HISTÓRIA DA POESIA UNIVERSAL ( Breve Relato ) MONOGRAFIA JERÔNIMO MENDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA DA POESIA UNIVERSAL ( Breve Relato ) MONOGRAFIA JERÔNIMO MENDES"

Transcrição

1 HISTÓRIA DA POESIA UNIVERSAL ( Breve Relato ) MONOGRAFIA JERÔNIMO MENDES CURITIBA / PR, MARÇO DE 2001

2 2 Aos meus filhos e esposa, pela paciência colecionada durante o tempo em que dedico-me mais aos livros do que a eles...

3 3 Nadamos, dia a dia, num rio de desilusões e somos efetivamente entretidos com casas e cidades no ar, com as quais os homens à nossa volta são enganados. Mas a vida é uma sinceridade. Que nos seja fornecida a cifra e, se as pessoas e coisas são partituras de uma música celestial, que possamos ler os acordes. Fomos lesados em nossa razão; no entanto, houve homens que gozaram uma existência rica e afim. O que eles sabem, sabem para nós. Em cada nova mente transpira um novo segredo da natureza ; nem pode a Bíblia ser dada por completa até que nasça o último grande homem. RALPH WALDO EMERSON

4 4 ÍNDICE INTRODUÇÃO 5 CONCEITO DE POESIA 8 O FLORESCER DA POESIA OS PRIMEIROS POETAS A PROFISSÃO DE POETA A HISTÓRIA ATRAVÉS DA POESIA OS GRANDES POETAS 50 A UTILIDADE DA POESIA POESIA EM FORMA DE PROTESTO A POPULARIDADE DA POESIA ATRAVÉS DA MÚSICA O FUTURO DA POESIA E A POESIA DO FUTURO O ENSINO DA POESIA NAS ESCOLAS 99 CONCLUSÃO 107 BIBLIOGRAFIA GERAL ESPECÍFICA 114

5 5 INTRODUÇÃO O assunto desenvolvido nesta monografia, História da Poesia Universal, à primeira visita pareceu-me complexo e extenso demais, considerando todo o período da existência humana e da transformação das artes em geral. Quanta ambição de minha parte! Ousar o estudo de um assunto tão extenso e difícil ao mesmo tempo. O fato de cultivar uma preferência incomum nos dias de hoje, o gosto pela poesia, desde os tempos de criança, contribuiu sobremaneira para buscar, a qualquer custo, demonstrar a merecida importância que a arte poética exerceu ao longo dos séculos em todos os povos, da antigüidade aos dias de hoje. Durante o desenvolvimento do trabalho, tive a oportunidade de navegar por mares nunca dantes navegados e a pesquisa foi se tornando fascinante à medida que o meu interesse foi se aprofundando, quase que inconscientemente. Ao iniciar a reunião do material, após definido o tema, nunca imaginei que poderia ir tão longe, pois a pesquisa, com propósito e determinação, exigiu-me um tempo extraordinário, embora gratificante. Para facilitar a exposição das idéias e dos acontecimentos, optei pela ordem cronológica da história da poesia, iniciando pelos primeiros poetas da Grécia Antiga e, avançando através dos séculos, procurei demonstrar a participação da poesia no desenvolvimento dos povos, como instrumento de criação, arte ou mesmo como instrumento de protesto. Minha preocupação maior foi encontrar uma forma de não tornar a leitura e a seqüência do trabalho monótona e repetitiva. Por isso, apesar de muitos tópicos exigirem a reapresentação da obra ou vida de um ou outro poeta, conseguimos, em consenso, variar os nomes para evitar duplicidade de informações e citações, ou ainda, para apresentar o maior numero de poetas possível, a fim de enriquecer, divulgar e premiar também poetas pouco mencionados na literatura atual.

6 6 Em conseqüência, nenhuma fonte de pesquisa foi descartada : jornais, livros de poesia, estudos de críticos literários, biografias, enciclopédias e folhetins. As interpretações dos estudiosos de poesia foram analisadas profundamente como forma de promover a reflexão e o consenso interior para se utilizar ou não a informação apresentada. Dessa forma, o leitor poderá encontrar no transcorrer da leitura, desde o primeiro capítulo, pequenos trechos de poemas, todos em forma de versos e nenhum em forma de prosa, de poetas pouco estudados na literatura, mas de grande impacto para o seu povo e sua época. Naturalmente, encontrará os grandes clássicos que fizeram a história da Poesia Universal feito Camões, Aligheri, Shakespeare, Rimbaud e Drummond, os quais não posso excluir pelo fato de o mundo já tê-los elevado à condição de imortais. Eles não pertencem mais ao seu povo e sim à humanidade que os elegeu eternos. As pequenas biografias apresentadas de diversos poetas tem caráter exclusivamente pedagógico, pois, sem falsa modéstia, não encontrei nenhum livro que reunisse um grande número deles com detalhes tão particulares de suas vidas, o que pode ser encontrado somente em livros que estudam os autores separadamente. Antes do final, o leitor terá condições de comprovar os objetivos abaixo estabelecidos para o desenvolvimento da monografia e, assim como eu, poderá chegar à conclusão única de que os povos amam seus poetas e, por mais que não os valorizem em termos editoriais, não conseguem viver sem os seus versos : Demonstrar a importância da poesia no desenvolvimento dos povos Comprovar a sobrevivência da poesia em meio à transformação cultural Elaborar propostas alternativas para o ensino da poesia nas escolas O tema escolhido, e aqui desenvolvido com afinco e disposição, é universal. Todo cidadão pode não ter lido os versos, mas sabe o nome de um poeta qualquer, conhecido ou não. Se perguntarmos a um adolescente ou mesmo uma criança o nome de um poeta do seu país, tomando-se o Brasil como exemplo, lembrar-se-á de

7 7 Drummond, Cecília Meireles, Castro Alves, João Cabral de Melo Neto, Mário Quintana, Leminski ou Helena Kolody no Paraná. Essa é a grande vantagem da poesia. Perante o caos literário, sobrevive, pois o esforço dos poetas em busca do entendimento da sua mensagem e, por sua vez, da glória, é sobre-humano. Duvidam? Eis aqui o pensamento do escritor norteamericano Don Marquis e avaliem a dificuldade da profissão : Publicar um livro de poesia é como atirar um pétala de rosa no Grand Canyon e ficar esperando pelo eco. Este pensamento foi determinante para a escolha do tema e a realidade da poesia leva-nos a concordar com ele. Infelizmente há um paradoxo difícil de ser esclarecido ou interpretado, mas creiam que houve grande tentativa de minha parte : Se os povos amam seus poetas e a poesia está presente na mente das pessoas, qual a razão para ela estar sendo sacrificada pelo meio editorial em favor dos absurdos literários despejados diariamente nas livrarias?. Espero, sinceramente, esclarecer em grande parte todas essas duvidas durante a leitura da monografia, desprovido de todo sentimentalismo poético que, geralmente, acaba por atropelar a razão em favor da emoção.

8 8 CONCEITO DE POESIA Ao longo do desenvolvimento da monografia foi difícil encontrar alguma citação ou autor que tenha apresentado qualquer definição precisa de poesia sem demonstrar uma ponta de preocupação com a importância da interpretação por parte do leitor. O conceito de poesia, se acreditamos que podemos conceituá-la, é coisa bem diversa do conceito do verso, razão pela qual pude ler e avaliar inúmeros poemas expressos tanto em verso como em prosa. Segundo Wanke (1985:76), Tratados têm sido escritos procurando definir poesia, o que demonstra dificuldade do entendimento. Uma das mais abrangentes e interessantes definições de Poesia encontrada ao longo da pesquisa foi, certamente, a de William Wordsworth, poeta inglês do século passado, que disse, no prefácio de suas Baladas Líricas : Poetry is emotion recollected in tranquility, ou seja, Poesia é a emoção novamente colhida (ou recolecionada) em tranqüilidade. Nesta definição, a Poesia aparece do ponto de vista não do leitor, mas do poeta, ou seja, a poesia é olhada pelo que a faz, o que, realmente nos interessa. E nos mostra os elementos básicos da coisa : primeiro, o poeta demonstra claramente suas sensações, sentindo-as, e só depois, tranqüilo, ele se lembra do que sentiu e as coloca em palavras, para transmiti-las. Guilherme de Almeida ( ), um dos mais lúcidos poetas, tentou definir Poesia por exclusão, dizendo que Poesia não é a rosa. E explicava :

9 E não é mesmo. Se Poesia fosse a rosa, para que o canteiro?... Poesia é terra. Separada desta, será apenas verso, pedaço, coisa amputada que murcha, apodrece, acaba 1. Outra definição importante a considerar, vêm do Príncipe dos Poetas Brasileiros, Olavo Bilac, acrescentando a seguinte equação : A rosa está para a Terra assim como a Poesia está para o homem 2. Mas o homem considerado em suas funções mais altas, ou seja, o som, a idéia expressa, a emoção transmitida, o deleite da leitura e até, em alguns casos, a forma das palavras - como o pintor utiliza as cores, o escultor as formas, o músico os sons harmoniosos, etc. Todo o artista tem sua matéria-prima, seu instrumental, sua tecnologia. O escultor tem, como matéria-prima, o mármore, o gesso, a areia, o ferro-velho, etc. E é com eles que trabalha, para produzir seu produto, a escultura. O pintor tem as tintas, as cores, que manipula com o pincel, os dedos, a espátula, na tela, no papel, na parede - onde expõe seu produto com enorme satisfação após acabado. O músico dispõe do som dos instrumentos musicais - alguns muito estranhos, convenhamos - que combina ou descombina para apresentar seu produto, a música. A palavra, matéria-prima do poeta, é o mais nobre dos materiais de que o homem dispõe. A palavra nasceu com a civilização e só com ela morrerá. O homem sem a palavra não é o homem. Para que possa aprender a pensar, a criança tem de aprender a entender e a manejar as palavras de sua língua. As próprias línguas são reflexos do grau de civilização do povo que as domina e o mesmo ocorre com a poesia. Novamente citamos Wanke (1985 : 77) : Quando, através de um trabalho com a palavra, escrito ou falado, o artista consegue transmitir sentimento, fazer com que o leitor, o ouvinte se sinta comovido, sublimado, arrebatado, terá ele atingido a Poesia : aquela emoção recolhida pelo poeta Worsworth em um momento, e depois fixada, em outra ocasião - agora tranqüila - para seus leitores. Sem falsa modéstia, avaliei, no curto período em que me propus a estudar a arte poética, que a Poesia de que estamos falando até aqui, sempre com inicial maiúscula, é uma qualidade subjetiva inerente a uma composição feita com palavras. 1. Diversos AUTORES, Curso de Poesia, Academia Brasileira de Letras, p Id., Ibid., p.35 9

10 10 Infelizmente, se compararmos as diversas interpretações das mais diferentes correntes poéticas, cada qual tenta enaltecer e fazer vingar a própria definição, mas acabam-se criando confusões com as acepções diversas do mesmo vocábulo e, assim, temos que o termo Poesia significa, também, uma composição feita de versos. O que causa maiores problemas ainda é que, além de uma Poesia não conter absolutamente Poesia, um trecho em prosa pode perfeitamente ser Poesia pura. A Rosa-Poesia carece de ser alimentada pela Terra-Homem através da seiva da emoção da palavra. Daí uma tendência, surgida especialmente entre os modernistas e os da geração de 45, de se abandonar a palavra Poesia na acepção de produto versificado para, neste caso, adotar só a palavra poema. Uma Poesia pode ser um amontoado de versos feitos intencionalmente sem Poesia e pode até acontecer que o poeta, pensando estar compondo Poesia - comunicação de sentimentos - está apenas fazendo um bestialógico, o que pudemos comprovar facilmente entre muitos poetas herméticos ou rebuscados. Em nossa pesquisa, ninguém melhor do que Geir Campos 1, tradutor e professor universitário brasileiro, cita tantos autores e definições interessantes, de pura reflexão, a fim de enriquecer o estudo e o conceito de Poesia, embora, admitamos, não se pode atribuir um texto como verdadeiramente único e absolutamente ideal para quaisquer dos autores citados, apesar de, entre eles, termos muitos dos maiores nomes da Poesia de todos os tempos : Poesia é, antes de tudo, comunicação, efetuada por palavras apenas, de um conteúdo psíquico (afetivo-sensório-conceitual), aceito pelo espírito como um todo, uma síntese e o definidor explica ainda que nesse conteúdo anímico predominará às vezes o sensório, outras vezes o afetivo, outras o conceitual, pois o poeta, ao expressar-se nunca transmite puros conceitos, quer dizer, nunca transmite conceitos sem mescla de sensorialidade ou sentimentalidade (Bousono in Campos, 1975 : 130). Poesia é a arte de excitar a alma (Hardenberg in Campos, 1975 :130). Toda verdadeira poesia é uma visão de mundo ( Eliot in Campos, 1975 : 130). 1. Pequeno Dicionário da Arte Poética, p. 130.

11 11 Poesia são as melhores palavras em sua melhor ordem (Coleridge in Campos, 1975 : 130). Ao fundirmos os três últimos conceitos, o próprio Campos (1975 : 130) faz uma espécie de liga conceitual de elevado teor filosófico-literário, com um enfoque individual, um enfoque social e um enfoque estético da arte poética : Poesia é a arte de excitar a alma com uma visão de mundo através das melhores palavras em sua melhor ordem, uma conceituação ampla e capaz de abranger inclusive as experiências de todas as escolas poéticas. Outro estudioso, Robert de Souza, em Un Débat sur La Poésie, tenta resumir o pensamento poético do Abade Henri Brémond, grande poeta e estudioso da literatura francesa, em seis itens : 1) Todo poema deve suas características essenciais a uma espécie de realidade unificadora e misteriosa; 2) não basta, nem é necessário, ler poeticamente um poema, para captar-lhe o sentido, uma vez que existe certo encantamento obscuro e independente do significado das palavras; 3) poesia não pode se reduzir a um discurso prosaico, pois constitui um meio de expressão que ultrapassa as formas comuns da prosa; 4) poesia é uma espécie de música e ao mesmo tempo não é apenas música, pois age como uma espécie de condutor de corrente pelo qual se transmite a natureza íntima da alma; 5) é a encantação que proporciona a comunicação inconsciente do estado de alma em que se encontra o poeta até o momento em que se manifesta por idéias e sentimentos, momento esse que se revive confusamente lendo o poema; 6) a poesia é uma espécie de magia mística semelhante ao estado de oração. Se recorrermos ao dicionário, teremos uma definição formal de Poesia, mas nunca a definição que nos agrade ou que corresponda à realidade que buscamos. Faz muito mais sentido e causa maior conforto as definições embevecidas de imaginação e lirismo, como as que acabamos de mencionar anteriormente no texto. Silveira Bueno (1996:512), em seu Minidicionário da Língua Portuguesa, define : Poesia - arte de escrever em verso; composição poética; inspiração; o que desperta sentimento do belo.

12 12 E muitas outras definições podemos encontrar pelo caminho da pesquisa, de diferentes épocas, escolas, autores e adeptos da literatura, portanto, conforme citado por Wanke anteriormente, de difícil entendimento. Homem e poesia, Poesia e vida, vida e arte estão intimamente ligados, não há como separá-los, mesmo porque os conceitos se confundem. Somos testemunhas da influência da Poesia desde os primeiros séculos até hoje, pois a Poesia esteve presente em todas as épocas, em todos os povos, em todos os dias e assim deve permanecer por milhares de anos. Vejamos esta máxima de Emerson ( 1994 : 243), retirada do seu livro Ensaios : A vida pode ser um poema lírico ou uma epopéia, bem como um poema ou um romance. Até onde o entendimento nos permitiu alcançar, concordamos que a Poesia requer inspiração, sensibilidade, vibração de nervos e sentimento. É pura imaginação e poucos foram os privilegiados ao longo dos séculos, talvez mais em séculos anteriores onde ela foi praticada com afinco, dedicação e pureza de espírito. Seu conceito é amplo e ao mesmo tempo restrito, depende da perspectiva do leitor. Como diria Maiakovski, célebre poeta russo do início do século : A Poesia começa onde existe uma tendência.

13 O FLORESCER DA POESIA 13

14 14 1. OS PRIMEIROS POETAS Poeta, do grego poietes, significava autor. Era o indivíduo que compunha a letra e a música dos dramas, das epopéias 1 e dos cantos sentimentais. Hoje chamamos poeta ao escritor que compõe versos, é o literato que pensa por meio de imagens (Macedo, 1979 : 14). De acordo com os registros oficiais, a Poesia ganhou impulso e teria começado a existir como expressão de arte na primavera de 534 a.c., na Grécia antiga, época em que as primeiras tragédias foram encenadas, por decreto oficial, no Festival de Dioniso, em Atenas. A tragédia grega, pelo que apuramos ao longo da pesquisa nos poucos livros que se propõem a desvendar o assunto, era mais do que um entretenimento público promovido pelo governo para distrair a multidão, e mais do que um ritual em honra ao Deus Dioniso 2, a quem os gregos tanto louvavam. Reconhecidamente, ela assinalou o florescimento de uma arte cujas raízes se estendem pelo menos até a Idade do Bronze 3. Tanto no conteúdo como na forma, a Poesia se revelou a expressão completa da essência de um povo. Os temas das tragédias eram mitológicos, extraídos da numerosa coleção de histórias existentes nas epopéias e nos hinos de Homero e seus sucessores. 1. Exposição de feitos grandiosos, narrados pelos poetas antigos 2. Deus da fertilidade e criatividade, segundo a mitologia grega 3. Período pré-histórico compreendido entre e a.c., quando o bronze era o principal material utilizado para fabricação de armas e utensílios

15 15 Todos os que se dizem um pouco conhecedores do assunto sabem que nos antigos e familiares relatos da Ilíada e Odisséia 1 encontravam-se todos os tipos de personagens; suas aventuras, seus amores e dilemas espelhavam todas as possíveis situações humanas. Homero, principal poeta da antiga literatura grega, parece ter vivido 700 a.c., provavelmente na área jônica 2. A tradição diz que era cego e que pode ter cantado para as cortes reais da mesma forma que os bardos cantam no seu poema Odisséia. Não se sabe quanto suas palavras originais correspondem aos textos hoje disponíveis, mas parece claro que a base do poema, assim como a da sua Ilíada, foi oral. Ao mesmo tempo, suas obras, como as conhecemos atualmente, apresentam uma unidade impressionante, apesar de serem muito longas. A Ilíada concentra-se em uma série de episódios conectados um com o outro durante o sítio de Tróia. A Odisséia, que pode ter sido escrito por um outro autor, conta as perambulações de um dos líderes gregos, Ulisses (Odisseu), em Tróia, durante o longo e atribulado retorno a seu reino de Ítaca. A Ilíada, enquanto relata a inimizade entre Aquiles e Agamenon, incorpora muito da mitologia em dez anos da guerra de Tróia; as fortes cenas de lutas são ofuscadas por suaves quadros da vida cotidiana. Da mesma forma, na Odisséia, o relato sobre o retorno de Ulisses a Ítaca e a vingança sobre os pretendentes de sua mulher são colocados no cenário mais amplo da volta dos heróis gregos, oferecendo muitos detalhes a respeito de outras fases da vida de Ulisses em Tróia e em outros locais. A Ilíada e Odisséia são consideradas os maiores poemas épicos da Grécia Antiga. A época em que receberam sua forma final é controversa, mas pode ter sido no final do século 7 a.c.. A estrutura dos versos e a disposição dos cânticos são o resultado de uma longa tradição oral rapsódica que contava histórias e lendas da era heróica da Grécia, no final do período micênico; mas eles também contém elementos que podem ser posteriores a este período. 1. Considerados os maiores poemas épicos da Grécia antiga 2. Atualmente Turquia Ocidental

16 16 Os maiores poetas trágicos (ou os mais conhecidos) - Ésquilo, Sófocles, Eurípedes - explicitavam os personagens e as situações para as audiências, relevando-lhes a própria condição humana. Eram comuns, entre os intelectuais admiradores da Poesia na época, dilemas dignos de estudo e investigação em todas as peças encenadas : Que tipo de escolha tem os seres humanos em sua existência? Como os indivíduos podem entender a ambigüidade no mundo e conviver com o fato de que ele é, ao mesmo tempo, bom e mau, protetor e cruel, agressivo e amável? Os poetas trágicos exploravam a fundo as questões mais simples do cotidiano e transformavam-nas em peças teatrais que arrastavam multidões. Mas eles não foram os primeiros a explorar os mitos. Gerações de poetas líricos haviam moldado a língua grega em versos de incomparável beleza (mais adiante veremos alguns trechos desses poemas). As formas poéticas eram tão familiares para os gregos quanto para os mitos; os poemas sempre eram declamados em público e nunca escritos para leitores solitários. Os próprios versos eram musicais, com ritmos diferentes em cada tipo de poema e apropriados para cada ocasião, intimamente ligados à dor ou alegria do poeta. Embora declamassem também em banquetes e reuniões íntimas, os poetas alcançavam fama e fortuna nas disputas promovidas em festivais religiosos. Paramentados e engrinaldados, eles participavam de diversas competições: de rapsódia, nas quais declamavam versos, em geral, épicos, sem acompanhamento musical; de citaródia, isto é, a declamação individual com acompanhamento de lira; e de canto coral, para o qual os poetas treinavam tanto os cantores quanto os dançarinos. As competições eram realizadas em toda Grécia - em Delfos, em Esparta, em Olímpia -, exceto, até o início do século VI a.c., em Atenas. Os poetas foram levados para lá por Psístrato e seus filhos; as competições de rapsodos foram introduzidas lá durante as festividades panatenaicas. E foi em Atenas, numa época de agitação política e ameaça externa, que ocorreu a síntese representada pela tragédia. Segundo a lenda, o responsável por tal síntese foi o poeta Tépsis de Icária, que teve a idéia de introduzir um ator para servir de contraponto ao coro. O ator representava mascarado, o que era uma inovação surpreendente para a

17 17 época e estimulava a curiosidade e imaginação da população : ele não declamava seus próprios versos, mas era alguém que personificava outra pessoa, mas terminava por arrebatar todas as glórias. Tépsis venceu o primeiro concurso de dramaturgia realizado no Festival de Dionísos, mas de suas obras restam apenas fragmentos. A amplitude da tragédia grega pode ser vista nas obras de seus sucessores. Esses poetas competiam não apenas nos festivais atenienses, mas também por toda a Grécia. Eles levaram adiante a inovação de Tépsis e introduziram outros atores em suas peças. Também orquestraram os diferentes ritmos e formas dos poetas líricos - as rapsódias, as citaródias e os coros - em obras únicas, harmonias que cantavam as paixões do coração humano, semelhante hoje ao que podemos admirar em óperas, músicas românticas impregnadas de poesia pura, capazes de remeter o mais cruel dos homens ao mundo da imaginação e fantasia por conta da sua própria fragilidade. Os palcos eram no início muito simples; o público sentava-se em degraus de pedra em volta da orquestra. As apresentações eram durante o dia, ao ar livre. Os poetas apresentavam três tragédias (geralmente sobre temas diferentes) e uma peça satírica, mais leve. Poucos se atreviam a apresentar peças que sustentassem, de alguma forma, posições contrárias às imposições do governo ou algo semelhante, não muito diferente de algum tempo em nosso país. Ofereciam-se prêmios ao melhor poeta e o vitorioso recebia uma coroa de hera 1. Podemos avaliar a presença maciça da poesia na cultura dos habitantes da Grécia antiga e, muito provavelmente, de outros que também se deslocavam até as cidades onde as peças, mescladas à poesia, eram encenadas. Era comum na época, reunião de um grupo de pessoas em torno de algum poeta de plantão, disposto a iniciar uma declamação digna de apreciação mesmo sob forte pressão dos olheiros do governo oficial que temiam vulgarizar 1. Planta típica da época, símbolo da união e do casamento ( deusa do casamento)

18 18 a poesia, motivo pelo qual, inclusive, as competições e mesmo eventos de simples apresentações, obedecerem a um rígido cronograma oficial. Se a poesia, aliada ao teatro, foi tão importante para a época em que os estudos da arte eram levados a sério, por prazer e gosto, cabe-nos questionar a razão, anos depois, pela qual a poesia não conseguiu sustentar a mesma importância, embora resista à indiferença dos editores preocupados mais com o título do que o conteúdo nos tempos atuais. Os jônicos 1 também se distinguiram pela elegância de sua cerâmica e, não menos importante, pela sua poesia, demonstrando uma profunda compreensão dos prazeres e desapontamentos da vida, expressa nas odes 2 de Safo 3, a poetisa do amor que viveu na ilha de Lesbos. Alceu, poeta da mesma ilha, provavelmente foi o que melhor resumiu o espírito da cultura jônica. Traga-me vinho, solicitava, vinho e verdade. Os relatos são obscuros, mas, ainda na Grécia antiga, conta-se que o poeta ático Tepsis era também um amante da arte de representar e teria dado o passo decisivo ao colocar um ator em cena, cujo papel era conduzir o diálogo com o coro. O ateniense Ésquilo teria colocado o segundo e Sófocles, o terceiro ator, unindo assim, a simplicidade da poesia e o mágico poder da representação. A união das duas especialidades da arte deu origem ao que se chamou na época de teatro grego. Embora o público dedicasse maior admiração pelo conjunto da representação, as cenas não seriam possíveis de se realizar sem os declamadores, ou seja, um completava o outro para promover o encanto da população e arrastar multidões onde quer que houvesse encenação. Elegias 4, sátiras e canções de amor para cantores solo; hinos, peãs 5 e cantos processionais para coros - tudo isso foi legado pelos poetas líricos da Grécia aos dramaturgos atenienses. 1. Povo da Ásia Menor, habitante das margens do Mar Mediterrâneo (Turquia) 2. Poesia sentimental caracterizada pela elevação de pensamento e entusiasmo 3. Poetisa da Ilha de Lesbos, a mais famosa da época 4. Lamento ou canto fúnebre, acompanhado com som de uma flauta 5. Na versificação greco-latina, o Metro ou Pé formado por 4 sílabas, sendo uma longa e três breves.

19 19 Cada tipo de verso tinha sua própria forma. Todos partilhavam da rica herança da mitologia. Notamos que a mitologia era o principal motivo da maioria dos poemas da época, com seus personagens heróicos e misteriosos, recheados de feitos e proezas inimagináveis para os dias de hoje. Infelizmente, apenas uma pequena parte da produção desses poetas líricos foi preservada - o suficiente para revelar a variedade de seus estilos e personalidades, de costumes e preferências da época. Excepcional dentre eles foi Safo, nascida em Lesbos no século VII a.c., tanto por ser mulher quanto por seu gênio delicado. Platão, filósofo grego, a chamou de décima musa. Safo era famosa por suas canções de amor e por seu deleite com a natureza, revelado em poemas como o dedicado à estrela vespertina, cujo teor fazemos questão de transcrever : ESTRELA VESPERTINA Estrela da Tarde Tu és a pastora da tarde, Vésper, e trazes para casa tudo o que a Aurora dispersou. Trazes a ovelha, trazes a cabra, trazes as crianças para junto das mães. Alceu conheceu e amou Safo; há fragmentos suficientes de seus poemas para que se saiba que não foi correspondido. Os poemas de Alceu refletem uma vida dedicada à guerra e à política - e uma vigorosa apreciação dos prazeres da vida, como podemos apreciar no poema que segue : INVERNO Zeus faz chover, e do céu cai terrível tormenta. Os rios congelaram... Afugenta o inverno. Junta lenha ao fogo e tempera, sem exagerar na água, o doce vinho. Envolve nossas cabeças em macias

20 20 coroas cerimoniais de pele. Não devemos nos deixar invadir pela tristeza. Não iremos a arte alguma com o pesar, minha Bukchis. O melhor a fazer é prepararmos muito vinho, e tomá-lo. Simônides de Ceos, nascido por volta de 550 a.c., era um poeta cortesão muito viajado que contava com a proteção dos tiranos de Atenas, da Tessália e da Siracusa. Ele era um mestre, admirado pela perfeição de suas canções, pela elegância de seus epigramas funerários 1 e pela profundidade com que tratava os temas mitológicos. Seu lamento por Dânae era um exemplo típico. Dânae teve um filho - o herói Perseu - de Zeus. O pai de Dânae colocou-a, juntamente com o bebê, numa arca que foi lançada ao mar. Eles sobreviveram graças a um milagre. Eis uma simples demonstração de um pequeno epigrama funerário de Simônides : EPITÁFIO Este é o túmulo de Megístias, morto pelos persas e medos após cruzarem o Rio Spercheios; de um advinho que, mesmo vendo claramente a morte aproximar-se, jamais pensou em abandonar os reis de Esparta. Mais jovem do que Simônides, Píndaro de Tebas foi tão apadrinhado quanto este e alcançou fama ainda maior. Grandioso, idealista e profundamente religioso, ele celebrou suas odes e as vitórias gregas nas Guerras Persas 2 e as vitórias dos atletas em Olímpia. Abaixo podemos apreciar um trecho da introdução de sua primeira Ode Olímpica, em homenagem a Hierão, atleta vencedor das corridas a cavalo : 1. Nos tempos antigos, era uma pequena composição em verso colocada nos túmulos ou nos templos e terminava por uma nota mordaz. 2. Famosas guerras travadas entre os povos da Grécia antiga e da Pérsia (Irã)

21 21 OLÍMPICA I O melhor elemento é a água e o ouro, como fogo que se inflama, brilha na noite mais do que a orgulhosa opulência. Se jogos celebrar desejas, ó minh alma - nunca mais quente do que o sol procures outro astro que brilhe de dia no céu deserto - nunca superior à de Olímpia uma competição celebraremos. De lá o renomado hino envolve o gênio dos poetas que para louvar o filho de Cronos ao lar vieram rico e feliz de Hierão. Da justiça ele detém o cetro da fecunda Sicília, colhendo o que há de mais alto de todas as virtudes e gloria-se também com as excelências do canto com que nos recreamos amiúde ao redor de sua mesa amiga Avaliando superficialmente o poema podemos arriscar-nos a insinuar que, ignorando a má interpretação dos tradutores através dos séculos, por influências pessoais, Píndaro e os demais poetas da época utilizavam um nível elevado teor metafórico. Dentre dezenas de poetas trágicos, três eram considerados os maiores. Ésquilo, o mais velho, nasceu cerca de uma década antes de 500 a.c. Filho de aristocrata, participou da Batalha de Maratona. O jovial e culto Sófocles, nascido por volta de 497 a.c., combateu sob Péricles na guerra contra Samos. Sete de suas 130 peças foram preservadas. Eurípedes, nascido por volta de 480 a.c., era um filósofo austero, recluso e menos idealista do que os outros dois. Das noventa peças que escreveu, restam dezoito.

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

TRAGÉDIA GREGA: A PRESENÇA DO DESTINO EM ÉDIPO REI

TRAGÉDIA GREGA: A PRESENÇA DO DESTINO EM ÉDIPO REI TRAGÉDIA GREGA: A PRESENÇA DO DESTINO EM ÉDIPO REI Elisson Souza de SÃO JOSÉ 1 Leandro dos SANTOS 2 INTRODUÇÃO Este trabalho foi feito com o objetivo de mostrar ao leitor a forte presença do destino na

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO?

PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? Homero foi um poeta épico da Grécia Antiga, ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia. Poemas épicos = são

Leia mais

POETAS PROCOPENSES: FLORIZA SÍNDICE E ADOLFO BOIÇA HISTÓRIA E ARTE EM 25 ANOS DE PRODUÇÃO

POETAS PROCOPENSES: FLORIZA SÍNDICE E ADOLFO BOIÇA HISTÓRIA E ARTE EM 25 ANOS DE PRODUÇÃO ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR WILLIAM MADI PROJETO CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS DO NORTE DO PARANÁ: MEMÓRIA E ENSINO-APRENDIZAGEM DE HISTÓRIA (UEL/FAFI/NRE CORNÉLIO PROCÓPIO) POETAS PROCOPENSES: FLORIZA SÍNDICE E

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Poesia. Palavras de Jesus

Poesia. Palavras de Jesus Poesia nas Palavras de Jesus (Ver. Preto & Branco) ( Ricardo Drummond de Melo Rio de Janeiro Primeira Edição 2012 PerSe Poesia nas Palavras de Jesus Ricardo Drummond de Melo 1ª Edição - 2012 Editora PerSe

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007)

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Por favor, poderiam abrir em primeira aos Coríntios, a primeira

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA Atualmente Grécia = capital ATENAS Idioma = Grego Forma de Governo = República Helênica Península Peni = quase Ínsula = ilha Península é uma porção de

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

A atuação da força micaélica na biografia individual

A atuação da força micaélica na biografia individual A atuação da força micaélica na biografia individual Edna Andrade Na Biografia individual Micael pode ser considerado uma força arquetípica que impulsiona o nosso amadurecimento anímico: é a coragem de

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração O conceito e propósito da adoração no Islã não têm paralelo com qualquer outra religião existente. Ele combina o mundano com o espiritual, o indivíduo

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE

LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE CAPÍTULO 11 LEI DE JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE Justiça e direitos naturais Direito de propriedade. Roubo Caridade e amor ao próximo Amor maternal e filial JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS 873 O sentimento de justiça

Leia mais

TEMA 1: Desenvolva o tema «A organização familiar na sociedade romana», relevando os seguintes aspetos: a situação da mulher no seio da família romana; a situação da mulher no seio da família romana; o

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Observe o mapa e responda às questões. A GRÉCIA NO SÉCULO VIII A.C. MAR JÔNICO ILÍRIA ÉPIRO ETÓLIA MACEDÔNIA TESSÁLIA CALCÍDIA

Leia mais

A Visão. Uma Introdução

A Visão. Uma Introdução 1 A Visão Uma Introdução Muitas pessoas sabem, já desde a infância ou juventude, o que querem ser na vida quando forem adultos, como, por exemplo, médico(a), enfermeiro (a), músico (a), advogado (a), ou

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A.

Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. A Voz da Revelação Assim como revelado ao Mensageiro de Deus, Marshall Vian Summers em 14 de abril de 2011 em Boulder, Colorado, E.U.A. Hoje nós falaremos sobre a Voz da Revelação. A Voz que você está

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1. Pedagoga e mestranda pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Atualmente é capacitadora do Projeto DICA.

POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1. Pedagoga e mestranda pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Atualmente é capacitadora do Projeto DICA. O conhecimen como eixo POR ANA FLÁVIA ALONÇO 1 O necessário é fazer da escola um âmbito onde leitura e escrita sejam práticas vivas e vitais, onde ler e escrever sejam instrumentos poderosos que permitem

Leia mais

AULA MOTIVACIONAL WILLIAM DOUCLAS DATA: 25/05/2007 MATERIAL DO PROFESSOR

AULA MOTIVACIONAL WILLIAM DOUCLAS DATA: 25/05/2007 MATERIAL DO PROFESSOR MATERIAL DO PROFESSOR PALESTRA MOTIVACIONAL PROFº WILLIAM DOUGLAS 25.05.07 Para passar em concursos, devemos ter atitudes e comportamentos: - disciplina; - conhecimento da matéria; - técnicas de como fazer

Leia mais

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama Page 1 of 6 Tudo Bem! Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha

História da Educação. Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha História da Educação Profa. Dra. Andreia R. Simoni Saldanha Na educação clássica grega podemos reconhecer esboços de modelos teóricos, cognitivos, éticos e estéticos que dão origem a toda cultura oriental.

Leia mais

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013

O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013. Perfil do empreendedor 23/09/2013 O QUE É EMPREENDEDORISMO? EMPREENDEDORISMO 2º Semestre de 2013 05 12/09/2013 É a área voltada para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas a criação e progressão de um projeto, que

Leia mais

D E D I C A T Ó R I A

D E D I C A T Ó R I A DEDICATÓRIA Qual será então minha recompensa, Tito, se alivio tua pena e se apaziguo o tormento que te faz sofrer? Pois me é permitido, não é mesmo, Ático?, dirigirme a ti com os mesmos versos que os dirigidos

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Prefácio Não é o amor indefinível, uma questão de sentimento, não de pensamento? Pior: aprofundar essa emoção extremamente espontânea e misteriosa não é correr o risco de expulsar sua magia? E assim acabar

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora HISTÓRIA GERAL Profª. Maria Auxiliadora GRÉCIA Península Balcânica Relevo acidentado e recortado Características Gerais Grécia Período Pré-Homérico -séc. XX a.c. XII a. C. Formação do povo grego pelasgos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

M O R A M O R T I S NAS TROADES DE SÉNECA. João Paulo Rodrigues Balula

M O R A M O R T I S NAS TROADES DE SÉNECA. João Paulo Rodrigues Balula João Paulo Rodrigues Balula M O R A M O R T I S OS CAMINHOS DO SOFRIMENTO E DA LIBERDADE NAS TROADES DE SÉNECA Dissertação de Mestrado em Literaturas Clássicas, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade

Leia mais

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Romanos 8:37 Todos os dias nós temos

Leia mais

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja:

CATÁLOGO. APRESENTAÇÕES: IMAGEMS: Coruja: CATÁLOGO ÁREA: Introdução à Filosofia. TEMA: Por que a Coruja é o símbolo da Filosofia? HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Antiga, moderna e contemporânea. INTERDISCIPLINARIDADE: Artes DURAÇÃO: 1 aula de 50 AUTORIA:

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio

Da economia do tempo. Sêneca saúda o amigo Lucílio I Da economia do tempo Sêneca saúda o amigo Lucílio Comporta-te assim, meu Lucílio, reivindica o teu direito sobre ti mesmo e o tempo que até hoje foi levado embora, foi roubado ou fugiu, recolhe e aproveita

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

APOCALIPSE 1:9-20 APOCALIPSE: UM LIVRO, UMA PESSOA E UM PLANO SINGULAR

APOCALIPSE 1:9-20 APOCALIPSE: UM LIVRO, UMA PESSOA E UM PLANO SINGULAR APOCALIPSE 1:9-20 APOCALIPSE: UM LIVRO, UMA PESSOA E UM PLANO SINGULAR O livro de Apocalipse pode ser sintetizado em nove características básicas: 1. É um livro centrado na Pessoa de Cristo 2. É um livro

Leia mais

OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS. DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais

OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS. DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS VOLUME 4 O ENIGMA DE ULISSES GUIÃO DESTINATÁRIOS: dos 9 aos 14 anos NÚMERO MÁXIMO DE PARTICIPANTES: 26 DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais

Leia mais

O Princípio do Perdão

O Princípio do Perdão O Princípio do Perdão Mateus 6:14-15 Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no céu, também perdoará vocês. 15 Mas, se não perdoarem essas pessoas, o Pai de

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou?

A cena começa com uma descida. Então, quem desceu se Jesus tomou o livro e se assentou? A resposta para sua pergunta é Sim, e Não. Permita-me explicar porque as duas coisas. Eu creio que o Cordeiro saiu do Trono SIM, mas eu NÃO creio que ele desceu. Há aqueles que defendem a tese de que o

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

A aventura de Descartes da dúvida à certeza Prof. João Borba Nov. De 2009

A aventura de Descartes da dúvida à certeza Prof. João Borba Nov. De 2009 A aventura de Descartes da dúvida à certeza Prof. João Borba Nov. De 2009 Descartes desenvolve sua filosofia tentando combater o ceticismo pirrônico do filósofo Montaigne. Por isso, o melhor modo de entendê-lo

Leia mais

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha

Arte Pré Histórica Bisão da Gruta de Altamira Bisão da Gruta de Altamira Réplica Museu Arqueológico Nacional da Espanha Espanha Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães

6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicasdiadasmaes 6 Dinâmicas de Grupo para o Dia das Mães Apresentamos uma seleção com 6 dinâmicas de grupo para o Dia das Mães, são atividades que podem

Leia mais

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PERIODIZAÇÃO PERÍODO PRÉ- HOMÉRICO Imigração indo-européia Formação da cultura creto-micênica. Primeira Diáspora grega =invasão dórica PERÍODO HOMÉRICO

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

VALORES E EDUCAÇÃO NA HISTÓRIA E NO IMAGINÁRIO: REVISITANDO HOMERO E HESÍODO NA GRÉCIA ANTIGA

VALORES E EDUCAÇÃO NA HISTÓRIA E NO IMAGINÁRIO: REVISITANDO HOMERO E HESÍODO NA GRÉCIA ANTIGA VALORES E EDUCAÇÃO NA HISTÓRIA E NO IMAGINÁRIO: REVISITANDO HOMERO E HESÍODO NA GRÉCIA ANTIGA Sandra Hoyler BAUERMEISTER Homero (VIII a.c) foi o mais antigo e respeitado poeta da Grécia Antiga. Até hoje

Leia mais

INSS Português Pronomes Relativos X Uso de Preposição Eli Castro. 2013 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

INSS Português Pronomes Relativos X Uso de Preposição Eli Castro. 2013 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. INSS Português Pronomes Relativos X Uso de Preposição Eli Castro 2013 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Pronomes Relativos x Uso de Preposições Raio X do processo

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

Introdução. A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida. Conheça a si próprio

Introdução. A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida. Conheça a si próprio Introdução A Cosmologia de Martinus - Uma visão otimista da vida Conheça a si próprio Enquanto sua própria vida for um mistério, os enigmas do universo permanecerão também um mistério. A Cosmologia, uma

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios.

Paletas. Episódio: Pintado por Eufrônio. Palavras-chave Arte grega, cerâmica, mitologia grega, utensílios. Paletas Episódio: Pintado por Eufrônio Resumo Este episódio, de Paletas, aborda a análise de um antigo utensílio cerâmico grego, produzido e pintado por volta dos anos 515-510 a.c, chamado Cratera de Héracles

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente;

Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; GRÉCIA ANTIGA Idade Antiga GRÉCIA: Dicotomia corpo e mente; Diferentes classes sociais; Escravos (produção); Aristocratas (representação mostra de superioridade e desenvolvimento para outros povos artes,

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43

Sumário. Introdução, 11. 1 Temperamento: o que não se vê, 14. 2 Os vários nomes do amor, 33. 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 Sumário Introdução, 11 1 Temperamento: o que não se vê, 14 2 Os vários nomes do amor, 33 3 Hedonistas, parceiros no prazer, 43 4 Guardiães, parceiros sociais, 69 5 Idealistas, parceiros de alma, 88 6 Cerebrais,

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

A Experiência do Novo Nascimento

A Experiência do Novo Nascimento Pr. Patrick Robert Briney Mission Boulevard Baptist Church A Experiência do Novo Nascimento A Série das Verdades do Evangelho (caderno 6) The Born Again Experience Tradução Pr. Anastácio Pereira de Sousa

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais