Manejo de resíduos florestais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manejo de resíduos florestais"

Transcrição

1 Manejo de resíduos florestais José Carlos Arthur Junior Vice-Coordenador do PTSM Encontro Brasileiro de Silvicultura Curitiba/PR, 10 de novembro de 2008

2 Sumário 1. PTSM 2. Resíduos florestais definição, histórico e composição 3. Balanço de nutrientes e sustentabilidade da produtividade florestal 4. Valoração financeira de resíduos 5. Manejo de resíduos 6. Conclusões

3 1. PTSM - IPEF possui 11 Programas Cooperativos: integração universidadeempresa e empresa-empresa, geração e difusão de informações técnicas ao setor florestal Início do PTCM (Programa Temático de Cultivo Mínimo) - Preparo intensivo do solo até o final da década de 80 - Adoção do sistema de cultivo mínimo pelas empresas florestais (dúvidas sobre este sistema) - Experimento na Suzano (IPEF-PTSM-CIFOR):Manejo de resíduos para compreender melhor o sistema de Cultivo Mínimo Demanda em outros temas relacionados ao manejo florestal e silvicultura PTSM + abrangente e com pesquisas visando o aumento da produtividade e sustentabilidade dos empreendimentos florestais

4 Missão Proporcionar o adequado embasamento científico e tecnológico para auxiliar as tomadas de decisões operacionais das empresas, visando o aumento da produtividade dos povoamentos de Eucalyptus e Pinus, garantindo a sustentabilidade dos empreendimentos a médio e longo prazos.

5 Objetivos Desenvolver projetos de pesquisa e desenvolvimento cooperativo através da integração universidade-empresa e interação empresa-empresa; Divulgar resultados das pesquisas em reuniões, seminários, simpósios e cursos para atualização de conhecimentos e treinamento profissional; Constituir um fórum permanente promovendo a integração, o intercâmbio de experiências e a discussão de novidades técnicas; Formar novos profissionais estagiários.

6 Empresas Associadas Jari 17 empresas associadas Suzano Caxuana, Satipel Ramires VCP Klabin Copener Bahia Pulp Veracel, Suzano Aracruz ArcelorMittal, Cenibra, Suzano VCP, Suzano, Conpacel, Duratex, Eucatex, International Paper, CESP Aracruz, VCP, Satipel

7 2. Resíduos Florestais Resíduo florestal: todo material orgânico que fica após a colheita; - Folhas; - Galhos finos e grossos; - Casca; - Sobras de madeira; - Tocos; - Raízes; - Serapilheira.

8 Gestão dos resíduos florestais - histórico ANOS 70 - QUEIMA TOTAL DOS RESÍDUOS PÓS - COLHEITA - PREPARO DE SOLO INTENSIVO ANOS 80 - SUPRESSÃO DA QUEIMA - DESENVOLVIMENTO DO CULTIVO MÍNIMO ANOS 90 - CONSOLIDAÇÃO DO CULTIVO MÍNIMO - INTENSIFICAÇÃO DA COLHEITA MECANIZADA Fonte: Gestão dos resíduos florestais na Suzano: Solução operacional Ganho social palestra apresentada pelo Eng. Paulo Gilbertoni da Suzano durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

9 GRADE BEDDING (ARADORA) - 6 discos 32 + rolo compactador - COBERTURA DA LINHA DE TOCOS - INVERSÃO DO SOLO PREPARADO - FORMAÇÃO DE MINI TERRAÇOS Fonte: Gestão dos resíduos florestais na Suzano: Solução operacional Ganho social palestra apresentada pelo Eng. Paulo Gilbertoni da Suzano durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

10 GRADE V 12 X 24 + ESTEIRA D-4 - TRITURAÇÃO E INCORPORAÇÃO DOS RESÍDUOS Fonte: Gestão dos resíduos florestais na Suzano: Solução operacional Ganho social palestra apresentada pelo Eng. Paulo Gilbertoni da Suzano durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

11 Cultivo mínimo - Preparo na linha ou cova de plantio - Subsolador ou coveador - Mexer o mínimo possível no solo e no resíduo

12 Vantagens: - Mantém ou melhora as características físicas do solo; - Reduz as perdas de nutrientes do ecossistema; - Mantém ou eleva a atividade biológica do solo; - Mantém ou eleva a fertilidade do solo; - Reduz a infestação de plantas invasoras. Desvantagens: - Crescimento inicial menor do que em áreas de cultivo intensivo; - Maior dificuldade de proteção e manejo da floresta: resíduos - risco de incêndios e maior dificuldade das operações; maior incidência de pragas; combate à formigas; maior risco de geadas; crescimento radicular restrito. Fonte: GONÇALVES, J.L.M.; STAPE, J.L.; WICHERT. M.C.P.; GAVA, J.L. Manejo de resíduos vegetais e preparo de solo. In: GONÇALVES, J.L.M.; STAPE, J.L. Conservação e Cultivo de Solos para Plantações Florestais. IPEF, Piracicaba, 2002, p

13 Composição dos resíduos florestais

14 Eucalyptus sp 7 anos Folha e galhos 8 t ha -1 Casca 12 t ha -1 = 83 t ha -1 Lenho 130 t ha -1 Serapilheira 20 t ha -1 Toco 0,6 t ha -1 Raízes 40 t ha -1 Sobras 2,3 t ha -1

15 Pinus sp 16 anos = 150,2 t ha-1 Lenho 195 t ha-1 Acículas e galhos 40 t ha-1 Casca 24 t ha-1 Serapilheira 28 t ha-1 Toco 1,9 t ha-1 Raízes 53 t ha-1 Sobras 3,3 t ha-1

16 3. Balanço de nutrientes e sustentabilidade da produtividade florestal Efeito do manejo dos resíduos e do tipo de preparo de solo na produtividade florestal Eucalyptus grandis (proc. Coff s Harbour, Suzano) Instalado em Itatinga, SP (Cia Suzano) Região com baixa deficiência hídrica Latossolo Vermelho-Amarelo Distrófico Textura média (20% argila) Data de instalação Setembro de 1995 Adubação adequada de P, K, Ca, B Fonte: Efeito dos resíduos na produtividade florestal palestra apresentada pelo Prof. José Leonardo de M. Gonçalves, José Carlos Arthur Jr. e Jean Paul Laclau, durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

17 300 Todos os resíduos mantidos (serapilheira, copa, casca) Remoção da copa e casca Todos os resíduos removidos Todos os resíduos incorporados Todos os resíduos queimados Casca 10 t ha -1 Folha 3 t ha % VOLUME (m³ ha -1 ) IDADE (ANOS)

18 Todos os resíduos mantidos (serapilheira, copa, casca) Remoção da copa e casca Todos os resíduos removidos Todos os resíduos incorporados Todos os resíduos queimados Casca 10 t ha -1 Folha 3 t ha % 240 (copa + casca) VOLUME (m³ ha -1 ) % (serapilheira) IDADE (ANOS)

19 Avaliação do efeito residual dos tratamentos na Segunda Rotação Replantio de E. grandis monoprogênie 1,1 ano 2,3 anos Tratamento Volume c.c. Crescimento Relativo Volume c.c. Crescimento Relativo m 3 ha -1 % Todos os resíduos mantidos Remoção da copa e casca Todos os resíduos removidos Todos os resíduos queimados DMS (P = 0,05) 3,3 m 3 ha -1 % Reforma florestal; sem reaplicação dos tratamentos Adubação convencional da Suzano, sem adubação de N em cobertura

20 Balanço de Nutrientes e Número Potencial de Rotações (7 anos) Fator nutricional (preservação e reposição de estoques) determinam a Sustentabilidade da Produtividade Eucalyptus grandis Latossolo Vermelho Amarelo distrófico (20% de argila) IMA 45 m 3 ha -1 ano -1

21 Componentes N P K Ca Mg -1 kg ha (S) Estoque inicial de nutrientes no solo (0-200 cm) Estoque de nutrientes na biomassa Folha Galho Lenho Casca Serapilheira Raiz (fina e grossa) Perda de nutrientes SOMA (F) Queima de resíduos da colheita e da serapilheira (B) Remoção da casca (W) Remoção do lenho (W + B) Remoção do lenho e da casca (NA) Adição de nutrientes através da fertilização Balanço de nutrientes Cenário A: (Estoque) - (Madeira) + (Fertilização) Cenário B: (Estoque) - (Madeira + Casca) + (Fertilização) Cenário C: (Estoque) - (Queima) - (Madeira + Casca) + (Fertilização) Cenário D: (Estoque) - (Madeira + Casca) Número potencial de rotações (7 anos) Cenário A > 7 > 7 > 7 > 7 > 7 Cenário B > 7 > 7 7 > 7 > 7 Cenário C > 7 7 Cenário D > > 7 > 7

22 Balanço de Nutrientes e Número Potencial de Rotações (16 anos) Pinus taeda Cambissolo Húmico Alumínico (40% de argila) IMA 35 m 3 ha -1 ano -1

23 Componentes N P K Ca Mg S -1 kg ha (S) Estoque de nutrientes no solo (0-150 cm) Estoque de nutrientes na biomassa Acícula Galho Lenho Casca Serapilheira Raiz Perda de nutrientes SOMA (Co) remoção da copa (acícula, galho vivo e galho morto) (Ca) remoção da casca (Le) remoção do lenho (Ca + Le) remoção da casca e lenho (F) Adição de nutrientes através de fertilização Balanço de nutrientes Cenário A: (Estoque: Solo + Biomassa) - (Madeira) Cenário B: (Estoque: Solo + Biomassa) - (Madeira + Casca) Cenário C: (Estoque: Solo + Biomassa) - (Copa) - (Madeira + Casca) Número potencial de rotações (16 anos) Cenário A >8 2 5 >8 5 3 Cenário B > Cenário C

24 4. Valoração financeira de resíduos Equivalência de nutrientes em adubo e valor econômico Estoque de nutrientes N P K Ca Mg -1 kg ha Folha + Galho Casca Serapilheira Total Resíduos de Eucalyptus aos 7 anos Fonte: Efeito dos resíduos na produtividade florestal palestra apresentada pelo Prof. José Leonardo de M. Gonçalves, José Carlos Arthur Jr. e Jean Paul Laclau, durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

25 Equivalência em Adubo Sulfato de Amônio Superfosfato Triplo KCL Calcário -1 kg ha Folha + Galho Casca Serapilheira Total

26 Equivalência em Reais Sulfato de amônio Super fosfato triplo Cloreto de potássio Cálcario -1 R$ ha Folha + Galho Casca Serapilheira Total Fertilizante Preço R$ t -1 Sulfato de amônio 1036,00 Super fosfato triplo 1990,00 Cloreto de potássio 1811,00 Cálcario 30,00 Total: R$ 2.813,00 / ha Fonte: Heringer em 06/11/08

27 Valoração do resíduo - Cenários -12 ton de casca por ha - eficiência de 50% da compostagem - 6 ton de substrato - 12 m 3 - valor do m 3 : R$ 100,00 - total: R$ 1.200,00-12 ton de casca por ha GJ ha-1 (1) Kw h -1 - valor do Kw hora -1 : R$ 0,08 - total: R$ 4.000,00 - redução de volume (~5%): 16 m 3 (2) R$ 800,00 (3) - valor da casca em nutrientes: R$ 617,00 - valor da matéria orgânica (???) - proteção do solo (???) - manutenção da umidade (???) - microrganismos do solo (???) (1) Seixas, F.; Bauch, S.C.; Oliveira Junior, E.D. Balanço energético e econômico de duas alternativas de descascamento de madeira de eucalipto. Scientia Forestalis, n. 67, p.37-43, abr (2) Plantio de IMA = 45 m 3 ha -1 ano -1 com ciclo de 7 anos (315 m 3 ) (3) CEPEA (set/08) R$ 50,00 / m 3 em pé - redução de volume (~5%): 16 m 3 (2) R$ 800,00 (3) - valor da casca em nutrientes: R$ 617,00 - valor da matéria orgânica (???) - proteção do solo (???) - manutenção da umidade (???) - microrganismos do solo (???)

28 5. Manejo de resíduos Dependendo do tipo e quantidade: - Redução do rendimento operacional; - Perda de qualidade das atividades; - Dificuldade de combate à formigas. Estratégias: - Conviver com o resíduo (reduzir atividades, custos e danos ao solo) Subsolador com haste retrátil, discos cortantes, rolo faca - Remover ou afastar o resíduo da linha de preparo de solo Rala toco, rastelo frontal ou traseiro, trituradora de resíduo

29 - Rebaixamento de toco (motosserra) Não há limitação declividade; - Problemas ergonométricos; - Necessidade limpeza tocos previamente (eventual); - Não corta o toco rente ao solo;

30 - Rebaixamento de toco (tesoura hidráulica)

31 - Rebaixamento de toco (lâmina)

32 - Rala toco (tambor vertical)

33 - Rala toco (tambor horizontal)

34 - Rala toco (tambor horizontal)

35 - Colhedoras (corte + rente ao solo) desgaste de peças

36 - Limpeza linha plantio (rastelo frontal)

37 - Limpeza da linha de plantio (rastelo traseiro)

38 - Limpeza da linha de plantio (rastelo traseiro)

39 - Limpa trilho

40 - Limpeza linha plantio (estrovenga)

41 - Rolo faca

42 - Trituração de resíduo

43 - Trituração de resíduo

44 Trituração de resíduo: - Atividade a mais (custo) Vantagens: - Aumento de rendimento das atividades subseqüentes; - Redução de acidentes e afastamentos; - Aumento de produtividade no final do ciclo: atividades com maior qualidade e uniformidade fragmentação dos resíduos lenhosos e aumento da decomposição

45 Estudo de caso Sistema de Colheita: Toras Curtas Harvester & Forwarder Harvester Forwarder Fonte: Manejo de resíduos florestais palestra apresentada pelo Eng. Rodrigo Rocha de Oliveira da Veracel durante a 34ª Reunião Técnica do PTSM (03 e 04 de abril de 2008).

46 Linha de acúmulo de casca Forwarder

47 Acúmulo de casca

48 Mensuração Florestal Classe (Comp. de Toras) Número de Toras Volume de Material Vegetal % m³/ha N de Toras ,1% ,6% ,0% 0, ,2% 0,2 Total ,8 N de Toras Volume (m³/ha) m³/ha Não aproveitável Classe de Comp. de Tora (m)

49 Histórico Carvoeiros Enleiramento de Material Vegetal Triturador de Material Vegetal Ano

50 Histórico Razões da Desmobilização da Atividade de Retirada de Material Vegetal Péssimas condições de trabalho e segurança; Péssimas instalações e alojamentos; Importância da permanência do material vegetal no campo (matéria orgânica x sustentabilidade da produção florestal) (Estudo realizado pela Área de Tecnologia Florestal Maio/2005)

51 Alojamentos Segurança

52 * Valores médios de povoamentos com 7 anos de idade. Permanência do Material Vegetal em Campo

53 Testes Triturador de Material Vegetal Avaliação: - Rendimento (HM/ha) - Desgaste das vídeas (H/conjunto) - Faixa de Trabalho x Qualidade - Custo operacional (R$/ha) Grupo de Desenvolvimento Operacional GDO

54 Rendimento Operacional Condição Triturador HM/ha Leve Média Pesada Triturador 1 1,4 1,7 2,2 Triturador 2 1,1 1,3 1,5 HM/ha HM/ha 2,5 2,50 2,0 2,00 1,5 1,50 1,0 1,00 0,50 0,00 1,41,6 Schmidt 1,4 1,7 2,2 FAE 1,6 1,3 1,5 1,1 1,4 2,2 2,2 1,7 1,7 1,5 1,3 1,3 Leve Média Pesada 1,5 Triturador Schmidt 1 Triturador FAE2

55 Manejo da Reforma Antes Colheita Plantio Replantio Roçada pré-corte Aplicação de cinza Combate a formiga Ano 0 Enleiramento de Material Vegetal Afastador de Material Vegetal (TRTP Pesado) Subsolagem/Fosfatagem Aplic. Herbicida Pré-emergente CQL CQE ou CQTM Adubação de Cobertura (06 meses) CQL CQE ou CQTM

56 Manejo da Reforma Depois Colheita Plantio Replantio Roçada pré-corte Aplicação de cinza Combate a formiga Ano 0 Triturador de Material Vegetal Afastador de Material Vegetal (TRTP Leve) Subsolagem/Fosfatagem Aplic. Herbicida Pré-emergente CQL CQE ou CQTM Adubação de Cobertura (06 meses) CQL CQE ou CQTM

57 Triturador de Material Vegetal

58 Antes...

59 Depois...

60 Área Triturada

61 Área Triturada

62 Linha não triturada Linha triturada

63 Afastador de Material Vegetal

64 Antes...

65 Depois...

66 Uso do Triturador de Material Vegetal Vantagens Mecanização das operações de silvicultura; Maior agilidade para dimensionamento de estrutura física para controle da mato-competição; Maior disponibilidade mecânica em função da redução de horas paradas por quebra de máquinas; Melhor qualidade do preparo de solo e plantio mecanizado; Permanência do volume de material vegetal em campo (Ciclagem de nutrientes no solo); Redução no risco de roubo de material lenhoso em campo;

67 Uso do Triturador de Material Vegetal Desvantagens Aumento no custo da Reforma e Brotação; Redução da mão-de-obra no campo;

68 6. Conclusões Resíduos florestais: - efeitos sobre a sustentabilidade da produtividade; - possui valor econômico; - traz dificuldades operacionais; - é possível manejá-lo; - várias alternativas (equipamentos).

69 Obrigado! José Carlos Arthur Junior Eng. Florestal Vice Coordenador do PTSM (19) (19)

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto

Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto Conservação, preparo de solo e plantio de eucalipto José Henrique T. Rocha José Henrique Bazani Eduardo S. A. C. Melo José Leonardo de Moraes Gonçalves Departamento de Ciências Florestais ESALQ - USP Conceitos:

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO A SERVIÇO DO SETOR FLORESTAL MODELO DE INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA desde 1968 Empresas Associadas Acesita Energética

Leia mais

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL.

NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. TÉCNICAS MODERNAS DE PREPARO DO SOLO NA BUSCA DO AUMENTO DA PRODUTIVIDADE FLORESTAL E REDUÇÃO DO CUSTO OPERACIONAL. Edésio P. Bortolas 1 João Batista Rosa 2 1. INTRODUÇÃO A unidade florestal da Klabin

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

Equipe da Diretoria Florestal da Veracel¹

Equipe da Diretoria Florestal da Veracel¹ MuDANÇA NO PROCESSO DE COLHEITA FLORESTAL COM INTERAÇÃO NA SILVICULTURA Equipe da Diretoria Florestal da Veracel¹ RESUMO Com importância crescente da indústria de base florestal, a cadeia produtiva do

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada.

SISTEMAS DE CULTIVO. Eliminação de plantas não desejáveis, diminuindo a concorrência com a cultura implantada. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPT. FITOTECNIA E FITOSSANITARISMO DISCIPLINA AGRICULTURA GERAL (AF001) PROFS. OSWALDO TERUYO IDO E RICARDO AUGUSTO DE OLIVEIRA MONITORA ANA SELENA

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Anais da 48ª Reunião Técnico-Científica do Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo Manejo da brotação de eucalipto para produção de madeira

Anais da 48ª Reunião Técnico-Científica do Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo Manejo da brotação de eucalipto para produção de madeira Série Técnica IPEF v. 21, n. 42, novembro, 2015 ISSN 0100-8137 Anais da 48ª Reunião Técnico-Científica do Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo Manejo da brotação de eucalipto para produção

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL

ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL COLHEITA FLORESTAL ENG 337 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO FLORESTAL Prof. Haroldo C. Fernandes DEA/UFV O caminho para o atendimento das necessidades crescentes por produtos florestais se dá por meio de uma produção

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Wood. cracker next tech

Wood. cracker next tech Wood cracker Wood cracker Gama de produtos Fabricado na Áustria C A cabeça de corte eficiente para cortar árvores e arbustos. L O rachador de troncos compacto para partir os troncos grossos. W O alicate

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas RESUMO 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas IMPLANTAÇÃO DE FLORESTAS NO SISTEMA DE CULTIMO MÍNIMO Silas Zen * Jorge Takeshi Yonezawa * João Ernesto Feldeberg * O cultivo mínimo em áreas

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

Eng. Ivan D. C. Rodrigues Eng. Agr. Msc. Julio Cesar dos Reis Pereira. Soluções Orgânicas para a Vida

Eng. Ivan D. C. Rodrigues Eng. Agr. Msc. Julio Cesar dos Reis Pereira. Soluções Orgânicas para a Vida Eng. Ivan D. C. Rodrigues Eng. Agr. Msc. Julio Cesar dos Reis Pereira Apresentação do Grupo Resíduos Públicos Resíduos Privados Saneamento Valorização Energética Colaboradores: 22.600 mil População Atendida:

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo

Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 17, n. 38, agosto, 2013 ISSN 0100-8137 Anais da 45ª Reunião Técnico-Científica do Programa Temático de Silvicultura e Manejo Dias 15 e 16 de maio de 2012 Telêmaco Borba, Paraná, Brasil

Leia mais

121 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Dezembro, 2004

121 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Dezembro, 2004 121 ISSN 1517-53 Colombo, PR Dezembro, 24 Sistemas de Preparo do Solo para Plantio de Acácia-negra (Acacia-mearnsii): Efeitos na Erosão e na Produtividade Renato Antonio Dedecek 1 Gustavo Ribas Curcio

Leia mais

Monitoramento de bacias hidrográficas

Monitoramento de bacias hidrográficas Monitoramento de bacias hidrográficas Carolina R. Fontana (cabreuva@gmail.com) Piracicaba, 16 de setembro de 2008. Hidrologia Florestal A hidrologia florestal trata das relações floresta-água ramo da hidrologia

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

IPEF, n.25, p.5-6, 1983. Notícias e comentários / News and comments

IPEF, n.25, p.5-6, 1983. Notícias e comentários / News and comments IPEF, n.25, p.5-6, 1983 Notícias e comentários / News and comments COMUNICAÇÕES GERAIS DO IPEF Este veículo informativo está sendo reativado com as atividades realizadas pelo IPEF no período de junho a

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

EM FLORESTAS PLANTADAS

EM FLORESTAS PLANTADAS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FLORESTAS PLANTADAS Rudolf Woch 1 1. INTRODUÇÃO Segundo a Abraf, em seu anuário 2013, com dados referentes a 2012, na

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica

Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica Instituto Federal São Paulo Campus São Roque - SRQ Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica: Utilização de Diferentes Substratos para Produção de Mudas Nativas de Mata Atlântica Eliane

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

DIRETRIZES E AÇÕES EM PROL DE UMA SILVICULTURA SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES E AÇÕES EM PROL DE UMA SILVICULTURA SUSTENTÁVEL DIRETRIZES E AÇÕES EM PROL DE UMA SILVICULTURA SUSTENTÁVEL Prof. José Leonardo de Moraes Gonçalves Esalq/USP I Encontro Brasileiro de Silvicultura 10 a 12 de novembro de 2008 Sumário Novos paradigmas Impactos

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul

069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul 069-Viabilidade econômica de um sistema agrissilvipastoril para a mesorregião sudoeste de Mato Grosso do Sul Economic viability of an agrosilvipastoral system for the Southwest mesoregion of Mato Grosso

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

Introdução...1. Sistemas de propagação de mudas...1 Propagação via semente...1 Propagação vegetativa...2

Introdução...1. Sistemas de propagação de mudas...1 Propagação via semente...1 Propagação vegetativa...2 Documentos Florestais Nº 18, maio de 2006 Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sumário Introdução...1 Sistemas de propagação de mudas...1 Propagação via semente...1 Propagação vegetativa...2 Produção

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS 1. INTRODUÇÃO IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE GRAMÍNEAS EM ESTRADAS E RODOVIAS Carlos Henrique A. Affonso & Luiz Gustavo Bento de Freitas Eng. Agrônomos; Verdyol Hidrosemeadura Ltda; São Paulo SP. vhl@uol.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

COSECHA DE MADERA PARA FINES ENERGÉTICOS. Jorge Roberto Malinovski

COSECHA DE MADERA PARA FINES ENERGÉTICOS. Jorge Roberto Malinovski COSECHA DE MADERA PARA FINES ENERGÉTICOS Jorge Roberto Malinovski Argentina Maio - 2015 ÍNDICE 1. CONTEXTO 2. BIOMASSA 3. SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA 4. FLORESTAS ENERGÉTICAS 5. CONSIDERAÇÕES CONTEXTO

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

Plantio de cana-de-açúcar

Plantio de cana-de-açúcar Plantio de cana-de-açúcar Época de plantio 1. Cana de ano e meio - Janeiro a maio; - Tempo de colheita (13 a 20 meses); - Variedades de ciclo precoce, médio e tardio; - Pode ser feito em solos de baixa,

Leia mais

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota S ÉRIE TÉCNICA IPEF v. 11, n. 0, p. 5-1, mai., 1997 Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota Hélder Bolognani Andrade; Vanderlei Benedetti José Carlos Madaschi;

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA 2005 PREPARO DE PERFIL DE SOLO COM EQUIPAMENTOS MECÂNICOS VISANDO CULTIVO DO ALGODÃO SAFRINHA CLAYTON GIANI BORTOLINI

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Apresentação do Plano de Manejo O Plano de Manejo Florestal da Vallourec unidade Florestal caracteriza todos os processos produtivos e dá suporte ao planejamento

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

Fatores Edáficos e Fisiológicos que Afetam a Disponibilidade Hídrica para as Árvores. José Leonardo de Moraes Gonçalves Esalq

Fatores Edáficos e Fisiológicos que Afetam a Disponibilidade Hídrica para as Árvores. José Leonardo de Moraes Gonçalves Esalq Fatores Edáficos e Fisiológicos que Afetam a Disponibilidade Hídrica para as Árvores José Leonardo de Moraes Gonçalves Esalq V Workshop em Melhoramento Florestal 29 e 30 de setembro de 2009 Sumário 1.

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Sistema de Colheita de Alta Performance Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Contexto Produtivo Sistema Equipamentos Operação Ganhos Contexto Produtivo Sistema Equipamentos

Leia mais

ÁREA: ENGENHARIA FLORESTAL

ÁREA: ENGENHARIA FLORESTAL DEPARTAMENTO DE ESTRADAS E RODAGENS - DER PROCESSO SELETIVO DE ESTÁGIOS ÁREA: ENGENHARIA FLORESTAL A T E N Ç Ã O 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material. a) Este caderno, com os enunciados das 20

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas DESENVOLVIMENTO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO EM ÁREAS DE CULTIVO MÍNIMO EM FLORESTAS INTRODUÇÃO Antonio Batista Moreira * A evolução

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE DE PLANTAÇÕES FLORESTAIS

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE DE PLANTAÇÕES FLORESTAIS Bases para a Tomada de Decisões na Silvicultura NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE DE PLANTAÇÕES FLORESTAIS José Henrique Tertulino Rocha 1 José Leonardo de Moraes Gonçalves 2 Eduardo Resende Girardi Marques

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

UMA CULTURA SUSTENTÁVEL DESDE SUA IMPLANTAÇÃO

UMA CULTURA SUSTENTÁVEL DESDE SUA IMPLANTAÇÃO O SISTEMA DE PREPARO MÍNIMO (SPM) EM CANA-DE-AÇÚCAR UMA CULTURA SUSTENTÁVEL DESDE SUA IMPLANTAÇÃO José Tadeu Coleti eng.agr. 3º. Congresso de Tecnologia da Cadeia Produtiva da cana-de-açúcar em MS CANASUL

Leia mais

C O D E V A S F. De: Programa de Desenvolvimento Florestal Dartagnan Gorniski 15/12/09 À 7ª GRR Assunto: Impactos ambientais do eucalipto NOTA TÉCNICA

C O D E V A S F. De: Programa de Desenvolvimento Florestal Dartagnan Gorniski 15/12/09 À 7ª GRR Assunto: Impactos ambientais do eucalipto NOTA TÉCNICA C O D E V A S F De: Programa de Desenvolvimento Florestal Dartagnan Gorniski 15/12/09 À 7ª GRR Assunto: Impactos ambientais do eucalipto NOTA TÉCNICA Conceito: Com a implantação em 2004 e evolução do Programa

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento

Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento PPD IPEF 2020 PPD IPEF 2020 Campinas, 21 e 22.05.2009 EQUIPE COORDENAÇÃO Robert Cardoso Sartório Aracruz COLABORADORES Alex G. B.

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN

INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN 1 INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN Robson Schaff Corrêa UFSM - Acadêmico do Curso de Engenharia Florestal. (rsc@mail.ufsm.br) Bolsista

Leia mais

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza

Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas. Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Efeito de diferentes preparos de solo no desenvolvimento radicular de plantas cítricas Prof. Dr. Zigomar Menezes de Souza Roteiro Introdução Objetivos Material e Métodos Resultados e Discussão Conclusões

Leia mais

ADDUBARE 27. Julho a Dezembro - 2014. Nesta Edição

ADDUBARE 27. Julho a Dezembro - 2014. Nesta Edição Ano XVII ADDUBARE 27 Julho a Dezembro - 2014 Nesta Edição Interação entre fertilidade do solo, clima e material genético permitem recomendações mais precisas e o aumento das produtividades atuais pag.

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação NU REE Programa em Nutrição e Solos Florestais DPS - SIF - UFV - Viçosa - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação Contribuição

Leia mais

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Lindenberg Rodrigues Perpétuo 1 Tecnólogo em Gestão da Agropecuária, Especializado

Leia mais