04. PPT Princiṕios do Jogo PPT Caracterizac aõ Ni veis Desempenho 26 Caderno Exercićios 45 Documento Apoio Formac aõ Futsal FPF -DE FINAL 102

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "04. PPT Princiṕios do Jogo PPT Caracterizac aõ Ni veis Desempenho 26 Caderno Exercićios 45 Documento Apoio Formac aõ Futsal FPF -DE FINAL 102"

Transcrição

1 04. PPT Princiṕios do Jogo PPT Caracterizac aõ Ni veis Desempenho 26 Caderno Exercićios 45 Documento Apoio Formac aõ Futsal FPF -DE FINAL 102 Etapas_Formacao_Jogador_Futsal Apresentação PPT Histoŕia Cronoloǵica do Futsal PPT Evoluc aõ do Jogo PPT Futsal como Jogo Desportivo Colectivo 258

2 PRINCÍPIOS DO JOGO Pressupostos Metodológicos na Aprendizagem do Jogo de Futsal JOGO DE FUTSAL Objectivos Momentos Princípios Ações Individuais Colectivas 1

3 JOGO DE FUTSAL Ataque Defesa OBJECTIVOS MOMENTOS Progressão/Finalização Manutenção da posse de bola Construção das acções ofensivas Criação de situações de finalização Finalização Cobertura/Defesa da baliza Recuperação da posse de bola Impedir a construção das acções ofensivas Anular situações de finalização Defender a baliza PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS GERAIS Penetração Cobertura Ofensiva Mobilidade Espaço Recusar a inferioridade numérica Evitar a igualdade numérica Criar a superioridade numérica Contenção Cobertura Defensiva Equilíbrio Concentração A Compreensão do Jogo Táctica de Equipa Táctica Individual Táctica de Grupo 2

4 A Compreensão do Jogo Acções de Jogo Individuais Colectivas Elementares Complexas Táctica Individual Táctica de Grupo (2 e 3 Jogadores) Táctica de Equipa A Compreensão do Jogo 1 x GR 1 x 1 + GR 2 x GR 2 x 1 + GR 3 x 1 + GR 2 x 2 + GR 3 x 2 + GR 3 x 3 + GR Individual Grupo 4x3+GR (estratégico) 4x4 jogo formal 5x4+GR (estratégico) Equipa 3

5 Objectivos ATAQUE Conservar a posse da bola; Progressão dos jogadores e da bola em direcção à baliza contrária; Finalização. DEFESA Recuperar a bola; Retardar a progressão dos jogadores e aproximação da bola da nossa baliza Protecção do espaço defensivo e da baliza JOGO DE FUTSAL Organização Ofensiva Transição Ataque/Defesa Organização Defensiva Transição Defesa/Ataque 4

6 FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Princípios de jogo: Conjunto de linhas orientadoras que orientam os comportamentos tático-técnicos individuais e coletivos Código de linguagem comum que permite melhorar a funcionalidade da comunicação explicita ou implícita (Castelo, 2004) Princípios do Jogo - Gerais Recusar a inferioridade numérica Evitar a igualdade numérica Criar a superioridade numérica 10 5

7 Princípios específicos de Jogo Ofensivos Penetração Cobertura Ofensiva Mobilidade Espaço Defensivos Contenção Cobertura Defensiva Equilíbrio Concentração 6

8 FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Princípios de jogo específicos: FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Penetração vs Contenção Exploração da possibilidade de finalizar ou progredir em direção ao alvo contrário Impedir a finalização ou progressão para a sua baliza, criando uma situação de 1x1 7

9 FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Cobertura Ofensiva vs Cobertura Defensiva Para garantir superioridade numérica um dos atacantes procura criar uma linha de passe Para garantir superioridade numérica defensiva, um dos defesas protege o jogador em contenção FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Mobilidade vs Equilíbrio Romper com a estabilidade defensiva e criação de linhas de passe através de movimentações sem bola Reajuste espacial para a manutenção da estabilidade defensiva, face ao posicionamento ofensivo 8

10 FUTSAL, JOGO DESPORTIVO COLETIVO CARATERIZAÇÃO DAS EXIGÊNCIAS DO JOGO PRINCIPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Espaço vs Concentração Amplitude de espaço em largura e em profundidade para criação de linhas de passe e aumento do espaço a ocupar pela defesa Restrição do espaço disponível para jogar para criação de situações de superioridade numérica em torno da bola PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Penetração Dirigir os comportamentos técnico-tácticos em direcção à baliza adversária. Tendo em conta: Transportar o centro de jogo para zonas de finalização; Evitar que a equipa adversária se organize defensivamente; Tirar partido de se ter a posse de bola. 18 9

11 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Penetração P E N E T R A Ç Ã O PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Cobertura Ofensiva Quando um jogador recebe a bola, deve receber imediatamente por parte dos seus colegas acções de cobertura atrás da linha da bola; Tendo em conta: Dar opções técnico-tácticas da situação do jogo; Diminuir a pressão dos adversários sobre o portador da bola; Possibilitar a manutenção do equilíbrio defensivo, em relação ao companheiro de posse da bola

12 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Cobertura Ofensiva COB OFE PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Mobilidade Tentar danificar a organização defensiva da equipa adversária, criando os espaços necessários para a progressão da bola. Tendo em conta: Criação de espaços livres; Desequilibrar o centro de jogo defensivo; Tornar o jogo imprevisível do ponto de vista defensivo

13 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Mobilidade MOBILIDA DE PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Espaço Estruturação e racionalização das acções ofensivas colectivas no sentido de dar maior amplitude ao ataque em: Largura; Profundidade

14 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Espaço PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Contenção Mudança de atitude ofensiva para defensiva. Tendo em conta: Marcação ao adversário de posse de bola; Deslocamentos rápidos para evitar o contra-ataque; Manter-se entre a bola e a baliza

15 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Contenção PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Cobertura Defensiva Apoiar o companheiro que marca o portador da bola, para que este tenha maior poder de iniciativa. Assumir a responsabilidade de exercer contenção sobre o adversário quando este ultrapassar o seu colega

16 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Cobertura Defensiva PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Equilíbrio Contrapõe o princípio da mobilidade, visando assegurar: A estabilidade do jogo defensivo; Criar condições desfavoráveis aos atacantes, obrigando-os a deslocarem-se para espaços menos perigosos; Tornar o jogo ofensivo previsível do ponto de vista defensivo

17 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Equilíbrio PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Concentração Estruturação e racionalização das acções defensivas colectivas no sentido de retirar amplitude às acções ofensivas: Largura; Profundidade

18 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO JOGO Concentração Operacionalização dos Princípios de jogo Situações de superioridade e inferioridade 1 x 0 (GR) 2 x 0 (GR) 2 x 1 3 x 1 3 x 2 34 José Luís Mendes 17

19 x0 (GR) Ofensivamente Jogador ataca imediatamente o GR e simula sempre antes de rematar; Se possível esperar por apoio de colegas para eles finalizarem. 35 José Luís Mendes 2x0 (GR) Ofensivamente Jogador portador da bola ataca o GR, e passa ao jogador livre. Jogador livre deverá estar sempre atrás da linha da bola. Defensivamente O GR deverá colocar-se perto da linha de baliza para interceptar o passe ou defender o remate ao 2º poste. 36 José Luís Mendes 18

20 x0 (GR) - defensivamente 37 2x1+ GR Ofensivamente Jogador portador da bola ataca defensor, e passa ao jogador livre. Jogador que executou passe deverá dar solução ao colega (deslocado-se de imediato para o 2º poste ou ficar a dar apoio). Defensivamente Se estiver longe da baliza o defensor divide linha de passe; A cerca de 12/13 metros da baliza oferece linha de passe e referencia o poste; O GR ataca imediatamente jogador livre que recebe a bola. O defensor fica a marcar o jogador sem bola impedindo que este a volte a receber. 38 José Luís Mendes 19

21 Transição Defesa Ataque (2x1+Gr) Atacar defensor anulando a acção deste. Desmarca-se ao 2º poste. 39 Transição Defesa Ataque (2x1+Gr) Fica a dar apoio para finalizar

22 Transição Ataque - Defesa (Gr+1x2) Longe da baliza divide linha de passe; Após 12/13 m oferece linha de passe e individualiza (GR prepara saída). 41 Transição Ataque - Defesa (Gr+1x2) Longe da baliza divide linha de passe; Se este acontecer a uma distância considerável da baliza o defensor deve impedir progressão do jogador que recebeu a bola

23 x1+GR Ofensivamente Jogador com bola sempre no corredor central Após passar a bola a um dos colegas fica a dar apoio Se a bola foi para a ala esquerda, o jogador da ala direita desmarca-se imediatamente para o 2º poste O jogador com bola terá duas soluções: jogar para trás no apoio ou passe para o 2º poste Defensivamente O defensor deverá temporizar o mais possível; Quando acontecer o passe: - O GR ataca imediatamente o jogador que recebe a bola, fechando o defensor o 2º poste. 43 José Luís Mendes Transição Ataque - Defesa (Gr+1x3) 44 22

24 x2+GR Ofensivamente Jogador com bola sempre no corredor central Após passar a bola a um dos colegas fica a dar apoio Se a bola foi para a ala esquerda, o jogador da ala direita desmarca-se imediatamente para o 2º poste O jogador com bola terá duas soluções: jogar para trás no apoio ou passe para o 2º poste Defensivamente Os dois defensores deverão defender à zona, e o GR tenta proteger o 2º poste. Ou - O GR defende um dos lados, previamente definido, ficando os defensores responsáveis por marcar os outros dois atacantes (corredor central e lado contrário do GR). 45 José Luís Mendes Transição Defesa - Ataque (3x2+Gr) 46 23

25 Transição Defesa - Ataque (3x2+Gr) 47 Transição Ataque - Defesa (Gr+2x3) Se houver passe e o defensor não tiver tempo INDIVIDUAL (GR ataca jogador livre); 48 24

26 Transição Ataque - Defesa (Gr+2x3) Se tiver tempo pressiona bola e o outro defensor ataca zona central 49 25

27 CARATERIZAÇÃO DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO Pressupostos Metodológicos na Aprendizagem do Jogo de Futsal Níveis de Desempenho 1

28 Futsal Embrionário Adesão massiva Irreverência ideológica Contexto: Desejável emancipação e evolução, Analogia com outras modalidades cuja cultura desportiva está mais desenvolvida. Futsal 2

29 Futsal Cognitivo Nível de Desempenho Condicional Coordenativo PRIORIDADES Cognitivo Coordenativo Condicional Básico Elementar Intermédio Especialização 3

30 Futsal Ensino do jogo Cognitivo Compreensão do jogo Acção táctica Funcionalidade Futsal Cognitivo Coordenativo Condicional Construção do exercício Complexidade - Envolvimento 4

31 Proposto Metodológica para o Ensino do jogo de Futsal Inicialmente no ensino do jogo de Futsal, condicionado pelo ensino de outros jogos desportivos colectivos e pelo reconhecimento das grandes exigências técnicas que esta modalidade requisita, utilizou-se uma metodologia centrada no ensino da técnica. Proposto Metodológica para o Ensino do jogo de Futsal Actualmente, tal como em outros jogos desportivos colectivos, o Futsal adoptou um modelo de ensino do jogo orientado pela dimensão táctica (Braz 2006), cujo objectivo é o desenvolvimento das capacidades e das qualidades de desempenho dos jogadores e da equipa, através de um melhor entendimento do jogo. Contudo, é importante salientar que as outras dimensões não devem ser ignoradas ou descoradas, a dimensão táctica deve contextualizar o processo operacional de ensino. 5

32 Proposto Metodológica para o Ensino do jogo de Futsal TENDÊNCIA Decomposição do nível de complexidade do jogo Aumento progressivo desses níveis de complexidade (1x1, 2x2, 3x3, até ao jogo formal, o 5x5). Proposto Metodológica para o Ensino do jogo de Futsal O modelo de abordagem não deve assumir uma progressiva hierarquia sequencial desses níveis. Deve sim assumir uma modelação em que o horizonte estrutural e funcional do jogo pretendido esteja presente e a plasticidade dessa modelação permita deambular pelos diferentes níveis de complexidade 6

33 Níveis de desempenho Fazendo uma análise vertical ao jogo de Futsal, tendo como referência o jogo praticado pelas crianças que o iniciam e o nível de desempenho desejado para que um jogador possa integrar uma equipa sénior, verifica-se que existem diferentes níveis evolutivos. Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo O nível básico é manifestado, fundamentalmente, pelo rudimentar relacionamento com a bola; A organização posicional e funcional não existe; A bola não é só o objecto como também é o objectivo do jogo; Constante aglomeração dos diferentes jogadores em torno da bola; A ausência de consciência do objectivo primeiro do jogo, a marcação de golos; Tudo funciona em torno do espaço físico da bola. 7

34 Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo O nível básico é manifestado, fundamentalmente, pelo rudimentar relacionamento com a bola: Aspectos coordenativos; Ações de jogo Técnica individual ; Como se executam as ações de jogo individuais; Podemos colocar o porquê? Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo A organização posicional e funcional não existe: Colocação em campo? Princípio do espaço já será conteúdo? Funcionalidade? 8

35 Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo A bola não é só o objecto como também é o objectivo do jogo: Objectivo de cada ação individual? Qual o objectivo do jogo? Para onde orientar as ações de jogo? Princípio de jogo fundamental? Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo Constante aglomeração dos diferentes jogadores em torno da bola e tudo funciona em torno do espaço físico da bola: Variáveis espaço nas propostas de ensino como? Ações de jogo sem bola conteúdo prioritário? 9

36 Nível Básico Iniciação ao objecto do jogo A ausência de consciência do objectivo primeiro do jogo, a marcação de golos: Princípio de jogo fundamental? Primeiras noções de colaboração para atingir objectivo do jogo; Princípio de jogo cobertura ofensiva? Níveis de desempenho NÍVEL BÁSICO EXERCÍCIOS: PROPOSTAS ELABORADAS PELOS FORMANDOS; APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO; Conteúdos prioritários? 10

37 Nível Elementar Elaboração elementar do objectivo do jogo O nível elementar caracteriza-se pelo início do entendimento do jogo, enquanto jogo colectivo; Ainda evidenciam frequentemente erros técnicos interrompendo as ações individuais e colectivas de jogo; Aparece uma organização posicional e funcional simples; As ações colectivas apenas são realizadas quando se reconhece que as individuais não terão possibilidades de êxito ou quando os benefícios são facilmente evidentes; Incorpora-se a diferenciação entre ter e não ter a posse da bola. Nível Elementar Elaboração elementar do objectivo do jogo O nível elementar caracteriza-se pelo início do entendimento do jogo, enquanto jogo colectivo ou seja, as ações colectivas apenas são realizadas quando se reconhece que as individuais não terão possibilidades de êxito ou quando os benefícios são facilmente evidentes: A colaboração entre colegas começa a ser preocupação; Princípios de jogo cobertura ofensiva e defensiva. 11

38 Nível Elementar Elaboração elementar do objectivo do jogo Ainda evidenciam frequentemente erros técnicos interrompendo as ações individuais e colectivas de jogo: Aspectos coordenativos continuam a ser potenciados mas sempre numa lógica de funcionalidade; Objetivo claro de cada ação de jogo; Refinamento das ações. Nível Elementar Elaboração elementar do objectivo do jogo Aparece uma organização posicional e funcional simples: Qual a melhor organização posicional? Como aproveitar o espaço existente manipular o espaço do jogo/exercícios; Táctica de grupo funcionalidade simples. 12

39 Nível Elementar Elaboração elementar do objectivo do jogo Incorpora-se a diferenciação entre ter e não ter a posse da bola: Princípios de jogo defensivos têm relevância; Cobertura defensiva e defesa dos colegas sem bola; Mudança de atitude quando se perde a posse de bola. Níveis de desempenho NÍVEL ELEMENTAR EXERCÍCIOS: PROPOSTAS ELABORADAS PELOS FORMANDOS; APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO; Conteúdos prioritários? 13

40 Nível Intermédio Desenvolvimento da organização posicional A qualidade técnica dos jogadores já permite uma fluidez no jogo que lhes garante, com frequência, uma sequência de ações ininterrupta sem erros não provocados; Início da noção de organização posicional das diferentes fases/momentos de jogo; Os jogadores passam a ter consciência dos diferentes posicionamentos estruturais e das respectivas funções; A evolução do jogo passa pelo enquadramento colectivo que as ações individuais começam a assumir; O jogo passa definitivamente a ser entendido como um projeto colectivo em que as ações individuais visão o benefício da equipa. Nível Intermédio Desenvolvimento da organização posicional A qualidade técnica dos jogadores já permite uma fluidez no jogo que lhes garante, com frequência, uma sequência de ações ininterrupta sem erros não provocados: Complexidade cognitiva relevante; Maior intensidade nas ações a realizar; Contexto de oposição elevado; Refinamento das ações de jogo - total funcionalidade. 14

41 Nível Intermédio Desenvolvimento da organização posicional Início da noção de organização posicional das diferentes fases/momentos de jogo: Qual a melhor organização posicional? Como aproveitar o espaço existente manipular o espaço do jogo/exercícios; Princípios de jogo mobilidade e equilíbrio cumprindo os princípios espaço e concentração Táctica de grupo e de equipa entendimento. Nível Intermédio Desenvolvimento da organização posicional Os jogadores passam a ter consciência dos diferentes posicionamentos estruturais e das respectivas funções; Entendimento das diferentes posições existentes no Futsal; Tarefas específicas de cada função do jogo; Noção dos diferentes espaços ocupados no espaço de jogo. 15

42 Nível Intermédio Desenvolvimento da organização posicional A evolução do jogo passa pelo enquadramento colectivo que as ações individuais começam a assumir; Funcionalidade total de cada ação de jogo Intencionalidade COMO TAL: O jogo passa definitivamente a ser entendido como um projeto colectivo em que as ações individuais visão o benefício da equipa. Níveis de desempenho NÍVEL INTERMÉDIO EXERCÍCIOS: PROPOSTAS ELABORADAS PELOS FORMANDOS; APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO; Conteúdos prioritários? 16

43 Nível de Especialização Especialização da dinâmica colectiva Qualidade técnica contextualizada numa organização estrutural e funcional suportado por numa dinâmica colectiva que emerge de padrões comportamentais referenciais; Neste nível de jogo os praticantes já evidenciam simultaneamente duas características importantes: grande mobilidade e equilíbrio posicional permanente; O jogo torna-se realmente colectivo e com todos os pressupostos necessários para que se possa partir para jogares com organização estrutural e funcional complexa. Nível de Especialização Especialização da dinâmica colectiva Qualidade técnica contextualizada numa organização estrutural e funcional suportado por numa dinâmica colectiva que emerge de padrões comportamentais referenciais; Clara noção colectiva de jogo; Cumprimento espacial em função das tarefas específicas de cada função do jogo; Continuar a refinar as ações de jogo, alicerçadas fortemente na intencionalidade e funcionalidade do jogo. 17

44 Nível de Especialização Especialização da dinâmica colectiva Neste nível de jogo os praticantes já evidenciam simultaneamente duas características importantes: grande mobilidade e equilíbrio posicional permanente; Princípio de jogo espaço e concentração constantemente cumpridos; Cumprem princípios de jogo específicos universais! Nível de Especialização Especialização da dinâmica colectiva O jogo torna-se realmente colectivo e com todos os pressupostos necessários para que se possa partir para jogares com organização estrutural e funcional complexa: Existe um identidade de jogo específica; Especificidade colectiva de equipa não colide com princípios específicos universais. 18

45 Níveis de desempenho NÍVEL INTERMÉDIO EXERCÍCIOS: PROPOSTAS ELABORADAS PELOS FORMANDOS; APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO; Conteúdos prioritários? 19

46 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios Pressupostos Metodológicos na Aprendizagem do Jogo de Futsal

47 Metodologia: INTRODUÇÃO

48 NIVEL BÁSICO Problemas: - O nível básico é manifestado, fundamentalmente, pelo rudimentar relacionamento com a bola; - A organização posicional e funcional não existe; - A bola não é só o objecto como também é o objectivo do jogo; - Constante aglomeração dos diferentes jogadores em torno da bola; - A ausência de consciência do objectivo primeiro do jogo, a marcação de golos; - Tudo funciona em torno do espaço físico da bola.

49 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Condução e Controlo da bola Esquema: Organização: Condução de bola num espaço limitado (dentro da área). Ao sinal do Professor dirigem-se para uma baliza (orientar condução para um objectivo). Colocar várias balizas, zonas de ponto, etc. Comportamentos Desejados: - Não perder o domínio da bola, orientar rápido a ação para a baliza!.

50 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Condução e Controlo da bola Esquema: Organização: 1 jogador sem bola todos os outros ficam com 1 bola cada. O jogador sem bola é o apanhador. Quando este apanhar um colega invertem as posições. (Podem ser inseridas condicionantes para a condução). Comportamentos Desejados: - Não perder o dominio da bola, capaz de mudar de velocidade e direcção com a bola controlada.

51 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Condução e Controlo da bola Esquema: Organização: 2 jogadores sem bola, 1 faz de apanhador o outro serve de apoio aos colegas. Quem estiver a ser perseguido passa a bola ao jogador que faz os apoios e passa este a ser o apoio. Se o aluno que está como apanhador, apanhar um colega inverte as posições. Comportamentos Desejados: - Não perder o dominio da bola, capaz de mudar de velocidade e direcção com a bola controlada. Jogador que está a servir de apoio deve orientar-se para o colega que está a ser perseguido pelo apanhador.

52 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Controlo e condução da bola. Penetração. Esquema: Organização: Grupos de três, todos com bola, tentam passar com a bola controlada nas balizas que têm um defensor. Comportamentos Desejados: - Não perder o domínio da bola. Passar na baliza com a bola controlada. Escolher o melhor momento para passar.

53 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Passe, receção contenção, posicionamento defensivo Esquema: Organização: Grupos de três ou quatro com um defesa que tenta intercetar a bola Comportamentos Desejados: - Não perder o domínio da bola. Procura de linhas de passe livres, precisão no passe

54 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: Jogo 1x1 em cada zona do campo com dois jokers que auxiliam o portador da bola. Comportamentos Desejados: - Portador da bola procura dirigir-se para a baliza. Defensor tenta impedir essa progressão. Colega do portador da bola participa na ação oferecendo uma solução.

55 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Passe, recepção, drible, Penetração, cobertura ofensiva e contenção, Esquema: Organização: GR+2+1x1+GR em 2 setores. Após a bola entrar no setor ofensivo joga 2x1+GR Comportamentos Desejados: - Orientar a bola para a frente, após passe em profundidade um dos atacantes deve penetrar para a baliza. Importante o modo como a bola é controlada face ao posicionamento do colega ou adversário. Posicionamento defensivo, tempo para desarme, retorno defensivo

56 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: Jogo 2x2 + Joker em que 1 jogador da equipa que defende é sempre guarda-redes. Criam-se situações de 3x1. Comportamentos Desejados: - Portador da bola procura dirigir-se para a baliza. Defensor tenta impedir essa progressão. Colega do portador da bola participa na ação oferecendo uma solução.

57 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: 1x1+joker, o joker é solução de passe ao portador da bola. Comportamentos Desejados: - Portador da bola deve dirigir-se para a baliza. Defensor deve esperar o melhor momento para desarmar o atacante. Joker deve estar sistematicamente a criar linha de passe ao atacante.

58 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Controlo e condução da bola. Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: Grupos de dois com bola, tentam passar com a bola controlada nas balizas que têm um defensor. Comportamentos Desejados: - Não perder o domínio da bola. Passar na baliza com a bola controlada. Escolher o melhor momento para passar.

59 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e Cobertura Ofensiva Esquema: Organização: Jogo 2x2 em que 1 jogador da equipa que defende é sempre guardaredes. Criam-se situações de 2x(1+GR). Comportamentos Desejados: - O atacante com bola procura dirigir as ações para a baliza adversária. O atacante sem bola efetua cobertura ofensiva ao colega. O defensor revela comportamentos defensivos impeditivos de progressão do adversário.

60 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: 2x2 + 2 jokers, cada equipa defende 1 baliza, jokers jogam na equipa que tem a posse de bola. Comportamentos Desejados: - Portador da bola deve direccionar-se para a baliza. Joker deve dar solução ao portador da bola. Defensores evitam a progressão dos atacantes.

61 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: Jogo 2x2 + 1 pivot cada equipa. Pivot joga nos últimos 6 metros. Podemos dificultar obrigando a bola a ir ao pivot para finalizar. Comportamentos Desejados: - Atacantes procuram orientar as suas acções para a baliza adversária, atacante sem bola realiza cobertura ofensiva ao colega. Defesas devem evitar a progressão e finalização dos atacantes.

62 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: GR coloca bola em jogo nos atacantes, desenvolvem-se situações de 3x1+GR, um jogador serve de joker, o jogador que finaliza fica a defender. Comportamentos Desejados: - Atacante com bola procura dirigir as acções para a baliza adversária, um dos colegas sem bola realiza cobertura ofensiva, joker deve dar solução de passe ao portador da bola. Defensor deve evitar a progressão e finalização dos atacantes.

63 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Condução, drible/finta, controlo de bola e penetração, contenção Esquema: Organização: 1x1, cada grupo faz ponto quando coloca a bola numa zona(s) pré definida(s) Mais zonas menor dificuldade! Comportamentos Desejados: - Orientar a condução de bola para uma baliza em função do posicionamento do defensor. O defensor deve impedir a progressão do atacante para as balizas.

64 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Controlo e condução da bola. Penetração e contenção Esquema: Organização: Jogo 1x1 em que o aluno tem várias balizas. Iniciar o exercício com passe entre os dois e ao sinal jogar 1x1. Comportamentos Desejados: - Não perder o controlo da bola na sua condução e finalização. Orientar a condução de bola para a baliza mais adequada, em função do posicionamento do defensor.

65 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Condução, drible/finta, controlo de bola, penetração e contenção Esquema: Organização: Criar situações de 1x1+GR, depois de finalizar, os alunos trocam de posição. Pode e deve-se dar vantagem posicional ao atacante para iniciar o exercício! Comportamentos Desejados: - Atacante com bola procura dirigir as acções para a baliza adversária. Defensor deve evitar a progressão e finalização do atacante.

66 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: 3x3, cada equipa defende e ataca 2 balizas. Podemos pedir para marcar na baliza central (maior) ou nas duas laterais! Comportamentos Desejados: - Portador da bola deve direccionar-se para uma das balizas que pode atacar. Melhor ocupação do espaço de jogo de forma a poderem atacar e defender as 2 balizas, evitando a aglomeração de jogadores em torno da bola.

67 NIVEL ELEMENTAR Problemas: - O nível elementar caracteriza-se pelo início do entendimento do jogo, enquanto jogo colectivo; - Ainda evidenciam frequentemente erros técnicos interrompendo as acções individuais e colectivas de jogo; - Aparece uma organização posicional e funcional simples; - As ações colectivas apenas são realizadas quando se reconhece que as individuais não terão possibilidades de êxito ou quando os benefícios são facilmente evidentes; - Incorpora-se a diferenciação entre ter e não ter a posse da bola.

68 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Penetração e contenção Esquema: Organização: 1x1 num espaço delimitado. Defensor poderá iniciar o exercício apoiado apenas num membro inferior! Comportamentos Desejados: - O atacante: desequilibrar o adversário direto ultrapassando-o. O defensor: impedir a progressão do atacante.

69 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva e defensiva Esquema: Organização: 3x3, em cada meio campo apenas podem estar no máximo dois defensores. Comportamentos Desejados: - Atacantes tentam progredir e finalizar aproveitando a superioridade numérica. Os defesas devem coordenar as ações de forma a evitar a progressão e finalização dos atacantes.

70 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração e cobertura ofensiva, contenção e cobertura defensiva. Esquema: Organização: Jogo 3x3 em que 1 jogador da equipa que defende é sempre guardaredes. Criam-se situações de 3x2(+GR). Comportamentos Desejados: - Os atacantes: procuram criar situações de superioridade numérica, numa zona do campo, aproveitando o jogador de campo que têm a mais - Os defensores: procuram coordenar as suas ações para impedirem a progressão e finalização dos atacantes.

71 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração e cobertura ofensiva, contenção e cobertura defensiva. Esquema: Organização: 2x2+ 2 jokers, as 2 balizas pequenas não pertencem a nenhuma equipa, as equipas pontuam sempre que passarem a bola por entre os mecos e dirigida a um colega que continua com a posse de bola. Comportamentos Desejados: - Ocupação de uma forma equilibrada do espaço de jogo evitando a progressão dos atacantes para as balizas. Os atacantes devem ser capazes de alterar o sentido do jogo conforme a ocupação do espaço defensivo.

72 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Penetração, contenção Esquema: Organização: Criar situações de 2x1+GR) nas 2 balizas, o jogador que finaliza fica a defender. GR coloca bola em jogo nos atacantes, se defesa ganhar a bola coloca fora. Comportamentos Desejados: - Atacante com bola procura dirigir as acções para a baliza adversária. Atacante sem bola oferece solução ao colega. Defensor deve evitar a progressão e finalização dos atacantes.

73 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, contenção e cobertura defensiva. Esquema: Organização: Jogo (2+Gr)x(Gr+2) em meiocampo. Comportamentos Desejados: - Os defensores: procuram coordenar as suas ações para impedirem a progressão e finalização dos atacantes.

74 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ELEMENTAR Conteúdos: Cobertura defensiva, penetração e cobertura ofensiva. Esquema: Organização: Grupos de dois, atrás de cada baliza. O Gr coloca a bola em jogo e desenvolve-se uma situação de 2x2+gr. Continuamente para cada baliza. Comportamentos Desejados: - Os defensores: procuram coordenar as suas ações para impedirem a progressão e finalização dos atacantes, enquanto estes tentam colectivamente procurar situações de finalização.

75 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: - Penetração, contenção e cobertura ofensiva. Esquema: Organização: 4 (+Gr)x4 (+Gr), em cada quadrado pode estar 2 atacantes e 1 defesa, o atacante que passar a bola pode dar apoio ao atacante, mas quando perder a posse de bola regressa ao seu quadrado. Criar situações de 2*1, para facilitar a finalização. Comportamentos Desejados: - Ocupação de uma forma equilibrada do espaço de jogo evitando a aglomeração dos jogadores em torno da bola. Vantagem numérica para a equipa que ataca. Os defesas impedem a progressão e finalização dos atacantes.

76 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Contenção, cobertura ofensiva e defensiva Esquema: Organização: 3x2 + 2 Jokers, fazem manutenção posse bola, quem passar no joker troca de lugar com este. Comportamentos Desejados: - Ocupação de uma forma equilibrada do espaço de jogo, criando solução de passe. Os defesas devem coordenar as acções de forma a eliminar linhas de passe.

77 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ELEMENTAR Conteúdos: Cobertura defensiva, penetração e cobertura ofensiva. Esquema: Organização: Grupos de três, tentam realizar 10 passes dentro do quadrado, ao conseguirem, quem estiver em posse de bola ataca uma baliza, provocando situações de 3x1+gr. Os jogadores exteriores podem servir de apoio ao jogo dos 10 passes! Comportamentos Desejados: - No ataque: Coberturas ofensivas constantes ao portador da bola; Na defesa: recuperar a posse de bola rapidamente. Mudar de atitude ofensiva para defensiva e vice-versa

78 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL BÁSICO Conteúdos: Penetração, contenção e cobertura ofensiva Esquema: Organização: Jogo (2+GR)x(GR+2) com apoio de 2 pivôs, na parte externa do campo, mas em todo o espaço ofensivo. Situações de jogo 4x2. Comportamentos Desejados: - Os atacantes: procuram criar situações de superioridade numérica, aproveitando os apoios, para progredir e finalizar.

79 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ELEMENTAR Conteúdos: Contenção e cobertura defensiva, penetração e cobertura ofensiva. Esquema: Organização: Jogo 4x4: a equipa que defende terá que ter 2 jogadores na zona ofensiva e 2 jogadores na zona defensiva; a equipa que ataca pode ter sempre 3 jogadores no espaço que tem a bola. Comportamentos Desejados: - Os atacantes: procuram progredir no térreo e finalizar aproveitando a superioridade numérica. - Os defensores: procuram coordenar as suas ações para impedirem a progressão e finalização dos atacantes.

80 NIVEL INTERMÉDIO Problemas: - A qualidade técnica dos jogadores já permite uma fluidez no jogo que lhes garante, com frequência, uma sequência de acções ininterrupta sem erros não provocados; - Início da noção de organização posicional das diferentes fases/momentos de jogo; - Os jogadores passam a ter consciência dos diferentes posicionamentos estruturais e das respectivas funções; - A evolução do jogo passa pelo enquadramento colectivo que as acções individuais começam a assumir; - O jogo passa definitivamente a ser entendido como um projecto colectivo em que as acções individuais visão o benefício da equipa.

81 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Posição defensiva, desarme e intercepção. Penetração e contenção. Esquema: Organização: Jogo (GR+1)x(1+GR) com 2 apoios na linha de baliza. Definir se os apoios podem ou não podem finalizar Comportamentos Desejados: - Do atacante: procura sistemática da penetração, através do recurso à finta, e da finalização. - Do defensor: impedir a progressão e finalização do atacante através do desarme e da interceção.

82 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio. Esquema: Organização: 3 equipas de 3 jogadores. A equipa com bola tenta passar a bola para a outra equipa. Podemos obrigar a efetuar um determinado número de passes antes de passar a bola para a outra equipa. Comportamentos Desejados: - Os atacantes devem estar em mobilidade constante para criar linhas de passe e criar espaços livres. Defesas reduzir o espaço em largura, reorganização constante para fechar linhas de passe e impedir que a equipa adversária realize os 6 passes.

83 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Mobilidade (específica): combinações ofensivas paralela, diagonal, quebra, e sobreposição. Esquema: Organização: Grupos de dois executam o movimento ofensivo. Quem passa escolhe o movimento ofensivo para obrigar o portador da bola a orientar a recepção de acordo! Colocar defensor para obrigar a escolher o movimento ofensivo Comportamentos Desejados: - Portador da bola executa adequadamente em função do movimento ofensivo do colega sem bola!

84 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio. Esquema: Organização: Jogo (3+GR)* (3+GR) + 2 jokers nas linhas laterais em 1/3 campo Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para encontrar e criar espaços para finalizar. - Defensores Reorganização permanente em inferioridade de forma a reduzir os espaços de finalização ao adversário.

85 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade e espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio e contenção. Esquema: Organização: Jogo (3*3+GR) + 3 apoios ofensivos para cada equipa. Apoios jogam a 2 toques. Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para encontrar e criar espaços para finalizar. - Defensores Reorganização permanente em inferioridade de forma a reduzir os espaços de finalização ao adversário.

86 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio. Esquema: Organização: Jogo (3*2+2, os 3 atacantes recebem bola do GR escolhem a baliza que querem atacar, os outros defesas fazem recuperação defensiva para anularem o 3*2 e passarem para 3*4. Jogo termina quando a bola sair. Comportamentos Desejados: - Atacantes Rapidez na condução de bola para poder finalizar em superioridade numérica. Dar solução de passe ao portador da bola. - Defensores Contenção defensiva de forma a retardar a finalização do ataque e poder criar uma situação de 3*4.

87 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva e mobilidade. Contenção, cobertura defensiva e equilíbrio Esquema: Organização: Jogo (3+GR)x(GR+3) com 2 apoio nas linhas de baliza Comportamentos Desejados: - Dos atacantes: mobilidade constante para criar ou encontrar espaços para finalizar. - Dos defensores: reorganização defensiva permanente para impedir a abertura de espaços para o adversário finalizar.

88 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade e espaço. Contenção, cobertura defensiva, equilíbrio e concentração. Esquema: Organização: Jogo (3+GR)x(GR+3) com 1 apoio. Comportamentos Desejados: - Dos atacantes: abertura da equipa, em largura, e mobilidade constante para criar ou encontrar espaços para finalizar. - Dos defensores: fecho da equipa, em largura, e reorganização defensiva permanente para impedir a abertura de espaços para o adversário finalizar.

89 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade e espaço. Contenção, cobertura defensiva, equilíbrio e concentração. Esquema: Organização: Jogo (3+GR)x(GR+3) em meiocampo. Comportamentos Desejados: - Dos atacantes: abertura da equipa, em largura, e mobilidade constante para criar ou encontrar espaços para finalizar. - Dos defensores: fecho da equipa, em largura, e reorganização defensiva permanente para impedir a abertura de espaços para o adversário finalizar.

90 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade e espaço. Contenção, cobertura defensiva, equilíbrio e concentração. Esquema: Organização: Jogo formal em espaço reduzido (2/3 campo). Comportamentos Desejados: - Dos atacantes: cumprir com os objetivos dos princípios ofensivos. - Dos defensores: cumprir com os objetivos dos princípios defensivos.

91 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio. Esquema: Organização: Jogo formal, cada equipa defende e ataca 3 balizas. Golo nas balizas pequenas 1 ponto, baliza grande só de cabeça 2 pontos. Comportamentos Desejados: - Os atacantes devem estar em mobilidade constante para criar linhas de passe e espaços para finalizar. - Defesas - Reduzir o espaço em largura, reorganização constante para fechar linhas de passe e impedir que o adversário finalize.

92 NIVEL ESPECIALIZAÇÃO Problemas: - Qualidade técnica contextualizada numa organização estrutural e funcional suportado por numa dinâmica colectiva que emerge de padrões comportamentais referenciais; - Neste nível de jogo os praticantes já evidenciam simultaneamente duas características importantes: grande mobilidade e equilíbrio posicional permanente; - O jogo torna-se realmente colectivo e com todos os pressupostos necessários para que se possa partir para jogares com organização estrutural e funcional complexa.

93 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração Esquema: Organização: Jogo 4x4 + 1 jokers que está no circulo central. Fazem circulação e posse de bola, sempre que fizerem 1 passe no joker fazem 1 ponto. Comportamentos Desejados: - Ataque - Mobilidade constante para criar e encontrar espaços livres, criar linhas de passe para colocar bola no Joker. - Defesas - Reduzir o espaço defensivo, reorganização constante para fechar linhas passe para joker.

94 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio. Esquema: Organização: Jogo (3*3)+ 2 GR, dentro do campo 10*20, a equipa que conseguir fazer 3 passes sai em situação 3*1. Se marcar continua se falhar entra outra equipa. Estrutura Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para encontrar e criar espaços para dar linha de passe. - Defensores Reorganização permanente de forma a eliminar linhas de passe ao atacante e pressionar para provocar o erro.

95 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL INTERMÉDIO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: 4x4+GR, 2 balizas pequenas, o atacante que passar com bola entre 1 das 2 balizas pequenas sai do jogo com a bola e imediatamente entra em jogo com bola o colega que está na linha de fundo que pode finalizar logo na cara do GR ou espera pelo apoio dos colegas. Estrutura Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para encontrar e criar espaços para poder finalizar ou espaços para sair pelas balizas pequenas. - Defensores Reorganização permanente de forma a reduzir espaços de finalização ao adversário e ocupação do espaço junto do portador da bola.

96 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: 4x4 + 2 apoios, quem passa no apoio troca de posição com o colega que está fora. Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para encontrar e criar espaços para finalizar. - Defensores Reorganização permanente em inferioridade de forma a reduzir os espaços de finalização ao adversário.

97 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: - Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo formal, o aluno que receber a bola não pode devolver o passe ao aluno que lhe passou. Comportamentos Desejados: - Atacantes Mobilidade constante para dar soluções alternadas de passe. - Defensores Cumprir princípios defensivos.

98 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo formal, os 4 alunos no centro do campo estão sentados no chão, Gr coloca bola na equipa atacante, os alunos que estão no chão levantam e equilibram rapidamente. Jogo termina quando a bola sair. Comportamentos Desejados: - Atacantes Aumentar o ritmo de jogo de forma a evitar o equilibrio dos defesas. - Defensores Reorganização defensiva rápida para impedir a finalização.

99 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo (4+Gr)x(Gr+4), todos os jogadores têm uma bola na mão. O treinador diz o nome de um praticante, este coloca a bola no chão e desenvolve-se jogo (reorganização defensiva). Ao perder a posse de bola chama um 2º jogador (Idem). Comportamentos Desejados: - Dos defensores: reorganização defensiva permanente. - Dos atacantes: grande mobilidade e amplitude do jogo, permanente procura e criação de espaços para finalizar.

100 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo (4+Gr)x(Gr+4) com 4 apoios. Os jogadores que estão fora, como apoios, poderão entrar em jogo, com posse de bola, assim que um colega o solicitar, saindo do espaço de jogo com a bola controlada. Comportamentos Desejados: - Dos defensores: reorganização defensiva permanente. - Dos atacantes: grande mobilidade e amplitude do jogo, permanente procura e criação de espaços para finalizar.

101 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo formal, quando a bola sai, ou se o Professor entender, coloca nova bola em jogo. Comportamentos Desejados: - Ataque: Aproveitar vantagem posicional da nova bola em jogo. - Defesa: Reorganização defensiva em função da nova bola em jogo

102 NÍVEIS DE DESEMPENHO Caderno de Exercícios NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO Conteúdos: Penetração, cobertura ofensiva, mobilidade, espaço. Contenção e cobertura defensiva, equilibrio, concentração. Esquema: Organização: Jogo formal com um apoio a atuar sempre pela equipa que está em posse de bola. Comportamentos Desejados: - Dos atacantes: abertura da equipa, em largura, e mobilidade constante para criar ou encontrar espaços para finalizar. - Dos defensores: fecho da equipa, em largura, e reorganização defensiva permanente para impedir a abertura de espaços para o adversário finalizar.

103 Federação Portuguesa de Futebol / Desporto Escolar Ações de Formação de Futsal DOCUMENTO DE APOIO JUNHO / JULHO de 2013

104 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DO PLANO DE FORMAÇÃO 1.1. Princípios 1.2. Objectivos 2. HISTÓRIA CRONOLÓGICA DO FUTSAL 2.1. Origem e aspectos dominantes da evolução do jogo e das leis de jogo 2.2. Portugal, um caso singular 2.3. Futsal: Desenvolvimento!? 2.4. Futsal: Reconhecimento Social? 2.5. Espaços de formação no Futsal? 2.6. Urgência na qualificação do Futsal Nacional 3. O FUTSAL COMO JOGO DESPORTIVO COLECTIVO 3.1. Futsal, caracterização das exigências do jogo PRINCÍPIOS DE JOGO GERAIS E ESPECÍFICOS Princípios de jogo gerais Princípios de jogo específicos, defensivos e ofensivos; Princípios da Penetração e da Contenção Princípios da Cobertura Ofensiva e da Cobertura Defensiva Princípios da Mobilidade e do Equilíbrio Princípios do Espaço e da Concentração Estrutura e dinâmica do rendimento em Futsal; 3.2. Informação espácio-temporal e comunicação como base para o comportamento individual e coletivo 3.3. Ação tática e tomada de decisão (princípio central na formação de alunos/jogadores ativos) 3.4. Princípios Metodológicos no Ensino do jogo de Futsal em função da sua especificidade Estabilidade vs variabilidade e forma vs funcionalidade no ensino do jogo e implicações Manipulação das variáveis dos exercícios 3.5. A EVOLUÇÃO DO JOGO Evolução da dinâmica de jogo na organização ofensiva/defensiva Organização ofensiva/defensiva (2.2 / zona) com predominância do contra-ataque Especialização de funções (3.1) e início da marcação individual Imposição da dinâmica de jogo ofensivo (4.0) e especialização defensiva Fragmentos constantes do jogo ( Bolas paradas ) 5. CARACTERIZAÇÃO DOS NÍVEIS DE DESEMPENHO 5.1. Principais características, contextualização dos problemas psico-motores e problemas para solucionar NÍVEL BÁSICO - Iniciação ao objecto do jogo; NÍVEL ELEMENTAR - Elaboração elementar do objectivo do jogo NÍVEL INTERMÉDIO - Desenvolvimento da organização posicional NÍVEL ESPECIALIZAÇÃO - Especialização da dinâmica colectiva 5.2. Proposta de Exercícios para os diferentes níveis de desempenho contextos facilitadores de aprendizagem 6. PERSPECTIVAS FUTURAS DE CONTINUIDADE FORMATIVA 7. BIBLIOGRAFIA

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol

Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão. Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Faculdade de Motricidade Humana Escola Secundária Fernando Namora Intervenção nos Jogos Desportivos Coletivos de Invasão Pontos comuns entre o Basquetebol, Andebol e Futebol Orientadores: Professores Estagiários:

Leia mais

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15)

Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização. Treinador do Sporting CP (14/15) Modelo de Jogo de MARCO SILVA e sua Operacionalização Treinador do Sporting CP (14/15)! Modelo de Jogo baseado no! Relatório de Estágio de:! Pereira, G. (2013) - FMH! Estoril 2011/2012 Contextos de Exercitação!

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013

JORGE CASTELO EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA. Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 JORGE CASTELO! EXERCÍCIOS PARA TREINAR A MANUTENÇÃO DA POSSE DA BOLA Fórum dos Treinadores Portugueses de Futebol 2013 Jorge Castelo Data de Nascimento: 26-01-1957; Nacionalidade: Portuguesa; Profissões:

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES:

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL I TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: 1. Activação geral 2. Técnica Individual 3. Acções Colectivas Elementares

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - 2º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Testes de Condição Física Avaliação da velocidade, flexibilidade, força muscular, agilidade e medidas

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES:

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: 1. Activação geral 2. Técnica Individual 3. Acções Colectivas Complexas

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO e 12º ANO JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS (11.º ano e 12.º ano) ACÇÕES PSICO-MOTORAS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol Princípios Táticos Aprofundamento em Futebol DEFENSIVO Linha Bola Gol Equilíbrio homem-bola e Numérico Acompanhamento Cobertura Desarme Linhas de Marcação Tipos de Marcação Princípios Táticos OFENSIVO

Leia mais

Recuperação Defensiva

Recuperação Defensiva Recuperação Defensiva - - - Moncho Lopez e Rui Alves Clinic da Festa do Basquetebol Juvenil Abril 2009 Introdução: Num desporto como o basquetebol, a utilização das habilidades específicas não se faz de

Leia mais

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO:

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: INICIAÇÃO AO FUTEBOL Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: O jogo de futebol não é feito apenas de fundamentos (movimentos técnicos), a relação com a bola é uma das competências essênciais

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar!

Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar! Exercício de treino Mais do que uma repetição uma oportunidade para inovar! Bruno Travassos 1 & Duarte Araújo 2 1 Universidade da Beira Interior / Faculdade Motricidade Humana - UTL 2 Faculdade Motricidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto Guifões 21/05/2012 Introdução: Os jogadores Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Os nossos jogadores sabem cada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA Carlos Sacadura Outubro de 2011 Possibilitar a todas as crianças do nosso distrito a oportunidade de praticar futebol como um desporto de recreação, tempo livre e formação;

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o

P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o P L A N I F I C A Ç Ã 0 E n s i n o S e c u n d á r i o 2016-2017 DISCIPLINA / ANO: Educação Física / 11º Ano MANUAL ADOTADO: Em Movimento 10/11/12 Edições ASA II, S.A. GESTÃO DO TEMPO 1º PERÍODO Nº de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA TODO O CAMPO (O MODELO ADOPTADO NAS SELECÇÕES NACIONAIS DE SUB 16 E 20 FEM. E NO C.N.T CALVÃO) RICARDO VASCONCELOS EUGÉNIO RODRIGUES Clinic Campeonatos Nacionais

Leia mais

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem Defesa Exercícios em 2x2 Defesa Exercícios em 2x2Correr para ajudar 1º passo O exercício começa com o X1 no lado esquerdo do campo, a defender o atacante com bola tentando levá-lo para a linha de fundo.

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física DOMÍNIO/TEMA Aptidão SUB TEMA (Conteúdos) Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio OBJETIVOS GERAIS Elevar o nível funcional

Leia mais

A organização defensiva no modelo de jogo

A organização defensiva no modelo de jogo Valter Donaciano Correia Tudo sobre Futebol, os métodos, os conceitos, os princípios, os processos e a teoria tática A organização defensiva no modelo de jogo www. teoriadofutebol.com; nembriss@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO III METODOLOGIA

CAPÍTULO III METODOLOGIA CAPÍTULO III METODOLOGIA 1. Amostra Para a realização deste trabalho foram recolhidos dados de 4 jogos completos de Hóquei em Patins, relativos ao Campeonato Europeu de Juvenis, nos quais havia necessariamente

Leia mais

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem Pressionar a bola torna o drible e o passe mais difíceis, e aumenta as chances de ocorrer um erro do ataque. O objectivo principal é impedir

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Agrupamento de Escolas Elias Garcia Departamento de Expressões Secção de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 7º ANO ATIVIDADES FÍSICAS CRITÉRIO 4 VOLEIBOL (PARTE DO NÍVEL ELEMENTAR 7º ANO) - Elementar

Leia mais

CAPÍTULO Reconhecer espaços. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes

CAPÍTULO Reconhecer espaços. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5 CAPÍTULO Capacidades táticas Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5.1.5 Reconhecer espaços cap5.1.5.indd 1 27/05/13 18:09 cap5.1.5.indd 2 27/05/13 18:09 APRENDIZAGEM TÁTICA

Leia mais

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 FUTSAL Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 ÍNDICE Índice... i FUTSAL... 1 Fundamentos técnicos:... 1 Posições dos Jogadores no Futsal:... 1 Regras:... 2 Campo... 2 Área de

Leia mais

Futebol. Origem. Caraterização

Futebol. Origem. Caraterização Origem Foi na Grã-Bretanha, durante o Séc. XIX que as suas regras começaram a ser definidas e a aproximar-se das que hoje são praticadas. O primeiro regulamento data de 1823 e a primeira associação de

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano Jogos Pré-Desportivos Educação Física 5.º ano Conhecer o objetivo do jogo, o funcionamento e as regras do jogo. Jogos sem bola: Em situação de ataque cria oportunidades com superioridade numérica para

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

Torneio das Habilidades

Torneio das Habilidades Torneio das Habilidades de maio de 2016 10:45 h Regulamento Torneio das Habilidades O torneio das habilidades decorrerá no Complexo Desportivo de Amarante, no dia a partir das 10:15h. Este torneio é destinado

Leia mais

Fundamentos técnicos do Handebol

Fundamentos técnicos do Handebol Resumo com autoria de Edvaldo Soares de Araújo Neto e Anália Beatriz A. S. Almeida. Fundamentos técnicos do Handebol Recepção Conceito: ato de receber a bola normalmente com as duas mãos; Objetivo: amortecer

Leia mais

Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol

Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol Livro do Professor 117 Unidade didática de Basquetebol Objetivos gerais do Basquetebol Cooperar com os companheiros no objetivo do Basquebol, desempenhando com oportunidade e correção as ações solicitadas

Leia mais

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

REPORT MANCHESTER UNITED

REPORT MANCHESTER UNITED REPORT MANCHESTER UNITED Newcastle Vs. Man. UTD 3-3 Premier League Equipa Inicial Manchester United Nomes Nº Posição David De Gea 1 GR Ashley Young 18 DD 1-4-2-3-1 Chris Smalling 12 DC Daley Blind 17 DC

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Araújo Correia

Escola Secundária Dr. João Araújo Correia Escola Secundária Dr. João Araújo Correia CONTEÚDOS E CARGAS PARA O ESINO SECUNDÁRIO NO ANO LECTIVO 2015-2016 Considerando: - O Programa de Educação Física; - O documento de apoio elaborado por Docentes

Leia mais

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO

REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE LEÇA DA PALMEIRA/STA. CRUZ DO BISPO Ano Letivo de 20012/2013 O que é o andebol? REGRAS DE ANDEBOL 7º ANO O Andebol é um desporto coletivo inventado por um alemão, Karl

Leia mais

Análise ao Villarreal Club de Fútbol

Análise ao Villarreal Club de Fútbol Análise ao Villarreal Club de Fútbol João Pedro Colaço Araújo Atletico Vs. Villarreal CF Pontos Fortes 11 mais utilizado da época/ Rating Contra Ataque FORTE Bolas Paradas Defensivas Proteção da Baliza

Leia mais

Federação Portuguesa de Basquetebol

Federação Portuguesa de Basquetebol Federação Portuguesa de Basquetebol UM RUMO PARA A APROXIMAÇÃO EUROPEIA Orlando Simões 2009 UM RUMO PARA A APROXIMAÇÃO EUROPEIA Enquanto técnico com larga experiência, não duvidamos nem por um momento

Leia mais

Técnica-Táctica e Treino

Técnica-Táctica e Treino FUTSAL Técnica-Táctica e Treino Legenda Atacante Defesa Deslocamento Deslocamento com bola Marcações Barra Pino / Meco Passe Barreira Remate Simulação Salto Guarda-Redes Bola Deitar Sentar Pi Princípios

Leia mais

CAPÍTULO Tirar vantagem tática. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes

CAPÍTULO Tirar vantagem tática. Capacidades táticas. Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5 CAPÍTULO Capacidades táticas Pablo Juan Greco Gustavo de Conti T. Costa Juan Carlos P. Moraes 5.1.3 Tirar vantagem tática cap5.1.3.indd 1 27/05/13 18:07 cap5.1.3.indd 2 27/05/13 18:07 APRENDIZAGEM TÁTICA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE Badminton FUNDÃO, MARÇO DE 2010 Professor Frederico Dias APRESENTAÇÃO / CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação

Leia mais

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano

EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO. JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano EB 2,3 MARTIM DE FREITAS EDUCAÇÃO FÍSICA 2011/2012 2º CICLO NÍVEIS INTRODUTÓRIO, ELEMENTAR E AVANÇADO JOGOS PRÉ DESPORTIVOS (excepto Raquetes) 5º Ano 1. Se tem a bola, passar a um companheiro liberto 2.

Leia mais

CAPÍTULO 7.1. Basquetebol. Juan Carlos P. Moraes Alexandre Santos Anselmo Cleiton Pereira Reis. cap7.1.indd 1 27/05/13 18:20

CAPÍTULO 7.1. Basquetebol. Juan Carlos P. Moraes Alexandre Santos Anselmo Cleiton Pereira Reis. cap7.1.indd 1 27/05/13 18:20 7 CAPÍTULO Basquetebol 7.1 Juan Carlos P. Moraes Alexandre Santos Anselmo Cleiton Pereira Reis cap7.1.indd 1 27/05/13 18:20 cap7.1.indd 2 27/05/13 18:20 PRINCIPIANTE 1 X 1 + 1 PRINCIPIANTE 01 PRINCIPIANTE

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional)

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional) DOMÍNIO/TEMA: Atletismo DOMÍNIO/TEMA Aptidão físicas Direção de Serviços da Região Norte Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio

Leia mais

Caracterização do Jogo

Caracterização do Jogo Caracterização do Jogo Agrupamento de Escolas D. Maria II Segundo Bota (2001) o jogo é uma atividade complexa, preponderantemente motriz e emocional, desenvolvida espontaneamente e segundo regras preestabelecidas,

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

O ENSINO DAS FORMAS REDUZIDAS 1X1

O ENSINO DAS FORMAS REDUZIDAS 1X1 O ENSINO DAS FORMAS REDUZIDAS 3X3 O ENSINO DAS FORMAS REDUZIDAS X António Paulo Ferreira FC Barreirense INTRODUÇÃO Todos reconhecemos a obra de Adelino (99), designada de As Coisas Simples do Basquetebol,

Leia mais

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP

TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO. Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP TAGUSCUP TORNEIO DE FUTSAL REGRAS DO JOGO Considerações sobre as Leis de Jogo de Futsal aplicadas na TAGUSCUP 1. Diferenças entre as Leis de Jogo do Futsal e as regras aplicadas na TAGUSCUP Não há faltas

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 Objetivos gerais: Realizar atividades de forma autónoma, responsável e criativa Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns Relacionar harmoniosamente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ANADIA Bateria de Exercícios Andebol NÚCLEO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2000.200 ANDEBOL BATERIA DE EXERCÍCIOS Este documento pretende acima de tudo fornecer ao professor uma quantidade

Leia mais

Defender também é jogar ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA COLECTIVA.

Defender também é jogar ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA COLECTIVA. CURSO TREINADORES FUTEBOL Nível II Associação Nacional Treinadores Futebol Associação de Futebol de Braga Federação Portuguesa de Futebol Defender também é jogar ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA COLECTIVA. Abril

Leia mais

Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto.

Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto. Chuta como os profissionais. Com o Campo de Futebol da PLAYMOBIL podes fazer passes curtos, passes longos e, até, rematar para o alto. O novo guarda-redes da PLAYMOBIL também pode sair da baliza, deslocar-se

Leia mais

CRONOGRAMA ANUAL DA ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA

CRONOGRAMA ANUAL DA ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA CRONOGRAMA ANUAL DA ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA 1º e 2º Anos de Escolaridade 3º e 4º anos de Escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período ATIVIDADES FÍSICAS A ABORDAR Perícia e Manipulação Atividades

Leia mais

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas

2012 / Arbitrar o Tag-Rugby. Programa Nestum Rugby nas Escolas 2012 / 2013 Arbitrar o Tag-Rugby Programa Nestum Rugby nas Escolas AS LEIS DE JOGO DO TAG RUGBY Tamanho da Bola Escalão Infantis (A e B) a bola a utilizar deverá ser a nº3 Escalão Iniciados e Juvenis a

Leia mais

Modelo Sénior - Visionamento

Modelo Sénior - Visionamento Modelo Sénior - Visionamento Características para um bom distribuidor: Altura Velocidade/Agilidade Visão Periférica Inteligência Imprevisibilidade Responsabilidade Personalidade em jogo: liderança, independência

Leia mais

REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O MATERIAL OS JOGADORES O SORTEIO. O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O volante e a raqueta

REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O MATERIAL OS JOGADORES O SORTEIO. O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O volante e a raqueta REGRAS OFICIAIS (simplificadas) O CAMPO O campo deve ser traçado como mostra o diagrama. O MATERIAL O volante e a raqueta OS JOGADORES O jogo pode ser disputado por dois jogadores de cada lado (pares Homens,

Leia mais

Documento de Apoio de Andebol

Documento de Apoio de Andebol Documento de Apoio de Andebol Caracterização da Modalidade O andebol distingue-se pelas suas variadas acções que vão desde as corridas, aos arranques, às paragens, aos saltos de diversas formas e à combinação

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física

Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física Agrupamento de Escolas da Sé - Guarda Escola Básica Carolina Beatriz Ângelo Grupo Disciplinar de Educação Física 9º ANO - 1º PERÍODO UNIDADE DIDÁTICA TESTES DE C.F. ATLETISMO GINÁSTICA SOLO Conteúdos -

Leia mais

Andebol - 1º Dia 1 Andebol - 2º dia 10 Andebol - 3º dia 73

Andebol - 1º Dia 1 Andebol - 2º dia 10 Andebol - 3º dia 73 Andebol - 1º Dia 1 Andebol - 2º dia 10 Andebol - 3º dia 73 Componentes e meios de ensino do jogo de Andebol Póvoa de Varzim 4 a 7 julho Pedro Vieira, António Oliveira, João Varejão O Jogo tradicional

Leia mais

Planificação Anual Educação Física - 2º Ciclo 2012/2013

Planificação Anual Educação Física - 2º Ciclo 2012/2013 Planificação Anual Educação Física - 2º Ciclo 2012/2013 Participar ativamente em todas as situações e procurar o êxito pessoal e do grupo: - Relacionando-se com cordialidade e respeito pelos seus companheiros,

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Mentalidade Tática no Futebol. Prof.:Msd. Ricardo Luiz Pace Júnior

Mentalidade Tática no Futebol. Prof.:Msd. Ricardo Luiz Pace Júnior Mentalidade Tática no Futebol Prof.:Msd. Ricardo Luiz Pace Júnior O JOGO COMO OBJETO DE ESTUDO O que é a mentalidade tática? Mentalidade tática é a capacidade que deve possuir o jogador de Futsal, para

Leia mais

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido.

Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. www.barcodetablefootball.com Como jogar Futebol de Mesa é um jogo emocionante para 2 jogadores combinando intrincada habilidade, tácticas, e pensamento rápido. É o melhor e mais realista de todos os jogos

Leia mais

PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos:

PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos: FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA universidade técnica de lisboa UNIDADE ORGÂNICA DE CIÊNCIAS DO DESPORTO DIDÁCTICA DAS ACTIVIDADES FÍSICAS BASQUETEBOL I Professor: Prof. Aux. António Paulo Ferreira 1. Introdução

Leia mais

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento

MATRIZ A Prova Global do Agrupamento Compor e realizar Ginástica. Destrezas elementares de solo e aparelhos (Plinto e mini trampolim), em esquemas individuais, aplicando os critérios de correcção técnica e apreciando os esquemas de acordo

Leia mais

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras

Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Jogo 7x7 Jogo 5x5 FUTEBOL Coopera com os companheiros Aceita opções e falhas dos seus colegas Respeita companheiros e adversários Conhece Jogo: objectivo e regras Recepção e controlo Enquadar ofensivamente

Leia mais

Sistema Defensivo 5:1

Sistema Defensivo 5:1 Sistema Defensivo 5:1 Treino Especifico dos Defesas Rolando Freitas Seleccionador Nacional Júnior Masculino Técnico de Grau 3 Mestre em Ciências do Desporto Treino de Alto Rensimento Desportivo O sistema

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FISICA ANO: 5º, 6º TURMAS: A, B, C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L - 2º C I C L O DE AÇÃO No 5º e 6º ano o aluno deverá adquirir competências de nível "introdução"

Leia mais

I - DISTRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS E RESPECTIVA CARGA HORÁRIA PARA DESENVOLVIMENTO DOS 10 BLOCOS DE ACTIVIDADES 7.º ANO

I - DISTRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS E RESPECTIVA CARGA HORÁRIA PARA DESENVOLVIMENTO DOS 10 BLOCOS DE ACTIVIDADES 7.º ANO I - DISTRIBUIÇÃO DE ESPAÇOS E RESPECTIVA CARGA HORÁRIA PARA DESENVOLVIMENTO DOS 10 BLOCOS DE ACTIVIDADES 7.º ANO DOCENTE 7.º ANO 1 Sequência de Espaços por Docentes/Turmas e Estimativa de Carga Horária

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2014-2015 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO

PLANO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO PLANO ANUAL EDUCAÇÃO 3º CICLO Ano Letivo 2012/2013 Rua Marquês de Olhão Bairro da Madre de Deus Telefone 21 8610100 Fax 218683995 1900-330 Lisboa E-Mail: eb23.lantonioverney@escolas.min-edu.pt 1 Competências

Leia mais

IVÁN MARTÍN LEÓN MELHORIA DOS FUNDAMENTOS NOS. ESCALÕES DE FORMAÇÃO Clinic A.B. Lisboa Apontamentos João Cardoso

IVÁN MARTÍN LEÓN MELHORIA DOS FUNDAMENTOS NOS. ESCALÕES DE FORMAÇÃO Clinic A.B. Lisboa Apontamentos João Cardoso BLOQUEIOS DIRECTOS E BLOQUEIOS INDIRECTOS IVÁN MARTÍN LEÓN Design: PlanetaBasket MELHORIA DOS FUNDAMENTOS NOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Clinic A.B. Lisboa 2010 Apontamentos João Cardoso INTRODUÇÃO Ao ver o

Leia mais

Conteúdos de Formação Específica

Conteúdos de Formação Específica Plano Nacional de Formação de Treinadores Conteúdos de Formação Específica Grau 3 - Hóquei Federação Portuguesa de Hóquei 2012 Federação Portuguesa de Hóquei (maio 2012) Edição Assunção Pinto Autoria Departamento

Leia mais

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins

Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Federação Portuguesa de Patinagem Jornadas Técnico-Pedagógica Hóquei em Patins Associação de Patinagem de Lisboa GrupoDesportivode Patinagem Cascais, 23 de Abril de 2005 Federação Portuguesa de Patinagem

Leia mais

História do Basquetebol

História do Basquetebol História do Basquetebol Foi inventado por um professor Canadiano, James Naismith no ano de 1891. Em Dezembro do mesmo ano, teve lugar o primeiro jogo, no Springfield College, nos EUA. O seu primeiro nome

Leia mais

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física

Protocolo de Avaliação Inicial. Educação Física Protocolo de Avaliação Inicial Educação Física ÁREA DAS ACTIVIDADE FÍSICAS 1- JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS 1.1. FUTEBOL. Jogo reduzido 5x5 (4+GR; 2 balizas) ou 4x4 (3+GR; 2 balizas). Critérios de êxito:

Leia mais

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina.

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina. Agrupamento de Escolas de Barrancos INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO FÍSICA abril de 2015 Prova 26 2015 1ª/2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita

Leia mais

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal

Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data Livro de Regras Federação de Andebol de Portugal livro de regras para o Mini Andebol... vamos jogar ANDEBOL! Não sabes as regras? Nada mais fácil... Eu explico! Ficha Técnica Título Edição Contactos Concepção e Paginação Contactos Impressão Tiragem Data

Leia mais

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles.

FUTEBOL. Como se define? Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. FUTEBOL Gesto Técnico: Passe com o pé Acção individual ofensiva de relação entre dois jogadores da mesma equipa, que permite a troca de bola entre eles. Utiliza-se quando existe um colega desmarcado, em

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes.

FUTSAL. O Futsal é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, cada uma delas formada por cinco jogadores de campo e sete suplentes. FUTSAL 1. História do Futsal A prática do futebol de salão começou a dar aos primeiros passos na década de 30 no século XX, nos campos de basquetebol e em pequenos salões. As primeiras regras tiveram por

Leia mais

Didáctica das Actividades Físicas Basquetebol

Didáctica das Actividades Físicas Basquetebol Didáctica das Actividades Físicas Basquetebol Docentes: Prof. Aux. António Paulo Ferreira Ass. Conv. Bruno Regalo Objectivos 1 - Conhecer a estrutura formal e funcional do basquetebol como jogo de cooperação-oposição.

Leia mais

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO

LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO LEI I A SUPERFÍCIE DE JOGO ARTº 1º Os jogos de Futsal serão realizados preferencialmente nos recintos de Andebol (aproveitando as suas marcações) ou em um quarto de campo de futebol de 11 (quando possível

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LECTIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA:EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 2º PERÍODO Competências a desenvolver Conteúdos Aulas previstas Cooperar com os companheiros para o alcance do objectivo

Leia mais

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares

Conhecer factores importantes do jogo. Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal. disciplinares Objectivos Conhecer factores importantes do jogo Conhecer os elementos diferenciadores de Futebol de 11 e de Futsal Conhecer elementos de sanções técnicas e Conhecer elementos de sanções técnicas e disciplinares

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Conhecer e aplicar cuidados higiénicos, bem como as regras de segurança pessoal e dos companheiros, e de preservação dos recursos materiais.

Conhecer e aplicar cuidados higiénicos, bem como as regras de segurança pessoal e dos companheiros, e de preservação dos recursos materiais. Competências essenciais de Educação Física 2º ciclo Elevar o nível funcional das capacidades condicionais e coordenativas gerais básicas, particularmente da resistência geral de longa duração; da força

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais