Miriam Christi M. O. Nemoto. Organização, Sistemas e Métodos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Miriam Christi M. O. Nemoto. Organização, Sistemas e Métodos"

Transcrição

1 Miriam Christi M. O. Nemoto Organização, Sistemas e Métodos

2 APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de Organização, Sistemas e Métodos, parte integrante de um conjunto de materiais de pesquisa voltado ao aprendizado dinâmico e autônomo que a educação a distância exige. O principal objetivo desta apostila é propiciar aos(às) alunos(as) uma apresentação do conteúdo básico da disciplina. A Unisa Digital oferece outras formas de solidificar seu aprendizado, por meio de recursos multidisciplinares, como chats, fóruns, aulas web, material de apoio e . Para enriquecer o seu aprendizado, você ainda pode contar com a Biblioteca Virtual: a Biblioteca Central da Unisa, juntamente às bibliotecas setoriais, que fornecem acervo digital e impresso, bem como acesso a redes de informação e documentação. Nesse contexto, os recursos disponíveis e necessários para apoiá-lo(a) no seu estudo são o suplemento que a Unisa Digital oferece, tornando seu aprendizado eficiente e prazeroso, concorrendo para uma formação completa, na qual o conteúdo aprendido influencia sua vida profissional e pessoal. A Unisa Digital é assim para você: Universidade a qualquer hora e em qualquer lugar! Unisa Digital

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OSM Sistemas Resumo do Capítulo Atividades Propostas O PROFISSIONAL DE OSM Resumo do Capítulo Atividades Propostas ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Responsabilidade Autoridade Resumo do Capítulo Atividades Propostas DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL EM QUE A ORGANIZAÇÃO ENCONTRA-SE Técnica de Levantamento de Dados e Informações Resumo do Capítulo Atividades Propostas ARRANJO FÍSICO Resumo do Capítulo Atividades Propostas OSM E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Resumo do Capítulo Atividades Propostas FORMULÁRIOS Resumo do Capítulo Atividades Propostas INDICADORES Resumo do Capítulo Atividades Propostas REDE PERT/CPM Resumo do Capítulo Atividades Propostas...45

4 10 MANUAIS ADMINISTRATIVOS Resumo do Capítulo Atividade Proposta CONSIDERAÇÕES FINAIS RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS REFERÊNCIAS ANEXO... 57

5 INTRODUÇÃO Querido(a) aluno(a), Esta apostila não tem o intuito de substituir as diversas bibliografias existentes na literatura, mas servir como direcionamento para o estudo da disciplina. A área conhecida como Organização, Sistemas e Métodos (OSM) surgiu em vista da necessidade de se organizar as atividades executadas dentro das organizações, que sofrem influências de fatores externos, e da busca da eficiência, tendo em vista o alcance da eficácia. Como cita Chinelato Filho (2001, p. 4) as organizações não podem ser estáticas, já que são compostas por seres humanos e voltadas para um mercado consumidor em constante mutação, confrontando- -se, assim, duas realidades: uma interna e outra externa. Dessa forma, requer contínua evolução. Precisamos compreender que o crescimento desordenado das organizações, muitas vezes, faz com que elas busquem diferentes meios e métodos para otimizar o trabalho realizado; sendo assim, a área de OSM, também denominada por alguns autores Organização e Métodos (O&M), torna-se relevante para a busca do alcance dos objetivos. Você pode estar questionando se, dentro das organizações, existe ou não a área de OSM. A maioria das organizações, atualmente, não apresenta em sua estrutura organizacional essa área específica, mas apresenta diversos colaboradores que executam atividades funcionais dessa área. O objetivo principal é agrupar os agentes para a execução de atividades, com o intuito de alcançar objetivos claramente definidos por meio do entendimento das partes que os compõem, assim como compreender a interação existente entre eles, buscando a constante melhoria, com a utilização de métodos de maneira eficiente, visando à eficácia. Este seria, então, o papel do profissional de OSM ou analista de OSM. Nesse contexto, a apostila foi elaborada fundamentada em elementos importantes para a compreensão de como a organização deve ser vista e estudada de forma sistêmica. No 1º capítulo, será abordada a teoria de sistemas; no 2º, o papel do profissional de OSM e, em seguida, os elementos que compõem a estrutura organizacional. No 4º capítulo, serão abordadas as técnicas para diagnosticar a situação atual da empresa e, nos últimos capítulos, os elementos que contribuem para o sucesso e organização das empresas. Miriam Christi M. O. Nemoto 5

6 1 OSM 1.1 Sistemas Caro(a) aluno(a), É muito importante que a teoria de sistemas seja abordada antes de estudarmos o conteúdo que compreende a disciplina OSM. Para Oliveira (1998, p. 35), sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que conjuntamente formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. O sistema é formado pela entrada, processo de transformação e saídas, conforme a Figura 1, mas, para tal, é necessário que se defina o objetivo para o qual o sistema foi criado, ou seja, é necessário que se tenha bem definido qual o objetivo que os indivíduos que utilizam o sistema esperam alcançar e quais os objetivos do próprio sistema. Saiba mais Dicionário A retroalimentação também é chamada feedback. Sistema: é a disposição das partes ou dos elementos de um todo, que, coordenados entre si em uma estrutura organizada, funcionam como representação gráfica de uma estrutura organizacional níveis hierárquicos (CRUZ, 1998). Levando em consideração o termo sistema utilizado para os organismos (seres humanos), o conjunto de células forma os tecidos, o conjunto de tecidos forma os órgãos e o conjunto de órgãos forma um sistema. Dessa forma, quando se toma como exemplo o sistema digestivo, este é composto por partes que interagem entre si e executam uma atividade funcional. 7

7 Miriam Christi M. O. Nemoto Figura 1 Atividades em um sistema de informação. AMBIENTE ORGANIZAÇÃO Entrada Processamento Saída Retroalimentação Fonte: Adaptado de Laudon e Laudon (2001). Atenção As entradas são os insumos para o processo. Por sua vez, o processo de transformação compreende a etapa em que as entradas sofrem processo de transformação e as saídas compreendem a etapa em que se obtêm os resultados do processamento. Subsistema e Ecossistema O subsistema compreende as partes que formam o sistema e o ecossistema compreende o todo, ou seja, o sistema e o subsistema. Prezado(a) aluno(a), para sua melhor compreensão, na Figura 2, apresentam-se o sistema, o subsistema e o ecossistema de forma ilustrada. Figura 2 Sistema, subsistema e ecossistema. Ecossistema Sistema Subsistema 8

8 Organização, Sistemas e Métodos 1.2 Resumo do Capítulo Caro(a) aluno(a), Neste capítulo, estudamos o significado de sistema e vimos os elementos que o compõem. É importante entender que as partes são interdependentes e possuem em comum o alcance de objetivos. 1.3 Atividades Propostas 1. Tomando como exemplo uma organização qualquer, quais elementos podem ser considerados subsistemas? 2. O que são entradas de um sistema? 9

9 2 O PROFISSIONAL DE OSM Querido(a) aluno(a), Como citado anteriormente, a área de OSM surgiu em vista da necessidade de se organizar as atividades executadas dentro das organizações, que sofrem influências dos fatores externos, e da busca da eficiência, tendo em vista o alcance da eficácia. Atenção O papel do profissional ou analista de OSM é buscar melhorias, de maneira sistêmica, com o objetivo de alcançar resultados eficazmente. Dicionário Saiba mais Características que um profissional de OSM deve ter, segundo Chinelato Filho (2001): motivação pelas atividades que executa; disposição física e iniciativa; senso crítico e analítico; poder de concentração e criatividade; flexibilidade para mudanças; autoconfiança; simplicidade e ação conciliadora; clareza de raciocínio; espírito de trabalho em equipe; planejamento e controle; análise e organização administrativa; entendimento de fluxos, rotinas e procedimentos de trabalho; entendimento de técnicas diversas para a melhoria da qualidade e de processos. Sistêmica: ter conhecimento do todo. Para tal, é necessário que ele exerça atividades buscando melhoria contínua, sob o ponto de vista de racionalizar o trabalho, fazer o arranjo e rearranjo físico, estudo e análise da estrutura organizacional vigente, propor nova(s) estrutura(s), otimizar o trabalho por meio de levantamento do processo, alocar recursos para unidades específicas, assim como distribuir atividades aos órgãos e indivíduos que detêm competências necessárias, automatizar processos com suporte da tecnologia da informação, aumentar a produtividade, enfim, entre diversas outras atividades não apresentadas aqui, aumentar a eficiência, atingindo a eficácia. 11

10 Miriam Christi M. O. Nemoto 2.1 Resumo do Capítulo Caro(a) aluno(a), O profissional de OSM precisa ter conhecimento do todo, ou seja, é preciso que ele tenha visão sistêmica conjunto para entender a inter-relação empresa-ambiente. Na competitividade acirrada do mercado, exige-se que o profissional tenha soluções e tomadas de decisões rápidas. Neste capítulo, foram apresentadas algumas das características desse profissional, para conhecimento, entendimento e direcionamento do seu próprio desenvolvimento como profissional. 2.2 Atividades Propostas 1. Qual é a importância da visão sistêmica por parte do profissional de OSM na gestão das organizações? 2. Cite algumas características que um profissional de OSM deve ter e exemplifique. 12

11 3 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Caro(a) aluno(a), Neste capítulo, serão abordados os elementos constituintes de uma estrutura organizacional. Uma estrutura organizacional compreende a integração de diversas entidades responsáveis pelo processo de transformação de insumos (entradas) em produto e/ou serviço (saídas). Para Oliveira (1998), é o conjunto ordenado de responsabilidades, autoridades, comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa. A forma que a organização está estruturada varia de empresa para empresa e pode ser representada através de um organograma. Dicionário Organograma: é a representação gráfica de uma estrutura organizacional níveis hierárquicos. Dentro de uma empresa qualquer, podem ser encontrados dois tipos de estrutura: a formal e a informal. A estrutura formal compreende aquela representada formalmente no organograma da empresa e a informal é aquela que surge em função do relacionamento pessoal entre os indivíduos da empresa. Oliveira (1998) corrobora apresentando as vantagens e desvantagens de uma estrutura informal. Caro(a) aluno(a), observe o Quadro 1, a seguir. Quadro 1 Vantagens e desvantagens da estrutura informal. Vantagens Proporciona maior rapidez no processo Reduz distorções existentes na estrutura formal Complementa a estrutura formal Desvantagens Desconhecimento dos chefes Dificuldade de controle Possibilidade de atritos entre as pessoas Reduz a carga de comunicação dos chefes Motiva e integra as pessoas na empresa Fonte: Oliveira (1998). 13

12 Miriam Christi M. O. Nemoto 3.1 Responsabilidade A estrutura organizacional é composta por sistema de responsabilidade, autoridade e comunicação. O sistema de responsabilidade, por sua vez, compreende a departamentalização, linha e assessoria. O componente autoridade compreende a amplitude administrativa em relação à delegação de poder, centralização e descentralização. Segundo Jucius e Schlender (1972, p. 238), responsabilidade refere-se à obrigação que uma pessoa tem de fazer alguma coisa para outrem. Por sua vez, Oliveira (1998, p. 91) afirma que autoridade é o direito para fazer alguma coisa. Ela pode ser o direito de tomar decisões, de dar ordens e requerer obediência, ou simplesmente o direito de desempenhar um trabalho que foi designado. A autoridade pode ser formal ou informal. Atenção Pode-se departamentalizar de acordo com o objetivo que se espera alcançar, como: departamentalização por cliente, por produto, por região geográfica, por processo, por projeto, matricial, mista e função. Departamentalização por cliente A departamentalização por cliente visa a alocar recursos e agrupar atividades em função das necessidades dos clientes. Tal estrutura, prezado(a) aluno(a), pode ser representada como a disposta na Figura 3. Departamentalização A departamentalização compreende o agrupamento de recursos e atividades para execução de atividades afins. Figura 3 Departamentalização por cliente. Diretoria de Marketing Pessoa física Pessoa jurídica 14

13 Organização, Sistemas e Métodos Departamentalização por produto A departamentalização por produto visa a alocar recursos e agrupar atividades em função dos diferentes tipos de produtos fabricados pela empresa. Tal estrutura pode ser representada como a disposta na Figura 4. Figura 4 Departamentalização por produto. Diretoria Geral Gerência Automóvel Gerência Moto Gerência Barcos à Vela Departamentalização por região geográfica Prezado(a) aluno(a), A departamentalização por região geográfica, por sua vez, visa a alocar recursos e agrupar atividades realizadas em uma mesma região. O organograma de uma estrutura por região geográfica pode ser apresentado como o disposto na Figura 5. Figura 5 Departamentalização por região geográfica. Departamento de Marketing Região Norte Região Centro Região Sul Departamentalização por processo A departamentalização por processo compreende a alocação de recursos e atividades em função das etapas de um processo (Figura 6). 15

14 Miriam Christi M. O. Nemoto Figura 6 Departamentalização por processo. Diretoria de Cosmético Seção de mistura Seção de envase Seção de rotulagem Seção de embalagem Departamentalização por projeto No caso da departamentalização por projeto, os recursos são alocados para execução de atividades temporárias. em que existem mais de dois tipos de departamentalização sobre o mesmo indivíduo. Segundo Oliveira (1998), essa estrutura normalmente refere-se à sobreposição entre a estrutura funcional e por projetos (Figura 7). Departamentalização matricial No caso da departamentalização matricial, você deve compreender como aquela estrutura Figura 7 Departamentalização matricial. Diretoria Coordenação de projetos Mecânica Eletricidade Eletrônica Projeto A Projeto B Recursos humanos e Recursos humanos e Recursos humanos e materiais materiais materiais Projeto C Fonte: Oliveira (1998, p. 127). 16

15 Organização, Sistemas e Métodos Departamentalização mista Na departamentalização mista, diferentes tipos de departamentalização são encontrados na estrutura organizacional, simultaneamente. identificar, analisar e propor melhores meios para se alcançar os objetivos desejados. Muitas vezes, dentro das organizações, surgem diversos conflitos entre o pessoal de linha e a assessoria. Linha e Assessoria O papel dos colaboradores de linha é executar as atividades diretamente relacionadas à operação da empresa. Por outro lado, o papel da assessoria é auxiliar o pessoal de linha a executar as atividades da melhor forma possível, ou seja, Saiba mais Entre os motivos de conflitos, podem-se citar: a questão de autoridade, o sentimento de ameaça em relação ao papel exercido, a falta de compreensão das atividades executadas pelo pessoal de linha em relação à assessoria e vice-versa. 3.2 Autoridade Amplitude de Autoridade Prezado(a) aluno(a), o que você entende por autoridade? Segundo Oliveira (1998), a autoridade é o direito de fazer alguma coisa, como tomar decisões, dar ordens e requerer obediência. Quanto mais alto for o nível hierárquico do indivíduo dentro da organização, maior será a sua autoridade e, quanto mais baixo for o nível hierárquico, menos autoridade ele apresentará. Por meio da Figura 8, pode-se compreender melhor a amplitude de autoridade. Figura 8 Amplitude de autoridade. mais alto Amplitude de autoridade limites de autoridade nível hierárquico mais baixo Fonte: Oliveira (1998). 17

16 Miriam Christi M. O. Nemoto Amplitude de controle Podemos entender que a amplitude de controle compreende o número de subordinados que um gestor chefe pode supervisionar eficazmente. Existem fatores que podem influenciar na amplitude de controle dentro das organizações. Oliveira (1998) cita algumas delas: atividades pessoais do gestor; habilidades para gerenciar os seus subordinados; nível de capacitação; a flexibilidade para mudanças frente ao ambiente altamente mutante; nível de capacitação dos subordinados; nível de motivação; nível e tipo de controle exercido; nível de clareza na comunicação; grau de interdependência entre as unidades organizacionais; nível de clareza, comunicação e aceitação dos objetivos, entre outros. Quando a quantidade de subordinados ultrapassa aquela que o gestor pode gerenciar de maneira eficaz, ocorre perda de controle e, consequentemente, isso afeta a qualidade, a comunicação interna, há demora na tomada de decisão e falta de motivação do pessoal. Para Litterer (apud OLIVEIRA, 1998), a quantidade ideal de subordinados é igual a quatro. Delegação de Poder Querido(a) aluno(a), o que é delegar poder? Delegar o poder é passar a autoridade para outro indivíduo executar atividades. Para Oliveira (1998), na delegação de poder, devem-se levar em consideração alguns fatores, como: a autoridade deve ser delegada até o ponto e na medida necessária para a realização dos resultados esperados; a autoridade deve ser proporcional ao nível de responsabilidade alocado no cargo e/ou colaborador; a responsabilidade não pode ser delegada, pois nem o chefe nem o subordinado podem livrar-se totalmente de suas obrigações, designando outros para realizá-las; a clareza na delegação é fundamental, com designação precisa, entendida e aceita. Embora pareça fácil delegar atividades para outrem, encontram-se, nas organizações, diversos obstáculos que dificultam a delegação de poder. Oliveira (1998) cita muitos deles sob o ponto de vista da empresa: medo de perder o poder; medo de perder o lugar (cargo); falta de tempo disponível para treinamento de pessoal; falta de pessoal capacitado e habilitado para executar atividades; falta de habilidade para administrar e coordenar; falta de habilidade para motivar os colaboradores; falta de controle em relação às atividades etc. Por outro lado, os obstáculos apresentados podem ser superados, segundo Oliveira (1998), por meio das seguintes medidas: escolher o subordinado adequado para executar a atividade; proporcionar o nível adequado de autoridade, compatível com as atividades exercidas pelo subordinado; 18

17 Organização, Sistemas e Métodos explicar de maneira precisa as atividades e os resultados que se espera alcançar; incentivar os subordinados a tomarem decisões; não fazer críticas caso o subordinado tome decisões errôneas; desenvolver a autoconfiança nos subordinados, por meio de treinamento, participação, reconhecimento e troca de ideias; aceitar os erros dos outros etc. Centralização e Descentralização O aspecto da centralização e descentralização compreende a questão da concentração de poder para tomada de decisão na alta cúpula da organização. A forma como a organização apresenta sua estrutura organizacional, com relação à centralização ou descentralização de poder, depende do tipo de empresa. Algumas são totalmente centralizadas, o que, por sua vez, prejudica o envolvimento de diversos indivíduos nas atividades que estão sendo executadas, a tomada de decisão, que requer maior quantidade de tempo, e a atuação de alto nível da chefia nas atividades, além de causar dificuldade de entendimento das metas e objetivos da organização, entre outros. Por outro lado, a organização descentralizada apresenta vantagens, segundo Oliveira (1998), com relação aos seguintes aspectos: possibilidade de maior motivação; possibilidade de maior participação; melhor desenvolvimento da capacitação gerencial e profissional; tendência a maior número de ideias inovadoras; diminuição de conflitos entre os vários níveis hierárquicos da empresa; possibilidade de maior desenvolvimento das pessoas no aspecto administrativo e gerencial; possibilidade de gerar efeito competitivo, o que pode aumentar a produtividade; possibilidade de atendimento mais rápido às necessidades da empresa e das unidades organizacionais; tomadas de decisão mais próximas da ocorrência dos fatos. As diferenças entre descentralização e delegação de poder são apresentadas pelo autor; veja no Quadro 2, a seguir. Quadro 2 Diferenças entre descentralização e delegação. Descentralização Relacionada ao cargo Abrange diversos níveis hierárquicos Caráter mais formal Menos pessoal Mais estável no tempo Diferenças Delegação de poder Relacionada à pessoa Abrange apenas um nível hierárquico Caráter mais informal Mais pessoal Menos estável no tempo Fonte: Oliveira (1998, p. 194). 19

18 Miriam Christi M. O. Nemoto 3.3 Resumo do Capítulo Caro(a) aluno(a), Uma estrutura organizacional pode ser representada através de um organograma. Entende-se que o modo que a organização está estruturada é algo estratégico para as empresas. A estrutura organizacional é composta por sistema de responsabilidade, autoridade e comunicação. O tipo de departamentalização escolhido pela empresa dependerá do tipo de recursos que ela optará em agrupar e gerenciar: por produto, por processo, por cliente, por região geográfica, entre outros. As estruturas formal e informal existentes nas organizações apresentam vantagens e desvantagens para a empresa. Desse modo, o gestor deve estar atento para que elas não prejudiquem o alcance dos resultados. 3.4 Atividades Propostas 1. Faça um desenho de um organograma de uma empresa qualquer com 3 níveis hierárquicos e 5 áreas diferentes e, em seguida, justifique o agrupamento de tais recursos. 2. O que acontece com o limite de autoridade quando se eleva o nível hierárquico? 3. Cite algumas vantagens e desvantagens de uma estrutura informal e explique cada uma delas. 20

19 4 DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL EM QUE A ORGANIZAÇÃO ENCONTRA-SE Caro(a) aluno(a), Independentemente do tipo de problema que a organização encontre ou mesmo de algum motivo que a leve a buscar melhorias, surge a necessidade de fazer o estudo da organização como um todo, através do levantamento da situação atual, de análise e de propostas objetivas para serem implantadas, objetivando o alcance dos resultados esperados. Existem técnicas que podem ser utilizadas para o levantamento de dados e informações referentes a um determinado assunto, área e departamento a serem estudados. Chinelato Filho (2001) cita que, normalmente, uma organização busca levantar dados e informações para estudo quando se encontra com problemas como: elevados custos; problemas com recursos humanos; baixo nível de qualidade dos produtos; baixa competitividade no mercado; dificuldades de crescimento e expansão; dificuldades de desempenho operacional e administrativo; perdas de estoque. Além desses citados pelo autor, pode-se considerar qualquer fator que impeça o alcance dos objetivos. Atenção É necessário, então, que se faça um estudo da organização como um todo, entendendo o processo da empresa, as atividades realizadas, ou seja, todas as operações realizadas pela empresa, desde as entradas até a obtenção do produto e/ ou serviço final. Cruz (1998) define processo como a forma pela qual um conjunto de atividades cria, trabalha ou transforma insumos, com a finalidade de produzir bens ou serviços que tenham qualidade assegurada para serem adquiridos pelo cliente. Dessa forma, o autor apresenta as etapas para o estudo da organização: 1ª fase: entender as necessidades de seus clientes e conhecer as reais preocupações de cada usuário envolvido pelo projeto. Conseguir distinguir as necessidades reais das necessidades imaginárias; 2ª fase: levantar e documentar os dados e informações; 3ª fase: analisar o processo com base no conjunto de dados e informações levantados; 4ª fase: desenvolver; nesta fase, é necessário o desenvolvimento de uma ou várias soluções para o problema apresentado; 5ª fase: implantar a solução previamente analisada e escolhida. 21

20 Miriam Christi M. O. Nemoto Oliveira (1998), de modo similar, cita as fases que devem ser levadas em consideração no estudo do processo: seleção e reconhecimento do sistema; estudo de viabilidade e de alternativas; levantamento da situação atual; delineamento e estruturação do novo sistema; detalhamento do novo sistema; treinamento, teste e implantação; acompanhamento, avaliação e atualização. expectativa de retorno de investimento; desejo da alta administração; viabilidade técnica, econômica e financeira; capacidade técnica dos recursos humanos. A segunda refere-se à: análise de custos; análise de benefícios; análise do retorno do investimento. Detalhando as fases de seleção e reconhecimento do sistema, assim como o estudo de viabilidade e de alternativas, a primeira refere-se a: 4.1 Técnica de Levantamento de Dados e Informações Querido(a) aluno(a), Neste capítulo, trataremos das técnicas existentes para fazer o levantamento de dados e informações de processos, como: a entrevista, o questionário e a observação pessoal. Os elementos que devem ser estudados no levantamento do processo são: insumos, recursos, atividades, informações e tempo. Segundo Cruz (1998), os insumos compreendem o conjunto de fatores que entram na produção de bens e serviços. Os recursos são os elementos que dão suporte à produção, como: mão de obra, recursos financeiros, equipamentos, instalações em geral, entre outros. As atividades são todas as operações realizadas na empresa para o alcance dos objetivos e as informações são aquelas obtidas referentes ao processo. Por último, o estudo do tempo é para identificar quanto cada atividade requer para otimização, mantendo-se a qualidade. Cada técnica existente que pode ser aplicada em um levantamento depende exclusivamente do tipo de dados que o entrevistador deseja obter, pois uma pode apresentar grandes vantagens, mas ser deficiente em determinados casos. Entrevista A técnica de entrevista é utilizada para o levantamento de informações entre entrevistador e entrevistado. Na maioria das vezes, a entrevista é realizada junto ao chefe, supervisor, gerente ou diretor da área que se deseja estudar. Para melhor aproveitamento, é necessário que seja estabelecido um roteiro para entrevista; caso contrário, o tempo é desperdiçado, pode-se sair do contexto do estudo e não alcançar o objetivo esperado. Para Cruz (1998), devem-se tomar alguns cuidados básicos, como: apresentar-se de forma cordial logo no início da entrevista, estabelecendo cla- 22

21 Organização, Sistemas e Métodos ramente o objetivo e o tempo estimado para sua duração; não invadir o espaço do interlocutor, deixando-o à vontade; pedir licença para fazer anotações; agir naturalmente; falar estritamente o necessário, pois o objetivo principal é escutá-lo; fazer perguntas pertinentes ao tema da entrevista; anotar apenas o necessário. Uma entrevista bem-sucedida, ou seja, aquela em que se obtêm dados e informações desejados, requer um bom entrosamento entre o entrevistador e o entrevistado. Para tal, diversos fatores podem potencializar o alcance dos resultados: fazer com que o entrevistado expresse- -se livremente, uma vez que muitas pessoas apresentam dificuldade em transpor para o papel as informações e opiniões; deixar o entrevistado fazer críticas, comentários e sugestões que, por uma série de motivos, não faria na frente de outras pessoas; fazer o entrevistador conhecer os meandros da organização, suas ligações informais, zonas de conflito e uma série de outras informações que poderão guiá-lo durante o desenrolar do projeto. Oliveira (1998) cita as vantagens da entrevista frente a outras técnicas existentes, como questionário e observação pessoal: pode-se alterar a forma das perguntas para dirimir dúvidas ou obter informações mais precisas ou detalhadas; pode-se alterar o curso das perguntas para se obter informações sobre aspectos importantes e não previstos no planejamento da entrevista; pode-se alterar a ordem sequencial das perguntas no decorrer da entrevista; podem-se eliminar perguntas anteriormente programadas, em virtude dos efeitos que possam causar ou do curso que a entrevista toma; podem-se incluir perguntas que não constavam inicialmente; podem-se complementar perguntas, de forma que se obtenham informações adicionais; pode-se motivar o entrevistado durante a entrevista para que ele responda às perguntas desejadas; podem-se esclarecer dúvidas com relação às respostas, entre outros. No entanto, a entrevista possui desvantagens, como: alcança um universo menor do que aquele que o questionário pode alcançar, em vista da duração e dos recursos utilizados em sua realização; os entrevistados podem não receber tratamento uniforme; podem ocorrer desvios de curso, podendo o entrevistador, se não tomar o devido cuidado, alterar a direção planejada e não atingir os objetivos propostos; demanda maior quantidade de tempo e motivação por parte do entrevistador e do entrevistado; podem ocorrer avaliações subjetivas decorrentes do contato entre o entrevistador e o entrevistado; o entrevistador pode se esquecer de perguntar ou eliminar quesitos importantes; a entrevista pode desestimular o entrevistado, em decorrência do conteúdo; 23

22 Miriam Christi M. O. Nemoto requer maior quantidade de tempo para tabulação dos dados etc. menor pressão sobre a resposta imediata etc. Questionário Caro(a) aluno(a), o questionário utilizado no levantamento de dados e informações é muito útil quando o indivíduo não possui tempo para dar entrevistas, está localizado distante fisicamente do pesquisador, necessita de maior quantidade de tempo para analisar e responder à pergunta proposta ou não se sente à vontade frente ao pesquisador. Por isso, muitos questionários, além de serem aplicados pessoalmente, estão sendo utilizados para levantamento via e internet. Os pontos positivos encontrados na utilização de questionários são citados por Cruz (1998): o fato de ter que responder por escrito cada pergunta dá ao entrevistado a oportunidade de refletir sobre aquilo que vai escrever; o entrevistador passa a ganhar tempo, pois isso permite que ele realize outras tarefas ou aplique vários questionários ao mesmo tempo; o entrevistador pode obter melhores respostas, em vista do tempo maior que o entrevistado pode levar para responder às questões. Para Selltiz (apud OLIVEIRA, 1998), entre outros fatores positivos citados anteriormente, têm- -se: os questionários são menos dispendiosos; mais fáceis de serem aplicados; podem ser aplicados a uma maior quantidade de indivíduos; maior uniformidade na mensuração; questões relacionadas ao anonimato do indivíduo; Por sua vez, Cruz (1998) cita os pontos negativos referentes ao questionário: muitos indivíduos não gostam de responder a questionário, pelo fato de ele permanecer registrado; sendo assim, requer maior participação de autoridades dentro da organização para que todos se comprometam em responder; obtenção de informações não verdadeiras, quando o questionário é preenchido no anonimato. Para um questionário tornar-se uma técnica útil e favorável ao levantamento de dados e informações, é necessário, segundo Chinelato Filho (2001): que os propósitos do questionário sejam explícitos e claros, a fim de evitar suspeitas; que seja realizada a menor quantidade de perguntas, a fim de assegurar a atenção do pesquisado; formular perguntas objetivas que possam ser respondidas com datas, números, idades, lugares ou por acasalamento; que os aspectos focalizados sejam logicamente agrupados em unidades precisas; que os questionários que focalizam assuntos pessoais e privados sejam anônimos, assegurando o seu caráter confidencial; que as perguntas sejam curtas, específicas e incisivas; que as respostas sejam facilmente tabuláveis. 24

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais

Módulo 4.Estruturas Organizacionais Módulo 4.Estruturas Organizacionais Como vimos anteriormente, a Abordagem Contingencial afirma que a forma de atuar da organização deve levar em conta o ambiente onde está inserida. Sua estrutura, igualmente,

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Fase de Diagnóstico:

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado.

O Banco do Nordeste do Brasil S.A. deseja conhecer as opções de solução fiscal e de gestão tributária existentes no mercado. O., situado à Avenida Pedro Ramalho, 5700, Bairro Passaré Fortaleza-CE, através do Projeto Estratégico Sistema Integrado de Gestão Empresarial Aquisição e Implantação de ERP (Enterprise Resources Planning)

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais