MEMÓRIA DA ESCOLA: INVESTIGANDO AS PRÁTICAS EDUCATIVAS EM HISTÓRIA DA MINHA INFÂNCIA DE GILBERTO AMADO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEMÓRIA DA ESCOLA: INVESTIGANDO AS PRÁTICAS EDUCATIVAS EM HISTÓRIA DA MINHA INFÂNCIA DE GILBERTO AMADO."

Transcrição

1 Solyane Silveira Lima, UFS Geane Corrêa dos Santos, UFS MEMÓRIA DA ESCOLA: INVESTIGANDO AS PRÁTICAS EDUCATIVAS EM HISTÓRIA DA MINHA INFÂNCIA DE GILBERTO AMADO. Resumo: Diferentes práticas de formação e de estrutura escolar nas últimas décadas do século XIX estão presentes na narrativa de Gilberto Amado. Esse trabalho tem a pretensão de investigar e refletir sobre essas práticas com o objetivo de elucidar a memória escolar. Ancoradas nos pressupostos teóricos da Nova História Cultural, que possibilitou a utilização de novas fontes na pesquisa histórica, buscaremos fazer uma leitura da obra autobiográfica desse intelectual sergipano. Palavras-chave: História da Educação, Leitura, Escola, Memória, Literatura. Introdução Nas últimas décadas do século XX notamos algumas mudanças nos estudos de caráter histórico. Mudanças estas influenciadas pelo discurso da Nova História Cultural, que possibilitou a utilização de novas fontes na pesquisa histórica. Essa tendência historiográfica propõe uma forma inovadora de interrogar a realidade. Lançando mão de novos princípios de inteligibilidade, salientando as lutas de representações, objetivando a ordenação da estrutura social.... a história cultural afasta-se sem dúvida de uma dependência demasiado estrita em relação a uma história social fadada apenas ao estudo das lutas econômicas, mas também faz retorno útil sobre o social, já que dedica atenção às relações e que constroem, para cada classe, grupo ou meio, um serpercebido constitutivo de sua identidade. (CHARTIER, 2002, p. 23) Ela tem sua origem associada à Escola dos Annales, que surge em 1929 com Marc Bloc e Lucien Febvre, como um movimento que se contrapunha ao paradigma da historiografia tradicional. Esse movimento foi dividido em três fases, na inicial, de 1929

2 a 1945, Caracterizou-se por ser pequeno, radical e subversivo, conduzindo uma guerra de guerrilhas contra a história tradicional, a história política e a história dos eventos. (BURKE, 1989, p. 12) e seus interesses de estudo se voltavam para a construção de uma história social e econômica se opondo a tradição historiográfica que se centrava nos feitos dos heróis. A segunda geração, a partir de 1940, foi denominada pela presença de Fernand Braudel e caracterizou-se por ser uma produção historiográfica demográfica. É a fase que mais se aproxima verdadeiramente de uma escola, com conceitos diferentes e novos métodos. (BURKE, 1989, p. 12). No final da década de 60 inicia-se a terceira geração do movimento, que é marcada pelo crescente interesse dos historiadores por temas pertencentes ao domínio da cultura. Se inicia por volta de É profundamente marcada pela fragmentação. A influência do movimento, especialmente na França, já era tão grande que perdera muito das especificidades anteriores. Era uma escola unificada apenas aos olhos de seus admiradores externos e seus críticos domésticos que perseveravam em reprovar-lhe a pouca importância atribuída à política e a História dos Eventos.(BURKE, 1989, p. 13). Foi a partir dessa nova perspectiva trazida pela História Cultural para o campo da pesquisa histórica que se compreendeu que não há história sem fontes e que qualquer fonte é válida no estudo histórico. Dentre elas podemos citar a Literatura, memória, biografias, iconográficas, documentos, dentre outras. Nesse trabalho utilizaremos principalmente a Literatura, mas também a memória e a biografia para tentarmos elucidar algumas práticas de formação e de estrutura escolar no final do século XIX que estão presentes no livro de Gilberto Amado. Por Literatura entendemos que é uma... categoria que, a partir do século XVIII, rotula um tipo especial de leitura e de escrita, que é simultaneamente, matériaprima e produto de práticas textuais muito determinadas (LAJOLO e ZILBERMAN, 1998, p. 308) e é uma importante fonte para o historiador, pois lhe permite enxergar traços e pistas que outras fontes talvez não lhe daria. A Memória é sem dúvida a matéria-prima da história. Os seus objetos de estudo seriam vestígios do passado, as lembranças e experiências. A memória é sempre uma interpretação influenciada pela experiência do presente. Todo o trabalho do historiados é uma representação do passado. Mas, é além disso, uma seleção do que é considerado importante. A memória constrói, reconstrói, reelabora e resignifica o passado. (FERRO, 2000, p. 22)

3 Já a Biografia, assume diferentes formas e segundo Burke, Pode ser um meio de entender a mentalidade de um grupo. Podendo ser praticada por diversas razões. Partindo do que foi dito, passaremos a leitura de História da Minha Infância, com o objetivo de elucidar vestígios da memória escolar na ultima década do Oitocentos. Investigando Práticas Educativas em História da Minha Infância Lançado em 1954, o livro escrito por Gilberto Amado 1 retrata suas memórias de menino sergipano que viveu nas vilas de Estância e Itaporanga na última década do século XIX. Retoma as lembranças de criança, através do relato das brincadeiras infantis, as peripécias de adolescente, descrevendo os seus estudos em Itaporanga e a vida de estudante de Farmácia em Salvador. Nesse trabalho daremos enfoque as memórias que se remetem aos seus estudos na cidade sergipana por se tratar do espaço temporal que delimitamos e utilizaremos esta obra tanto como fonte quanto como objeto. No século XIX a prática de educação que ocorria no Brasil entre as famílias mais abastadas era a educação doméstica. Uma prática utilizada pelos membros da elite econômica para educar seus filhos que se caracterizava como aquela que ocorria na casa dos aprendizes e que era ministrada por um mestre contratado pela família para prover não só a instrução, mas também a educação moral. Os agentes dessa educação eram chamados de mestres, professores particulares ou preceptores. Que na maioria das vezes utilizavam o método individual 2, por ser o mais adequado à educação doméstica. Essa educação ministrada no Brasil Oitocentista valorizava os atributos intelectuais para os meninos e os manuais para as meninas, além da diferença no tempo de duração para a instrução de ambos. Aos meninos era ensinado o Latim, o 1 Gilberto de Lima Azevedo Souza Amado de Faria nasceu em Estância (SE) em 1887 e faleceu no Rio de Janeiro (RJ) em Eleito em 3 de outubro de 1963 para a cadeira nº 26 da Academia Brasileira de Letras, na sucessão de Ribeiro Couto, foi recebido em 29 de agosto de 1964, por Alceu Amoroso Lima. Era o primeiro dos 14 filhos do casal Melchisedech Amado e Ana Amado. Fez os estudos primários em Itaporanga, também no interior de Sergipe. Depois estudou farmácia na Bahia e diplomou-se pela Faculdade de Direito de Recife, da qual se tornou, ainda muito moço, catedrático de Direito Penal. Transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1910, iniciando-se no jornalismo. Sua atividade política começou em 1915, quando elegeu-se pela primeira vez deputado federal por Sergipe, permaneceu na Câmara dos Deputados até Novamente eleito deputado federal em 1921, foi reeleito em 1924, cumprindo mandato até o final de Ainda em 1927 elegeu-se senador, sempre por seu estado natal. Sua carreira política terminou com a Revolução de Serviu como embaixador no Chile, Finlândia, Itália e Suíça. A partir de 1948 foi membro, e muitas vezes presidente, da Comissão de Direito Internacional da Organização das Nações Unidas (ONU). Publicou um grande número de obras, entre memórias, romances, crônicas, estudos filosóficos e político-sociológicos. 2 Nesse método cada aluno era atendido individualmente pelo professor tanto no que se refere aos conhecimentos ensinados, a observação de seus progressos e as tomadas de lição.

4 Grego, a Retórica, a História, a Geografia, Astronomia, Aritmética, Álgebra, Trigonometria, Lógica, Física e Metafísica, além de instruções das obrigações de cidadão e cristão. Uma educação voltada para o desenvolvimento de uma postura viril, garantindo-lhes o desenvolvimento pleno da capacidade intelectual e visando a sua entrada em instituições reconhecidas na época para concluírem a sua formação. As meninas ensinavam a ler, escrever, fiar, coser, bordar e tocar piano.... a educação das meninas, padecia de ambigüidade, pois ao mesmo tempo em que as circunscrevia no universo doméstico, incentivando-lhes a maternidade e estabelecendo o lar como seu domínio, as habilitava para a vida mundana, favorecendo-lhes elementos para brilhar em sociedade. (MAUAD, 2000, p. 155). Na obra de Gilberto Amado podemos identificar a presença de algumas dessas formas de educação, quando o autor narra a despedida da sua ama. A mocinha pronunciava-me o nome...chegaram de dentro, suspenderam-me para dar adeus à moça que se afastava... A moça voltava-se para a casa, para mim, dava adeus enxugando o rosto com o lenço... levaram-me para dentro. Ao me porem no chão de repente dei um grito e corri para a porta. Não vi mais a mocinha. Larguei a choramingar, exclamando: Quero Donana! (AMADO, 1999, p. 16). A educação doméstica voltada para as elites no século XIX era reconhecida como a modalidade mais adequada de ensino dos meninos e meninas até uma certa idade. Porém essas práticas eram acessíveis a poucas pessoas e seus métodos, procedimentos e conteúdos estavam descentralizados. Com a influência das idéias européias os dirigentes do país priorizaram a centralização e decisões educacionais, interferindo nas práticas educativas que existiam, indo de encontro ao modelo de educação existente e aos interesses da elite dominante, que julgavam essas medidas como uma afronta intervencionista ao poder que até então era exclusivamente da Casa: decidir, contratar, fiscalizar e deliberar sobre a educação de seus filhos (VASCONCELOS, 2005, p. 195), inaugurando o processo de resistência que vai perdurar ao longo do Oitocentos. Lentamente, as elites percebem que podem se associar ao Estado e dividir com ele as atribuições educativas. Apoiando-o, colabora para que a escola estatal se firme e se amplie, transferindo a educação de seus filhos na Casa pela da escola. Anunciando o século XX como cenário no qual a escola foi hegemônica.

5 Nesse contexto é que encontramos as escolas de primeiras letras, que funcionavam geralmente na própria residência do mestre e em condições precárias, nas quais o professor nomeado pelo Estado ou particularmente oferecia instrução às crianças. Em Sergipe não poderia ser diferente, principalmente se tratando de cidades do interior. Na sala atijolada, três bancos encostados às paredes. Bancos altos. Os meninos, em sua maioria, ficavam com as pernas no ar. Depois da minha entrada, puseram mais dois bancos. Na parede do fundo, encostava-se Dona Olímpia, Sá Limpa para toda Itaporanga. (1999, p. 57). A sala da escola abria para a rua por uma porta sobre dois batentes que davam logo para a lama. (1999, p. 58). Era um trabalho quando se ia lá fora para não enlamear os pés nos excrementos que, em todas as modalidades e formas que pode assumir, da pirâmide da saúde perfeita até o lagamar da opilação, da desenteria e da ameba, por ali se misturavam. (1999, p. 63). Nesse tipo de instituição encontrava-se freqüentemente o uso de castigos, inclusive corporais, por parte dos professores. Gilberto Amado não deixou de registrar isso em suas memórias:... seis bolos estalavam. Oito, nove, dez. às vezes o moleque soltava-se, o liquido escorria-lhe pelas pernas, mas cadê chorar?!... Depois das palmatoadas, João Alfredo ia para o banco, pegava a tabuada, juntava-se a cantinela: Quatro veis cinco, vinte; quatro veis seis, vinte e quatro... Tremialhe a voz mas os olhos fuzilavam triunfo. (1999, p. 59). Sá Limpa não discutia a denúncia, impunha o castigo. Este consistia, quase sempre, numa tira de papel amarrada na cabeça, como uma coroa, com a palavra Desrespeito, em bastardinho. Alguns meninos se revoltavam, não ofereciam a cabeça para a medida da fita de papel cujos extremos Sá Limpa juntava com goma. Em conseqüência, levavam meia dúzia de bolos.(1999, p. 61). Existia também em Itaporanga a professora Maria Cândida, esta funcionária pública, enquanto que Sá Limpa era professora particular. Nesse momento o autor faz questão de salientar a diferença entre o ensino público e privado.

6 Maria Cândida, solteira, magra, sempre de enxaqueca com rubores súbitos, vivia a passar a mão pela cabeça dolorida... solteirona frágil, moça velha de peito murcho nas desesperanças do celibato. Maria Cândida, professora pública, não era ilustrada como Sá Limpa, professora particular. Sá Limpa puxava pelos meninos... Mas se não era ilustrada como Sá Limpa, Maria Cândida organizava mês de Maria como ninguém. (1999, p. 75). Num outro capítulo encontramos a descrição de sua experiência no colégio interno na capital do estado, o Colégio Oliveira, que segundo o autor, era o único do Estado. Colégio interno em Aracaju, Colégio Oliveira, único aliás do Estado, tinha de internato, no sentido normal do termo, apenas o nome. Era uma casa chata de muitas janelas, junto do quartel, numa esquina no fim da rua da Frente, no caminho da Fundição. (1999, p. 162). Quando entrei, o colégio estava cheio; quartos atulhados de camas juntas. Os meninos corriam por cima delas sem ter que pular no tijolo... Oliveira ensinava Português, Francês, Geografia, Aritmética e Latim. Latim ninguém estudava, nem livros havia. Eu tomava lições particulares com Alfredo Montes, de Inglês, e com Teixeira de Faria, de Matemáticas. (1999, p. 163). Deixando o internato, permaneceu um ano sem estudar, voltando depois desse tempo para fazer os exames preparatórios no Ateneu, nos quais foi aprovado. Ao final desse capítulo o autor faz uma análise sobre as escolas no Brasil em seu tempo, chegando a seguinte conclusão:... escola no Brasil era, no meu tempo arremedo de ensino, a luz da técnica didática. Professores capazes, poucos; a maioria nomeada por política, para emprego no orçamento, não para exercício efetivo do cargo. Em Sergipe criou-se uma cadeira de Grego. Para ela nomearam um farmacêutico de poucas letras mesmo em português... Por que escolheram grego?! Podiam ter criado mais uma cadeira de química, química analítica, industrial, qualquer coisa assim que quadrasse ao menos aparentemente com as habilitações do nomeado. Tal era o descaso por coisas de ensino, e o fim exclusivo dar emprego só pelo emprego, que

7 ninguém censurou, criticou, julgou mal nem o governo, nem o beneficiário. (1999, p. 172). Gilberto Amado se despede da infância narrando sua experiência na Faculdade de Farmácia da Bahia. Na qual via a possibilidade de estudar e de um caminho aberto para seus passos. Apesar da pouca idade (14 anos) foi conhecer a vida de estudante, morando em república. Lá fui... viver vida de estudante, morar em república, conhecer a boêmia e o desadoro daquela existência.(1999, p. 178). No curso de dois anos de permanência em Salvador sofri em várias repúblicas por ser pequeno, irritadiço de ânimo e tão menor de idade. Encontrei, porem, bons companheiros. (1999, p. 179). Os dois anos de Bahia foram marcos na minha formação, pelo hábito que durante eles adquiri de estudo regular de matéria definida, de procurar saber de fato e não só para exame. Serviram-me também de encorajamento e de exercício de paciência para coabitar com temperamentos diversos e submeter-me às imposições da convivência com indivíduos indiferentes ou hostis. (1999, p. 185). Das páginas de História de Minha Infância emanam a ternura, a poesia, o sentimento humano e as lições de vida que encantaram várias gerações de leitores. A história singular do menino nordestino que tudo superou e se tornou um cidadão do mundo através do trabalho e do estudo se tornou um marco de nossas letras. Considerações Finais O que gostaríamos de ressaltar com a leitura e análise dessa obra é que notamos algumas práticas educativas que eram recorrentes à época no contexto brasileiro do final do século XIX e início do XX, refletidas numa cidade do interior nordestino, deixando claro a possibilidade da literatura e das memórias biográficas serem utilizadas como fonte para se refletir acerca da memória escolar. Segundo Gilberto Amado, a Literatura é mais do que vida, porque é vida aumentada no coração do artista (1999, p. 198). Assim sendo chegamos à conclusão de que o uso desta se torna uma importante ferramenta na construção da pesquisa histórica.

8 Referências Bibliográficas AMADO, Gilberto. História da minha infância. São Cristóvão, SE: Editora UFS; Fundação Ouviêdo Teixeira, BURKE, Peter. A Escola dos Annales ( ): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora da Unesp, CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Porto Alegre: Editora da UFRGS, FERRO, Maria Amparo Borges. Literatura escolar e História da Educação: cotidiano, ideário e práticas pedagógicas. São Paulo: Faculdade de educação da Universidade de são Paulo, (Tese de Doutorado) LAJOLO, Marisa & ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, MAUAD, Ana Maria. A vida das crianças de elite durante o Império. In: DEL PRIORE, Mary (org). História das crianças no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, p VASCONCELOS, Maria Celi Chaves. A casa e os seus mestres: a Educação no Brasil de Oitocentos. Rio de Janeiro: Gryphus, 2005

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa"

Fernando Novais: Braudel e a  missão francesa Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa" Estudos Avançados Qual a contribuição dos historiadores franceses e dos cientistas da França para a evolução da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS Danielle Virginie Santos Guimarães Universidade Federal de Sergipe danielle.virginie@yahoo.com.br Palavras

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Universidade São Francisco campus Itatiba SP

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

A MATEMÁTICA NO BRASIL

A MATEMÁTICA NO BRASIL Clóvis Pereira da Silva A MATEMÁTICA NO BRASIL Uma História de seu Desenvolvimento Segunda Edição 6 ALGUMAS QUESTÕES RELEVANTES Neste capítulo apresentaremos algumas indagações pertinentes ao contexto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-)

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-) A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (195-) META Caracterizar o pensamento historiográfi co de Roger Chartier. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: elencar e explicar os principais aspectos

Leia mais

1 Introdução Conto de Escola

1 Introdução Conto de Escola 1 Introdução Conto de Escola A escola era na Rua do Costa, um sobradinho de grade de pau. O ano era de 1840. Naquele dia uma segunda-feira, do mês de maio deixei-me estar alguns instantes na Rua da Princesa

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé 1 DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé Sol Fressato é graduada e mestre em História pela Universidade Federal do Paraná, pesquisadora

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil.

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. Fabricia Pereira Teles Profª da rede pública e particular de ensino Introdução

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino HISTÓRIA DA ESCOLA Quando e como surgiram as escolas? ESCOLA, do grego SKHOLE que significa LAZER EDUCAR, do latim

Leia mais

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX).

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Maria Teresa Santos Cunha / PPGE/Mestrado/UDESC/SC Comunicação

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno)

Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) Grade Curricular - Física Licenciatura (Física Licenciatura - diurno) SEMESTRE 1 - Obrigatórias FAP0151 Fundamentos de Mecânica FAP0152 Introdução às Medidas em Física FEP0151 Fundamentos de Mecanica FEP0152

Leia mais

EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO

EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO EQUIPE PEDAGÓGICA DE 9 o AO 2 o ANO 1 o Ano (TAB) Aluno(a): Ano: Turma: Turno: Senhores pais e alunos, Estaremos realizando as Verificações Bimestrais do 3 o bimestre no período de 21/09 a 25/09/2015.

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

Roteiro da aula. Funções sociais da escola. Pedagogia O QUE É ESCOLA? Profa. Silvia Perrone

Roteiro da aula. Funções sociais da escola. Pedagogia O QUE É ESCOLA? Profa. Silvia Perrone Pedagogia Profa. Silvia Perrone Abordagens do processo educativo, saberes docentes e identidade profissional Roteiro da aula Visão de Escola: - seu conceito - sua função. Visão da Didática: - o que é?

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2

Educação Matemática. Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 Educação Matemática Profª. Andréa Cardoso MATEMÁTICA - LICENCIATURA 2015/2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO Escolas da Antiguidade Geometria Aritmética Música Elementos de Euclides (300 a.c.) Geometria

Leia mais

Índice remissivo - 2011 Assunto

Índice remissivo - 2011 Assunto Índice remissivo - 2011 Assunto Conheça as seções da revista AMAE Educando e as matérias publicadas em cada uma. ALFABETIZAÇÃO INTERAGINDO COM AS PALAVRAS. n. 380. p. 18/22. ARTE ARTE SEM AMARRAS. n. 384.

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. ALAN ROBERTO FRUHLING 1 ELENITA CONEGERO PASTOR MANCHOPE 2 FABIANE ANDRÉIA FELDKIRCHER 3 LURDES TEREZINHA SPIES ULLMANN 4 MAYSA REGINA

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 A produção da Família Brasileira através de uma Revista produzida em família: um estudo de gênero na experiência da Revista

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Ser humano não é ser uma pessoa, ser humano é ser um aluno. Aluno de que e de quem?

Leia mais

RESUMO. Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Campus Guarulhos. naravlp@yahoo.com.br. 2

RESUMO. Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Campus Guarulhos. naravlp@yahoo.com.br. 2 A Era dos Testes e a Aritmética para o Ensino Primário: as mudanças na avaliação escolar em tempos da pedagogia científica Nara Vilma Lima Pinheiro 1 Wagner Rodrigues Valente 2 RESUMO Esse artigo analisa

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI Nº 2.446, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Cria Escola Municipal Professor Humberto Jacinto Pereira. EMERSON MARTINS

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

CIRCULAÇÃO DOS PADRÕES NORTE-AMERICANO E FRANCÊS NA MATEMÁTICA DURANTE O BRASIL OITOCENTISTA

CIRCULAÇÃO DOS PADRÕES NORTE-AMERICANO E FRANCÊS NA MATEMÁTICA DURANTE O BRASIL OITOCENTISTA CIRCULAÇÃO DOS PADRÕES NORTE-AMERICANO E FRANCÊS NA MATEMÁTICA DURANTE O BRASIL OITOCENTISTA Marcus Aldenisson de Oliveira Universidade Tiradentes/GPHPE/Bolsa PIBIC/CNPQ marcus_deninho@hotmail.com Ellen

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Ensino Médio em Questão José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Introdução O ensino médio tem sido debatido em todos os países Trata com adolescente e jovens que estão decidindo seus destinos.

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960

MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 MANUAIS DE INSTRUÇÃO FEMININOS E A EDUCAÇÃO DAS MULHERES DÉCADAS DE 1950 E 1960 TOMÉ, Dyeinne Cristina (UEM) MACHADO, Maria Cristina Gomes (Orientadora/UEM) Este estudo é o resultado da dissertação de

Leia mais

PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971)

PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971) PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971) Gilvânia Andrade do Nascimento 1 Simone Silveira Amorim 2 GT. 8 Espaços Educativos,

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE SOCIOLOGIA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROFESSOR

Leia mais

Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com

Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com HERMENÊUTICA E EDUCAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O ATHENEU Francisco Canindé de Assunção Faculdade do Norte do Paraná FACNORTE / SAPIENS caindeassuncao@gmail.com Com base na contribuição da hermenêutica para a

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Igualdade entre os sexos e valorização da mulher e Reduzir a mortalidade infantil. Maria Fernanda, Helena, Leonardo, Vinícius

Igualdade entre os sexos e valorização da mulher e Reduzir a mortalidade infantil. Maria Fernanda, Helena, Leonardo, Vinícius Igualdade entre os sexos e valorização da mulher e Reduzir a mortalidade infantil Maria Fernanda, Helena, Leonardo, Vinícius Igualdade entre os sexos As mulheres estudam mais que os homens, porém têm menos

Leia mais

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS

A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS A UNIMONTES E A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR EM MONTES CLAROS ROMANA DE FÁTIMA CORDEIRO LEITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS-UNIMONTES romanafl@hotmail.com Introdução As transformações oriundas

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935)

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) Cristina de Almeida Valença* A educação em Sergipe, nas primeiras décadas republicanas, é alvo de um efervescente movimento de idéias conhecidas como

Leia mais