1/12

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/12"

Transcrição

1 XXII-SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 13 a 16 de Outubro de 2013 Grupo Estudo de Aspectos Técnicos e Gerencias de Manutenção (GMI) RELATÓRIO ESPECIAL PRÉVIO Paulo Veloso De Almeida - ELETRONORTE Ricardo Rodrigues De Almeida - COPEL Ricardo Ulisses Ferraz - CHESF 1.0 CONSIDERAÇÕES GERAIS De f orma geral os trabalhos apresentados atenderam os requisitos técnicos do GMI, com experiências distintas entre empresas e retrataram as tendências na gestão de equipamentos e de manutenção. Temas como Gestão de Ativ os - PAS 55, conf iabilidade de equipamentos e sistemas, conf iabildade humana, monitoramento de ativ os e busca de eficiência na programação de manutenção, com redução de custos, foram abordados com resultados consolidados e praticados de forma mais sistêmica pelas empresas. Percebe-se ainda, que desafios necessitam ser superados, principalmente na busca do equilíbrio com a utilização de metodologias, tecnologias e redução de custos, v isando maior ef iciência de processos e resultados. 2.0 CLASSIFICAÇÃO DOS INFORMES TÉCNICOS Os critérios utilizados na classificação dos Informes Técnicos já são plenamente conhecidos e praticados pelos relatores durante o processo de avaliação. Trabalhos inéditos com apresentação prática de resultados merecem destaque, bem como a otimização de processos, as nov as tecnologias e as reav aliações em procedimentos. Desta maneira, as experiências retratadas pelos autores f oram plenamente analisadas, comparadas e av aliadas, de f orma isenta e prof issional. Ressalta-se, portanto, que a riqueza apresentada nos Informes Técnicos está em sincronismo com a espertise, a experiência, a maturação e aplicação em cada empresa, sendo que os resultados obtidos são decorrentes deste processo Gestão da Manutenção: ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CABOS CONDUTORES ELÉTRICOS DO TIPO CAA USADOS E SUA ADEQUAÇÃO AO RETRACIONAMENTO GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO ATRAVÉS DE INDICADORES INDIVIDUAIS: A EXPERIÊNCIA DA ENERGISA PARAÍBA GERENCIAMENTO DE RISCO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA DE SUBESTAÇÕES: UMA METODOLOGIA PARA ASSOCIAÇÃO DE MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE E MANUTENÇÃO PREDITIVA COMPARATIVO TÉCNICO ENTRE ESTRUTURAS DE MONTAGEM RÁPIDA. A ESCOLHA CORRETA DAS CONFIGURAÇÕES DAS VARIANTES DE EMERGÊNCIA COMO PRINCIPAL FERRAMENTA A FAVOR DO TEMPO DE RECOMPOSIÇÃO. EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO EM TEMPOS DE PARCELA VARIÁVEL EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA ESCOLHA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ÚNICO PARA GESTÃO DA MANUTENÇÃO DOS ATIVOS DE GERAÇÃO ATRAVÉS DO SAP-R3, MODO PM MODELO DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO METODOLOGIAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA A INTEGRAÇÃO ENTRE A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO E O PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE HIDRELÉTRICAS ATRAVÉS DA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE PLANOS PLURIANUAIS TÉCNICOS E ECONÔMICOS AS MELHORES PRÁTICAS APLICADAS PARA AS CALDEIRAS, USANDO A METODOLOGIA DO EPRI, NA BUSCA DOS BENCHMARKS PARA AS USINAS TÉRMICAS PROPOSIÇÃO E AVALIAÇÃO EM CAMPO DE UM NOVO CONCEITO PARA O DIAGNOSTICO DO ESTADO OPERACIONAL DE CABOS ISOLADOS SISTEMA DE TESSUPORTE (STS) Métodos quantitativos aplicados à Manutenção: PAS 55 E ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A EXCELÊNCIA DA GESTÃO DE ATIVOS NA USINA DE ANGRA MODELOS PARA PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS EM USINAS HIDRELÉTRICAS COM GRANDE NÚMERO DE UNIDADES GERADORAS E REGIME HIDROLÓGICO BEM DEFINIDO PROPOSTA DE NOVA METODOLOGIA DE SUPERVISÃO DA OPERAÇÃO DE DISJUNTORES PARA MANUTENÇÃO LEVANTAMENTO DO RISCO REAL DE FALHAS EM PARA-RAIOS APLICAÇÃO DE MÉTODOS PROBABILÍSTICOS PARA A AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE FUNÇÕES TRANSMISSÃO SUJEITAS À PARCELA VARIÁVEL A EXPERIÊNCIA DE FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A EM ESTUDOS DE CONFIABILIDADE, DISPONIBILIDADE E MANUTENIBILIDADE PROJETO PILOTO COMPENSADOR SÍNCRONO DE TIJUCO PRETO A EXPERIÊNCIA DA ELETROBRAS ELETRONORTE NO DIAGNOSTICO DE EQUIPAMENTOS ATRAVÉS DO MÉTODO ESTÁTISTICO DE DESVIO PADRÃO E AVALIAÇÃO DE CRITICIDADE DE FUNÇÕES DIAGNÓSTICO DE INSTALAÇÕES DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ABORDAGEM BASEADA EM RISCOS GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO O ALGORITMO METROPOLIS-HASTINGS UM SISTEMA DISTRIBUÍDO PARA A AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTO COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NA MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE UHES Impactos da legislação, normas regulamentadoras e outros regulamentos na atuação da Manutenção: MODELAGEM E OTIMIZAÇÃO DO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA INDISPONIBILIDADES DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS ATIVIDADES E PRAZOS 1/12

2 963 - AVALIAÇÃO PELO MÉTODO DA ALTA FREQUÊNCIA DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO DAS USINAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA: UM IMPACTO DA NR SUGESTÕES PARA UMA NOVA VERSÃO DA NR O fator humano na manutenção: AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE HUMANA NA MANUTENÇÃO DE USINAS HIDRELETRICAS Técnicas aplicadas de Manutenção Executiva: MANUTENÇÃO CORRETIVA EM MECANISMOS DE ACIONAMENTOS HIDRÁULICOS DE DISJUNTORES 550KV DE UMA SIG SF6, REALIZADA COM EQUIPE PRÓPRIA O COMISSIONAMENTO E MANUTENÇÃO DO BACK-TO-BACK EM PORTO VELHO FORNECIMENTO PARA O SISTEMA ACRE/RONDÔNIA DA ENERGIA DAS USINAS DO RIO MADEIRA UTILIZAÇÃO DE FIO SINTÉTICO EM TRABALHOS COM INSTALAÇÕES ENERGIZADAS ELABORAÇÃO DE PEX E APR UTILIZANDO NUVEM DE PONTOS DE LIDAR VINTE E CINCO ANOS DE EXPERIÊNCIA EM TESTE ONLINE DE DESCARGA PARCIAL EM HIDROGERADORES Manutenção sustentável sob os aspectos econômicos, sociais e ambientais; 3.0 RELATÓRIO SOBRE OS INFORMES TÉCNICOS ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE CABOS CONDUTORES ELÉTRICOS DO TIPO CAA USADOS E SUA ADEQUAÇÃO AO RETRACIONAMENTO LAVANDOSCKI, R.(1); - CTEEP(1); Div ersas linhas aéreas de transmissão de energia elétrica da CTEEP f oram construídas numa época em que as normas prescrev iam distâncias do cabo condutor ao solo menos exigentes que as necessidades atuais. Uma das alternativ as para a correção do problema de cabos baixos é o emprego do processo de retracionamento para alteamento dos mesmos. A) Os ensaios permitem considerações sobre a carga máxima a ser aplicada em retracionamentos? As cargas usuais são conserv adoras? Sim. Os ensaios são realizados com v alores de carregamentos correspondentes a carga máxima a ser aplicada no retracionamento em determinada linha de transmissão que está sendo submetida ao estudo. Na realidade as cargas usuais estão adequadas com os cálculos do projeto eletromecânico realizado na época da concepção da LT, no entanto, com a necessidade da ref orma da LT dev ido, por exemplo, a necessidade de repontecialização ou alteamento, a alternativ a de retracionamento pode ev itar a necessidade de substituição de estruturas baixas por mais altas ou mesmo a substituição dos condutores. B) Há um comparativ o da taxa de f alhas em sistemas com retracionamento? Não, pois não há registro de f alhas em LTs que f oram submetidas ao retracionamento. No entanto, ao submeter as amostras de cabos ao procedimento desenv olv ido, ou seja, ensaios de tração, ensaios de v ibração passa-não-passa e caracterização microestrutural, é possív el obter resultados que indicam a situação real dos cabos e se os mesmos estão aptos a serem submetidos às nov as condições de carregamentos impostas pelo retracionamento. C) No caso de uma linha de transmissão com cabos geminados e uso de espaçador amortecedor, o resultado é o mesmo para o retracionamento? Sim, uma v ez que todos os subcondutores serão submetidos aos mesmos carregamentos de tração e v ibração a que o retracionamento proporcionará. Com a aplicação do procedimento desenv olv ido, serão realizados ensaios e análises dos antigos pontos de grampeamento em que os condutores estav am f ixados, com os v alores mais elev ados de tração e submissão a v ibração desse ponto que encontrav a-se grampeado e que com o retracionamento estará posicionado f ora do grampo GESTÃO DE EQUIPES DE MANUTENÇÃO ATRAVÉS DE INDICADORES INDIVIDUAIS: A EXPERIÊNCIA DA ENERGISA PARAÍBA MORAIS, T.C.M.D.(1);MOURA, D.F.P.D.(1); - EPB(1); A) Os indicadores estabelecidos para a equipe de manutenção são de qualidade e produtiv idade. Estão plenamente alinhados com os indicadores corporativ os? Alguns são indicadores desdobrados diretamente dos indicadores do Balance score card da empresa, como DEC, FEC, Coef iciente de Segurança do Trabalho. Outros são indicadores de rotina dos processos de manutenção como cumprimento de programação e índice de resolução de anomalias no prazo. B) Qual o procedimento adotado quando um empregado não atinge uma ou mais das metas de indicador? É realizado um f eedback do coordenador para os principais pontos que f izeram com que o indicador não tenha sido cumprido, enf atizando qual seria a participação dos colaboradores para rev erter tal situação. A ideia é obter maior engajamento e participação nas soluções. C) Quais ações mais contribuiram para a redução de 60% no número de desligamentos intempestiv os? Destaco duas práticas/ações: a própria gestão por resultados estabelecida pelos indicadores mencionados no artigo e implantação de uma sistemática disciplinada de combate a reincidência de desligamento baseada em análise de causa raiz (RCA). Neste último caso, há um forte controle de cobrança de ações para bloquear as causas raízes dos desligamentos GERENCIAMENTO DE RISCO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA DE SUBESTAÇÕES: UMA METODOLOGIA PARA ASSOCIAÇÃO DE MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE E MANUTENÇÃO PREDITIVA CARNEIRO, J.C.(1); - CPFL(1); A) A CPFL está rev isando, ou já rev isou o Plano de Manutenção Prev entiv o ou Preditiv o, a partir do estudo realizado utilizando o MCC? Caso af irmativ o quais os ganhos registrados? Entre as metodologias contemporâneas de manutenção, temos a manutenção centrada na conf iabilidade (MCC) destaca-se por def inir um conjunto integrado de f erramentas que permitem identif icar e analisar todos os modos de f alha de uma instalação, sugerindo ativ idades prev entiv as ou corretiv as para minimizar os impactos das f alhas. Além disso, a MCC caracteriza-se por priorizar o atendimento a estritos critérios de segurança e preserv ação do meio-ambiente, buscando simultaneamente assegurar sua atrativ idade econômica. Métodos qualitativ os para escolha das ativ idades de manutenção são sistematizados na MCC, e normalizados por organismos internacionais (IEC, SAE, ISO e ANSI). As principais definições adotadas pela manutenção centrada em confiabilidade, resultados de estudos e pesquisas recentes realizadas pela CIGRE Brasil, f oram descritas de f orma sintetizada. Tradicionalmente, a análise de modos de f alhas e ef eitos tem sido recomendada como método ideal para catalogar e analisar as consequências das f alhas em sistemas complexos. Além da identif icação, é necessário também def inir que tipo de ativ idade é recomendáv el para prev enir, ou corrigir, as f alhas ou minimizar seus desdobramentos. Os dois objetiv os só são atingidos adotando-se uma metodologia estruturada, que correlacione cada modo de falha com a atividade preventiva de combate. Os conceitos desta ciência referem-se ao seu universo, com a definição de instalações, sistemas, componentes, f unções, tipos de f alha, modos de f alha, causa ef eito dos modos de f alhas, av aliação da criticidade das f alhas e culminando com a composição de um plano de manutenção utilizando critérios operacionais, ambientais e econômicos das falhas. Identificar e estudar todos os modos de falha de equipamentos tão complexos exige um esf orço consideráv el dos agentes responsáv eis pela manutenção, projeto e f abricação, o que, nem sempre é possív el com alto 2/12

3 grau de profundidade em empresas que utilizam transformadores de potencia de pequeno e médio porte (< 230 kv e < 100 MVA) devido a limitações de viabilidade econômica. Estamos estudando a possibilidade e viabilidade de estudar e desenvolver esta técnica baseada nos avanços obtidos do Cigré. Entretanto, o presente trabalho apresenta uma metodologia que procura fazer um relacionamento entre os dados principais obtidos do projeto de manutenção centrada na qualidade, os aspectos de manutenção preditiva e de dados reais de taxa de falhas em transformadores, visando buscar o conhecimento dos pontos críticos e de uma forma priorizada a indicação de onde poderiam ser dirigidos inv estimentos para melhorias da conf iabilidade do transf ormador com o uso de técnicas preditiv as. Este f ato dev e estar claro durante a apresentação. B) Em instalações acima de 230 kv, como tem sido o comportamento dos equipamentos mais antigos em relação às manobras em SEs (VFT)? O Grupo CPFL Energia possui empresas com o univ erso de atuação em sistemas elétricos de sub transmissão (os quais não pertencem a Rede Básica), env olv endo nív eis de tensão de 34,5 kv até 138 kv. Existe um pequeno trecho de linha de transmissão que atende um grande cliente em 345 kv que não é considerado representativ o no sistema elétrico. Como é de conhecimento, transf ormadores de potência considerados antigos (< 1980) possuem naturalmente nív eis de suportabilidade maiores (elétrica mecânica térmica) do que os transf ormadores mais recentes (tensão potência curtos circuitos com nív eis menores), dev ido aos procedimentos e critérios de projeto, construção e matéria prima da época com níveis de segurança superiores (curvas, ábacos, técnicas de cálculo, papel isolante conv encional, acessórios, conserv ador, etc.). Os equipamentos mais nov os (digamos >1990) tem um grande desaf io em termos de otimização técnico econômico de projeto e construção, propiciado em parte pelas ferramentas computacionais disponíveis (modelamentos: definição de transitórios internos, comportamento térmico e comportamento mecânico, produtiv idade termodinâmica, simulações eletromagnéticas, etc.); em parte por nov os materiais e técnicas de produção (papel termo estabilizado, comutador sob carga a v ácuo, isolamento híbrido, inserção de f ibras óticas, div ersidade de sistemas de resf riamento, buchas com papel impregnado em resina, vapour phase, salas climatizadas, etc.). Os registros indicam que a taxa de falhas de equipamentos antigos é inferior aquela de transformadores de famílias mais nov as. Deste modo, as principais dif iculdades para as unidades consideradas mais antigas são aspectos de reposição de peças sobressalentes (buchas, radiadores, comutadores sem tensão, comutadores sob carga, etc.), f alta de suporte dos f abricantes originais (inexistentes ou f ora do mercado) para ev entuais reparos ou esclarecimentos técnicos, tecnologias ultrapassadas (projeto, construção, acessórios, etc.). Em principio não temos registros de VFT - Very Fast Transients relacionados as sobretensões de manobra nesta f aixa de tensão. Em sistemas elétricos de potência indicados acima (nív eis de tensão, instalações, suportabilidade dos isolamentos, solicitações elétricas térmicas - mecânicas, etc.), supostamente os maiores desaf ios não incluem de maneira signif icativ a as sobretensões de manobra, mas sim sobretensões de origem atmosférica. Apesar de raras, não são incomuns ocorrências de sobretensões, advindas de descargas atmosféricas diretas (ultrarápidas) atingindo uma subestação (ou proximidades). Como consequência podem ocorrer falhas do transformador, as quais podem ser divididas de uma maneira simplif icada em f alhas súbitas (imediatamente após o ev ento) e f alhas de curto / médio prazo (após algum tempo da ocorrência do ev ento). As f alhas súbitas são de dif ícil ou impossív el detecção pelas técnicas adotadas atualmente pela empresa e as f alhas de curto / médio prazo na maioria das v ezes são def inidas pela ev olução de gases combustív eis e/ou atuação acertada do sistema de proteção. Algumas das f alhas súbitas podem resultar em explosão seguida de incêndio env olv endo todo o equipamento (perda total) ou partes deste equipamento (perda parcial: buchas de alta tensão, conserv ador, acessórios, etc.) e ev entualmente, em raros casos, env olv endo instalações adjacentes. Estes e outros aspectos tem sido lev antados e tratados no Grupo de Trabalho Cigré A.2 04 Explosão e Incêndio de Transf ormadores. C) Com os dados obtidos pelo GT Confiabilidade a Fig 2 pode ser apreentada para as empresas brasileiras? Qual a comparação entre as tendências verificadas no CIRED e no Brasil? O Departamento de Engenharia das Empresas do Grupo CPFL é responsáv el por prov er soluções de tecnologia com f oco na otimização de recursos, padronização e normatização de equipamentos, materiais e serv iços, aprimoramento de processos técnicos (projeto, construção, manutenção, proteção, qualidade de energia), segurança operacional considerando aspectos estratégicos, econômicos, técnicos, regulatórios, sociais e ambientais, de redes de distribuição, linhas de transmissão, subestações e equipamentos associados. No contexto do presente estudo técnico, o univ erso de atuação das empresas ref ere se a sistemas elétricos de sub transmissão e equipamentos associados com nív eis de tensão até 138kV e potências de transf ormação até 60 MVA. Ao longo das últimas décadas os prof issionais têm participado de ev entos nacionais e internacionais af eitos ao Setor Elétrico e Equipamentos Associados, além de promov er reuniões técnicas e receber v isitas técnicas de f ornecedores e técnicos em produtos e dispositiv os para manutenção prev entiv a e preditiv a em transf ormadores energizados e não energizados. No caso específ ico das empresas distribuidoras do Grupo CPFL pode se inferir que existe uma proximidade entre as tendências apresentadas para o caso de manutenções preditivas indicadas na Tabela Cired, sendo ainda complementadas por premissas (desafios) adicionais da CPFL de que os produtos devem atender a portabilidade, uso em múltiplos equipamentos, robustez elétrica e mecânica, elev ado poder de armazenamento de dados, produto completo com sof twares note book cabos de conexão cabos de energia, sem a necessidade de retirada de operação do equipamento sob ensaio (transf ormador de potencial, transf ormador de corrente, para raios, transf ormador de potência em estudos), propiciando pelo menos um pré diagnóstico rápido com adequado suporte técnico, instruções e treinamento do f abricante do produto. Alguns exemplos típicos são os seguintes: i) análise de gases dissolv idos no óleo isolante; ii) ensaios f ísico-químicos no óleo isolante; iii) cálculos de umidade do isolamento sólido; iv ) inspeção termográf ica; v ) inspeção v isual (apontamentos de anomalias, dados e registros, ruídos anormais, irregularidades observ adas, etc.); v i) descargas parciais (em estudos para av aliação de v iabilidade). Estas v erif icações preditiv as periódicas também são f ontes de inf ormação que podem apontar para necessidade de manutenções prev entiv as tais como: a) em transf ormadores energizados (pequenos reparos externos em acessórios, regeneração e/ou recondicionamento do óleo isolante, secagem do isolamento sólido, etc.) ou b) em transf ormadores desenergizados (ensaios elétricos complementares, reparos externos, acionamento motorizado e comutador sob carga, pequenos v azamentos, etc.) e/ou manutenções corretiv as que v ia de regra necessita de desligamento das unidades transf ormadoras (ev olução de gases combustív eis além do normal; v azamentos importantes; etc.). As interv enções por ev olução de gases combustív eis ou após uma f alha são f eitas atrav és da de empresas contratadas (qualif icadas e classif icadas por f aixa de tensão e potência) para serv iços de reparos globais de transf ormadores de potência em suas instalações (maioria fabricantes de transformadores). Realmente, devido à variedade de especificidades das empresas (geração, transmissão, distribuição) no Brasil e no exterior (área de atuação, nív eis de tensão, potências, importância estratégica, solicitações elétricas térmicas mecânicas, inseridas ou não na rede básica, etc.), esta lista de técnicas de manutenção preditiv a dev e ser tratada com os dev idos cuidados antes de ser considerada como tendência nacional ou internacional. Este f ato pode ser esclarecido durante a apresentação. Corroborando esta af irmativ a, temos o Grupo de Trabalho Cigré A.2-05 (A2 Transf ormadores) está finalizando um documento dirigido a Guia de Manutenção de Transformadores de Potência, ainda neste ano de 2013, em que, dentre outras abordagens de manutenção, dev erão ser indicadas e detalhadas v árias técnicas de manutenção prev entiv a e manutenção preditiv a, env olv endo o tipo de problema com a técnica de diagnóstico (energizado ou não energizado). A aplicação ou não desta ou daquela técnica está diretamente v inculada às características intrínsecas de cada empresa e suas necessidades (instalações, utilização, diretrizes, etc.) COMPARATIVO TÉCNICO ENTRE ESTRUTURAS DE MONTAGEM RÁPIDA. A ESCOLHA CORRETA DAS CONFIGURAÇÕES DAS VARIANTES DE EMERGÊNCIA COMO PRINCIPAL FERRAMENTA A FAVOR DO TEMPO DE RECOMPOSIÇÃO. EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO EM TEMPOS DE PARCELA VARIÁVEL. FARIA, F.R.(1);LAVANDOSCKI, R.(1); - CTEEP(1); Este trabalho tem por objetiv o demonstrar experiências práticas da CTEEP no atendimento a queda de torres, nas tensões de 138 kv e 400 kv utilizando v ários tipos de estruturas de emergência. Todas as técnicas e equipamentos utilizados tiveram sucesso comprovado, sendo utilizados em diversas condições, porém pretende-se compará-los entre si, destacando seus principais pontos f ortes e f racos. A) Pela tabela 1 - Pontuação de critérios técnicos de estruturas de emergência, a estrutura TET obtev e nota máxima (10). Isto siginif ica que ela é a melhor em qualquer situação? Caso contrário exemplif ique. As estruturas f oram av aliadas na prática, sendo que o 10 dado à TET signif ica que ela se saiu melhor em todas as situações a que f oram submetidas. B) Qual é o custo aproximado das 3 estruturas (Delta; Alumínio e TET) para uma mesma aplicação (altura e carga)? Teríamos que reduzir todas à altura da Delta para fazer o comparativo, mas os fabricantes não fornecem a informação desta forma. Poderíamos comparar TET e Alumínio, sendo que a TET custou cerca de 70% do v alor da segunda. C) Há uma estimativ a das perdas de receita ev itadas com a utilização destas estruturas? Não sei precisar os v alores, mas o tempo gasto para a recuperação emergencial em todos os casos possibilitou a reconstrução def initiv a utilizando a mesma f ranquia da queda. Certamente os montantes são signif icativ os EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA ESCOLHA E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA ÚNICO PARA GESTÃO DA MANUTENÇÃO DOS ATIVOS DE GERAÇÃO ATRAVÉS DO SAP-R3, MODO PM. MAGALHÃES, F.J.(1);TEIXEIRA, M.A.C.(2);BRITO, R.D.C.(3);BUSATTE, S.Y.B.(3); - CEMIG (1);CEMIG (2);CEMIG(3); O trabalho mostra caminhos e resultados na busca da centralização das inf ormações em um sistema de alta conf iabilidade. No caso, a escolha pela utilização do SAP se torna, de certa forma polêmica. Nas vistas de usuários, o SAP apresenta maiores dificuldades na operação, interface humana e custos envolvendo as licenças de utilização. Na CEMIG a realidade não se distanciav a no exposto. O perf il da empresa, cujos ativ os de manutenção são geograf icamente distantes, conduziram a uma estrutura de manutenção div idida em regionais, com o planejamento e engenharia centralizados, dif icultando o estabelecimento de aplicação e manutenção de padrões. A) Quais as prinicipais dif iculdades na integração dos sistemas no módulo PM - SAP/R3 e o tempo gasto na operacionalização? DIFICULDADES RELACIONADAS A: 1. Montagem da árv ore de equipamentos e locais de instalação por Usinas no SAP: A prioridade do sistema de gestão conf ere 3/12

4 apenas aos equipamentos ligados diretamente a produção de energia, neste caso as unidades geradoras. O processo de lev antamento e cadastro de equipamentos e locais de instalação, também dev eria atender o Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico MCPSE, este regulamenta a codif icação baseado em uma série de premissas estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica- ANEEL. Porém, f oram agregados à lista outros equipamentos que f azem parte, tanto os diretamente ligados à produção quanto os indiretamente ligados, são eles: Auxiliares elétricos, auxiliares mecânicos, controle de reserv atório e mov imentação e transporte de cargas. Este lev antamento f oi atribulado, dados as condições geográf icas de localização das instalações, espalhadas por todo o estado de Minas Gerais, e a f alta de pessoal disponív el para a ativ idade. Outro problema f oi o treinamento do pessoal env olv ido. 2. Montagem dos centros de trabalho (equipes dos polos de manutenção): Lev antamentos das equipes das regionais padronizando a f ormação e atribuições, com seus respectiv os componentes, a f im de atender os requisitos da manutenção. Foi criada uma metodologia para cadastro destas equipes que atenderiam os planos de manutenção das Usinas. 3. Montagem dos Catálogos de avaria (causas, sintomas, ações e parte objetos dos equipamentos afetados): Este levantamento, assim como locais de instalação e equipamentos, consumiu tempo e mão de obra especializada. Todos os tipos de equipamentos pertencentes à árv ore de locais de instalação das usinas necessitaram de perf il de catálogo cujos dados para apontamento da av aria dev eriam ser dedicados. 4. Montagem dos planos de manutenção no SAP: Os controles dos planos de manutenção, com registros e apontamentos de pontos de medição, anteriormente f eitos em f ichários e planilhas digitais, tiv eram que migrar para o SAP atendendo aos requisitos do f abricante e as ativ idades adv indas do conhecimento empírico das equipes de manutenção. Listar estes planos com detalhamento para f utura análise de históricos tev e env olv imento de especialistas e executores da manutenção, consumindo tempo e mão de obra preciosa, e muitas v ezes tendo que decompor equipes de execução para atender a demanda de criação dos planos de manutenção. 5. Montagem da estrutura do SAP com Perf is de Usuário de acordo com a f unção: Implantar um sistema que realizará toda a gestão de ativ os requer estruturação das plantas industriais para atender os requisitos operacionais do SAP como: Planejador da manutenção, executor, supervisor, gestor do sistema de informação e engenharia dos dados mestres. Assim foram criados e estabelecidos perfis de chave de usuário do SAP, com seus dev idos nív eis de acesso ao sistema. Todas as gerências das regionais f oram adequadas aos requisitos do sistema. 6. Estruturação dos sistemas de telecomunicação para atender aos requisitos de conexão com sistema SAP: Foram empreendidos esf orços da empresa de telecomunicações TI, para estruturar os meios de comunicação nos polos industriais, atendendo às necessidades de acesso ao sistema SAP para equipes executoras e planejadores da manutenção. Para atender toda esta estrutura, demandou grande monta em inv estimento, com aquisição de maquinas de transmissão de dados, computadores, roteadores e outros equipamentos de informática. Logo teve outro gasto, treinamento para as equipes. Houve outras dificuldades que surgiram durante a implantação, mas foram absorvidas conforme o andamento da implantação do sistema de gestão da manutenção no SAP. B) Houv e rev isão/redução nos planos de manutenção sistemática? Sim, houv e rev isões. Em princípio as rev isões nos indicav am que hav eria uma redução no número de planos. Com o passar do tempo e o estabelecimento da árv ore de equipamentos, percebemos que ocorreu, em alguns casos, um aumento no número dos planos de manutenção. Tomando-se Jaguara, como amostra, houv e aumento. Há que se considerar que a usina f oi modernizada de 2004 e 2007 (o aumento pode ref letir o maior detalhamento após a modernização) e que alguns planos não são relativ os exclusiv amente à Manutenção (EX: Ef luentes, Ambiente, Segurança, Certif icação de Operadores, Calibração de EMMs, etc). Embora exista uma grane quantidade de planos, existe a possibilidade no sistema em torna-los ativ os ou simplesmente mante-los em banco de dados, porém desativ ados. C) Qual a v erba e recursos humanos inv estidos e qual o macrocronograma do projeto? O v alor de v erba empregada sempre dependerá da dimensão do trabalho. A utilização do SAP como sistema único de gestão da manutenção, env olv e trabalhos que extrapolam a área e manutenção. EX: Serv iços e TI, Ações internas de integração de cadastramento entre os módulos do SAP, atuação de especialistas na elaboração de nov os planos de manutenção, etc. Desta f orma, a v erba empregada é v ariáv el, conf orme a dimensão e nív el de maturidade da empresa. Com relação a inv estimentos, f oram adquiridos dois nov os módulos para SAP, os coletores portáteis (mobiles) e seu sof tware. No estágio atual estamos com v alores de grandeza da órdem de 2,5 milhões. Quanto ao cronograma, cada área de trabalho tem seu cronograma distinto, entretanto, o processo de mudança f oi iniciado em JUL/2009, f oi impactado pela LEI assim, nov as prioridades para a implantação f oram estabelecidas MODELO DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DA MANUTENÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO CAVALCANTI, Á.D.A.(1);FILHO, A.T.D.A.(2); - CELPE(1);UFPE(2); A busca da excelência é uma prática comum em muitas organizações do setor elétrico, a f im de combinar a maior rentabilidade com a melhor qualidade e conf iabilidade no f ornecimento de energia. Das f erramentas de gestão disponív eis no mercado, o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) f oi o subsídio principal deste trabalho. A partir de sua adequação à gestão da manutenção, f oi possív el estabelecer um ref erencial de excelência para comparar as práticas de trabalho atuais, identif icando as oportunidades de melhoria e, atrav és do sistema de pontuação, mensurar o nív el de maturidade da gestão da manutenção do sistema elétrico. A) Como superar a resistência de prof issionais de áreas técnicas em relação a aplicação de f erramentas de gestão de processo? Uma característica do pessoal técnico de manutenção é f oco em resultados. A experiência com 130 prof issionais do processo de manutenção do sistema elétrico da Celpe, participantes dos 9 workshops, 28 entrev istas, 27 horas de grav ação, v isitas as instalações elétricas (subestações, linhas e redes) realizados durante a pesquisa, mostrou como existe tanta gente capacitada e comprometida com o funcionamento do sistema elétrico. A objetividade e ferramentas que tragam resultados são argumentos que lev am o grupo a motiv ação e engajamento em prol da melhoria das práticas de trabalho e consequentemente, da gestão da manutenção. Portanto, para superar a resistência de prof issionais de áreas técnicas é preciso promover apresentações objetivas e bem f undamentadas capaz de sensibilizar esses prof issionais sobre a importância de tal f erramenta. B) Quais f oram as principais oportunidades de melhorias identif icadas no processo de av aliação e a estratégia adotada para consolidar a utilização da f erramenta de gestão - MEG? As principais oportunidades de melhorias identif icadas no processo de av aliação e priorizadas no workshop de melhoria da gestão da manutenção f oram: 1. Aprimorar os procedimentos de manutenção atrav és de: identif icação das interações do processo de manutenção; elaboração do f luxograma do processo de manutenção; identif icação e tratamento das anomalias do processo de manutenção; estruturação do sistema de medição dos processos e produtos; padronização dos procedimentos de manutenção; treinamento da força de trabalho nas atividades padronizadas; estruturação do controle de processos; estruturação do relatório de desempenho do processo de manutenção; e sistematização de reuniões de análise crítica de desempenho. 2. Aprimorar a infraestrutura de manutenção a demanda atual através de: av aliação da localização e quantidade de regionais necessárias (núcleos poliv alentes e turmas de serv iços de redes); av aliação da melhor alternativ a de coordenação da manutenção de linhas e redes; realização de estudo de v iabilidade sobre a recuperação de materiais e equipamentos retirados do sistema elétrico. 3. Controlar os riscos empresariais atrav és de: realização de parcerias com as pref eituras no sentido de diminuir a inv asão de f aixa de serv idão e de construções irregulares nas proximidades das linhas e redes; promoção de campanhas de conscientização sobre os riscos de acidentes; aumento do inv estimento em redes protegidas e isoladas. 4. Motiv ar e capacitar os profissionais de manutenção através de: treinamento de eletricista para operar subestações; capacitação dos profissionais dos núcleos polivalentes (responsáv eis pela manutenção de subestações) em resolução de def eitos em equipamentos de proteção em subestações; promoção da prática de benchmarking dentro do Grupo Neoenergia e empresas do setor elétrico; capacitação da f orça de trabalho da manutenção para prestar esclarecimento a sociedade; melhoria na capacitação e f iscalização das equipes de poda; disseminação das melhores práticas das regionais. 5. Controlar os def eitos do sistema elétrico atrav és de: elaboração de mapa das linhas e redes, com todas as características do circuito (árvores, acesso, área de risco); inspeção sistemática dos equipamentos instalados no sistema elétrico, a exemplo de reguladores, religadores, seccionalizadores etc; correção da coordenação da proteção de elos fusíveis nos alimentadores críticos e suas derivações, utilizando o dispositiv o de by -pass de chav e; rev isão da política de manutenção dos ativ os elétricos (periodicidade, v ida útil, número de operações, condições climáticas e geográficas etc); estabelecimento de procedimentos de manutenção corretiva, envolvendo todas as áreas do processo, a fim de reduzir o número de causas não localizadas; realização do cadastro das redes adquiridas das cooperativ as de eletrif icação rural. 6. Estruturar a gestão das inf ormações atrav és de: melhoria da perf ormance de rede de TI da empresa, principalmente links das regionais; criação no GSE(Georef erenciamento do Sistema Elétrico) campos específ icos para subsidiar a manutenção de ativos; desenvolvimento/ aperfeiçoamento do sistema de gestão da manutenção (software). Para consolidar a utilização da ferramenta de gestão MEG, utilizamos da seguinte estratégia: a empresa tem 60% dos processos certif icados pela ISO9001:2008. As áreas responsáv eis pelo planejamento da manutenção do sistema elétrico (geração de energia no arquipélago de Fernando de Noronha, subestações, linhas e redes) tem 100% de seus processos certif icados e a coordenação da aplicação da f erramenta de gestão f icará com o planejamento da manutenção do sistema elétrico. Então, elaboramos uma norma de av aliação da gestão da manutenção do sistema elétrico mais três procedimentos operacionais explicando como atualizar o relatório de gestão, como realizar a av aliação da gestão e como realizar a melhoria. Estes instrumentos normativos estão no Sistema de Gerenciamento de Normativos SGN, fazendo parte dos padrões do sistema integrado de gestão da Celpe. Portanto, a empresa assume o compromisso de realizar anualmente a av aliação da gestão da manutenção do sistema elétrico, sob pena de lev ar uma não conf ormidade pela auditoria de certif icação, caso não v enha a obedecer aos instrumentos normativ os. C) O texto cita requisitos e indicadores para basear objetiv amente as av aliações. O v etor melhor av aliado é \"liderança, 51%\" (os gerentes e superv isores são bons) e o pior \"informação e conhecimento, 28%\" (eu preciso de treinamento). Qual a influência do clima organizacional, da identificação do entrevistado e da percepção das pessoas nos resultados? O critério liderança abrange não apenas a f igura do líder mas as partes integrantes dos processos gerenciais que contribuem para transparência, nív el de conf iança, engajamento da f orça de trabalho no êxito das estratégias de manutenção, bem como av aliação do desempenho operacional. Os principais requisitos estão contidos em cada item do questionário, relacionando: como é a classif icação e tratamento dos riscos empresariais das ativ idades de manutenção (regulatório, ambiental, trabalhista etc); como são tomadas as decisões, comunicadas e implementadas; como é comunicado e assegurado o entendimento dos v alores e princípios organizacionais; como são estabelecidos os principais padrões de trabalho; como é estimulado o desenv olv imento da inov ação; como é av aliado e comunicado o desempenho da manutenção. Quanto ao v etor inf ormações e conhecimento, este abrange principalmente três aspectos: o nív el de automação das inf ormações, compreendendo a f inalidade dos sistemas de informação (TI) utilizados; como são obtidas e atualizadas as informações comparativas entre as empresas do grupo e no setor elétrico; como são 4/12

5 disseminados e compartilhados os conhecimentos. A inf luência do clima organizacional é de f undamental importância para a gestão da manutenção e por isso o v etor pessoas coloca alguns requisitos para se buscar a excelência da gestão, tais como: organização do trabalho para estimular a resposta rápida e o aprendizado organizacional; estímulo a cooperação e a comunicação eficaz entre as pessoas e entre as diversas áreas; como é gerenciado o desempenho das pessoas e das equipes; como é promov ido o desenv olv imento pessoal e prof issional; como são tratados os riscos relacionados à saúde ocupacional, segurança e ergonomia; e como a empresa retem talentos. Porém, no resultado da avaliação da gestão o fundamental é identificar as pessoas detentora das informações, que possam responder os questionamentos e mostrar ev idências das práticas de trabalho e daí f ornecer subsídios para se medir o distanciamento do ref erencial de excelência da gestão. Após a f inalização do resultado da av aliação da gestão da manutenção do sistema elétrico f oi realizado um workshop com a participação de 60 integrantes das div ersas áreas de manutenção ( geração, subestações, linhas, redes, automação) para discutirem o resultado e priorizar as ações de melhoria. Não houv e juízo de v alor quanto aos resultados de cada v etor ou resultado geral como sendo uma gestão boa ou ruim. Foi esclarecido que uma primeira av aliação geralmente o relatório de gestão f ica um pouco aquém na retratação das práticas realizadas. Contudo, f icou esclarecido que a gestão da manutenção tem hoje uma ref erência, uma mensuração, identif icados os v etores a serem priorizados, e quais as oportunidades de melhoria a serem av aliadas e priorizadas METODOLOGIAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA A INTEGRAÇÃO ENTRE A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO E O PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO. PEREIRA, F.D.A.(1);SILVA, A.D.L.E.(1); - OMEGA(1); A equipe de operação do sistema, além de manobras e controle das f unções de transmissão, também é responsáv el pelo acompanhamento e controle das interv enções de. Como parte das interv enções sistêmicas estão associadas a um alto custo com Parcela Variáv el por Indisponibilidade, se f az necessária a máxima integração entre a operação e a manutenção para que os riscos sejam minimizados e mitigados. Este trabalho apresentará como a metodologia de gerenciamento de projetos estabelece uma interf ace entre o planejamento da manutenção e a programação da operação, com um estudo de caso de uma Subestação da concessionária ATE IV, de propriedade da Abengoa. A) Qual f oi a motiv ação da utilização da metodologia de Gerenciamento de Projetos em processo de planejamento e execução de serv iços? B) Qual o nív el de treinamento em GP dos empregados env olv idos nas taref as? C) Pela descrição a MC é de rotina. O autor pode comentar a taref a \"Treinamento complementar da equipe nas ativ idades que serão realizadas env olv ento a operação e manutenção.\"? Pessoas da operação participaram df iretamente na execução da manutenção? GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE HIDRELÉTRICAS ATRAVÉS DA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE PLANOS PLURIANUAIS TÉCNICOS E ECONÔMICOS FEITOSA, P.H.S.(1);HAIN, F.L.(1); - TRACTEBEL ENERGIA S.A.(1); O trabalho desenv olv ido está relacionado à apresentação da elaboração e rev isão de Planejamentos Plurianuais estratégicos de Usinas Hidrelétricas considerando os aspectos técnicos e econômicos relativ os às suas ativ idades, entre elas: inv estimentos e ref ormas, rev isões prev entiv as e serv iços de apoio. No desenv olv imento destes Planos é lev ada em conta a análise de índices e f atores relacionados principalmente ao desempenho e custos inerentes à central hidrelétrica e seus equipamentos e sistemas. O principal objetiv o deste trabalho é o de expor ao setor uma metodologia de planejamento plurianual como uma alternativ a de gestão técnica e econômica em longo prazo de centrais hidrelétricas. A) Qual é a estratégia adotada para redução de custo de manutenção planejada v ersus desempenho das máquinas? A estratégia em desenv olv imento atualmente é a utilização de técnicas de manutenção preditiv a com implantação de sistemas de auxílio ao diagnóstico que adv ogam a necessidade de manutenção somente quando ev idenciado pelas condições do equipamento, e não, atrav és do planejamento periódico, como é o caso da manutenção prev entiv a em v oga atualmente. B) Como f ica a política de inv estimento e de custeio com a nov a legislação de renov ação de concessões? Ainda não foram estudadas mudanças nas políticas de investimento e custeio nos setores de O&M, principalmente, porque a medida provisória ainda não gerou impactos na empresa. C) Quais as causas do desv io de 50% em 2008? A diminuição em 2008 não dev eria resultar em aumento nos anos seguintes? A redução de 50% entre o realizado e estimado se dev e a não execução de ativ idades planejadas de serv iço de apoio no respectiv o ano, não af etando os planejamentos e realizações dos anos posteriores AS MELHORES PRÁTICAS APLICADAS PARA AS CALDEIRAS, USANDO A METODOLOGIA DO EPRI, NA BUSCA DOS BENCHMARKS PARA AS USINAS TÉRMICAS. FELIPPE, L.(1);LIMA, E.C.(2);GUESSER, S.(1); - TRACTEBEL ENERGIA S.A.(1);TRACTEBEL ENERGIA(2); As falhas em tubos de Caldeiras são mundialmente reconhecidas como a maioria das ocorrências de paradas forçadas nas usinas térmicas. Os especialistas em engenharia e manutenção de caldeiras da Tractebel têm acumulado dezenas de análises de f alhas em tubos de Caldeiras e isso permitiu agregar conhecimento para a Tractebel Energia. As melhores práticas da metodologia do EPRI (Electric Power Research Institute) nas ações de longo prazo para a conf iabilidade das caldeiras. Os níveis de ação requerem o conhecimento apurado dos mecanismos de dano, a investigação da causa-raiz das falhas e as melhorias propostas para longo período resultam em benchmarks. A) Quais as principais adaptações necessárias nas recomendações e implementações emitidas pela EPRI, f rente as especif icidades de operação das usinas térmicas? O EPRI preconiza div ersas ações f ocadas em ações mitigadoras de risco em relação a f alhas em tubos das Caldeiras. Para cada um dos mecanismos de f alha dev e-se elencar quais os f atores de risco para o surgimento de f alhas potenciais e a priorização das ações oriundas das análises de engenharia de O&M das Usinas Térmicas. Em f unção do cenário de operação das térmicas no Brasil, principalmente em decorrência do PLD (Preço de Liquidação das Dif erenças) as quais as plantas térmicas estão expostas, as ações de inspeção das Caldeiras orientadas pelo EPRI são div ididas em 3 oportunidades, quais sejam, para os cenários de alev ado PLD, médio e baixo PLD em consenso com as equipes de operação das Usinas Térmicas. B) Qual o comportamento das caldeiras de J. Lacerda em relação à média mundial? A média mundial para estatisticas de f alhas em tubos de Caldeiras em relação as f alhas totais anuasi das Usinas Térmicas se encontram acima dos 50 %. Isso signif ica que se uma planta térmica perdeu 10 % de disponibilidade total num detrerminado ano, as Caldeiras passam dos 5%. Na Tractebel Energia, as Caldeiras tem motiv ado f alhas com paradas f orçadas das unidades geradoras e o v alor médio tem sido de 30%, f icando abaixo da média mundial. C) A aplicação das práticas sugeridas pelo EPRI já trouxe retorno mensuráv el para J. Lacerda? Para o EPRI, acima de 3 % de perda de disponibilidade de geração nas térmicas dev ido a f alhas em tubos constitui motiv o de aplicação de ação imediata ou de médio prazo. Este indicador de desempenho (IF = Indisponibilidade Forçada dev ido a f alhas em tubos) para as Caldeiras da Tractebel, ma média dos últimos 05 está abaixo deste v alor. No ano de 2009, a Unidade 7 da UTLC (1 x 363 MW) atingiu o v alor de IF de 0,45 %, se posicionando na f aixa dos v alores de benchmarking internacionais que segundo o EPRI f ica entre 0% e 0,5 %. As melhores praticas adv indas dos programas do EPRI proporcionam conhecimento adequado para reduzir a IF nas Usinas Térmicas PROPOSIÇÃO E AVALIAÇÃO EM CAMPO DE UM NOVO CONCEITO PARA O DIAGNOSTICO DO ESTADO OPERACIONAL DE CABOS ISOLADOS VELASCO, L.N.(1);LIMA, F.N.(2);FINAZZI, A.D.P.(2);OLIVIERA, J.C.D.(1);FREITAS, L.C.G.D.(1);MARTINS, H.C.(3);ARAUJO, W.J.D.(3); - UFU(1);UFMT(2);CEMIG D(3); A) Pode-se recomendar a utilização do método como padrão de manutenção Os resultados dos trabalhos de medição realizados para distintas amostras de cabos culminaram com a obtenção de indicadores de estado que permitiram concluir sobre as condições operacionais que se encontrav am as mesmas. Neste particular constatou-se que as grandezas passív eis de obtenção e indicativ as do estado operacional dos cabos testados f oram encontradas e analisadas, tendo-se observ ado uma boa consistência nas indicações f eitas a partir do Coef iciente de Não Linearidade em 5/12

6 v ista da situação real das amostras de cabos analisadas (nov os e usados). A luz dos f atos, o método v em se apresentando com a conf iabilidade esperada, podendo sim, ser indicado como mais um método para o sistema de manutenção e monitoramento do estado de degradação dos cabos isolados. Por f im v ale ressaltar que as etapas trilhadas se mostraram promissoras e o método proposto e implementado neste inf orme técnico se mostra compatív el com as metas estabelecidas e com um procedimento prático e seguro para av aliação das condições dos isolamentos dos cabos instalados nas empresas concessionárias. B) Qual o nív el de treinamento ou conhecimento requeridos para análise dos resultados? O método não exige treinamentos ou conhecimentos específ icos do prof issional responsáv el pela análise. A partir da f ormação de um banco de dados capaz de indicar os nív eis de operação do cabo, sendo ele: normal, alerta ou crítico, o próprio programa será capaz de analisar os dados e inf ormar ao operador o estado do cabo. C) Caso a ordem de grandeza das correntes de f uga seja baixo (ma) é possív el que a posição do cabo dentro do anel do amperímetro alicate inf luencie a medida (v er f igura 5). Foi av aliada esta possibilidade? Durante o desenvolvimento da pesquisa, as magnitudes das correntes foram levadas em consideração no momento da concepção do protótipo. Sendo assim, o aparelho foi desenvolvido para a medição de sinais de corrente de baixa amplitude, fazendo com que independentemente do local de medição, a mesma não seja comprometida por f atores externos SISTEMA DE TESSUPORTE (STS) BIANCHI, F.C.(1);BOZZETTO, J.L.(1); - BCM(1); Um dos elementos que af etam a qualidade de energia elétrica são os tempos de manutenção dos equipamentos e sistemas. O auxílio às manutenções é obtido pela disponibilização de inf ormações selecionadas acerca destes sistemas, pela disponibilização das documentações e pela possibilidade de env iar alguns comandos de teste a distância. Este trabalho apresenta um sistema de telessuporte (STS) que tem como principal objetiv o f acilitar a manutenção de sistemas complexos de controle em subestações, usinas de geração e outras instalações automatizadas. O Sistema opera à baixo custo em v ários tipos de instalações sejam subestações. A) O sistema distribuído possui um centro de operação, onde é f eita a análise de desempenho ou f alhas? Não, a análise de desempenho e de f alhas é f eita de f orma distribuida, pelos especialistas nos div ersos aspectos da automação. Centralizado é apenas o dataserv er, no qual são armazenados o histórico de v alores das v ariáv eis relev antes de controle, as análises, recomendações e demais documentos. B) Qual o tipo de rede e protocolos utilizados neste sistema distribuído? Entre as unidades de aquisição e o dataserv er estamos usando ModbusTCP e ModbusRTU sobre GPRS/GPS. As unidades de análise acessam ao serv idor v ia internet (TCP-IP). C) Quais dados precisam ser conf igurados e quais medidas obtidas para o bom desempenho do algoritmo de localização de f alta em rede de distribuição? Em linhas gerais dev e ser conf igurada a topologia (distribuição geográf ica, distâncias, etc.) e as características elétricas das linhas. Durante a operação são medidas: tensão e corrente na subestação, e as tensões nos dif erentes pontos de aquisição instalados remotamente PAS 55 E ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A EXCELÊNCIA DA GESTÃO DE ATIVOS NA USINA DE ANGRA 2 MARCO, V.S.D.(1);OLIVEIRA, C.H.D.(1); - ELETRONUCLEAR(1); A PAS 55 não é considerada uma Norma Britânica, é uma especificação emitida pela British Standards Institution (BSI) em resposta à demanda da indústria por um padrão de gestão de ativos. A Gestão de Ativos inclui atividades e práticas executadas de maneira sistemática e coordenada, através das quais uma organização otimiza e gerencia seus ativ os e sistemas ativ os, seu desempenho, seus riscos e despesas ao longo do ciclo de v ida, objetiv ando a estratégia organizacional. O objetiv o deste inf orme é apresentar a sistemática da gestão de ativ os da Usina de Angra 2 que atende as diretrizes da PAS 55. A) Qual é o sof tware utilizado na Gestão de Manutenção e de Ativ os e o processo adotado para controle e av aliação dos dados inseridos? É adotado o Sistema MAXIMO na gestão da manutenção, software SAP para controle e reposição de estoque de sobressalentes, software Weibull (Reliasoft) para cálculos de dados de vida de equipamentos e componentes e software Blocksim (Reliasoft) para cálculos de confiabilidade de sistemas. Atualmente aplicamos a Manutenção Centrada em Conf iabilidade à partir de planilhas excell, mas a aquisição do sof tware RCM (Reliasof t) já está em andamento. O processo de av aliação e controle de dados segue os conceitos descritos no documento INPO AP Equipment Reliability Process Description que atende a todos os requisitos da PAS 55 e aplicamos também os conceitos da norma NRC10CFR Requirements f or Monitoring the Ef f ectiv eness of Maintenance at Nuclear Power Plants. Os resultados obtidos são comparados com os parâmetros cadastrados no banco de dados do EPRI PMBD Preventive Maintenance Base Date, referente a diversas usinas nucleares americanas. B) O processo completo f oi aplicado a outros sistemas av aliados como críticos? Comentar resultados obtidos e planejamento de outras aplicações. O processo f oi aplicado para todos os sistemas e/ou equipamentos: a) relacionados com a segurança e requeridos para: - assegurar a integridade da barreira de pressão; - desligar e manter o reator na condição desligado f rio; - prev enir ou mitigar as conseqüências de acidentes que possa resultar na liberação de produtos radioativ os; b) não relacionados com a segurança: - mas que possam exercer f unção signif icativ a nos Procedimentos Orientados para os Ev entos; - mas que mitiguem acidentes ou transiente; - cujas falhas poderiam impedir a realização de uma função relacionada com a segurança; - cuja falha poderia causar um desligamento do reator ou uma atuação espúria dos sistemas relacionados com a segurança. Estes sistemas correspondem a 30% do total de sistemas da Usina de Angra 2. Pretendemos classif icar os sistemas restantes para separá-los em duas categorias: a) os não críticos: - cuja f alha pode representar um f ardo para a operação ou manutenção; - cuja f alha pode resultar em transientes, perda de geração ou redução da defesa de profundidade; - apresenta histórico de alto custo operacional ou alto custo para reparo e/ou substituição; - o componente é obsoleto ou tem poucos f ornecedores ou apresenta alto custo para reparo ou substituição; - demandam um longo tempo para aquisição de sobressalentes; b) os que podem funcionar até parar (run-to-failure) e que por isso não merecem estar contemplados num programa de manutenção, mas que necessitam ter sobressalentes em estoque. C) A Gestão da Manutenção é imprescindív el para o processo de Gestão de Ativ os. Quais f oram as principais mudanças requeridas na Gestão da Manutenção e quais os av anços obtidos na Engenharia de Conf iabilidade? O processo de gestão de ativ os exige exatidão dos dados inf ormados nos históricos de manutenção, o f eedback dos executantes da manutenção é imprescindív el para as acertiv as das análises de dados. Realizamos treinamentos e retreinamentos anuais para os executantes das manutenções com o intuito de demonstrar como é f eita a coleta e a análise dos dados e os resultados obtidos para conscientizá-los da sua importância no processo da gestão de ativ os. Criamos campos de preenchimentos obrigatórios nas licenças de trabalho que só podem ser encerradas no Sistema MAXIMO se tais campos estiv erem preenchidos. Padronizamos códigos para árv ores de falhas e para as avaliações das condições em que foram encontrados os equipamentos (as found) e como foram deixados (as left). As análises de dados são efetuadas por um grupo composto por representantes especialistas das áreas de manutenção, operação, engenharia, análise probabilística de segurança (APS) e executantes das manutenções. Os resultados das análises são posteriormente validados pelo Comitê de Avaliação, composto por outros especialistas, com vasta experiência na planta, representantes das mesmas áreas citadas acima. A monitoração contínua da ef icácia da manutenção implementada pelo processo de gestão de ativ os e a engenharia de conf iabilidade permitiram a determinação do tempo ótimo de manutenção prev entiv a com base no risco e no menor custo e a determinação das taref as que realmente precisam ser executadas para restaurar a conf iabilidade e a disponibilidade dos sistemas e/ou equipamentos MODELOS PARA PLANEJAMENTO DE LONGO PRAZO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS EM USINAS HIDRELÉTRICAS COM GRANDE NÚMERO DE UNIDADES GERADORAS E REGIME HIDROLÓGICO BEM DEFINIDO RIGAMONTI, R.(1);FILHO, N.M.(2);LACERDA, F.D.S.(3); - ELETROBRAS(1);ELETROBRAS(2);ELETROBRAS(3); Este trabalho propõe três modelos matemáticos para o problema de planejamento de longo prazo das manutenções preventivas de usinas hidrelétricas com regime hidrológico marcante, reserv atório a f io d água e um grande número de unidades geradoras. Buscando auxiliar a área de manutenção na elaboração do cronograma de manutenção, def inição do critério de parada, dimensionamento de equipes, compra de material necessário e contratação de serv iços, além de v erif icar a v iabilidade de se realizar todas as manutenções prev entiv as no período hidrológico seco. A) É possív el inserir no modelo v ariáv eis para o custo de manutenção e v alor de v enda da energia? A inserção do custo de manutenção na formulação do problema é possível, e acredito que isto traria mais robustez a modelagem e um significado para a função objetiv o, que na atual modelagem não tem um signif icado quantitativ o. O trabalho seria f azer um lev antamento dos custos env olv idos, a sua relação com as v ariáv eis 6/12

7 do problema e sua consideração na função objetivo. Considero isso uma boa evolução desta modelagem. Com relação ao valor de venda da energia, na atual modelagem não nos preocupamos com a geração de energia, apenas com a disponibilidade das unidades geradoras. Partimos da premissa de que no período seco não deixaremos de gerar por indisponibilidade de máquina por manutenção programada. Sendo assim, a princípio não v ejo a possibilidade em se utilizar o v alor de v enda da energia na modelagem proposta. B) O modelo está sendo usado no planejamento de manutenção? No momento não. Está agendada para novembro/2013 uma reunião com a área de manutenção de Furnas para a apresentação do trabalho e possíveis ajustes na f ormulação, para assim tentarmos utilizá-lo nos estudos de planejamento da manutenção da UHE Santo Antônio, e com isso, ir melhorando o modelo na medida em que f orem surgindo problemas e ideias durante sua utilização. Mas já utilizamos este modelo para analisar e justif icar o uso de uma Taxa de Indisponibilidade Programada nula em estudos de v iabilidade de usinas hidrelétricas na região norte. C) Foi simulada a inclusão dos meses de junho e dezembro no periodo das manutenções? Pela v azão são meses onde pode-se parar máquinas e talv ez traga uma boa redução na dimensão da equipe. Foram av aliadas as ativ idades das equipes nos demais meses do ano? Na modelagem f oram considerados apenas os meses de julho a nov embro por motiv os conserv adores. Concordo que a inclusão desses dois meses trarão melhores resultados. Vou tentar realizar uma simulação com esta premissa e verif icar o resultado. Não f oram avaliadas as atividades das equipes nos demais meses do ano. Apenas conversamos alguns aspectos como férias, que devem ser escalonadas no período úmido, onde poderão ocorrer manutenções emergenciais, para que no período seco se tenha disponív el toda a equipe de manutenção PROPOSTA DE NOVA METODOLOGIA DE SUPERVISÃO DA OPERAÇÃO DE DISJUNTORES PARA MANUTENÇÃO AMARAL, F.V.(1);SILVA, J.C.D.(2);SOUSA, W.M.D.(3);GONTIJO, G.M.(4); - CEMIG (1);CEMIG(2);CEMIG (3);CEMIG (4); O critério atualmente utilizado pela Cemig GT para manutenção das câmaras de extinção de disjuntores é baseado em um método estatístico, estabelecido empiricamente com base na experiência da equipe de manutenção. Com a disponibilização das magnitudes das correntes de f alta, medidas v ia Registradores Digitais de Perturbações nas subestações, e a necessidade de padronização nas inf ormações f ornecidas pelos f abricantes de disjuntores nos seus manuais, este artigo propõe uma nov a metodologia de manutenção. Um modelo matemático compatív el com as dif erentes metodologias propostas por f abricantes div ersos f oi desenv olv ido e v alidado, para quatro modelos de disjuntores de dif erentes características. A) Pelas simulações efetuadas para os diversos tipos de disjuntores verifica-se que o método é mais conservador que o do fabricante. Com a nova metodologia é possív el postergar as interv enções, aumentando a perf ormance dos disjuntores e redução de custo? Nas simulações ef etuadas para v alidação do método, os resultados f oram ligeiramente mais conserv adores do que o estabelecido pelo f abricante, mas essa dif erença é devida ao erro introduzido na leitura dos quatro pontos para o cálculo das constantes a e c. A implementação do método, mesmo com o erro introduzido, leva à prorrogação das intervenções para manutenção e consequente otimização da vida útil, pois o erro é muito pequeno e o acompanhamento da vida útil do disjuntor acontece praticamente em tempo real. Além disso, é possív el implementar o método utilizando-se mais do que quatro pontos a partir das inf ormações f ornecidas pelo f abricante no catálogo. Com isso, o erro introduzido pela leitura dos pontos no método dos mínimos quadrados é reduzido e pode-se trabalhar ainda mais próximo do limite de v ida útil do equipamento. B) Pretende-se fazer o acompanhamento comparativo entre um mesmo modelo de disjuntor em que se aplica a recomendação do fabricante e outro que aplica a metodologia proposta? Pretende-se, com a implementação do método, acompanhar a v ida útil de todo o parque de disjuntores da Cemig GT, automaticamente, a cada operação do equipamento. Na f ase de implantação do método, alguns disjuntores dev em ser escolhidos como candidatos para teste e a comparação entre as metodologias dev e ser contínua. Após a validação experimental, o método deverá ser implementado gradualmente até abranger todos os disjuntores. Após essa fase de implementação, pretende-se realizar estudos comparativ os por amostragem. C) Nesta proposta os registros dos RDPs serão avaliados para obter a fase e o valor da corrente nos desligamentos por curto-circuito ou tambem nas aberturas manuais por manobra? Os casos de religamento automático seguido de nov o desligamento teriam algum tratamento dif erenciado? Todos os ev entos que lev em à interrupção de correntes na câmara de extinção dos disjuntores dev em ser lev ados em consideração na redução da v ida útil. Nesse sentido, as operações de manobra e desligamento após religamento automático devem ser consideradas da mesma forma que a interrupção de correntes de curtocircuito LEVANTAMENTO DO RISCO REAL DE FALHAS EM PARA-RAIOS Lisboa, P.d.A.(1);Arruda, C.K.d.C.(2);Fonte, R.C.d.(3);JR, H.D.P.A.(4);DOMINGUES, L.A.D.M.C.(5);MEYBERG, R.A.(6); - CEPEL(1);CEPEL(2);CEPEL(3);CEPEL(4);CEPEL(5);CEPEL(6); Este Inf orme Técnico apresenta um conjunto de metodologias e f erramentas computacionais para cálculo do risco de f alha de equipamentos, cuja aplicação pode auxiliar os prof issionais de manutenção e operação das empresas a def inir os planos de manutenção prev entiv a e a priorizar os inv estimentos na renov ação dos equipamentos. Apresentam-se metodologias de cálculo e prev isão do risco de f alha de equipamentos adequadas à análise de pequenas amostras. Estas metodologias são utilizadas em áreas com características similares de baixa ocorrência de f alhas, como aeronáutica e nuclear e f oram adaptadas ao estudo de equipamentos elétricos. Mostra-se como, a partir de informações escassas como número de equipamentos de determinado tipo em operação e tempo de operação até a ocorrência de uma falha se obtêm modelos de risco de falha no tempo, que permitem elaborar previsões de falha futura e, em decorrência, elaborar estratégias otimizadas de manutenção e troca de equipamentos. Aqui surge uma outra dif iculdade inerente ao desenv olv imento deste tipo particular de modelos: a dif iculdade de obtenção de dados para v alidação. Neste trabalho foram montados ensaios de envelhecimento acelerado, de modo a obter uma base de dados suficiente para realizar a validação dos modelos propostos. A v alidação desses modelos é apresentada numa seqüência de testes, de complexidade crescente. Inicialmente f oram realizados testes em bancada de laboratório, de env elhecimento acelerado, onde se aplicou o modelo de prev isão de f alha na f ase inicial e, ao f inal dos testes, se comparou as prev isões com o resultado f inal, com desempenho totalmente satisf atório. Em seguida se realizou a modelagem de f alha de um conjunto expressiv o de pára-raios de alta tensão. O desenv olv imento aqui apresentado insere-se na construção de uma metodologia para tratar um problema do gerenciamento de ativ os das empresas. O caminho proposto v isa o desenv olv imento de uma f erramenta computacional de simulação de subestações de modo a quantif icar o número de ocorrências e tempo de interrupção decorrente da f alha de cada equipamento na SE. A) Considerando-se que Pára Raios está enquadrado para a maioria dos Modos de Falhas como EQUIPAMENTOS NÃO REPARÁVEIS, esta metodologia se aplica para equipamentos REPARÁVEIS? A presente metodologia é aplicada somente para um modo de f alha por análise, em equipamentos considerados não reparáv eis dev ido à natureza do modo de f alha, ou por opção da gerência de manutenção, por considerar não vantajoso o seu reparo. Para equipamentos reparáveis deve ser aplicada uma metodologia com base em Processos de Poisson. B) O método se aplica a qualquer equipamento em f alha não reparáv el? Sim, este método se aplica a qualquer conjunto de equipamentos não reparáv eis, desde que considerado um único modo de f alha por análise. C) Encontrado o \"risco real de f alha dos para-raios\"... E agora, qual v alor / parâmetro que indica quando substituir um determinado grupo de equipamentos para ev itar f alha no sistema elétrico? A metodologia permite obter para um conjunto, a curv a de probabilidade de f alha ao longo do tempo. Atrav és da curv a CDF, pode-se calcular a probabilidade de hav er f alha em uma certa quantidade de equipamentos, ou, por exemplo, as próximas cinco unidades. Trabalha-se neste caso com percentis. Outro parâmetro relev ante é a taxa de f alhas instantânea dos equipamentos sobrev iv entes, também ao longo do tempo e o parâmetro de f orma β (beta). Este nos permite dizer em qual f ase da v ida útil (curva da banheira) o equipamento se encontra. Caso este seja maior que um, o equipamento se encontrará na fase de falhas por envelhecimento, e a taxa de falhas irá aumentar com o tempo. Pode-se também fazer uma previsão da taxa de falha, o que auxilia na previsão de estoques. Em suma, a metodologia fornece inf ormações relev antes para a gerência de manutenção APLICAÇÃO DE MÉTODOS PROBABILÍSTICOS PARA A AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE FUNÇÕES TRANSMISSÃO SUJEITAS À PARCELA VARIÁVEL MEYBERG, R.A.(1); - UFRJ Com a Resolução Normativa ANEEL nº 270 foram consolidados os critérios de aplicação da Parcela Variável, associando a remuneração das concessionárias de transmissão à disponibilidade de suas instalações. Neste nov o cenário regulatório, um nov o âmbito para a aplicação de métodos probabilísticos é propiciado: a análise conjunta da confiabilidade destas instalações e seu possível impacto sobre sua remuneração.este Informe Técnico apresenta uma metodologia, fundamentada em 7/12

8 f erramentas probabilísticas, para a av aliação da conf iabilidade de Funções Transmissão, capaz de quantif icar o desempenho da instalação e componentes em termos das penalizações da Parcela Variáv el, considerando sua v asta gama de critérios de aplicação. A) Pretende-se acompanhar os ganhos em desempenho em f unção da aplicação desta f erramenta como apoio à gestão de ativ os? A av aliação dos possív eis ganhos em desempenho requer ainda o interesse por parte de alguma empresa na aplicação da metodologia em um projeto piloto. B) Como utilizar os resultados do caso estudado, na elaboração do Plano de Manutenção Prev entiv a? Foi considerada a rev isão da RN 270, na qual não existe mais f ranquia para as f unções Transmissão? Os resultados vêm a auxiliar nas decisões de priorização de investimento e planejamento da manutenção, indicando os equipamentos e eventos, mesmo que em localizações distintas, que representem maiores prev isões de penalização e acompanhando a ev olução do desempenho dos mesmos. Apesar de terem sido utilizadas as f ranquias estabelecidas pela rev isão da RN 270, a metodologia e o caso de estudo apresentados f oram realizados anteriormente à rev isão e esta não f oi considerada. Os v alores das f ranquias f oram obtidos da Nota Técnica nº 085/2012, de junho de 2012, a qual propunha os nov os v alores para os parâmetros em questão. C) O uso de dados de conf iabilidade obtidos em literatura internacional é adequado para tomar decisão em uma FT específ ica que tem seus equipamentos (tempo de v ida, taxa de f alha etc) e processos (métodos de manutenção prev entiv a e preditiv a, tempos de manutenção etc) inerentes a uma determinada instalação e empresa? Apesar de utilizar dados típicos de conf iabilidade e examinar unicamente um exemplo de cada tipo de Função Transmissão, os resultados do caso estudado no Inf orme Técnico por exemplo, apresentam semelhança na proporção do montante de penalizações pela PVI no ciclo 2008/2009, para cada tipo de Função Transmissão, demonstrando coerência da análise realizada. Ainda assim, a utilização de dados de literatura não é o mais indicado, f undamentada apenas na ausência de dados reais da instalação, como o caso de nov as instalações. Na existência de histórico de f alhas, é recomendada a utilização do programa ConWeib para a obtenção de dados de conf iabilidade de equipamentos A EXPERIÊNCIA DE FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A EM ESTUDOS DE CONFIABILIDADE, DISPONIBILIDADE E MANUTENIBILIDADE PROJETO PILOTO COMPENSADOR SÍNCRONO DE TIJUCO PRETO RAMIS, A.C.(1);PUGLIA, F.D.A.(2);Camacho, C.F.(3); - ELETROBRAS FURNAS(1);ELETROBRAS FURNAS(2);ELETROBRAS FURNAS(3); Neste artigo será mostrado um projeto piloto desenvolvido por FURNAS CENTRAIS ELÉTRICA S.A. e orientado por uma consultoria contratada pela empresa, a RELIASOFT BRASIL. Neste projeto foi avaliado durante cinco semanas a confiabilidade de um o compensador síncrono da subestação de Tijuco Preto. Foram simuladas as condições prev istas de operação do equipamento para div ersos horizontes de f orma a permitir análises de conf iabilidade, mantenabilidade e, principalmente, de disponibilidade dos blocos. Esta análise possibilitou identif icar quais os maiores causadores de f alhas e manutenções no equipamento. A partir dos resultados das simulações f oram sugeridas ações para melhorar a disponibilidade do compensador síncrono. A) Além das melhorias implantadas nos subsistemas do compensador síncrono f oi rev isado o plano de manutenção com inclusão de nov as taref as? Como uma das ações implementadas f oi a substitução de todo o sistema de excitação, proteção e controle, f oi necessário rev isar o plano de manutenção, utilizando-se os conceitos do MCC, para contemplar as alterações em componentes executadas. B) Foi av aliado o ponto ótimo de compromisso do custo de manutenção v ersus disponibilidade? Sim. Este ponto ótimo f oi lev ado em consideração na elaboração do estudo de MCC. Atualmente, com a parcela v ariáv el, o quesito "custo de manutenção" pesa muito, de f orma que a introdução de taref as preditiv as é altamente desejáv el, no sentido de ev itar desligamentos desnecessários. Foram adquiridos sistemas de monitoramento de temperaturas e de v ibrações para instalação em 07 compensadores síncronos de FURNAS. C) O subsistema \"ar comprimido\" aparece como o 3º com maior tempo de indisponibilidade. Não f oi def inida nenhuma ação de melhoria? Após análise das causas destas indisponibilidades, foi feita revitalização dos compressores de ar e trocadas as válvulas pneumáticas do sistema de controle, que apresentavam vazamentos constantes A EXPERIÊNCIA DA ELETROBRAS ELETRONORTE NO DIAGNOSTICO DE EQUIPAMENTOS ATRAVÉS DO MÉTODO ESTÁTISTICO DE DESVIO PADRÃO E AVALIAÇÃO DE CRITICIDADE DE FUNÇÕES Neto, F.F.S.(1);SOUZA, L.F.T.D.(2);ANDRADE, E.C.D.(3);ZAGHETTO, S.L.(4);CUNHA, L.B.(5);SILVA, R.(6); - ELETRONORTE(1);ELETRONORTE(2);ELETRONORTE(3);ELETRONORTE(4);ELETRONORTE(5);ELETRONORTE(6); Após a regulamentação da resolução nº270 da Aneel a Eletrobras Eletronorte reorientou o plano de manutenção com base na criticidade da f unção e manutenção. Mesmo com a adoção desta metodologia, equipamentos continuavam a falhar e indisponibilizar funções importantes. Durante algumas avaliações de falha observou-se que alguns dos equipamentos que falhavam estavam com valores de ensaio e de inspeção tidos como normais e que não justificavam a sua falha. Para ter novos parâmetros e critérios f oi utilizado o método de desv io padrão.este trabalho busca apresentar como o estudo f oi f eito, as técnicas utilizadas durante a v alidação e os resultados obtidos. A) Quais os equipamentos que tem apresentado maior número de f alhas? Quando iniciamos o estudo os equipamentos que apresentav am maior números de f alhas na regional do Pará eram os TPCs. Com a inclusão da PV a f alha de um TPC poderia derrubar uma função importante acarretando altos pagamentos de PV o que justificaria um estudo mais elaborado. Este estudo ajudou a identificar quais equipamentos estav am em situação critica e ajudou a ev itar nov as f alhas. B) Há um controle da quantidade de equipamentos que estão com a programação manutenção prev entiv a em dia? Sim. Atrav és do sistema SAP os planos de manutenção são mantidos e controlados. Temos o indicador IRPMp (indice de realização do plano de manutenção prev entiv a) que indica o percentual de planos que estão em dia v ersus o que estão atrasados. Além disso, atrav és da planilha de controle de equipamentos além de identif icarmos os def eitos também identif icamos quais planos estão atrasados Caso um plano não esteja em dia ele terá sua pontuação de criticidade alterada e será dado uma maior importância durante a programação anual. C) A experiência f oi aplicada em outras áreas da empresa? Ainda não, mas já estamos estendendo o estudo a outros equipamentos. A Extensão a outras áreas da empresa se dará atrav és de div ulgação em ev entos internos e ações em conjunto com o departamento de engenharia de manutenção da sede DIAGNÓSTICO DE INSTALAÇÕES DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ABORDAGEM BASEADA EM RISCOS NUNES, S.A.(1);Duarte, L.H.S.(2);TEIXEIRA, R.M.(3); - CEMIG(1);CEMIG GT(2);CEMIG (3); o processo de decisão de estratégia da manutenção. A) O resultado obtido no estudo f oi utilizado para o processo de rev isão do Plano de Manutenção Prev entiv o? E qual f oi o env olv imento da equipe de manutenção? Não. Os Planos de Manutenção eram controlados de f orma descentralizada, assim o diagnóstico não f oi ef etiv o para causar alteração dos planos, pois não se podia garantir que as alterações fossem aplicadas. Contudo, com a centralização dos planos de Manutenção e o controle destes pela engenharia será possível realizar o acompanhamento das execuções de manutenção e realizar ações de alteração de periodicidades dos planos com base nos riscos identif icados no ativ o. Env olv imento da equipe: O diagnóstico baseado em riscos bem como a implantação de outros métodos e técnicas de manutenção tem f orçado a mudança de paradigma nas equipes. Essa mudança resulta em resistências e desconf ianças, muitos destes causados por f alta de comunicação. Uma v ez eliminados os ruídos a equipe passa a compreender que o diagnóstico é uma f erramenta f undamental para relatar suas necessidades para a def esa de inv estimentos e despesas. O env olv imento das equipes de manutenção é f undamental para a identif icação dos riscos, sendo a v isita ao pátio juntamente com o responsáv el pelo lev antamento de riscos f undamental para o sucesso da coleta de dados. B) A taxa de f alhas v erif icada, no histórico por equipamentos, f oi utilizada como f ator de risco? 8/12

9 O histórico de f alhas f oi utilizado em muito poucos levantamentos de riscos. A def iciência do banco de dados e baixa qualidade ou inexistência das inf ormações de causa, dano, ef eito e ações tomadas não permitiram a utilização da taxa de f alhas ou de outro indicador baseado em dados históricos. Portanto na determinação do P (Probabilidade) f oi utilizado o conhecimento das equipes de execução em conjunto com os especialistas de engenharia em cada tipo de equipamento. Pretende-se ev oluir na determinação do "P" para reduzir ou eliminar a necessidade da def inição deste parâmetro pelo especialista. Destaca-se que a taxa de f alhas, aparentemente, não é o melhor parâmetro para a def inição de "P", uma v ez que muitos def eitos são detectados antes da ocorrência da f alha. Uma v ariáv el interessante para a determinação do "P" é a taxa de def eitos e estimação f utura deste indicador. C) Inf orme ações def inidas com objetiv o de minimizar os riscos para os 3 primeiros tipos de equipamentos da f ig 7. Uma v ez identif icados os tipos de equipamentos com maior exposição a riscos partiu-se a análises detalhada dos componentes af etados, danos e respostas, permitindo o agrupamento e def inição das ações a serem tomadas. Ações Linhas de Transmissão (LTRA) - Para linhas de transmissão o estudo mostrou que boa parte dos riscos eram ref erentes a acesso a estruturas, estes f oram descartados da tomada de ação por serem riscos indiretos para a Linha de Transmissão e por representarem um ERV (Valor esperado par ao risco) pouco signif icativ o. Do restante dos riscos, f oram tratados aqueles com ERV indiv idual maior que 10.5 (ALTO) e que representav am risco direto a estrutura, como por exemplo, erosão, torres em locais alagados, substituição de cabo para-raios. Secionadores (CHAD) - As ações sobre estes equipamentos consistiram na identif icação dos equipamentos em f im de v ida útil e def esa da substituição daqueles cujo custo de manutenção tornou-se proibitiv o em relação à substituição. Adicionalmente foi indicada a realização de manutenção com desmontagem e recuperação dos demais equipamentos. Disjuntores - Foram identif icados que os maiores riscos estav am relacionados principalmente a disjuntores PK. Como já hav ia sido iniciada uma ação de estudo sobre este tipo de disjuntores o diagnóstico baseado em riscos serv iu para ref orçar o estudo e indicar quais pontos operativ os dev eriam ser priorizados na substituição destes ativ os GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZANDO O ALGORITMO METROPOLIS-HASTINGS TEIVE, R.C.G.(1);CAMARGO, C.C.D.B.(2);SICA, E.T.(3);COELHO, J.(4);LANGE, T.(5);SANTANA, M.V.(3); - UFSC(1);UFSC(2);IFSC(3);UFSC(4);UNIVALI(5); A caracterização operativa de grandes equipamentos de usinas geradoras, visando a definição do plano de manutenção ótimo, é fundamental para o agente gerador, contribuindo também com a redução da probabilidade de déf icit de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional. Neste trabalho, é proposto a aplicação do algoritmo Metropolis-Hastings para combinar as funções de distribuição de probabilidade (FDP), baseada em dados históricos, chamada de FDP a priori do Tempo Médio entre Falhas (MTBF), com possíveis evidências de desligamentos forçados; com vistas a estimar o MTBF dos principais equipamentos de geração, a partir da FDP a posteriori. A) Houv e um estudo de caso prático de aplicação do método? Como o projeto está ainda em desenv olv imento, somente há poucos meses atrás conseguimos resultados da aplicação do algoritmo, utilizando-se dados realísticos. B) Qual o ef eito da redução da quantidade de dados no resultado da aplicação do algoritmo? A grande v antagem da aplicação da metodologia é que a medida que nov os dados do campo são obtidos, dev ido a nov os desligamentos f orçados, estes são considerados como novas evidências pelo algoritmo e o mesmo ajsuta a nova função de distribuição a posteriori dos valores da taxa de falhas e do tempo MTBF. Quanto mais dados nov os são obtidos menos importante,para a estimação das nov as taxas de f alhas, se torna a f unção distribuição de probabilidade a priori se torna. C) Outro estado dos geradores é parado por conv eniência operacional. Um gerador que entre e saía deste estado com f reqüência tem seus componentes af etados e maior tendência a f alha. O estudo contempla esta situação? É uma questão importante, mas este estado não está contemplado no modelo, simplesmente porque, dentro dos dados de operação das usinas pesquisadas, não existiam registros deste estado operacional, o que impossibilitou a sua modelagem UM SISTEMA DISTRIBUÍDO PARA A AQUISIÇÃO DE CONHECIMENTO COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÕES NA MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DE UHES LERM, A.A.P.(1);BRAATZ, L.A.(1);SEVERO, S.L.S.(1);CIARELLI, W.D.F.(2); - IFSUL(1);AES BRASIL(2); A) Como em todo sistema automatizado a tomada de decisão nem sempre retrata a melhor alternativ a. Pode o autor exemplif icar casos de retif icação após análise da equipe de engenharia de manutenção? Apesar de ter sido concluído, o sistema desenv olv ido ainda não f oi implementado em campo. Esta implementação ainda depende de alguns acertos com a empresa f inanciadora do projeto. Assim, esta pergunta não pode ser respondida pelos autores no momento. B) Há experiência na implantação dos algoritmos em superv isórios de instalações existentes (Elipse SCADA, ABB, Siemens, etc.)? E de algorítmos de autorestabelecimento? As inf ormações necessárias à f ormação da base de conhecimento e à prev isão de alarmes são extraídas do sistema superv isório existente na UHE Limoeiro (WEG). O sistema desenv olv ido não substitui os superv isórios já existentes. A sua operação ocorre de f orma paralela a estes. C) Exemplifique casos onde o Sistema fez previsão que possibilitou ação prévia da operação ou manutenção evitando interrupção de funcionamento da unidade geradora. Pela mesma razão da resposta à Pergunta 1, esta pergunta não pode ser respondida pelos autores no momento MODELAGEM E OTIMIZAÇÃO DO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA DUCHARME, C.(1);SILVA, A.P.A.D.(2); - CEPEL(1);UFRJ(2); Este trabalho propõe um modelo para o programa de manutenção das transmissoras de energia elétrica com o objetiv o de representar, analisar e, principalmente, otimizar o cronograma dos desligamentos de transformadores de potência, minimizando custos e riscos decorrentes. Foram utilizados dados do sistema elétrico nacional. O argumento de saída desta ferramenta é o ordenamento ótimo viável para um programa de manutenção de 52 semanas. O resultado deste trabalho representa uma solução com base empírica inovadora, robusta e adequada para dar suporte à tomada de decisão dos especialistas, indicando alternativas de boa gestão para as concessionárias. A) Foi analisado o ponto ótimo entre multa v ersus quantidade de mão de obra ou tempo de indisponibilidade? A análise com respeito à mão de obra é possív el atrav és de cenários (e outras também). Como mão de obra é um dos dados de entrada para o modelo matemático, uma determinada solução lev a em conta esta inf omarção, ou seja, este cenário específ ico. A partir daí, seria possív el alterar sucessiv amente a inf ormação mão de obra e comparar as respectiv as soluções (as multas e as indisponibilidades associadas). Finalmente, seria possív el obter o ponto ótimo desejado. Análises deste tipo são interessantes para justif icar, por exemplo, um aumento de pessoal para atender uma maior demanda de manutenção. B) É possív el integrar a f erramenta aos sistemas de gestão de manutenção? Os dados de entrada são inseridos manualmente, mas poderiam ser importados de outros sistemas. Para outros dados que não f oram contemplados, seria necessário alterar o modelo matemático. C) Em 2013 o problema foi simplificado pois a ANEEL eliminou as franquias. Debates na ABRATE apontam para diferenças de interpretação nas restrições para desligamemto entre Agentes e o Operador Nacional do Sistema como um f ator complicador deste processo de programação da manutenção. Nos estudos este f ator (cancelamentos e indef erimentos de interv enção) f oi considerado? Realmente o problema f oi simplif icado, do ponto de v ista matemático. Mas o problema f icou bem mais complicado para as concessionárias, uma v ez que as margens de manobra para desligamentos sem ônus (as f ranquias) f oram retiradas. É f ato que os casos citados (cancelamentos e indef erimentos de interv enção) geram muitas tensões entre Agentes e ONS. Nesses casos, uma grande v antagem do modelo matemático é a automação do processo, onde rapidamente seria possív el gerar uma nov a solução, a partir daquele ponto onde a execução não pode seguir a programação desejada (de mínimos custos). Ou seja, para o nov o cenário, seria gerado uma solução atualizada de mínimo custo INDISPONIBILIDADES DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS ATIVIDADES E PRAZOS MARIN, M.A.(1);FONTANELLA, C.A.D.A.(1); - COPEL GET(1); 9/12

10 A regulamentação sobre a indisponibilidade de Transf ormadores da Rede Básica tev e, prov av elmente, como ref erência principal as instalações que possuem banco de transf ormadores, onde, no caso de uma f alha, a colocação em operação da f ase reserv a pode ser f eita dentro dos tempos considerados nestas regras. O objetiv o deste trabalho é demonstrar que as ativ idades e os prazos estabelecidos para colocação de um transf ormador trif ásico em operação, após uma f alha de maior porte, implica indubitav elmente no não atendimento da regulamentação em v igor no setor elétrico, expondo os Agentes a multas regulatórias, além de consideráv el perda de receita pela indisponibilidade da f unção transf ormação. A) Qual o MTBF histórico, comparativ o entre transf ormadores mono e trif ásicos? Nas estatísticas de f alhas em Transf ormadores de Potência que tiv e acesso, uma internacional e duas nacionais, não há menção a característica de serem monof ásicos ou trif ásicos, portanto não f oi possív el f azer uma comparação das taxas de f alha dos dois tipos de transf ormadores. B) Além das melhorias implantadas nos subsistemas do compensador síncrono f oi rev isado o plano de manutenção com inclusão de nov as taref as? Esta pergunta não se ref ere a este trabalho. C) O autor tem alguma sugestão de como os Agentes ou ABRATE trataram desta questão junto a ANEEL? A ABRATE, conforme consta no Infome Técnico, através da Nota técnica 002/2006, já pediu um tratamento especial para os Transformadores Trifásicos, mas não logrou êxito. Além das argumentações individuais dos Agentes, deverá ser elaborada nova solicitação de revisão dos critérios da Resolução 270/2007, de forma a considerar as dif erentes condições dos Transf ormadores Trif ásicos AVALIAÇÃO PELO MÉTODO DA ALTA FREQUÊNCIA DOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO DAS USINAS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA: UM IMPACTO DA NR-10 SANTOS, R.B.D.(1);KASSEM, F.A.(1); - COPEL GET(1); Neste trabalho é abordada a temáticada da manutenção do sistema de aterramento das usinas em concordância com o exigido na NR 10. Para atender as exigências que a norma regulamentador preconiza em seu prontuário com respeito ao aterramento, em alguns casos se f az necessário ef etuar uma análise completa do mesmo. Para que esta v erif icação possa ocorrer de f ato, é necessário uma metodologia de av aliação que permita a realização dos ensaios com a planta em operação normal. Deste modo apresentaremos quais os pontos f ortes que o método da alta f requência possui nesta situação. A) O uso do terrômetro com outros equipamentos energizados, geradores de sinais de alta f requencia, pode causar interf erências na medição da malha ou no f uncionamento daqueles equipamentos? Nas medições que f oram ef etuadas até agora não f oi f oi possív el perceber inf luência de f ontes eletrônicas externas nas leituras ef etuadas com o nosso equipamento. B) O equipamento pode ser utilizado em qualquer tipo de instalação? Até o presente momento nossos testes foram executados apenas em usinas hidrelétricas e unidades eólicas, apresentando resultados considerados satisfatórios no tocante a v erif icação de equipotencialidade. C) A empresa f ez alguma outra medição da resistência de aterramento em UHE? Alguma ação corretiv a f oi executada nas malhas de aterramento? Em uma PCH foi efetuada uma medição comparativa com um terrômetro convencional. Até o presente momento as ações corretivas oriundas das análises de alta f requência estão f ocadas no sentido de garantir a equipotencialização das partes aterradas, apontando os pontos que aparentav am não estar conectado com a malha de aterramento, nestes casos f oram indicados as equipes de manutenção para corrigirem estes problemas SUGESTÕES PARA UMA NOVA VERSÃO DA NR 10 CAVALCANTI, V.C.(1);GOMES, T.D.S.(1); - Eletrobras Eletronorte(1); A) Está sendo f eito acompanhamento do custo de treinamentos v ersus redução na quantidade de acidentes? Sim em grande parte das empresas, em especial as estatais federais, estaduais e também municipais, como também as empresas de grande porte privadas. Alem disso a FUNCOGE, f undação originaria do antigo GRIDIS, órgão da Eletrobras que congrega cerca de 95% das empresas do Setor Elétrico f az um acompanhamento rigoroso dos Acidentes Elétricos há mais de 20 anos. B) A necessidade de inf ormar a SRTE sobre interv enções acima de 13.8 kv não implicará burocratização das ativ idades, podendo causar atraso na recomposição de sistemas e com prejuízo ao SIN? Traçando um paralelo com com as inf ormação de obras civ is de prédio residenciais, cmerciais e industriais NR18 dede julho de 1995, melhorou dimininuindou o numero de acidentes e grav idade dos mesmos no Setor de Construção, com maior numero de acidentes no Brasil. No caso da NR 10, temos do que acima de 13,8 KV teremos só obras de porte médio e grande, portanto não trarão prejuizo ao SIN,.E principalmente a Vida de um Ser Humano não tem PREÇO. No Inicio desde mês em Foz do Iguaçu no 8o. SENSE - Seminario de Segurança no Setor Eletrico Brasileiro, tiv emos a prov a disso. C) Os autores entendem que é positiv o a repetição a cada dois anos de um mesmo curso de reciclagem onde participam eletricistas, técnicos e engenheiros? Que tal alternar com oficinas de trabalho em equipe ou aspectos mais focados em segurança de trabalhos em segmentos como LT, transformadores, paineis de controle e automação, circuitos de f orça de modo a aprof undar as questões rev isadas? Sim, é importante pelas constantes alterações de Legislação e Tecnologia.. Pode-se estudar outras f ormas de capacitação como Of icinas de Trabalho, Seminários, etc., Como também a adoção de temas específicos como Transformadores, Linhas de Transmissão, etc. como fazemos atualmente em SIPAT - Semanas Internas de Prev enção de Acidentes de Trabalhos. O f undamental é que a Educação Continuada seja enf atizada em toda a cadeia Operativ a do Sistema Elétrico Nacional, inclusiv e com o uso da Educação a Distancia - EAD AVALIAÇÃO DA CONFIABILIDADE HUMANA NA MANUTENÇÃO DE USINAS HIDRELETRICAS SANTOS, J.P.D.(1); - COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA(1); Nas ações de operação e de manutenção de usinas hidrelétricas a conf iabilidade humana é um importante indicador para av aliar a qualidade destas ativ idades. Falhas humanas podem prov ocar de um simples retrabalho até v ultosos prejuízos e, também, podem ser diretamente relacionadas com acidentes de trabalho. Neste Inf orme Técnico será realizada uma análise estatística das f alhas classif icadas como sendo de origem humana que ocorreram durante a realização das taref as de operação e manutenção nas usinas da Copel Geração, Transmissão e Telecomunicações S.A. Copel GeT. A) Não seria possível utilizar os dados estatísticos de falhas humanas em processos industriais como parâmetro de comparação aos modos de falha humana na operação de usinas? Eu penso que não, pois os processos industriais tem características dif erentes da produção de energia. Um bom exemplo disso é o controle de qualidade, a produção de energia ele é "on line", ou seja se houver algum problema há uma descontinuidade no fornecimento e as consequencias disso podem ser grandes, já na industria o produto com defeito pode ser descartado sem que isso o processo com um todo. Também, há a questão de que para os processos industriais é possível usar a modelagem estatística o que não se mostrou possív el para o caso da conf iabilidade humana na produção de energia dev ido a pequena quantidade de f alhas. B) O fato de não haver um procedimento sistemático e automatizado de registro dos erros de operação, como o existente para manutenção, não pode mascarar o comparativ o entre as f alhas humanas de operação e de manutenção? Na Copel tanto os erros da operação e da manutenção são identif icados pelo mesmo processo, que é o registro da perda de f unção e a emissão de um relatório que discutido em reuniões periódicas, nas quais se busca identif icar a causa da f alha (perda da f unção). Uma v ez que nesta reunião se conclua que f oi um erro a causa da perda de f unção, não há mais margem para contestações no sentido de mitigar a participação humana no ev ento. C) Autores como Reason (1990) e Almeida (2003) utilizam a palavra erro ao abordar o humano enquanto a palavra falha é utilizada para descrever problemas com causas nas coisas (máquinas, materiais, sistemas). Esta opção é majoritária nas publicações acadêmicas sobre as ações humanas no trabalho. Qual a avaliação do 10/12

11 autor sobre esta dif erença entre f alha e erro? O erro é inerente ao ser humano. Um erro pode prov ocar uma f alha, que no caso em questão é a interrupção na produção de energia elétrica. Ocorre que muitas v ezes acabamos por usar a palav ra "f alha" para designar um "erro". Academicamente, essa dif erenciação acaba por ser relev ante, porém no dia a dia, entendo que os termos se equiv alem MANUTENÇÃO CORRETIVA EM MECANISMOS DE ACIONAMENTOS HIDRÁULICOS DE DISJUNTORES 550KV DE UMA SIG SF6, REALIZADA COM EQUIPE PRÓPRIA CASTIONI, J.C.O.(1);FONTANELLA, C.A.D.A.(2);FAVERI, E.D.(3);MUSSI, A.R.X.H.(4); - COPEL(1);COPEL(2);COPEL(3);COPEL(4); O presente trabalho se propôs a descrev er o def eito de v azamento interno de óleo apresentado no sistema hidráulico dos 7 disjuntores com acionamento monopolar 550 kv instalados em uma Subestação Isolada a Gás (SIG) SF6 550 kv, bem como as consequências deste vazamento, as dificuldades encontradas para localização do defeito, a aquisição e substituição das peças defeituosas, a causa fundamental do vazamento interno de óleo e as melhorias implementadas para evitar demora na detecção do problema. Também demonstrou a eficiência da equipe de engenharia e equipe de manutenção na realização das atividades, a competência técnica e economia obtida, utilizando mão de obra própria, com segurança, para solução A) Qual f oi a periodicidade estabelecida inicialmente no Plano de Manutenção Prev entiv a de disjuntores, env olv endo a substituição das v edações? Quais as principais causas das f alhas precoces na v isão do f abricante? Foram estabelecidas periodicidades de 5 anos para primeira manutenção parcial, 10 anos para segunda manutenção parcial e 15 anos para manutenção geral. Inicialmente não estava prevista a substituição das vedações nesta manutenção geral, devido o manual de instruções não indicar a necessidade, sendo realizado o acompanhamento do número de operações das bombas hidráulicas e desempenho do sistema hidráulico. O f abricante inf ormou que a prov áv el causa da f alha era a deterioração das v edações internas, pois em ambientes com altas temperaturas e alta umidade as v edações tenderiam a deteriorar mais rapidamente. B) Houv e alteração de procedimento de manutenção em relação aos manuais do f abricante? Foi definida a vida útil da vedação em 12 anos, sendo considerado o tempo decorrido desde a fabricação até a constatação do primeiro defeito. De posse desta informação, foram incluídas as substituições das vedações na segunda manutenção parcial com periodicidade de 10 anos e acompanhamento do sistema hidráulico, através de contadores digitais, onde no caso de defeito (20 operações da bomba no período menor que 24h) irá gerar um alarme para intervenção pela equipe de manutenção. C) Há outros equipamentos em situação similar, quanto à dif iculdade de nacionalização de peças, suporte de manutenção ou treinamento? Situações similares são comuns em disjuntores importados. Normalmente problemas com desgastes e degradação ocorrem em disjuntores que já estão f ora de linha, dif icultando o f ornecimentos de peças para reposição, aumentando o prazo de entrega e encarecendo as peças. A Copel já desenv olv eu com f ornecedores nacionais div ersos tipos de peças para substituição de componentes em mecanismos hidráulicos, mecanismos pneumáticos, compressores e câmaras de interrupção. O suporte de manutenção ou treinamento normalmente são atendidos pelos próprios f abricantes nacionais, não sendo problemas para as empresas O COMISSIONAMENTO E MANUTENÇÃO DO BACK-TO-BACK EM PORTO VELHO FORNECIMENTO PARA O SISTEMA ACRE/RONDÔNIA DA ENERGIA DAS USINAS DO RIO MADEIRA. LALANDER, O.M.(1);GOBARA, A.K.M.(2);SIQUEIRA, G.(3); - ABB(1);ELETROSUL(2);Eletrosul(3); a A) Nas energizações ocorreram atuação de quatro relés de proteção dif erencial de equipamentos distintos. Quais medidas são recomendadas para ev itar esses incidentes? B) Quais as principais dif iculdades encontradas no comissinamento dos equipamentos e subsistemas HVDC, em comparação com o sistema conv encional em CA? C) Em projetos deste porte, é necessário um gerente de projetos com certif icação do PMI? UTILIZAÇÃO DE FIO SINTÉTICO EM TRABALHOS COM INSTALAÇÕES ENERGIZADAS GOMES, A.M.D.M.B.(1);XAVIER, G.J.D.V.(1);COSTA, E.G.D.(2);FERREIRA, T.V.(2); - CHESF(1);UFCG(2); Nos trabalhos de manutenção em instalações energizadas é necessário respeitar uma série de parâmetros, sendo o mais crítico, a distância de segurança. Nesses trabalhos a linha de mão (corda de serv iço) desloca os componentes do alto das estruturas ao solo. Feita de cordas, com f ios trançados não são consideradas isolantes. Assim, torna-se necessário manter a linha de mão a uma distância horizontal relativ amente grande do ponto energizado, gerando dispêndio de tempo e esf orços f ísicos. Este trabalho apresenta os ensaios em laboratório e testes de campo, f eitos em uma linha de mão isolante, constituída de f io sintético de monof ilamento de poliamida. A) No trabalho apresentado há resultados de ensaios no f io de poliamida. Por que não f oram ensaiados o f io sintético de polipropileno e aremida? Outros materiais serão estudando em outro momento. Por hora o material mais acessível e com menor custo é a poliamida, que pode ser comprada em lojas de pescaria. B) Há uma v ida útil estimada para uso deste material? Os ensaios de env elhecimento estão sendo analisados. Esse na v erdade será um dos grandes desaf ios, pois precisamos def inir o tempo de v ida útil. C) Houv e av anço nas av aliações preliminares? Qual o limite de suporte de peso? O manuseio é dif icultado pelo f ato do f io ser f ino? Sim, inclusiv e com teste em campo com instalação de 500 kv. Os testes realizados em f io de 3 mm apontou 100 kg quando of io era dobrado (nó) e 200 sem. De f ato a espessura do monof ilamento, bem como sua f alta de atrito, quando comparada as cordas, dif iculta o manuseio, no entanto esse problema f oi resolv ido com uso de talha eletrica que f az todo o trabalho mecânico, cabendoao operador apenas guiar a linha de mão ELABORAÇÃO DE PEX E APR UTILIZANDO NUVEM DE PONTOS DE LIDAR GOMES, A.M.D.M.B.(1);MACIEL, D.A.D.S.(1); - CHESF(1); A Chesf possui um parque de transmissão de quase 19 mil quilômetros de linhas de transmissão e 100 subestações. Todo esse sistema é diariamente acessado no sentido de se realizar manutenções de preferência preditiva. Essas intervenções nas subestações são precedidas de um Planejamento Executivo (PEX) e Análise Preliminar de Risco (APR). Deslocamentos de 100, 200 e até 500 km são realizados para atender as demandas solicitadas. Este trabalho apresentada uma metodologia de utilizar nuvens de pontos, extraída de Lidar (3D), de uma instalação elétrica para que seja confeccionado o PEX e APR,sem ir fisicamente a instalação. A) O mesmo aparelho \"LIDAR TERRESTRE\" pode ser usado embarcado em aeronav es para coleta de dados de Linhas de Transmissão? Não, o equipamento terrestre apesar de possuir uma melhor resolução não é projetado para escaneamento aereo, que possui menor resolução, porém maior v elocidade de aquisição, bem como estabilização adequada B) A operação do mesmo para o mapeamento é acompanhada pela equipe de manutenção ou de engenharia da CHESF Por hora a Chesf não possui esse equipamento, hav endo necessidade contrata-se o escaneamento com prof issional que f az o trabalho. C) Quantif ique as dif iculdades que lev aram a empresa a não aplicar a técnica em suas instalações. A empresa está estudando a relação custo benef ício para compra do equipamento ou contratação do serv iço de escaneamento VINTE E CINCO ANOS DE EXPERIÊNCIA EM TESTE ONLINE DE DESCARGA PARCIAL EM HIDROGERADORES 11/12

12 TEIXEIRA, M.D.A.S.(1);SASIC, M.(1); - Autônoma(1); Uma das causas mais comuns de f alha em hidrogerador é a ruptura da isolação elétrica do enrolamento do estator. A isolação de alta tensão, a qual é normalmente f abricada com f ita de papel de mica impregnada com epoxy, irá se deteriorando gradulamente dev ido a esf orço térmico, mecânico e elétrico, muitas v ezes acelerado por umidade e sujeira. Ev entualmente, o env elhecimento reduzirá a rigidez dielétrica do isolamento para o ponto onde a tensão transitória a partir do sistema de energia irá causar uma f alha elétrica. O processo de f alha normalmente lev a muitos anos, e às v ezes muitas décadas. A) Pela experiência apresentada verifica-se o avanço no registro e análise de dados de Descargas Parciais para avaliação do estado do enrolamento do estator. Ao mesmo tempo, v erif ica-se que a expertise em gerador é f ator determinante na análise e tomada de decisão. Fav or comentar. Existem mais de 200 estudos de casos publicados na IEEE, e outros periódicos, a respeito de falhas evitadas ou problemas graves encontrados em máquinas, que puderam ser visualmente confirmados, por usuários finais que utilizam nossa tecnologia de teste online de PD. Um exemplo é o artigo apresentado na IEEE (C.V. Maughan, Partial discharge-a v aluable stator winding ev aluation tool, Proceedings of the IEEE International Sy mposium on Electrical Insulation, June 2006, pp ). O autor, sr. Maughan é um ex-engenheiro de projeto GE e consultor independente que não f oi pago para f azer este estudo. Além disso, a Hy dro Quebec publicou sua própria análise do sistema de PDA e conf irmou atrav és do banco de dados criado pela Iris que os nív eis de PD em sua máquina eram considerados altos (M. Belec et al, Statistical Analy sis of Partial Discharge Data, Proceedings of the IEEE International Sy mposium on Electrical Insulation, June 2006, pp ). Na década de 1980, o Sr. John Lyles de Ontário Hydro publicou um artigo IEEE mostrando que o teste online PDA havia reduzido a taxa retrabalhos nos estatores devido a problemas de enrolamento do estator de 05 por ano para 01 por ano (de 160 hidrogeradores). Interpretação básica dos dados de PD é simples dev ido às tabelas publicadas de nív eis de alarme. No entanto, as pessoas habilitadas a realizar a interpretação dos dados, normalmente participam de um curso de formação de três dias, o qual já foi ministrado várias vezes no Brasil. O teste online de PD é melhor usado como um alerta precoce de problemas graves no isolamento das bobinas ou barras dos estatores. A conf irmação de que existe um problema dev e ser f eito por meio de testes of f line (como a câmera de imagem UV ou os testes corona) e, claro, inspeção visual. Este último exige uma vasta experiência gerador. É apenas após o ensaio online e a inpeção visual que a ação da manutenção deve ser decidida. Esta é a essência da manutenção preditiv a. B) Qual a taxa de prev enção de f alhas em instalações que utilizam PD? Cerca de 40% de hidrelétricas são obrigadas a f azer interrupções na geração de energia dev ido a problemas no enrolamento do estatores. Esse é um dado é prov eniente de 20 anos de pesquisa. É f ato que 75% dos problemas de no isolamento das barras e bobinas dos estatores é dev ido ao env elhecimento (ao contrário de alguém deixar uma ferramenta dentro da máquina). Então estimaríamos que cerca de 30% do total falhas são evitadas em máquinas que possuem monitoramento de descargas parciais. É claro que para tal afirmação, supomos que a equipe da planta hidrogeradora segue uma filosofia de manutenção corretiva. Caso eles estejam parando a máquina a cada ano e f azendo uma inspeção v isual do enrolamento e testes of f line (manutenção baseada no tempo), então talv ez muito poucas f alhas poderiam ser ev itadas com o uso do teste online de PD. Mas é claro que a manutenção baseada no tempo é muito caro, razão pela qual a maioria das hidrogeradoras utilizam o PDA. C) Os f ranceses usam qual alternativ a em relação ao ensaio de PD on line? Eles são os \"certos\"? É de nosso conhecimento que a empresa f rancesa EDF pref ere usar os testes of f line de PD, e nossa empresa tem um contrato anual para f azer estes teste of f line (PDTech é uma empresa do grupo Qualitrol Iris Power que anualmente realiza estes testes na EDF). Importante dizer que a EDF realizou experiências com testes online usando a tecnologia Iris e de outros concorrentes recentemente, mas nós não temos conhecimento dos resultados. Em contraste com praticamente todos as outras concessionárias na Europa Ocidental, um número significativo de hidrogeradores estão usando a tecnologia Iris - mais especificamente na Itália, Espanha, Portugal, Irlanda e Reino Unido temos instalados o sistema Iris de teste online de PD na maioria dos grandes hidrogeradores. E também a maioria das unidades hidrelétricas signif icativ as no México, os EUA e Canadá usam o sistema PDA. 4.0 TÓPICOS PARA DEBATE - Gestão de Ativ os - Estado atual e desaf ios; - Monitoramento de equipamentos e sistemas - Experiências e resultados práticos - Confiabilidade de equipamentos - Redução de custos X Performance técnica; - Conf iabilidade humana; - Uitlização de tecnologias com redução de custos e de Hxh. 12/12

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão

Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão Impacto da Indisponibilidade de Linhas e Equipamentos na Receita dos Sistemas de Transmissão C. C. Silva, CTEEP; M. R. Gouvêa, EPUSP; E. J. Robba, EPUSP; R. P. Casolari (EPUSP) Resumo- O trabalho consiste

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/12

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/12 XXII-SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 13 a 16 de Outubro de 2013 Grupo de Estudo de Operação de Sistemas Elétricos (GOP) RELATÓRIO ESPECIAL PRÉVIO João Henrique De

Leia mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais

Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara. para o Brasil brilhar cada vez mais Chegou Kwara, uma nova geração em energia. Uma empresa de eficiência energética que presta serviços especializados de manutenção em plantas de geração

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/13

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/13 XXII-SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 13 a 16 de Outubro de 2013 Grupo de Estudo de Ef iciência Energética e Gestão da Tecnologia, da Inov ação e da Educação (GET)

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio Anexo II Descrição da Área/Processo Cargos Cargo Área Pré-requisito Trajetória Processo de Agrimensura de Edificações/ Construção Civil de Edificações de Edificações Agrimensura. Edificações. Edificações.

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Luiz B. S. Chacon (1) 1 Murilo Armelin Toledo (2) 2 Lucas Pavan Fritoli (3) 3 Hirokazu T. B. Ito (4) 4 RESUMO A energia elétrica é um

Leia mais

PORTARIA Nº 4, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2014

PORTARIA Nº 4, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2014 PORTARIA Nº 4, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETA RIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO DOU de 05/11/2014 (nº 214, Seção 1, pág. 17) O SUBSECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

AGENTE DE COMERCIALIZAÇÃO I

AGENTE DE COMERCIALIZAÇÃO I Anexo C doedital 02/2012 SUMÁRIOS DOS CARGOS SECRETÁRIA I Secretariar o gerente e o órgão, facilitando o desempenho de suas atividades, contribuindo para o melhor resultado no atendimento aos clientes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. MCPSE Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico

Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos. MCPSE Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico Regulação de Utilidades Públicas Avaliação & Gestão de Ativos Auditoria & Riscos MCPSE Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL DO SETOR ELÉTRICO - MCPSE A Resolução

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL

Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL J.A. Doniak, M. Massuda Sob o, E. G. Pereira, ENERSUL e M.Klimkowski, S.F. Sciammarella,

Leia mais

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4

Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 SIPLUX E SIVACON S4 Painéis de distribuição e Centro de Controle de Motores para todas as aplicações em Baixa Tensão. O que se espera de um painel de Baixa tensão?

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Entenda o seguro de responsabilidade civil

Entenda o seguro de responsabilidade civil HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SITE Segunda, 7 de Maio de 2012 HOME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO RC EMPRESARIAL O que é? Tipos de coberturas Comprando uma apólice e poupando dinheiro

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 (1) Rogério Pereira da Silva Resumo Este trabalho tem como objetivo geral apresentar uma forma de Adequação a NR-10 e a elaboração do Prontuário. Descrevendo

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores. Power Transmission and Distribution O transformador é o componente mais crítico de uma subestação Page 2 Abril -2007 Alaor Scardazzi Número

Leia mais

Industry Services. Serviços de alta performance e confiabilidade em todo o ciclo de vida da planta. www.siemens.com.br/industryservices

Industry Services. Serviços de alta performance e confiabilidade em todo o ciclo de vida da planta. www.siemens.com.br/industryservices Industry Services Serviços de alta performance e confiabilidade em todo o ciclo de vida da planta www.siemens.com.br/industryservices Answers for industry Siemens Industry Services 11 3833 4040 suporte

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518 Principais Conceitos Definição de manutenção : ato ou efeito de manter; cuidar de algum objeto ou bem. Conservação. Podemos entender manutenção como o conjunto de tratativas e cuidados técnicos, indispensáveis

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

RELATÓRIO ESPECIAL PRÉVIO

RELATÓRIO ESPECIAL PRÉVIO XXII-SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 13 a 16 de Outubro de 2013 Grupo de Estudo de Aspectos Empresariais e de Gestão Corporativ a (GEC) RELATÓRIO ESPECIAL PRÉVIO

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL E UMA VISÃO DE FUTURO Tema 1.1: Perdas Técnicas Autores: - ADILSON NOGUEIRA ARAÚJO TAP ELETRO-SISTEMAS - ERIVALDO COSTA COUTO

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI)

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI) 40 Capítulo IX Resultados Parte I Por Marcus Possi* O objetivo deste artigo é finalizar o processo de trabalho da inspeção nas instalações elétricas, apresentando os resultados, não apenas relatórios ou

Leia mais

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/15

www.bvr.com.br/snptee/sistema/xxiisnptee/adm/gerarrep.php 1/15 XXII-SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 13 a 16 de Outubro de 2013 Grupo de Estudo de Transf ormadores, Reatores, Materiais e Tecnologias Emergentes (GTM) Miguel Carlos

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores;

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores; A Empresa A Ativo Energia é uma empresa registrada no CRC-SP e especializada em consultoria e assessoria contábil, focada no setor de energia elétrica, com especialização nas áreas de controle do ativo

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA VAGNER GULIM DAMACENO CEB CONPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA Proteção Coordenação de

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Sérgio Ribeiro e Silva Jailson Teixeira Medeiros Regional de Transmissão do Maranhão OMA Divisão de Transmissão

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil VII CITTES - Congreso Internacional sobre: TRABAJOS CON TENSIÓN y SEGURIDAD EN TRANSMISIÓN Y DISTRIBUCIÓN DE ENERGÍA ELÉCTRICA Y MANTENIMIENTO SIN TENSIÓN DE INSTALACIONES DE AT. 15 al 18 de Septiembre

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais