LUZ, CÂMERA, LIMPANDO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE GÊNERO, RAÇA E CLASSE EM DOMÉSTICA, O FILME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUZ, CÂMERA, LIMPANDO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE GÊNERO, RAÇA E CLASSE EM DOMÉSTICA, O FILME"

Transcrição

1 LUZ, CÂMERA, LIMPANDO: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE GÊNERO, RAÇA E CLASSE EM DOMÉSTICA, O FILME (2001) e DOMÉSTICA (2012) Jéssyca Lorena Alves Bernardino 1 RESUMO A presente comunicação pretende analisar as representações das empregadas domésticas nas películas Domésticas, o filme de Fernando Meirelles e Nando Olival, de 2001 e Doméstica, de Gabriel Mascaro, de O cinema exerce considerável influência no imaginário das pessoas e é veículo privilegiado de difusão de representações sociais. Os filmes são fontes documentais que falam do contexto histórico no qual foram produzidos e são agentes da história. Ou seja, o contexto histórico interfere nos discursos sobre as domésticas nas fontes fílmicas. Mas também esses documentos cinematográficos influenciam as imagens das domésticas no Brasil do período. Nesse sentido, os filmes são narrativas que produzem imagens numa determinada época e lugar. As representações podem criar exclusões, hierarquias, preconceitos sobre as domésticas e estão assentadas em relações que se inscrevem na história. Nessa perspectiva, é necessário pensar que as matrizes representacionais, ou o imaginário sobre o trabalho doméstico, foram originadas no contexto da escravidão brasileira, perpassaram a República e atuam/informam práticas (relações materiais) e discursos sobre o trabalho doméstico na atualidade. Os filmes também foram produzidos no contexto de discussões da PEC das domésticas e de debates políticos e históricos sobre minorias, excluídos, subalternos, reconhecimento da diversidade de gênero, direitos da população negra e de mulheres, dentre outros. Como a maioria das domésticas nos filmes é negra, a racialização atua como elemento central das tramas, portanto é preciso também refletir sobre as identidades que associam raça e gênero. PALAVRAS-CHAVE: Empregadas Domésticas. Cinema-História. Gênero. Raça. Representações Sociais. Cinema-História: diálogos possíveis Quando o cinema surgiu no final do século XIX era considerado um instrumento cientifico para reproduzir o movimento e só poderia servir para pesquisas. Mesmo que o público, no inicio se divertisse com ele, seria uma novidade de vida breve, logo cansaria (BERNARDET, 2008, p.11). No entanto, não foi isso que ocorreu. A reprodutibilidade dos filmes 2, ou seja, a possibilidade de tirar cópias em quantidade ilimitada permite que uma película possa ser apresentada simultaneamente em diversos lugares do mundo e para um público ilimitado, o que amplia seu poder de divulgação e de difusão de representações 1 Mestranda em História (UnB), bolsista CNPQ. 2 Em um ensaio A Obra de Arte na Era da sua Reprodutibilidade Técnica Walter Benjamin expõe as modificações, que essa reprodução em massa, dos sentidos de arte. Para Benjamin, há uma mudança da essência (aura) da arte, antes compreendida como arte pela arte (contemplação), agora arte com função social. Para maiores informações vide: Magia e Técnica, Arte e Política - Obras Escolhidas. Vol. 01. São Paulo, Brasiliense,

2 políticas, ideológicas, sociais e históricas. O sistema de cópias igualmente possibilitou uma rápida e brutal expansão do mercado mundial de cinema e atualmente, essa capacidade de veiculação das narrativas fílmicas foi ampliada para o consumo do público pelos mais variados meios de divulgação midiática como a TV, o DVD, a internet, entre outros. O cinema rapidamente se tornou símbolo da contemporaneidade, um fenômeno de massa e importante indústria. Passado cem anos de história do cinema, não há praticamente assunto, evento, personagens, época, civilização que não tenha sido representada nas telas. O progressivo protagonismo da produção cinematográfica na vida cotidiana do século XX/XXI é um acontecimento que não passou despercebido pelos historiadores. Conforme Nóvoa (2008), desde o momento que o historiador começou a observar o filme, além de objeto de prazer estético e de divertimento, rapidamente ele o percebeu como agente transformador da história e como registro histórico. Nesse sentido, o filme é uma fonte histórica, pois é sempre uma narrativa que nos informa sobre certa sociedade e sua visão de mundo. O cinema é sempre montagem. A construção não se separa do filme, é o filme mesmo; outra construção do mesmo relato daria outro filme. O tipo de utilização do material fílmico, o tempo, uma relação com o mundo circundante e a uma tomada de posição frente o público, e é aqui mais uma escolha das estórias, que podemos interrogar ao cinema como expressão ideológica. Não pode haver estudo fílmico que não seja uma investigação da construção (Pierre Solin apud SILVA, 2008, p. 264). Sob essa perspectiva, a presente comunicação pretende, partindo da relação cinemahistória, propor a análise das representações sociais presentes em Domésticas, o filme (2001) e Doméstica (2012). Estas relações são aqui entendidas e analisadas a partir da compreensão do cinema como representação social. Para Jodelet (2001) as representações sociais existem em corelação com o Outro e com o mundo, são mecanismos de apreensão e de compartilhamento social e cultural que emerge da atividade humana, assim como, norteia-a dialogando com o imaginário para estabelecer e ordenar comportamentos e comunicações sociais. De forma resumida, Domésticas, o filme 3 pode ser caracterizado como pertencente ao gênero do cinema clássico 4. Foi o primeiro longa-metragem de Fernando Meirelles em codireção com Naldo Olival 5 baseado na peça homônima Domésticas de Bianca Byington 3 MEIRELLES, F.; OLIVAL, N. Domésticas, o filme. 2001, 02 Filmes e Imagem Filmes, 85 min, DVD. 4 Segundo Napolitano (2008) esse tipo de cinema é caracterizado com: produções de gênero delimitado (aventura, drama, ficção científica etc.) voltadas ao grande público; é marcado pela ideia de "continuidade narrativa"; construção de personagens-tipo (protagonista, antagonista, vilão); enfatiza a relação "causa-efeito" entre as partes. 5 Fernando Meirelles que é formado em arquitetura dirigiu entre as décadas de 80 e 90 programas independentes para TV e comerciais. Nando Olival é formado em cinema pela Faap. 2

3 de A peça de Bianca Byington foi escrita a partir de depoimentos reais de pessoas que exercem o trabalho doméstico no fim dos anos noventa. Para o filme, os diretores, da lista de duzentos testemunhos, recolhidos por Byington, selecionaram alguns que compuseram os discursos e personalidades das cinco domésticas, personagens principais do longa-metragem: Créo, Quitéria, Cida, Rái, Roxane. Por meio da comicidade, os diretores propõem que o filme narre o cotidiano do trabalho doméstico através da representação das empregadas domésticas tal como são na realidade 7. Já o documentário, Doméstica (2012) 8, que possui características do gênero de cinema moderno 9, nasceu quando o diretor foi repreendido por sua esposa, inglesa, sobre a ideia de terem uma empregada doméstica depois que seu filho nascesse. De acordo com ele, nunca havia questionado a questão do trabalho doméstico e devido a sua inquietação decidiu fazer um filme 10. Gabriel Mascaro 11 delega a sete adolescentes (Beatriz, Jenifer, Felipe, Perla, Alana, Juana e Valdomiro) a função de gravar, durante uma semana, empregadas (Dilma dos Santos Souza, Flávia Santos Silva, Helena Araújo, Lucimar Roza, Maria das Graças Almeida e Vanuza de Oliveira) e um empregado (Sérgio de Jesus), nas suas casas, trabalhando e dando seus depoimentos. O material foi entregue ao diretor que selecionou e montou sua narrativa fílmica. As imagens cinematográficas das mulheres vêm sendo objetos de preocupação por parte dos estudos feministas desde o inicio dos anos O cinema, nas investigações feministas, constitui um objeto privilegiado, pois as narrativas fílmicas exercem grande poder sobre o público e veiculam e constroem relações de gênero que contribuem para delimitar ou desestabilizar papéis dicotômicos entre homem/mulher, negro/branco, classes dominantes/classes subalternas, dentre outros binarismos. Parto ainda de antemão, que nem todo olhar empreendido pelo cinema se predispõe a desconstruir o binário sexual, as representações negativas de classes subalternas ou de raça. Atento ainda, que devido ao 6 Disponível em: << Acessado em: 15/09/ A respeito da reportagem da revista Cinemais na qual Meirelles diz que na elaboração do filme não interferiu quase nada nos depoimentos reais dos quais fundamentou as cinco personagens principais. Vide em: SILVA, O. Domésticas o filme: um estudo com profissionais do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UnB. Brasília, MASCARO, G. Doméstica. 2012, Desvia, 75 min, DVD. 9 Napolitano (2008) explica que diferentemente do cinema clássico, o moderno seria a negação de suas características buscando, entre tantas outras formas de se fazer cinema, a descontinuidade narrativa, a despreocupação com roteiro e enquadramentos e edições menos convencionais. 10 Reportagem sobre o filme: Acessado 29/08/ Gabriel Mascaro, entre as artes visuais e o cinema, formado em comunicação social constrói trabalhos complexos e controversos política e esteticamente sobre a negociação do poder em suas mais diversas manifestações. 3

4 processo de produção fílmica, o cinema como indústria, pouco são os trabalhos que apresentam uma perspectiva transgressora sobre as relações de raça e gênero e que conseguem visibilidade comercial. Dessa maneira, é central nas análises dos filmes apresentados, perceber em que medida apresenta rupturas com os padrões de heteronormatividade ou questionam as representações negativas sobre as domésticas ou se a reproduzem suas condições históricas. Questões de gênero e de raça no cenário brasileiro Os estudos de relações de gênero foram uma das primeiras áreas que contestaram a inadequação de conceitos universalizantes para se interpretar o passado. Criticava-se a naturalização, na historiografia estabelecida, da divisão e da hierarquia entre os sexos, que pressupõe que as diferenças e as relações entre homens e mulheres decorrem de uma distinção de papéis reservados naturalmente ao masculino em contraposição aos reservados naturalmente ao feminino. Essas reflexões vão auxiliar nas interpretações referentes às trabalhadoras domésticas nas películas investigadas, porque permitem compreender numa outra perspectiva as relações de gênero nos filmes. Outro questionamento importante dos estudos feministas atuais é problematizar a inadequações das investigações relacionadas à história das mulheres que reproduzem concepções permeadas pela oposição homem e mulher: nas análises de gênero é constante o pensamento dicotômico e polarizado que concebe homem e mulher como polos opostos dentro de uma lógica invariável de dominação/submissão (LOURO, 1997, p.31). Assim, cria-se para a categoria mulheres uma existência que a separa do seu relacionamento conceitual, situado historicamente, com a categoria homens. Joan Scott defende como indispensável à implosão dessa lógica (SCOTT, 1992, p.83). A separação entre história das mulheres e história dos homens inviabiliza uma interpretação complexa das relações sociais. Dessa maneira, esta investigação pretende atentar nos filmes para as relações entre os dois sexos, mas ainda as diferenças no interior da categoria gênero considerando-os obras inscritas no século XXI e na sociedade brasileira. O cinema, pois, nesta pesquisa é entendido como uma complexa tecnologia social produtora/reprodutora do gênero. (LAURENTS, 1994, p.28). Gênero pensado, não como algo existente a priori nas pessoas, mas como conjunto de efeitos produzidos em corpos, comportamentos e relações sociais (LAURENTIS, 1994, p.24). Nessa perspectiva, mais do que reconhecer que existiam diferenças biológicas e sexuais entre homens e mulheres, importa observar o que sócio-historicamente construiu-se sobre isto, destacando o caráter 4

5 fundamentalmente social das distinções baseadas no sexo (SCOTT, 1995, p.72). É dessas ideias que emerge o conceito de gênero, que pretende se referir ao modo como as características sexuais são compreendidas e representadas ou, então, como são trazidas para a prática social e tornadas parte do processo histórico (LOURO, 1997, p.22). O conceito de gênero, entendido como construção cultural, possibilita relações com outras categorias, como etnia e classe social. Aqui reside um aspecto fundamental para a presente comunicação, isto é, trabalhar o entrelaçamento entre gênero e raça nos filmes selecionados, já que as domésticas são majoritariamente negras. Estudiosas/os ligadas aos estudos feministas de etnia e raça Gonzalez (1983); Guillaumin (1994); Carneiro (1995, 2003); Figueiredo (2008); Bell Hooks (1995) têm contribuído para se pensar as diferenças no interior da categoria gênero e para questionar as características iniciais de uma construção teórica feminista marcadamente conduzida por mulheres brancas, urbanas e de classe média. Essas pesquisas se constituem, muitas vezes, em problematizar as condições de vida e de trabalho das mulheres negras em diferentes instâncias e espaços e, apontando desigualdades sociais, políticas, educacionais, econômicas entre mulheres brancas e negras e suas raízes históricas. Tratando do mercado de trabalho, recentes pesquisas mostram que as mulheres pardas e negras estão fortemente concentradas na prestação de serviços, cuja principal ocupação é o serviço doméstico. Entre 2004 e 2011, a proporção de mulheres negras ocupadas nos serviços domésticos no país cresceu de 56,9% para 61,0%, ao passo que entre as mulheres não negras observou-se uma redução de 4,1% pontos percentuais, com a participação correspondendo a 39,0%, em Segundo Lima, o fato desse alto percentual de mulheres pretas [...] estarem no serviço doméstico é sinal de que a expansão do mercado de trabalho para essas mulheres não significou ganhos significativos. E quando esta barreira social é rompida, ou seja, quando as mulheres negras conseguem investir em educação numa tentativa de mobilidade social, elas se dirigem para empregos com menores rendimentos e menos reconhecidos no mercado de trabalho (apud Carneiro, 2003, p. 121). Sobre a participação das mulheres negras no cinema, recentemente um estudo realizado pelo GEMAA (Grupo de Estudo Multidisciplinares de Ação Afirmativa) vinculado a UERJ aponta que em apenas 4,4% dos 218 longas-metragens entre atrizes negras e pardas participam dessas produções. E quando os negros aparecem nas obras 12 Maiores informações sobre o estudo mais recente a respeito do Emprego Doméstico realizado pela Dieese, ver: <<http://www.dieese.org.br/estudosetorial/2013/estpesq68empregodomestico.pdf>>. Acessado 24/07/

6 cinematográficas nacionais é por meio de representações pejorativas associadas geralmente a pobreza e a criminalidade 13. No caso das mulheres negras no cinema e na TV estas majoritariamente ocupam papéis de faxineiras, babás, cozinheiras e domésticas ou surgem como sedutoras, feiticeiras, donas de corpos esculturais, de beleza e graça mundanas a cor do pecado. Nenhuma atriz negra brasileira parece ter escapado do papel de escrava e serviçal mesmo aquelas que chegaram à televisão e já tinham um nome solidamente construído no teatro ou no cinema, como Ruth de Souza. Dessa maneira, o sexismo e o racismo atuando juntos perpetuam uma iconografia de representação da negra que imprime na consciência cultural coletiva a ideia de que ela esta neste planeta principalmente para servir aos outros (ARAÚJO, 2008, p. 979; Bell, 1995, p.468). Portanto, para se compreender as representações das domésticas nos filmes analisados é necessário pensar as desigualdades de gênero e raciais, duas categorias de maior poder explicativo das desigualdades no Brasil contemporâneo. Também refletir sobre as relações entre a história das domésticas no Brasil hoje e seus antecedentes históricos. Para a historiadora Pereira (2011) é na escravidão doméstica colonial que se encontram as raízes históricas, cuja ideologia vigente ainda determina que o lugar da mulher negra seja a cozinha e o cuidado do lar (p. 5). As mulheres negras escravizadas, em sua maioria, durante o período colonial eram responsáveis pelo funcionamento doméstico da Casa-grande sendo todas as atividades ligadas ao cuidado da casa e à domesticidade [...] concubinas [...] cozinheiras e amas de leite as mais agradáveis ao sexo da mulher [negra] (CARVALHO, 2006, p. 57). O que as distinguia era apenas a especialização e o grau de supervisão. As mucamas, encarregadas de adentrar os lugares mais íntimos da casa para servir seus senhores e seus filhos, eram as mais vigiadas de todas. O trabalho da cozinha e os trabalhos de limpeza geral da casa tinham um nível de vigilância intermediário. Já as carregadoras de água, as lavadeiras e as costureiras trabalhavam quase sempre fora da circunscrição da casa e dos olhos da patroa, podendo trabalhar para diversas famílias e ter uma vida independente no seu lar (VILASBOAS E SANTOS, 2010, p. 34). O historiador Peixoto que estuda as domésticas no Brasil a partir de uma análise das permanências e transformações no tempo entre estas, as mucamas e criadas sublinha que: a designação das empregadas domésticas passou por mudanças sinonímias ao longo do tempo; semanticamente, os termos predecessores - mucama, criada e serva - cristalizaram e/ou internalizaram a mediocridade funcional e, 13 Pesquisa A cara do Cinema Nacional ( ) : << Acessado em 23/07/

7 por conseguinte, remuneratória; tanto que, apenas recentemente, após quinhentos anos, as empregadas domésticas passaram a possuir alguns dos direitos que já são gozados há décadas pelos demais trabalhadores de outras atividades. 14 Na introdução do capítulo O escravo negro na vida sexual de família do brasileiro Freyre apresenta de forma saudosista o que ele afirmou ser a sombra das escravas na vida sexual e familiar do brasileiro : da escrava [...] que nos embalou. Que nos deu de mamar. Que nos deu de comer, ela própria amolengando na mão o bolão de comida. Da negra velha que nos contou as primeiras histórias de bicho e de mal-assombrado. Da mulata que nos tirou o primeiro bicho-de-pé de uma coceira tão boa. Da que nos iniciou no amor físico e nos transmitiu, ao ranger da cama-de-vento, a primeira sensação completa de homem (FREYRE, 2005, p. 459). As imagens da vocação natural ao trabalho doméstico e da sexualidade são, então, reafirmadas em obras de intelectuais brasileiros no início do século XX, dentre eles Gilberto Freyre. A interpretação de Freyre se tornou a interpretação hegemônica do Brasil, que teve vigência durante muito tempo e até hoje manifesta seus resquícios. Tal interpretação cria uma representação do Brasil a partir da casa-grande e da senzala que, segundo ele, seria a unidade de entendimento do Brasil que permite visualizar de forma mítica as trabalhadoras domésticas e a divisão sexual e racial do trabalho (VILASBOAS E SANTOS, 2010, p. 28). Layla Carvalho (2006) igualmente faz sua crítica pautando-se no aparente apego que se tem das construções freyrianas no que se refere às mulheres negras e da dificuldade que inúmeros trabalhos científicos em romper com esse conhecimento localizado e, na perspectiva das mulheres, misógino e imobilista. Para ela, as obras de Freyre são carregadas de estereótipos desde a figura da mulata sensual, ou da mulher negra subserviente e bondosa, aproximada à figura da Virgem Maria (2006, p. 50). (I)mutabilidades Sociais nos filmes: uma análise sintética Em Domésticas, o filme (2001) desenvolve-se a ideia do trabalho doméstico como sina, ou seja, um olhar negativizado que é socialmente construído. Conforme Ghaham (1992), no contexto histórico do pós-abolição entre 1860 a 1910, o trabalho doméstico apesar de incorporar mulheres livres e pobres, contudo, não rompeu, em diversos aspectos, com as relações tecidas entre escravas e senhores e as permutas simbólicas que os associavam. Segundo a autora, do ponto de vista jurídico o universo do trabalho sofreu modificações e a 14 PEIXOTO, R. Mucamas, Criadas ou Domésticas: sinônimos de uma só história de exclusão In Acesso: 12/09/

8 mais visível é a mudança de mão de obra de escrava para assalariada, contudo, a incorporação da população negra foi realizada, principalmente, por meio de trabalhos subalternos e dentre eles, encontra-se o trabalho doméstico, ou seja, serviços de caráter braçal. Para Cruz (2012), o pensamento colonial produziu [...] a imagem da mulher negra e do homem negro intrinsecamente ligados a trabalhos manuais, de força e servis, naturalizando a idéia de que estes nasceram sobretudo para executar estas funções (p. 25). Dessa maneira, o trabalho doméstico passou a ser a forma de sobrevivência mais recorrida pela população negra, sobretudo da mulher, pois no funcionamento produtivo da econômica nacional escravocrata, no pós-abolição, as mulheres e homens ex-escravos ficaram as margens da sociedade e, geralmente, com isso passou a viver na miséria, sem trabalho e sem possibilidades de sobrevivência em condições minimamente dignas (CRUZ, 2012, p. 27). As transformações jurídicas de escravas para libertas, então, não foram acompanhadas por mudanças no trato social, mental e cultural da sociedade brasileira: tipos de controle social que só tinham sentido na escravidão continuaram a vigorar mesmo após a abolição, ainda que em um contexto econômico diferente (VILASBOAS E SANTOS, 2010, p. 20). O filme, igualmente, reproduz o discurso de imobilidade social, mas com Kelly, filha de Créo, tenta fornecer um escape da sina de sua família, em particular, que a quatro gerações segue no trabalho doméstico, ou seja, desde escravidão. Kelly foge da realidade do trabalho doméstico e o filme todo Créo fica louca atrás dela, só ao final do filme ela reencontra a filha e é com o diálogo entre as duas que o filme encerra-se no qual Kelly diz que está trabalhando, não em casa de família, mas em firma. Diz, pois, ascensão social foi garantia ao menos a uma, não é pretensão dos diretores e da sociedade como todo virar o mundo de pernas para o ar, colocando-o de cabeça para abaixo, mas o que se pretende é precisamente celebrar o mundo tal como ele é no quotidiano (DAMATTA, 1994, p. 70). Em outros termos, a saída de Kelly do trabalho doméstico não condiz com uma ruptura social, afirmar que trabalha em uma firma não revela se ela exerce prestação de serviços ou não, pois sendo mulher e negra espera-se que ela exerça certos trabalhos. De acordo com Peixoto (2008), essa assimetria na distribuição do trabalho deve-se ao racismo, segundo sua listagem dos trabalhos destinados à população negra após-abolição e ainda permanece até os dias atuais. Vemos assim que abolição não conseguiu romper completamente com a lógica exploratória do trabalho feminino negro que por intermédio da 8

9 desvalorização do trabalho doméstico exercido sob estereótipos de gênero e raça vem ao longo dos séculos elegendo o lugar desprestigiado da mulher negra (CRUZ, 2012, p. 28). As personagens falam, reclamam, subvertem ao inventarem modos de rupturas, resistências cotidianas na relação de poder com os patrões, principalmente na personagem Roxane que insiste em dizer sempre está doméstica, mas o filme tem um problema, para citar apenas um. Se no documentário de 2012 faltam falas e sobram silêncios, no drama cômico de 2001 quem se ausenta são os patrões. Diz-se empregada doméstica, logo se refere à relação com o patrão, cadê ele, então? O personagem do patrão é um ausente presente, ninguém aparece o interpretando, mas podemos vê-lo quando se entende a construção fílmica binariamente. O filme preocupa-se em montar as personagens principais: as domésticas, portanto, aquilo que elas são, de acordo com os diretores, na película elas falam errado, veste uniforme, ouve musica brega e entre outros pontos. Dado o que é, agora é fácil dispor o que não é: o patrão não é igual a empregada. Ele fala direito, não usa uniforme, não ouve musica brega e etc... Resumindo, o universo social de ambos são distintos. Os patrões são representados pelos próprios diretores. Em Doméstica (2012) como teve apenas um argumento inicial, não houve uma préelaboração por parte do roteirista de perguntas chaves para que os sete jovens fizessem as domésticas ou uma melhor elaboração das perguntas pelos próprios jovens, permitiu que o documentário criasse diversos vácuos de perguntas e respostas, o implícito rege o filme. No interior encenado dessa relação patrão-empregado, que o documentário explora muito bem, a narrativa flui em uma conversa que se mesclava em embaraço, em tristeza, em alegria que se transmitia em palavras e silêncios. A narrativa gritantemente silenciosa corrobora com a ideia negativa de Spivak? Em O subalterno pode falar? discorre que se sair de um condicionamento social ele cai em outro, uma visão de determinação total na qual não há escapatória, portanto, o subalterno não pode falar. Contudo, discordando da afirmação de Spivak, o silencio fala, e se o filme mais trouxe silêncios das subalternas talvez seja mais relacionado ao constrangimento que algumas delas mais do que outras passaram ao serem filmadas pelos pequenos, não tão pequenos patrões do que uma passividade diante da relação de poder entre patrões e empregadas. A necessidade de controlar as emoções e de reprimir as respostas naturais aos insultos e indignidades aos quais são sujeitos na interação com os poderosos cria uma necessidade de desabafar e restabelecer a dignidade quando as pessoas estão num contexto social protegido dos olhos e dos ouvidos dos poderosos (MONSMA, p. 7). 9

10 De acordo com o próprio diretor, a intenção do documentário é o silencio constrangedor das trabalhadoras e as falas pretensiosamente cordiais dos patrões, nesse sentido, o filme é perverso. Elas relatam que começaram a trabalhar com serviços domésticos desde pré-adolescência, menos seu Sérgio que ingressou no serviço doméstico devido à perda do trabalho e ao abandono da família, ele começa a trabalhar na casa de uma como empregado doméstico. Todas as domésticas entrevistadas, e aqui se inclui seu Sergio, já trabalhavam a mais de dez anos na mesma casa: está aqui desde que nasci, frase que se repetiu no decorrer dos depoimentos quando os adolescentes comentam sobre a presença das empregadas em sua casa. Muito também se repetiu nas falas dos patrões e patrões(zinhos) o famoso jargão: é como se fosse da família. Dessa maneira, com esse filme, pode-se visibilizar a presença do paternalismo/patriarcalismo que persiste com velho discurso de proteção elaborado na relação patrão-empregado. O trabalho doméstico, exercido pela mulher negra [principalmente] teve sua funcionalidade fortemente arraigada nas relações de favor ou compadrio, que são marcados por relações de dominação/opressão de gênero e raça, a demarcação do trabalho doméstico como sendo coisa de negra, agiu incisivamente no fortalecimento dos valores paternalistas e patriarcais,onde as relações se estabeleciam com forte apelo afetivo acrescido de uma falsa idéia de pertencimento, que perpetuavam práticas de subordinação e dependência estratificadas como naturais, inerentes a mulher negra (exescrava) (PEREIRA, 2011, p.5). A presença da afetividade nessa relação faz com que as domésticas vejam-na positivamente, pois se não fosse bom trabalhar aqui, eu não estaria aqui há 13 anos, né?, diz Maria das Graças. Tal afeto, segundo pesquisadores, está mais para uma ambiguidade afetiva que seria: alguém que se tem carinho, que pode ser melhor ou pior tratada pela família empregadora. Mas são nestes dizeres e no uso desses espaços que as mulheres, cuidadoras da infância, vão, no transcurso até a vida adulta daquela criança, tomando o lugar de subalternidade, assumindo tarefas menos dignas, assim como são naturalizadas as distâncias sociais entre aqueles que podem comprar e aqueles que vendem o trabalho doméstico (BRITES et al, 2014, p. 152). Para os autores (2014), o trabalho doméstico viabiliza o relacionamento entre classes desiguais em uma sociedade envolta pelos discursos sobre e pela cidadania, porem calcando no clientelismo, um tipo de reciprocidade social ainda vivo nas sociedades contemporâneas, pois há certa legitimidade na durabilidade desse tipo de relação no âmbito do trabalho. 10

11 E ainda continua sujo! A história das conquistas de direitos das empregadas domésticas é longa e a regulamentação desse tipo de trabalho sofreu várias mudanças no tempo, relacionando, dentre outros fatores, a conquista de direitos femininos, a criação de um sindicato e as lutas das populações negras por igualdade. A primeira regulamentação foi em 1972 com a lei nº em regime distinto de direitos, porém nem com a promulgação da Carta Constitucional de 1988, os trabalhadores domésticos adquiriram todos os direitos previstos para as demais categorias. O empregado doméstico, dentre todas as espécies de empregados existentes, é o único que não possui regulamentação em sua jornada de trabalho, exercendo atividade laboral diária por tempo ilimitado, e como consequência disso, não tem direito à hora extra e adicional noturno. Também não possui direito ao salário família, ao seguro desemprego e ao FGTS. Recentemente, em 2013, ocorreu um debate social e político intenso em torno da aprovação ou não da PEC nº 66/ , mais conhecida a PEC das Domésticas, que tem o intuito de promover: direitos igualados aos trabalhadores de uma empresa ou uma fazenda. Alguns direitos, como a jornada de 44 horas semanais e o pagamento de horas-extras, terão validade imediata, estarão valendo a partir da promulgação da emenda constitucional. Por outro lado, alguns outros, a exemplo da conta no FGTS, seguro-desemprego e salário-família, devem vir a ser efetivados no futuro, após a regulamentação (CARVALHO, 2013, p. 12). Infelizmente faz um ano que a proposta está parada na Câmara dos Deputados impedindo que sejam assegurados os direitos previstos pela PEC das Domésticas 16. Tal situação é significativa para ler as representações das domésticas nos filmes estudados. Outro ponto a se pensar, é o fato de haver múltiplas vozes contra essa PEC reverberando em matérias de jornais e nas redes sociais 17. Enfim, a pesquisa que procuro construir não considera as domésticas como meras sobrevivências de um passado arcaico, mas como ativas construtoras de novos sentidos, em processos de negociação da realidade em que são intérpretes e sujeitos na leitura de significados antigos e produção de novos. No entanto, é inegável que os acontecimentos e representações atuais, como as representações fílmicas, não 15 Basicamente a proposta é alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os empregados domésticos e demais trabalhadores urbanos e rurais. PEC nº 66/2012 completa vide: <<http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=109761>>. Acessada em 17/07/ Reportagem completa em << Acessado em 25/07/ Por exemplo, a Revista VEJA: <<http://veja.abril.com.br/tema/pec-das-domesticas>>. Acessado em 25/07/

12 podem ser explicadas unicamente a partir de acontecimentos restritos ao presente. Requerem questionamentos ao passado, análises e identificação de relações entre vivências históricas/sociais no tempo. Fontes Documentais MASCARO, G. Doméstica. 2012, Desvia, 75 min, DVD. MEIRELLES, F.; OLIVAL, N. Domésticas, o filme. 2001, 02 Filmes e Imagem Filmes, 85 min, DVD. Referências Bibliográficas ARAÚJO, J. O Negro na Dramaturgia, Um Caso Exemplar da Decadência do Mito da Democracia Racial Brasileira. In Estudos Feministas, Florianópolis, 16(3): , set.- dez./2008, pp BENJAMIN, W. Magia e Técnica, Arte e Política - Obras Escolhidas. Vol. 01. São Paulo, Brasiliense, BERNARDET, J. O que é Cinema? São Paulo: Brasiliense, BRITES, J et al. O emprego doméstico no Brasil em números, tensões e contradições: alguns achados de pesquisa. In Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, ano 19, nº 31, 2014, CARNEIRO, S. Gênero, Raça e Ascenção Social. In Estudos Feministas. 1995, pp Mulheres em Movimento. In Estudos Avançados. 2003, pp CARVALHO, L. Continuidades da narrativa Freyriana na construção de imagens das mulheres brasileiras. In Em Tempo de Histórias - PPG-HIS/UnB, n.10, Brasília, 2006, pp CARVALHO, M. A polêmica emenda constitucional nº 66/2012 (PEC das Domésticas). Revista do Curso de Direito da UNIFACS: Salvador, n. 155, maio 2013, pp CRUZ, J. As Negras Que Conheci: uma análise sobre o cotidiano das trabalhadoras domésticas negras da cidade de Cruz Das Almas BA. Dissertação em Ciências Sociais. Bahia/Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, p ,

13 DAMATTA, R. O carnaval, ou o mundo como teatro e prazer. In O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1994, pp As festas da Ordem. In O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1994, pp FERRO, M. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, FIGUEIREDO, A. Gênero: dialogando com os estudos de gênero e raça no Brasil. In Sanone, L. et al (org.). Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: EDUFBA, FREYRE, G. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. São Paulo: Global, GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Ciências Sociais Hoje, n. 2, Brasília, 1983, pp GUBERNIKOFF, G. A Imagem: representação da mulher no cinema. In Conexão Comunicação e Cultura: UCS, Caxias do Sul, v. 8, n. 15, jan./jun. 2009, pp GUILLAUMIN, C. Enquanto tivermos mulheres para nos darem filhos. A Respeito da raça e do sexo. In Estudos Feministas. 1994, pp GRAHAN, S. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, São Paulo: Cia das Letras, HOOKS, b. Intelectuais negras. Estudos feministas. Rio de Janeiro: Ano 3, n. 2, JODELET, D. As Representações Sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, KAPLAN, A. A Mulher e O Cinema. Rio de Janeiro: Rocco, LAURENTIS, T. A Tecnologia do Gênero. In. HOLANDA, H. (org) Tendências e impasses. O feminismo como critica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, LOURO, G. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, MANESCHY, M. C. O Emprego Doméstico e as Relações de Gênero no Mundo do Trabalho. In Gênero na Amazônia: Belém, n. 3, jan./jun, 2013, pp Disponível em: << Maneschy.pdf >>. Acesso em 27 de Maio de MONSMA, K. James C. Scott e a Resistência Cotidiana: uma avaliação crítica. Disponível em << temid=358>>. Acessado em 22/09/2014. NAPOLITANO, M. Fontes Audiovisuais A História depois do papel. In Carla Pinsky (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2008, pp NÓVOA, J. et al (org.). Cinema-História: Teoria e representações sociais no Cinema. Rio de Janeiro: Ed. Apicuri,

14 PEREIRA. B. De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o "lugar" das mulheres negras no pós- abolição In: <<http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/ _arquivo_artigoanpu H-Bergman.pdf>>. Acessado dia 18/07/2014. PEIXOTO, R. Mucamas, Criadas ou Domésticas: sinônimos de uma só história de exclusão In << Acessado dia 12/07/2014. RIBEIRO, M. O feminismo em novas rotas e visões. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 14, n. 3, Dec SANSONE, L. Raça. In Claudio Furtado et al (org.). Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador: UDUFBA, 2014, pp SCOTT, J. O enigma da igualdade. In Estudos Feministas: Florianópolis, 13(1):216, jan./fev., 2005, pp Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2,jul./dez. 1995, pp SCHWARCZ, L. Gilberto Freyre: adaptação, mestiçagem, trópicos e privacidade em Novo Mundo nos trópicos. In Mal-estar na Cultura: IFCH UFRGS, Abril-Novembro de 2010, pp SILVA, O. da C. Domésticas o filme: um estudo com profissionais do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UnB. Brasília, SPIVAK, G. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, TELLES, L. Libertas entre sobrados: contratos de trabalho doméstico em São Paulo na derrocada da escravidão. Dissertação de mestrado em História Social. PPG-HIS, USP, VANOYE, F et al (org.). Ensaio sobre a Análise Fílmica. Campinas: Papirus, VILASBOAS E SANTOS, N. Desigualdade e identidade no serviço doméstico: intersecções entre classe, raça e gênero. Dissertação de Mestrado. Goiânia: UFG/ Programa de Pós- Graduação em Sociologia,

De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o "lugar" das mulheres negras no pós- abolição.

De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o lugar das mulheres negras no pós- abolição. De escravas a empregadas domésticas - A dimensão social e o "lugar" das mulheres negras no pós- abolição. Bergman de Paula Pereira 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PucSP Resumo: Este artigo

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO)

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) 1 DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) Cláudio Amorim Pereira 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo falar sobre a criança negra e a mídia é, sobretudo, discutir hegemonia, ideologia, monopólio

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Neiva Furlin Resumo O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados da pesquisa de mestrado em andamento, que se insere dentro

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual II CONCURSO NEGRO E EDUCAÇÃO Projeto - RAÇA E EDUCAÇÃO: OS EXCLUÍDOS DO ENSINO SUPERIOR Autora Delcele Mascarenhas Queiroz Orientador - Prof. Dr. Jocélio T. dos Santos A pesquisa examina as desigualdades

Leia mais

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS

A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS A PRESENÇA MASCULINA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES INTRODUTÓRIAS Nilson Sousa Cirqueira 1 - UESB José Valdir Jesus de Santana 2 - UESB Grupo de Trabalho - Educação da Infância Agência Financiadora: Não

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé Élida Regina Silva de Lima* 1 RESUMO Diante da opressão histórica sofrida pelas mulheres, as mulheres negras sofrem uma opressão ainda maior

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O silêncio da cor Regina Marques Parente (UFSCar/SP) Mulheres negras, raça e gênero, identidade. ST 69: Pensamento

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O desenvolvimento do trabalho doméstico a partir da legislação trabalhista do Estado Novo.

O desenvolvimento do trabalho doméstico a partir da legislação trabalhista do Estado Novo. O desenvolvimento do trabalho doméstico a partir da legislação trabalhista do Estado Novo. Resumo: Bergman de Paula Pereira 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PucSP Este artigo pretende demonstrar

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015

REVISTA pensata V.4 N.2 OUTUBRO DE 2015 Ara Pyaú Haupei Kyringue Paola Correia Mallmann de Oliveira Este ensaio fotográfico é uma aproximação ao ara pyaú (tempo novo) e às kiringue (crianças) no nhanderekó, modo de ser tradicional entre os mbyá

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL

marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem 13 SOCIOLOGIA ESPECIAL marcadores sociais Várias formas de diferença e desigualdade convivem na sociedade contemporânea. Ao longo de suas trajetórias de vida, os indivíduos se identificam e se diferenciam dos outros das mais

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com

Revista África e Africanidades Ano 2 - n. 5 - Maio. 2009 - ISSN 1983-2354 www.africaeafricanidades.com Direitos Humanos A mulher negra brasileira Walkyria Chagas da Silva Santos Pós-graduanda em Direito do Estado pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia - UFBA E-mail: kyriachagas@yahoo.com.br A articulação

Leia mais

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 8 Racismo, preconceito e discriminação racial Objetivos: Apresentar aspectos

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

NEPRE- Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação.

NEPRE- Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação. 2 A JOVEM NEGRA PRESENTE NO AMBIENTE ESCOLAR: SÍMBOLO DE BELEZA OU INFERIORIDADE NA VISÃO DE ADOLESCENTES BRANCOS SOUZA, Anne de M. 1 UFMT anneufmt@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21 Agência

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA?

POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA? POLÍTICAS DE AÇÃO AFIRMATIVA E SISTEMA DE COTAS PARA NEGROS NAS UNIVERSIDADES: PRINCÍPIO DE IGUALDADE E DEMOCRACIA? Karen de Abreu Anchieta Universidade Estadual de Londrina karenaanchieta@bol.com.br RESUMO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

Mulheres, empregadas domésticas e EJA: questões sobre a naturalização do papel social da mulher

Mulheres, empregadas domésticas e EJA: questões sobre a naturalização do papel social da mulher Mulheres, empregadas domésticas e EJA: questões sobre a naturalização do papel social da mulher Ludimila Corrêa Bastos Orientadora: Carmem Lúcia Eiterer Palavras-chave: EJA, gênero, empregadas domésticas

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

RESUMO OLIVEIRA, Daniela Adriana Garces de

RESUMO OLIVEIRA, Daniela Adriana Garces de RESUMO OLIVEIRA, Daniela Adriana Garces de. A resistência feminina travestida pela violência: histórias dos sujeitos femininos no Rio Grande do Sul. (PUCRS- Mestranda). Os papéis socialmente construídos

Leia mais

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO

AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. INTRODUÇÃO AÇÕES AFIRMATIVAS E POLÍTICAS DE COTAS A QUESTÃO DO ACESSO A UNIVERSIDADE PÚBLICA. Leandro Farias VAZ Mestrando em Geografia - UFG-IESA leandrofvaz@hotmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva discutir

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003

RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 RELAÇÕES ÉTNICO - RACIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/2003 Prof. Anderson Oramísio Santos Prof. Esp.Olga Helena Costa RESUMO: O presente artigo objetiva oportunizar espaços de estudo

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Juliana Keller Nogueira, Delton Aparecido Felipe, Teresa Kazuko Teruya (UEM) Educação escolar, formação de

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Curso de Especialização em Psicopedagogia, Unidade Universitária de Pires do Rio, UEG

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Curso de Especialização em Psicopedagogia, Unidade Universitária de Pires do Rio, UEG 1 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS E EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ana Maria Piva de Aquino 2,4 ; Maria Aparecida Carneiro Cunha 2,4 ; Melissa de Paula Santos Costa 2,4 ; Cristiane Maria Ribeiro 3,4. 1 Curso de Especialização

Leia mais

TITULO: DIÁLOGOS SOBRE GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA ESTRUTURAL EJE:

TITULO: DIÁLOGOS SOBRE GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA ESTRUTURAL EJE: TITULO: DIÁLOGOS SOBRE GÊNERO E DIREITOS HUMANOS NA ESTRUTURAL EJE: Mesa de Trabajo 3. Extensión, docencia e investigación AUTORES: NASCIMENTO, Fernanda Silva; FREITAS, Suzany Araújo de; BRITO, Natássia

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO.

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. Lina Penati Ferreira 1 - li.penati@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina GT 8- As interface entre teoria democrática,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER RESUMO

CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER RESUMO CULTURA, VALORES E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER Wilma Pimentel de Moraes Carvalho¹; Ângela Maria Ribeiro da Silva²; Carla Utin Toledo²; Ireni Aparecida de Oliveira Pimentel Siqueira². Veralúcia Pinheiro³;

Leia mais

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho

Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Mulheres e memórias: cotidiano e trabalho Sueli de Araújo Montesano 1 Esta pesquisa resgata o trabalho feminino, dos anos 50 a 70, numa metalúrgica, em uma pequena cidade no interior de São Paulo. As trabalhadoras

Leia mais

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4

Preta/Parda 3.626.733 30,9 49,8 3,9 14,1. Branca 4.258.209 11,6 35,3 6.3 46,4 1 DESIGUALDADES RACIAIS NA TRAJETÓRIA ESCOLAR DE ALUNOS NEGROS DO ENSINO MÉDIO ZANDONA, Eunice Pereira UFMT eunice.zandona@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Segundo dados do Programa das Nações

Leia mais

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG CINEMA NO ESPAÇO ESCOLAR: rediscutindo cidadania e diversidade RESUMO: Meireslaine Nascimento da Silva Graduanda do curso de Pedagogia, bolsista Pet (Re) conectando Saberes - FACIPUFU/MEC/SESU/SECAD, meireslainepetg@gmail.com.

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais

Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Seminário Diversidade nas Escolas: Preconceito e Inclusão Tema: Questões étnico-raciais Prof. Dr. Paulo Vinicius Baptista da Silva paulovbsilva@uol.com.br

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil

Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Desigualdade Racial e políticas públicas no Brasil Documento para a Audiência Pública sobre as políticas de ação afirmativa de acesso ao ensino superior- STF Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA,

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA, A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ. PAULA, Willian Silva de. UFMT CEFET-Cbá - willdepaula@yahoo.com.br Orientadora: Profª Drª Maria Lúcia R. Muller

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL

GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL GT GÊNERO, RAÇA, ETNIA E TRABALHO INFANTIL O 22º CONSINASEFE aprovou a reorganização do GT Gênero e Raça, criado no IX CONSINASEFE realizado em Florianópolis em 1996, agora com o nome de GT Gênero, Raça,

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL.

A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Anais do SILIAFRO. Volume, Número 1. EDUFU,2012 131 A COR DA POBREZA: UMA ANÁLISE ACERCA DAS DESIGUALDADES RACIAIS E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS NO BRASIL. Douglas Henrique de S. Xavier Universidade

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais