Uma Proposta Avalição da Maturidade do Processo de Cenários nas Organizações. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Proposta Avalição da Maturidade do Processo de Cenários nas Organizações. Resumo"

Transcrição

1 Uma Proposta Avalição da Maturidade do Processo de Cenários nas Organizações Resumo Autoria: Nathália Macêdo de Morais, Sérgio Henrique Arruda Cavalcante Forte Poucas pesquisas avaliam a efetividade dos estudos de cenários, decorrendo assim o objetivo de propor uma metodologia para avaliar o desenvolvimento do processo de cenários nas organizações, onde os modelos de maturidade apresentaram-se como uma alternativa, notadamente o MMGP de Prado (2010). Orientando-se pelas fases de desenvolvimento se empreendeu um estudo multimetodológico que resultou em proposta de avaliação para as dimensões Preparação, Elaboração, Produção do Documento e Utilização, que congregam os componentes e subcomponentes que permitem não só avaliá-las, mas também determinar qual o estágio alcançado, variando entre: inativo, iniciado, padronizado, gerenciado e otimizado. 1

2 1 Introdução A curiosidade sobre os fatos que ocorrerão no futuro é uma característica humana e que se manifesta desde as mais remotas civilizações, é possível citar como exemplos as profecias bíblicas, ou mesmo, as crenças milenares na astrologia, nos oráculos e magos como meio de antever acontecimentos e de se preparar para aproveitá-los ou combatê-los. Na ciência social aplicada, o planejamento de cenários é a ferramenta metodológica utilizada por organizações e governos para vislumbrar os futuros possíveis com o objetivo decidir no momento presente os caminhos a seguir para adequar-se ao cenário delineado e tem se destacado como a ferramenta favorita e a mais popular dentre os estudos do futuro (Pishvaee, Fathi, & Jolai, 2008; Sohail, 2002). Mietzner and Reger (2005) reconhecem que existem poucas pesquisas que objetivem avaliar a qualidade dos cenários e que esta seria uma tarefa de alta complexidade, mas sugerem que uma abordagem possível seja a distinção entre o conteúdo, ou seja, o produto cenário, propriamente dito e o processo que dá suporte à elaboração. De modo contrário, Bishop (2001) não acredita na possibilidade de se empreender com êxito esta avaliação, pois defende que os estudos de futuro são mais próximos da arte do que da ciência, dado o peso elevado das opiniões de especialistas na construção dos cenários, e, que estes muitas vezes emitem suas opiniões fundamentadas no feeling e não em bases teóricas comprovadas. Godet e Durance (2011) reforçam que não há interesse em cenários se não são pertinentes, nem coerentes, nem verossímeis, mas reconhecem que a construção coletiva de cenários desejados desempenha um papel de catalisador coletivo e neste caso, o resultado (o cenário) é menos importante que o processo coletivo que a ele conduz, pois quando se assume o risco de refletir em conjunto sobre o futuro, o importante é colocar as boas questões, a começar por aquelas que não são consensuais, pois perturbam os hábitos e a ordem estabelecidos. No Brasil, a utilização de cenários como uma ferramenta de gestão eficaz ainda não atingiu a maioria das pequenas e médias instituições públicas ou privadas. Da mesma forma, para as grandes companhias, ainda é pouco representativo o seu uso, e a análise do cenário ainda não é parte de uma rotina de tomada de decisão. Assim, os casos de sucesso mais representativos ocorreram em empresas estatais, especialmente no setor da energia, e no governo (Porto, Marques, & Santos, 2010). Sob o ponto de vista das formas de avaliar o desenvolvimento de um processo, os modelos de maturidade têm usualmente sido aplicados à análise de processos organizacionais para averiguar a plenitude ou perfeição de crescimento ou desenvolvimento. Em gestão de projetos, por exemplo, o termo pode significar que uma organização está destacadamente condicionada para gerenciar seus projetos. (Rosemann & Bruin, 2005). De maneira análoga, a maturidade em cenários diz respeito a um estágio em que a organização está suficientemente desenvolvida neste processo, ou seja, há a consciência disseminada em vários níveis sobre a necessidade, bem como sobre os resultados esperados do processo e há uma metodologia consolidada para dar suporte à cenarização. Para alguns modelos de maturidade, o estágio mais elevado a ser alcançado é aquele em que organização se torna referência e passa a servir de benchmark para seus pares no mesmo setor econômico ou mesmo para organizações pertencentes a setores distintos, mas que procuram alcançar excelência em um determinado processo. Então, diante da carência identificada pela academia sobre quais critérios considerar para avaliar cenários, ou mesmo, sobre o reconhecimento da possibilidade de avaliá-los, e, diante da popularização dos modelos de maturidade como metodologias efetivas para avaliar o desenvolvimento de processos questiona-se: Como avaliar a maturidade organizacional no processo de cenários? Assim, a pesquisa buscou atender ao seguinte objetivo geral: 2

3 propor uma metodologia para avaliação da maturidade organizacional no processo de cenários, percorrendo-se os seguintes objetivos específicos: (1) identificar os componentes e subcomponentes principais do processo de cenários que permitam avaliá-lo; (2) definir as métricas que indiquem os estágios de maturidade organizacional em cenários; (3) testar a aplicabilidade da metodologia por meio da realização de pesquisa a um conjunto de organizações selecionadas. Dessa forma, o estudo trará contribuições aos campos acadêmico e profissional, pois ao primeiro acrescentará um conhecimento novo, representado por uma proposta de avaliação do processo de cenários; ao segundo disponibilizará às organizações e consultorias um framework que permitirá a realização de diagnósticos do processo, bem como a proposição de ações direcionadas para a melhoria a partir das lacunas objetivamente identificadas. Cumpre esclarecer, que o processo objeto de estudo se destina às organizações que desenvolvem todo o processo de cenários internamente: planejando, executando e realizando as reflexões com recursos organizacionais próprios. A estrutura do trabalho está dividida em referencial teórico composto de: uma visão processual de cenários; perspectivas de avaliação do processo; noções de modelos de maturidade como ferramentas de avaliação de processos; comparativo entre o gerenciamento de projetos e o processo de cenários; metodologia; resultados e conclusão. 2 Uma Visão Processual aplicada a Cenários Processo é qualquer atividade que recebe uma entrada (input), agrega-lhe valor e produz uma saída (output) para um cliente interno ou externo, fazendo uso de recursos da organização para gerar resultados concretos (Harrington, 2006). De acordo com Mietzner and Reger (2005) existem diferentes abordagens de como planejar cenários e como utilizar a técnica de cenários. Mas alguns aspectos são muito semelhantes mesmo com conceitos diferentes. Normalmente, começa-se por esclarecer as decisões a serem tomadas, desafiando rigorosamente os mapas mentais que moldam as percepções das pessoas, seguindo-se pela coleta de informação, a partir de várias fontes. Os próximos passos são mais analíticos: relacionam-se com a identificação das forças motrizes, dos elementos pré-determinados e das incertezas críticas. Posteriormente, três ou quatro itens compõem o cenário cuidadosamente. Finalmente, os principais eventos ou pontos de inflexão, que conduzem para um cenário em detrimento de outro, são identificados. Bood and Postma (1998) afirmam que embora não haja um processo padronizado e que muitas diferenças possam ser observadas entre as diversas abordagens de elaboração de cenários, em geral, é possível visualizar uma estrutura básica que percorre as seguintes etapas: identificação do problema, identificação dos fatores relevantes, classificação e avaliação, elaboração de cenários e tomada de decisão, relacionada à identificação do problema. De acordo com a norma ISO/IEC (2006), que se presta a estabelecer padrões para a realização de avaliações de processos de software com o objetivo de melhorá-los e determinar a capacidade, em termos de resultados esperados (REP s) dos processos de uma unidade da organização, as características necessárias para a existência de um processo são: identificação; denominação; propósito; resultados esperado; prática base e produtos de trabalho. Diante desses critérios é possível afirmar que não subsistem dúvidas quanto ao processo de cenários, posto que é possível identificá-lo e distingui-lo enquanto um processo empresarial, pois possui: denominação própria (cenários), propósito específico (a antecipação), os resultados esperados dizem respeito às melhorias geradas nos processo de planejamento e de tomada de decisões, as práticas base referem-se aos aspectos metodológicos que dão suporte à elaboração de um estudo de cenários e os produtos de trabalho são os estudos propriamente ditos. 3

4 De forma sintética, é possível representar o processo de cenários pela Figura 1. Figura 1. Representação simplificada do processo de cenários Fonte: Elaborada pelos autores. Pela Figura 1 é possível observar que a Preparação dos recursos para se estudar cenários é importante. Essa fase preparatória engloba recursos que poderão influenciar os resultados finais e diz respeito à forma como ocorre o planejamento para realizar os estudos, a estrutura criada e o patrocínio do executivo principal são exemplos de atos preparatórios para a elaboração dos cenários, mas o principal refere-se à identificação do propósito para o qual a organização executará o processo (Godet, 2000; Heijden, 2004b; Postma & Liebl, 2005; Mintzberg, Ahlstrand, & Lampel, 2000; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). Na etapa denominada Elaboração agrupam-se todas as práticas base, assim entendidos os métodos, a escolha dos especialistas a serem consultados, a coleta e preservação dos dados e o alinhamento com as demais práticas de gestão, notadamente com o planejamento estratégico (Godet, 2010; Godet & Durance, 2011; Heijden, 2004a; Postma & Liebl, 2005; Ratcliffe, 2002; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). Os produtos de trabalho referem-se à Produção do documento tanto à sua forma como ao conteúdo (Barbandere & Iny, 2010; Bood & Postma, 1998; Chermack, 2006; Heinecke &; Schwager, 1995; Schoemaker, 1998). Os resultados esperados devem estar alinhados com o propósito para o qual o processo foi impulsionado, provocando-se um ou alguns dos resultados a seguir citados: melhoria do processo de comunicação da estratégia, mudança de modelo mental, melhoria do processo decisório e melhoria de desempenho. (Barbandere & Iny, 2010; Chermack & Merwe, 2003; Chermack, 2005, 2006; Fahey & Randell, 1998; Godet, 2010; Godet & Durance, 2011; Heijden, 2004a, 2004b; Heinecke & Schwager, 1995; Mietzner & Reger, 2005; Neilson & Wagner, 2000; Ratcliffe, 2002; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). 3 Perspectivas de Avaliação do Processo de Cenários Bood and Postman (1998) dividem as funções do planejamento de cenários entre duas gerações, sendo que à primeira delas pertencem as seguintes: 1) avaliação e seleção de estratégias; 2) integração de diversos tipos de dados orientados para o futuro; 3) exploração 4

5 do futuro e identificação de futuros possíveis. As funções de segunda geração são: 4) fazer com que os gestores despertem para as incertezas ambientais; 5) modificar modelos mentais; 6) provocar e acelerar a aprendizagem organizacional. Os autores alertam ainda que as funções da segunda geração indicam que algo mais está ocorrendo durante o processo, e que o planejamento de cenários extrapolou as funções originais e passou a ter desdobramentos ligados ao desenvolvimento das organizações. Com base na teoria sobre planejamento de cenários, Chermack (2005) divide o assunto em cinco unidades: (1) cenários; (2) aprendizado; (3) modelos mentais; (4) decisões; e; (5) performance. Onde, as leis de interação entre estas unidades representam as transições do modelo teórico e ocorrem pelas mudanças dos seis estados do sistema, pela atribuição dos valores 0 (zero) ou 1 (um) a cada etapa da transição. A teoria do planejamento de cenários é posta em movimento por meio da geração de cenários com relevância para uma determinada situação ou problema. Assim, a inatividade representa a situação em que nenhum cenário foi desenvolvido ainda na organização, porém a partir do primeiro desenvolvimento do processo, abandona-se a inatividade e o aprendizado pode ser positivamente afetado, o que pode provocar alteração nos modelos mentais, que por sua vez podem ampliar as competências organizacionais para decidir e por último pode-se chegar a uma melhoria na performance. As unidades teóricas estão retratadas na Figura 2. Cenários (Unidade1) Aprendizado (Unidade 2) Modelos Mentais (Unidade 3) Decisões (Unidade 4) Performance (Unidade 5) Figura 2. Unidades na teoria de planejamento de cenários Fonte: Adaptado de Chermack, T.J. (2005). Studying scenario planning: theory, research, suggestions and hypotheses. Technological Forecasting and Social Change, 72(1), No que diz respeito à aprendizagem, Heijden (2004a) defende que o planejamento de cenários é uma ferramenta que contribui para o combate de duas patologias que atingem as organizações, que são a fragmentação e o pensamento grupal. A primeira é comum em organizações em processo de transição, onde o grupo está confuso e não há uma identidade ou pensamento alinhado. O segundo costuma apresentar-se quando as organizações estão em contínuo crescimento e o grupo acaba por adquirir um pensamento único e não considerar as ameaças. Em ambos os casos, o planejamento de cenários traz contribuições. Para a patologia da fragmentação existe a possibilidade de criação de um modelo mental, enquanto para a patologia do pensamento grupal abre-se a discussão para o que pode dar errado?, gerando direcionamento e coordenação para o grupo. Alertando-se que nesse processo também é salutar a consulta a opiniões externas, muito mais que as visões internas. Para Chermack and Merwe (2003) o planejamento de cenários leva à conversação estratégica formal e nesse sentido permite a criação de um fenômeno denominado memórias do futuro que é a memorização de possíveis situações que ainda poderão ocorrer. Assim, o tempo requerido para a tomada de decisão reduz drasticamente para os detentores dessas memórias de futuro. De acordo com as unidade teóricas de Chermack (2006) a melhoria de performance é vista como um resultado primário do sistema de planejamento, onde as outras unidades da teoria do planejamento de cenários são vistas como vetores de desempenho. Para esclarecer, cenários, aprendizagem, modelos mentais e as decisões são fatores que afetam o desempenho, mas não se incorporam a ele. 5

6 4 Modelos de Maturidade para Avaliação de Processos De acordo com Rosemann and Bruin (2005) o modelo de maturidade, ou Capability Maturity Model (CMM), foi proposto pelo Software Engineering Institute da Carnegie Mellon University, com o foco em analisar os processos de desenvolvimento de software buscando avaliar a capacidade organizacional nesta disciplina específica. Desde então, o CMM tem se popularizado e se extendido para uma série de outras disciplinas, entre as quais é possível citar: gerenciamento de infraestrutura de TI, gestão de arquitetura organizacional, gestão do conhecimento e gerenciamento de projetos. Os modelos de maturidade em geral apresentam-se em cinco níveis que tentam retratar qual o posicionamento organizacional, esses níveis usualmente variam entre o estágio inicial de uma prática e o estágio otimizado, onde cada nível indica uma melhoria na padronização e organização internas. Outros modelos avaliam o avanço não em termos de níveis ou degraus, mas em termos de percentual de maturidade conquistado desde a última avaliação, o modelo Organizational Project Management Maturity Model - OPM3, do Project Management Institute é um dos modelos que avalia a maturidade a partir de um gradiente (Harrison, 2006). Para avaliar a maturidade em gerenciamento de projetos foram propostos modelos mais universais do que aqueles associados às áreas de desenvolvimento e engenharia de software, dois modelos conceituais têm sido mais amplamente adotados: o Project Management Maturity Model PMMM, proposto por Kerzner, e o Organizational Project Management Maturity Model - OPM3, proposto pelo Project Management Institute - PMI, (Bouer & Carvalho, 2005). Outro modelo, nacionalmente desenvolvido, é o Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos (MMGP), apresentado por Prado (2010), que carcateriza-se por: utilizar os mesmos níveis do modelo desenvolvido pela Carnegie Mellon University (1 a 5); privilegiar a simplicidade (questionários com 40 questões); buscar a universalidade (ser aplicável a qualquer tipo de organização); relacionar a maturidade da organização com sua capacidade de executar projetos com sucesso; contemplar 6 dimensões (aspectos fundamentais); Abranger processo, pessoas, tecnologia e estratégias. Os níveis e dimensões do MMGP estão expostos na Figura 3, a seguir: 1 Inicial Boa Vontade 3 Padronizado Metodologia 2 Conhecido Linguagem Comum 4 Gerenciado Consolidado 5 Otimizado Sabedoria Figura 3. Modelo de maturidade em gerenciamento de projetos (MMGP) Fonte: Adaptado de Prado, D. Maturidade em gerenciamento de projetos. (2010). (2a. ed.) Minas Gerais: INDG-Tecs. 6

7 4.1 O Gerenciamento de Projetos e o Processo de Cenários Projetos são definidos como esforços temporários para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Por outro lado, o gerenciamento de projetos é um processo que consiste em aplicar conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades de um projeto a fim de atender aos seus requisitos, isto é, envolvem o curso das ações que serão empreendidas para o alcance dos objetivos, esse gerenciamento se dá pela aplicação e integração apropriada de 42 processos agrupados de forma lógica entre as fases: Iniciação, Planejamento, Execução, Encerramento e Monitoramento e Controle (PMI, 2008). De maneira análoga o processo de cenários também envolve a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramantas e técnicas encadeadas para o alcance de um objetivo. Por essa razão é que se adotou um modelo de maturidade em gereciamento de projetos para desenvolver uma metodologia de valiação do processo de cenários. Enquanto os grupos de processos Iniciação e Planejamento procuram: identificar requisitos e as partes interessadas (stakeholders), definir o escopo, os recursos humanos necessários, além de se ocupar do planejamento do tempo (cronograma), custos, riscos, contratações etc para o desenvolvimento do projeto, a Preparação no processo de cenários, da mesma forma buscará identificar o escopo e a estrutura necessária para o estudo, para qual finalidade será desenvolvido, quem são as partes interessadas (alta administração, média gerência, clientes etc) e qual o seu nível de envolvimento, quais serão os recursos necessários para o desenvolvimento dos cenários (setores, comitês), qual a capacitação necessária para as equipes internas, enfim todo o planejamento que precede a etapa de Elaboração, e que, portanto guarda semelhança com o planejamento de um projeto. O grupo de processos denominado Execução corresponde pela natureza das atividades à etapa Elaboração do processo de cenários, ambas serão responsáveis, por meio da coordenação de pessoas e recursos, pela elaboração do trabalho que fora definido no planejamento/preparação. Os processos do grupo Encerramento consistem na finalização de todas as atividades visando completar formalmente o projeto ou fase, ou ainda obrigações contratuais. Já a conclusão do processo de cenários dar-se-á por duas formas distintas: a primeira diz respeito à Produção do Documento (finalidade imediata do processo de cenários); e a segunda que abrange todos os aspectos relacionados à Utilização do estudo gerado (comunicação, aplicação na tomada de decisão, melhoria da aprendizagem e da performance). Observe-se que em ambos os casos privilegia-se na conclusão dos processos a comunicação (obter aceites, registrar informações, realizar revisões) e a melhoria da aprendizagem (registro de lições aprendidas, melhoria do banco de dados, registar impactos) visando com isso à melhoria na tomada de decisão ou mesmo no desempenho de novos projetos ou de outros resultados da organização. O grupo de processo de Monitoramento e Controle é responsável por observar e mensurar o desempenho do projeto de forma periódica, para verificar variações em relação ao planejamento. Embora não retratado no processo de cenários entende-se que o monitoramento e controle saõ inerentes a todos os processos gerenciais. A Figura 4 busca retratar a analogia desenvolvida entre os dois processos: 7

8 Figura 4. Comparativo entre os processos de gerenciamento de projetos e de cenários Fonte: Elaborada pelos autores. 5 Metodologia de Pesquisa Para desenvolvimento de um modelo de maturidade, Bruin, Freeze, Kulkarni, & Rosemann (2005) sugerem a adoção da metododologia exposta na Figura 5: (1) Definir Escopo (2) Desenhar (3) Definir Conteúdo (4) Testar (5) Implementar (6) Manter Figura 5. Fases de desenvolvimento de um modelo de maturidade Fonte: Bruin, T., Freeze R., Kulkarni U., & Rosemann M. (2005) Understanding the main phases of developing a maturity assessment model, ACIS 2005 Proceedings, Paper 109. A definição do escopo e o desenho do modelo ocorrerarm nas fases 1 e 2 da pesquisa, conforme exposto na Figura 6: CRITÉRIO Foco Stakeholders Público Método de Aplicação Condutor da aplicação Entrevistados Abrangência CARACTERÍSTICA Específico - Cenário Misto (Academia e Profissionais) Interno (Executivos, média gerência) Auto avaliação (questionários serão disponibilizados para preenchimento) Interno ou externo Gestores Múltiplas entidades de múltiplas regiões (organizações brasileiras que utilizem o planejamento de cenários) Figura 6. Decisões sobre escopo e desenho do modelo de maturidade em cenários Fonte: Elaborada pelos autores. Com base nessas decisões, a pesquisa prosseguiu para a Fase 3, que se refere ao conteúdo do modelo, decisões de o que deve ser mensurado e como. Nesta etapa, foi 8

9 necessário identificar: os principais componentes e subcomponentes do processo de planejamento de cenários que são mutuamente exclusivos e coletivamente exaustivos, o que se realizou com extensa revisão da literatura e ouvindo opiniões de experts. Após a criação de uma lista inicial foram realizadas consultas para validá-la. Essas consultas foram realizadas com especialistas do meio acadêmico. Para identificação dos experts da academia nacional foi realizada pesquisa à base de publicações dos eventos da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração (ANPAD), utilizando-se as palavras: cenários, prospectivos e prospecção". A partir dos trabalhos identificados (27) foi realizada consulta aos currículos disponibilizados na plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), para verificar a titulação e linha de pesquisa dos autores. Foram listados 41 (quarenta e um) especialistas com publicação sobre o tema nos últimos 10 (dez) anos e que possuíam o título doutor ou eram estudantes de doutorado, obtendo-se o endereço eletrônico de 37, sendo que ocorreu falha no envio em 3 dos casos. Obtendo-se ao final 9 respostas de pesquisadores com titulação obtida nas seguintes Universidades: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), University of New Hampshire, Universidade de São Paulo (3), Universite de Paris III (Sorbonne-Nouvelle) - U.P. III, França; Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ, Universite de Technologie de Compiegne - UTC, França e Universidade Federal de Pernambuco. Aos especialistas foram encaminhadas, via endereço eletrônico, perguntas abertas semiestruturadas, em outubro de 2011, para identificar componentes e subcomponentes do processo que permissem empreender a avaliação da maturidade. O conteúdo das respostas foi submetido à análise de conteúdo, onde o primeiro passo, da preparação dos dados, envolveu a codificação dos sujeitos envolvidos na pesquisa para preservar a identidade dos participantes. O código utilizado foi E, de Especialista, seguido do numeral sequencial a partir do 001. Foram codificados os participantes de E001 até E009. A partir daí iniciou-se o processo de análise do conteúdo das mensagens que congregou as seguintes etapas: (1) pré-análise, (2) exploração do material; (3) tratamentos dos resultados, inferência e interpretação (Bardin, 1977). Ainda com relação à Fase 3 fez-se necessário determinar como mensurar a medida de maturidade o que significou desenvolver o próprio instrumento. Mensuração, segundo Malhotra (2006) é a atribuição de números ou outros símbolos a características de um dado objeto e não ao objeto propriamente dito. Com efeito, nesta fase iniciou-se o desenvolvimento do questionário para avaliação do processo de cenários, o qual adotou como insumo teórico o modelo de desenvolvimento da teoria de Chermack (2006) e o MMGP de Prado (2010), além de todo o quadro referencial, que permitiu a identificação dos componentes e subcomponentes do processo, adicionadas as opiniões dos especialistas. Nessa pesquisa foi utilizada a triangulação dos dados, confrontando as opiniões da academia nacional com a teoria, buscando chegar à resposta para questão de pesquisa e visando atender aos objetivos estipulados no início do estudo (Vergara, 2005). Nesse sentido, depois de elaborada a primeira categorização dos dados, esta foi novamente submetidas aos especialistas, com o objetivo de validar as etapas, componentes e subcompontes do processo. Para essa validação foram disponibilizadas 25 afirmações para as quais os especialistas deveriam optar por um número em uma escala de 1 a 5, conforme o grau de corcordância com a sentença. Assim, para as sentenças com alto grau de discordância houve a exclusão ou substituição do componente/sucomponente rejeitado, a partir de nova consulta à literatura de cenários. A partir dessa validação foi concluída a primeira versão do questionário de avaliação da maturidade contendo 10 perguntas para cada nível, no formato de questões de múltipla escolha (a, b, c, d e e), valendo 10, 7, 4, 2 e 0 pontos respectivamente, com o total de pontos 9

10 obtido de acordo com a fórmula: Avaliação Final = (100 + total_de_pontos) / 100. De acordo com Prado (2010) até 1,60 temos maturidade muito fraca, entre 1,61 e 2,60 (fraca), entre 2,61 e 3,20 (regular), entre 3,21 e 4,00 (boa), entre 4,01 e 4,60 (ótima) e acima de 4,60 (excelente). Cada pergunta aborda um aspecto da dimensão de maturidade (Preparação, Elaboração, Produção do Documento e Utilização) válida para aquele nível. As opções para responder aos quesitos propostos estão dispostas em uma escala Likert, onde: (a) diz respeito à situação de maior desenvolvimento, (b) representa situação discretamente inferior à apresentada em (a); (c) a situação é significativamente inferior à apresentada em (a); (d) o desenvolvimento do assunto está em estudo ou em implementação e (e) o assunto é ignorado ou nada tem sido feito para o desenvolvimento daquele aspecto investigado. A partir dos pontos obtidos é identificado o perfil de aderência, cujo percentual de aderência dos níveis 2, 3, 4 e 5 corresponde ao percentual obtido no teste de avaliação de maturidade e que reflete quão bem a organização se posiciona nos requisitos daquele nível específico. Dessa forma, quanto maior for o perfil de aderência a uma dimensão, ou a um determinado nível de maturidade, maior a possibilidade de a empresa possuir características dessa dimensão ou desse nível. Por outro lado, quanto menor for o perfil de aderência, maior será o foco e a necessidade da empresa desenvolver ações para melhorar a pontuação naquela dimensão, de forma a aumentar seu nível de maturidade. Assim, segundo (Prado, 2010) até 20 pontos temos aderência fraca, até 40 (regular), até 70 (boa), até 90 (ótima), até 100 (total). De acordo com a recomendação de Bruin et al. (2005) foi realizada ainda a Fase 4 para desenvolvimento da metodologia de identificação da maturidade em cenários que consistiu na realização de testes. Nesse sentido, foram contactadas organizações para aplicação do questionário, com preliminar apresentação das definições operacionais sobre cada nível de maturidade, solicitando-se que, a partir do informado, a organização informasse o nível que melhor a identificasse. Após a realização dessa opção, o questionário era aplicado identificando-se o nível apresentado e comparando-o ao que fora previamente informado. As organizações foram consultadas de forma remota ou presencial. As organizações que responderam ao questionário por via remota (endereço eletrônico) foram intencionalmente selecionadas, tendo em vista a prévia identificação por terem sido citadas em revisão de literatura ou em sites de consultorias especializadas. As organizações que respodenram de forma presencial foram consultadas de forma expontânea durante a realização do evento I Encontro Brasileiro de Prospectiva e Planejamento Estratégico, ocorrido em Brasília, entre os dias 23 e 25 de março de Ao todo, 13 (treze) organizações brasieliras se disponibilizaram a participar do teste da metodologia, 4 (quatro) de forma remota e 9 (nove) de forma presencial, assim distribuídas: 1 (uma) organização privada; 5 (cinco) organizações da administração indireta e 4 (quatro) organizações da administração direta e 3 (três) organizações do terceiro setor. 6 Resultados e Discussão 6.1 Identificação dos componentes e subcomponentes do processo De forma sintética as etapas, componentes e subcomponentes do processo identificados pela revisão de literatura e validados pelos especialistas estão representados pela Figura 7: 10

11 ETAPA COMPONENTE SUB-COMPONENTE REFERENCIAL Preparação Elaboração Escopo Estrutura Aceitação; Alinhamento com a cultura organizacional; Finalidade. Competências; Setores responsáveis; Comitês envolvidos; Contratação de Consultorias. Ciclos de experiência; Natureza; Metodologia Informatização; Integração com a gestão estratégica; Organização de reuniões. Rede de Especialista Importância da opinião; Origem do Especialista. Banco de dados Amplitude; Qualidade. (Especialistas Consultados; Godet 2000; Heijden, 2004b; Postma & Liebl, 2005; Mintzberg et al., 2000; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). (Especialistas Consultados; Godet 2010; Godet & Durance, 2011; Heijden, 2004a; Postma & Liebl, 2005; Ratcliffe, 2002; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). Produção do Documento Utilização Forma Conteúdo Comunicação Decisão Aprendizagem Performance Estética; Relação entre caracteres e eventos (diagramas). Estímulo à criatividade; Plausibilidade; Relevância; Transparência e rastreabilidade. Criação de vocabulário comum; Forma de avaliação dos cenários; Disseminação. Grau de confiança; Eficiência e eficácia; Redução de tempo; Novos insights; Impacto na análise ambiental; Alinhamento dos projetos estratégicos. Desenvolvimentos de Competências; Estudo dos insucessos; Gestão do Conhecimento; Melhoria contínua. Vantagens competitivas geradas; Visibilidade na comunidade empresarial. (Barbandere &Iny, 2010; Bood & Postma, 1998; Chermack, 2006; Especialistas Consultados; Heinecke & Schwager, 1995; Schoemaker 1998). (Barbandere & Iny, 2010; Chermack & Merwe, 2003; Chermack, 2005, 2006; Especialistas Consultados Fahey & Randell, 1998; Godet, 2010; Godet & Durance, 2011; Heijden, 2004a, 2004b; Heinecke & Schwager, 1995; Mietzner & Reger, 2005; Neilson & Wagner, 2000; Ratcliffe, 2002; Roubelat, 2000; Schoemaker, 1998). Figura 7. Componentes e sub-componentes do processo de cenários Fonte: Elaborada pelos autores. Quando o conhecimento da disciplina de gerenciamento de projetos é aplicado à disciplina de cenários, pode-se realizar a seguinte aproximação, no que se refere aos estágios do modelo de maturidade: O estágio inicial (1) em gerenciamento de projetos equivale à inatividade (1) em cenários descrita por Chermack (2005), como a situação onde nenhum cenário foi gerado ainda e nesse sentido, Prado (2010) não desenvolveu questionário específico para identificar 11

12 esta situação nas organizações, portanto não há no questionário quesitos para identificação deste nível para cenários. O nível conhecido/repetitivo (2) em gerenciamento de projetos representa o que Chermack (2005) descreve como a situação em que os cenários foram criados e estão sendo incorporados para provocar a aprendizagem no contexto da organização, ou seja, já existe um movimento para construir cenários por equipes internas. A padronização, do nível 3 do MMGP, diz respeito aos aspectos metodológicos e estruturais inerentes ao processo e representam a base para a evolução para os demais níveis. Os especialistas consultados também indicaram que a consolidação de uma metodologia de planejamento de canários está diretamente relacionada com a maturidade do processo, entendendo-se essa consolidação como função do número de ciclos de utilização (curva da experiência) e pela integração com outras práticas. O nível 4, reconhecido como o grau em que o processo de gerenciamento de projetos se encontra gerenciado, traduz um nível de gestão em que estão presentes a preocupação com a melhoria contínua e com o alinhamento de estratégias, bem como com a melhoria da decisão, o que está relacionado com os aspectos mudança de modelo mental, expostos por Chermack (2005), quando afirma que cenários podem provocar a aprendizagem entre os participantes do planejamento e que esta altera as experiências, pressupostos, preconceitos e crenças, portanto modifica os modelos mentais e exercita a atividade decisória por meio de situações hipotéticas. O nível 5 do MMGP corresponde ao gerenciamento otimizado, em que a organização pode ser reconhecida como benchmark, e, para que esse reconhecimento se dê é possível que apresente resultados de destaque, o que representa a melhoria na performance. Esta situação pode ocorrer, segundo Chermack (2005), por dois motivos: o primeiro é quando o estudo de cenários teve por finalidade o esclarecimento de uma questão específica, o que explicaria a melhoria de performance. A segunda situação ocorre quando resultados de decisões estão retroalimentando a aprendizagem. Assim, tem-se como uma proposta possível de níveis e dimensões de maturidade em cenários, a que se apresenta na Figura 8: NÍVEL DE MATURIDADE DIMENSÕES Inativo Iniciado Padronizado Gerenciado Otimizado Preparação Não há Pouco formalizada Formalizada Muito Formalizada Estabilizada Elaboração Não há Tentativas isoladas Padronizada Padronizada e Controlada Estabilizada Produção do Documento Não há Básico Melhorado Avançado Maduro Utilização Não há Dispersa Direcionada Alinhado com outras práticas Estabilizada Figura 8. Níveis e Dimensões da Metodologia de Avaliação de Maturidade em Cenários Fonte: Autores da Pesquisa 12

13 6.2 Resultados do teste da metodologia A maturidade média no processo de cenários, nas organizações brasileiras que responderam à pesquisa é de 2,77, o que corresponde a uma maturidade regular, possuindo a distribuição de aderência expressa pela Tabela 1, a seguir: Tabela 1: Perfil de Aderência aos Níveis de Maturidade PONTOS MÉDIOS PERFIL DE ADERÊNCIA NÍVEL OBTIDOS (Iniciado) 53 3 (Padronizado) 46 4 (Gerenciado) 42 5 (Otimizado) 36 Esse resultado gráfico indica que as organizações podem ser aderentes aos diversos níveis, mas a maturidade está mais bem representada pelo nível em que se obteve a maioria dos pontos, o que reflete o quão bem se posiciona nos quesitos daquele item. Para esclarecer, a aderência média identificada ocorreu no nível 2 (Iniciado) correspondente às questões de 1 a 10, que retratam a situação em que cenários foram criados e estão sendo incorporados para provocar a aprendizagem no contexto da organização (Chermack, 2005), mas ainda não existem grandes avanços em padronização, gerenciamento e otimização do processo. Os resultados encontrados no grupo de organizações respondentes corroboraram ainda com as afirmações de Porto et al. (2010), tendo em vista que a maioria (9/13) pertence à administração pública direta e indireta e que os maiores níveis de maturidade foram alcançados também neste seguimento, conforme se observa pelos números dispostos na Tabela 2, a seguir: Tabela 2: Nível de Maturidade por Tipo de Organização EMPRESA ADMINISTRAÇÃO SEGMENTO DE NEGÓCIO PRIVADA INDIRETA ADMINISTRAÇÃO DIRETA TERCEIRO SETOR Regulação - 1, Desenvolvimento Empresarial ,43 Agricultura, Pecuária e Extrativismo - 3,58-1,71 Serviços - 1,86; 2,06-3,17 Planejamento - - 1,91 - Bancos - 2, Judiciário - - 3,44 - Autoindústria 3, Defesa - - 4,69; 4,85 - Ressalte-se também que os maiores níveis atingidos (4,69; 4,85), ambos níveis de excelência, ocorrerem em órgão nacionais de defesa, sendo uma delas um Escola de Guerra, demonstrando a tradição em cenarização entre estas organizações que são reconhecidas como o berço da estratégia e dos estudos de cenários. Bons resultados (3,44; 3,44 e 3,58) foram 13

14 encontrados em três esferas analisadas (setor privado, administração direta e indireta), com destaque para uma organização do segmento da agroindústria, pecuária e extrativismo, entidade pioneira no uso de cenários no Brasil, que obteve o resultado de 3,58, o que representa boa maturidade, com aderência boa aderência ao nível 4 (gerenciado). Resultados regulares foram obtidos por uma organização da indústria bancária e uma organização prestadora de serviços do terceiro setor (2,66; 3,17). Dentre as organizações respondentes, 6 apresentaram resultados que variaram entre maturidade muito fraca ou fraca em quase todos os casos (4/6), as respostas ao questionário indicaram que tanto no âmbito da alta administração quanto da média gerência o assunto é apenas conhecido e não existe estímulo formal para o uso desses conhecimentos. Essas organizações pertencem tanto ao terceiro setor quanto à administração direta e indireta. De um modo geral, o teste realizado também demonstrou o autoconhecimento das organizações pesquisadas quanto ao processo e a efetividade da metodologia para identificação da maturidade, pois os níveis identificados, na auto-declaração, conformam-se com o que foi obtido pela aplicação dos questionários, sendo que em sete organizações o nível declarado é um pouco maior que o encontrado, e em seis ocorre o inverso, o nível declarado é um pouco menor, onde apenas no caso (I) ocorreu diferença superior a um ponto, conforme Figura 9: Maturidade 3 2 Nível Encontrado Nível Declarado 1 0 A B C D E F G H I J K L M Organizações Figura 9. Comparação entre o nível encontrado e o autodeclarado Fonte: Elaborada pelos autores. 7 Conclusão A motivação inicial para realização desse trabalho surgiu da constatação de não haver, na literatura metodologia que objetivasse a avaliação da efetividade no emprego de estudos de cenários nas organizações. Da observação de Mietzner and Reger (2005) despertou-se para a necessidade de distinguir o processo do produto e a partir daí surgiram outras perspectivas para desenvolver uma metodologia de avaliação, emergindo assim os modelos de maturidade como alternativas para avaliar o quão desenvolvido está o processo de cenários nas organizações. Assim, utilizou-se como referenciais teóricos principais Bruin et al. (2005) para orientar a construção da metodologia, os critérios para distinção do processo da norma ISO/IEC (2006), o MMGP de Prado (2010) como modelo de referência e as leis de interação da teoria de cenários de Chermack (2005) quanto aos graus de maturidade. 14

15 Para atender ao objetivo específico de identificar os componentes e subcomponentes principais do processo de cenários que permitam avaliá-lo foi realizada extensa revisão de literatura e consulta aos especialistas da academia nacional, resultando na identificação de que o macroprocesso se desenvolve em quatro etapas: Preparação; Elaboração; Produção do Documento e Utilização. Cada etapa composta de componentes e subcomponentes que nortearam a elaboração do questionário de verificação da maturidade. O segundo objetivo específico, que diz respeito à definição das métricas que indicam os estágios de maturidade organizacional em cenários, foi desenvolvido a partir da atribuição de pesos às respostas do questionário, gerando ao final uma pontuação que permite avaliar o perfil de aderência a cada nível de maturidade. O terceiro objetivo relativo ao teste da aplicabilidade da metodologia indicou maturidade regular das organizações respondentes, revelando a predominância do assunto no setor público, com maiores níveis identificados em órgãos nacionais de defesa. Conclui-se assim, que os modelos de maturidade são meios alternativos para desenvolver uma forma de avaliação do processo de planejamento de cenários, em razão de que procuram colocar o processo em relevo para evidenciar as dimensões que devem ser avaliadas, assim como os componentes e subcomponentes. Além disso, o modelo permite exercitar o pensamento sobre os níveis de maturidade, ou seja, quais são os estágios de desenvolvimento que o processo deve percorrer para ser considerado maduro, que nesta metodologia específica evidenciou cinco estágios: inativo, iniciado, padronizado, gerenciado e otimizado. Uma das limitações da pesquisa refere-se ao fato de representar uma versão inicial da metodologia, portanto carente de testes mais abrangente recomendados por Bruin et al. (2005), o que ao mesmo tempo revela um longo caminho para o estudo ora iniciado, permitindo que em novas pesquisas sejam desenvolvidas para validação e aplicação dessa metodologia construída sobre bases teóricas, e com uso de estatísticas inferenciais. Referências Barbandere, L., & INY, A. (2010). Scenarios and creativity: Thinking in new boxes. Technological Forecasting & Social Change, 77(9), Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. Bishop, P. (2001, June). Forefront: a yardstick too far?. Foresight, 3(3), Bood, R.P. & Postma, T.J.B.M. (1998) Scenario analysis as a strategic management tool, Research report SOM 9805, University of Groningen, Groningen. Bouer, R.; Carvalho, M. M. (2005, Set/Dez). Metodologia singular de gestão de projetos: condição suficiente para a maturidade em gestão de projetos? Revista Produção, 15(3), Bruin, T., Freeze R., Kulkarni U., & Rosemann M. (2005) Understanding the main phases of developing a maturity assessment model, ACIS 2005 Proceedings, Paper 109. Chermack, T.J. & Merwe, L. (2003, June) The role of constructivist learning in scenario planning. Futures, 35(5), Chermack, T.J. (2005). Studying scenario planning: theory, research, suggestions and hypotheses. Technological Forecasting and Social Change, 72(1), Chermack, T.J. (2006). Assessing the quality of scenarios in scenario planning. Futures Research Quarterly, 22(4), Fahey, L & Randell, R. (1998). Learning from the future, Wiley, New York. Godet, M. (2000) The art of scenarios and strategic planning: tools and pitfalls, Technological Forecasting and Social Change, NY, 65(1), Godet, M. (2010). Future memories, Technological Forecasting and Social Change, NY, 77,

16 Godet M. & Durance, P. A prospectiva estratégica: para as empresas e os territórios. (2011). Disponível em: <http://en.laprospective.fr/dyn/traductions/contents/findunod-godet-duranceext-vpt.pdf>. Acesso em: 21 set Harrington, H. J. (2006). Process Management Excellence, the art of excelling in process management. Quebec: hardcover. Harrison, P. D. (2006) Análise e resultados da aplicação de modelos de maturidade em gerenciamento de projetos em uma organização: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Heijden, K. (2004a). Cenários: a arte da conversação estratégica. Tradução: Carlos Alberto Silveira Netto Soares e Nivaldo Montingelli Jr. Porto Alegre: Bookman. Heijden, K. (2004b, March). Can internally generated futures accelerate organizational learning? Futures, 36(2), Heinecke, A. & Schwager, M. (1995). Die szenario-technik als instrument der strategischen planung. Braunschweig, Germany. ISO/IEC , (2006). International Organization Standardization and International Electrotechnical Comission. ISO/IEC : Information Technology Process Assessment Part. 5: An exemplar Process Assessment Model, Genebra: ISSO. Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. (4a. ed.). Porto Alegre: Bookman. Mietzner, D. & Reger, G. (2005) Advantages and disadvantages of scenario approaches for strategic foresight, Int. J. Technology Intelligence And Planning, 1(2), Mintzberg, H.; Ahlstrand, B.; Lampel, J. (200). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman. Neilson, R. E. & Wagner, C.J. (2000, January/February) Strategic scenario planning, CA International, 12. Pishvaee, M.S., Fathi, M., & Jolai, F. (2008). A fuzzy clustering-based method for scenario analysis in strategic planning: the case of an asian pharmaceutical company. Journal of Business Management, 39(3), PMI, Standards Committee. (2008) A guide to the project management body of knowledge, PMI, USA. Porto, C.A.F., Marques, E., Santos, A.B.A. (2010). Prospective in Brazil: the power to build the future. Technological Forecasting & Social Change. 77(9), Postma, J.B.M. T. & Liebl, F. (2005) How to improve scenario analysis as a strategic management tool? Technological Forecasting and Social Change, 72, Prado, D. Maturidade em gerenciamento de projetos. (2010). (2a. ed.) Minas Gerais: INDG- Tecs. Ratcliffe, J. (2002, October). Scenario planning: an evaluation of practice, School of Construction & Property Management, University of Salford. Rosemann, M.; Bruin, T. (2005, May). Towards a business process management maturity model. Proceedings of the 13th European Conference on Information Systems (ECIS 2005), Regensburg, Germany. Roubelat, F. (2000). Scenario planning as a networking process, Technological Forecasting and Social Change, 65(1), Schoemaker. P. J. H. (1998) Twenty common pitfalls in scenario planning. In: Fahey, L. & Randall, R. M. Learning from the Future. New York: John Wiley & Sons, cap.25, Sohail, I. (2002, April). Reductionism or layered complexity, the future of future studies, Futures, 34 (3-4), Vergara, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração.(2005). (6a ed). São Paulo: Atlas. 16

O Caminho para a Maturidade em Gerenciamento de Projetos: o Caso da Companhia de Água e Esgoto do Ceará

O Caminho para a Maturidade em Gerenciamento de Projetos: o Caso da Companhia de Água e Esgoto do Ceará O Caminho para a Maturidade em Gerenciamento de Projetos: o Caso da Companhia de Água e Esgoto do Ceará Nathália Macêdo de Morais nathalia.macedo@gmail.com UNIFOR ANNA KARINE MONTEIRO DE SOUZA nanakarine@yahoo.com.br

Leia mais

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Resumo. O gerenciamento de projetos tem se tornado, durante os últimos anos, alvo de

Leia mais

EVOLUINDO NA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS - CASO DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EVOLUINDO NA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS - CASO DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EVOLUINDO NA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS - CASO DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Luiz Gustavo de Castro Santos (USP) lgustavosantos@hotmail.com Marcelo Ramos Martins

Leia mais

Análise da influência da evolução na maturidade em gerenciamento no desempenho dos projetos

Análise da influência da evolução na maturidade em gerenciamento no desempenho dos projetos Análise da influência da evolução na maturidade em gerenciamento no desempenho dos projetos Luiz Gustavo de Castro Santos (POLI-USP) lgustavoindg@terra.com.br Marcelo Ramos Martins (POLI-USP) mrmartin@usp.br

Leia mais

MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MMGP: UM MODELO BRASILEIRO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Darci Prado - Introdução Maturida em Gerenciamento Projetos (GP) está na moda: inúmeros artigos têm surgido nas revistas especializadas,

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

XXIII ENANGRAD. Administração Pública (ADP)

XXIII ENANGRAD. Administração Pública (ADP) XXIII ENANGRAD Administração Pública (ADP) MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS: ESTUDO DE CASO NA COMPANHIA ESTADUAL DE SANEAMENTO BÁSICO CEARENSE Nathália Macêdo de Morais Anna Karine Monteiro de

Leia mais

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Debora Athayde Herkenhoff (Latec/UFF) Moacyr Amaral Domingues Figueiredo (Latec/UFF) Gilson Brito de Lima (UFF)

Leia mais

O MODELO PRADO-MMGP V4

O MODELO PRADO-MMGP V4 O MODELO PRADO-MMGP V4 Existem, atualmente, diversos modelos de maturidade para gerenciamento de projetos. Todos eles apresentam cinco níveis, mas diferem um pouco no conteúdo de cada nível [1,4,5]. Além

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

APLICAÇÃO E ANÁLISE DO MODELO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRADO-MMGP

APLICAÇÃO E ANÁLISE DO MODELO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRADO-MMGP APLICAÇÃO E ANÁLISE DO MODELO DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRADO-MMGP RAFAEL RODRIGUES DA SILVA (UFRN) rafael-rn@ig.com.br A dinâmica das organizações e a complexidade de suas relações com

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Uma aplicação do modelo de maturidade PMBoK maturity model

Uma aplicação do modelo de maturidade PMBoK maturity model Uma aplicação do modelo de maturidade PMBoK maturity model Paulo Dias Harrison (PNV/EPUSP) paulo_harrison@yahoo.com Marcelo Ramos Martins (PNV/EPUSP) mrmartin@usp.br Luis Wan Kai Tsai (PNV/EPUSP) luiswan@ig.com.br

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

LIMA, Álvaro Raineri STRAUHS, Elizabete Proença NASCIMENTO, Maria Odete Alves

LIMA, Álvaro Raineri STRAUHS, Elizabete Proença NASCIMENTO, Maria Odete Alves PROPOSTA DE QUESTÕES A SEREM UTILIZADAS NA MÉTRICA REALIMENTAÇÃO E MECANISMOS DE MONITORAÇÃO RELACIONADOS AO AMBIENTE DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ASSOCIADA À DIMENSÃO PROGRAMA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO DO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

A IMPORTÂNCIA DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS A IMPORTÂNCIA DA EVOLUÇÃO DA MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Darci Prado O mundo hoje depende de projetos: quase um terço do PIB da economia mundial é gerado por meio de projetos [1]. Para muitas

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

DESENVOLVENDO A MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS NAS EMPRESAS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DO PMO 1

DESENVOLVENDO A MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS NAS EMPRESAS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DO PMO 1 DESENVOLVENDO A MATURIDADE EM GESTÃO DE PROJETOS NAS EMPRESAS ATRAVÉS DA IMPLANTAÇÃO DO PMO 1 Marcelo Campolina de Castro 2 Resumo Com o novo cenário econômico, muitas empresas estão investindo alto na

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ESFERA PÚBLICA: MÚLTIPLOS CASOS EM UM GOVERNO ESTADUAL

MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ESFERA PÚBLICA: MÚLTIPLOS CASOS EM UM GOVERNO ESTADUAL MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA ESFERA PÚBLICA: MÚLTIPLOS CASOS EM UM GOVERNO ESTADUAL Thiago Cavalcante Nascimento Manoel Veras de Sousa Neto 1. Introdução A administração pública mundial tem

Leia mais

PROGRAMA OBJETIVOS DA DISCIPLINA

PROGRAMA OBJETIVOS DA DISCIPLINA DEPARTAMENTO Gestão Pública (GEP) CURSO Mestrado Profissional Em Gestão e Políticas Públicas - MPGPP DISCIPLINA Ferramentas aplicadas ao desenho de políticas públicas PROFESSOR Alexis Vargas PERÍODO SEMESTRE/ANO

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa

IV Seminário Internacional. Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa IV Seminário Internacional Maturidade em Gerenciamento de Projetos Como Medir o Nível de Maturidade em GP de uma Empresa Palestrante: Leon Herszon F.,MSc, PMP Leon Herszon F., MSc, PMP Diretor Executivo

Leia mais

Por que conhecer o COBIT 5

Por que conhecer o COBIT 5 10Minutos Tecnologia da Informação Saiba quais são as novidades da versão 5 do COBIT Por que conhecer o COBIT 5 Destaques A utilização do COBIT 5 como guia de melhores práticas permite alinhar de modo

Leia mais

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Darci Prado O modelo Prado-MMGP (Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos) foi lançado em dezembro de 2002 e reflete a experiência com o tema, de mais de quarenta

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: UMA ANÁLISE EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: UMA ANÁLISE EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS Marcos Eduardo Andreazza Jaguaribe 1 Dr. Luiz Gonzaga Mariano Filho 1

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Escopo

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Gerenciamento de Escopo Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Gerenciamento de Escopo 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas

Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de para Pequenas Empresas Paulo Sérgio Brandão Lima e Lúcia Vilela Leite Filgueiras Resumo: Para muitas empresas, considerando-se o custo e o prazo de implantação,

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

A MATURIDADE NA GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO REALIZADO NA AES SUL

A MATURIDADE NA GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO REALIZADO NA AES SUL A MATURIDADE NA GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO REALIZADO NA AES SUL CANDICE SILVEIRA FABRICIO CARVALHO ROCHA (UNIFRA) candice_rocha@hotmail.com Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Marcantonio Giuseppe

Leia mais

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP Processos de Gestão de Incubadoras de s: As Melhores Práticas da Rede de Incubadoras do Rio de Janeiro Juliana Calfa de Assis Graduando em Engenharia de Produção Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais.

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais. 1. Introdução A previsão de vendas é fundamental para as organizações uma vez que permite melhorar o planejamento e a tomada de decisão sobre o futuro da empresa. Contudo toda previsão carrega consigo

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais

Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais INTRODOUÇÃO Aluna: Marcela Pestana Molinaro Orientadora: Sandra Regina da Rocha Pinto Observa-se que a área de gestão estratégica

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2014 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.º André Bittencourt do Valle 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado,

Leia mais

Maturidade e escritório de projetos: um caso real

Maturidade e escritório de projetos: um caso real Maturidade e escritório de projetos: um caso real Adriane Cavalieri 1 Lélio Varella 2 Giovana Magalhães 3 Ana Cláudia Baumotte 4 adrianec@int.gov.br lvarella@domain.com.br giovana.magalhaes@br.inter.net

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA ATERIA (C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I PMoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA

GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.3, n. 9, p. 89 98, 2009. GOVERNANÇA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA CIDADE DE APUCARANA Márcia Cristina

Leia mais

A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1

A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1 A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1 Mazzini JR., E. G.²; Ferreira, A. R.² 1 Trabalho da linha de pesquisa:

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna 24/09/2013 COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna Luiz Claudio Diogo Reis, MTech, CISA, CRISC, COBIT (F), MCSO Luiz.reis@caixa.gov.br Auditor Sênior Caixa Econômica Federal Currículo

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos Brasília

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos Secretaria das Cidades Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Evolução da Administração no Setor Público Melhores práticas de gestão

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais