ESCOLA NAVAL ENTREGA DE ESPADAS E JURAMENTO DE BANDEIRA. NRP FIGUEIRA DA FOZ OPERAÇÃO ÍNDALO 2014 pág. 6. A EUROPA, PORTUGAL E O MAR pág.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA NAVAL ENTREGA DE ESPADAS E JURAMENTO DE BANDEIRA. NRP FIGUEIRA DA FOZ OPERAÇÃO ÍNDALO 2014 pág. 6. A EUROPA, PORTUGAL E O MAR pág."

Transcrição

1 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA MARINHA / Nº 490 / ANO XLIV / MENSAL / 1,50 ESCOLA NAVAL ENTREGA DE ESPADAS E JURAMENTO DE BANDEIRA NRP FIGUEIRA DA FOZ OPERAÇÃO ÍNDALO 2014 pág. 6 A EUROPA, PORTUGAL E O MAR pág. 10 TRIBUTO AO COMANDANTE ALPOIM CALVÃO pág. 18

2 FOTOGRAFIAS ANTIGAS, INÉDITAS OU CURIOSAS Duas fotografias, o mesmo navio O NRP SABRE (P 1138) foi o resultado obtido da transformação do vapor CHIRE, que pertenceu à frota da companhia Sena Sugar Estates (Província de Moçambique). Houve outros navios a vapor semelhantes, que foram deixando de ser utilizados pela companhia no transporte do açúcar das suas fábricas do Luabo e a Vila de Marromeu para a Vila de Chinde, efetuando depois o seu escoamento através de navios costeiros. Tudo foi alterado com a ligação por caminho-de-ferro, de Marromeu à Beira. O CHIRE foi o navio a vapor adquirido pelo Comando Naval de Moçambique, pela importância de 420 contos (Anais do Clube Militar Naval Janeiro e Março de 1983), tendo sido sujeito a uma grande transformação efetuada no Chinde nos princípios dos anos 70. Poderá observar-se a grande metamorfose operada, não só nas superestruturas como na propulsão. Deixou de ser o vapor a energia transformadora para dar movimento à roda propulsora colocada na popa do navio, para passar a ser a propulsão por hélices acoplados a dois motores. Batizado com o nome de SABRE em homenagem às antecessoras Lanchas-canhoneiras que fizeram parte das Esquadrilhas que tinham navegado no Zambeze, continuou a efetuar a patrulha neste rio. Batista Velez 1TEN OTT REF

3 SUMÁRIO CC Fotografias Antigas, Inéditas ou Curiosas Strategia 6 Nato Trident Jaguar 2014 REX14 Exercício de Robótica Centro de Medicina Naval NRP Sagres Manobras no Aparelho A Despedida de um Herói Escola Naval Seminário Cibersegurança Liderança e Desenvolvimento de Equipas Entregas de Comando Novo Diretor da AFCEA Portugal Cerimónia de atribuição do nome VALM Sarmento Gouveia à Base Hidrográfica / / CALM EMQ Joaquim de Carvalho Afonso ( ) Aniversários Saibam Todos Vigia da História (68) Novas Histórias da Botica (37) Saúde para Todos (19) Desporto Quarto de Folga Notícias Pessoais / Convívios Símbolos Heráldicos NRP FIGUEIRA DA FOZ OPERAÇÃO ÍNDALO A EUROPA, PORTUGAL 10 E O MAR TRIBUTO AO COMANDANTE ALPOIM CALVÃO 18 Capa Espadas na Cerimónia de Entrega Foto 1SAR A Ferreira Dias Publicação Oficial da Marinha Periodicidade mensal Nº 490 / Ano XLIV novembro 2014 Revista anotada na ERC Depósito Legal nº 55737/92 ISSN Diretor CALM Carlos Manuel Mina Henriques Chefe de Redação CMG Joaquim Manuel de S. Vaz Ferreira Redatora 1TEN TSN - COM Ana Alexandra G. de Brito Secretário de Redação SCH L Mário Jorge Almeida de Carvalho Desenho Gráfico ASS TEC DES Aida Cristina M.P. Faria Administração, Redação e Publicidade Revista da Armada - Edifício das Instalações Centrais da Marinha - Rua do Arsenal Lisboa - Portugal Telef: Fax: da Revista da Armada Paginação eletrónica e produção Instituto Hidrográfico Tiragem média mensal 4500 exemplares Preço de venda avulso: 1,50 3

4 Stratεgia 6 TELL ME HOW THIS ENDS título deste artigo é roubado ao General David Petraeus, O que proferiu esta frase em 2003, pouco depois da segunda invasão do Iraque, ordenada por George W. Bush. Petraeus acabara de chegar ao Iraque ao comando de uma Divisão Aerotransportada e proferiu esta afirmação, de forma casual, a um jornalista do The Washington Post, pretendendo sintetizar a ideia de que as guerras são fáceis de começar, mas o desenlace final é muito difícil de descortinar. À medida que se adensava a incerteza sobre o fim da segunda guerra do Iraque, essa expressão foi sendo cada vez mais lembrada, vindo a ser, inclusive, escolhida para título da primeira biografia de Petraeus, da autoria de Linda Robinson. Lembrei-me desta afirmação a propósito da situação na Somália. De facto, é bastante difícil entrever como é que a atual vaga de pirataria marítima poderá acabar, tendo presente que as operações navais em curso (que tão bons resultados têm alcançado) não se poderão prolongar indefinidamente. Isso obriga a prosseguir uma estratégia multidimensional, com o objetivo de recuperar a Somália enquanto Estado capaz de exercer a soberania em todo o território nacional, tendo o combate à pirataria na linha de mira. Todavia, isso ainda está muito longe de se atingir, pelo que se justifica tentar desvendar o que está a ser feito e o que pode ainda ser realizado para a consecução desse objetivo estratégico. Por uma questão de sistematização, recorrerei à aproximação DIME, dividindo a minha análise nos seguintes quatro domínios: diplomático, informações, militar e económico. Assim, no domínio diplomático (que inclui os aspetos políticos), é essencial a prossecução de dois objetivos macro para a estabilização da Somália. Primeiro, urge pôr fim à instabilidade crónica causada por senhores da guerra/clãs rivais e por combatentes islamitas, essencialmente ligados ao grupo Al Shabaab, bastante ativo no sul do país e com afiliações à Al Qaeda. Segundo, importa ultrapassar a divisão nacional, uma vez que o país está de facto dividido com a Somalilândia e a Puntlândia a proclamarem, respetivamente, a independência e a autonomia. Será um objetivo muito difícil de atingir, pois o território da Somália agrega regiões ancestralmente ocupadas por tribos com rivalidades históricas, cujos antagonismos recrudesceram a partir do golpe de estado de 1991, que depôs o governo de Siad Barre. De qualquer maneira, recentemente, foram dados alguns tímidos passos para a estabilização nacional. Em setembro de 2012 após a adoção de uma nova constituição e a indicação de um novo parlamento a Somália elegeu o seu primeiro presidente, desde o estabelecimento do governo federal de transição em O eleito foi Hassan Sheikh Mohamud, que foi prontamente reconhecido pelos EUA, pela UE e pela comunidade internacional, em geral. Entre as medidas tomadas pelo novo presidente, cabe referir por estar diretamente ligada à luta contra a pirataria a oferta de uma amnistia parcial aos piratas de pé descalço, tendo porém o cuidado de não a estender aos mandantes e aos financiadores dessa atividade. Contudo, os recentes progressos na Somália são muito ténues e fluidos, dada a extrema fragilidade e imprevisibilidade do país. É preciso ter a clara noção de que a estabilização deste país vai levar muito tempo, eventualmente muitas décadas, devido à situação de grande precariedade em que vive toda a população. Não obstante, uma das áreas que deverá merecer especial atenção é o fortalecimento das instituições judiciais, de forma a desenvolver uma capacidade jurisdicional autónoma que, inter alia, permita julgar de forma efetiva os detidos por envolvimento na pirataria. No domínio das informações, é fundamental seguir o rasto do dinheiro dos resgates pagos pela libertação dos navios tomados pelos piratas, de forma a perceber quem beneficia com essa atividade ilícita. De acordo com um estudo do Banco Mundial, elaborado com o apoio da ONU e da Interpol (e divulgado no final de 2013), o total dos resgates pagos a piratas somalis entre 2005 e 2012 terá rondado os 400 milhões de dólares, sendo que, em média, o valor de cada resgate terá sido de cerca de 2,7 milhões de dólares. No entanto, cada pirata apenas recebe entre 30 e 75 mil dólares. Isso significa que apenas 0,011% a 0,027% dos valores pagos vai para os executantes. Ainda assim, mesmo o valor mais baixo (30 mil dólares) corresponde a cerca de 54 vezes o rendimento anual per capita na Somália (550 dólares), o que mostra bem a As operações navais em curso no Oceano Índico têm provocado uma diminuição muito significativa da pirataria no Índico (à esquerda a fragata Álvares Cabral com as suas principais capacidades táticas anti-pirataria; à direita fuzileiros portugueses abordam uma embarcação suspeita de pirataria) 4

5 atratividade da pirataria para o cidadão comum. Por outro lado, os financiadores receberão 50% ou mais das verbas pagas, enquanto a Al Shabaab recebe valores na ordem dos 20%, nas regiões por si controladas. Embora os fluxos financeiros já não sejam inteiramente desconhecidos, é necessário continuar a investigar quem são os principais beneficiários da pirataria somali e tomar medidas concretas para o estrangulamento do modelo de negócios em que ela assenta. Por exemplo, o acima referido relatório identifica o Djibuti, o Quénia e os Emirados Árabes Unidos (especialmente o Dubai) como os principais destinos do dinheiro pago pelos resgates Armas capturadas pela AMISOM à Al Shabaab (Foto: AMISOM) No domínio militar, é imprescindível continuar a promover a paz e a segurança no país, objetivos para os quais muito tem contribuído a African Union Mission in Somalia (AMISOM). Esta missão de manutenção da paz visa criar as condições de segurança indispensáveis para o desenvolvimento da Somália, desempenhando ainda um papel fundamental no controlo e na contenção da Al Shabaab no sul do país. Além disso, importa apostar cada vez mais na edificação de capacidades de segurança autónomas, de forma a ir permitindo uma retirada gradual das marinhas estrangeiras do Oceano Índico. Dois bons exemplos disso são as missões EUTM Somalia (para a qual Portugal tem contribuído através da participação de equipas de militares do Exército) e EU- CAP Nestor, ambas da responsabilidade da UE. A missão EUTM Somalia foi lançada em 2010, com o propósito de formar militares somalis, dessa maneira contribuindo para fortalecer, gradualmente, a arquitetura de segurança do país e, assim, ajudar à sua estabilização. Esta missão decorreu inicialmente no Uganda, mas com a melhoria da situação de segurança, transferiu-se para a Somália já este ano. A missão EUCAP Nestor (iniciada em 2012) enquadra-se no âmbito da segurança marítima e tem por finalidade reforçar gradualmente o desempenho autónomo das funções de guarda costeira (incluindo o combate à pirataria), em cinco países da região: Somália, Djibuti (onde se localiza a sede da missão), Quénia, Tanzânia e Seicheles. No domínio económico, urge promover o desenvolvimento em áreas com algum potencial de criação de riqueza. Atendendo à excelente localização geográfica do país e à extensão da sua costa, uma das áreas de maior potencial é o comércio marítimo, cuja retoma implica a revitalização dos maiores portos, nomeadamente Berbera, Bosasso, Mogadíscio e Kismayo. Como esses portos se localizam no estreito de Áden e no sudeste do país, a construção de um porto comercial na costa nordeste, expandindo um dos pequenos portos aí existentes, poderá também constituir-se como uma importante alavanca de desenvolvimento económico e até de coesão nacional, ao permitir aproximar melhor um território com muito deficientes ligações terrestres. Naturalmente, a revitalização dos portos deverá ser acompanhada pela construção de vias de comunicação que os liguem às principais áreas produtoras e consumidoras, de forma a envolver as regiões mais remotas na atividade comercial. Além disso, existem diversas outras áreas com potencial para proporcionarem alternativas de subsistência à pirataria, tais como a criação de gado, a exploração de petróleo, gás e minerais, a atividade piscatória, a aquacultura e, eventualmente, num futuro de médio/longo prazo, o próprio turismo. Para concluir, gostaria de enfatizar que a atual situação de controlo da pirataria somali resulta de uma conjugação de esforços que, se por um lado conseguiu anular o sucesso das ações piratas, por outro não conseguiu eliminar as principais causas por detrás da pirataria. Dessa forma, existe o risco de um abrandamento do esforço internacional na região poder levar à retoma do número de ataques. De qualquer maneira, a comunidade internacional dispõe agora de uma boa oportunidade para consolidar uma estratégia holística para a Somália, aprofundando a cooperação entre as diversas forças e entidades presentes, com vista à prossecução do objetivo estratégico para a Somália. Exemplar, no desenvolvimento de uma abordagem estruturada e multifacetada contra a pirataria, tem sido o Grupo de Contacto sobre Pirataria na Costa da Somália. Este fórum internacional (criado em janeiro de 2009, no seguimento de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU) tem liderado esforços de articulação nas seguintes áreas: reforma do sistema judicial e penal e edificação de capacidades de segurança marítima; aperfeiçoamento dos instrumentos legais de combate à pirataria; adoção de medidas de proteção por parte da navegação mercante; aumento da consciencialização pública para os riscos da pirataria; e disrupção dos fluxos financeiros associados à pirataria. Porém, ainda resta muito por fazer para que se consiga conferir à Somália a estabilidade de um Estado soberano e a autonomia para lidar, com alguma sustentação, com a pirataria. Até que isso aconteça, a atuação das marinhas, combatendo a pirataria no Oceano Índico, continuará a ser essencial para, entre outros benefícios, assegurar a liberdade da navegação, numa região de grande importância para a economia mundial, por onde passam 8% do comércio marítimo e 12% do petróleo mundiais. Participação portuguesa na EUTM Somalia (Foto: EMGFA) Sardinha Monteiro CFR 5

6 NRP figueira DA FOZ OPERAÇÃO ÍNDALO 2014 Principais fluxos migratórios para Espanha na área de operações Imagem térmica de PATERA detetada No dia 30 de julho, o NRP Figueira da Foz largou da Base Naval de Lisboa para a sua primeira missão fora de área, rumando ao Mediterrâneo para integrar a operação de controlo de imigração irregular da agência da UE FRONTEX 1 ÍNDALO 2014, que se desenvolve no sul de Espanha de junho até final de setembro de É no período de verão que se verifica um aumento significativo da atividade ilícita de migração irregular proveniente do norte de África, nas denominadas PATERAS 2. São várias as motivações e os tipos de imigrantes que, praticamente todos os dias, se lançam ao mar do desespero em busca de um futuro melhor. Na parte leste do Mediterrâneo, zona onde operou o NRP Figueira da Foz, regista-se, desde logo, no estreito de Gibraltar, inúmeras ocorrências de imigrantes de origem Marroquina, que se fazem ao mar em botes de borracha, na esperança de chegar a Espanha. Estes imigrantes, na sua maioria mulheres e crianças, também se arriscam em toda a costa norte de Marrocos em trânsitos mais prolongados, tentando alcançar a ilha de Alborón e daí a costa espanhola. Seguindo para leste, encontramos imigrantes argelinos, normalmente homens jovens, que procuram entrar ilegalmente na Europa através de Espanha, a maioria procurando como destino final a França. Ainda mais para leste, verifica-se o aumento exponencial de imigração irregular, a maioria de origem subsaariana, a qual, a contas com redes ilegais, muitas delas ligadas a movimentos fundamentalistas e terroristas, se financiam também através desta atividade, levando estas pessoas a acreditar numa vida diferente na Europa e a pagar tudo o que têm por este sonho de futuro. Estes imigrantes têm vindo a ser conduzidos sobretudo para a Líbia, e daí, para Itália, Malta ou Grécia. Face a esta situação verdadeiramente preocupante, a agência europeia FRONTEX decidiu apoiar diretamente os Estados-Membros mais afetados com este problema, procurando, assim, dar uma resposta integrada europeia para um problema europeu o controlo das suas fronteiras marítimas externas. Se é um facto que não é possível de todo evitar este problema, exigir-se-á, à luz dos valores europeus, uma resposta ao nível humanitário, atuando de forma a evitar tragédias nas águas europeias e permitindo recolher estes imigrantes, efetuar o seu controlo e sujeitá-los, de acordo com as leis internacionais e nacionais, ao tratamento jurídico que assegure o primado dos direitos, das obrigações, mas também, sempre que aplicável, a punição das violações de várias naturezas que venham a ser apuradas. Este processo complexo exige, assim, uma articulação estreita entre diversas agências de diversos países e com diversas competências. Desde as autoridades militares, que através dos seus meios navais podem oferecer as capacidades para atuar nos espaços marítimos por longos períodos e com variadas capacidades, até às autoridades policiais que asseguram o controlo, tratamento e encaminhamento dos imigrantes irregulares, até a autoridades de busca e salvamento marítimo, é fácil entender a coordenação que tem que haver para se assegurar uma resposta coerente e eficaz a esta questão. É esta questão que é endereçada pela agência FRONTEX, patrocinando um espaço para a articulação entre várias entidades e apoiando os Estados-Membros mais afetados através do financiamento destas operações. Foi neste quadro, e através da oferta de meios efetuada pela Marinha à agência FRONTEX 3, através do Estado-Maior da Armada (EMA), que o NRP Figueira da Foz veio a ser chamado a participar nesta operação, no período de 1 a 31 de agosto. A Operação ÍNDALO 2014 é coordenada pela Guardia Civil de Espanha e está centrada no Mediterrâneo Ocidental, nas águas de Espanha e nas fronteiras marítimas com a Argélia e Marrocos e visa detetar, localizar, identificar e controlar a atividade ilegal de embarcações 6

7 Visita do MDN envolvidas em imigração irregular, e prestar assistência humanitária e socorro sempre que tal se verifique necessário. O NRP Figueira da Foz contou com 60 militares embarcados, dois inspetores do SEF 4 e um oficial de ligação da Guardia Civil de Espanha. Em simultâneo, e aproveitando esta excelente oportunidade de instrução, efetuou a viagem de instrução dos cadetes do 3º ano do mestrado integrado da Escola Naval (EN), no período de 30 de julho a 2 de setembro de 2014, a fim de dar cumprimento aos requisitos de formação técnico-naval da EN. Durante toda a missão o NRP Figueira da Foz operou em cooperação direta com uma aeronave dos serviços de fronteira da Finlândia que efetuou voos de patrulha diários na área de operações revelando-se fundamental na deteção e identificação de embarcações em atividades ilícitas. Durante a missão o navio participou diretamente em quatro ações relacionadas com imigrantes irregulares, em colaboração com as autoridades espanholas, de onde resultou o resgate de 62 pessoas. Paralelamente, o navio esteve envolvido em diversas ações, destacando-se a monitorização a embarcações suspeitas de narcotráfico e a identificação de poluição no mar. No dia 12 de agosto, em Málaga, o Ministro da Defesa Nacional (MDN), Dr. José Pedro Aguiar-Branco, acompanhado pelo Almirante CEMA, visitou o NRP Figueira da Foz. Esta visita contou também com a presença de outras altas individualidades, nomeadamente o Diretor da Divisão de Operações da Agência FRONTEX, Sr. Klaus Roesler, representante militar do Ministério da Defesa Nacional de Espanha, Major-General Rafael Sánchez Ortega, e altos representantes da Guardia Civil Espanhola, e contou com a presença de diversos órgãos de comunicação social, designadamente a RTP, Agência Lusa e Observador. Nesta visita o navio largou para o mar para uma demonstração de capacidades operacionais da plataforma, destacando-se inicialmente um briefing sobre a Agência FRONTEX, a Opera- Cadetes da EN em instrução LA ção ÍNDALO 2014, a cooperação entre as várias entidades e as valências dos NPO neste tipo de missões, e posteriormente uma demonstração de capacidades do navio na eventualidade de ter que responder a uma situação de transbordo de imigrantes irregulares para bordo. A visita terminou com a entrada no porto de Málaga, tendo sido reconhecido por todos a importância da presença do NPO Figueira da Foz nesta missão e o contributo que tem dado nas boas práticas de articulação e cooperação entre as várias entidades da UE responsáveis neste âmbito. Em 31 de agosto, a navegar ao largo do estreito de Gibraltar, terminou a participação do NRP Figueira da Foz na Operação ÍNDALO 2014, zarpando do mar Mediterrâneo em direção a casa com mais uma missão cumprida, onde das cerca de 800 horas de missão contabilizou mais de 500 horas de patrulha e cerca de 3500 milhas náuticas percorridas. Notas Colaboração do Comando do NRP FIGUEIRA DA FOZ 1 FRONTEX (Frontier Exterior) Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia. 2 PATERA Designação em Espanha para uma pequena embarcação que transporta imigrantes irregulares. 3 O SEF é a entidade competente para os assuntos de imigração e controlo de fronteiras e o NPOC National Point of Contact junto da FRONTEX. 4 SEF Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. 7

8 NATO TRIDENT JAGUAR 2014 exercício Trident Jaguar 2014 (TRJR14) da NATO decorreu no O período de 02 a 16 de maio a bordo do USS Mount Whitney sob o Comando do Vice-almirante Phillip Davidson da Marinha dos EUA e atual Comandante da Naval Striking and Support Forces NATO (SFN), localizada no Reduto Gomes Freire, em Oeiras. Contou com uma participação nacional de 23 militares dos 3 ramos das FAs e 3 civis, o que constituiu 10,7% do total de 253 elementos do Estado- -maior embarcado, distribuídos pelas áreas funcionais das operações, logística operacional, apoio, planeamento operacional, avaliação operacional, informações, protocolo, aconselhamento de género, engenharia militar e inativação de engenhos explosivos, cooperação civil-militar e operações especiais. Destes, há a destacar o DCOS Support (Deputy Chief-of-Staff Support), cargo ocupado por um CMG da Marinha, e o ACOS Logistics (Assistant Chief-of-Staff Logistics), atualmente ocupado por um CFR da Marinha e embora tenha sido atribuído à Itália, será um cargo ocupado pela Espanha em regime de rotatividade com outras nações, mas só a partir de O TRJR14 teve como objetivo final a certificação da SFN, como o primeiro Comando da Estrutura de Forças da NATO, para poder planear e conduzir uma operação marítima expedicionária conjunta de pequena escala (Maritime Expeditionary Small Joint Operation) 1. Depois da sua fase de planeamento, a execução do exercício foi antecedida por uma série de eventos preparatórios ao longo de 8 meses que incluiu treinos diversos, formação nos vários domínios das operações na Escola da NATO em Oberammergau, Alemanha, e dias de estudo temáticos. O planeamento para resposta a crises (Crisis Response Planning) decorreu no princípio do ano ao longo de 5 semanas ininterruptamente. Antes do embarque do Estado-maior no navio de Comando e Controlo, USS Mount Whitney, atracado em Lisboa, a fase de execução já havia sido antecedida pelo Battle Staff Training 2. O navio largou de Lisboa no dia 2 de maio, tendo ficado ao largo para posteriormente embarcar por helicóptero o último contingente de participantes que entretanto foram chegando ao Aeroporto da Portela. O navio prosseguiu a sua missão em direção ao Mediterrâneo, tendo o exercício terminado a 16 de maio em Gaeta, Itália, onde atracou para desembarcar os participantes. O TRJR14 teve como pano de fundo um cenário fictício que decorreu em ambiente de exercício assistido por computador, vulgarmente designado por CAX 3. O cenário com o nome Skolkan é uma operação no âmbito do Artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte 4 face a uma agressão militar e ocupação parcial da Estónia por um país beligerante, Bothnia, situado a norte do primeiro. Decorrente de disputas históricas relativas à soberania sobre as águas territoriais, de recentes decobertas de jazidas de petróleo e de tensões étnicas, a Bothnia, atravessando uma grave crise económica, agiu unilateralmente com o recurso a meios militares e invadiu a Estónia continental e as suas ilhas próximas. Por decisão do Conselho do Atlântico Norte (NAC) 5, a NATO é convocada a prestar assistência à Estónia no âmbito do Artigo 5 do Tratado. A SFN recebe a missão de defender a Estónia, repor a sua integridade territorial e contribuir para o restabelecimento da estabilidade na região. Para tal efeito, são geradas as forças consideradas necessárias, de acordo com as capacidades que o planeamento operacional de resposta a crise definiu. Num total de quase militares, 90 navios agrupados em Forças Tarefa Anfíbias, de Porta-aviões e Expedicionárias (Amphibious, Carrier and Expeditionary Strike Groups), 229 aeronaves, uma Brigada Terrestre Lituana e forças especiais, entre outras, a SFN assumiu o Comando da Força do Báltico (BALFOR) em apoio à Estónia executando as tarefas deduzidas da missão militar atribuída. Decorrente da recente alteração das estruturas dos Comandos e das Forças da NATO, a capacidade e as organizações logísticas da organização sofreram uma significativa redução com o encerramento dos Comandos de Força de Madrid, Espanha, e de Heidelberg, Alemanha 6. Em cada um destes comandos operavam 2 elementos nucleares do Joint Logistics Support Group (JLSG) 7 num total de 100 pessoas. A arquitetura do JLSG, com esta reestruturação, ficou com apenas 2 elementos nucleares 4 oficiais em cada Comando Operacional Conjunto de Nápoles, Itália, e Brunssum, Holanda. Os restantes 21 estão noutros cargos acumulando funções nessas 2 organizações. No âmbito das MEO e face ao condicionalismo anterior que a NATO enfrenta, a SFN desenvolveu um conceito logístico para 8

9 operações expedicionárias marítimas conjuntas e que o exercício TRJR14 também serviu para testar. De acordo com a definição, uma MEO refere-se à capacidade da NATO projetar forças marítimas a fim de desencadear efeitos conjuntos decisivos nos diversos domínios, operando a distâncias estratégicas, com pouco ou nenhum apoio de nação hospedeira, logística integrada e com uma pegada terrestre mínima. O apoio logístico a distâncias estratégicas é complexo e dispendioso. Contudo, uma das inerentes virtudes das forças marítimas é a sua capacidade para se manterem auto-sustentáveis por prolongados períodos. Uma operação MEO, que seja predominantemente organizada com forças marítimas, poderá dispensar o requisito tradicional e doutrinário como o JLSG. Mesmo numa operação com um pendor conjunto mais acentuado, onde exista o Comando sobre forças terrestres e elementos anfíbios, a principal função da logística operacional em terra para receber e sustentar as forças pode ser limitada ou mesmo inexistente. Isto verifica-se porquanto as unidades navais têm um elevado grau de capacidades orgânicas, o que fornece ao Comandante Operacional Conjunto um poderoso instrumento de entrada marítima, sem ter que depender excessivamente dum apoio logístico de retaguarda a fim de manter ininterruptamente a sustentabilidade da sua força. Importante também a realçar é o facto de as forças marítimas multinacionais serem muito interoperáveis e estarem muito familiarizadas com as diversas modalidades de apoio multinacional. Não menos importante é que o mar continuará a ser o meio principal de transporte de todo o tipo de cargas. Os navios são, por conseguinte, excelentes meios logísticos conjuntos e a sua disponibilidade determinará, em última análise, quando e onde operações militares poderão ter viabilidade. Não menos relevante é a existência de navios polivalentes logísticos que encerram todas as capacidades exigidas no emprego no ambiente conjunto, em unidade de esforço e de uma forma ímpar maximizando os recursos disponibilizados. Voltando ao cenário do exercício TRJR14 e não obstante não se predispor totalmente aos pressupostos das MEO (por existir muita disponibilidade de apoio de nações hospedeiras na região), não deixou de levantar enormes desafios. A projeção e a subsequente sustentação logística da força em operações contínuas no Mar Báltico, grande parte proveniente da costa leste dos EUA, exigiu o estabelecimento de uma robusta infraestrutura logística em terra e outra no mar. Em terra, a edificação de bases logísticas avançadas na Dinamarca e na Lituânia, espaços de armazenamento dos quantitativos necessários para as várias classes de abastecimento 8, portos e aeroportos de desembarque 9, estabelecimento de áreas de estacionamento das forças, da sua movimentação por vias rodo e ferroviárias, da sua proteção de força, de contratação local dos diversos serviços necessários, etc., encerraram inúmeros fatores de planeamento com um elevado grau de complexidade. Não fosse a existência de vários países da NATO na região, toda esta estrutura em terra não teria sido possível. Num ambiente agravado por não ser permissivo, lembrando um pouco a Guerra das Falklands em 1982, a força teria que dotar os seus meios com mais capacidades logísticas embarcadas garantindo a sua plena capacidade conjunta de combate. Nos dias que correm, esta é uma realidade pelo uso de forças marítimas pré-posicionadas para servirem de bases logísticas no mar 10. Um significativo efetivo de quase militares, 90 navios, 229 aeronaves e 1 Brigada Terrestre dispersos por uma área geográfica extensa criou naturais desafios. Contudo, o conceito logístico flexível, robusto, contingente, protegendo as infraestruturas logísticas face às ameaças presentes, com uma eficiente unidade de esforço e sob uma organização de comando e controlo efetiva, permitiu atingir, muito satisfatoriamente, os objetivos de treino pretendidos, tendo sido considerado pela equipa de avaliação do SHAPE 11 uma best practice para a NATO. Em tom conclusivo, e regressando às Maritime Expeditionary Operations, o correto posicionamento e a cuidadosa sequenciação da logística marítima na resposta a crises exige uma perfeita sincronização entre os planeadores das operacões e da logística. Forças marítimas expedicionárias são, e serão sempre, um forte instrumento de poder flexível e logisticamente sustentável à disposição do Comandante Operacional Conjunto, permitindo-lhe desencadear efeitos conjuntos nos diversos domínios militares e não-militares com uma cadência operacional ininterrupta e mais significativamente, com menor risco para as suas forças e para a missão que lhe foi superiormente atribuída. Notas Amaral Mota CFR Chefe da Divisão de Logística da STRIKFORNATO 1 MEO Maritime Expeditionary Operations: NATO s ability to project maritime forces that can deliver decisive joint effects in the different domains, at ranges up to strategic distance, with little or no Host Nation Support, sustained by embedded logistics and communications and with a minimum military footprint ashore. 2 Battle Staff Training, na sua expressão mais simples, é o ensaio dos diversos eventos que compõem o ritmo da batalha e que informam o ciclo do processo de decisão operacional do Comandante. 3 CAX Computer Assisted Exercise. 4 Artigo 5 do Tratado do Atlântico Norte requer que os Estados-membros auxiliem qualquer membro, que assim o expresse, e que esteja sujeito a um ataque armado, compromisso que foi invocado pela primeira e única vez após os ataques de 11 de Setembro de 2001 contra os EUA. 5 NAC North Atlantic Council. Orgão principal de decisão política da NATO. 6 Force Commands Madrid and Heidelberg. 7 JLSG Joint Logistics Support Group é o braço executor do plano logístico do Comandante Operacional no Teatro de Operações. 8 As 5 Classes de Abastecimento na NATO (Classes of Supply). I Água e alimentação; II Equipamento diverso, vestuário, medicamentos, etc; III Combustíveis e lubrificantes; IV Sobressalentes e materiais de construção; V - Munições. 9 A/SPODs Air/Sea Ports of Debarkation. 10 Military Sealift Command (MSC) é o exemplo Americano com os sea based maritime pre-positioned units. 11 SHAPE Supreme Headquarters Allied Powers Europe. 9

10 A EUROPA, PORTUGAL E O MAR PARTE I Nas últimas décadas assistiu-se ao incremento do interesse dos Estados no mar enquanto vector estratégico de desenvolvimento, sobretudo após a II GM, devido à consciencialização da necessidade de exploração dos seus recursos e de gestão e governação do oceano e das zonas costeiras, envolvendo as actividades humanas aí realizadas, a requererem uma abordagem abrangente e integradora, com vista ao desenvolvimento sustentável e à adopção de medidas precaucionárias na gestão de riscos, de acordo com uma perspectiva ecossistémica. Nesta aposta nos espaços marítimos, em referência aos mares da Europa, incluindo o português, é justo referir que o nosso país assumiu, no passado recente, um papel meritório de pro-actividade, ao colaborar na tarefa de reforço da relevância da componente mar no quadro das prioridades políticas da União Europeia (UE). É desta problemática e das principais políticas e estratégias marítimas, europeia e nacional, relativas ao mar, que nos ocuparemos a seguir, necessariamente em modo muito resumido. A importância do mar Perfila-se, hoje, a nível internacional, uma espécie de corrida aos oceanos, notando-se um interesse renovado pelas actividades marítimas e questões afins, associado à evolução do ambiente internacional no sentido de uma clara valorização do mar, sob a óptica económica, estratégica, ambiental e de segurança e defesa. Competir com valor e competência, nomeadamente nos domínios económico e ambiental, constituirá a desafiante finalidade da fórmula organizativa assente no modelo de cluster ou hypercluster (marítimo), visando a maior eficácia da resposta dada pelas estruturas que permitem conglomerar e a facilitação de uma abordagem integradora de todos os protagonistas e matérias afins. Nessa visão holística realça-se a problemática da sustentabilidade que vem preocupando alguns países e fora internacionais. Políticas e ESTRATÉGIAS marítimas Vejamos o que tem acontecido de mais significativo na UE e em Portugal, antecedendo com um breve registo acerca dos actores de contexto na circunstância da maritimidade europeia, atlântica e nacional. Da Europa, diremos que durante décadas foi um objectivo comum o estar do lado do projecto europeu, mesmo que este acabasse por ir permeando lentamente as fronteiras nacionais em troca da construção de um sentido de 10

11 propósito comum europeu. Mas a actual crise da zona euro e das dívidas soberanas veio desgastar a equação e quanto mais os cidadãos europeus percepcionarem o seu efeito nefasto no móbil da construção europeia coesão e solidariedade, mais expressarão o desencanto e a falta de confiança nesse processo comunitário. Ora é aqui que o mar irrompe, tanto na Europa como em Portugal. Daí que os clusters marítimos estejam particularmente bem colocados para contribuírem para a realização da Política Marítima Integrada (PMI) europeia, reclamante do desenvolvimento do projecto de uma rede europeia de clusters marítimos. Do Mar, esse imenso lençol líquido que afaga as costas dos países ribeirinhos, a requerer a necessária e exigente acção dos Estados nesses espaços marítimos sob soberania e jurisdição nacionais. Os mares e oceanos, para além da sua função reguladora do clima, podem desempenhar um papel decisivo na recuperação económica, com o aproveitamento das potencialidades da economia azul europeia. Do Atlântico, enquanto poderosa parcela daquele Oceano global e vizinho chegado do território continental europeu. A sua bacia representa uma área total de 20% da superfície da Terra e 26% da sua superfície líquida, dimensões que fazem deste Oceano o segundo maior e onde se inclui o Mar-Portugal. Realce-se que, ao contrário do que se tem ventilado, julgamos pertinente falar da ressurgência do Atlântico, se vingar a tese de que os EUA não estarão a planear afastarem-se da Europa para a Ásia, mas sim a virarem-se para ela com a Europa, que o desejável sucesso das negociações sobre um acordo de livre comércio e investimento (TTI-P, na sigla inglesa) entre ambos, poderá ratificar. De Portugal, apenas para lembrar a nossa incontornável relação histórica e identitária com os mares. Ganharemos com a consideração da unidade atlântica enquanto espaço geopolítico relevante da política internacional. Eis uma via para o reforço da centralidade e dimensão de um país cuja circunstância geográfica o habilita a rejeitar o epíteto de pequeno e periférico. Passemos, então, à apreciação das políticas e estratégias marítimas: a) Europa A nível global, a UE tem, efectivamente, demonstrado algum poder de iniciativa, ao pressionar em favor de mais ambiciosas Resoluções sobre os oceanos, do Direito do Mar e das pescas sustentáveis. Vejamos até que ponto a documentação política e estratégica da União poderá contribuir para a necessária recuperação do seu papel cimeiro no mapa económico e geopolítico do século XXI, que ventos adversos teimam em contrariar: (1) PMI europeia Foi uma aposta com algum significado e mérito da presidência portuguesa da Comissão Europeia (CE), dado que, à época, a iniciativa de incluir o mar na agenda europeia como domínio relevante não era tarefa fácil e mais difícil ainda que entrasse, de facto, nos objectivos estratégicos da UE e neles passasse a constar como uma prioridade. Este processo de edificação da nova política demorou 3 anos, desde o pontapé de saída com o Livro Verde até ao Livro Azul 1, adoptado pela CE, em 10OUT2007, no qual se propunha uma Política Marítima Integrada (PMI) para a UE e um Plano de Acção circunstanciado, aprovados pelo Conselho Europeu de 14DEZ2007. Um dos pontos basilares da PMI foi o de propor a mudança da lógica da governação sectorial das políticas e das tutelas, inibidora do aproveitamento das sinergias entre elas, oferecendo, em contrapartida, uma nova visão para a gestão dos oceanos na Europa, através de uma política integrada, inter-sectorial e multi-disciplinar, o que se fica a dever em boa parte ao trabalho de um dos grandes conceptualistas desta abordagem holística, o Prof. Mário Ruivo. A PMI abrange, especificamente, as seguintes políticas transversais: crescimento azul ; conhecimento e dados sobre o meio marinho; ordenamento do espaço marítimo e gestão costeira integrada; vigilância marítima integrada; e estratégias para as bacias marítimas. O seu objectivo central passa pelo desenvolvimento de uma cooperação estreita 11

12 entre os responsáveis dos vários níveis de governação e sectores, tanto no interior como no exterior da Europa, além de visar o enquadramento, que faltava, facilitador do desenvolvimento e coordenação das diversas, e por vezes contraditórias, actividades marítimas: maximização da utilização sustentável dos mares e oceanos; melhoria da qualidade de vida nas regiões; fomento da liderança europeia nos assuntos marítimos internacionais; e promoção da visibilidade da Europa marítima. A maioria das medidas propostas pela CE são de natureza indicativa. E se a isso associarmos outras particularidades, como a disparidade de interesses dos E-M s em relação aos assuntos do mar, os diferentes graus de desenvolvimento, atenção política e de sensibilização pública relativamente ao domínio marítimo, nos 28 E-M s da União, facilmente descortinamos a razão do diferencial objectivos proclamados-resultados práticos. Os dois relatórios de progresso da PMI (em 2009 e 2012) têm pecado, julgamos nós, por contornar a ineficácia e iludido a nevrálgica questão dos conhecidos constrangimentos em matéria de recursos financeiros da União e dos E-M s. (2) Directiva-Quadro Estratégia Marinha (DQEM) 2 Esta directiva determina o quadro de acção comunitária, no domínio da política para o meio marinho, no âmbito do qual os E-M s devem tomar as medidas necessárias para obter ou manter o seu bom estado ambiental, até Apareceu como a trave-mestra da PMI, constituindo uma espécie de directiva chapéu, em termos ambientais, no que respeita às águas marinhas europeias. A DQEM já foi transposta para o nosso ordenamento interno 3, de que resultou a elaboração das estratégias marinhas para as subdivisões do continente e da plataforma continental para além das 200 milhas marítimas. (3) Estratégia Marítima para a Área do Atlântico (EMAA) 4 Esta documentação estratégica, intitulada "Developing a Maritime Strategy for the Atlantic Ocean Area, foi apresentada pela CE, por ocasião da Conferência do Atlântico, realizada em Lisboa, em 28/29NOV2011, e reportase a um espaço atlântico constituído por um conjunto bastante heterogéneo de regiões. Tem como finalidade a valorização do activo estratégico e económico que constitui o segundo maior oceano o Atlântico, na sua qualidade de fronteira oci- dental da UE, para o efeito delimitado pelas costas, águas territoriais e jurisdicionais dos cinco E-M s atlânticos (FR, IRL, PO, ESP e RU) e águas internacionais até às zonas oriental da América, ocidental de África e do Oceano Índico, a sul até ao Oceano Antárctico e a norte até ao Oceano Árctico. Numa análise crítica 5, apontar-lhe-íamos uma certa inconsistência à luz do que são os normais requisitos de um quadro orientador da acção estratégica (objectivos, recursos e linhas de acção), clara e coerentemente enunciados, que permitem classificar a EMAA como, mais do que uma exigente documentação estratégica, uma bem intencionada declaração de intenções. Diríamos até que mais parece ter saído prematuramente da incubadora para vir a tempo de ser apresentada ao público na referida conferência em Lisboa. A Comissão Europeia, com a aprovação a 13MAI2013 de um action plan, definidor de prioridades de intervenção em ordem a impulsionar a economia azul, preservando simultaneamente o equilíbrio ambiental e ecológico do oceano Atlântico, terá visado a escassez de resultados operacionais na região-alvo desta estratégia. Para não abusar da paciência do leitor, proponho uma pausa estratégica e, ao mesmo tempo, uma ponte-movediça, para tratar, no próximo número, do quadro nacional no que às políticas públicas e estratégias marítimas diz respeito. Rebelo Duarte VALM REF N.R. O autor não adota o novo acordo ortográfico. Notas 1 O Livro Azul, consagrador da PMI na sequência do Livro Verde, intitula-se O Mar Um oceano de Oportunidades. Um oceano de oportunidades para a Europa, bem entendido, também verdade para Portugal. 2 Directiva 2008/56/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17JUL Em 13 de outubro de 2010, foi publicado o Decreto-Lei nº 108/2010, alterado pelo Decreto-Lei nº 201/2012, de 27 Agosto, que transpõe para a ordem jurídica interna a DQEM, e estabelece o regime jurídico das medidas necessárias para garantir o bom estado ambiental das águas marinhas nacionais até Comunicação da Comissão Europeia, COM (2011) 782 Final, de 21NOV11, a diversas entidades institucionais europeias (Parlamento Europeu/PE, Conselho Europeu/CnE, Comité Económico e Social/CES e Comité das Regiões/CR. 5 Desenvolvida em artigo publicado a seu tempo na Revista científica e- Maria Scientia, número de JUL

13 REX14 Exercício de Robótica Desde 2010, o CINAV vem privilegiando as parcerias com Universidades, Centros de Investigação e Empresas envolvidas no que hoje se chama crescimento azul ( blue growth ). A Marinha tem de facto um papel muito importante neste crescimento, pois dispõe de recursos, humanos e materiais, únicos no panorama nacional. Deste modo, surge o exercício Robotics Exercise (REX), com dois objetivos principais: Realizar experiências de mar em apoio dos projetos em que o CINAV está envolvido; Permitir que equipas de investigação oriundas dos outros parceiros possam testar e demonstrar os seus sistemas, particularmente na área da Robótica Móvel, podendo vir, eventualmente, a estabelecer relações de trabalho com a Marinha. Ao longo do exercício é feita a recolha de dados experimentais; testes de operação de veículos e sistemas; demonstração de capacidade operacional e tecnológica nacional junto de diversos parceiros; e demonstração de novos produtos e tecnologias dos participantes. Este exercício aproveita a experiência que a Marinha adquiriu em exercícios como o REP (que tem sido realizado, desde 2010, com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), mas proporciona um ambiente mais descontraído e aberto, onde equipas muito diversas podem interagir com a Marinha, criando relações de confiança e conhecimento mútuo. Robotics EXercise 2014 REX14 Este ano, pela primeira vez, o exercício REX decorreu no rio Tejo Canal do Arsenal, de 30 de junho a 04 de julho, e contou com a preciosa colaboração do Arsenal do Alfeite. Como é habitual, o Destacamento de Mergulhadores Sapadores nº 3 deu o apoio aos investigadores, tendo sido utilizadas uma LDM da Unidade de Meios Anfíbios do Corpo de Fuzileiros e lanchas da Escola Naval. Durante o exercício, a maior parte dos investigadores ficaram alojados na messe da BNL e puderam visitar algumas unidades navais. O enfoque do REX14 era o projeto ICA- RUS ( Integrated Components of Assisted Rescue and Unmadded Search Operations" utilização de veículos autónomos heterogéneos para busca e salvamento em cenários de catástrofe). Este projeto é financiado pela União Europeia (através do programa de Investigação e Desenvolvimento do 7º Programa Quadro) e o CINAV participa com 24 outras instituições, coordenadas pela Academia Militar Belga. Na componente marítima deste projeto participa o CINAV, o INESC-TEC (Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Tecnologia e Ciência, sediado no Porto), o CMRE (Nato Center for Maritime Research and Experimentation) e a empresa Italiana Calzoni. No entanto, para garantir a integração dos sistemas marítimos com os outros sistemas que estão a ser desenvolvidos no projeto, estiveram também presentes investigadores da ESRI-Portugal, ASCAMM (Espanha), e Space Applications Services (SAS) (Bélgica). Foram testados diversos veículos autónomos de superfície (USV), sistemas de visão (incluindo infravermelho) e sistemas de sonar. Alguns dos parceiros aproveitaram para testar e demonstrar sistemas submarinos (UUV) e sistemas aéreos (UAV) em que estão a trabalhar. Pela primeira vez participou uma equipa da Universidade Nova de Lisboa, mais concretamente do centro de investigação UNINOVA, envolvida no projeto RI- VERWATCH, que desenvolveu um veículo de superfície apoiado por um veículo aéreo (um quadcopter) que aumenta a sua capacidade de observação e navegação. Este sistema fez uma demonstração da sua capacidade de evitar obstáculos e realizar mapeamentos do fundo usando sonares multifeixe. Também pela primeira vez participou uma equipa da empresa portuguesa Tekever, parceira da Marinha no Projeto AU- TOLAND, que visa adaptar a operações navais a aeronave não tripulada AR4 da Tekever, pelo seu lançamento e recolha a bordo de navios. A aeronave utilizada recolheu imagens aéreas do exercício. Realizou-se um VIP DAY, onde foram recebidas diversas entidades externas e internas à Marinha: Instituto Superior Técnico (IST), Centro de Investigação da Academia Militar (CINAMIL), Centro de Investigação da Força Aérea (CIAFA), Escola Naval (EN), Base Naval de Lisboa (BNL), Esquadrilha de Submarinos (ES) e Direção de Navios (DN). Atendendo aos objetivos estabelecidos, considera-se que o REX14 foi um sucesso. Participaram mais de 60 pessoas externas à Marinha, oriundas de 8 instituições nacionais e internacionais, foram testados diversos sistemas, e recolhida uma quantidade apreciável de dados experimentais. Com um número de participantes crescente, pretende-se dar-lhe continuidade, com periodicidade anual, permitindo aproximar a componente científica da componente operacional e potenciar o interesse nos sistemas de robótica nacionais. Dá-se, assim, corpo à política de abertura ao exterior da Marinha que, para garantir o uso do Mar por Portugal, se assume como parceira no desenvolvimento económico, científico e cultural. Colaboração do CINAV 13

14 CENTRO DE medicina NAVAL O Centro de Medicina Naval (CMN) detém hoje uma relação de complementaridade com o Hospital das Forças Armadas (HFAR), à semelhança do que já se passava com o ex-hospital da Marinha sendo, na sua essência, um centro de saúde operacional, virado para uma ação preventiva e de proximidade com as unidades navais. Foto 1SAR A Ferreira Dias Nasceu há 15 anos O Centro de Medicina Naval é um órgão de execução de serviços na dependência da Direção do Serviço de Saúde da Marinha (DSS) criado pelo despacho do CEMA nº 54 de 1999 e complementado posteriormente pelo despacho do SSP nº 1 de 2001, que estabelecem as suas competências: coordenação dos cuidados de saúde primários, da saúde ocupacional e da medicina preventiva, incluindo o aprontamento de unidades navais e a coordenação dos serviços de saúde das unidades. Mais recentemente as missões do CMN passam a estar enquadradas numa Unidade de Saúde do Tipo III, dependente da DSS, através do Despacho nº 16 de 2014 do MDN. Edificado nas antigas instalações do serviço de saúde da Base Naval de Lisboa, que se encontravam desajustadas e envelhecidas, o Centro tem sido objeto de um processo de requalificação, apetrechamento e adaptação dos espaços, tendo em vista otimizar o seu funcionamento. Assim, o CMN tem sofrido várias obras de beneficiação, das quais se destacam a remodelação do 1º piso e parte da cave, há cerca de 5 anos, a pintura exterior e a substituição do telhado, no Dep. Cuidados Saúde Primários Dep. Saúde Ocupacional Direção Gab. de Apoio Dep. Saúde Operacional Dep. Apoio ano passado, e, mais recentemente, a remodelação da Unidade de Radiologia. Atualmente aguarda-se a remodelação do 2º piso, onde já funciona a área da direção e secretarias, estando lá previsto nascer um auditório. Departamento de CUIDADOS de Saúde Primários À semelhança do mundo civil, dispõe de um SAP (Serviço de Atendimento Permanente), disponível durante 24 horas médico das 8 às 16 horas e enfermeiro permanente e possui uma ambulância medicalizada (com sistemas de suporte avançado de vida) para transporte dos casos mais graves para o HFAR, ou para o Hospital Garcia D Orta, em Almada. Outro setor é o das consultas de cuidados de saúde primários, que constituem o atendimento em clínica geral a que todos os militares têm acesso. Finalmente, o setor de saúde oral, também recentemente equipado, com um papel importante na saúde preventiva e no aprontamento dos militares para as missões. Departamento de Saúde OCUPACIONAL Procede à avaliação da Aptidão Física e Psíquica e ao aprontamento médico-sanitário dos militares e militarizados. O CMN tem atualmente capacidade para efetuar os exames complementares de diagnóstico que são necessários nos Exames Periódicos ou nos Exames Médicos Anuais. Estes abrangem as análises laboratoriais, a radiografia de tórax e o eletrocardiograma. Este departamento conta com o apoio das consultas de saúde oral, bem como de pareceres nas áreas de neurologia, oftalmologia, otorrinolaringologia e urologia. 14

15 Foto 1SAR A Ferreira Dias Com base nestes, e em conjunto com os resultados dos exames complementares previamente efetuados, o Médico da Saúde Ocupacional poderá ajuizar da aptidão de militares e militarizados. Esta área abrange também exames para as Provas de Aptidão Física e Psíquica que se realizam, anualmente, para todos os militares até aos 45 anos. É ainda responsabilidade deste departamento a vacinação, a coordenação de rastreios, avaliação e controlo dos riscos em saúde pública, nomeadamente a gestão dos resíduos hospitalares e o protocolo de controlo de águas de consumo humano. Sob coordenação do departamento funciona também o serviço de apoio à saúde mental, que tem como atividades a avaliação e monitorização psicológica do pessoal em contexto ocupacional e operacional. Departamento de Saúde OPERACIONAL Promove as ações necessárias à garantia do apoio médico-sanitário adequado à atividade operacional da Marinha. Abrange o controlo do nível de prontidão médico-sanitário da força, a colaboração no processo de planeamento operacional e o apoio à decisão do comando. Mais especificamente, o departamento ocupa-se da avaliação do estado de saúde das forças deslocadas; do risco ambiental para a saúde dos militares a deslocar para o teatro de operações, e consequente determinação das medidas preventivas; da estimativa de baixas e cálculo da necessidade de apoio médico-sanitário a projetar; da cadeia de evacuação médica e do apoio de retaguarda. Muito do esforço da Medicina Operacional tem sido igualmente colocado no acompanhamento de proximidade das Secções de Saúde das Unidades Navais, através de reuniões de coordenação mensais, no sentido de se identificarem constrangimentos com potencial impacto na atividade operacional, procurando facilitar a resolução ou minimização dos mesmos. Departamento de Apoio O departamento de apoio é responsável pelo apoio administrativo e financeiro, pela manutenção do equipamento e infraestruturas. A realidade Em termos de números, no âmbito do departamento de cuidados de saúde primários, constatou-se uma intensificação da actividade assistencial, traduzida nos dados estatísticos. Em relação ao departamento da saúde ocupacional, verificou-se o alargamento da avaliação médica anual ao pessoal civil da Marinha, conforme previsto na legislação em vigor. No âmbito do departamento de saúde operacional, prosseguiu a colaboração com o CITAN no contexto da avaliação e treino, o aprontamento de militares e unidades navais, assim como o apoio sanitário ao Dia da Marinha, e às atividades militares complementares integradas no Dia de Portugal. O CMN é pois uma unidade que mantém a mais honrosa tradição dos cuidados de saúde navais, como um estabelecimento de saúde de ambulatório robusto, vocacionado para a área operacional, num equilíbrio pragmático entre atividade hospitalar e extra hospitalar, aliando o conhecimento técnico à vontade de bem servir a Marinha. O CMN colabora com o OSHST O Observatório de Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho (OSHST) é membro da Agência Europeia para a Segurança no Trabalho (OSHA), criada em 1996 com o objetivo de dar a conhecer aos trabalhadores e às entidades patronais os riscos com que estão confrontados e a forma de os gerir. A sua missão é tornar os locais de trabalho mais seguros, mais saudáveis e mais produtivos. O CMN tem dois elementos em acumulação no OSHST: o chefe do Departamento de Saúde Ocupacional, que desempenha as funções de coordenador-adjunto de saúde no trabalho, e a responsável do Gabinete de Psicologia, que integra a secção de saúde no trabalho. Em colaboração com o OSHST, o CMN vai elaborando Planos de Vigilância Específicos, consoante os fatores de risco de natureza profissional detetados. Foto Joana Oliveira Melo e Sousa CFR REF 15

16 NRP SAGRES MANOBRAS NO APARELHO No âmbito dos trabalhos de manutenção decorridos no passado inverno ( ), onde se inclui a revisão do estado da mastreação e do aparelho fixo e de laborar com substituição de algum poleame e massame, foi realizada mais uma manobra relevante para a operação do navio: o acachapar de mastaréus. Trata-se de uma manobra que permite reduzir a cota máxima do navio para os 39,5m (cota aproximada da mezena) viabilizando a sua passagem sob algumas pontes, requisito de construção dos cinco navios da classe Gorch Fock mandados construir na Blohm & Voss para a Kriegsmarine nos anos 30, um dos quais a atual Barca Sagres, viabilizando neste caso a navegação do Mar do Norte ao Mar Báltico através do canal de Kiel, sem ter de contornar a Dinamarca. Esta manobra é fundamental que se realize periodicamente em ambos os mastros, garantindo, por um lado, que perante uma real necessidade de passagem em determinado local (passar sob determinada ponte) tudo esteja a funcionar, por outro lado, a passagem de conhecimentos e treino às diversas gerações de pessoal da classe manobras (e serviços) que passam pelo navio, sendo uma excelente aula prática de Marinharia. Realizada exclusivamente com os meios de bordo, implica um conjunto de preparativos em que se destaca, entre outros, o folgar de parte do aparelho fixo do navio (estais, brandais e enxárcias dos mastaréus) e o desligar da verga do joanete da sua calha no mastaréu, colocando-a num suporte próprio existente no calcêz do mastro real, quer no Traquete como no Grande. Com a passagem de cabo específico (amante) pelo gorne na base do mastaréu, ligado à ostaga da gávea alta do respetivo mastro e entrando com o cabrestante, foi possível aliviar e retirar a cunha de segurança existente no cesto do joanete. Posteriormente foram arriados cerca de 4,5 metros no Traquete e 4 metros no Grande, podendo ser arriado cerca de 6 metros, o conjunto mastaréu com a verga do sobre e algum aparelho, que pode rondar as 2 toneladas, ficando então todo o navio com o galope dos três mastros abaixo dos 40 metros. Tudo testado, foi realizado o processo inverso, garantindo a prontidão para uma situação real. Mas o treino de Marinharia foi necessário para outra tarefa no âmbito da manutenção do aparelho. Identificada uma necessidade de intervenção nas vergas do joanete, a ser executada em oficina pelo Arsenal do Alfeite, S.A., o navio assumiu o arriar para o convés daqueles componentes do aparelho (do Traquete e do Grande), ação executada de novo exclusivamente com meios de bordo. Após os respetivos preparativos e um longo dia a terminar noite dentro, no caso da primeira verga, foi colocada no castelo a verga do joanete do Traquete com cerca de 771 Kg, arriando assim cerca de 32 metros da sua posição inicial. De destacar que havia poucos elementos a bordo que já tinham efetuado tal ação, pelo que serviu de referência para o arriar da verga do joanete do Grande para o poço. Sendo o NRP Sagres um navio-escola e guardião das tradições, são de extrema importância estas ações de adestramento, que permitem preservar e transmitir às gerações mais novas de marinheiros, as técnicas e os conhecimentos, imprescindíveis à área da Marinharia e à operação deste tipo de veleiros, com reflexos diretos na passagem de conhecimento para os cadetes embarcados nas viagens de instrução, garantindo que os marinheiros da Barca são verdadeiras referências. Colaboração do Comando do NRP Sagres 16

17 A DESPEDIDA de um herói Faleceu no dia 30 de Setembro, após doença prolongada, o Capitão-de- -Mar-e-Guerra Guilherme Almor de Alpoim Calvão, aos 77 anos, no Hospital de Cascais. Era o militar da Marinha mais condecorado em combate e ostentava, entre outras, a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, com Palma (Grau Oficial); a Medalha Militar de Ouro de Valor Militar, com Palma; duas Medalhas Militares da Cruz de Guerra de 1ª Classe; Medalha Militar da Cruz de Guerra Coletiva de 1ª Classe. Mais do que um homem de armas, foi um dos protagonistas da História de Portugal das últimas épocas. Comandou aos 33 anos a operação Mar Verde, em que foram resgatados 26 portugueses, ação militar que hoje em dia ainda é estudada em escolas militares por todo o mundo. Mas o seu amor a África revela-se quando volta mais tarde à Guiné, onde se tinha notabilizado como combatente, sendo recebido de braços abertos e tornando-se um dos maiores empregadores através de uma fábrica de transformação de caju, que ergue em Bolama. Mas para além da faceta de estratega militar, revelou-se no seu talento como cantor de ópera e profundo conhecedor de arte. Foi também um homem generoso como se comprova ao ter sido mecenas da Fragata D. Fernando II e Glória, e pela oferta ao Museu de Marinha, entre outras peças de valor, do altar portátil que viajou na esquadra de Vasco da Gama. Uma semana antes de nos deixar cumpriu a sua última missão assinando, já com muita dificuldade, a declaração da entrega do seu espólio documental à Marinha, para memória futura. Natural de Chaves, casado com Maria Alda, deixa três filhos e sete netos. M.S. À família enlutada, a RA apresenta sentidas condolências. Foto 1MAR FZ Carlos Canha Foto 1SAR FZ Horta Pereira No dia 2 de Outubro celebrou-se no Mosteiro dos Jerónimos a missa de corpo presente do CMG Alpoim Calvão que registou uma invulgar afluência, e onde se podiam ver militares fardados e à civil dos três ramos das forças armadas e muitos naturais da Guiné, numa manifestação de pesar e agradecimento por quem soube ajudar o seu país com distinção. No cemitério dos Olivais, o cortejo fúnebre para além das honras da ordenança prestadas por uma companhia de fuzileiros a três pelotões foi ladeado por militares do ativo e na reforma que assim prestaram a última homenagem a quem elevou alto a boina azul ferrete. No dia 16 de Outubro, a bordo do NRP Corte Real, satisfazendo um pedido do Comandante Alpoim Calvão, as suas cinzas foram lançadas ao mar pela família, entre torres, no eixo da barra sul do porto de Lisboa e com a maré a vazar, numa cerimónia digna e plena de significado e simbolismo. Melo e Sousa CFR REF 17

18 CAPITÃO-DE-MAR-E-GUERRA GUILHERME ALMOR DE ALPOIM CALVÃO ( ) TRIBUTO DE HOMENAGEM Embora me sinta um dos melhores amigos de toda uma vida deste grande Homem, devo confessar alguma dificuldade em escrever sobre si, quando a memória já me falha e também porque a fraqueza emocional me invade. Ambos assentámos praça em na então Escola do Exército já com destino à Escola Naval, curso que terminámos em O Maningue vinha de Moçambique e cedo se revelou a sua vontade indomável de servir Portugal nas suas Forças Armadas. Evidenciando uma boa preparação física e muito bem intelectualmente, com uma cultura muito acima da média, de forte personalidade e exemplar carácter, fazia prever uma excelente aquisição para a nossa Marinha. E assim aconteceu em todo o seu trajecto, quer em tempo de paz, quer na guerra de África. Depois de um curso nada fácil em Inglaterra para mergulhador e um curso de submarinos, após o eclodir da guerra em 1961, voluntariou-se para fuzileiro especial. Preferiu a Guiné para seu teatro de operações, onde cumpriu duas comissões de 1963/65 e de 1969/71. Aqui, por coincidência, surgiu a oportunidade de o acompanhar de perto e foi onde tive o privilégio de apreciar a sua destemida coragem em combate, tantas vezes testada perante a admiração e respeito de todos nós na Guiné. A sua liderança arrebatava todos quantos serviam sob as suas ordens. Realizou e comandou inúmeras operações de alto risco, com baixas no terreno, mas nunca o vi desfalecer, antes pelo contrário. Cada vez o sentia melhor preparado e a operação Tridente em Janeiro de 1964, com uma duração de 72 dias, foi, além dos resultados obtidos, de grande utilidade para o aperfeiçoamento na manobra do seu Destacamento de Fuzileiros nº 8. Já em 1963 me falava na necessidade de irmos à Guiné Conacri buscar o piloto da FAP, António Lobato, que se encontrava preso desde 22 de Maio de 1963, após queda do seu avião T6. Foto Arquivo Central da Marinha 18

19 1TEN Alpoim Calvão, CTEN Costa Santos e 1TEN Lopes Carvalheira Foto Arquivo Central da Marinha Foto CCF Nunca desistiu desta ideia, que apenas a tornou possível concretizar em 22 de Novembro de 1970, no planeamento e comando da Operação Mar Verde, o que permitiu, entre outros objectivos, destruir e afundar 7 lanchas rápidas de origem russa e libertar não só o referido piloto como outros 25 prisioneiros portugueses que ali se encontravam. Numa cerimónia do 10 de Junho, junto ao Monumento dos Combatentes, em Pedrouços, em ano que já não lembro, assisti a um homem que se aproximou do Comandante Calvão, acompanhado da mulher e de dois filhos que, de lágrimas nos olhos, veio apresentar a família a quem lhe tinha salvo a vida. Eu vi e ouvi. Foi emocionante. Também tive muitas vezes a oportunidade de apreciar o convívio e a amizade mútua entre o Cmdt. Calvão e o agora TCOR REF António Lobato, que tinha a liberdade a qualquer momento, desde que assinasse uma declaração em como estava contra a guerra. Nunca o fez e esteve preso nas masmorras da prisão de Conacri durante precisamente 7 anos e meio. Interrogado porque não assinou, escreveu no seu livro Liberdade ou Evasão com que cara eu chegava ao largo da minha aldeia?. Já lá vão quarenta e poucos anos sobre esta aventura de guerra com episódios que certamente dariam um bom filme e que ainda hoje é uma operação de estudo nas Escolas Militares dos E.U.A. Depois deu-se o 25 de Abril, para o qual o Comandante foi contactado e não aceitou participar, perante a dúvida do que ia acontecer ao Ultramar. Como diz um grande amigo comum, Professor Universitário Rui Azevedo Teixeira, Fechado o PREC com a actuação dos Comandos chefiados pela dupla Neves/Eanes, Alpoim Calvão não se deixou cair na política. Aliás, para político, não tinha os defeitos necessários. Terminada a descolonização apressada, logo o Comandante Calvão orientou a sua vida para voltar à Guiné sempre com o objectivo de compensar todos os nativos que serviram nos Fuzileiros, Comandos e Pára-Quedistas, e que conseguiram sobreviver sem serem fuzilados, fuzilamentos estes que ocorreram em série, efectuados ao tempo de Luís Cabral como Presidente da República da Guiné-Bissau. Esta foi a obsessão do Comandante, que o tornou o maior empregador da Guiné atingindo os cerca de 400 postos de trabalho e que viria a fomentar o processo de desfalecimento da sua saúde. A última ida à Guiné, em Setembro de 2013, foi determinante, pois regressou bastante debilitado, em consequência de um forte paludismo e duma infecção complexa, que o prostrou no Hospital durante muito tempo. Começava então o princípio do fim. Depois de enorme sofrimento durante quase um ano, acabou por falecer em 30 de Setembro de O Comandante Alpoim Calvão, o oficial de Marinha mais condecorado de todos os tempos, com um nobre carácter, era um Homem bom que praticava o bem, Amigo do seu Amigo, dotado de uma coragem ímpar, amante da sua Pátria, da sua Família e dos seus Amigos, pelos seus feitos e atitude deixa entre nós, na nossa Marinha e também na História de Portugal, o exemplo dos seus mais fiéis servidores que, estou certo, a sua memória o vai libertar da lei da morte. Tive o privilégio de termos mantido uma amizade mútua desde cadetes e que se prolongou por toda uma vida. Paz à sua Alma. Que Deus o receba e até sempre, meu bom Amigo. N.R. O autor não adota o novo acordo ortográfico. Lopes Carvalheira VALM REF 19

20 ESCOLA NAVAL Entrega de ESPADAS e JURAMENTO de Bandeira No dia 26 de setembro decorreu na Escola Naval (EN) a Cerimónia de Entrega de Espadas e Juramento de Bandeira dos Aspirantes do Curso CALM Leotte do Rego e de Entrega de Espadas aos Oficiais do Curso de Formação de Oficiais Técnicos (CFOST) 2009/2012 e 2010/2013, presidida pelo CEMA, Almirante Macieira Fragoso. O Batalhão do Corpo de Alunos da EN prestou honras ao Almirante CEMA, seguida de revista à formatura e de Cerimónia de Imposição de Condecorações. Seguiu-se a Cerimónia de Entrega de Prémios Escolares, designadamente, o Prémio Aprumo Militar, atribuído à Aspirante da classe de Administração Naval Ana Filipa Correia Pereira, entregue pelo Almirante CEMA, e o Prémio Reserva Naval, atribuído ao Guarda-marinha da classe de Fuzileiros Filipe Miguel Torres Côrte-Real, entregue pelo Presidente da Direção da AORN, Engº Armando António Pereira Teles Fortes. A Cerimónia continuou com a Entrega de Espadas aos Oficiais do CFOST 2009/2012 e 2010/2013 e ao Curso CALM Leotte do Rego. Aos Aspirantes do Curso CALM Leotte do Rego, foi ainda entregue um exemplar dos Lusíadas. Finalizando esta parte da cerimónia, os Oficiais e Aspirantes prestaram continência ao ALM CEMA, pela primeira vez, com as suas espadas. Seguidamente, e antes do Juramento de Bandeira, o Comandante do Corpo de Alunos proferiu uma exortação aos alunos, realçando que A entrega das espadas aos Oficiais do Curso de Formação de Oficiais do Serviço Técnico, bem como aos Aspirantes do curso CALM Leotte do Rego, é um momento solene que representa o investir de autoridade, nas funções de comando, direção e chefia, àqueles que agora a receberam. Recai sobre eles a responsabilidade pela condução exemplar dos seus subordinados Exortou ainda os Aspirantes a quando amanhã chegardes às vossas futuras unidades, pautem a vossa atuação, como oficiais demonstrando estarem sempre prontos e disponíveis, como subordinados, sendo leais, obedientes, mas frontais, como comandantes, diretores ou chefes, sendo corretos, justos, honestos e frontais. Como marinheiros, demonstrando a vossa dedicação à Marinha, o espírito de camaradagem e entreajuda e, finalmente como Patriotas, demonstrando honra pela Pátria e assegurando a sua defesa quando vos for exigido. Terminou, dirigindo palavras de agradecimento aos familiares e amigos dos Aspirantes do Curso CALM Leotte do Rego pelo apoio ao longo do período de formação. A Cerimónia continuou com a leitura dos Deveres Militares e com o Juramento de Bandeira dos aspirantes. A Banda da Armada executou a Marcha de Guerra e o Hino Nacional, que foi entoado pelo Batalhão do Corpo de Alunos. No final, o Batalhão do Corpo de Alunos desfilou em continência ao Almirante CEMA, a que se seguiu um Porto de Honra. Fotos 1SAR A Ferreira Dias 20

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l *

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * Luís Faro Ramos Director Geral de Política de Defesa Nacional do Ministério da

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Como objectivos específicos do PITVANT são de destacar os seguintes:

Como objectivos específicos do PITVANT são de destacar os seguintes: O Projecto de Investigação e Tecnologia em Veículos Aéreos Não-Tripulados (PITVANT)., aprovado por Sua Excelência o Ministro da Defesa Nacional em 11 de Agosto de 2008, e cuja duração é de sete anos, teve

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS

ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS (Versão revista de 20 de Julho de 2009) ESTRATÉGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS OCEANOS Da minha língua vê-se o mar Vergílio Ferreira INTRODUÇÃO Os Estados membros da Comunidade

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL 7º EIN Simpósio Internacional Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede Lisboa, Academia Militar,

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 7.6.2006 COM(2006) 275 final Volume I COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONOMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA Parte integrante da Política Externa e de Segurança Comum (PESC) da União Europeia, a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) abrange as operações militares e as

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL *

RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * OS RISCOS E O SISTEMA EUROPEU DE PROTECÇÃO CIVIL * Fernando Manuel Paiva Monteiro Comandante da Academia Militar e ex-presidente do Serviço Nacional de Bombeiros e 228 Introdução Os desastres naturais

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS Alm. Nuno G. Vieira Matias A nobre Associação dos Oficiais da Reserva Naval convidou-me a reafirmar aqui, hoje, aquilo que, em nove conferências,

Leia mais

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA Ao longo dos últimos anos, as diretivas e regulamentos da UE, em particular os três pacotes legislativos adotados no seguimento dos desastres que envolveram

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 26 de junho de 2015 (OR. en) EUCO 22/15 CO EUR 8 CONCL 3 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (25 e 26 de junho

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Portugal entre a Europa e o Atlântico Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Lusíada. Política Internacional e Segurança, n.º 10 (2014) 55 Portugal entre a Europa e o Atlântico, pp. 55-62

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 52 A EXPANSÃO DO BLOCO EUROPEU Como pode cair no enem Sarkozy e Berlusconi encaminharam pedido à UE, solicitando a revisão do: a) Tratado de Maastricht, o qual concede anistia

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) mantém as redes transeuropeias (RTE) nos domínios dos transportes, da energia e das telecomunicações, mencionadas

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa

Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa P a g e 1 Relatório Workshop Internacional Implementar e Operacionalizar a Política Comum de Segurança e Defesa O Instituto da Defesa Nacional promoveu no dia 6 de Dezembro um Workshop Internacional subordinado

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil

Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil ESPECIAIS Steinmeier, MNE da Alemanha: Sabemos que o caminho tem sido difícil 27 Maio 2015 Nuno André Martins MNE alemão diz que Portugal "é um exemplo para a Europa", admite que só a negociação deu à

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) 13ª REUNIÃO DOS CHEFES DE ESTADO-MAIOR-GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS DOS PAÍSES MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) DECLARAÇÃO FINAL (MAPUTO, 20 e 21 de Abril de 2011) Em conformidade

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR A República Portuguesa e o Governo da República da Turquia, doravante designados individualmente

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERIZAÇÃO DO ASSUNTO CADERNO FICHA 9. PRÉ-SUPRESSÃO 9.5. EXERCÍCIOS E TREINOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL 6422 Diário da República, 1.ª série N.º 179 15 de Setembro de 2009 Resolução da Assembleia da República n.º 92/2009 Deslocação do Presidente da República a Espanha A Assembleia da República resolve, nos

Leia mais

Reforma do Ensino Superior

Reforma do Ensino Superior Reforma do Ensino Superior O assunto da Reforma do Ensino Superior e suas implicações na Universidade da Madeira (UMa) exige o envolvimento não só do Conselho Geral, mas também de toda a comunidade académica,

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012

OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 OCEANOS, CICLO DE CONFERÊNCIAS RIO + 20 FUNDAÇÃO DE SERRALVES, 12 DE JULHO 2012 RUI AZEVEDO II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 PONTOS A ABORDAR

Leia mais

Como primeiro passo, a celebração do Acordo de Parceria constitui a assunção clara e inequívoca de um conjunto de princípios, dos quais salientaria:

Como primeiro passo, a celebração do Acordo de Parceria constitui a assunção clara e inequívoca de um conjunto de princípios, dos quais salientaria: Exma. Senhora Diretora Regional da Qualificação Profissional, Exmo. Senhor Presidente do Instituto de Desenvolvimento Empresarial, Exmo. Senhor Presidente do Instituto de Emprego, Exmo. Senhor Presidente

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Grupo de trabalho «Inovação»

Grupo de trabalho «Inovação» Comissão Arco Atlântico Grupo de trabalho «Inovação» Projecto de plano da ação para 2015-2016 Objetivo do grupo A Aquitânia deseja mobilizar as Regiões Atlânticas para a questão da inovação na Economia

Leia mais

Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados

Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados A importância sócio económica e cultural da pesca é uma mais-valia para a Região Autónoma

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 CONCLUSÕES 1. A Europa está atualmente confrontada com um

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

A Europa, em geral, e Portugal, em particular, dada a sua localização geográfica, sempre tiveram uma relação privilegiada com o Mar.

A Europa, em geral, e Portugal, em particular, dada a sua localização geográfica, sempre tiveram uma relação privilegiada com o Mar. 1 INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NO FORÚM DO MAR, SOB O TEMA «O MAR NA ESTRATÉGIA DA UE 2020», NO CENTRO DE CONGRESSOS DA EXPONOR,

Leia mais

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON IN SIGHT economia e inovação lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais LISBON A mobilidade de estudantes / investigadores funciona com um importante fator multiplicador de conhecimento, ao

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Em primeiro lugar, quero saudar a Senhora Presidente

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Gabinete de Planeamento da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas. Governo Regional dos Açores

Gabinete de Planeamento da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas. Governo Regional dos Açores Caracterização da produção de leite nos Açores no ano de 2008 a partir do universo de referência dos produtores com quota na Campanha Leiteira 2007/2008 da Secretaria Regional da Agricultura e Florestas

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Expansão da Plataforma Logística

Expansão da Plataforma Logística CÂMARA U1 Expansão da Plataforma Logística RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA DA PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO E RESPECTIVO PROGRAMA-BASE DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO D EZ E M

Leia mais

INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes

INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes INSPIRE: Ponto de situação e perspetivas de desenvolvimento futuro O sector dos transportes Maria José Lucena e Vale Direção Geral do Território - DGT Sumário Gestão de Informação e Conhecimento: A Diretiva

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais