Aviolência contra a pessoa idosa no Brasil é um tema de significativa A VIOLÊNCIA E OS MAUS-TRATOS CONTRA A PESSOA IDOSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aviolência contra a pessoa idosa no Brasil é um tema de significativa A VIOLÊNCIA E OS MAUS-TRATOS CONTRA A PESSOA IDOSA"

Transcrição

1 A VIOLÊNCIA E OS MAUS-TRATOS CONTRA A PESSOA IDOSA Elaine Alves de Oliveira Silva, Ângela Maria Gomes de Matos Lacerda Resumo: este artigo baseia-se numa pesquisa bibliográfica que investiga as causas e manifestações da violência e dos maus-tratos praticados contra a pessoa idosa, situando-os no contexto da realidade social. Analisam-se também as ações do Plano Nacional de Enfrentamento a Violência contra a Pessoa Idosa no Brasil. O estudo tem como suporte teórico as obras de Minayo (2004), Faleiros (2005) e Oliven (1983), entre outros. Palavras-chave: envelhecimento, idoso, violência Aviolência contra a pessoa idosa no Brasil é um tema de significativa relevância face a estimativa de que na segunda metade deste milênio existirão mais de 31 milhões de indivíduos com idade acima de sessenta anos no país, fato que deixará o Brasil com a sexta população mais envelhecida do planeta. Em decorrência dessa realidade, faz-se necessário um olhar para as expressões das questões sociais que envolvem a velhice e o envelhecimento manifestadas por problemas de natureza socioeconômica, previdenciária, familiar e outras, situando-se nesse contexto a violência e os maus-tratos que permeiam as relações sociais do idoso. No âmbito da sociedade, a violência tem sido desafiadora para o poder público e a sociedade em geral. Esta problemática envolve diversas condicionantes, estando relacionada com a estrutura e conjuntura social, atingindo indiscriminadamente diferentes classes sociais e faixas etárias, tanto no campo como nas grandes cidades e nos pequenos centros urbanos. FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

2 A história da humanidade sempre foi permeada pela violência mas há elementos novos que acentuam o perigo e, especialmente o extraordinário potencial de autodestruição criado pela humanidade no decorrer do século XX. A opinião pública, através dos meios de comunicação social, torna-se observadora impotente e até refém dos que criam ou mantém os conflitos (DE LORS, 1999). Basta abrir um jornal ou assistir a um noticiário na TV para constatar que a cada minuto a violência faz novas vítimas. As causas do aumento da violência são diversas, vão desde conflitos interpessoais pobreza de segmentos da população, mudanças na estrutura da família e suas novas configurações (há famílias convivendo com até quatro gerações), consumo de álcool, uso de drogas até impunidade oficial, omissão do poder público ao deixar de cumprir as leis concretizadoras dos direitos sociais, entre outras. Supõe-se que a violência esteja presente na condição humana como fenômeno biopsicossocial, mas que não seja inerente à natureza humana, embora encontre-se registrada nos diferentes contextos históricos que retratam a velhice. Segundo Minayo (2004, p. 11), A maioria das culturas tende a separar os velhos e a segregá-los e, real ou simbolicamente, a desejar sua morte. Não é verdadeira a crença, frequentemente veiculada, de que os antigos tratavam de forma melhor seus idosos, cultuando sua presença na comunidade. Isso pode ter ocorrido em alguma cultura específica, assim como hoje acontece também, em relação a alguns idosos. No tocante às pessoas idosas, a violência tende a ser problema sério, pois ainda se apresenta sob o manto da ocultação, manifestando-se sob diversas formas, como abuso físico, econômico, financeiro, sexual, psicológico, abandono, negligência intimidação, ameaça e outros. Segundo Faleiros (2005, p. 6), a violência é uma expressão relacional de poder, como forma de exercício de dominação, de imposição como de reação de quem tem seu poder enfraquecido, como revide [...] está situada no contexto de negação da vida. Assim, a violência é um fenômeno multifacetado, realidade complexa que implica conflitos e relações de poder, constituindo violação aos direi- 240 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

3 tos humanos. No tocante ao idoso, constitui uma afronta à sua dignidade, um avesso ao respeito. A VIOLÊNCIA NO CONTEXTO DA SOCIEDADE A palavra violência tem expressado ao longo da história diferentes significados, e vem resistindo à passagem do tempo. Em sentido denotativo, violento era quem agia com força exagerada. Posteriormente, a palavra apresentou significados cada vez mais diversos, como a violência das paixões, violência verbal, violência física e outras. Baseado na expressão primitiva, o termo passou a significar qualquer emprego de meios para impor uma legitimidade. Raramente uma pessoa se considera violenta. Violento é sempre o outro indivíduo [...] em qualquer circunstância ela é um ato que viola a integridade do indivíduo, transformando-o em objeto (MARRA, 2004, p. 80). Embora a sociedade brasileira tenha sempre convivido com o fenômeno da violência, ela tem sido sistematicamente negada no nível ideológico. Segundo Oliven (1983), a história das civilizações é testemunha de grandes e incruentos acontecimentos oficiais, como a Proclamação da Independência e da República, a violenta repressão a movimentos populares, como no Quilombo dos Palmares, a Balaiada, Canudos e a Revolta da Chibata, esta resolvida de modo tão brasileiro, isto é, a amostra dos rebeldes e o subseqüente desaparecimento de líderes políticos e militantes sociais. O uso da força também permeou acontecimentos como o período escravocrata em que a vida cotidiana era profundamente marcada pela violência. Com o início do processo de industrialização e o surgimento da força de trabalho urbano, a violência continuou presente durante a primeira República. O acirramento das contradições advindas da relação capital e trabalho evidenciou as expressões da questão social 1, cujo tratamento dado pelo Estado foi a repressão policial. O operariado era tido como potencialmente perigoso, e o aparelho de Estado submetia as classes subalternas a maus-tratos e tortura. Em 1964, período marcado pelo regime militar, mesmo no auge da repressão, o Estado preocupava-se em divulgar uma imagem do Brasil de um país de tranqüilidade, num período conturbado, permeado de conflitos e instabilidades. A violência urbana, nesta época, alcançou status de problema nacional, aparentemente por atingir as classes média e alta. Para Oliven (1983, p. 15), [...] apesar da inexistência de estatística confiáveis sobre a violência no Brasil parece ser válido sugerir partindo de informações e dados FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

4 assistemáticos, que ela cresceu desde O aumento, porém, se deu tanto na cidade como no campo e tem menos a ver com o contexto no qual se manifesta e mais com as condições que lhe dão origem. Por isto é que cabe falar em violência na cidade e não em violência urbana. Nessa perspectiva, a violência constitui mecanismo de manifestação da relação de poder por parte das classes dominantes, embora contraditoriamente ela se transforme também em estratégia de sobrevivência por parte das classes dominadas. A violência presente na mídia rende audiência, e, nesse contexto, as mais variadas sugestões para seu enfrentamento são apresentadas de forma ingênua e acrítica, tais como pena de morte, o aumento do policiamento ostensivo, utilização da repressão pelas forças armadas, redução da idade penal e outros mecanismos que não atingem a violência em suas raízes. Segundo relatório divulgado pelo Mapa da Violência de 2006 divulgado pela Unesco, o Brasil lidera os índices de homicídios de jovens por arma de fogo e ocupa a terceira colocação quando o critério abrange outras formas de morte na faixa entre 15 a 24 anos. No período de 1994 a 2004, segundo este mesmo relatório, houve um aumento de 64% dos homicídios no Brasil, o que representa uma morte a cada dez minutos. O Brasil é tido como o país com o maior índice de assassinatos no mundo. Perde apenas para poucos países da África. São registradas 50 mil mortes provocadas ao ano. A desigualdade social fermenta as estatísticas (PORQUE O HOMEM MATA..., 2006, p. 7). A crescente onda de violência tornou-se um dos maiores pesadelos para a população brasileira, e suas causas são consideradas multidimensionais. VIOLÊNCIA CONTRA PESSOAS IDOSAS O Brasil apresenta hoje um acelerado crescimento no número de idosos, um processo de inversão na sua pirâmide populacional, porque houve um decréscimo nas taxas de natalidade e mortalidade, ocasionando um aumento da população na faixa de sessenta anos ou mais. A esperança de vida ao nascer, no Brasil, dobrou no início do século XX, passando de 33 para 70 anos de idade. A violência tem sido, entre outros, um dos problemas mais desafiadores para a sociedade desde os tempos remotos e, no que se refere ao idoso, pode-se situá-la nos aspectos socioculturais implicados nos conflitos interpessoais e intergeracionais. 242 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

5 De acordo com Minayo (2004, p. 6), A violência é um dos eternos problemas da teoria social e da prática política relacional da humanidade tanto no Brasil como no mundo a violência contra os mais velhos se expressa como nas formas que se organizam entre ricos e os pobres, entre os gêneros, as raças e o grupo de idade nas várias esferas de um poder político, institucional e familiar. [...] É preciso compreender as relações entre as várias etapas do ciclo de vida e o papel do Estado na organização desses ciclos para que possam ocorrer mudanças positivas na sociedade. Devemos considerar o aspecto histórico que envolve o idoso onde a família tem caráter de instituição bastante sólida. Quando se verifica o problema social da violência contra os idosos, observa-se uma dimensão muito forte que convive com o imaginário popular, construída por uma visão negativa da velhice e do envelhecimento. A sociedade mantém e reproduz a idéia de que a pessoa vale o quanto produz e o quanto ganha. O cultivo ao novo, ao belo, que envolve a contemporaneidade é também um fator que caminha na contramão da valorização do idoso. Dá-se relevância à força e agilidade dos jovens, desprestigiando, desconsiderando e desvalorizando aqueles que acumularam experiência e podem ser uma fonte viva de sabedoria. O comportamento negativo face a velhice não é fenômeno que ocorre só no Brasil, faz parte da violência social em geral e é universal. Em muitas sociedades, ocorrem diversas expressões dessa violência, muitas delas naturalizadas pelo uso de costumes, valores construídos socialmente e sustentados pela tradição. A violência é o tipo de crime mais trágico praticado contra o idoso. É considerado trágico pelo fato de quem o comete ser, quase sempre, alguém que tem uma relação muito próxima com a vítima. De acordo com a Rede Internacional Para a Prevenção de Maus-Tratos contra o Idoso (INPEA, 2007), adotou-se a definição elaborada em 1995 na Inglaterra. O maltrato ao idoso é um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação na qual exista expectativa de confiança. O maltrato é considerado sinônimo de abuso, que também se reflete em violência contra o idoso. Quando, porém, se menciona o tema do abuso e maltrato ao idoso, as pessoas pensam apenas nos abusos que ocorrem nas instituições ou em crimes nas ruas. FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

6 Vulneráveis e considerados incapazes de se defenderem, os idosos são abusados por aqueles em quem mais confiam, ou seja, aqueles com quem convivem. Segundo Norbert (2004, p. 8), A fragilidade dos velhos é muitas vezes suficiente para separar os que envelhecem dos vivos. Sua decadência os isola. Podem tornar-se menos sociáveis e seus sentimentos menos calorosos, sem que se extinga sua necessidade dos outros. Isso é o mais difícil: o isolamento tácito dos velhos, o gradual esfriamento de suas relações com outras pessoas a quem eram afeiçoados, a separação em relação aos seres humanos em geral, tudo que lhes dava sentido e segurança. O abuso e maus-tratos constituem crimes que têm sido ocultados e mantidos em segredo pelo chamado pacto do silêncio. Os idosos preferem sofrer em silêncio a romper a aparente harmonia familiar. Alguns silenciam pelo temor da represália dos agressores. Na verdade, as vítimas idosas temem a solidão e o desprezo no fim de suas vidas, embora sejam cruelmente maltratadas. As Diferentes Manifestações da Violência Contra o Idoso A violência ocorre quando o poder coercitivo é exercido sobre o indivíduo causando-lhe dor física ou constrangimento. A vítima sente-se plenamente identificada nas ocupações familiares, quando o mais forte, imitando a lei da selva, lança mão do poder e o agride, constrange, molesta, subjuga, desmoraliza, humilha e negligencia. A realidade da pessoa idosa é diversificada em cada sociedade, a concepção de velhice muda de acordo com as diferentes culturas, dependendo do momento histórico, da condição de classe social, etnia, gênero e outras condicionantes, mas seus limites são universais. A violência contra o idoso pode ser considerada uma afronta à dignidade humana, estando relacionada com a visão negativa da velhice. Portanto, a violência traz subjacente uma visão depreciativa do idoso, fruto do desrespeito, do preconceito e crueldade, que precisa ser superada. Também é importante desconstruir conceitos negativos em relação à velhice e ao processo de envelhecimento, criando uma imagem positiva do ser idoso. De acordo com Minayo (2004, p. 16), 244 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

7 A violência contra o idoso é um fenômeno de notificação recente no mundo e no Brasil, a vitimização desse grupo social, no entanto, é um problema cultural de raízes seculares e suas manifestações são facilmente reconhecidas desde as mais antigas estatísticas. O fato do crescimento da quantidade de idosos oferece um clima de publicização e conscientização das informações sobre maus-tratos de que são vítimas, tornando este problema uma prioridade a ser discutida. Para esta autora, a violência contra o idoso teve sua primeira divulgação a partir de 1976, quando os abusos contra idosos foram descritos em revistas científicas britânicas como espancamento de avós (BAKER, 1975). No Brasil, a questão começou a ganhar visibilidade nas décadas de 1980 e 1990, com a realização de várias pesquisas na área de Gerontologia e publicações de bibliografias referentes ao tema da violência contra a pessoa idosa. Alguns autores que iniciaram os descritos sobre a violência contra idosos no Brasil foram Machado et al. (1997), Machado, Gomes e Xavier (2001), Machado (2002), Souza et al. (1998), Menezes (1999) e Minayo (2003, 2004). Somente depois dessas publicações que a preocupação com a qualidade de vida dos idosos entrou na agenda de saúde pública brasileira. Assim como em muitos países do mundo, no caso brasileiro a violência contra a geração idosa manifesta-se na maneira de tratá-la e representála. Esta representação tem vários focos de expressão e de reprodução. Segundo Minayo (2004, p. 14), A natureza das violências que a população idosa sofre coincide com a violência social que a sociedade brasileira vivencia e produz nas suas relações e introjeta na sua cultura. Internacionalmente, foram estabelecidas algumas categorias e tipologias para designar as várias formas de violências mais praticadas contra a população idosa. A classificação e conceituação encontra-se oficializada no documento Política Nacional de Redução de Acidentes e Violência do Ministério da Saúde (BRASIL, 2001). Portanto, a violência contra a pessoa idosa tem tantas facetas que se torna necessário alertar a respeito da existência crescente dos maus-tratos contra o idoso. É neste sentido que Boff (1999, p. 181) pontua: A liberdade dos oprimidos deverá provir deles mesmos, na medida em que se conscientizam da injustiça de suas situações, se organizam FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

8 entre si e começam com práticas que visem transformar estruturalmente as relações sociais iníqueas. Assim, impõem-se avanços na consciência social em relação à velhice, sobretudo nessa conjuntura, face a obrigatoriedade de notificação de maustratos, conforme prescreve o Estatuto do Idoso (BRASIL, 2007b). São muitos ainda os casos de violência mantidos sem registro oficial. Violência em Nível Macro Mesmo tendo a sociedade conquistado seus direitos civis (Séc. XXII), políticos (Séc. XIX) e sociais (Séc. XX), grande parcela da sociedade não tem consciência da importância que tem para os idosos o fato de serem reconhecidos como sujeitos de direitos. As mudanças ocorridas na pirâmide das idades do Brasil diferenciamse das mudanças ocorridas na Europa, onde o envelhecimento populacional foi gradual e os países puderam se organizar, implantando políticas que atendessem as demandas do segmento idoso. No Brasil, ao contrário, o aumento populacional tem ocorrido de uma geração para outra; e o país não teve tempo nem recursos para se preparar. Existe toda uma legislação de proteção social e inclusão voltada para a pessoa idosa, contemplada na Constituição Federal de 1988, na Lei Orgânica da Assistência Social (1993), na Política Nacional do Idoso (1994) e no Estatuto do Idoso (2003). Mas há uma grande distância entre o que estabelecem as leis e sua efetivação na prática. A missão do Estado se expressa, perante o alto índice de desemprego e a má distribuição de renda, com ineficácia em suas políticas públicas ou sua execução com ações focalizadas e assistencialistas, com escassez de programas sociais e precariedade dos serviços de saúde pública, entre outros. No âmbito das instituições de assistência social e saúde, são freqüentes as denúncias de maus-tratos e negligências contra o idoso. Portanto, o tratamento que o Estado dispensa aos idosos constitui a maior expressão de violência macro ou violência estrutural. De acordo com Minayo (2004, p. 15), Nas instituições, as burocracias que se investem da cultura do poder sob a forma de impessoalidade, reproduzem e atualizam, nos atos e nas relações, as discriminações e os estereótipos que mantêm a violência. 246 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

9 Sabe-se que a violência institucional, em geral, ocorre em todo o mundo e, no Brasil, ocupa um capítulo muito especial nas formas de abuso ao idoso. Ela se reproduz nas instituições públicas de prestação de serviços, nas entidades públicas e nas instituições de longa permanência. Minayo (2004, p. 32) afirma que O aparato do Estado é um grande regulador do curso da vida. E, no caso brasileiro, a posição oficial dos governos em relação aos velhos é aberta e avançada. Existem muitas leis a favor deles. [...] No entanto, falta ainda muito a fazer, no plano da implementação concreta de dispositivos que assegurem os direitos desse grupo social. A violência contra a pessoa idosa está também presente nas instituições abrigadas: falta maior fiscalização do Ministério Público e dos Conselhos de Direitos dos Idosos. Esta insuficiência de fiscalização faz com que aumente a precariedade destes locus, que só são vistoriados quando ocorre um escândalo ou quando alguma denúncia é enfocada pela mídia. A não efetivação das políticas públicas concretizadoras dos direitos sociais constitui a expressão maior da violência praticada pelo Estado contra a pessoa idosa em nível macro. Violência em Nível Intermediário Para Demo (1991), na sociedade brasileira o neoliberalismo desenha a seguinte história: tira a responsabilidade do Estado e deixa o mercado como regulador e, com isso, desestabiliza a economia, privatiza as empresas produtivas e lucrativas do governo, faz a abertura de mercado, reduz todos os encargos sociais relativos aos assalariados por parte do poder público e das empresas, informatiza os processos decisórios produtivos, de comercialização, busca a qualidade total da produtividade e da lucratividade das empresas e transnacionaliza. Como se vive em um país permeado de profundas desigualdades sociais, a pessoa idosa é considerada um peso social por encontrar-se fora do processo produtivo, portanto, é desvalorizada. A sociedade capitalista mantém e reproduz a idéia de que a pessoa vale pelo quanto produz e ganha. A sociedade se julga com o direito de fazer uma série de restrições à pessoa idosa. É o que acontece particularmente quando ela começa a vivenciar perdas (biológicas e sociais), como a brusca retirada do trabalho ou aposentadoria (que pode significar uma glória para alguns, mas caos para outros), FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

10 com o aparecimento de doenças físicas (muitas delas tornadas crônicas, com as quais é preciso aprender a conviver), e a sua auto-imagem, muitas vezes carregada de sentimentos negativos de que a maior parte da vida já foi vivida e a frustração pelo que não se pôde realizar na juventude ou na idade adulta. Conforme Minayo (2004), a partir de certa idade, intensificam-se as perdas de amigos, de parentes ou mesmo do companheiro. Surgem mudanças no corpo: cabelos brancos, menos acuidade visual e auditiva, menor resistência física, articulações mais rígidas, enrugamento da pele. Além desse quadro, o indivíduo sofre diversos tipos de violência e de preconceito na sociedade, como os praticados por empresas de transportes coletivos, os acidentes e as mortes por atropelamentos. Os idosos são vítimas também de golpistas e de várias modalidades de abusos financeiros cometidos por criminosos que tripudiam sobre sua vulnerabilidade física e econômica em agências bancárias, caixas eletrônicos, nas lojas, nas travessias das ruas e em outros locais. Uma das maiores expressões da violência praticada pela sociedade contra o idoso é o preconceito e a discriminação. Violência em Nível Micro A violência em nível micro é aquela que ocorre no âmbito das relações sociais e familiares. A família pode ser considerada um suporte na proteção ao idoso fragilizado, e o ambiente familiar deveria ser o melhor espaço para o seu acolhimento e cuidado. A instituição familiar é considerada a mediadora entre o indivíduo e sua realidade circundante. Ela é uma instituição social que tem se modificado ao longo da história, apresentando formas e estruturas diversas, refletindo na convivência com o idoso. A maioria das pessoas idosas vive com seus parentes ou sozinhas, em casas próprias. Este fato faz que os abusos cometidos contra elas sejam praticados pelos entes mais próximos, ou seja, pelos seus próprios familiares e/ ou cuidadores. De acordo com pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abrano (2007, p. 1), em São Paulo, a realidade do idoso na família é a seguinte: [...] 79% dos idosos possuem casa própria e apenas 11% residem em casas alugadas. Em suas casas vivem 3 pessoas contra 4 pessoas nos domicílios em que não há idosos. Cerca de metade deles vive com ao menos um filho ou filha (64%) e com cônjuge (51%), e quase 1/3 248 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

11 com neto ou neta (30%). Mas há diferença por gênero: entre os homens 71% residem com a parceira que tende a ser quem mais lhes propiciam ajuda (58%), 51% residem com filhos e é a pessoa que mais lhe dá atenção. Muitas pessoas com idade entre quarenta e cinqüenta anos começam a enfrentar a inversão dos papéis familiares, assumindo o desafio de cuidar dos pais. Segundo estudos gerontológicos, as causas que levam aos maus-tratos contra a pessoa idosa no ambiente familiar são inúmeras, porém as que se verificam com maior intensidade são relações familiares desgastadas pelo tempo, conflitos e situações mal resolvidas com filhos e cônjuge, deficiências econômicas, cansaço excessivo proveniente da exaustiva tarefa de cuidar, limitações pessoais do cuidador para oferecer o cuidado adequado, problemas de saúde física ou mental do idoso ou do seu cuidador e outras que permeiam o universo familiar. Para Calobrizi (2004, p. 192), [...] não é a comunidade a provedora dos cuidados aos idosos, mas a família. Além disso, família, assim como comunidade, são um eufemismo para mulher [...] a maioria dos cuidadores são mulherescuidadoras solitárias, que recebem pouco ou nenhum apoio dos demais familiares, vizinhos, amigos ou serviço. De acordo com esta autora, a solidão vivenciada pelo cuidador de idosos frágeis e dependentes poderia ser amenizada com uma política de cuidados na comunidade que intensificassem as formas de apoiar os cuidadores informais já existentes, num sistema de suporte articulado. No entanto, esses serviços não irão substituir os cuidados familiares, mas serviriam particularmente para aliviar o cansaço do cuidador, ou substituí-lo quando necessário. Observa-se que quem mais se responsabiliza com a pessoa idosa acaba magoado com a falta de cooperação dos outros familiares, mas, habitualmente, não consegue pedir ajuda. Para Calobrizi (2004, p. 192), cuidar do idoso em casa é, com certeza, uma situação que deve ser preservada e estimulada. Porém, cuidar de um indivíduo idoso e incapacitado durante 24 horas sem pausa, não é tarefa para uma mu- FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

12 lher sozinha, geralmente com mais de 50 anos, sem um programa de proteção para o desempenho desse papel. A responsabilidade que os filhos têm com seus pais está fundamentada na perspectiva de uma reciprocidade esperada, que se manifesta na retribuição pelo cuidado recebido na infância e no amor filial. Mas nem sempre isso acontece. Foi necessário paradoxalmente que esse amparo fosse assegurado em lei, na Constituição Federal de 1988, nos artigos a seguir transcritos. Art. 229: Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade. Art. 230: A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando a sua dignidade e bem estar e garantindo-lhe o direito à vida (BRASIL, 2007c). No que se refere à realidade asilar, a situação é trágica. De acordo com Minayo (2004, p. 32), tratando-se da realidade asilar muitos idosos são asilados contra sua própria vontade (maioria das vezes) tornando-se desta maneira uma espécie de prisioneiros da instituição. Grande parte dos familiares após a institucionalização de seus idosos não retornam mais a instituição para visitá-los, delegando os cuidados do idoso a profissionais, muitas vezes, despreparados e desqualificados para a função. Portanto, é possível dizer que, ao lado das agressões, a negligência contra o idoso configura um sério problema social. Podem-se citar algumas características do agressor e alguns indicadores de maus-tratos identificados contra a pessoa idosa, de acordo com Minayo (2004, p. 14): CARACTERÍSTICAS DO AGRESSOR: vive, na maioria das vezes, na casa da própria vítima; filhos dependentes financeiramente; familiar que responde pela manutenção do idoso sem renda; usuário de álcool e/ou drogas; 250 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

13 alguém que se vinga do idoso com quem mantinha vínculos afetivos frouxos. INDICADORES DE MAUS-TRATOS: perda de peso; desnutrição/desidratação sem uma patologia de base; marcas na pele, hematoma, queimaduras e feridas; higiene deficiente; vestimenta suja e inapropriada para o clima. Alternativas de Ações para o Enfrentamento da Violência A sociedade brasileira tem alcançado algumas conquistas no que se refere às políticas sociais de inclusão do idoso, desde as primeiras lutas operárias, quando os trabalhadores conquistaram o direito à aposentadoria. Com a promulgação da Constituição de 1988 (BRASIL, 2007c) e da Lei Orgânica de Assistência Social (BRASIL, 2007d), a implementação da Política Nacional do Idoso, em 1994 (BRASIL, 2007a), e, por último, o Estatuto do Idoso, em 2003 (BRASIL 2007b), consolidou-se a perspectiva de inclusão social deste segmento com a proteção social. No âmbito internacional, veio o Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento, acordado em Madri, em 2002, promovido pela ONU, também no sentido de contribuir na eliminação de todas as formas de abandono e violência contra o idoso. As medidas propostas visam a sensibilizar os profissionais, educar o público em geral e envolver os meios de comunicação em campanhas de conscientização sobre a questão de abuso contra a pessoa idosa e suas diversas formas de manifestação e causas. O documento está dividido em três partes. Uma delas aborda a questão do abandono, dos maus-tratos e da violência cometidos contra idosos, e são pontuados os seguintes aspectos: o abandono, os maus-tratos e a violência contra o idoso podem adotar muitas formas: física, psicológica, emocional e outras; o processo de envelhecimento traz consigo a redução da capacidade de se recuperar, razão pela qual as pessoas idosas vítimas de maus-tratos talvez nunca cheguem a se recuperar completamente, física ou emocionalmente da experiência sofrida; a importância do atendimento aos idosos em seus lares ou em ambientes comunitários ou institucionais. FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

14 Em continuidade às ações de enfrentamento à violência e aos maustratos contra a pessoa idosa, realizou-se em Brasília, no ano de 2004, o Seminário Nacional de Enfrentamento à Violência e Maus-Tratos contra a Pessoa Idosa. Este seminário teve por objetivo definir estratégias para implementar o Plano Internacional citado, e nele foram debatidas ações específicas de promoção e prevenção de combate à violência e aos maustratos, consubstanciados em um documento contendo os quatro eixos básicos seguintes: construção do protagonismo do idoso; ações específicas de promoção e prevenção de combate à violência e aos maus-tratos; melhoria da rede de atendimento e atenção à pessoa idosa; ações específicas de combate à impunidade, CONCLUSÃO No mundo inteiro, a população de idosos cresce de forma jamais vista na história da humanidade. Estado e sociedade não se têm mostrado suficientemente preparados para enfrentarem os desafios de inversão da pirâmide das idades. Com isso, surgem conseqüências de ordem social, econômica, política, cultural, previdenciária e outras. No Brasil, são muitos os problemas enfrentados pelos idosos em seu cotidiano, podendo-se ressaltar a discriminação, o preconceito, a desvalorização advinda de aposentadorias e baixas pensões, a depressão, o abandono familiar, o difícil acesso às políticas sociais e/ou precariedade destas, as más condições de vida face a pobreza que acompanha as pessoas em todos os ciclos da vida. Nesse contexto, situa-se também a problemática da violência presente na sociedade brasileira praticada contra a pessoa idosa, manifestandose por meio da dimensão estrutural, institucional e familiar, em que os idosos são, às vezes, vítimas simultaneamente. A violência contra o idoso é mais intensa e disseminada do que revelam os números. Os registros de morte e de morbidade notificados referemse exclusivamente aos casos de lesões, traumas ou mortes que chegam aos serviços de saúde ou de segurança pública. A maioria deles ainda fica oculta. O Estado, em sua função de prestação de serviços de assistência social, de saúde e previdência social, é o que mais recebe críticas e reclamações. Os serviços são exercidos por meio de uma burocracia impessoal que produz a cultura de discriminação, causando imenso sofrimento à maioria dos idosos, sobretudo aos pobres, que não têm condições de optar por outras 252 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

15 alternativas de atendimento público. Muitos idosos verbalizam a idéia de que ser aposentado significa ser maltratado pelo sistema social de assistência pública. As longas filas de que são vítimas, a falta de comunicação e a ausência de uma relação pessoal compreensiva por quem precisa dos cuidados constituem uma forma de violência das quais os idosos mais se queixam, que são o pesadelo dos planos de saúde e as penalidades que sofrem os idosos que precisam da utilização de serviços. A violência no âmbito da sociedade e da família são considerados um problema nacional e internacional. As agressões, os abusos e negligências perpetuam-se em virtude do choque de gerações, da falta de espaço físico nos domicílios ou de dificuldades financeiras e somam-se ao imaginário social que criou uma concepção negativa da velhice. Além disso, o despreparo do cuidador revela-se como outro indicador de violência e de maus-tratos, em decorrência do stress provocado pelo exaustivo ato de cuidar. Hoje, no Brasil, tem-se procurado conscientizar e desenvolver ações de enfrentamento da violência por intermédio de planos e programas sociais em consonância com o Plano Nacional, mobilizando idosos e sociedade civil por meio de entidades organizativas, promovendo fóruns, encontros, seminários, manifestações que buscam construir o espaço do idoso na sociedade e lutam por dignidade, justiça e cidadania na velhice. Faz-se necessário, portanto, refletir a questão da violência e dos maustratos contra a pessoa idosa, criando-se condições para promover uma nova cultura, uma mentalidade positiva em relação à velhice e ao envelhecimento, propiciando a valorização da pessoa idosa e a conquista do seu espaço social, resgatando o valor que lhe é de direito e reconhecendo sua experiência acumulada, sua sabedoria, sua memória e potencialidades. Sabe-se que o maior legado que se pode deixar para as gerações futuras é a educação voltada para o respeito e a dignidade do ser humano. É possível uma sociedade sem violência, sem maus-tratos na velhice, mediante a implementação de políticas sociais que propiciem a inclusão social das pessoas em todas as etapas dos ciclos da vida, sem sofrimento e abandono social, com o respeito e a valorização do outro, da natureza e da humanidade. Nota 1 Conjunto dos problemas gerados pelas desigualdades sociais e expressos na sociedade pelas más condições de vida da população de baixa renda, tais como não acesso à educação, saúde, moradia e outros. FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

16 Referências BAKER, A. A. Granny-battered. Modern Geriatrics, v. 5, BEAUVOIR, S. de. A velhice, as relações com o mundo. Tradução de Heloysa de Lima Dantas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, BOFF, L. Saber cuidar. Petrópolis: Vozes, BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. Brasília: Ministério da Saúde, BRASIL. Lei n , de 4 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, 05 de janeiro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/l8842.htm>. Acesso em: agosto de 2007a. BRASIL. Lei n , de 1 de outubro de Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, 03 de outubro de Disponível em: <http:// Acesso em: ago. 2007b. BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil, de 1º outubro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui- %C3%A7ao.htm>. Acesso em: ago. 2007c. BRASIL. Lei n /1993, de 07 de dezembro de Dispõe sobre a organização da assistência social e dá outras providências. Diário Oficial da União, 08 de dezembro 1993, p Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%c3%a7ao.htm>. Acesso em: ago. 2007d. CALOBRIZI, M. D. D A. Violência contra idoso, o visível e o invisível. Revista Instituto de Pesquisa e Estudo Construindo o Serviço Social, São Paulo, v. 13, DE LORS, J. Os quatro pilares da educação. Revista VIII Encontro de Planejamento Integrado Desafios da Educação para o Próximo Milênio, Goiânia, DEMO, P. Assistência social como direito de cidadania. Brasília: DME/SAC, FALEIROS, V. de P. A violência contra a pessoa idosa no Brasil. In: FALEIROS, V. de P. Projeto apresentado à Secis/MCT Pesquisa. Brasília, FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO. Idoso no Brasil. Disponível em: <http://www.perseuabramo.com.br>. Acesso em: 08 maio INPEA: Rede Internacional de Maus-Tratos contra o Idoso. Disponível em: <http://www.inpea.net/ Acesso em: 15 jun MACHADO, L. et al. Elder abuse: a new challenge in Brazil. In: WORLD CONGRESSO N GERONTOLOGY, Adelaide, Anais..., MACHADO, L.; GOMES, R.; XAVIER, O. Meninos do passado. Inteligência, v. 15, p , MACHADO, L. Vozes ignoradas: percepções sobre violência contra idosos. In: WORKSHOP ON SOCIAL AND GENDER INEQUALITIES IN HEALTH AMONG THE ELDERLY IN BRAZIL, Ouro Preto, MARRA, T. A. M. Sobre violência. In: MONINI, I. Violência. Goiânia: Ed. da UCG, (Série Seminário, V. VII). MENEZES, M. R. Da violência revelada à violência silenciada. Tese (Doutorado) Escola de Enfer- 254 FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

17 magem da Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, MINAYO, M. C. de S. Saúde pública e envelhecimento. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, MINAYO, M. C. de S. Violência contra idoso: o avesso do respeito à experiência e à soberania. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, NORBERT, E. Violência contra idoso: o avesso do respeito à experiência à sabedoria. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, OLIVEN, R. G. Violência e cultura no Brasil. Petrópolis: Vozes, PORQUE O HOMEM MATA TANTO. Jornal O Popular. Goiânia, 05 nov p. 7. SILVA, J. E. Maus-tratos e o estudo. In: ABREU FILHO, H. Comentários sobre o Estatuto do Idoso. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, SOUZA, E. R. et al. Extremo da vida sob a mira da violência: mortalidade de idosos no estado do Rio de Janeiro. Gerontologia, v. 6, n. 2, p ,1998. Abstract: this article is based on a bibliographical research that investigates the causes and incidences of the violence and bad-treatments practised against the elderly, pointing out it in the context of the social reality. The actions of the plan of confrontation of the violence against elderly in Brazil are also analyzed. This study it has as theoretical support: Minayo (2004), Faleiros (2005), Oliven (1983) amongst others. Key words: aging, aged, violence ELAINE ALVES DE OLIVEIRA SILVA Aluna do 8º período do curso de Serviço Social da UCG. ÂNGELA MARIA GOMES DE MATOS LACERDA Especialista em Metodologia do Ensino Superior e Política Social. Professora adjunta III no curso de Serviço Social da UCG. FRAGMENTOS DE CULTURA, Goiânia, v. 17, n. 3/4, p , mar./abr

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos

Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos 20 Violencia contra a pessoa idosa: uma violaçao de direitos Texto Jurilza Maria Barros de Mendoça Fotos Mª Angeles Tirado A proteção aos idosos por parte do Estado, da sociedade e da família, deve ser

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Marco Referencial Considero o tema Violência Contra Idosos como o avesso dos direitos consagrados do Estatuto da Pessoa

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Novembro de 2014 Apoio: A Garantia de Proteção Integral da Pessoa Idosa e a Fiscalização das ILPIS Cláudia Maria Beré Promotora

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1

A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 A VISIBILIDADE DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: PERSPECTIVAS DO SERVIÇO SOCIAL 1 MACHADO, Adiles Dias 2 ; KAEFER, Carin Otilia 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; 1 Resultado de discussões realizadas no Projeto

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO Área: SERVIÇO SOCIAL Categoria: EXTENSÃO Cristiane

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes

Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa. Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes Violência Intrafamiliar e Maus Tratos contra a pessoa idosa Profª Dra. Ângela Cristina Puzzi Fernandes A Organização das Nações Unidas instituiu 15 de junho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência

Leia mais

AGENDA DE ENFRENTAMENTO

AGENDA DE ENFRENTAMENTO AGENDA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS JUVENTUDES novembro 2012 INDIGNAÇÃO Será preciso maltratar e dizimar toda uma geração para que a violência contra as juventudes se torne visível? ENTENDIMENTO

Leia mais

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012 Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM Frei David Santos, OFM - out de 2012 Dados disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade

Leia mais

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1

A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 A atuação de políticas públicas no contexto familiar de crianças e adolescentes em situação de rua: uma violência compartilhada? 1 Porque a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada. (Cecília

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga

6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga 6ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Maringá Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga TEMA Protagonismo e Fotografo Paulo Pepe Empoderamento da Pessoa Idosa Por um Brasil de

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP.

FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP. 538 FACES DA VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO EM PRESIDENTE PRUDENTE/SP. Dayane Siqueira 1, Graciele Correia Melo 1, Larissa Marques Menani 1, Stefânia Ciriaco de Jesus Sanches 1, Juliene Aglio Parrão Graduanda

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000 PRINCIPAIS TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM UMA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO NO VALE DO PARAÍBA Cruz RASC 1, Galvão RDS 2, Lancia MCF 3 Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi,

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a. alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte

Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a. alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito da Infância Juventude e

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais