APLICAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DAS METODOLOGIAS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA DIVISÃO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO DO INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DAS METODOLOGIAS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA DIVISÃO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO DO INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA"

Transcrição

1 APLICAÇÃO E DISSEMINAÇÃO DAS METODOLOGIAS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA DIVISÃO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO DO INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Janete Cícero, Saul Mizrahi INT, INT, Resumo As instituições de pesquisa governamentais atuam no contexto da pesquisa científica e tecnológica, gerando conhecimento e inovação. As equipes de pesquisa desenvolvem atividades de acordo com demandas apontadas por determinações institucionais as quais estão atreladas às políticas públicas existentes. Além de estruturar projetos no escopo das determinações governamentais, as instituições são alcançadas pelas demandas empresariais que identificam nos instrumentos de parceria, uma excelente fonte de aquisição de conhecimento. Palavras-Chave: Gestão da Tecnologia, Metodologias de Gestão, Engenharia de produção

2 1. Introdução As instituições de pesquisa governamentais atuam no contexto da pesquisa científica e tecnológica, gerando conhecimento e inovação. As equipes de pesquisa desenvolvem atividades de acordo com demandas apontadas por determinações institucionais as quais estão atreladas às políticas públicas existentes. Além de estruturar projetos no escopo das determinações governamentais, as instituições são alcançadas pelas demandas empresariais que identificam nos instrumentos de parceria, uma excelente fonte de aquisição de conhecimento. Através deste artigo, serão apresentados os resultados obtidos por uma equipe de pesquisadores da área de Gestão da Produção do Instituto Nacional de Tecnologia - INT, Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação - MCTI. A partir da utilização de metodologias da Engenharia de Produção, esta equipe consolidou uma competência técnica estabelecida ao longo de 20 anos de prática em projetos de pesquisa. Vale ressaltar a importância da aproximação com o setor produtivo, possibilitando atuação junto ao cenário real como embasamento para a pesquisa e a transferência dos seus resultados. As instituições de pesquisa são reconhecidas como elementos fundamentais no processo de desenvolvimento econômico e social do país. Isto por reter em seus grupos de trabalho, profissionais comprometidos com a tarefa de colaborar na formação de uma estrutura de disseminação e aplicação do conhecimento, gerando inovação. Nesse entendimento, o conhecimento passa a ter um cunho estratégico e a partir dessa visão, evidencia-se o incremento de investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento complementando o conjunto de iniciativas governamentais com o objetivo de promover a inovação (MOTA, 1999). Com o objetivo de retratar uma experiência concreta de atuação vivenciada por um grupo de pesquisadores, serão descritas seis metodologias de utilização na área de Engenharia de Produção do Instituto Nacional de Tecnologia INT. 2. Metodologia Com o objetivo de apresentar a prática desenvolvida pela equipe de Gestão da Produção do INT e identificar a utilização de metodologias de Engenharia de Produção, o início desta pesquisa teve como marco o levantamento sobre o conjunto de projetos ativos. Informações sobre os projetos tais como: pesquisadores, parcerias, produtos gerados e tempo de realização foram identificados a partir de pesquisa documental abrangendo documentos institucionais, consultas ao Sistema de Informações Gerenciais e Tecnológicas SIGTEC como ferramenta gerencial adotada pelo INT e entrevistas com os pesquisadores da área em análise. Como apresentação do cenário no qual foram desenvolvidos os projetos, será apresentado o Instituto, através de um breve histórico. Em seguida, a apresentação da missão e visão institucional tem o objetivo de evidenciar o quanto o Instituto se apresenta como atuante no cenário da pesquisa científica e tecnológica. Para contextualizar a relevância dos resultados obtidos através dos projetos, será elaborado um levantamento sobre a importância da ciência e tecnologia e sua consolidação a partir da aplicação do arcabouço de conhecimento gerado e disseminado no âmbito dos projetos. No tópico que trata sobre aplicação e disseminação das tecnologias de gestão da produção, serão apontadas quais metodologias de Engenharia de Produção foram utilizadas identificando assim a base teórica para a construção de projetos de soluções.

3 3. Sobre ciência, tecnologia e gestão tecnológica revisão conceitual Ao iniciar esta incursão sobre o tema gestão da tecnologia, caberá um conjunto de sucintas referências aos conceitos diretamente correlacionados e que se torna necessário explicitar ao longo deste trabalho. Tais conceitos remetem ao entendimento apresentado através da literatura sobre o significado das palavras ciência e tecnologia, entendimento este que pretende ao longo deste trabalho, direcionar uma análise sobre a atividade de pesquisa científica e tecnológica realizada por uma instituição pública de pesquisa, no caso, Instituto Nacional de Tecnologia. Ao analisar os conceitos envolvidos na atividade de pesquisa em questão, pretende-se contextualizar sua execução e dessa forma colaborar de forma profícua para a melhoria das práticas empreendidas pelos atores envolvidos. Sáenz & Capote (2002), apresentam várias definições para ciência, dentre elas destacam-se: Ciência como consciência social ; Ciência como unidade do sistema de conhecimentos (conceitos, categorias, leis) ; Ciência como atividade dirigida à aquisição de novos conhecimentos ; Ciência como intento organizado que a humanidade realiza para descobrir. Este conjunto de definições permite o entendimento de que a ciência permeia a prática social em vários aspectos não sendo possível sua dissociação deste contexto. A partir das considerações dos autores, cabem algumas referências às citações de Bourdieu (2004), o qual nos apresenta a ciência como sendo um dos objetos de análises com pretensões científicas e a partir desta idéia interpreta como um erro estabelecer uma relação direta com o contexto social. O que o autor propõe refere-se à definição de campo, no caso o campo científico, e neste, considera a atuação dos agentes e instituições que produzem, reproduzem ou difundem a ciência. Considera ainda que segundo esta noção de campo, o que se observa são leis sociais específicas para aquele universo em observação. Estas questões permeiam este trabalho a partir da análise sobre a relevância da produção e disseminação do conhecimento gerado em um instituto de pesquisa científica e tecnológica que apresenta como missão social: Participar do desenvolvimento sustentável do Brasil, por meio da pesquisa tecnológica, da transferência do conhecimento e da promoção da inovação. A análise apresentada por Bourdieu (2004) e disseminada em debate durante uma conferência no INRA (Instituto Nacional da Pesquisa Agronômica - França) retrata um ambiente que permite uma reflexão sobre a utilização do conhecimento científico na sociedade e pela sociedade. O autor argumenta ainda sobre a necessidade da transformação das reflexões coletivas no que ele chama de tomadas de decisões públicas o que no contexto de atuação de uma instituição de pesquisa científica e tecnológica podemos entender como políticas públicas. Avançando neste raciocínio e apontando a aplicação prática da ciência, observa-se no trabalho dos autores Sáenz & Capote (2002), as referências ao termo tecnologia, onde contribuem afirmando que a tecnologia age sobre a ciência e a ciência sobre a tecnologia, tendo a ciência a função diretriz. A tecnologia e sua produção estimulam o desenvolvimento da ciência. Segundo Bazzo et al., (2003), existe uma imagem convencional sobre tecnologia que a traduz como sendo concretizada a partir de artefatos tecnológicos ou produtos industriais. Nesta concepção a tecnologia estaria sempre atrelada às demandas sociais. Os autores apontam ainda a dependência da tecnologia à ciência e o fato de seu caráter material ser

4 expresso através dos produtos gerados e ofertados à sociedade. Concluindo, tecnologia é definida como coleção de sistemas projetados para realizar alguma função. Os autores ainda apresentam uma definição para conhecimento tecnológico, ao referir-se ao conhecimento implícito nas atividades tecnológicas. Sobre este conhecimento, citam cinco tipos: i) Habilidades técnicas, ii) Máximas técnicas, iii) Leis descritivas, iv) Regras tecnológicas, v) Teorias tecnológicas. O entendimento sobre estes cinco tipos de conhecimentos relacionados à tecnologia nos permite uma reflexão sobre a ligação entre ciência e tecnologia, não nos permitindo estagnar em conceitos estanques o que certamente fragilizaria a visão macro sobre o tema. Outro conceito que merece especial atenção refere-se à gestão de projetos ou gerenciamento de projetos, isto por considerar que esta análise sobre ciência, tecnologia e gestão da tecnologia, perpassa a atividade científica e tecnológica a qual se consolida através de um projeto de pesquisa em uma instituição pública. A percepção clara sobre a finalidade de determinado projeto por todos os atores envolvidos na pesquisa e em seu entorno como expectadores, revela o quanto é importante no ambiente institucional o conhecimento compartilhado sobre os projetos e seus resultados. Neste conhecimento inclui-se o entendimento sobre a abordagem de gerenciamento de projetos de pesquisa e este conhecimento deverá ser compartilhado com toda instituição (CATALIN & PETRACHE, 2011). Considera-se que a partir do conhecimento é possível o envolvimento com a atividade de pesquisa, constatando-se assim uma sensibilização quanto aos fatos inerentes às atividades diárias e o impacto de seus resultados. A compreensão sobre todo o esforço empreendido pela equipe da pesquisa para alcançar as metas estabelecidas, facilita a rotina de tarefas diárias e promove a colaboração. 4. Gestão da Tecnologia - Antes da tecnologia o conhecimento De acordo com Cícero (2011) a análise sobre a atividade de pesquisa científica desenvolvida em um instituto de pesquisa, consubstancia-se em ter o pleno conhecimento sobre as atividades das equipes contextualizando-as no ambiente institucional. As unidades de pesquisas são instituições que dependem do conhecimento para serem reconhecidas pelos seus pares. Dessa forma, os gestores institucionais reconhecem a necessidade de gerenciar o conhecimento como seu patrimônio principal. Sobre a valorização do conhecimento enquanto ativo institucional, Chiavenato (2004) considera que, este conhecimento reconhecido como capital intelectual representa o recurso mais importante para uma organização, sendo mais valorizado que o capital financeiro. Ainda segundo este autor, o capital intelectual é composto por três aspectos intangíveis: 1) os clientes, 2) a organização e 3) as pessoas, sendo este último aspecto o mais importante e afirma ainda que o sucesso das organizações está em saber motivar as equipes para aprenderem e a aplicarem os conhecimentos aprendidos na busca da inovação. Chiavenato (2004) conceitua gestão do conhecimento como um processo integrado destinado a criar, organizar, disseminar e intensificar o conhecimento para melhorar o desempenho global da instituição. Por assim entender o processo de gestão do conhecimento, identifica-se seu caráter estratégico por apontar uma priorização em todas as fases da gestão. Esta avaliação sobre a importância da gestão do conhecimento nos reporta a forma como esse arsenal de conhecimento é disseminado e aplicado em prol da sociedade. Avaliando a disseminação e aplicação do conhecimento gerado em uma instituição de pesquisa, não será possível furtar-se a uma observação sobre o processo de pesquisa em colaboração. Castells

5 (2010) considera haver atualmente uma mudança de paradigma no contexto da pesquisa científica, identificando a formação de uma gigantesca rede de colaboração configurada como de caráter global aproximando cientistas de todo o mundo. Esta colaboração necessária e evidente, se explica pelo fato das empresas buscarem parcerias junto aos institutos de pesquisas como suporte ao conhecimento na área desejada (CASSIOLATO & LASTRES, 2000). Dessa forma os acordos colaborativos de pesquisa entre instituições de pesquisas e empresas, tornam-se tão valorizados, sendo inclusive fomentados através de programas governamentais refletidos através subsídios oferecidos pelas agências de fomento. Gusmão (2002) argumenta que o poder público não se limita simplesmente ao suporte financeiro, mas a criação e manutenção de toda uma infraestrutura propícia à pesquisa em colaboração. A literatura aponta que projetos de pesquisa desenvolvidos em colaboração são férteis, quando considerado o processo de aquisição de conhecimento sobre a área pesquisada. As análises sobre o objeto da pesquisa refletem a evolução do conhecimento e almeja-se a disseminação do mesmo com o propósito de ampliar a rede e, conseqüentemente, contribuir com a sociedade científica. A gestão tecnológica considerada neste trabalho refere-se à gestão de um tipo de prática em uma instituição de P&D. Portanto, a definição apresentada por Sáenz & Capote (2002), elucida o contexto no qual se analisa não só os processos internos da instituição, mas também sua vinculação com o setor produtivo. A literatura aponta a gestão tecnológica diretamente relacionada à gestão estratégica de uma organização. Seguindo este raciocínio, ao se relacionar tecnologia e inovação, o período de maturação das pesquisas impõe um olhar diferenciado para cada caso. Sabe-se que processos de inovação tecnológica exigem da organização um aparato de procedimentos gerenciais, considerando-se aspectos estratégicos e operacionais. Silva (2003), ao abordar o tema gestão da tecnologia, propõe a diferenciação sobre dois temas os quais aponta como distintos para análise: microtecnologia como sendo a representação das tecnologias de produto ou processo formando um conjunto de tecnologias inter-relacionadas e que se baseiam em atividades de curto prazo; macrotecnologia avaliada em um processo de longo prazo e refere-se a visão interfuncional sistêmica da tecnologia, incorporando além do conhecimento, informações, estrutura e comportamento das pessoas. Segundo o autor estes conceitos direcionam a gestão da tecnologia através de um planejamento estratégico. Silva (2003) se reporta ainda ao conceito de capabilidade tecnológica com o objetivo de representar a competência da organização em determinado conhecimento, materializado através de uma tecnologia. Dessa forma, justifica que este conhecimento tem um alcance maior que a competência individual das pessoas que participam da organização. Seguindo esta linha de pensamento, entende-se que a gestão da tecnologia em uma organização não é um tema banal. Trata-se de um processo complexo que merece atenção e estudo para que se possam direcionar as atividades da organização na busca por um legítimo reconhecimento junto à sociedade. A gestão da tecnologia envolve o conhecimento sobre o grau de participação dos pesquisadores nas redes de colaboração de pesquisa e ainda como está sendo realizado o processo de disseminação não só dos produtos, mas também e principalmente do conhecimento. Nos institutos de pesquisa, a realização de uma análise sobre o impacto dos projetos de pesquisa junto aos colaboradores e potenciais clientes, sempre será bem-vinda. Esta análise se dá a partir da observação do objeto de estudo, parcerias e metas a serem alcançadas, buscando uma avaliação com base em fatos reais envolvendo processos burocráticos, legislação, políticas públicas e outras variáveis que

6 influenciam de maneira positiva e negativa a realização de uma pesquisa. Ou seja, trata-se de uma análise sobre tecnologia não no sentido de um produto, mas sim de um conjunto de conhecimentos. 5. Aplicação e disseminação de metodologias da engenharia de produção na Divisão de Gestão da Produção DGEP do Instituto Nacional de Tecnologia INT Nos tópicos anteriores, foram apresentados alguns conceitos e análises que validam a experiência que será relatada neste trecho do trabalho. A pretensão consiste em abordar o elo entre a complexidade do conhecimento científico aportado no escopo dos projetos de pesquisa e sua disseminação através de produtos tecnológicos que são demandados pelas empresas e oferecidos à sociedade. O que se pretende realçar é a complexidade em alcançar o equilíbrio nas definições dos projetos, oferecendo soluções que sejam reais e que importem em real valor para a comunidade científica e para as empresas que esperam tais soluções através de parcerias com as instituições de pesquisa. Neste entendimento será apresentado um breve relato não sobre os projetos de pesquisa desenvolvidos na área de gestão da produção, mas sim sobre metodologias de gestão da produção que serviram de suporte do conhecimento para que através destes projetos fosse gerado um produto ou processo como resultado de uma pesquisa científica Breve histórico sobre o Instituto Nacional de Tecnologia INT O Instituto Nacional de Tecnologia INT é uma Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia, criado em 1921 por Ernesto da Fonseca Costa, com o nome de Estação Experimental de Combustíveis e Minérios. É um instituto de pesquisa multidisciplinar atuando em pesquisa, prestação de serviços, formação de recursos humanos e criação de instituições e empresas que compõem o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Localiza-se na Avenida Venezuela, 82 Saúde Rio de Janeiro. Zouain (2001) retrata o INT como sendo uma das mais antigas instituições de pesquisa do Brasil e que ao longo dos anos vem se destacando em atividades relevantes e pioneiras na história das pesquisas tecnológicas brasileiras. A autora relata ainda várias mudanças em relação à vinculação institucional sofridas pelo INT ao longo de mais de 50 anos: em 1938, passou do Ministério da Agricultura para o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio; em 1960, passou para o Ministério da Indústria e Comércio; e, por fim, até os dias atuais, compõe a estrutura do Ministério de Ciência e Tecnologia Inovação. Atualmente o INT contabiliza 89 anos no desenvolvimento de projetos de pesquisa priorizando a inovação. Segundo Cícero (2011), conforme relatado no Plano Diretor , apresentam-se as seguintes definições para Missão e Visão Institucional do INT: Missão: Participar do desenvolvimento sustentável do Brasil, por meio da pesquisa tecnológica, da transferência do conhecimento e da promoção da inovação. Visão: Ser reconhecido como referência nacional até 2021 em pesquisa e desenvolvimento tecnológico para a inovação. Após essas considerações sobre o INT, será abordada a dinâmica da pesquisa na Divisão de Gestão da Produção DGEP. Está divisão foi criada na estrutura do INT na década de 80 congregando desde então diversos projetos na área de engenharia de produção. Estes projetos são delineados a partir de uma competência própria adquirida pela equipe de pesquisadores, a qual busca contribuir através dos resultados dos projetos, com o meio acadêmico e empresarial.

7 5.2. Aplicação das metodologias de Engenharia de Produção Neste tópico serão descritas as metodologias de Engenharia de Produção utilizadas como suporte ao desenvolvimento e melhoria de produtos e processos. Destacam-se as seguintes Metodologias aplicadas separada ou conjuntamente: Simulação Discreta junto ao MRP, JIT e OPT; Lean Manufacturing - Produção Enxuta; Manufacturing Resouce Planning (MRPII); Lógica Fuzzy junto ao Master Production Schedule (MPS); Balanced Scorecard (BSC); Algoritmos Genéticos Simulação Discreta para Apoio à Programação da Produção Esta pesquisa abrange o desenvolvimento e aplicação de ferramentas computacionais de simulação discreta para apoiar a programação de sistemas de atividades produtivas que envolvem operações interdependentes. A simulação discreta, conforme Schriber e Brunner (1998) representam sistemas em que suas variáveis são modificadas a cada porção de tempo. A interdependência em sistemas de atividades produtivas traduz-se em restrições de início de uma operação ou término antecipado de outra operação também controlada pelo plano. Calcula-se a necessidade de recursos produtivos e materiais com disponibilidade variável e finita ao longo do horizonte de planejamento. Técnicas de modelamento e simulação computacional, heurísticas, metaheurísticas e técnicas de planejamento e controle da produção, tais como JIT, MRP e OPT, têm sido utilizadas na montagem destas ferramentas computacionais. A aplicabilidade de ferramentas computacionais baseadas em técnicas de simulação discreta aliada a heurísticas, metaheurísticas e técnicas de gestão da produção oferece mais recursos para o campo do planejamento e controle da produção industrial. Esta metodologia foi aplicada no projeto da DGEP denominado SeeTheFuture, que tem como objetivo desenvolver e aplicar ferramentas computacionais para apoiar a programação de sistemas de atividades produtivas que envolvem operações interdependentes. Qualquer sistema de atividades produtivas que apresente as características citadas acima deve ser avaliado como potencial cliente das ferramentas desenvolvidas no âmbito deste projeto. Aplicação destas ferramentas ocorreu na logística e extração de petróleo e gás, e na fabricação de produtos diversos. A DGEP promove a disseminação desta tecnologia em cursos de gestão da produção Produção Enxuta (Lean Manufacturing) A essência deste trabalho é o desenvolvimento de técnicas que apóiem os profissionais da indústria em suas tarefas de dimensionar estoques, ajustar capacidade produtiva no curto prazo e sequenciar a produção, a partir dos conceitos da manufatura enxuta, usando métodos da pesquisa operacional e implementando-as em ferramentas computacionais de fácil uso. O modelo enxuto teve origem no Sistema Toyota de Produção e consolidou as práticas de produção Just-In-Time (JIT) com produção puxada, pequenos lotes, cumprimento de prazos e qualidade assegurada. O JIT é uma filosofia que se concentra na eliminação de desperdício no processo de manufatura. Ele exige que a administração faça todo o possível para ter o material certo no lugar certo, no tempo certo, e exatamente na quantidade certa. A essência da filosofia do JIT é a eliminação de perdas. Nada deverá ser feito na produção que não adicione valor ao produto diretamente associado com a transformação do material à

8 sua forma desejada. A meta requer concentração no processo físico da própria produção. Busca-se a eliminação total de desperdícios, considerando-se desperdício como tudo aquilo que não acrescenta nenhum valor ao produto. A filosofia JIT encoraja a administração a resolver os problemas, ao invés de encobri-los com estoques em excesso, estoques de segurança e prazos de entrega longos. Para atingir a meta do JIT, os gerentes devem eliminar refugos e avarias nas máquinas e também reduzir o tamanho do lote, o prazo de entrega e o tempo de preparação. O trabalho em equipe, tanto dentro da fábrica quanto com os fornecedores externos, deve substituir os relacionamentos conflituosos e de desconfiança (VOLLMANN, 2005). O pensamento enxuto para toda a organização, segundo Womack & Jones (1996), abrange o seguinte conjunto de princípios: O valor como capacidade oferecida a um cliente conforme este definiu; A cadeia de valor que ocorre com um conjunto de atividades nas diferentes etapas incluindo o atendimento ao cliente; A cadeia de valor deve buscar a realização das tarefas sem a ocorrência de perdas; A Produção Puxada, ou seja, que ocorre a partir de uma solicitação do cliente; A Perfeição que significa a eliminação total de desperdício para criação efetiva de valor. Em essência, este trabalho consiste no mapeamento do fluxo de valor do processo para identificar as fontes de desperdício no fluxo de materiais e de informações. Teve como base a filosofia Lean Manufacturing que conforme Vollmann (2005) busca reduzir diferentes tipos de desperdícios, tais como a superprodução, tempos de espera e transporte, estoques, movimentações e refugo de peças. A idéia central foi compatibilizar o atendimento às exigências de prazos dos clientes com a redução nos custos operacionais da fábrica, sobretudo o custo de manter estoques. No início, foi feita uma projeção da capacidade produtiva de toda a fábrica e, a partir desse estudo, propiciou o balanceamento da capacidade de cada etapa do processo, calculando-se o número de pessoas necessárias nas várias estações de trabalho. Em seguida, para instaurar um fluxo contínuo de produção, foram realizadas mudanças significativas no layout do chão de fábrica. Conforme Vollmann (2005), em relação à gestão do fluxo de materiais, foram especificados pontos de controle de peças, dimensionados os estoques para cada família de peças nesses pontos e definidas políticas de reposição e retirada de materiais, com a utilização de cartões kanban. Os resultados apontaram para uma expressiva redução de leadtimes de produção em função do trabalho de organização do chão de fábrica e da mudança na gestão do fluxo de materiais. A empresa conseguiu aumentar sua capacidade de atendimento, passando a responder mais rapidamente às mudanças e reduzindo substancialmente os custos de manutenção de estoques. Como aplicação, pode-se citar o planejamento e acompanhamento das atividades necessárias para a adequação do processo produtivo de combinando métodos da Engenharia de Produção. Como resultado principal, as empresas aumentaram sua capacidade de atendimento, e passaram a responder mais rapidamente às mudanças com redução substancial dos tempos de produção e dos custos operacionais desse processo. Foi desenvolvido um sistema de gestão de fluxo de peças para permitir o abastecimento contínuo de materiais com mínima formação de estoques nos setores gargalo da indústria. A parceria da DGEP com a Divisão de Energia (DIEN) do INT ampliou as possibilidades de aplicação desta tecnologia, ocorrendo aplicações nos setores de atividade de confecção de artigos do vestuário e acessórios, extração de petróleo e gás natural, fabricação de produtos diversos.

9 Metodologia de planejamento Manufacturing Resouce Planning (MRPII) Segundo Corrêa e Gianesi (1993), o objetivo do MRPII é permitir o cumprimento dos prazos de entrega dos pedidos dos clientes com mínima formação de estoques. O meio de alcançá-lo é pelo planejamento das compras e a produção dos itens componentes para que ocorram exatamente nos momentos e nas quantidades necessárias. Porém, nem sempre a maior prioridade é o cumprimento dos prazos e a redução de estoques. Apesar de serem objetivos muito desejáveis, sua busca pode significar uma queda de desempenho em outros fatores. O MRPII se baseia no cálculo das necessidades dos recursos da manufatura indicando as datas e as quantidades para que se cumpram os programas de entrega (CORRÊA et al., 2000). Destacamos os seguintes módulos do MRPII neste trabalho: Planejamento Mestre da Produção (MPS - Master Production Schedule) traduz o planejamento agregado em um plano mestre da produção, período a período, com determinação dos itens e respectivas quantidades a produzir. Consideram-se as limitações de capacidade. Cálculo das necessidades de materiais (MRP - Material Requirements Planning) identifica a necessidade de cada componente, seja comprado ou fabricado, período a período, em função do plano mestre de produção. Controle de fábrica (SFC = Shop Floor Control) é o que tem a função de sequenciamento das ordens, por centro produtivo, num período de planejamento, e desempenha o controle da produção. Verifica se o que foi planejado será executado. O MRPII reage bem às mudanças, por exemplo, variação num item de programa-mestre que pode afetar um grande número de componentes. Quando a estrutura do produto é complexa, com vários níveis de componentes, e demanda instável, o MRPII pode atuar com eficiência. O MRPII e o JIT são complementares em alguns casos. O uso do JIT simplifica a gerencia da produção. O MRPII é indicado para níveis de controle mais agregado e para as atividades consideradas complexas como: planejamento agregado da produção, programação mestre e planejamento de insumos. Porém quando se trata de controlar as atividades de chão-defábrica, o JIT é mais apropriado. Como aplicação, pode-se citar a adequação da metodologia de planejamento MRPII e da Teoria das Restrições ao segmento de confecção de peças do vestuário e acessórios, e implementação em sistema computacional integrado, concretizado no sistema PC-Con - Planejamento e Controle da Confecção, desenvolvido pela DGEP. Outra atuação importante é o desenvolvimento de sistema de Planejamento das Necessidades de Material (MRP) para pequenas e médias indústrias e a capacitação oferecida em cursos de gestão da produção com uso destas tecnologias Lógica Fuzzy O foco deste projeto é o desenvolvimento de um de sistema que permita ao gestor, definir com mais facilidade e flexibilidade planos mestres que atendam satisfatoriamente aos objetivos estabelecidos pela empresa. O Planejamento Mestre da Produção (MPS - Master Production Schedule) traduz o planejamento agregado em um plano mestre da produção, período a período, com determinação dos itens e respectivas quantidades a produzir, conforme apresentado por Vollmann (2005). São consideradas as limitações de capacidade. A ferramenta proposta deve permitir incorporar no processo de tomada de decisão os aspectos subjetivos, conflitantes e carregados de imprecisão, característicos do problema tratado e

10 empregará para isso o ferramental oferecido pela abordagem baseada nos Sistemas de Inferência Fuzzy. Modelos de sistemas Fuzzy têm se mostrado como ferramenta muito útil para a modelagem de relacionamentos não-lineares complexos entre as variáveis. Usando-se a tecnologia Fuzzy pode-se modelar relacionamentos complexos com a assistência de uma base de regras. A Lógica Fuzzy é uma teoria matemática ou uma teoria de conceitos graduados em que tudo tem um grau de elasticidade, superando os paradigmas tradicionais conduzem à tomada de decisão abruptas, descartando-se níveis intermediários de medidas e impede a coexistência de conceitos qualitativamente antagônicos. (OLIVEIRA JR, 1999). No âmbito do projeto de pesquisa e desenvolvimento "GesPlan: Desenvolvimento de um protótipo de sistema voltado para o planejamento da produção com mecanismos inteligentes de apoio a decisão" da DGEP foi elaborada a Tecnologia GesPlan. Esta tecnologia é uma ferramenta de gestão e de capacitação para elaboração do Planejamento Mestre da Produção com mecanismos inteligentes de apoio a decisão. Tem foco em manufaturas, e em especial em indústrias de confecção. Emprega o paradigma possibilístico para atender a necessidade de gerenciar objetivos múltiplos e o uso de dados imprecisos e incompletos (ARRUDA, 2006) Gestão Estratégica com Balanced Scorecard O BSC foi lançado em 1992 como um sistema gerencial para alcançar melhorias drásticas em produtos, processos, clientes e mercados. Já em seu lançamento tinha a proposta de conversão dos objetivos estratégicos da organização em indicadores de desempenho, conforme seus autores Kaplan e Norton (2004a). O termo Balanced se refere ao equilíbrio entre objetivos de curto e longo prazos, medidas financeiras e não-financeiras, indicadores de tendências e de ocorrências, perspectivas internas e externas de desempenho. O BSC tem a característica de uma ferramenta de gestão para esclarecer, comunicar e gerenciar a estratégia, com a definição participativa de metas individuais, de equipe e organizacionais. Ressalta-se, ainda, que os comportamentos e ações para alcançar estas metas não são fixos. Envolve, também, o trabalho com ativos intangíveis, tendo como exemplo a cultura institucional e o conhecimento acumulado pelos seus profissionais. Os ativos intangíveis são fontes de vantagem competitiva para alcançar os mais diversos resultados. Os Autores do BSC ressaltam a falta de meios para descrição e determinação do valor que os ativos intangíveis criam, devido à dependência que têm do contexto institucional, de sua estratégia, e da interação com outros ativos. Assim, o BSC veio colaborar no preenchimento desta lacuna (KAPLAN, NORTON, 2004b). Conforme Niven (2007), a automatização do BSC possibilita realizar avaliações de desempenho complexas e examinar criticamente as relações entre suas medidas de desempenho. Desta forma, facilita a administração do processo e garantia do alinhamento estratégico. A DGEP, em sua linha de pesquisa de gestão para instituições de ensino, desenvolve e aplica tecnologias de gestão estratégica baseada no BSC. Conforme Mizrahi (2011), a aplicação desta tecnologia propiciou a destacada melhoria na gestão, com maior confiança das equipes para o planejamento de mais longo prazo, maior participação e mais efetiva comunicação multilateral. Converge, ainda, com este trabalho, sua tese de doutorado em Engenharia de Produção, intitulada Gestão Estratégica Multicultural Aplicada a Instituições de Ensino, com recomendações metodológicas, procedimentos e estrutura de métricas Algoritmo Genético De acordo com Saisse (2008), os algoritmos genéticos se apóiam em valores da função objetivo dos problemas formulados, tendo considerável grau de flexibilidade para aceitar as mudanças frequentes dos objetivos dos problemas. O universo de soluções possíveis é

11 explorado a partir de grupos de soluções alternativas, evitando-se a obtenção de ótimos locais. Cada máquina possui um controle de horário de funcionamento, previamente conhecido. As interrupções são programadas ou eventuais. Há um número fixo e previamente conhecido de máquinas de cada tipo. Um roteiro de fabricação é estabelecido para cada produto. Destaca-se a contribuição deste trabalho com o particionamento do horizonte de planejamento em intervalos de tempo discretos ampliando a capacidade nos métodos de codificação de algoritmos genéticos aplicados a problemas de sequenciamento. O Algoritmo Genético Temporal foi implementado e testado em problemas reais de produção em uma fábrica de circuito impresso. Conforme Saísse (2008) configurou-se pelo porte e complexidade muito mais elevados do que os tradicionais problemas benchmark de sequenciamento disponíveis na literatura. O Algoritmo Genético Temporal gerou programas de produção aperfeiçoados demandando um tamanho de população e um número de gerações expressivamente menor do que os usualmente utilizados na literatura corrente de algoritmos genéticos. O tempo de processamento do algoritmo genético temporal mostrou-se adequado para situações reais de produção. 6. Considerações Finais Mediante este recorte sobre a atividade de pesquisa desenvolvida na Divisão de Gestão da Produção do INT, é possível observar a aplicação prática das metodologias de Engenharia de Produção descritas no escopo deste artigo. Observa-se a importância do conhecimento gerado através dos projetos de pesquisa os quais se materializam a partir dos resultados apresentados na forma de um produto ou processo. A correlação teoria-prática demonstrada a partir da correlação das metodologias aplicadas na geração de um novo produto ou processo, traz em seu cerne a capacidade do Instituto apresentado como cenário, em absorver, reter e disseminar o conhecimento. Este conhecimento aplicado em prol da sociedade garantirá o desenvolvimento econômico e social além de retornar para a organização em destaque, reconhecimento pelos seus pares. Observe-se que durante a elaboração deste estudo, não houve a preocupação em apresentar dados quantitativos, pois o que se visava concluir substancialmente importava em suscitar uma reflexão sobre a competência e habilidades para lidar e utilizar o conhecimento. As equipes envolvidas nos projetos de pesquisa relacionados se mantêm em atividade trilhando este caminho por acreditar que o conhecimento e sua aplicação prática é a base para o desenvolvimento do país. Obviamente a atuação destes profissionais é orientada por uma gestão estratégica que vislumbra além da inovação técnica a inovação institucional. Entendese que a tecnologia é fruto de um conjunto de conhecimento, gerado em instituições que apresentam como sua missão levar à sociedade soluções em prol da melhoria da qualidade de vida, considerando aspectos sociais e econômicos. 7. Referências BAZZO, W.; LISINGEN, I.; PEREIRA, L. T. do V. Introdução aos Estudos CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade). Cadernos de Ibero América. OEI Organização dos Estados Iberoamericanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. Espanha: Madrid, BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004 CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H.M.M. Sistemas de Inovação: Políticas e Perspectivas. Parcerias estratégicas, n 8 maio/2000, pp Disponível em:

12 <http://www.slideshare.net/hiltonmanoel/sistemas-de-inovacao-cassiolato-ct> Acesso em: 4 jul CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Volume I. Paz e Terra, São Paulo, CATALIN, P.; PETRACHE, A. Information Technology Management. Titu Maiorescu University, RomaniaJournal Knowledge Management, Economics and Information Technology. ISSN ScientificPapers.org (http://www.scientificpapers.org). Acessado em 01/09/2011. Periódicos CAPES CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral da Administração. Elsevier, Editora Campus. Terceira edição. RJ. CÍCERO, J.R. Projetos de Pesquisa e Políticas Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação - O caso do Instituto Nacional de Tecnologia em Dissertação (Mestrado em Tecnologia) - Programa de Pós-graduação em Tecnologia, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET-RJ. Rio de Janeiro: CEFET-RJ, 2011 CORRÊA, H. L. et al. Planejamento, programação e controle da produção: MRP II/ERP. 3ed. Sao Paulo: Atlas, CORRÊA, Henrique L.; GIANESI, Irineu G.N. Just In Time, MRPII e OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, GUSMÃO, R. Práticas e Políticas Internacionais de Colaboração Ciência-Indústria. Revista Brasileira de Inovação. Vol. 1 Número 2 jul/dez Disponível em: <http://www.ige.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/viewarticle/247>. Acesso em: 8 jul KAPLAN, R.S., NORTON, D.P., 2004a, Kaplan e Norton na Prática. 3.a reimpressão, Rio de Janeiro, Elsevier. KAPLAN, R.S., NORTON, D.P., 2004b, Mapas Estratégicos - Balanced Scorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis, Rio de Janeiro, Elsevier. MIZRAHI, Saul Eliahú. Gestão Estratégica Multicultural Aplicada a Instituições de Ensino f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Rio de Janeiro, MOTA, T. L. N. G. Interação universidade-empresa na sociedade do conhecimento: reflexões e realidade. Revista Ciência da Informação, Brasília DF, Disponível em: <http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/329>. Acesso em: 2 jun NIVEN, Paul R. Balanced Scorecard - Passo - A - Passo: Elevando o Desempenho e Mantendo Resultados. Rio de Janeiro: Qualitymark, OLIVEIRA Jr.., H.A., 1999, Lógica Difusa: aspectos práticos e operações, Rio de Janeiro, Interciência. SÁENZ, T.W., CAPOTE, E.G. Ciência, Inovação e Gestão Tecnológica. CNI/IEL/SENAI, ABIPTI, Brasília, SAISSE, M. C. P. Um modelo de Algoritmo Genético aliado à simulação computacional para apoio à construção de programas de produção numa linha de inserção de componentes eletrônicos em placas de circuito impresso. In: IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 2008, Niterói. Anais do IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão, 2008.

13 SCHRIBER, T. J. ; BRUNNER, D. T. How Discrete-Event Simulation Software Works. In: BANKS, J. Handbook of Simulation: Principles, Methodology, Advances, Applications, and Practice. New York: John Wiley & Sons p SILVA, J.C.T. Tecnologia: novas abordagens, conceitos, dimensões e gestão. Revista Produção v. 13 n.1, 2003, p ISSN VOLLMANN, T. E. et alii. Manufacturing planning and control systems. 2ed. Homewood: Business One Irwin, p. WOMACK, J. P.; JONES, D. T. Lean thinking: Banish waste and create wealth in your corporation. New York: Simon & Schuster, ZOUAIN, D. M. Gestão de Instituições de Pesquisa. 1ª edição. FGV. Rio de Janeiro, 2001.

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais