CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO"

Transcrição

1 CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO Autor: Engº Roberto Carlos Fazilari Chefe do Departamento de Implantação de Obras da EMTU/SP, Gestor de Projeto do Plano de Expansão do Governo do Estado de São Paulo EMTU/SP Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo Rua Joaquim Casemiro, 290 Bairro Planalto São Bernardo do Campo SP RESENHA O presente trabalho tem o objetivo de apresentar a implantação do Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã), beneficiando os municípios de Itapevi, Jandira, Barueri, Carapicuíba, Osasco e São Paulo da sub-região Oeste da Região Metropolitana de São Paulo. O traçado de 33 km de extensão inicia próximo ao futuro Terminal Itapevi, junto à estação da CPTM naquele município, e segue até a futura Estação Butantã do Metrô ( linha 4 Amarela ), no município de São Paulo.

2 INTRODUÇÃO A sub-região Oeste apresenta como característica marcante, em termos de transporte coletivo, o trem metropolitano. No entanto, o sistema local não conta com uma rede integrada, na qual o sistema ferroviário seja o modo estruturante. A integração intermodal é fundamental para promover a racionalização do serviço de transporte público nas grandes cidades, onde há sistemas sobre trilhos. Cabe aos sistemas sobre pneus, em face à sua maior flexibilidade e capilaridade, o papel de alimentadores, deixando ao modo ferroviário a função estruturadora, das redes de transporte. Para a eficiência na integração dos modais, a implantação de terminais de integração e de transferência é essencial quando se busca maior fluidez na circulação de veículos e garantia da mobilidade das pessoas.. Em associação à construção de infraestrutura, devese priorizar o sistema viário para o transporte coletivo, bem como o tratamento dos acessos e do entorno, de forma a assegurar a fluidez e a redução dos tempos de viagem. O Corredor de Transporte Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã) estabelecerá a racionalização da rede de transporte coletivo da região, mantendo o papel do Trem Metropolitano como sistema estruturador dos deslocamentos da população dos municípios, diretamente atendidos e que tem como destino a cidade de São Paulo, principalmente a bairro da Lapa, zona Oeste da capital. Entretanto, há um conjunto de destinos não atendidos pelo Trem Metropolitano como Av. dos Autonomistas, em Osasco, Av. Corifeu de Azevedo Marques e Av. Vital Brasil, em São Paulo. Considerando os projetos para modernização do corredor, além da sua conexão com a rede metroviária através da Linha 4 Amarela do Metrô, o atendimento interno dos municípios será estruturado, por meio de um sistema integrado de linhas de ônibus municipais e metropolitanas, dimensionando o transporte sobre pneus, garantindo o atendimento adequado aos usuários e redução dos custos operacionais. DIAGNÓSTICO, PROPOSIÇÕES E RESULTADOS A sub-região Oeste da RMSP que envolve os municípios de Itapevi, Jandira, Barueri, Carapicuíba, Osasco e São Paulo e conta com 12,5 milhões de habitantes, apresenta como característica marcante em termos de transporte coletivo, a presença do Trem Metropolitano, que tem caráter de modal estruturador desta região, principalmente para os deslocamentos intermunicipais. Assim, a concepção da rede proposta considerou essa função estruturadora, assumindo que os deslocamentos intermunicipais mais longos e com destinos atendidos pelo Trem Metropolitano continuarão a ser atribuídos a esse modo de transporte coletivo, em especial as viagens com origem nas regiões mais distantes e com destino à cidade de São Paulo, na região da Lapa e Vila Leopoldina. A rede sobre pneus atenderá a demanda com destino a Estação Butantã da linha 4 do Metrô, partindo da Av dos Autonomistas, em Osasco. Ainda sob o ponto de vista de sistemas estruturadores, a Linha 4 - Amarela - do Metrô, ligando Vila Sônia à Luz, com inauguração prevista para 2010 possibilitará o atendimento dos deslocamentos metropolitanos com origem na sub-região Oeste e destino nos eixos atendidos pela rede metroviária. Dessa forma, a rede de linhas que tem atualmente como destino a região de Pinheiros, será em grande parte integrada nas estações Morumbi e Butantã da Linha 4, localizadas ao longo da Avenida Professor Francisco Morato. A etapa inicial desenvolvida no presente relatório abrange a montagem da rede de simulação onde foram analisadas a demanda de transporte, a oferta física e a oferta operativa.

3 O componente de demanda de transporte inclui a análise e o processamento da pesquisa de Origem/Destino (2007) do Metrô e a modelagem para projetar as viagens. A oferta física considera a montagem da rede viária multimodal usada no processo de simulação. A oferta operativa das linhas de transporte público considera os modos sobre trilhos e ônibus convencionais. Com pleno conhecimento da importância do corredor de Transporte Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã) na estrutura de mobilidade da Região Metropolitana de São Paulo, foram descritas as atividades realizadas para a montagem da rede viária do ano base, como ponto de partida para a estimação da demanda do projeto. Uma das atividades é a montagem da Matriz Origem Destino. Essa etapa de processamento das pesquisas tem o objetivo de preparar as informações obtidas por meio da Pesquisa Origem / Destino Domiciliar realizada em 2007, para que sejam utilizadas nas fases do processo de modelagem da demanda de transportes. Na Região Metropolitana de São Paulo, a matriz de origem/destino foi construída a partir da Pesquisa Domiciliar realizada em 2007 pelo Metrô. Nela, os pesquisadores visitaram domicílios onde levantaram viagens que, expandidas, resultaram no total de 44,43 milhões de viagens diárias. O total de viagens em transporte público em duas horas no pico da manhã é de em 1158 zonas de transporte. Para a zona Oeste, a Oferta Operativa, compreendendo as linhas de transporte público coletivo e os parâmetros de operação (tipo de veículo, velocidade média, extensão do itinerário, Intervalo de partidas e tempo em terminais, entre outros), também foram incorporados ao trabalho. Baseando-se nas informações das linhas metropolitanas repassadas pela EMTU/SP e em complementação à rede viária, foram desenhadas as linhas no sistema EMME. Ao todo, 114 linhas foram analisadas dentro da rede de modelagem Fundamentando-se, ainda, nas Ordens de Serviço de Operação- OSO informadas pela EMTU/SP, foi possível definir a freqüência máxima na hora pico manhã, onde os resultados, carregados no modelo EMME, apresentam uma freqüência crítica no corredor para o trecho Osasco, com cerca de 113 veículos por hora no tramo mais carregado. Análise de demanda e oferta no Corredor Itapevi São Paulo (Butantã) Cenário 2007 Os carregamentos máximos de passageiros na hora pico da manhã, por sentido, nas linhas EMTU/SP ( figura 1) encontrados nos trechos representativos do corredor Itapevi São Paulo (Butantã) são: Trecho Terminal Itapevi Terminal Jandira: pass/h Terminal Jandira Terminal Barueri: pass/h Terminal Barueri Terminal Carapicuíba Sul (km 21): pass/h Terminal Carapicuíba Sul Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco): pass/h Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco) Terminal Vila Yara: pass/h Terminal Vila Yara Av. Jaguaré: pass/h Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h (não inclui SPTrans) Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h ( SPTrans)

4 Figura 1 Demanda atual na hora pico da manhã no eixo de transporte ( 2007) Análise de demanda e oferta no Corredor Itapevi São Paulo (Butantã) Com vista a definir as mudanças na rede de linhas da EMTU/SP no eixo, foi desenvolvida análise da demanda e oferta atual na área de influência do corredor estudado. Inicialmente foi definida a área de influência conforme a demanda das linhas metropolitanas que operam no eixo estudado. Nessa análise não estão incluídas as viagens da Linha 8 da CPTM. Na figura seguinte é possível visualizar as origens e destinos dos passageiros das linhas EMTU/SP na hora pico da manhã. É importante destacar a participação das viagens originadas em Osasco e Carapicuíba com destino às regiões de Alphaville e Pinheiros, o que parece lógico, considerando que são zonas não cobertas pela Linha 8. O quadro abaixo ilustra a demanda e oferta por município da área de influência. Demanda Município Linhas Osasco Zona central de SP e Pinheiros Carapicuíba SP e Alphaville Barueri Alphaville, Osasco e Sant. do Parnaíba Jandira Itapevi e Barueri Itapevi Barueri (viagens/hora/pico) Principais Destinos

5 Cenário de oferta e demanda de médio e longo prazo Cenário 2012 A rede do sistema de transporte coletivo do cenário de médio prazo, 2012, inclui as seguintes atualizações: CPTM: para a Linha 8, paralela ao eixo estudado, a previsão é de que a oferta passe de 7 para 5 minutos de intervalo; o Expresso Aeroporto e a Linha 10/ Expresso ABC também foram considerados nos estudos.. Metrô (88 km e 81 estações) - Linha 2: chegará até Vila Prudente, já integrada à Estação Tamanduateí da CPTM, com Ramal Vila Prudente a Oratório; Linha 4 - Haverá nova linha entre a Estação Luz e a Estação Butantã (Fase 1); Linha 5 - Haverá uma extensão do Largo Treze até a Estação Chácara Klabin. Na figura 2, apresenta-se o carregamento da rede em termos de passageiros na hora-pico da manhã no Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã). Os carregamentos máximos por sentido encontrados nos trechos representativos do corredor para as linhas metropolitanas ( EMTU/SP ) são: Trecho Terminal Itapevi Terminal Jandira novo trecho: pass/h Trecho Terminal Itapevi Terminal Jandira existente: pass/h Terminal Jandira Terminal Barueri : pass/h Terminal Barueri Terminal Carapicuíba Sul (km 21): pass/h Terminal Carapicuíba Sul Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco): pass/h Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco) Terminal Vila Lara: pass/h Terminal Vila Lara Av. Jaguaré: pass/h Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h (EMTU) Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h (Sptrans) Figura 2 Demanda na hora-pico da manhã das linhas EMTU/SP no eixo, ano 2012 Baseando-se na carga critica para cada linha, no município de Osasco, foi calculada a frequência crítica no corredor de 125 veículos por hora/sentido.

6 Cenário 2020 As premissas do ano 2012 para simular o ano 2020 foram incorporadas as seguintes mudanças: CPTM: a redução do intervalo na Linha 8 para 3 minutos, o que equivale a duplicar a oferta considerada no ano 2012; o Expresso Aeroporto incrementa oferta; terá um headway de 6 minutos; Metrô (144 km com 117 estações): a incorporação de linhas e estações adicionais do sistema do Metrô; Linha 2 está prevista a extensão da Estação Vila Madalena até Estação Cerro Corá; Linha 6 será estendida da Estação São Joaquim até Vila Prudente, conectando-se à Linha 2 e Linha 10/Expresso ABC; uma nova linha entrará em operação: Via Dutra - Água Espraiada que será integrada com as Linhas 5, 2, 6, 3, 1 e CPTM. Na figura 3, apresenta-se o carregamento da rede em termos de passageiros na hora-pico manhã no Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã). Os carregamentos máximos por sentido encontrados nos trechos representativos do corredor para as linhas metropolitanas ( EMTU/SP) são: Trecho Terminal Itapevi Terminal Jandira novo trecho: pass/h Trecho Terminal Itapevi Terminal Jandira existente: pass/h Terminal Jandira Terminal Barueri: pass/h Terminal Barueri Terminal Carapicuíba Sul (km 21): pass/h Terminal Carapicuíba Sul Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco): pass/h Rua Tancredo de Almeida Neves (Osasco) Terminal Vila Lara: pass/h Terminal Vila Lara Av. Jaguaré: pass/h Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h (EMTU) Av. Jaguaré Terminal Butantã: pass/h (Sptrans)

7 Figura 3 Demanda hora-pico da manhã das linhas EMTU/SP no eixo ano 2020 Melhorias sob o aspecto de infraestutura O Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã), de acordo com estudos de demanda e de avaliação de capacidade das vias, apresenta trechos que deverão sofrer melhorias viárias. Para esses trechos foram consideradas duas etapas de implantação: A primeira será a construção de um novo viário de ligação entre Itapevi e Jandira, de aproximadamente cinco quilômetros, na extensão da Avenida Feres Nacif Chaluppe, em Itapevi, seguindo a diretriz desenvolvida ao lado da ferrovia com interligação das Estações Itapevi, Eng Cardoso, Sagrado Coração e Jandira da CPTM. Essa obra promoverá a continuidade dos eixos viários existentes e possibilitará a implantação de um corredor de extrema importância para a região. Viabilizará, ainda, a troncalização do transporte coletivo sobre pneus e a integração das linhas de ônibus municipais, metropolitanas, trens metropolitanos e metrô. A inserção urbana dos sistemas projetados deve privilegiar o transporte público e a consolidação do tecido urbano, de forma adequada, contribuindo para requalificação do entorno. Deve priorizar a articulação entre os bairros lindeiros, por meio dos sistemas ferroviário e sobre pneus além da valorização dos espaços urbanos com a implantação de tratamento paisagístico, calçadas e ciclovias ( figura 3 ). A demanda de passageiros de ônibus é superior a na hora pico, o que implicou no projeto de um novo corredor que não só servirá para o transporte coletivo como para a organização do tráfego geral. O sistema terá duas faixas de tráfego por sentido, passeios e ciclovias, além de sete paradas de ônibus em baias já definidas, que possibilitarão o acesso a núcleos habitacionais locais e integração com as estações de trens da CPTM. Figura 3 - Detalhe de implantação do futuro Terminal Metropolitano Itapevi

8 Para a segunda etapa as melhorias físicas relacionadas à geometria ( figura 4), pontos de parada, terminais, viários, sinalizações, entre outras, foram sugeridas para cada município ao longo do Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo (Butantã), considerando a diretriz de consolidação do corredor. Os estudos demonstram que o corredor de ônibus, a partir do município de Carapicuíba, tende à construção de via segregada, com compartilhamento entre os sistemas metropolitano e municipal. Melhorias sob o aspecto Operacional Em busca da otimização do número de linhas em operação e da qualidade do serviço de transporte prestado à população, propõe-se um modelo de racionalização dos serviços através de sua troncalização. Desse modo, a proposta é a divisão das linhas em dois grandes grupos: troncal e alimentador. Em linhas gerais, as linhas troncais têm a função de garantir o deslocamento rápido dos usuários e as alimentadoras a acessibilidade dos passageiros ao corredor. A alternativa visa a diminuição da interferência negativa no sistema de transporte, com a concentração das linhas municipais no Terminais Metropolitanos e nas Estações de Transferência, além de coibir a interferência do tráfego geral na operação dos ônibus no corredor, propiciando viagens mais rápidas e confortáveis aos usuários. Figura 4 Configuração geométrica geral do Terminal km 21

9 Foram definidas as linhas do serviço troncal que farão as seguintes ligações: TRONCAL Troncal 1 Troncal 2 Troncal 3 Troncal 4 Troncal 5 Troncal 6 Troncal 7 Troncal 8 Troncal 9 LINHA Itapevi Butantã Itapevi Barueri Barueri Osasco Barueri Vila Yara Osasco Butantã Carapicuíba Sul Osasco Carapicuíba Sul Vila Yara Osasco Lapa KM 21 ( antiga estrada de Itu ) - Lapa Alimentadoras propiciarão acessibilidade ao corredor, por meio de oito Terminais de Integração. São eles: Itapevi, Jandira, Jardim Silveira, Barueri, Carapicuíba Sul, Carapicuíba Osasco, Vila Yara e Butantã. (Figura 5 ) Figura 5: Corredores Complementares

10 CONCLUSÃO O Plano de Expansão do Transporte Metropolitano é um programa do Governo do Estado de São Paulo que está investindo na melhoria da qualidade de vida, mobilidade e desenvolvimento da RMSP. A EMTU/SP é responsável pela implantação de vários projetos desse programa de Governo, sendo um deles o Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã). Outros sistemas serão instituídos, concomitantemente, como o,corredor Metropolitano Guarulhos - São Paulo (Tucuruvi), Corredor Metropolitano Diadema - São Paulo (Brooklin) e o Sistema Integrado Metropolitano, com a construção uma linha de VLT ( Metrô Leve) na Baixada Santista, ligando Santos a São Vicente. O Corredor Metropolitano Itapevi - São Paulo (Butantã) será executado em duas etapas. A primeira envolverá a construção de um viário de 4,8 km, interligando os municípios de Itapevi e Jandira, incluindo todos os aparelhos urbanos necessários como Terminais de Integração, Estações de Transferência e pontos de parada, além de ciclovias e bicicletários. A segunda etapa será a implantação do corredor a partir do Terminal de Barueri, com característica de corredor em canaleta segregada, construção dos aparelhos urbanos e remodelação dos viários inseridos na faixa do corredor. Esse corredor aumentará a eficiência do sistema de média capacidade de transporte coletivo; integrações físicas dos ônibus intermunicipais, municipais e rede metropolitana de alta capacidade ( CPTM ), melhoria da mobilidade urbana, com a integração dos diversos modais, melhora nos padrões de segurança, conforto e confiabilidade do sistema de transporte, maior velocidade operacional, reduzindo os tempos de viagens, promovendo ganhos ambientais com a redução da emissão de poluentes e a requalificação urbana no eixo do corredor. Focada sempre na qualidade de vida dos usuários de ônibus, a EMTU/SP busca o continuo aperfeiçoamento dos sistema de transporte metropolitano, visando a melhoria do conforto, da segurança e da mobilidade urbana dos passageiros. O Corredor Metropolitano Itapevi São Paulo (Butantã) atende essas diretrizes da empresa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS OD 07 (2007). Pesquisa Origem e Destino Companhia do Metropolitano de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. PITU (2004). Plano Integrado de Transportes Urbanos. Secretaria dos Transportes Metropolitanos. São Paulo, SP, Brasil. Plano da Rede de Transporte de Média Capacidade da Sub-região Oeste da RMSP (2004). Secretaria dos Transportes Metropolitanos. São Paulo, SP, Brasil

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ

METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ METRÔ DE SÃO PAULO EXPANSÃO 2012-2030 ALBERTO EPIFANI Gerente de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos - METRÔ SÃO PAULO 13//06/2012 Expansão 2012-2030 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012

EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 EVOLUÇÃO DAS VIAGENS COM UTILIZAÇÃO DE METRÔ E TREM METROPOLITANO RESULTADOS DA PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 Maria Cecilia Masagão Andreoli de Oliveira 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM novembro/2008 Região Metropolitana da Grande São Paulo 39 municípios 19,7 milhões

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM

Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Projetos de Expansão e Modernização da CPTM Jun/2012 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Diretor de Planejamento e Projetos Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968; Hoje, o Metrô de São Paulo possui

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC

MOBILIDADE URBANA. Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC MOBILIDADE URBANA Mauricio Muniz Barretto de Carvalho Secretário do PAC O QUE O GOVERNO FEDERAL JÁ FEZ Sanção da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) Desoneração das tarifas do transporte

Leia mais

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo

Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo 0 Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo RMRP 34 municípios 1,6 milhões hab. 167 municípios 40.174,05 km 2 31,0 milhões de habitantes PIB de R$ 1,136 trilhões 78,19% do PIB do Estado e 32,1% do

Leia mais

VLT: oportunidades de implantação

VLT: oportunidades de implantação b VLT: oportunidades de implantação 12 de novembro de 2009 Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro Coordenador de Planejamento e Gestão Secretaria dos Transportes Metropolitanos PITU: Regiões Metropolitanas Região

Leia mais

SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014

SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014 SIM Sistema Integrado Metropolitano da Baixada Santista maio/2014 1 Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS 9 Municípios População fixa: 1,8 milhão de habitantes 1 População nas férias: cerca de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária O BNDES e a Mobilidade Urbana Setembro/2014 Contextualização A taxa de motorização no Brasil cresceu de 14 carros / 100 habitantes em 2001 para 26 carros / 100

Leia mais

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO METRÔ LINHA 4 BARRA DA TIJUCA-IPANEMA A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é a maior obra de infraestrutura urbana em execução na América Latina. METRÔ

Leia mais

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos

Trens Regionais e Turísticos. João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos Trens Regionais e Turísticos João Paulo de Jesus Lopes Secretaria dos Transportes Metropolitanos O início Decreto nº 55.564, de 15 de março de 2010 amplia as atribuições da STM e permite que atue no transporte

Leia mais

CONCORRÊNCIA EMTU/SP N o 017/2013. Anexo 04 DIRETRIZES DE RACIONALIZAÇÃO OPERACIONAL (GERAL E VLT) Anexo 04

CONCORRÊNCIA EMTU/SP N o 017/2013. Anexo 04 DIRETRIZES DE RACIONALIZAÇÃO OPERACIONAL (GERAL E VLT) Anexo 04 CONCORRÊNCIA EMTU/SP N o 017/2013 Anexo 04 DIRETRIZES DE RACIONALIZAÇÃO OPERACIONAL (GERAL E VLT) Anexo 04 1 INTRODUÇÃO Este Anexo apresenta as Diretrizes de Racionalização Operacional (GERAL E VLT) da

Leia mais

ALTERNATIVAS DE MOBILIDADE PARA O RECIFE

ALTERNATIVAS DE MOBILIDADE PARA O RECIFE BRT MONOTRILHOS VLT ALTERNATIVAS DE MOBILIDADE PARA O RECIFE Objetivo: ALTERNATIVAS DE MELHORAR A MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Meios: 1.Priorizar o transporte público de qualidade

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos.

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Autores: Angelique Joseli de Oliveira 1 ; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Rio Metropolitano Jorge Arraes 09 de julho 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito

SP 09/94 NT 184/94. Volume das rodovias de acesso e saída da capital. Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito SP 09/94 NT 184/94 Volume das rodovias de acesso e saída da capital Engº Fernando G. Gonçalves Salvador Engº Marcos Vinicius Brito O crescimento populacional no município de SP, aliado a outros fatores

Leia mais

2.) INTRODUÇÃO. 2.1) Objeto do Licenciamento. O Aeroporto de Congonhas

2.) INTRODUÇÃO. 2.1) Objeto do Licenciamento. O Aeroporto de Congonhas 2.) INTRODUÇÃO 2.1) Objeto do Licenciamento O presente documento apresenta o projeto de implantação da Linha 17 - Ouro que contempla o Trecho Aeroporto de Congonhas Estação Morumbi da Linha 9 - Esmeralda,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU

LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU LOTEAMENTO CA URBANISMO BAURU RELATÓRIO DE IMPACTO VIÁRIO CA URBANISMO SPE LTDA. JUNHO / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2 TOPOGRAFIA...6 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

M T E RO R P O A P S A S

M T E RO R P O A P S A S Política Tarifária e Aspectos SISTEMA Tecnológicos da Bilhetagem Eletrônica METROPASS 10a. Semana de Tecnologia Metroviária Setembro 2004 SISTEMA ATUAL DE ARRECADAÇÃO Bilhetes Edmonson 30 anos de operação

Leia mais

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger

Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica. Frederico Bussinger Infraestrutura Logística para otimização da cadeia farmacêutica Frederico Bussinger BRASIL NO MUNDO LOGÍSTICA: FATOR CRÍTICO DE SUCESSO Área > 4 mi Km 2 População > 100 mi Paquistão USA Bangladesh China

Leia mais

Macro. Localização. Corredor T5. Terreno. Taquara. Largo da Taquara Pechincha. Freguesia. Curicica Cidade de Deus. Anil. Camorim.

Macro. Localização. Corredor T5. Terreno. Taquara. Largo da Taquara Pechincha. Freguesia. Curicica Cidade de Deus. Anil. Camorim. Realização Localização Localização Macro Taquara Largo da Taquara Pechincha Terreno Freguesia Curicica Cidade de Deus Linha Amarela Anil Camorim Av. Emb. Abelardo Bueno Itanhangá Avenida das Américas Recreio

Leia mais

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Municípios: 14 População: 3.690.547 hab Área: 2.768,45 km 2 ARAÇOIABA SÃO LOURENÇO DA MATA MORENO 49.205 189 90.402 277 15.108 90 CABO DE SANTO AGOSTINHO

Leia mais

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto Seminário Pavimentos Urbanos Pavimentos de Concreto nas Cidades: A solução para as vias de tráfego intenso, em especial os corredores de ônibus A experiência da EMTU no emprego do pavimento de concreto

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Major Events Grandes Eventos 2013 Copa das Confederações 2013 Jornada Mundial da Juventude Católica 2014 Copa do Mundo de Futebol 2016 Jogos Olímpicos Soluções de Mobilidade para

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF PENSAR BRASÍLIA TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo Brasília/DF, 30 de agosto de 2012 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO PARA O DISTRITO FEDERAL Postura de Estado. Visão > Eixo de Desenvolvimento

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão

MOBILIDADE URBANA. Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão MOBILIDADE URBANA Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão MOBILIDADE URBANA RECURSO DISPONÍVEL 143 bilhões ANTES DO PACTO R$ 93 bilhões 62% das obras concluídas ou em execução

Leia mais

CAPACIDADE DE TRANSPORTE POR MODO

CAPACIDADE DE TRANSPORTE POR MODO CAPACIDADE DE TRANSPORTE POR MODO Antonio Maria Claret dos Reis Andrade Brazil Itirou Atobe 28/09/2.014 INTRODUÇÃO A quantificação de capacidade máxima de cada modo de transporte e carregamento de cada

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

TEMA: SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES

TEMA: SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES TEMA: SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES CIDADES SUSTENTÁVEIS: COMO O TRANSPORTE URBANO PODE SER INSTRUMENTO DO DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES E DE FORMA SUSTENTÁVEL? SUSTENTABILIDADE SUSTAINABILITY

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d

A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera frente ao O O por segmentos da população O O ao longo do dia O O por motivos de viagem O O por regiões d 15ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA TRANSPORTE COLETIVO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A RECUPERAÇÃO DO MODO COLETIVO FRENTE AO MODO INDIVIDUAL A A Pesquisa Origem e Destino O O se recupera

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

ÍNDICE. PITMUrb & MetrôPOA. Expansão da Linha 1. Aeromóvel. Aquisição de Frota. Modernização Estações. Expansão Sapiranga

ÍNDICE. PITMUrb & MetrôPOA. Expansão da Linha 1. Aeromóvel. Aquisição de Frota. Modernização Estações. Expansão Sapiranga INVESTIMENTOS 2011 1 2 3 4 PITMUrb & MetrôPOA Expansão da Linha 1 Aeromóvel Aquisição de Frota ÍNDICE 5 6 7 8 Modernização Estações Expansão Sapiranga Passagem Subterrânea do Trem em Canoas Expansão Comercial

Leia mais

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva*

O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* O que esta acontecendo com a Região Metropolitana de São Paulo Análise Socioeconômica Carlos Paiva* Com a divulgação da Pesquisa da Mobilidade de São Paulo, com dados de 2012 (OD 2012) pelo Metrô-SP, torna-se

Leia mais

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo)

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo) CUSTOS COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE TRANSPORTE Nestor S. Tupinambá set/2004 1 COMPARAÇÃO DOS DIFERENTES MODOS Vamos usar dados dos seguintes Metrôs - Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica Porto Maravilha Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Aeroporto Santos Dumont Oceano Atlântico 2 km Maracanã 5 km Pão de Açúcar Corcovado 7 km 6 km Copacabana 8 km Perímetro Porto

Leia mais

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições.

A proposta da criação do Anel Ferroviário surgiu, basicamente, em função destas citadas condições. Mesmo a construção mais recente do ramal Paratinga-Perequê, interligando as linhas da Ferroban e da MRS, tornou a primeira cativa dos serviços operacionais da MRS para os acessos às margens direita e esquerda

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013

Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar. Dezembro de 2013 Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE 2012 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010

NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010 COMPANHIA CEARENSE DE TRANSPORTES METROPOLITANOS NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2010 O PROJETO METROFOR O PROJETO METROFOR Linha Sul 24,1 km - 3,9 km Subterrâneo - 2,2 km Elevado - 18,0 km Superfície Linha de Carga

Leia mais

Cidade Compacta. Diagonal Norte. Carandiru-Vila Maria. Água Branca. Lapa-Brás. Lapa-Brás Celso Garcia Centro. Vila Leopoldina. Rio Verde.

Cidade Compacta. Diagonal Norte. Carandiru-Vila Maria. Água Branca. Lapa-Brás. Lapa-Brás Celso Garcia Centro. Vila Leopoldina. Rio Verde. Repensar a cidade Diagonal Norte Cidade Compacta Vila Leopoldina Lapa-Brás Água Branca Carandiru-Vila Maria Lapa-Brás Celso Garcia Centro Rio Verde Vila Sonia Faria Lima Mooca-Vila Carioca Made by: SMDU/ATOU

Leia mais

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU

LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU LOTEAMENTO GRAN FLORATTA RESIDENCIAL BAURU ESTUDO DE IMPACTO NO TRÁFEGO Loteamento Fazenda Flores SPE Ltda ABRIL / 2015 1 INDICE INTRODUÇÃO...2 1. EMPREENDIMENTO...3 1.1 ATIVIDADES E DIMENSÕES...3 1.2

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Como Acelerar a Implantação dos Empreendimentos Metroferroviários Vicente Abate Diretor Comercial ANPTrilhos Brasília,

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE

ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE ANEXO V INDICADORES DE DESEMPENHO E QUALIDADE VOLUME II INDICADORES DE DESEMPENHO Sumário 1. Indicadores de Desempenho... 3 1.1. Intervalo entre Trens (INT)... 3 1.2. Tempo Médio de Percurso nos Picos

Leia mais

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP

Uma Visão METROPOLITANA. Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Uma Visão METROPOLITANA Luiz Augusto Baggio Diretor Executivo Agência Metropolitana de Cam pinas AGEMCAMP Estado de São Paulo RMC Região Metropolitana de Campinas Lei Complementar 870 de 19 de junho de

Leia mais

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a).

Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Anexo A 96 DIRECTIVIDADE ATRATIVIDADE CONFORTO COERÊNCIA SEGURANÇA Critérios de avaliação das rotas cicláveis Fonte: I-CE & GTZ (2009); MINISTÉRIO DAS CIDADES, (2007a). Nível de segurança social do entorno

Leia mais

FIESP WORKSHOP DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES

FIESP WORKSHOP DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES FIESP WORKSHOP DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES Expansão das ferrovias: modelagem e projetos em São Paulo São Paulo, 28 de Julho de 2016 Índice 1. EDLP 2. Contrail Logística 3. Trens Intercidades (TIC) 4. Faixa

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE SP SETEMBRO 2014 ANTECEDENTES CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 182/183 > CONDICIONAM O DIREITO DE PROPRIEDADE A SUA FUNÇÃO SOCIAL INSTRUMENTOS PARA CUMPRIR FUNÇÃO SOCIAL DA

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010

Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo. Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Tratamento de esgotos na Região Metropolitana de São Paulo Seminário Saneamento na Rede Rio de Janeiro 19/05/2010 Índice de Atendimento Sabesp Abastecimento de Água 1994 95% 2001 100% 2010 Final de 2010

Leia mais

EM ENGENHARIA URBANA E AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PUC-RIO -PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

EM ENGENHARIA URBANA E AMBIENTAL DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PUC-RIO -PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO FORUM DE DEBATES SOBRE A GOVERNANÇA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO SEAERJ ANÁLISE SISTÊMICA DOS TRANSPORTES URBANOS : TREM METROPOLITANO, METRÔ, RODOVIÁRIO-BRT E AQUAVIÁRIO MOBILIDADE NA REGIÃO

Leia mais

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS Instituto de Engenharia Introdução quem é a EMTU/SP Estrutura Organizacional EMTU/SP responsabilidades Gerenciamento do sistema de transporte público intermunicipal

Leia mais

POLÍTICA DE MOBILIDADE

POLÍTICA DE MOBILIDADE POLÍTICA DE MOBILIDADE POLITICA DE MOBILIDADE + PRIORITÁRIO 1º PEDESTRES ACESSO À CIDADE 2º CICLISTAS PRIORIDADES: 3º TRANSPORTE PÚBLICO TRANSPORTE COLETIVO - PRIORITÁRIO 4º 5º TRANSPORTE DE CARGA AUTOMÓVEIS

Leia mais

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014

Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 2014 Programa de Investimentos da EMTU e Atendimento à Copa do Mundo 214 Mapa do Transporte Metropolitano Rede 214 Fonte: STM EMTU PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 211-214 - EMTU Corredor

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho:

Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho: Propostas referentes ao incentivo do rio como caminho: Remodelação das calçadas e ruas lindeiras. Propostas referentes à conservação da paisagem: Remoção das palafitas, melhoria das vias de pedestres incluindo

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO ACE Associação Comercial Empresarial de Guarulhos 25/Outubro/2013 MISSÃO: Promover e gerir o transporte intermunicipal de baixa e média capacidades para passageiros

Leia mais

RELATÓRIO TARIFÁRIO - RMSP

RELATÓRIO TARIFÁRIO - RMSP EXTENSÃO ABC COMUM 195 - - SAO BERNARDO DO CAMPO (TERMINAL METROPOLITANO FERRAZOPOLIS)- DIADEMA (TERMINAL METRO 13,096 3,90 - - 3,90 - - ABC COMUM 195 201 - Integração com 1 AZUL DO METRO - SAO BERNARDO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES ANEXO I: Introdução ao Sistema Integrado de Transporte Público. Coletivo de Passageiros

SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES ANEXO I: Introdução ao Sistema Integrado de Transporte Público. Coletivo de Passageiros ANEXO I: Introdução ao Sistema Integrado de Transporte Público Coletivo de Passageiros 1 Introdução 2 Contexto Urbano 3 Considerações do Transporte Coletivo na RMSP 4 O Transporte Público Coletivo e o

Leia mais

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Outubro de 2013 Formas de Atuação Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES EMPRESÁRIO Informação e Relacionamento Instituição

Leia mais

1

1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da concessão, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA ANEXO III CORREDORES EXCLUSIVOS CORREDORES EXCLUSIVOS, definidos na Figura 3 Sistema de Transporte Coletivo, são vias dotadas de pistas exclusivas para a circulação dos ônibus, localizados no eixo central

Leia mais

Aspectos das vias principais

Aspectos das vias principais Aspectos das vias principais ALMIRANTE BARROSO CENTRO AUGUSTO MONTENEGRO INDEPENDÊNCIA Estrutura viária legal Circulação viária FROTA DE BELÉM ALMIRANTE BARROSO Circulação viária - Pico da manhã Carregamento

Leia mais

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO

O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO O TREM DE ALTA VELOCIDADE E A CIDADE DE SÃO PAULO APRESENTAÇÃO SMT NOVEMBRO / 2010 RT DT/SPT 085/10 Laurindo Junqueira 11 3396.7820 laurindojunqueira@sptrans.com.br TREM DE ALTA VELOCIDADE 41 CIDADES ATENDIDAS

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS Compreendendo que, Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras

Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras Por Mateus Araújo Maia A expansão do meio urbano tem sido um fator desafiador para que a mobilidade seja desenvolvida afim de que

Leia mais

2. La success story Citadis. as soluções da Alstom para transporte de média capacidade nas cidades brasileiras

2. La success story Citadis. as soluções da Alstom para transporte de média capacidade nas cidades brasileiras 2. La success story Citadis as soluções da Alstom para transporte de média capacidade nas cidades brasileiras era uma vez uma cidade... Onibus Pphpd > 5000 Onibus Pphpd < 5000 Periferia 1 Onibus Pphpd

Leia mais

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana

Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Mobilidade Urbana Superintendência de Serviços de Transportes de Passageiros Gerência de Regulação e Outorga de Estrutura da Apresentação

Leia mais

APEOP Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas Programa de investimentos

APEOP Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas Programa de investimentos APEOP Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas Programa de investimentos 2012 ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal

Leia mais