Uso de RV no Suporte a Exercícios de Laboratório Auto Dirigidos e Interativos em Fisiologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de RV no Suporte a Exercícios de Laboratório Auto Dirigidos e Interativos em Fisiologia"

Transcrição

1 Uso de RV no Suporte a Exercícios de Laboratório Auto Dirigidos e Interativos em Fisiologia F. C. Santos 1, M. Duzzioni 2, R. M. Siqueira 3, P. Giassi-Junior 4, L. Schwarz 5, C. L. de Oliveira 6, J. Marino Neto 7 1,2,3,4,5,6,7 Instituto de Engenharia Biomédica (IEB), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil 7 Laboratório de Neurofisiologia Comparada (LNfC), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil Resumo Neste artigo é apresentado um laboratório virtual 3D de Fisiologia, construído e implementado em VRML/X3D. É proposta a construção do laboratório virtual com alta similaridade em relação a laboratórios reais, a fim de se construir uma ferramenta útil na obtenção de conceitos e práticas que apóiem a educação continuada de profissionais da área da saúde. São descritas as funcionalidades providas por este laboratório, a otimização do sistema e relações deste com trabalhos correlatos, desejando criar um laboratório de realidade virtual no estado da arte. Palavras-chave: Laboratórios Virtuais, Aprendizado Virtual, Ambientes Virtuais, Aplicações Multimídia. Abstract - In this paper we introduce a virtual Physiology laboratory, designed and implemented in VRML/X3D. The virtual lab design proposed here is intended to represent, with high fidelity, the main attributes of a real Physiology lab, and may be helpful to support continued practical education of health staff personnel. This paper describes the functionalities provided by this laboratory, the system optimization and the relationships among other published works aimed to create a state-of-the-art virtual reality laboratory. Key-words: Virtual laboratories, Virtual learning, Virtual environments, Multimedia applications. Introdução Esforços têm sido feitos para reduzir o número de animais utilizados no ensino biomédico. Isso acarreta também em uma redução nas oportunidades de vivência prática com experimentos, dada a diminuição de uma ampla gama de aulas práticas. Devido à severa redução em práticas específicas no aprendizado dentro de cursos da área da saúde nas universidades, é esperada uma redução das habilidades e técnicas envolvendo métodos farmacológicos e fisiológicos, que são ainda essenciais na pesquisa básica para desenvolvimentos terapêuticos, assim como no descobrimento de medicamentos. A Realidade Virtual (RV) tem sido utilizada em treinamento de pessoal técnico em diferentes tarefas, no planejamento e melhoramento de organizações [1]. Alguns exemplos são vistos em [2] e [3]. Nos dias atuais a maioria das aplicações comerciais, como jogos e simulações militares, apresenta alta performance computacional e gráficos de alta qualidade. Muitos esforços e pesquisas têm sido feitos na produção de ambientes virtuais para este fim [4], [5], [6] e [7]. No entanto, a maioria dos ambientes virtuais aplicados à educação parece não possuir a mesma jogabilidade [8] e qualidade gráfica dos jogos comerciais. Este trabalho apresenta um laboratório de RV não-imersivo criado para difusão de conhecimento biológico com foco em práticas Fisiológicas. Leva-se em consideração aqui, a qualidade gráfica adequada aos padrões de jogos comerciais, necessária aos procedimentos laboratoriais. Além das características gráficas ou computacionais, é importante levar em consideração a confiabilidade do conteúdo apresentado. Assim, o laboratório apresentado neste trabalho é caracterizado por um padrão de procedimentos e rotinas didáticas similares às empregadas em um laboratório real. Aspectos de implementação Os ambientes foram desenvolvidos na linguagem VRML/X3D com o auxílio do software 3dsMax 7. Através deste software é possível a criação de modelos tridimensionais (3D) e de animações (Figura 1) que são exportadas para o padrão da linguagem VRML/X3D. A linguagem VRML/X3D possui em sua sintaxe, nodos prototype (PROTO node) para criação de objetos que possam ser reutilizáveis. Neste prototype é possível declarar campos e eventos que podem ser acessados externamente como translações SFVect3f e rotações SFRotation que possuem as coordenadas de movimentação dos objetos. O software 3dsMax 7

2 exporta (através do VRML exporter) estes movimentos no padrão VRML/X3D como KeyValues inclusos na definição do prototype da cena. Chamou-se este prototype de PROTOCENA, pois ele possui todos os registros desta cena que podem ser acessados posteriormente. A interatividade da cena é executada através de nodos Scripts implementados na hierarquia do VRML. Os nodos Scripts permitem chamadas de linguagens interpretáveis pelo browser, como JavaScript, e possibilitam a manipulação de eventos e valores gravados, tais como KeyValues, SFVect3fs e SFRotations. Esta funcionalidade traz dinâmica aos mundos virtuais. É possível pegar um objeto e levá-lo a outro lugar do mundo virtual de diferentes formas através de eventos VRML/X3D, como touch e plane sensors. Diferentes ações podem disparar diferentes animações, expandindo as possibilidades de manipulação da cena. caso deste experimento onde foram gravados vídeos de células sanguíneas animais). Um importante aspecto a ser ressaltado é o desenho dos objetos no software 3dsMax 7 (Figura 2). É necessário que os designers trabalhem a malha de maneira adequada para otimizar os gráficos, garantindo alta qualidade e baixo número de polígonos. Aplica-se neste caso a técnica low-poly. Aspectos de iluminação onde são utilizados a radiosidade também são necessários para que seja alcançado realismo adequado à cena. DESIGN Malha do 3dsMax EXPORTADOR VRML DEF Transform {} Animação do3dsmax Keys & KeyValues Figura 2 - Modelagem do laboratório contendo uma mesa e os objetos sobre ela, formando a raiz da cena para posicionamento dos objetos e animações. PROTOCENA [ Nodes, keys, keyvalues, CenaScript ] DEF Cena Transofrm { Children [ DEF TubodeEnsaio Transform {}, DEF PipetadeVidro Transform {},,,, DEF ObjetoN Transform {}, ] } O experimento virtual implementado A estrutura computacional implementada é uma solução trivial para o desenvolvimento de experimentos virtuais. Neste caso, o objetivo do experimento implementado é a observação de mudanças de uma variável homeostática, a osmolaridade do meio circundante sobre uma função celular. Uma visão geral do laboratório é mostrada na (Figura 3). Figura 1 - Estrutura geral do experimento mostrando a interação entre Design e Codificação. O prototype externo FlashMovie (ParallelGraphics) permite a inclusão de arquivos SWF da tecnologia Macromedia Flash (Macomedia). O formato de arquivo Macomedia Flash (.SWF) estabelece soluções multimídias triviais dada à otimização e redução do tamanho dos arquivos. Todas as funcionalidades dos Scripts Macromedia são inclusas nas animações Flash, como sons, Flash Scripts e vídeos (no Figura 3 Visão geral da sala de experimento. O roteiro do experimento da vida real começa com a inclusão de 2ml de sangue em um

3 tubo de ensaio, com capacidade de 10ml, contendo 0,4ml de heparina (anticoagulante). Após agitação rápida os tubos de ensaio são deixados em repouso por cerca de 5 minutos e analisados conforme o aspecto (cores). No final deste período, uma amostra de 0,2ml de cada tubo de ensaio é coletada e colocada sobre uma lâmina, recoberta por uma lamínula. Ao ser observada no microscópio óptico é possível constatar as diferenças quanto a osmolaridade entre as soluções. O funcionamento do experimento virtual começa com o usuário conectando a URL de uma página (página VRML/X3D). O ambiente é um conjunto de objetos onde há mesas cadeiras, quadros negros e bancos, simulando um laboratório (Figura 4). Outros objetos, relacionados ao experimento de fisiologia, estarão sobre a mesa. Divididos em duas categorias: Objetos de proteção o Guarda pó o Luvas cirúrgicas o Óculos de proteção Objetos do experimento o Tubos de ensaio o Frascos o Estande o Pipeta automática o Pipeta de vidro o Lâminas o Lamínula o Microscópio organização computacional dos cientistas da computação e o objetivo requerido pelos profissionais da biologia. Esta visão de produção é vista na (Figura 5). Perspectiva do Designer Construção do experimento virtual Desenho de objetos e animações Perspectiva do Professor Vídeo Discussão Resultado Final Perspectiva da informática Codificação VRML/X3D Figura 5 - A visão de produção do experimento agregando diferentes profissionais. O vídeo demonstrou de qual forma os objetos eram movimentados e quais eram as ações da personagem com os objetos da cena. O roteiro final foi dividido em dez partes: Figura 4 Laboratório virtual com os objetos necessários ao experimento. Estes objetos estão organizados na cena em nove passos do roteiro. Para maior fidelidade um ator gravou um vídeo em um laboratório real. Cada cena foi analisada, seus detalhes foram observados e mudanças foram efetuadas antes da implementação computacional do experimento virtual. A compilação do roteiro em um vídeo revelou ser uma excelente ferramenta de comunicação, pois a cena final seria interpretada diferentemente por pessoas de diferentes áreas. Estas áreas incluíam profissionais da biologia, designers e cientistas da computação. Os objetivos de cada um foram definidos levando-se em consideração o vídeo real do experimento, ou seja: pesquisa de campo dos designers, a Cena Interativa 1: Vestindo o equipamento de segurança; Cena Interativa 2: Colocando solução de NaCl nos tubos de ensaio; Cena Interativa 3: Colocando solução heparinizada nos tubos; Cena Interativa 4: Colocando 0,2ml de sangue por tubo de ensaio; Cena interativa 5: Agitando a solução por um minuto; Cena interativa 6: Colocando a solução em repouso por cinco minutos; Cena interativa 7: Colocando 0,2ml de sangue na lâmina e cobrindo com a lamínula; Cena interativa 8: Levando a lâmina ao microscópio; Cena interativa 9: Analisando a solução no microscópio; Cena interativa 10: Ver outra lâmina. O usuário pode interagir nestas cenas, através do mouse e teclado, para movimentar os objetos de acordo com as necessidades da aula prática. Algumas ações também devem ser inibidas, pois alguns passos devem ser cumpridos

4 antes de outros, por exemplo: a vestimenta de segurança antes de iniciar o experimento. Destaca-se, em especial, a cena interativa 9, onde o usuário leva a lâmina com a solução de sangue animal ao microscópio. Após isto, com um clique do mouse no microscópio, o aluno visualizará um vídeo (gravado em um microscópio real) com soluções de sangue animal de diferentes concentrações de permeabilidade a NaCl que são: isotônica, hipotônica e hipertônica. É disponível zoom na cena para análise das hemácias com maior detalhes (Figura 6). Figura 6 Vídeo de uma solução hipotônica de hemácias obtido com um microscópio real. Durante a observação ao microscópio virtual, elas movimentam-se como se estivessem dentro de um capilar sanguíneo. Mais informações e detalhes do experimento estão disponíveis na internet através da página: ria/downloads.php onde será possível fazer o experimento on-line e observar com maiores detalhes cada etapa da aula prática. Discussão As aplicações de RV na educação se tornaram mais visíveis desde o começo da década de 90 com aplicações específicas [9-10]. A RV tem sido aplicada na construção de laboratórios virtuais, sendo estes, modelos alternativos à prática real. É possível a migração de conceitos abstratos em eventos práticos sem os problemas relacionados ao mundo real (segurança, tempo de uso, etc). Os laboratórios virtuais provêem aos estudantes uma interação com a prática apesar da distância da instituição de educação [11]. Além disso, laboratórios virtuais permitem fácil compartilhamento de recursos educacionais e de pesquisa para estudantes e profissionais em geral. A didática envolvida em mundos virtuais é outro importante aspecto que deve ser levada em consideração. Mundos virtuais provêem campo para o aprendizado construtivista [12], pois através de tarefas experimentais, os estudantes são guiados a descobrir conceitos críticos por eles mesmos [11]. Na exploração de um laboratório virtual "você literalmente aprende jogando" [13]. Deste modo, laboratórios virtuais criam um 'ciclo de conhecimento/experiência', desenvolvendo no usuário estratégias para resolução de diversos problemas. O envolvimento do professor é de suma importância para o resultado final do projeto, pois é ele que apontará o perfil dos usuários do sistema e como os problemas poderão ser solucionados. Professores de biologia/fisiologia estiveram presentes na confecção deste experimento particularizando os aspectos de aprendizagem. A metodologia de trabalho neste artigo proporcionou a produção de um experimento de fisiologia virtual. No entanto, a produção deste laboratório possibilita sua reutilização na construção de outros experimentos em outras matérias, tais como química, farmacologia e medicina. O uso do software 3dsMax 7 pelo exportador VRML/X3D aumentou a produtividade, deu ao projeto interfaces gráficas e jogabilidade com padrão de estado da arte. Objetos como pipetas, lâminas, lamínulas, microscópio, cenário, dentre outros, devem estar muito bem detalhados, com a finalidade de se alcançar fidelidade com o mundo real. A gravação de vídeos reais das soluções de sangue animal e inserção destes no ambiente virtual, contribuiu para o realismo do experimento, pois o aluno visualiza células reais, havendo fidelidade nas conclusões a respeito de suas propriedades. Este experimento parece possuir gráficos acima dos padrões de jogos educacionais. Estes detalhes podem ser vistos na Figura 7. Isso ocorreu, porque objetos bem desenhados em 3dsMax 7, através da técnica low-poly, reduziram a quantidade de polígonos empregados na malha de um objeto e possibilitaram performance computacional satisfatória. Figura 7 Detalhes dos objetos do experimento. A maioria das aplicações de RV em educação parece não possuir qualidade nas imagens e animações. Nos dias atuais, é necessário o uso de gráficos com alta qualidade,

5 pois a indústria do entretenimento digital (videogames e jogos de computador) melhorou expressivamente a qualidade dos mundos virtuais não-colaborativos. Presume-se que os usuários ao fazerem uso de jogos educacionais desejem a mesma qualidade, ou qualidade similar, à dos jogos da indústria de videogames. Uma constatação desta afirmação é o estudo de como a qualidade de renderização contribuiu na vontade de utilização e cumprimento das tarefas por parte dos alunos. Não havendo qualidade gráfica suficiente, a atividade executada (neste caso, o experimento virtual) pode ser ineficaz, não despertando interesse e prazer ao utilizar o software [14]. Alguns trabalhos podem demonstrar esta deficiência devido à falta de resolução gráfica, como: aplicações de RV ao ensino de engenharia química [2], no trabalho [15] há a representação 3D de um laboratório de rádio-farmacologia. Um exemplo contrário é o trabalho [16], onde é apresentado um modelo de treinamento de Medicina por computador, baseado na visualização de simulações de situações clínicas em um paciente virtual, o qual apresenta jogabilidade e gráficos consagrados pelo uso da engine do jogo de computador Unreal Tournament. Um fator que influenciou a produção deste trabalho é a não existência de projetos produzidos no Brasil neste sentido. Portanto, este projeto demonstra uma iniciativa na produção de laboratórios em RV de fisiologia e proporciona uma ferramenta para auxiliar os professores a melhorar o aprendizado através da solução de problemas e da observação experimental. Por fim, demonstrou-se viável a possibilidade de construção de outros experimentos para outras áreas do conhecimento baseados na metodologia deste trabalho. Conclusões O presente trabalho mostrou a produção de um experimento virtual através de um laboratório de fisiologia virtual em 3D. A metodologia empregada aqui é extensível a outros tipos de tutoriais de diferentes áreas da biologia, farmacologia e medicina. Experimentos de fisiologia similares a este não foram relatados, tornando-se um fator de motivação ao desenvolvimento do projeto. Aspectos como a qualidade gráfica do ambiente e dos objetos envolvidos na cena foram de especial importância ao trabalho, para que houvesse fidelidade entre o experimento virtual e o real. O envolvimento de profissionais da biologia foi fundamental no levantamento do tema a ser transportado do mundo real para o virtual. Assim, construiu-se uma ferramenta que preza pela objetividade e que é útil na obtenção de conceitos e práticas que auxiliem profissionais da área da saúde. Estão em andamento implementações destinadas a incluir no experimento: som, novas ações do usuário com os objetos da cena, processos computacionais para análise do comportamento do usuário dentro do ambiente e tutoriais que enfoquem diferentes aspectos correlacionados às propriedades do sangue animal. Também se encontra em desenvolvimento a construção de ambientes colaborativos virtuais baseados na metodologia deste trabalho. Suporte Financeiro FINEP Financiadora de estudos e projetos. CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Referências [1] Netto, A.V., Machado, L. S., Oliveira, M.C.F. (2002). Realidade Virtual: Definições, Dispositivos e Aplicações. Revista Eletrônica de Iniciação Científica, [http://www.sbc. org.br/reic/edicoes/2002e1/tutoriais/rv-defini coesdispositivoseaplicacoes.pdf], 10 de julho de [2] Bell, J.T., (2004), The Application of Virtual Reality to (Chemical Engineering) Education, Proceedings of the IEEE Virtual Reality Conference 2004, Chicago, pp , Mar. [3] Blanc, L.A, Bunt, J., Kwok, Y., (2004). The Virtual Learning Space - An Interactive 3D Environment, Proceedings of the tenth international conference on 3D Web technology, Bangor, pp ,29 Mar-1 Apr. [4] Budhu, M. (2002), Virtual Laboratories for Engineering Education, Proceedings of the International Conference on Engineering Education 2002, Manchester, pp , Aug. [5] Jacobson, R. (1993), After the virtual reality gold rush: the virtual world paradigm Comput & Graphics, v.17, pp [6] Jou, M., Zhang H., and Lin C. (2005), Development of an Interactive e-learning System to Improve Manufacturing, Proceedings of the Fifth IEEE International Conference on Advanced Learning Technologies, Kaohsiung, pp , Jul.

6 [7] Rosenblum L., Tachi, S., Burdea, G. (1998), VR Reborn, IEEE Comp. Graph. and App., v.18, p [8] Rouse, R. (2001), Game Design Theory & Practice, pp. 2-8, Wordware Publishing, Los Rios Boulevard. [9] Bricken, W. (1990), Learning in virtual reality. Memo: HIT Lab Memo No. M Seattle, WA: Human Interface Technology Laboratory, [http://www.hitl.washington.edu/publications/m -90-5], 10 de julho de [10] Byrne, C. (1994). Virtual reality and education, Proceedings of the International Working Conference on Exploring a New Partnership: Children, Teachers and Technology 1994, Philadelphia, pp , Jun 26-Jul 1. [11] Youngblut, C. (1998). Educational Uses of Virtual Reality Technology. Tese: Institute for Defense Analysis: Alexandria, VA (IDA Document D-2128), [http://www.hitl.washingto n.edu/scivw/youngblut-edvr/d2128.pdf], 10 de julho de [12] Winn, W. (1993), Humann Interface Technology Laboratory, Technical report No.TR-93-9., Washington Technology Center, University of Washington, [http://www.hitl. washington.edu/publications/r-93-9/], 10 de julho de [14] Zimmons, P., Panter, A. (2003). The Influence of Rendering Quality on Presence And Task Performance in a Virtual Environment, Proceedings of the IEEE Virtual Reality 2003, Los Angeles, pp , Mar. [15] Alexiou, A., Bouras, C. (2004), Using VR Technology to Support e-learning: The 3D Virtual Radiopharmacy Laboratory, Proceedings of the 24th International Conference on Distributed Computing Systems Workshops,Tokyo, v.7, pp , Mar. [16] Simo, A., Cavazza, M., Kijima, R. (2004). Virtual patients in clinical medicine. Stud. Health Technol. Inform., v. 98, pp Contato Felipe Chaves Santos. Graduado em Ciência da Computação pelas Faculdades Integradas da rede de Ensino UNIVEST, membro do projeto de pesquisa: Sistemas Virtuais de Ensino Baseados na Internet para Suporte à Educação e Treinamento na Área da Saúde. Instituto de Engenharia Biomédica da Universidade Federal de Santa Catarina, endereço: UFSC CTC Departamento de Engenharia Elétrica, CEP: , Florianópolis SC, Fone: (48) ramal 39, URL: [13] Johnson, S. (2005), Everything Bad is Good for You, pp. 42, Allen Lane, London.

PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: V. AMBIENTE EM RV DE ELETROCARDIOGRAFIA

PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: V. AMBIENTE EM RV DE ELETROCARDIOGRAFIA PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: V. AMBIENTE EM RV DE ELETROCARDIOGRAFIA Felipe C. Santos - felipe@ieb.ufsc.br Juliano E. Rathke -

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MODELOS VIRTUAIS EM 3D PARA AUXÍLIO NA APRENDIZAGEM DA EMBRIOLOGIA USE OF 3D VIRTUAL MODELS TO IMPROVE THE LEARNING OF THE EMBRYOLOGY

UTILIZAÇÃO DE MODELOS VIRTUAIS EM 3D PARA AUXÍLIO NA APRENDIZAGEM DA EMBRIOLOGIA USE OF 3D VIRTUAL MODELS TO IMPROVE THE LEARNING OF THE EMBRYOLOGY UTILIZAÇÃO DE MODELOS VIRTUAIS EM 3D PARA AUXÍLIO NA APRENDIZAGEM DA EMBRIOLOGIA USE OF 3D VIRTUAL MODELS TO IMPROVE THE LEARNING OF THE EMBRYOLOGY Larissa Natasha de Souza (larissa_universo@yahoo.com.br)

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distingüir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Simulação Distribuída

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL Cássio David Borralho Pinheiro cassio@stm.ufpa.br cdbpinheiro@zipmail.com.br Universidade Federal do Pará - Campus de Santarém Resumo.

Leia mais

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO Arion Roberto Krause 1 ; Andrey Alves 1 ; Rafael Jusinskas Labegalini 1 ; Luiz Fernando Braga Lopes 2 RESUMO:

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

A criação dos elementos químicos. tridimensionais através da realidade virtual. uma aplicação na química orgânica

A criação dos elementos químicos. tridimensionais através da realidade virtual. uma aplicação na química orgânica A criação dos elementos químicos tridimensionais através da realidade virtual uma aplicação na química orgânica José Avelino dos Santos Moura 1, Alexandre Cardoso 2, Edgard A. Lamounier Jr. 2 1 Faculdade

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Realidade Virtual & Ensino a Distância Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Sumário 1. RV - Conceitos e Principais Características 2. RV Imersiva e Não Imersiva 3. Tipos de Sistemas de RV 4. RV na

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA - CCEN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1 Romero Tori Centro Universitário SENAC, USP Introdução A Computação Gráfica (CG) surgiu no início dos anos 1960 quando Ivan Sutherland defendeu, no Massachussets Institute of Technology (MIT), a histórica

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UM AMBIENTE PARA O GERENCIAMENTO DE ATIVIDADES COLABORA- TIVAS COM O SOFTWARE TABULAE Thiago Guimarães Moraes Universidade Federal do Rio de Janeiro - LIMC/UFRJ tgmoraes@br.ibm.com Thiago Maciel de Oliveira

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS EM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

A CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS EM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA A CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS VIRTUAIS INTERATIVOS EM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Tânia Michel Pereira UNIJUÍ

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira Régio Pierre da Silva Tânia Luísa Koltermann da Silva Anelise Todeschini Hoffmann José Luís Farinatti Aymone UFRGS -

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES

Leia mais

APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016

APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016 1 APRENDIZADO BASEADO EM PROBLEMAS A DISTÂNCIA UTILIZANDO MAPA CONCEITUAL. EXPERIÊNCIA INICIAL NO ENSINO MÉDICO. TCC3016 12/02/2006 Eduardo Tomaz Froes Fac. Medicina Unifenas Campus Belo Horizonte Email:

Leia mais

Introdução ao Design de Games

Introdução ao Design de Games Introdução ao Design de Games 1. Público-Alvo Qualquer pessoa com idade superior a 15 anos, profissional da área ou não, interessada em tomar contato e desenvolver os conhecimentos básicos para iniciar-se

Leia mais

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia

Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Modelagem de um Consultório Médico em 3D para auxílio às áreas de Cardiologia e Mastologia Júlia de Castro C. Magalhães 1, Wallacy Morais de Freitas 1, Lourdes M. Brasil 1, Valci V. Coelho 1, Antônio E.

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Design 3D. Formação em Game GAME DESIGN 1

Design 3D. Formação em Game GAME DESIGN 1 1 Formação em Game Design 3D O treinamento de Game Design da Data 3D tem duração de 1 ano. O aluno a partir do treinamento de arte 3D e design para games poderá desenvolver seus projetos para as empresas

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Ezequiel Roberto Zorzal 1, Alexandre Cardoso 1, Claudio Kirner 2, Edgard Lamounier Júnior 1 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem André R. Moreira¹, Paulo H. Tirabassi², Vinicius R. Dogo³,4 ¹Técnico em Administração, Escola Técnica Estadual Sales

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

LVR Laboratório Virtual de Redes

LVR Laboratório Virtual de Redes LVR Laboratório Virtual de Redes Protótipo para Auxílio ao Aprendizado em Disciplinas de Redes de Computadores 1. Introdução Os sistemas de RV permitem aos usuários imersão, envolvimento e interação em

Leia mais

LAG. Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos. Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado

LAG. Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos. Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado LAG Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Linhas de Atuação Computação Gráfica Interação homem-máquina Modelagem Animação

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys)

Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Formalismos de Grafos de Interação (Surveys) Disciplina:Tópicos em IHC II- Interação 3D Professor :Alberto Raposo Tópicos Motivação Fontes de Pesquisa Breve Descrição Conclusões Tópicos Motivação Fontes

Leia mais

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Oficina Recursos Educacionais Abertos REA Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Objetivos do Encontro Criar uma sólida compreensão dos REA, dos direitos de autor e das licenças abertas

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: IV. TUTORIAL SOBRE ELETROCARDIOGRAFIA

PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: IV. TUTORIAL SOBRE ELETROCARDIOGRAFIA PROPOSTA DE PLATAFORMA DIDÁTICA PARA ENSINO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA EM CURSOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA: IV. TUTORIAL SOBRE ELETROCARDIOGRAFIA Paulo R. C. Possa - possa@ieb.ufsc.br Juliano E. Rathke - rathke@ieb.ufsc.br

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada na Educação 1. Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado principalmente a alunos graduados em cursos da área de Educação (Pedagogia

Leia mais

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Cristina Jasbinschek Haguenauer 1,2 Gerson Gomes Cunha 2 Francisco Cordeiro Filho 1 Marcos Coutinho Monnerat

Leia mais

Plataforma DeskEaD para Aplicações de Educação à Distância. Rogers Ferreira da Silva Ricardo Balbinot Jorge Guedes Silveira

Plataforma DeskEaD para Aplicações de Educação à Distância. Rogers Ferreira da Silva Ricardo Balbinot Jorge Guedes Silveira Plataforma DeskEaD para Aplicações de Educação à Distância Rogers Ferreira da Silva Ricardo Balbinot Jorge Guedes Silveira Histórico Projeto Redes Avançadas do CNPq (Edital 10/2001) linha de pesquisa em

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 1 ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 Otacilio Antunes Santana Universidade Federal de Pernambuco otacilio.santana@ufpe.br José Imaña Encinas - Universidade

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REALIDADE AUMENTADA APLICADA A PUBLICIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010 1 A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Brasília DF Maio 2010 Daniela Zinn S. Gonçalves - NT Educação - daniela.goncalves@grupont.com.br

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais

JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais JOGOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Um Relato de Experiência do Projeto de Inovação com Tecnologias Educacionais O SENAI estimula e aperfeiçoa as tecnologias educacionais para suprir as necessidades

Leia mais

UNIFESP Virtual - DIS

UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual - DIS UNIFESP Virtual Avaliação 2003 http://www.virtual.unifesp.br Com o crescimento explosivo da Internet, da comunicação e do reconhecimento do potencial da rede em atuar na globalização

Leia mais

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Gabriel Fernandes

Leia mais

ESTUDANDO E APRENDENDO ESTATISTICA EM AULAS DE MATEMÁTICA UTILIZANDO OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTATÍSTICANET.

ESTUDANDO E APRENDENDO ESTATISTICA EM AULAS DE MATEMÁTICA UTILIZANDO OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTATÍSTICANET. ESTUDANDO E APRENDENDO ESTATISTICA EM AULAS DE MATEMÁTICA UTILIZANDO OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTATÍSTICANET. AUTORES: Maria Helena Schneid de Vasconcelos Ana Cecília Togni (Profª. Orientadora) CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE Cleonilson Protásio de Souza 1 e José Tarcísio Costa Filho 2 Universidade Federal do Maranhão 1 Departamento de Engenharia de Eletricidade

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE LEARNING OBJECTS AND SOFTWARE ENGINEERING Bruna Cassilha Chueiri Centro Universitário da Filadélfia de Londrina UniFil Bruno Henrique Coleto Centro Universitário

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Multimídia por Streaming e Realidade Virtual

Ambiente Virtual de Aprendizagem Multimídia por Streaming e Realidade Virtual Ambiente Virtual de Aprendizagem Multimídia por Streaming e Realidade Virtual Benjamin G. Moreira 1, Fernando M. de Azevedo 1, Fabiano L. S. Garcia 2 1 Instituto de Engenharia Biomédica - Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Sistemas de Informação 3º ANO

Sistemas de Informação 3º ANO Sistemas de Informação 3º ANO BANCO DE DADOS Carga horária: 120h Visão geral do gerenciamento de banco de dados. Arquitetura de um Sistema Gerenciador de Banco de Dados. Modelagem e projeto de banco de

Leia mais

Sistema Solar com Realidade Aumentada

Sistema Solar com Realidade Aumentada Sistema Solar com Realidade Aumentada Eduardo S. Okawa, Claudio Kirner, Tereza G. Kirner ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá dudu.unifei@gmail.com, ckirner@gmail.com, tgkirner@gmail.com

Leia mais

INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1. Estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.

INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1. Estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha. INTERATIVIDADE E ENTRETENIMENTO WEB AULA 1 Estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em

Leia mais