Psicanálise: ainda impossível? 1. Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Psicanálise: ainda impossível? 1. Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica."

Transcrição

1 1 Psicanálise: ainda impossível? 1 Algumas razões para não se repetir as interpretações na prática psicanalítica. Arnaldo Chuster 2 Este trabalho tem como ponto de partida - e de chegada a conhecida declaração de Freud sobre a psicanálise como sendo uma profissão impossível. Por duas vezes ele fez tal declaração, situando-a junto com duas outras profissões que também considerava impossíveis: a política e a pedagogia. Note-se bem que Freud não disse que essas profissões eram extremamente difíceis de praticar, por circunstância de alguma insalubridade ou perigo envolvido em seu exercício como o são, por exemplo, as profissões do mergulhador, do astronauta ou do piloto de fórmula Um. Tampouco Freud fez referência ao fato de que estas três profissões são impossíveis porque abrangem o mais intratável de todos os materiais: o ser humano. Afinal, um número incontável de outras profissões lida com este mesmo material e nem por isto são impossíveis. O que chama realmente a atenção é que Freud nunca explicou porque eram impossíveis. Também chama a atenção o fato de que ninguém perguntou a Freud o que é que ele então praticava, visto que confessara ter criado algo impossível de praticar. 1 - Em Análise terminável e Interminável (1937) e no prefácio para o livro de Aichorn, Verwahrloste Jugend. 2 -Membro Convidado da Associação Psicanalítica Rio-3 (APRIO-3)

2 2 Se realizarmos uma pesquisa com pedagogos e políticos, indagando se eles acham que suas profissões são impossíveis, o mais provável é que discordem e até protestem, uma vez que as exercem com convicção: o que necessariamente não significa vocação ou talento para o cargo. No entanto, não conheço nenhum analista que tenha protestado contra a declaração de Freud. Não sabemos se porque foi Freud quem a fez, com uma pitada de seu costumeiro bom humor, ou se porque, de fato, lhe deram inteira razão. Estaria tal anuência significando que não existem psicanalistas que praticam a psicanálise? Por outro lado, conheço analistas americanos que protestam contra a declaração que Freud fez quando chegou aos USA, comparando a psicanálise com a peste, o que também poderia ser tomada no sentido da impossibilidade da prática. Recentemente um deles me dizia: Sempre me indago porque Freud disse isto? Nós não somos assim... Nunca fomos avessos à psicanálise como se fosse uma doença terrível. Bem, eu não estava na posição de discutir o argumento dentro do contexto que me encontrava, mas me ocorreu que Freud nunca tinha sido convidado até então para fazer conferências sobre psicanálise em outro país. Tampouco o convidaram depois. Os Estados Unidos foi o primeiro país em que ele foi convidado, e seria o último se não fosse o convite para a mudança forçada para a Inglaterra em Fiquei imaginando o que ele diria se viesse ao Brasil em 1910, ano de fundação do Corinthians, e que tinha uma população de 23 milhões de habitantes (67 % vivendo no campo) para apresentar a psicanálise. Mas antes de imaginar algo me

3 3 lembrei de outra declaração de Freud em que ele dizia que não se pode resistir a impressão de que os homens geralmente se equivocam em suas avaliações. A história do movimento psicanalítico ilustra por si mesma esta frase de Freud, tanto quanto a história das eleições para governantes na maioria dos países e a história dos testes de aprovação nas escolas. Sabemos pela psicanálise que existe algo oculto em nossas mentes, algo que faz com que as avaliações possam ser falhas e equivocadas, e, desta forma, não há nenhuma razão para que a própria psicanálise escape desta suspeita generalizada (ou, se não a psicanálise como tal, pelo menos o discurso do psicanalista). Penso que é isto que no mínimo Freud queria dizer quando foi calorosamente acolhido nos USA. Com uma pitada sensível de ironia fina e bom humor, disse: Estas pessoas não sabem que lhes trago a peste. A peste psicanalítica é o questionamento de todas as representações instituídas em virtude deste algo oculto e que nos leva ao equívoco. Em 1979, Bion, de certa forma retoma e reafirma as palavras de Freud dizendo que a psicanálise se inseria no mundo como um mau negócio e propõe a reflexão: Tirando proveito de um mau negócio (Making the Best of a bad job ). A tese inicial do artigo afirma que o ser humano não podendo progredir sem seus semelhantes, também não consegue progredir muito bem com eles em virtude da inevitável turbulência emocional (algum tipo ou grau de sofrimento psíquico) do encontro. Esta tese dá origem a um dos mais intrigantes artigos sobre a transferência de que se tem notícia. É uma característica da atitude psicanalítica levantar suspeitas sobre os pensamentos mais honestos e mais

4 4 evidentes, mas também porque fundada pela hipótese de uma ruptura do homem consigo mesmo, ou na trágica ruptura com a verdade, a psicanálise além de lidar com o equívoco fundamental de toda comunicação, se abstém por princípio de toda sistematização, o que por sua vez, não poderia dar motivo senão de suspeita a uma série de profissionais de outras áreas da ciência. Mas a falta de sistematização uniforme não significa que não temos um campo específico. Ele existe e, mesmo sendo um campo limitado, tem um amplo alcance. Agregando agora um pouco da compreensão kleiniana, o trabalho do psicanalista emerge de uma instabilidade psíquica que é a oscilação entre duas posições EP D, havendo neste movimento aquilo que Bion chamou de fato selecionado (termo tomado por empréstimo do matemático Poincaré). A escolha do fato selecionado, obviamente por ser muito variada, pode levar a conclusões equivocadas. Afinal, as mais diversas soluções existem e a maioria suficientemente inadequada. O problema, como diz Bion, é como tirar proveito delas, a capacidade de transformar uma circunstância adversa numa boa causa, isto é, uma transformação da turbulência emocional em alguma compreensão que, se possível, promova algo mais na vida do sujeito. Algo da ordem do vir-a-ser. Para complexizar mais um pouco a questão do Ser ou do vir - a- ser podemos constatar que nada do que é aplicado na pedagogia e na política pode ser aplicado à psicanálise. Por mais abertas que sejam as discussões sobre as intenções e os fins ou o fim da análise, o objetivo analítico (o vir-a-ser analítico) não pode ser facilmente definido em termos determinados e específicos o que não ocorre na pedagogia e na política.

5 5 Na realidade não existe nada de determinado e específico na psicanálise e no trabalho do analista. O princípio de Incerteza, como apontou Bion, se aplica integralmente à atividade. Mas adotar esta forma de pensar implica em abandonar um pensamento que ainda possui intenso vigor crítico, e que está na essência da cultura psicanalítica. Além disso, dele deriva uma história e uma vida científica intensa. O tipo de análise trazida pelo princípio da incerteza não se trata de metáfora ou do abuso de metáforas científicas no discurso psicanalítico. Trata-se da introdução de um novo objeto de conhecimento o objeto complexo por contraposição ao objeto simples, típico da forma de conhecimento científico que a psicanálise herdou do século XIX. Foi neste sentido que o conceito de pré-concepção, base da teoria do pensar criada por Bion, inaugurou um discurso que me parece mais adequado para tratar da subjetividade envolvida na questão do objeto complexo. Trata-se essencialmente da tradução do processo psicanalítico como um processo não saturado e que nunca pode ser descrito inteiramente. Tampouco se trata de um processo que pode ser ensinado como uma ciência ou uma disciplina, mas de forma semelhante ao que acontece na arte, ele pode de algum modo ser aprendido. A compreensão fornecida pelo conceito de pré-concepção se amplia no conceito de objeto psicanalítico que aparece em Aprender da Experiência (1962) e se expande dos trabalhos posteriores: Elementos de Psicanálise (1963) e Transformações (1965). Em primeiro lugar, para compreender o objeto psicanalítico, cabe ressaltar que Bion coloca no centro da observação

6 6 psicanalítica não estruturas, mas um espectro de possibilidades de realização das pré-concepções, que se estendem em duas polaridades opostas, sendo um o pólo narcísico, (fechamento do sentido) e o outro o pólo do social-ismo (ampliação do sentido). Neste espectro as pré-concepções se realizam em concepções (pensamentos), sob a influência da complexidade inerente a um corpo biológico. que ele chamou de fator M. Uma série de princípios que nomeei de ético-estéticos (Chuster, A., 1999, 2002, 2005, 2007) pode ser depreendida do princípio geral de complexidade. São eles: o já mencionado princípio de incerteza, mais os princípios de incompletude, infinitude, indecidibilidade da origem, singularidade e negatividade. Os princípios que descrevi devem ser constantemente aplicados, para evidenciar que quando se trabalha em psicanálise o impossível de um final real aparece. Mais ainda, são princípios que não podem ser aplicados sem a atividade própria do analisando - o agente principal do processo analítico - ou seja, a psicanálise está dentro das pessoas, não pode ser fornecida pelo analista como um remédio, não é um tratamento médico. Quem estabelece seus objetivos é o analisando. Deste modo, altera-se em Bion a noção de técnica psicanalítica: Não se pode fornecer psicanálise, mas ela pode ser uma pré-concepção que é realizada como concepção da singularidade do analisando. Tratase aqui de resgatar para o sentido da técnica analítica o sentido originário da palavra, da techné grega, que significa fazer ser o que não é; trazer à tona.

7 7 Outra forma de pensar nesta questão é colocar a psicanálise como uma habilidade intrinsecamente humana (função psicanalítica da personalidade, Bion, 1962, 1963, 1965, 1970), neste caso não há nela alguma resposta que separe meios de fins, pois se trata de transformação do sujeito: a transformação em O. Os diversos aspectos do processo analítico, posição deitada, sessões com tempo fixo ou não, e demais combinações, não são os meios, mas as mínimas condições necessárias que permitem sua realização. As mínimas condições com as quais o analista pode interagir e com isto colaborar para que a função analítica da personalidade venha à tona e possa ser desenvolvida, o que nos coloca na difícil posição de indagar se umas pessoas podem ter mais habilidade do que outras? Em outras palavras, será que podemos falar de um espectro de analisibilidade? A resposta pode ser extraída do cotidiano: as mudanças em nosso estado mental são muitas ao longo do dia. Como elas influenciam o trabalho analítico devemos investigar por nós mesmos. Além disso, temos a presença constante da interação entre a parte psicótica e a parte não-psicótica da personalidade, em que a primeira pode predominar em algum momento, trazendo diversos problemas de percepção da realidade interna e externa, e problemas na capacidade para pensar e sentir. Mais ainda, a função-alfa da qual depende o analista para captar e trabalhar o material do analisando, assim como o analisando dela depende para processar as interpretações e a experiência emocional da sessão, sempre falha em alguma extensão, não consegue abranger plenamente o outro que conosco se comunica (princípio de incompletude), e a busca de suportes para esta falha

8 8 se esbarra na difícil questão do uso da intuição cega e do grupo social que lhe dá suporte através de conceitos vazios. Todavia, creio que a verdadeira impossibilidade é praticar a psicanálise como se pratica qualquer outra profissão - mudei agora a afirmação de Freud introduzindo um comparativo e tal impossibilidade provém do fato de que além da psicanálise ser uma prática de ordem única na História, incomparável a qualquer outra ciência, não existe nenhuma profissão em que o profissional se exponha tanto como na psicanálise. Explico: o que se expõe é a configuração edípica, de onde o analista obtém linguagem para suas interpretações, e sem as quais o processo analítico não poderá vir à tona, a menos que tenhamos a sorte de ter em nosso consultório uma dessas pessoas hiperanalisáveis como foi Freud, que prescinde até mesmo do analista. Outra forma de dizer isto é: não existe no inconsciente um desejo de ser analista. Existem todos os tipos de desejos edípicos, tais como matar, copular, penetrar, evacuar, retalhar, etc., mas não existe tal coisa como um desejo de ser analista. O analista é alguém que supostamente trabalhou estes desejos em sua análise pessoal para que também pudesse observar o mesmo no analisando. Todavia, o desejo de ser analista é insustentável, exatamente por causa do desequilíbrio e da instabilidade (turbulência emocional) que os desejos ocultos predominantes produzem à medida que o processo analítico se desenvolve. Os objetivos da análise se alteram enquanto o processo avança. A importância do trabalho de Bion foi ter mostrado que os desejos inconscientes edípicos aparecem camuflados de memórias, desejos e necessidade de compreensão. Assim,

9 9 quando a interpretação se forma na mente do analista através de sua configuração edípica, onde também ganha linguagem, diversas possibilidades podem ocorrer vis-à-vis tais elementos. Dou alguns exemplos a seguir de observações feitas com supervisionandos. 1) O analista pode se apegar rigidamente a uma teoria pela necessidade de compreensão, tal atitude dá vazão a um desejo específico e comum que desequilibra a configuração edípica adequada ao trabalho analítico. No inconsciente pode ser um desejo de seduzir sexualmente o paciente, o que acaba gerando uma interpretação explicativa e tranqüilizadora, uma espécie de assessoria para qualquer assunto, ou então uma conversa com o paciente sobre assuntos gerais como se estivesse numa situação social. 2) Outro exemplo muito freqüente é o desejo de curar, que no inconsciente, pode ser o desejo de assassinar o paciente, transformá-lo num morto, ou seja, um objeto de investigação sem problemas e sem atuações. 3) Outra possibilidade é o analista ficar preocupado com a reação do analisando a uma interpretação, e por isto pode fornecer uma interpretação doutrinária (uma instrução sobre teoria psicanalítica) que no inconsciente é um desejo de controlar e dominar o paciente. 4) Outra situação é a do analista que se irrita com o analisando que o ataca por inveja (por exemplo, rejeitando todas as interpretações) e dá interpretações irônicas (triunfo e desprezo), que no inconsciente são retaliações com excrementos. 5) Uma situação mais extrema é aquela em que o analista desejando ser admirado narcisicamente pelo analisando elimina-

10 10 o da sessão através de uma interpretação mirabolante e megalomaníaca que diz apenas de si próprio e nada do analisando. Minha observação é que os analistas nas situações acima descritas tendem a repetir as interpretações e intervenções que estão fornecendo aos analisandos. Consideremos então a vulnerabilidade do analista pelas etapas de formação da interpretação em sua configuração edípica como, em primeiro lugar, uma repetição inevitável de experiências, ou seja, a forma como a singularidade de cada indivíduo-analista (suas concepções de mundo), através dos seus mitos/sentidos/paixões, pode captar aquilo que o analisando lhe informou. Comunicação de inconsciente para inconsciente. Supostamente o indivíduo-analista, quando foi analisado, ficou conhecendo bem estes desejos que produzem desequilíbrio em sua configuração edípica e tornam sua tarefa insustentável. Por exemplo, ele deveria em sua análise ter se deparado com a situação perigosa em que faltam perguntas e abundam respostas prontas. Se ele se permite perceber que as respostas são a desgraça das perguntas, ao invés de esperar respostas, vai para uma espécie de lazer ou descanso, que é ficar no estado mental o mais livre possível de memórias e desejos. Então quando está descansando, ele sonha, aciona suas conjecturas imaginativas, que por sua vez convidam as conjecturas racionais para entrar e se juntar na interpretação. Entretanto, como já foi enfatizado, aquilo que um analista sente não é igual ao que outro sente. Entendamos o que isto significa, apurando um pouco mais nas investigações sobre a realização da conjectura imaginativa.

11 11 A conjectura imaginativa tem uma primeira etapa, em que capta ritmos e uma segunda etapa onde ganha singularidade por conta das experiências pessoais do analista com os elementos simbólicos. Na primeira etapa, os objetos que entram no processo são mais da ordem dos objetos olfativos, cinestésicos, auditivos, e táteis. Este tipo de objetos é como se estivéssemos numa espécie de útero, isto é, uma mente embrionária, formando com elas algo como se fossem as molduras de uma janela à espera de uma paisagem: a intuição cega. Na segunda etapa, os objetos são aqueles descritos por Freud, objetos orais, anais, fálicos, e os visuais. Com eles a janela ganha uma tendência de estilo e visão de mundo e quando passa pelo triângulo da experiência emocional, adquire a paisagem, que é a linguagem e a concepção de mundo. Por essas e muitas outras razões que podem ser descritas em virtude da infinitude de combinações e revelações do mundo interno através das comunicações, é que pretendi assinalar que não há uma profissão onde a vulnerabilidade do profissional é maior do que na psicanálise: ao interpretar o analista expõe sua configuração edípica, expõe seus desejos de ser analista ao analisando e a exposição vai ficando mais evidente e mais nítida se o analista repete interpretações e intervenções, o que é algo relativamente comum de se ler em trabalhos de psicanálise. Assim, nos alerta Bion, se um analisando após uma interpretação diz: não entendi... É melhor não tentar explicá-la ou repeti-la de outra forma, é preferível indagar ao paciente algo assim: o que é que você entendeu que eu teria dito e que não disse?

12 12 Resumo: Ao interpretar o analista inevitavelmente expõe sua configuração edípica e tanto mais irá expô-la, quanto mais repetir por compulsão suas interpretações. Pela repetição de interpretações e intervenções, o processo fica suscetível de saturação com memórias e desejos de ambos participantes. Referências: 1) Bion, W.R. (1962a) A Theory of Thinking In Second Thoughts, London, Heinemann, 1967,p ) (1962b) Learning from Experience, London, Heinemann. 3) (1963) Elements of Psychoanalysis, London, Heinemann. 4) (1965) Transformations: Change from Learning to Growth, London, Heinemann. 5) (1970) Attention and Interpretation, London, Tavistock. 6) (1971) Two papers: The Grid and Caesura, Imago, Rio de Janeiro. 7) (1973) Bion s Brazilian Lectures, Imago, Rio de Janeiro. 8) (1987) Clinical Seminars and Four Papers, Abington, Fleetwood Press. 9) (1992) Cogitations, Karnac Books, London. 10) (1997) Taming Wild Thoughts, Karnac Books, London. 11) Castoriadis, C. (1997) As Encruzilhadas do labirinto, Paz e Terra, Rio de Janeiro. 12) Chuster, A (1989) Um Resgate da Originalidade, Degrau, Rio de Janeiro. 13) (1996) Diálogos Psicanalíticos sobre W.R. Bion, Tipo e Grafia, Rio de Janeiro. 14) (1998) Bion cria de fato uma nova psicanálise? Revista da SPPA, vol. V ) (1999) W.R. Bion - Novas Leituras, vol. I Co. de Freud, Rio de Janeiro. 16) (2002) An Oedipal Grid, paper presented at the International Conference on the work of W.R.Bion, Los Angeles, California.

13 13 17) (2003) W.R. Bion-Novas Leituras, vol.ii, Co.de Freud, Rio de Janeiro. 18) (2004) Os princípios ético-estéticos de observação, trabalho apresentado na Conferência Internacional sobre al Obra de Bion em São Paulo, São Paulo. 19) (2005) A brief survey in the difference between fantasy and imagination in the light of Bion s ideas- paper presented to Minnesota Institute of Psychoanalysis, Feb ) (2005) Interpretações analíticas e princípios éticoestéticos de observação, trabalho apresentado no 44 o Congresso da Associação Psicanalítica Internacional, Rio de janeiro, Julho ) Freud, S.(1900) A Interpretação dos Sonhos, ESOPC, Imago ed., ) (1926) Interview to the Press, George Viereck, New York Times. 23) Green, A. (1991) O Complexo de Castração, Imago, Rio de Janeiro. 24) Imbasciati, A (2001) The Unconscious as symbolopoiesis, Psychoanalytic Review, 88(6) December 25) Laplanche e Pontalis (1983) Vocabulário da Psicanálise, Martins Fontes, São Paulo/Lisboa. 26) Meltzer, D. (1997) Meltzer in São Paulo, casa do psicólogo, São Paulo. 27) (1997) Sincerity and other works-collected papers of Donald Meltzer- Karnac Ed. 28) (2004) A relação da psicanálise com as ciências e áreas afins, Revista. SPPA, dez ) Rocha Barros, E.M (2000) Affect and pictographic image: the constitution on meaning in mental life International journal Psycho anal, 81: ) Waldrop, M. (1992) Complexity, New York, Simon and Schuster

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL

DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL DEIXA VIR... ASSOCIAÇÃO LIVRE E RESISTÊNCIA NA PSICOTERAPIA CORPORAL Ricardo Rego RESUMO Apresento aqui uma proposta em que a postura do psicoterapeuta corporal varia conforme o grau de resistência. Nos

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO QUESTÕES QUE ENVOLVEM CONHECIMENTO RELATIVO À NORMA CULTA DA LÍNGUA (CONCORDÂNCIA VERBAL, REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL, PONTUAÇÃO,

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo

Palavras-chave: sonho, análise funcional, terapia comportamental. A análise dos sonhos é uma questão antiga na história da humanidade, sendo SONHOS: uma questão de contingências Renata Cristina Rodrigues Alves 1 Resumo: O comportamento de sonhar, para a Análise do Comportamento, está associado a eventos privados cujo acesso se dá através do

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS

INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS 1 INTERPRETAÇÃO DE LÍNGUAS OBJETIVO. 7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. 8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond A ARTE DA COMUNICAÇÃO Maria Thereza Bond 1 Psicologia Gestão de Pessoas Aulas, palestras, livros, coordenação, capacitações, consultorias... 2 Sobre o que vamos falar hoje? Em que vamos pensar? 3 O que

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Jogos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Jogos Neste curso, queremos olhar para redes a partir de duas perspectivas: 1) uma estrutura subjacente dos links de conexão 2) o comportamentos

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Mediação: processo comunicacional não violento

Mediação: processo comunicacional não violento Mediação: processo comunicacional não violento Desde que comecei a escrever nessa coluna, preocupo-me em deixar muito claro do que se trata a mediação. Assim, a mediação é um processo conversacional pacífico,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA. Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA Cipriano Carlos Luckesi 1 Artigo publicado na Revista ABC EDUCATIO, nº 54, março de 2006, páginas 20 e 21. Estamos iniciando um novo ano letivo. Vale a pena olhar um pouco

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise

Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise Impermanência: um trânsito entre o budismo e a psicanálise Ana Rita Nuti Pontes 1 Luciana Marchetti Torrano 2 O conceito de Impermanência Anicca é essencial para a compreensão do budismo. Este conceito

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSINO DA PRÁTICA CLÍNICA EM CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Fabio Thá Psicólogo, psicanalista, doutor em estudos linguísticos pela UFPR, coordenador do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática

Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática Modelos de mudanças comportamentais: da teoria à prática Paula Marques Vidal Hospital São Camilo - Pompéia Modelos de Mudanças Comportamentais Team STEPPS - Christina Felsen CUSP - Linda Greene Positive

Leia mais

A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1

A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1 A teoria de Transformações e àreas de não sonho Transformações autísticas: uma ampliação do paradigma Celia Fix Korbivcher 1 I- Sabemos que o psicanalista em seu trabalho clínico, assim como o arqueólogo

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Daniela Albano 1 ; Larissa Leite 1 ; Antônio José Pereira 2

Daniela Albano 1 ; Larissa Leite 1 ; Antônio José Pereira 2 A CONTRIBUIÇÃO DO USO CONSCIENTE DOS MOVIMENTOS OCULARES LATERAIS PARA A MELHORIA DO RENDIMENTO ESCOLAR DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO AO ENSINO PROFISSIONALIZANTE Daniela Albano 1 ; Larissa Leite

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde

O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde O QUE É ECONOMIA VERDE? Sessão de Design Thinking sobre Economia Verde Florianópolis SC Junho/2012 2 SUMÁRIO Resumo do Caso...3 Natureza do Caso e Ambiente Externo...3 Problemas e Oportunidades...4 Diagnóstico:

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2

All rights reserved by Self-Realization Fellowship ÍNDICE. Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 ÍNDICE Prefácio... xi Prólogo... xvi Introdução...2 1. A Universalidade, Necessidade e Unidade da Religião...8 O objetivo comum da vida...8 Definição universal de religião...12 O que significa ser religioso...13

Leia mais

Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA

Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA Viver Melhor com Inteligência Emocional: ADMINISTRANDO SEUS SENTIMENTOS COM EFICIÊNCIA Entendendo (de verdade) sobre Inteligência Emocional Muito se fala sobre inteligência emocional, mas pouco se entende

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais