americano, conforme pede Cru flri. A sessão foi, pois irainitcri da, siüii o depoimento do acusa-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "americano, conforme pede Cru flri. A sessão foi, pois irainitcri da, siüii o depoimento do acusa-"

Transcrição

1 ^^^ Kl ;:p,v<:.: : ;, f ^., o?? è pbae d l PuucaaU HuVUED 60 NOVA YORK, 20 (T. O.) Sm Exolu. esta neste wmc No sròccsso movdo pelo edtar to ocupado cm assuntos de aumu, mportânca para u, nglatcr Urlffln contra o Lord do Alnraldo ukcz, slr Churohlü, a". por consegunte, nfto tom do, O s-, Orlffl, aprenentou hoe «advogado or êscríuto, des tempo para presta- dm-la-açòcs dsse; "Não desconheço <u» o (<; ultmo a KCguntc excusu: perante o cônsul geral norte- sr Wlnston Cluchlí está a- amercano, conforme pede Cru flr. A sessão fo, pos rantcr da, sü o depomento do acusa- merlcano OfÍB yníf rff V íulmctü oeupto com ussum-, leanos, aprehcnauo dc rarnv. ptos, seguu!» sua apüao, mu utos norte-amercanos, c to mportantes, "para a nglalcrra, como, por exemplo, a emts.n alto mar lstes são apenas, presumento dc navos yankees cufto d» correo nortc-anítrlca. elgun» dos mutos assumplus m no a Uorclo ele navos norte-únc Portáulcs", concluu o Grffín. Transcorrendo ontem o nnversa Ho nttlco do presdente Òetulò Vargas, dversas e slgnlílcatlvas homenagens lhe foram trbutadas cm nossa captal, a exemplo do que ocorreu no resto do paz. Dessas homenagens damos a- qu um breve relato, para nformo cos nossos letores. NA SOCEDADE JAHN O governo co Estado prestou ao sr, Gettllo Vargas expressvà homenagem, c se cbnçretzou numa sessão lkro-musca, recjzncln no Saão Gu cá ca Socedade Jan, Q corpo dscente da Eseola Normal realzou, durante essa sessão o:; números ce arte pro- ANNO VK CAXA POSTAL, 443 :Drecê r n hcír n ttoàüuy bbubuítuhü m. w «as L a KO, 20 (A. NJ Luz Car- os Et<estes deverá ser acareado com o seu sucessor na chefa do Partdo Comunsta, Honoro do Fretas Gumarães, Para esso fm, Prestes será transferdo para a Políca. Central. Luz Cupello, rmão de Elza Fernandes, oven comunsta que fo ossossnada, renegou ao passado revoluconaro, encerrando as al vdades comunstas. Em carta drgda a Antôno Macel Bomfm, dsso: Meu ca- 0 Bomfm. Acabo ce assstr a cnumação.do cadáver ca mnha rmã Elvra. Reconhec anda a sua dentadura o os seus cabelos, Soube lambem, pelo confssão -cos elementos oe responsabuda- <e do Partdo Comunsta do Brasl, feta á Polca, ce que «cs havam assassnado a mnha, xtrnã Elvra. Dante dsso, -cnego o meu passado rèyoluco nano e encerro as mnhas atvdades comunstas. Do teu sem 5re amgo, Lute Cupeo". Faleceu o poeta m CmarSes íc< Fo, RO, 20 (A. N.) Falef«eu ontem em Petropos o sr. Lus Gumarães Flho, antgo embaxador do Brasl unto ao Vatcano e Totuo. Escrtor de mérto, per tenca ú Academa Brásle ra de Letras. s-s : KSEroS W&ÍLEESYS REDAÇÃO K ÒFMÇMS UTJA 5 DE NOVEMBRO, G5 " CURTYBA, SABBADO; 20 ÕÍ ÀBRLDE 94Ò mnltas c myftl8a<; -> r.uz CARLOS PRESTES O sobrnho de VVnston Çhur ehll fo aprso nado pelos alemães BERLM, 20 (T. O.) O ornalsta Gerald Romlly, sobrnho co sr. VVnston Churchll, fo preso pelos a- lemães, a 9 do corrente, na Noruega. Em seu poder foram encontrados docümer tos comprobatoros de que os uglezes se propunham a realzar um desembarque dc suas tropas naquele paz?mm per GürfSa o corone? Cordero de Fara Pelo avão "Jacy do Sn sr. Manoel Rbas, preçlaro dcatp Condor passou òntem por nossa Captal va- do è por altas autordades nterventor federal no Esta ando cm companha ce sua estaduas e federas. exma. esposa d. Avan Cor Pouco depos o avão prós défo dc Fara e com destno a Porto Alegre, o coro- co ontem mesmo a Porto segua; vagem, tendo chega nel Cordero dè Fara lus. Àlègrè. tre nterventor federal ro \ avz&x Ro Grande do Sul. H O coronel Cordero de Fara fo recepconado, no ae & n rodromo do Bacaeher, peo QE os seus negócos vão bem, melhores rão, se V. Exca. utlsar-se du publcdade. BrlaferSal bélco yankee para a Europa :000O000: NOVA YORQUE, 20 (U. P.) O Mnstéro çla Guerra deu lcença para se rem assgnados os contratos de venda de mortantssmo materal bélco pe- as fabrcas e uzras amercanas aos alados. Nesta venda está abrangdo un grande numero de avões de caça e de bombardeo, dos tpos mas modernos e dc ncrível velocdade. B-RLEvr, 30 (T. O.) Completn, hoe o puchrcr c CJanceler Adolfo ltler seu 5" anversáro nàtallco. nca-se ass-m, nove ano para o lomem que está determnando, de modo m dublavel, o cleslno da Eu-òpa. Adolfo Hter nasceu no ano de S89 cm Braunau. A experênca da grande guerra <, as necessdaclcs (p. Alemanha levaram-no, «o ano de 99^ a se tornar o salvador da Alemanha. Após um combate, únco na hstora, conseguu o Fuchrer o poder da Alemanha, orçando o novo excr cto o dando ao trabalhador ale mão novas possbldades dc vda. Como reconhecmento e reslcto, festea- por sso o povo alemão o 5" anversáro natalco de seu "Fuehrer", que, graças á força do seu caracter e ao seu g«no únco, levará o Rcch á vtóra. + - < ++ ++»..«..»_>»? araomaorcontato entre os exerc tos alemão e ta- Eanc BERLM, 20 (T O) -- Fo hoe comuncado em Roma que houve permuta de depu táções mltares alemãs e talanas. Algumas depuações alemãs á chegaram :-~««r-vr;r.w.~««-,..j«^«^«,^_ _ "a Baa"""" nona a Roma. Essa vsta tem o fm dc realzar maor conta to, entre os exérctos alemão e talano Os ornas talanos comentam esse fa to em artgos de destaque sa aca b ; aa NUMERO «320 FONE: f-3-í Volada nóvamet te a neutraldade; luxembutrgueza LUXEMBURGO, 20 (T. O) Volando novamente a neutraldade luxembíuguezá, um avão frahcez Voou, hoe, a pouca altura, em dreção do angulo forma do pelas fronteras dos três pazeá ; \ " 7r 7 : Á :77:77y:: Í\.Ü,7-.7.r7-7:t.: ernmadas e que agradaram plunamento á enorme assstencu que lá compareceu. Em nome do governo pàrana òhse, e saudando o présãehte Getulo Vargas, falou o dr. Lncerca Pnto, secretaro d0 lutcròr e Justça, que, em paavra.s felzes e snceras, dsse co úblo da nação pelo acontecmen tu que se conunemorava. Couftnua na 8a pag.) o anversáro nafagce è "hàm" m \... Alemanha..-..-,-..., q JB lalnele amanhã, 2 dc abrl, sr.n auffuracla em Poa Grossa a 2a Exposção Paranacnsc <lo Anmas e Produtos Dervados. A mportânca do aconlefmentc á fo sublnhada nos comentáros da mprensa, ncla sve nos tópcos que a respeto especalmente para aquele fm, lemos publcado daramente. o -r. Atallba X;c, secretaro ce Para assstr á nauguração do Agrcultura do Ro Grande do certame, quo sen soleníssma, Sul, que recebeu, ermo tvemos á se enconü-am naquela prósper» ocasão de notcar, um convte cdade paranaense as a pessoal do nterventor Manoel- tas autordades estaduas, sendo Rbas. dc destacar a vsta que nos faz. A PRB-2, nossa potente emssora. dc seu lado, á tem nstalado- os seus nucrot&ncs no retnto da Exposção, para a trans mssão dos seus atos a todos os recantos do Brasl. A cdade de Ponta Grossa, ao que tvemos conhecmento, a- olm-se cngalanada para a recepção e agasalho dos vstantes quo lá acorrerão afm dc àssstr os festeos da Exposção, es fundo preparadas dversas lomenagens ãs altas autordades e pessoas gradas quo vstarão o certame. Assm, é dc todo certo que o magnífco certame organzado pelo governo do Estado alcanço csto nvulgar c repercussão nacoal. Com realzações assm, vamos costrurdo a nossa própra grandeza e a prosperdade economca do Paraná. - S-sy

2 2- PALÁCO - DOMNGO S. Bruce Cabot em - 0 VALENTE» P K DA 0" AVENDA l m E mas, a mas dramátca o crme com; ÃnDvvorak. CORREO DO PSRANÂ^ Sessão Corrda -«, t». ; :»:.êm "Naconal"-"A Voz do Mundo" \]S BABY SANDY o bebe que seduzuo mundo era "Caí do do Céo"... está pronto para nova/ aventuras nesse fl me cheo de encantos ao lado do gosadssmo Mscha Auer e Shrley Ross em - - 5SS55^"mm SSSSSSSSSSíSÊtÊÊÊ BS"gg^ ^^^, s&m ssm m HOJE-PALÁCO..u? austen mm HOJE - CNE BROADWAY sm&m >MlÍ-ll WE W. fupt-y. Sessão Únca as NACONAL" 8 horas Sessão Únca as 8 Horas Grandosa Malce com nco ás?. horas -. (Naconal" ~> "Fora de "Naconal" Horáro Mocdade "Laçando Sem Lar Feras" Educatvo "O Um flmo Duplo que aborda um tema forte puro de Penrotl": Com Boby c oportuno c Bly com An Mauch "Tonaram-ne Des. Shrley Crmnoso" Com John Garflcd Um f3 me mprópro para menores ate anos. ÍA guardem Pedro Vargas o cantor que toda a cdade adm ra 4a-f era no LUZ no seu prmero flme - "O Mex co Canta". Aguardem no Paláco - Captão Fu«ra. - Breve nó LUZ - Juarez. Cudado! Os bambas ouíra vez em apuros! Os smpátcos "Vda garotos de Ma! Traçadas, num flme repleto de vvacdade. PREFETURA MUNCPAL Oü CURTBA Dretora le Obras e Vação EDTA, N.«2/40 Dp ordem co Exmo. Snr. Dr. Prefeto Muncpal, faço cente nos Cuolstas concessonáros co servço telefônco desta Captal (ue, na comuncação formulada por esta Dretora sobre a íalta de cumprmento á notfcação feta no Edtal r l de 5 do corrente ío proferdo o segunte despacho: "<Jím face da presente comuncação que afrma nova rencdênca dos quotstas que exploram a concessão dos ser vços telefôncos desta Capltal <em não se habltarem com representante legal unto a esta prefetura aplco a muta do 3:200$ (três contos e duzentos ml res) aos mesmos concessonáros e marco ; Despachos do Sr. Dr. prefeto Muncpal em, 9 de abrl de Hds. de Gulhermnc VVoss Em face das dsposções legaes em vgor os, requerentes não podem ser benfcados com os favores requerdos. : 77 Paulo Tacla - Em face dòs pareceres não po de ser atenddo. 936 Guarda Noturna do Curtba - Sm, de acordo com o parecer do D. F. 365 Dr. Saturnno Euz pp da Ca Telefônca Paranaense Junte documento que prove ter sdo antov fcada a execução do servço í que se refere o peddo de pagamento. 443 Berta Voss Em fa co do parecer e consdera! do que a requerente não a- presenta ustfcação para fundamentar o seu peddo, mantenho o despacho exa rado na petção 4732 de o prazo de 43 horas a exprar no da D íts 5 horas para o cumprmento do respectvo texto contratual. A não observânca dessa determnação)mplcará na reln cdenca da falta e consequen te muta em dobro na forma prescrta no respectvo contrato. Publque-se edtas dandoco nlecmento aos nteressados. Em 7;4;í)4ú (a) J. Morera Garcez". Nessa conformdade, fcam notfcados os nteressados que têm captal nvertdo nos servços telefôncos desta Captal, a darem cumprmento ao despacho acma transcrto. Dretora de Obras e Vação, em 7 de abrl de 940. (a) João Macedo Sousa Pelo Dretor de Obras e Vação. Eternamente Tua ""- Uma comeda delcosa tom D.vd Nvcn e Loreta Yomg Mayerlng Un flme com Charles Boycr c ÍM! Dauellc Dareux, Em face do parecer procede o requerdo 238 Bars Kramer - mo requer, de acordo as nformações - Co com ( 2204 nsttuto de Musca do Paraná Como requer de acordo com as nforma ções 2232 Jos Borges Como acordo com as n requer, de formações 2255 Darte Trentn tfque-se, em termos 939 Cor 982 Eugêno Galav Em fuce das nformações; não tem logar o que pede ldefonso Munhoz da Rocha Proceda-se de a- cordo com o parecer do De partamenl.o de Fazenda. Centro de Prepa ração de Ofcas da Reserva síçísss 72 Hdos. de Mara N. de França! (c. r. o. r.) Como pedem, nos..o Dretor to C. P. termos O. R. dos pareceres, com convoca todos os tado alunos o praso do da da not (novos e antgos), ícação deste despacho, para comparecerem segunda -fe; ; 756 Bars Kramer _ Em ra, da 33, ás 0 face (dez) ho- das nformações, arqu ras, na sétle do Centro TT - Curtba, 8,lc 7,2 Abrl «le Henrque Lbel 940. Proceda-se de acordo com o Bctolno de Almeda Parecer do.;» Departamento Ten. - Secretaro. de Fazenda 780 Socedade B. O. do Bate Como requer, de a- cordo com as nformações 882 Marcos Moro e Ca. - Deferdo, de acordo com as nformações 897 Adolfo Romano. Como requer, de acordo com as nformações 2042 Luz Bussmam co mo requer de acordo com as nformações > 225 Joaqum Artgas Sm, de acordo com as n formações 228 Companha Fat Lux «SÉ ^ HOJE-BROADWAY-HOJE -""W3ME,,., Sensaconal SVatínée com nco r. as noras t««t.x... "Naconal" [.b..-^,, "Eternamente Jua" - Çottí Loreta Young "O Fantasma das Planíces - Com T?m Mac Coy "O Grande Guerrero" ~ S e 6 epsodos "A Volta de Dck Tracy - 3 e 4 epsodos. mtmnmm Segunda-fera no LUZ - Bas Fond ex traído do romance de Gork com Je an Gabn num vo lento flme probdo para menores até 8 ano» (rtrurw fru n AA vp "^y- v> 0wm w/m má éteamuíó-.,...levo a qualquer ponto onde haa lnhas de mnha Companha, os múltplas servços que a èlectrcdade proporcona. Para que assm proceda, para que a todos ser possa ;d!strbudo", ha numerosos aetalhes de servço que custam muto dnhero. E uma "complcaçao" de mochnsmos, fos, transíormadores, auxlqres attentos e líctos; so- cua manutenção oceasona despezas enormes. E, anda assm, a electrcdacl» e barata nesta nossa cdade írma dt o Snr. Klowatt, seu crado electrco; Fone m «"

3 CORREO DO PARANÁ 3Í~" 0 Cnema e o Theatro no Brasl Estmulo aos productores de flms naco naes ~ Duzentos contos de p r e - mos ás melhores películas do anno - Aplcação rgorosa da le Gefcdo Vargas domo age nesse sentdo u Dvsão cspcr-lsada do He parlamento dc mprensa ò Propaganda, Ro, Abrl (Reportagem especal do Burcau ntercstadoal de mprensa) Pro segundo na sere de repor tagens que ncamos.sobro òs város scetóres de actv <ade do Departamento do mprensa e Propaganda, va mos nos oecupar. lo.e da D vsão dc Cnema e Thoatro, um dos servços especallsa dos daquele mportante orgalsmo admnstratvo. «Drgda effcentenente pelo.sr. srael Souto, a Dvsão de Cnema e Theatro yae, com lntelllgènca,mprmndo uma nova orenta ção nos servços sobre o seu controle, do manera a cevar, cada voz mas, o nível cultural to nosso povo. Vstando aquele servço e al, em palestra com o dr. srael Souto, recolhemos os elementos nformatvos que em seguda vamos dvulgar, e pelos quaes se pode veríí car o que á se fez e o que se pretende fazer, num futu íuro bem próxmo, em favor do cnema c do theatro r.o Brasl. Censura íhcaíral e cnemalographca Envolvendo embora funeções bastante amplas, a D vsão de Cnema e Theatro vae, aos poucos, dando cumprhento á tarefa quo lhe cabe dentro das fnaldades! do Departamento de mpren sa e Propaganda.! Superntende ela a censu ra theatral e cnematograyhca, sendo anda o drgãò controlador das dversões publcas cm geral, pelo que se torna complexo o seu n.pa relhanento e delcada a sua mssão. Cumpre-lhe, égüalmente; smender ãs fnaldades "tlnema do naconal, estmulam do esforços, desenvolvendo tarefas e auxlando, dentro üe um programa dc larga actvdade, todas "Uvas as ncatendentes a üotar a c aematographa, no Brasl, Hlc um posto úo relevo ho mercado nterno e externo.! Cabe á Dvsão de Cne- 3aa e Theatro, por seus o-?ãos competentes, classf- -car os flms para a sua lvre «xhlbção, de tal modo que, programmados os mesmos, í>«ue o publco orentado Wanto as mpropredades M qualdades que possam W- conter. Obrgatoredade na exlução dc flms brasleros Eífectvamento o cnema braslero arasta-so anda na sua phase embryonara, sen do todava betn promssor o seu futuro. Já exste.alás uma oxlgenca formal no tocante á dvulgação, em cnemas de flms brasleros do longa metragem. Todas as casas de dversoes desse gênero estão, ago ra, obrgadas a exhbr, pelo menos uma vez, annualmente, m flm feto no Bra sl, além da nclusão, em cada programa, de um flm naconal de pequena metra gem. B, nsttundo, como fo, "taxa a cnematographca pa ra educação popular", serão annualmente, dstrbuído;; prêmos entre os prodúçtoros brasleros prêmos essès nunca nferores, no seu total, a 2üO:000SC()O.. O D.. P alem dsso, mnn salménte,abrè concursos pa ra pequenos flms nossos, com prêmos totaès de... 5: Naturalmente que, aos poucos, taes nca tvas do Governo poderão produzr resultados apreca! ves, de tal modo quo, en: tempo não muto dstante, tenhamos frmemente estabelecdo e em franca produção, a ndustra cnemàtó- Sraphca entre nós. No sector theatral O Theatro, por sua vez, á está sentndo os cffelos do novo departamento recente mento creado. A censura de poças tleatraes tem, sdo, aceão naco nal. o controle, assm do theatro, como eonvnha, offerc-ce resultados mas útes e mas aprecáves á defesa da lteratura theatral, no Urasl. Nonnma peça poderá ser levada á scena sem estar devdamente autorzada por aquelle servço, assm como nenhum actor ou atrz podera apresentar-se em públ co sem que estea al regs-, trado. í A Dvsão de Cnema e Theatro, actualmente, no seu trabalho, está estudan do a forma fle mstallação, nos Estados, de seus servç-os. - unfcados os mesmos, com elementos fscalzadores subordnados a um unco órgão central, será mas - OtafctJV> tes.-rt«" BWül M ^ma^<- fácl, sem duvda, aos pode- res públcos estabelecer nor mas defndas o defntvas ás dversões publcas no paz, além do que, protegeudo pela applícação rgorosa da Lol Getulo avrgas, os ar t.stas naconaes, não dexaroo que elementos nescrupuíosos espalhem, por processos os mas subts, doutrlras ou prncípos contra ros á nossa Índole-fc educacão. sto porque tanto o Thea tro quanto o Cnema; dado o poder extraordnáro de dvulgação que possuem, dc vem estar subordnados a um mesmo órgão controlador e a uma só orentação ílscalzadora, para que, des sa forma, cumpram, por completo, a mssão que lhes cabo na educação do povo o na elevação da cultura naconal. PROVMENTO DE CADERAS na Escola de Dreto Clovs Bevláqua Do rr. Gustavo Capanema, Dreto ndustral e mnstro Legsla de Educação e ção ro Trabalho, Saudo, Dreto o nterventor n federal tcrnaconal Prvado, Dreto no Paraná recebeu o seguu Cvl, Dreto to telegrama: "Solcto" Admnstratlvo o Cênca das dc vossenca Fnanças. se dgne determnar O prazo termna em provdencas ulho no sentdo do corrente ano. do ser publcado no dáro so o conetu-- obedecerá ã legslação oeal fo desse Estado o seguu ceral vgente, devendo to edtal: os n Faço publco estar teressados drgr-se á aberta secre na Escola do Drelo Clovs tara da Escola para molho Bevláqua, em res esclarecmentos. Campos, Saúdações cordas, a nscrção para o concurso (a) Gustavo do provmento de ícapanema, mnstro cargos do de Edu professores cato cação e í. - r dratcos de Dreto Romano, «- «W^roo.B^^^»l»H»»»HJ.- l>l»l,..ll.u.m.x, - - RELAÇÕES DE COMERCO.r. entre a Rossa e a Yrçoslava BERLM, 20 (T. O.) -~ Nos círculos polteos de Bel grado é comentara vvameh to o próxmo nco das he- goçaçõcs comercas entre a unão sovétca e a Jugos J lava. Segundo nformes of cas de Belgrado, estão sen co efetuadas entre Moscou negocações no sentdo dc serem travadas relações co mercás e fnanceras entro os dos pazes. Esto é o prmero cohtacto ofcal entre -ugosláva e a Unão Sovetca que até o presente nem squér fora reconhecda pc- a ugosláva. As relações 00 mercás são tomados com prenunco de futuras relações dplomátcas. NADA PUDERAM SABE sobre a staação da Noruega BERLM, 20 (T. O.) For te decepção sofreram os dopulados ngleses, que se reu nram afm de ouvr algo so bro os fetos da frota nglesa na Noruega. Como res-??»>»»»»fr«-g.»f>». posta a ía pergunta, folhes declarado pelo secreta ro do Estado, senhor Butler, que quanto a sso ele nada tnha a comuncar. 0 PROVMENTO DE CADERAS... na Escola Poltécnca da Baa... O d-. Gustavo Capancma, legrama: "Solcto de vossen mnstro da Educação e Sau ca se dgne determnar de, envou ao nterventor vdercas pro no sentdo de Manoel ser Rbas o segunte te SSm no «Mo ofcal desse Es^ o segunte tal. ed Faço publco estar te, aber na Escola Po]WcnCa Bata,?a a mscrção para o con 5g» ^ títulos e profesto- mêmêê : aa:, C^mm,! das cadeelo & -fecaní(!a; Const - t! STUAÇÃO MLTAR BBcMM, 20 (T. O.) DO fonte competente, a agênca, "Trahsoceán" colhou as sogulntes nformações còmple montares ao comuncado do guerra alemã: "Os últmos despachos re cebdos da Noruega udantam quo as tropas gernancas contnuam a ocupar o terrtóro norueguez, conso ldando as suas posções p. terlores Nas ações etnprehen eldas em Oslo foram ocupa cas mportantes fabrcas ro a;mamentes, stuadas nas medações de Hoenevoss e Kongsborg e bom assm as íortfcações da zona do Frc drksstad. Nas proxmdades de Kongsberg, solda- ser quas comparada com o tamanho da nglaterra. A avação alemã, realzou vôos to reconhecmento, 0 da de ontem, sobre o mar do Norte o sobro a totaldade das costas norueuuozas, ntr glndò o norte ce Narvtlc. 0 de foram dvsadas as forcas navaes nmgas. Em Narvlk rena tranqüldade. Ao que so supõe, os nglozea tentarão, por razões de nés tgtó, fazer com que as suas forças navaes penetrem r.os numerosos fords, tentando al o desembarque co suas tropas. Foram afundados dos submarnos brtâncos, o quo a correspondo a um total do 7. o comandante do submcrsvel alemão, au dos noruegueses foram reçhassados para alem da quo o cruzador nglez da ter dessa proeza, confrma frontera sueca, ondo foram classe do "Glasgovv", fo nternados. A chegada das realmente torpedeado. A tropas alemãs aos portos no avação germânca regstou rueguezes o efetuada de açor novos êxtos. Os seus apn» do com um plano prevamento elaborado, sendo a se mtt" derrubaram, nas pro- remos do caça "Mossersch- gur medatamente dstvbudos pelos pontos estrato avões nglezes que, pouco khndades do Bergen, dos gcos. a parte ocupada ra mtes; havam afundado Noruega é grande, podendo um barco alemão. rr-r,~s; aaaa se baxa dores íorte-anereanos no ÜO. Receo dc quo vá tudo por ÁGUA ABAXO com a presente guerra... Na rua da Pasasgcm, um ônbus entrou numa casa, & íaugurar-sc-á amanhã a 3«Exposção de Anl Concurso de dansas a conta do medco,., mas, Em Ponta Grossa. clásscas. Em S. aulo. Mu Muta BESTA estará por lã to oportuno agora que emos dc DANSÁK conforme sem partcpar do certameh.,, a MUSCA... Conferênca dos cm- Um sr. Pnhero e mn sr. Carvalho descobrram documentos sobre um tesourr) Na hora ta partlha da rqueza, haverá PAULE RA entre o Pnhero c o Car valho... Sem pedr lcença para a Degelo 0 mar Baltco. PASSAGEM... Nada de mas. O ardor dos Um medco braslero combates é de derreter o descobru a vsbldade do polo norte... --á-yfc apêndce. Outros enxergam :~ >r.. nglaterra Quer Vencer Assm! BERLM, 20 (T. o.) Pa gundo a comuncação da co ra o da do mao ô prevsta uma greve geral de to aproxmadamente de mssão autorsada. Trata-se dos os trabalhadores ngleses das fabrcas texts, se- regão de Yorkshre o Esco- trabalhadores, mormente na ca. mnmm y ft-cuttr.trdv-çío díá-.«o«íha» f 9í--r»fJír6 df medca» Não vngou o regmen sovétco WflBf,^e»«wfl^«Nos Terrtóros Conqustados... > -fa! «g-, pela ";" ^- flssw r»n» t«t«r«t. r.t. rru ANGERS, 20 (CDD Àgêh ca polonesa) Na regão de Lvvovv, fo completo o n sucesso do ensao da cole- ao cavl e Arqutetura; tetstzca; Es Economa Polítca e nanças; Resstênca Materas dos tvzação das propredades e Gráfó-Ktatst. ruras. Apezar dos grandes Pontes; Ça; Grandes Estru esforços envdados pelos ag turas metódcas e em Concrete Armado; Estradas tadores comunstas, durante o nverno e o outono pas Ferro de e Rodagem; Portos Canas; e sado, só se conseguram organzar algumas comunas Geologa Economca e Noções do Metalurga; agrícolas (kolhoz). Nenhum Eletrotécnca Geral; ca norgânca. Qum feto produzram as excur A nscrção termna em as setembro do corrente ano. a para maores esclarecmentes. Saudações cordas O concurso obedecerá á Lo - gslação federal vgente, devendo os nteressados dr- nstro da Educação e Sau- (a) Gustavo Capanèmá, m ^J 8l--se á secretara da Esco de". soes promovdas pelos sovets de camponeses polo-- neses ao nteror da Rússa. Voltaram os excursonstas sem a menor convcção da superordade da exploração coletva sobre a ndvdual. Em face deste fracasso da, sovotzação da Polôna, a;) terras confscadas a própro taros partculares, foram, entregues em caso provsoro a esforçados lavradores, pequenos propretáros ou empegãdos ruras. Está patente que o sovetsmo é tão contraro ã índole do povo polonês que mesmo nas camadas populares não logra enrazar-se.,.. ;. te-,;; 0 t

4 .>,J mu V CORRí!A t! Não bastasse a Grande r valdade que caratersa, des de há muto, os cote os Brl tana x Palestra; só o anmo forte com que estão os con tradores ce amanhã séra o bastante para prever-se u- ma partda dspútadíssma e nteressante. As expetatva em torno do encontro entre brtan- cos c palestrnos, são ènormes. Os adeptos do "Tgre" estão confantes" que seus va pazes,. desncumbr-se-ão Luvteoto,. Efgêno, Joanno fffe_>ct ~ " " O com sucesso dessa boato correu célere mssão, pela c-. v-negro á Unha até, embarca. Lauro- Jose Korman yggg&f. razão fr 9..nde. Entre porque,, rena dos goles de café. grande do com o alcador. J,,..... Joaoz»h _-eanlm ehtusamò em suas, ^^^^ ^% >"m afrmava que o kcemr (fleras. co- Fo o própro Ar quem Almentando o nteresse do ^ ^^â_íf m íun lhlha ronpúlo ton o põz ao par de toda a verdade.,. & J-:- tlretorí!l publco, há anda a esperada volta de Francsqunho, KW OndrtHa Os- fe-" PALESTRA?^ W <c scu t:h,bo- Outro Conforme notcamos ^^^^^^É ncresccnlnva ontem, re - ;> uo "P»W" a- cebera uma excelente proposta A m à no arco brtânco. Com uma defesa das mas efcente;; des; Gada - Cardeal l^fí^m ffí P ^ fã ao par de um ataque co qual muto se espera, os a! vl-rubros se atrarão com ar dor. em busca da vtóra. rara mwm Não é menor, o ertúsas- v^nfoa a S. Paulo fe rtft^tff^^^ MARO Um grupo de torcedoras do campeão está organzan do uma caravana para r, Paulcéa assstr os festeos nauguras do Estádo do Pa caembu. Para tal, aería-se aberta uma lsta no Café Ro Bran co, que está recebendo ass naturas de adesão ao mov mento. Faando com o cronsta esportvo ca Rado Tup, lo Ro de Janero, afrmou um dretor dò São Crstóvão, es tar scu clube esperando a da de Emcdo. E o caso tle se peftunlar: mas- corno? Matas o ponta cscnerda paranaense que ngressou no S. Clrstovão, extreará amanhã contra o Vasco. % Tade, o golero ro Amer-n, fo advertdo pela t-nt dade caroca, por ter assna do dferentemente o scu no me na súmula do Torneo llfl). Leondas, Nascmento e Zárzur foram submetdos á contrato com p C. R. Vasco exame dc saúde no Deparla da Gama, recebendo 20 con mento fttmco ca L. P. R. J. os de luvas e conto dc sendo constlcraflos aptos ordenado mensal, \ á ^lkçn, mtú, Cpnfcfe, Para Era-- ío se revestrá, o "meetng" de prognostca í, y v,» para a prátca do "assocalou". Nascmento reformou o la vã "Hetor Requão" Cada da que passa "mas, aumenta o numero de nser ções dos atradores e admradqres co homenageado, pa ra a prova que dentro em breve será realzada na Soce dade de Cultura Físca Jahn. No própro seo dá--jahn. é grande o entusasmo, renante e a lsta de nscrçfes a cargo do Captão João Méster Sobrnho vem recebendo daramente, assnaturas cos assocados daquele clube,, pa ra a maor prova rògenerò que á se realozu entre nós \ As lstas a cargo dos Srs.: Maor José da Costa Monte \ ro, Rubens Magno è Charu- tara Machado, vêm demórs trando também, o n vulgar nteresse que está prova está tendo entre os nossos al radores e mesmo entre os amgos do homenageado, amanhã em Ponta Grossa terá grande repercussão. O estupendo programma a ser desdobrado no Prado de Úvaránas é o segunte: o FADEO Prem.) Jóque Clube Fontagrossense.300 metros Dotações: 2:ÜOCíOOO e 4905 Küos Zambu 46 Tranon 50 Fdalga 50 Rex 5.4 fl Estlhaço 52?/ PAREÔ Prêmo 3" Refomento dc nfantara metros nt>faç«es: 2:500 «00 e 500? P& ÜRh, dfàsm ltta. kêè^ A-&~ h. - nfla Pobre Velho" 56 " Mstral : 5- " Al Capone 5 " 4 Vlla B. Vsta 54 r 5 Adarga" 64 " ( Prata 52 " 3" PAREÔ í-remo -Estanca do Au".300 metros Dotações: 2:500.?fl00 e 500 Novo 53 " Aríete 43 " Nova 54 " Tabu 50 " Ogannha 48 " " PAREQ Granlf? Premo "Goyern.q do Estado". 900 Metros Dotações: Q:000 e 2:000$ Klos FAM0SO " 0 JÜLlro ê%m feg %((_ \ pro cr 4 ;odc

5 B >_ ! [0 f ANA Hf rtaa Br%HH íí ãrjahb -- ^J admtvt.-^ ÊÊ l- ~\ ;.-k aar: J o 0. Perera r r-n oh KF mas, por de causar satsfação entre os es ltba, um portstás locas, pos Ar é cefo ace 3 mento ce real valor, não só no seu "team", como também na seleção estadual. r la dexav O Decano, contará domngo, desse modo, com o nestrave concurso de seu golero, resolveu do anda, mas um problema que estava surgndo, para a orgatzação do quadro que rá á paulcêa. 53 " 5, " l " 5 " l " l " í o Cuarussa. f - vk-_ m WPWk éderã es nossos BfB A Regtzlanen a-j ção do Esperte Braslero (Contnuação) herarcha desportva, gressar e mclubcs de outros "O CONSELHO NA- CONAL E E DESPORTOS [ 2 Delta 50 - Famoso 55» Art. 5." O Conselho Nacònal de Desportos será com Recurso 55 " "Palptes" desta folha posto dos cnco membros se ; " pareô: Estlhaço Tr- güntes: o delegado do che anon Zambu 2" parco: íe da Nação, que o presdrá, Mstral Pobre Velho os delegados dos Mnstéros Vla Bôa Vsta; 3o parco -! da Educação, da Guerra o! Ògânhhá Nova No-Í da Marnha e o representa! vo; " pareô Pala Braí.l te das organzações ce cara- ; ca Gacy Fo DAgua; cter naconal, todos nomea- 5o pareô Famoso Del- dos pelo Governo. lo?cclcracao ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^ ". 3. _ ARLKTE ARLKT l" -,! TRANSPORTES RODOVA. ROS RAJfroOS E SEGUROS Matrz: S. PAULO Rua Vsconde de Fa,-J.ahyba, Caxa Postal, 4505 TELEPHONE: 3.4G3 M que há cm torno dc seu desfecho, prometo um desenrolar bastanto dsputado. A ndscutível casse dos contendores, não admte duvdas á cs.se respeto. Cs calções negros, em vésperas de segur á S. Paulo, não» Momol Po Bélco - Rubnho Saul. Juvcnt: Tadcu Pâluhcá Padero Emílo Samba Cabelera: medrão esforços para mpres- Lucas - Vítor - - Dudu Osslonar bem. Em excelente for- cal. _ Carnernho. ma o-com as melhores dlsposções, os companheros de Borges estão longe ce crer num nsucesso. SR-ffB Frente ao Atlétco, o Juven.- tus portou-se de manera elogave, revelando possur um quadro homogóneo e bem trenado. Esperam os Juventnos repetr.. ::..-. w.- >.-;-.& :" aqueles três a úm, que cau- saym séros transtornos aos cortbanos. O prálo, reveste-se da rháx- mo mportânca, porque além de reunr dos adversáros de reco- hhecdo valor, muto nfluênca ã na colocação dos concúrrehtes neste campeonato. Possvelmente os dos "onzes" ^K.AÚ cbdecerão ás seguntes organza çõss: CsrtTa: Ar Eorges Augusto Batsta -- Bbque Tônco V. S. desea pn- ra a Tràns São Paul Paraná cua.dvlsâé LEALDADE E UAPmEZ,. ransportadora São Paulo ~ Paraná DOMCLO A DOMCLO _ AN.0LL0 De Ro NfaÇro. a. Recurso. raco ;. -. : " - --,? O Governo no- ^íí» olato e SlOS meará tar por proposta do sua resden presl Ro Nêgró vem se destaca tdocomo um dos grandes centros K los ; A CÒLtQCAÇá0 ACTUAL dente do CND um secretaro, M an - ca ; Xf) CONCURSO DE PAL- admnstratvo remunerado :.-:.-^...; V -,,.-,_.. íía.., PTES": Zd»m%mmmm$$ O esportvos do dè Jeã» Estado. Possuídora co um esqundno de reas, Plácdo graduação da classe. K. Zíf v Art. <." rró 0 logar ~~ "f"-"sental LlíMít ro Esportvo" dc P. R. B.2,,?--. _ossbldade técncas, essa e- o presdente do ROBERTO PO m:^- CND terá o ttulo "Paraná de drector gera! de Desportos, responsabldade Executa pclcreado pa Tnrfsla" e. servços de Po. dade, contnuadamente, propõecona.aos afeçoados do e.spurte- "Correo com do t rara amanhã, cm.seu campo o t"ra em... s. Paulo,! do Paraná" -.l petndo-lhe espeefcamen- tulo máxmo, que ostenta com coêsb Geral, esquadrão do Juventus. Preço sem,;-..:t\. do Ro ; lontos; l;e: usto orgulho, concurrenet-a bretão peleas de o Cortba grande brgkslsgssegsa^^ ms ggszs3gg»çmm Rua Marlano Torres, oo? hantstno e atração. enfren Esse embate, pela expetatva Jul segunte í2" ~ "O Da" 30; a -- representar o Con-,- 3" losar "Gazeta Assm é cue, domngo do ; selío pr&cmo; d;a 2, defrontar-se-ão uo- em actos c cermonas,. - l o uz Ary! Povo? c Dáro ca Tarde" desportvas e ofícaes, ndo 53f3. flolsf mas e commeraantes a. eeusaçô s 3J^5 í0-tos- (Contnua) para transportes vamnte, em sensaconal emhace te, as turmas do Qreraft Espor...vo suas mercadoras Rpvegrensè c do pel íhar encommetdas etc.! rovarp S. C. (dc Marra e v- : ce-campeão de Sta, Catarna.) os! aguerrdos e tradclonaos rvaes, cuos confrontos revestem hs «íaítí-..";. - í s"?r7r"7«atrrr Trafego muluo en tre Ro de Janero e Míaas Geraes caractcrstcas de um verdader». HA-ílLU. SAO FACLO _ "T!A dn Fvn,cva" va MRW-,! SfA. c:uulu la lul,a- CVf.tARlN4 dsposto a reíha ^.-. tár-se dos x2 sofrdos no ma gnfco recontro de donugu FLA.: p., passado. Os "rub.ro-negros". a CtíRTVBA seu turno, envdarão todos osesforços Para garantr o trurv- Rua Ve-luntaros da pa tua. 5:53. Caxa Postal, 498! TELEPHONE: fo 33 tão convncont-emente r -colt- Teflgrammas: ELSUR m ffl & ^ do. A refrega, pos, promete snr dns mas ardorosas, quem colhe ul os lotros da vtóra? ANUNCAR? J>éça nformações para o nosso Departamento ale Publcdade, pelo fone, <n.v, t.,,, 7 mü íaras»,.,

6 Eff^%^^ - 5»o~:4-94Q m O "CORREO DO PA. RANA»" rol fundado a de abrl de 032 f DRETOR DE PDBÜÚ. UA«E Alfredo Luz Curclòso Redação, Gerenca c (Ml. cuas: ltua ÍS de Novembro n.!5 unra Postal n.-> A H Telefone: n» Curtba Paraná Brasl Drector DR. DETOU VALEN tá Assl^naurass Paz Extr. Ano... G0SG00 20S000 Semestre. 35S000 70^000 Trmestre PUBLCAÇÕES O Departamento dc Publícldade encerra seu espedente ás 7 horas, salvo para os anúncos de caráter urgente. Sucursal no Ro do Janero: Bureau nterestadual de mprensa DRECTOR: Dr. vo Arruda Av Ro Branco 83, 9" sls. 909 e 90 Caxa Postal n 3C5. mo c»?»-»»»» +»? 9?»-»-»»»»»»^-»-a^--»- Mr.AO, 20 (T. O.) "O Cor rlere dela fíera", nt sua edção do hoe, drge-so contra o erro Os domínos pedem AMSTERDAM, 9 (T. O.) Sabe-se aqu que os governos des Domínos nglezes, aparentemente agndo de «cordo, dlrgram notas nsstentes a Londres solctando nformações se- «uras sobre a verdadera stuacão na Noruega e no Mar do Norte. As contradções dos nformes ofeaes destes últmos das têm sdo flagrantes ao pon to de mpressonarem desíavoravelmento a opnão publca de álem-màr, sobretudo no Canadá e nn ncla. Os peddos dos referdos governos, ao que se a- frma, 6 no sentdo duma publcação leal da stuação real. dos canadenses em Londres «a real. A musca do regmento canadense tocou antqussaas marchas francesas, que ve am, de geração a geração, até os descendentes dos prmeros co lonos franceses no Canadá. O xe e a ranha apareceram na E&cada do paláco real. LONDRES, 20 CH.) _ f0í um / Mul-cão compacta, que se a- Brande acontecmento para os glpmerou em redor do paláco, londrnos o fato de um destaca, dava vvas aos monarcas c aos mento do exercto canadense, ce canadenses. O regmento, que descendênca francesa, montava montou guarda perante o vetus- guarda no da de ontem, deante «o paláco real, As 0,30 horas os canadenses, marchando garbosamente, perflaram-se ue ante um destacamento da guar to castelo, tomou parte na gran de guerra e, perdeu durante os combates, 29 dos seus ofcas. Todos os habtantes de Londres manfestaram enorme smpata para com os canadenses france. ses, rodeados do lendas bem conhecdas das cranças nglesas. Os mennos londrnos travam conversações com os herócos "domadores de Índos", falamlhes em francês e lhes oferécem gulosemas. -^-"-»-».f ffl B > M H» «- H -»«>»«- #»» >-t m o h CORREO DO PARANÁ ;- MJr- "» """7...".?lül"-, ". ZSSS2S22SSZSSS """ "".""._,"!gg?!;- " """? " freqüentemente oxterórzado pe n mprensa francesa, quando ulga que a llaln nesta guerra ANVERSÁROS Fazem anos hoe: A exma. snra. d. Lída P. Vca, dgna consorte do snr. Antôno Romualdo Vdnl. O sr. Manoel Hermogenes V dal, um dos mas dstntos flhos dc Paranaguá, que soube manter-se, tanto no passado como no presente, entro os vultos de maor valor da nossa terra. A dstnta professora norma lsta, srta. E.-;colastca de Fretas Btencourt. O sr. Vtoro Mbntovanl. O sr. Cânddo Fretas, funco naro telegrafco e mportante ndustral. A exma. sra. d. Aurora». Ferrera, esposa do sr. Bento João Ferrera. A exma. snra. d. Nar cos Santos Porto, esposa~flo sr. Genolco Porto. Ó ovem Cânddo de Fretas Btencourt. A exma. snra. d. Ana Res de Fretas, dgna consorte do sr. Cânddo Fretas. O ovem Antôno S. Ferrera. Farão anos amanhã: A exma. snra. d. Mara da Gua Pcanço, dgna esposa do sr. Levy Pcanço. O sr. Wlfrdo Tradentes da Rocha, oícal do regstro cvl. O snr. Humberto Rubele, comercante nesta cdade. A gentl senlornha Elsabete Cantarell, prosada flha do sr. Carlos Cantarell. A menna Ad, ílla dleta do sr. João Gomes, ÂLARA HOJE 0 MNSTRO 00 RECH RUDOLF HES WmÊmÈÊÊÊÈÈm$^:- HfcSaS- - m:f wèbbmmmmmwblwmêêvm BERLM, 9 (T. O.) o Hess, falará hoe sabado, por ocasão do ahyer representante do Fuehrer, mínstr odo Rech" Rudolf saro natalco do Fuehrev > "^lhéâ^ ybfcm <Wêê0êê vmêêèêè&bb^^mmêmfflêm perante a uventude alemã. o dscurso será dvulgado por todas as estações fura- depender n sua attude fnul da BOrto das armas dc um ou outro dos dos lados, o acresceu anâguá Tezouradas J> NOVADO?.,. Domngo, 9 horas, a Praça "; Fernando Amaro estava quas vaza o que" consttuía un acaso, pos, àquelas horas, aquele Logradouro costuma estar sempe cheo dc peísaos que buscam dstração c ar lvre. Num cantlnho, alás no pon o mas "estratégco", sentadas a um banco, duas mulheres tmr muravam pausadanente, em tom baxnho, enquanto Ce passava, traando seu terno preto de vuvo. Aproxmando-me daq u e a s duas creaturas reconhec a senhorta YV, menor de 8 anos, morena, smpátca, de um olhar de forte expressão, sendo sua companhera a velha senhorta M. L,, de 40 anos de dade, a- párentemènte, sobre quem pesa uma duvda quanto á sua profssão ou meo dc vda. Nesse momente "éle", como que encomodado com a mnha curosdade, volta a passar repetdas vezes, que drgu- até so ás duas personagens, que o acompanharam ao Bar mas pro :;no, e, da, para as bandas do ) Santa Helena ou da Fabrca de elo... MESTRE TEZOTJRA. llv-a/ms v do "Co ;íneoto reo Causou ótma mpressão entre o publco ledor desta cdade o reaparecmento do nosso orua, agora lem melhorado, de- pos da reforma porque passou, dspondo, como se vê, de novo materal. Bem pagnado e mpresso, mas notcoso, toma o COR- REO DO PARANÁ melhor a- parenca, e, por sso aumentou consderável mento o numero de seus letores. Dr Jayme Munhoz! Gonçalves Tvemos q paaer de receber a vsta do sr. Dr. Jayme Munhez Gonçalves, Delegado Munlepal do Rcccnseamento, que veo nos convdar para fazer parte da Comssão de Propagan da da patrótca crusada do levantamento estatístco da grandesa braslera. Acetamos o convte tão gentllmente feto, e aqu estaremos com a pcua na mão c o cérebro na pena para o cumprmento do nosso dever de ornalsta e flho do "Ggante Sul Amercano". ~ ; ; >..^^ Rebate da mprensa talana aos ataques dos ornas franceses hpbbp ta: "E smplesmente absurdo acredtar que a poderosa e vre tála de Mussoln se dexe yuar nas suas decsões por outros motvos que nffo seam a conscênca da sua mssão cultural e a defesa dos seus nteressés". O "Popolo dttala" declara quo "apesar da obetvdade cu nformações da mprensa tnlu na nnguém pode dscutr quo «a ta mprensa tem o dreto co guardar a sua attude rredutvel no desenvolvmento da sttuação e de defender o que lhe dtam os seus mprescrtíves te teresses". 0 novo chefe de propaganda do Depau... tamento Naconal do Café RO, Abrl (Bureau nteréstàdoa de mprensa) O sr. Jay brlhantes artgos ou ensaos so- longe período vnha publcando- me Guedes, Presdente do Deparlamento Naconal do Café, cas", prestgoso órgão dá mbre café no Dáro de Not. nomeou para chefar a respectva Secção de Propaganda o nos daconal faza parle. prensa caroca dc cuo corpo re- so colega dr. Teophlo de Andrade. Guedes leve acolhda muto syu A escolha feta pelo sr. Jayr.-ü Jornalsta mltante e publ- fpathca não só nos meos orcsta acatado no que da respeto a assunptos econômcos, o dr. altos círculos nteressados n? nalstcos mas, também, entre c- Theophlo de Andrade, desde na commerco e lavoura cafeer."- Audênca no cano, Vaí CDADJE3 DO VATCANO, 9 (A. N. Brasl) o Papa recebeu em audênca mas de pessoas, entre as quas 600 ovens recem casados. S. Santdade pronuncou uma oração declarando: Lembra-vos das aflções que estão dlaceran do durante os «las agtados, em que o mundo vve, o meu coração de Papa: Ora co mo verdaderos católcos e pedr á Deus que os homens possam, com úocldade, ou vr os apelos angustosos e as eshortações que lhes faz o nosso coração de pae. Não esquece nunca que somos todos flhos de Deus e como tal devemos vver den tro da verdadera comunhão fraterna, tendo por fundamento únco a coneor da entre os povos e a paz tão deseadas.»; ABERTURA DAS AULAS...na Escola Preparatóra dos Cadetes. P. ALEGRE, 7 (A. N. Brasl RevèsTíu-se de grande brlhantsmo a abertura das aude rado alemãs. as da Escola Preparatóra de Cadetes. Compareceram altas autordades cvs e mltares, grande numero de famílas e pessoas gradas. desta captal, onde o nome de dr. Teophlo de Andrade é sg««ftamente conhecdo corno urdes ornalstas mas cultos e evclurecdos no trato.desta dfcu especalzação profssonal. Cruzadores ngle zes que vão a pqp.... BERLM, 0 CT. O.) Num. alaque aéreo, dante da costa cr Noruega, um cruzador brtan» co ío atngdo em cheo por u ma bomba de grosso calbre, a- fundando medatamente. MaF outros dos cruzadores francezeí foram seramente avarados por bombas pesadas, presume-se qw os mesmos não mas tenham, poddo atravessar o Mar dc Norte para atngr a naval. sua basfr Perda de Navos BERLM, 9 (T. O.) -Onavo sueco "Sdney", com toneladas, em vagem para a r,, glaterra, desapareceu. Presume» se que o mesmo tenha afundado com toda a sua trpulação, composta de 9 homens, o na» vo norueguez "Bala" fo nter. nado pelos nglezes, apezar de estar en vagem para a Espanha e não para a Noruega....Arbor & Florcultura. Hansa Humboldt. Sta. Catarna Maor Estab. deste ramo no Estado Fundado em 906. Premado com medalhas de ouro. Oferece um rco sortmento.enxertos áe Jaraaas, tangernas, lmães, maçãs, " pecegos, peras, amexas, kabs,, ~ kastanas, mancas abacate «, «-,.,.» mvuusa etc. etc. Expedções para íouos os Estaflo, Peçam catalag Dah, car"e,a, ^SSSS ^2 ff &% ^ ~ Aceta-se representantes, ^^?lè/&:44:u

7 .» [4 - ;94Q à à Hssa PM» cota b(»wo«çm>, oxnt, mtw. n»fa?«o 4;. >.-a cuw, nrlael«4líkhte d<w "oa..klc»" «í, bw í;eet».m r : MbM c08 doettt»».jj.s fflwt"»»», e «tncter rettmnu vmsos mao nu T.fv. «t«ne u»! tuc cbedtcm an hora. Hb estado n grea ã»tog S» começada» íl.v.u, H A rílaçs abaxo abrango Bodn as greas d» Curtba: : AEDRAL 6; 7.30; MÔ 8-30; honw. GREJA DO SENH0R BOM MSVS S.5; í; 7; 8; D (com í«too«); 0 (oananto); l uors. - r. ««GREJA DA ORDEM 7J9; ft hoa». Anversáros:; FAZEM ANOS HOJE AS EXMAS. SENHORAS: D, Aclaln. Zanon, esposa do sr. Roberto Zanon." D. Lyla Sengc-r Fala vnha, es posa do sr. Joaqum Rbero Fa lavdtt..;.... AS SENHORrrAS: Hcles, flla do saudoso sr. Joaqum Gumarães. Argentna, flla co sr. João Cartagno." Améla c Emllla, flhas do sr, Antôno Paspàrln. Hadé, flha co sr. Manoel O- dorcp Lanes. Ádãlr, flha do sr. Maurlo CORREO DO PARANÁ? """Redator: NELSON SALDANHA DOLVERAa mmmmm GVlEB ProclamarC:; íu&í Fôsle uma nconscente, um» nsensata, Julrando-me (ão mal, t> ru demento. Ras eu fu o que sou: eu fu prudente, E não quz rcsnondcr-lc, nu r.h. ngrata! O oume ú um veneno que «os mata, Mns só ama no mundo tno m o sente, Eu nunca olvdare, mnha serpente, - Os tens olhos dc pérolas o ágata! \mm,...!". grea dk s. yoeuk Prend-me -í nos teus olhos, tal e qual 7.30; 9 k«r«.~ Sc prende muna tea bem urdda MATRZ DE S. FRANCSCO Um usecto nfelz : que perde ;l vda... MS PAULA -~ 7.S0; 9 horas. í GREJA DE NV""$. DAS DO- O nosso M amor fo G. Pombo, como um vcndaval JTJSg (Beofllko) 7.30 (no! Arrastando na A-ac, flha do a, a,sr, Bartolomeu a?,)j(jl.as luag twnhga üo mês); 9 hora» (no» Dum templo nexpusuãvcl, Mondronc. cm ruínas..? rt-ft; KD&g remaf-íí do Blê»). PARBALD. LSBOA. _A- GREJA DE N. S. DAS OT.R OS SENHORE?, CS d. Mara Luza Batsta, í; 7; 9.S«hK-a», Hermenagldo Cs.posa do sr. Ra-tatstovlífck. MATRZ Rcnaldo Dft PORTÃO Batsta. Hospedes e Clovs Cordero as SEOTroRrrAs: YaantSf í 0 horas. João Sarakc Mara GREJA^M, de Lourdes, flha AGTJA VERDB do Francsco Gonçalves sr. -:ooooooo:- Bernardo ; Gomes hora». Correa., tfatkz Enednn, flha DO CABRAL do sr. 6; Sr. Elso lara sátro O avão "Jac" do Assuhçtto. Sndcato «9; 9.3» h«ra. Condor Ltad., Passa em data de hoe, mao qntem (da 9), em transto por nossa Captal, GREJA DE N. S. DA GLÓ \ um genetlacó co estrúado sr. üa 9 «««. Es0 Bara 0peroSo chele ca MATRZ DO SAGRADO CO-J.Secção Central do Movmento E-íÇAO DE MARA 6: 7,30; da São Paulo Ro Grsmde. R.9; 0 hw-aa. Parabéns! OAPELA DO HOSPÍCO N. f DA LUZ f hora». MATRZ DE CRSTO RES F5; 9.30 hora». CAPELA DO ANTGO SEM ÍSAJtrO 8.aChoraa. CAPELA DO NSTTUTO S. VSAWA G; 8 (So período de &!««; no persodo do. féras; 9,-Síf). ANUNCAR? peça nfornaçõés vara o nosso Departamento dc Publcdade, pelo fone, 034, das 7 ás horas.. Pr. Ca ros Heíler Com pratca nos hosp taes Algémènes Krãhka nhaus, S. Georg. Ham ;>--go St. Lous; Pars; Wener AUgcm; Krake shaus e Vena. MedooAd. da Santa Casa de Msercórda-. Ex Chefe ce Clnca Gy yf,;oogca ca Faculdade co Medrna do Paraná. Bafcherma Ond.afe Ul tras Voletas (Kunsfcl. Rolonsemc) lmpada Sollux e Hectrolyne. CONSULTÓRO: - Ave Utfa- João Pessoa n» C4. Altos da Pharmaca Ave nda. Consulas de o-_ 2 e de í 5. Telephor.e, 678, Resdênca Rua Conunendactor m. Araúo A" Tetphone, 424. "- »..«,-^»-»-»^ Dante Romano PRATCA NOS HOSP- TAES DE BERLM Ex-nterno -vangelcoe do Hosptal da.santa Oa sa de Msercórda do Ro de Janero. Professor de Operações da Faculdade de Medcna. Sy-pllls Vas urnaras e clnca de Senhoras. Daterma, Raos Ultra-Voletns e Ãl to Freqüênca. CONSULTÓRO: Praça Tradentes n» 554. (Altos da Pharmaca Mnerva) RESDÊNCA: Praça Se nador Correa.» V O JO\T.M Rcardo Pulg, co comérco des a praça. FARÃO AXOS AMANHA AS EXMAS. SENHORAS: D." Lourença Supley Vídaí, esposa do sr. Téoflho G. Vdal. ^ publcdade, é uma das mas perfetas caraetcrstcas do desenvolvmento dos seus negocos.? T > Após longa estada á Eu-! ropa, odc; lrcqucntuu cs ntouores lospuacs o DR. VÍTOR GDTER., R!Z ; comunca que abru seu consultóro á rua Emüa- ] «o Perneta, n" 39 (Fone 79), atendendo das V ãs 3 5 horas dentro de sua es. ncclaldnde (elnca crur gca, ortopeda, moderno Í tratamento <las fraturas. J -»---»^«rge r - w t Com pratca de 7 annos nos hospítaes J de Munen- 4 cher e Nm-emberg (AUe- J manha). Moléstas ce :o í nhorás; Partos, vas urnaras, operações, raos X raos ultra-voletas Datherma. Tratamento clectrco. Consultas em sua Casa dn Saúde rua S. Francsco. REST.OENCTA: Rua Commehdador Macedo n." 447. Br. saacsors Prof. da Faculdade da Medcna do Paraná. Mo lestas das senhoras; op raçõda, Partos. Tuberc lo.se. Moléstas do appare lho respratóro. Dathcr ma. Raos ultra voletas,consultóro: Praça Zacaras. Altos oa Farma ca Éánzetfc: Das 2 e 3-4 horas. Telephone n." 89. véte, fllm do saudoso sr, João Mure. tue, flha do sr, Ar Slvera Lopes. as SENHORES:! Pedro Lãíte ; -.- w-- Maurco ~"" navaf-lo Dr.,osó Pacheco Junor Aseendno Batsta José Brto Ma-ques. " A MENNA Neuza AT-ac, flha do saudoso sr. EleocToro Borges; O MENNO Tono, fllo adotvo co sr. Manoel Sclèr, O JOVK-r \son Perera Transcorre em data de amanhã, mas um anversáro natalço co ovem yílson Perera. Pr. Cerque ra Lma CLÍNCA MEDÍcO-C. rtrgçá de ckí.yxças e adultos RHímensdetetcos modemo.;, efcazes da taape- tenca (falta de apette) e darréas nfants. Tralamentos modernos com resulta dos postvas no tratamento das crearças magra;;, páldas e raqutcas. T-atamcnto especal e moderno da tuberculose do latente e das cranças de " e 2 nfânca. Consultas: das 9-30 as horas c das 5 ás 7 cm seu c.onsutorlo. Resdcca: Rua José Lourcro n. :s20. Clnca Denfara X. werson CmÜRGlAO DENTSTA Rua Alfredo Bufrem. 47. Das 3-30 ús horas e de -30 ás teve o segunte movmento ce passageros: Passageros desembarcados em Curtba: luíí: Gumarães e Fran csco Fdo Fontana, procedentes do R0 dc Janero e Fredrch Leopold Szuull, procedente de São Paulo. Passageros embarcados cm Curtba: Oscar ce Paula Soares, AVllam Ecle Donaldson e Homero Madurera, com destno a Po-fo^^tíTegfe-. Passageros em transto: lmo. Sr. Cel. Osvaldo Cordero de Faras o E.xma. Snra. D. Avan Cordero de Faras, João Bm ch Fllo, Jorge Frederco Euslau, Margòfc Elsa, da Buelaú, Adroaldo Franco e Lázaro Domngíès Macel. r SHedco dj. aa santa CM«Assstente da Cadelr &e e E"» Medca da Faculdade íí Medcna d0 Paraná Coru demorada prat-e cxd város hosptas europeu. Moíesta8 do c ração e pul mõog < Clhca Geral, rcs Rs «vatíze. CONSTJLTOHJO: & TB/rm ela Guara. Mal. Florano»«740. HORÁRO: 0-2 «3-5 h< t» ṡmpmo^: - Avenda Slva ardm no 285- pone: 67 Syphls Rheumemo Ferdos em gerol? «ELXR DE NOGUERA» Mlheret d» curados Oleo de mamoa Compra «o qualquer quan Cdade., <,.. _ «J Carta com «a - condçõea Para Tnta Sepo^ avenda João Guaberfco 855 nesta captal. D AGNOSTÇOS o Cfnca do Br. Sprenger """ WM3 Lobo EX-DRETOR DO HOSPTAL DF? CRANÇAS NSTTUTO no SANTAS % DO LABOrSpAR^ NAENSE DE PESQUSAS CLNCAS. DHECTORa,: CJNCA DÍPANTL «SPRENGER LOBO» E DO AMPARO NFANTL CONSULTÓRO: RUA DR. TRAJANO KTXH DAS 7 C-8 E DAS 0-2 HORAS. FONES: 5Goc 9M í; No cartóro do escrvão de Ca samentos desta captal, acham.- so afxados os edtas dc proclamas para os seguntes casamentos: do sr. OsvaltTb Sandrlnl com d. Stella Brandnllsc; do sr. Francsco Batsta Carnero com d. Dvalna Harthcpf; do sr. Tent. Flormar Campeo ;com d. Eugelnda Pava; do sr. Arqumedcs Martns Vaz com d. Metr ; -. Lnda l/.-:,».--m.-. u que sabes;; He és como eu vva Desde quo le abres;,,!«ví So também brncas >; Uanuolcmlo m A tua hnsto Ao vento brando; Sn também dormes Sonhando estar Ao vento braudo A bumbolcar, " SNR. ALFREDO ANDERSKN Sumamente grata 6 a data d» hoe por assnalar mas um nnlversarò natalço do s. Alfrc~ do Andersen, fgura de real procção na colôna alemã de cur-- Onclna Ble Valente; do sr, Secno Dcstcn com d. Ana Batstela; do sr, Washngton de tba. í Govaní com d. Henrqueta Angelnn Gavazon Bndo; do sr. coração, o sr. Alfredo Andesen Pelos sent dotes moras c de Luz Ares dc Brto plho com conqustou entre nós vasto crculo de solfdas amzades, mot-, d. Alba Alves Texera; do sr, Glberto Pedroso Caldas com d. vo pelo qual deverá ser grandemento cumprmentado na fç~ Carlnda Taques de Camargo; do sr. Jorge Vcente com d. z data de hoe. Mara dc Lourdes Lsboa, e do dr. Gualberto Morera com d, y. S. desea pn~ ole Madalena Dvo. No mesmo tar, sua resdesa"", cartóro acha-se afxado o edtal do proclamas para o casamento do sr. Peter Bloclí"com fl. Frda Johngton, procedente do prmero dstrto da Comarca de Jaraguá, Estado de Santa Cataü na. t^^-a-^^!! )M(( (M çá João Placídd Executa servços cl^ Pfe tu-a em Geral. J Pre o Gera concmreneá R»a Mararo Torres-, tü7. 0 Sangue é a vda. - Purgue o sanpe è preferenca ao estômago nofensvo ás creanças. Agradável RHÈUMATSMÒ! ÁCDO URCO ECZCVAS! ESPNHAS ÜLGERAS l FURJNCüLOS! Tomem o únco deuuraüvo consagrado pela classe medca, o melhor elemento para combater a syphls pela va gástrca as doenças clò sangue. Mlhões de pessoas curadas. Venda anual mhões de vdros cm toda a Amerca do Sul. como lcor! SYPHUS -\. /,,!;!-? #.««í. "«V- ";V " " - "" -"- - v-í^-?,«", ;" : :. " - < --S«à ^V--. -; " : - ---\ vâ \>>%^fr^t^ík- ^ ;...,: :; yy - p(,. : >! lá no Lopes, em mutos èstylos e cores GENEROSOJHASQQES0- >í3ga,-

8 Correo do Paranq tm Pleno Funconamento ODr. João de ra Franco x x r reeleto presdente do Conse lho Delberatvo J do D. N. C. Por decsão unanmo dos membros co Conselho Delberatvo do departamento; JJaclonal do Café, o dr. João de Olvera Franco, secreta r ro de Fazenda do Paraná; fo reeleto presdente do mesmo. Tal fato vem demonstrar que o lustre con terraneo, esclarecdo como ê, tem corresponddo á confança geral, trabalhando com afnco e com ntellgeh <:a para a solução da quês tão cafeera. Humberto Lava le no Rado de Ponta Grossa Humberto Lavalle, o conhecdo tenor paranaense, recebeu um convte da rado-emssora de Ponta Gros sa para realzar, na mesma nm prosranuna. Assm é que Humberto Lavalle seguu pa ra a Prncesa dos Campos c, 3o.e á note, estreará ao mcrofone da sua PR, nter prétándò números caprcho sarrente escolhdos. Plíüc Cfrnrgca Ort«?í<lla E7OBSULT0R0: Boa SaUll no Perneta 79., HOJE AS 8 horas Sessão Únca Naconal Ufa Jornal Corrda no Prado Notcas do Da BALALAXKA O "cahmpagne" do3 ms muscaes. A ult ma palavra em opéretá cnematognafca, com Nelson Eddy e lona Massey.mperal; HOJE AS 7,45 Naconal Europa em Guerra ARTSTAS DE P2N- CEL - Comeda em -3 partes. paraíso nfer- NAL Com Gary Grant e Jean Aetlnr ESPOSA, MARDO B AMGA ; Com Warner Baxter e Loretta Yomg ÕDEÕN HOJE AS 7?45 Sessão Únca Naconaí Ufa Jornal Pox Jornal (ESPOSA,, MARDO; Íí AMGA C.om Warner Baxter c Loretta Young NOTE FELZ Com Robcrt Tayor Myrna Loy ass BROADWAY Com Sherley Tcmple / AVENDA HOJE As 2 horas Grandosa Ma- tnée MPERAL Hoe a.s 2 horas grandosa ma- tnée? «-»-«M.^L. J (r H/anda íklpfpf^ frllüçyflyfl fdlfanslflafcttetf»» Falecmento A J.,. HJí:M«J ra «^ a b um n n Jtà&NUàCO l. HÓORGUÈ Depos do prnlongadsslmo so- rmvhuv faleceu ante-ontem as í horas ca tarde, nesta Captal, o estmado senhor - Francsco Bernardo Roclngues, Dexa vuva n exma. sra. c Mara da Conceção Rcxlrguru; e dexa um rmão o város sobrnhos, qtó resdem no Ro ue Janero. O pranteado extnto, que era de naconaldade portuguesa, tes do Brasl suo segunda pátra, ondo muto trabalhou, granèando desta feta um extenso e se- tca. leo círculo dc amzades. C lustre vstante demorou-sè em anmada e nte- Dotado de un caráter nflexvel e dc um coração uonssmo, o seu prematuro pàssamèn datores desta folha, aborressante palestra com os re tu, veo dexar um vácuo no seo dando assuntos de grande Ca Grande Colôna Portuguesa; relevânca sobre a matéra onde era grandemente admrado. O seu sepulta mento efetuou-se onten; ás horas da tarda, par lndo o corteo para o Cemtero da Água Verde. A ncunsolávcl esposa e de- í mas parentes, envamos os nossos sentdos pêsames. ravés do mcros fone da PRB-2 a Gu sa!- dará hoe a soe \úaúe curb&ta Net vôstou o "Correo do Paraná" Deu-nos ontem o prazer de sua vsta o dr. Mranda Netto, assstente técnco de Estatístca do Mnstéro do Trabalho, ante-ontom cregado a Curtba, a convte do Departamento de Estats tca do Paraná afm de a- qu realzar uma sere de conferêncas sobro Estats- Bcsdc que chegou á nossa captal o dr. Lafayette Pénra, dretor da Delegaca Regonal de Estatístca, tem levado a termo uma sere dc ncatvas no sentdo da perfeta organsação dos servços dc estatístca no Paraná. Após a nstalação da Delegada Regonal, o dr. Lafayette Penna entrou em ação, desenvolvendo um tra balho dsno de nota c que demonstra a sua capacdade o, os seus conhecmentos técncos. Assm é quo, depos da fase ncal da organsação dos servços nternos da da qual é perfeto conhece- Delegaca Regonal dc Esta dor. tstca, provdencou a me- # :: ^.-, data nstalação das delega O dr. Mranda Netto n cou hoe, ás 9,30 horas, a so re de conferêncas no salão do Departamento de Estats tca e contnuá-las-á, da-! ramente na mesma hora. a ser feto o cm m húmteml m Brasl A grande artsta polone sa, Dora Kalna, que se exbrá, a 27 do corrente, no Country Club, por ocasão censo do pomposo balo em benefco dos postos de puercul- referdo censo será de pas. gran tura esteve, na manhã de de utldade para os ndusontem, em vsta ao -Cor- tras que procuram bem n reo úo Paraná", acompa formar-se sobre a stuação nada pelo prol. João Chorosnck. geral dos negócos. Dora Kalna é uma "dseusc» notável e, çòhheçendo város domas, aprésentara ã socedade curtbana números de real nteresse, pela sua beleza e orgraldade, Na palestra que conosco encetou, a festeada declamadora polonesa dsse-nos que, entre as 2 e 22 horas de hoe, deverá drgr, a- traves do mcrofone da PRB 2, uma saudação aos curtbanos, bem como procederá também á rectação de um poema. cas secconas o munepas, a maora das quas )á se acha cm funconamento, As delegacas secconas nstaladas A prmera delegaca secconal a ser nstalada fo a de Unão da Vtora, sob a dreção do dr. Cânddo Machaclo dc Olvera Neto, Antc-ontcm teve lugar a nauguração da delegaca secconal do Jacarcsnho rt rígda pelo dr..manoel de Aguar. A de Guarapuava nstalar-sc-á dentro dc poucos das, em vsta da dículdadc de transporte do matecm Ponta Grossa cdade. A solendade de hoe Ponta Grossa Cerca das 4 horas de ho e, realzar-se-á a cermena da nstalação, no edfí co da Prefetura, da Dxlc á Grã Bretanha per assustar a falla para pé esse pas no partcpe de con-- lfoeuroseo gacla Secconal dc Ponta. Grossa, a ser orentada pelo dr. Lázaro Zacaras dos Sud tos, A solendade contará cou. a presença do prefeto muncpal e de outras autor-. chutes cvs e mltares. As delegacas munepas Numerosas as delegacas muncpas que á estão am bem tm plena atvdade, en. re as quas podemos ctar as de Bocaúva, dc s. oa,-; dos Pnhas, Unão da Vtora etc. Homenagens.(Ç«stt.tnuagão <la a paç,) NA PRB-2 A PRB-2 também prestou sa> nlfeatva homenagení ao pw.s:.. dente Getulo Vargas; reotízando uma programação especal,- c<; estúdo, na qual tomou parte, Grande Banda da Porca Ml:- tar do Estado. ncando esse programa, )\;<-. tevo desenvolvmento brlhante, o comentarsta de PRB-2, ornn, lsta Rodrgo de Fretas, desen - volveu rápdas consderações bcgráfcas em torno do lustre a. AMSTERDAM, 20 (T. O.) lar as águas nordeas c as uo Segundo u opnão unanmo ce.medterrâneo. Ao mesmo tempo, porem, o correspondente on Teve nco, depos, o concerta versaante, numerosos observadores neutros de Londres, o governo brtânco dríno do "Allgemccn HUldolsblad" comprovou cno a opnão regênca do uaestro captão Ro-- da Banda ca P. M. E., sob :.. acompanha com a máxma a- RO, 20 (A. N.) Sob... tenção a attude da tála; Os publca não está nclnada a deorentação do nsttuto Bra centros ofcas brtâncos e a n postar excessva confança na dfrés trechos da opera "O nualdo Suran, a qual executou slero de Geografa e Esta- ; prensa ngleza esforçam-se no "embraguez do t-umpho"-. Guaran", de Caros Gomes. tstca, va ser realzado o sentdo _tíe fazer- com que agu ndustral dc todo o, ra naval da Escandnáva não re f A PPAWA ÇEMPRJ fovqv\(ú\ O materal colhdo do sute na partcpação talana ü «üvrt Olúllll l\h U <ÜleJ\}V no presente conflto contra alados. A rado-cmssorá níleza. repetu, hoe, a declaração potêncas aladas estão demasalo sr. Churchll, dzendo que as potêncas alcas estão clemas;!- danente fortes, podendo contro O navo nglez "Grag" deu sgnaes de S. O. S. NOVA YORK, 20 (T. O.) -Uma estação de rado de Mackay, captou hoe sgnaes de S. O. S emtdos pe lo vapor brtânco "Grag\ de toneladas. O; navo nformou que fo torpedeado por um submersvel. A posção do Grag" sera a- proxmadamente de 8C0 m lhas da costa nordeste Nova York. Casno Áhú %» JANUÁRO,,,,-.,,:.,.. em novos números do seu "compl- cado" repertóro MORRS AMSTELL f V afamado cantor belga ^:; ^ $, :/... ELADYR PORTO sambsta renomada %"?: W : RAQUEL PUCCO na nterpretação dos mas modernos tangos GEDSMANN E MARBELLA balarnos acrobatcos nterhaconas ;.. DUPLA NORTE E SUL Folclorstas AMANHÃ; com nco - as 5 Korass?!-^^r Àtraèhfe yesperal. zm^r de Tercera Epsp M Uns] P c Kmk Dervados= PROGRAMA DE DA 2 DOMNGO horas: nauguração da Exposção com A.s 0 o hasteamento do Pavlll-Jo Naconal, pelo Esmo. Snr. nterventor Federal Manoel Rbas, c;ue pronuncará palavras alusvas ao áto. ABERTTOA DA EXPOSÇÃO Vsta aos pavlhões. As 4 horas: Corrdas ofcas no Jockey Club Pontasrossensc. As 9 horas: Retreta pela Banda do 3 R., na Praça Barão co Ro Brah co. As 2% l oras: Sarau r.o Club Pontagrosseuse. DA 22 SEGUNDA FERA As 9 horas: Abertura da Exposção. As 0 horas: Desflo dc reprodutores e produtos de estabelecmentos ofcas do Mnstéro çla Guerra, Mnstéro do Agrcultura c Governo do Estado. As 5 horas: nauguração do retrato do pa trone da Escola do Trabalhadores Ruras "Augusto Rbas". As G horas: Desflo e doma co anmas Retreta no recnto da Expõs ção pela Banda do 3 R.. As 22 horas:,. Sarau no Club Thala. DA 23 TERÇA FERA: FESTEJOS As 9 horas Fra.vueam.eulo ta Exposção As 0.30 horas: Desfles e dornas ce anmas. As 5 horas: Declaração ofcal dos premados. As 6 hus: Cenas carapestres,.: g^..- As 7 horas: Encerramento da Exposção com a solencade da decda do Pavlhão Naconal. As 9 horas: Retreta no audtóro da praça Ro Branco pela Banda de Musca do 3" R. -. AV 2 lotas: Banquete ofcal de encerramento da. Exposção oferebclo ao exmo. sr. nterventor Federal c seus convdados pela Munlcpàlclade. RESTGO DA TÁLA \%g3rí0 escreve a sra stuação no, -Í ROMA, 20 (T. O.) Após r um longo slenco, a questão do dterraneo, em seu íundò hsto- «UMMmn Ulada, dé naísra notável, pelo sr. Vrgno Gayda, dretor do "Gornnle cvltaüa", cuo at- tgo sobre o assunpto produzu grande mpressão em todos os crculos dplomátcos talanos. Examnando o problema uo Mc dterranea, cm seu fundo hsto rco, na stuação presente o nas suas perspetvas futuras, 6 ccnhecdo ornalsta talano d;-. «íue o Medterrâneo terá uma tn portança decsva para o íturo da Europa. Relaconando a- questão com a França, o sr. Gayda afrma que a sua poltca semprp fo drgda no sentdo ce domnar o Medterrâneo ó que, ccpo- da Grande Guerra, mutas ntrgas foram lançadas pela polítca franceza conra os nteresses da tála, cspecamente quando da guerraua Abssná, aílüddo, ao mes mo tonpo, á nfluenca ãnfâ-vá, lana da polítca franceza nas relações exterores da íugoslava. [ Dagnostco precoce da gravdez. Pelo Processo de Aschelm - Zonde&í > Cura radcal da gonorrhéa no prazo de 5 Exame das. pre-nupea no homem e na mulher. _ Docn- : Ças do apparelho dgestvo. - Vas urnaras CONSULTÓRO: - Rua Mal. Floano Pexoto «06 (altos da Farmáca Galeno) FONE- G07. RESDÊNCA: -- Rua Barão do Ro Branco 54. FONE: 202.»-o ^--++-t+++mrt,, l t

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO / gtv. ESTADO DA PARAÍBA # PODER JUDCÁRO 5 8 Agravo de nstrumento n" 2004.008919-2 Relator: Des. Luz Slvo Ramalho Júnor Agravante: Antôno D'Avla Lns Flho e Espólo de Luz Antôno da Slvera D'Avla Lns. Advogado:

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES I I... 4.4W. npub (,. ~Ne 10 ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES ACORDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001 2007 034803-0/001 RELATOR Des Saulo Henrques de Sá

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág.

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág. P r me r ae d ç ã o J a n e r od e2 0 1 4 No t í c a s d omu n d ol n u xn al í n g u ap o r t u g u e s a Indce Capa...pág. 1 Indce...pád. 2 Notas Introdutóras (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4 Projecto

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA 1 Poder Judcáro Trbunal de Justça da Paraíba Gabnete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO EMBARGOS DE DECLARAÇÃO N. 888.200.2005.019.401-41001 Orundo da 7a Vara da Fazenda Públca da Comarca da Captal RELATOR

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. .

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. . ge"..34v 4A k?a 4. h JusrmrS ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO HABEAS CORr US I'N o 200.2008.032699-0/00 RELATOR!I : Des. Nlo Lus Ramalho Vera IMPETRANTE!

Leia mais

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:,

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:, N- RN 1L-~jh ' t' -: t I j- :: -'; : t flt;' 1 _ 'A- tl : ESTADO DA PARAÍBA r 4 PODER JUDICIÁRIO 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB DES MARCOS A SOUTO MAIOR ACÓRDÃO :I 1 RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 0172004001370-2/001-1

Leia mais

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N 406/2007, 407/2007 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ' hst ADü IX.) ESPÍRI TO SAN I O LEI Nü 618/11 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES DAS LEIS MUNICIPAIS N" 406/07, 407/07 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL de São Roque co Canaâ. Estado do Espírto Santo.

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Líderes são como árvores

Líderes são como árvores U M Líderes são como árvores Uma vez as árvores resolveram procurar um re para elas. Então dsseram à olvera: Seja o nosso re. E a olvera respondeu: Para overnar vocês, eu tera de parar de dar o meu azete,

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Insttuto Poltécnco de Bragança Insttuto Poltécnco do Cávado e do Ave Insttuto Poltécnco do Porto Insttuto Poltécnco de Vana do Castelo Regulamento de Funconamento

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

1. Conceitos básicos de estatística descritiva. A ciência descobre relações de causa efeito entre fenómenos. Há fenómenos que são muito complexos

1. Conceitos básicos de estatística descritiva. A ciência descobre relações de causa efeito entre fenómenos. Há fenómenos que são muito complexos 2 Matemátca Fnancera e Instrumentos de Gestão Sumáro 1. Concetos báscos de estatístca descrtva 1.1. 2ª Aula 1.2. 1.2.1. Frequênca relatva 1.2.2. Frequênca relatva acumulada 3 4 A cênca descobre relações

Leia mais

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira RELATÓRION0 /2012 de Projeto Período: / / pág.o/o/ Contrapartda Não-Rnancera Projeto: Sala de stuação para montoramento hdrológco e sstema de prevsão e alerta de cheas com estação lnmétrca para o muncípo

Leia mais

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU

Visando dar continuidade ao trabalho de simulação, encaminho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU Ofíco Brasíla, 24 de anero de 2005. Senhora Presdente ANDIFES, Vsando dar contnudade ao trabalho de smulação, encamnho o MODELO DE ALOCAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO PESSOAL DOCENTE DE TERCEIRO GRAU revsado

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2 Boletm Informatvo Eletrónco da EAPN Portugal abrl 2011_2 E U R O P A A proposta de resolução aprovada pelo Parlamento Europeu, no da 09 de março, refere que a Unão Europea deve ntroduzr normas vnculatvas

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo Entrevsta Pág: 34 Área: 24,78 x 33,59 cm² Corte: 1 de 5 Flpa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo A senhora que faz dos restos pratos maravlhosos tem um novo lvro que

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

,- ', ''"4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda

,- ', ''4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda ! 1 ' 1 ) I n fr-.'..st - ' ''"4s;. k - - :!;'.;r-p; :_' j- '";. ACÓRDÃO f 4-gano 't. npy d-- ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DESEMBARGADOR APELAÇÃO CÍVEL N. 037.2005.002911-7.

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle

AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE. Hilton A, de f-felld. 1. - Generalidades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle AT.'YJOAOES DA CNEN NA AREA DE INSTRUMENTAÇÃO c CONTROLE Hlton A, de f-felld 1. - Generaldades sobre o Projeto de Instrumentação e Controle A area de Instrumentação é Controle ê de vtal mportânca para.

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA Protocolo 428712010 12/11/2010 17:09 SERVÇO PÚBLCO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARA, ARQUTETURA E AGRONOMA - CONFEA REUNÃO EXTRAORDNÁRA DA COORDENADORA DE CÂMARAS ESPECALZADAS DE ENGENHARA NDUSTRAL

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

N r força de reação normal P r força peso F r

N r força de reação normal P r força peso F r UNIVRSIDAD DRAL D SANTA CATARINA COMISSÃO PRMANNT DO VSTIBULAR CONCURSO VSTIBULAR-USC/2011 GABARITO DA QUSTÃO DISCURSIVA 1 a) (1,00 ponto) (obs Desenho não está em escala) N r força de reação normal P

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009

CONCURSO PÚBLICO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES DO ISEG Nº 1 - VIGILÂNCIA/SEGURANÇA/ISEG/2009 CONCURSO ÚBLICO ARA RESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Medição da taxa de dose de radiação nos parques urbanos da Prefeitura (Parte 3) Publicado 21 setembro de 2011

Medição da taxa de dose de radiação nos parques urbanos da Prefeitura (Parte 3) Publicado 21 setembro de 2011 Medção taxa de dose de radação nos parques urbanos Prefetura (Parte 3) Publcado 21 setembro de 2011 A partr do da 12 de setembro de 2011 (segun-fera) até 14 de setembro (quarta fera), fo realza a medção

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Início dos Tempos Modernos/O. Renascimento

Início dos Tempos Modernos/O. Renascimento .~ '~ Vocabuláro 28 4. No século XV, as expansões nglesa e francesa foram menos sgnfcatvas. Sua mportânca maor estara no século XV. a) A demora da nglaterra e da França para entrar na corrda colonal deveu-se

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais