INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ LUIZ GABRIEL DALAGO GOUVÊA MATHEUS FELIPE OLIVEIRA AEROSO ESPADAS SEM LEI - UNIÃO SANGRENTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ LUIZ GABRIEL DALAGO GOUVÊA MATHEUS FELIPE OLIVEIRA AEROSO ESPADAS SEM LEI - UNIÃO SANGRENTA"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ LUIZ GABRIEL DALAGO GOUVÊA MATHEUS FELIPE OLIVEIRA AEROSO ESPADAS SEM LEI - UNIÃO SANGRENTA PARANAGUÁ

2 LUIZ GABRIEL DALAGO GOUVÊA MATHEUS FELIPE OLIVEIRA AEROSO ESPADAS SEM LEI - UNIÃO SANGRENTA Monografia apresentada como exigência de avaliação na disciplina de TCC do Ensino Médio em Informática do Instituto Federal do Paraná. Orientador: Msc. Gil Eduardo de Andrade PARANAGUÁ

3 Dedicamos este trabalho a nossos familiares, amigos, professores e todos que estiveram conosco e participaram dessa jornada de 3 anos inesquecíveis. Esperamos que esse trabalho contribua para o desenvolvimento de outros ainda melhores, e que seja apenas o primeiro desse legado que é certamente promissor. 3

4 AGRADECIMENTOS Aos nossos pais, pois sem eles e seu apoio provavelmente não estaríamos aqui. A nossos familiares, que convivem conosco desde o início de nossas vidas. Às amizades formadas nesses 3 anos de IFPR, por todos os fatos vividos que jamais serão esquecidos e que com certeza são estopim para que novos surjam e continuemos as amizades, mesmo depois do curso. Ao orientador, que apesar do tempo orientando, se mostrou muito prestativo e humilde ao se posicionar no aprendizado junto conosco, algo que valorizamos muito e reforça o imenso respeito que temos por ele. A todos os funcionários que compõem essa instituição, desde os funcionários da limpeza às pedagogas e os técnicos administrativos. E por último e mais importante ainda, aos professores, com os quais somos muito gratos por tudo que aprendemos nessa jornada. Não absorvendo dos mesmos, apenas conhecimentos específicos, mas também lições que alteram nossa forma de ver o mundo, que levamos para a vida toda. 4

5 A desobediência é uma virtude necessária à CRIATIVIDADE. (Raul Seixas). A melhor parte da vida de uma pessoa está nas suas amizades. (Benjamin Franklin). A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena. (Seu Madruga). 5

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivos Gerais Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Computação gráfica Malhas tridimensionais Mapeamento de texturas Rigging e animação Edição em camadas de imagens Paradigmas de programação orientada a eventos Motor de jogo Unity METODOLOGIA Criação da arte tridimensional Passagem dos modelos 3D para o motor de jogo Criação da arte 2D usada para HUD Criação de scripts de controle do jogo Controle de animações CONCLUSÃO TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 36 6

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Modelo base finalizado em baixa resolução. FIGURA 2 - Mapeamento UV de uma das armas secundárias. FIGURA 3 - Textura de uma das armas de arremesso. FIGURA 4 - Rig finalizado para animação. FIGURA 5 - Aba Model. FIGURA 6 - Aba Rig. FIGURA 7 - Aba Animation. FIGURA 8 - Indicador de vida. FIGURA 9 - Importação de texturas transparentes usadas para interface. FIGURA 10 - Exemplo do script de controle de inimigos. FIGURA 11 - Controle de estados do jogador. FIGURA 12 - Ataques do jogador. FIGURA 13 - Painel de Configuração Android. FIGURA 14 - Importação de clipes de áudio. FIGURA 15 - Scripts da câmera do jogo. FIGURA 16 - Tela de Menu Inicial. FIGURA 17 - Cena 1 do jogo. FIGURA 18 - Minigame extra do jogo. 7

8 LISTA DE SIGLAS 2.5D - Jogo de plataforma com objetos em três dimensões. 3D - Três dimensões. AI - Adobe Illustrator API - Application Programming Interface. C# - C Sharp. CPU - Central Processing Unit FK - Forward Kinematics GPU - Graphics Processing Unit HUD - Head Up Display IDE - Integrated Development Environment IFPR - Instituto Federal do Paraná IK - Inverse Kinematics MP3 - MPEG-2 Audio Layer III PNG - Portable Network Graphics PSD - Photoshop Document SVG - Scalable Vector Graphics TGA - TARGA File Format TIFF - Tagged Image File Format IA - Inteligência Artificial 8

9 RESUMO Nos anos 90, mais especificamente na 4ª geração dos videogames, era comum aos jogos terem uma visão em duas dimensões, esses aplicativos eram denominados jogos de plataforma. Atualmente, com a evolução gráfica, os jogos mais modernos perderam muito no quesito jogabilidade, tendo seu desenvolvimento quase sempre centrado nos aspectos gráficos. Tentando solucionar esse paradigma, propõe-se desenvolver um aplicativo que agregue tanto as qualidades dos videogames de 4ª geração (jogabilidade) quanto atrativas interfaces gráficas dos jogos mais modernos. Portanto, a proposta apresentada tem como principal objetivo atrair os diversos públicos, tanto os jogadores mais conservadores quanto os atuais fãs das tecnologias que permitem ricas interfaces gráficas. Palavras-chave: Unity. Android. Jogo de plataforma. C#. 2.5D. 9

10 ABSTRACT En los años 90, más específicamente en la 4 ª generación del videojuegos, era frecuente los juegos tienen una visión en dos dimensiones, esas aplicaciones eran denominados juegos del plataformas. Actualmente, con la evolución gráfica, los juegos más modernos perdieron mucho la cuestión experiencia de juego, teniendo su desarrollo casi siempre centrado en los aspectos gráficos. Para resolver ese paradigma, se propone desarrollar una aplicación en que las cualidades de los videojuegos de la cuarta generación (experiencia de juego) como atractivas interfaces gráficas de los juegos más recientes. Por lo tanto, la propuesta presentada tiene como principal objetivo atraer los diversos públicos, de los jugadores más conservadores como a los actuales fans de las tecnologías que permiten ricas interfaces gráficas. Palabras clave: Unity. Android. Jogo de plataforma. C#. 2.5D. 10

11 ABSTRACT In the 90s, specifically the 4th generation of video games, it was common for games to have a vision in two dimensions, these applications were referred to as platform games. Currently, with the graphic evolution, most modern games have lost much in the category gameplay, taking its development almost always centered on the graphic aspects. Trying to resolve this paradigm, proposes to develop an application that adds both the qualities of videogames 4th generation (gameplay) as attractive graphical interfaces of most modern games. Therefore, the proposal has as main objective to attract diverse audiences, both players conservatives and fans of current technologies that enable rich graphical interfaces. Keywords: Unity. Android. Platform Games. C#. 2.5D. 11

12 1. INTRODUÇÃO Nos tempos atuais, a indústria de jogos e entretenimento está muito aquecida economicamente, mas ainda em desenvolvimento na América Latina. No Brasil, ainda há a ultrapassada visão de que os jogos não são objetos culturais. De um modo geral, pressupõe-se esse pensamento surge pelo fato de alguns jogos realmente não terem uma motivação histórico-cultural. Porém, nos dias atuais já foi provada a imersão que o mundo virtual proporciona. Uma boa narrativa e possibilidades de escolha em um jogo tem uma capacidade de imersão muito maior do que uma narrativa televisiva e muitas vezes é comparada a grandes filmes de longa-metragem. Podemos tomar como exemplo, jogos do século XXI como os das aclamadas séries God Of War e Uncharted, que tratam respectivamente da mitologia grega e artefatos históricos. A faixa etária consumidora desses produtos são as mais diversas, embora mais difundida entre os jovens e adultos. Pretende-se unir essas características, seguindo esse padrão de qualidade na narrativa, e mostrar um contexto histórico convincente auxiliado da jogabilidade expandida. Nesse caso, o contexto histórico será o Japão do período Sengoku, que foi uma das fases mais turbulentas do Japão, marcada por constantes guerras. Ocorreu entre a metade do século XV e o final do século XVII. 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivos Gerais Desenvolver um jogo que reproduza a jogabilidade antiga com novas tecnologias, explorando novos paradigmas de desenvolvimento de forma a envolver o jogador em um ambiente baseado em um contexto histórico. 2.2 Objetivos Específicos Produzir conteúdo interativo para expandir a vida útil do jogo. Desenvolver uma jogabilidade atrativa que possa ser expandida para outras plataformas. 12

13 Criar gráficos que possam ser portados para diversas plataformas em diferentes resoluções e níveis de detalhamento. 13

14 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo visa apresentar os conceitos utilizados para desenvolver o trabalho proposto. De um modo geral, são apresentados os conceitos de desenvolvimento de jogos e os softwares de manipulação de mídia digital necessários para a construção do ambiente gráfico. 3.1 Computação gráfica A computação gráfica é uma área que estuda a geração de imagens em geral. Pode se manifestar de forma informativa para dados, ou como forma de recriar o mundo real. Nesse trabalho, visamos utilizar a computação gráfica no sentido de imergir o usuário no objetivo do trabalho Malhas tridimensionais Os modelos 3D são malhas de n-pontos, chamados vértices, que agrupados se tornam arestas e faces. A interação desses objetos com os estados e eventos do jogo se dá por animações que são encadeadas. Essas técnicas são utilizadas em todos os jogos modernos Mapeamento de texturas O mapeamento é uma técnica que adiciona cor e texturas a uma malha tridimensional. Cada vértice em uma malha é assimilado a uma coordenada numa planificação (em duas dimensões). O mapeamento de texturas é uma boa técnica para adicionar detalhamento sem prejudicar o desempenho Rigging e animação Rigging é uma técnica na animação computacional, na qual um personagem ou objeto genérico é representado em duas partes: uma representação de sua 14

15 superfície (malha) e um conjunto hierárquico de ossos (também chamado esqueleto ou rig) interconectados usados para animar o objeto Quadro-chave Um filme (ou animação), nada mais é do que um grande número de fotos (poses) interpoladas. Cada uma dessas fotos é denominada quadro. Os quadroschave são quadros que definem uma pose ao qual se quer chegar com o personagem, de forma que o próprio software de animação se encarrega de gerar os quadros posteriores, no processo de interpolação de movimentos Cinemática direta Cinemática direta é o processo de determinação dos parâmetros de juntas menores em um objeto flexível, de forma a alcançar o posicionamento adequado para uma junta final Cinemática inversa Cinemática inversa é o processo de determinação dos parâmetros de uma junta final em um objeto flexível, de forma a alcançar o posicionamento adequado para as outras juntas Edição em camadas de imagens Basicamente, o uso intensivo de imagens 2D faz o trabalho de imergir o usuário no contexto do jogo. As imagens preferencialmente devem suportar transparência, utilizando o canal Alfa para controlar a opacidade, essa especificação é suportada pelos formatos AI, PNG, PSD, TIFF, TGA, SVG, entre outros. Na área da computação gráfica classificamos as imagens 2D em duas origens diferentes. 15

16 Imagens raster Imagem raster é um tipo de imagem que contêm a descrição de cada pixel. O tratamento desse tipo de imagem envolve cálculos matemáticos complexos de interpolação e álgebra matricial. A vantagem desse tipo de imagem é que além de suportarem compressão, há muitos formatos suportados por diversas aplicações. A desvantagem é que por conta da interpolação de pixels, se forem feitas muitas alterações na imagem, pode-se facilmente perder a qualidade Imagens vetoriais Imagem vetorial é um tipo de imagem gerada a partir de descrições geométricas de formas, baseadas em vetores matemáticos. A vantagem desse tipo de imagem é a possibilidade de utilizá-la em qualquer escala sem perder a qualidade. A desvantagem é que as imagens devem ser interpretadas por programas específicos para esses formatos. 3.2 Paradigmas de programação orientada a eventos A programação orientada a eventos, diferente dos demais paradigmas não segue um fluxo padronizado, mas um fluxo guiado por ações externas, chamadas eventos, como por exemplo o clicar do mouse, pressionamento de alguma tecla. É utilizada principalmente em softwares de interface com o usuário, como por exemplo em jogos. 3.3 Motor de jogo Um motor de jogo é um conjunto de bibliotecas que abstrai o desenvolvimento de jogos, tendo em si implementada uma sub-biblioteca utilizada para simulações físicas, e outras para abstração de hardware, manipulação de modelos 3D, som, rede entre outras. 16

17 3.3.1 Unity O Unity é um motor de jogo 3D que possui uma capacidade de abstração que acelera substancialmente o processo de desenvolvimento, interpretando scripts em 3 linguagens de programação diferentes, suportando uma grande variedade de formatos de arquivos, e possibilita a criação de estados para objetos que facilitam a transição de animações. A grande vantagem dessa engine em relação a outras como a Unreal Engine é o recurso de construir os projetos para várias plataformas, são elas: Consoles: PS3, Xbox 360 e Wii U. PC: Windows, Windows Store Apps, Linux, Mac OS X e Web Player. Dispositivos Móveis: Android, ios, BlackBerry, Windows Phone 8. 17

18 4. METODOLOGIA 4.1 Criação da arte tridimensional Para atingir os objetivos propostos, as etapas da metodologia consistem em utilizar diversos softwares de modelagem/animação 3D e softwares de edição de imagem. O fluxo de criação dos objetos tridimensionais basicamente consiste em: 1. utilização de imagens como base para a modelagem 3D em baixa resolução. 2. modelagem de objetos. 3. mapeamento UV(planificação de um objeto 3D) para a criação de texturas. 4. criação de texturas em programas de edição de imagem. O fluxo de criação de modelos orgânicos (personagens) consiste em: 1. utilização de imagens como base para a modelagem 3D em baixa resolução. 2. modelagem de personagens. 3. mapeamento UV(planificação de um objeto 3D) para a criação de texturas. 4. escultura em alta-resolução para exportar os detalhes em texturas de relevo. 5. reconstrução a partir da malha de alta resolução. 6. criação da estrutura de juntas do personagem (rigging). 7. animação tradicional (via linha do tempo). 18

19 FIGURA 1 - Modelo base finalizado em baixa resolução. Na figura 1, mostramos a cabeça de um personagem construída em baixo número de vértices, numa topologia - organização do fluxo de polígonos - adequada para jogos. Esse detalhe é importante porque faz diferença no modo como a GPU processa a malha. 19

20 FIGURA 2 - Mapeamento UV de uma das armas secundárias. Na figura 2, está mostrado o esquema de planificação 2D que uma das armas utiliza para texturas. 20

21 FIGURA 3 - Textura de uma das armas de arremesso. As texturas (FIGURA 3) serão as imagens que darão cor e vida aos objetos. A etapa de estruturação de suas juntas, cria uma interface para facilitar a animação, onde cada junta representa um grupo de vértices, que por sua vez, representa uma parte do corpo do personagem. Para desempenhar a criação destas animações, há regras que são implementadas na malha para que o movimento seja mais fluído e o processo de animação seja facilitado. Essas regras são aplicadas a grupos de vértices e se chamam chaves de formato. Há duas formas de animar utilizando quadros-chave, são elas a Cinemática Direta (FK) e a Cinemática Inversa (IK). 21

22 FIGURA 4 - Rig finalizado para animação. Neste trabalho, para obter um melhor resultado será utilizado uma mescla dos dois modelos. A primeira parte da metodologia possui seu foco na composição de modelos (FIGURA 4) e animações e na utilização destes como objetos dentro do motor de jogo e, consequentemente, na manipulação dos mesmos através de scripts Passagem dos modelos 3D para o motor de jogo Através de experiências e pesquisas, foi possível notar que o formato FBX é o que melhor se comporta com motores de jogos como o Unity e o UDK. O Unity é um motor poderoso que se adequa do drag n drop (arrastar o arquivo e soltar no programa) para qualquer tipo de importação de recursos externos como um modelo. Há opções que devem ser alteradas de acordo com a necessidade do desenvolvedor e a natureza do modelo. Como por exemplo, modelos humanóides ou 22

23 modelos genéricos. Esse tipo de definição é importante, pois, altera a forma como o motor de jogo trata as animações e consequentemente os estados do objeto. modelo. FIGURA 5 - Aba Model A aba Model (FIGURA 5), tem definições que tratam da importação do 23

24 animações. FIGURA 6 - Aba Rig A aba Rig (FIGURA 6) tem definições que permitirão que o modelo suporte FIGURA 7 - Aba Animation Aba Animation - A aba Animation (FIGURA 7) tem definições que alteram quantas animações serão utilizadas e a forma que serão interpoladas. Utiliza-se o conceito de Root Motion para animações de ciclo, basicamente sobrepondo as 24

25 posições e rotações da junta raiz do personagem durante as animações com as posições e rotações que o objeto todo está utilizando. 4.2 Criação da arte 2D usada para HUD Qualquer tipo de imagem pode ser utilizada para criar interfaces para o usuário, porém neste trabalho se utilizou o método de rasterizar vetores. Dessa forma, as imagens são criadas num tamanho padrão como vetoriais, e dependendo de qual plataforma se voltará o desenvolvimento é rasterizada a imagem após alterar a escala para tal fim. Isso garante que, independentemente do tamanho da tela, a experiência seja a mesma. Para isso, há o uso intensivo de softwares de edição de imagem em camadas e com suporte a transparência. Uma vez que o HUD (FIGURA 8, 9) é visto em uma câmera ortográfica acima de outras câmeras, como se houvessem camadas. FIGURA 8 - Indicador de vida. 25

26 FIGURA 9 - Importação de texturas transparentes usadas para interface. 26

27 4.3 Criação de scripts de controle do jogo Os scripts (FIGURA 10) que controlam o jogo contém métodos que são invocados através de eventos disparados pelo motor de jogo, como, por exemplo, colisões e atualização da tela. Informações que serão utilizadas em todo o decorrer do jogo são armazenadas em variáveis estáticas em classes criadas apenas para essa finalidade. FIGURA 10 - Exemplo do script de controle de inimigos. 27

28 4.4 Controle de animações O gerenciamento das animações é auxiliado pelo controlador de estados Mecanim (FIGURA 11,12), que permite um encadeamento de animações através de transição entre estados, isso é feito pela alteração via script de parâmetros definidos no Mecanim como, por exemplo, a velocidade do jogador. FIGURA 11 - Controle de estados do jogador. FIGURA 12 - Ataques do jogador. 28

29 4.5 Configuração do ambiente Desde o método de iluminação até o subconjunto de instruções do.net Framework, todas as configurações em relação a publicação do projeto, devem ser feitas antecipadamente usando o Render Settings (FIGURA 13) e Project Settings. Por exemplo, ao construir o jogo para a plataforma Android, é necessário definir quais os requisitos mínimos do jogo, dizendo qual a arquitetura do processador, a versão do OpenGL suportada no jogo. FIGURA 13 - Painel de Configuração Android. 29

30 FIGURA 14 - Importação de clipes de áudio. 30

31 FIGURA 15 - Scripts da câmera do jogo. Junto com os scripts de controle da câmera (FIGURA 15) e efeitos como o Motion Blur, é possível associar faixas de áudio (FIGURA 14) a esse objeto. Utilizar efeitos que dão sensação de ambiência, alterar o volume e até mesmo a tonalidade da faixa. 31

32 5. RESULTADOS OBTIDOS Até o momento, foram desenvolvidos dois cenários e um mini-jogo, para expandir o tempo de vida útil do jogo. Foram desenvolvidas a interface (FIGURA 16), alguns personagens (FIGURA 17), e todas as armas. Porém, mesmo sendo multiplataforma, o motor de jogo necessita de ajustes nos gráficos e adaptações no sistema de controle para que o jogo seja realmente portado. O ambiente utilizado durante dos testes possui as seguintes especificações: Modelo: Galaxy Tab P1010 Tamanho da tela: 7 polegadas Resolução: 1024x600 Suporte a multitoque: Sim Versão do sistema: Gingerbread Caso, em um projeto futuro, seja necessário portar o aplicativo para outras plataformas, o HUD do jogo deverá ser alterado e o sistema de controle também. Porém, o núcleo, correspondido pelos scripts de informação e inteligência continuará inalterado. FIGURA 16 - Tela de Menu Inicial. 32

33 FIGURA 17 - Cena 1 do jogo. FIGURA 18 - Minigame extra do jogo. No minigame (FIGURA 18) a intenção é acertar o máximo de alvos com o mínimo de shurikens (estrelas ninja). 33

34 6. CONCLUSÃO O projeto e desenvolvimento de um jogo utilizando interfaces gráficas em três dimensões requer uma grande gama de passos e definições de modelos, portanto assim torna-se inviável redigir todos os aspectos de sua implementação em poucas linhas. Contudo algumas etapas devem ser destacadas, começando pelos métodos de fluxo geométrico, passando pela análise de ondas sonoras para efeitos especiais, e também pelos sistemas de partículas que produzem objetos como fumaça e fogo. Ao longo do desenvolvimento do projeto foi necessário realizar uma pesquisa aprofundada sobre diversos temas e tecnologias, tal pesquisa possibilitou compreender como é concebido o desenvolvimento de jogos. A partir dos recursos existentes na atualidade e com muita persistência, foi possível também absorver conteúdos complexos, que normalmente necessitam de muito tempo e de algum domínio sobre aplicações relacionadas à arte e design. Uma vez que a principal qualidade da equipe é o domínio sobre as técnicas de programação, pode-se concluir que a experiência vivida abriu um novo leque de oportunidades e agregou novos conhecimentos a nossa formação. Porém, torna-se importante deixar registrado, aos futuros trabalhos que podem vir a ser propostos que, a computação gráfica é uma área que exige, para o seu aprendizado, muito tempo e dedicação, e ainda, certa habilidade com arte, pois para se obter uma e o know-how, são necessários anos de prática. Por fim, foi possível apreender e compreender o necessário para integrar a implementação de códigos baseados em eventos com a modelagem de elementos 3D, e assim desenvolver um pequeno jogo que apresentou uma jogabilidade atrativa, aliada gráficos modernos que podem ser portados para diversas plataformas e com diferentes resoluções e níveis de detalhamento. 34

35 7. TRABALHOS FUTUROS Depois de todas as pesquisas feitas, e todo o conhecimento adquirido, finalmente descobriu-se como a computação gráfica interage com a programação. Como são realmente feitos os filmes de animação, por exemplo, simulações físicas, formas de implementação de IA entre outros. Tal fato nos motiva para continuar pesquisando e desenvolvendo projetos nessa área, que é realmente muito grande e com inúmeras possibilidades criativas. 35

36 8 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS UNITY. Disponível em:http://unity3d.com BLENDER. Disponível em: <http://www.blender.org/> SMITH, M; QUEIROZ, C. Unity 4.x Cookbook. Birmingham: Packt Publishing, OLIVEIRA, A. Estudo dirigido de 3ds Max São Paulo: Érica, REINICKE, F. UNIDEV: Desenvolvimento de Jogos. Disponível em:<http://www.unidev.com.br>. REINICKE, F.UNIDEV: Desenvolvimento de Jogos. Disponível em: <http://www.fernandoreinicke.wordpress.com>. UNIQUE Photoshop Tutorial - PSD Vault. Disponível em: PHOTOSHOP RoadMap.Disponível em : DIGITAL Tutors.Disponível em : CG Tuts+.Disponível em : LYNDA.Disponível em : BLENDER Total.Disponível em : BLENDER Guru.Disponível em : BLENDER Artists.Disponível em: 36

37 APÊNDICE A - PLANO DE PROJETO 1. ESCOPO DO SOFTWARE O foco do jogo é basicamente transmitir uma parte da história e cultura do Japão, e ao mesmo tempo testar os reflexos e habilidades do jogador. O jogo pretende mostrar a fase em que a autoridade central (xogum) no Estado estava desmantelada, criando um vácuo de poder que permitiu o surgimento de diversos senhores feudais regionais, chamados daimiôs. Embora formalmente subordinados ao xogum, esses daimiôs (que significa literalmente grande nome ) tinham poder quase ilimitado em seus domínios. Em meados do século XV, havia cerca de 260 daimiôs no Japão o que, na prática, significava a existência de 260 estados, cada qual com seu exército e alguns até com moeda própria. Foi apenas o prelúdio de um longo período de guerra civil que envolveria vários daimiôs, que disputavam territórios e tentavam aumentar sua esfera de influência. Esse período de caos e desordem duraria pouco mais de um século e ficaria conhecido como Período Sengoku a Era dos Estados em Guerra. Foi a época de ouro dos samurais. Nunca eles foram tão úteis e necessários. Afinal, a disputa entre os daimiôs rivais era decidida pela força da espada. Do ponto de vista dos camponeses, que eram a classe baixa do Japão, foi uma guerra civil que não trouxe benefício algum. Pelo contrário, houveram milhares de mortes em poucos confrontos, com um número total inestimável, e com várias cidades arrasadas. Desde o ínicio do modelo de xogunato em 1185, esses camponeses, que viviam a mercê dos senhores feudais, originaram outros grupos de guerreiros, praticamente à margem da sociedade: os ninjas. Ao contrário dos samurais, que se orgulhavam de ser os guardiões dos senhores feudais e seguiam o bushidô código que estabelecia normas rígidas de conduta, moral e honra, os ninjas agiam à sombra e tinham suas próprias regras. Na luta pelo poder entre clãs rivais, eles eram contratados para atividades típicas de guerrilha, como espionagem, sabotagem e assassinato. Ganharam, por isso, a fama de mercenários. 37

38 O jogo tentará imergir o jogador na história por meio de diálogos e outras interações com NPC s (Personagens não jogáveis, controlados pelo software), e por cutscenes no decorrer do jogo. Outra tática utilizada para a imersão na narrativa será a inclusão de alguns aspectos de jogos do gênero RPG (Jogo de interpretação de personagens), onde o personagem tem suas habilidades evoluídas no decorrer do jogo. Armas novas podem surgir, atributos do personagem podem ser melhorados, bem como a dificuldade da IA que também evolui em conjunto. 2. VIABILIDADE 2.1 Tecnológica Para que o projeto seja viável será necessário que a equipe, já tenha algum conhecimento em programação. Será necessário o conhecimento da equipe, sobre técnicas de modelagem tridimensional, animação, utilizando o software Blender. Também sera necessário o domínio do motor de jogo, Unity. A falta de domínio dessas duas ferramentas, novas para os desenvolvedores, pode atrapalhar o cronograma do projeto. 2.2 Financeira Para a execução do projeto não será necessária a compra de softwares. Os únicos gastos serão de energia e internet. 2.3 Tempo O desenvolvimento do jogo está dividido em 7 etapas, cada uma com um tempo estimado para ser concluída, essas etapas são: Definição do tema e do plano de trabalho com orientador: 1 mês, Março. Escrita da introdução: 1 mês, Março. Escrita da Fundamentação Teórica e Metodologia : 1 mês, Abril. Composição de modelos e animações: 5 meses, entre Maio e Setembro. 38

39 Criação da interface gráfica: 2 meses, entre Julho e Agosto. Desenvolvimento da Mecânica do jogo : 5 meses, entre Junho e Outubro. Análises de desempenho: 2 meses, entre Novembro e Dezembro. Os prazos são estimados, e no andamento do desenvolvimento uma etapa pode necessitar de um tempo maior. 2.4 Recursos Para o desenvolvimento do software serão necessários computadores de alto desempenho e softwares auxiliares para a manipulação de mídias, tais como as malhas tridimensionais, faixas de áudio e renderização, e softwares que auxiliam a criar documentos que seguem o padrão UML. 3. RECURSOS 3.1 Recursos Humanos Basicamente, para o desenvolvimento do trabalho serão necessárias pessoas com uma capacidade relativamente razoável para a programação, tendo em vista que o tempo a ser utilizado para a criação de scripts não pode ser maior do que o tempo a ser tomado com a criação de modelos e animações, por exemplo. 3.2 Recursos de Software No desenvolvimento do jogo diversas ferramentas serão utilizadas. O software Blender será utilizada para o desenvolvimento de modelos tridimensionais, e animações. O software Unity será usado como motor de jogo, onde a linguagem de programação que será utilizada o Javascript e C#. O Astah Community será utilizado na construção dos diagramas de caso de uso, de classes, e de sequência. 4. ANÁLISE E GESTÃO DE RISCOS 39

40 No decorrer do desenvolvimento do jogo podem ocorrer problemas que atrapalhema conclusão do projeto. Para tentar prevenir esse possíveis problemas, é necessária uma análise dos possíveis riscos. Alguns dos possíveis riscos são: Pouco conhecimento na criação de jogos tridimensionais: Para o desenvolvimento do jogo os desenvolvedores terão que utilizar o Blender como ferramenta de modelagem e animação, e o Unity como motor do jogo, o tempo para o aprendizado dessas duas ferramentas pode ser maior que o esperado, impossibilitando a conclusão do jogo. O risco de que isso ocorra pode ser considerado médio, e para sua prevenção deve haver um estudo das ferramentas durante todo desenvolvimento. Atraso em etapas do cronograma: Por ser um meio relativamente novo de desenvolvimento, com uma estruturação diferente dos outros softwares, a criação de ambientes e entidades computacionais pode levar mais tempo do que o previsto no cronograma. Para amenizar este possível risco, alguns processos de criação devem ser feitos em paralelo com outras etapas do cronograma. 5. CRONOGRAMAÇÃO E ACOMPANHAMENTO 5.1 Cronogramação Etapas Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 1 X 2 X 3 X 4 X X X X X 5 X X 6 X X X X X 7 X X 40

41 Etapa 01: Definição do tema / Definição do plano de trabalho com orientador Etapa 02: Escrita Introdução (Motivação/Desafios/Objetivos/Contribuições) Etapa 03: Escrita Fundamentação Teórica/Metodologia Etapa 04: Arte Composição de modelos e animações. Etapa 05: Arte Criação da interface gráfica. Etapa 06: Desenvolvimento Mecânica do jogo. Etapa 07: Testes Análises de desempenho. 5.2 Acompanhamento Os encontros entre orientador e orientando ocorrerão semanalmente, e neles serão discutidas questões sobre o documento de TCC e o desenvolvimento do projeto nele proposto. O acompanhamento inclui verificação do cumprimento das etapas. A cada etapa concluída, a partir da 2, será gerado um documento, definido pelo próprio orientador. Esse documento estará disponível via internet e será usado no controle do desenvolvimento do trabalho, possibilitando saber quais objetivos de cada etapa foram alcançados ou não. O orientador também utilizará seu site pessoal para apoio, com intuito de ajudar na orientação, disponibilizando informações/documentações pertinentes ao projeto em andamento e permitindo orientação à distância. 6. CUSTOS Os custos do sistema são baseados no tempo de aprendizado, da análise de desempenho, da criação das malhas tridimensionais, das pesquisas relacionadas ao motor de jogo, topologias de modelos 3D, técnicas de animação e desenvolvimento da metodologia e organização utilizada no projeto como um todo. B - DIAGRAMAS 41

42 As ações do jogador e seu poder de escolha devem condizer e estar em perfeita sincronia com o seu personagem. O personagem deve ser capaz de realizar as seguintes funções básicas que o tornam um objeto totalmente interativo em relação ao enredo: Andar Correr Pular Atacar O jogo também deve fornecer uma interface de configuração de video, som e controles. No entanto, essa interface é irrelevante na versão testada do jogo, num tablet Android, sendo assim, esse recurso estará parcialmente descartado para essa plataforma. 1. Diagrama de Casos de Uso O diagrama de caso de uso descreve os objetivos e os requisitos de um software, facilitando a visualização das funcionalidades do sistema. Na figura 1, o Caso de Uso mostra as ações do jogador dentro do jogo como: Pular, podendo duplicar o pulo caso seja necessário. Andar, podendo mudar para ação de correr. Atacar, ganhando XP (Pontos de Experiência) caso mate o inimigo, e com XP evoluir suas características podendo aumentar seu poder de dano ou vida. FIGURA 1 - Caso de Uso: Ações do Jogador 42

43 Na figura 2, O Caso de Uso mostra as opções da tela inicial do jogo; Opções: permite a configuração do som, gráficos e controles; Créditos: mostra a tela de crédito com informações sobre o jogo e os criadores. Jogar: Inicia o jogo. FIGURA 2 - Caso de Uso: Ações do Jogador 43

44 2. Diagrama de Estados O diagrama de estados mostra como um objeto pode se comportar durante a execução do sistema. Na figura 3 são mostrados os principais estados do objeto jogador durante a execução;do estado Parado o jogador pode mudar para os estados: Pulando, Andando e vice-versa. FIGURA 3 - Diagrama de Estados 44

45 Na figura 4 são mostrados os estados de ataque do objeto jogador durante a execução;o jogador poderá realizar diversas combinações de ataque alternando entre os estados de Ataque Leve e Pesado. FIGURA 4 - Diagrama de Estados Ataque 45

46 3. Diagrama de Classes O diagrama de classes mostra como o programa possivelmente vai ser estruturado em relação à orientação a objetos. Na figura 5 são mostradas as classes consideradas de modelo do programa; Na classe Personagem estão contidos os métodos principais para as ações dos inimigos e do jogador. Em algumas classes é necessária a implementação dos métodos Start() e Update(), pois o método Start() é executado na inicialização de um objeto no motor do jogo, já o método Update() é chamado toda vez que a tela é atualizada. 46

47 FIGURA 5 : Diagrama de Classes 47

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

Design 3D. Formação em Game GAME DESIGN 1

Design 3D. Formação em Game GAME DESIGN 1 1 Formação em Game Design 3D O treinamento de Game Design da Data 3D tem duração de 1 ano. O aluno a partir do treinamento de arte 3D e design para games poderá desenvolver seus projetos para as empresas

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook

Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook MAC0499 Trabalho de Formatura Supervisionado Orientador: Professor Marco Dimas Gubitoso novembro de 2013 Instituto

Leia mais

Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine

Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine Desenvolvimento de uma Biblioteca de Funções para Simulação no Torque Game Engine Bruno Baère Pederassi Lomba de Araujo Orientador: Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio PIBIC Programa Institucional

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 03 Game Design Document Edirlei Soares de Lima Game Design Document Um Game Design Document (GDD) é um documento que descreve todos aspectos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit Hipólito Douglas França Moreira Unreal Development Kit Desenvolvida para a construção de jogos,

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

Open Graphics Library OpenGL

Open Graphics Library OpenGL Open Graphics Library OpenGL Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Nuno Alexandre Simões Aires da Costa Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal http://student.dei.uc.pt/~fgonc/opengl/

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

Desenvolvimento de Persistent Browser-Based Games: Ferramentas e Implementação do Multiversia

Desenvolvimento de Persistent Browser-Based Games: Ferramentas e Implementação do Multiversia Desenvolvimento de Persistent Browser-Based Games: Ferramentas e Implementação do Multiversia Jezmael Oliveira Basilio 1, Thalles Robson Barbalho 1, Ceres Germana Braga Morais 2, Marcelino Pereira dos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH RAMARI, L.; FERNANDES, F.N. RESUMO O artigo apresenta o funcionamento de jogos na plataforma 2D, descrevendo os principais tipos de jogos e mostrando os passos básicos

Leia mais

Game Design Document

Game Design Document Game Design Document Informações de Direitos Autorais Versão histórica Data Autores Alterações 29/01/2012 Alan Matheus Pinheiro Araya 29/01/2012 Davi Azevedo de Queiroz Santos 29/01/2012 Ana Carolina 29/01/2012

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Estudo e aperfeiçoamento da técnica de Steering Behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Todos Direitos Reservados 2013 Bruno Ruaro Confortin Versão # 1.01 22/04/2013 Índice 1. INTRODUÇÃO 4 2. VISÃO GERAL DO JOGO 5 QUANTO AO TIPO DE OBJETOS

Leia mais

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Thiago H. B. de Oliveira 1, Gabriel de França Pereira e Silva 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Av. Bom Pastor,

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE IOS, ANDROID E WINDOWS PHONE

COMPARATIVO ENTRE IOS, ANDROID E WINDOWS PHONE COMPARATIVO ENTRE IOS, ANDROID E WINDOWS PHONE Carlos Eduardo SARTORELI 1 Nairemilia KUCHAUSKI 2 Alves Uno RESUMO: Este artigo tem por objetivo apresentar algumas diferenças existentes entre três sistemas

Leia mais

Integrantes: Francis Birck Moreira & Henrique Dallas Costa Lovison

Integrantes: Francis Birck Moreira & Henrique Dallas Costa Lovison Integrantes: Francis Birck Moreira & Henrique Dallas Costa Lovison I - Introdução No trabalho final da disciplina de Computação Gráfica temos a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos adquiridos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

Projeto de Jogos Parte II Gráficos

Projeto de Jogos Parte II Gráficos Projeto de Jogos Parte II Gráficos Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Vídeo Considerações (PC e celular) O Mundo em Blocos de Imagem Sprites

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS 2 O que é Software Aplicativo? SOFTWARES APLICATIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Software que realiza tarefa útil específica Suítes de aplicativos Softwares empresariais Softwares

Leia mais

ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR

ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR ALGORHYTHM, UM JOGO PROGRAMADO PARA ENSINAR A PROGRAMAR Alan Antonio Pereira alan.pereira@inf.aedb.br Tatyanne Freire Duarte de Oliveira tatyanne.oliveira@inf.aedb.br Wilson de Oliveira Junior wilson.junior@inf.aedb.br

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, ARTES. Diploma: Diploma de 1º Ciclo Total ECTS: 6

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, ARTES. Diploma: Diploma de 1º Ciclo Total ECTS: 6 EISI-2312 UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, ARTES E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO Curso: CINEMA, VÍDEO E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA Diploma: Diploma de

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 3 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I. Marcelo Henrique dos Santos Aula 3 Email: marcelosantos@outlook.com marcellohenrique@outlook.com Twitter: @marcellohsantos Apresentação Comparativa Apresentação Comparativa O QUE É UMA GAME ENGINE? Apresentação Comparativa O QUE

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Formatos de Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage FormatosdeImagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger FormatosdeImagens Índice 1 FORMATOS

Leia mais

TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION

TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

PASSO A PASSO MOVIE MAKER

PASSO A PASSO MOVIE MAKER PASSO A PASSO MOVIE MAKER Nesta etapa, você deverá apresentar o programa e ajudá-los a montarem o filme. Veja como é fácil. Siga as instruções do passo-a-passo: DICA O que é o Movie Maker? Com o Microsoft

Leia mais

Sumário. Computação Gráfica Illustrator

Sumário. Computação Gráfica Illustrator 1 Sumário Área de trabalho... 2 Barra de tarefas... 5 Menu ajuda... 6 Menu janela... 7 Menu exibir... 8 Menu efeito... 9 Menu selecionar... 10 Menu tipo... 10 Menu objeto... 12 Menu editar... 13 Menu arquivo...

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Introdução ao ActionScript

Introdução ao ActionScript Introdução ao ActionScript Grupo de Estudos de Actionscript 3.0 Fábio Flatschart Fábio Flatschart Consultor da Adobe Systems do Brasil Consultor da subárea de Internet da Gerência de Desenvolvimento (GD2)

Leia mais

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker Windows Movie Maker 1.0. Introdução ao Windows Movie Maker O Windows Movie Maker é um programa desenvolvido pela Microsoft para a edição básica de vídeos digitais e está disponível nas versões do Windows

Leia mais

PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I

PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I PROGRAMACAO E INTEGRACAO DE JOGOS I Aula 1 Programa da Aula Apresentação Professor Disciplina Projeto Engine Apresentação Introdução ao Unity Aprendendo a Interface Fluxo de trabalho dos Assets Apresentação

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³

3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ 3D GAME BUILDER: UMA GAME ENGINE PARA CRIAÇÃO DE AMBIENTES TRIDIMENSIONAIS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ Resumo Este artigo apresenta o 3D Game Builder, uma ferramenta para

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

MB Engine: Game Engine para a Construção de Jogos em HTML 5

MB Engine: Game Engine para a Construção de Jogos em HTML 5 102 MB Engine: Game Engine para a Construção de Jogos em HTML 5 Maik Basso 1, Carine Piovesan Lopes 1, Fábio José Parreira 2, Sidnei Renato Silveira 2 1 Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação 2

Leia mais

Aprimorar as técnicas e difundir os conhecimentos práticos de programação de jogos eletrônicos.

Aprimorar as técnicas e difundir os conhecimentos práticos de programação de jogos eletrônicos. O curso de desenvolvimento de jogos tem como foco capacitar desenvolvedores com conhecimento de programação a fazer jogos com o uso da Engine Unity. Traz profissionais com longa experiência no desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Fábio Luiz P. Albini 1 Departamento de Informática, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Curitiba, Paraná 81520-000, Brazil. fabio.albini@ifpr.edu.br

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Os trabalhos relacionados podem ser classificados em três categorias: abordagens baseadas em metamodelos para a definição de formalismos, uso de metamodelos em editores de diagrama

Leia mais

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard.

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard. 1 Windows Movie Maker XP O Windows Movie Maker é um software de edição de vídeos que permite criar e editar filmes caseiros, inserindo efeitos, músicas, legendas e transições. O vídeo pode ser criado a

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames

DGD. Documento de Game Design SPACE WAR. Game FACULDADE SENAC GO. Prof.: Lucília Ribeiro. Alunos: kqgames DGD Documento de Game Design Game SPACE WAR FACULDADE SENAC GO Prof.: Lucília Ribeiro Alunos: kqgames Ricardo Dias de Melo Henrique Dias de melo Pedro Augusto Villain de Miranda Matheus Conti Azevedo HIGH

Leia mais

2- Quais são as características da computação gráfica?

2- Quais são as características da computação gráfica? QUESTÕES DE REVISÃO PARA A PROVA - COMPUTAÇÃO GRÁFICA 2014 1- Defina computação gráfica? A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral em forma de representação de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho 2 Caravieri Modesto Professor de Programação e Banco de Dados I IFSP (SALTO Analise e Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org/edu/ 5 de agosto de 2013 Introdução Sobre o curso Introdução Complexidade dos SOs Informações sobre a disciplina Serviços Arquitetura

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão lateral. O editor deve permitir que o usuário trabalhe com camadas, para simular o efeito parallax. O usuário pode

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Scalable Vector Graphics. Kadu Neves Rafael Rocha

Scalable Vector Graphics. Kadu Neves Rafael Rocha Scalable Vector Graphics Kadu Neves Rafael Rocha Roteiro Introdução Vantagens do Uso do SVG Perfis SVG A especificaçào JSR-226 Exemplos Introdução Scalable Vector Graphics é um padrão aberto para descrever

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá9ca 1 Prof. Markus Endler Pré- requisitos Para desenvolver para plataforma Android, é necessário fazer o download e instalar: Android SDK Tools: necessário para gerenciamento

Leia mais

Fancy Battles Game Design Document

Fancy Battles Game Design Document Fancy Battles Game Design Document 2011 Versão 0.1-29/03/2011 Primeira edição 0.2-28/04/2011 Definição de novo Gameplay Regras Controles 0.3-12/05/2011 Alterações no Gameplay Índice 1. Conceito Principal

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Utilizando os conceitos de programação orientada a objetos para a criação do jogo DrunkMan.

Utilizando os conceitos de programação orientada a objetos para a criação do jogo DrunkMan. Utilizando os conceitos de programação orientada a objetos para a criação do jogo DrunkMan. Paula Myrian Lima Pedroso, Edilson Carlos Silva Lima Ciências da Computação Faculdade Pitágoras São Luis MA Brasil

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas.

A animação acrescenta informação importante às cenas modeladas. Introdução Animação por computador é o conjunto de técnicas que utilizam o computador para gerar cenas que produzam a sensação de movimento. Origens: apoio aos desenhadores auxiliares da animação tradicional.

Leia mais

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java Manual de Utilização de Webcams no Desenvolvimento de Aplicativos Java Coordenador: Hemerson Pistori Manual desenvolvido no âmbito do projeto Plataforma de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas para Inclusão

Leia mais

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER

AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER AULA 6: SERVIDOR DNS EM WINDOWS SERVER Objetivo: Instalar e detalhar o funcionamento de um Servidor de DNS (Domain Name System) no sistema operacional Microsoft Windows 2003 Server. Ferramentas: - ISO

Leia mais