FACULDADE IBRATE DE TECNOLOGIA - FAITEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE IBRATE DE TECNOLOGIA - FAITEC"

Transcrição

1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI VIGÊNCIA MANTIDA FACULDADE DE TECNOLOGIA IBRATE - FAITEC MANTENEDORA DI PIETRO & SILVÉRIO S/S LTDA - IBRATESUL CURSO OBJETO DE AUTORIZAÇÃO: TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS OBS: PDI ELABORADO CONFORME EIXOS TEMÁTICOS ESSENCIAIS DO PDI, DAS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, RETIRADAS DO SITE DO MEC. 1

2 SUMÁRIO 1. PERFIL INSTITUCIONAL MISSÃO HISTÓRICO DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO HISTÓRICO DA MANTENEDORA TRAJETÓRIA DO IBRATE OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO DESCRIÇÃO DOS OBJETIVOS E QUANTIFICAÇÃO DAS METAS ÁREA (S) DE ATUAÇÃO ACADÊMICA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL INSERÇÃO REGIONAL LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO DE INFLUÊNCIA PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS E TEÓRICO-METODOLÓGICOS GERAIS QUE NORTEIAM AS PRÁTICAS ACADÊMICAS DA INSTITUIÇÃO POLÍTICAS DE ENSINO POLÍTICAS DE PESQUISA POLÍTICAS DE EXTENSÃO INICIATIVA CIENTÍFICA POLÍTICAS DE GESTÃO RESPONSABILIDADE SOCIAL DA INSTITUIÇÃO, ENFATIZANDO A CONTRIBUIÇÃO À INCLUSÃO SOCIAL E AO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA REGIÃO IMPLEMENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA O PERÍODO DE VIGÊNCIA DO PDI TABELA I - PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS DE GRADUAÇÃO (TECNÓLOGO) TABELA II - PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO (LATO SENSU)

3 PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS SEQÜENCIAIS PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS A DISTÂNCIA PROGRAMAÇÃO DE AUMENTO DE VAGAS PARA CURSOS RECONHECIDOS PROGRAMAÇÃO DE REMANEJAMENTO DE VAGAS E/OU CRIAÇÃO DE NOVO TURNO TABELA III - PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS DE EXTENSÃO CRONOGRAMA DE ABERTURA PARA PROGRAMAS DE PESQUISA PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA DE CURSOS FORA DE SEDE PELAS UNIVERSIDADES PLANO PARA ATENDIMENTO ÀS DIRETRIZES PEDAGÓGICAS, ESTABELECENDO OS CRITÉRIOS GERAIS PARA A DEFINIÇÃO DE: PERFIL DE EGRESSO SELEÇÃO DE CONTEÚDOS PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS PROCESSO DE AVALIAÇÃO ATIVIDADE PRÁTICA PROFISSIONAL, COMPLEMENTARES E DE ESTÁGIOS INOVAÇÕES CONSIDERADAS SIGNIFICATIVAS, ESPECIALMENTE QUANTO À FLEXIBILIDADE DOS COMPONENTES CURRICULARES OPORTUNIDADES DIFERENCIADAS DE INTEGRALIZAÇÃO DOS CURSOS DA TRANSFERÊNCIA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS CORPO DOCENTE COMPOSIÇÃO / POLÍTICA DE QUALIFICAÇÃO / PLANO DE CARREIRA E REGIME DE TRABALHO REGULAMENTO PLANO DE CARREIRA DOS DOCENTES DA FAITEC CRONOGRAMA E PLANO DE EXPANSÃO CORPO TECNICO/ADMINISTRATIVO ESTRUTURAÇÃO / POLÍTICAS DE QUALIFICAÇÃO, PLANO DE CARREIRA E/OU CARGOS E SALÁRIOS CRONOGRAMA DE EXPANSÃO DO CORPO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO CONSIDERANDO O PERÍODO DE VIGÊNCIA DO PDI CORPO DISCENTE FORMAS DE ACESSO

4 6.2 - PROGRAMAS DE APOIO PEDAGÓGICO ESTÍMULOS À PERMANÊNCIA (PROGRAMA DE NIVELAMENTO, ATENDIMENTO PSICO- PEDAGÓGICO) ORGANIZAÇÃO ESTUDANTIL (ESPAÇO PARA PARTICIPAÇÃO E CONVIVÊNCIA ESTUDANTIL) ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ORGANOGRAMA INSTITUCIONAL E ACADÊMICO AUTONOMIA DA IES EM RELAÇÃO A MANTENEDORA RELAÇOES E PARCERIAS COM A COMUNIDADE, INSTITUIÇÕES E EMPRESAS AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS ESPAÇO FÍSICO SALAS DE AULA INSTALAÇÕES ADMINISTRATIVAS ÁREA DE LAZER E OUTRAS INFRA-ESTRUTURA ACADÊMICA TABELA VII - LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA RELAÇÃO EQUIPAMENTO/ALUNO/CURSO INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS SIGNIFICATIVAS BIBLIOTECA ATENDIMENTO ÀS PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS OU COM MOBILIDADE REDUZIDA DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO

5 1. PERFIL INSTITUCIONAL MISSÃO Oferecer, através de seus diferenciais, uma educação de excelência, possibilitando a formação de profissionais competentes e éticos, capazes de estender à comunidade em que vivem, o conhecimento técnico-científico, cultural, educacional e social e de intervir na sociedade fortalecendo os ideais de liberdade e democracia, adquirindo assim, ferramentas facilitadoras para uma melhor inserção no mercado de trabalho e melhor qualidade de vida HISTÓRICO DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Histórico da Mantenedora A Sociedade Comercial Di Pietro & Silvério S/S Ltda, denominação social do Instituto Brasileiro de Therapias e Ensino - IBRATESUL, mantenedora da Faculdade de Tecnologia IBRATE - FAITEC, iniciou suas atividades em 28/03/2003, organizada na forma de sociedade civil com fins lucrativos, com o objetivo de prestar serviços de fisioterapia e terapia ocupacional, serviços de acupuntura, agência de publicidade e propaganda, educação superior e eventos, organização de cursos livres e cursos técnicos, edição e editoração de livros, revistas, jornais e periódicos. Teve como predecessor o IBRATE, criado em 12/06/1997 (ANEXO 01) na forma de Organização Não-Governamental ONG, com a instalação de um pequeno Centro de Formação Profissional na área de Terapias Naturais e Acupuntura, localizado na Rua Cruz 5

6 Machado, 551, em Curitiba, contando com apenas 01 sala, de 25 m², e 13 cadeiras. Inicialmente os cursos ofertados eram de Auriculoterapia, Fitoterapia, Drenagem Linfática, Quiropatia, Do-In, Massagem Clássica, Bases de Medicina Tradicional Chinesa, Eletroterapia Aplicada à Estética. (Anexo 02 1.º LIVRO DE REGISTRO DE CERTIFICADOS). A tradição e experiência do IBRATESUL está refletida na experiência pessoal e institucional de suas diretoras, ambas com larga experiência na área escolar, onde atuam como dirigentes e mantenedoras. O IBRATE ainda atua como parceiro do IBRATESUL e para que a importância de suas atividades fiquem em destaque, contextualizamos sua trajetória e crescimento Trajetória do IBRATE Em 2003, verifica-se que a estrutura do IBRATE, como ONG, não é a mais adequada para atender à expansão das atividades de ensino e as demandas que surgem por cursos de pós-graduação lato sensu. Cria-se, então, o IBRATESUL, na forma de Sociedade Civil Ltda. (Anexo 03 e Anexo 04) A filosofia do IBRATE, desde a sua fundação, foi o foco em ensinar a fazer, sempre direcionados em oferecer uma formação com visão sistêmica. O desenvolvimento do IBRATE demandou a ampliação de seu espaço físico, o que culminou com sua mudança, em 10 de novembro de 1999, para a Rua Augusto Stellfeld, 1308, contando com uma área locada de 70 m². Em 2002 o IBRATE adquire sede própria, desta vez uma área bem maior, 492,42 m², com grande ampliação de seu espaço físico, na Rua Voluntários da Pátria, º andar. Nos anos de 2003 e 2005, já em parceria com o IBRATESUL, ocorrem mais duas 6

7 ampliações do espaço físico no mesmo prédio, no centro de Curitiba. Em 19/03/2003 adquirem mais 492,42 m 2 e em 29/09/2005, mais e duas vagas de garagem, onde se encontra atualmente. (Anexo 05 e Anexo 06). Ampliando suas atividades de ensino, em 15 de julho de 2002, o IBRATE cria o curso livre de Formação em Massoterapia, hoje totalizando grande número de alunos formados, com o aval da Prefeitura Municipal de Curitiba para retirada de alvará de seus alunos como massoterapeutas. (Anexo 07). Verificou-se a demanda por cursos de especialização profissional nas mesmas áreas dos cursos livres que o IBRATE, em parceria com o IBRATESUL, oferecia. O quadro a seguir faz a descrição destes cursos. Quadro 1 - Cursos de Especialização Profissional Cursos Conselho Profissional Ato de Autorização Especialização Profissional em Acupuntura Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional Portaria n.º 05 de 08/10/2000 Anexo 08 Conselho Federal de Enfermagem Sociedade Brasileira de Psicologia e Acupuntura Portaria COFEN 011/2004 Anexo 09 Ofício - 010/04 Anexo 10 7

8 Conselho Federal de Farmácia Acórdão n.º 8630 (DOU n.º 249 de 28 de dezembro de 2004). Anexo 11 Curso de Especialização Profissional em Fisioterapia Dermato-Funcional Conselho Federal de Fisioterapia E Terapia Ocupacional Portaria n.º 49 de 01/08/2002. Anexo 12 Fonte: IBRATESUL, Em conseqüência, os cursos de especialização profissional passam por adaptações de carga horária e estrutura curricular e através de uma parceria, sob a forma de convênio (Anexo 13) com a FAEFIJA Faculdade Estadual de Educação Física e Fisioterapia de Jacarezinho-Pr. regulamentada pelas Portarias 5842 de 03/07/2002 e de 19/01/1977 (Anexo14) sendo oferecidos, a partir de então, na modalidade de Pós-graduação Lato Sensu. Quadro 2 - Cursos de pós-graduação lato sensu oferecidos em convênio com a FAEFIJA Curso Pós-graduação em Acupuntura Pós-graduação em Fisioterapia Dermato-funcional Pós-graduação em Gerontologia Pós-graduação em Saúde do Trabalhador Pós-graduação em Distúrbios Temporo-Mandibulares 8

9 Pós-graduação em Neurologia com ênfase em Neuropediatria Pós-graduação em Terapia Manual e Postural Pós-graduação em Fisioterapia Cardio- respiratória Pós-graduação em Musculação Terapêutica Pós-graduação em Terapia da mão reabilitação do membro superior Fonte: IBRATESUL, A demanda requereu a oferta de cursos também em outras cidades, a exemplo de Londrina, Cascavel e Presidente Prudente, onde o IBRATE estabeleceu unidades, e Maringá-PR e Itajaí-SC, onde firmou convênios com outras instituições. Quadro 3 Filiais do IBRATE Filial e Data CNPJ Endereço Londrina/PR 22/04/ / Anexo 15 Avenida Paraná, º andar - Londrina-PR Cascavel/PR 25/08/ / Anexo 16 Rua Voluntários da Pátria, º andar - Cascavel- PR Presidente Prudente/SP 28/09/ / Anexo 17 Rua Manoel Goulart, 396 Presidente Prudente - PR Fonte: IBRATE, Quadro 4 Instituições Conveniadas para o Oferecimento de Cursos Instituição Conveniada Espécie de Convênio 9

10 FACULDADE ASSIS GURGAZ (FAG) Anexo 18 (Titulação Lato-sensu) Anexo 13 (Titulação Lato-sensu) FAEFIJA / JACAREZINHO INSTITUTO FISIOMAR Anexo 19 (Parceria administrativa para realização de nossos cursos de Pósgraduação em Santa Catarina Ágata Escola Anexo 20 - (Parceria administrativa para realização de nossos cursos de Pósgraduação em Maringá Fonte: IBRATE, Alguns cursos abaixo listados foram oferecidos nas unidades do IBRATE como Especialização Profissional e outros como Pós-graduação Lato-sensu em parceria com a FAEFIJA ou FAG. Os termos de Acordos de Parcerias para a titulação lato-sensu obedecem modelo do anexo 13 e 18 - e contratos específicos por turma/cidade. Quadro 5 Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu oferecidos fora da sede Curso Local Curso de Gerontologia Londrina-PR, Cascavel-Pr e Itajaí-SC Presidente Prudente-SP Saúde do Trabalhador Itajaí-SC e Maringá-PR Fisioterapia Cardio-respiratória Cascavel-PR Neurologia Londrina-PR e Cascavel-PR Acupuntura Londrina-PR, Maringá-PR, Cascavel-PR, Presidente-Prudente-SP, Itajaí-SC 10

11 Fisioterapia Dermato-Funcional Fonte: IBRATE, Florianópolis-SC Londrina-PR, Maringá-PR,Cascavel-PR., Itajaí- SC, Florianópolis-SC OBJETIVOS E METAS DA INSTITUIÇÃO Objetivos Formar profissionais com visão generalista da área, espírito investigativo, crítico, capazes de dominar as competências e habilidades de sua área de atuação; Formar profissionais capazes de gerenciar o seu próprio conhecimento de forma permanente e autônoma; Criar condições para a educação continuada, para os seus agentes educacionais e para seus educandos; Promover, pelas suas atividades de iniciação à pesquisa, o enriquecimento e a inovação do processo ensino-aprendizagem e a ampliação dos conhecimentos nas várias áreas do saber; Promover a produção científica e intelectual do seu corpo docente através do fomento à divulgação e publicação dos seus trabalhos e incentivo à sua busca por melhor titulação. Extensão de seus serviços e cursos à comunidade; Produzir e/ou colaborar na produção de livros, apostilas, revistas, folhetos e de outras publicações de interesse da Instituição e da sua comunidade acadêmica; Promover a capacitação do seu corpo docente e técnico, com vistas a viabilizar a associação à qualificação acadêmica com o compromisso social da Instituição; 11

12 Difundir o saber contribuindo para sua democratização através de sua viabilização de projetos que objetivem a inserção social; Desenvolver projetos inovadores que possibilitem a ampliação das fronteiras e a diversidade de conhecimentos combatendo a fragmentação e estendendo o diálogo entre os diferentes saberes; Desenvolver uma sistemática de avaliação e acompanhamento contínuo das ações que figuram o trabalho institucional realçando parâmetros e critérios compatíveis com o cumprimento da missão; Promover a melhoria da qualidade acadêmica e privilegiar a qualificação formal e social dos indivíduos, proporcionando o desenvolvimento das ações políticasacadêmicas e administrativas pertinentes a sua missão; Garantir a qualidade do cumprimento de suas ações, modernizando os processos de trabalho e adequando a estrutura organizacional de recursos humanos, físicos, gerenciais, tecnológicos às exigências de sua missão acadêmica, técnicas e administrativa; Promover o intercâmbio com instituições congêneres e com outras organizações, que contribuam para o enriquecimento mútuo. Metas Dentre as estratégias a serem desenvolvidas pela FAITEC, destacam-se: Assegurar uma sistemática de avaliação institucional, interna e externa, que contemple dimensões qualitativa e quantitativa, vital para o acompanhamento e o aperfeiçoamento do novo modelo de gestão; 12

13 Incentivar a produção de material didático de qualidade disponibilizando, para tanto, núcleos de apoio à produção, formatação e difusão desses materiais; Viabilizar o uso das novas tecnologias de comunicação e informação na educação, com o intuito de agilizar o acesso à informação e democratizar o conhecimento; Aumentar a oferta de cursos de graduação, bacharelado,licenciatura, seqüenciais, à distância, tecnológico, pós-graduação, visando o atendimento às demandas regionais/nacionais e a difusão do saber; Formar profissionais empreendedores, competentes, capazes de dominar as competências e habilidades de seu campo de atuação; Promover um ambiente investigativo capaz de despertar a capacidade crítica e de reflexão em seu meio acadêmico; Implementar programa de qualificação do corpo docente/discente/administrativo, de forma a assegurar a qualidade permanente da educação promovida pela IES; Planejar e implementar a avaliação institucional como forma de garantir o desenvolvimento integral da Instituição; Participar do desenvolvimento regional, através da difusão do conhecimento e da participação em programas que objetivem o desenvolvimento da comunidade em que está inserida; Fortalecimento das ações extensionistas, através de programas e projetos institucionais de extensão e do incremento das parcerias com iniciativas municipais, estaduais, nacionais e internacionais; Implementação de um processo de modernização da infra-estrutura organizacional, com vistas à melhoria da qualidade de vida e do trabalho nesta IES. 13

14 1.3.1 Descrição dos Objetivos e Quantificação das Metas Quadro 6 OBJETIVOS E METAS POLÍTICAS E AÇÕES CRONOGRAMA Formar cidadãos participativos, capazes de atender a crescente demanda por profissionais realmente Promover o ensino aptos para atuação no mercado de integralizador, atendendo A partir do trabalho. simultaneamente as obrigações Credenciamento da Estabelecer parcerias com órgãos legais e as necessidades de Faculdade e vigência governamentais, convênios com uma sociedade em processo de do PDI órgãos públicos e privados, por meio transformação. de projetos comunitários e de cidadania, programas de difusão e divulgação. Capacitação de docentes gestores acadêmicos nos procedimentos relativos ao planejamento, gerência Capacitar o corpo docente nas administrativa e acadêmica, atividades de planejamento e subsidiando a ação dos docentes gerenciamento administrativo e gestores acadêmicos com base em 2009 a 2013 acadêmico. instrumentos gerências atuais; capacitar os docentes para análise e avaliação de sistemas de informação. 14

15 Criar cursos de graduação e pós-graduação Implantar políticas de Recursos Humanos. Implementar atividades de comunicação e divulgação. Desenvolver a política de publicação interna e externa. Implantar o programa de Iniciação científica. Atendimento ao apelo da sociedade quanto às opções que a Instituição oferece, ampliando sua área de ação na de graduação e pós-graduação. Desenvolvimento de programas de acompanhamento e avaliação de desempenho para servidores técnico-administrativos; aprimoramento do processo de recrutamento e seleção; Implantação de serviços de assistência social e de programas de treinamento e desenvolvimento de pessoal. Ampliação dos meios de comunicação das ações da instituição visando ao estreitamento das relações com a comunidade interna e externa. Elaboração e divulgação de documentos que tratam das informações produzidas na instituição. Formação dos discentes como pesquisadores desde a graduação a a a a a

16 Estabelecer parcerias. Desenvolver programas de monitorias. Fortalecer e ampliar projetos integrados de ensino, pesquisa e extensão voltados ao atendimento das demandas sociais. Implementar a política de cursos de extensão. Elaborar e divulgar as publicações internas e externas. Implementar políticas de Convênios. Estabelecimento de parcerias visando à obtenção de recursos que fomentem a pesquisa. Definição de parâmetros de seleção, desenvolvimento e avaliação da monitoria. Estruturação de um manual orientador das atividades de monitoria, visando a uma melhor qualidade de trabalho. Desenvolvimento de ações multi, inter ou transdisciplinares entre a Faculdade e a realidade social. Fortalecimento das ações extensionistas, através de programas e projetos institucionais de extensão e do incremento das parcerias com iniciativas municipais, estaduais, nacionais e internacionais. Elaboração de materiais para divulgação dos cursos de graduação e pós-graduação. Convênios com órgãos públicos e privados a 2013 Permanente 2009 a a a a

17 Desenvolver uma sistemática de avaliação e acompanhamento continuo das ações figuram o trabalho institucional, realçando parâmetros e critérios compatíveis com o cumprimento da missão institucional. Implementar sistema de divulgação. Promover a melhoria da qualidade acadêmica e privilegiar a capacitação formal e social dos docentes e técnicoadministrativo, proporcionando o desenvolvimento das ações político-academicas e administrativas pertinente a sua Assegurar uma sistemática de avaliação institucional, internas e externas, que contemple dimensões qualitativas e quantitativas vitais para o acompanhamento e aperfeiçoamento do modelo de gestão. Sistema de comunicação com a comunidade acadêmica do resultado da avaliação institucional e as ações a serem implementadas, contemplando a melhoria da instituição como um todo. Implantar programa de capacitação do corpo docente e técnicoadministrativo de forma a assegurar a qualidade permanente da Educação promovida pela Instituição. Implementar o Plano de Carreira Docente e Técnico-Administrativo A partir de seu Credenciamento (através do CPA Comissão Própria de Avaliação) e SINAES 2009 a a a

18 missão. Proceder à atualização periódica do acervo bibliográfico Promover a produção cientifica intelectual do seu corpo docente através do fomento a divulgação e publicação dos seus trabalhos e incentivo a sua busca por melhor titulação Implantar processo de modernização da infra-estrutura organizacional com vistas na melhoria de qualidade de vida do trabalho na Instituição de Ensino Destinar semestralmente 5% da receita liquida a atualização do acervo bibliográfico Incentivar a produção do material didático de qualidade do Ensino. Disponibilizar núcleos de apoio à produção, formatação e difusão de materiais de Ensino a a 2013 A partir do funcionamento dos cursos AREA (S) DE ATUAÇÃO ACADÊMICA A Instituição iniciou suas atividades na área da Saúde como podemos observar por seu histórico, porém percebe-se a necessidade e importância de ampliação para outras áreas do saber face a necessidade de interação com profissionais de outras áreas que direta ou indiretamente fazem parte do contexto educacional e profissional. Portanto, a partir do Credenciamento da Faculdade serão ofertados cursos nas áreas de Gestão, de Saúde, Comunicação, Meio Ambiente, através dos cursos de Tecnologia, bacharelados, bem como Licenciaturas. 18

19 2 - PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL INSERÇÃO REGIONAL Integração significa reconhecer e respeitar as características singulares da região, resultantes do seu processo histórico e cultural, de sua localização geográfica e assumir uma prática de identidade, explicitada por meio da qualidade do ensino, da pesquisa e da extensão num processo eminentemente dinâmico. Esse dinamismo se apoia no processo dialético de ir à busca do problema na comunidade, buscar a solução para o mesmo e voltar à comunidade, retornando a esta o resultado dos passos trilhados pela Faculdade de Tecnologia IBRATE - FAITEC. O ir e vir reflete o compromisso social e ético da Faculdade como integrante da realidade em que está inserida. Essa integração, ocorrendo no campo científico e cultural, demonstra que a FAITEC está preocupada com o desenvolvimento da Região, promovendo a valorização do ser humano, com destaque para a elevação dos padrões de qualidade de vida, de sua harmônica convivência com o meio ambiente, por ser a Faculdade a interlocutória dos anseios e das conquistas sociais regionais. Relatos de experiências e verificação dos avanços e resultados conseguidos são instrumentos para se avaliar e verificar as mudanças necessárias, objetivando sempre a melhor integração Faculdade / Região Localização Geográfica A Cidade-Sede - Curitiba 19

20 O Estado do Paraná, localizado ao sul do Brasil, é um estado essencialmente agrícola, contribuindo com 37% de grãos para o país, entre eles o soja, o milho, o trigo. O fator decisivo para esse sucesso foi, sem dúvida, a terra roxa, tão propícia para a agricultura. Privilegiado pela natureza, o Paraná tem as suas atividades econômicas e as cidades bem distribuídas, da faixa litorânea às fronteiras do Paraguai e da Argentina. Em 29 de março de 1693, o capitão-povoador Matheus Martins Leme, ao coroar os "apelos de paz, quietação e bem comum do povo", promoveu a primeira eleição para a Câmara de Vereadores e a instalação da Vila, como exigiam as Ordenações Portuguesas. Estava fundada a Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, depois Curitiba. Curitiba é a cidade capital do Paraná, localizada na região Sul do país. Além de ter o quarto maior PIB do Brasil, é a capital brasileira com menor índice de analfabetismo e melhor sistema de educação. Devido à sua estrutura, localização geográfica, nível técnico, entre outros fatores, Curitiba é um ponto de atração para grandes empresas, que transferiram suas sedes para a cidade. Além disso, é considerada o segundo maior pólo automotivo do país por abrigar grandes montadoras. A capital paranaense, por ter a mais forte economia do sul do país, foi eleita várias vezes A Melhor Cidade Brasileira Para Negócios, pela revista Exame e é considerada uma das melhores cidades brasileiras para realização de eventos e turismo de negócios. Nos últimos anos, a cidade vem se tornando um dos maiores centros de tecnologia e informação do país, atraindo grandes empresas e profissionais de software e hardware. Além de se considerada uma das cidades mais importantes nacionalmente nas áreas de negócios e educação, Curitiba também se destaca nas áreas de teatro, literatura, música e cultura em geral. A cidade sedia grandes festivais, espetáculos, museus e shows e é o berço de nascença de grandes músicos, escritores e celebridades de diversas áreas. 20

21 Curitiba é uma cidade que evolui de acordo com o progresso da educação, dos negócios e da cultura, o que a torna um exemplo para ás outras cidades brasileiras. Juntando esses fatores com a sua beleza natural, sua arquitetura influenciada pelos imigrantes, sua gastronomia e costumes locais, Curitiba se torna um paraíso que merece ser conhecido e apreciado por todo brasileiro e estrangeiro Caracterização da Região de Influência O Estado do Paraná Localização A Instituição está localizada na região norte de Curitiba, tendo nas proximidades a região metropolitana composta dos seguintes municípios: Campina Grande do Sul, Colombo, Pinhais, Almirante Tamandaré, São José dos Pinhais, Araucária, Quatro Barras, Bocaiúva do Sul, Rio Branco, Lapa e Serro Azul. População FIGURA 1 População de Curitiba, Região Metropolitana de Curitiba, Paraná e Brasil 21

22 Educação No que diz respeito à Educação, o Paraná registrou indicadores positivos, por exemplo, na taxa de freqüência escolar dos estudantes do ensino médio, com idade entre 15 e 17 anos. Enquanto a média nacional é de 47,1% de freqüência desse grupo, no Paraná ela é de 52,8% - índice superior ao do Rio Grande do Sul (52,5%), ainda que abaixo do de Santa Catarina (62%). Na média de anos de estudo da população com mais de 15 anos de idade, os dados do Paraná também superam os nacionais, estão dentro dos padrões da região Sul e se igualam ou ficam acima de outras unidades da federação desenvolvidas economicamente. A média brasileira é de que as pessoas com mais de 15 anos de idade têm 7,2 anos de estudo; no Paraná e no Rio Grande do Sul, essa média é de 7,5 anos; em Santa Catarina, 7,7 anos. Minas Gerais, por exemplo, tem 7 anos, ao passo que Goiás tem 7,1 e Mato Grosso do Sul, 7 anos. Regiões Metropolitanas 22

23 Os estudantes da Região Metropolitana de Curitiba estão entre aqueles do Brasil com idade mais apropriada à série de ensino que estudam. No item Proporção dos estudantes do ensino fundamental com idade superior à recomendada, em 6 até dois anos, entre nove regiões metropolitanas brasileira, a da capital paranaense fica atrás apenas da de São Paulo, duas à frente de Porto Alegre e quatro do Rio de Janeiro. Os dados desse item mostram que na Região Metropolitana de São Paulo 9,8% dos estudantes do ensino fundamental estão com idade superior à recomendada, em até dois anos, para estarem na série em que freqüentam. Na Região de Curitiba, o índice é de 14,7%. Belo Horizonte, que aparece em seguida, tem 16,9%; Porto Alegre, em quarto, registra 19,5%. A região metropolitana da capital fluminense, por sua vez, vem na sexta posição, com 27,1% dos estudantes do ensino fundamental com idade fora da adequada para à série em que estão. Economia A Economia do Paraná se baseia na agricultura (cana-de-açúcar, milho, soja, trigo, café, mandioca), na indústria (agroindústria, indústria automobilística, papel e celulose) e no extrativismo vegetal (madeira e erva-mate). A economia paranaense cresceu 8,1% desde 2003, gerando 309 mil novos empregos formais. Os dados fazem parte de um minucioso relatório sobre a economia do estado, apresentado pelo secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, o presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), José Moraes Neto, e o delegado Regional do Trabalho no Paraná, Geraldo Seratiuk, na reunião semanal da Escola de Governo de 23 de fevereiro de 2008, em Curitiba. O Paraná ainda é uma economia agroindustrial, voltada à exportação de grãos, graças à Lei Kandir, que desonerou as commodities e com isso praticamente desindustrializou o estado. Essa análise da economia serve para entendermos por que 23

24 determinados setores da indústria sofrem brutalmente e ao mesmo tempo aumentamos a arrecadação e geramos mais empregos. Os números: O Produto Interno Bruto paranaense acumula crescimento de 8,1% desde 2003, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 0,2 pontos percentuais acima do aumento do PIB brasileiro no período. Para 2006, o Ipardes estima que a economia do estado irá crescer ao menos 4% mais que a média nacional, calculada em 3,5%. A produção industrial do estado cresceu 17,1% entre 2003 e 2005, acima da média nacional para o período, que ficou em 11,4%. Mesmo no ano de quando o Paraná registrou aumento discreto na produção industrial (1,3%) o desempenho do estado foi melhor que o dos vizinhos do Sul. Santa Catarina verificou crescimento de apenas 0,1%, e o Rio Grande do Sul amargou queda de 3,5%. O comércio varejista acumulou crescimento de 11,2% entre 2003 e 2006, acima da média nacional para o período 10,4% de alta. As exportações paranaenses passaram de US$ 7,2 bilhões em 2003 para US$ 10 bilhões em 2005, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. No período, as empresas instaladas no estado também importaram mais de US$ 3,5 bilhões em 2003 a US$ 4,5 bilhões em Ainda assim, o superávit da balança comercial cresceu, passando de US$ 3,7 bilhões em 2003 a US$ 5,5 bilhões no ano passado. Mesmo com a isenção e redução do ICMS às empresas paranaenses, o estado bate recordes de arrecadação. Já em 2003, a Secretaria da Fazenda recolheu R$ 6,8 bilhões, resultado 19,2% superior ao de No ano passado, a Receita Estadual arrecadou R$ 8,8 bilhões, desempenho 11,8% melhor que o de

25 A Capital Curitiba Curitiba é a capital do Paraná, um dos três Estados que compõem a Região Sul do Brasil. Sua fundação oficial data de 29 de março de 1693, quando foi criada a Câmara. No século XVII, sua principal atividade econômica era a mineração, aliada à agricultura de subsistência. O ciclo seguinte, que perdurou pelos séculos XVIII e XIX, foi o da atividade tropeira, derivada da pecuária. Tropeiros eram condutores de gado que circulavam entre Viamão, no Rio Grande do Sul, e a Feira de Sorocaba, em São Paulo, conduzindo gado cujo destino final eram as Minas Gerais. O longo caminho e as intempéries faziam com que os tropeiros fizessem invernadas, à espera do fim dos invernos rigorosos, em fazendas como as localizadas nos "campos de Curitiba". Aos tropeiros se devem costumes como o fogo de chão para assar a carne e contar "causos", a fala escandida o sotaque leite quente -, o chimarrão (erva-mate com água quente, na cuia, porque os índios a utilizavam na forma de tererê, com água fria), o uso de ponchos de lã, a abertura de caminhos e a formação de povoados. No final do século XIX, com o ciclo da erva-mate e da madeira em expansão, dois acontecimentos foram bem marcantes: a chegada em massa de imigrantes europeus e a construção da Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba, ligando o Litoral ao Primeiro Planalto paranaense. Os imigrantes - europeus e de outros continentes - ao longo do século XX, deram nova conotação ao cotidiano de Curitiba. Seus modos de ser e de fazer se incorporaram de tal maneira à cidade que hoje são bem curitibanas festas cívicas e religiosas de diversas etnias, dança, música, culinária, expressões e a memória dos antepassados. Esta é representada nos diversos memoriais da imigração, em espaços públicos como parques e bosques municipais. 25

26 A "mítica imigrante do trabalho" (observação do poeta Paulo Leminski, falecido no século passado) aliada a gestões municipais sem quebra de continuidade, acabou criando uma Curitiba planejada - e premiada internacionalmente, em gestão urbana, meio ambiente e transporte coletivo. A capital do Estado do Paraná, formada num altiplano 934 metros acima do nível do mar, carente de marcos de paisagem oferecidos pela natureza, acabou criando suas principais referências pela ciência e pela mão humana. No século XX, no cenário da cidade planejada, a indústria se agregou com força ao perfil econômico antes embasado nas atividades comerciais e do setor de serviços. A cidade enfrentou, especialmente nos anos 1970, a urbanização acelerada, em grande parte provocada pelas migrações do campo, oriundas da substituição da mão-de-obra agrícola pelas máquinas. Curitiba enfrenta agora o desafio de grande metrópole, onde a questão urbana é repensada sob o enfoque humanista de que a cidade é primordialmente de quem nela vive. Seu povo, um admirável cadinho que reuniu estrangeiros de todas as partes do mundo e brasileiros de todos os recantos, ensina no dia-a-dia a arte do encontro e da convivência. Curitiba renasce a cada dia com a esperança e o trabalho nas veias, como nas alvoradas de seus pioneiros. Dados Principais de Curitiba Área: 430,9 km² População: (estimativa IBGE/2004) Bairros: 75 Relevo: Levemente ondulado Área verde por habitante: 51 m² 26

27 Extensão Norte-Sul 35 km Extensão Leste-Oeste 20 km Altitude média: 934,6 m Latitude: 25º25'48'' Sul Longitude: 49º16'15'' Oeste Fuso horário Brasília Clima: Temperado Pluviosidade: mm/ano Temp. média no verão: 21ºC Temp. média no inverno: 13ºC FACULDADE IBRATE DE TECNOLOGIA - FAITEC População FIGURA 2 População de Curitiba, Região Metropolitana de Curitiba, Paraná e Brasil FIGURA 3 Pirâmide etária de Curitiba 27

28 Economia INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA Mercado Formal em Curitiba Trabalhadores (MTE/RAIS 2004) Trabalhadores na Indústria (MTE/RAIS 2004) Trabalhadores no Comércio (MTE/RAIS 2004) Trabalhadores no Setor de Serviços (MTE/RAIS 2004) Trabalhadores na Agropecuária (MTE/RAIS 2004)

29 INDICADOR VALOR Índices de Qualidade de Vida* Índice Municipal de Desenvolvimento Humano* - IDHM (PNUD) 0,856 Índice de Condição de Vida** - ICV (PNUD) 0,808 Índice Sintético de Satisfação da Qualidade de Vida em Curitiba*** (IPPUC) 81,75% Demografia População residente em Curitiba (IBGE Censo 2000) População residente em Curitiba (IBGE Censo 2005) Taxa de crescimento anual da população 2000/2005 (Estimativa IBGE 2000) 2,10% População residente de homens (IBGE Censo 2000) 47,93% População residente de mulheres (IBGE Censo 2000) 52,07% Densidade demográfica (habitantes por hectare) (IBGE Censo 2000) 36,73 Densidade demográfica (habitantes por Km2) (IBGE Censo 2000) 3.672,89 População residente nos 26 municípios da Região Metropolitana (IBGE Censo 2005) Educação Taxa de alfabetização (IBGE Censo 2000) 96,86% Índice de analfabetismo da população com 15 anos ou mais de idade (IBGE Censo 2000) 3,38% Escolas municipais - Total da rede (SME 2003) 159 Escolas municipais - Centro de Educação Integral - CEI (SME 2003) 36 Escolas estaduais (SEED - FUNDEPAR 2002)

30 Escolas particulares (SINEPE 12/2002) 548 Creches oficiais - Centros Municipais de Educação Infantil (SMCr 2003) 137 Creches conveniadas com o município (SMCr 2003) 85 PIÁ - Programa de Integração da Infância e Adolescência (SMCr 2001) 46 PIÁ - Ambiental (SMMA 2002) 34 Universidades 3 Faculdades 35 Escolas profissionalizantes 5 Escolas internacionais 3 Liceus de Ofício (FAS 2000) 30 Bibliotecas públicas Fundação Cultural (FCC 2002) 22 Bibliotecas públicas - Faróis do Saber (SME 2002) 45 Renda em Curitiba Renda média do responsável pelo domicílio particular permanente (IBGE Censo 2000) em Salários mínimos 9,48. Renda mediana do responsável pelo domicílio particular permanente (IBGE Censo 2000) em Salários mínimos 4,64. Renda média do responsável pelo domicílio particular permanente (IBGE Censo 2000) R$ 1.430,96. Renda mediana do responsável pelo domicílio particular permanente (IBGE Censo 2000) R$ 700,00 Índice de Gini***** (Concentração de Renda) ,59 30

31 Produto Interno Bruto de Curitiba PIB - Produto Interno Bruto anual, em R$ (IBGE 2003) ,00 PIB - Produto Interno Bruto per capita, em R$ (IBGE 2003) 9.105,16 Estabelecimentos em Curitiba Estabelecimentos (SMF 2005) Estabelecimentos Industriais (SMF 2005) Estabelecimentos Comerciais (SMF 2005) Estabelecimentos de Prestação de Serviços (SMF 2005) Outros Região Metropolitana de Curitiba Pesquisa Mensal de Emprego - IPARDES (Dez/2005) População em Idade Ativa (em pessoas) População Economicamente Ativa (em pessoas) População Ocupada (em pessoas) População Desocupada e procurando trabalho (em pessoas) 80 População Não Economicamente Ativa Taxa de atividade 59,1% Taxa de ocupação 94,5% Taxa de desemprego 5,5% População ocupada na Indústria extrativa, de transformação, produção e distribuição de eletricidade, gás e água 19,9% População ocupada na Construção Civil 7,0% População ocupada no Comércio 21,1% 31

32 População ocupada na Intermediação financeira e atividades imobiliárias, aluguel e serviços prestados a empresas 11,9% População ocupada na Administração pública, defesa, segurança social, educação, saúde e serviços sociais 15,2% População ocupada nos serviços domésticos 6,8% População ocupada em outros serviços 16,9% Empregados com carteira assinada 50,8% Empregados sem carteira assinada 15,5% População ocupada por conta própria 19,1% Empregadores 4,8% FIGURA 4 Estimativa de Distribuição de Renda por classes, em Curitiba 32

33 FIGURA 5 Distribuição dos Empregos, por Setor de atividade econômica, em Curitiba. 33

34 Meios de Transporte Hoje dois milhões de passageiros utilizam diariamente o Sistema Integrado de Transporte Coletivo, composto por 1980 ônibus, que atendem 395 linhas. O sistema é responsável pelo emprego direto de 15 mil pessoas, entre motoristas, cobradores, fiscais, mecânicos e outros profissionais. Em outubro de 1991, sob encomenda da URBS, a Volvo começou a desenvolver o primeiro ônibus Biarticulado brasileiro, batizado de "Metrobus", ele tinha 25 metros de 34

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/5/2012, Seção 1, Pág. 24. Portaria n 625, publicada no D.O.U. de 18/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Eleições UEFS 2011 Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Francisco de Assis Ribeiro dos Santos Candidato a Reitor Maria do Socorro Costa São Mateus Candidata a Vice-Reitora Feira de Santana, fev/2011

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

I - PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

I - PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL I - PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL O Projeto Pedagógico Institucional da Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP e das Instituições de Ensino Superior, por ela mantida, a saber, Faculdade de Artes Plásticas,

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

Planejamento Pedagógico Faculdade de Bauru UNIESP

Planejamento Pedagógico Faculdade de Bauru UNIESP Planejamento Pedagógico Faculdade de Bauru UNIESP PPI 2010-2014 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. HISTÓRICO DA MANTENEDORA... 5 3. A MANTIDA... 8 4. MISSÃO... 10 5. FINALIDADE...

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018

PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DIREÇÃO GERAL DO IF BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA NO QUADRIÊNIO 2014 2018 ~ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA PLANO DE TRABALHO COM AÇÕES ESTRATÉGICAS PARA

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI

CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSUNI PROCESSO Nº 011/2012 ASSUNTO: Proposta de adequação das diretrizes para a parceria FURB-UFSC. INTERESSADO: Administração Superior. PROCEDÊNCIA: Reitoria. I - HISTÓRICO: Em

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Escola de Enfermagem Nova Esperança Ltda. UF: PB ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Enfermagem Nova Esperança,

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 678, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais