FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM ARTE E EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM ARTE E EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA FGF PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES EM ARTE E EDUCAÇÃO A OBRIGATORIEDADE DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO MARCIA MARIA CARLOS Fortaleza CE 2012

2 MARCIA MARIA CARLOS A OBRIGATORIEDADE DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciado em Arte-Educação, do Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes em Arte-Educação da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Orientador: Prof. Ms. Vicente de Lima-Neto Fortaleza CE 2012

3 Monografia submetida ao Programa Especial de Formação Pedagógica de Docentes em Arte-Educação, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Licenciado em Arte-Educação, outorgado pela Faculdade Integrada da Grande Fortaleza-FGF. Marcia Maria Carlos Professor Orientador: Ms. Vicente de Lima-Neto Nota obtida: Monografia aprovada em: / /

4 DEDICATÓRIA A Deus por demonstrar inúmeras vezes sua bondade e presença em minha vida. Pela luminosidade imprimida em minha mente, proporcionando-me inteligência suficiente para a conclusão deste curso, minha eterna gratidão. Dedico à minha família, que são os maiores responsáveis pelo que sou hoje. Aos meus pais, que sempre estiveram ao nosso lado, servindo de alicerce, por serem sinônimo de simplicidade e união..

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a DEUS pela força para continuar apesar do cansaço e sobrecarga de atividades e por nos conceder a vida. Agradeço também pela saúde, pela proteção e por nos dar forças e coragem para não desanimar no meio do caminho. Agradeço a família pelo apoio, pela força e acima de tudo por sempre estarem presentes nas nossas vidas, nos guiando durante esse tempo no qual pudemos contar. Agradeço aos amigos por ter nos ajudado a superar as dificuldades, preocupações, nervosismo, e até mesmo o desanimo. A TODOS, meu muito Obrigada!

6 O único homem que educa é aquele que aprendeu como aprender; que aprendeu como se adaptar e mudar; que se capacitou de que nenhum conhecimento é seguro, que nenhum processo de buscar conhecimento oferece uma base de segurança. Carl R. Rogers.

7 RESUMO Nas escolas, o ensino das Artes em muitas ocorrências deixam muito a desejar, pois é desenvolvida de forma aleatória, sem tanto compromisso como nas demais disciplinas. As escolas deveriam tomá-la como um instrumento mais eficaz e prazeroso na construção do conhecimento, já que a mesma possui uma história de vida, e através dela se desenvolve as mais variadas formas de expressão humana. Portanto, o presente trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória, didáticopedagógica, na qual teve a intenção de contribuir para a compreensão da função da música, que está incluída na disciplina de Artes, nas séries iniciais do Ensino Fundamental, tendo como temática a Lei de 2008, que torna obrigatório o ensino da música. Deste modo, o objetivo deste estudo é de verificar se uma instituição de ensino está realizando a emenda musical de forma que os alunos aprendam a musicalização. A justificativa deste trabalho é pelo fato da música ser de suma importância para o aprendizado do aluno, porém para que isso ocorra os professores devem utilizar os recursos pedagógicos de forma apropriada, fazendo assim com que os alunos expressem sua imaginação, facilitando a aprendizagem. Palavras-chaves: Música, Aprendizagem, Metodologias

8 ABSTRACT In schools, the teaching of the Arts in many instance leave much to be desired as it is developed randomly without much commitment as in other disciplines. Schools should take it, as a more effective and enjoyable tool in the construction of knowledge, since it has a life story, and it develops through the various forms of human expression. Therefore, this work is the result of an exploratory research, teaching, educacional, which was intended to contribute to understanding the function of music, which is included in the discipline of Arts, in the early grades of elementary school, taking as its theme the law 11,769 of 2008, mandating the teaching of music. Thus, the objective of this study is to determine whether an educational institution is performing the musical seam so that students learn music, this work is justified because the music is very important for student learning, but so that this can occur, teachers must use teaching resources properly, thus causing students to express their imagination, bringing ease of learning. Keywords: Music, Learning, Methodologies

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO II HISTÓRIA DA MÚSICA A MÚSICA NO BRASIL O ENSINO DAS ARTES E DA MÚSICA O ENSINO DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O PROFESSOR DE ARTES QUANTO AO ENSINO DA MÚSICA A MÚSICA COMO PROCESSO DE MOTIVAÇÃO E DE APRENDIZAGEM CAPÍTULO III METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA PROCEDIMENTO METODOLÓGICOS CONSTRUÇÃO DOS DADOS UNIVERSO DE ANÁLISE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO A QUESTIONÁRIO - PROFESSORES ANEXO B PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ÁREA ARTES VISUAIS... 50

10 LISTA DE ABREVIATURAS ABEM LDB PCNs SEED UNICEF Associação Brasileira de Educação Musical Lei de Diretrizes e Bases Parâmetros Curriculares Nacionais Secretaria de Estado da Educação do Paraná Fundo das Nações Unidas para a Infância

11 10 INTRODUÇÃO Estamos vivendo na era do desenvolvimento de novas tecnologias, revolucionando o modo com que estamos acostumados a viver e pensar, deste modo, não seria diferente nas escolas, onde neste novo ambiente educadores e educandos descobrem o mundo de maneira espontânea, sem as imposições da pedagogia tradicional. Pensando desta forma, pode-se utilizar diversos recursos para se despertar o prazer e a motivação dos alunos. A história da humanidade vem sendo relatada através da arte, a qual sempre esteve presente em todas as formas culturais, desde a época da préhistória, onde o homem desenhou um bisão na caverna, aprendendo de algum modo seu ofício. Da mesma maneira, ensinou para alguém o que aprendeu, nos mostrando que o ensino da arte faz parte de valores estabelecidos em cada ambiente cultural, na qual envolve a produção artística em todos os tempos (PCN, 1998). A música faz parte de nossa vida, pois vivemos rodeados de sons intercalados com o silêncio. Os silêncios tornam significativos esses sons, na medida das nossas experiências, da nossa interação e da convivência com o meio. Segundo Hummes (2004), a escola é parte importante da sociedade, onde os jovens têm a oportunidade de focar o mundo em que vivem, estabelecendo relações entre vários conhecimentos, assim sendo, é de fundamental importância o ensino da música nas escolas, pois ela desenvolve a criatividade, tornando o processo de aprendizagem mais fácil. Poucas pessoas possuem uma noção correta de que vem a ser educação musical, e qual é o seu papel na educação formal dos indivíduos, Portanto, ela deve ser realizada de maneira lúdica, em forma de projetos integrados com outras disciplinas, tendo respauto da Lei de 2008, que torna obrigatório o ensino da música na educação básica. A motivação dos alunos representa sempre a elaboração de novas formas de aprendizagem, ou seja, novas maneiras de se ensinar, fazendo-se

12 11 da música um instrumento de grande conteúdo, uma metodologia onde o aluno pode aprender de forma fácil e prazerosa, porém não se deve restringir a música como metodologia de recreação, datas comemorativas, hora do lanche, dentre outras ocasiões que são utilizadas. Nas escolas, a música não deve ser uma disciplina exclusiva, mas sim parte integrante do ensino de Artes, sendo ela trabalhada de forma interdisciplinar, ou seja, será que esta disciplina está sendo bem desempenhada? Será que temos profissionais qualificados? Portanto, à partir da Lei , há preocupação do ensino da música nas séries iniciais do Ensino Fundamental, principalmente com a formação musical desses professores, ou seja, como os conteúdos musicais devem ser incluídos em suas atividades pedagógicas. Deste modo, este estudo se justifica, pois a música traz uma expressão de sentimentos de prazer e de bem estar físico, mental e social, fazendo com que os alunos aprendam a se ordenar, sicronizar, desenvolver habilidades musicais, adquirir a imposição da voz e sua linguagem, onde as instituições de ensino devem cumprir a lei, na qual estabeleceu o prazo do ano de 2011, para que todas as escolas do ensino fundamental, se adaptem para esse recurso de modalidade da educação musical. Com base nessa argumentação, o objetivo principal deste estudo é de averiguar se uma institução de ensino está realizando o ensino musical de forma que os alunos aprendam a musicalização. Acredita-se que este estudo possa auxiliar significativamente os professores de artes, pois fará com que haja contribuição para a compreensão da função da música nas séries iniciais da educação básica. O estudo foi realizado durante o primeiro bimestre do ano de 2012, nas turmas de 5ª a 8ª séries, de um colégio da rede particular, da cidade de Terra Rica, estado do Paraná, revendo as metodologias adotadas pelo professor de Artes Visuais que deveria ter conhecimento na área musical. No capítulo II, veremos um breve histórico da música, nos mostrando que ela esteve presente em todos os momentos da vida humana, esclarecendo a sua importância, desde o período da pré história até os tempos atuais. Através dela podemos conhecer novas culturas, valores, desenvolver habilidades, tornando o indivíduo em um cidadão mais crítico e participativo. Além disso, será abordada a importância da Arte em suas colocações, como:

13 12 arte musical, teatral, dança e artes visuais, dentre outros, sendo que através destes processos há um amplo subsídio para a criatividade e aprendizagem dos alunos, dando maior ênfase para a musicalização, no qual a Lei /08 veio contribuir para uma educação musical de qualidade, onde não se pretende criar músicos profissionais, mas sim preparar o aluno para a musicalização, ou seja, organizar e relacionar expressivos sons e silêncios de acordo com princípios de ordens, realizando assim o entendimento da arte musical. Também será abordado a música como processo de motivação para a aprendizagem. No capítulo III, veremos a metodologia utilizada para a realização deste estudo, os procedimentos metodológicos a construção dos dados e uma breve análise da instituição de ensino em estudo. No capítulo IV, desenvolvemos a análise de nossos dados e, por fim, teremos as considerações finais do trabalho realizado. Portanto, os objetivos almejados com este estudo consistem em diagnosticar se o ensino da musicalização está sendo coerente com a Lei , ou seja, como a música está sendo trabalhada na escola, bem como ela pode influenciar na vida do aluno, e qual o perfil adequado de um bom profissional para o ensino da música, pois se pretende demonstrar o quanto a musicalização é rica e tem muito a ser explorada, porém deve-se ter consciência da sua importância e endendê-la como um instrumento de aprendizagem que possibilita a formação de um cidadão.

14 13 CAPÍTULO II HISTÓRIA DA MÚSICA A música é uma linguagem universal, presente na história da humanidade desde as primeiras civilizações, onde foi utilizada em rituais como forma de expressão de alegrias e de tristezas, pois cantavam e dançavam para exteriorizar suas emoções. Há inscrições e desenhos de instrumentos musicais nas cavernas, como flauta feita de ossos e outros índices que nos mostram que a música foi praticada pelo homem há muito tempo atrás. Segundo Martins (1998, p.06) a busca do conhecimento é uma das mais importantes características dos seres humanos, provavelmente a mais importante. Em todas as civilizações, em todas as sociedades, em diferentes épocas ou períodos [...], assim podemos destacar a música como um dos mais incríveis tipos de conhecimento que os humanos conseguiram decobrir. O homem primitivo produzia ruídos e sons, tendo como princípio o corpo humano, como a garganta, a boca, o estalar dos dedos, palmas, até que braços e pernas acabaram produzindo uma música corporal rítmica, também imitavam a natureza que os cercavam, criando nomes para as coisas, depois aprenderam a falar e puderam comunicar-se, entoar cânticos na guerra, na paz, na alegria e na dor. Portanto, eram monódicos ou monófonos 1, cantavam através dos gritos-simbólicos, onde imitavam os animais realizando uma melodia. (FREDERICO, 1999). Os cantos mágicos eram ensinados para as outras gerações, na qual tinham o intuito de cantar para a paz e para a guerra, para pedir a chuva ou seca, contra epidemias, pertubações mentais, mordidas de serpentes ou qualquer outra doença. (GRANJA, 2006). Os instrumentos sonoros construídos foram inventados a partir de instrumentos que eles utilizavam no seu dia-a-dia, como o arco de madeira, que servia para arar a terra, virou um arco ritual e depois a Lira, o recipiente se transformou em vaso de sacrifício, depois em tambor, sendo utilizado em 1 Monódica ou monófono melodia de uma só voz, ou uníssona, sem harmonização.

15 14 cerimônias não tendo intúito de prazer, e sim como arma para acalmar a ira dos inimigos superiores. Podemos classificar os instrumentos música is primitivos como: Idiófonos feitos com material que por si só produzem som. Nao têm cordas ou peles esticadas. Um simples pedaço de madeira vira uma placa do futuro Xilofone. Membranófonos também são de percussão mas têm uma peleo esticada, num crânio humano ou num vaso. Cordófonos têm cordas esticadas. Podiam ser de tripas de macaco ou de baleia. Aerófonos - a flauta (de cana, osso humano ou chifre de veado) e a Trombeta (feita de madeira e uma concha de caracol domo boquilha). (FREDERICO, 1999, p.09 grifo do autor). Já na civilização grega a linguagem musical era obrigatória na educação, sendo considerada fator fundamental na formação do cidadão, pois para os gregos a música educa, aprofunda e refina as idéias, os sentimentos e as expressões do ser humano, havendo assim uma profunda preocupação pedagógica, sendo importante tanto quanto a filosofia e a matemática, com o desenvolvimento do pensamento grego, a disciplina musical foi ampliada passando a incluir poesia e letras, há índices de que já havia orquestras naquela época, Pítágoras de Samos, filósofo grego da Antiguidade, ensinava determinados acordes musicais e certas melodias que criavam reações definidas no organismo humano. (MARTINS, 1998, p.07). Para os Romanos, a música era tida apenas como um acompanhamento dos festins e teatros. Era vista mais pelo lado lúdico, não possuía um sentido ético, mas influenciou na formação dos cantos da igreja. Durante a Idade Média a música era destinada ao serviço de culto, tinha um grande sentido social, crescendo sua importância chegando as universidades ao lado de disciplinas como aritmética, geografia e astronimia. Porém, sofria influência da música hebraica e dos cantos populares romanos, sendo realizada segundo as técnicas musicais dos gregos. (MARTINS, 1992). No século VI, o Papa Gregório Magno criou uma reforma nos cultos, atingindo o "cantochão 2 " que foi submetido a normas bem definidas de 2 Cantochão é a denominação aplicada à prática monofônica de canto utilizada nas liturgias cristãs, originalmente desacompanhada. Canto tradicional da Igreja, também chamado canto gregoriano, por ter sido coordenado, completado e fixado por São Gregório, o Grande. (WIKIPÉDIA).

16 15 composição e execução passando a ser chamada de "canto gregoriano" em homenagem ao Papa. Com o Renascimento surge uma nova era na música ocidental, considerada uma grande paixão do homem deste tempo. O gosto pelo luxo e a vida sossegada leva ao desenvolvimento da música recreativa: a canção e cançoneta 3 eram formas mais simples, enquanto o madrigal, mais requintado, o preferido pelas classes da nobreza. Aos poucos a música vai se desenvolvendo, se aperfeiçoando cada vez mais. No final do século XVI surgem os corais, enriquecendo a música instrumental, tornando-a bem estruturada, onde neste período o ensino da música fica cada vez mais acessivel às crianças e aos jovens, tal como na Grécia antiga. Lutero dizia que a música governa o mundo e apregoava sua nivelação à filosofia e às ciências nas escolas públicas. (ROSA, 1990, p.14). A música Barroca surgiu com a ópera no século VXIII, tendo como marco final a morte de Johann Sebastian Bach 4 em 1750, sendo ele, um génio que abriu amplos panoramas para a música do mundo moderno, surgindo formas já amadurecidas como: a sinfonia e a sonata. Neste período a música se caracteriza pelas formas bem estruturadas, denominadas formas puras, retratavam a dramacidade dos conflitos entre corpo e alma presentes, as grandes paixões estavam presentes nas obras que expressavam os conflitos relacionados aos mistérios da vida e da morte, da fé, do amor e dos dilemas humanos, como ambição, vaidade, ciúme e amor, poder, etc., na cultura européia daquela época é considerado pelos estudiosos um dos movimentos mais importantes, revolucionários e influentes da música ocidental. 3 Cançoneta - pequena canção, de assunto ligeiro ou mordaz, posta em música. (INTERNET). 4 Johann Sebastian Bach, nascido em uma família de longa tradição musical, cedo mostrou possuir talento e logo tornou-se um músico completo. Estudante incansável, adquiriu um vasto conhecimento da música europeia de sua época e das gerações anteriores. Desempenhou vários cargos em cortes e igrejas alemãs, mas suas funções mais destacadas foram a de Kantor da Igreja de São Tomás e Diretor Musical da cidade de Leipzig, onde desenvolveu a parte final e mais importante de sua carreira. Absorvendo inicialmente o grande repertório de música contrapontística germânica como base de seu estilo, recebeu mais tarde a influência italiana e francesa, através das quais sua obra se enriqueceu e transformou, realizando uma síntese original de uma multiplicidade de tendências. Praticou quase todos os gêneros musicais conhecidos em seu tempo, com a notável exceção da ópera, embora suas cantatas maduras revelem bastante influência desta que foi uma das formas mais populares do período Barroco.

17 16 Atualmente temos vários estilos musicais, onde podemos destacar o hiphop, sendo este um movimento cultural que nasceu no século XX, no Bronx, em Nova Iorque, em uma das regiões mais atingidas pela grande crise social nos Estados Unidos, assim, surgindo uma alternativa para os jovens excluídos. Deste modo, os jovens promoviam festas comunitárias nas ruas com atividades culturais e artísticas, expressando assim a situação de exclusão e miséria pela qual passavam, e buscando transofrmar a realidade. (POSITIVO, 2010). Juntamente com o hip-hop, vem o hap, na qual o termo vem do inglês rhythm and poetry, ritmo e poesia, na qual também está relacionada com os problemas sociais, não apenas relatando críticas, mas propondo soluções. Suas caracteríticas são marcadas pelo bumbo e pela caixa, e as letras reflexivas, e seu vocabulário é sempre em gírias. Portanto, existem muitas teorias sobre a origem e a presença da música na cultura humana, onde a linguagem musical é interpretada, entendida e definida de várias formas nas diversas épocas e culturas, dependendo da forma de pensar, com valores e concepções estéticas vigentes, fazendo parte do cotidiano do homem e sua evolução, sendo ela uma das formas mais importantes, pois expressa as sensações humanas, sensibilizando o ser e expressando a criatividade. 2.1 A MÚSICA NO BRASIL No Brasil, a música teve influência dos portugueses, espanhóis, ameríndios e africanos, contribuindo assim para uma nova cultura, pois trouxeram suas línguas e culturas, suas canções e danças, passando por inúmeras mudanças. (OLIVEIRA, 1994). A história da música brasileira abrange vários períodos como: o colonial, o de D. João VI, onde neste período as músicas só eram cantadas em igrejas, tendo objetivo de ornamentação para a vida da classe alta, assim foram construídos os primeiros teatros e o processo de secularização das artes foi acelerado. (OLIVEIRA, 1992).

18 17 É de suma importância a música indígena no período colonial brasileiro mesmo não encontrando muitos elementos de referência para entendê-la, sabe-se apenas que eles tinham seus cânticos de melodias simples e muito ritmadas, acompanhados por sons corporais e instrumentos criados por cada grupo. Com a chegada dos Jesuítas no Brasil, que dominavam os ambientes, teve-se um trabalho de conversão dos índios, pois foram ensinado a eles o cantochão e cantos religiosos, destruindo a música espontânea e natural da sua própria cultura, perdendo sua característica, porém houve os índios que não sofreram a pressão da ação civilizadora dos brancos, mantendo suas raízes. Outro estilo que chegou ao Brasil, trazido pelos portugueses por volta de 1930, foi o carnaval, onde faziam brincadeiras e utilizavam fantasias inspirados nos bailes italianos e máscaras, inspirados nos bailes franceses, neste período a população mais pobre não podia freqüentar os bailes de salão, assim eles se reuniam nas ruas, formando blocos e cordões que desfilavam. A música tocada nestes bailes eram diferentes das músicas carnavalescas de hoje, os bailes eram compostos de orquestras, na qual tocavam trechos de óperas, polcas, valsas e quadrilhas, atualmente o carnaval é considerado uma das comemorações populares mais significativas, pela riqueza de suas festas, desfiles e bailes, porém não foi sempre assim. Também podemos destacar a música caipira, que vem de kaai pirana língua indígena significa o que vive afastado (Kaa mato; pir corta mata; pira peixe), alguns dizem que o estilo surgiu da miscigenação entre brancos e indígenas, já outros dizem que foi o nome que os indios guaianás (do interior de São paulo) deram aos colonizadores, caboclos, mulatos e negros. Deste modo, é um termo utilizado pelas pessoas que moram nas regiões situadas no interior do sudeste e centro-oeste do Brasil, que por morarem distantes das grandes cidades, criaram uma nova cultura que preservavam hábitos e costumes da época em que o Brasil era Colônia de Portugal, sendo caracteizado pela religião, folclore e um dialeto próprio (como dizer regunta e não pergunta ). Deste modo, a música caipira é conhecida como música raiz, ou música do interior, suas letras são românticas e abordam temas rurais, por vezes tristes. (POSITIVO, 2010). Podemos apurar que a música atual brasileira foi construída à partir da miscigenação de vários povos, que vieram para o Brasil e trouxeram com eles, suas culturas e crenças, formando assim novas culturas, sua finalidade varia desde

19 18 um passa tempo até um monumento sonoro, passando toda gama de sentimentos humanos, despertando emoções e sensações aos ouvintes. 2.2 O ENSINO DAS ARTES E DA MÚSICA A arte faz parte do cotidiano do homem, e reflete a sua evolução humana e as descobertas científicas, pois, ao longo da história, podemos constatar muitas conquistas através da produção de instrumentos para facilitar seu trabalho e instrumentos que fazem sons para cultos e festejos, dentre outros elementos que podemos citar como arte. A educação em arte propicia o desenvolvimento do pensamento artístico e da percepção estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana: o aluno desenvolve sua sensibilidade, percepção e imaginação, tanto ao realizar formas artísticas quanto na ação de apreciar e conhecer formas produzidas por ele e pelos colegas, pela natureza e nas mais diferentes culturas. (PCN, 1998, p.19). Segundo do PCN (1998), a arte é um tipo de conhecimento que deve ser adquirido através de produtos artísticos onde entra as leituras de obras de arte e outros, mas que também deve acontecer através da realização de formas artísticas, na qual as percepções, observações, imaginações e sensibilidades, ocasionam uma aprendizagem significativa dos conteúdos das outras disciplinas. Segundo Bresler 5 (1996 apud HUMMES 2004) o ensino de artes tem orientações para o ensino, no qual se destacam as funções musicais, teatrais, dança e artes visuais: As artes como orientação (ou função) social: artes como construtor da comunidade, ou seja, artes como elemento que serve de elo entre a comunidade e a escola. Isso é muito entre a comunidade e a escola. Isso é muito presente nos eventos comemorativos de Natal, Dia dos Pais, nas datas comemorativas nas quais a comunidade escolar se reúne para troca de galanteios [...]. (BRESLER, 1996 apud HUMMES, 2004, p.23). O processo de aprendizagem através da arte auxilia o aluno, possibilitando a descoberta de inúmeros fatos e acontecimentos do mundo que 5 BRESLER, L. Traditions as change across the arts: case studies of arts education. International Jounal of Music Education, n 27, 1996.

20 19 o cerca, auxiliando no desenvolvimento, estando sempre ligados à imaginação e à criatividade. Deste modo, os professores acreditam que as habilidades artísticas podem contribuir para a aquisição de outros conhecimentos em outras áreas, além da orientação afetiva como a auto-expressão, podendo ter mais sucesso em seus saberes. (BRESLER, 1996 apud HUMMES, 2004). [...] a função da arte, na escola, é ensinar a ver, e por isso é preciso desencadear um processo de formação dos sentidos, pois os objetos, mais do que vistos, precisam ser compreendidos em seus significados. Para tanto, é necessário um trabalho contínuo e sistemático com a produção cultural [...]. (SCHLICHTA, 2006, p.08. grifo do autor). Deste modo, com a aprendizagem da arte, os alunos podem expressarse através da dramatização, dança, desenho a música e o canto, não se esquecendo da seriedade do trabalho que proporciona o desenvolvimento das potencialidades. Portanto, a arte como um processo de aprendizagem auxilia o aluno a descobrir inúmeros fatos e acontecimentos do mundo que o cercam, auxiliando-o no seu desenvolvimento, estando sempre ligados a imaginação e a criatividade. A LBD contribui para com essa situação e modo de aprendizagem, primeiramente substituindo o termo Educação Artística por Ensino das Artes, onde a música tornou-se parte integrante do ensino das Artes (música, dança, artes visuais e teatro), sendo componente obrigatório na educação básica oportunizando e valorizando as aulas de música nos currículos escolares. (CERESER, 2004). Por esse motivo, é de suma importância que as instituições de ensino possam promover a educação musical nas escolas, pois através de um ensino diversificado, o aluno terá oportunidades de entender as diversas áreas das Artes, sendo a música uma linguagem expressiva, onde suas representações, comunicações e conhecimentos devem estar presentes no cotidiano dos alunos, onde os métodos artísticos sejam uma representação da relação do homem com o mundo que o cerca. 2.3 O ENSINO DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

21 20 O currículo escolar é composto por inúmeras disciplinas, sejam elas da Base Nacional Comum (Matemática, História, Português, Ciências, etc.) como a parte diversificada (Arte, Filosofia, etc.), onde se faz necessário que as mesmas sejam complementares, haja a interdisciplinaridade e a Instituição de ensino possua profissionais habilitados e capacitados para atuarem com destreza suas funções de formadores de conhecimento. A Lei /08 estabelece que a música é conteúdo curricular obrigatório, o que implica uma série de adaptações por parte dos sistemas educacionais para que tal conteúdo seja devidamente incorporado ao conjunto de componentes dá presentes nos currículos escolares. (FIGUEIREDO apud SALTO PARA O FUTURO, 2011, p.05). A música é uma das formas mais importantes de expressão humana, segundo Sekeff (2007, p.14). Ela não é somente um recurso de combinação e exploração de ruídos, sons e silêncio, em busca do chamado gozo estético. Ela também um recurso de expressão (de sentimentos, idéias, valores, cultura, ideologia), um recurso de comunicação (do indivíduo consigo mesmo e com o meio que o circula), de gratificação (psíquica, emocional, artística), de mobilização (física, motora, afetiva, intelectual) e auto-realização (o indivíduo com aptidões artísticomusicais mais cedo ou mais tarde direciona-se nesse sentido, seja criando compondo, improvisando re-criando interpretando, tocando, cantando, construindo uma nova parição-, ou simplesmente apreciando vivenciando o prazer da escuta. À partir da aprendizagem musical, o homem concretiza seus sentimentos, levando-o a se conhecer mais profundamente, despertando seu interior e ampliando seus conhecimentos. A musicalização amplia a capacidade expressiva e reflexiva dos indivíduos, sendo uma atividade importante para o desenvolvimento dos alunos. Muitos professores ainda encontram dificuldades em realizar um planejamento para suas aulas, pois em alguns casos associa-se o ensino da música somente ao cantar ou tocar um instrumento. A educação musical começou a ser repensada no Brasil por meio da obrigatória inserção da música como disciplina no currículo da escola regular. Não se deve esquecer, no entanto, que a legislação já estabelece, há trinara anos, a presença da música na escola, muito embora, durante esse período, as práticas musicais escolares

22 21 tenham sido marcadas por indefinição, ambigüidade e multiplicidade (POSITIVO, 2010, p.89). As metodologias da musicalização vêm sendo repensadas, pois muitas instituições encontram dificuldades para colocar esta linguagem em prática como instrumento de ensino/aprendizagem. Sob esta ótica, a música é tratada como algo pronto e acabado que somente pode ser aprendida e reproduzida em particular, ou seja, em cursos de algum instrumento, não uma linguagem onde o conhecimento irá se construindo. Segundo Montagnini (2010) para a aprendizagem da música é muito importante trabalhar com a interdisciplinaridade 6, pois cada ser humano possui uma habilidade, na qual se destaca, e quando um aluno se destaca ao expressar-se musicalmente, outro possui fluência verbal e expressividade lingüística, todos acabam aprendendo, formando assim um grupo. Aprender a sentir, expressar e pensar a realidade sonora ao redor do ser humano, que constantemente se modifica auxilia os alunos em fase de escolarização básica a desenvolver capacidades, habilidades e competências através da música. Atualmente podemos empregar a musicalização, e suas práticas para o ensino/aprendizagem através de vários recursos que despertam o prazer, a curiosidade e a motivação nos alunos, podendo ser utilizado através de vários recursos pedagógicos para que o aluno possa entender a sua importância no seu cotidiano, o qual deve estar relacionada a projetos integrados com outras disciplinas, exigida pela Lei que exige que esta disciplina seja realizada de forma eficaz, ou seja, com professores e instrumentos adequados. O ensino da música nas escolas brasileiras segue a orientação do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil e dos Parâmetros Curriculares Nacionais 7, estabelecidos pela LDB/96, Lei nº 9394, de 20 de 6 Interdisciplinariedade [...] o prefixo multi, no termo multidisciplinar, estaria indicando a existência de um trabalho entre muitas disciplinas, sem que estas se percam suas características ou suas fronteiras. Já o prefixo inter vai indicar a inter-relação entre duas ou mais disciplinas, sem que nenhuma se sobressaia sobre as outras, mas com que se estabeleça uma relação de reciprocidade e colaboração, com o desaparecimento de fronteiras entre as áreas do conhecimento. (RICHTER, 2008, p.85). 7 Diretrizes Curriculares Nacionais - De acordo com o parecer CEB 4/98, entendese que é o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO MAIS EDUCAÇÃO CANTO CORAL JUSTIFICATIVA É conhecida a importância da música na vida das pessoas, seja no tocante à saúde, auto - estima conhecimento,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento INTRODUÇÃO Educadores musicais têm manifestado sua preocupação com a observância da Lei nº 11769, que é a lei de inclusão da música no currículo das

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Edna Aparecida Pereira 1 Vanessa Rodrigues Ferreira 2 RESUMO A música na Educação Infantil vem atendendo a objetivos alheios a questões próprias dessa linguagem

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO

ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO ESCOLA MUNICIPAL IVAIPORÃ PROJETO DE LEITURA: LIVRO AMIGO Projeto escolar com a temática Livro Amigo produzido no ano de 2012, 2013 e em andamento em 2014, por todos os integrantes da escola e comunidade.

Leia mais

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS

Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Orquestra de flautas doces do Colégio de Aplicação da UFRGS Juliana Rigon Pedrini jupedrini@terra.com.br Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. O presente trabalho é

Leia mais

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1

Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Mídia e Tecnologia: experiência do jornal escolar no Projeto Mais Educação na Escola Marechal Rondon em Santa Maria/RS 1 Janilce Silva Praseres 2 Sandra Antonina Barrozo de Oliveira 3 Universidade Federal

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais