OI IIIMIOS TELEFONE: geadlnho um destacam ento da Fôrça Publica constituído de 8 soldados e um sargento, do DOPS. 6r*s 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OI IIIMIOS TELEFONE: 2.3.1. geadlnho um destacam ento da Fôrça Publica constituído de 8 soldados e um sargento, do DOPS. 6r*s 9"

Transcrição

1 Dlario Sorocabana X \ : l X I N o I V., I M n i o r R r a p o n s A v r l : sx L V X IM M l n ; i l \, V N I H S» An Uinl* C. Mart. t«telefone: OI IIIMIOS?? r >>o» oof x oog x *oo x ooo k çoç x goo x (X H Recado Diário i7 } 1'iirii oiuh* vrti u ihnlwiro do i-onfisxo m inlinl? Por qu<- ('!< mio irtorna ú lavoura «*m forma de In nrfíi-lo purit os Irub&lhado. r o? O flovivno ftsk-ral ( o grande rrsjton- aável pola mfisórh» que n ina em nossos <Nim K*s aqríoolas. e a A greve dos trabalhador»* agrícola * que eclo- I.At na K azvnda L u g c u d in h ". no dia l.o do cor uh «< a p re o cu p a n d o se riu m e n le os circulo* iiolil <'is i i-c oiióm icos «Io E stado. s,-ndo uqunla l*ro M- i-dadi- agricolu unm da< m ais b-un ovganitaid a i ui* o ftrvce ao< seus e m p re g ad o s assis-."m ra ra m e n te e n co n lrad n eni o u tra s fazendas I H' i _r- \, p e rtu rb o u a su a trad icio n al tre n ^uil.il id v eio c o lo c ar de sobreh \i*o não só n.* classe?' oi-i rv a d o ra s. bem <'omo os ó rg ão s res ponsaxf ' p Ia m a n u te n ç ã o da o r d e m s o c ia l. V I X/l MJE1ROS EXAMINAM Ontem p tli m u há. A*. c rçó o Rural c*e X avantes re a to u -s e um.i reum&o com preseuc.! de numerosos t». wndelros e o f é da reglft^'. a tim de examm r a sltuaçàc xriada com a grex-e de tra b a. lh<.'.r< da F />nda L ag ei. ciinho O D r M ário C inlra Leiif. pedido do presidente ra eouü A fez um a exposí. ob e - m cx.m cnto gre. vista e exibiu váries com pro.. ntes dc que em fazenda os salários sáo os melhore* da legláo. além das utilidades cue distribui a t dos os trah. ltx dores. e rn v residência 11 m água. hi?. e esgôto, leite, fl:soténci.= médico, odonton. 1 ógica am bulatório e rem e. -n-: a preços de custo. (Hcldlram pasm r telegram as íoa z -mire do E f.fd ) e da f-cp- buca. solicitando provi, dentías p r» ev itar que as prpal'içó<s r u n ts continuem ixp stas à açáo d r agitadores que f sinzlam le u t ndo levar scm m te : > Tevohráo ao* <empoe agrícola». T ID O EM PAZ das dc café. é contratadc n o. xam ente Os lrm áos C intra Leite, apesar de estarem no firm e propósito de defender c principio de disciplina, quebrado n" period.'1 da greve, í áo desejam com eter nenhum r. to de ínjubtíçv AGITADORES SERAO EXPULSOS E nquanto os que reixrlndici-m apenss melh ria de vida são readm lu drs. os agiu - c.rrrs est&o afa.-tados deflnitiv m ente ó i Fazentri Os empregadores aguardam ape. nas o rerult d 1 do inquérito policial, p^ra erquerer pos»e tias casa» pertencentes à Pa zenda e que estáo sendo ha. frram demetid s FURAM B E t EBER A pari r tie ecxta-feirv à* 18 horaa. a adm inistração da Fazenda L"geadlnho come. enu a rcallr r c pagam ento 1 dos os tfabalh?dores, roes. mo os que participaram da greve, c o m p ire c e^ m para re. ccber, c- m exceção dos lfderes do m ovlment. alçuus por se encontrarem em São Paulo E shxltt-l>ira ivlu inunliã, us tlinyenti ' <la Fi:di*ração das Industrias e da Sin iiiladi1 Rural Brasileira conferendaram eom. o governador do Fsba<lo sobre os efeilos <lu movimento grevisia que se registrou na fazenda ourinhérise e sua? repercussões nas demais regiões agrícolas do pais Segundo chegou ao conhecimento do nos-a reportagem, o sr. Ademar de Barros ficou impressionado com o relatório que lhe fez o presidente da Sociedade Rurol Brasileira, principalmente nu parti- referente ao livitamenlo que a Fazenda l.ageatlinho oferece aos <nis empregados cutem f í feriado na Fazen da, para que cs trabalhadores pudessem vir à cidade fazer compras. CONCILIAÇÃO Nova tentàtlva de concilioção será feita rm São P aulr r a próxim a terça.feiro n a D ilegada Reglonnl do T rabjlhe O novo Delegido do; Trabalho, sr Roberto G usmão, m arc u audiência para àr 14 horas daquele dl^. na oual deverão com parecer is em pregados e os em pregadores NAü TRABALHA Segunci. reportagem foi lnf rm adj. o *r. Roque Pe. tiroso. que fez declarações a mn Jornal <le São Pauto, afirm ando que a grpve tei 4 e. ri#t,rad«pevé.. c. :.V.Íha t-orrs d a Lagc-idlnho e«u. vnm p.tfsando fam a", n io tra. b lh i naquele F0zend;i e nem im outra qualquer preprieda. dc a g ric l* da rcglio POLICIAMENTO Perm nece n a F zenda L a. geadlnho um destacam ento da Fôrça Publica constituído de 8 soldados e um sargento, além de dota do DOPS 6r*s 9 investigadores IM IEC ISA -Si; UM COM PK/XT1CA LI M IO S F IS C A IS 1) KM A IS SK íi V K /JS li F. E 8C R IT Ó K IO D A -SE l l í F I i;h I> \C IA A o u i*:m P O S S U E C11VSO SKCI N D A llio A P R E S I N T A R -SH NA SANBU A FA- BIU CA Ó LEO S. Receitas de Oculos Tràtamcnto e O perações Dr. José Fuad Pedro & Tratamento Rvceitas B l A u l;e JU L H O, 185 Lm fn-n1? á Ford de Oft-TIH OUVIDOS NARIZ GARGANTA Na F z< nda Lageadinhr conforme bseivou i noaea r#portagem está tudo em pez Das 130 fam illas que deix ar m trabalho no dia 1 o c é r a de 90 j i reto rn ar- m às atividades Ob pr prletárlos d* P a. zenda fizer im an o ta r uas ca d e rn e fs doa grevistas que pertli ilo dia l o por f a ln grave E a siiu 'cão de cada um delea está sendo exam l. n d i pelrs Irmãos M ário e Otávio C intra Leite Quando é comprovado que o trab. f t ido.to trablho no período di- greve, n io e.-tá ligada o Rif vimrnto subversiv) que vl- -, levantar em greve os tra_ ' Apenas 60 homens tripularão o maior petroleiro do mundo TOQUIO Apenas 60 h o. n e n s sã-) necessários para tu p u la r o m aior petroleira do n.undo. o -NLssho M aru". que deri- c.i tonelad i O en< rm e barco tem 201 me tro» de com prim ento e 43 de largura < u r t f i n à tle C r e d i t o X çjrí< o la «I n d u s t r i a l 4 p - n c ia «I:- O u r i n t i o s ( S P ) A \ IS O ' mrto a a s e e g u ra r aos p ro d tito re s i u ra is a re im in e r g r ã o co u ip e n su d o ra p a ra o seu trab a lh o e m' m Oi 1680, i-mi ncentivar o aumento da produção d<nu forma du Lei. - n -ros alimentícios nu região. t.5riti dc to-l^^m c Decreto u.o 1.356, <h comunica a quem interessar que está iiiutiiriando ou adquirindo o feijão du safra Ln- e d a s á g u a s ), já colhidos ou colhev bem **nio a rro z amendoim e milho da satru 1-1 BMlíj em <..rso devendo os agricultores sr divk reinncarleire de Crédito Agrícola- Industrial. 1.0 nino dc lv<.s 16 horas, exceto aos -abado?, endi- i i.locamo-nos au inteiro dispor pura u* ne- sséfios esclarecimentos á respeito. BANCO DO BRASIL S. A. Ourinlios SP D uite Xmérico R<*fSÍ Tu-é Xppai-fN ido Xrnnlu (lerente Int.o - Subgerente Int.o Contém, por baixo d ) con. vés, 40 rescrvatórics capaze? de -m azenar quilol. tros de oleo cru. des quals porlem ser cxfraldos , quilolitrcs ( 2 4 'í) de gosoli. na. suficientes para abaste, te r 500 veículos num a via. gtin equix-alentc ao pei curso <le ida c volta à Lua ciullolilros (9%) de queroee. ce, suficientes para slnhar as refeições de um dia de todo a população do mundo em fogóes que us ssem ir e combu tivel qulloiv.r s. 16 i de pá de petroleo. suficientes para fazer um ca m lnháo dâi v ita a Ten-a 800 vezes, 734)50 qullolltrns <51' t ) de 'le o combustível, uficientes p ra gerar eletrl. vida* capaz de acender to. Uí.s :s lam padas no J lp ã) tivr ntr» 10 dds c nsccutlvos n -N l-th o M oru" e abam ente autom atizado. dia. pvndo da» mais m dernas instala<6ea c equipam entos Na casa do leme, situada n pnnte dc comando, hâ dua# telas de rad r e uma roda dr leme O eprrador de ra d ar p<de distinguir com ra pidez :<té a esteira delx-tia por outro barco navegando a 411 qullom ttr s de distancia Fquip-imento de piloto auto ma tico, Instalado na ponte ilt (.'.mando, peim ltv que a # mbui c içfto navegue n» ro. l 3 traçnd.i. sem necenldade da presenç do navegador O barco, construído paru um a empresa petrollfer» ja. p nesa pelo m aior estaleiro rt<» J^páo. deverá fazer anu. «ilmente V viagens de Ida «solta entre e*te pais e o gol. fo P enico Cuidado com os especialistas Tam bém em matéria de oficinas, nem tudo quo reluz é ouro: nem tôdae as oficinas m ecânicas que se dizem especializadas em Volkswagen o sâo realmente. Na verdade, sòm ente em um Revendedor ou Oficina Autorizada V W você conseguirá: 1) a execução, gratuita, mediante apresentaçào do Livrete de Serviços Técnicos, das trôs revisões (aos 5 0 0, o km); 2 ) pleno gôzo da garantia de km ou 6 m eses; 3 ) emprégo de peças realmente originais: a cada uma dessas peças é concedida nova garantia de km ou 6 m e s es; 4 ) serviços eficien tes, a cargo d e técn ico s treinados em curco de esp ecia liza ç ã o na própria Fábrica: 5 ) e x ecu çã o adequada do plano de m anutenção previsto pelo Livrvie V E N D A S e Pneus e cam arns de ar Rua Dr. Arlindo Luz, s/n. Telefone, de Serviçoa Técnlcõd, mesmo depois de vencida a garantia. Qualquer serviço executado em oficinas não autorizadas implica na perda automática dêsses privilégios. Para verificar se uma oficina ô realmente autorizada, não se contento com símbolos e dizeres pintados em tábuas e paredes. Identifique o R ev en d e dor ou O ficina Autorizada V W por èste luminoso, igual ao nosso: 8 Oficina mecsnica especializada Caixe Postal, OURINHOS

2 P ágina 2 1)1 A R I 0 l)a S D K O CA DANA O urliihw, D om ingo, 10 dc F cveri ir«rir!!)(;:«aniversariantes VAZEM ANOS HOJE F.M OURINHOb D iva Vetrone Alzira Bozan Baccill C esar Fortunat.) P. Melo M aria Apnreclda de Souza Nelscn José M irlaso Wilma Assumpção M ilton G arcia Siqueira Mauro Gflbrlotl FARAO ANOS AMANHA Dorival Am aro M oreira A ntônio Bonifácio M aria Ignes A r ntes Rào< Nelson D antorlo Faria A na Sanches O urlbe I.ucilla Eduardo Pereira Franclsca Ribeiro EM PAI.MITAL José Adilson Vnlérlo EM SALTO GRANDE Joâo A ntônio dos Anjos EM PERAJU José M aria Arbex Em S an ta Cruz do Rio Pardo M :ria de L. A ndrade LM B. DE CAMPOS Anselmo Verdelonl Filho DIA 12 M argarety C ristina D al Poz Alice Teixeira CASAMENTOS m M aria Aparecida Cury Dlrce B nato M ario Augusto P ossirelll Carlos Toloto Edgard Alfredo Perelrn W. Idllclde Terezlrüia G eneslo M artins P iado W aldlte Nnrta de Je*us I M PALM ITAl. W aldlnel M oraes Jarb as Le nl LM PIRAJ1J Roberto A. B arhun I M SAI.TO GRANDE R oslnha Jaru ssl EM M AND U RI Sidney M edeiros DIA 13 E telvlm Borges Vieira A na M aria Nobre M iyuki Iovasahl M ria D lv c M endes Irin eu Crespo Francisco T erra Adem ir M lnuccl Miguel A rcanjo de Souza Elza Lucla Lopes Carm em Santos EM PALMITAL Ivo N ascim ento EM B. DE C.AMPOS O tllla M arla M ortcan HUMBERTO E DULCE LM PIRA JU M aria das D rrcs Célia M aria C. C arneiro Hum berto e Dulce lormavam novo lar ourinhense, confraindo núpcias em cerim onia realizada na quinla-feira ultim a. Hum berto é Cilho do sr. Narcizo Ferrazolj e da sua esposa. «I. Helena Calegari Ferrazoli e Dulce, do casal Olimpio-Eudoxia Borges. MARILENA E 0URIVAL Em cerimônia que se realizará liuje. ás 18 horas, na Matriz do Senhor Bom.1 us, casarse-ão os joxens Marilena u Onrival. Marilena descende dc velha família ourinhensi-, É filha do casal Rolando -Helena Braz Vendram ini e iurival, do sr. Ivalino Jacques Bicca e tle sua esposa d. Maria Dolores V. Bicca, residentes em São Paulo. INFORMA O PROGRAMA DA SIALWA in r e M n u r l hoje, EM M atinal às 10,30 EU SOU O PIRATA - Dolorido, com Macario Em vesperal, ás 13 lis. e á noite cm duas Sessões, ás 17,30 e ás 21,30 horas: AL A MO Colorido cm CincmaScopc. <um John Wayne, Riehard Wj(Jmark e Linda Grisfol IA noite, em srcsão unica, As 10,30 horas: 2.a e 3.a FEIRA Apresentará em vesperal, ás 14,lã horas: ALAMO Colorido, cm CieemaScíipf- com John W ayne, Riehard Wldmaek e Linda Cristal QUARTA-FEIRA Vesperal, 4s 11,1 A horas, p á noite na prim eira sessão, ás 19,30 horas: SOB í) SOL l)a AFRIOA - Golo.*-;»1 fílriiecom John Mills i* Sylvia Sym*;. Na Segunda Sessão As horas 1'ilm e japonês, com legendas em portuguè.-. <H IM \ e SEXTA FEIRA \esperai, ás 14,15 horas c á nofte em duas sessões,, ás 19,30 e 21,30 horas AMôIt PARA TRÊS -Colorido, em CinemaScope com Suzana Freire e Fabio Cardoso * * _ Prrçes Sortiraento e Qualidade A o que oferece C A.S A PAULISTANA O enderêço é: Rua 9 de Julho n o 247 O U R I N H O S ter Para a Leitora PENSAMENTOS A porsiu ó u procura do ser através riu suas manifestações penetradas do sentido do belo. L it beleza é irracional; não se define, sente-se. (Alphonsus tle Guim arães Filho) * * A vida não é nunca t&o breve que ono haja tempo bastante parn n cortesia. íkm mprsmc * * A polidez faz com que o homem pareça, por fora, aquilo que devia ser por denlro também. La B ruverr DF.CORAÇAO A p in tu ra das paredes in flui m uito no aspecto geral d a decoração de qualquer co. modo. E preciso tedo o cuida» do n a escolhn dos tipos de cores antes de sc fazer esquem a d a decoração p a ra que tudo d t certo. Em c&so de duvida ou de p in tu ra provisória, n ada m elhor do que escolher te n s bem brancos, que com binem com os móveis que Já se possua AzuLagua. crem e.clajo, verde gelo. branc '-m orflm são tonalidades excelentes pare casos desse tipo. ENSINAMENTO P a ra desem perrar um zi. per, esfregue vela p o r b aixo do trilh o até que ele ccm ece a funcionar novam ente. Se h ão for suficiente p a sse.a em toda a volta do carrinh ",.de modo que en tre realm ente um pouco no mesm o carrinho. Quando, entretanto. o ziper encrenca n a base, o m elhor que se terti a fazer é tira r o carrin h o de um dos trilhos, elim inar os dentes que estão atra p a lh an d o e p ren d er fortem ente com um a costura forte, íe ita à mão, com varias voltas de linha, p ara que a extrem idade fique fechada. BELEZA As norm as basicas que devem ser observadas n a pintu ra do rosto são as seguintes: discrição, n a tu ralid ad e e frescor. Depois de espalhado 0 crem e-base, aviva-se o frescor d a epidem ia com um a ligeirissima cam ada de ruge 1m pasta. Quem tem rosto n d :n d o, deve cip alliar o ru ge bem alto, estendendo.o r»té as orelhas. Aquelas que p ssuem rosto lorgo e curto, devem colocar o ruge seguindo um a lin h a obliqua, subindo p a ra as têm poras. E as que possuem rosto afila do devem estender o ruge livrem ente sebre as faces, in sistindo n a s m açãs do rosto eté as orelhas. BOM -TOM RECEITA Arroz cor de rosa Fazer o arroz da m aneira habitual, refogando o c' m todera os temperos. Ao acrescentar» ugua, uh ar - cm lugar de r.gua p u ra - nqueln cm que lol cozida um n ou duas br urrabrut As beterrabas d c. vom ser desdhsc.irins p a ra que agua rcsu ltan ti p saa ser u sad a para o arroz. BOM TOM F?z parte nfio só d 's de veies de um a secretaria dc p rl. m elra classe, como tam bém ons norm as dc boas m in e i- us, a n o ta r e tra n sm itir tode*. ' rs recados que lhe sejam da. nos. A sccrctorla eficiente em bora tendo a m elhor m em o. rla, deve an o ta r tud^ p a ra posterior comunlcaçfto ao che fc, pois um a falh a em bora involuntária pode a carreta r prejuízos. PENSAMENTOS M ultas vezes as alegrias são o princípio de nossa dor iqvidloi Q uem não g s ta r de vinho, m ulher e canto será um louco por toda vida. <J VOBS) Ao fazer convites para um a r e u n ã o ou coquetel, deve-se levar em consideração, em primeiro lugar, o tam anho do local, e calcular quantas pessoas poderão movimentar-se ali. Gente demais depôe contra os anfitriões e é um a forma segura de afastar amigos que, em próxima vef! provavelm ente não com parecerão, por saber que terão de abandonar o local m inutos depois. CRIANÇA Puericultura é o estudo de tudo que se relaciona com a criança, desde a gestação até o procriação, visando estabelecer norm as para a perfeição fisiológica e o desenvolvimento lmrmonico do ser humano. Ela é pré-concepcional, pré-natal e pós-natal. Medidas de eugenia. BELEZA Â tonalidade dá pele- pode ser tirerada, ligeiram ente, passando-se um creme base ligeira, m ente mais escuro ou m ais claro e. o >eguir, o pó de arroz ou pó compacto. Entretanto, o cuidado num ero 1 reside no espalhar creme e pó tam bém no pescoço; para o caso de grandes decoles, tam bém no colo, costas c braços. A diferença entre a tonalidade natural e a artificial pode ser m uito pequena, m as sem pre notada se não se iguala roslo, pescoço e nuca. Senhores Criadores Ganhem dinheiro criando porcos com P t M, lfwww e venda-os ao PEDIDUS h 1NFORMAÇÕE6 : LM JAv AI. Í.ZINHO: r z r r r m r r s n j * 11UA GEL. BATISTA, 312 Caixa postal For.: <o0 CF.PRFSKNTANTES lr; DEPOSITÁRIOS n c ES TA tio DE SAO PAULO emente Jorge Roncar! * Irm ãos Av. Floriano Peixoto, 821 m m T.A T ii João Bcrloloticlnl Rua Rio Grrmile do Sul, 62 AVARÉ Wallvr Rosa Gonçalves Rua Fucliiles da Cunlm, 562 SANTA CRUZ DO RIO PARDO Paulo Cosia Gnlvão Rua Vereador Lopes, 445 PALMITAL BA IJR U S. P A U L O SP. H, a r! M l(v( I)... I 1 1 li... l Ofl tente, com seu destino", dissi- * prol- <,r Kluiri, num congresso de médicos abonão (i motivo um exagerado aneeio confiante de n ulizaçõj para o corpo e a alma. A época em que vivei^ a lula pela \ ida. r-gulam -n, inl uameirti ()S médicos e julgam im apuz-' pura frentar o problemu con-titiiíiiu por obsa so i carga rofissão. <a-a e família. Não <*xi i)i*!(j enlpo a vida pes-oal e u profisaio L a unica ajuda para ludo is - -são <umpi midos e as injeçõe. al.é que chegue o de-frile, menlo. Assim corno há cem ano- o trabalho meninos era umn desonra para no: estnit social, hoje a -un > com a atividade da* mãi ilis.se o professor Kirchofl um do iriai- -lis cados médico- njemfi1*. 11 filho* de -as sen ras, são mn sua m aior parle neiiróluem c sequência da falta de uma vida ern família. As rriãe- -<d"rem Iranslorno* enorme- vni satlde. Enferm idades do coração e, du circule atingem a uma dc cada duas m ulheres que bftlham. Mas tais doenças i-onheeidas. nfu- são] piore*. Quase a metade dos transtornos coia rais provém de males psíquico?-. Apatia e his vi-mo estão se propagando como venladfl epidemia. A eterna ansiedadq. a. iriquei açã.i, fajb ' m que as m ulheres dex orem comprimidos. Co tudo, o uso contínuo <b -- - remédios chegai ser u m a mania perigosa. Nunca foram s turbios m entais, por abuso de medicamentos,! enorm es como agora. Oito em cada luz pesso tratadas na clínica universitária de psiquiatria i Basilén. eram mulhere*. Naturalm ente, não e sóm enle o desejo possuir um automóvel, um televisor un de fa, um a viagem, que leva as m ulheres a trabalhar: mas., m uitas vêzes, a simples nec- sidade cuidarem de um a família num erosa. L o Ir lho não desejado torna grande parle das mui res, verdadeiram ente, insuportáveis, i.itor ati de inutoeros lares desfeitos. L' u m círculo diab lico em que sq sentem prisioneiras muilas nhoras. Temos de ajudá-las por todus os inei Todos êsses fatos são verdadeiros sinais de ali me, porque dizem respeito á saude e felicidade família, fundam enlo da dem ocracia cristã. Dr. Flavio Barbi Ortopedia, traumatologia Fraturas e luxações Doenças dos ossos e articulações - Paralisia infantil ATENDE DIARIAMENTE \ A SANTA CASA - üo: :------:jo:- Clínica - : 0 0 : : :00: - : 0 0 > S an fci Luzia ESPECIALMENTE INSTALADA PARA EXAMES Tratamento e Operuçõ-.- das Molás i s dos OLHOS, OUVIDOS, NARIZ, GARGANTA E BOCA In talaiçâo complet. c, efetricidodc médica, ap i?nfcos para internamento dr s operados. MEDICO ESPECIALISTA: DR. DIOGENES G. RIBEíRil Av. Altino Arames, 203 FVone, 53 OURINHOS E*t. <le S#o P aulo :00:-----:00: :oo : 0i». - 00'- OííEina Mecanica Paulista Kadamés de Santis ljxecuta-se qualquer serviço du lorno e solda em geral. Fabricamos qualquer tipo de petas. R. Expedicionário, n.os Ouriiihos Dr. Ocíavio Pinheira Machado atende, atualm ente, aos casos d? fraturas, ocidentes, doenças dos ossos e arliculuçõe?. reumatismo, defeitos das crianças u paralisias, em sua Clínica em São Paulo, nu Hospital Anchieta Rua Pedru de Tol*d<» TH <- " 1 7-7í>11 Para cham ados ile urgência, i U J reidêneia. pele i# SAO V.AULO

3 O urinhos, D om ingo, 10 d r F e v e reiro d r liffi.1 IM AHIO l)a NOIIOC ABANA PAgfn* S W/MM# p&fr/co >r<undo ulim-rvadores político» 'igados ao x guvrvnadur. a polêmica provocada pelo sr. \ lemai I' Banais v isando desacrediiar n <iiun- ã" P iiaíu ra do K»fado, deixada ))vlo prot. larva llio Pinto, I i*iii objetivos poli tiro». Srgun Io as nirsinas fonli». o prol. Carvalho P nio é for. <oncom nte do sr Ademar de Barro», no n- l" Ir 19(i5. FIai a origem da tlis«ti»»ãu. sisiindo ao descrédito do ex-governador.,l,i os a* -sore» do sr Xdemar d.- Barro» arruinam que a administração do prof. Carvalho Pin o não foi aquilo que tanto su apregoou, mas *I!» 11,, n u m e r o s o s e sucessivos rlef» ito» qmleverão ser corrigidos jtelo chefe pes.~i pisla. Ipauçu inicia campanha pela industrialização H município de Ipuic çn iniciou rcei ntemente campanha pela indus trialização \ Camara aprovou lei autorizando o executivo a entrar em entendimentos com a Federação das Indus Irias de São Paulo e ofe recer todas as facilda- des as industrias novas que queiram se estahe- leoer naquele (_)s ipuuvuense.s município. oferecem as seguintes \a n. tagens as novas industrias areu nu zona urbana de 24 mil metros quadrados «faci Idades para construção e isenção do impo Io dc indus Iria e profissão durante ii anos, além de axleucão de água encimada. ré de luz fôrçn, r r fi nr A produçix'' paranaense de milho é estim ada em de saoas, para a safra de 1903 Se confirm ado o calcu lc objeto de estudo d s técnicos da Secretarla de Agricultura h iverá cxce dente de 10 milhões, mesmo c nslderando.se a capacidade de absorçá > do mercado paulista. A COPAS A i sociedade de economia m ista encarregada da construçf o de arm azéns e sllrs) estuda, com aqucd Secretaria. a construção de uma rede arm azenadon Mesmo ru e os planos sejam concretizados, n&o haverá cp rtu. nldade de estocar nem 2 0r. do ejtcedente da safra de m i lho. calculado em dez milhões Lavradores da região de M írlngá. reunld s para de. F E V E R E I R O 28 DIAS DF Ql LIMA l)e KHTAlllOS W S CAIAI BURI lipsron^f de e 40% A LOJA mais barateira da cdade C A S A S B U R I Kua Paraná. 273 \ ncé é V(K*è de \uvn! Paru oléep i - - it s \ a n lagens a in lustria terá b ite r o problema, apresentaram sugestões no sentido de ouc o govêrno f clllte a Implantação de Industrias para proveu am ent da produção na proprla zona produtora «consldcr id a Impraticável. n'> moment. Já que existe longo prazo de execução). ex port çfto d v excedentes para p laes rui.am ericanos que estiveram IntcrcaMid' * no produto; financiam ento a s atacadista*. Os produtores entendem que o Banco do Brarll deve financiar cs a ta cadistas. os qu Is teriam pos ílbllid des de arm azenar o produto p ara sei ccm ercla. Uz do na entre- -afra. conge. la n u n t da colheita, nas próprias roças de m tlh. i>ara <vltar o Imp cto da rc llz a. cão de toda a safra, num a só épooa E^se congelamento po_ OUltINHOS Dlit Il4 i(i"< de abomir uni delicioso L ALÉ Oi Kl BOM * Vi REZA SEM IGUAL * SABOR UNIFORME * AROMA AGRADÁVEL * TOKBLLAGAO ELETRÔNICA KOK IGUAL - s-assceltztyapaw. i * O primeiro a chegar, todos as dias, a todos us lugarvs. Rua Duque de Caxias. t2f> OURINHOS Fone 13(> q u e i n s t a l a r. - r r o m < a pi ta l d e r r < Is) m i l h õ 1' oe ser feito r,»m proteção ah. i.oluta da safra m antcndo.se cc pés de milho quebrados ao melo. na area d.i cultura O sistem a evita < deter1orlza. ç&o das espigas E sta í 1 a melhor form t considera da p*ra resolver a sltuaçà > de cmergencla Campanha para maio. consumo de batatas RIO O M nisiérlo da A gricultura Inform - que dará início a um 3 cam panha vl!.n io ao m aior consumo da b atata pela p pulaçáo brasl. leir Neste sentido, o referido M inistério d- trihu.u ontem a im pem sa a seguinte nota O m aior consum de ba. titt- em face da s fra que ora sc inicia em São Paulo e Min s G era i' contlnu a preo cupar o M ini-u *i da Agri, cultura, no seu esforço de am parar o produtor, garantindo lhe n i só preço Justo como 3 p ro n t absorção do icsultado d seu tra b lho P or dctcj-minaçâo o mii. tro d i Agricultura, sr. José Erm lrlo de Morais, reuni. r m.se n serviço de Informação agrírov. com eu diretor o.- engc nlv Iros-agro. - m s Jc fí :i F irth R tn. rrl. da Del Senltari.i V*. get I. Josué Augusto Desi,n. oc c.o E scritono Técnico de ' U ru ltu r'. Nprzlr MTr.. Química. Alberto Allevr»*. c i'e to r do D enau air.rnto de i utro - > do SAPS, e Nlze C r r r i. Ru i o Di p arlam ento de pronag nda d 3 re. ferida ao 1 rquía. Os técnln em que tão chegar m á c. u i<> de que deve ser lm rlada c mpunha prottr cion- -1 p ara cstimul r o p- r c nsumo de batata. garantindo s im a regularidade do meredo e o m 1 réssê de produçá Concluir-m. tam bém, que pros-idenci' devem ser t m adjs p ara a efi. ciénte distrlbuic'c do tmodu. to. náo só utilizando <s ser. viços de ubstancia oficiais e m a réde particular de su_ ixrm ercados" l l i i j n / < ) í f ç «d CL- j f u i a l I J A C I N T O M T O K lta O prejuízo r» ir" 'lo a fau. in quátlca do Klo Paraná, panrtna. Já lã o m á i pinem»! «rn virtude do frttlo 6o leito, n r rru rom ' * sereionam entos do raudnl n u construçóee da* afam ada» mrtn.. da UseL. P» < roo %r esta* rondlçóe* náo li > ta sero. vem se verlflcan. do no loral denominado S a i. to do P ilm ital. no município de lpau«;u. de rert'< tempo a («ta parte, absurda, m ia ml to. n e atrevida pesrarla a tra. é» 6n vara. da rede. do p i- ri de aram - e de nylon", da lambada. Os processos pese-i rejos aludidos, num b ra l vulnerável, onde o P arm a p a n r m a num ponto é c rtado por bar. r cem. noutr > d ' rram a.se em violenta, «-arredeirae e saltos agrestes, arruina de ver rom o» peixes indefesos, morm ente as plracemas. X > di-e feriados, n io foi- se n liquld irão id-te m á tiras»l'< m anrl- _cu,içus* lurfm. batas, plava», pliparas, um que cutro dourado ren n n es. r. nt#- d" tódas as calim ldad -s, daria gõsto arsistlr ao desfile d a pescadores na» b-iitancas anfm rtuosas d» prdrego*» rio. O n ten a* de per»os»s. homens. mulheres, crianças, ra. d-i qual m ais afeits e menos rsrrupol'«a, a tira.se á pes. ra ria desenfreada, pegando úrzenae de quilos de peixes, sem se levar em conta aqueles que escapam ra s p d s ã l.»ga dos "chaacov" terríveis. F ntretanlo parece que o F íu d dir põe de um organismo dcnom im do Com ando da Dlvisáo de Proteeio e Produ. çán dr P -ixes e Animais Sil. v estre i, ru ja finalidade prc. < p ra seria com bater abusos pr.-ificidos por pescadores e csçadore? pouco iluminados. Os encarregados do serviço de fisoilizaçào ou proteção possivelmente não têm animo. náo têm tempo, com A.B 63. náo lerão verbo Fnquanto os m ananciais se Vesfalnam d r espécies Ictiolo- eaa notáveis ipiricanjubzr, pacus-guaçus, pintados, dou. r rdns e outrasl. técnicos pro_ uram «r r ig ir o empobreciin.n to dos rios cem tilaplze c c aip is,»s prim eiras. um a ca Sá tratado a Todd e. e "gunda, nm carim ba em tudo peorada. Amanhã. ná*> resta duvida, ict» logistas cota.cola" man ' ir cl"< I I Dl d i *os de m atéria plai Uca ehlricos. técnirv.c'lóres. para a substituição do im pe. *uos) dourado ou da desconfiada e arisca piracanjube. QUEIMANDO t CRUZEIROS.'. IIIJJIO R XMENTOS PARA XIIA ODILON <i v<t«*ti( (»r Hélio Silvu. nu ultimv >*i»são da -u o-.i Municip i. ao li fitou ai» prefeitu niflhor tralaummilo >ara o bairro dt* Vila Odilon. Disse "! I- i-il I. (jup U população do bairru das <*era- <S i ig i-s á ulurmada "tn abandono a que foi "ii! -uinla pi*ju udiiiini dração inurticipal. Sitio - Vende-se Sitio Ouro G rin d e, distante de Jacniezm ho V Kl 700 metro* retirado da Entrada R ibeirão CJ to Uma área de terra de 17 alqueires m jls ou meno* - 9 mil Pés de cale 400 pes de b -n o n a maça 1 P m ar 1"Oi 70 x- dc Lranjas e m lchirlca 4 plquelres re pasto, 1 capoeira de 1 alqueire 3 casa* de taboa de i j pai. i ;«quenoa 1 tu lha para <- fe. 1 tei relro de pedra 10x10 2 m inas de agua 1 guragem com depósito Piec ,00 ibem desconto i T ra ta r com o tinr. WALllOMIRO Itu., Ar lindo Luz. 232 Fone. 39 OVR1NH08 J Uiâiti muito mais.. S I L E N C I O S O S E C A N O S D E E FORD S C A P E L E G Í T I M O S! RESISTEM M AIS A FERRUGEM! * * FER O S C O M C H A PA S DE ESPESSURA A D E Q U A D A! aaaaaaaaaaaaaa ELIM IN A M M ELH O R O S R U ÍD O S D O ESC A PE!» a s*» *.» *.»»..* * * loborotòrio de Conkôle d* Quoli Iode Ford N os Laboretbrioe de ContrOl» de Qualidade Ford ume equipe eept-clallzadu de têcnlcoi, dispondo doa mola modernos eparelho» de teste, examinam cuidadosamente cada componente doa Peçae Ford Legitimas. E a aua garantia dc maior economia. maior resistência e maior durabilidade Companhia de Automóveis RAUL SILVA Quando o 6 o cam inhão DIESEL a d ia aquela fumacelra tão prejudicial, o Sr. deve eaber que 6 o eee émhero que está sendov «pseima^vv sieviço MQTORTST' roeuf 6 um pdstb SERVIC0 éosck onda V encontrar* oenuinas «purleitu assiste»- **eb03ch Peça u ira visita *o Poeto c.c Svrvlço Autorl- -*»H I3n«rh. da R ctlflca í tn rw O urinhos". d. «LOV1S c veja o iue h* de m ais moderno em m áquinas e fe rr im tn. tis pp-ra testar e r?«ular bombas tn letoras c bicos Diesel à R ua Duque óe Oaxlas fone 2» OURINHOS P R E F I R A M O S P R O D U T O S CÍPOSA VI0RAÇARIA REGINA

4 Página Oi A R I O D A SOROCABA N A OuriiiliOM, D om ingo, 10 <le F c w rc iro d< pw -iei- <*»- O LÁBIO DA K ilo O m W A rrtuneoaoe <u Búltorm Urmne» UiArto s s o roeeban* B A. (Km o r y n l f o) RMqto r o a Ajrromo ojj&los m ori. n O iretor FWwponeAwl. BALVAOOH MCRflANDKti D iretora G crrn te ANA FERNANDES * * KKPRESENTAIfTEM NO RIO *»A O PAULO KEPRK6KNTAÇOK8 A. B. LABA L T D A Rio de Janeiro Elas Senador F anlaa. «9 l.e a»d. TeL Sáo Paulo: R ua V itória. 651 ConJ. 32 T el, ASSINATURA ANUAL CR.$ » Publicidade por centím etro «le coluna: P rim eira página... Cv.$ 250,00 Página determinada... ('r.s 150,00 Págine indelerniinada $ 120,00 Ultima página... Gr.$ 180,00 A dlreçào do Jvrual r a p o a tn b lllu to yor tõdns «u» uftr to sçôca pubu.-adaa. em artigo* aatlr.ado* eu n**> M atéria de pnbilddade sóinente será p s U lm ls w n p ro rag âe da C lre fla Devolvem o* arlgimua «4 1 : i f isi- tm ia» -.mi- TUDO NO LUGAR Adem ar disse aos jo r nalistas que deseja botar a Caixa Econômica <> o Instituto de Previdência du Estado no lugar <-vr- Ito. Ambos estão fora de órbita. Não fizeram nada nesses ultirnos oito anos. N enhum a <asa foi financiada para o funcionalismo do Estado pelo Instituto. N enhum hospital construído. Nenhuma obra publica realizada. Nem mesmo o patrimônio da Caixa Econômica foi vigiado. Como piada, serve, não! * * COTRADITóRIO 0 Dr. A dem ar falou pouco durante a cam panha ejeitorul. E venceu a eleição. Agora, está falando muito. E enveredando pela estrada perigosa da contradição. Ganhou a batalha eleiloral. Não está sabendo conduzir o troféu da vitória. Há generais assim m esmo: ganham a guerra e não sabem conservar a paz. REVOLUÇÃO Lutar para modificar os superados métodos aplicados á vida rural, reform u. lar a política agrária brasileira, transform ando o agricultor profissional em criatura hum ana com condições de conquistar a sua própria independência financeira, sim! Levar á zona rural o ódio de classe, dissolver a com unhão das famílias, lançar patrões contra empregados, jogar na boa terra a sem ente da revolução e depois deixar os colonos indefesos á m atrona, n ã o! Uma coisa é querer consertar o que eslá errado. Outra é atear fõgo á casa que pode ser reparada. HUMBERTO 0 meu amigo, o jovem e alegre Humberto Ferrazoli, tornou-se hom em sério. Passou para a lista daqueles senhores sisudos preocupados sem pre com os problem as da industria ceramica. Casou-se. PUBLICIDADE Poderoso grupo financeiro de São Paulo comprou um a emissora de televisão na Capital do Estado e outra n^ Guanabaw ra. E «gora acaba de adquirir equipm ento para lançar um grande jornal que será dirigido pelo sr. Janio Quadros. Aqui na região, o grupo adquiriu a Rádio Presidente Prudente. * *» _ AUTO.VIÁ TICO O telefone... <>telefone... O telefone... Quando? 1 MILHÃO Clóvis Conceição procurou-me ontem para com prar 3 telefone< automáticos. Po er.$ 3 milhões! Não os tenho. E quem os terá? OUTRA VEZ Prepara-se em Brasília outro engodo para o trabalhador brasileiro. Os líderes do PTB querem novo salário mini mo. A galopante inflação do Dr. Jango já devorou o ultimo a u mento decretado pelo govêrno federal. * ENFARTE u enfarte está matando deputado em Brasilia. Muito candidato que gastou m i lhões na uliima cam panha está arrependido. SER OU NAO SER Afinal <> Dr. San lia. go Dantas está ligado aos americano, ou ainda é homem de esquerda? FOME Fórmula do Dr. Jango para atender aos reclamos das massas trabalhadora : pão a Cr.$ 130 e carne Cr.$ 500,00! E' o govêrno do PTB. QU1NCAS I Láralór.a flg Análises Uinicas Direção: DR. CLÁUDIO MOITA Ana. Auxiliar: JOSÉ DL CAMAItCO M labulisnu. bum.l (Apurêlho Collins). D iagnóstico, l-recocc da e. rividez Iin- ivi-ih d.- eoh sterol, gli< ose, un a. etc.. ANTIBIOGRAMAS Culturas l! M, ác. de Machado Guerreiro Determinação dc grupo o e Fator Rh - Reações sorológicaa. Martlomoá um perfeito serviço de. TRANSFUSÃO DF SAN- GUK nnexo ao Laboratório. Trabalhando sob um perfeito contrôle técnico labora tonal, oferecemos irns i médicos da região que nos prezam tom a sua preferência o mais alio padrão de eficiência. Avenida AIlino Arnntcs, 172 Telefone 217 OURINHOS M-PEH ANIVEIISAIUO RIACHURLO das 14 unos de tecidos Saldos e Retalhos Rua Paraná, u.o 250 SsLDaí P1E2> 0SWAL30 c r u z " P o n o r a m a O I R I N II O S H O S rit A I. M tonto SOCORRO Coiumltiâ* Intenieçêe» Operações iie Gvrganta, variar? eslomago mi» uno, hemla, hemorroidas, inclusive ope. rb :<m-s rte senboras e crianças. M cbtc O S ESPECIALIZADOS. - SANTA CRUZ DO RIO PA R DO Piaça São Kcbastláe Toeftme 586 AERO-WILLYS 1963 Carro Moderno de Linha Elegante U l u c r o esc*: v.! - w yg Ko' fim do mês o serviço de transporte não deu lucros 1 Os caminhões a1 DIESEL estão queimando óleo, sem potência etc. Para tudo isto há uma solução I SltVIÇC. Faça um.i visita eo P sto de Serviço Autorizado B?ch, da R etifica de Motor»-:. "O urinlios", do < LOVIS, t veja o que h á de m ais moderno em máquin s e ferram entas p ara testar e regular b mbas Injetoras e bicos Diesel, a Rua Duque de C xlas fone 269 <u R1NHOS PREFIRAM 08 PRODUTOS Altino Arantes 496 i.jiour INHOS, L E M B R Ê T E \ inho puro é saude Saude é orgulho Ao tom ar vinho puro peça PEDREGULHO. Representante para os senhores revendedores J. RLVES LOUREHCO 8 Cia. Lttia. Comercio - representações e promoções de vendas de produtos Nacionais. Rua t) de Julho l.o andar - S t ATENÇÃO Sorteará dia 4 CA8A5 2 SINGAS GHAMBORD, e uihis 10 milhões de cruzeiros em prêmios Diariamente 30 prêmios pela Rádio Nacional de São PauIo.Tupy e Record. Nu 2.a presta»ão terg um prêmio g sua escolha entre 3. Compre já e retire o carnet até dia &). para eoncorrer com o maior prêmio do ano. LOJAS TITANUjS - Av. Altino Arantee, S2 PATOS x <OISXs * PISCINA PARA OS RHPLTAhOS j Mu- não é aqui íniodu O novo pahjcio M Gamara. qm eslá s eiido construído. m Wi,. sbiogtoo. I.l A. terá p* *iim paru gozo. ileputadoh que gostem di dar eu m c r jj lhos no verão Terá, larnbém, r -'nunintj quadras de tenía, fronlão paru jogo de pelfl In c r e i 1ritos especiais para massagens. t - \ I LIIICE FELIZ Mauric Clievolier. u incorrigível m o* dc 71 i anos, neonlniva-se em.marselha, (,-(u mo sem pre [iroeiirando iiicansavelmente g companhia de moças, o que, alia- con ' gue com facilidade. Alguns amigo rerlu a rdp ao aperitivo sensnravam -no por is : ' n l derando p«sa atitude <orno indigna de u J homem maduro, que de\ ia em pregar * tempo ein c o m i - mm - adia- dignas, pp* parondo-se para a mori» Sorrindo. Cht-ve lier assim explicou: Que querern voeé*? gente só >' velho uma vez na \ * * M ULHEIH> INDISCRETOS A \izin h a eslá contando a dona üenovei a 6riga que tivera com o marido, na iioil anterior. (f lilho de dona Genoveva, gurotà vivo. de 6 anos, interrom pe a conversa: 1 1 -Mamãe! A senhora já ouviu tudo isí -o ontem,, quando me bateu pra eu lie» quieto e colocou a orelha na p ared e! MACROBIO DI RAO t.oiila um jornal norte-am ericano q * alguns repórteres es lavam e n trev islan em Nova \o rk. José Xavier Pereira. meni mais velho do m undo não d e c la rla sua nacionalidade. que diz ter 107 a n * pesa 35 quilos, tem lm33 dc altura e já e i terrou (> esposas. A certa altura. «. \ -Ihot» se eniureceu e acabou com a entrevista a 4 8 P,'IP " ' 1 i" jo rn u h»!.-,» u, d edarou di } ois I!, p * * ' _ VAR)R. vil, O a m o r : que jeito se pud,. lazer d u rar um c S Numa reunião a que es>avam m uitas moças, senhora- rapazes ros provectos. os diversos grupos, copos na mão. discutiam cada mu tos de seu m aior interesse. Num o <«- v a i hei ro j.i alegro te «lizia que ai mulher são fbrmidáveis. sem duvida, mas não conl negociantes. Foi quando urna garota des«j que espantam a gente se voltou para i»l* 0 senhor diz que as m ulheres não ão b o «comerciantes. Pois bem. Agora respom lj quem fez m elhor propaganda do n n íã? Foj Evu ou aquele hom em cham ado Newton?" * * * lisivxux) E TEMPO Finstein disse o seg u in te: "Se os -enho? res não tom arem m uito a serio o que diga poderei exprimi-lo da seguinte m an e ira : daifi les se acreditava que, se fosse retirado I * do do m undo, ficaria spaço e o I inpi Hoje acreditam os que retirássem os tudj do inundo, o espaço e em po junlameiij se desvaneceriam ". Já não nos soa absurdo que o espaço dm sapareça, mas que o m esmo aconteça n tempo é unia idéia com que nos devemos ffl m ibarizar pouco «pou(*o (i espaço e a jií tancia entre as casas: o tempo o i n te n * Io entre os acontecimentos. Quando não \ tem coisas, não há distancia». Quando não verificam acontecimentos, tam bém ;ião I sequencia temporal, n tempo é como a rn» sica: a fim de que ela exista * prcej tt car 11 Li\ ro da Natui i Melhoramentos. sarnento? lloje essa pergunta parec uiaif oportuna do que nunca, tão grau le é i ii nu* " " ro de casais desajustados, de c.-.mi ntçf Rir '«desfazem e tanto se procura o hor meio de acabar com casamento* Fm Hollywood, tão celebre por iiei iifpí* se»f diyorcios, foi feito um inquérito a res M 10, interrogando...,,, m ia chegado aos 50 anos. Cadk um expliedj as razõe, por > que, a <eu " ver. x ' r. \ vi\ i \ i iam. i i i i iimi<* i i i nu tanto tempo, t ns disseram que em a»:(1p- «mtros.,, senso de hum or: outros, a M pacidade < e tolerância: quase todos... v o n *,,r l,irmal de con ti m uirem a viver ju n M j ',ln lu,,l,lu,u vas<l >e fez referência ao imafls * * _ s X lted OItl X ma oi r- Pufls da cidadezinha sede de seu l l giniento. Cada vez que um recruta faz rordf nencia, o m ajor «orresponde e diz: 1 '«pois da quinta vez de U pergunta-lhe por que ele m ajor explica: p r a t ic a.. liz isso e» Ku ambém fui recruta «>ei o qlfc nu d 8ejam m entalm ente quando f«- zem continência.

5 Ourinlio*. Domingo, ]i) < v Fovctrviro riv lihlí DIÀIUO DA s o m x. M iw A P ág in a ' AO.Ml ITO.s OS U*R i( 1AOORF.S DA COUTE Um num ero invulgar de praga» ataca, anualm ente, e«plantações de ccuvr.s, couve&_ b r ó o o l R couve»-flôres, cou. vcr.rábanos, repolhos, rabo :ic trs etc Pragas de terra R A Ç A O olusas c u bcsourtnhos cu horta, diversas lagartos, bro. v»s. rôsoas, p qulnhas e tatu. Informação S O C I L zinhos am c.-r'tn dta e ncttc :uas culturi J á nas i nvntelr.'» as ten. A melhor ração do Rrasi! I 6 0 R I você pode produzir MAIS LEITE com MENOS ALIMENTO. Este resultado lhe garantem as novos RAÇÕES ME- LAC ADAS DA SOCIL, porque são: - Mais Nutritivas - Mais Saborosas - M iis rigeridas SOCIL lhe oferece as melhores ra ções P a ra. - AVES BOVINOS SUÍNOS Y ' nvvntradoa POEDIL - SUINOS - - PINTAIL < \ 1< MINERAIS POLI VITAMINAS SUPERAVITA. i'uot'1 TOS VETERINÁRIOS ETC. 1'Hibtj u~ u> hores fatôrc' que possibilitarão 4 granja produz m p re mais e por menor euslo. RUA XNTÔMO CARLOS MORI. 20 TELEFONE, 184 CAIXA POSTAL, 300 OURINHOS Agrícola ie s planunhos recém.nasci, das sofrem os ataques dc nu. inerosos tnlnilg s e. por qual. quer descuido, pode < per. der cm poucas horas o re ; ultado de t-d o o trabalho em pregado na preparufco os alfobres ou canteiros Sem combate < nstante e jstcm átlco a tócl-s cosas pragas, nfto se colhe couve, ou sua cultura tom a.se, ao menos. antieconôm ica Náo po. demos, pois, esperar que ela* tomem conta de tudo e devorem o que plantam os e t ra ta m 's com tan to desvêlo fc Indispensável começar o combate logo depois do apu rectm ento d s prim eiros vestígios da Infestação, contro. 1 ndo.se diàrlam ente as plan. tfiçôes Com pulverizações do FOLIDOL EMULSÃO 60 a 0.1*7,. ou polvllham ento de FOLIDOL PO 2 ou DIPTE HEX P ô 2.5 ^. um a vez por semana, consegue-se pr teger a» couves dos ataques déstes Inimigos gratuitos. Suspende m.se as aplicações 15 a 20 cias antes.d a colheita. * * MANDOIOVx INIM IGO NllMEBO UM DA MANDIOCA A praga num ero um da m andk ca é o m and oro vá ENRINNYS ELLOt. t m. bém conhecido por gervão" A martpôsa deposita o^ ov s na p lan ta e, as larvtnhis dal resultantes, atr-cam p rim eiram ente as fôlhas novas, p i asando a devorar, à medida que se vão desenv Ivendo. tam bém às folhas velhas e ram os finos. A lagarta, no seu m aior tam anho, alcança d a 9 cm de comprimento, é verde, com estrias longitudinais am arelas cu pretas No ultim o segm ento abdominal tem um apêndice com a fr r. ma de cauda. O período la r. val é de 14 a <E dias e o ciei > evolutivo, cêrca de 30 dias, As larvas se transform am cm pup-is no s lo ou sob restos de cultura D a pupa ou crisálida nasce a m aripôs i que tem hábitos notunv s. No pequeno mandlocal, e quando a Infestação n& > é grande, a cataçào m anual C h mandorovás, às vêzcn é possível. Nas grandes cultura:, èsse procc -> n&o é praticável. O mclh r método dc combate conshte em p 1 vi lham entos com FOLIDOL P ô l ô '. mais 10'7, DDT Repete, s»- o tratam ento dc 8 em 8 <i.is para a cxlerm lnaçáo completa, tam bém das rrurlpô s Assim, evltam.se n vas - VIpostura* o consegue-se m anter livre o mandlocal dessa temível pruga Dr. Eduardo Eabio Lolulo Ridrips Alves M É D I C O D oem ; s dr senhoras, Partos, Cirurgia Coral Ex Residente do Hospital das Clínicas de São Puulo Membro do Colégio Americano dc Cirurgiões. Uons. R. Expedicionário n.o 421 Fone 12fi Re* R. R o de Janeiro n.o 384 Ourinhos Venha ver de perto o notável Trator BRASILEIRO 8 BR- O I o trato r rcalrr»e;.te f * p r" a ' de perto em nossa 1.. r I Venha ver a robus v< < i ' pessoalmente os d' -. e re' <r brasileiro um dos ir. Disttibuidcres para a região M édu Sjn cabana e Norte <io Par ná Cia. de Automoveis Raul Silva o u r. 53 ;i 0 S -v íífiàis Implementos Agrícolas RASSA RAUL SILVA S.A. - Rua Arlindo Luz, Fones 39 e 263 -

6 P ág in a 6 DIÁRIO DA SOROGABANA O urinhos, D om ingo, 10 <!< F ev ereiro dc líj No Mundo dos Esportes ABEL KJVlAfT, Meio século a s e i \ iv" esporte. Abel Kiviat. também conhecido como o astro 1e sem pre", completou recentem ente 70 anos de idade, lendo, durante quase todo èsse tempo, servido com dedicação ao m undo do.* esportes. Em sua juventude, foi u m autêntico ostro" das pistas; conquistou mui!os títulos nacionais, bem como m edalhas de ouro e prata nos Jogos Olím. picos de 1912 em Eslocolmo, na Suécia. Desde que decidiu abandonar a prática dos esportes, Kivral tem atuado como assistente de mprensa em quase tôdas as promoções esp o rlü as levadas a efeito no estado de Nova York. IMPONDERABILIDADE Uma mochila *>dva-v da. que possibilitará aos futuros astromui-- fas sair dos espaçonaves em pleno vácuo, é testada em um avião-transporte a jato que realiza um vôo em trajetória balística para que -e crie a situação de imponderabilidade (ausência <lc peso. Conhecida pela sigla SMU, a m ochila de 72 quilos contém apetrechos de es'abilização e pro pulsão a jato e equipam ntos que possibilitam condições de vida ao homem no espaço por período superiores a í horas. Durante unia série de 65 trair ór as exper m ente*. i õln de proves Jam es Griffin pilotou a mochila no nterior do avião, ficando cêrcn de 845 segundos em condições de imponderabilidade Autoridades da Fòrça Ai-re.a do» Estados t tudos qualif» t i i i i i o< testes de muito satisfatório-. <> nevo engenho foi construído < aperfeiçoado pela Ling-T«-mco-Vought, de Dallas no Texas Cooperativa de Consumo Bernardinense XSSUMIILÉIA GERAL ORDINÁRIA SEGUNDA CX)NV<MLAÇAO (Artigo 2 i dos Beta tu to- A COOPERATIVA DE CONSI MO HFRNAIV DINENSE, convoca acus associado* pura -< reuni rern em Aüsembléia Geral Ordinár o. n alizurkc no dia 17 do corrente, ó- U30 ínov - horas e trinta minutos), ria sede da Cooperativa á n, - Mato Grosso n.o 584, nesta cidad ni finali du. (le dc deliberarem sôbre a seguiu lem do diu : 1 Balanço das Contas i-rn Exercício r, > ooin parecer do Conselho Fis.-.d: 2) Assuntos Diversos; 3) Eleição do Gon*cIho de para o exercício de 1963; 4) Eleição do Conselho Fisct cio de Adimnisl rac; para o i-xercj- Bernordino d e Campos, 9 de, fe v e r e ir o \ 903 MARTIN RODRM.l 1 S LOPES Diretor Presidente Auxilio aos pequenos agricultores A* medida que p r grlde e. picultura racional, rareia a cera alveolada, produto im prescindível aos que se dedicam a esse ram o d a produ- Çtl O D epartam ento da Pr>dução Anim al, da Secretario da A gricultura de São Paulo, pela sua Secção di A plcultura, criou o Serviço de Perm uta e Dlsrl. bulção de C êra de Abellia, que visft fom entar, especialm ente, as tividades des peouen s apicultores imposslbllitad s de adquirirem cilin. dros alveoladores e equipam entos complementares. O Serviço de Perm uta, med iante o agio de 25%, equivalente A m etade do que os particulares cobram, fornece produto convcnlentem en. imen Rua Duque de Caxias, 425 Fone 13f«CASA FREITÀS Linhas para crochet e bordados - Brinquedos Estrela no crediário - Terninhos e vestidinhos. RUA AMAZONAS. 459 Tudo para enxoval - Tecidos finos Vista.se bem com tecidossas CASAS FREITAS. Rua Antônio Prado, 120 OURINHOS Você precisa de empregada? ANUNCIE HOJE E PAGUE DEPOIS Telefone SHELL BRASIL S A ipetróleo. procura rapaz m aior dc 18 ano, quites com o serviço m ilhar, para integrar seu quadro de funcionários em Ourinhos Rua Rio de Janeiro, É desejável curso secundário dos candidatos. A presentar para entrevistas e I» no dia II du Fevereiro de 1ÍJ63 no local acima. MISSA DE 7.o DI A DE Conrado Gomes de Moraes Kuclides Gomes dc Moraes, convida parentes e amigos para assistirem u m issa de 7.., dia dc falecimento de CONRADO GOMES DE MORAES,* que sm i celebrada dia 12 dn corrente, ás 7,30 horas <la m anhã, ria Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus. Por mais esse ato dc relegião, antecipadamente agradece. Ourhiho<, Domingo, 12 dv Fcverc ro dc PMi.lj ' n r r ema 3 Manchas "adormecidas e part es do corpo insensíveis ao calor ou á picada de alfinete são sinais peitos de lepra. SU8- A lepra, quando tratada iog< i no início, é mais faeílmenle curável, O doente não precisa eer nternado e a moléstia não se espalha outras pessôa».. pnrn Ao menor -inul suspeito de lepra procure um médico espe< ialislu em doenças da pele ou o d e p a r t a m e n t o d e p i k h i i a x i a LEPRA IM OI RINIIOS RUA SÃO PAULO 1U1 te! DA t< alveolado, de acordo c m or padrões, recebendo, em tro e i, cêra b ru ta e pura. Os apicultores p dem, tam bém, adquirir, m ediante pagam ento, a cêra alveolada. Nessas transações n ada se cobra, relativam ente, á em. halagem, ao carreto ou ao despach E R IO O presidente da R e. publlda.usinou decreto delegando ao m inistro da A gric u ltu ra Ipdus as.'tribuições do extinte serviço dc expansão do trigo, tran sferid as para «Superintendência N a cional do A bastecim ento i SUNAB* e que se referem a com ercialização e industrialização do cereal.. A m edida objetiva a asse g u rar o in in te rru p to abastecim ento de trigo a i pais. até a lnstalaçã" da SUNAB. cum prindo ao titu la r da Agri cultura a d o tir as providencias p a ri en treg a e incorpo. r.iç&o do acervo a r s novos (Tgãos de adm inistração, bem como baixar os ste s necessários. Declarações Declaro, p a ra fins de obter 2.o v ia, que foi extraviado o registro de E xtrangelro (modelo 201 n.o 446 expedido pela Delegacia de Policia de O urinhos. aos 22 de M Uo de 1940, p ertencente ao senhor João A ntonio Ferreira lal João A ntonio Ferreira. Declaro, p ira fins de direito de obter a 2 a Via que foi ix trav ia d o» G ertlficnde de P ropriedade n.o , referente ao veiculo M arco M ercedes Bens. a n o de fabricação 1959, M otor OM , côr azul 6 cilindros, p ertencente à L ina Corazza F :loschi (As.) Lina C orazza Paloochi. In d u stria e C m ércio P a. loechl Ltda. * * * Declaro, para fins de direito de c b te r a 2.a Via, que foi extraviado o C ertificido de Propriedade no , referente ao veículo M arca W illys O uverland, ano dc f a bricação 1959, M otor B côr Verde, fi cilindros, expedido p :r C havan. tes, aos de propriedade dc L ina C orazza P aio s. chi. iax) l.in i Corazza Paloeehi O que é que há com o seu DIESEL? o veiculo nâo anda gasta multo combustível e que fumaceiral... Consiga uma solução econômica. $1 B VIÇO MOTORISTA, procure um pôstode SERVIÇO BOSCH, onde V. encontrará peças genuinas a perfeita assistência técnica BOSCH. Foç um a visita ao P '«to de Serviço Autorizado IK sch, d u R etifica de M otores " O urinhos", do <'1A)VIK, < veja o que liá de rnni: m oderno ia m ãquln m i fom um -n :is para te sta r e regular b mbils injeli ras. bicos Oflxln 160 fone 209 OURINHOS Progressos da Medicina c o r o n a r i a s e m o d o d e v i d a Na ultim a (Jecada. muito se debateu im portância relativa dos vários fatores que parecem influir na m ortalidade por afecção coronária. Fumo, alio consumo de gordura ' instauradas, falta de exercício, tensão, herel ditariedade - tudo isto foi incrim inado comuj causa de morte, e cum provas nem sempr boas. Em todos os estudos epidemiológicosl é necessário fazer exame cuidadoso do perfil. ou corte, d a população ou comunidade com parar os que sofrem da doença examinar du com outros que dela não.sofrem, p o ré r sem elhantes em tudo o mais. Se não se consideram controle* que <useni adquadam ente quanto á idade, sexo, emprego, estado social e outras variáveis, fácil é tirar conclusões errôneas. Oro, impressões, em lugar de provas estatística- lunda,h_ têiii atrapalhado m uito as con especialistas e leigos. Arnold Brown, Gleshire, exam inou por isso o efeito de grau de num ero de fatores am bientais r outros so-j bre adoneça coronária, a partir de rvgisliog relativos» Iodas as pessoas que morreralé naquela comunidade, que v de 1 milhão, doenças coronária. Estudou dois grupos de pessoa.. D gru po-controle consislia em todos os icsidenle de Gleshire que m orreram de qualquer cuu sa entre as idades de 45 e 64 anos durant um período de 4 anos. <) segundo abrangia pacientes que, dentro da m esm a faixa "* idade, m orreram de trombose coronária no mesmo período. Im aginou um a série de in dagações relativas á história média, rotii; diária, ocupação e hábitos dos pacientes, subm eteu o questionário ao parente ma próximo de cada pessoa falecida. Ass obteve dados sobre pessoas. r No ' Brilish Medicai Journal" o <lij Brown afirm a que nada justifica j idéia que circunstancias domésticas, como consu mo de gordura, alcool ou chá, horas de sono participação no esporte, trabalhos pesad ou leves, afelem as probabilidades de inor-1 te por doença coronária. Notou, en'tretant que essa m orte «m enos freqüente entre Ia zendeiros e agricultores em geral, assim <nmo entre as pessoas que andam muito, mais freqüente entre fum antes, trabalíida rés ntènufíis obesos e trabalhador es seden lários, mus não se confirm ou a afirmacã tantas vezes feita, de que as posições de res ponsabilidade aum entam as possibili ja<l-.-s de m o rrer de doença eoron/iri-a. Hax i.i nreno doentes desses entre os bebedores de caf apesar do preconceito de que d café perto ba o coração. Não se encontrou prova sufíj ciente de que o aborrecim ento possa cor ti tu i r fator da doença, em bora esse falo nha sido suspeitado. VIDA M AIOR PARA OS CORON XRIIIS Há possibilidade de prolongar a vá dos que já tiveram um ataque coronário? E l e s sem pre correm o risco de morte subita colapso cardíaco. Morris W ilburne, cardiol gi.sta <ia Universidade da Galiforn ;* do < escreve, no Journal of lhe Am eican Meu cal Assoeiation. que m uitas das vitimas tè coração bom demais para m orrer e b m erecem unia segunda oportunidade de \i ver. í i possível que cerca de dois terços tl mortes por trombose coronária nos hospi tais possam ser evitadas se os pacientes rem tratados em alas especiais para Irai mento exclusivo da doença coronária N b is, os pacientes seriam acom panhados i m aneira especial quanlo á situação <*ardiai f tratados de acordo. Propor ii eelerido medico um a nst:i ção especial de circuitos fechado de tel< <ão, no qual o eletrocardiogr^ma. a res C o pulso sejam autom aticam ente regi st. dos para que o medico ou a enferm eira >o< snn, acom panha-los a qualquer momnifc Sr a condição do paciente piora a q u alq u t* momento, funciona im ediatam ente um a la i ma. \ enferm eira seria equipada tambémcoib um carrinho que levasse oxigênio, aparelho pura reanim ação, drogas prontas para id Jeçao. Mfdco- estariam sem pre á mão oura H m assagem cardiaca, se necessária. \nr,ibf m-^e que, nos Estados Unido- s,steiii desses fosse capaz de salvar cem mil vida» por ano. Or. Nelson de Leão CLINICA MÉDICA h CHU/HGK \ MOLÉSTIAS DE SEMIORAS M i fiei o Brnde.Mi» Cu Andar OSJítik HOl

7 O u n n h o s, D om ingo, il <U* F e v e reiro de 1806 DIÁRIO DA SOftOCABANA Página 7 0 Prêmio Esso e seus vencedores Xpresenlando uma série de modifioaçõe a imiiirvar pela elevação doe prêmios e pela inclu- -A" de um novo setor do jornalismo no concur- <n. seni encerrado no próximo dia 20 de março. prazo wra inscrição ao Prêmio Ksso do Re portagem»ara Além do prêmio de Cr.$ :jun mil u melhor n-portagem do ano. serão conferido* mais qua-.. prêmios de (>.$ 100 mil cada um ás quatro melhores reportagens oriunda dos quatro grupi»< de Estados e cidades em que foi dividido o im!' ; Cr.8 12(1 mil A melhor fotografia puhli.. ida em pirnal ou revislu do País; e Cr mil ii melhor reportagem esportiva do uno. num lotai de Gr mil. ( O MO COMEÇOU Ot. interes* uios dcvcráo cn. \ tr seus trabalhos, em trés \ as. com indicações do j r. n 1 ou revista que os pubü.,u. ilr<t menti- par i a Av.., riaçáo Brasile:r, dc ReD. ç6e- Public is, Av Rio B ran. r 1*0 s l 112. R' cio Jan el. io OB. Só serão I c v d s em I Vi -.de.-ação 0E tnbalho ò pu_ hkcad.1. ü pirioda de l.o d- uisrço de 1862 h 28 de íeve. rei o ti: 1963 c oue sejam en. v.sdos à Secretaria do concurso até 1 dia 20 de março próxlnv Cada conc m n te poderá.nscrev»r no máximo trés tra telhes, v lendo com uma unica reportagem a série s - bre o mesmo assunto T rabalhos de caráter lntem aclon'1. ne^p le autoria de Joma Ustas brasileiros e publicadcs no Brasil, náo rerâo aceitos peu comissão julgadora C in rtl.t.áo à í t grafia, os interessado^ deverão enviar, lem de trés recortes do veículo que a divulgou, mais trés oóptas d" <rlginal em tam anho 18x24. Tam bém só prão inscritas oc f tos feitas em territórios brasileiro e p u. bllce-as em nrsso P :is KM 195' A INSTITUIÇÃO Em Esso Brasileira d-.- Petróleo S A instituiu a Prêmio Esso de R eportagem". que hoje se constitui na mau. cobiç da iáurca do m tilsm o Brasileiro Desde c inicio n< rteaao pelo desejo de se to m ir uma instituição db Classe p a ra a Classe, o Prêmio Esso" q u e,d s 50 mil cruzeiros Iniciais, chega em < C:.$ m atingido cs seus bjetlvrs, i remi and', os trsb lhos jernallflticos de real lnterésse para a coletividade < HITÊRIO O "Prémlo E ssj" é julgada ; or uma comissão cujos mem btoe ei escolhidos pcl-s p ro. in o s Jom 1l-tas. atraviu. da votação livre? dem ocrática. '6 que é pre cupução dos seus 1.-ganizidores evltsr quais, quer duvidas qu-n to à contu são do Précruo. Déste m o. o não há nenhum a interferência da Etso no Julgam ento do c n curso KM 55 Conquistaram o "Prêm io Ess /" no no de sua Instituição o* Jornalistas U blrau m de Lemos e Mário de Mo. raeji, de "O C ruzeiro", com 'u trabalho Uma tragédia fcfc!li:lra r» paus de u ra. ra", óbre o dram do n o r destino que foge para o Sul. EM 56 Criado» o» dois prém ies mrtnnal, uo v.1'r de 10 mil t uzriros cada um c tlvidldo o P i» ( m três r õis, o prémlo prn clp a l de 66 coube ' - J rnalista Jo ié Leal, de ' < i ' r e i' trab lho *9 du. ns?i r't* r^ de 1 ' ur, n*n diário dc *ua i oi ri«vld* de olc^ólatn e»u% luta pcls recuperação, <r, cci da de èx to. i ' 1 bcr.un re prêmios reglo. ' r>t rejkjrt :< Almir Di. n "Diário da T arde", di M.ináus. com o trabalho B orrarh dinheiro, sangue f fhi-érln. p ChnrqueiM, lil' O Bfitado do P araná". Curitiba, pri^ eiatérta "O a. ' tnpo Canãa das Ilusões h i balho "M orte em Alagoas * u e b ertu ra d.> tiroteio ocrrridt no Legislativo alagoano, durante o qual o próprio re. pói ler f 1 ferido num a per. i-31 Luiz M s-arenhas Ne.. de O Estado de S Pau lo". com a reportagem O problema da.segurança de vó< \ e C rios Gomes L pes dc A Província de P a rá ", dc Belém, com o trabalho A cidade da esperança". EM 58 Mtiis um prêmio regicn-il foi instituído em 58. acrescentando, se a s já existentes Rubens Rodrigues dos Santos tiv O Estado de S Paulo" conquistou a láurea maior nésse anc, com a reportagem " D iário de um flagelado das sécas", história da vi lenta <ca que assolou r.iquele ano n Nordeste Também foram i.ntem plados Rui Prattlni. do Diário de N otlcí 3" de Pôrtc Alegre, autor do trab.i. Iho D ram a das populaçõem arginaís", Alenr r A ri ripe I dc- "O Pov, de Fortaleza, I c m o trabalho "Séca, irri. cação, açud gem e piscicultura no N orderte. e Jsym c 1 Negreiros e Cesário Marques, J oo " J o rn a l do B rasil", que conquistaram o prémlo a tribuído à Região Centro, com reportagem "C entral do B ia:ll. d is pontos". EM 59 M a io Mazziu Gfuimaaães, (i "F o lh a da M anhã", de S Fnulo. conquistou o maior prêmio em 1969 já agora t levado para 150 mil cruzei ros além da vi gem com o tr-b alh o "U m rio desafio o B rasli" Os prêmios regionais f' ram r ncedldos a Antonio Callado. do MCorr«10 da M anhã ", por seu trabalho R eportagem rébre e Nr-, cieste", João Corrê. autor do I m atéria "F ilária ainda é um perigo", publicada em "O LI- b era l", de Belém, e Kleber. Borges dc Assis, sue venceu com a rep rt gem " P ligono dos C ontrastes", publlcrda no "C orreio do Pov ", de P rto, Alegre. O "Prêm io Ev < de Rep< r_ tag em d foi conqul» ti,jo por Silvia D n d o. d' Jornal do Hra-sll". com o trdbalho A d d e um a crian. ç a ", vers-ndo o dram a da rrt mçn abandonada no Rio t'r Janeiro O» vencedores dos prémk* regionais f r m Per-eu Abramo de O F.'tiulo de ti P aulo (grupo " A ), com rua rep r f g e m sõbve a lnaugursçao de B ra sil" Fialho P n c h rc \ do "D iário de Mi n a s' dc Belo Horizonte (grupo t ), c'.m o trabalho KM 57 roceiso FnrneM e Jc0* I <-Ao Filho, do "C orreio Bra N v mente majorados «llleru-e de Brasil!'1 <grup«itêrnlo» p iv.m d o o p, rin. O"). com a série Brasília r,ph» 100 mil ciuzelro» e^ p cs homens". um» viagem de Ma e volta Nov 1 rrl ie. pcl.i VARIO «Foruiu (oiiíerlds* m< h- - edidonsu para 28 mil çôcs honrosa t ás seguintes '* u". f r:>m vencedoi«'«*» 57 Mái-10 Alvav do "Coi, B rnstlla". de Perseu Abriu. 1>f d«m anhã' p- r seu m ile O F-rado de 8 P«u- EM M antém->e nésse ano o I valor dos prém l s mas rs E s. j fadot são reagrupados, par < colocar dentro da mesm a rlr.s-illcição iquclcs f nde a Imprens-, s p rf enta recurio m ateriais iemelhantes. Ainda nésse tn o surge o piêm io de fotografia, no vn lor de 50 mil cru z eiro, dr. tin id o ao au to r da melhor foto publicada na tmprens 4 h-arileir i Seu primeiro vencedor é o repórtri- Sérgio Jo r. pi de "M anchete", com uma fot em que a p rece uma criança dc um bairro pobre paulista, em lu ta com um funcionário da Prefeitura oue D oara seu cã' zinho e o cznduzli para a "carrocln h a. lo' Impri n r M a r r n ". de Cilezan» F< andes, do "D iário da N" do Rio, " P a brica.se u ; nôvo Nordeste", de Franklln de OUvelra. do ' C.rrclo da M anhã", do Rio, e "C ritico de At te do DT neusa estão issaltondo Oule n trd". de Frederico dc M - racs, do ' Diário da T arde", de Belo H rlzonte FM 61 E feita nova divisão do Pafe, p ss»ndo de trés para quatro grupm Além disso, os préml s são aum entados, pas. sando o principal de 150 mil 6 K *- pnra 260 mil cruzclr s r um a viagem dc ida c volte ivi.s EE UU. pela VARIO Além disso, r io abolida as lestrições ao num ero de rc portagens que cada J rn IV ti pode escrever Venceu o Prêmio Esso de Reportagem " José GonçaL ves Fontes, d 1 "Jo rn al do B rasil" com o trab lho F raude Eleitoral" O prêmio regional do G rupo "A " f 1 conferido a Miguel Urbn. no Rodrigues < Antônio Luclo. de "O Estado de S Pnulo". utores do El#só dlc d^ S anta M aria" No G ru. po "B ", venceu Juarez, da "T ribuna" de Santos, com O O r nde despertar". Flá_ vlo Fcrrelra e José Ignâclo, do "D iário dri T arde" de Iíelo H' rlzonte foram oa vencedores do G rupo ' C". com o trabalho "O tário da Tarde rompe <i cortina da verg n h a " E o trabalho "O uro e Fome, binômio do In p a jô s". de Roberto Oueudevllle, da " P r víncla do Pa_ rá", de Belém, foi contem plado c( m o prêmio do O rupu D ". Aos J rnala ' Tribuna dn Im prensa" e "O Estado de V E R S Á T I L como os pequenos. FORTE como os grundes... E C O N Ô M i C Q como ele só! Moter 40 HP. mares MWM. Ft mbi- njeto * elstem a #i* Boeth Engata h'c. 1 3 ponte». Rête, I 800 kg 5, P aulo -m conferido* dippm aa de mérito, pelos tra balh' a de suas equipes "Cam panha contra a poliomlellte" r "E ncontro dc presidentes", respectivamente Receberam Mençôcs Honrosa»" a» seguir, tes reporta - gr i" Ciam' r de Juatlç dc Flalh > Pacheco, do "D iáilo de M inas", dc Belo Horizonte, "U m a vida hum ana não tem preço", de Hélio Artelro, do " Diário Flum i nense", de Niterói, e Sim. b a u m 1. te rra lc rd á n a ", de Manoel Carlos Chaparro, dc A Ordc-m*. dc N itnl. Foram ccnsidcrados dignos dc d e sfq u e esperl.al, p r seus l ran d o Pinto, Eduardo P ira», lho, CarV Pinto. C rl Chagas, M ^urilônlo Melra. Do. AUTONAC S/A o feus dish buid^roç autorizados t^m a grata satisfação de com unicar sua nom eação, pela VALMET DO BRASIL S/A como concessionários do VALMET 3M) DIESEL É SUA A ESCOLHA DO FINANCIAMENTO! V S. uscollu* o s planos dv- financiamento que a própria Autonac e s i di 'íi ihuidt Hie ofeuecem.. ou o plano do Banco do Brasil. A* U T O N A C S. m mlngoa de Lucca J r Cesar Tácito Lopes Costa e Antônio Agglo J r Ao Jornalista No. nato Masson. d «"Jo rn al do B rasil, foi também conferido veto de louvor p r seu» trabalhos "B rasil p n.eu govêrno". O prémli í tográflcn foi < nferldo à foto "Q ual o R u. roo, de Erno Cchnel der, do J rnal do B rasil", reccben. oo 'Lnda "M enções H onro, ra»" as fot' s;g?garln". de Carlos L em am, d a Tribuna da Im prens " Revolta doe E.m bclros de S P. ulo" de Fuladlo M annente, de O Estadc de S. Paulo"; "E p i sódio do S anta M -iria", de Antênlo Luclo de "O E 'tado dc S Paulo" e Incidente no Campo de Futebol", de J a. fnb R f i c l S rr: da "Po lha do N orte de Belém Rn* do Hlpodromo, c«, t i<u* Seb«e'ilo Pereira, MC A, Pau el-, a.o?3 v ' N», iunel L o[e ) Distribuidor Autorizado Autonac-Valmet em Ourinhos: leã o Oiccliii - I no 52

8 Comentando Som deixar a uuuinia saudade, luidou-se o Campeonato da Segunda Divisão de Profissionais em sua primeira fase. <0111 as equipes do C. A. Ourinhense e A. A. Ferroviária da cidade de Assis, alcançando o título máximo da série Dr. Paulo Machado de Carvalho, titulo esso. disputado a ferro e fogo pelas duas agremiações que usaram de Iodos os meios para («inseguijo. Tivemos ainda a A. A. llapetininga. que injustamente foi alijada dos primeiro; postos du aludido certame, após permanecer na liderança até a ultima rodada e conquistar com méritos indiscutíveis o título de viee-campeã ta série Dr. Paulo Machado de Carvalho. Todos nós sabemos, que a agrcin uçnu da terra de Julio Prestes, pelo futebol apresentado no recém-findo campeonato, destacou-se como uma das mais sérias candidatas ao titulo máximo, com um plantei bem armado, com jogadores tle destaque no cenário esportivo do interior Paulista. Mas o que aconlecou?... Funcionou a Pa nélinha" da Federação Paulista de Futebol e a agremiação de llapetininga foi afastada com um simples tóque, porque outras equipes, por questões puramente de caráter político, teriam de par ticipar do Torneio dos Finalistas, pois houve um cérto senhor, cujo nome é por demais conhecido, t 000 t- «7-000 x oo, CiRCÜI.A NAS SEGC1NTF8 CIDADES PctaaporS. F arln ra. R ilrarem a. fpanro. M andort. Ocaoçn Avare. Ileroardino de Cam poi, B otorato. Campos Votos Paulista. Candldo M ola C eroueira eamr. Xavantca. >nrtnhnt. Olen. Palm ltal. P a ra ru a c o Panllsta. Plreju. f*-»<idpnle Prudente. Q natá, R an rh arla. R ecente Foljó Grande. S an ta B arhara do Rio Pardo. S an ta C rut Pm T'rrhtyri r r> V rcjarrn no Eatçfln d» 85o 1n 1" * «'-irt-'lr>hn ra m h s rá Santo A ntnn'o d» Platina, í? Andlrá e B an d rlra n lri no F.stado do ParanA. ' - t 000 x (yv- v rv pi eti... 1 fundo no - lub< pat i< pnntes «In Segundu Divisão de Profissionais, em irocu de certa quantia de votos em cada comuna. Depois, oooiu Inibir com o vompinuuisso uos maiis ferrenhos eleitores? Muito íiviiplee. ' 11 radieional. que gastou dinheird*para 1 manuten- Vão do plantei profissional, tempo d o s seus diretores, careceu de lutas e sacrifícios d'- seus alicias e abe negação de sua massa torcedora. X A. X. 1tapet'ninga, foi empurrada a um simples "Toque de Caixa, paru o abismo d» injustiça e ila humilhação, por gente irresponsável, que não procura 0 valor de iimu agremiação, mus sim, um núcleo eleitoral, que conduza un- altos postos de contando do Ustado, qualquer indivíduo, mesmo sendo ele um analfabeto de primeira linha. como é o caso em paula. Equipas de categoria são afastadas dando lugar a "Timinhos surgidos do nada e que somente proporcionam prejuiso financeiro e ulgu_ mus malandragens quando uluant cm seus domínios. E us nossas agremiações são provas que estamos afirmando a verdade, pois são elas quem sofrem as conseqüências dessas injustiças que são praticadas sob os olhares complacentes da maioria dos próprios participantes da Segundu Divisão de Profissionais, que u muito já assumiu aspecto d r Campeonato Amador, diga-se de passagem, dos mais avacalhados. Futebol que é bom, 0 publico esportivo já não assiste. Apenas observa clubes capengando, juizes engavetados e desonestos e ainda palhaçadas sem conta. Desta maneira, o que iremos ter dentro dc mais algum tempo, serão estádios as moscas, clubes esfacelados por falta de arrecadação e os jogo* serão Autênticas peladas, indignas de serem apreciadas por quem que seja. Auguramos a A. A. llapetininga. os mais sinceros votos, para que 0 S. T. J. D., anule a decisão absuda da Federação Paulis n de Futebol e coloque a A. A. llapetininga em seu ver dadeiro lugar, ou seja, dentre as principais equipes que disputam a Segunda Divisão de Profissionais. OSWAJLDÜ LAZAR1M Jogando abado ultimo uo Ginásio Municipal de Esportes tt seleção ouvinheivi de bolo 10 ceilo obteve mais um resultado positivo no torneio intitulado l«> 1'.ttinpeoniVo Estímulo do Interior, conseguindo classificar-se para u finalíssima r iperando ngora o vencedor de Jacuret e Mirnssol. Sem duv«la alguma foi uma grande apresentação do qu nleto de nossa cidade pois logo no início já! percebia a suprrioridn «dos n< rapazes q e eslavnm numa -noite inspirada nos arremessoe e contra 11'aque «tendo no l.o tempo uma vantagem «le 11 pontos. Não há nomes a destacar, pois todos estife, ram num inesmo plano, jogando 0 necessário fiara suplantar a aguerri ila representação de 11apetininga. <> interessante é que 0 seleção de Ourinhos jogou desfalcada de dois elementos 011 sejam Michel e Alberünho, elementos que por certo aumentariam ainda mais o nosso potencial. X tu 1* repre.. iiluda pela E s s o formou com IVeim lo. Celso l" P Ailton, Eugênio, 10). Itanilson 0. Vnrd ã o. Eluy «PaiTTTm i 1 ClaiKl1". I lapelii ingu com I' run «isco >. li 11 b n s. u Ze I â o i". Mar qu e.s I.Xe.ves 1!» O s v a ld o Mi Assim estiveram formadas (as equipes: Uu rinhos que no momen- Na arbitragem estiveram Fraru isco Vlene- /ps e Mário Spinees. FESTA Grande I Ia pretende os diretore da C M E oferecer aos integrantes da -elce.10 «li* Bola ao Cesto de iiossn cidu. dade que já têm o blul dc vice-campeft assegurado, sendo este um dos maiores feito do bolo ao cesto «Kj média Sorocabana. (> s JO G O S FIXAIS Já foram Hpurcatlat as do.las para a^ partidas da final. a--im é qu( ficou estabelecido que a 2 de março a Seleção de Ourinhos jogará em Mirassol ou Jacaréi. no «lia 9 receberemos nosso futuro adversário e a terceira partida serú realizada em São Paulo, nu Ginásio T\ llw n r d, u o -Im ; v] kifiu inii «111 -crj Ir v g u c h o u r ê m in e j 0 & MM.IKWl tt u l l c l a Paulo c o m a n d a at> ««ruq to a cbir ificiiçfu r n s b i i l l t t» s c g l l i d al-iet.1 Zelãu nr 1(4 ru-sol. m i t i. M i o s :iij LO xim ix \ Jc irido no «l«ij cm 'pposícguiinehl ui.rlidas amislonugl c boa vibfria com in im iik iio k s u s rg «lesta x - / c.on'rh ql b* cepvescntaçãtg Eondrina. Não deixe o O o O l l l j t esci M uitas v ê z e s, o tra-, balho de seu ca m i nh ão a D IE S E L não rende. Isto a co n tec e quando ê le está q u e im a n d o ó l e o, p erd en d o p o t ê n c ia e tc. O Sr. p o d e e v i tar ê s t e e sc a p e de lu cros! MOTORIS procure umi SERVIÇO r SCB VIÇO onde V. em peças g«i porfeltai MSL clatécnkil a & a w.*»» \ x\ F nça um i P st o de Serviço JÇ j zado B sch, da de M otores do C LOVIS, e vq iue h á de muis êm m áquin s e íen t- s para te sta r e i. h m bas in je trra s e Diesel, à R ua Dui Caxias. 150 ío O IR IN H O S. surge o carro brasileiro que V l k tiguaril (u[a! y 0 PRIMEIRO UTILITÁRIO DE LUXO PRODUZIDO NO BRASIL! Prm eiro veiculo nacional a reunir a elegância e a beleza de um carro de passeio com os recursos Ue espaço e varsaiilidade de uma perua para "todo- -serviço", o n ivo SIMCA JANGADA traz para sua satisfação uma surpreendente conjugação de confôrto, utilidade e desem penho. É amplo por dentro, sem dim ensões externas exageradas. É veloz, estável e seguro e vorpora aperfeiçoamentos que atendem de forma pcrfuita às condições ecpcclficas do uso no Brar I. O SIMCA JANGADA ê a solução prát ca, moderna e tipicamente brasileira pr,rn o seu probloma de transporte de passageiros cu carca, na cidade, na estrada e no campo. Procure vê-lo logo!! -:' ró p B is I5 0 * > -y ^***(2 cananossa* b " 4 penei Iclereli ««ir.pjo porto dupta 2 bon «< 2 bonqu»fos ri(omoleu>rn trsitlro lodtllem u autista de pw. '-'rmilam ecowatai confortòvelmenta ale geirei <er e. g peisogalret. Motor V -6 _ m pcièn cu - 9C HP, já consagrado no Brasil pelo seu rendimento e econ or ia! - Freios hidr. lico. do tipo Twinplex", super-dfmensione, os para segurança total. Suspensão traseira reforçada Carroí sis ii.logrado «.1 eót-da armaç. o de aço 3 marchas avan*'\ 1'xias? ncr«..zeoae. F. l r. detalhes de luxo e bem. i dos fam osos ramos do linha Simce" > :ulr i v *. ' y- Uh f (ev - 2 i ;lei Lei.. i i i pi m: íi.t.fj Jongitia íen.jtcdo gi;r,il«velwmi ca «urgo corto «e v, nu liuüio- i i uo lutto Fozendo-ie o rt>c'ino do bci.ro Ircielro obrem «e eipoço uni poiu taiifgur ató $75 qullci d.* 0 grc.ide bvgo-nlro lixodo lobie o teto ou mrnlo ol-dj moli o topocldide de «oi.a S O C I inform; Secção de vendas 1 O u rin h o s: Rua A n g Carlos Mori, 20 1 f ne: 184 AVES E OVOS Cotação fornecida tem pela Associ&çflfl lista de Av cultura j São Paulo A Pre< atacado para aves O VOS FRESCOS, FR IG O R ÍFIC A Caixa de 30 duzi Preços no atacado:«especial 5.7 A... BI B C.... D 4; NOTA Ovo COR para ler OVO - Use raçõ es Concessionário em Ourinhos e região Soe. de automóveis Racaneílo Ltda. ua Parana, 580 Ourinhos Estado de São Paulo 1 'ltk F I lt.\m OS P W Í

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

PESQUISA PERFIL DO TURISTA

PESQUISA PERFIL DO TURISTA PESQUISA PERFIL DO TURISTA 1) Qual país de origem? Categoria em (%) Brasil 98,19 98,66 97,55 América Latina 0,86 0,55 1,28 Outros países 0,95 0,80 1,16 País de origem América La tina 1% Outros pa íses

Leia mais

Parte 3 : Gravação de CDs

Parte 3 : Gravação de CDs Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes,

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS 8 de março O Conselho Regional de do Amazonas parabeniza todas as mulheres CRA/AM realiza Cerimônia de Posse Solene dos Conselheiros e apresenta nova Diretoria Executiva No dia 27 de m arço, no Morada

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s REPUBLICA DEMOCRÁTICA WÍ DE SÃO TOME E PRÍNCIPE ( U nidade'disciplina-trabalho) GOVE RN O DECRETO-LEl N.' 029/2014 No âmbito do p roje cto de "Ap o io ao Desenvolvimento urbano em São Tomé e Príncìpe",

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as.

P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. I I O F I C I N A PA R A I N ST R U M E N T A L I Z A Ç Ã O D O S M A T R I C I A D O A R E S E M SA Ú D E M E N T A L P articipação social n o en fren tam en to ao álcool e ou tras drog as. M o rg an

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re O b ra s da C o pa 2 0 1 4 P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re RE C URS OS Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Assinada em 13 de janeiro de 2010

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras

Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Município: Ipaporanga Estado: CE Mobilizador Cultural: Cyria Mayrellys Lima Expressão Cultural selecionada: Rezadeiras Prática desenvolvida na Europa, durante da Idade Média, estritamente dentro do modelo

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA.

CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. BÁRBARA REIS; JÚLIO KALÉO; JULLIANY PAULA; RAISSA PINHEIRO; TOBIAS DA SILVA. A LINGUAGEM DOS JOVENS E A CONSCIENTIZAÇÃO DO MEIO AMBIENTE ATRAVÉS

Leia mais

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE

ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE Adaptação para quadrinhos: FRANÇOIS RIVIÈRE & SOLIDOR ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE seguido de MORTE NO NILO 3 ISTAMBUL, INVERNO DE 1932... MEU CARO POIROT, ESTOU ABISMADO. NÃO HÁ MAIS NENHUM LEITO DISPONÍVEL

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO

PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Professora: Raquel de Lemos Tochetto PLANEJAMENTO (ADIVINHAS, UM GÊNERO PRESENTE NO FOLCLORE) ADIVINHAS, UM GÊNERO DO FOLCLORE BRASILEIRO Competências Linguagem oral, leitura e escrita. Objetivo geral:

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO DO FUNDEF PRESIDENTES DOS CONSELHOS ESTADUAIS DO FUNDEF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL DEPARTAMENTO DE ACOMPANHAMENTO DO FUNDEF PRESIDENTES DOS CONSELHOS ESTADUAIS DO FUNDEF 1. AC 2. AM JONATHAS SANTOS ALMEIDA DE CARVALHO HERALDO LUCAS MELO (068) 922-3257 / 226-4656 / 226-3939 Fax (068) 223-6421 jsantos@tre/ac.gov.br Rua Manoel Cesário, 100 Bairro Capoeira 69.000-000 Rio Branco

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL. Porto Alegre, janeiro de 2006

PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL. Porto Alegre, janeiro de 2006 PERFIL DOS PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, janeiro de 2006 Slide 2 Síntese Metodológica 750 Entrevistas Quantitativas, mediante aplicação de questionário estruturado e

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

TABELA DA 43ª COPA SÃO PAULO DE FUTEBOL JÚNIOR - 2012 - PRIMEIRA FASE

TABELA DA 43ª COPA SÃO PAULO DE FUTEBOL JÚNIOR - 2012 - PRIMEIRA FASE GRUPO A SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Estádio Benedito Teixeira 03-jan-12 - ter 14:00 AMÉRICA FC - SP x MIRASSOL FC - SP 03-jan-12 - ter 16:00 CRUZEIRO EC - MG x ABC FC - RN Sportv / ESPN 06-jan-12 - sex 14:00

Leia mais

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas

MIGUEL GONÇALVES MENDES. José e Pilar Conversas inéditas MIGUEL GONÇALVES MENDES José e Pilar Conversas inéditas Copyright 2011 by Quetzal Editores e Miguel Gonçalves Mendes Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais