Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso"

Transcrição

1 Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso

2 Agenda O decreto-lei 83/2006 e as alterações à gestão de danos materiais Impactos na reparação automóvel A Liberty e a gestão de fornecedores automóvel

3 Decreto-lei 83/2006 de 3 de Maio Novo Decreto-lei vem afectar de forma significativa o relacionamento entre as partes intervenientes no processo de sinistro automóvel E, em certa medida, o conteúdo da indemnização A generalidade das obrigações entra em vigor a 1 de Setembro, apenas para sinistros novos A 1 de Novembro entram em vigor os princípios base de gestão

4 Objectivos do Decreto-Lei Menor conflitualidade parte da conflitualidade existente ocorre em virtude da falta de um instrumento disciplinador que vincule o obrigado ao cumprimento de prazos na regularização de sinistros Reforço da protecção dos interesses económicos dos consumidores prazos, perdas totais, veículo de substituição Transparência estabelece princípios base da gestão de sinistros

5 Evolução das reclamações contra Seguradoras automóvel 31% restantes Descida de 20% das reclamações desde 2002

6 Motivos das reclamações auto restantes 31% falta de informação 44% tempo excessivo 25%

7 Âmbito Sinistros no âmbito do seguro de RC automóvel Exclusões: Danos corporais Danos em mercadorias ou em outros bens transportados Sinistros com pedido de lucros cessantes decorrentes da imobilização dos veículos Sinistros que excedam o capital mínimo obrigatório ( ) Sinistros geridos pelo FGA e GPCV Casos especiais: Nos sinistros de 4.ª Directiva os prazos podem ser ultrapassados em situação devidamente fundamentada Abre a porta à regularização dos danos corporais, logo que disponível a tabela de valorização padronizada deste tipo de danos

8 Princípios da gestão de sinistros A Seguradora deve: Informar quanto aos procedimentos que adopta em caso de sinistro: No momento da celebração do contrato Disponibilizando informação escrita de forma legível, simples e objectiva quanto a prazos, em face da tipologia dos sinistros Disponível para consulta pelo público Criar um manual interno de procedimentos.

9 Princípios da gestão de sinistros A Seguradora deve: Realizar regularmente auditorias internas, para avaliar a qualidade nas fases da regularização, sobretudo nos sinistros declinados Implementar um sistema de tratamento de queixas e reclamações Garantir a efectiva acessibilidade da gestão de Sinistros Prestar informação relativa aos tempos médios de regularização

10 Obrigações do Segurado Reproduz as obrigações da Apólice Uniforme: Comunicar o sinistro no mais curto espaço de tempo, nunca superior a 8 dias Tomar as medidas ao seu alcance para uma correcta determinação de responsabilidade Não abonar extrajudicialmente a indemnização ou adiantar dinheiro Não dar ocasião a sentença favorável a terceiro ou, quando não der imediato conhecimento do sinistro, a qualquer procedimento judicial intentado contra ele motivado pelo sinistro.

11 Obrigações do Segurado e acrescenta mais uma: Deve fornecer, no momento da participação, todas as indicações e provas documentais e ou testemunhais para uma correcta determinação das responsabilidades Mantêm-se as penalizações da Apólice Uniforme: Responder por perdas e danos; pagar à empresa uma penalidade correspondente ao prémio comercial do seguro obrigatório

12 Obrigações da Seguradora Diligência e prontidão Fixação de prazos para a realização de determinados actos e comunicações Os prazos podem ser distintos: Sem DAAA Com DAAA Alguns prazos são reduzidos a metade Factores climatéricos excepcionais ou de um número de sinistros excepcionalmente elevado em simultâneo - os prazos duplicam Os prazos suspendem-se quando a Seguradora esteja a efectuar uma investigação por suspeita fundamentada de fraude

13 Quadro resumo dos prazos Dias úteis: Com DAAA Sem DAAA Sinistros excepcionais * 1 1º contacto para marcar a peritagem 2 2 Conclusão da peritagem (após 1) Conclusão da peritagem em caso de desmontagem (após 1) Disponibilização do relatório de peritagem (após 2 ou 3) Comunicar decisão de responsabilidade (após 1) Pagamento 8 * Factores climatéricos / elevado nº de sinistros em simultâneo

14 Caso Típico Sinistro com DAAA 15 d 2d 4d 2d 9d 1º contacto para marcar a peritagem Conclusão da peritagem Disponibiliza ção do relatório de peritagem Comunicar assunção responsabilidade

15 Quadro completo dos prazos (artº 20-F) 2 d Marcação peritagem 8 d Conclusão 4 d Peritagem Disponib. s/ desmont relatorio (s/ daaa) 12 d Conclusão 4 d Peritagem com Disponib. desmontagem relatorio (s/ daaa) 4 d Conclusão 2 d 9 d Peritagem Disponib. Comunicar s/ desm. relatorio responsabilidade (c/ daaa) 6 d Conclusão Peritagem Com desmont. (c/ daaa) 2 d Disponib. relatorio 7 d Comunicar Respons. 17 dias 18 d Comunicar responsabilidade 14 d Comunicar responsabilidade 32 dias * Não consideradas situações de sinistros excepcionais

16 Algumas particularidades destes prazos A obrigação de marcar a peritagem pertence à Seguradora: Proceder ao primeiro contacto com o tomador do seguro, com o segurado ou com o terceiro lesado no prazo de dois úteis, marcando as peritagens que devam ter lugar Em caso de desmontagem, os prazos contam-se de forma diferente conforme a Seguradora tem ou não a direcção efectiva da reparação: Direcção efectiva: quando a oficina onde é realizada a peritagem é indicada pela empresa de seguros e é aceite pelo lesado Se não detiver a direcção efectiva da reparação, os prazos contam-se a partir do dia em que existe disponibilidade da oficina e autorização do proprietário

17 Prazos adicionais Quando a Seguradora entenda dever assumir a responsabilidade, contrariando a versão do Tomador ou Segurado, este pode apresentar, no prazo de 5 dias úteis, as informações que entenda convenientes para uma melhor apreciação do sinistro 2 dias úteis para a Seguradora comunicar a decisão final ao Tomador ou Segurado, após a recepção das informações divergentes destes 32 d até comunicação da responsabilidade 5 d para reacção do Cliente 2 d para decisão final

18 Obrigações da Seguradora A comunicação da Seguradora pode assumir dois tipos Proposta razoável de indemnização, no caso de: A responsabilidade não ser contestada O dano sofrido ser quantificável Resposta fundamentada, no caso de: Rejeição da responsabilidade Responsabilidade que não foi claramente determinada Danos não totalmente quantificáveis

19 Penalidades pelo incumprimento Se não for apresentada proposta razoável dentro do prazo Se o montante proposto for manifestamente insuficiente São devidos juros ao dobro da taxa legal sobre o montante da indemnização fixado pelo tribunal ou proposto para além do prazo, que seja aceite pelo lesado São devidos juros ao dobro da taxa legal, sobre a diferença entre o montante oferecido e o montante fixado ou acolhido na decisão judicial Se não for apresentada resposta fundamentada São igualmente devidos juros ao dobro da taxa legal E ainda é devido o pagamento de 200 por cada dia de atraso: 100 para o lesado 100 para o ISP

20 Conceito de Perda Total Apenas em responsabilidade civil quando: Haja desaparecimento ou destruição total do veículo A reparação seja materialmente impossível ou tecnicamente não aconselhável O Valor estimado da reparação + valor do salvado seja > 100% do valor venal imediatamente antes do sinistro, majorada em 2% por cada ano de antiguidade acima de 5 anos, com o limite de 20%

21 Majoração de perdas totais 5 anos + 2% 6 anos + 4% 7 anos + 6% 8 anos + 8% 9 anos + 10% 10 anos + 12% 11 anos + 14% 12 anos + 16% 13 anos + 18% 14 anos + 20% 15 anos + 20%

22 Perda Total Para cálculo do valor venal, atende-se: Valor de venda no mercado no momento anterior ao acidente Tabelas de desvalorização, se superior Prestação das seguintes informações: Entidade que efectuou a estimativa da reparação e da sua exequibilidade Valor de venda no mercado e com base nas tabelas de desvalorização Valor do salvado e identificação de quem se compromete a adquiri-lo

23 Perda Total - Exemplo 1 Carro com 6 anos Valor venda: 5000 Reparação: 4050 Valor salvado: 1000 Antes do DL: acima de 4000 de reparação é Perda Total Agora: majoração: 5000x2% = só há perda total acima de de reparação Conclusão: a Seguradora tem que reparar

24 Perda Total - Exemplo 2 Carro com 6 anos Valor venda: 5000 Reparação: 6000 Salvado: 1000 Antes do DL: Perda Total: pagava-se Agora: majoração: 5000x2% = Perda total: paga-se 4100 ou 5100 caso o Cliente fique ou não com o salvado Conclusão: A Seguradora paga mais 100

25 Veículo de substituição Direito do lesado em caso de imobilização do veículo Veículo de substituição: De características semelhantes ao do veículo sinistrado Coberto por um seguro igual ao existente para o veículo sinistrado Período de disponibilização: Desde a assunção da responsabilidade exclusiva (até esse momento, o lesado tem direito a ser indemnizado pelo excesso de despesas em que incorreu com transportes) Até ou durante: À efectiva conclusão da reparação (direcção efectiva da Seguradora) O período estritamente necessário à reparação, tal como indicado no relatório de peritagem (oficina indicada pelo lesado) A Seguradora colocar à disposição do lesado o pagamento da indemnização (perda total)

26 Pagamento da indemnização Pagamentos ao lesado: em 8 dias úteis a contar da data da assunção da responsabilidade e mediante a apresentação dos documentos comprovativos Pagamentos a prestadores de serviços: o prazo pode ser mais dilatado mediante acordo prévio Incumprimento: juros de mora, ao dobro da taxa legal, sobre o montante devido e não pago, desde a data da constituição em mora até ao efectivo pagamento

27 Prestação de informações diversas As comunicações e notificações consideram-se válidas e eficazes caso sejam efectuadas por: Correio registado Fax Correio electrónico Qualquer outro meio do qual fique um registo escrito ou gravado

28 Aplicação aos DP (CCC) São aplicáveis aos danos próprios: Os princípios base da gestão de sinistros e a forma de participação de sinistro A resposta fundamentada O pagamento da indemnização O regime das comunicações e notificações O regime das infracções e fiscalização Dito de outra forma, não são aplicáveis aos danos próprios: As obrigações da Seguradora: diligência e prontidão e proposta razoável Os regimes da perda total e do veículo de substituição

29 Infracções e fiscalização A fiscalização e a instrução dos processos competem ao ISP A negligência é sempre punível As coimas variam entre para alguns casos e para outros; o incumprimento dos prazos para comunicações aos lesados enquadra-se neste último.

30 Em conclusão aspectos mais positivos Transparência / qualidade reconhecida pelo Cliente Impor prazos é positivo para a qualidade de serviço percebida Clarificação do conceito de PT para casos de responsabilidade civil Abre a possibilidade de fazer transacções electrónicas (institui, por exemplo, que a participação de sinistro pode ser feita através da utilização de qualquer meio de comunicação, desde que fique registo escrito ou gravado).

31 E a diferenciação do serviço? Ao impor prazos a todas as Companhias, o DL parece estar a matar a possibilidade de diferenciação pelo serviço Contudo, As seguradoras podem diferenciar-se pelo cumprimento efectivo e auditado dos níveis de serviço As vantagens de utilização de redes de prestadores convencionados de qualidade tornar-se-ão um factor distintivo (serviços associados) A simplificação de processos e a qualidade dos serviços internos serão sempre um factor distintivo

32 Em resumo impactos na reparação Maior número de reparações vs. Perdas totais Pressão sobre os prazos: peritagem e desmontagem Comunicações mais céleres com as Seguradoras Maior transparência do processo de reparação Potenciação das vantagens das redes de oficinas Em suma, prestadores mais profissionais, em maior consonância com as Seguradoras e mais orientados para o Cliente final

33 Liberty Seguros parte do Liberty Mutual Group

34 Liberty Mutual Group Fundado em 1912, em Boston, Massachusetts Mais de empregados e mais de 900 escritórios Líder em Acidentes de Trabalho nos Estados Unidos desde 1936 Automóvel é a maior linha de negócio 111th lugar no ranking Fortune 500 de companhias americanas 9ª maior companhia em seguros de particulares e 7ª em riscos Industriais nos EUA USD 17,6 mil milhões de Prémios Brutos USD 78,8 mil milhões de activos SBU (Unidades de Negocio) Personal Market Commercial Markets 3 Regional Agency Markets (RAM) Internacional

35 Liberty International Existe desde 1994, está presente em 16 países e conta com trabalhadores Canada EUA Portugal Espanha Reino Unido China Hong Kong Singapura Tailândia Vietname Argentina Brasil Chile Colombia Venezuela Austrália

36 Liberty em Portugal - Ranking Não Vida Euros Ranking por grupos Quota de mercado Taxa de crescimento 05 1º CGD Fidelidade-Mundial / Império-Bonança 1.471,3 34,4% -5,1% 2º BES 427,4 Tranquilidade 10,0% 8,5% 3º Axa 390,4 9,1% 12,6% 4º Allianz 303,6 7,1% -3,4% 5º Zurich 297,8 7,0% 2,6% 6º Açoreana 167,4 3,9% 3,1% 7º Group Fortis/BCP 148,1 Ocidental 3,5% 4,4% 8º Global 140,5 3,3% 5,2% 9º Liberty Seguros 138,4 3,2% 12,8% 10º Lusitânia 129,7 3,0% 6,3% 11º Real 12º Generali Market 122,2 112,1 2,9% 2,6% 4.279,9 9,1% 17,4% 2,3%

37 Liberty em Portugal Player global Vida e Não Vida Focada no mercado de particulares e PME, oferecendo produtos direccionados para este target Focada em conseguir excelência operacional Focada em resultados e serviço

38 Liberty in Portugal A operação iniciou-se em 2003, com a aquisição da Winthertur (Europeia) Nº de empregados 381 Nº de delegações 20 Prémios Brutos ('000 ) Não vida Vida Total Resultado antes de impostos Rácio combinado 70,4% 67,8% Nº de apólices Não vida Vida Total

39 Composição carteira (não vida) Patrimoniais 18% Outros 6% Acidentes de Trabalho 18% Automóvel 58% automóveis seguros (+/- 7% parque automóvel) sinistros participados / ano

40 Proposta de valor para fornecedores Win Win Win Cliente Comodidade Confiança Segurança Oficina Confiança Facilidade Volume Relação duradoura Seguradora Simplicidade Confiança Custo

41 Relação com Fornecedores A Liberty recomenda, o Cliente escolhe Recomendação orientada pelas vantagens exclusivas e simplificação de procedimentos Gestão personalizada de Fornecedores Inquéritos de Qualidade Código de conduta

42 Contactos Direcção de Sinistros e Serviço ao Cliente Luís Cardoso Gestão de fornecedores auto Paulo David Ferreira Direcção de Sinistros Automóveis e Patrimoniais Bernardo Márquez

43 Liberty Seguros Pela protecção dos valores da Vida Obrigado Agradecimentos: Bernardo Márquez

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto

Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto (informação prestada nos termos e para os efeitos previstos no n.º 6 da Cláusula Preliminar da Parte Uniforme das Condições Gerais do Seguro Obrigatório de Responsabilidade

Leia mais

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel

AÇOREANA Companhia de Seguros. Informação de Procedimentos. Gestão de Sinistros Automóvel Informação de Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel 1. PARTICIPAÇÃO DO ACIDENTE Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através de qualquer outro meio

Leia mais

Decreto-Lei nº 83/2006 de 3 de Maio de 2006. Emitido Por Ministério da Economia e da Inovação

Decreto-Lei nº 83/2006 de 3 de Maio de 2006. Emitido Por Ministério da Economia e da Inovação Decreto-Lei nº 83/2006 de 3 de Maio de 2006 Emitido Por Ministério da Economia e da Inovação Transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2005/14/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel

Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel Procedimentos de Gestão de Sinistros Automóvel I Início e Instrução do Processo 1.1. Participação do Acidente Deve ser feita em impresso de Declaração Amigável de Acidente Automóvel (DAAA), ou através

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Manual de Regularização de Sinistros

Manual de Regularização de Sinistros Manual de Regularização de Sinistros Participação de Sinistro Abertura de Processo Peritagem Enquadramento e Definição de Responsabilidades Prazos de Regularização Veículo de substituição Perda Total Participação

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

3184 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 85 3 de Maio de 2006 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

3184 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 85 3 de Maio de 2006 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 3184 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 85 3 de Maio de 2006 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n. o 82/2006 de 3 de Maio O Decreto-Lei n. o 359/91, de 21 de Setembro, procedeu à transposição

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

PROJECTO DE ADESÕES PLENAS AO CIAB NO MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO Sexta, 22 Setembro 2006 11:17 -

PROJECTO DE ADESÕES PLENAS AO CIAB NO MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO Sexta, 22 Setembro 2006 11:17 - Assinado o Protocolo de Cooperação entre a Câmara Municipal e o CIABNo passado dia 19 de Setembro decorreu na Casa da Botica a assinatura de um protocolo de cooperação entre o Município da Póvoa de Lanhoso

Leia mais

Qual a importância do seguro automóvel?

Qual a importância do seguro automóvel? Qual a importância do seguro automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e em caso de acidente podem ter de pagar indemnizações elevadas.para

Leia mais

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 Entre a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, Pessoa Colectiva nº 500948470, com sede em Lisboa, na Rua Dr. António Cândido, nº 8, 2º andar,

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões

Artigo Preliminar... 03. Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Artigo Preliminar... 03 Capítulo I - Definições, Objecto e Garantias do Contrato, Âmbito Territorial e Exclusões Artigo 1.º - Definições... 03 Artigo 2.º - Objecto do contrato...

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS CAUSADOS POR INSTALAÇÕES DE GÁS CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada

Leia mais

Decreto-Lei n.º 522/85, de 31 de Dezembro ( 1 ) SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL (em vigor até 20.10.2007)

Decreto-Lei n.º 522/85, de 31 de Dezembro ( 1 ) SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL (em vigor até 20.10.2007) Decreto-Lei n.º 522/85, de 31 de Dezembro ( 1 ) SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL AUTOMÓVEL (em vigor até 20.10.2007) Actualizado até ao Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio ( 2 ) Revogado

Leia mais

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem Estimado(a) Cliente, É com grande satisfação que a Açoreana Seguros, S.A. lhe dá as boas-vindas ao Pontual Auto. Estamos seguros que o nosso serviço vai fazer toda a diferença. Junto encontra a informação

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2009-R, de 14 de Maio REGULAMENTAÇÃO DO REGIME DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS NO ÂMBITO DO SEGURO AUTOMÓVEL

NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2009-R, de 14 de Maio REGULAMENTAÇÃO DO REGIME DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS NO ÂMBITO DO SEGURO AUTOMÓVEL Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 7/2009-R, de 14 de Maio REGULAMENTAÇÃO DO REGIME DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS NO ÂMBITO DO SEGURO

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE

OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE OFERTA SEGUROS TRANQUILIDADE AGAP Condições em vigor para a rede Comercial Tranquilidade Agosto 2008 Rectificação dos procedimentos operacionais para os MONITORES DE FITNESS, SÓCIOS E COLABORADORES INTRODUÇÃO

Leia mais

CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE CIVIL/Geral Condições Gerais e Especiais 3

CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE CIVIL/Geral Condições Gerais e Especiais 3 Sem prejuízo da revisão em curso das presentes Condições Gerais, a CARAVELA, Companhia de Seguros, S.A. dá integral cumprimento ao disposto no Decreto-Lei nº 72/2008, de 16 de Abril. CARAVELA SEGUROS RESPONSABILIDADE

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS ENTIDADES CONSERVADORAS DE ELEVADORES CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS ENTIDADES CONSERVADORAS DE ELEVADORES CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS ENTIDADES CONSERVADORAS DE ELEVADORES CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada

Leia mais

Recomendação n.º 2/B/2009 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 2/B/2009 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 2/B/2009 Data: 26-05-2009 Entidade visada: Ministro de Estado e das Finanças Assunto: Seguro de responsabilidade civil automóvel. Sinistro automóvel. Perda total do veículo. Obrigação de indemnização.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 214/97 de 16 de Agosto. Seguros

Decreto-Lei n.º 214/97 de 16 de Agosto. Seguros Decreto-Lei n.º 214/97 de 16 de Agosto Seguros As apólices de seguros são instrumentos contratuais típicos de pré-disposição ao público de cláusulas contratuais gerais de elevado alcance social. Daí a

Leia mais

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Moto Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE AS

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência

Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Equidade, Diligência e Transparência REGULAMENTO DA POLÍTICA DE TRATAMENTO - TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS, BENEFICIÁRIOS OU TERCEIROS LESADOS - Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento consagra os princípios adoptados pela Zurich Insurance

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO. Seguros DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. 24 de setembro de 2014

AÇÕES DE FORMAÇÃO. Seguros DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA. 24 de setembro de 2014 AÇÕES DE FORMAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Seguros 24 de setembro de 2014 PLANO DE EXPOSIÇÃO Contrato de seguro Principais tipos de seguros Prevenção da fraude nos seguros 2 CONTRATO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

Seguro Automóvel Legislação e Conflito

Seguro Automóvel Legislação e Conflito Mestrado em Engenharia Automóvel Seguro Automóvel Legislação e Conflito Ano Lectivo:2014/2015 Orientadores: Autores: Maria Escudeiro Jorge Baptista, nº2100731 Miguel Carvalho, nº2141497 Resumo Este trabalho

Leia mais

Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros

Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros Liberty Responsabilidade Civil Mediação de Seguros Condições gerais e especiais Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6-11.º 1069-001 Lisboa Telef. 21

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde Fundo de Garantia Automóvel Relatório Anual de Actividades 2010 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 03 2. Actividades desenvolvidas em 2010.. 03 2.1 Abertura e encerramento de processos... 04 2.2.

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados.

Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados. Regulamento Interno de Funcionamento da Gestão de Reclamações de Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Artigo 1º Objecto O presente documento tem por objecto estabelecer um

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

I PRINCIPIOS GERAIS 2 II DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO 5 III DAS SIGNATÁRIAS E DOS SEGURADOS 9 IV DOS CENTROS IDS 13 V DOS REEMBOLSOS 14

I PRINCIPIOS GERAIS 2 II DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO 5 III DAS SIGNATÁRIAS E DOS SEGURADOS 9 IV DOS CENTROS IDS 13 V DOS REEMBOLSOS 14 PROTOCOLO IDS ÍNDICE CAPÍTULOS Págs. I PRINCIPIOS GERAIS 2 II DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO 5 III DAS SIGNATÁRIAS E DOS SEGURADOS 9 IV DOS CENTROS IDS 13 V DOS REEMBOLSOS 14 VI DA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS ENTRE

Leia mais

PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO. Artigo 1º. Objecto

PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO. Artigo 1º. Objecto PROVEDOR DO CLIENTE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º Objecto O presente Regulamento tem por objectivo regular a actividade, os princípios e as normas de conduta que regem as relações com os tomadores

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS APROVADO 25 de Junho de 2010 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DE USO DE VEÍCULOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto Nos termos do n.º 2 do

Leia mais

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância

VENDAS Á DISTÂNCIA. Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico. Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância VENDAS Á DISTÂNCIA Enquadramento Legal Decreto-Lei n.º 7/2004 de 07 01: Comércio Electrónico Decreto-Lei n.º 24/2014 de 14-02: Vendas à Distância No que respeita à forma da contratação electrónica, estipula

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Resolução de Conflitos no Sector Segurador e Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de

Leia mais

Gestão directa do segurado. Como surge? Como funciona? Motivos / interesses desta opção Vantagens para o cliente Vantagens para a oficina

Gestão directa do segurado. Como surge? Como funciona? Motivos / interesses desta opção Vantagens para o cliente Vantagens para a oficina Gestão directa do segurado Como surge? Como funciona? Motivos / interesses desta opção Vantagens para o cliente Vantagens para a oficina Como surge? Como surge? A gestão directa do segurado é um produto

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Condições da Apólice de Seguro

Condições da Apólice de Seguro Condições da Apólice de Seguro Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. O seguro de RC Profissional, nos exactos

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel

Fundo de Garantia Automóvel. Fundo de Garantia Automóvel INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Rigor e Transparência Rigor e Transparência COSTUMAMOS DIZER NO FGA QUE O UTENTE, AINDA QUE NÃO TENHA RAZÃO, É A RAZÃO DA NOSSA EXISTÊNCIA E DIZEMOS TAMBÉM QUE UM PROCESSO

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente. Companhia de Seguros Allianz Portugal. Ano de 2014

Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente. Companhia de Seguros Allianz Portugal. Ano de 2014 Relatório de Atividade do Serviço de Provedoria do Cliente Companhia de Seguros Allianz Portugal Ano de 2014 O ano de 2014 continua a revelar o crescente interesse dos clientes da Allianz Portugal em apresentar

Leia mais

PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS

PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS PROJECTO DE CIRCULAR BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE EMPRESAS DE SEGUROS E MEDIADORES DE SEGUROS Nos termos legais, as empresas de seguros e os mediadores de seguros encontram-se sujeitos a um conjunto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, que entrou em vigor em 28 de Março de 2003,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839

CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 CONDIÇÕES ESPECIAIS PROTECÇÃO JURÍDICA SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS APÓLICE 84.10.071839 As presentes Condições Especiais Protecção Jurídica articulam-se com o disposto nas Condições

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MEDIADOR DE SEGUROS CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S. A., adiante designada por Tranquilidade, e

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO Nota Justificativa Em obediência à alínea a) do n.º 2 do

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONSTRUÇÃO CIVIL CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S. A., adiante designada por Tranquilidade, e o Tomador

Leia mais

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Credibom, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Contrato de Seguro. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Contrato de Seguro Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128. 808 29 39 49 fidelidade.pt PROTEÇÃO DA ATIVIDADE

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128. 808 29 39 49 fidelidade.pt PROTEÇÃO DA ATIVIDADE PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS MAGISTRADOS JUDICIAIS CONDIÇÕES GERAIS - 128 808 29 39 49 fidelidade.pt Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A. NIPC e Matrícula

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES Considerando que: nos termos legais e regulamentares aplicáveis, o FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL, entre outras atribuições,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Regulamento de Uso de Veículos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Regulamento de Uso de Veículos Aprovado em Plenário de CG de 11 de Abril de 2013 1 INDICE Índice - Regulamento de Uso de Veículos 2 Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto.

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E.

Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. Minuta de Apólice de Responsabilidade Civil Profissional de Projectistas Requerida para Qualquer Contratação da PARQUE ESCOLAR, E.P.E. No entanto, para que o nível de exigência aqui definido não constitua

Leia mais

Aviso n 006/2008-AMCM

Aviso n 006/2008-AMCM Aviso n 006/2008-AMCM ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA SOBRE UTILIZAÇÃO DA INTERNET PARA AS ACTIVIDADES DE SEGUROS Tendo em atenção a expansão e a importância crescente da tecnologia da

Leia mais

Um dia não vai ter que se preocupar com seguros?

Um dia não vai ter que se preocupar com seguros? Um dia não vai ter que se preocupar com seguros? Esse dia começa quando nos contactar! AGENTE SEGUROS VIDA E NÃO VIDA AUTORIZADO PELO ISP SOB O NRº 408270880 Na AKTION SEGUROS irá encontrar soluções que

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA. CONDIçõES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA. CONDIçõES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO SEGURO DAS EMPRESAS DE ESTIVA CONDIçõES GERAIS * * * ARTIGO PRELIMINAR Entre a Lusitania, Companhia de Seguros, S.A., adiante designada

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção. Condições Gerais

Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção. Condições Gerais Responsabilidade Civil dos Titulares de Licença para uso e porte de armas ou sua detenção Condições Gerais Cláusula Preliminar Entre a Zurich Insurance PLC Sucursal em Portugal, adiante designada por Zurich,

Leia mais

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES

APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES APÓLICE DE SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DOS TITULARES DE ALVARÁS CONCEDIDOS AO ABRIGO DO REGIME JURÍDICO DAS ARMAS E SUAS MUNIÇÕES CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade,

Leia mais

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO CONDIÇÕES GERAIS APÓLICE UNIFORME DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO CONDIÇÕES GERAIS * * * ARTIGO PRELIMINAR Entre a Lusitania, Companhia de Seguros, S.A, adiante designada

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO AUTOMÓVEL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões 1 Seguro obrigatório 2 Quais as consequências da falta de seguro? 2 Os seguradores podem recusar-se a celebrar o seguro obrigatório?

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

CONDUTA DE MERCADO ÍNDICE. Secção I - Política de Tratamento... Secção II - Regulamento de Gestão de Reclamações...

CONDUTA DE MERCADO ÍNDICE. Secção I - Política de Tratamento... Secção II - Regulamento de Gestão de Reclamações... CONDUTA DE MERCADO ÍNDICE Secção I - Política de Tratamento... Secção II - Regulamento de Gestão de Reclamações... Secção III - Provedoria do Cliente... 2 4 7 Secção I - POLÍTICA DE TRATAMENTO 1. ÂMBITO

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO AUTOMÓVEL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO AUTOMÓVEL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Ficha Técnica Coleção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Seguro Automóvel Edição Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência REGULAMENTO DA POLITICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS, A.M.A., AGRUPACIÓN MUTUAL ASEGURADORA, MÚTUA DE SEGUROS A PRIMA FIJA NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS,

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores. Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved.

Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores. Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved. Optimização do Custo de Sinistros Automóvel através da gestão de prestadores Lisboa, 07 de Maio de 2008 2008 Accenture. All rights reserved. AGENDA Enquadramento e Oportunidade Caso Prático 2008 Accenture.

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/28/2010

DESPACHO ISEP/P/28/2010 DESPACHO DESPACHO ISEP/P/28/2010 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE VEÍCULOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Considerando: 1. O disposto no n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 170/2008, de 26

Leia mais

Liberty Auto. Guia do Cliente ÍNDICE

Liberty Auto. Guia do Cliente ÍNDICE Liberty Auto ÍNDICE VINHETA DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 1. O sistema de bonificações e agravamentos por sinistralidade aplica-se a todas as coberturas? 3 2. Como devo proceder em

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar nº 10/2009 de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros,

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1. INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO, I.P. Aluguer Operacional de Viaturas CADERNO DE ENCARGOS Capítulo I Disposições gerais Clausula 1.ª Objecto O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas

Leia mais

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 Proponente: Federação Portuguesa de Rugby Pág. 1 SEGURO DESPORTIVO DE ACIDENTES PESSOAIS ( Decreto-Lei Nº. 10/2009 ) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE RUGBY ÉPOCA DESPORTIVA

Leia mais

Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção

Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas e sua Detenção Condições gerais 1070314-05.2010 Liberty Responsabilidade Civil Titulares de Licença para Uso e Porte de Armas ou sua Detenção ÍNDICE Condições

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais