PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO"

Transcrição

1 PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO O governo federal estabeleceu, em 2011, uma nova modalidade de licitação conhecida como Regime Diferenciado de Contratações RDC. A expectativa do governo com essa medida era conforme manifestado à época em entrevistas e sites oficiais ampliar a eficiência e a competitividade nas contratações públicas, promover a troca de experiências e tecnologia e incentivar a inovação tecnológica. O RDC foi instituído pela Lei nº , de 4 de agosto de 2011, e regulamentado pelo Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011, sendo aplicável exclusivamente às licitações e contratos necessários à realização: dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016; da Copa das Confederações 2013, da Fifa; da Copa do Mundo Fifa 2014; de obras de infraestrutura e de contratação de serviços para os aeroportos das capitais dos Estados da Federação distantes até 350 km (trezentos e cinquenta quilômetros) das cidades sedes dos mundiais, e das ações integrantes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). No ano seguinte, por meio da Lei nº , de 3 de outubro de 2012, o governo federal estendeu o uso do RDC para as licitações e contratos necessários à realização de obras e serviços de engenharia no âmbito dos sistemas públicos de ensino. O novo regime de contratações tem sido, desde então, objeto de minuciosa análise por especialistas e empresários ligados ao universo da construção. Apesar de ser um regime licitatório relativamente novo, o RDC já apresentou algumas distorções preocupantes nos certames onde foi aplicado. Em abril de 2013 um grupo de representantes dos segmentos envolvidos nos serviços de engenharia e obras de infraestrutura (integrantes do Fórum Brasileiro de Custos de Infraestrutura, que reúne órgãos públicos e entidades representativas do setor, entre eles a Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias Aneor e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção - CBIC) consolidou um conjunto de propostas que têm como objetivo aprimorar a citada legislação. Essas propostas foram apresentadas ao Ministério do Planejamento e abrangem aspectos como: orçamento, contratação integrada, acesso a documentos contáveis e julgamento pelo critério de técnica e preço.

2 1. ORÇAMENTO 1.1. Sistemas de Custos e/ou Orçamentos devem oferecer total conhecimento das características que definem as composições unitárias de preços fator fundamental para eventuais relatórios circunstanciados sobre preços Atuação conjunta com setor de Projetos/Gerenciamento para garantir que os projetos já apresentem Termos de Referência com conteúdo consistente que permitam justificar custos acima do SINAPI e SICRO, tranquilizando ação dos gestores públicos. (Item 4) 1.3. Fluxo de Caixa: garantir a inclusão nas Planilhas Orçamentárias de todos os custos referentes a riscos, seguros, garantias, custos financeiros, instalação de canteiros, mobilização, desmobilização e de todas as despesas incidentes sobre Administração Local No caso de Contratação Integrada, o orçamento não pode ser oculto (conhecer o valor disponível para a obra é fator essencial para a solução técnica proposta). E o valor disponível deve ser considerado como Referência (não como limite) podendo ser alterado desde que devidamente justificado Regulamentar a Matriz de Risco dos empreendimentos incluindo nessa Matriz o Seguro pela Inadimplência do Contratante. CONSIDERAÇÕES As composições dos sistemas de custo SICRO e SINAPI, devem trazer as características utilizadas para sua formação. Exemplificando condições e turno de trabalho; se as produtividades adotadas são mínimas, médias ou máximas; tipo de solo; alturas de cortes e aterros e; considerações sobre verticalidade de construções prediais. Essas características permitirão adotar as especificidades de uma obra ou serviço a ser realizado, proporcionando motivações consistentes para elaboração de custos diferentes daqueles contidos nos sistemas SICRO e SINAPI, que lembramos, são referenciais. Além disto, o orçamento estimado pelo órgão para licitação pelo RDC, principalmente pelos Regimes de Preço Global, Empreitada Integral e Contratação Integrada, não deve ser elaborado somente com base no

3 SICRO e/ou SINAPI + o BDI convencional. Estes sistemas foram criados para estimativa de orçamentos de obras licitadas/contratadas pela Lei 8.666/93. No RDC, há de se contingenciar (na planilha ou no BDI) verbas adicionais para Riscos e/ou Eventuais, Custos Financeiros e Seguros e Garantias. Os Custos Financeiros, até então, consideram o período de 30 dias entre os gastos e o efetivo ressarcimento dos serviços. Para uma obra licitada pelo RDC, principalmente pelo Regime de Contratação Integrada, que considera o critério de pagamento em função do cronograma de desembolso, este período deve ser reformulado. Nas contratações onde a previsão do pagamento esteja referenciada a etapas/eventos, deverá ser permitida a medição proporcional da fase e respectivo pagamento, compatível com o efetivamente executado. A parcela referente a Seguros e Garantias constantes nos BDI s até então utilizados se limita ao custo de fiança bancária, normalmente incidente sobre 5% do valor contratual. Este custo deve ser reformulado nas licitações do RDC, em função da incidência desta garantia, cuja exigência tem sido superior a 5%, assim como acrescentar o custo referente à apólice do Seguro de Risco de Engenharia. Os BDI s dos órgãos públicos sempre incluíram baixa parcela de risco nas obras licitadas pela Lei 8666, considerando que as possíveis falhas de quantitativos estimados seriam corrigidas por meio de aditamentos ao contrato. No RDC os aditamentos são restritos e até impedidos para a Contratação Integrada. Com isto, a maioria dos riscos que antes era dos Contratantes foi transferida para as Contratadas. Na Contratação Integrada, o risco para o particular é imenso. É preciso discutir mecanismos para minimizá-los, bem como buscar clara definição das responsabilidades de cada parte, defini-las no instrumento convocatório. É necessário constar nos critérios de pagamento parcelas específicas referentes à administração local, instalação, manutenção e operação do canteiro, mobilização e desmobilização (o TCU já elaborou vários Acórdãos neste sentido). A inexistência destas parcelas prejudica em muito o fluxo de caixa. Exemplificando, a mobilização e a instalação do canteiro que tem seus custos realizados no início da obra teriam suas correspondentes receitas diluídas nos serviços executados ao longo de todo o prazo contratual, causando déficit no caixa do empreendimento.

4 O RDC define critérios para estimativa do orçamento das obras contratadas pelo Regime de Contratação Integrada, com base nos valores praticados no mercado, pagos em obras similares e na avaliação do custo global da obra. Ao adotar os valores praticados no mercado e em obras similares, deve-se acrescer os custos relativos às considerações descritas, pois os valores hoje disponíveis foram obtidos com base no disposto na Lei 8.666/93. Um orçamento torna-se mais confiável quanto maior for o detalhamento dos projetos e conhecimento da obra. Vários estudos técnicos de nível mundial, como os elaborados pelo PMI (Project Management Institute), dentre outros institutos, definem o nível de confiabilidade de um orçamento em relação ao nível de detalhamento e conhecimento do projeto. Isto implica dizer que o orçamento estimado deve ser acrescido em um percentual relativo ao nível de confiabilidade do mesmo, ou permitir uma variação entre o orçamento estimado e os constantes das propostas de preços e seus posteriores lances, quando houver. A AACE (Association for the Advancement of Cost Engineering) apresenta a International Recommended Practice Nº. 18R-97, que avalia a variação de preços de orçamentos a partir da qualidade dos projetos elaborados, considera que mesmo para os projetos definitivos existe uma variação esperada. Para orçamentos elaborados com base em anteprojeto de engenharia essa variação é muito maior e não pode ser desconsiderada. O orçamento estimado oculto não está trazendo benefícios ao contratante. Anteprojetos, como já descrito acima, trazem menor detalhamento do objeto e consequentemente redução da confiabilidade do orçamento estimado. O orçamento sigiloso tem gerado licitações fracassadas, provocando atrasos e insegurança tanto ao contratante quanto aos proponentes. O orçamento publicado permite análise e proposições das empresas interessadas, em data anterior à licitação. Inúmeros casos já foram apontados por licitantes, que motivaram alterações nos orçamentos, sem provocar atrasos ao objetivo final que é a contratação e elaboração do objeto. Vale acrescentar que o TCU tem manifestado em palestras e participações em seminários e reuniões sua discordância quanto ao sigilo dos orçamentos estimados. PROPOSTAS Incluir nos sistemas referenciais de custos, SICRO e SINAPI, as características adotadas para a elaboração dos custos unitários;

5 Constar dos Termos de Referência de Projetos e Anteprojetos a obrigação de demonstrativos das características específicas de obras ou serviços, permitindo melhor adequação dos orçamentos; Adequar os orçamentos de obras com as corretas despesas referentes a seguros, garantias, custos financeiros, instalação, manutenção e operação de canteiro, mobilização, desmobilização e despesas da administração local, assim como compatibilizar as despesas incorridas com seu critério de pagamento; Regulamentar o limite de aceitação de proposta financeira superior ao orçamento estimado; Divulgar nos instrumentos licitatórios os orçamentos de referência; Regulamentar matriz de risco, assim como as responsabilidades do contratante/contratado e a obrigatoriedade de ressarcimento dos prejuízos causados por inadimplência ou atraso de quaisquer das partes envolvidas. 2. CONTRATAÇÃO INTEGRADA 2.1. Prazo mínimo de 90 dias entre abertura da licitação e apresentação das propostas Apresentação de propostas unicamente na forma presencial Critério de abertura das propostas Técnicas preliminarmente às de Preço. CONSIDERAÇÕES Prazo para elaboração da proposta, principalmente no caso de contratação integrada, deve ser de no mínimo 90 dias. E ainda maior para obras mais complexas. É necessário um prazo compatível para se elaborar projetos de boa qualidade, contendo todos os detalhamentos e com quantitativos razoavelmente confiáveis para a orçamentação e execução da obra. A disputa de lances, em função da inversão de fase (definição do preço antes da habilitação), possibilita que empresas que não possuem habilitação realizem lances induzindo no calor da disputa a prática de preços muitas vezes inexequíveis motivado por empresas sem real condição de disputa. A Forma Eletrônica contribui ainda mais para esta situação, além de dificultar a correta aplicação do critério de julgamento por técnica e preço. A Proposta Técnica é classificatória. Sua pontuação deve ser aferida em primeiro lugar, retirando da fase de preços e lances as empresas desclassificadas.

6 A combinação Técnica e Preço visa valorizar a capacidade das empresas aliada aos preços ofertados e assim obter o melhor resultado para a contratação, trazendo maior segurança ao contratante, qualidade e atendimento ao prazo de execução. Não se pode considerar como vantajoso apenas os preços ofertados. Afinal, quando proposto o Critério de Julgamento por Técnica e Preço, o vantajoso para a Administração deve ser apurado por meio de ponderação das notas técnicas e de preço, sempre permitindo a oferta de lances intermediários. PROPOSTA Adotar o prazo mínimo de 90 dias entre divulgação da licitação e recebimento das propostas; Regulamentar a obrigatoriedade da Forma Presencial para licitações sobre o regime de contratação integrada; Na aplicação do critério de julgamento de técnica e preço, classificar as propostas por sua nota final, mesmo na fase de lances, permitindo a oferta de lances intermediários. 3. ACESSO A DOCUMENTOS CONTÁBEIS Definir em que momento, com que abrangência e em quais condições poderão ser feitas consultas à contabilidade das empresas, respeitada a legislação vigente. 4. PAGAMENTO POR EVENTOS O pagamento por eventos é amplamente utilizado na iniciativa privada Os eventos devem representar as etapas mais importantes para efeito de controle executivo e qualitativo, assim como as etapas mais onerosas, incluindo todos os serviços necessários à conclusão do empreendimento. Aqui devemos relembrar a necessidade de eventos específicos para canteiro, mobilização, desmobilização e administração local. As medições mensais dos eventos devem se dar por estimativa, sempre verificando a sua execução acumulada. Os eventos serão medidos e pagos parcialmente, tendo em vista que sua execução ocorre em longo período, às vezes durante todo prazo contratual. O impedimento a esta observação acarretaria elevado custo financeiro, sem acrescentar qualquer benefício ao contratante.

7 A medição por estimativa é fácil e ágil, além de trazer segurança ao contratante e clara visão do avanço executivo do empreendimento. 5. ASSUNTOS QUE TRARIAM MAOIR SEGURANÇA AO PODER PÚBLICO E ÀS EMPRESAS Limites de contratação por empresa estabelecidos a partir de índice de endividamento e de capacidade financeira. CONSIDERAÇÕES Necessidade de se criar um cadastro das empresas, que proporcione ao administrador o conhecimento detalhado da capacidade operacional das empresas, assim como a veracidade dos documentos técnicos cadastrados. Outra vantagem é a possibilidade de controle da capacidade operacional de uma empresa. Isso porque a empresa apresenta a mesma documentação para todas as obras em que concorre. Assim, se ela já venceu e está executando 10 obras, por exemplo, é possível que a sua condição financeira e/ou técnica não permita assumir mais compromissos sem que haja risco para a Administração Pública. PROPOSTA Criar cadastro das empresas com seus acervos técnicos e contratos em execução no órgão; Voltar a exigir nos editais, índices como a DFL Disponibilidade Financeira Líquida e CFA - Capacidade Financeira Anual, largamente utilizadas no passado, que demonstram de forma objetiva a capacidade de uma empresa em assumir novas responsabilidades frente seus contratos já firmados. 6. JULGAMENTO PELO CRITÉRIO DE TÉCNICA E PREÇO A avaliação de propostas por critérios técnicos envolve, inevitavelmente, uma margem de liberdade do julgador. Para preservar a finalidade da licitação julgamento de propostas por critérios objetivos é imprescindível a adoção de mecanismos para controle de julgamento com base nesses critérios para impedir que a avaliação das propostas seja contaminada pela vontade do agente público.

8 Na contratação de obras de engenharia, a adoção de critérios técnicos para classificação de propostas - conjugados com preços - deve ficar restrita às licitações em que seja comportada a apresentação pelas licitantes de soluções técnicas alternativas, exclusivamente para avaliação das soluções diferençadas apresentadas e desde que elas acarretem diferenças de qualidade ou de desempenho do produto final, objetivamente demonstradas.

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO A partir da iniciativa da CBIC e ANEOR em 2009, representantes dos segmentos envolvidos nos serviços de engenharia e obras

Leia mais

Regime Diferenciado de Contratação RDC

Regime Diferenciado de Contratação RDC Regime Diferenciado de Contratação RDC São Paulo SINICESP - Abril de 2013 1 SUMÁRIO 1. Grupo JMalucelli e JMalucelli Seguradora 2. Seguro Garantia - Conceitos básicos O que é o seguro garantia Partes envolvidas

Leia mais

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr

LICITAÇÕES PÚBLICAS. Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos. Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr LICITAÇÕES PÚBLICAS Autoria Engº Sergio Piccinelli Engº Mário Cesar Stamm Jr Da Lei Geral (8.666/93) ao R.D.C Passando pela Locação de Ativos Consultas Bibliográficas Daniel Pinto Gontijo 20/NOVEMBRO/2012

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

ABRAGÊNCIA DO RDC ASPECTOS GERAIS

ABRAGÊNCIA DO RDC ASPECTOS GERAIS 1 ABORDAGENS Aspectos Gerais Licitações No Âmbito Do RDC Objeto Sigilo do Orçamento Aquisição de Bens Regimes de Execução e Orçamentação de Obras Contratação Integrada Remuneração Variável Contratação

Leia mais

O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS O RDC E O FUTURO DAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Michelle Marry M. da Silva Advogada da União Assessora da Subchefia para assuntos jurídicos na Casa Civil Presidência da República Lei n 12.462, de 04 de agosto

Leia mais

CMA - SENADO FEDERAL

CMA - SENADO FEDERAL CMA - SENADO FEDERAL PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS ABR/2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização de Obras Secob/1 André Luiz Mendes ÔNUS DA PROVA A quem cabe demonstrar que

Leia mais

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA A NECESSÁRIA VISÃO PANORÂMICA SOB OS OLHARES DO PÚBLICO E DO PRIVADO Carga horária: 16 horas A - A PREVISÃO CONSTITUCIONAL E A LICITAÇÃO 1. Da supremacia das

Leia mais

RDC Experiência Federal

RDC Experiência Federal RDC Experiência Federal Marcelo Bruto Diretor de Logística Secretaria do Programa de Aceleração do Crescimento Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão RDC abrangência Lei 12.462, de 5 de agosto

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas REGIME DIFERENCIADO CONTR

Semana de Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e de Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas REGIME DIFERENCIADO CONTR REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC ABOP Slide 1 LEGISLAÇÃO - RDC Lei nº 12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. ABOP Slide 2 1. NOÇÕES Trata-se de um novo

Leia mais

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC APRESENTAÇÃO O Tribunal de Contas da União lançou, recentemente, um guia denominado

Leia mais

Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014

Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014 Porto Alegre (RS), 01, 02 e 03 de setembro de 2014 Prof. Geldes Ronan Passos Inscrições até 22/08/2014 APRESENTAÇÃO O RDC Regime Diferenciado de Contratações Públicas foi instituído no ano de 2011 objetivando

Leia mais

Manutenção do Canteiro de Obras

Manutenção do Canteiro de Obras EPI Sinalização de Obra Manutenção do Canteiro de Obras Medicina do Trabalho OBRIGATÓRIO Apresentar o detalhamento de todos os custos unitários constantes da Planilha de Quantidades. Mobilização e

Leia mais

RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Considerações Iniciais A aquisição de bens ou serviços pelo Estado deve obedecer ao disposto no art. 37, XXI, da Constituição Federal: Art. 37. (...) XXI

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES Do planejamento e julgamento da licitação até a fiscalização dos contratos 31 de março e 1º de abril

Leia mais

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 Ilustríssimo Senhor Dr. IVAN DOMINGUES M.D. Superintendente Nacional de Repasses da CEF Caixa Econômica Federal Brasília DF Prezado senhor, De

Leia mais

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA GERANDO COMPETITIVIDADE ATRAVÉS DO CONHECIMENTO E DA INOVAÇÃO CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA LOCAL: CREA-PB. DIAS: 10, 11 e 12 de Junho de 2015. Quarta das 19h às 22h; Quinta das 08h às 12h

Leia mais

RDC Regime Diferenciado de Contratações

RDC Regime Diferenciado de Contratações RDC Regime Diferenciado de Contratações 1 Copyright 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A reprodução não autorizada desta publicação, no

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 15 NOTA AO LEITOR... 17 PREFÁCIO... 19

SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 15 NOTA AO LEITOR... 17 PREFÁCIO... 19 2 STF00094574 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES........... 15 NOTA AO LEITOR............... 17 PREFÁCIO...... 19 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO - CONTEXTUALIZAÇÃO DE UM REGIME LICITATÓRIO ESPECÍFICO PARA DETERMINADOS

Leia mais

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Resumo Marilia Ferreira de Oliveira Corrêa mariliaf_18@hotmail.com Gerenciamento de Obras,

Leia mais

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas

O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas O regime diferenciado de contratações e suas alterações nas contratações públicas Matheus Rocha Faganello 1 Resumo: Análise do Regime Diferenciado de Contratações como um regime paralelo à atual Lei Geral

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

Regime Diferenciado de Contratações Públicas

Regime Diferenciado de Contratações Públicas MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA Regime Diferenciado de Contratações Públicas RDC Eletrônico Perfil Fornecedor

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS OBJETIVO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS 04 E 05 DE SETEMBRO DE 2013 Curitiba/PR Proporcionar o aprimoramento dos servidores envolvidos diretamente na elaboração de orçamentos de obras e

Leia mais

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo para almoço) CURSO

Leia mais

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Jeferson Alves dos Santos # O que analisar? - Superfaturamento sobrepreço, super quantidade e subqualidade. - O que contratar? = características da obra - Com

Leia mais

a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu

a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu a) Ampliar participação da iniciativa privada nos financiamentos b) Estruturação de garantias: Project Finance stricto sensu c) Seguro garantia de obras e concessões d) Editais de licitação e matriz de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais;

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais; INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010 Estabelece normas, sistematiza e padroniza procedimentos operacionais dos órgãos municipais. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

a) Deve ser obrigatória a exigência da garantia de proposta, limitada a 1% (um por cento) do valor estimado para contratação;

a) Deve ser obrigatória a exigência da garantia de proposta, limitada a 1% (um por cento) do valor estimado para contratação; CONCEITOS A SEREM DEFENDIDOS NA REVISÃO DA LEI DE LICITAÇÕES A Comissão de Obras Públicas da CBIC, visando contribuir com uma eventual proposta de revisão da Lei de Licitações, elaborou o presente trabalho

Leia mais

Organograma Simplificado Reitoria

Organograma Simplificado Reitoria Organograma Simplificado Reitoria REITORIA CHEFIA GABINETE VICE REITORIA SECRETARIA GERAL PROGRAD PROPG PROPES PROEX PROAP PROPLADI PROAD CCNH CMCC CECS PU NTI ACI ARI AUDIN PROCURA- DORIA ProAd 18/09/13

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

MODELO DE EDITAL - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES - PRESENCIAL

MODELO DE EDITAL - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES - PRESENCIAL MODELO DE EDITAL - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES - RDC PRESENCIAL Forma de Execução da Licitação: Modo de Disputa: Regime de Contratação: Critério de julgamento: PRESENCIAL COMBINADO. FECHADO ATÉ

Leia mais

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão

CAPÍTULO I Da fase interna da licitação SEÇÃO I Do edital padrão 1 Fonte: http://www.transportes.gov.br/ Link: legislação Instrução Normativa MT nº 001/2007, de 04/10/2007, publicada no D.O.U em 05/10/2007. Uniformiza os procedimentos e rotinas a serem observados pelo

Leia mais

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015.

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 2015. REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Este documento visa responder às solicitações formuladas

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

Jurisprudências do TCU - 2014

Jurisprudências do TCU - 2014 Jurisprudências do TCU - 2014 Sobre Licitações e Contratos Administrativos Última Atualização Informativo Nº 227 Sessões do Dia 09 e 10/12/2014 Revisão de Preços É juridicamente inadmissível a revisão

Leia mais

Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE

Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE Superintendência Regional do Centro-Leste SRCE Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária 39 anos de tradição. Reúne uma força de trabalho de aproximadamente 36.744 profissionais, entre empregados

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia Matriz de Procedimentos Obras e Serviços de Engenharia Escopo: Dois processos de maior materialidade executados nos anos de 2011 e 2012. Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NÚCLEO PAULUS DE FORMAÇÃO, PESQUISA E DISSEMINAÇÃO SOCIAL Projeto Gestão do Cotidiano 2015 LEI 13.019/14 Transferências voluntárias de Recursos dos entes federados às

Leia mais

II Congressodo PatrimônioPúblicoe Social do MPSP São Paulo/SP 18/08/2011

II Congressodo PatrimônioPúblicoe Social do MPSP São Paulo/SP 18/08/2011 Alan de Oliveira Lopes Polícia Federal - PF Diretoria Técnico-Científica - DITEC Instituto Nacional de Criminalística - INC Serviço de Perícias de Engenharia - SEPEMA II Congressodo PatrimônioPúblicoe

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS Brasília, 13 de Abril de 2010 A construção pesada responde

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM Tipo: MELHOR TÉCNICA E MENOR VALOR POR TONELADA A SER PAGO PELO PODER CONCEDENTE PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO DO PRESENTE EDITAL Processo nº.

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 07/2010 Setor: Obras Públicas (Assessoria Especial de Obras) Período: 26/07/2010 a 13/08/2010 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 4.320/64 - Lei nº. 6.496/77 -

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição,

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição, DECRETO Nº 8.080/2013, DE 20 DE AGOSTO DE 2013 Altera o Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011, que regulamenta o Regime Diferenciado de Contratações Públicas - RDC, de que trata a Lei nº 12.462, de

Leia mais

Check List para Contratação Integrada

Check List para Contratação Integrada SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Administração - PROAD Departamento de Licitações - DPL Avenida Desembargador Vitor Lima, nº 222, 5º andar, Prédio da Reitoria

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/ 13 Contratos Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão Integral do PO Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO Como garan4r um bom detalhamento de custos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Set/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO TÉCNICA E PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO URBANÍSTICO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO 1 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC 044.367/2012-0 Fiscalização 1363/2012 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 2.382/2011 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem :

ESCLARECIMENTOS. Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99. Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : ESCLARECIMENTOS Edital 0742/2008-08 Processo 50608.000170/2008-99 Em resposta a pedido de esclarecimentos segue abaixo na respectiva ordem : 1) Da Habilitação: Entendemos que as empresas participantes

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA. EDITAL RDC n 47/2014-05 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA BAHIA EDITAL RDC n 47/2014-05 5º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1ª Pergunta: Usualmente, os editais do DNIT

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

ELABORAÇÃO DE EDITAIS,

ELABORAÇÃO DE EDITAIS, ELABORAÇÃO DE EDITAIS, TERMOS DE REFERÊNCIA E PROJETOS BÁSICOS Os cuidados necessários no planejamento das licitações O direito de preferência para bens e serviços produzidos no Brasil As regras de sustentabilidade

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA

FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA Luana Roriz Meireles Analista de Finanças e Controle Brasília Novembro/2011 TEMAS A SEREM ABORDADOS 1. Projeto Básico 2. Detalhamento dos Orçamentos

Leia mais

O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS O SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS DESTINADO AO REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Marçal Justen Filho Doutor em Direito (PUC/SP) Sócio de Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Considerações gerais

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS [ ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS "O impacto da desoneração da folha de pagamento na construção civil nos orçamentos" "O uso do Sinapi e de outros sistemas referenciais de custos" "O novo

Leia mais

Diálogo com o TCU. Palestrante: André Pachioni Baeta

Diálogo com o TCU. Palestrante: André Pachioni Baeta Diálogo com o TCU Palestrante: André Pachioni Baeta Questão 1: A realidade que predomina amplamente nas licitações de obras públicas no país envolve uma série de procedimentos, dentre os quais destacamos:

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

DO PRAZO DE EXECUÇÃO E VIGÊNCIA DO CONTRATO

DO PRAZO DE EXECUÇÃO E VIGÊNCIA DO CONTRATO TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NOS SERVIÇOS DE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA A SEREM EXECUTADOS NAS BIBLIOTECAS PARQUES DE MANGUINHOS, ROCINHA, NITERÓI, ESTADUAL

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

A ALLCARE ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, interessada em participar deste processo licitatório, encaminha o seguinte pedido de esclarecimentos.

A ALLCARE ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, interessada em participar deste processo licitatório, encaminha o seguinte pedido de esclarecimentos. PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS ALL CARE BENEFÍCIOS SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS Prezados senhores, A ALLCARE ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, interessada em participar deste processo licitatório, encaminha o

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MUNICÍPIOS - ABM CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS: Art. 1º As contratações de obras, serviços, compras e alienações da Associação Brasileira de

Leia mais

ENIC 2015 COP-COMISSÃO DE OBRAS PÚBLICAS FORMAÇÃO DE PREÇOS NAS OBRAS PÚBLICAS

ENIC 2015 COP-COMISSÃO DE OBRAS PÚBLICAS FORMAÇÃO DE PREÇOS NAS OBRAS PÚBLICAS ENIC 2015 COP-COMISSÃO DE OBRAS PÚBLICAS FORMAÇÃO DE PREÇOS NAS OBRAS PÚBLICAS NOTAS TÉCNICAS EM ANEXOS FBRAC - Fórum Brasileiro de Custos de Infraestrutura SICRO - Histórico - Análises e Proposições Câmara

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo para almoço) Brasília, 16 e

Leia mais

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela?

Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Qual a participação da Engenharia na Incorporação imobiliária da Cyrela? Atuação da Engenharia Cyrela AQUISIÇÃO DO TERRENO INÍCIO DESENVOLVIMENTO DO PRODUTO LANÇAMENTO DO EMPREENDIMENTO INÍCIO DA OBRA

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA

OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA 1) ATUALIZAR LEIS SOBRE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS (RDC E OUTRAS LEIS) A) ENGENHARIA NACIONAL E PROJETOS A.1 Estabelecer critérios diferenciados

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

Tomada de Preços n.º 006/2009

Tomada de Preços n.º 006/2009 Tomada de Preços n.º 006/2009 Procedimento Administrativo n.º 0802/2008 Modalidade: Tomada de Preços Tipo: Menor Preço Julgamento: por item Regime de execução: empreitada por preço global Objeto: Aquisição

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo?

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Jessé Torres Pereira Junior Marinês Restelatto Dotti Palavras chave: Licitações públicas. Regime Diferenciado

Leia mais