sérios (na infância e adolescência) 3 O estado de guerra entre pais e lhos: Vitória Pírrica 19

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "sérios (na infância e adolescência) 3 O estado de guerra entre pais e lhos: Vitória Pírrica 19"

Transcrição

1 Finalmente, o pai percebeu que bater resultava mais rápido, mas não só ensinava à criança meios inadequados de se relacionar com os outros, como não permi a a sua autonomia e crescimento em segurança. O estado de guerra entre pais e lhos: Vitória Pírrica 19 Para este pai e este lho de apenas 8 anos, atravessar passadei ras em Lisboa, esperar comboios na Linha de Sintra, andar de Metro, ir e vir para a escola, (etc.) continuou a ter alguns riscos (como em qualquer situação normal), todavia, passou a ser muito mais divertido, caloroso e a cumplicidade entre ambos cresceu de forma adorável! Preste atenção à Tabela n.º 1.1 e procure compreender onde estão as maiores di culdades na vida do seu lho. Ora, para se poder desenvolver um trabalho semelhante ao que foi realizado com este pai, foi necessário que ele estivesse atento às di culdades especí cas do lho, bem como aos factores que estavam a contribuir para aquele problema. De seguida, então, procuraremos apresentar um conjunto de factores que contribuem para o desenvolvimento de problemas comportamentais sérios (na infância e adolescência). abela n.º 1 Factores que contribuem para o desenvolvimento de problemas comportamentais sérios (na infância e adolescência) 3 actor que representa actores herdados orma de pensar Problemas neurospicológicos Algumas caracterís cas temperamentais contribuem para problemas de comportamento. Estas incluem a facilidade com que a criança ou adolescente ca irritado, tendência para apresentar reacções emocionais intensas e di culdade em se acalmar. Crianças e jovens com problemas de comportamento graves pensam muitas vezes nas outras pessoas como en dades muito afastadas da sua realidade. Quanto mais problemá ca for a sua realidade, mais esta polarização nega va será con rmada. Di culdades com os processos cerebrais que orga nizam a atenção, memória e controlo do comportamento podem ser semelhantes às de crianças com Dé cit de Atenção e Hiperac vidade. Podem também iden car -se di- culdades no controlo das emoções e na capacidade de compreen der o que as outras pessoas estão a pensar e a sen r. (con nua) 3 Kids Ma er (2008). How serious behaviour problems a ect children. EI_SBPover 2008ERC , p. 2.

2 Encorajando um comportamento adequado: Dicas para uma prá ca parental posi va 33 As crianças não necessitam de uma palmada de vez em quando? Desculpem -me, mas esta é uma das questões que mais gosto de debater, até com um pouco de ironia. Se me perguntarem se uma boa palmada não faria bem a muitas pessoas, sou obrigado a concordar, mas então não se restrinja às crianças, pois estas não se podem defender e estão em fase de aprendizagem e desenvolvimento. Porque é que a esposa não dá uma boa palmada de vez em quando ao seu marido, para que ele aprenda a respeitar os horários das refeições e os compromissos maritais? Porque é que o marido não dá uma boa palmada de vez em quando à esposa porque esta chegou mais tarde do trabalho e esqueceu- -se, ou não teve tempo, de fazer algo que o casal tinha combinado? Porque é que não se dá uma boa palmada de vez em quando a um idoso que está aos nossos cuidados e parece que faz de propósito em sujar a casa de banho? Sabem qual é a diferença? É que para a criança ainda se atribui o estatuto de entidade que deve ser domada para o seu bem : Se lhe bato é porque me preocupo com o seu crescimento e a sua educação., Quero que aprenda a ser um homem r o quando crescer e tem que aprender o que custa a vida.. Na minha modesta opinião, nenhuma criança necessita de uma palmada. Conheço muitos adultos que julgo que merecem muitas palmadas, mas não é por isso que lhas dou. Já agora, deixo ainda uma outra pergunta: se por acaso considero que posso castigar sicamente uma criança, mas já não o posso fazer num adulto, onde coloco a linha divisória entre o antes e o depois, entre o aceitável e o não aceitável? Dito de forma concreta, alguém me consegue explicar como é que determina a idade exacta a partir da qual já não poderá mais bater nos seus lhos? Qual é o critério? A partir de que ano mês dia hora minuto segundo é que o seu lho vai ganhar o direito que os adultos têm de não serem batidos pelos seus familiares? Prometo: se me responderem adequadamente, dou -vos um doce! A palmada, na criança, pode ser perigosa. Por vezes, é mesmo imprevisível avaliar o dano físico de uma bofetada o resultado mais simples de uma bofetada é o eritema traumático, caracterizado por rubor e vermelhidão da área atingida;

3 48 Educar sem Bater A comunicação deve ser bilateral (de pais para lhos e de lhos para pais) Treine a sua capacidade de escutar. Treine a sua capacidade de falar. Treine a sua capacidade de ser compreensivo. Treine a sua capacidade de adaptar -se e aprender. Treine a sua capacidade de ensinar os seus lhos. Treine a sua capacidade de facilitar feedback aos seus lhos (o que está certo e o que não está). Treine a sua capacidade de elogiar e recompensar emocionalmente o seu lho. Aprendizagem para a vida e para a cidadania Autoconsciência. Autodisciplina. Con ança. Humildade. Capacidades de negociação. Capacidades não violentas de resolução de con itos. Gestão do stress. Tolerância à frustração. Aceitar as responsabilidades pelas consequências dos seus comportamentos. Não nos esqueçamos dos ensinamentos que nos chegam das teorias de aprendizagem social. As crianças aprendem com o que observam do exterior, depois vão interiorizando essas observações e passam a reproduzi -las. O passo seguinte é considerar que esse deve ser o padrão comportamental e atitudinal que deve utilizar. E está assim criado grande parte daquilo que a criança acredita ser a sua forma natural de actuar sobre o mundo. E onde é que tudo isso começou? ASO LÍNICO ENTIROSA (DE ACORDO COM A ROFESSORA) Há já algum tempo foi -me referenciado um caso de uma menina de 11 anos por ter do um conjunto de comportamentos inadequados na escola e que, efec vamente, de acordo com o que são os meandros de gestão de con itos da escola, deveriam ser alvo de atenção e consequências disciplinares. De acordo com o processo que me chegou às mãos, bem como de acordo com a informação facultada pela directora de turma da criança, mãe e a própria criança, esta apresentava um comportamento regular de inventar realidades (men r), principalmente no sen do de se poder esquivar a algumas ac vidades escolares (nomeadamente aulas e outras ac vidades). Era descrita como uma criança meiga, com uma base educacional

4 58 Educar sem Bater Os pais devem, assim, passar a estar particularmente sensíveis aos interesses e vontades imediatos da criança, bem como a forma de os conter, no caso de considerar que os mesmos não são os mais adequados para ela. Em suma, os pais autoritativos realçam as qualidades e vontades da criança, mantendo, contudo, um padrão regulador de uma forma educada e segura para toda a vida futura da criança. Este pai passa, assim, a utilizar o seu poder, a sua razão e os seus direitos como pai/mãe, como forma de desenvolver na criança um padrão de relacionamento com os outros baseado no respeito, num regime de recompensa e reforço pelas suas acções, e procura fomentar a autonomia da criança, para que esta baseie as suas decisões não tanto nas pressões do grupo ou nas suas necessidades imediatas, mas sim numa atitude maturada de re exão e altruísmo. Adaptado das obras clássicas de Baumrind (1966, 1967) Relacionado com os estilos parentais está o tipo de disciplina que se aplica. Alguns autores apresentam uma pequena esquematização de, pelos menos, três grandes estilos disciplinares e não parentais (Richardson, 2010): disciplina positiva, disciplina permissiva e disciplina negligente. A disciplina positiva considera a idade da criança e o seu desenvolvimento. As crianças e os pais trabalham juntos para decidir as regras necessárias para o bem -estar de toda a família. As crianças tornam -se envolvidas no processo de tomada de decisão.

5 Agora que já expliquei que amo os pais e a sua missão maravilhosa de se transformarem em heróis, porque é que rejeito os cas gos sicos? 81 Actualmente: Passadas pouquíssimas consultas, o comportamento da criança é descrito como de alguma agitação psicomotora; é ainda difícil para os pais controlar toda a agitação e vivacidade do João; todavia, uma coisa é certa: já não existem agressões da criança à mãe, da criança aos outros meninos do infantário, do pai à criança, e o seu comportamento manifesta -se como bastante mais dócil. É um pequeno dócil índio, isso concordo, mas é amoroso. O que foi feito? Começou -se por explorar em que condições os comportamentos do João se apresentavam como mais desadequados. O curioso é que o comportamento desadequado do João aumentava consideravelmente quando estava a ser castigado sicamente. Comecei aos poucos a tentar explicar aos pais o porquê de, na minha opinião técnica, e como pai, a estratégia de castigos físicos nunca ser uma boa ideia a seguir. Expliquei -lhes que alguns pais não conseguem imaginar outra maneira de controlar o comportamento dos seus lhos sem recorrer aos castigos físicos. Todavia, expliquei -lhes que, ao fazê -lo, estão a esquecer- -se de que as técnicas de disciplina positiva tendem a ser muito mais e cazes, embora levem algum tempo até que se comece a notar diferenças nos comportamentos desadequados dos lhos. Por isso, muitas vezes os pais desistem de esperar por melhores comportamentos da criança e procuram acreditar que é no devido momento, com a devida palmada,

6 Quando e em que comportamentos aplicar reforços ou punições? O que é um comportamento normal e aceitável para educadores e crianças? 119 Se a criança aprender que aquilo que compensa de forma definitiva no seu comportamento é ter um comportamento adequado, pois de cada vez que apresenta um comportamento adequado é recompensada, e de cada vez que apresenta um comportamento desadequado é punida (ou ignorada), então as mudanças tenderão a ser para o resto da vida, manifestando -se como uma característica global da sua personalidade. Pode mesmo ocorrer, que com o passar do tempo, a criança se vá interessando por envolver-se em tarefas partilhadas pela família, bem como participar no debate de alguma regras que devem ser partilhadas e cumpridas pelos vários elementos da família. Estas regras podem ser definidas em família e repetir -se verbalmente as vezes que se considerarem necessárias, ou, se for o caso e, mais uma vez, com uma pequena dose de imaginação e bom gosto, criar quadros lúdicos, recreativos e agradáveis acerca das principais regras a seguir, ficando expostos em locais estratégicos da casa. Por exemplo, se a criança conhece a história dos Dez Mandamentos de Moisés e das suas Tábuas da Lei, os pais podem adaptar essa história aos Dez Mandamentos da Nossa Família e escrevê -los, encaixilhar e pendurar na parede. Experimentem e verão que fica muito engraçado e bonito.

7 Quando e em que comportamentos aplicar reforços ou punições? O que é um comportamento normal e aceitável para educadores e crianças? 123 Enfim, depois de tudo o que se expôs, é possível referir que a cultura do castigo físico (Donoso & Ricas, 2009) encontra -se claramente em mudança. Procura -se cada vez mais alterar as estratégias de disciplina permissiva e/ou castradora pelo reforço e ajuda do crescimento equilibrado de cada um dos nossos filhos.

8 A importância da asser vidade 127 ou acertar e ser reforçada. Ou seja, à medida que a criança vai sendo incentivada a apresentar certos comportamentos, mesmo que seja por imitação daquilo que os pais fazem, aos poucos vai interiorizando os mecanismos e a racionalidade por detrás de um comportamento. A esta estratégia vamos chamar Fazer primeiro, para aprender a fazer!.

9 142 Educar sem Bater Quanto à forma onsequências s lo agressivo s lo passivo s lo asser vo assivo ou ac vo Ofende o interlocutor. Provoca uma a tude defensiva no outro. Procura ganhar vantagem sobre o outro, independentemente do sofrimento que cause. misso e subserviente Ocorrem más interpretações. Pode aparentar que aceitou calmamente o que lhe foi sugerido ou que chega mesmo a concordar, quando tal não é verdade. roac vo e racional Facilita a comunicação. Desenvolvimento de competências in terpessoais essenciais para a comunicação. Educar é, de facto, difícil, mas não tem que ser um pesadelo. Muito se tem apostado no desenvolvimento de programas direccionados para os pais e educadores no sentido de desenvolverem competências adequadas e eficazes de gestão comportamental (aqui, a gestão comportamental refere -se, obviamente, não apenas à gestão dos seus próprios comportamentos como também dos comportamentos dos seus educandos). A importância das Escolas de Pais Termos como Escola de Pais são cada vez mais conhecidos e são também cada vez mais os pais e educadores que dedicam algum do seu tempo e autoformação na arte de bem educar.

10 A importância da asser vidade 151 diversas vezes (obviamente que sou uma pessoa equilibrada e considero que é factor agravante a reiteração do acto.. é diferente se o pai agride diversas vezes a criança ou se a agride apenas uma vez). Quem, de facto, em consciência, achar que a letra da lei está aqui exagerada pela frequência (ou seja, é raro, não é sempre, é só quando perco a têmpera ), faça o favor de pensar o seguinte. Imagine -se mulher casada o seu marido de vez em quando perde a têmpera e bate -lhe! Neste caso, aceitaria desculpando -o, ou aceita claramente que ele é um abusador maltratante e deve ser exemplarmente punido? Se acha que ele deve ser punido, então explique a si mesma como é que aceita que isso possa ser feito a um filho. Se a questão for a idade, ou seja, as crianças devem aprender enquanto crianças para apresentarem um comportamento adequado quando forem adultos, o que eu pergunto é: Quando é que uma criança deixa de ter idade para ser batida? É aos 10 anos? É aos 16? É quando passa à maioridade civil (18 anos)? Idade essa que é claramente diferente da idade psicoemocional? Por favor, faça este exercício: se considera que deve punir fisicamente o seu filho no sentido de educá -lo, responda a si mesmo: a partir de que idade, ano, mês e dia, já não o poderá punir mais? A lei é clara: Quem de forma reiterada ou não. Bater uma vez, é bater uma vez. E isso já conta. Essa lei protege as vítimas de violência familiar, na sua maioria mulheres. E porque tipo de hipocrisia não protege as crianças? ASO LÍNICO ENTISTE-ME ÇOITO-TE! Como exemplo do que apresento atrás, retenho sempre na memória um caso de um casal, de boas intenções e de boa índole, que, uma vez, apenas uma vez, perdeu o controlo com a sua filha adolescente. Segundo os pais, ela merecia ser severamente punida. O que fizeram? (não se esqueçam de que este é um casal como outro qualquer e de óptimas referências na sociedade. E se querem a minha opinião, são mesmo pessoas de boa índole). Bom, mas o que fizeram? Numa situação de elevado descontrolo emocional, porque consideraram que a filha havia cometido uma falta inaceitável (havia -lhes mentido acerca de algo importante que adolescente não mente ou esconde aos pais, justamente aos pais, algo importante?) bateram na adolescente para a castigar. Muito bem, até aqui não há nada de novo. O problema é que os requintes de raiva por parte dos pais foram tais que ordenaram à adolescente que retirasse a roupa e ficasse apenas em roupa interior e depois foi batida por pai e mãe com bofetadas e cinto.

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz

Receitas para a Escola e Família na. ou provocação? Orlanda Cruz Receitas para a Escola e Família na melhoria do processo educativo: verdade ou provocação? Orlanda Cruz Promovendo a Parentalidade Positiva Cruz Orlanda Parentalidade (positiva) Criar as condições (necessárias,

Leia mais

Deficiência e Agressividade

Deficiência e Agressividade Deficiência e Agressividade Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 Temperamento e Agressividade Uma percentagem elevada de crianças, especialmente as que se encontram em idade escolar, desenvolve problemas

Leia mais

Projeto Mensageiros da Paz

Projeto Mensageiros da Paz Projeto Mensageiros da Paz Grupo Escoteiro Católico João Paulo II 293º Projeto: Não Bata Eduque Parceria: Ong Não Bate Eduque e Prefeitura de Campo Limpo Paulista Problemática: A violência doméstica contra

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015

COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015 COMO AJUDAR O MEU FILHO A ESTUDAR! 26 de novembro de 2015 OS NOSSOS ADIAMENTOS E OS DELES Tomadas de decisão: A partir de amanhã é que vai ser! De hoje em diante, vais passar a estudar três horas por dia

Leia mais

Guia prático para professores

Guia prático para professores Guia prático para professores Não, Não e NÃO! Comportamentos de Oposição e de Desafio em sala de aula Sugestões práticas da: Nem todas as crianças são iguais, já ouvimos dizer muitas vezes.. Desde cedo,

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

"O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há-de ser depositada no ventre vazio.

O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há-de ser depositada no ventre vazio. 21ª SESSÃO DO PROJETO - PAIS E PROFESSORES EM FORMAÇÃO/AÇÃO "O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há-de ser depositada no ventre

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo

BestKIDS&Teens BestKIDS&Teens Espaço e Centro de Estudos e Explicações em Porto Salvo A BestKIDS&Teens tem por objetivo desenvolver em cada criança, adolescente ou jovem o melhor de si próprio, contribuindo para o seu enriquecimento pessoal e emocional, através do reforço da sua autoestima,

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Uma Escola Positiva: 2ª Sessão Gestão de Conflitos e Motivação em Sala de Aula (4h) Disciplina e Resolução de Conflitos em Contexto Escolar

Uma Escola Positiva: 2ª Sessão Gestão de Conflitos e Motivação em Sala de Aula (4h) Disciplina e Resolução de Conflitos em Contexto Escolar Uma Escola Positiva: Disciplina e Resolução de Conflitos em Contexto Escolar Sessões de Trabalho e Reflexão 2ª Sessão Gestão de Conflitos e Motivação em Sala de Aula (4h) Raquel Carvalho e Rute Machado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ALMASAN, Daisy Ariane Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG Garça/SP - Brasil e-mail: daisyalmasan@yahoo.com.br

Leia mais

Cidadania e Mundo Actual. O direito de termos direitos

Cidadania e Mundo Actual. O direito de termos direitos Cidadania e Mundo Actual O direito de termos direitos De seguida vão ser relatados factos que foram retirados de vários artigos de jornais e onde é descrito uma incidente grave cometido por jovens da tua

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1

PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 PRÁTICAS EDUCATIVAS: UMA ORIENTAÇÃO PARA PAIS (2012) 1 DE DEUS, Meiridiane Domingues 2, JAGER, Márcia Elisa, DIAS 3, Ana Cristina Garcia 4 1 Trabalho de extensão- UFSM; 2 Acadêmica do Curso de Psicologia

Leia mais

AMAR SEM ESTRAGAR. A difícil arte de educar

AMAR SEM ESTRAGAR. A difícil arte de educar AMAR SEM ESTRAGAR A difícil arte de educar O que esperam os pais? Terem uma família feliz, com saúde. Terem trabalho e boas condições de vida. Serem bons pais e que os filhos cresçam sem problemas. Realizarem

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Marcas para a vida toda

ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Marcas para a vida toda ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Marcas para a vida toda Ministério Público Federal Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul Assessoria de Comunicação Social Texto: Danilce Vanessa

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre John Perry Um amnésico, de nome Rudolf Lingens, perde-se na biblioteca da [Universidade] de Stanford. Lê várias coisas na biblioteca, incluindo

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 13 ÍNDICE PrefÁcio... 11 INTRODUÇÃO... 13 Capítulo 1 OS PONTOS DE REFERÊNCIA DA DISCIPLINA.. 17 Os pontos de referência... 17 Os fundamentos da disciplina: os primeiros 6 meses... 18 Dos 7 aos 8 meses: a

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima,

Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, Testes em Geral Caros amigos e alunos, este espaço destaquei para que vocês possam perceber alguns testes em relação ao autoconhecimento, inteligência, autoestima, raciocínio lógico, empatia entre outros.

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

EDUCAR COM MINDFULNESS

EDUCAR COM MINDFULNESS MIKAELA ÖVÉN EDUCAR COM MINDFULNESS Guia de Parentalidade Consciente para pais e educadores Oo ÍNDICE INTRODUÇÃO: O maravilhoso mundo da parentalidade... 13 Seja um Detetive Mindful... 15 1. O caminho

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1

Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Escolher o futuro O papel do/a psicólogo/a clínico/a no contexto de intervenção em comunidades socioeconómicas desfavorecidas 1 Mário Jorge Silva (psicólogo clínico) e Marli Godinho (psicóloga clínica)

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

Violência Doméstica e Violência no Namoro

Violência Doméstica e Violência no Namoro Violência Doméstica e Violência no Namoro Formanda: Maria do Rosário Pascalino Andrade do Amaral Formadoras: Cândida Ramoa Isabel Leitão Oficina de Formação: C441 A Educação Sexual em Meio Escolar: Metodologias

Leia mais

ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ENEAGRAMA E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Desenvolver a Proactividade Consciente María Julieta Balart, Sócia Directora da Ágama Consultoria e Aprendizagem, S.L. No artigo anterior referimos que a solução para

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 13 PRIMEIRA PARTE A ARTE DA COMUNICAÇÃO 1. ESCUTAR OS FILHOS... 17 1.1 Dar tempo... 18 1.2 Prestar atenção... 19 1.3 Interpretar bem a mensagem... 19 1.4 Manifestar compreensão...

Leia mais

Reward Kat. Simples programa de economia de fichas para crianças

Reward Kat. Simples programa de economia de fichas para crianças Simples programa de economia de fichas para crianças O que é um Sistema de Economia de Fichas? O QUÊ? A criança tem mais espaço para crescer num ambiente positivo. Recompensar é mais eficaz que punir.

Leia mais

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases Newsletter N.º 19 Janeiro/Fevereiro 11 5 Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças expressam as suas emoções de formas muito distintas ao longo das várias fases da infância. Mas é entre os 2 e os

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL

CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL CURSO DE FORMAÇÃO DE PASTORES E LÍDERES (CFPL) ACONSELHAMENTO PASTORAL Vocês sabem ouvir e realizar um Aconselhamento Pastoral (AP) eficaz e eficiente? Sabem as técnicas que podem ser utilizadas no Gabinete

Leia mais

www.juliofurtado.com.br

www.juliofurtado.com.br Limites sem traumas: construindo cidadãos Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 23/05/2014 Da disciplina do medo ao medo da disciplina. O medo de ser rígido Crianças não devem

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Quais os comportamentos que se verificam?

Quais os comportamentos que se verificam? Por volta dos 3 anos a maioria das crianças começa a manifestar um maior interesse e preferência por atividades e comportamentos típicos do seu género. Este comportamento é chamado de comportamento típico

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO 39 Sexta Lição PAPAI E MAMÃE NA CRIAÇÃO DOS FILHOS O relacionamento do papai e da mamãe como casal é de fundamental importância para uma formação adequada dos filhos. Esse relacionamento influenciará decisivamente

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br

Educar filhos: cuidar mais do que proteger. Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Educar filhos: cuidar mais do que proteger Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br As 4 principais tarefas dos pais DESENVOLVER: 1. Independência emocional 2. Autodisciplina 3. Capacidades 4. Moral Educar

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES (Des)motivação na sala de aula! Sugestões práticas da: Nota introdutória Ser professor é ter o privilégio de deixar em cada aluno algo que este possa levar para a vida, seja

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão

Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Terapia de Família: relações familiares e o processo de inclusão Sonia Beatriz Sodré Teixeira Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutora em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ,

Leia mais

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário?

LIMITES NA ADOLESCÊNCIA. Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? LIMITES NA ADOLESCÊNCIA Como impor limites a um adolescente, se o meio influencia justamente o contrário? Limitar é ensinar a tolerar frustrações. É prevenir para que, no futuro, uma dificuldade qualquer

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

"Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo.

Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. "Busca pelo Envolvimento do Funcionário Parte Dois: O Poder do Reforço Positivo. Por Bill Sims, Jr. www.safetyincentives.com Na primeira parte desta história, expliquei sobre os três tipos de funcionários

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

APL (Avaliação de Potencial para Liderança)

APL (Avaliação de Potencial para Liderança) APL (Avaliação de Potencial para Liderança) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:41:14 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/13 Índice analítico

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

Programação Completa. Treinamento. O líder. que as empresas querem

Programação Completa. Treinamento. O líder. que as empresas querem Programação Completa Treinamento O líder que as empresas querem 15 e 16 de setembro de 2014 A quem se des na: Metodologia: Carga horária: O treinamento foi elaborado para o aprimoramento dos líderes e

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Dez erros que os pais cometem com filhos adolescentes

Dez erros que os pais cometem com filhos adolescentes Dez erros que os pais cometem com filhos adolescentes A adolescência é um período complicado para pais e filhos. As relações ficam mais difíceis, as preocupações aumentam e é preciso administrar com calma

Leia mais

A consciência no ato de educar

A consciência no ato de educar Família e escola: somando forças para construir o futuro Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br A consciência no ato de educar Não se educa entre uma novela e outra. Não se educa nos finais de semana! Não

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Perder Peso Pedalando

Perder Peso Pedalando Perder Peso Pedalando Pedalar: Caminho para um estilo de vida saudável. Tudo o que você precisa saber. Quase todo mudo quer perder peso para melhorar a aparência e também para a melhora geral da saúde.

Leia mais

Crescer Sem Violência

Crescer Sem Violência Escrito por: Al Crowell Com permissão, traduzido e adaptado por Andréia C. K. Mortensen e Jan Andrade, revisado por Andréa Mascarenhas. Ilustrado por: Rebeca García-González Produção e layout da versão

Leia mais

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014

José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 José Octávio Serra Van-Dúnem PhD Professor/ Consultor Setembro 2014 Organizações Positivas LOGOS ou razão, princípio e explicação. HOLI, a comemoração da harmonia. Conjugamos conhecimento e sabedoria,

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH

PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH PROVA DE REDAÇÃO 2º TRIMESTRE DE 2010 PROFª DEBORAH NOME Nº 8 ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS:

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: Caro/a dinamizador(a) de grupo/técnico(a): Começamos por agradecer a sua colaboração na avaliação do programa. Este é um passo fundamental

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6)

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) "A mãe ou o pai que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia..." Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Provérbios 22:6) Filhos, obedecei

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel

No ano passado. lannoy Dorin SUPLEMENTO DO PROFESSOR. Elaborado por Fernanda Baruel SUPLEMENTO DO PROFESSOR No ano passado lannoy Dorin Elaborado por Fernanda Baruel A adolescência é um período conturbado. Além das mudanças no corpo, muitos e novos são os sentimentos e as sensações. Por

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO?

i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS QUAL A IMPORTÂNCIA DO SONO? i dos pais O SONO NAS CRIANÇAS É importante perceber que à medida que as crianças crescem e se desenvolvem, a sua rotina do sono também muda. Assim, será possível que um recém-nascido possa dormir cerca

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva²

HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA. Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² HABILIDADE EMPÁTICA EM GRADUANDOS DE ENFERMAGEM: DIMENSÕES COGNITIVA E AFETIVA Célia Caldeira Fonseca Kestenberg¹, Natalia André Barbosa Silva² INTRODUÇÃO A empatia é uma habilidade socialmente aprendida,

Leia mais

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco ilustrações de Jean-Claude R. Alphen Guia para pais Laís, a fofinha Walcyr Carrasco série todos juntos Laís foi morar em outra cidade e, na nova escola, os colegas não param de lhe dar apelidos desagradáveis

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE?

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE? Rafael Mahave Tradução e adaptação de Amândio da Fonseca Ninguém duvida da utilidade dos incentivos para se atingirem objectivos, quer no âmbito profissional quer empresarial. E quando falamos de objectivos

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Criando filhos Edificação da Família 1. Primeira Lição O PLANO DE DEUS

Criando filhos Edificação da Família 1. Primeira Lição O PLANO DE DEUS Criando filhos Edificação da Família 1 Primeira Lição O PLANO DE DEUS ENSINA O TEU FILHO "Ensina o teu filho no caminho em que deve andar, e até quando for velho não se desviará dele" - PV 22.6 E estas

Leia mais

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso!

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! Versão 1.0 Introdução: Acredito que o processo

Leia mais

Maus -tratos. ACÇÃO DE FORMAÇÃO ANO de 2010 FÁBIA SOUZA

Maus -tratos. ACÇÃO DE FORMAÇÃO ANO de 2010 FÁBIA SOUZA ACÇÃO DE FORMAÇÃO ANO de 2010 FÁBIA SOUZA Os maus-tratos a crianças têm uma longa história, possivelmente do tamanho da humanidade. (Martins, 2002:23). Maus - tratos Maus - tratos Maus-tratos Martínez

Leia mais

Preciso DE ME DESPIR do que aprendi. Desencaixotar AS minhas EMOÇÕES verdadeiras. Desembrulhar-me e ser EU! Uma aprendizagem de desaprendizagem...

Preciso DE ME DESPIR do que aprendi. Desencaixotar AS minhas EMOÇÕES verdadeiras. Desembrulhar-me e ser EU! Uma aprendizagem de desaprendizagem... Preciso DE ME DESPIR do que aprendi. Desencaixotar AS minhas EMOÇÕES verdadeiras. Desembrulhar-me e ser EU! Uma aprendizagem de desaprendizagem... Alberto Caeiro Do senso comum: -Sabedoria -Instinto social

Leia mais

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma!

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma! 5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU GUARDA-ROUPA e a si mesma! E S T I L O É A SUA ALMA V I S T A P E L O lado de fora. I N T R O D U Ç Ã O Qual é a mulher nesse mundo QUE NUNCA RECLAMOU EM FRENTE AO ESPELHO

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

Capítulo 12 Aniversários, Memoriais e Ocasiões Especiais

Capítulo 12 Aniversários, Memoriais e Ocasiões Especiais Capítulo 12 Aniversários, Memoriais e Ocasiões Especiais O aniversário de um evento traumático ou de uma perda pode ser muito doloroso, particularmente no primeiro ano. Para quem perdeu um ente querido,

Leia mais