Motores de Regras de Negócio BRMS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores de Regras de Negócio BRMS"

Transcrição

1 brms_ Motores de Regras de Negócio BRMS Denvolvendo sistemas corporativos de gestão de regras. Cada vez mais as empresas necessitam de agilidade e velocidade no denvolvimento de soluções corporativas, ndo mais escasso ainda o tempo de manutenção dess sistemas. Hoje, uma alteração ou inclusão de uma nova regra de negócio em um sistema corporativo em produção requer uma intervenção do analista de sistemas, que inclusive nem mpre conhece toda a estrutura des sistema. Requer o que chamamos de manutenção. Manutenções, por mais simples que jam, são mpre custosas. Despendem tempo. Requerem atenção de mais de um tor na empresa. Do analista de negócios, passando pelo analista denvolvedor até chegar ao analista de testes. Mas rá que existe uma solução que minimize manutenções em nível de negócio? Não só existe como várias empresas de grande porte já estão adotando aqui no Brasil. Chama- conceito de motores de regras (Rules Engine). A utilização do conceito de motores de regras (Rules Engine) vem com a promessa de agilizar o denvolvimento da solução, diminuindo o risco de manutenção nas regras de negócio dentro do sistema em proporções muito remotas, deixando o gestor de negócios à vontade para alterar as regras de acordo com a necessidade da empresa m depender de um analista de sistemas. O conceito da utilização de motores de regras para denvolvimento sistemas corporativos de gestão de regras nós chamamos de BRMS (Business Rules Management Systems). Antes de partirmos para um exemplo mais prático vamos nos aprofundar sobre o que significa de fato um BRMS e o conceito primário de uma regra de negócio. O que é BRMS? Definimos como BRMS o uso de um sistema (corporativo ou não) baado no conceito de motores de regras (Rule Engine), utilizado para definir, programar, executar, monitorar e manter a variedade e complexidade da lógica de decisão que é usada pelos sistemas operacionais dentro de uma empresa ou organização. Essa lógica, também conhecida como regra de negócios, inclui política, requisitos e instruções condicionais que são usadas para determinar as ações táticas que ocorrem em aplicações externas. O conceito dos motores de regras Um motor de regras é um sistema computacional que tem a capacidade de executar um conjunto de regras de negócio em um ambiente de produção. A definição no início é confusa para quem não tem familiaridade com o conceito de motores de regras. Para podermos entender melhor a utilização do conceito de motores de regras e a finalidade de um sistema BRMS dentro de uma corporação vamos entender melhor os conceitos primários de uma regra de negócio. Regras de negócio Uma regra de negócio expressa uma restrição sobre uma ação dentro de um domínio de negócio. Duas características importantes para a existência de uma regra de negócio são:»» Haver uma motivação explícita para a existên- / 22

2 Arthur Gonçalves Gomes Junior Formado em Análi de Sistemas pela UNIESP, trabalha com denvolvimento de sistemas faz aproximadamente oito anos, é especialista em plataforma Java, certificado em várias soluções IBM como o InfoSphere DataStage 8.5, WebSphere ILog JRules BRMS v7.1, Websphere Process Server 7.0, IBM Business Process Manager, Advanced V7.5 Integration Devel entre outras certificações, é entusiasta e autor do blog Java Anywhere. Atualmente trabalha para o Grupo Ultra como Analista de Sistemas, mas também atua fortemente no gmento de soluções BRMS participando de vários fóruns ligados ao assunto. O que acontece com u sistema quando as regras de negócio mudam? E quando o cálculo do FGTS muda? Mudar o código-fonte para cada nova regra de negócio que pode r mutável gera manutenção e é custoso. A utilização de motores de regras e adoção de ferramentas BRMS pode r a solução. Vamos demonstrar como é possível isolar por total as regras de negócio dentro de uma aplicação Java, permitindo que o denvolvedor Java fique apenas com as funcionalidades, deixando as regras de negócio na responsabilidade do Analista de Negócios. cia da regra.»» Haver um regime de aplicação indicando quais as conquências caso a regra ja quebrada. Um exemplo simples e clássico de uma regra de negócio muito utilizada e aplicações é a consulta ao SERASA: Se o cliente possuir cadastro de crédito positivo no SERASA, o financiamento é liberado não o financiamento é negado. Na regra acima a motivação para a existência é a condição para liberação de financiamento. A regra não pode r quebrada não por interferência humana, o que coloca um risco de perda para a empresa. Linguagem natural A parte mais interessante de um motor de regras, o que também é uma premissa, é que as regras podem r expressas e mantidas no que chamamos de linguagem natural, portanto permitem uma velocidade e resposta muito maior da área de negócios a alterações regulatórias e de inovação nas áreas de negócio. Nes caso, para o nosso exemplo acima, a mudança da regra de liberação de um financiamento de crédito pode r totalmente implementada por um analista de negócio em um sistema BRMS, m conhecimentos de linguagem de programação, deixando o analista denvolvedor focado apenas em programar funcionalidades. Mas como isso é possível? De uma maneira geral é necessário um conhecimento da ferramenta BRMS adotada pela empresa. Mesmo em tratando de um conceito de uso de linguagem natural é preciso um treinamento na definição e na criação das regras de negócio. Es treinamento varia de acordo com a ferramenta adotada. A primeira lição é ter em mente o uso correto da definição de uma regra de negócio. Um modelo de regras deve r identificado e organizado a partir de um conjunto de critérios formais tais como:»» Um vocabulário de negócio que exprime a mântica dos conceitos ndo trabalhados em domínios - Fatos;»» Um conjunto de proposições que permitem a geração de conhecimento a partir destes fatos. Parece um tanto confuso no início. São muitos os conceitos. Mas de uma maneira geral a ideia principal é criar um padrão único de criação de regras, variando de empresa a empresa. Cada organização adota o u modelo de regras. O padrão adotado na confecção dessas regras acaba tornando uma cultura dentro da empresa. No exemplo acima, podemos identificar como fatos primários o CLIENTE e o FINANCIAMENTO. A proposição do exemplo utiliza o crédito do CLIENTE para estabelecer uma política de liberação sobre o FINANCIAMENTO. Por experiência, posso afirmar que a partir de uma simples regra como essa, o analista de negócios procurará guir mpre o mesmo padrão na criação de outras regras. É es o treinamento que o analista precisará ter para trabalhar com uma ferramenta BRMS. 23 \

3 Vantagens e desvantagens Vantagens No momento em que uma empresa adota a utilização de um sistema BRMS ela sai disparada na frente em relação à concorrência em vários aspectos, desde o denvolvimento do sistema até a entrada em produção. Na fa de denvolvimento, como já explicado antes, o foco do analista de sistemas são as funcionalidades. O que abrange funcionalidades? O que chamamos de denvolvimento macro. Criação de telas, camada de persistência, integração com outros sistemas e tudo o que for relacionado à linguagem de programação adotada. Isso tudo terá um ganho durante essa fa, pois o analista não precisará preocupar em entender a fundo o negócio. Deverá saber do que trata, mas não aprofundará em regras de negócio. Mas e as regras de negócio? Onde elas rão armazenadas? O cliente faria todo o trabalho sozinho? Não. Caberá aos analistas de requisitos detalharem todas as regras exigidas para o sistema, ja ele de planos de saúde, como o exemplo que mostrarei, ou de cobrança de títulos, ou afins. Não importa. Todas essas regras deverão r escritas dentro da ferramenta BRMS adotada e rá criado o primeiro conjunto de regras. Aí vem a confusão. Eu acabei de afirmar que o analista de sistemas não deverá preocupar com regras de negócio. E não deverá mesmo. Es trabalho ficará por conta de outro analista, especialista na ferramenta adotada. Es analista, que não necessariamente é um programador, escreverá o primeiro conjunto de regras. Dá para notar que são atividades paradas? Essa atividade é justamente o que o cliente vai enxergar. O gestor de negócios da empresa ou CLIEN- TE é quem manuará es conjunto de regras. Se amanhã ele quir mudar uma regra de negócio ou criar uma nova regra, não dependerá em nada do analista denvolvedor. A regra não ficará em código. Ele mesmo fará essa alteração. Dessa forma, ele, o gestor de negócios, o cara que conhece do próprio negócio muito melhor do que o próprio analista denvolvedor é quem cuidará da própria casa. O ganho com manutenção rá incrível. Uma vez que para criar uma regra ou mesmo corrigir, não teremos de acionar um tor de TI. Desvantagens Existem hoje no mercado poucos especialistas em soluções BRMS. Isso torna a adoção do conceito de motores de regras extremamente cara. Além da mão-de-obra escassa, as melhores ferramentas de mercado que existem hoje são pagas, como é o caso do ILog JRules da IBM (ver referências) ou o Blaze Advisor da FICO (ver referências). Outra desvantagem que pode r um complicador para a empresa que adotar uma solução BRMS é que não é tão simples migrar de uma ferramenta para outra. As regras de negócio não mudam. O que muda é a forma como essas regras são implementadas de acordo com a solução adotada e os padrões que regem cada solução. Soluções open source Existem de fato soluções open source, como é o caso do JBoss Drools da Red Hat (ver referência). Disponibilizado em 2009 e inicialmente chamado de JBoss Enterpri BRMS, o JBoss Drools nasceu com a promessa de possibilitar aos clientes redução de tempo de denvolvimento para atualizar as aplicações e os processos de acordo com as últimas regras e políticas empresariais. O JBoss Drools hoje é uma ferramenta madura e é capaz de atender a necessidade de uma empresa ou organização m dever muito às concorrentes pagas. Exemplo simples de comparação de nomes Vamos fazer um exemplo rápido, até inocente, de consulta de existência de um determinado nome em uma ba de dados qualquer. Para os denvolvedores vamos começar com uma simples clas Java. Uma clas do tipo Value Object que conterá apenas o atributo nome. Vamos mapear essa clas com as configurações padrão do Hibernate, mas apenas para simularmos uma pequena persistência: Listagem 1. Criação da PERSON ) public class Person @Column(name= ID_PERSON ) public Long NM_PERSON ) public String GREETED ) public boolean greeted=fal; //getters e tters omitidos } O objetivo do artigo não é ensinar Hibernate, nes caso, vamos presumir que o leitor já conheça os caminhos para a configuração correta. Vamos inrir alguns dados na ba (es teste foi feito em uma ba Mysql) / 24

4 Listagem 2. Seta um valor para o atributo name. AnnotationConfiguration configuration = new AnnotationConfiguration(); configuration.configure(); SessionFactory sf = configuration.buildsessionfactory(); Session s = sf.opensession(); Person p = new Person(); p.tname( Arthur Gomes ); Nes momento já tenho uma pequena ba de dados com alguns nomes. Ótimo. Queremos agora fazer uma consulta para descobrir um nome consta na ba ou não. Listagem 3. Método que consulta um nome na ba de dados. private void consultaba() { } Session ssion = HibernateUtil.getSession(); PersonDao dao = new PersonDao(ssion); List<Person>lista = dao.buscapelonomeordenacao (textnome.gettext()); for (Person p : lista) { textresultado.ttext(p.getname()); } Para a execução do método aprentado na Listagem 3, foi criada uma tela de consulta simples utilizando SWT. verifique o nome pesquisado consta na regra de negócio. Se constar irá saudá-lo. Caso contrário dirá que o nome não existe para o sistema. Essa regra deverá r escrita em um editor de regras específico, de acordo com a ferramenta adotada. No caso do exemplo estou utilizando a solução da IBM. Para que o nosso objeto (person), criado anteriormente, ja devidamente mapeado e a partir des objeto jam criadas regras, é necessário que ja criado o um projeto de regras, ou Rule Project. Um Rule Project, diferente de um Java Project, não conterá funcionalidade alguma. Conterá regras de negócio. Dentro do Rule Project é necessário que ja criado o que chamamos de BOM ( Business Object Model ). Para ficar mais claro Rule Project criado fará referência ao Java Project já existente, acessando assim o objeto person. O BOM O BOM permite que faça regra de negócio em uma forma amigável, fornecendo ferramentas para criação de um vocabulário de linguagem natural. Com es vocabulário, gestores de negócios podem descrever sua lógica de negócios em uma linguagem de regras de negócios. Um BOM contém as class e métodos que atuam sobre artefatos regra. Como um modelo de objetos, um BOM é muito melhante a um modelo de objetos Java. É constituído por class agrupadas em pacotes e cada clas tem um conjunto de atributos, métodos além de possivelmente outras class aninhadas. Figura 1. Consulta o nome na ba de dados. Mas como dis, até aqui é trabalho do analista denvolvedor. O teste deverá trazer o guinte resultado: Figura 2. Resultado da consulta na ba de dados. Agora precisamos de uma regra de negócio que Figura 3. Hierarquia de um projeto de regras. Um BOM pode r gerado a partir de uma clas Java tradicional, como rá o caso, ou até mesmo a partir de arquivos com extensão.xsd. Listagem 4. Regra que faz a validação do nome recebido. if it is not true that person was greeted and the name of person contains Arthur then print Hello + the name of person +! ; el print The name is not confirm ; 25 \

5 Apesar de ter escrito a regra em inglês, nada impede que a mesma ja escrita em português. Tudo vai depender da configuração do idioma da ferramenta BRMS adotada. Reparem que é uma regra muito simples. Não faz nada além de comparar o nome pesquisado na ba de dados com o nome explicitamente colocado na regra de negócio, mas poderíamos imaginar uma regra muito mais coerente. A de verificação de crédito do início do artigo por exemplo. Todo suíte de ferramentas BRMS possui um editor de regras. Essas regras depois de criadas ficarão disponíveis em um conjunto de regras. Es conjunto rá executado mpre que o motor de regras, mencionado no início do artigo for acionado. Tudo isso ficará disponível em um rvidor de aplicação também de acordo com cada ferramenta BRMS. Para o nosso exemplo acessaremos o conjunto de regras a partir de um EJB. Para cada suíte de ferramentas BRMS existe um conjunto de bibliotecas específico para acesso ao rvidor. A ideia é simples. Recuperar um nome existente na ba de dados e verificar na regra de negócio o nome consta e deve receber saudação. Listagem 5. Método que faz uma consulta pelo nome no rvidor via EJB. Pessoa pessoa = new Pessoa(); pessoa.tname(name); request.tinputparameter( pessoa, pessoa); IlrStatelessSession ssion = ssionfactory. createstatelesssession(); respon = ssion.execute(request); Após acionar a consulta ao conjunto de regras rá exibido o resultado na figura 4. O detalhe é que, como venho dizendo desde o início pouco importa a forma como foi feita a funcionalidade. O gestor de negócios nem vai enxergar isso. O que importa para ele é a regra em si. Essa mesma regra que ele poderá alterar de acordo com o interes do negócio, m depender em nada de um denvolvedor, desde que a regra ja compatível com o sistema de negócios. Figura 4. Resultado da comparação dos nomes É bom frisar que um motor de regras de negócio é uma parte de um sistema completo para o tratamento de todas as coisas envolvidas em trabalhar com regras. É certo que é uma parte importante, mas trata apenas de execução. Mas qual é a diferença entre sistemas corporativos de gestão de regras (BRMS) e mecanismos de regras de negócio? As regras de negócios de sistemas de gestão darão aos usuários de negócios e analistas a capacidade de fazer alterações de rotina e atualizações para sistemas críticos de negócio. Dessa maneira, usando termos comuns de negócios e interfaces familiares, usuários e analistas de negócios podem atualizar as estratégias de negócios em sistemas de informação empresariais. Este controle da lógica de negócios incorporado em sistemas de TI permite aos usuários de negócios alterarem o comportamento da aplicação m assistência de um analista denvolvedor. Exemplo avançado de aquisição de planos de saúde Vamos criar um projeto de regras responsável por validar uma proposta de aquisição a um plano de saúde. A ideia é que a partir de pontuações, de acordo com as informações dadas pelo solicitante, o motor de regras ja acionado e a partir de um conjunto de regras de pontuação retorne um resultado positivo ou negativo. Como o objetivo é apenas e puramente conceitual não entraremos no conceito de uso de nenhuma ferramenta em especial, mas para quem quir, existe o JBoss Drools (ver referências) como uma opção gratuita de mercado. Lembrando mpre que cada ferramenta gue um padrão de denvolvimento. No diagrama aprentado na figura 5 temos um pequeno esboço do que rá o processo. É feita uma requisição, que rá analisada pelo conjunto de regras, de onde rá disparada uma decisão. Se essa decisão for positiva rá enviado um de notificação, não, rá feita uma análi da recusa na aquisição do plano de saúde. Entende- o guinte, como trata de um negócio, é mpre interessante saber a causa da recusa e dependendo do caso, uma intervenção humana. Vamos chamar essas intervenções de Underwriters. O exemplo de cenário descreve parte de um processo de aquisição de plano de saúde que aproveita o BRMS para processamento reto e direto. O BRMS manipula as tarefas que podem r automatizadas, incluindo verificar o índice de massa corporal, que simplificaremos para bmi, calculando a classificação de saúde do cliente. Underwriters processarão somente os aplicativos complicados usando tarefas manuais. O fluxo de trabalho dos processos de guro do / 26

6 SOLICITAÇÃO ACEITAR Regra baada em um decision rvice NÃO SIM Tarefas automatizadas e pedidos m risco de política que rão tratadas pelo decision rvice Notificação por direto ao ponto levando em conta apenas e simplesmente o processo em si, o que já é muito importante. Vamos ignorar a necessidade de um BOM, e criar um modelo de regras apenas com parâmetros de entrada e saída e atributos, que reprentarão um determinado valor de pontuação e um cálculo para o nosso bmi. Criando os parâmetros necessários As regras de negócios agem em um conjunto de objetos chamados parameters, que reprentam a interface do rviço de regra. Para criar ess parâmetros definiremos as guintes etapas: 1. Certificar- de que a direção dos parâmetros está lecionada corretamente de acordo com o projeto de regras. 2. Manter os nomes, tipos e verbalizações das variáveis do exemplo, incluindo as variáveis que são usadas neste exemplo, como mostrado na figura 6. Intervenção humana apenas em casos complexos INTERVENÇÃO HUMANA Figura 5. Diagrama de caso de uso. cenário de exemplo consiste em uma etapa de sistema que chama um rviço de decisão para processamento reto e direto para manter o cenário simples e focar no cenário de integração técnica com o BRMS. O rviço de decisão de underwriting automatizado é implementado usando regras na ferramenta BRMS utilizada. Existem duas tarefas manuais que são roteadas condicionalmente. Se o rviço de decisão rejeitar a solicitação de política (retorna falso), o fluxo de trabalho é roteado para underwriters humanos para avaliação. A notificação por pode r automatizada, mas para simplificar a implementação, é projetada como uma tarefa manual no cenário de exemplo. A figura 5 mostra o fluxo de trabalho des processo. Como já dis o nosso objetivo é explicar o conceito e a utilização de um BRMS, portanto não vamos entrar no conceito de uma ferramenta específica e ir Figura 6. Parâmetros de entrada e saída. Criando o pacote de regras As regras podem r agrupadas em pacotes, de acordo com a ferramenta BRMS utilizada. De qualquer forma isso é padrão para qualquer projeto de regras a fim de definir, organizar e parar camadas. Como estivésmos lidando com um MVC Pattern, nas devidas proporções de comparação. Vamos definir ness três pacotes de regras as guintes denominações: 1. Inicialização: para inicializar os parâmetros usados nas regras de negócios 2. Cálculo: para calcular a classificação de bmi e de funcionamento 3. Verificação: para as regras de negócios atuais de underwriting automático 27 \

7 Figura 7. Hierarquia do projeto de regras Criando as regras de negócios necessárias No pacote Inicialização, criaremos a regra no editor de código da ferramenta BRMS escolhida, para inicializar os parâmetros. Listagem 6. Regras que inicializam o motor de regras. o valor verdadeiro ; atribuir à Avaliação de AIDS o valor 100; atribuir à Avaliação de Câncer o valor 90; atribuir à Avaliação de Tumor o valor 80; atribuir à Avaliação de Pedras nos Rins o valor 70; atribuir à Avaliação de Diabetes o valor 60; atribuir à Avaliação de Alcoolismo o valor 50; atribuir à Avaliação de Hipertensão o valor 40; Na Listagem 7 definiremos a variável que irá calcular o bmi do solicitante. Como a própria regra abaixo mostra, faremos um cálculo matemático baado no peso informado pelo solicitante dividido pela altura * altura. Listagem 7. Regra para o cálculo do bmi. atribuir à Índice de Massa Corporal o valor Peso / (Altura * Altura ); A variável Avaliação de Saúde já inicializa com o valor 0, ndo pontuado durante o processo, e para todos os efeitos o solicitante inicializa es processo com a variável Aquisição de Seguro de Saúde aprovada com o valor verdadeiro. Listagem 8. Regra de inicialização para a Avaliação de Saúde. atribuir à Avaliação de Saúde o valor 0; Note que para cada avaliação definimos uma pontuação máxima de aceitação. Se o solicitante ultrapassar qualquer dess valores não poderá solicitar um plano de saúde. O valor mínimo de aceitação para que o solicitante adquira um plano de saúde é de 60 pontos. Essa rá nossa regra. Cada regra de negócios consiste em um conjunto de condições e um conjunto de ações. As condições e instruções agem sobre os parâmetros definidos no projeto de regras. No pacote Verificação, criaremos uma regra no editor de código da ferramenta BRMS utilizada, de modo que o resultado de bmi de um solicitante ja Obeso ou Abaixo do peso, a variável Aquisição do guro de saúde rá definida como falso, e a aquisição ao guro de saúde rá rejeitada. Listagem 9. Condições que verificarão o cálculo de bmi. Índice de Massa Corporal é no mínimo 30,0 atribuir à Resultado de Cálculo BMI o valor Obeso ; o valor falso; Índice de Massa Corporal é no máximo 18,5 atribuir à Resultado de Cálculo BMI o valor Abaixo do Peso ; o valor verdadeiro; Na nossa regra de negócio, mesmo que o bmi do solicitante esteja abaixo do peso, ainda assim o aprovaríamos. Vamos criar uma regra que verifique a renda do solicitante. Listagem 10. Condições que verificarão a compatibilidade da renda do solicitante com a aquisição do plano de saúde. Cobertura Solicitada é no máximo ( Renda Mensal /3) o valor verdadeiro ; não o valor falso; Vamos criar uma regra que verifique a empregabilidade do solicitante. Listagem 11. Verifica o solicitante tem emprego. Possui Emprego / 28

8 o valor verdadeiro ; não o valor falso Vamos verificar o valor da variável Avaliação de Saúde é maior que 60 pontos. Listagem 12. Verifica o solicitante atingiu pontuação máxima permitida. Avaliação de Saúde á maior que 60 o valor falso Vamos definir uma regra para identificar o solicitante com peso dentro do normal. Listagem 13. Verifica o solicitante possui peso dentro do normal permitido. Índice de Massa Corporal está entre 18,5 e 24,9 atribuir à Resultado de Cálculo BMI o valor Normal ; o valor verdadeiro ; Notem que temos que definir uma pontuação padrão para que o cálculo bmi ja realizado de forma justa. No pacote Cálculo, criaremos um conjunto de regras para calcular a classificação das diferentes doenças. Por exemplo, o solicitante for alcoólatra, antes de reprovar a solicitação, faremos um cálculo em cima do índice de alcoolismo do solicitante com a avaliação de saúde. Listagem 15. Verifica o solicitante é hipertenso. Requerente é Hipertenso atribuir à Avaliação de Saúde o valor Avaliação de Saúde + Avaliação de Hipertensão Es já é um caso em que dificilmente um solicitante teria o u guro reprovado. Vamos agora criar uma regra que calcula o solicitante tem câncer. Listagem 16. Verifica o solicitante tem câncer. Requerente tem Câncer atribuir à Avaliação de Saúde o valor Avaliação de Câncer + Avaliação de Saúde Como deu para perceber, para cada parâmetro de entrada, criamos uma regra, e de acordo com a pontuação definida nas variáveis teremos um resultado para a solicitação do plano de saúde. Por fim podemos também utilizar outro recurso que pode r encontrado em algumas ferramentas BRMS. Chamamos de Tabelas de Decisão. A ideia dessa tabela abaixo rá deixar definido o bmi do solicitante exigido para aprovação. Em muitos casos o gestor de negócios congue compreender muito melhor a lógica contida em uma tabela dessas, e até prefere trabalhar com elas ao invés de escrever regras. O resultado é o mesmo, tanto em regras escritas quanto em tabelas de decisão definidas. Dependendo da complexidade de uma regra é mais conveniente escrevê-la. Se a regra for de definição simples e óbvia como o caso aprentado na figura 8, vale a pena trabalhar com Tabelas de Decisão. Reparem que nas primeiras duas linhas estão analisando o bmi do solicitante está abaixo do normal ou está normal. Nas ultimas duas linhas calculamos o bmi está acima do peso ou o solicitante é obeso mesmo. Listagem 14. Verifica o solicitante é alcoólatra. Requerente é alcoólatra atribuir à Avaliação de Saúde o valor Avaliação de Saúde + Avaliação de Alcoolismo ; Na maioria das vezes es tipo de avaliação ria definido por intervenção humana, ou underwriters. Como definir o solicitante é alcoólatra ou consome bebida alcoólica eventualmente? Vamos verificar o solicitante é hipertenso. Figura 8.Tabela de Decisão. Criando o fluxo de regra Um fluxo de regra determina a ordem da execução do conjunto de regras. A figura 9 mostra o que chamamos em BRMS de RuleFlow. 29 \

9 car em uma ferramenta BRMS, e sim no conceito e na criação de regras. Vamos considerar que a partir des projeto de regras iremos gerar um contrato WSDL a r consumido por um WebService qualquer. Testando o projeto de regras Para quem ainda não conhece, existe uma ferramenta gratuita conhecida como SoapUI, na qual podemos testar contratos WSDL e simular resultados. Para o nosso projeto vamos considerar que temos es contrato WSDL, gerado a partir de algum suíte BRMS, e es mesmo suíte irá gerar um resultado. Figura 9. RuleFlow. Obrvem que o fluxo do processo ocorrerá exatamente de acordo como definimos as regras. Inicializamos as variáveis com valores definidos pelo gestor de negócios, calculamos as doenças presumidas ou assumidas de acordo com a pontuação de cada doença mais a avaliação de saúde e por fim verifica- o solicitante rá aprovado ou não, de acordo com outras condições, que podem r o bmi, conforme definimos até condições de nível monetário ou profissional, como empregabilidade e renda. Podemos fazer um teste rápido para tentar entender o que foi feito até agora. Como foi dito desde o começo, a ideia não é fo- Figura 10. Parâmetros de entrada. WSDL Web Services Definition Language (WSDL) é um vocabulário XML para criar contratos de rviços. Cada Web Service é definido por um contrato WSDL. O contrato WSDL contém toda a informação necessária para criar um cliente capaz de comunicar com o Web Service. Existem várias ferramentas capazes de criar clientes de Web Services de forma automática, ndo o JAX-WS uma delas. O contrato WSDL indica quais as operações disponibilizadas pelo Web Service aos us clientes. O conjunto das operações é designado por interface. Para cada operação são especificados os argumentos (inputs), os resultados (outputs) e os erros (faults). Os tipos de dados dos argumentos, resultados e erros são descritos com esquemas XSD. Repare que nos foi passada uma lista com todos os parâmetros de entrada definidos quando começamos nosso projeto de regras. Todos são obrigatórios. O resultado rá o da figura 11. Figura 11. Parâmetros de saída. / 30

10 Repare que o solicitante foi reprovado já na verificação. No montante dos cálculos ele também é reprovado na Avaliação de Saúde. A suíte de ferramentas BRMS adotada pela empresa é responsável por devolver com gurança o resultado correto des cálculo. A parte bacana é que ess parâmetros de entrada poderiam r colocados, por exemplo, em uma tela Web. Assim como o resultado esperado, mas para todos os efeitos as regras de negócio ficam nas mãos de quem entende. Longe de códigos Java ou qualquer outra linguagem. Totalmente paradas e podendo r manipuladas de acordo com a necessidade da empresa. O JBoss Drools Para quem tiver mais curiosidade sobre o assunto e quir praticar em casa, recomendo o JBoss Drools da Red Hat. É fácil de entender e o Eclip possui um plugin para denvolvimento de regras bem amigável chamado Eclip Guvnor Tools (ver referências) além de como já foi dito aqui, r open source. Outra ferramenta muito bem requisitada pelas empresas, mas, porém é paga, é o Websphere ILog JRules da IBM (ver referências). Talvez a suíte de ferramentas BRMS mais completa do mercado. Considerações Finais A grande vantagem da utilização de sistemas BRMS fica no ganho com ausência de manutenção constante e a eficiência imediata na alteração de uma regra de negócio. O analista denvolvedor, dentro de uma arquitetura BRMS passa a focar nas funcionalidades do sistema, deixando a criação do conjunto de regras de negócio nas mãos do analista de negócios. Uma arquitetura moderna de sistemas de software enfatiza o uso de sistemas de gerenciamento de regras de negócios (BRMS) para gerenciar os negócios complexos e a lógica de decisão. Isso permite gerenciar melhor a demanda para alterar regras de negócios com rapidez. Vimos no nosso exemplo que é possível melhorar a agilidade de us processos de negócios fornecendo opções para melhor tomada de decisão e manutenção geral dos us sistemas de software. Um sistema de gerenciamento de regras de negócio (BRMS) é capaz de dar ao gestor de negócios um controle muito maior no direcionamento da camada de negócios da empresa, m a necessidade constante de recorrer ao analista de sistemas. Ele mesmo altera as regras de acordo com o rumo que o mercado toma, podendo inclusive, dependendo do suíte de ferramentas BRMS adotado, criar simulações de resultados em cima de informações já existentes na ba de dados antes da tomada de decisão. /para saber mais > SoapUI: A primeira versão do SoapUI foi lançado em outubro de O cara por trás dele é Ole Lensmar, na época trabalhando como arquiteto de um projeto de SOA de grande porte. -- Não havia simplesmente nenhuma ferramenta de teste disponível que funcionas bem com um processo de denvolvimento ágil., Dis Ole. Então tive que denvolver uma para mim. Ole trabalhou durante vários mes com es projeto de SOA durante o dia, e denvolvendo o SoapUI em u tempo livre. Quando Ole viu o que o SoapUI poderia fazer por ele e us colegas, decidiu compartilhar o projeto com outras pessoas que trabalham com SOA e denvolvimento. Assim foi lançada uma versão Open Source do SoapUI. > Onde baixar: > Externalizando regras de negócio com o Jboss Drools: MundoJ nº 52 /referências > Gerenciar regras de negócios com processos de negócios techarticle/dm-1004filenetbpmjrules/ > Comentários Críticos sobre Tecnologia da Informação > WebSphere ILOG JRules BRMS > FICO Blaze Advisor business rules management > Página de downloads para o projeto Drools > Update Site para instalar o plugin do Drools no Eclip drools-ide-update/ > Página para mais informações sobre download do ILog JRules da IBM wss?uid=swg \

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço A1Provendo e Consumindo Web-Services com JAX-WS Capítulo 22 Introdução aos Web-Services via JAX-WS - Um breve histórico sobre Web-Services Os Web-Services são uma tecnologia popular para apoiar iniciativas

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Evolução do Design através de Testes e o TDD

Evolução do Design através de Testes e o TDD c a p a Lucas Souza (lucas.souza@caelum.com.br): é bacharel em Engenharia da Computação pela Universidade de Ribeirão Preto, possui a certificação SCJP e trabalha com Java há 4 anos. Atualmente é desenvolvedor

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte

Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte Aula 11: Análise Dinâmica - 2a. parte Nesta aula, continuaremos nossa discussão a respeito da análise dinâmica, focando na atividade de teste. Iremos dar uma breve olhada em algumas das noções básicas

Leia mais

Imagine se. Processos de Seguro Mais Inteligentes

Imagine se. Processos de Seguro Mais Inteligentes Processos de Seguro Mais Inteligentes Imagine se Processos de Seguro Mais Inteligentes Simplifique os processos de seguro com regras de negócio para cortar custos, agilizar operações e responder às mudanças

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Construindo um Aplicativo com Decisões, Processos e Formação de Valor Guia da Solução IBM Redbooks

Construindo um Aplicativo com Decisões, Processos e Formação de Valor Guia da Solução IBM Redbooks Construindo um Aplicativo com Decisões, Processos e Formação de Valor Guia da Solução IBM Redbooks No clima de negócios rápidos de hoje, as empresas devem tomar decisões rápidas para ganhar novos negócios,

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso

No artigo anterior explicamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso. Parte II: Especificando Caso de Uso Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte II: Especificando Caso de Uso Vinicius Lourenço de Sousa viniciuslsousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de 10 anos,

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

Implementação de uma Alçada Decisória usando a Suíte SOA IBM BPM

Implementação de uma Alçada Decisória usando a Suíte SOA IBM BPM Implementação de uma Alçada Decisória usando a Suíte SOA IBM BPM Juan Manuel Bonomi Garay 10 de Outubro de 2013 WebSphere Agenda Modelagem do processo Websphere Business Modeler (BPMN) Implementação da

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado

ARQUITETURA SISGRAD. Manual de Utilização. Versão: 2.0. Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado ARQUITETURA SISGRAD Manual de Utilização Versão: 2.0 Criação: 05 de julho de 2007 Autor: André Penteado Última Revisão: 09 de outubro de 2009 Autor: Alessandro Moraes Controle Acadêmico - Arquitetura SISGRAD

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS. GFILA da OPS Network

Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS. GFILA da OPS Network Manual de utilização da Ferramenta de Envio e Gerenciamento de SMS GFILA da OPS Network A OPS Network desenvolveu o GFILA visando atender todas as necessidades do cliente consumidor de SMS; desde o atacadista,

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Kaseya 2. Dados de exibição rápida. Version R8. Português

Kaseya 2. Dados de exibição rápida. Version R8. Português Kaseya 2 Software Deployment and Update Dados de exibição rápida Version R8 Português Outubro 23, 2014 Agreement The purchase and use of all Software and Services is subject to the Agreement as defined

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers

Auditoria Avançada de Persistência com Hibernate, JPA e Envers a r t i g o José Yoshiriro Ajisaka Ramos (jyoshiriro@gmail.com): bacharel em Sistema de Informação (IESAM). Mestrando em Ciência da Computação (UFPA). Instrutor na Equilibrium Web e na UAB. Engenheiro

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas BPMS. Jhonatas Vicente de Jesus

Desenvolvimento de Sistemas BPMS. Jhonatas Vicente de Jesus Desenvolvimento de Sistemas BPMS Jhonatas Vicente de Jesus Roteiro de apresentação FastBPM TCC Recapitulando alguns Conceitos Sistemas BPMS Um Processo na prática Conclusão TCC - 2011 Desenvolvimento de

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA O InterLIMS se apresenta

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informações Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 7 JPA A Persistência com JPA Para configurar o JPA

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Nome N Série: Ferramentas

Nome N Série: Ferramentas Nome N Série: Ferramentas Competências: Identificar e utilizar técnicas de modelagem de dados; Habilidades: Utilizar ferramentas de apoio ao desenvolvimento de software; Bases Tecnológicas: Metodologias

Leia mais

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script 1a Nesta demonstração, Will Dunlop, um programador de integração da JK, utiliza o IBM, [ IBM], ou WID para construir um novo serviço orientado para os processos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões

1 Função e criação do Programa. Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões Relatório de desenvolvimento do projecto Programador/designer : Tiago MC Simões 1) Função e criação do Programa 2) Lista de transacções/funções 3) Interface Gráfico do programa 4) A base de dados 4.1)

Leia mais

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda

Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Como sobreviver com Java 2? Saulo Arruda Agenda Apresentação Contexto do mercado Soluções para Java 5+ Soluções para Java 2 Conclusões Apresentação Saulo Arruda (http://sauloarruda.eti.br) Trabalha com

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

W H I T E P A P E R W o r k f l o w, r e g r a s e C E P c o m b i n a d o s p a r a g e r a r u m n o v o v a l o r d e n e g óc i o

W H I T E P A P E R W o r k f l o w, r e g r a s e C E P c o m b i n a d o s p a r a g e r a r u m n o v o v a l o r d e n e g óc i o Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com W H I T E P A P E R W o r k f l o w, r e g r a s e C E P c o m b i n a d o s p a r a g e r a r u

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Sobrecarga (Overloading) Os clientes dos bancos costumam consultar periodicamente informações relativas às suas contas. Geralmente, essas informações são obtidas através de extratos.

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Manual de Integração WebService

Manual de Integração WebService Manual de Integração WebService Sumário 1. O que é a Integração WebService? 2. Envio Simples 3. Consultar Status da Mensagem 3.1 Consultar Mensagens Recebidas 4. Tecnologia do WebService Facilita 1. O

Leia mais

APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA

APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA APLICATIVOS DO ORACLE HEALTH INSURANCE BACK OFFICE: SOLUÇÕES FLEXÍVEIS PARA SISTEMAS COMPLEXOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA OFERECE SUPORTE A PROCESSOS DE NEGÓCIOS ESSENCIAIS EM SISTEMAS PÚBLICOS E PRIVADOS PRINCIPAIS

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Nota Fiscal de Serviço Eletrônica Layout de Utilização via software proprio/particular ISSQN NFSE DANFE

Nota Fiscal de Serviço Eletrônica Layout de Utilização via software proprio/particular ISSQN NFSE DANFE Nota Fiscal de Serviço Eletrônica Layout de Utilização via software proprio/particular ISSQN NFSE DANFE 1. Introdução Este manual tem como objetivo apresentar a definição das especificações e critérios

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA

CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA CURSO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Introdução para Iniciantes Prof. M.Sc. Daniel Calife Índice 1 - A programação e a Linguagem Java. 1.1 1.2 1.3 1.4 Linguagens de Programação Java JDK IDE 2 - Criando o primeiro

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Sistemas Baseados em Regras. Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino

Sistemas Baseados em Regras. Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino Sistemas Baseados em Regras Aula3: Drools Profa. Patrícia Dockhorn Costa pdcosta@inf.ufes.br www.inf.ufes.br/~pdcosta/ensino Drools Business Logic integration Platform Plataforma integrada para gerenciamento

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software

Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Universidade Salgado de Oliveira Especialização em Tecnologia da Informação Qualidade em Engenharia de Software Exemplo de Plano para Desenvolvimento de Software Prof. Msc. Edigar Antônio Diniz Júnior

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades André Torres, Ednaldo Onofre, Francisco Celestino, Jafet

Leia mais