ARGUMENTAÇÕES PARA O CULTIVO DO BARRAMUNDI, Lates calcarifer, EM VIVEIROS ESTUARINOS NO NORDESTE DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARGUMENTAÇÕES PARA O CULTIVO DO BARRAMUNDI, Lates calcarifer, EM VIVEIROS ESTUARINOS NO NORDESTE DO BRASIL"

Transcrição

1 ARGUMENTAÇÕES PARA O CULTIVO DO BARRAMUNDI, Lates calcarifer, EM VIVEIROS ESTUARINOS NO NORDESTE DO BRASIL Alberto J.P. Nunes, Ricardo C.C. Pinto FENACAM /11/ :30 15:00 h Centro de Eventos do Ceará Fortaleza, Ceará Robalo Asiático, Lates calcarifer

2 BRASIL: PRODUÇÃO DOBRA A CADA 7 ANOS Ração para peixes (ton./ano) Ração para camarões (ton./ano) Produção aquícola* (ton./ano) % CRESCIMENTO ANUAL Fontes: SINDIRAÇÕES. Boletim Informativo do Setor. Maio/2014. file:///c:/users/alberto/documents/boletiminformativo-do-setor_vs-portugues_site pdf *FAO. Global Aquaculture Production (online query).

3 IMPORTAÇÃO DE PESCADO REPRESENTA ANO/ORIGENS Produção domestica Exportações Importações TOTAL (P+I-E) População BRASIL *consumo per capita 5,59 6,64 9,52* 1 Soma da produção da pesca e aquicultura. 2 Fonte: Alice Web 2. MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior do Brasil). 3 Produção doméstica + importações exportações 4 Fonte: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). *Recomendado segundo Organização Mundial da Saúde > 12 kg per capita.

4 Déficit / Superávit no Comércio DÉFICIT DE USD 1,2 BILHÕES EM Fonte: Alice Web 2. MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio Exterior do Brasil). 3 Produção doméstica + importações exportações Volume (ton. x 1.000) Valor (US$ FOB x )

5 APENAS 10% DO CONSUMO PER CAPITA ANO Proteína animal Kg* % Kg* % Kg* % Bovinos Suínos Aves Aquática TOTAL *consumo per capita 1 Dados da OECD-FAO Agricultural Outlook OECD, Economic Co-operation and Development. FAO, Food and Agriculture Organization (FAO) of the United Nations. 2 Pesca e aquicultura

6 MODELOS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA TILAPIA CHITRALADA Tambaqui - Colossoma macropomum Espécie Ambiente Sistema Prodtv. Ciclos/ano FCA Ração Proteína* *Engorda Tambaqui Água doce Viveiros 7 25 ton/ha/ciclo 1,5 2 1,0 1,7 Extrusada 28 32% SI Oniv. Foto: Nova Jaguaribara, Ceará

7 MODELOS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA TILAPIA CHITRALADA Foto: Paulo Afonso, BA

8 MODELOS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLA

9 +45 ANOS P&D COM PEIXES MARINHOS Bahia Pesca, IP-SP, UFSC, FURG, LABOMAR, UFRPE UFSC, FURG, Bahia Pesca UFAL, UFPE, UFSC, IPqM Tainhas Mugil brasiliensis Mugil curema Mugil liza Beijupirá, robalos, lutjanídeos e serranídeos Robalos e linguado Linguado: Paralichthys orbignyanus Robalo-peva: Centropomus parallelus Robalo-flecha: Centropomus undecimalis Cioba: Lutjanus analis Ariaco: Lutjanus synagris Beijupirá, Rachycentrum canadum Garoupa, Epinephelus marinatus

10 BAHIA PESCA SANTO AMARO, BA Getonilson e Gerônimo Fotos: Bahia Pesca

11 AQUALIDER MARICULTURA RECIFE, PE Fotos: Aqualider Maricultura, Manuel Tavares Recife, Pernambuco

12 CAMANOR - CANGUARETAMA, RN

13 UFSC/LAPMAR, FLORIANOPOLIS, SC Laboratório de Piscicultura Marinha (LAPMAR) Departamento de Aquicultura da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Coordenação: Prof. Dr. Vinicius Ronzani Cerqueira Foto: 24/10/2012

14 OS VERMELHOS Lutjanídeos UFC/LABOMAR/CEAC EUSÉBIO, CE Guaiúba, Lutjanus chrysurus

15 REDEMAR ALEVINOS ILHABELA, SP Redemar Alevinos, Claudia Kerber ME Ilhabela, São Paulo

16 MARICULTURA ITAPEMA SÃO SEB., SP

17 RAÇÃO COMERCIAL PEIXES MARINHOS Ração para alevinagem e engorda do beijupira Ração Nutrilis Marine 48 E 45% Evialis Nutrição Animal Ltda. (SP) Foto: Alberto J.P. Nunes,

18 POTENCIAL VERMELHOS, Lutjanus spp. FONTE: Resende et al. (2003) Bol Técn. Cient. CEPENE, 11(1): VULGAR Ariacó Carapitanga Baúna Caranha Cioba Dentão Guaiúba Pargo-verdadeiro Pargo-olho-de-vidro Pargo-boca-negra Pargo-mariquita Pargo-piranga CIENTÍFICO Lutjanus synagris Lutjanus apodus Lutjanus griseus Lutjanus cyanopterus Lutjanus analis Lutjanus jocu Lutjanus chrysurus Lutjanus purpureus Lutjanus vivanus Lutjanus bucanella Etelis oculatus Rhomboplites aurobens Pesca de pargo com linha pargueira acoplada a bicicleta (Foto: Souza, 2002) Foto: Alberto J.P. Nunes,

19 OS VERMELHOS Lutjanídeos LUTJANIDEOS: LABOMAR/CEAC CT = 36 cm; Peso = 420 g Fotos: Tarcísio Teixeira Alves Jr. Guaiúba, L. chrysurus CT = 49,5cm; Peso = g CT = 20,5 cm; Peso = 155 g Cioba, Lutjanus analis Dentão, L. jocu Ariacó, Lutjanus synagris CT = 29 cm; Peso = 310 g CT = 19 cm; Peso = 118 g Carapitanga, L. apodus

20 ARIACÓ: MATURAÇÃO PRECOCE Precoce, facilidade de desova

21 CIOBA: CRESCIMENTO RAZOÁVEL Rustica, voraz Aceita bem rações a base vegetal Dificuldade na maturação GPD Ganho de peso total SOBREVIVÊNCIA FCA DENSIDADE 0,60 g/dia (95 dias) 57,0 g / 3,2 meses FREITAS et al ,6 % 1,85 15 px./m³

22 CIOBA: 1 kg EM 9 12 meses 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 PESO CORPORAL (g) (2,964+ 0,014)x Y = e r 2 = 0,843; n = 896 (2, ,013)x Y = e r 2 = 0,781; n = Crescimento da cioba, Lutjanus analis. SPC000 SPC130 SPC214 SPC300 DIAS DE CULTIVO FONTE: Freitas et al. (2011). Aquaculture Research, 42: Estrapolação de curva de crescimento sugere: Dietas M:P_2.0, M:P_1.0 e M:P_0.5: 9,4 meses para alcançar 1 kg Dieta M:P_0.3: 10,2 meses para 1 kg Curva de Benetti et al. (2002): Baixa densidade (5 pxs/m 3 ): 9,2 meses para 1 kg Alta densidade (25 pxs/m 3 ): 11,6 meses para 1 kg Foto: Alberto J.P. Nunes,

23 BEIJUPIRÁ: CRESCIMENTO RÁPIDO Voraz, dócil, fácil manejo Facilidade de desovas Dependente de alta qualidade de água Vulnerável a parasitas e bactérias Crescimento rápido PINTO & NUNES não publicado GPD Ganho de peso total SOBREVIVÊNCIA FCA DENSIDADE 2,5 g/dia (70 dias) 2,5 g/dia (84 dias) 175 g / 2,3 meses 210 g / 2,8 meses 99,3% 2,00 10 px./m³ 97,6% 1,87 10 px./m³

24 BEIJUPIRÁ: GAIOLAS NEARSHORE FAZENDA MARINE FARMS VIETNAM Provincia de Khanh Hoa, foto: 20/03/2013

25 DIFICULDADES DO CULTIVO OFFSHORE

26 PISCICULTURA ESTUARINA 1. Amplas áreas disponíveis no Nordeste 2. Estruturas de cultivo já montadas (camarão marinho) 3. Facilidade de operação, logística, segurança 4. Possibilidade de diversificação e/ou alternância sazonal do cultivo de camarão marinho 5. Adaptável ao pequeno pescador ou cultivo familiar

27 PREÇO DA TAINHA, CEAGESP Produto Classifica ção Categoria: Pescado Data: 31/10/2014 Uni/Peso Menor Comun Maior Quilo TAINHA GRANDE 1/KG TAINHA MEDIA 1/KG TAINHA PEQUENA 1/KG

28 PREÇO DO ROBALO, CEAGESP Produto Classifica ção Categoria: Pescado Data: 31/10/2014 Uni/Peso Menor Comun Maior Quilo ROBALO 1/KG

29 Foto: Diego Apolinário CAMURIM DEMONSTRA TOLERÂNCIA Fazenda Nova Esperança, Beberibe, CE

30 ROBALO PEVA: CRESCIMENTO LENTO Rustico, tímido Não vem a superfície, nada em cardume Crescimento muito lento PINTO 2011 GPD 0,34 g/dia (96 dias) 0,27 g/dia (94 dias) Ganho de peso total SOBREVIVÊNCIA 32,6 g / 3,2 meses 25,4 g / 3,1 meses FCA DENSIDADE 100% 1,77 10 px./m³ 93,5% 2,55 10 px./m³

31 ROBALO FLECHA: CRESCIMENTO LENTO Rustico, tímido Não vem a superfície, nada em cardume Crescimento muito lento Susceptível ao Caligus sp. SILVÃO et al. não publicado GPD Ganho de peso total SOBREVIVÊNCIA FCA DENSIDADE 0,35 g/dia (84 dias) 0,38 g/dia (105 dias) 29,4 g / 2,8 meses 46,2 g / 3,5 meses 99,7% 2,01 10 px./m³ 98,8% 2,92 4,7 px./m³

32 BARRAMUNDI, Lates calcarifer Fonte:

33 ESPÉCIES DE CENTROPOMÍDEOS Espécies de centropomídeos Fotos: C. poeyi mexican snook C. pectinatus tarpon snook C.medius blackfin snook C. armatus armed snook C. ensiferus swordspine snook C. mexicanus guianan snook C. robalito yellowfin snook C. unionensis union snook C. parallelus fat snook C. nigrescens black snook C. Viridis white snook C. undecimalis common snook

34 PARENTE DOS CENTROPOMÍDEOS Fonte: OTERO, O Ambos hermafroditas protândricos 2.Ambos diádromos carnívoros 3.Pesquisas sobre as exigências nutricionais do barramundi desde anos 1980 Mesmas latitudes intertropicais Distribuição do Lates calcarifer no Indo-Pacífico. Distribuição do Centropomus parallelus na costa oeste do Atlântico.

35 Fase berçário Fase de engorda Ganho de peso diário BARRAMUNDI (Lates calcarifer) 10 g/1,5 a 2 Kungvankij et al. meses 1985; NICA kg/12 meses 4 g / dia Schipp et al Kungvankij 1987; Tiensongrusmee et al ROBALO (Centropomus spp.) 10 g/3 meses Tucker g/12 meses 0,38 g / dia 1,5 a 4,1 g / dia Sánchez-Zamora et al CEAC: Silvão 2013 (dados não publicados) Alvarez-Lajonchère and Tsuzuki 2008 Sobrevivência % Tucker et al % Tucker et al Produtividade 20 ton./ha Tucker et al ton./ha Dieta comercial 42% PB; 15,5 kj/g 50-55% PB; 20 kj/g FCA 1,2-2 Williams and Barlow (1999) Williams et al Rimmer & Russell 1998; Schipp et al % PB; 13-14% Lip.; 13-25% CHO 51,2% PB; 12,8 Lip.; 17,6 MJ/kg Sánchez Zamora et al Tucker 2005 Nunes et al ,1 Tucker ,9 CEAC: Silvão 2013 (dados não publicados)

36 INDUÇÃO MATURAÇÃO/DESOVA 1. Machos alcançam a maturidade com cm CC 2. Mudam de sexo entre cm 3. Implantes dos hormônios LHRH-a aceleram maturação gonadal e desova 4. Manipulação da temperatura entre o C, g/l salinidade e 13 h luz induziu desovas continuas mensais com aplicações de ug/kg de LHRH-A

37 INDUÇÃO HORMONAL EM GAIOLAS ROBALO ASIÁTICO

38 LARVICULTURA DE BARRAMUNDI - JCU 70% DE SOBREVIVÊNCIA Chlorella Skimmer James Cook University, Townsville, Austrália

39 ACASALAMENTO LARVICULTURA E REPRODUÇÃO DE BARRAMUNDI EM GAIOLAS 3 SEMANAS DE CULTIVO DAE x 10 5 cels./ml Chlorella 0,5-2 inds./ml Cisto de Artemia recém-eclodido inds./ml Artemia enriquecida Dieta para peixes Rotiferos inds./ml

40 FASE DE BERÇÁRIO: 1 50 g EM 40 DIAS 2 x 3 x 1 m animais/m 3 1,5 m profundidade

41 FASE DE BERÇÁRIO: 10 g

42 ENGORDA EM ÁGUA DOCE - AUSTRÁLIA PEIXES DE 2-3 kg

43 VIVEIRO DE CULTIVO PÓS-DESPESCA 50 TON./HA/CICLO 18 cv/ha

44 VIVEIRO DE ENGORDA BARRAMUNDI TON./HA/CICLO PEIXES DE 500 g 120 dias de cultivo

45 VIVEIROS COMPARATIVO: CAMARÃO X PEIXES ITEM L. vannamei Barramundi UNID. Ração 1,0 1,3 USD/kg PL/Alevino 3,3 300 USD/mil FCA 1,5 1,5 Densidade 80 4 unids/m 2 Sobrevivência 65% 60% Produtividade kg/ha/ano Peso final 14,3 500 g Ciclos/ano 2,0 2,5 Prodt. Anual kg CUSTO TOTAL USD/ano Custo/kg 2,7 4,2 USD/kg Custo Ração Custo Alevinos Demais Custos (30%) Preço final 4,0 5,0 USD/kg RECEITA USD/ano LUCRO USD/ano por ha/ano por kg 1,35 0,79 Simulação para uma fazenda de 10 ha de lâmina d água

46 CURVA DE CRESCIMENTO Time Fish Feed Total Cuml. FCR (day) (g) (g/fish/d) (kg/d) (kg) (feed/gain) ,5 0, , ,9 0, , ,2 0, , ,6 0, , ,0 0, , ,4 0, , ,8 0, , ,2 0, , ,6 0, , ,0 0, , ,4 0, , ,8 0, , ,2 0, , Developed by Dr Brett Glencross o C DIAS DE CULTIVO

47 RAÇÕES: ASPECTOS FÍSICOS E NUTRICIONAIS ESPECIFICAÇÕES Matéria Seca (%) Proteína Bruta (%) Proteína Digestível (%) Extrato Etéreo (%) Amido (%) Cinzas/Filler (%) Energia Bruta (MJ/kg) Energia Digestível (MJ/kg) Proteína Dig.: Energia Dig. (g/mj) < 200 g ,0 16, kg ,5 18,0 23 > 1 kg ,5 18,0 23

48 RAÇÃO BARRAMUNDI NA ÁSIA VALOR: USD 1,5/kg (rações de engorda e terminação) PROTEÍNA BRUTA: entre 43 e 45% (níveis mínimos) GORDURA: entre 5 a 8% (níveis mínimos)

49 OPORTUNIDADES Pacote tecnológico consolidado (reprodução, larvicultura, engorda e nutrição) Espécie com cultivo emergente no Sudoeste Asiático Peixe com alto desempenho zootécnico, adaptada a cultivos intensivos, em viveiros ou gaiolas Cultivo em viveiros estuarinos de camarão ou canais, de forma sazonal, em policultivo ou monocultivo Preço Premium, mercado atraente, com demanda doméstica elevada

50 DESAFIO: INTRODUÇÃO Vigora a Portaria do IBAMA de No. 145/98 de 29/10/1998

51 ESTRATÉGIAS Esforço conjunto para implementação de estratégia visando a introdução legal e segura (associação, universidade, centro de pesquisa, setor produtivo = insumos e produtores) Transferência de pacote tecnológico 1. Visitas in-loco a empreendimentos comerciais na Austrália e Ásia 2. Treinamento de pessoal (estudantes) via Ciências sem Fronteiras, Doutorado Sanduíche 3. Convênio com universidades (JCU) e centros de pesquisa (CSIRO) 4. Buscar apoio junto a órgãos oficiais (e.g., Departamento de Comércio da Austrália - AUSTRADE)

52

ENSAIOS COM O BEIJUPIRÁ, Rachycentron canadum

ENSAIOS COM O BEIJUPIRÁ, Rachycentron canadum ALBERTO J. P. NUNES ENSAIOS COM O BEIJUPIRÁ, Rachycentron canadum Resultados e Experiências do Projeto NUTRIÇÃO, SANIDADE E VALOR DO BEIJUPIRÁ, Rachycentron canadum, CULTIVADO NO NORDESTE DO BRASIL ENSAIOS

Leia mais

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul.

A tabela abaixo demonstra alguns índices de produtividade da espécie: valores sujeitos a alterações dados dezembro de 2008/ Mato Grosso do Sul. O CULTIVO DOS SURUBINS PINTADO E CACHARA 1. PERSPECTIVAS PARA A CRIAÇÃO DOS SURUBINS Os surubins são peixes nobres, conhecidos e valorizados no mercado nacional, por sua carne branca, de sabor suave e

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR Juliana Antunes Galvão

Leia mais

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7 3 SEGURO

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil

Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Promovendo a maricultura no Rio de Janeiro Sudeste do Brasil Artur N. Rombenso, Viviana Lisboa y Luís A. Sampaio Introdução Cultivo de Cobia de 3 a 4 Kg. A maricultura no Brasil tem um modesto desenvolvimento

Leia mais

carcinicultura brasileira

carcinicultura brasileira Dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira ITAMAR DE PAIVA ROCHA O leitor interessado em conhecer a dimensão da cadeia produtiva da carcinicultura brasileira, seus números e suas principais

Leia mais

AQÜICULTURA. retoma desafios da

AQÜICULTURA. retoma desafios da Na década de 40 teve início uma grande mudança no modo de operar os sistemas de produção de alimentos em todo o mundo. A revolução verde introduziu novas tecnologias na forma de cultivar plantas e animais.

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br Orientações para Arraçoamento (Ração) O consumo

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS

REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS REPRODUÇÃO INDUZIDA DE PACU (PIARACTUS MESOPOTAMICUS) COM O USO DE DIFERENTES HORMÔNIOS COMERCIAIS Vander Bruno dos Santos Zootecnista, Dr. PqC do Pólo Regional Alta Sorocabana/APTA vander@apta.sp.gov.br

Leia mais

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Ano 1 - Edição 5 - Agosto de 2015 Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Não há uma tendência observada no comportamento dos custos de produção

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede

Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Produção Sustentável de Tilápias em Tanques-rede Alex Frederico de Novaes Consultor Técnico Guabi Novaes & Martins Aquicultura - T Ó P I C O S - MERCADO LOCALIZAÇÃO DA PISCICULTURA ESTRUTURA: TANQUES,

Leia mais

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS.

DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. DICAS SOBRE CRIAÇÃO E PESCA ESPORTIVA DO DOURADO: O MAIS COBIÇADO TROFÉU DOS RIOS BRASILEIROS. 1 Nome popular: Dourado Ordem: Characiforme Família: Characidae Gênero: Salminus Espécies: maxillosus, brasiliensis

Leia mais

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR

HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR A piscicultura em sistema integrado. HILTON AMARAL JUNIOR EPAGRI / CEPC SC. CEPC.SC@MATRIX.COM.BR Quando o esterco como qualquer outra matéria orgânica é adicionada a água de viveiros de peixes, parte

Leia mais

RESPONSABILIDADE IMPORTANTE:

RESPONSABILIDADE IMPORTANTE: RESPONSABILIDADE IMPORTANTE: Toda a informação contida neste documento é de propriedade da Biofish Projetos Consultoria Ind. Com. Imp. & Exp. LTDA ( Biofish Aquicultura), sua reprodução de qualquer natureza

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade 1 Panorama da Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade Por: Fernando Kubitza João Lorena Campos Eduardo Akifumi Ono Pedro Iosafat Istchuk

Leia mais

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios

Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios V Encontro de Negócios da Aquicultura da Amazônia Manaus/AM Parques aquícolas: Oportunidades para Transformar a Aquicultura Brasileira em Agronegócios André Luiz Scarano Camargo Zootecnista Mestre em Aquicultura

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

Pesca Marinha Pesca Continental Maricultura Aquic. Continental

Pesca Marinha Pesca Continental Maricultura Aquic. Continental Custo de produção, análise de rentabilidade e formação de preço João Donato Scorvo Filho Célia M. Dória Frascá Scorvo Pesquisadores da Apta Pólo Leste Paulista APTA/SAA SP SP Produção Brasileira i de Pescado

Leia mais

Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II)

Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II) Ecologia e Etnoecologia de Robalos na Baía de Paraty-RJ, Brasil. Sugestões para o processo de co-manejo (parte II) Vinicius Nora Orientador(a): Prof.ª Dr.ª Alpina Begossi Co-orientador (a): Prof.ª Dr.ª

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADEMICA DE GARANHUNS Aluno: Alex Marques Resende Curso de Zootecnia Relatório final apresentado ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica/

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas

Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Aquicultura na América Latina e Caribe Situação Atual, Tendências e Perspectivas Felipe Matias Red de Acuicultura de Las Américas (RAA/ FAO) Secretario Ejecutivo Fenacam, Novembro de 2014 Mudanças na Sociedade

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Manual para coleta de material biológico

Manual para coleta de material biológico PROJETO MOPE: MONITORAMENTO VOLUNTÁRIO DE PESCADO Manual para coleta de material biológico Biólogo Matheus O. Freitas serranidae@gmail.com (41) 8516-5493 (Oi) / 9638-6075 (Tim) Biólogo Fabiano Grecco grecco@merosdobrasil.org

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1

O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Rafael C. de Oliveira 71 O PANORAMA DA AQÜICULTURA NO BRASIL: A PRÁTICA COM FOCO NA SUSTENTABILIDADE Rafael C. de Oliveira 1 Resumo: Atualmente a procura por produtos e derivados da pesca extrativista

Leia mais

Avanços de Melhoramento Genético de Camarão no Brasil

Avanços de Melhoramento Genético de Camarão no Brasil 1 Avanços de Melhoramento Genético de Camarão no Brasil João Luís Rocha, Ana Carolina Guerrelhas, Ana Karina Teixeira, Flávio Augusto Farias, e Ana Paula Teixeira Programa de Melhoramento Genético Genearch

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Agosto de 2011 A Aquicultura

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar CTTMar Curso de Oceanografia

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar CTTMar Curso de Oceanografia UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar CTTMar Curso de Oceanografia Crescimento de juvenis de Robalo-flecha Centropomus undecimalis (Bloch,1792) durante fase de

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

Desmitificando a genética

Desmitificando a genética Panorama da AQÜICULTURA, maio, junho 2013 1 Este é o primeiro de uma série de artigos em que serão discutidos aqui na Panorama da AQÜICULTURA os conceitos e metodologias da área de melhoramento genético

Leia mais

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos

TAMBAQUI alimentando com eficiência para reduzir custos 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. Acqua Imagem Serviços em Aquicultura fernando@acquaimagem.com.br entre os peixes amazônicos, o tambaqui é a espécie de maior destaque na América Latina, em especial no Brasil.

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos

Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos 1 Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos Por: Prof. Dr. Alexandre W.S. Hilsdorf wagner@umc.br Universidade de Mogi das Cruzes Laboratório de Genética de Organismos Aquáticos e Aquicultura

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste

Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Laboratório Embrapa Agropecuária Oeste Mecanismos para apoio à C&T em pesca e aquicultura Celebração de convênios (2003 a 2009) Investimentos 199 projetos com componentes de pesquisa apoiados Investimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Dinâmica das Frotas Pesqueiras da Região Nordeste do Brasil

Dinâmica das Frotas Pesqueiras da Região Nordeste do Brasil i UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE PESCA Laboratório de Dinâmica de Populações Marinhas - DIMAR PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS VIVOS DA ZONA ECONÔMICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 73/03-N, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2003 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições previstas no art. 24, Anexo I, da

Leia mais

PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA

PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA PESCA ARTESANAL MARÍTIMA NA COMUNIDADE DE COROA VERMELHA, MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ CABRÁLIA, BAHIA Johnatas Adelir Alves 1 & Lilian Bastos Sarmento 1 1 Programa de Pós-Graduação em Sistemas Aquáticos Tropicais.

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Raúl Malvino Madrid Editor. dum) é a única espécie da família Rachycentridae,

Raúl Malvino Madrid Editor. dum) é a única espécie da família Rachycentridae, Novembro/2011 ANO 2 N o 7 Universidade Federal do Ceará (UFC) Instituto de Ciências do Mar (LABOMAR) BEIJUPIRÁ NEWS EDITORIAL Nesta edição News. Com satisfação estamos lançando a sétima edição do Beijupirá

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Lista de pesquisadores que trabalham com cultivo de camarões de água doce no Brasil

Lista de pesquisadores que trabalham com cultivo de camarões de água doce no Brasil Lista de pesquisadores que trabalham com cultivo de camarões de água doce no Brasil Nome Instituição Dra Célia Maria de S. Sampaio Área: Berçário Universidade Estadual do Ceará 60740-020 - Fortaleza -

Leia mais

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011)

PROJETO SOED. Relatório do primeiro ano de formação na UFSC. Genyess R.A.S.Vieira. (Março - Dezembro de 2011) PROJETO SOED Relatório do primeiro ano de formação na UFSC Genyess R.A.S.Vieira (Março - Dezembro de 2011) Florianópolis, 2012 A cidade de Florianópolis, é a cidade capital do estado Santa Catarina, localizado

Leia mais

Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios

Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios Revista Brasileira de Zootecnia 2011 Sociedade Brasileira de Zootecnia ISSN 1806-9290 www.sbz.org.br Desenvolvimento da produção de peixes em mar aberto no Brasil: possibilidades e desafios Ronaldo Olivera

Leia mais

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria

Financiamento ao Agronegócio. Internacionalização da Agroindústria Financiamento ao Agronegócio Internacionalização da Agroindústria BRF Visão Geral BRF Principais Key Brands Marcas Dados Financeiros 3 Uma das maiores empresas de alimentos do Brasil e do mundo 7 a maior

Leia mais

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture

A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries and Aquaculture Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.30, n.3/4, p.81-85, jul./dez. 2006. Disponível em www.cbra.org.br A situação da Aquacultura e da pesca no Brasil e no mundo World and Brazil situation of fisheries

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos

Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO. Bem Vindos Tema: A FÁBRICA E A NUTRIÇÃO O QUE NÃO PODE SER NEGLIGENCIADO NO GERENCIAMENTO DA FÁBRICA DE RAÇÕES Bem Vindos Cascavel PR, Setembro de 2015. Obrigado Pelo Convite Obrigado Pelo Patrocínio Mensagens Iniciais:

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Figura 02: Desempenho das Importações de pescado do Brasil em volume e valor: 2003-2014

Figura 02: Desempenho das Importações de pescado do Brasil em volume e valor: 2003-2014 Cultivo do Camarão Marinho: Atividade Socialmente Justa, Ambientalmente Responsável e, Economicamente Importante, de Forma Especial para o Meio Rural da Região Nordeste. Itamar de Paiva Rocha, Engº de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQ Título: A importância da dureza total e seus íons na criação do beijupira. Autores:

Leia mais

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia

Informativo. O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015. Comportamento do varejo - Mercado Nacional. Mercado da Tilápia Informativo Mercado da Tilápia 03 O Mercado da Tilápia - 1 trimestre de 2015 Palmas, TO Abril, 2015 Renata Melon Barroso Med. Veterinária, Dra. em Genética Analista da Embrapa, renata.barroso@embrapa.br

Leia mais

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo

PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo Viabilidade Econômica da Piscicultura. Piscicultura. PqC. Dr. João Donato Scorvo Filho MsC. Célia Maria Dória Frascá-Scorvo A novo agronegócio no Brasil O novo agronegócio exige profissionalização do produtor

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

DESCRIÇÃO DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL BRASILEIRO DE PESCADO 1

DESCRIÇÃO DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL BRASILEIRO DE PESCADO 1 DESCRIÇÃO DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL BRASILEIRO DE PESCADO 1 Marcel Perez Pereira 2 Evelise Oliveira Telles 3 Ricardo Augusto Dias 4 Simone de Carvalho Balian 5 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 5 Atualmente, o Brasil

Leia mais

3.2.6 AQÜICULTURA DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE O MEIO SOCIOECONÔMICO DO LITORAL NORTE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

3.2.6 AQÜICULTURA DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE O MEIO SOCIOECONÔMICO DO LITORAL NORTE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 128 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE Até 1990, a avicultura era a atividade predominante no setor, sobretudo em Igarassu. Hoje, apenas algumas dessas unidades produzem frango de corte e ovos,

Leia mais

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico

I - INTRODUÇÃO. II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico I - INTRODUÇÃO II - O SISTEMA DE CULTIVO 1. Cultivo monofásico 2. Cultivo bifásico III - TANQUES REDE E GAIOLAS 1. Estruturas para tanque redes ou gaiolas 2. Abertura de malhas 3. Comedouros 4. Flutuadores

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

AQUACULTURA GESTÃO EMPRESARIAL

AQUACULTURA GESTÃO EMPRESARIAL AQUACULTURA GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO DE CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DO CENTRO DE ACLIMATAÇÃO DE PÓS-LARVAS DO CAMARÃO Litopenaeus vannamei Documento elaborado por: AQUACULTURA GESTÃO EMPRESARIAL LTDA. 0 PROJETO

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Maio 2015. Antonio Albuquerque Secretário Executivo

Maio 2015. Antonio Albuquerque Secretário Executivo Maio 2015 Antonio Albuquerque Secretário Executivo Organização Setorial ACEAQ foi fundada em 1997 Reestruturação em 2011 Demandas pela solução de problemas coletivos de impacto na cadeia produtiva Custos

Leia mais

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce

RELATÓRIO. Curso Química analítica aplicada a aquicultura. Curso Qualidade da água em piscicultura de água doce Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias - Departamento de Aquicultura Florianópolis - Santa Catarina - Brasil Southern Oceans Education and Development Project (Canadian International

Leia mais

MÉTODO DE CULTIVO NA PRODUÇÃO DE ALEVINOS DE TILÁPIA DO NILO REVERTIDOS

MÉTODO DE CULTIVO NA PRODUÇÃO DE ALEVINOS DE TILÁPIA DO NILO REVERTIDOS Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.29, n.2, p.142-146, 2014. ISSN - 0101-756X - DOI: http://dx.doi.org/10.12722/0101-756x.v29n02a19 MÉTODO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013 Estabelece critérios para pesca na Lagoa Aruarama no Rio de Janeiro O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA E A MINISTRA DE

Leia mais

Principais mitos que afetam o consumo de carne suína no Nordeste. Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae

Principais mitos que afetam o consumo de carne suína no Nordeste. Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae consumo de carne suína no Nordeste Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae Pesquisas existentes Cadeia produtiva Tecnificada x subsistência Mudanças no perfil do consumidor nordestino? Velocidades

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

LEVANTAMENTO DA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA E DOS ASPECTOS TECNOLÓGICOS, ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS DA CARCINICULTURA MARINHA NO BRASIL EM 2011

LEVANTAMENTO DA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA E DOS ASPECTOS TECNOLÓGICOS, ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS DA CARCINICULTURA MARINHA NO BRASIL EM 2011 LEVANTAMENTO DA INFRAESTRUTURA PRODUTIVA E DOS ASPECTOS TECNOLÓGICOS, ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS DA CARCINICULTURA MARINHA NO BRASIL EM 0 (Convênio ABCC/MPA: Nº 7678/0) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA ATIVIDADE DA CARCINICULTURA DE ÁGUA DOCE ( MACROBRACHIUM

SITUAÇÃO ATUAL DA ATIVIDADE DA CARCINICULTURA DE ÁGUA DOCE ( MACROBRACHIUM EMPRESA PERNAMBUCANA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA Vinculada à Secretaria de Produção Rural e Reforma Agrária Campo de Produção e Comercialização de Ipojuca Av. Gal. San Martin, 1371 Bongi - 50761-000 - Recife

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA. (Rachycentron canadum)

PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA. (Rachycentron canadum) PROJETO BIJUPIRÁ BAHIA (Rachycentron canadum) PANORAMA GERAL SOBRE A BAHIA PESCA Empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária da Bahia que tem a finalidade de fomentar a aqüicultura

Leia mais

AQUICULTURA NO CEARÁ SITUAÇÃO ATUAL E POTENCIALIDADES

AQUICULTURA NO CEARÁ SITUAÇÃO ATUAL E POTENCIALIDADES AQUICULTURA SITUAÇÃO ATUAL E POTENCIALIDADES Fruticultura no Ceará AQUICULTURA Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará S.A. - ADECE CEDE Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico ADECE Agência

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Figura 01 Perfil da Produção Mundial de Camarão Marinho: Cultivado e Capturado.

Figura 01 Perfil da Produção Mundial de Camarão Marinho: Cultivado e Capturado. Carcinicultura Brasileira: Processos Tecnológicos, Impactos Sócio-Econômicos, Sustentabilidade Ambiental, Entraves e Oportunidades Itamar de Paiva Rocha Eng.º de Pesca, CREA 7226-D abccam@abccam.com.br

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle

INFORMAÇÕES BÁSICAS. Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski. Integrante 1: Gislaine Cristina Bill Kaelle INFORMAÇÕES BÁSICAS Título do projeto: Nutrilápia - Elaboração de um Software de formulação de ração destinado à Tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). Equipe executora: Coordenador: Alina Stadnik Komarcheuski

Leia mais

Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural

Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural Panorama da AQÜICULTURA, janeiro, fevereiro, 2010 1 Piscicultura familiar como ferramenta para o desenvolvimento e segurança alimentar no meio rural E m 2004, o IBGE estimou que mais de 40% da população

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

Plano de Marketing ACEAQ. Junho

Plano de Marketing ACEAQ. Junho Plano de Marketing ACEAQ 2015/16 Junho 2015 Crescimento da População Mundial e demanda Crescimento da População Mundial e demanda por Alimentos Fonte: http://www.ufrgs.br/redesan/demanda mundial de alimentos

Leia mais

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007

CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 CASTANHA DE CAJU PROPOSTA DE PREÇO MÍNIMO SAFRA 2006/2007 Debora de Moura 1) Panorama Internacional O mercado da castanha de caju, embora, regional no Brasil, movimenta grandes valores mundialmente. De

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 2 - Final Por: Fernando Kubtiza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Devido a sua extensão, o texto Nutrição e alimentação foi dividido em duas partes.

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES

Carcinicultura. (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA. José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura (Camarão de Água Doce) AQUICULTURA José NAILTON Canuto e Silva Engenheiro de Pesca - IFES Carcinicultura Carcinicultura O Camarão Espécie: Macrobrachium rosenbergii Popular: camarão da Malásia

Leia mais

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 1

Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 1 Nutrição e Alimentação de Tilápias - Parte 1 Por: Fernando Kubitza, Ph.D. - Consultoria e Treinamento em Aqüicultura Obs.: Devido a sua extensão este artigo será editado em duas partes consecutivas. Dentre

Leia mais