OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Maio a Dezembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Maio a Dezembro de 2014"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA RELATÓRIO QUADRIMESTRAL Maio a Dezembro de 2014

2 Apresentação Este relatório contém a prestação de contas das ações desenvolvidas pelo Observatório Social de Imbituba - OSIMB, durante o período de maio à dezembro de As ações foram desenvolvidas buscando efetivar o Plano de Trabalho, aprovado pelo Conselho de Administração para realização ao longo deste período.

3 1. O OBSERVATÓRIO SOCIAL DO BRASIL HISTÓRICO O Observatório Social do Brasil é fruto do Movimento pela Cidadania Fiscal, criado em Maringá-PR por iniciativa de representantes da sociedade civil organizada que resolveu tomar atitudes para estimular a cidadania e a ética, monitorando a qualidade da aplicação dos recursos públicos, por meio do acompanhamento de licitações e de ações de educação fiscal. Assim, em 2006, foi criado o Observatórios Sociais de Maringá (OSM) cuja atuação na fiscalização das licitações públicas, em pouco mais de 20 meses, levou o município a evitar o desperdício de mais de R$ 9 milhões, fiscalizando apenas 1,5% das licitações. Além da economia direta demonstrada em relatórios e divulgada pela Prefeitura Municipal, o trabalho da OSM criou mecanismos de controle capazes de evitar fraudes ou desvios nos processos licitatórios. Com a constituição do Observatório Social do Brasil (OSB), que nasceu com a missão de estimular as cidades a criarem o seu próprio observatório social dotando-as com uma metodologia capaz de orientar o trabalho local, de maneira padronizada e integrada em Rede, à experiência e o modelo de Maringá, aplaudido em todas as sua apresentações e suscitando o interesse de inúmeros município brasileiros, puderam ser replicados.

4 2. O QUE É UM OBSERVATÓRIO SOCIAL? É um espaço para o exercício da cidadania, que dever ser democrático e apartidário e reunir o maior número possível de entidades representativas da sociedade civil com objetivo de contribuir para a melhoria da gestão pública.

5 3. COMO FUNCIONA E COMO ATUA? Atuando como pessoa jurídica, em forma de associação, realiza um trabalho técnico e preventivo de controle social, fazendo uso de metodologias para o monitoramento da gestão dos gastos públicos dos poderes executivo e legislativo municipal. GESTÃO PÚBLICA Licitações Cargos em Comissão Convênios Obras Processos Estoques EDUCAÇÃO FISCAL Concurso de Redação Concurso de Monografia Festival de Música Feirão do Imposto TRANSPARÊNCIA Indicadores sociais locais Capacitação dos Conselhos Emissão de selo para os OS AMBIENTE DE NEGÓCIOS Capacitação das Micro e Pequenas Empresas para participarem das licitações Divulgação das licitações Cadastro gratuito para empresas

6 4. RESULTADOS DA ATUAÇÃO DOS OBSERVATÓRIOS SOCIAIS? São mais de voluntários trabalhando pela causa da justiça social nos Observatórios Sociais pelo Brasil afora. Estima-se que a cada ano, com a contribuição desses voluntários há uma economia de mais de R$ 300 milhões para os cofres municipais. O mais importante não são os números e sim a nova cultura que está se formando com a participação do cidadão de olho no dinheiro público.

7 5. O OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA Uma ferramenta da sociedade para a transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos. HISTÓRICO - A iniciativa de criação do OSIMB partiu de um grupo de pessoas que sonhava por transformações sociais através de mecanismos de controle social que possibilitasse a transparência e o monitoramento dos gastos públicos no município de Imbituba. A partir do 1º semestre de 2012, com o engajamento incondicional do Rotary Clube de Imbituba ao pequeno grupo, a idéia tomou corpo e aos poucos foi se estendendo e angariando novos parceiros tais como: Associação Empresarial de Imbituba, Câmara de Dirigentes Lojístas, OAB, e Associações de Moradores. Após algumas reuniões apoiadas pelos Observatórios Sociais de Brusque, Itajaí, e palestra promovida pelo OSB, criou-se uma Comissão Coordenadora para Implantação do OSIMB, que em apenas quatro meses de trabalho, obedecendo rigorosamente o seu Manual de Implantação o grupo atingiu seu objetivo fundar o Observatório Social de Imbituba, celebrando assim, um importante marco para a história do município. No dia 05 de junho de 2013, nas dependências da sede da OAB de Imbituba, uma das instituições apoiadoras da iniciativa, juntamente com significativa participação da comunidade local que representava os mais diversos setores da indústria e do comércio, prestadores de serviços, associações de moradores e clubes de serviço, realizou-se a Assembléia de Constituição do Observatório Social de Imbituba - OSIMB.

8 5. O OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA A Assembléia foi presidida pelo Sr Jonas Tadeu Nunes Diretor Executivo do Observatório Social de Itajaí-SC que no ato representava o Observatório Social do Brasil. Na mesma assembléia foi apresentado e aprovado o Estatuto Social, eleito o Conselho de Administração e o Conselho Fiscal. No dia 19 de julho de 2013, realizou-se os registros oficiais da entidade (estatuto, ata de fundação e posse da 1ª diretoria). Em data de 22 de outubro, através da colaboração de um empresário local conquistamos o espaço físico necessário para a instalação do Escritório Executivo do Observatório, possibilitando receber apoio de diversas outras pessoas, entidades privadas e públicas, que doaram os equipamentos e o mobiliário necessário ao seu funcionamento. Em 23 de setembro de 2013 foi celebrado Convênio de Cooperação com o Ministério Público de SC, e em 27 de março de 2014 foi celebrado Convênio com o Tribunal de Contas e com a Ordem dos Advogados do Brasil em SC. Todos objetivando fornecer apoio técnico as atividades dos observatórios sociais instalados no Estado. Em data de 16 de dezembro de 2013 deu-se início as análises e ao monitoramento presencial dos certames licitatórios. E, face as análises do OSIMB apoiadas pelo Ministério Público e TCE de SC, os dois primeiros editais foram impugnados devido a constatação de diversas irregularidades. Em 22 de janeiro de 2014, começamos a utilizar o SIM (Sistema Informatizado de Monitoramento das licitações).

9 CARGO Presidente do Conselho 5.1. CONSELHO DE ADMISTRAÇÃO e CONSELHO FISCAL DO OSIMB. Eleito para o Período de 05/06/2013 a 05/06/2015 NOME Jari Dalbosco V. Presidente p/ Assuntos Administrativo e Financeiro Ilsomar Nunes Francisco V. Presidente p/ Assuntos Institucional e de Alianças Valdeci Borges Benedet V. Presidente p/ Assuntos de Produção e Metodologias Edson Souza V. Presidente p/ Assuntos de Controle Social Ronaldo Medeiros Ferreira Conselheiro Fiscal - 1º Membro Titular Conselheiro Fiscal - 2º Membro Titular Conselheiro Fiscal - 3º Membro Titular Conselheiro Fiscal - 1º Membro Suplente Conselheiro Fiscal - 2º Membro Suplente Conselheiro Fiscal - 3º Membro Suplente Miriam Rita da Silva Olavo Pacheco S. Sobrinho Tadeu Brasiliense Juliana Ribeiro Arantes Nathalia de Azevedo Dias Fred Hesse

10 5.2. PERFIL DO OBSERVATÓRIO SOCIAL DE IMBITUBA TEMPO DE ATUAÇÃO: 18 meses COMPOSIÇÃO DIRETIVA ELEITA: Conselho de Administração: 01 Presidente e 04 Vice-Presidentes Conselho Fiscal: 03 Conselheiros Titulares e 03 Suplentes ESTRUTURA EXECUTIVA: Física - Escritório Executivo instalado Pessoal Em fase de estudos pelo Conselho de Administração MÉDIA RECEITA: R$ 320,00 (de maio à dezembro de 2014) PROGRAMAS QUE EXECUTA: 1. Qualidade na Aplicação dos Recursos Públicos do Executivo; 2. Monitoramento do Legislativo; 3. Prestação de Contas Quadrimestral; 4. Dinamizando a cidadania fiscal; SUB-PROGRAMAS QUE EXECUTA 1.1. Acompanhamento das licitações Municipais do Executivo 4.1. Seminário, Palestras sobre Cidadania e Educação Fiscal;

11 O OSIMB integra a Rede dos Observatórios Sociais ligados ao Observatório Social do Brasil. Atualmente são 95 Observatórios Sociais distribuídos por 18 diferentes estados brasileiros. Santa Catarina é o 2º estado com maior número de Observatórios instalados. (17 OS)

12 5.3. Movimento Financeiro do OSIMB (Maio à Dezembro de 2014) Receita R$ 2.560,00 Despesa R$ 660,00 (Tarifa Renov. Cadastr/Integ. UNICRED) Saldo R$ 1.900,00

13 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Análise da Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 Processo OBJETO DO CONTRATO/CONVÊNIO ENTIDADE CONVENIADA Valor - R$ 1492/2014/PMI Realização do Carnaval de Rua de Imbituba Liga das Escolas de Samba de Imbituba - LESI , /2014/PMI Realização do Carnaval de Rua de Imbituba Liga das Escolas de Samba de Imbituba - LESI , /2014/PMI Realização do Carnaval de Rua de Imbituba Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI , /2014/PMI Implementação de Infraestrutura Av. João Rimsa Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI , /2014/PMI Cobertura de Despesas da Entidade Assoc. Cult. Carnavalesca Mariscão da Zimba 2.000, /2014/PMI Abertura do Carnaval de Imbituba (Baile Municipal) Imbituba Atlético Clube - IAC , /2014/PMI Implementação de Infraestrutura no Parque Municipal de Eventos Associação Empresarial de Imbituba - ACIM , /2014/PMI Cobrir despesas do Carnaval de Rua (Sonorização) Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI ,00 Total ,00 FONTES: - Portal da Transparência do Site da Prefeitura Municipal de Imbituba / Portal da Transparência do TCE/SC - Portal da Transparência da Câmara de Vereadores de Imbituba / Diário Oficial dos Municípios DOM - Diretoria de Projetos e Estratégias da PMI

14 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 Processo/Valor 1492/2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ 2.000, /2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ , /2014/PMI R$ ,00 Total R$ ,00 OBJETO DO CONTRATO/ ENTIDADE CONVENIADA - Realização do Carnaval de Rua de Imbituba - Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI - Realização do Carnaval de Rua de Imbituba - Liga das Escolas de Samba de Imbituba - LESI - Realização do Carnaval de Rua de Imbituba - Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI - Implementação de Infraestrutura Av. João Rimsa - Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI - Cobertura de Despesas da Entidade - Assoc. Cult. Carnavalesca Mariscão da Zimba - Abertura do Carnaval de Imbituba (Baile Municipal) - Imbituba Atlético Clube IAC - Implementação de Infraestrutura no Parque Municipal de Eventos - Associação Empresarial de Imbituba ACIM - Cobrir despesas do Carnaval de Rua (Sonorização) - Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI Resultado da Análise do OSIMB Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC Apresentou indício s de irregularidades de acordo com Instrução Normativa 14/2012 do TCE/SC

15 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 1492/2014/PMI - VALOR: R$ ,68 OBJETO DO CONTRATO: Realização do Carnaval de Rua de Imbituba ENTIDADE CONVENIADA: Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1- Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2- Não constam em nenhuma das notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3- Nota Fiscal Eletrônica em Duplicidade quanto a número e série (NF-e nº 351/ Série 1); 4- Cheque nº Banco do Brasil, valor de R$ ,00, emitido e descontado com data anterior à emissão da nota de despesa; 5- Cheque nº do Banco do Brasil, no valor de R$ 5.488,89, emitido e descontado com data anterior à emissão da nota de despesa; 6- Notas fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam descrições genéricas; 7- Coincidências de valores nas notas fiscais e respectivos cheques emitidos, mesmo sendo aquisições de serviços e produtos dos mais variados. Exemplo: 6 x R$ 3.659,23; 6 x 5.488,89); 8- Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços; 9- Identificada Adulteração/falsificação nos valores das notas fiscais, bem como o seu conteúdo registrado na Fazenda Estadual e Fazenda Municipal: - A Nota Fiscal Nº 351 no valor de R$ 3.659,23 emitida pela empresa fornecedora difere da registrada na Fazenda Estadual com valor de R$ 200,00; - A nota fiscal Nº 984 no valor de R$ 3.659,23 emitida pela empresa fornecedora difere da registrada na Fazenda Estadual com valor de R$ 12,65; -A nota fisca Nº 9819 no valor de R$ 3.659,23 emitida pela empresa fornecedoram difere da registrada na Fazenda Estadual com valor de R$ 738,15. -Tal diferença revela que houve repasse indevido de R$ ,89 a entidade.

16 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 14753/2014/PMI - VALOR: R$ ,68 OBJETO DO CONTRATO: Realização do Carnaval de Rua de Imbituba ENTIDADE CONVENIADA: Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1- Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2- Não constam nas notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3- Nota Fiscal Eletrônica em Duplicidade, quanto a número e série (NF-e nº / Série 1); 4- Nota Fiscal Eletrônica em Duplicidade, quanto a número e série (NF-e nº 351/ Série 1); 5-Notas Fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam descrições genéricas; 6- Coincidências de valores nas notas fiscais e respectivos cheques emitidos, mesmo sendo aquisições de serviços e produtos dos mais variados. (Exemplo: 3 x 5.488,89) 7- Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços 8- Identificada adulteração/falsificação nos valores das notas fiscais bem como o seu conteúdo, que está registrado na Fazenda Estadual e Fazenda Municipal: -A nota fiscal Nº 9626 no valor de R$ 5.580,00 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual com valor de R$ 453,00; - A nota fiscal Nº 31 no valor de R$ 3.550,31 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual com valor de R$ 70,31; - A nota fiscal Nº 351 no valor de R$ 200,00 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual com valor de R$ 1.848,00. Tal diferença revela que houve repasse indevido de R$ ,00 a entidade.

17 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 4587/2014/PMI - VALOR: R$ ,64 OBJETO DO CONTRATO: Realização do Carnaval de Rua de Imbituba ENTIDADE CONVENIADA: Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. Não constam nas notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3. Cheque nº do Banco do Brasil, no valor de R$ ,67, foi emitido e descontado com data anterior à emissão da nota de serviço nº 20105; 4. Notas Fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam descrições genéricas; 5. Coincidências dos valores das notas fiscais e respectivos cheques emitidos, mesmo sendo aquisições de serviços e produtos dos mais variados. (Exemplo: 3 x 5.488,89) 6. Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços; 7. Identificada adulteração/falsificação nos valores das notas fiscais bem como o seu conteúdo, que está registrado na Fazenda Estadual e Fazenda Municipal:. - A nota fiscal Nº 25 no valor de R$ 4.550,00 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual no valor de R$ 1.607,00. - A nota fiscal Nº 31 no valor de R$ 1.927,07 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual no valor de R$ 70,31; - A nota fiscal Nº 1071 no valor de R$ 4.500,00 emitida pela empresa fornecedora difere do registrado na Fazenda Estadual no valor de R$ 350,00; Tal diferença revela que houve repasse indevido de R$ 8.949,76 a entidade.

18 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 4562/2014/PMI - VALOR: R$ ,00 OBJETO DO CONTRATO: Implementação de Infraestrutura Av. João Rimsa ENTIDADE CONVENIADA: Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. Não constam nas notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3. Membro da diretoria da entidade conveniada, como prestador de serviço de contratação apoio de segurança para o desfile na avenida de acordo com a Nota Fiscal de Serviço nº com data de emissão de 17/03/2014; 4. Cheque nº do Bco Brasil, no valor de R$ 2.025,00 emitido a integrante da diretoria da entidade conveniada, na qualidade de prestador de serviço e com data de 11/03/2014 (anterior a data da emissão da nota de despesa); 5. As notas fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam descrições genéricas; 6. Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços; 7. Identificada adulteração/falsificação de Nota Fiscal de Serviço eletrônica sem Autenticidade e há indícios que deveriam ser de Notas Fiscais de vendas de Produtos e não de Prestação de Serviços: - A nota fiscal Nº 693 emitida pela empresa fornecedora, apesar de não apresentar aparente irregularidade, constata-se a falsificação grosseira da data de emissão, que foi antecipada em relação a original registrada no Sistema BETHA, essa mesma falsificação pode ser constatada também na nota de N A nota fiscal Nº 694 emitida pela empresa fornecedora, no valor de R$ 3.000,00, nota inexistente no sistema BETHA, e ainda tratar-se de uma falsificação grosseira da Nfe N 693, pois tem o mesmo Código de verificação, além das datas de emissão falsificadas, e o seu conteúdo alterado. Tal diferença revela que houve repasse indevido no valor de R$ 3.000,00 a entidade conveniada.

19 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 4694/2014/PMI - VALOR: R$ 2.000,00 OBJETO DO CONTRATO: Cobertura de Despesas da Entidade ENTIDADE CONVENIADA: Assoc. Cult. Carnavalesca Mariscão da Zimba INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. Não consta na nota fiscal o devido Atestado de Recebimento; 3. Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços, caso houvesse.

20 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 6752/2014/PMI - VALOR: R$ ,00 OBJETO DO CONTRATO:Abertura do Carnaval de Imbituba (Baile Municipal) ENTIDADE CONVENIADA: Imbituba Atlético Clube IAC INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. Não constam nas notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3. O cheque nº do Banco do Brasil, no valor de R$ 2.950,00 é emitido a empresa fornecedora com data de 11/03/2014, portanto anterior a data da emissão da nota de despesa NF-e nº 672, com data de 12/03/2014; 4. O cheque nº do Banco do Brasil, no valor de R$ 4.250,00 é emitido a empresa fornecedora com data de 11/03/2014, portanto anterior a data da emissão da nota de despesa NF-e nº 671, com data de 12/03/2014; 5. A Nota Fiscal de Serviço nº apresentada pela empresa fornecedora no valor de R$ ,00, está em desacordo com a legislação do município de origem (Decreto SG/nº 127/12, de 14 de fevereiro de 2012, Decreto Nº 026, de 19 de janeiro de 2012, e a Lei nº 5.077, de 15 dez 2011). (Fonte: Prefeitura Municipal de Criciúma Diretoria de Fiscalização Tributária). A mesma nota fiscal de serviço acima citada não apresenta nem sequer a data de emissão, embora o cheque de pagamento tenha sido emitido em 04/03/ Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços.

21 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: 1448/2014/PMI - VALOR: R$ ,00 OBJETO DO CONTRATO: Implementação de Infraestrutura no Parque Municipal de Eventos ENTIDADE CONVENIADA: Associação Empresarial de Imbituba ACIM INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. A prestação de contas não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. As notas fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam descrições genéricas, não especificando as horas técnicas de todos os profissionais envolvidos. 3. Na Nota fiscal Nº 240, o imposto foi recolhido na origem ( Lages) e não no destino da execução do serviço, (Imbituba); 4. Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços. Nota: A Associação Empresarial de Imbituba ACIM em data de 12/12/2014, enviou ao OSIMB, cópia do Of nº 117 e documentos anexos endereçados a PMI, nos quais formalizam suas explicações e justificativas objetivando esclarecer todos os indícios de irregularidades identificadas na Análise.

22 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Resultados das Análises das Prestações de Contas do Carnaval Imbituba 2014 PROCESSO/PROTOCOLO: /PMI - VALOR: R$ ,00 OBJETO DO CONTRATO: Cobrir despesas do Carnaval de Rua (Sonorização) ENTIDADE CONVENIADA: Liga das Escolas de Samba de Imbituba LESI INDÍCIOS DE IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NA PRESTAÇÃO DE CONTA: 1. Não apresenta Pronunciamento da Autoridade Administrativa e o respectivo Parecer do Controle Interno; 2. Não constam nas notas fiscais os devidos Atestados de Recebimento; 3. Notas fiscais, referentes a contratação de serviços, apresentam apenas descrições genéricas. 4. A Nota Fiscal nº , no valor de R$ 1.000,00, da empresa fornecedora de serviço, descreve como serviço: sonorização da Avenida Carnaval 2014, sendo que na página seguinte, sem numeração, surge a emissão de um cheque de nº do Banco do Brasil, com data de 08/07/2014, nominal a membro da diretoria da entidade conveniada, levando a supor que tenha relação com o serviço prestado pela empresa citada; 5. Ausência da documentação de recolhimento de todos os Tributos das notas fiscais de produtos e de serviços.

23 5.4. Qualidade na aplicação dos Recursos Públicos do Executivo Projetos de lei enviados pelo Executivo ao Legislativo e bloqueados por intervenção OSIMB e Ministério Público. Projeto de Lei OBJETO ENTIDADE Valor - R$ 4.645/2014 Realização do Carnaval 2015 de Imbituba Associação Carnavalesca Bloco de Sujos do Sete - ACABLOSETE , /2014 Realização do Carnaval 2015 de Imbituba Grêmio Recreativo Cultural e Social Escola de Samba Divinéia 4.647/2014 Realização do Carnaval 2015 de Imbituba Lar Assistencial e Associação de Amigos do Vai Quem Pode 4.648/2014 Realização do Carnaval 2015 de Imbituba Grêmio Recreativo Escola de Samba Vila Nova , , ,00 Total ,00 OBSERVAÇÃO: Os projetos acima conflitavam com a Portaria PMI/SEFAZ Nº 04, de 21/09/2014.

24 5.5. PERFIL DO MUNICÍPIO - População: (estimativa IBGE 2013) Eleitores: (TRE-SC/2012) - Área: Km2 (IBGE/2010) - IDH: (PNUD/2013) - PIB: R$ ,00 (IBGE/2011) - Coeficiente FPM: 1.8 (Fonte TCU/2014) - Índice ICMS: (Fonte SEF de SC / IDMS: 0,670 (Fonte FECAN/2014) - Nº de Docentes no Ensino Fundamental Nº de Docentes no Ensino Pré-escolar 58 - Nº de Escolas de Ensino Fundamental 10 - Nº de Escolas do Pré-escolar 20 - Nº de Matriculas no Ensino Fundamental Nº de Matrículas no Ensino Pré-escolar Leitos para internação em Estabelecimentos de Saúde 75 leitos - Estabelecimentos de Saúde Municipal 30 estabelecimentos - Estabelecimentos de Saúde SUS 38 estabelecimentos - Nº de Empresas atuantes Unidades (IBGE, Cadastro Central de Empresas 2011) - Pessoal Ocupado Assalariado Pessoas - Salário médio mensal - 2,4 Salários mínimo - Orçamento do Município para 2014: R$ ,00 - Nº de Servidores do Executivo servidores (nº aproximado) - Nº de servidores do Legislativo 46 servidores (13 vereadores e 33 funcionários) Fonte: IBGE, PNUD, TCE/SC, INEP (Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - Censo Educacional 2012 e Secretaria Municipal da Fazenda de Imbituba.

25 PMI - Audiência Pública Metas Fiscais º Quadrimestre Principais Receitas 1º Qd º Qd.2013 Dif. 1º Qd.2014 Dif. IPTU , ,44-18,78% ,74 66,15% ISS , ,21-7,36% ,71 18,87% FPM , ,91 3,54% ,97 12,25% ICMS , ,42 4,74% ,05 10,09% IPVA , ,50 13,31% ,49 16,18% Dív. At , ,49 36,77% ,36 80,16% Resumo: Receita Arrecadada R$ ,17 Despesa Empenhada R$ ,75 Despesa Liquidada R$ ,87 Situação Financeira em 30/04/2014 R$ ,47 Fonte: Secretaria da Fazenda - PMI (Audiência Pública)

26 PMI - Audiência Pública Metas Fiscais º Quadrimestre Principais Receitas 2º Qd º Qd.2013 Dif. 2º Qd.2014 Dif. IPTU , ,62 9,71% ,30 53,93% ISS , ,61 2,84% ,00 54,48% FPM , ,95 6,75% ,92 7,96% ICMS , ,10 2,61% ,69 9,24% IPVA , ,93 13,03% ,04 16,32% Dív. At , ,37 43,53% ,22 63,84% Resumo: Receita Arrecadada R$ ,96 Despesa Empenhada R$ ,75 Despesa Liquidada R$ ,53 Situação Financeira em 31/08/2014 R$ ,47 Fonte: Secretaria da Fazenda - PMI (Audiência Pública)

27 PMI - Audiência Pública Metas Fiscais º Quadrimestre Principais Receitas 3º Qd º Qd.2013 Dif. 3º Qd.2014 Dif. IPTU , ,72 20,44% ,38 45,11% ISS , ,47 8,05% ,80 49,82% FPM , ,74 7,25% ,03 7,18% ICMS , ,60 1,44% ,00 21,77% IPVA , ,47 9,65% ,68 14,65% Dív. At , ,45 35,98% ,11 47,46% Resumo: Receita Arrecadada R$ ,22 Despesa Empenhada (Incluso Superávit) R$ ,01 Despesa Liquidada R$ ,24 Situação Financeira em 31/12/2014 R$ ,48 Fonte: Secretaria da Fazenda - PMI (Audiência Pública)

28 Descrição RECEITAS Previsão até o 3º Quadrimestre % Arrecadado até o 3º Trimestre RECEITAS CORRENTES ,00 86,86% ,39 97,38% Receita Tributária ,00 17,70% ,93 25,10% Receitas de Contribuições ,00 1,82% ,93 1,98% Receita Patrimonial ,00 0,39% ,17 0,84% Receita de Serviços ,00 10,05% ,82 7,27% Transferências Correntes ,00 62,67% ,61 63,75% Outras Receitas Correntes ,00 2,41% ,45 6,08% Receitas Intraorçamentárias - 0,00% ,38 0,16% (-) Deduções RC (Fundeb/Rest) , ,90 RECEITAS DE CAPITAL ,00 13,14% ,83 2,62% Operações de Crédito ,00 1,00% - 0,00% Alienação de Bens ,00 0,09% ,50 0,49% Transferências de Capital ,00 12,05% ,33 2,13% TOTAL ,00 100,00% ,22 100,00% Fonte: PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA Secretaria da Fazenda %

29 Descrição DESPESA Previsão Atualizada Empenho - Até o 3º Quadrimestre Pago Até o 3º Quadrimestre DESPESAS CORRENTES , , ,23 Pessoal e Encargos Sociais , , ,56 Juros e Encargos da Dívida , , ,23 Outras Despesas Correntes , , ,44 DESPESAS DE CAPITAL , , ,01 Investimentos , , ,32 Amortização da Dívida , , ,69 RESERVA DE CONTIGÊNCIA , TOTAL , , ,24 Fonte: PREFEITURA MUNICIPAL DE IMBITUBA Secretaria da Fazenda

30 5.6. Acompanhamento dos editais de licitação do Executivo - Maio à Dezembro de Procedimento Licitatório Quantidade Valor Previsto em Reais Valor Homologado em Reais Carta Convite , ,16 Tomada de Preços , ,38 Pregão Presencial , ,47 Inexigibilidade de Licitação 01 0,00 0,00 Dispensa de Licitação , ,14 TOTAL , ,05 DIFERENÇA ,29

31 5.6.0 Acompanhamento dos editais de licitação do Executivo - Maio à Dezembro de Licitações Revogadas Quantidade Pregão Presencial 04 Concorrência 06 Licitações em Aberto Quantidade Pregão Presencial 02 Concorrência 01 Licitações que não apresentam valores homologados Quantidade Pregão Presencial 18

Transparência e Controle Social Pela eficiência e qualidade na aplicação dos recursos públicos

Transparência e Controle Social Pela eficiência e qualidade na aplicação dos recursos públicos Transparência e Controle Social Pela eficiência e qualidade na aplicação dos recursos públicos O que é um Observatório Social Que reúne o maior nº de entidades representativas da sociedade civil Atuando

Leia mais

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA n 01, de 02 de janeiro de 2010, atualizada em 01 de dezembro de 2012. Toda ação da sociedade em relação à transparência

Leia mais

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos!

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos! Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos! PERFIL Tempo de Atuação Estrutura da Equipe PERFIL DO OBSERVATÓRIO SOCIAL 3 anos Receita do OS 1º Quadrimestre 2014 R$ 14.135,00 Despesas

Leia mais

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS)

COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) COMO INICIAR UM OS FLUXO PARA A IMPLANTAÇÃO DE UM OBSERVATÓRIO SOCIAL (OS) 1 A seguir apresentamos o fluxo para a Implantação de um Observatório Social(OS), dentro do Sistema de Franquia Social da Rede

Leia mais

CERTIFICADO DE FILIAÇÃO

CERTIFICADO DE FILIAÇÃO CERTIFICADO DE FILIAÇÃO Processo de Certificação do Observatório Social 1 É papel do OSB zelar pela marca Observatório Social. Assim, o OSB conduz anualmente um processo de certificação das organizações

Leia mais

Observatório Social de Campo Grande. osbrasil.org.br

Observatório Social de Campo Grande. osbrasil.org.br Observatório Social de Campo Grande ÁREA LIVRE DE CORRUPÇÃO O MENINO E A BOLA http://www.youtube.com/watch?v=7ugkofbau Oc Fundado em 02 de Junho de 2011, o Observatório Social de Campo Grande, mesmo sabendo

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

Observatório Social de Campo Grande. osbrasil.org.br

Observatório Social de Campo Grande. osbrasil.org.br Observatório Social de Campo Grande ÁREA LIVRE DE CORRUPÇÃO O MENINO E A BOLA http://www.youtube.com/watch?v=7ugkofbau Oc Fundado em 02 de Junho de 2011, o Observatório Social de Campo Grande, mesmo sabendo

Leia mais

Transparência e Controle Social Pela qualidade na aplicação dos recursos públicos

Transparência e Controle Social Pela qualidade na aplicação dos recursos públicos Transparência e Controle Social Pela qualidade na aplicação dos recursos públicos O que é um Observatório Social Rede OSB de Controle Social Rede OSB pelo Brasil Roraima Pará Piauí Tocantins Rondônia Goiás

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Rede OSB pelo Brasil Roraima Pará Piauí Tocantins Rondônia Goiás Mato Grosso D.Federal Minas Gerais Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas

Leia mais

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB

Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB Encontros Estaduais/Regionais_2015 Pautas nacionais do OSB 4 eixos de atuação da Rede OSB Licitações Cargos em Comissão Convênios Obras Processos Estoques Câmara Municipal 1- Gestão Pública 2- Educação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ESTADO: GOIÁS COORDENADOR: HENRIQUE RICARDO BATISTA PERÍODO DO RELATÓRIO: Ano de 20 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES DO PVCC ATIVIDADE DATA N o DE HORAS LOCAL (Município) OBJETIVO N o PART RESULTADO/

Leia mais

Relatório das atividades desenvolvidas pelo Observatório Social de Ilha Solteira no ano de 2011. 2011. Foto: http://www.ilhasolteira.

Relatório das atividades desenvolvidas pelo Observatório Social de Ilha Solteira no ano de 2011. 2011. Foto: http://www.ilhasolteira. NOSSOS PARCEIROS Associação Comercial e Empresarial de Ilha Solteira - ACEIS Associação dos Moradores Amigos de Ilha Solteira - AMAIS Loja Maçônica Estrela de Ilha Solteira Loja Maçônica Luz e Trabalho

Leia mais

http://www.observatoriosocialdobrasil.org.br/irati/

http://www.observatoriosocialdobrasil.org.br/irati/ http://www.observatoriosocialdobrasil.org.br/irati/ 2º RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MAIO A AGOSTO DE 2014 IRATI, PR SETEMBRO DE 2014 Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

Sociedade: Um mecanismo de controle dos gastos públicos Prestação de Contas 3º Quadrimestre 2014

Sociedade: Um mecanismo de controle dos gastos públicos Prestação de Contas 3º Quadrimestre 2014 Sociedade: Um mecanismo de controle dos gastos públicos Prestação de Contas 3º Quadrimestre 2014 O que é? OBSERVATÓRIO SOCIAL É um espaço para o exercício da cidadania, que deve ser democrático e apartidário

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO - CGU-REGIONAL/MT MATRIZ DE PLANEJAMENTO - CONTRATOS EM GERAL E TERCEIRIZADOS 1. GERAL - O contrato contém todas as cláusulas essenciais e necessárias, define com precisão

Leia mais

Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas. Setembro à Dezembro de. osbrasil.org.br

Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas. Setembro à Dezembro de. osbrasil.org.br Relatório Quadrimestral de Prestação de Contas Setembro à Dezembro de 2014 ESCLARECIMENTO Primeiramente esclarecemos aos presentes que as informações que aqui serão apresentadas foram obtidas nos sites

Leia mais

OBSERVATÓRIO SOCIAL DE BLUMENAU

OBSERVATÓRIO SOCIAL DE BLUMENAU Rua Ingo Hering 20 8º andar Neumarkt Trade & financial Center 89.010-909 Blumenau SC Fone 47 3326 1230 osblu@acib.net www.acib.net/osblu OBSERVATÓRIO SOCIAL DE BLUMENAU Regimento Interno CAPÍTULO I DA

Leia mais

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos, 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução

1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução BOA TARDE! 1º Encontro de Capacitação das Controladorias Internas Municipais de Santa Catarina - Florianópolis Introdução Experiência consolidada ao longo de 33 Fiscalizações a partir de Sorteios Públicos;

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013.

GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. I - Órgãos e Entidades Públicas PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. a) Cédula de Identidade do representante; b) Inscrição no CPF do representante; c) Cartão de inscrição do órgão ou entidade pública

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

Com André Luiz Freitas Leite

Com André Luiz Freitas Leite LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE Com André Luiz Freitas Leite 05 e 06 de Novembro de 2014 - Rio de Janeiro - RJ Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE

LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE LEGISLAÇÃO E EXECUÇÃO DE CONVÊNIOS SICONV E OBTV Carga Horária de 16 Horas 27 e 28 de Outubro Cuiabá - MT Apresentação: O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

EDITAL. Art. 2º - As atividades ocorrerão de maio de 2016 a abril de 2017, no turno da tarde, junto ao Observatório Social de Santa Rosa.

EDITAL. Art. 2º - As atividades ocorrerão de maio de 2016 a abril de 2017, no turno da tarde, junto ao Observatório Social de Santa Rosa. EDITAL DIR N o 16/2016 INSCRIÇÃO DE VOLUNTÁRIOS PARA ATUAÇÃO JUNTO AO OBSERVATÓRIO SOCIAL CONVENIADO AS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS/FEMA. O Diretor Geral das Faculdades Integradas Machado de

Leia mais

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas

Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Seminário: O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas Palestra: O controle Interno no Brasil - situação atual e perspectivas futuras. Valdir Agapito Teixeira Secretário

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios 1 A maioria dos Prefeitos e Presidentes de Câmaras de Vereadores não sabe que podem criar o Diário Oficial

Leia mais

Lei orçamentária e sua Execução

Lei orçamentária e sua Execução Lei orçamentária e sua Execução Dos instrumentos relacionados ao ciclo orçamentário, a LOA Lei Orçamentária Anual é de longe a que mais se discute e sem dúvida é sobre ela que se tem mais informação produzida,

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos

EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos EDITAL Nº 019/2015 Chamamento para Inscrição no Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil - Lei 13.019 Aspectos Jurídicos e Práticos 1. OBJETIVO DO CURSO Capacitar os participantes acerca das

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO 2 CARTA DE APRESENTAÇÃO Todos nós idealizamos planos, projetos, mudanças e perspectivas de novas realizações. Para atingirmos esses objetivos precisamos constituir nossas ações com persistência, entusiasmo

Leia mais

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP Define os documentos e modelos de demonstrações contábeis exigidos para prestação de contas finalística das entidades do terceiro setor sujeitas ao velamento

Leia mais

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS Data de Emissão: 28 de agosto de 2012 Coordenador Geral de Contabilidade e Custos da União Francisco Wayne Moreira Coordenadora de Contabilidade da União Bárbara Verônica

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC

Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes. Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Controle do Registro Empresarial Obrigações eletrônicas dos contribuintes Eugênio Vicenzi Secretário da Fazenda Rio do Sul Presidente do CONFAZ-M-SC Novas Diretrizes no Registro Empresarial Lei nº 11.598/07

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

17 Relatório de Auditoria Interna

17 Relatório de Auditoria Interna 17 Relatório de Auditoria Interna RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 001/20xx OBJETO: Verificação do cumprimento das normas de controle interno na execução dos atos administrativos em 20xx, conforme projeto

Leia mais

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO NOS NÍVEIS ESTADUAL E MUNICIPAL

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO NOS NÍVEIS ESTADUAL E MUNICIPAL MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE: a) IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO ,- CEP 45.300-000 - Amargosa - Bahia - CNP J.: 13.252.010/0001-66 ^ RELATÓRIO MENSAL DO CONTROLE INTERNO Em cumprimento ao art. 31, 70 e 74 da C.F., art. 59 da Lei Complementar 101/00, e Resolução n L120/05

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CLASSE CONTÁBIL 1. Apresentação O Programa de Voluntariado da Classe Contábil, componente do plano de metas estratégicas do Conselho

Leia mais

Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG

Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG Conformidade dos Registros de Gestão GENOC/DCOG 1 O que é Conformidade? 2 Motivação 1. Diagnóstico de ausência de documentação suporte nas UGs e ausência de assinaturas nas Notas de Empenho e Ordens Bancárias

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Guanambi - Bahia Poder Executivo Ano VII Nº 1047 10 de Novembro de 2015 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 1008 DE PORTARIAS PORTARIA

Leia mais

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos. osbrasil.org.br

Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos. osbrasil.org.br Pela transparência e qualidade na aplicação dos recursos públicos osbrasil.org.br 2º Relatório Quadrimestral Prestação de Contas (Maio a Agosto de 2015) Pela qualidade e transparência na aplicação dos

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 PREFEITURA DE SÃO JOSÉ SECRETARIA DE FINANÇAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS 13/10/2015 Natalina Ribeiro ORÇAMENTO PÚBLICO O Orçamento Público é um dos principais instrumentos de planejamento das políticas de governo. Histórico do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

Alexandre Pontes Aragão Promotor de Justiça na 3ª Promotoria Auxiliar da Comarca de Maracanaú

Alexandre Pontes Aragão Promotor de Justiça na 3ª Promotoria Auxiliar da Comarca de Maracanaú Alexandre Pontes Aragão Promotor de Justiça na 3ª Promotoria Auxiliar da Comarca de Maracanaú CURSO A COMUNIDADE PELA MORALIDADE N de aulas: 05 (cinco) Período do dia e duração aproximada de cada aula:

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

15 CHECK LIST PARA ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE AUDITORIA

15 CHECK LIST PARA ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE AUDITORIA 15 CHECK LIST PARA ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE AUDITORIA 1 PLANEJAMENTO 1.1 PLANO PLURIANUAL Nº de Legenda: S = Sim; N = Não; e NA = Não se aplica DESCRIÇÃO S N NA 01 O PPA foi elaborado e encaminhado à

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015

O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015 ANO. 2015 ELETRÔNICO - PORTAL DO SERTÃO 1 O Consórcio Publico Portal do Sertão, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. RESOLUÇÃO Nº 001/2015 LOA 2015 EstimaareceitaefixaadespesadoConsórciopúblicodeDesenvolvimento

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO EVENTO O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse, criado e desenvolvido pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão com o objetivo de propiciar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Saúde Costa Oeste do Paraná

Consórcio Intermunicipal de Saúde Costa Oeste do Paraná CHAMAMENTO PÚBLICO 001/2012 EDITAL DE PROCURA DE IMÓVEL PARA LOCAÇÃO INEXIGIBILIDADE 001/2012 O - CISCOPAR, no uso de suas atribuições e de acordo com o disposto no Artigo 24, Inciso X, da Lei 8.666/93

Leia mais

Observatório Social de Apucarana: controle social e fomento para a cidadania

Observatório Social de Apucarana: controle social e fomento para a cidadania Observatório Social de Apucarana: controle social e fomento para a cidadania Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

NOVA RELAÇÃO DE PARCERIA COM O ESTADO: FOMENTO E COLABORAÇÃO Lei 13.019/2014. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

NOVA RELAÇÃO DE PARCERIA COM O ESTADO: FOMENTO E COLABORAÇÃO Lei 13.019/2014. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil NOVA RELAÇÃO DE PARCERIA COM O ESTADO: FOMENTO E COLABORAÇÃO Lei 13.019/2014 Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Agenda Aperfeiçoar o ambiente jurídico e institucional relacionado às

Leia mais

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM - EGEM EDITAL Nº 018/2009 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO CURSO DE QUESTÕES POLÊMICAS SOBRE LICITAÇÃO PÚBLICA E CONTRATO ADMINISTRATIVO 1. OBJETIVO DO CURSO Através da pontuação de diversas questões polêmicas

Leia mais

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO 2 ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INTRODUÇÃO Considerando os prazos fixados em lei para encerramento do exercício e a regulamentação que determina as datas para entrega dos BALANÇOS ORÇAMENTÁRIOS FINANCEIRO E PATRIMONIAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 004, de 02 de setembro de 2013. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓREITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO

AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO AVISO DE CHAMADA PÚBLICA DE APOIO INSTITUCIONAL Nº 01/2015 DO OBJETO Esta Chamada Pública de Apoio Institucional visa à seleção de projetos a serem apoiados pelo CAU/BR na modalidade de Apoio à Assistência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VISCONDE DO RIO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 1092, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2011. - Autoriza a concessão de Subvenções Sociais e dá outras providências. O Povo do Município de Visconde do Rio Branco, Estado de Minas Gerais, através de seus representantes

Leia mais

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor

Padrão de Gestão e Transparência do Terceiro Setor O que é o Padrão de Gestão e Transparência O Padrão de Gestão e Transparência (PGT) é um conjunto de práticas e ações recomendadas para as organizações sem fins lucrativos brasileiras organizadas na forma

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA:

Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 DECRETA: Decreto Nº1601 de 19 de Agosto de 2009 Av. Presidente Vargas, 3.215 Vila Maria INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO ISSQN, A ESCRITURAÇÃO ECONÔMICO- FISCAL E A EMISSÃO DE GUIA DE RECOLHIMENTO POR MEIOS

Leia mais