QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC"

Transcrição

1 QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC

2 SOBRE OS SERVIÇOS DE ENERGIA ELÉTRICA Produto: energia elétrica (real, tangível e de alta periculosidade) Monopólio natural Ambiente Regulado Conflitos de Interesses Realidade Tarifária

3 MISSÃO: Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica se desenvolva com equilíbrio entre os agentes e em benefício da sociedade. INTERESSE PÚBLICO CONSUMIDORES Modicidade tarifária Qualidade do serviço Garantia de direitos EQUILÍBRIO AGENTES REGULADOS Remuneração adequada Contratos honrados Regras claras GOVERNO Interesses estratégicos

4 QUALIDADE DOS SERVIÇOS OFERTADA PELA DISTRIBUIDORA Fornecimento sem interrupção; TÉCNICOS Fornecimento sem variação de tensão; Comunicação prévia de interrupções; Agilidade no restabelecimento. Acesso ao atendimento; COMERCIAIS Atendimento adequado; Faturamento correto; Cumprimento de prazos.

5 QUALIDADE DOS SERVIÇOS ESPERADA PELOS CONSUMIDORES SATISFAZER SIGNIFICA ATENDER ÀS EXPECTATIVAS Expectativas, e não coisas, são o que as pessoas compram. Compram expectativas de benefícios prometidos pelo vendedor. Quando demora muito tempo para cumprir a promessa, [...], as ansiedades do comprador se acumulam [...]. (Levitt, 1990). E QUAIS SÃO AS EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA?

6 TERMÔMETRO - RECLAMAÇÕES Até o dia 2/12/ h: Projeção para 2014 = Aumento de 40% R² = 0,9802 R² = 0,

7

8 Solicitação de fornecimento atendida, de forma gratuita, desde que: Esteja em propriedade não atendida; Carga instalada menor ou igual a 50 kw; Tensão inferior a 2,3 kv (Grupo B); Exceto iluminação pública. Solicitação de aumento de carga, de forma gratuita, desde que: A carga instalada após o aumento seja menor ou igual a 50 kw; e Não seja necessário realizar acréscimos de fases da rede em tensão igual ou superior a 2,3 kv. Receber a instalação de padrão de entrada, ramal de conexão e kit de instalação interna, de forma gratuita, quando se localizar em área rural e for ligação monofásica ou bifásica.

9 PRAZO DE LIGAÇÃO: Nos locais onde já houver rede de distribuição de energia elétrica: 2 (dois) dias úteis baixa tensão - urbano 5 (cinco) dias úteis baixa tensão - rural 7 (sete) dias úteis alta tensão Contados da data da aprovação das instalações e do cumprimento das demais condições regulamentares. Ter a energia elétrica religada, no prazo máximo de: 24 horas para a área urbana; 48 horas para a área rural. Após comunicar o pagamento ou a partir da baixa do débito no sistema da distribuidora.

10 Receber energia elétrica em sua unidade consumidora nos padrões de tensão e de índices de continuidade estabelecidos. Se os indicadores individuais forem transgredidos, há compensação financeira para o consumidor na própria fatura.

11 Ser orientado sobre o uso eficiente da energia elétrica, de modo a reduzir desperdícios e garantir a segurança na sua utilização.

12 Responder apenas por débitos relativos à fatura de energia elétrica de sua responsabilidade. (Exceção: sucessão comercial). Ter o serviço de atendimento telefônico gratuito disponível 24 horas por dia e sete dias por semana para serviços comerciais e solução de problemas emergenciais. Exceção: distribuidoras com até 60 mil unidades consumidoras podem oferecer serviços comerciais de 8 às 18 hs. Ser atendido em até 45 minutos nos postos de atendimento presencial, ressalvada a ocorrência de casos fortuitos ou de força maior.

13 Ter acesso à estrutura adequada para apresentação de suas solicitações e reclamações, bem como efetuar o pagamento de sua fatura de energia elétrica sem ter que se deslocar do seu Município. Ter resposta às informações solicitadas de forma imediata e a solução de suas reclamações no prazo de até 5 dias úteis, ressalvados os prazos específicos previstos na legislação. Ser ressarcido por valores cobrados e pagos indevidamente, acrescidos de atualização monetária e juros.

14 CONTRAPARTIDA:

15 Manter a adequação técnica e a segurança das instalações elétricas da unidade consumidora, de acordo com as normas oficiais brasileiras. Manter livre, aos empregados e representantes da distribuidora, para fins de inspeção e leitura, o acesso às instalações da unidade consumidora relacionadas com a medição e proteção. Pagar a fatura de energia elétrica até a data do vencimento, sujeitando-se às penalidades cabíveis em caso de descumprimento.

16 Manter os dados cadastrais da unidade consumidora atualizados junto à distribuidora, especialmente quando da mudança do titular, solicitando a alteração da titularidade ou o encerramento da relação contratual, se for o caso. Informar as alterações da atividade exercida (ex: residencial, comercial, industrial, rural, etc.) na unidade consumidora. Denunciar a ocorrência de furtos de energia elétrica e fraudes nos equipamentos de medição. A energia roubada da rede é paga por todos nós.

17 A PERCEPÇÃO DO CONSUMIDOR

18 Avaliar, a partir da percepção do consumidor, o grau de satisfação com os serviços prestados pelas distribuidoras de energia elétrica.

19 101 Distribuidoras questionários municípios 63 Concessionárias questionários municípios 38 Permissionárias questionários - 57 municípios

20 Confiança Geral Preoc. c/ cliente Competência Informação CONFIANÇA Solução: Método PLS Partial Least Square Mínimos Quadrados Parciais Inform. ao cliente Acesso empresa Confiabilidade QUALIDADE PERCEBIDA Fidelid./Preço Preço/Benefícios SATISFAÇÃO FIDELIDADE Fidelid./Fornecim Fidelid./Atendim. Preço/ Fornecim. VALOR Preço/ Atendim. Distância do Ideal Satisfação Global Desconformidade

21 SATISFAÇÃO 15 - Satisfação Global Muito Insatisfeito Insatisfeito Nem insatisfeito Nem satisfeito Satisfeito Muito Satisfeito 17 Desconformidade Global Muito pior que o esperado Pior que o esperado Como o esperado / Igual ao esperado Melhor que o esperado Muito melhor que o esperado 23 Distância do Ideal Muito longe do ideal Longe do ideal Nem longe nem perto Perto do ideal Muito perto do ideal

22 QUALIDADE PERCEBIDA Informações ao Cliente Esclarecimento sobre seus direitos e deveres; Informação/orientação sobre riscos associados ao uso da energia; Detalhamento das contas; Explicação sobre o uso adequado da energia; Atendimento igualitário a todos os consumidores; e Segurança no valor cobrado.

23 QUALIDADE PERCEBIDA Acesso à Empresa Facilidade para entrar em contato com a empresa; Respostas rápidas às solicitações dos clientes; Pontualidade na prestação dos serviços; Cordialidade no atendimento; e Facilidade de acesso aos postos de recebimento de conta.

24 QUALIDADE PERCEBIDA Confiabilidade Fornecimento de energia sem interrupção; Fornecimento de energia sem variação na tensão; Avisos antecipados sobre o corte de energia falta de pagamento; Confiabilidade das soluções dadas; Rapidez na volta da energia quando há interrupção; e Avisos antecipados sobre o desligamento da energia - manutenção.

25 Resultados - Permissionárias

26 Resultados - Concessionárias

27 Confiança Geral 63,68 Preoc. c/ cliente 60,85 Competência 65,64 Informação 64, Inform. ao cliente 64,04 Acesso empresa 69,17 Confiabilidade 65,17 Preço/Benefícios 38,23 Preço/ Fornecim. 36,29 Preço/ Atendim. 36,07 QUALIDADE PERCEBIDA 66,14 0,20 VALOR 36,85 0,39 0,73 0,23 CONFIANÇA 63,60 0,40 SATISFAÇÃO 67,74 0,21 0,23 FIDELIDADE 36,94 Distância do Ideal 65,45 Resultados 2014 Fidelid./Preço 36,83 Fidelid./Fornecim 35,68 Fidelid./Atendim. 38,33 Satisfação Global 68,02 Desconformidade 69,66

28

29 Marcos Bragatto OBRIGADO Superintendente de Mediação Administrativa, Ouvidoria Setorial e Participação Pública - SMA (61) /(61)

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Atualizada até a REN 499/2012 Resolução Normativa nº 414 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL A ANEEL consolidou os direitos e deveres

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO A CEB Distribuição S.A., CNPJ n o 07.522.669/0001-92, com sede no Sia Trecho 1 Lote 03 área

Leia mais

va_direitosedeveres.indd 1 22/02/13 15:31

va_direitosedeveres.indd 1 22/02/13 15:31 Foto: Clodoaldo Damasceno va_direitosedeveres.indd 1 22/02/13 15:31 A satisfação dos clientes inspira a COSERN a investir na melhoria contínua de seus processos para oferecer um serviço de qualidade aos

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR. Renato Marchetti,, Dr.

SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR. Renato Marchetti,, Dr. SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Renato Marchetti,, Dr. 1 Modelos de Avaliação da Satisfação do Consumidor 2 Modelos de Avaliação Medidas Subjetivas Baseados no Paradigma da Desconformidade Exemplo: Escala SERVQUAL

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS 1. Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA. Rio de Janeiro,25 de setembro 2006

NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA. Rio de Janeiro,25 de setembro 2006 NOVA REGULAÇÃO PARA GERENCIAMENTO DAS PERDAS DE ENERGIA Metering Latin America 2006 Rio de Janeiro,25 de setembro 2006 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade OBJETIVO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS 1. Da Resolução (414/2010 - ANEEL) Art. 44. O interessado, individualmente ou em conjunto, e a Administração Pública Direta ou Indireta, são responsáveis pelo custeio

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

Procedimento para ligações provisórias

Procedimento para ligações provisórias Procedimento para ligações provisórias Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR

ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Agência Nacional de Energia Elétrica ÍNDICE ANEEL DE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR BOA VISTA Energia S/A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RORAIMA Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais - SRC Dezembro

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO PARA BAIXA TENSÃO Nº 004/2013

CONTRATO DE FORNECIMENTO PARA BAIXA TENSÃO Nº 004/2013 CONTRATO DE FORNECIMENTO PARA BAIXA TENSÃO Nº 004/2013 CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A CEB DISTRIBUIÇÃO S/A. E O CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA

Leia mais

ENERGIA ELÉTRICA. Serviços Essenciais: Defesa do Consumidor

ENERGIA ELÉTRICA. Serviços Essenciais: Defesa do Consumidor Serviços Essenciais: ENERGIA ELÉTRICA Saiba o que são os serviços públicos essenciais e conheça seus direitos enquanto consumidor. Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor O que são os serviços públicos

Leia mais

E VOCÊ A ELEKTRO. Além de distribuir energia, proporcionamos segurança, bem-estar. e conforto para nossos clientes.

E VOCÊ A ELEKTRO. Além de distribuir energia, proporcionamos segurança, bem-estar. e conforto para nossos clientes. GUIA DO CLIENTE A ELEKTRO E VOCÊ Além de distribuir energia, proporcionamos segurança, bem-estar e conforto para nossos clientes. Preparamos este guia para você conhecer melhor a Elektro, os canais de

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Captura de Imagem (fotos) nos serviços de leitura de medidores em Baixa Tensão. Vanderlei

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

ARCON PA DIREITOS E DEVERES DOS CONSUMIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA

ARCON PA DIREITOS E DEVERES DOS CONSUMIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA GÊI DE EGULÇÃ E TLE DE SEVIÇS PÚBLIS D ESTD D PÁ -P P DIEITS E DEVEES DS SUMIDES DE EEGI ELÉTI PESETÇÃ EVET P SEVIÇS DE EEGI ELÉTI BSIL ompetência onstitucional onstituição da epública Federativa do Brasil

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.004 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

CLAÚSULA PRIMEIRA. Para os fins e efeitos deste instrumento, ficam acertadas entre as partes as seguintes definições:

CLAÚSULA PRIMEIRA. Para os fins e efeitos deste instrumento, ficam acertadas entre as partes as seguintes definições: CONTRATO Nº 043/2012/UFRR CONTRATO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA QUE ENTRE SI FAZEM A BOA VISTA ENERGIA S/A E A UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA. A, neste ato denominada CONTRATANTE, inscrita no CNPJ

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II PLANO PU 24/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito O Personnalité, sempre preocupado em manter a total transparência com você, preparou um resumo do contrato do seu cartão. Lembre que este é apenas um

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência Contratos e Faturamento da Demanda de Potência (REN 414/2010) JORGE AUGUSTO LIMA VALENTE Especialista em Regulação Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade Sertãozinho SP 22 de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 196, DE 22 DE AGOSTO DE 2005 Homologa o resultado definitivo da primeira revisão tarifária periódica e as tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho

A informação como prevenção do conflito. Isabel Andrade Álvaro Carvalho A informação como prevenção do conflito Isabel Andrade Álvaro Carvalho Encontro Nacional de Entidades Gestoras Coimbra, 4 de dezembro de 2013 A importância da informação aos utilizadores Abastecimento

Leia mais

Direitos e Deveres dos Usuários de Gás Canalizado. arsesp

Direitos e Deveres dos Usuários de Gás Canalizado. arsesp Direitos e Deveres dos Usuários de Gás Canalizado arsesp Direitos e Deveres dos Usuários de Gás Canalizado de Acordo com a Deliberação 160/2001 2 Expediente: Elaboração, organização e texto: Área de Comunicação

Leia mais

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B) Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B) Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal Pacote de Serviços - Universitários Confira abaixo a composição do Pacote de Serviços Universitários: Saques Saque de conta de depósitos à vista - Presencial ou pessoal 6 4 10 2,20 12,60 Fornecimento de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 642, DE 22 DE ABRIL DE 2008. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição,

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. Brasília DF 13 de dezembro de 2010

Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. Brasília DF 13 de dezembro de 2010 Marcos Bragatto Superintendente t Interino de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC Brasília DF 13 de dezembro de 2010 Objetivo Avaliar, a partir da percepção do consumidor, o grau de satisfação

Leia mais

Sumário Executivo do Regulamento de Utilização do American Express Conta Hotel

Sumário Executivo do Regulamento de Utilização do American Express Conta Hotel Sumário Executivo do Regulamento de Utilização do American Express Conta Hotel SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do American Express Conta Hotel IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 734, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Nota Técnica Relatório Voto Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica

Leia mais

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B)

Quantidade mensal incluída no pacote (A) Quantidade de serviços gratuitos por mês (B) Pacote de Serviços - Universitários Confira abaixo a composição do Pacote de Serviços Universitários: (B) total por mês Individual Saque de conta de depósitos à vista - Presencial 2,20 Saques ³ 6 4 10

Leia mais

CONTRATO DE SERVIÇO (CLIENTE/ODEBRECHT AMBIENTAL -

CONTRATO DE SERVIÇO (CLIENTE/ODEBRECHT AMBIENTAL - LIMEIRA S/A) CONTRATO DE SERVIÇO (CLIENTE/ODEBRECHT AMBIENTAL - De um lado a empresa ODEBRECHT AMBIENTAL - LIMEIRA S/A, estabelecida na cidade de Limeira, Estado de São Paulo, na Rua Tiradentes, 943, Centro,

Leia mais

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor

Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE. O Papel da ANEEL. 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE. Eduardo Ellery Diretor Audiência Pública de Fiscalização ENERGIPE O Papel da ANEEL 6 de outubro de 2004 Aracaju-SE Eduardo Ellery Diretor Sumário O Papel da ANEEL I. Competências II. Características III. Relacionamento e participação

Leia mais

Declaração para solicitação de ISENÇÃO de ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo.

Declaração para solicitação de ISENÇÃO de ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo. / Conta de energia elétrica de unidade consumidora rural no Estado de São Paulo. DADOS DO CONSUMIDOR Nome: Seu Código Venho por esta requerer a isenção do ICMS na Nota Fiscal / Conta de energia elétrica,

Leia mais

2. Por que foi desenvolvida a Nova Plataforma de Cobrança? Foi determinação do regulador?

2. Por que foi desenvolvida a Nova Plataforma de Cobrança? Foi determinação do regulador? Nova Plataforma de Cobrança - Perguntas mais frequentes Para todos os públicos 1. O que é a Nova Plataforma de Cobrança? R. É um sistema que irá modernizar o processo de liquidação e compensação dos boletos

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO que entre si fazem a: CONTRATADA: AKVA TELEINFORMÁTICA LTDA ME Endereço: Rua Procurador Afrânio

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 15 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 15 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 15 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 636, DE 17 DE ABRIL DE 2008. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Homologa o resultado provisório da segunda revisão

Leia mais

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor

Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Transporte Aéreo, Movimentação de PAX, Tarifas Aéreas, Rotas e Direitos do Consumidor Ricardo Bisinotto Catanant (SRE/ANAC) Roteiro Evolução do Setor Movimentação de PAX Market Share Rotas Aéreas Tarifas

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS E COMERCIAIS DE CONTRATAÇÃO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) - VOZ

CONDIÇÕES TÉCNICAS E COMERCIAIS DE CONTRATAÇÃO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) - VOZ ANEXO I CONDIÇÕES ESPECIFICAS DO SERVIÇO TC DIGITRONCO, TC ISDN E TC DDR CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO 1.1 O presente instrumento tem por objeto estabelecer as condições específicas para a prestação do TC

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP

Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP Audiência Pública nº 005 Data: 10/03/2016 Cidade: Presidente Prudente/SP AUDIÊNCIAS PÚBLICAS Abrimos nossas portas para a sociedade... Antes de expedições de atos administrativos (resolução normativa,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 T - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900061/2014-98

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Segmentação do Atendimento - Parceiros Credenciados Imobiliárias

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Segmentação do Atendimento - Parceiros Credenciados Imobiliárias XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Segmentação do Atendimento - Parceiros Credenciados Imobiliárias Giovanna Bianchi

Leia mais

Investimentos em Redes Subterrâneas

Investimentos em Redes Subterrâneas Investimentos em Redes Subterrâneas Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD Junho - 2015 Motivadores Aspectos estéticos/urbanísticos Segurança Qualidade

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.178, DE 5 DE JULHO DE 2011. Nota Técnica nº 176/2011-SRE/ANEEL Relatório e Voto Homologa as tarifas de fornecimento de energia

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS 1 OBJETO DO TERMO Com o intuito de retribuir a preferência dos clientes de serviços de encomendas dos CORREIOS que possuem

Leia mais

Fernando Trigueiro QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE LOGISTICA NO MERCADO INTERNACIONAL

Fernando Trigueiro QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE LOGISTICA NO MERCADO INTERNACIONAL QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE LOGÍSTICA NO MERCADO INTERNACIONAL Fernando Trigueiro LOGÍSTICA Criar Vantagens Competitivas e Maximizar Resultados com Satisfação dos Clientes MISSÃO DA LOGÍSTICA É dispor a

Leia mais

Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração

Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração Contratos entre Partes Relacionadas: a Res. Nº 22/99 e propostas de alteração André Serrão XIII Simpósio Jurídico da ABCE Brasília, 20 de agosto de 2007. 1 Resolução ANEEL nº 22/99 Discussão sobre abrangência:

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 689, DE 5 DE AGOSTO DE 2008. Homologa o resultado provisório da segunda revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 528, DE 6 DE AGOSTO DE 2007. Homologa o resultado provisório da quarta revisão tarifária periódica e fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CAIXACAP FORTUNA

CONDIÇÕES GERAIS CAIXACAP FORTUNA PRODUTO CAIXA CAIXACAP FORTUNA Processo SUSEP 15414.300095/2008-30 ÍNDICE MANUAL CAIXACAP SUCESSO I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII INFORMAÇÕES INICIAIS...03 GLOSSÁRIO...03 OBJETIVO...04 NATUREZA DO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOCIOAMBIENTAL PLANO PU

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 CA - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900992/2015-77

Leia mais

Posto de Atendimento Rápido PAR. Romero José S. Alvarez CEMIG Distribuição S.A.

Posto de Atendimento Rápido PAR. Romero José S. Alvarez CEMIG Distribuição S.A. Posto de Atendimento Rápido PAR Luciene Araújo S Gonçalves CEMIG Distribuição S.A laraujo@cemig.com.br Romero José S. Alvarez CEMIG Distribuição S.A. romero@cemig.com.br Patrícia C. S. A. Carneiro CEMIG

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

PLATAFORMA DA COBRANÇA

PLATAFORMA DA COBRANÇA $ i? PLATAFORMA DA COBRANÇA Espaço reservado para a logomarca do seu banco ÍNDICE 03 INTRODUÇÃO 04 O QUE É A NOVA PLATAFORMA DA COBRANÇA 07 BENEFÍCIOS DA NOVA PLATAFORMA DA COBRANÇA 08 MODELOS DO BOLETO

Leia mais

pedido de portabilidade e denúncia do contrato

pedido de portabilidade e denúncia do contrato pedido de portabilidade e denúncia do contrato ORIGINAL (tmn) 2. INFORMAÇÃO DE CONTACTO Morada Telemóvel contacto E-mail 3. DADOS DE PORTABILIDADE MÓVEL Para efeitos de portabilidade, procede-se à denúncia

Leia mais

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador

Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP 5º Encontro de Negócios de Energia Os Contratos e o Papel do Órgão Regulador 10 de agosto de 2004 São Paulo SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

Relatório de qualidade de serviço Gas Natural Fenosa

Relatório de qualidade de serviço Gas Natural Fenosa Relatório de qualidade de serviço Gas Natural Fenosa Índice 1. Evoluçao e cumprimento dos indicadores gerais e indicadores individuais aplicáveis... 03 2. Qualidade de Serviço de Âmbito Comercial... 05

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL RESOLUÇÃO CONJUNTA N o 4, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o preço de referência para o compartilhamento de postes

Leia mais

Plano específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano específico para a modalidade LDN (Longa Distância Nacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Básico de Serviço LDN (Longa Distância Nacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL Plano Básico de Serviço LDN (Longa Distância Nacional).

Leia mais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais

Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais Metodologia para Negociação de Novos Contratos de Energia Elétrica e seus Impactos Operacionais 11ª Semana de Tecnologia Metroviária 20 a 23 de setembro de 2005 São Paulo - Brasil CONRADO GRAVA DE SOUZA

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

97,052% 97,537% 98,025% 98,515% 99,007% 99,503% 100,00% 88,593% 89,036% 89,481% 89,928% 90,378% 95,610% 96,089%

97,052% 97,537% 98,025% 98,515% 99,007% 99,503% 100,00% 88,593% 89,036% 89,481% 89,928% 90,378% 95,610% 96,089% CAPITALIZAÇÃO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Porto Seguro Capitalização S.A. CNPJ Nº: 16.551.758/0001-58 MODALIDADE I: Tradicional PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003347/2012-61 II GLOSSÁRIO

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade

Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade Serviços de Água e Esgoto de Joinville Ferramentas de Transferência de Informação Concessionária-Agência e Geração de Indicadores de Qualidade 1º ENARMIS 12 e 13 de novembro de 2015 Florianópolis -SC Sobre

Leia mais

Roteiro de Leitura Emissão Apresentação

Roteiro de Leitura Emissão Apresentação CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA PARA CONSUMIDORES TITULARES DE UNIDADES CONSUMIDORAS DO GRUPO B Prezado Cliente, Bem-vindo à EDP Escelsa Pertencemos ao Grupo EDP - Eletricidade

Leia mais

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores.

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores. TERMO DE REFERÊNCIA DADOS CADASTRAIS 1-IDENTIFICAÇÃO SOLICITANTE 1.1 Diretoria DR 1.2 Unidade SOR-PB 1.3 Endereço completo da unidade solicitante: AV. Presidente Carlos Luz, 1275 1.5 - Cidade: 1.6 - UF:

Leia mais

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ O Consórcio Fiat tem satisfação em participar da realização do seu projeto. Agora que você foi contemplado, siga as instruções abaixo para concluir o processo de aquisição

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO MANUAL TERMINOLOGIA ESPECÍFICA UTILIZADA NESTE MANUAL

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO MANUAL TERMINOLOGIA ESPECÍFICA UTILIZADA NESTE MANUAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO MANUAL TERMINOLOGIA ESPECÍFICA UTILIZADA NESTE MANUAL 1 ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO 1.1 Planejamento da Fiscalização 1. Envio de Ofício à Concessionária 1.3 Dados e Documentos Solicitados

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão

Leia mais

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída

14º Encontro Internacional de Energia. Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída 14º Encontro Internacional de Energia Aplicação de Smart Grid na Geração Distribuída Paulo Ricardo Bombassaro Diretor de Engenharia das Distribuidoras CPFL Agosto/2013 CPFL Energia CPFL Energia 2012. Todos

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR A missão do Santander é construir relações de confiança com os clientes, oferecendo um serviço excelente e fornecendo informações claras sobre

Leia mais

ANEXO I DADOS DE ATIVOS FÍSICOS. Modelo de Empresa de Referência. Nota Técnica nº 294/2008-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Setembro de 2008

ANEXO I DADOS DE ATIVOS FÍSICOS. Modelo de Empresa de Referência. Nota Técnica nº 294/2008-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Setembro de 2008 (Fls. 86 da Nota Técnica n o 294/2008-SRE/ANEEL, de 25/09/2008). ANEXO I Nota Técnica nº 294/2008-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Setembro de 2008 DADOS DE ATIVOS FÍSICOS Modelo de Empresa de Referência (Fls.

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE COMÉRCIO ELETRÔNICO DA GUIA VEJA EMPREENDIMENTOS ONLINE.

TERMO DE COMPROMISSO DE COMÉRCIO ELETRÔNICO DA GUIA VEJA EMPREENDIMENTOS ONLINE. TERMO DE COMPROMISSO DE COMÉRCIO ELETRÔNICO DA GUIA VEJA EMPREENDIMENTOS ONLINE. Partes Contratantes: Como CONTRATADA a empresa GUIA VEJA EMPREENDIMENTOS ONLINE doravante denominada NETLOJAS, com sede

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

Planos de Suporte Terrazul

Planos de Suporte Terrazul Planos de Suporte Terrazul Introdução Serviços de Suporte...02 Planos...02 Cobrança...03 Formas de Pagamento...03 Termos e Condições...04 Abertura de Chamado...04 Abertura de Chamados Expresso...05 Classificação

Leia mais

LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS

LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Lei n.º 23/96, de 26 de Julho (versão atualizada fev. 2016) LEI DOS SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 - A presente lei consagra regras a que deve obedecer a prestação de serviços

Leia mais

PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO

PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO PORTOCAP ALUGUEL CAUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS DO PU 15 MESES SUMÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS... 2 II GLOSSÁRIO... 2 III OBJETIVO... 2 IV NATUREZA DO TÍTULO... 2 V VIGÊNCIA... 2 VI PAGAMENTO... 2 VII CARÊNCIA...

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia

Leia mais

SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1. A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO.

SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1. A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO. SIMULADO SOBRE DIREITO PREVIDENCIÁRIO DVD 1 A respeito dos itens abaixo, julgue e marque CERTO ou ERRADO. 01) A inscrição é o ato pelo qual o segurado é cadastrado no RGPS, por meio de comprovação de dados

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A.

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A. REGULAMENTO TARIFÁRIO E DE EXPLORAÇÃO DA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA APL -ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S.A. ANEXO II MODELO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PREMIUM PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7)

Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) Protecção dos Utentes de Serviços Públicos Essenciais (Lei nº 23/96, de 23.7) ÍNDICE Artigo 1.º Objecto e âmbito Artigo 2.º Direito de participação Artigo 3.º Princípio geral Artigo 4.º Dever de informação

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PROJETO BÁSICO 1 DO OBJETO 1.1 Aquisição de umidificadores de ar destinados a atender às demandas

Leia mais

POCKET PCS GARANTIA LIMITADA MUNDIAL E SUPORTE TÉCNICO

POCKET PCS GARANTIA LIMITADA MUNDIAL E SUPORTE TÉCNICO POCKET PCS GARANTIA LIMITADA MUNDIAL E SUPORTE TÉCNICO Condições gerais EXCETO CONFORME EXPRESSAMENTE ESPECIFICADO ADIANTE NESTA GARANTIA LIMITADA, A HP NÃO DÁ NENHUMA OUTRA GARANTIA OU FAZ CONDIÇÕES,

Leia mais

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E CT-69 REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E 20. Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerencia de Tecnologia da Distribuição 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE Comunicado

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre a instituição de unidade organizacional específica de ouvidoria pelas operadoras de planos privados de assistência saúde. [Correlações]

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO Manual de GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO ESPECIAL DE PENSÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento Especial de Pensão (7017

Leia mais

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves

Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Qualidade de Serviço do setor elétrico - Vertente Técnica - Jorge Esteves Conteúdo 1. Dimensões da Qualidade de Serviço e Regulação 2. Evolução do Desempenho das Redes Elétricas e Regulação da Qualidade

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Nº 01/2015 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Nº 01/2015 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Nº 01/2015 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Conteúdo Cláusula 1ª - Objeto do Contrato... 3 Cláusula 2ª - Contrato... 3 Cláusula 3ª - Prazo... 3 Cláusula 4ª Obrigações

Leia mais

Leonardo Barboza Bezerra

Leonardo Barboza Bezerra Como a telemetria pode ajudar na antecipação de decisões, no combate a perdas comerciais e na garantia de receitas. Leonardo Barboza Bezerra Apoio CELPE Consumidores Grupo A Distribuídos Dentre 2 em milhões

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARÉ ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARÉ ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO ANEXO 5 ESTRUTURA TARIFÁRIA TARIFA DE ÁGUA E ESGOTO ESGOTAMENTO SANITÁRIO A seguir é apresentada a Estrutura Tarifária a ser praticada pela Concessionária durante o período de vigência do Contrato de Concessão.

Leia mais