS n o 10352 Contrato

Leia mais

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução

5 Setup de Medidas. 5.1. Introdução 5 Setup de Medidas 5.1. Introdução Para realização desse trabalho foi montada uma configuração de setup de medidas em UHF, mais precisamente no canal 42, freqüência central de 641 MHz em acordo com o Plano

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Campinas, 24 de maio de 2010

Campinas, 24 de maio de 2010 Estação Terminal de Acesso ETSI TS 151 010-1 V6.5.0 (2005-11) Relatório de Teste Número: CertLab-E18-0899-10-01-Rev1 Equipamento sob Ensaio Modelo: Nome: Solicitante Wireless Solutions Limited. Endereço:

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014

RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 Sabará, 11 de setembro de 2014 RETIFICAÇÃO DO PREGÃO PRESENCIAL Nº 053/2014 A Prefeitura Municipal de Sabará, por meio da Secretaria Municipal de Administração, resolve, por questões administrativas, retificar

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 -

Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 - Soluções e Inovações R&S para a cadeia metrológica da FAB - 02.07.2015 - Agenda ı Estrutura de vendas, engenharia e suporte no Brasil ı Estrutura disponível na Alemanha ı Novidades em produtos e soluções

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

CELESTICA do BRASIL Ltda. II Seminário de Resultados da Lei de Informática. Porto Alegre - RS

CELESTICA do BRASIL Ltda. II Seminário de Resultados da Lei de Informática. Porto Alegre - RS CELESTICA do BRASIL Ltda. II Seminário de Resultados da Lei de Informática Porto Alegre - RS 550 Funcionários ISO9001, ISO14001, TL9000 Grande experiência em produtos de Jaguariúna, Brasil telecomunicações.

Leia mais

Soluções de Bloqueio RF Avançadas. Apresentado por Steffen Wicker Versão português Michael D.Schrödel

Soluções de Bloqueio RF Avançadas. Apresentado por Steffen Wicker Versão português Michael D.Schrödel Soluções de Bloqueio RF Avançadas Apresentado por Steffen Wicker Versão português Michael D.Schrödel Perspectiva da Empresa Quase 30 anos de experiência Background Fundada em 1982 e localizada em Reinfeld,

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações Translação de Frequências A utilização eficaz de um canal de transmissão pode requerer por vezes a utilização de uma banda de frequências diferente da frequência original

Leia mais

Análise do Enlace de Comunicação

Análise do Enlace de Comunicação Análise do Enlace de Comunicação Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO

TECNOLOGIA DE DIGITALIZAÇÃO DO SISTEMA RADIOFÔNICO BRASILEIRO Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília DF, 17 de setembro de 2013 Rádio: O serviço de radiodifusão sonora em ondas médias é realizado entre 525 khz

Leia mais

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência 1 TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Introdução: Em controlo não destrutivo por ultra-sons

Leia mais

Agilent N9342C, N9343C, N9344C

Agilent N9342C, N9343C, N9344C Agilent N9342C, N9343C, N9344C Analisadores de espectros de mão (HSAs) Testes de campo cada vez mais fáceis Conteúdo Os testes de campo agora ficaram mais fáceis... 3 Tenha os recursos de que você precisa

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples.

Aparelho Celular. Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. Aparelho Celular Estudo elaborado com intuito de facilitar a compreensão do funcionamento de um aparelho celular através de uma linguagem simples. O Diagrama em bloco do aparelho celular apresentado é

Leia mais