Psicanálise: ainda impossível? 1. Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicanálise: ainda impossível? 1. Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica."

Transcrição

1 1 Psicanálise: ainda impossível? 1 Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica. Arnaldo Chuster 2 Este trabalho tem como ponto de partida - e de chegada a conhecida declaração de Freud sobre a psicanálise como sendo uma profissão impossível. Por duas vezes ele fez tal declaração, situando-a junto com duas outras profissões que também considerava impossíveis: a política e a pedagogia. Note-se bem que Freud não disse que essas profissões eram extremamente difíceis de praticar, por circunstância de alguma insalubridade ou perigo envolvido em seu exercício como o são, por exemplo, as profissões do mergulhador, do astronauta ou do piloto de fórmula Um. Tampouco Freud fez referência ao fato de que estas três profissões são impossíveis porque abrangem o mais intratável de todos os materiais: o ser humano. Afinal, um número incontável de outras profissões lida com este mesmo material e nem por isto são impossíveis. O que chama realmente a atenção é que Freud nunca explicou porque eram impossíveis. Também chama a atenção o fato de que ninguém perguntou a Freud o que é que ele então praticava, visto que confessara ter criado algo impossível de praticar. 1 - Em Análise terminável e Interminável (1937) e no prefácio para o livro de Aichorn, Verwahrloste Jugend. 2 -Membro Convidado da Associação Psicanalítica Rio-3 (APRIO-3)

2 2 Se realizarmos uma pesquisa com pedagogos e políticos, indagando se eles acham que suas profissões são impossíveis, o mais provável é que discordem e até protestem, uma vez que as exercem com convicção: o que necessariamente não significa vocação ou talento para o cargo. No entanto, não conheço nenhum analista que tenha protestado contra a declaração de Freud. Não sabemos se porque foi Freud quem a fez, com uma pitada de seu costumeiro bom humor, ou se porque, de fato, lhe deram inteira razão. Estaria tal anuência significando que não existem psicanalistas que praticam a psicanálise? Por outro lado, conheço analistas americanos que protestam contra a declaração que Freud fez quando chegou aos USA, comparando a psicanálise com a peste, o que também poderia ser tomada no sentido da impossibilidade da prática. Recentemente um deles me dizia: Sempre me indago porque Freud disse isto? Nós não somos assim... Nunca fomos avessos à psicanálise como se fosse uma doença terrível. Bem, eu não estava na posição de discutir o argumento dentro do contexto que me encontrava, mas me ocorreu que Freud nunca tinha sido convidado até então para fazer conferências sobre psicanálise em outro país. Tampouco o convidaram depois. Os Estados Unidos foi o primeiro país em que ele foi convidado, e seria o último se não fosse o convite para a mudança forçada para a Inglaterra em Fiquei imaginando o que ele diria se viesse ao Brasil em 1910, ano de fundação do Corinthians, e que tinha uma população de 23 milhões de habitantes (67 % vivendo no campo) para apresentar a psicanálise. Mas antes de imaginar algo me

3 3 lembrei de outra declaração de Freud em que ele dizia que não se pode resistir a impressão de que os homens geralmente se equivocam em suas avaliações. A história do movimento psicanalítico ilustra por si mesma esta frase de Freud, tanto quanto a história das eleições para governantes na maioria dos países e a história dos testes de aprovação nas escolas. Sabemos pela psicanálise que existe algo oculto em nossas mentes, algo que faz com que as avaliações possam ser falhas e equivocadas, e, desta forma, não há nenhuma razão para que a própria psicanálise escape desta suspeita generalizada (ou, se não a psicanálise como tal, pelo menos o discurso do psicanalista). Penso que é isto que no mínimo Freud queria dizer quando foi calorosamente acolhido nos USA. Com uma pitada sensível de ironia fina e bom humor, disse: Estas pessoas não sabem que lhes trago a peste. A peste psicanalítica é o questionamento de todas as representações instituídas em virtude deste algo oculto e que nos leva ao equívoco. Em 1979, Bion, de certa forma retoma e reafirma as palavras de Freud dizendo que a psicanálise se inseria no mundo como um mau negócio e propõe a reflexão: Tirando proveito de um mau negócio (Making the Best of a bad job ). A tese inicial do artigo afirma que o ser humano não podendo progredir sem seus semelhantes, também não consegue progredir muito bem com eles em virtude da inevitável turbulência emocional (algum tipo ou grau de sofrimento psíquico) do encontro. Esta tese dá origem a um dos mais intrigantes artigos sobre a transferência de que se tem notícia. É uma característica da atitude psicanalítica levantar suspeitas sobre os pensamentos mais honestos e mais

4 4 evidentes, mas também porque fundada pela hipótese de uma ruptura do homem consigo mesmo, ou na trágica ruptura com a verdade, a psicanálise além de lidar com o equívoco fundamental de toda comunicação, se abstém por princípio de toda sistematização, o que por sua vez, não poderia dar motivo senão de suspeita a uma série de profissionais de outras áreas da ciência. Mas a falta de sistematização uniforme não significa que não temos um campo específico. Ele existe e, mesmo sendo um campo limitado, tem um amplo alcance. Agregando agora um pouco da compreensão kleiniana, o trabalho do psicanalista emerge de uma instabilidade psíquica que é a oscilação entre duas posições EP D, havendo neste movimento aquilo que Bion chamou de fato selecionado (termo tomado por empréstimo do matemático Poincaré). A escolha do fato selecionado, obviamente por ser muito variada, pode levar a conclusões equivocadas. Afinal, as mais diversas soluções existem e a maioria suficientemente inadequada. O problema, como diz Bion, é como tirar proveito delas, a capacidade de transformar uma circunstância adversa numa boa causa, isto é, uma transformação da turbulência emocional em alguma compreensão que, se possível, promova algo mais na vida do sujeito. Algo da ordem do vir-a-ser. Para complexizar mais um pouco a questão do Ser ou do vir - a- ser podemos constatar que nada do que é aplicado na pedagogia e na política pode ser aplicado à psicanálise. Por mais abertas que sejam as discussões sobre as intenções e os fins ou o fim da análise, o objetivo analítico (o vir-a-ser analítico) não pode ser facilmente definido em termos determinados e específicos o que não ocorre na pedagogia e na política.

5 5 Na realidade não existe nada de determinado e específico na psicanálise e no trabalho do analista. O princípio de Incerteza, como apontou Bion, se aplica integralmente à atividade. Mas adotar esta forma de pensar implica em abandonar um pensamento que ainda possui intenso vigor crítico, e que está na essência da cultura psicanalítica. Além disso, dele deriva uma história e uma vida científica intensa. O tipo de análise trazida pelo princípio da incerteza não se trata de metáfora ou do abuso de metáforas científicas no discurso psicanalítico. Trata-se da introdução de um novo objeto de conhecimento o objeto complexo por contraposição ao objeto simples, típico da forma de conhecimento científico que a psicanálise herdou do século XIX. Foi neste sentido que o conceito de pré-concepção, base da teoria do pensar criada por Bion, inaugurou um discurso que me parece mais adequado para tratar da subjetividade envolvida na questão do objeto complexo. Trata-se essencialmente da tradução do processo psicanalítico como um processo não saturado e que nunca pode ser descrito inteiramente. Tampouco se trata de um processo que pode ser ensinado como uma ciência ou uma disciplina, mas de forma semelhante ao que acontece na arte, ele pode de algum modo ser aprendido. A compreensão fornecida pelo conceito de pré-concepção se amplia no conceito de objeto psicanalítico que aparece em Aprender da Experiência (1962) e se expande dos trabalhos posteriores: Elementos de Psicanálise (1963) e Transformações (1965). Em primeiro lugar, para compreender o objeto psicanalítico, cabe ressaltar que Bion coloca no centro da observação

6 6 psicanalítica não estruturas, mas um espectro de possibilidades de realização das pré-concepções, que se estendem em duas polaridades opostas, sendo um o pólo narcísico, (fechamento do sentido) e o outro o pólo do social-ismo (ampliação do sentido). Neste espectro as pré-concepções se realizam em concepções (pensamentos), sob a influência da complexidade inerente a um corpo biológico. que ele chamou de fator M. Uma série de princípios que nomeei de ético-estéticos (Chuster, A., 1999, 2002, 2005, 2007) pode ser depreendida do princípio geral de complexidade. São eles: o já mencionado princípio de incerteza, mais os princípios de incompletude, infinitude, indecidibilidade da origem, singularidade e negatividade. Os princípios que descrevi devem ser constantemente aplicados, para evidenciar que quando se trabalha em psicanálise o impossível de um final real aparece. Mais ainda, são princípios que não podem ser aplicados sem a atividade própria do analisando - o agente principal do processo analítico - ou seja, a psicanálise está dentro das pessoas, não pode ser fornecida pelo analista como um remédio, não é um tratamento médico. Quem estabelece seus objetivos é o analisando. Deste modo, altera-se em Bion a noção de técnica psicanalítica: Não se pode fornecer psicanálise, mas ela pode ser uma pré-concepção que é realizada como concepção da singularidade do analisando. Tratase aqui de resgatar para o sentido da técnica analítica o sentido originário da palavra, da techné grega, que significa fazer ser o que não é; trazer à tona.

7 7 Outra forma de pensar nesta questão é colocar a psicanálise como uma habilidade intrinsecamente humana (função psicanalítica da personalidade, Bion, 1962, 1963, 1965, 1970), neste caso não há nela alguma resposta que separe meios de fins, pois se trata de transformação do sujeito: a transformação em O. Os diversos aspectos do processo analítico, posição deitada, sessões com tempo fixo ou não, e demais combinações, não são os meios, mas as mínimas condições necessárias que permitem sua realização. As mínimas condições com as quais o analista pode interagir e com isto colaborar para que a função analítica da personalidade venha à tona e possa ser desenvolvida, o que nos coloca na difícil posição de indagar se umas pessoas podem ter mais habilidade do que outras? Em outras palavras, será que podemos falar de um espectro de analisibilidade? A resposta pode ser extraída do cotidiano: as mudanças em nosso estado mental são muitas ao longo do dia. Como elas influenciam o trabalho analítico devemos investigar por nós mesmos. Além disso, temos a presença constante da interação entre a parte psicótica e a parte não-psicótica da personalidade, em que a primeira pode predominar em algum momento, trazendo diversos problemas de percepção da realidade interna e externa, e problemas na capacidade para pensar e sentir. Mais ainda, a função-alfa da qual depende o analista para captar e trabalhar o material do analisando, assim como o analisando dela depende para processar as interpretações e a experiência emocional da sessão, sempre falha em alguma extensão, não consegue abranger plenamente o outro que conosco se comunica (princípio de incompletude), e a busca de suportes para esta falha

8 8 se esbarra na difícil questão do uso da intuição cega e do grupo social que lhe dá suporte através de conceitos vazios. Todavia, creio que a verdadeira impossibilidade é praticar a psicanálise como se pratica qualquer outra profissão - mudei agora a afirmação de Freud introduzindo um comparativo e tal impossibilidade provém do fato de que além da psicanálise ser uma prática de ordem única na História, incomparável a qualquer outra ciência, não existe nenhuma profissão em que o profissional se exponha tanto como na psicanálise. Explico: o que se expõe é a configuração edípica, de onde o analista obtém linguagem para suas interpretações, e sem as quais o processo analítico não poderá vir à tona, a menos que tenhamos a sorte de ter em nosso consultório uma dessas pessoas hiperanalisáveis como foi Freud, que prescinde até mesmo do analista. Outra forma de dizer isto é: não existe no inconsciente um desejo de ser analista. Existem todos os tipos de desejos edípicos, tais como matar, copular, penetrar, evacuar, retalhar, etc., mas não existe tal coisa como um desejo de ser analista. O analista é alguém que supostamente trabalhou estes desejos em sua análise pessoal para que também pudesse observar o mesmo no analisando. Todavia, o desejo de ser analista é insustentável, exatamente por causa do desequilíbrio e da instabilidade (turbulência emocional) que os desejos ocultos predominantes produzem à medida que o processo analítico se desenvolve. Os objetivos da análise se alteram enquanto o processo avança. A importância do trabalho de Bion foi ter mostrado que os desejos inconscientes edípicos aparecem camuflados de memórias, desejos e necessidade de compreensão. Assim,

9 9 quando a interpretação se forma na mente do analista através de sua configuração edípica, onde também ganha linguagem, diversas possibilidades podem ocorrer vis-à-vis tais elementos. Dou alguns exemplos a seguir de observações feitas com supervisionandos. 1) O analista pode se apegar rigidamente a uma teoria pela necessidade de compreensão, tal atitude dá vazão a um desejo específico e comum que desequilibra a configuração edípica adequada ao trabalho analítico. No inconsciente pode ser um desejo de seduzir sexualmente o paciente, o que acaba gerando uma interpretação explicativa e tranqüilizadora, uma espécie de assessoria para qualquer assunto, ou então uma conversa com o paciente sobre assuntos gerais como se estivesse numa situação social. 2) Outro exemplo muito freqüente é o desejo de curar, que no inconsciente, pode ser o desejo de assassinar o paciente, transformá-lo num morto, ou seja, um objeto de investigação sem problemas e sem atuações. 3) Outra possibilidade é o analista ficar preocupado com a reação do analisando a uma interpretação, e por isto pode fornecer uma interpretação doutrinária (uma instrução sobre teoria psicanalítica) que no inconsciente é um desejo de controlar e dominar o paciente. 4) Outra situação é a do analista que se irrita com o analisando que o ataca por inveja (por exemplo, rejeitando todas as interpretações) e dá interpretações irônicas (triunfo e desprezo), que no inconsciente são retaliações com excrementos. 5) Uma situação mais extrema é aquela em que o analista desejando ser admirado narcisicamente pelo analisando elimina-

10 10 o da sessão através de uma interpretação mirabolante e megalomaníaca que diz apenas de si próprio e nada do analisando. Minha observação é que os analistas nas situações acima descritas tendem a repetir as interpretações e intervenções que estão fornecendo aos analisandos. Consideremos então a vulnerabilidade do analista pelas etapas de formação da interpretação em sua configuração edípica como, em primeiro lugar, uma repetição inevitável de experiências, ou seja, a forma como a singularidade de cada indivíduo-analista (suas concepções de mundo), através dos seus mitos/sentidos/paixões, pode captar aquilo que o analisando lhe informou. Comunicação de inconsciente para inconsciente. Supostamente o indivíduo-analista, quando foi analisado, ficou conhecendo bem estes desejos que produzem desequilíbrio em sua configuração edípica e tornam sua tarefa insustentável. Por exemplo, ele deveria em sua análise ter se deparado com a situação perigosa em que faltam perguntas e abundam respostas prontas. Se ele se permite perceber que as respostas são a desgraça das perguntas, ao invés de esperar respostas, vai para uma espécie de lazer ou descanso, que é ficar no estado mental o mais livre possível de memórias e desejos. Então quando está descansando, ele sonha, aciona suas conjecturas imaginativas, que por sua vez convidam as conjecturas racionais para entrar e se juntar na interpretação. Entretanto, como já foi enfatizado, aquilo que um analista sente não é igual ao que outro sente. Entendamos o que isto significa, apurando um pouco mais nas investigações sobre a realização da conjectura imaginativa.

11 11 A conjectura imaginativa tem uma primeira etapa, em que capta ritmos e uma segunda etapa onde ganha singularidade por conta das experiências pessoais do analista com os elementos simbólicos. Na primeira etapa, os objetos que entram no processo são mais da ordem dos objetos olfativos, cinestésicos, auditivos, e táteis. Este tipo de objetos é como se estivéssemos numa espécie de útero, isto é, uma mente embrionária, formando com elas algo como se fossem as molduras de uma janela à espera de uma paisagem: a intuição cega. Na segunda etapa, os objetos são aqueles descritos por Freud, objetos orais, anais, fálicos, e os visuais. Com eles a janela ganha uma tendência de estilo e visão de mundo e quando passa pelo triângulo da experiência emocional, adquire a paisagem, que é a linguagem e a concepção de mundo. Por essas e muitas outras razões que podem ser descritas em virtude da infinitude de combinações e revelações do mundo interno através das comunicações, é que pretendi assinalar que não há uma profissão onde a vulnerabilidade do profissional é maior do que na psicanálise: ao interpretar o analista expõe sua configuração edípica, expõe seus desejos de ser analista ao analisando e a exposição vai ficando mais evidente e mais nítida se o analista repete interpretações e intervenções, o que é algo relativamente comum de se ler em trabalhos de psicanálise. Assim, nos alerta Bion, se um analisando após uma interpretação diz: não entendi... É melhor não tentar explicá-la ou repeti-la de outra forma, é preferível indagar ao paciente algo assim: o que é que você entendeu que eu teria dito e que não disse?

12 12 Resumo: Ao interpretar o analista inevitavelmente expõe sua configuração edípica e tanto mais irá expô-la, quanto mais repetir por compulsão suas interpretações. Pela repetição de interpretações e intervenções, o processo fica suscetível de saturação com memórias e desejos de ambos participantes. Referências: 1) Bion, W.R. (1962a) A Theory of Thinking In Second Thoughts, London, Heinemann, 1967,p ) (1962b) Learning from Experience, London, Heinemann. 3) (1963) Elements of Psychoanalysis, London, Heinemann. 4) (1965) Transformations: Change from Learning to Growth, London, Heinemann. 5) (1970) Attention and Interpretation, London, Tavistock. 6) (1971) Two papers: The Grid and Caesura, Imago, Rio de Janeiro. 7) (1973) Bion s Brazilian Lectures, Imago, Rio de Janeiro. 8) (1987) Clinical Seminars and Four Papers, Abington, Fleetwood Press. 9) (1992) Cogitations, Karnac Books, London. 10) (1997) Taming Wild Thoughts, Karnac Books, London. 11) Castoriadis, C. (1997) As Encruzilhadas do labirinto, Paz e Terra, Rio de Janeiro. 12) Chuster, A (1989) Um Resgate da Originalidade, Degrau, Rio de Janeiro. 13) (1996) Diálogos Psicanalíticos sobre W.R. Bion, Tipo e Grafia, Rio de Janeiro. 14) (1998) Bion cria de fato uma nova psicanálise? Revista da SPPA, vol. V ) (1999) W.R. Bion - Novas Leituras, vol. I Co. de Freud, Rio de Janeiro. 16) (2002) An Oedipal Grid, paper presented at the International Conference on the work of W.R.Bion, Los Angeles, California.

13 13 17) (2003) W.R. Bion-Novas Leituras, vol.ii, Co.de Freud, Rio de Janeiro. 18) (2004) Os princípios ético-estéticos de observação, trabalho apresentado na Conferência Internacional sobre al Obra de Bion em São Paulo, São Paulo. 19) (2005) A brief survey in the difference between fantasy and imagination in the light of Bion s ideas- paper presented to Minnesota Institute of Psychoanalysis, Feb ) (2005) Interpretações analíticas e princípios éticoestéticos de observação, trabalho apresentado no 44 o Congresso da Associação Psicanalítica Internacional, Rio de janeiro, Julho ) Freud, S.(1900) A Interpretação dos Sonhos, ESOPC, Imago ed., ) (1926) Interview to the Press, George Viereck, New York Times. 23) Green, A. (1991) O Complexo de Castração, Imago, Rio de Janeiro. 24) Imbasciati, A (2001) The Unconscious as symbolopoiesis, Psychoanalytic Review, 88(6) December 25) Laplanche e Pontalis (1983) Vocabulário da Psicanálise, Martins Fontes, São Paulo/Lisboa. 26) Meltzer, D. (1997) Meltzer in São Paulo, casa do psicólogo, São Paulo. 27) (1997) Sincerity and other works-collected papers of Donald Meltzer- Karnac Ed. 28) (2004) A relação da psicanálise com as ciências e áreas afins, Revista. SPPA, dez ) Rocha Barros, E.M (2000) Affect and pictographic image: the constitution on meaning in mental life International journal Psycho anal, 81: ) Waldrop, M. (1992) Complexity, New York, Simon and Schuster

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise

Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise Ana Rita Nuti Pontes 1 Luciana Marchetti Torrano 2 O conceito de Impermanência Anicca é essencial para a compreensão do budismo. Este conceito

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 1 A psicanálise e a discussão sobre o normal e o patológico Rosane Zétola Lustoza Endereço: Rua Goiás, 1777 apt. 307 Centro Londrina PR CEP: 86020-410 e-mail: rosanelustoza@yahoo.com.br Professora Adjunta

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1

A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1 A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1 I- Sabemos que o psicanalista em seu trabalho clínico, assim como o arqueólogo

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM. ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez

DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM. ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez DISLEXIA DIFICULDADE NA APRENDIZAGEM ALMEIDA, Renata Sanmartin y Rodriguez Discente do Curso pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO Dislexia é um distúrbio específico da

Leia mais

Analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto - Brasil. Coordenadora da Comissão de Convidados Estrangeiros da SBPRP

Analista Didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto - Brasil. Coordenadora da Comissão de Convidados Estrangeiros da SBPRP Eixo temático: Temporalidades en análisis A comunicação inconsciente interpsíquica (paciente/analista) segundo o modelo Bluetooth na psicanálise Descritores: Comunicação, Inconsciente, Intersubjetividade,

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária

O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária O investimento narcísico da mãe e suas repercussões na reverie e na preocupação materna primária Renata de Leles Rodrigues Eliana Rigotto Lazzarini Resumo do trabalho: A proposta deste trabalho é articular

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico

Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico Dream time, rêverie time and the analytuc-third Nelson Ernesto Coelho Junior* Resumo: Tomando

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO QUESTÕES QUE ENVOLVEM CONHECIMENTO RELATIVO À NORMA CULTA DA LÍNGUA (CONCORDÂNCIA VERBAL, REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL, PONTUAÇÃO,

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABRAM, J. A linguagem de Winnicott Dicionário das palavras e expressões utilizadas por Donald W. Winnicott. Rio de Janeiro: Revinter, 2000. ANZIEU, D. O eu-pele. São Paulo:

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise O psicanalista só se autoriza de si mesmo Inicio com três citações de Lacan: Angela Dal' Vesco Nery O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...)Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade

Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade Psicoterapia psicanalítica em ambientes prisionais: da mentalização à vida em liberdade Eva Maria Migliavacca* Fábio Serrão Franco** Resumo: Este trabalho possui como tema o tratamento psicoterápico de

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Quando a criança morre

Quando a criança morre Quando a criança morre Neste trabalho, são abordadas algumas questões referentes ao processo de compreensão da condição de mortalidade, bem como ao enfrentamento da própria morte pela criança, a partir

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

Negar é no fundo querer recalcar

Negar é no fundo querer recalcar Negar é no fundo querer recalcar Jorge A. Pimenta Filho Introdução A Negativa 1 artigo de Freud escrito em 1925 se refere à metapsicologia e também à técnica psicanalítica. (FREUD, 1976). A primeira indicação

Leia mais

A tradição traditio-onis remete à 'entrega', à 'transmissão', deriva de tradère: transmitir, entregar.

A tradição traditio-onis remete à 'entrega', à 'transmissão', deriva de tradère: transmitir, entregar. 29 Congresso Latino-Americano de Psicanálise Invenção - Tradiçào Tradição e invenção no tornar-se psicanalista Adriana Sorrentini Pensar o complexo tema da formação psicanalítica à luz da proposta do Congresso

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL Ricardo Rego RESUMO Apresento aqui uma proposta em que a postura do psicoterapeuta corporal varia conforme o grau de resistência. Nos

Leia mais

Análise Interminável ou Terminação Inesquecível Augusto Escribens

Análise Interminável ou Terminação Inesquecível Augusto Escribens Análise Interminável ou Terminação Inesquecível Augusto Escribens Como já expus em um trabalho anterior a respeito (Escribens, 2002), a terminação é um dos temas mais controvérsias da técnica psicanalítica.

Leia mais

Internacional. - Edições. Intuição para enfrentar a maré de turbulências

Internacional. - Edições. Intuição para enfrentar a maré de turbulências - Edições Internacional Flavia Cymbalista René Decol Intuição para enfrentar a maré de turbulências Às vésperas de mais um período agudo de turbulência nos mercados, em fins de abril, a Revista Bovespa

Leia mais

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara

Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara Transferência e vínculo institucional na Clínica-Escola 1 José Vicente Alcantara "Uma análise termina quando analista e paciente deixam de encontrar-se para a sessão analítica" Sigmund Freud em Analise

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar Júlio Eduardo de Castro* Unitermos: psicanálise em intensão; sintoma; ética da psicanálise. Resumo Este artigo aborda a ética da psicanálise

Leia mais

De uma prática. Samyra Assad 1

De uma prática. Samyra Assad 1 1 De uma prática Samyra Assad 1 INTRODUÇÃO Em primeiro lugar, recebi, há cerca de três anos atrás, e não sem surpresa, um convite para trabalhar no CRP- 04, sob a égide do tema de sua gestão: Cuidar da

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL

DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL DA INTERPRETAÇÃO À CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS NA PSICANÁLISE INFANTIL Guiomar Papa de Morais 1 Breve histórico da técnica de Psicanálise Infantil: Freud desenvolveu um importante corpo teórico a partir

Leia mais

Pedagogia de Projetos

Pedagogia de Projetos Pedagogia de Projetos 1 Este texto foi adaptado pela Profª. Fábia Magali a partir das referências citadas na bibliografia e trabalhado no Encontro de Professores da Rede Municipal de Montes Claros em julho/98.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

A NOÇÃO DE CONSTÂNCIA NO PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA (FREUD, 1895 [1950]) E EM ALÉM DO PRINCÍPIO DE PRAZER (FREUD, 1920)

A NOÇÃO DE CONSTÂNCIA NO PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA (FREUD, 1895 [1950]) E EM ALÉM DO PRINCÍPIO DE PRAZER (FREUD, 1920) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PSICOLOGIA - ISSN 1806-0625 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS DA S AÚDE DE G ARÇA/FASU MANTIDA PELA A SSOCIAÇÃO C ULTURAL E E DUCACIONAL DE G ARÇA A NO

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. *

Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Felicidade: A Autenticidade do discurso perverso. * Amarílio Campos 1 Tudo permite a natureza, por suas leis assassinas: O incesto e o estupro, o furto e o parricídio. Todos os prazeres de Sodoma, os jogos

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS

A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIA NO DESENVOLVIMENTO DOS PROCESSOS MENTAIS LAMERA, Iraci Cristina; iracicristinalp@yahoo.com.br Faculdade São Francisco de Assis RESUMO Os estímulos postos à criança enfatizam

Leia mais

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO

REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO REVISITANDO A TEORIA DO SETTING TERAPÊUTICO 2012 Letícia Machado Moreira Psicóloga, em formação psicanalítica pelo IEPP leticiamachadomoreira@gmail.com Cristiane Silva Esteves Psicóloga. Especialista em

Leia mais

ESCUTANDO LAURA: O DESAFIO DE TREINAR A ESCUTA PSICANALÍTICA. Carmen Muratore 1 Cristina Lessa Horta 2. Letícia Orengo 3

ESCUTANDO LAURA: O DESAFIO DE TREINAR A ESCUTA PSICANALÍTICA. Carmen Muratore 1 Cristina Lessa Horta 2. Letícia Orengo 3 ESCUTANDO LAURA: O DESAFIO DE TREINAR A ESCUTA PSICANALÍTICA Carmen Muratore 1 Cristina Lessa Horta 2 Letícia Orengo 3 Fabiana Cargnelutti 4 Leonardo Della Pasqua 5 1 Psicóloga, membro aspirante da SPPA,

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA. Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Diagnóstico PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL E DE LIDERANÇA Estilos de comportamento no ambiente de trabalho Foco do programa O desenvolvimento de habilidades gerenciais e capacidades de liderança passa pelo

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA Entretantos, 2014 Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA Integrantes:Alessandra Sapoznik, Ana Maria Sigal, Christiana Cunha Freire, Daniela Danesi, Eliane Berger, Iso Ghertman, Lucía Barbero

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN

TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN TEORIA ORGANÍSMICA - GOLDSTEIN Precursor SMUTS 1926 EVOLUÇÃO E HOLISMO HOLISMO - GREGO HOLOS TOTAL COMPLETO - UNIFICAÇÃO Descartes séc. XVII Divisão do indivíduo em duas entidades separadas, mas inter-relacionadas:

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Entendendo a Psicologia como um negócio. Desenvolvendo seus Produtos e Serviços. Preparando sua plataforma de lançamentos

Entendendo a Psicologia como um negócio. Desenvolvendo seus Produtos e Serviços. Preparando sua plataforma de lançamentos Sumário Capítulo 1... 11 Entendendo a Psicologia como um negócio Capítulo 2... 33 Posicionamento de Mercado Capítulo 3... 63 Construindo suas bases Capítulo 4... 93 Desenvolvendo seus Produtos e Serviços

Leia mais

A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE

A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE A RELAÇÃO TERAPEUTA-CLIENTE Os cinco textos que se seguem foram preparados para uma aula ministrada durante concurso de ingresso na carreira docente no Instituto de Psicologia da USP. Resolvemos reuni-los

Leia mais

Guia de autopercepção

Guia de autopercepção TRACOM Sneak Peek Excerpts from Guia de autopercepção Guia de autopercepção Índice Introdução...1 O SOCIAL STYLE MODEL TM...1 De onde vem seu estilo?....................................................

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Professor Paulo Roberto Vidigal Orientador da FASEJ Faculdade Sumaré

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Matemática e Psicanálise

Matemática e Psicanálise Matemática e Psicanálise Antonio Carlos Borges Campos Desde que comecei minhas leituras sobre Lacan, passei a conviver com um verdadeiro sentimento de estranheza, no sentido do Unheimlich. A topologia

Leia mais

A (in)sustentável possibilidade da tradução

A (in)sustentável possibilidade da tradução A (in)sustentável possibilidade da tradução Débora Racy Soares * Tradução Manifesta: Double Bind e Acontecimento (Campinas, SP: Editora da UNICAMP, São Paulo, SP: EDUSP, 2005) é o livro mais recente de

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais