O ENSINO DE MÚSICA EM ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO MUSICAL PARA O DESENVOLVIMENTO DOS ALUNOS NA ESCOLA REGULAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO DE MÚSICA EM ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO MUSICAL PARA O DESENVOLVIMENTO DOS ALUNOS NA ESCOLA REGULAR"

Transcrição

1 O ENSINO DE MÚSICA EM ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO MUSICAL PARA O DESENVOLVIMENTO DOS ALUNOS NA ESCOLA REGULAR Vivian Silva Dupin * RESUMO: Este artigo trata de reflexões resultantes da pesquisa que empreendi em 2003, cujo campo investigativo foi o ensino de música em escolas públicas nos anos iniciais do ensino fundamental. Propus verificar as principais contribuições da educação musical para o desenvolvimento dos alunos na escola regular. No texto são discutidos alguns fatos encontrados nas escolas, especialmente na infância, onde observamos o desenvolvimento emocional e social. PALAVRAS-CHAVE: Música, Educação, Infância, Arte e Desenvolvimento Humano. Sabemos que a humanidade passa por várias mudanças no decorrer dos anos. Essas mudanças estão ligadas ao processo do desenvolvimento e de modo específico, a globalização. Sofremos influências de todas as raças, de todos os lugares do mundo. Como nosso enfoque é a música, não podemos deixar de destacar a diversidade musical existente em nosso planeta. A música retrata através dos sons as diferenças culturais de um povo. Assim, devido à variedade cultural e musical existentes no mundo, sentimos a necessidade de centralizar nossa pesquisa em uma etapa da vida humana. Onde selecionamos a infância, devido às grandes contribuições que a música proporciona nesta etapa da vida, onde as crianças estão em pleno desenvolvimento do campo emocional, psico-motor e cognitivo. Portanto podemos afirmar que, não temos a pretensão de resolver todos os problemas encontrados nas aulas de música em escolas públicas, especificamente nos anos iniciais do ensino fundamental onde aprofundaremos. Mas sim, destacar a importância da educação musical no processo de formação do indivíduo. As crianças que têm aulas de música na infância, não sentem dificuldade na assimilação das demais disciplinas e formam cidadãos mais conscientes dos seus deveres dentro da sociedade. *Vivian Silva Dupim, graduada em Artes com Licenciatura plena em Música, Pós-graduanda em Docência do Ensino Superior e Supervisão Escolar com Ênfase em Educação Especial e Inclusiva pela Faculdade de Educação Ibituruna. Texto extraído da Monografia de Graduação: Contribuições da Música para o desenvolvimento educacional dos alunos matriculados do 1 e 2 ciclos do ensino fundamental de escolas públicas de Montes Claros MG, concluída em 2003 pela Unimontes. 1

2 Sendo indivíduos mais flexíveis, são aceitos com maior facilidade pelo mercado de trabalho e são mais estruturados emocionalmente. A criança desde o útero materno sofre influências musicais distintas, estando exposta ao ambiente musical freqüentado pelos pais e pela sociedade a que ela pertence. Portanto, desde antes do nascimento do bebê os pais necessitam se conscientizarem do seu papel na formação deste ser humano. Não podendo esquecer que a música contribui para o desenvolvimento emocional, psico-motor, cognitivo e intelectual do indivíduo. Dessa forma a seleção de um repertório musical adequado e variado para a audição de pais e bebê é de extrema significância para processo de gestação, facilitando mais tarde, o desenvolvimento de um ser humano integrado, sensível e consciente do seu papel na sociedade. Para que o cérebro desenvolva todo o seu potencial, são necessários estímulos, agindo diretamente em suas centrais de comunicação. Na infância, em especial, este conjunto de estímulos proporcionam o desenvolvimento das fibras nervosas capazes de ativar o cérebro e dotá-lo de habilidades. (A Importância da Música para as Crianças, Pág 16) De acordo com esta idéia, podemos afirmar que a música é fundamental no desenvolvimento infantil. Quanto mais cedo a criança iniciar o seu contato com o mundo Musical mais tempo ela terá para desenvolver suas habilidades, formando assim cidadãos mais preparados no campo racional, sentimental e intelectual. Nessa perspectiva, uma criança quando submetida a audição de uma peça de Mozart, Handel, dentre outros, produz uma riqueza inquestionável de gemidos e pequenos gritos que poderiam, na concepção atual serem concebidos como música. A partir da introdução dos gravadores e demais instrumentos tecnológicos, por volta de 1950, estudiosos detectaram que os sons produzidos ainda no processo de formação da criança, dentro do útero, não deveriam ser considerados simplesmente como meros ruídos como se pensava anteriormente. Assim, uma criança estaria expressando, através dos sons, suas sensações de emoção, angústia, desprezo, ansiedade e demais sentimentos. Essa visão, que concebe a música de forma mais abrangente proporcionou, segundo Delalande (1999), possibilidade de comparação entre a produção sonora de uma criança de 08 meses com uma peça de música concreta, como por exemplo, uma obra do compositor Pierre Henry, gravado em disco, onde ele retrata o ranger de uma porta, o 2

3 empurrar de uma cadeira, o estalar de um dedo como uma criação musical. Logo assim, antes mesmo de aprender a falar e entrar em contato com o mundo, a criança retrata suas perspectivas e medos através dos sons, uma produção própria, particular, mas, de certa forma, imitativa, dos sons do mundo de fora do seu universo. Tal idéia também é defendida por Suzuki (1994), para ele a criança aprende através do processo da imitação, principalmente de seus pais. Sendo assim, a criança ainda no útero materno, já utiliza os sons como forma de expressão e comunicação, sendo este processo ainda mais significativo na fase infantil. Podemos dessa forma afirmar que é imprescindível o papel dos pais e de todos envolvidos no processo de formação de uma criança, pois a partir de um contato sólido e integrado com a música o desenvolvimento humano de um bebê pode se concretizar de forma adequada e completa. Podemos assim concluir que a música desde o início da formação humana se mostra fundamental para o processo de criação da auto-expressão e autoconfiança, mesmo antes do nascimento da criança. Ainda nesta óptica podemos conceber que a música vai ser importante na medida que proporciona ao ser humano seu desenvolvimento emocional e racional, não esquecendo que através da Arte, e mais especificamente da música, o homem pode desenvolver a criatividade, muitas vezes não aceita pelo mundo racionalista. Segundo Duarte Júnior (1994), alguns cientistas e matemáticos vêem a imaginação como um fruto da alienação mental humana, seus conceitos e fórmulas são elaborados sobre o concreto, não aceitando o abstrato produzido pela imaginação e criação. Assim, para os adeptos dessa visão, a Arte seria um simples passa tempo no qual o homem esconde da realidade proporcionada pelo mundo atual. Sobre o ponto de vista racional a Arte realmente leva o homem a submeter suas fantasias, seus problemas, suas vivências de mundo e perspectivas para as criações musicais. Sendo que, em momento algum ele está fugindo deles, a Arte não funciona como válvula de escape, pelo contrário, ela denúncia e relata cruelmente a realidade vivida. O exemplo claro deste fato, foi o exílio de vários compositores e intérpretes no Período Militar, onde através das Canções de Protesto eles demonstravam suas insatisfações com os governantes daquela época. A Arte proporciona a liberdade de expressão e não a alienação mental. Pensando sobre ponto de vista emocional, a racionalidade proposta pelos cientistas e matemática aqui 3

4 serve simplesmente como forma de ponte cronológica entre homem-pensamento-criação. Através das fórmulas, das descobertas científicas e tecnológicas os pensadores racionais marcam os séculos e a história. Mas só conseguem registrá-los e mostrá-los para todas as camadas sociais com os movimentos artísticos. Como a Revolta da Vacina (1904), cuja razão principal foi às condições de miséria que as elites dominantes impunham a população, como formas de protesto utilizaram faixas e músicas. Até hoje em campanhas preventivas a música é utilizada como forma de manipulação da massa popular. Portanto, acreditamos que a música deve ser pensada como um dos fatores fundamentais para desenvolvimento cognitivo, emocional e intelectual do ser humano. Esta grande significância da música na vida do ser humano, só é possível devido a sua grande riqueza, tanto em termos teóricos quanto interpretativos. Até mesmo por que a humanidade está em constante mudança e tudo que não se mostra qualitativo, rapidamente é abolido e esquecido. Assim a música possui várias formas de linguagem, podendo ser apropriada e executada de formas distintas em lugares e contextos variados. Dentro da música podemos utilizar várias formas de expressão, pois, no Brasil, podemos encontrar estilos distintos e variados. Cada povo traz uma enorme variedade na bagagem cultural sendo que não é possível estabelecer uma regra única para a experiência musical. Uma fonte comercial utilizada atualmente na nossa realidade advém das chamadas músicas-comerciais que são produzidas com um único objetivo: as vendas, são exploradas em todas as rádios retratando temas banais e fúteis sendo rapidamente esquecidas pela massa popular. Tem um caráter apelativo e possuem alguma coreografia. O que exemplifica o fato relatado acima é a execução de uma obra-musical por dois grupos diferentes: profissionais e autodidatas. O primeiro, devido ao grau de escolaridade (teoria) e o segundo a sua vivência de mundo e tradição cultural (prática) faram apresentações diferenciadas. O que se faz notável é a interação entre os dois grupos: em o estudo de uma peça ou em uma apresentação, os dois vivem o duplo momento. Como também pode o primeiro simplesmente executar uma partitura e sair de cena ou o segundo não lê se quer uma cifra, mas sentir a emoção proporcionada pela execução. Os dois estão vivenciando e produzindo música. 4

5 Dessa forma a música é importante essencialmente para o ser humano não como formadora exclusiva de artistas, mas sim como elemento essencial da vida que possibilita ao homem um maior desenvolvimento do seu mundo emocional e racional. Para Duarte Júnior (1994) a primeira função cognitiva, ou pedagógica, da Arte: apresenta nos eventos pertinentes a esfera dos sentimentos, que não são acessíveis ao pensamento discursivo. Através da Arte somos levados a conhecer nossas experiências vividas que escapam a linearidade da linguagem. A Arte utilizada como forma de expressão dos nossos sentimentos, desejos, fantasias, medos que são produzidos e guardados pelo nosso cérebro vindo a manifestar quando sentimos algo que nos lembre aquele momento guardado e catalogado, que geralmente são as sensações de prazer ou medos (traumas). Por conseguinte podemos afirmar que, a música é elemento fundamental que não pode ser abolida da formação sentimental e cognitiva na vida de uma criança. A liberdade de expressão proporcionada pela Arte de um modo geral arrasta multidões de executantes e admiradores de todas as idades, raças e classes sociais. Sendo democrática, percebemos que não existe uma música, mas sim, várias músicas, que proporcionam ao ser humano as mais diferenciadas e ricas experiências de expressão e resignificação da vida. Sendo a infância o enfoque de nossa pesquisa, concordamos com Delalande (1999), que nesta fase a criança passa por três categorias de condutas de produção sonora, são elas: as condutas de exploração, de expressão e de construção. Não esquecendo em nenhum momento da importância dos pais no processo da criação e dos educadores quando chegar o período educacional. A Conduta de Exploração: é a primeira fase da infância em que a criança passa a explorar o universo sonoro. O exemplo disso é a batida da mão na madeira do berço, o ranger das unhas na madeira ou em um brinquedo, entre outros fatores. Aos 03 anos a criança passa a perceber uma pequena variação do timbre sonoro: ao brincar com um pequeno tubo que fazia muito barulho aberto, fechando um pouco sua cavidade o barulho reduziria. Já entre os 04 e 05 anos o processo mais viável e rápido é o da repetição. O que se faz notável neste período é a participação dos pais e educadores quando a criança já está 5

6 fazendo parte do meio-educacional. Os pais devem não só estimular a repetição como também incentivar seus filhos a criarem. Já o educador deve catalisar as informações passadas em casa e dar continuidade ao processo, ajudando na construção e elaboração de idéias, através das brincadeiras de roda utilizando nelas pequenos exercícios rítmicos, algumas encenações teatrais, desenhos criados em papel ou modulados em argila. Ao educador cabe incentivar o fazer-criativo. O que podemos observar é que através das brincadeiras de roda nos deparamos com um fato muito comum e notável por muitos: a entonação. Muitas vezes ela está relacionada com o lado afetivo. A criança canta com o seu lado emocional, se ela está bem emocionalmente sua voz sobressai canta alto e em bom som, se está abalada emocionalmente quando vai a apresentação sua voz não é ouvida. Entramos assim na segunda fase da criança no meio musical. A Conduta de Expressão: na qual a criança é no meio-artístico o reflexo do seu lado emocional, só começa a separar o lado afetivo do interpretativo aos 07 anos. Antes desta idade ela é conduzida pelo seu lado emocional. Uma cena de violência é retratada pela criança com uma voz gritada e com tapas e agressões aos seus colegas, muitas vezes é o reflexo do que ele presencia em família, em brincadeiras de grupo nas ruas entre amigos ou mesmo nos meios de comunicação. Se ela interpreta uma peça calma seu corpo e conduzido por movimentos leves e tranqüilos, se interpreta um momento tenso em determinado trecho seus olhos ficam espantados, suas mãos agitadas, pernas trêmulas e a voz nervosa. A Conduta de Construção: nesta terceira etapa observamos que o fazer criativo citado na primeira etapa como estimulação, agora aparece como produto final. Por volta dos 10 anos os alunos estão preparados para produzirem suas próprias interpretações e criações, não encontrando dificuldade, mas ao contrário um grande prazer, como em organizar seu grupo de trabalho como em compor elementos sonoros que eles reuniram. Com a orientação do educador eles criam com o conhecimento adquirido através das brincadeiras de roda, audição de peças folclóricas-infantis, exercícios rítmicos e expressão corporal seu produto final, muitos até com instrumentos inventados por eles mesmos. Através de pequenas Oficinas os educadores preparam os alunos para confeccionarem seus próprios instrumentos, utilizando caixas de sapato, 6

7 garrafas plásticas, tampas de panela e uma variedade enorme de sucatas. Agora eles vão organizar seus pensamentos e conhecimentos básicos de musicalização infantil, se tiverem passado corretamente pelas três fases, e produzirem um final satisfatório se a turma toda tiver disposição e demonstrar interesse pelo conteúdo proposto. Segundo Delalande (1999), muitos alunos, principalmente os de escolas públicas, não demonstram muito interesse pelo processo de criação preferem fazer uma paródia ou se distanciarem do produto final. Se a criança dominar estas três formas de condutas, aprofundando nos estudos musicais, ela estará no caminho certo para ser um músico qualificado e um cidadão consciente, equilibrado, tanto no lado racional quanto no afetivo. Até por que os grandes concertistas de um modo geral iniciam sua vida musical na infância. Segundo uma pesquisa realizada e publicada no livro A Importância da Música para as crianças: Quanto mais nova a criança aprender a tocar um instrumento mais córtex ele dedicou para tocá-lo. Aulas de Música na infância realmente fazem o cérebro crescer. Pesquisadores alemães descobriram que a área do cérebro utilizada para analisar tons musicais é, em média 25% maior nos músicos. Quanto mais cedo começar o treino musical, maior será a área do cérebro. Crianças que estudam música saem-se melhor na escola e na vida. (págs 20 e 21). Educação Musical infantil em Escolas Públicas: Histórico e Perspectivas. Reconhecendo a importância da música para o desenvolvimento infantil, nos ateremos nesse capítulo a discutir e analisar aspectos históricos do ensino de música no Brasil, dando ênfase aos processos educacionais nas escolas públicas, principalmente na fase de escolarização infantil. Objetivamos, assim apontar como, no desenvolvimento histórico brasileiro, se estabeleceram propostas de educação musical infantil e como isto tem refletido nas práticas contemporâneas de ensino de música para crianças. A primeira noção de educação destinada ao desenvolvimento infantil foi no período da Revolução Industrial, onde Pestalozzi desenvolveu um programa voltado para a educação, higiene e alimentação das crianças. Pois nesta fase histórica seus pais realizavam jornadas exaustivas nas fábricas. Pestalozzi alojava as crianças em 7

8 Kindergarten, que segundo Beyer (1998) desfrutavam de noções básicas de educação e tinham a música como um dos elementos para despertar a sensibilidade estética ampliando e desenvolvendo seus conhecimentos. No Brasil, foi com a Abolição de escravatura que surgem as primeiras crianças de rua. São filhos dos negros que sem lugar para morar e comer se vêem obrigados a se alojarem nas ruas. Logo surge um importante e lamentável fato na história da humanidade brasileira. Hoje milhões delas vivem nas ruas onde se prostituem e se transformam em usuários de drogas, sustentando quase em 60% o tráfico de droga do país, dividindo-se entre vendedores e usuários. Percebemos que com a utilização da educação musical infantil aplicada através de palestras, apresentações e aulas em praças públicas, instituições ou mesmo nas salas de aula, com educadores ou membros da sociedade que tenham embasamentos teóricos para relatarem o tema proposto, através da valorização da criança como ser humano, desenvolvendo temas educativos e utilizando a música como meio de comunicação. Podemos reduzir ou mesmo erradicar este fato deprimente na sociedade brasileira. Estas crianças quando freqüentam as instituições, participam de atividades artísticas que utilizam a música como veículo condutor no resgate da auto-estima, principalmente daquelas carentes. As instituições citadas acima surgem no Brasil por volta de 1820 como uma tentativa de equacionar o número de crianças existentes nas ruas. O que percebemos que não funcionou de forma adequada. Relata Beyer (1998), nesse período a infância não tem o seu valor reconhecido, parece mais uma punição e não um direito para as crianças. Nesta fase a música aparece como atividade enriquecedora dos valores femininos, pois as moças de família deveriam ser prendadas. Nasce aqui uma música voltada para a classe dominante. Surgindo também os primeiros conservatórios de música que ampliariam os conhecimentos das classes mais favorecidas economicamente. Enquanto na Europa a música já se firmava nos currículos escolares, no Brasil era voltada para as classes mais favorecidas. O modernismo foi um dos mais importantes movimentos da Arte no Brasil, marcando significativamente o cenário artístico do país. Esse movimento teve como ponto fundamental, a Semana da Arte Moderna que aconteceu no Teatro Municipal de 8

9 São Paulo no ano de Suas propostas fazem parte da vida dos artistas contemporâneos, até os dias atuais. Podemos perceber que nos anos anteriores a Semana da Arte Moderna, a música popular brasileira não era valorizada. Segundo Travassos (2000), vários compositores usavam pseudônimos para protegerem a integridade do seu nome. Pois a sociedade conhecia o gênero erudito como predominante, as músicas populares eram consideradas vulgares e quem as compunham não tinham reconhecimento e respeito, ficando impossibilitados de se destacarem no cenário artístico e erudito. Somente Pixinguinha e Donga tiveram coragem de mostrar as raízes da música brasileira usando o próprio nome e gravando o primeiro samba. Registrando seus nomes na história e sendo reconhecidos como pioneiros no cenário popular. A partir da Semana da Arte Moderna, acompanhou-se uma abertura crescente para as novas expressões artísticas brasileiras. Em música, cresce tanto o estilo erudito como o popular, as crescentes mudanças são inquestionáveis e notáveis, um novo mundo de ritmo, sons, técnicas e composições até chegarmos hoje na imensa riqueza musical brasileira. Não podemos deixar de ressaltar a importância de Mário de Andrade nesse movimento, que embora fosse escritor, publicou grandes obras literárias divulgando a música e a cultura brasileira. No âmbito educacional na primeira metade do séc XX, as disciplinas de Desenho, Trabalhos Manuais, Música e Canto-Orfeônico fazem parte dos programas das escolas primárias e secundárias, a figura do educador funcionava com um exemplo a ser seguido e imitado. O que se avaliava era a qualificação do trabalho, não utilizando as técnicas como ponto primordial no desenvolvimento do conteúdo proposto, pois nem os educadores se mostravam aptos para dominá-las. O Teatro e a Dança funcionavam somente como atividades comemorativas, nas festas das mães, pais, páscoa, natal e todos os outros eventos que tivessem caráter festivo. O ensino de música sente a necessidade de se firmar como disciplina no meio educacional. Fazendo parte durante muito tempo do caráter festivo como o teatro e a dança percebemos uma grande lacuna no desenvolvimento da sensibilidade infantil, neste período, que pode ser trabalhado e explorado no processo de musicalização infantil. A falta de material adequado associado a vários outros fatores, muitas vezes funcionava 9

10 como uma espécie de barreira entre criança, sensibilidade e educador. O que até hoje não deixa de ser um fator negativo devido ao baixo poder aquisitivo dos professores e o alto custo das obras, em especial as mais completas. A Arte, no Brasil, sempre esteve ligada a lutas e manifestações populares, existindo mesmo que de forma contraditória um forte elo entre o ensino de música e políticas governamentais. Mas foi nos anos 30 no governo de Getúlio Vargas através do decreto da lei (n.o de 31 de abril, art 30) que as aulas de música passaram a ser obrigatórias para todos os níveis de ensino. O que distanciou a música nas escolas do fazer-criativo. Até mesmo por que no governo de Vargas só poderiam veicular as músicas que apresentassem os feitos políticos do governo e exaltassem as belezas naturais do Brasil. Foi aqui que Ary Barroso compôs Aquarela do Brasil, uma canção cujo tema central é a exaltação da natureza brasileira. No campo educacional musical a necessidade se concretiza através do compositor Villa-Lobos, que segundo Emerlinda A. Paz (2000) depois de haver se consagrado nos grandes centros culturais do mundo, retorna ao Brasil para se ocupar de uma grande e importante tarefa: a implantação do Canto Orfeônico na educação musical. Através do decreto citado acima, Villa-Lobos recebe a indicação para as funções do orientador de música e Canto Orfeônico no Distrito Federal. Villa-Lobos cria cursos para a capacitação dos professores, biblioteca de música nas escolas, publicação de livros, peças teatrais educativas entre outras criações é importante ressaltar o SEMA, Superintendência de Educação Musical e Artística. O Canto Orfeônico espalhou pelo país trazendo uma idéia de civismo. Que mais tarde é substituído pela educação musical, criada pelas Leis de Diretrizes e Bases de 1961 (PCN, 1997). Nota-se que, até então a forma utilizada pelos educadores era o da imitação em todas as áreas artísticas. Com o passar dos anos as novas idéias foram surgindo e o ensino da Arte foi sendo repensado e voltado para o desenvolvimento natural da criança, valorizando suas formas de expressão e de compreensão do mundo. Agora o que deve ser valorizado é o desenvolvimento do aluno e sua criação. 10

11 Pensando assim, os educadores começaram a se prepararem teoricamente e as aulas de artes plásticas, educação musical, teatro e dança tiveram um novo sentido no meio educacional e na sociedade. O educador musical deve incentivar o aluno a improvisar, criar e principalmente valorizar sua auto-expressão. Buscando, assim, a sensibilidade, a imaginação e o desenvolvimento cognitivo de suas habilidades psico-motoras. Em 1971, pela Lei de Diretrizes e Bases Nacional, a Arte é incluída no currículo escolar com o titulo de Educação Artística, mas é considerada Atividade Educativa e não disciplina. (Parâmetros Curriculares Nacionais pág.28) O que pareceu um progresso é o inicio de um caos. Com a implantação da nova Lei percebemos que ocorre o desaparecimento das aulas de música nas escolas curriculares. Sendo assim não existiria mais a aula de música e conseqüentemente o educador musical com habilitação específica desapareceria. Como conseqüência deste fato surge então a figura do professor polivalente (o mesmo professor administraria aulas de plásticas, teatro e música), educadores mal qualificados, entrando nas salas e resistindo ao tempo e a novas propostas de inovação, provocando ao longo dos anos a decadência do ensino artístico e a alienação dos alunos. Uma conseqüência grave foi à descontinuidade das aulas, provocando uma queda no rendimento dos alunos e conteúdos propostos. Já no ponto de vista organizacional, a conseqüência a ser destacada foi o papel periférico das aulas de música nos currículos, devido ao pequeno número de aulas dedicadas a este conteúdo e o descaso com que a disciplina é retratada. Percebemos que os educadores não se mostravam aptos didaticamente para ministrarem as aulas, com isso os alunos não se interessavam pelo conteúdo provocando a decadência da música no ensino educacional. Passaram-se 80 anos e a Arte não tem seu valor reconhecido dentro da sociedade. Continua a assumir o papel decorativo e festivo dentro de algumas instituições. 11

12 Nas salas de aula os professores atuam em todas as áreas artísticas, independentes de sua formação e habilitação. Comprovando mais uma vez a decadência do ensino musical. No meio educacional percebemos que não existe o número adequado de especialistas na área musical. Logo assim, as aulas de música são ministradas por professores polivalentes e profissionais atuantes em outras áreas. Nos anos 80, surge o movimento da Arte-Educação, uma tentativa de conscientizar, orientar e organizar os educadores da área artística. Verifica-se, até hoje, que são promovidos congressos e seminários numa tentativa de equacionar a alienação cultural dos educadores. Favorecendo, assim, os alunos e mais tarde a sociedade. Com a Lei n /96, revogando as disposições anteriores a Arte é considerada obrigatória na Educação básica. O ensino da Arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da Educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos (ART. 26 parágrafo 2 º ). (Parâmetros Curriculares Nacionais -pág 30) Podemos perceber que existe uma grande necessidade, por parte dos educadores musicais, de aproximarem dos professores do ciclo básico. Para estudiosos da educação musical, como Souza; Hentschke; Oliveira; Del Bem; Mateiro (2002), detecta-se esta busca uma vez que o professor especialista em música, por várias razões, está cada vez menos presente nas escolas. Pode-se afirmar uma nova orientação da área que inclui tanto o professor especialista como o de séries iniciais que trabalha com música. Essa orientação é, uma solução emergencial, diante do escasso número de professores especialistas em música atuando nas escolas. A situação da aula de música nas escolas brasileiras tem se mostrado cada dia mais crítica, a escassez afirmada acima é notável em todos os meios educacionais que envolvem a música, como disciplina. Mas um fato que nos incomoda é que a grande massa artística recém graduada não está atuando no mercado de trabalho como gostariam e existe uma grande escassez na área escolar. Será que estes profissionais estão qualificados profissionalmente para atenderem a exigência do mercado de trabalho atual? 12

13 É um questionamento indispensável, que nos mostra através da solução emergencial (a necessidade de duplicidade entre o professor de séries e o especialista) e da escassez de profissionais nas aulas de música nas escolas, que vários professores recém graduados no Brasil não estão preparados profissionalmente e que a música não tem o seu devido valor. Segundo Kraemer (2000), a música só conseguirá se firmar no meio educacional quando se unir aos campos da estética, sociologia, psicologia e pedagogia dentre outras. Os fatores de crise da aula de música na escola, depois da predominância do canto orfeônico durante algumas décadas fazem surgir novas experimentações e uma necessidade de conceber a educação musical como uma nova ciência do conhecimento. Assim, mais tarde a Educação Artística passa a ser chamada de Arte sendo incluída no currículo como área e dividida. A figura do professor polivalente não se faz mais obrigatória, cada educador especializa em sua habilidade artística. Após muitos debates e manifestações de educadores, a atual legislação educacional brasileira reconhece a importância da Arte na formação e desenvolvimento de crianças e jovens, incluindo-a como componente curricular obrigatório da educação básica. No ensino fundamental a Arte passa a vigorar como área de conhecimento e trabalhado com as várias linguagens, visando a formação artística e estética dos alunos. A área de Arte, assim constituída, refere-se as linguagens artísticas, como as Artes Visuais, a Música, o Teatro e a Dança. (Trecho extraído do Texto: Arte no Ensino Fundamental). Percebemos que mesmo com todas as mudanças causadas pelo tempo e pela necessidade de desenvolvimento da sociedade. Em pleno século XXI, encontramos educadores cedendo os horários de Arte para reposição de matérias como: matemática, física, historia e todos os outros. O Sistema Educacional Artístico Brasileiro não tem seu os devidos reconhecimentos, são educadores mal qualificados que desvalorizam a Arte de um país tão rico culturalmente, deturpando a sociedade e os seus valores emocionais. No campo musical infantil vários foram os progressos registrados ao longo da história. Mas observamos que o sistema educacional artístico ainda é falho e muitas vezes esbarra em regras criadas pelos meios institucionais. O educador muitas vezes não possue 13

14 a qualificação profissional exigida pelo mercado de trabalho, dificultando a sua entrada no meio educacional e provocando o declínio da Arte. O ensino de música nas escolas públicas: uma reflexão sobre as contribuições da música para o desenvolvimento educacional dos alunos. Um grupo de pré-escolares na Califórnia teve aulas de piano uma vez por semana, enquanto outros membros da classe tiveram treinamento em computadores, e um terceiro grupo não teve nenhuma instrução especial. Os pianistas iniciantes tiveram notas 34% superiores as dos outros grupos, nos testes destinados a medir a capacidade de raciocínio tempero-espacial características requeridas para matemática, xadrez, ciências e engenharia. É interessante observar que as crianças que aprenderam computador não tiveram notas mais altas do que aquelas que não haviam recebido nenhuma instrução especial.(a Importância da Música para as Crianças, pág.18). Com base nesta afirmação, observamos a importância do ensino de música dentro das escolas, principalmente no ciclo básico. É extremamente absurdo querer abolíla do currículo escolar. Vários foram os progressos registrados ao longo dos anos pelas crianças que tiveram a disciplina como forma de educação. Ao aprender Arte na escola, o jovem poderá integrar os múltiplos sentidos presentes na dimensão do concreto e do virtual, do sonho e da realidade. Tal integração é fundamental na construção da identidade e da consciência do jovem, que poderá assim compreender melhor sua inserção e participação na sociedade, tornando indivíduos menos violentos e conscientes do seu verdadeiro papel no mundo. Outro fator significativo é que jovens que tiveram aulas de música desde a infância tem menos disposição para engajar no mundo das drogas e possui maior habilidade para aprender matemática e ciências. Logo sentirão menos dificuldades para se adequarem ao mundo atual e ao mercado de trabalho, pois são cidadãos mais flexíveis e aptos as mudanças. A música educa o intelecto, formando indivíduos dotados culturalmente. O Brasil, pais de uma enorme diversidade cultural devido às várias raças que contribuem para nossa formação musical tanto na colonização como na globalização. Só fará parte do 14

15 primeiro mundo quando investir em educação e valorizar sua riqueza cultural, acabando assim, com a alienação e o analfabetismo. Um povo preparado culturalmente e com níveis superiores em educação, são cidadãos conscientes e dotados de inteligência. O submundo não conhece a educação como deveria e tampouco sua cultura, que é passada de pai para filho baseado nos modelos arcaico, vivem como escravos mentais e são facilmente manipulados. A música é retratada como um ritual festivo, sendo utilizada nas comemorações e celebrações. O aluno desenvolve sua cultura de Arte fazendo, conhecendo e apreciando produções artísticas, que são ações que integram o perceber, o pensar, o aprender, o recordar, o imaginar, o sentir, o expressar, o comunicar. A realização de trabalhos pessoais, assim como a apreciação de seus trabalhos, os dos colegas e a produção de artistas, se dá mediante a elaboração de idéias, sensações, hipóteses e esquemas pessoais que o aluno vai estruturando e transformando, ao interagir com os diversos conteúdos de Arte manifestados nesse processo dialógico. Não desvalorizando as demais disciplinas, mas reconhecendo a arte como um todo, ela se faz tão importante quanto o português, a matemática, química, física e outros, devendo ser valorizada, apreciada e estudada. Através da música, principalmente quando ensinada nos ciclos fundamentais a criança desenvolve a imaginação, a sensibilidade, as habilidades cognitivas e psico-motoras. No Brasil encontramos uma enorme variedade cultural, o que possibilita a melhor exploração das inúmeras formas de linguagens musicais como fonte de aprendizado, não podendo a educação musical ser ensinada do mesmo modo em todas as escolas. Até por que, cada individuo traz em sua bagagem genética uma diversidade cultural, que varia dentro do mesmo estado, onde sofre influências dos africanos, europeus e indígenas. O lundu, por exemplo, é um estilo musical trazido pelos negros africanos e propagado nas senzalas, como formas de dança eram utilizadas as umbigadas. Já o maxixe traz em sua formação a influência européia, não sendo este estilo bem aceito pelas comunidades religiosas, devido ao seu requebrado exagerado. Se tornado sensual e afrontando a moral e os bons costumes daquela época. A modinha foi um estilo trazido pelos portugueses. Conseqüentemente novos gêneros foram surgindo, como o choro, o samba e os demais estilos que conhecemos. Não tenho a pretensão de retratar neste breve 15

16 parágrafo a história dos gêneros musicais. Pretendemos sim, ajudar os educadores a entenderem o seu papel no contexto educacional. Pois, não é possível estabelecer um programa único para se ensinar música, cada criança traz de casa uma vivência cultural diferente das demais é preciso detectá-la e expandir seu horizonte com informações adequadas e significativas. Ao educador cabe, estabelecer um propósito como produto final, mas buscá-lo de diferentes maneiras, respeitando a individualidade de cada um. Sendo assim, mesmo com todas as descobertas o mundo musical espera e garante a chegada de novos compositores e estudantes de música proporcionando a eles variadas sensações e saciando a escassez do mercado de trabalho profissional dentro das escolas. Pois segundo Jussamara (2002), existe uma grande escassez dentro da escola de professores de música especializados. As maiorias das aulas são ministradas por professores regentes. A LDB 9.394/96, vigente atualmente, concebe a área de artes como disciplina obrigatória nos diversos níveis de educação básica (BRASIL, 1996). Mas tanto a 5692/71 como 9.394/96 não estabelecem uma autonomia para a música dentro da escola, principalmente nos anos iniciais do ensino fundamental, onde as aulas de Arte são ministradas pelo professor regente da turma e não por um professor específico da área. Para Penna (2001), os PCNS trazem no documentado para 1 º e 2 º ciclos propostas específicas para o ensino da música que, mesmo apresentando alguns problemas, proporcionaram o contato dos profissionais, atuantes nesta etapa da educação escolar, com questões referentes à educação musical na escola. Percebemos que mesmo com todas as tentativas governamentais e revolucionárias, a Arte não é reconhecida no meio educacional, principalmente nos anos iniciais do ensino fundamental, precisando ser repensada e valorizada. Sua importância discutida ao longo dessa pesquisa se faz notável para o desenvolvimento das habilidades. Os educadores musicais precisam se qualificar profissionalmente para garantirem a expansão da música no meio educacional. Conseqüentemente diminuindo a escassez da área musical nas escolas. Entender e estudar a Arte é reconhecer o verdadeiro valor do ser humano, submetendo-o a experimentação de suas emoções, sentimentos, desejos e fantasias. 16

17 Ajudando a formar um mundo menos violento e mais crítico, fortalecendo a idéia de coletividade e o bem comum. Não podemos extinguir o ser humano do meio escolar, logo, não podemos extinguir a música dos currículos escolares, desta forma, estaríamos privando o ser humano de seu desenvolvimento emocional, psico-motor e cognitivo. Referências Bibliográficas ABEMÚSICA. A Importância da Música para as Crianças. São Paulo: ANAIS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA MÚSICA. VII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical. Curitiba: Outubro de BEYER, Ester. VII Encontro Anual da Associação Brasileira de educação Musical: O Ensino de Música na educação Infantil. Pernambuco, Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, Curso de pós-graduação em Música-Mestrado e Doutorado/UFRGS-Núcleo de Estudos Avançados. Música: Pesquisa e Conhecimento. Vol dois. Porto Alegre: Junho de DELALANDE, François. A criança do sonoro musical. Anais do VIII encontro anual da Associação Brasileira de Educação Musical. Curitiba, 1999, p FONSECA, J.G. Marques. As Relações Interpessoais na Escola: A Dimensão Não Musical das Escolas de Musica. Cadernos de Estudo: Educação Musical, n 1. São Paulo: Escola de Musica/ UFMG, GAINZA, V. Hemsy de. Estudos de Psicopedagogia Musical. São Paulo: Summus, PAYNTER, John. Oir, aqui e a hora.buenos Aires: M. A. Bermejo, PAZ, Ermelinda A, Pedagogia Musical Brasileira no Século XX. Metodologias e Tendências/ Ermelinda A. Paz-Brasília: Editora Musimed, PENNA, Maura. Música na escola: analisando a proposta dos PCN para o ensino fundamental. In: PENNA, Maura (Org.). É este o ensino de arte que queremos? João Pessoa: Editora Universitária UFPB, QUEIROZ, Luis Ricardo S. A Educação Musical em Escolas Públicas: o ensino de música nas aulas de Artes - 1º e 2º ciclos do ensino fundamental das escolas públicas estaduais de Montes Claros MG. ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, 12, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ABEM, 2003, p SUZUKI, Shinichi. Educação é amor: um novo método de educação/ Shinichi Suzuki: Tradução de Anne Carena Gottber. 2ª ed. Ver - Santa Maria: Pallotti, TRAVASSOS, Elizabeth. Modernismo e música brasileira/ Elizabeth Travassos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar - Ed,

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento INTRODUÇÃO Educadores musicais têm manifestado sua preocupação com a observância da Lei nº 11769, que é a lei de inclusão da música no currículo das

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INFLUÊNCIA DA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Edna Aparecida Pereira 1 Vanessa Rodrigues Ferreira 2 RESUMO A música na Educação Infantil vem atendendo a objetivos alheios a questões próprias dessa linguagem

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros.

Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Extensão Universitária: A sensibilização musical em crianças e adolescentes através do projeto Multicampi da Universidade Estadual de Montes Claros. Resumo: Este presente trabalho constitui-se de um relato

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução

Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1. Introdução Empreendedorismo na Escola de Música da UFMG 1 Introdução A Música e as artes quando praticada como atividade profissional, não é diferente de qualquer outra área de conhecimento. A formação de um músico

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Uma visita ao zoológico. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO As Vogais vão ao zoológico e têm contato com

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

ESCOLA DE ARTES SOM LIVRE

ESCOLA DE ARTES SOM LIVRE CURSOS DE MÚSICA E ARTES PARA ESCOLAS A Som Livre Escola de Artes oferece para as escolas infantis uma proposta inovadora : Cursos de Artes, especialmente voltado para crianças. Através de praticas e vivencias

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO O Orfanato Evangélico, através do Projeto Boa Semente, desenvolveu atividades direcionadas as crianças de 1 mês a 1 ano de idade,

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PORTFÓLIO DOS CURSOS

PORTFÓLIO DOS CURSOS PORTFÓLIO DOS CURSOS GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Perillo Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação - SECTEC Mauro Faiad Centro Cultural Labibe Faiad Meire Cristina Mendonça APRESENTAÇÃO

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais