O Futuro dos Direitos Autorais. The Future of the Copyright

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Futuro dos Direitos Autorais. The Future of the Copyright"

Transcrição

1 O Futuro dos Direitos Autorais The Future of the Copyright Maria Lucia de Barros Rodrigues 1 SUMÁRIO: Introdução; 2 Propriedade Intelectual: Generalidades; 3 Direito de Autor; 4 Novos desafios; 5.Propostas de equilíbrio; 6.Considerações Finais. Referências Bibliográficas. RESUMO: Este estudo teve por finalidade analisar a evolução do pensamento a respeito do Direito de Autor e sua adequação na atualidade. Para tanto, percorremos o caminho desde sua origem e âmbito de aplicação, para melhor compreensão do tema. Devemos buscar um equilíbrio entre a propriedade privada e o acesso à cultura. PALAVRAS-CHAVE: Direito de Autor; equilíbrio; público; privado; domínio público; propriedade; cultura. ABSTRACT: This study aims the analysis of the evolution of thinking about copyright and its suitability to the present. For this purpose, we started from the beginning and the applicability of copyright for better understanding the subject. By means of conclusion, we must seek a balance between private property and the access to the culture. KEY-WORDS: Copyright; balance; public; private; public domain; property; culture. 1 Advogada, Mestre em Direito Econômico pela USP, Doutora em Direito Comercial pela PUC/SP; professora dos cursos de graduação da Faculdade de Direito e da Faculdade de Comunicações e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie/SP e da FAM (Faculdade das Américas).

2 Introdução De bastante relevância para a cultura brasileira, o Direito de Autor é um assunto que está ganhando foco cada vez maior, devido a sua permanente tensão entre a proteção dos direitos e a construção de uma política pública na área cultural. O Ministério da Cultura ( MinC ) vem apresentando uma proposta de modernização ( Proposta ) da nossa Lei de Direito de Autor ( LDA ) no sentido de garantir a plena realização dos direitos dos criadores e artistas, e ao mesmo tempo buscando a harmonização do acesso à cultura pela sociedade e dos direitos dos empresários que investem em direitos autorais. Assim: A Lei de Direito Autoral é estratégica para o MinC. Não há como garantir os direitos do autor sem uma economia forte e funcionando bem, afirmou o então ministro da Cultura, Juca Ferreira, em entrevista coletiva, em setembro de Essas adequações são necessárias, ainda mais com o advento da internet, que tem criado novas realidades as quais o Direito de Autor precisa se adaptar. Para que o Direito de Autor se consolide no Brasil, é preciso ter um público maior consumidor, ou seja, maior acesso aos bens culturais. Lamentavelmente, é uma faixa bastante pequena da população que tem acesso a tais produtos, exceção feita à TV aberta. Concluímos, então, que não se pode ignorar a tecnologia, a internet e a facilidade da reprodução dada pela digitalização. São avanços importantíssimos na medida em que proporcionam maior acesso do público à cultura. De outra sorte, é preciso programar novos modelos de negócios e a regulamentação nesse ambiente, de modo a proteger os criadores e os investidores, sem reprimir o acesso, ao contrário, equilibrá-lo.

3 Lembrando, por fim, que o Brasil é signatário de alguns Acordos Internacionais, portanto essa reforma não deverá ser radical. 2. Propriedade Intelectual: Generalidades Os seres humanos são dotados de capacidade de criação intelectual, esse é o diferencial que o distancia dos demais seres vivos. É, sem dúvida, seu maior tesouro, pois lhe permite produzir frutos de sua capacidade de criação e assim contribuir para o progresso da humanidade. Nesse entendimento, temos a definição de propriedade intelectual: (DELPECH, 2011, p. 11) 2 Se puede definir a la propiedad intelectual como el conjunto de normas que regulan los derechos tanto patrimoniales como morales que tienen los autores, inventores y otros titulares de derechos sobre las producciones fruto de su intelecto. Continuando o mencionado autor, pouco mais adiante: Estas creaciones intelectuales pueden apuntar al aspecto estético o a la actividad industrial, pudiendo así clasificarse hoy em día a la propiedad intelectual em: Derechos de Autor y Propiedad Industrial. Melhor dizendo, o que se relaciona ao chamado Direito Industrial, são bens de natureza imaterial voltados à indústria, tais como: marca, patente, desenho industrial e modelo de utilidade. Resultado da intelectualidade, porém os princípios que lhes dão sustento se fundam em novidade e distintividade, bem como possibilidade de industrialização. Fundamento legal, Lei 9.279/96, a chamada Lei de Propriedade Industrial ( LPI ). De outra sorte, quando se tratar de produções científicas, literárias ou artísticas, cuja base de sustentação for a originalidade e forem bens imateriais não aplicáveis à indústria, teremos bens de Direito de Autor. Fundamento legal, Lei 9.610/98 ( LDA ). Alguns autores incluem três categorias de direitos: direito industrial, direito de autor e direitos conexos. Acreditamos, tal como a maioria dos 2 DELPECH, Horacio Fernández Manual de los Derechos de Autor, 1 ed., Buenos Aires, Heliasta, 2011

4 doutrinadores, que são apenas duas categorias de direitos componentes da Propriedade Intelectual: Direito Industrial e Direito de Autor, sendo os direitos conexos uma derivação deste último. (DELPECH,2011,p.12) 3 3 Direito de Autor Desde tempos muito antigos e em diferentes partes do mundo há antecedentes e indícios de criações artísticas, mas seguramente podemos dizer que foi com o aparecimento da imprensa de Gutenberg que surge a preocupação com a defesa no tocante à reprodução de obras. Até então, a obra intelectual se restringia ao livro confeccionado de forma manuscrita, geralmente por monges que faziam tais cópias a mando do Clero e dos Nobres da época. Em 1450 com a prensa de Johann Gutenberg, as obras começam a se reproduzir mecanicamente. Surgem os editores, que recebem dos autores o pagamento de um preço para a edição das obras. Essas editoras lutam para impedir cópias de terceiros sem sua autorização. Assim, aparecem privilégios a favor dos detentores de gráficas, que eram um serviço monopolizado de exploração que o Estado lhes outorgava, por um determinado período de tempo. No Século XVIII, na Inglaterra, encontramos as origens dos Direitos de Autor, não das editoras. A primeira norma relacionada aos direitos de Propriedade Intelectual dos Autores denominava-se Estatuto da Rainha Ana (Statute of Ane), por volta de Essa norma em questão, estabelecia que o autor de um escrito seria seu proprietário, bem como determinava uma proteção para os autores sobre as obras publicadas por um período de 21 anos, e para as obras que fossem publicadas a partir de então, seria concedido um prazo de copyrigh de 14 anos, renovável por mais 14 anos, se o autor ainda se encontrasse vivo. Em 1774 esses direitos se estenderam aos editores. 3 DELPECH, op. cit

5 Os Estados Unidos incorporaram os princípios do Estatuto da Rainha Ana, firmando o conceito de copyright Finalmente em Francia em 1793, luego de la Revolución Francesa, la Asamblea Nacional sanciono la ley de derechos de autor (Loi du droit d auteur), de clara orientación individualista, dando así nacimiento al concepto de derechos de autor como protección de los derechos tanto patrimoniales como morales de los autores sobre sus obras. (DELPECH,2011,p.19) 4 E continuando: Nace a partir de allí em Francia la recepción de los derechos morales que tienen los autores sobre sus obras, derechos éstos que hasta esse momento no habían sido reconocidos, ya que el reconocimiento para el autor era sólo hasta entonces sobre los derechos patrimoniales. (DELPECH,2011,p.19) 5 Muitos países seguem o modelo francês do Droit d auteur, o sistema da Europa continental. Brasil é um exemplo. Por este modelo, vale dizer que os Direitos de Autor têm por conteúdo os chamados direitos morais e os direitos patrimoniais de autor. O direito moral ou extrapatrimonial garantem ao autor interesses de natureza pessoal, tais como a paternidade da obra, a divulgação, sua integridade e são intransferíveis. Esse direito é inalienável, irrenunciável e imprescritível. Já os direitos patrimoniais permitem ao autor e seus herdeiros a negociação da sua obra e o consequente benefício econômico desse resultado. Na prática, raramente encontramos um autor explorando pessoalmente uma obra. Geralmente, os direitos são delegados a terceiros, através de contratos, por exemplo, as editoras. Contratualmente, assim, são estabelecidas as condições de reprodução, distribuição, publicidade, participação do autor no preço de revenda da obra, reedição etc. Por outro lado, o copyright é resultante do sistema anglo-saxão, originário da Common Law. Esse sistema preocupa-se especialmente com os aspectos patrimoniais da proteção do Direito de Autor. Copyright significa direito de cópia. 4 DELPECH, op. cit 5 DELPECH, op. cit

6 Esse direito é mais abrangente, incluindo os autores, editores, intérpretes, os agentes que exploram essa atividade autoral, designados como entrepreneurial copyrights (DELPECH,2011,p.15) 6 A seguir, o fundamento legal dos Direitos de Autor: Constituição Federal: Art.5º XXVII- aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar. De acordo com a Lei 9.610/98( LDA ): Art. 11. Autor é a pessoa física criadora de obra literária, artística ou científica. Art. 7. São obras intelectuais protegidas as criações de espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro, como: I- os textos de obras literárias, artísticas ou científicas; Art. 22. Pertencem ao autor os direitos morais e patrimoniais sobre a obra que criou. Art. 24. São direitos morais do autor: IV- o de assegurar a integridade da obra, opondo-se a quaisquer modificações ou à prática de atos que, de qualquer forma, possam prejudicá-la ou atingi-la, como autor em sua reputação ou honra; Importante lembrar que as ideias não são objeto de proteção. O Direito de Autor dá amparo e proteção às obras, que são expressão de uma ideia, mas não uma ideia em si mesma considerada. Para o regime da LDA, o registro da obra é facultativo, entretanto esse procedimento é sempre mais seguro para o autor. O legislador sentiu a necessidade de centralizar o registro de direitos autorais no País, a exemplo do Copyright Office americano, ou as Direcciones de Derecho de Autor dos países hispanoamericanos. 7 A proteção a esses direitos se dá de acordo com a natureza da obra: Para segurança de seus direitos, o autor da obra intelectual, poderá registrá-la, conforme sua natureza, na Biblioteca Nacional, na Escola de Música, na Escola de Belas-Artes da Universidade 6 DELPECH, op. cit 7

7 Federal do Rio de Janeiro, na Agência Nacional do Cinema ANCINE, ou no Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia CONFEA (Lei n.º 9.610, de 19 de fevereiro de Lei de Direito Autoral) e no instituto nacional da propriedade industrial, sendo este ultimo INPI para registro de Software.(Lei n.º 9.609, de 19 de fevereiro de Lei do Software 8 Conforme havíamos exposto anteriormente, as ideias em si consideradas não são objeto de proteção pelos direitos autorais, a não ser a partir do momento em que se corporificam em algum suporte. Para melhor compreensão: (DELPECH,2011,p.101) 9 Contrato de edición Libro papel de obra gráfica Copia tangible Fonograma de obra musical Obra intelectual Videograma de obra audiovisual Copia digital Libro electrônico Red Internet Digital En la red Internet Vamos tomar como exemplo o contrato de edição, cuja obrigação principal do autor é a entrega da obra, para que o editor possa reproduzi-la, difundi-la e vendê-la. Um fenômeno da atualidade, a obra intelectual vem deixando o suporte tangível e passando ao suporte intangível. São novos produtos, e as obras então se 8 9 DELPECH, op. cit

8 transferiram do suporte tradicional para um suporte digital. Hoje se fala muito em livro eletrônico. Não raro encontramos as obras intelectuais na rede de internet, de onde os usuários podem descarregar as obras, sejam textos, músicas, ou mesmo filmes, em seus computadores e até em aparelhos de celulares. O autor celebra um contrato de edição gráfica com a editora, que não prevê a edição digital da obra. É necessário outro contrato que preveja essa possibilidade, a não ser que no contrato original estejam contidas as faculdades de edição digital ou inclusão da obra na Web, além de edição gráfica. O que se fala em edição digital, então, é a reprodução em suporte digital, os e-books. Paralelamente, há obras se multiplicando na internet. Para se ter acesso às obras na internet, as licenças se operam i) entre o autor e o site, tal como no contrato de edição ii) entre o autor e o usuário, que baixa as obras do site, que só atua como intermediário, neste caso. (DELPECH,2011,p.101) 10 Aqui começam os novos desafios. 4. Novos desafios Como característica marcante do mundo atual, podemos citar o aparecimento de novas tecnologias, que facilitam a divulgação das obras da propriedade intelectual, com a substituição de suportes, dos tangíveis ou tradicionais, para os suportes digitais ou intangíveis, sendo esses, muitas das vezes, os suportes da internet. Resumidamente, então, a digitalização nos trouxe os suportes virtuais, que se encontram nos e-books, nos arquivos musicais ou audiovisuais e na internet. O e-book tem sido bem aceito, mas há aqueles que ainda preferem o suporte tradicional. Muito mais efeito, todavia, a digitalização tem sido em relação à música, filmes e software, devido à enorme facilidade de reprodução e transmissão e que, consequentemente, por isso, pode ser livre e desrespeitosa em relação aos direitos de autor. Se há previsão de reprodução, não existe o ilícito. Mas devemos analisar o âmbito da internet, que muitos pregam a total liberdade à utilização na internet. 10 DELPECH, op. cit

9 Para ellos, Internet es um ámbito totalmente libre em donde todo es posible y donde no deben existir restricciones de ningún tipo. Se proclama así la libre utilización de las obras em Internet, argumentando que debe reconocerse a los usuários de Internet el acceso irrestricto e incondicionado a la totalidade de los contenidos incorporados a la red, ya que de no ser así se impediria gozar del derecho a la cultura. Creo que quienes así piensan se equivocan. Las obras intelectuales incorporadas a la red deben contar com la protección de ley frente a su reproducción no autorizada, protección ésta que debe adecuarse a las características técnicas y de uso em Internet, diferentes a las del libro escrito. De no ser así, los autores y editores se veríam privados del incentivo para producir nuevas obras, y entonces sí, se afectaría el derecho a la cultura. (DELPECH,2011,p.182) 11 Concluindo, a época atual faz alusão a uma mudança inequívoca de paradigma do Direito de Autor. Os direitos autorais no ambiente digital fazem com que a proteção seja repensada e surja a necessidade da adequação da legislação a essa nova realidade. (VICENTE,2011 p.250) Para tanto, em junho de 2010, por iniciativa do MinC, foi aberta a Consulta Pública para Modernização do Direito Autoral, tendo o prazo para a apresentação de propostas pela sociedade, se encerrado em 31 de agosto do mesmo ano. Na verdade, o debate pela modernização começou bem antes, em 2007, e na ocasião o governo fez questão de enfatizar que essa adequação é importante para equacionar interesses dos criadores, dos agentes empresariais que exploram essa atividade e do público consumidor. O primeiro esboço da Lei foi divulgado pelo MinC em novembro de Devemos então, ponderar interesses de natureza individual, aqui compreendidos os interesses do autor em explorar de modo exclusivo a sua obra e ver sua paternidade reconhecida, bem como ver respeitada sua integridade e genuinidade. 11 DELPECH, op. cit 12

10 Em outro polo da relação, estão os interesses dos agentes, os empresários que exploram essa atividade comercialmente e querem ter seus investimentos protegidos e levados a efeito. Existem os consumidores, que se utilizam dessas obras para fins pessoais e, além desses interesses individuais, o Direito de Autor mostra seu lado público: os interesses sociais, aqui sendo destacada a promoção da criatividade e sua decorrente contribuição ao acervo cultural. Não menos importante, é de se salientar que todos esses interesses fazem parte de um complexo funcionamento do sistema econômico. Existe uma indústria responsável por essa atividade, que em alguns países movimenta parte significativa do produto nacional e das exportações. O que acaba gerando, nesses países, algumas pressões para regulamentação de direitos de exclusivo a produções vindas dessa indústria. (VICENTE,2011 p.251). 13 Recentemente, pudemos acompanhar, através dos jornais, a polêmica causada nos Estados Unidos entre Hollywood e o Vale do Silício, resultando na retirada da pauta do Congresso norte-americano, do debate sobre a lei antipirataria, conhecida como SOPA (Stop Online Piracy Act) e o PIPA (Protect IP Act). Sucintamente, esses projetos de lei na Câmara dos Deputados e no Senado dos Estados Unidos, conhecidos popularmente por suas iniciais SOPA e PIPA, têm por objetivo combater a pirataria na internet. Até aqui, sem problemas. Mas o grande problema, entretanto, é da forma como operacionaliza o combate, aceitando demasiadamente a intervenção do poder público, seja através do governo, seja através de órgãos da Justiça, colocando em risco a liberdade de expressão, consagrada na grande maioria das democracias. Na verdade, fica inspirada uma nova forma de censura, repressão e bloqueios de sites, que só se encontra em alguns regimes, tais como Coreia do Norte, China, Cuba, e alguns poucos países. 13 VICENTE, Dário Moura O equilíbrio de interesses no Direito de Autor, Direito da Sociedade da Informação, vol IX, 1 ed. 2011

11 A proposta é tão severa que responsabiliza as empresas por tudo que venha a ser postado por usuários em suas redes. Por essa razão, Facebook, Wikipedia, YouTube e Google protestaram firmemente contra os critérios desse projeto. Evidentemente existe a fraude, a pirataria, o crime cibernético e a necessidade real de se reprimir essa conduta. Mas não dessa forma radical. Se por um lado a indústria de entretenimento clama por uma legislação que proteja seus filmes e músicas dos pirateadores e falsificadores, por outro lado as indústrias de tecnologia se sentem temerosas que tais legislações possam comprometer a liberdade da internet. Apesar de se tratar de uma lei limitada aos Estados Unidos, seus efeitos extraterritoriais mobilizaram todo o mundo. Todavia, seu conteúdo deverá ser revisto. Aqueles que praticam efetivamente um ato ilícito devem ter seu acesso aos sites estrangeiros restrito. 14 Dessa forma, depois de protestos em várias partes do mundo, tamanho impacto dos Projetos SOPA e PIPA, os congressistas norte-americanos decidiram reavaliar as propostas, adiando a votação por tempo indeterminado. 5. Propostas de equilíbrio A nossa Lei de Direitos Autorais é datada de 1998, e naquela ocasião, quando foi promulgada, o cenário era totalmente diferente. Naquela época sequer se pensava em suporte digital, ou novas mídias, bem como todas as demais novidades da tecnologia moderna. Com esse ponto de partida, o Ministério da Cultura promoveu uma série de ações para a revisão da LDA. Tratar sobre a revisão da LDA seria objeto de um novo trabalho, o que não é o caso no momento. Dessa forma, a título de ilustração, uma das razões que se busca com a reforma é a harmonização dos direitos autorais, restando inequívoco que os direitos patrimoniais de autor não são absolutos e incondicionais. O equilíbrio será na medida da composição dos interesses dos autores-interesses individuais- com os interesses coletivos. Maior estabilidade social é o foco, saindo 14 O Estado de S Paulo. Negócios. 19 e 21/1/2012

12 do cenário a ideia de que os direitos autorais são naturalmente sagrados. A proposta visa coexistência social como um todo, garantindo a harmonia do sistema jurídico. 15 Como um dos principais pontos de contribuição da proposta de revisão, podemos citar o Fair Use (uso justo) e que causará um impacto na forma como a internet é utilizada no país: Dentro do espírito do Fair Use, a revisão da lei permitirá o uso de material protegido por lei, para fins educacionais ou no caso de reprodução de obra esgotada, e também autoriza a cópia para uso privado CDs e DVDs vendidos no País, por exemplo, poderão ter que permitir esse tipo de cópia em seus dispositivos antipirataria.(lemos, 2010, reforma) 16 E continua o autor: Um desses avanços em direção ao Fair Use é o que regulamenta o remix e distingue uso comercial e não comercial. Isso também gera riqueza, aponta Lemos, que enxerga um impacto direto da lei na proteção jurídica de quem cria conteúdo para a Internet caso de videologs, por exemplo.... E quem perde com a nova lei? Quanto aos criadores, ninguém sai perdendo. Vale lembrar que a lei do MinC até amplia o número de detentores desses direitos, ressalta Lemos. No curto prazo, pode ser que o lado perdedor sejam as entidades que não trabalham com transparência. É que a proposta de lei aumenta o controle público ela prevê, por exemplo, a aplicação do Código de Defesa do Consumidor ao setor. À medida que essas entidades se profissionalizam, elas também serão fortalecidas, avalia.(lemos, 2010, reforma) 17 Para Ronaldo Lemos, então diretor do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o ponto central do projeto é o Fair Use e a distinção do uso comercial e não comercial. Evidentemente que as questões não se resumem apenas ao Fair Use. Temos outros aspectos não menos importantes, tais como a digitalização das obras, mesmo as que não estão em domínio público, e porque não mencionar o LEMOS, Ronaldo Reforma trará segurança jurídica à internet, 2010 Reforma da LDA» Campanha Internacional Pelos Direitos do Público.mht 17 LEMOS, op. cit

13 próprio domínio público, que precisa de maior robustez devido a sua importância, uma vez que cada obra é parte integrante do acervo cultural de um país. Outro item que não podemos nos esquecer é a questão do acesso a obras de autores, tais como Cecília Meireles, que sofrem limitações impostas pelos herdeiros, sendo aqui trazida novamente uma questão a ser equacionada entre os interesses de natureza individual e os interesses de natureza coletiva: Um dos pontos polêmicos é a criação da licença não voluntária, que permite o acesso público a obras de autores já mortos e cujos herdeiros dificultam ou negam a exibição do trabalho. Foram citados dois casos, os da escritora Cecília Meireles e da artista plástica Lygia Clark. Muitas vezes os herdeiros não compreendem que essas obras já são de interesse público. Acho isso um escândalo disse o ministro. Juca Ferreira afirmou que apenas 20% da população consome cultura. A única exceção é a TV aberta. O governo pretende criar uma instância de mediação de conflitos na área de direitos autorais. Hoje, mais de dez mil processos dessa natureza tramitam na Justiça, a maioria dos casos no setor da música. 18 Mas tratar da reforma da LDA não é o nosso objetivo no presente estudo, apenas trazer alguns temas a pretexto de ilustração, talvez futura discussão do assunto. 6. Considerações Finais Seguramente, haveria muito mais a ser dito. Mas nesse momento, ficaremos por aqui. Procuramos evidenciar os aspectos principais dos Direitos de Autor, buscando desde suas origens, onde podemos verificar o aparecimento do monopólio para exploração da atividade de edição, que era um privilégio outorgado pelo Estado aos detentores de gráficas. De posse desse privilégio, os agentes evitavam a exploração por terceiros não autorizados. 18

14 O mundo passa a conhecer a regulamentação de Direito de Autor partir dos Estatutos da Rainha Ana, no século XVIII, que servem de sustentação aos princípios do copyright. De outra sorte, surge o Droit d auteur, na França, um direito de natureza bem mais individualista, protegendo os direitos patrimoniais, mas também os direitos morais de autor. O Brasil segue essa orientação, aqui residindo a necessidade da revisão da nossa legislação, datada de 1998, quando sequer se ouvia a respeito de Sociedade da Informação. Hoje, com o aparecimento da internet e cada vez mais facilidade da multiplicação e rapidez das informações e das obras culturais, não podemos manter uma legislação que se torne um entrave para o acesso à cultura. Não se pode permitir a pirataria, fazer vistas grossas ao ilícito. Mas não é com soluções draconianas, à moda da SOPA e PIPA norteamericanas, tampouco, que a questão será solucionada. Há uma luz no fim do túnel. As sementes já foram lançadas, é só uma questão de tempo. Bibliografia DELPECH, Horacio Fernández Manual de los Derechos de Autor, 1 ed., Buenos Aires, Heliasta, 2011 LEMOS, Ronaldo Reforma trará segurança jurídica à internet, 2010 Reforma da LDA» Campanha Internacional Pelos Direitos do Público.mht

15 SILVEIRA,Newton Comentários à nova lei de direito autoral lei n , de 19/02/98 VICENTE, Dário Moura O equilíbrio de interesses no Direito de Autor, Direito da Sociedade da Informação, vol IX, 1 ed O Estado de S Paulo. Negócios. 19 e 21/1/2012 ANEXO A título de curiosidade, estamos trazendo a fonte de registro de obras, disposta no site do Ministério da Cultura (MinC): Órgãos de Registro Contatos dos órgãos de registro de obras intelectuais Registro de Obras de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia CONFEA Endereço: SEPN Quadra 508 Bloco B. Edifício Adolfo Morales de los Rios Fillho Asa Norte Brasília/DTelefone: (61) /3705/3703 Fax: (61) /3751

16 Sítio: Registro de Obras de Artes Visuais Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro Endereço: Av. do Ipê 550, Prédio da Reitoria, sala Rio de Janeiro/RJ Telefone: (21) Fax: (21) Sítio: Registro de Obras Musicais Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro Endereço: Rua do Passeio, 98. Lapa Rio de Janeiro/RJ Telefax: (21) ou Sítio: Registro de Programas de Computador Instituto Nacional da Propriedade Industrial INPI Endereço: Praça Mauá, 07 Centro Rio de Janeiro/RJ Telefone: (21) / Sítio: Registro de Obras Literárias Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional EDA Endereço: Rua da Imprensa, 16 12o. Andar Sala 1205 Palácio Gustavo Capanema Castelo Rio de Janeiro/RJ Telefone: (21) Fax: (21) Sítio:

17 Representação do EDA Brasília/DF Biblioteca Demonstrativa de Brasília BDB Endereço: Av. W3-Sul EQ. 506/507. Asa Sul Brasília/DF Telefone: (61) Fax: (61) Representação do EDA São Paulo/SP Endereço: Rua General Júlio Marcondes Salgado, 234. Campos Eliseos São Paulo/SP Telefone: (11) Fax: (11) Sítio: Representação do EDA Salvador/BA Biblioteca Pública do Estado da Bahia Endereço: Rua General Labatut, 27 3º Andar. Barris Salvador/BA Tel: (71) Fax: (71) Representação do EDA Recife/PE Biblioteca Pública Estadual Presidente Castelo Branco Endereço: Rua João Lira, s/n. Bairro: Santo Amaro Recife/PE Telefone: (81) Fax: (81) Representação do EDA Natal/RN Biblioteca Pública Câmara Cascudo Endereço: Rua Pontengi, 535. Bairro Petrópolis Natal/RN Telefax: (84) Representação do EDA Aracaju/SE Universidade Federal de Sergipe UFS Biblioteca Central Endereço: Cidade Universitária Prof. José Aluísio de Campos. São Cristóvão São Cristóvão/SE

18 Telefone: (79) / Fax: Representação do EDA Vitória/ES Universidade Federal do Espírito Santo Endereço: Av. Fernando Ferrari, 514- Goiabeiras Campus Universitário Vitória/ES Telefone: (27) / Fax: (27) / Representação do EDA São Luís/ Ma MAP Endereço: Praça do Pateon S/N Centro São Luís/ MA Telefone: (98) Representação do EDA Cuiabá/MT Universidade de Cuiabá Endereço: Av. Beira Rio, Bloco F. Jardim Europa Cuibá/MT Telefone: (65) Fax: (65) Representação do EDA Florianópolis/SC Universidade do Estado de Santa Catarina Reitoria Endereço: Av. Madre Benventura, Itacorubi Florianópolis/SC Telefone: (48) / Fax: (48) Representação do EDA Macapá/AP Biblioteca Estadual Elcy Lacerda Rua São José, 1800 Bairro Central Macapá/APTelefone: (96) / Representação do EDA Curitiba/PR Biblioteca Pública do Paraná Rua Cândido Lopes 133. Centro.

19 Curitiba-PR Telefone (41) Ramais: 4865/4866 Representação do EDA Belém/PA Universidade Federal do Pará Campos Universitário do Guamá Prédio da Reitoria Av. Augusto Corrêa nº 01 2º andar Belém Pará Telefone: (91) Fax: (91) Registro de Domínio na Internet CGI.Br Comitê Gestor da Internet no Brasil Sítio: Fonte:

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA).

Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). Registro Registro é facultativo (arts. 18 e 19 da LDA). A proteção ao direitos autorais independe de registro. Efeito: segurança com presunção relativa aos direitos de propriedade. Finalidade: prova e

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1

Ética: compromisso social e novos desafios. Propriedade intelectual e bioética. Cintia Moreira Gonçalves 1 Ética: compromisso social e novos desafios Propriedade intelectual e bioética Cintia Moreira Gonçalves 1 A propriedade intelectual e a propriedade industrial estão previstas e protegidas no ordenamento

Leia mais

Direitos autorais Legislação e Normas

Direitos autorais Legislação e Normas 3 Direitos autorais Legislação e Normas Lígia Fascioni Aula de hoje lei autoral tipos de obra registro de obras direitos morais direitos patrimoniais registro e patente de desenho industrial marcas Lei

Leia mais

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral Noções Gerais de Direitos Autorais Módulo1 Direito Autoral Brasília 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Paulo Sergio de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo

Leia mais

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER Caro leitor! Nós, da Tavares Propriedade Intelectual, resolvemos desenvolver este material educativo com o propósito de alertar empresários e executivos da necessidade de

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR NOME COMPLETO AUTOR PESSOA JURÍDICA, (CNPJ), (inscrição estadual), com sede na Rua, Bairro, Cep -, Cidade - cujo representante legal é o Sr(a).,

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética;

... IV - as obras literárias, arquitetônicas, artísticas e científicas ou qualquer criação estética; De: Nelson Parente Junior [mailto:parente@santos.sp.gov.br] Enviada em: segunda-feira, 30 de agosto de 2010 11:56 Para: Consulta Direito Autoral Assunto: Consulta Pública Prezado Senhores, encaninho para

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

Curso de Direitos Autorais

Curso de Direitos Autorais Curso de Direitos Autorais Prof. Heros Elier Martins Neto Bacharel e Mestrando em Direito Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Funcionário do Tribunal de Justiça do Estado de São

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Lei Nº 9.609 CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS DE AUTOR E DO REGISTRO Art. 2º O regime de proteção à propriedade intelectual de programa de computador é o conferido às obras literárias pela legislação

Leia mais

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015

Clarke, Modet & Co. - Brasil Dra. Patrícia Falcão. São Paulo, 29 de abril de 2015 Esse documento está licenciado pela licença Creative Commons Atribuição Não Comercial Sem Derivados (CC BY-NC-ND). Para saber o que você pode fazer ou não com este arquivo, leia este link antes de usá-lo:

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS PARECER Nº 001/2012 DLN. INTERESSADO: Reitoria da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ASSUNTO: PLÁGIO. Vem a este Departamento Ofício de nº 066/2011 PRODERE/FES, encaminhado pela Reitoria desta UFAM,

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas O Direito de Autor e o Mundo das Empresas 1 A propriedade intelectual está no centro da atual economia baseada no conhecimento e na inovação. No ambiente digital, um mundo progressivamente globalizado

Leia mais

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva Processo Administrativo n 07204/2010 Interessado: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Exibição de Material Audiovisual e Textual na Rede Escolar Propriedade Intelectual. Direito Autoral. Lei nº.

Leia mais

Direitos autorais e a EAD

Direitos autorais e a EAD Direitos autorais e a EAD 1 II FÓRUM DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO PODER JUDICIÁRIO ROGER TRIMER Boas notícias A educação a distância tem liderado uma tendência de volta do conteúdo didático no processo de

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Anteprojeto de lei para LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Considerações gerais A expansão da internet trouxe facilidades sem precedentes para o compartilhamento e reprodução de obras,

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Plágio Proteção dos Direitos Autorais A Lei Brasileira 2 Plágio Plágio é a apropriação indevida de ideais ou textos de

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

Diversidade Cultural e Conteúdo

Diversidade Cultural e Conteúdo Diversidade Cultural e Conteúdo I Fórum da Internet no Brasil Comitê Gestor da Internet Expo Center Norte Outubro/2011 Oona Castro Instituto Overmundo Overmundo Missão: difundir a cultura brasileira em

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO

PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR. Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROTEÇÃO AO PROGRAMA DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programas de Computador e Topografia de Circuitos DICIG / CGIR / DIPTO PROPRIEDADE INDUSTRAL PROPRIEDADE INTELECTUAL DIREITO AUTORAL PROTEÇÃO SUI

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO I O PROBLEMA Direitos Patrimoniais: Art. 29: depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS Enquadramento jus-autoral dos serviços das bibliotecas Cláudia Trabuco FDUNL, 29.05.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos conexos mais relevantes

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

Proteção de direitos e divulgação de arquivos

Proteção de direitos e divulgação de arquivos Electrónica ISCTE 31 janeiro 2012 Proteção de direitos e divulgação de arquivos Helena Simões Patrício Sumário 1. Introdução: a proteção de direitos em ambiente digital 3. Proteção de documentos de arquivo

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios...

http://diariodocongresso.com.br/novo/2011/09/expresso-livre-alcanca-20-mil-usuarios... Page 1 of 8 Diário do Congresso Os Bastidores do Poder On-line Os Bastidores do Poder On-line Capa Senado Câmara Entrevistas Artigos Blogs Opinião Partidos Políticos Pesquise no DC 1ª Página Jornais 1ª

Leia mais

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas VI FÜrum de EaD De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas U ni versi d ad e d a Re g i Äo d e J o i nvi l l e U N IVILLE P r o f e sso r a no Depar tame

Leia mais

Regulamento do Desafio A Natureza das Coisas

Regulamento do Desafio A Natureza das Coisas Regulamento do Desafio A Natureza das Coisas 1. Geral 1.1. O Desafio A Natureza das Coisas do Edukatu Rede de Aprendizagem para o Consumo Consciente é uma iniciativa do Instituto Akatu, associação sem

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO USO DA INTERNET

REGULAMENTAÇÃO DO USO DA INTERNET REGULAMENTAÇÃO DO USO DA INTERNET Daniela Marys, Érika Penido, Izabela Braga, Lorenna Gabrielle, Rafaelle Montenegro e Raquel Andrade RESUMO A internet consiste em uma rede de escala mundial, na qual devem

Leia mais

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Proteção da Propriedade Intelectual Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Propriedade Intelectual Expressão genérica que corresponde ao direito

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers

Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers Sobre o Direito Autoral dos Arquitetos, Urbanistas e Designers Arq. Paulo Ormindo de Azevedo O direito autoral dos arquitetos e urbanistas tem especificidades que o distingue do de outros artistas como

Leia mais

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio.

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio. DIREITOS AUTORAIS As informações a seguir foram elaboradas para ajudar a esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre ilustração, contratos e direitos autorais. Para maiores informações jurídicas aconselhamos

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Reitoria RESOLUÇÃO Nº 064 CONSUPER/2014 Dispõe sobre as normas reguladoras de prestação de serviços tecnológicos do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal Catarinense

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador. Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998

Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador. Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Lei de Proteção da Propriedade Intelectual de Programa de Computador Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Lei Federal n o 9.609 de 19/02/1998 Promulgada em conjunto com a Lei n o 9.610/98 de DIREITOS AUTORAIS,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Gestão de incidentes de segurança da informação Objetivo Os incidentes de segurança da informação precisam

Leia mais

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL Na composição dos direitos autorais, existe uma divisão: direitos morais e direitos patrimoniais. Esses direitos protegem e orientam o autor, no que diz respeito à obra criada por ele. Como autor, há coisas

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale

Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale Edital Nº 01/2008 Seleção de empresa para a criação do layout do novo site da Feevale A Associação Pró Ensino Superior em Novo Hamburgo ASPEUR, mantenedora do Centro Universitário Feevale, com sede na

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015.

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015. I - SOBRE O FESTIVAL DESCRIÇÃO E OBJETIVOS O IN- EDIT~BRASIL - Festival Internacional do Documentário Musical - é um evento cinematográfico que tem como objetivo fomentar a produção e a difusão de filmes

Leia mais

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER A prática de plágio tem sido comum em diversas publicações científicas e precisa ser combatida. Com o objetivo de informar os profissionais, docentes e discentes

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

CLAUDIO NAZARENO. Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia Comentários acerca do Projeto de Lei nº 2.126/11, que [e]stabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, o chamado Marco Civil da Internet CLAUDIO NAZARENO Consultor

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc;

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc; RESOLUÇÃO Nº 213/CONSUN/2009. Define política e diretrizes para a gestão da Propriedade Intelectual no âmbito da Unoesc. O Conselho Universitário da Universidade do Oeste de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que consta no Programa Tecnológico, que integra o Plano

Leia mais

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais